DOS OBJETOS DE ENSINO ÀS MEDIAÇÕES FORMATIVAS: O GÊNERO PROPAGANDA SOCIAL NO CIBERESPAÇO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DOS OBJETOS DE ENSINO ÀS MEDIAÇÕES FORMATIVAS: O GÊNERO PROPAGANDA SOCIAL NO CIBERESPAÇO"

Transcrição

1 DOS OBJETOS DE ENSINO ÀS MEDIAÇÕES FORMATIVAS: O GÊNERO PROPAGANDA SOCIAL NO CIBERESPAÇO Introdução Cláudia Lopes Nascimento SAITO (UEL) Jacqueline Ribeiro FERNANDES (PG-UEL) Desde o final do século XX e início do século XXI, o que tem estado no cerne da agenda dos estudos da linguagem são os desafios enfrentados pela escola diante de um novo contexto social, considerados com Desafios Educacionais Contemporâneos (SEED, 2008): a violência, a sexualidade, a drogadição e o meio ambiente. O que torna crucial a formação de profissionais preocupados com a educação enquanto ação política de intervenção social, materializada nos contextos escolares em todos os níveis, assim como da conscientização das instituições sociais em geral para levantar o debate sobre essas problemáticas que envolvem fatores de natureza econômica, política, ideológica e cultural. Nesse sentido e para o enfrentamento desses desafios atuais que envolvem o profissional da educação, procuramos desenvolver um projeto de construção didática (CHEVALLARD, 2010) que aborde um desses temas considerados como desafios da educação na contemporaneidade, pela Secretaria da Educação do Estado do Paraná a educação ambiental na rede estadual de ensino pra, posteriormente, ser implementado em uma escola da Rede Pública de Ensino. Partindo dos conhecimentos e da experiência adquirida em pesquisas realizadas no decorrer desses últimos anos (FERNANDES e SAITO, 2009; 2010; 2011; 2012), propomos um projeto didático em que as atividades modulares contemplem os aspectos importantes relacionados ao atual quadro da Educação Ambiental no Brasil, buscando adaptar os temas ligados ao meio ambiente e à sustentabilidade nas práticas de linguagem materializadas em gêneros textuais para práticas pedagógicas em aulas de língua portuguesa. Nessa perspectiva, o objeto de ensino que norteia essa proposta é uma prática de linguagem da esfera publicitária que serve, também, como objeto de referência para o ensino

2 (SCHNEUWLY, 2009), por meio do qual os temas relacionados à Educação Ambiental se articulam nas atividades em todos os eixos organizadores do trabalho com a língua Portuguesa (DCE-PR): de leitura, produção e análise linguística de textos do gênero propaganda social. O projeto em foco é direcionado a turmas do 1º ou 2º ano do Ensino Médio-Técnico. As atividades desenvolvidas terão como forma de socialização (DOLZ, SCHNEUWLY, 2004)- uma produção que será veiculada no ciberespaço. 1. O trabalho em projetos didáticos: oportunidade para eventos de multiletramentos críticos Para que a escola se torne, de fato, uma agência de multiletramentos, abre-se uma perspectiva da formação de professor sustentada na reflexão em que se busca contemplar as demandas atuais de recursos possibilitadas com o trabalho didático sobre as práticas de linguagem materializadas em gêneros textuais. Dolz (2009) afirma que, referindo-se às dificuldades do professor para criar situações para permitir a aprendizagem, a capacidade de elaborar projetos de comunicação no contexto escolar como uma das tarefas mais importantes para o professor. Mas salienta que nem sempre é fácil identificar as atividades que supõem uma fonte de aprendizagens para os alunos, adaptar os suportes, os textos e as tarefas. Para ele, as tarefas organizadas e inseridas em uma sequência modular de atividades é uma estratégia que transforma a concepção (de ensino) do professor e a sua forma de trabalhar. A noção de gênero como megainstrumento que fornece um suporte para a atividade, nas situações de comunicação, e como uma referência para os aprendizes (DOLZ, SCHNEUWLY, 2004, p.5) abre uma possibilidade de trabalho de ensino e aprendizagem de língua portuguesa que abastece as propostas atuais de ensino - responsáveis pelas prescrições curriculares em seus aspectos teóricos e metodológicos relacionados ao tratamento didático dos objetos de ensino. Os gêneros, como instrumentos semióticos (FRIEDRICH, 2012) para mediar o desenvolvimento de capacidades de ação, discursiva e linguísticas, guiam as ações dos aprendizes e favorecem práticas situadas que vão além dos fazeres analíticos das práticas didáticas tradicionais (KLEIMAN, 2008).

3 Queiroz, Braga e Leick (2001, p.13) referindo-se aos projetos didáticos afirmam que o conhecimento sobre onde se quer chegar cria a motivação e o estímulo para o crescimento individual e coletivo; a interação com a comunidade; a valorização dos envolvidos, ao contrário dos métodos transmissivos em que o aluno é um indivíduo que treina habilidades como a memorização, repetição e imitação (QUEIROZ; BRAGA; LEICK, 2001). Para Nascimento (2009), os projetos organizados em sequências modulares permitem o diálogo entre conteúdos disciplinares que se apresentam articulados às atividades sociais, proporcionando, assim, aos alunos, a capacidade de tomar decisões e assumir responsabilidades, da mesma forma que dá à escola a possibilidade de abertura à comunidade, na qual, por meio desse leque de abrangência, ela adapte seu o currículo de modo que permita uma ação participativa e dialogal não somente por especialistas da educação, instituições não e governamentais, mas também pelos professores que são conhecedores da realidade da escola e comunidade em que atuam. Outro fator importante em um projeto modular apontado pela autora (2009) é que os agentes (professor e alunos) têm objetivos pré-determinados, cujo produto final justifica as ações propostas ao longo do desenvolvimento do trabalho. E, se falamos em objetivos comuns ao grupo, estamos trabalhando a participação colaborativa, a socialização e a afetividade - fator importante no processo ensino/aprendizagem, pois, dessa forma, o grupo trabalha em sintonia e reciprocidade de ajudas, como: a troca de informações, reflexões, discussões, de respeito às potencialidades e limitações dos colegas. 2. Multiletramento no suporte digital para mediar desafios sócio-ambientais contemporâneos Com o foco nas questões relacionas à Educação Ambiental, buscamos desenvolver atividades inseridas em um projeto didático com o gênero propaganda social de forma a integrar o tema ao currículo, ao cotidiano escolar e ao Projeto Político-Pedagógico da escola, que será lócus da pesquisa e de implementação do projeto. O objetivo geral da proposta é o de articular atividades de linguagem inseridas na problemática das práticas comprometidas com os interesses da comunidade.

