POSIÇÃO DAS ENTIDADES MÉDICAS SOBRE O CIGARRO ELETRÔNICO. (e-cigarette, e-cig, e-ciggy, ecigar e-cigarro, ENDS)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "POSIÇÃO DAS ENTIDADES MÉDICAS SOBRE O CIGARRO ELETRÔNICO. (e-cigarette, e-cig, e-ciggy, ecigar e-cigarro, ENDS)"

Transcrição

1 POSIÇÃO DAS ENTIDADES MÉDICAS SOBRE O CIGARRO ELETRÔNICO (e-cigarette, e-cig, e-ciggy, ecigar e-cigarro, ENDS) Cigarro eletrônico não é remédio para deixar de fumar, é um novo disfarce do tabaco! O tabaco se tornou uma especiaria rapidamente introduzida nas cortes européias até alcançar a sociedade industrial emergente, em diversos formatos, de cachimbo a charuto, de rapé ao cigarro, e se tornou em pouco tempo, um dos negócios mais lucrativos do planeta. E agora, em novos (cigarro eletrônico) e velhos disfarces reabilitados, tais como o narguilé (cachimbo d água), encontram caminho para diversificar o uso e manter o lucrativo negócio das tabageiras. O cigarro eletrônico foi criado por um farmacêutico chinês Hon Lik, em Nem ele poderia imaginar que o e-cigarro alcançasse os rumos que tomou a sua invenção. O e-cigarro é proibido no Brasil, pela ANVISA desde 19 de agosto de 2009, através da RDC 46/ Apesar disso, o e-cigarro tem sido facilmente adquirido através da própria internet. De olho nos lucros que poderiam usufruir de sua comercialização, as multinacionais do tabaco 2 passaram a investir na produção e comercialização de e-cigarro e entraram definitivamente neste mercado, a ponto de a British American Tobacco (BAT) 3 ter ousado em desafiar os mecanismos reguladores da publicidade do tabaco no Reino Unido, ao exibir peças publicitárias sobre o cigarro eletrônico com atores fumando. Porque o cigarro eletrônico NÃO É um remédio, como o são as formas de reposição de nicotina tradicionais (adesivo, goma, pastilha, spray de nicotina e outros)? Conforme demonstra a figura 1, os mais comuns dispositivos do e-cigarro utilizam desde um cartucho que contém nicotina, aromatizantes ou extrato de tabaco; a uma mistura líquida com variáveis concentrações de nicotina que é injetada no dispositivo. Ao ligar o dispositivo, aciona-se uma bateria de lítio, e o fumante de e-cigarro ao fazer uma aspiração, o fluxo de ar aciona um sensor, gerando o aquecimento do líquido do refil, sendo liberada a nicotina e outras substâncias presentes na solução, através de um vapor. Assim, fumar o e-cigarro é muito similar a fumar um cigarro convencional, pois o dispositivo não é somente parecido com o cigarro, como também em alguns modelos há uma ponteira que mimetiza a ponta acesa do cigarro. E mesmo o vapor tem ingredientes que simulam a fumaça em alguns dispositivos. Tudo isso reforça o componente comportamental da dependência à nicotina, que a exemplo do cigarro convencional, a nicotina é liberada por estes dispositivos, podendo ter a sofisticação do controle da liberação a cada aspirada do fumante. A semelhança com o cigarro convencional não é meramente acidental, isto reforça o apelo para a iniciação dos jovens e a perpetuação da adição em adultos fumantes que mudam para este dispositivo para liberar a nicotina, conforme estudos de Dutra & Glantz ( 2014) 4. Na história do tabaco já aconteceu algo semelhante com a introdução dos filtros nos cigarros e a produção de cigarros com baixos teores de nicotina e alcatrão.

2 Figura 1 Como funciona o cigarro eletrônico (baseado em desenho ilustrativo da Folha de São Paulo de 13/10/2013: Apesar da proibição, cigarro eletrônico se dissemina em S. Paulo, de Feliti C. e col.)

3 Em estudo transversal com amostra de adolescentes entrevistados em 2011 e 2012 no National Youth Tobacco Survey, Dutra & Glantz concluíram que o uso do e-cigarro associou-se ao aumento da chance de o jovem se tornar fumante. Além disso, o uso do e-cigarro estava associado ao tabagismo mais pesado e com redução do período de abstinência para fumar. O estudo concluiu que o uso de e- cigarro não desencoraja o jovem a fumar, e pode estimular o uso de e-cigarro entre os adolescentes americanos. 4 Zhu e col, (2013) 5 realizaram estudo populacional sobre o uso e percepção dos e-cigarro e snus nos EUA. Os resultados mostraram que 75,4% deles já tinham ouvido falar sobre e-cigarros. Cerca de 8% haviam tentado fumar e-cigarros, e 1,4% eram usuários atuais. Entre os fumantes atuais, 32,2% experimentaram e-cigarros, e 6,3% eram usuários atuais. Mais de 80% dos atuais usuários do e-cigarro eram usuários ocasionais. As mulheres eram significativamente mais propensas a experimentar e-cigarros do que os homens. Quase metade (49,5%) dos fumantes atuais era suscetível ao uso de cigarros eletrônicos no futuro. Até o momento, nós não dispomos de dados nacionais sobre o consumo de cigarros eletrônicos no Brasil. O cigarro eletrônico, a Convenção-Quadro para o Controle do Tabaco e o posicionamento das entidades médicas brasileiras A Organização Mundial da Saúde (OMS) 6 planeja regular o cigarro eletrônico sob as mesmas prescrições nas quais os demais produtos derivados do tabaco estão incluídos. Esta postura da OMS é a que defende também as entidades médicas signatárias deste documento. As preocupações dos expertos em tabagismo da OMS são reverberadas por grande parte da comunidade científica internacional que acompanha, apóia e realiza pesquisas na área de controle do tabagismo. 7 Estas vão desde a falta de informações sobre os níveis de nicotina e das demais substâncias liberadas pelos dispositivos dos e-cigarros ao receio de que a disseminação de seu uso, em larga escala, resulte em um processo de reabilitação do tabaco e isto acarrete um grave processo com a flexibilização das legislações e o gradual enfraquecimento das políticas para prevenção e controle do tabagismo em todo o mundo. Uma das políticas que poderia ser afetada, de imediato, é a que dispõe sobre os ambientes fechados livres da fumaça do tabaco (Art. 8º da CQCT), uma vez que os dispositivos liberam vapor e não a fumaça dos cigarros convencionais, como seria regulado o seu uso em ambientes fechados? Quais seriam os riscos dos constituintes do vapor no ambiente? Contudo, reconhecemos que o tema tem gerado controvérsias no meio científico. Há grupos de pesquisadores da União Européia que vem defendendo que os cigarros eletrônicos poderiam impactar na epidemia do tabagismo e, que os mesmos possam ser considerados como substitutos da nicotina e que o seu consumo deveria ser regulado e a dispensação deveria ocorrer inclusive em farmácias, como se fossem medicamentos similares à terapia de reposição da nicotina. As entidades médicas brasileiras consideram que o ponto de vista este grupo de pesquisadores está profundamente equivocado. Pelo contrário, há o temor de que um verdadeiro tsunami no consumo de cigarro eletrônico gere uma nova onda epidêmica de tabagismo, a partir da substituição ou associação ao consumo do formato convencional de consumo cigarros industrializados para o eletrônico, leve a que muitos jovens comecem a experimentação e iniciação do uso de tabaco, através destes dispositivos, pela atração natural que a tecnologia desperta, pelos sabores adicionados e pelo marketing agressivo, que, aliás, sempre foi voltado para este público.