4 Nessa perspectiva, consideramos pertinente ao contexto escolar o trabalho pedagógico com o gênero propaganda social, apoiado em suportes da tecnologia da comunicação e informação que constituem recursos materiais que precisam estar disponíveis nas salas de aula como aparelhos de multimídia, tela de projeção, filmadora e o acesso à internet (sites e vídeos) para que a escola tenha seu próprio site para ser hospedeiro dos textos de propaganda social produzidos pelos alunos. O trabalho didático com esse gênero para ser veiculado em uma mídia visual hipermidiática (a internet), envolve a compreensão, não como um simples ato de identificação de informações, mas como uma resposta ativa a um enunciado. Por isso, nossa preocupação é com a mediação formativa, visando à compreensão como trabalho social e não como atividade individual. As novas possibilidades criadas pelos meios digitais permitem que o texto seja abordado de maneira multimodal e, preferencialmente, multimidiática. Dessa forma, para se ter um multiletramento no suporte digital é preciso que o aluno se aproprie do comportamento instaurado nessa mídia, que vai desde as manifestações linguísticas próprias até o modo de interação com o outro, e cabe ao professor usar essa nova forma de produzir o saber para criar estratégias de ensino e aprendizagem que instaurem as informações que a rede online fornece para um desenvolvimento cognitivo, além de promover sua reflexão critica sobre a sua prática social. Para isso, o professor precisa não só preparar conteúdos e torná-los disponíveis no computador, ele também precisa motivar e guiar cada aluno, através de interação contínua e da sensação de presença. (STAHL, KOSCHMANN, SUTHERS, 2006, p. 2). Os autores consideram que, além de propiciar o que o meio cibernético dispõe, é importante a interação do saber entre os alunos, cuja aprendizagem também acontece através das suas perguntas, perseguindo conjuntamente linhas de raciocínio, ensinando um ao outro e vendo como os outros estão aprendendo.. 3. A esfera publicitária Os gêneros textuais da esfera publicitária fazem parte de nossa vida: nas revistas, na televisão, nas ruas, nos prédios, nos ônibus, nos muros e, recentemente, nas redes sociais

5 (FERNANDES e SAITO, 2011). Enquanto as propagandas comercias visam, em última instância, à venda de um produto ou à promoção de uma marca ou de uma instituição comercial, as chamadas propagandas não-comerciais têm por intuito difundir ideias. Estas geram informações e conhecimento que mobilizam o público a uma ação e podemos classificá-los em: políticos, governamentais, religiosos e, em especial, o social, entre outros ( PINHO, 1990). Na perspectiva da teoria dos gêneros do discurso, compreendemos a propaganda social como um enunciado concreto, cuja compreensão é de natureza responsiva que é a base do dialogismo (cf. BAKHTIN, 2003, p. 32). Isso quer dizer que o destinatário (ao compreender) não fica indiferente, podendo assumir diversas atitudes ou diferentes relações dialógicas, tais como de aceitação, de negociação, de confronto, de sensibilização, de réplica o que sempre será uma resposta. Por isso, o trabalho didático com esse gênero desperta a consciência dos alunos para uma compreensão responsiva ativa, levando-os a concordar, discordar, refutar, aceitar e até negar o enunciado do outro. A propaganda social (ou comunitária), às vezes, confundida com o gênero propaganda governamental, tem como propósito divulgar campanhas de preservação do meio ambiente, de acidentes de trânsito, de doenças provocadas pelo abuso do álcool, de drogas, de tabaco etc. Faz parte de programas que procuram aumentar a aceitação de um comportamento ou prática em um destinatário (grupo alvo), tendo como objetivo principal prestar um serviço de utilidade pública. Na maioria das vezes, são elaboradas e distribuídas pelo próprio Ministério da Saúde para orientar e criar uma ação preventiva na população, principalmente, a carente, podendo ser veiculadas nos mais diferentes veículos de circulação (revistas, jornais, televisão, rádios e internet) e suportes (cartazes, folders, folhetos). Entre os suportes citados, o cartaz é comumente utilizado por ser mais fácil seu acesso ao público e também são mais flexíveis que os demais, uma vez que podem ser encontrados afixados em muros, murais, paredes. Todavia, com a expansão de novas tecnologias de comunicação e informação (NTIC), passa a ser indexada por meio de suportes mais eficientes, tanto pela agilidade noticiada quanto pela quantidade maior de informações imbricadas nela.

6 4. Uma proposta de didatização do gênero propaganda social Tomando como base os procedimentos relatados por Moraes (apud LOPES-ROSSI, 2002) sobre a construção de peças publicitárias do texto de gênero propaganda social, assim como as considerações de Rojo e Moura (2012) sobre o despertar para a produção multimídia, procuramos organizar uma sequência didática (SD) que possa contribuir para incrementar os debates sobre procedimentos de intervenção didática que visam ao desenvolvimento de capacidades de recepção, compreensão e produção textual. Os módulos que compõem esse protótipo didático para multiletramentos (ROJO e MOURA, 2012) ou sequência didática (DOLZ, 2009) são apenas sugestões de atividades que o professor poderá adaptar ao contexto de ensino-aprendizagem em que se dá a sua prática, dando enfoques diferentes às tarefas, salientando aspectos ou articulando-os a objetivos específicos. Como afirma Schneuwly (2004, p 97) ao ser introduzido na escola, o gênero não é mais instrumento de comunicação somente, mas é, ao mesmo tempo, objeto de ensino-aprendizagem. Na sala de aula, o gênero sofre transformações, ocupa um novo lugar social, diferente daquele onde foi criado. No processo de transposição, passa por um processo de ficcionalização, é ao mesmo tempo objeto de ensino e é meio de comunicação, o que torna a situação fictícia. Toda introdução de um gênero na escola é o resultado de uma decisão didática que visa a objetivos precisos de aprendizagem que são sempre de dois tipos: primeiro, trata-se de aprender a dominar o gênero para melhor conhecê-lo ou apreciá-lo, para melhor saber compreendê-lo, para melhor produzi-lo na escola ou fora dela; e, em segundo lugar, de desenvolver capacidades que ultrapassam o gênero e que são transferíveis para outros próximos ou distantes. (SCHNEUWLY, 2004, p. 92). A nossa proposta de didatização desse gênero foi a de propiciar condições aos alunos do 2º ano, do Ensino Médio- Técnico para produção textual, enfatizando que esse trabalho pudesse possibilitar uma ampla circulação, da escola à rede mundial de computadores por meio de sites hospedeiros como o blog. Além disso, é importante ressaltar que essa sequência didática estava articulada a um projeto de comunicação claramente definido que é o de contribuir para a construção de uma consciência ambiental na população da cidade de Bela Vista/PR.