4 O posicionamento das entidades médicas brasileiras a partir da emissão dos Alertas CFM no. 001//14 de 29 de agosto de 2014 é o mesmo recém adotado pela reconhecida American Heart Association, em comunicado dirigido ao público médico e a sociedade americana. 8 Em junho de 2014, um grupo de renomadas instituições de pesquisa no campo da saúde pública e de 122 pesquisadores de vários países de todos os continentes, liderados pelo Dr. Simon Shapman, da Escola de Saúde Pública, da Universidade de Sidney na Austrália, assinaram uma carta e enviaram um documento para a Organização Mundial da Saúde, se posicionando a favor do controle dos cigarros eletrônicos dentre as prescrições da CQCT, e manifestando as preocupações da comunidade científica em relação ao seu uso para fins terapêuticos sem que haja estudos científicos robustos que corroborem tal afirmativa, além dos riscos para a saúde humana dos componentes e, da experimentação e iniciação no consumo do tabaco pelos jovens. Na mesma carta os especialistas sugerem que a OMS insira efetivamente os e-cigarros nas prescrições contidas nos art. 8º e 13º da CQCT. Haverá retrocesso com o retorno da publicidade e o incentivo a experimentação pelos jovens? Pesquisas recentes realizadas nos EUA revelaram que houve um aumento considerável de experimentação dos cigarros eletrônicos entre os jovens. Entre 2011 e 2012, nos EUA, houve um aumento de 0,5% no uso do e-cigarro entre os estudantes do ensino fundamental, enquanto entre os estudantes do ensino básico o aumento chegou a 1,3%. 9 A propaganda de cigarros que se encontrava banida dos meios de comunicação em massa desde os anos 90, ressurgiu de forma acintosa no Reino Unido, através de anúncios de cigarros eletrônicos veiculados na televisão com atores consagrados, o mesmo aconteceu em eventos que chamam atenção do público jovem como na entrega do Grammy em Ou seja, todo o emponderamento alcançado ao longo das últimas décadas com as prescrições, regulamentos e legislações restritivas preconizadas pela CQCT OMS pode ter seus alicerces seriamente abalados pela introdução do cigarro eletrônico em larga escala. O cigarro eletrônico deve ser regulado e atender as mesmas prescrições da CQCT? As agências reguladoras, como a Federal & Drug Administration (FDA) 11 nos EUA, e a ANVISA 1 (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) no Brasil vem envidando esforços no sentido de colocar sob vigilância e regulamentar estes dispositivos de fumar, enquadrando-os nas mesmas regras que têm os demais derivados do tabaco, pois liberam nicotina que causa a dependência além de outras substâncias tóxicas no vapor que chega até as vias respiratórias do fumante e de quem, porventura esteja próximo a este, dentro do espectro de proteger a saúde pública. O Parlamento da União Européia 12 aprovou uma diretriz, em fevereiro de 2014, que enquadra o dispositivo do e-cigarro nas mesmas regras do cigarro comum. Se esta regulamentação por aprovada por todos os países do bloco, ela passará a vigorar em O uso do cigarro eletrônico é seguro? É muito importante para o meio médico ter respostas para estas questões, pois a difusão do e-cigarro e a publicidade na web tem levado o público leigo a experimentar, ou mesmo, a tentar substituir o cigarro convencional na tentativa de parar de fumar, considerando o que vem sendo divulgado na mídia, de que esta forma de cigarro não seja nociva à saúde, ao ponto de muitos afirmarem que não se consideram fumantes. Para a OMS 13, a segurança no uso dos e-cigarro não está cientificamente demonstrada para que seu uso seja recomendado pelos médicos ou pelas autoridades sanitárias como meio para abandonar o tabagismo. Além disso, eles não são inócuos.

5 Os estudos realizados com e-cigarros ainda não permitem afirmar que ajudam as pessoas a parar de fumar. Os estudos populacionais longitudinais mostram que o uso do e-cigarro está associado a menores chances de interrupção do tabagismo. Ensaio clínico randomizado comparando e-cigarros com uso de adesivos de nicotina (TRN) mostrou que no contexto de suporte comportamental de pequena intensidade; as taxas de cessação daqueles que usaram e-cigarros foram baixas e similares à dos que utilizaram a TRN. 14 Há um elevado nível de dupla utilização de e-cigarros e cigarros convencionais entre os fumantes adultos. A esperança de que os e-cigarros irão reduzir os danos ao liberar a nicotina "limpa" não irá acontecer, se os usuários fizerem o uso dual, ou seja, continuarem a fumar os cigarros convencionais. Os riscos potenciais que o consumo de e-cigarros representa para a saúde dos usuários ainda não são bem conhecidos. Além disso, os testes científicos indicam que os produtos variam muito na quantidade de nicotina e de outros produtos químicos que constituem o vapor que libera a nicotina, e que não existe nenhum modo seguro para os consumidores saberem o que está realmente sendo liberado pelo produto que adquiriram. Usar os e-cigarros e continuar a fumar os cigarros convencionais confere essencialmente um completo risco cardiovascular. O risco de câncer só é modestamente afetado porque o tempo de duração do tabagismo é mais importante do que a intensidade de fumar, além disso, iria requerer um longo tempo de seguimento dos usuários de e-cigarros, devido a este tempo de latência para o desenvolvimento do câncer. E-cigarros liberam níveis mais baixos níveis de toxinas do que os cigarros convencionais, mas eles ainda liberam algumas toxinas. E-cigarros poluem menos o ar do que os cigarros convencionais, mas eles ainda assim também poluem o ar. Eles não apenas emitem um "vapor de água inofensivo", pois substâncias tóxicas em tipos e graus variáveis de concentração são liberadas, incluindo as nitrosaminas nicotínicas. Quanto às substâncias presentes nos dispositivos de e-cigarro, tem sido revelado que a maioria deles contém grandes concentrações de propileno glicol, substância que inalada provoca irritação nas vias aéreas, outros produtos tóxicos têm sido detectados, em concentrações variáveis. Há ainda a formação de nitrosaminas específicas do tabaco 15, - ainda que em menores concentrações do que nos cigarros convencionais ; liberação de metais pesados; formaldeído e de benzeno, que são agentes reconhecidos como carcinogênicos pela International Agency Research Cancer (IARC). 16 As pessoas passivamente expostas ao aerossol (vapor) de e -cigarros absorvem nicotina (medida como seu metabólito, a cotinina), com um estudo mostrando níveis comparáveis aos dos fumantes passivos. Há pouca pesquisa sobre os efeitos diretos de saúde

6 Um estudo mostrou efeitos pulmonares de curto prazo Evidência de citotoxicidade em animais e humanos em testes in vitro. Além disso, a FDA e o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) 17,18 dos EUA tem emitido alertas em 2014 sob registro de intoxicações em crianças que tiveram exposição ao líquido dos dispositivos de e-cigarros (Gráfico 1). O uso desses produtos pode representar um risco de envenenamento por nicotina (ou seja, se uma criança de 30 quilos de peso engole o conteúdo de um cartucho de nicotina de 24mg isso pode causar intoxicação aguda de nicotina e provocar sua morte) e um risco para a dependência de nicotina. Gráfico 1: Número de chamadas para centros de informação de intoxicação por exposição a substâncias de cigarros convencionais ou e-cigarros, por mês, EUA, setembro 2010 fevereiro Qual seria a recomendação fundamental para os médicos e os gestores de saúde? Os estudos realizados com e-cigarros ainda não permitem afirmar que ajudam as pessoas a parar de fumar. Os estudos populacionais longitudinais mostram que o uso do e-cigarro está associado a menores chances de interrupção do tabagismo. Ensaio clínico randomizado comparando e-cigarros com uso de adesivos de nicotina (TRN) mostrou que no contexto de suporte comportamental de pequena intensidade; as taxas de cessação daqueles que usaram e-cigarros foram baixos e similares à dos que utilizaram a TRN. Há um elevado nível de dupla utilização de e-cigarros e cigarros convencionais entre os fumantes adultos. A esperança de que os e-cigarros irão reduzir os danos ao liberar a nicotina "limpa" não irá acontecer, se os usuários fizerem o uso dual, ou seja, continuarem a fumar os cigarros convencionais.