7 3.1 Passo a passo do projeto didático com o gênero propaganda social DURAÇÃO DA SD: 15 aulas de 50 minutos cada REQUISITOS NECESSÁRIOS AO PROFESSOR: Ser usuário/saber usar as redes sociais, principalmente, o blog. Ter conhecimento de como realizar pesquisas na internet (hiperlinks, noticiários ou release). Saber como realizar a captação de imagens do YouTube e dentro de sites de notícias; saber usar o Microsoft word e suas ferramentas de designer. PROVIDÊNCIAS PRELIMINARES: O professor deverá entrar na internet, no site do Google ( acessar o YouTube e pesquisar o assunto Como fazer uma propaganda social.gravar os vídeos que mais lhe interessar no HD do seu computador e reportar para um Pendrive. A) Ferramentas tecnológicas de ação docente: TV, DVD; laptop, tablet ou computador em laboratório de informática; câmera digital ou câmera filmadora; projetor de multimídia (datashow) B) Ferramentas tecnológicas de consulta: acesso a vídeos do YouTube e a diferentes sites da internet Início da SD: Apresentação do projeto aos alunos: os alunos vão ser expostos ao projeto e tomarão conhecimento da interação que será concretizada na produção final, quando peças publicitárias do gênero propaganda social serão apresentadas por eles à comunidade escolar depois de postado no YouTube. MÓDULO I: Objetivo de ensino: levar os alunos à leitura e à interpretação de textos referentes ao tema abordado, para que, posteriormente, em equipe, possam explorá-los em sala de aula por meio de apresentações orais com a utilização de slides.

8 A) Distribuição de quatro textos retirados do manual Série Cadernos Temáticos Dos Desafios Educacionais Contemporâneos, volume I. Mudanças climáticas- aquecimento global e saúde: uma perspectiva a partir da tropicalidade. A Agenda 21 e o desafio do século. Por uma cidade sustentável. Sociedade e meio ambiente: algumas reflexões. B) O professor explicará como será realizada a discussão de cada texto por meio de micro aulas preparada pelas equipes. MÓDULO II Objetivo de ensino: Levar os alunos a planejarem suas estratégias pedagógicas utilizadas na apresentação oral. A) A professor (a) instruirá os alunos em relação ao planejamento e execução da apresentação oral. B) Apresentação oral MÓDULO III Objetivo de ensino: Expor os alunos ao gênero enquanto prática social e a mudança que o suporte acarreta para o gênero. A) Inicialmente, os alunos terão contato com duas peças de propagandas sociais: um no suporte impresso e outra, com o mesmo texto, no suporte digital, ambas no blog do ministério da saúde:

9 Figura1. Blog do ministério da saúde com as campanhas sociais Figura 2. Propaganda social impressa A partir dessa atividade, o professor promoverá uma discussão com a sala toda sobre a diferença de público que as campanhas apresentam quando estão veiculadas em diferentes suportes. Nesse momento, o professor trabalhará o contexto de produção: As representações que o sujeito produtor coletivo (governo/marqueteiro) faz de seus destinatários em diferentes suportes: a) quem são os possíveis destinatários da propaganda social; b) sua faixa etária; c) seu gênero; d) seu nível sócio- econômico-cultural. Alunos fazem anotações no word. No momento dos debates, o professor tem que exercer o papel de mediador da interação a discussão exercendo o papel de moderador, monitorando aqueles alunos que querem monopolizar a discussão e motivando os que dela não participam. A assistência do blog constitui uma estratégia de campanha publicitária para englobar os diversos suportes que o governo utiliza para promover o tema. Além de linkar com outros meio de divulgação, como as redes sociais.

10 Neste momento, o professor entrará no facebook com os alunos para os mesmos visualizarem a interação entre o gênero e os enunciatários, discutindo a diferença entre a peça publicitária veiculada em diferentes mídias. Figura 3. Página do facebook com a campanha social sobre a AIDS e os vários gêneros de divulgação. Novamente, o professor promove uma discussão, mas agora em torno das hipóteses levantadas pelos alunos relacionadas ao contexto de produção: as representações que o sujeito produtor coletivo (governo/marqueteiro) faz de seus destinatários em diferentes suportes: a) quem são os possíveis destinatários da propaganda social; b) sua faixa etária; c) seu gênero; d) seu nível sócio- econômico-cultural. B). Reconhecimento dos diferentes sistemas de linguagem que constituem a propaganda social. Tanto no áudio, como no visual, que atuam juntos na construção textual durante sua produção e recepção. MÓDULO IV Objetivo de ensino: Propiciar aos alunos conhecimentos elementares sobre a composição de uma campanha e o porquê da propaganda social como gênero A). Pesquisa na internet sobre o uso da propaganda social em campanhas. Qual sua frequência? Qual o contexto histórico, político e cultural das propagandas? Quanto ao formato e o estilo, houve mudanças quando mudou o suporte? Os grupos expõem o resultado da pesquisa à turma em uma exposição oral, organizada no prezi. MÓDULO V

11 Objetivos de ensino: levar o aluno a refletir criticamente sobre o desafio social contemporâneo: Meio ambiente e as implicações desse tema no contexto dos alunos A) Os alunos assistirão a uma campanha que se refere aos Desafios Educacionais Contemporâneos: meio ambiente (lixo). Disponível em: Após o vídeo, o professor mediará a discussão sobre o tema e como é a ocorrência deles no colégio e na cidade onde moram. Os alunos farão anotações em seus cadernos ou tablets. Em equipes de, no máximo, quatro alunos, os mesmos discutirão sobre o tema e, em seguida, cada equipe partirá para pesquisa e aprofundamento dos conhecimentos sobre esse tema. MÓDULO VI Objetivo de ensino: produção de peças publicitárias de propagandas sociais A) As equipes que foram formadas produzirão um esboço da propaganda social no WORD, podendo usar outras ferramentas no computador, como o paint, além de também poderem utilizar a internet para a procura de imagens ou efeitos visuais para a peça de propaganda social. B) Em uma segunda etapa, a professora, após o recebimento da produção textual dos alunos, com a ajuda do power point mostrará uma propaganda social e, em conjunto, elencarão os elementos constituintes do gênero e procede-se à refacção do texto. C). Depois dessa etapa de refacção coletiva, a professora deve fazer uso de uma das ferramentas tecnológicas de ação docente e levar os alunos à produção coletiva de uma outra propaganda social. Convém que todos tenham esse texto anotado, pois a última etapa dessa oficina será a seleção da equipe que vai digitar e formatar o texto para que ele possa, finalmente, entrar no blog. MÓDULO VII Objetivos de ensino: Desenvolver capacidade de observação do funcionamento da propaganda social. A)Pedir aos alunos que, ao analisarem a propaganda, façam as seguintes anotações: 1º). os verbos que frequentemente aparecem nas propagandas ; 2º) o pronome remete ao enunciador ;

12 3º) a parte fica a chamada E o que, frequentemente, contém nela; 4º) o lugar em que se a imagem se posiciona; 5º) o tipo de texto e conteúdo que vêm no fim da propaganda. MÓDULO VIII Objetivos de ensino: Desenvolver a percepção em relação à importância da linguagem visual para a propaganda social. Recomendar aos alunos que observem uma propaganda social tendo em mente: a). as relações se estabelecem entre o texto escrito e a imagem. Se há alguma relação entre o visual e o verbal; b) os respectivos públicos e porque eles entenderiam o texto visual sem o verbal? Qual o intuito da propaganda? Figura 4. Página do facebook com a campanha social sobre o lixo. MÓDULO IX Objetivos de ensino: Capacitar para elaboração de uma Lista de Constatações das características do gênero em foco, que deverá ser digitada em WORD e afixada na parede da sala. A) Alunos, mediados pelo professor, organizam um prezi com uma Lista de constatações sobre o que foi aprendido sobre a propaganda social. Essa lista funciona como um instrumento mediador para organizar o gesto memória das aprendizagens

13 MÓDULO X IV CONALI - Congresso Nacional de Linguagens em Interação Objetivos de ensino: Socialização da sequência didática As turmas do 1º e 2º ano apresentarão, em equipe, em multimídia, à comunidade escolar as peças publicitárias do gênero textual propaganda social de acordo com o tema escolhido. A sala abrirá um blog especificamente para a divulgação das campanhas na comunidade, podendo migrar para o facebook. Considerações finais A discussão sobre as relações entre educação e novas tecnologias está longe de ser encerrada. Isso em grande parte se deve ao fato de que ainda vivemos uma fase de transição da escola tradicional para a chamada escola moderna. A educação linguística não pode deixar de trabalhar com os letramentos múltiplos, com letramentos multissemióticos e com os letramentos críticos. Dessa forma, o trabalho planejado busca recursos tecnológicos e semióticos para a presentificação dos temas relacionados à educação ambiental, materializado no gênero propaganda para que possamos como professores pesquisadores contribuir para a renovação da educação e incentivar outros professores a buscarem a articulação entre trabalho docente, tecnologia e temas enfrentados pelo círculo escolar. Referências BAKHTIN, M /VOLOSHINOV, V. N. Marxismo e filosofia da Linguagem. Problemas fundamentais do Método Sociológico na Ciência da Linguagem. Tradução de Michel Lahud e Yara F. Vieira. 7. ed. São Paulo: Hucitec, 1995.

14 BRONCKART, J. P. Atividade de linguagem, discurso e desenvolvimento humano. Organização Anna Rachel Machado e Maria de Lourdes Meirelles Matêncio. Campinas (SP): Mercado de Letras, Atividade de linguagem, textos e discursos: por um interacionismo sócio-discursivo. Tradução de Anna Rachel Machado e Péricles Cunha. São Paulo: EDUC, CHEVALLARD, Yves. La transposition didactique: du savoir savant au savoir enseigné. Paris, Ed. La Fenseé Sauvage, CLOT, Y. A função psicológica do trabalho. Petrópolis (Rio de Janeiro): Editora Vozes, DIONÍSIO, A. P. Gêneros multimodais e multiletramento. In: KARWOSKI, Acir Mario; GAYDECZKA, Beatris; BRITO, Karin Siebeneicher (orgs.). Gêneros textuais: reflexões e ensino. Palmas e União da Vitória: Kaygangue, DOLZ, J. ; GAGNON, R. & DECÂNDIO, F.R Uma disciplina emergente: a didática das línguas. In: NASCIMENTO, E. L (Org.). Gêneros textuais: da didática das línguas aos objetos de ensino. São Carlos: Claraluz, DOLZ, J. SCHNEUWLY, B.. Gêneros e progressão em expressão oral e escrita: elementos para reflexões sobre uma experiência suíça (francófona). In: SCHNEUWLY, B. DOLZ, J. Gêneros Orais e Escritos na Escola. Campinas: Mercado de Letras, Trad. de Roxane Rojo e Glaís Sales Cordeiro. FAIRCLOUGH, N. Language and power. London: Longman, MARCUSCHI, L.A. Gêneros textuais: o que são e como se constituem. Recife: Universidade Federal de Pernambuco. Texto inédito, Produção textual, análise de gêneros e compreensão.são Paulo:Parábola, NASCIMENTO, E.L. Gêneros textuais na mídia. 1. ed. Ponta Grossa: UEPG/CEFORTEC, 2004, v. 1. Seminário de Pesquisa em Ciências Humanas, UEL, 2007.v. 6. p.71.

15 ROJO, H. R. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola Editorial, ; MOURA, E. (orgs). Multiletramentos na escola. São Paulo: Parábola Editorial, SOARES, M. Linguagem e escola - uma perspectiva social. São Paulo, Ática, DCE Diretrizes Curriculares Estaduais do Paraná, Portal Dia a Dia Educação: Educação ambiental / Secretaria de Estado da Educação. Superintendência de Educação. Departamento da Diversidade. Coordenação de Desafios Educacionais Contemporâneos. - Curitiba: SEED PR., p. - (Cadernos Temáticos da Diversidade, 1).

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO DE LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL O ensino da língua espanhola no contexto da escola pública INTRODUÇÃO Este plano procura articular-se de forma integrada com o plano de trabalho institucional, que

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: PNLD, livro didático, língua estrangeira, gênero.

PALAVRAS-CHAVE: PNLD, livro didático, língua estrangeira, gênero. PNLD 2011: ANÁLISE DE UMA COLEÇÃO DE LIVRO DIDÁTICO DE INGLÊS Universidade Federal de Goiás Programa de Pós-Graduação em Letras e Linguística Mestranda: Maria Letícia Martins Campos FERREIRA mleticiaf@hotmail.com

Leia mais

OFICINA DE LÍNGUA PORTUGUESA COMO MEDIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NOS CURSOS SUBSEQÜENTES DO IFRN - CAMPUS NATAL/CIDADE ALTA

OFICINA DE LÍNGUA PORTUGUESA COMO MEDIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NOS CURSOS SUBSEQÜENTES DO IFRN - CAMPUS NATAL/CIDADE ALTA OFICINA DE LÍNGUA PORTUGUESA COMO MEDIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NOS CURSOS SUBSEQÜENTES DO IFRN - CAMPUS NATAL/CIDADE ALTA Dayvyd Lavaniery Marques de Medeiros Professor do IFRN Mestrando do PPGEP

Leia mais

Os gêneros presentes nas propostas de produção escrita de livros didáticos do Ensino Médio.

Os gêneros presentes nas propostas de produção escrita de livros didáticos do Ensino Médio. Os gêneros presentes nas propostas de produção escrita de livros didáticos do Ensino Médio. Dalva Aparecida do Carmo Constantino, UFMT, Faculdades Integradas de Rondonópolis (FAIR/UNIR). Este trabalho

Leia mais

Objetivo Geral: Levar o aluno a se apropriar das características sócio-discursivas do gênero anúncio publicitário social.