7 Continuar a fumar cigarros convencionais confere essencialmente um completo risco cardiovascular. O risco de câncer só pode é modestamente afetado porque o tempo de duração do tabagismo é mais importante do que a intensidade de fumar. E-cigarros liberam níveis mais baixos níveis de toxinas do que os cigarros convencionais, mas eles ainda liberam algumas toxinas. As pessoas passivamente expostos ao aerossol (vapor) de e -cigarros absorvem nicotina (medida como seu metabólito, a cotinina), com um estudo mostrando níveis comparáveis aos dos fumantes passivos. 19 Há pouca pesquisa sobre os efeitos diretos à saúde, um estudo mostrou efeitos pulmonares de curto prazo. Há evidência de citotoxicidade em animais e humanos em testes in vitro. Em síntese, a posição do Conselho Federal de Medicina, respaldada pelas evidências atualmente disponíveis alerta aos médicos que não devem recomendar o uso dos e-cigarros, seja para ajudar o fumante na tentativa de parar de fumar ou, na tentativa para reduzir o número de cigarros fumados, pois não há evidências científicas que sustentem o uso dos e-cigarros em ambas as situações. Sumário com as principais evidências sobre os Cigarros Eletrônicos 7 Fatos: E-cigarros estão evoluindo rapidamente e sendo comercializados como foram os entre as décadas de A publicidade e agressivo marketing estão de volta na mídia, inicialmente em anúncios em rádio e televisão (contrariando as proibições a partir do marco da CQCT) A exibição do produto de forma agressiva em lojas de conveniência (ao lado de guloseimas) ou em drogarias (ao lado de medicamentos) Os jovens estão experimentando e adotando rapidamente os e-cigarros, podendo substituir a iniciação e a dependência por e-cigarros. Os e-cigarros contêm aditivos que conferem sabores (p.ex., cereja, chocolate) Elevados níveis de dupla utilização, tanto dos cigarros convencionais quanto dos e- cigarros. Os jovens que usam e-cigarros são fumantes mais pesados (não light ) Os jovens que usam e-cigarros são muito menos propensos a parar de fumar. As relações temporais e causais entre o uso do e-cigarro e o tabagismo ainda não tem sido determinadas. Os estudos realizados com e-cigarros ainda não permitem afirmar que ajudam as pessoas a parar de fumar. Os estudos populacionais longitudinais mostram que o uso do e-cigarro está associado a menores chances de interrupção do tabagismo.

8 Ensaio clínico randomizado comparando e-cigarros com uso de adesivos de nicotina (TRN) mostrou que no contexto de suporte comportamental de pequena intensidade; as taxas de cessação daqueles que usaram e-cigarros foram baixos e similares à dos que utilizaram a TRN. Há um elevado nível de dupla utilização de e-cigarros e cigarros convencionais entre os fumantes adultos. A esperança de que os e-cigarros irão reduzir os danos ao liberar a nicotina "limpa" não irá acontecer, se os usuários fizerem o uso dual, ou seja, continuarem a fumar os cigarros convencionais. Continuar a fumar cigarros convencionais confere essencialmente um completo risco cardiovascular. O risco de câncer só pode é modestamente afetado porque o tempo de duração do tabagismo é mais importante do que a intensidade de fumar. E-cigarros liberam níveis mais baixos níveis de toxinas do que os cigarros convencionais, mas eles ainda liberam algumas toxinas. E-cigarros poluem menos o ar do que os cigarros convencionais, mas eles também poluem o ar Eles não apenas emitem um "vapor de água inofensivo" As pessoas passivamente expostos ao aerossol (vapor) de e -cigarros absorvem nicotina (medida como seu metabólito, a cotinina), com um estudo mostrando níveis comparáveis aos dos fumantes passivos. Há pouca pesquisa sobre os efeitos diretos de saúde Um estudo mostrou efeitos pulmonares de curto prazo Evidência de citotoxicidade em animais e humanos em testes in vitro. Enquanto há alguns anos as companhias originais de e-cigarro estavam competindo com as empresas de cigarro convencional, agora todas as grandes empresas de cigarro estão investindo pesadamente no negócio de e-cigarro. As empresas de e-cigarros estão usando as mesmas estratégias lobistas políticas e públicas utilizadas pelas empresas dos cigarros convencionais (suporte às organizações de usuários, p.ex.) A política de e-cigarro em muitos países é dominada por suposições sobre o uso benéfico (utilidade como ajuda à cessação ou de redução de danos), a qual não é suportada pelas evidências disponíveis até o momento. Para impactar na experimentação e consumo dos e-cigarros, deveriam ser implementadas as seguintes políticas: Proibir o uso de e-cigarros em qualquer lugar onde o uso de cigarros convencionais é proibido (como nos ambientes livres de tabaco).