Objetivo Geral: Levar o aluno a se apropriar das características sócio-discursivas do gênero anúncio publicitário social. IDENTIFICAÇÃO Área: Língua Portuguesa. Professora PDE: Marli Gorla. Professora Orientadora: Lílian Cristina Buzato Riter. Material Didático Seqüência Didática. Plano de Aula = Módulo I = Leitura e Análise

Leia mais

NAP NÚCLEO DE ASSESSORIA PEDAGÓGICA: PROPOSIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE LÍNGUA INGLESA NA UEPG

NAP NÚCLEO DE ASSESSORIA PEDAGÓGICA: PROPOSIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE LÍNGUA INGLESA NA UEPG 110. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA NAP NÚCLEO DE ASSESSORIA PEDAGÓGICA: PROPOSIÇÕES PARA

Leia mais

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS 1 ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS INTRODUÇÃO Marilda Coelho da Silva marildagabriela@yahoo.com.br Mestrado Profissional Formação de Professores UEPB As

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BOA VISTA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA NÚCLEO DE TECNOLOGIA E DIFUSÃO EDUCACIONAL

PREFEITURA MUNICIPAL DE BOA VISTA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA NÚCLEO DE TECNOLOGIA E DIFUSÃO EDUCACIONAL PREFEITURA MUNICIPAL DE BOA VISTA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA NÚCLEO DE TECNOLOGIA E DIFUSÃO EDUCACIONAL RELATO DE EXPERIENCIA DE PROJETO COLABORATIVO VIA INTERNET ENTRE ESCOLAS MUNICIPAIS

Leia mais

ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA ACERCA DO PROJETO A CONSTRUÇÃO DO TEXTO DISSERTATIVO/ARGUMENTATIVO NO ENSINO MÉDIO: UM OLHAR SOBRE A REDAÇÃO DO ENEM

ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA ACERCA DO PROJETO A CONSTRUÇÃO DO TEXTO DISSERTATIVO/ARGUMENTATIVO NO ENSINO MÉDIO: UM OLHAR SOBRE A REDAÇÃO DO ENEM ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA ACERCA DO PROJETO A CONSTRUÇÃO DO TEXTO DISSERTATIVO/ARGUMENTATIVO NO ENSINO MÉDIO: UM OLHAR SOBRE A REDAÇÃO DO ENEM Daniela Fidelis Bezerra Túlio Cordeiro de Souza Maria Elizabete

Leia mais

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia 1. Componentes curriculares O currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia engloba as seguintes dimensões. 1.1. Conteúdos de natureza teórica Estes conteúdos

Leia mais

Sequências Didáticas para o ensino de Língua Portuguesa: objetos de aprendizagem na criação de tirinhas

Sequências Didáticas para o ensino de Língua Portuguesa: objetos de aprendizagem na criação de tirinhas Sequências Didáticas para o ensino de Língua Portuguesa: objetos de aprendizagem na criação de tirinhas Manoela Afonso UNESP - Campus Bauru-SP manoela_afonso@hotmail.com Comunicação Oral Pesquisa Concluída

Leia mais

DIGITAL STORYTELLING: O GÊNERO NARRATIVA AUTOBIOGRÁFICA DIGITAL EM AULAS DE INGLÊS

DIGITAL STORYTELLING: O GÊNERO NARRATIVA AUTOBIOGRÁFICA DIGITAL EM AULAS DE INGLÊS DIGITAL STORYTELLING: O GÊNERO NARRATIVA AUTOBIOGRÁFICA DIGITAL EM AULAS DE INGLÊS Débora Bortolon (Colégio Estadual Castelo Branco /Paraná) Terezinha Marcondes Diniz Biazi (/UNICENTRO/GP) e-mail: emebiazi@hotmail.com

Leia mais

SUA ESCOLA, NOSSA ESCOLA PROGRAMA SÍNTESE: NOVAS TECNOLOGIAS EM SALA DE AULA

SUA ESCOLA, NOSSA ESCOLA PROGRAMA SÍNTESE: NOVAS TECNOLOGIAS EM SALA DE AULA SUA ESCOLA, NOSSA ESCOLA PROGRAMA SÍNTESE: NOVAS TECNOLOGIAS EM SALA DE AULA Resumo: O programa traz uma síntese das questões desenvolvidas por programas anteriores que refletem sobre o uso de tecnologias

Leia mais

WEB-RÁDIO MÓDULO 2: RÁDIO

WEB-RÁDIO MÓDULO 2: RÁDIO WEB-RÁDIO MÓDULO 2: RÁDIO NOME DO PROJETO Web Rádio: Escola César Cals- Disseminando novas tecnologias via web ENDREÇO ELETRÔNICO www.eccalsofqx.seduc.ce.gov.br PERÍODO DE EXECUÇÃO Março a Dezembro de

Leia mais

Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental

Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental Resumo Este projeto propõe a discussão da Década de Ações para a Segurança no Trânsito e a relação dessa com o cotidiano dos alunos, considerando como a prática

Leia mais

RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE OUTUBRO DE 2012 EREM JOAQUIM NABUCO

RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE OUTUBRO DE 2012 EREM JOAQUIM NABUCO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PERNAMBUCO PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA CÍCERO WILLIAMS DA SILVA EMERSON LARDIÃO DE SOUZA MARIA DO CARMO MEDEIROS VIEIRA ROBERTO GOMINHO DA SILVA

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS. Plano de Curso 2012

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS. Plano de Curso 2012 1. EMENTA Origem e desenvolvimento dos conceitos e concepções de Letramento. Usos e funções sociais da escrita. Letramento e oralidade. Letramento, alfabetização e alfabetismo: conceitos, indicadores e

Leia mais

Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa. Prof. Juliana Pinto Viecheneski

Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa. Prof. Juliana Pinto Viecheneski Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa Prof. Juliana Pinto Viecheneski LIVRO DIDÁTICO ONTEM E HOJE A escola tem um papel fundamental para garantir o contato com livros desde a primeira infância:

Leia mais

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com 1 COMO COLOCAR AS TEORIAS ESTUDADAS NA FORMAÇÃO DO PNAIC EM PRÁTICA NA SALA DE AULA? REFLEXÕES DE PROFESSORES ALFABETIZADORES SOBRE O TRABALHO COM O SISTEMA DE NUMERAÇÃO DECIMAL Cláudia Queiroz Miranda

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1

O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1 O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1 Bruno Ciavolella Universidade Estadual de Maringá RESUMO: Fundamentado na concepção dialógica de linguagem proposta pelo

Leia mais

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO: PEDAGOGIA

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO: PEDAGOGIA SUBPROJETO: PEDAGOGIA Alfabetizar letrando com as tecnologias INTRODUÇÃO A escola necessita formar seu aluno a aprender a ler o mundo, ter autonomia para buscar seu conhecimento, incentivá-lo a ser autor

Leia mais

O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO

O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO Maria Salete da Silva Josiane dos Santos O Programa Assistência Sócio-Jurídica, extensão do Departamento de Serviço Social, funciona no Núcleo

Leia mais

COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE ENSINO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de maio de 2012

COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE ENSINO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de maio de 2012 COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE ENSINO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de maio de 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: Ensino PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO DE PUBLICAÇÃO DESTE DOCUMENTO:

Leia mais

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS A língua é um sistema que se estrutura no uso e para o uso, escrito e falado, sempre contextualizado. (Autor desconhecido)