9 Aplicar as mesmas restrições à publicidade e- cigarro e promoção aplicáveis aos cigarros convencionais. Proibir o uso de sabores que caracterizam os e-cigarros. Não dar crédito às alegações de que os e-cigarros são eficazes auxiliares na cessação do tabagismo até que haja evidência científica convincente de que tais alegações sejam verdadeiras para os e-cigarros como eles são utilizados, na realidade, utilizados na população em geral. Regulamentar os e-cigarros para estabelecer normas para o desempenho do produto, a fim de minimizar os riscos para os usuários e transeuntes. Como o produto já se encontra amplamente difundido no mercado, e as evidências científicas associadas aos e-cigarros estejam evoluindo de forma rápida: Toda a legislação e regulamentos relacionados com e-cigarros deve permitir a flexibilidade para serem adaptadas. As regulações devem ser expedidas em resposta aos novos dados científicos, incluindo a avaliação dos diferentes modelos de regulação de e-cigarros Nenhum país ou jurisdição deveria ser obrigado a permitir a venda de e-cigarros A legislação e as regulamentações sobre e-cigarros precisa levar em conta o fato de que, ao contrário dos cigarros convencionais e outros produtos do tabaco, e da nicotina medicinal (TRN), os e-cigarros podem ser alterados pelos usuários para liberar a entrega de nicotina e serem usados para outras drogas Deve-se exigir transparência no papel das empresas e-cigarro e tabaco em advogar a favor e contra a legislação e regulamentação, tanto diretamente como através de terceiros. O artigo 5.3 da CQCT prescreve que devem ser respeitadas as regulamentações no desenvolvimento e aplicação da legislação, no que se relacione aos e-cigarros. Referências consultadas 1 ANVISA. Resolução RDC no. 46, de 28 de agosto de Proíbe a comercialização, a importação e a propaganda de quaisquer dispositivos eletrônicos para fumar, conhecidos como cigarros eletrônicos, e- cigarettes, e-ciggy, ecigar, entre outros, especialmente os que aleguem substituição de cigarro, cigarrilha, charuto, cachimbo e similares no hábito de fumar ou objetivem alternativa no tratamento do tabagismo. D. Oficial da União, 31/8/ Tobacco Tactics. Update February 2014: E-cigarettes: At The Pharmacy - Imperial at Boots, BAT at Lloyds Pharmacy. 3 The Guardian. E-cigarette television advertising to be investigated. Tuesday 4 March Available on 4 Dutra LM, Glantz SA. Electronic Cigarettes and Conventional Cigarette Use Among US Adolescents: A Cross-sectional Study. JAMA Pediatr Mar 6. doi: /jamapediatrics Zhu S-H, Gamst A, Lee M, Cummins S, Yin L, et al. (2013) The Use and Perception of Electronic Cigarettes and Snus among the U.S. Population. PLoS ONE 8(10): e doi: /journal.pone

10 6 WHO. Tobacco Free Initiative. Questions and answers on electronic cigarettes (e-cigarettes) or electronic nicotine delivery systems (ENDS). Available on 7 WHO. Tobacco Free Initiative. Background paper on e-cigarettes (Electronic Nicotine Delivery System). Center for Tobacco Control Research and Education. University of California, San Francisco. WHO Collaborating Center on Tobacco Control. December, Available on 8 Bhatnagar A, Whitsel LP, Ribisi KM et al. Tobacco Free Initiative. Electronic Cigarettes: A Policy Statement From the American Heart Association. Circulation. published online August 24, Available on 9 Centers for Disease Control and Prevention. Morbidity and Mortality Weekly Report (MMWR). Tobacco Product Use Among Middle and High School Students United States, 2011 and 2012 November 15, 2013 / 62(45); DAILY MAIL Online. Holy smokes! Leonardo DiCaprio and Julia Louis-Dreyfus puff away INSIDE the Golden Globes... but they keep it legal with electronic cigarettes. 13 Jan INSIDE-Golden-Globes-legal-electronic-cigarettes.html 11 Federal and Drug Administration. FDA proposes to extend its tobacco authority to additional tobacco products, including e-cigarettes. April 24, Available on 12 European Commission. Public Health. Revision of the Tobacco Products Directive. The European Parliament formally approves the revised Tobacco Products, 26 Feb Available on 13 WHO. Tobacco Free Initiative. Questions and answers on electronic cigarettes (e-cigarettes) or electronic nicotine delivery systems (ENDS). Available on 14 Bullen C, Howe C, Laugesen M, McRobbie H, Parag V, Williman J, Walker N. Electronic cigarettes for smoking cessation: a randomised controlled trial. Lancet Nov 16;382(9905): doi: /S (13) Epub 2013 Sep Federal and Drug Administration. Department of Health & Human Services. Center for Drug Evaluation and Research. Evaluation of e-cigarettes. Report May 4, Available on 16 International Agency for Cancer Research. Etiology of cancer. Chapter Centers for Disease Control and Prevention. Morbidity and Mortality Weekly Report (MMWR). Notes from the Field: Calls to Poison Centers for Exposures to Electronic Cigarettes United States, September 2010 February Weekly April 4, 2014 / 63(13); Available on 18 Food and Drug Administration. News and events electronic cigarettes (e-cigarettes). Silver Spring, Maryland: US Department of Health and Human Services, Food and Drug Administration; Available at 19 Czogala J1, Goniewicz ML, Fidelus B, Zielinska-Danch W, Travers MJ, Sobczak A. Secondhand exposure to vapors from electronic cigarettes.nicotine Tob Res Jun;16(6): doi: /ntr/ntt203. Epub 2013 Dec 11. Pesquisa e texto básico: Alberto José de Araújo, Pneumologista & Sanitarista, PhD, especialista em tabagismo pela Escola Médica Pós Graduação PUC-Rio; Fellow in Environmental & Occupational Diseases PAHO/NIH. Mt. Sinai School Medicine NY; Membro das Comissões de Tabagismo da SBPT, AMB e CFM. Coordenador do Núcleo de Estudos e Tratamento do Tabagismo (NETT) Instituto de Doenças do Tórax/UFRJ.

ALERTA CFM Nº001/14. CONSIDERANDO os riscos à saúde relacionados à prática do tabagismo

ALERTA CFM Nº001/14. CONSIDERANDO os riscos à saúde relacionados à prática do tabagismo ALERTA CFM Nº001/14 EMENTA: Fortalecimento do combate ao tabagismo, com foco na orientação à sociedade sobre os riscos relacionados ao consumo do narguilé e do cigarro eletrônico (e-cigarro). O CONSELHO

Leia mais

CIGARRO ELETRÔNICO: UM NOVO DESAFIO PARA A SAÚDE PÚBLICA

CIGARRO ELETRÔNICO: UM NOVO DESAFIO PARA A SAÚDE PÚBLICA CENTRO DE ESTUDO DA ENSP / FIOCRUZ Rio de Janeiro, 21 de maio 2014 CIGARRO ELETRÔNICO: UM NOVO DESAFIO PARA A SAÚDE PÚBLICA Tânia Cavalcante Secretaria Executiva da Comissão Nacional para Implementação

Leia mais

Avaliação das políticas de ambientes livres de fumo

Avaliação das políticas de ambientes livres de fumo Avaliação das políticas de ambientes livres de fumo Andrew Hyland, PhD Roswell Park Cancer Institute 2007 Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health Seção A Visão Geral 2007 Johns Hopkins Bloomberg

Leia mais

Programa Nacional de Controle do Tabagismo AMBIENTE LIVRE DO TABACO

Programa Nacional de Controle do Tabagismo AMBIENTE LIVRE DO TABACO Programa Nacional de Controle do Tabagismo AMBIENTE LIVRE DO TABACO Coordenação de Vigilância em Saúde do Trabalhador Gerência de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador Superintendência de

Leia mais

O fumo e a saúde: uma atualização

O fumo e a saúde: uma atualização O fumo e a saúde: uma atualização Jonathan M. Samet, MD, MS Diretor do Instituto para Saúde Mental da USC (USC Institute for Global Health) Professor e Presidente do Flora L. Thornton, Departamento de

Leia mais

As mulheres e o tabaco

As mulheres e o tabaco As mulheres e o tabaco Natasha Jategaonkar, MSc British Columbia Centre of Excellence for Women s Health Aliança da Convenção-Quadro 2007 Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health Objetivos do aprendizado

Leia mais

Envolvimento dos profissionais da saúde no controle do tabagismo

Envolvimento dos profissionais da saúde no controle do tabagismo Envolvimento dos profissionais da saúde no controle do tabagismo Prof. Javaid Khan, FRCP (Edin) Setor Principal de Medicina de Cuidado Pulmonar e Crítico The Aga Khan University, Karachi, Paquistão Envolvimento