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

EXTENSÃO DE ESPANHOL: CONTRIBUIÇÃO NA FORMAÇÃO DOS ALUNOS, DA CIDADE DOS MENINOS

EXTENSÃO DE ESPANHOL: CONTRIBUIÇÃO NA FORMAÇÃO DOS ALUNOS, DA CIDADE DOS MENINOS 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EXTENSÃO DE

Leia mais

TRANSVERSALIDADE. 1 Educação Ambiental

TRANSVERSALIDADE. 1 Educação Ambiental TRANSVERSALIDADE Os temas transversais contribuem para formação humanística, compreensão das relações sociais, através de situações de aprendizagens que envolvem a experiência do/a estudante, temas da

Leia mais

PROPAGANDA SOCIAL: UM INSTRUMENTO DIDÁTICO DE AÇÕES DOCENTES

PROPAGANDA SOCIAL: UM INSTRUMENTO DIDÁTICO DE AÇÕES DOCENTES PROPAGANDA SOCIAL: UM INSTRUMENTO DIDÁTICO DE AÇÕES DOCENTES Jacqueline Ribeiro Fernandes Pós-Graduação Universidade Estadual de Londrina Jacfer101@hotmail.com Didática e Práticas de Ensino na Educação

Leia mais

BLOG: GÊNERO TEXTUAL OU SUPORTE PARA GÊNEROS?

BLOG: GÊNERO TEXTUAL OU SUPORTE PARA GÊNEROS? BLOG: GÊNERO TEXTUAL OU SUPORTE PARA GÊNEROS? Daiane Eloísa dos Santos (G-CLCA-UENP/CJ) Geovana Lourenço de Carvalho (G-CLCA-UENP/CJ) Vera Maria Ramos Pinto (Orientadora-CLCA-UENP/CJ) Resumo: Com base

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PLANO DE ENSINO PERÍODO LETIVO/ANO 2010 Programa: Pós-Graduação stricto sensu em Educação/PPGE Área de Concentração: Sociedade,

Leia mais

ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA).

ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA). ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA). Alinne da Silva Rios Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP e-mail: alinnerios@hotmail.com Profa. Ms. Leila

Leia mais

UMA CÂMERA OU CELULAR NA MÃO E UMA IDEIA NA CABEÇA: TRABALHANDO O GÊNERO DOCUMENTÁRIO EM SALA DE AULA

UMA CÂMERA OU CELULAR NA MÃO E UMA IDEIA NA CABEÇA: TRABALHANDO O GÊNERO DOCUMENTÁRIO EM SALA DE AULA UMA CÂMERA OU CELULAR NA MÃO E UMA IDEIA NA CABEÇA: TRABALHANDO O GÊNERO DOCUMENTÁRIO EM SALA DE AULA Wanda Patrícia de Sousa Gaudêncio (UFPB/PROFLETRAS) wandapatricia@evl.com.br Sandra Regina Pereira

Leia mais

LURDINALVA PEDROSA MONTEIRO E DRª. KÁTIA APARECIDA DA SILVA AQUINO. Propor uma abordagem transversal para o ensino de Ciências requer um

LURDINALVA PEDROSA MONTEIRO E DRª. KÁTIA APARECIDA DA SILVA AQUINO. Propor uma abordagem transversal para o ensino de Ciências requer um 1 TURISMO E OS IMPACTOS AMBIENTAIS DERIVADOS DA I FESTA DA BANAUVA DE SÃO VICENTE FÉRRER COMO TEMA TRANSVERSAL PARA AS AULAS DE CIÊNCIAS NO PROJETO TRAVESSIA DA ESCOLA CREUSA DE FREITAS CAVALCANTI LURDINALVA

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

ROTINAS DE PRODUÇÃO JORNALÍSTICA NO SITE PORTAL COMUNITÁRIO

ROTINAS DE PRODUÇÃO JORNALÍSTICA NO SITE PORTAL COMUNITÁRIO 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) (X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

V Seminário de Metodologia de Ensino de Educação Física da FEUSP- 2014. Relato de Experiência INSERINDO A EDUCAÇÃO INFANTIL NO CONTEXTO COPA DO MUNDO.

V Seminário de Metodologia de Ensino de Educação Física da FEUSP- 2014. Relato de Experiência INSERINDO A EDUCAÇÃO INFANTIL NO CONTEXTO COPA DO MUNDO. V Seminário de Metodologia de Ensino de Educação Física da FEUSP- 2014 Relato de Experiência INSERINDO A EDUCAÇÃO INFANTIL NO CONTEXTO COPA DO MUNDO. RESUMO Adriana Vieira de Lima Colégio Marista Arquidiocesano

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA Quando focalizamos o termo a distância, a característica da não presencialidade dos sujeitos, num mesmo espaço físico e ao mesmo tempo, coloca se como um

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA CLAINES KREMER GENISELE OLIVEIRA EDUCAÇÃO AMBIENTAL: POR UMA PERSPECTIVA DE RELAÇÕES ENTRE

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA, LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA, LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA, LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas DISCIPLINA: Atividades de Estágio em Língua Portuguesa (Licenciatura em Letras)

Leia mais

DOCUMENTOS OFICIAIS DO GOVERNO - SUBSÍDIOS PARA A PRÁTICA DOCENTE DO PROFESSOR DE LÍNGUA ESTRANGEIRA

DOCUMENTOS OFICIAIS DO GOVERNO - SUBSÍDIOS PARA A PRÁTICA DOCENTE DO PROFESSOR DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOCUMENTOS OFICIAIS DO GOVERNO - SUBSÍDIOS PARA A PRÁTICA DOCENTE DO PROFESSOR DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Alciene Ribeiro Feitoza da SILVA 1 Módulo Centro Universitário Ao atuar na formação de professores de

Leia mais

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID BARROS, Raquel Pirangi. SANTOS, Ana Maria Felipe. SOUZA, Edilene Marinho de. MATA, Luana da Mata.. VALE, Elisabete Carlos do.

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL PROPAGANDA

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL PROPAGANDA O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL PROPAGANDA Anilda Costa Alves Jamile Alves da Silva Leônidas José da Silva Jr Universidade Estadual da Paraíba anildauepb@gmail.com milygta10@hotmail.com

Leia mais

AS HISTÓRIAS EM QUADRINHOS E O INCENTIVO À LEITURA E CRIAÇÃO TEXTUAL

AS HISTÓRIAS EM QUADRINHOS E O INCENTIVO À LEITURA E CRIAÇÃO TEXTUAL 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA AS HISTÓRIAS EM QUADRINHOS E O INCENTIVO À LEITURA E CRIAÇÃO

Leia mais

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 Ulisses F. Araújo 2 A construção de um ambiente ético que ultrapasse

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

AGENDA ESCOLAR: UMA PROPOSTA DE ENSINO/ APRENDIZAGEM DE INGLÊS POR MEIO DOS GÊNEROS DISCURSIVOS

AGENDA ESCOLAR: UMA PROPOSTA DE ENSINO/ APRENDIZAGEM DE INGLÊS POR MEIO DOS GÊNEROS DISCURSIVOS AGENDA ESCOLAR: UMA PROPOSTA DE ENSINO/ APRENDIZAGEM DE INGLÊS POR MEIO DOS GÊNEROS DISCURSIVOS Adailton Almeida Barros - adailton.almeida.barros@gmail.com (UNESPAR/FECILCAM) PIBID Subprojeto/Língua Inglesa

Leia mais

ASSESSORIA PEDAGÓGICA PORTFÓLIO DE PALESTRAS E OFICINAS

ASSESSORIA PEDAGÓGICA PORTFÓLIO DE PALESTRAS E OFICINAS Dificuldades de Palestra EF e EM Todas Conscientizar sobre as dificuldades de aprendizagem aprendizagem que podem ser manifestadas pelos alunos numa sala de aula e sugerir ações de encaminhamento, conforme

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Leitura. Escrita. Perspectiva sócio-cognitiva e interativa.

PALAVRAS-CHAVE: Leitura. Escrita. Perspectiva sócio-cognitiva e interativa. LEITURA E ESCRITA COMO PROCESSO: UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA NA PERSPECTIVA SÓCIO-COGNITIVA E INTERATIVA Marta Oliveira Barros¹ Josias Silvano Barros² ORIENTADORA: Dra. Maria de Lourdes da Silva Leandro³ RESUMO

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Artes Visuais busca formar profissionais habilitados para a produção, a pesquisa

Leia mais

GUIA DE SUGESTÕES DE AÇÕES PARA IMPLEMENTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA

GUIA DE SUGESTÕES DE AÇÕES PARA IMPLEMENTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA GUIA DE SUGESTÕES DE AÇÕES PARA IMPLEMENTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA ALFABETIZAÇÃO NO TEMPO CERTO NAs REDES MUNICIPAIS DE ENSINO SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária Apoio: Secretária municipal de educação de santo Afonso PROJETO INTERAÇÃO FAMÍLIA X ESCOLA: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA. É imperioso que dois dos principais

Leia mais

ELABORAÇÃO DE CATÁLOGO DESCRITIVO DE SITES PARA O ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA

ELABORAÇÃO DE CATÁLOGO DESCRITIVO DE SITES PARA O ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA ELABORAÇÃO DE CATÁLOGO DESCRITIVO DE SITES PARA O ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA Dayane Ribeiro da Silva (PICV/PRPPG/ UNIOESTE), Greice da Silva Castela (Orientadora), e-mail: greicecastela@yahoo.com.br

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID DETALHAMENTO DO SUBPROJETO 1. Unidade: 2. Área do Subprojeto: Dourados 3. Curso(s) envolvido(s) na proposta: Letras - Inglês Obs.: Para proposta

Leia mais

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO PARANÁ GOVERNO DO ESTADO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SEED DIRETORIA DE POLÍTICAS E PROGRAMAS EDUCACIONAIS - DPPE PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL PDE Anexo I Professor PDE FORMULÁRIO DE ACOMPANHAMENTO

Leia mais

OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010.

OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010. Resenha OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010. Leticia Macedo Kaeser * leletrasufjf@gmail.com * Aluna

Leia mais

Elaboração de projetos

Elaboração de projetos Ano: 2013 CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ARLINDO RIBEIRO Professor: ELIANE STAVINSKI PORTUGUÊS Disciplina: LÍNGUA PORTUGUESA / LITERATURA Série: 2ª A e B CONTEÚDO ESTRUTURANTE: DISCURSO COMO

Leia mais

CADERNO DE ORIENTAÇÃO DIDÁTICA PARA INFORMÁTICA EDUCATIVA: PRODUÇÃO COLABORATIVA VIA INTERNET

CADERNO DE ORIENTAÇÃO DIDÁTICA PARA INFORMÁTICA EDUCATIVA: PRODUÇÃO COLABORATIVA VIA INTERNET 1 CADERNO DE ORIENTAÇÃO DIDÁTICA PARA INFORMÁTICA EDUCATIVA: PRODUÇÃO COLABORATIVA VIA INTERNET 04/2007 Mílada Tonarelli Gonçalves CENPEC - Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária

Leia mais

BLOG: A CONSTRUÇÃO DE UM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM

BLOG: A CONSTRUÇÃO DE UM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM BLOG: A CONSTRUÇÃO DE UM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Suzana Aparecida Portes FC UNESP- Bauru/SP E-mail: suzanaapportes@gmail.com Profa. Dra. Thaís Cristina Rodrigues Tezani FC UNESP- Bauru/SP E-mail:

Leia mais

Projeto O COLUNIsta. PROJETO DE PESQUISA PIBIC/CNPq. Orientador: Vanessa Lacerda da Silva Rangel

Projeto O COLUNIsta. PROJETO DE PESQUISA PIBIC/CNPq. Orientador: Vanessa Lacerda da Silva Rangel PROJETO DE PESQUISA PIBIC/CNPq Projeto O COLUNIsta Orientador: Vanessa Lacerda da Silva Rangel Bolsista: Cleiton Paulo Venâncio Ferreira Matrícula: 002205/06 Bolsista: Camila Rodrigues dos Santos Matrícula:

Leia mais

SALA DE AULA INTERATIVA. Profa.Barbara Coelho

SALA DE AULA INTERATIVA. Profa.Barbara Coelho SALA DE AULA INTERATIVA Profa.Barbara Coelho INTERATIVIDADE O termo surgiu na França em déc. 1980. Trata-se da relação homem-máquina e homem-homem. Tem a ver com: Diálogo, comunicação, troca (entre) H-H

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Orientações para a elaboração do projeto escolar

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Orientações para a elaboração do projeto escolar MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA Coordenação-Geral de Ensino Médio Orientações para a elaboração do projeto escolar Questões norteadoras: Quais as etapas necessárias à

Leia mais

O USO DAS REDES SOCIAIS PARA O DESENVOLVIMENTO DAS HABILIDADES DO LETRAMENTO DIGITAL

O USO DAS REDES SOCIAIS PARA O DESENVOLVIMENTO DAS HABILIDADES DO LETRAMENTO DIGITAL O USO DAS REDES SOCIAIS PARA O DESENVOLVIMENTO DAS HABILIDADES DO LETRAMENTO DIGITAL 1. INTRODUÇÃO Lygia de Assis Silva Sérgio Paulino Abranches Universidade Federal de Pernambuco lygia1@hotmail.com/ Este

Leia mais

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares C M E CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NATAL/RN RESOLUÇÃO Nº 003/2011 CME Estabelece normas sobre a Estrutura, Funcionamento e Organização do trabalho pedagógico da Educação de Jovens e Adultos nas unidades

Leia mais

Um espaço colaborativo de formação continuada de professores de Matemática: Reflexões acerca de atividades com o GeoGebra

Um espaço colaborativo de formação continuada de professores de Matemática: Reflexões acerca de atividades com o GeoGebra Um espaço colaborativo de formação continuada de professores de Matemática: Reflexões acerca de atividades com o GeoGebra Anne Caroline Paim Baldoni Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho,

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. SEMESTRE ou ANO DA TURMA:2013 EMENTA OBJETIVOS

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. SEMESTRE ou ANO DA TURMA:2013 EMENTA OBJETIVOS EIXO TECNOLÓGICO:Ensino Superior Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Licenciatura em Física FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( x ) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE:

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia Área de Comunicação Produção Multimídia Curta Duração Produção Multimídia Carreira em Produção Multimídia O curso superior de Produção Multimídia da FIAM FAAM forma profissionais preparados para o mercado

Leia mais

COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR

COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR O USO DO BLOG COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR Isnary Aparecida Araujo da Silva 1 Introdução A sociedade atual vive um boom da tecnologia,

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL LUIZ SOARES ANDRADE PLANO DE AÇÃO 2015

ESCOLA ESTADUAL LUIZ SOARES ANDRADE PLANO DE AÇÃO 2015 ESCOLA ESTADUAL LUIZ SOARES ANDRADE PLANO DE AÇÃO 2015 NOVA ANDRADINA MS MARÇO DE 2015 ESCOLA ESTADUAL LUIZ SOARES ANDRADE PLANO DE AÇÃO 2015 Plano de ação a ser desenvolvido no ano letivo de 2015, pelo

Leia mais

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Resumo: O presente trabalho apresenta uma análise, que se originou a

Leia mais

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ (IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ Resumo O presente trabalho objetiva apresentar uma pesquisa em andamento que

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos.

Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos. Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos. Elizabeth Sarates Carvalho Trindade 1 Resumo: A utilização e articulação das tecnologias e mídias pela educação no processo de aprendizagem

Leia mais

Projeto Escola com Celular

Projeto Escola com Celular Projeto Escola com Celular Rede Social de Sustentabilidade Autores: Beatriz Scavazza, Fernando Silva, Ghisleine Trigo, Luis Marcio Barbosa e Renata Simões 1 Resumo: O projeto ESCOLA COM CELULAR propõe

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID DETALHAMENTO DO SUBPROJETO 1. Unidade: 2. Área do Subprojeto: Campo Grande 3. Curso(s) envolvido(s) na proposta: Letras - Inglês Obs.: Para

Leia mais

Sua Escola, Nossa Escola

Sua Escola, Nossa Escola Sua Escola, Nossa Escola Episódio: Andréa Natália e o Ensino na Fronteira Ponta Porã Resumo Esse vídeo integra a série Sua Escola, Nossa Escola, composta por dezessete programas, os quais mostram experiências

Leia mais

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA Maria Lúcia C. Neder Como já afirmamos anteriormente, no Texto-base, a produção, a seleção e a organização de textos para a EAD devem

Leia mais

PROJETOS DE LETRAMENTO, SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS E PRÁTICAS DE LETRAMENTO: INSTRUMENTOS (INTER)MEDIADORES PARA A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO DO PROFESSOR

PROJETOS DE LETRAMENTO, SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS E PRÁTICAS DE LETRAMENTO: INSTRUMENTOS (INTER)MEDIADORES PARA A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO DO PROFESSOR PROJETOS DE LETRAMENTO, SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS E PRÁTICAS DE LETRAMENTO: INSTRUMENTOS (INTER)MEDIADORES PARA A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO DO PROFESSOR Thassiana Reis Félix (PG-UEL) Maria IlzaZirondi (UEL) Resumo:

Leia mais

Projeto de Gestão Compartilhada para o Programa TV Escola. Projeto Básico

Projeto de Gestão Compartilhada para o Programa TV Escola. Projeto Básico Secretaria de Educação a Distância Departamento de Planejamento em EAD Coordenação Geral de Planejamento de EAD Programa TV Escola Projeto de Gestão Compartilhada para o Programa TV Escola Projeto Básico

Leia mais

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA OS TEXTOS

Leia mais

UMA PROPOSTA DE DRAMATIZAÇÃO PARA ABORDAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO ENSINO MÉDIO

UMA PROPOSTA DE DRAMATIZAÇÃO PARA ABORDAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO ENSINO MÉDIO UMA PROPOSTA DE DRAMATIZAÇÃO PARA ABORDAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO ENSINO MÉDIO SOUZA, Caio Henrique Bueno de 1 RODRIGUES, Davi 2 SANTOS, Edna Silva 3 PIRES, Fábio José 4 OLIVEIRA, Jully Gabriela

Leia mais

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE)

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) É o chamado do Ministério da Educação (MEC) à sociedade para o trabalho voluntário de mobilização das famílias e da comunidade pela melhoria da

Leia mais

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA JORNALISMO

Leia mais

Uma análise sobre a produção de conteúdo e a interatividade na TV digital interativa

Uma análise sobre a produção de conteúdo e a interatividade na TV digital interativa Uma análise sobre a produção de conteúdo e a interatividade na TV digital interativa Mariana da Rocha C. Silva Mariana C. A. Vieira Simone C. Marconatto Faculdade de Educação-Unicamp Educação e Mídias

Leia mais

Leitura e Literatura

Leitura e Literatura MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICAB Diretoria de Políticas de Formação, Materiais Didáticos e de Tecnologias para Educação BásicaB Leitura e Literatura Dia e Semana Nacional da Leitura

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA

OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA Uma proposta para aplicação no Programa Mais Educação Izabele Silva Gomes Universidade Federal de Campina Grande UFCG izabelesilvag@gmail.com Orientador (a): Professora

Leia mais

APRESENTAÇÃO OBJETIVO DO CURSO

APRESENTAÇÃO OBJETIVO DO CURSO 1 APRESENTAÇÃO Segundo Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Graduação em Design (2004), o curso de graduação em Design deve ensejar, como perfil desejado do formando, capacitação para a apropriação

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Publicitária

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Publicitária Área de Comunicação Tecnologia em Produção Publicitária Curta Duração Tecnologia em Produção Publicitária CARREIRA EM PRODUÇÃO PUBLICITÁRIA Nos últimos anos, a globalização da economia e a estabilização

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE O USO DA INTERNET NO PROCESSO EDUCACIONAL: O DESAFIO PARA OS PROFESSORES

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO FERNANDA SERRER ORIENTADOR(A): PROFESSOR(A) STOP MOTION RECURSO MIDIÁTICO NO PROCESSO DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

Projeto. Supervisão. Escolar. Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita

Projeto. Supervisão. Escolar. Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita Projeto de Supervisão Escolar Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita Justificativa O plano de ação do professor pedagogo é um guia de orientação e estabelece as diretrizes e os meios de realização

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Diretoria de Políticas de Formação, Materiais Didáticos e Tecnologias para a Educação Básica Coordenação Geral de Materiais Didáticos PARA NÃO ESQUECER:

Leia mais