Leia mais

A METODOLOGIA DO TRATAMENTO DO TABAGISMO NO SUS

A METODOLOGIA DO TRATAMENTO DO TABAGISMO NO SUS A METODOLOGIA DO TRATAMENTO DO TABAGISMO NO SUS I Encontro de Profissionais de Saúde para Abordagem e Tratamento do Tabagismo na Rede SUS Ricardo Henrique Sampaio Meirelles Divisão de Controle do Tabagismo

Leia mais

LEGISLAÇÃO FEDERAL SOBRE TABACO NO BRASIL

LEGISLAÇÃO FEDERAL SOBRE TABACO NO BRASIL LEGISLAÇÃO FEDERAL SOBRE TABACO NO BRASIL I) PROTEÇÃO À SAÚDE I.a) PROTEÇÃO CONTRA OS RISCOS DA EXPOSIÇÃO À POLUIÇÃO TABAGÍSTICA AMBIENTAL Portaria Interministerial n.º 3.257 (22 de setembro de 1988) Recomenda

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde

Direcção-Geral da Saúde Assunto: Para: Medidas de protecção contra a exposição ao fumo ambiental do tabaco em estabelecimentos onde sejam prestados cuidados de saúde aplicação da Lei n.º 37/2007 de 14 de Agosto. Todos os serviços

Leia mais

Tabagismo como problema de Saúde Pública

Tabagismo como problema de Saúde Pública Tabagismo como problema de Saúde Pública MINISTÉRIO DA SAÚDE INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER COORDENAÇÃO DE PREVENÇÃO E VIGILÂNCIA Tabagismo Segundo a Organização Mundial de Saúde: Doença crônica transmissível,

Leia mais

Mas se fumar é tão perigoso, por quê as pessoas começam a fumar? Introdução

Mas se fumar é tão perigoso, por quê as pessoas começam a fumar? Introdução Introdução O tabagismo é considerado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) a principal causa de morte evitável em todo o mundo. Introdução Introdução Cerca de um terço da população mundial adulta (1

Leia mais

Perguntas e respostas

Perguntas e respostas Perguntas e respostas Por que cigarros, charutos, cachimbo, fumo de rolo e rapé fazem mal à saúde? Todos esses derivados do tabaco, que podem ser usados nas formas de inalação (cigarro, charuto, cachimbo,

Leia mais

Vigilância de fatores de risco: Tabagismo

Vigilância de fatores de risco: Tabagismo Universidade Federal Fluminense Instituto de Saúde da Comunidade MEB Epidemiologia IV Vigilância de fatores de risco: Tabagismo Maria Isabel do Nascimento MEB/ Departamento de Epidemiologia e Bioestatística

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE DO TABAGISMO

PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE DO TABAGISMO PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE DO TABAGISMO Programa Nacional de Controle do Tabagismo OBJETIVOS Reduzir a morbi-mortalidade causada pelo tabagismo Reduzindo prevalência de fumantes Prevenção da iniciação

Leia mais

Controlo e Prevenção do Tabagismo CONCURSO DE IDEIAS

Controlo e Prevenção do Tabagismo CONCURSO DE IDEIAS Sara Madeira - Medicina Geral e Familiar Nuno Miguel Rodrigues - Anestesiologia Instituto Medicina Preventiva - Faculdade Medicina de Lisboa Convenção Quadro - Controlo do tabaco Tratado internacional

Leia mais

Departamento de Epidemiologia www.onsa.pt SEMANA ABERTA NO INSA. Teresa Contreiras Carlos Dias Eleonora Paixão

Departamento de Epidemiologia www.onsa.pt SEMANA ABERTA NO INSA. Teresa Contreiras Carlos Dias Eleonora Paixão Departamento de Epidemiologia www.onsa.pt SEMANA ABERTA NO INSA Teresa Contreiras Carlos Dias Eleonora Paixão 1 Alguns factos históricos da epidemia tabágica Consumo de cigarros raro em 1900 (EUA: 54 cig/pessoa/ano)

Leia mais

Newsletter Novembro 2011 Grupo Tabagismo Região Centro. O tabagismo em tempo de crise. Cigarro Eletrónico Cigarro fora da Lei!

Newsletter Novembro 2011 Grupo Tabagismo Região Centro. O tabagismo em tempo de crise. Cigarro Eletrónico Cigarro fora da Lei! Newsletter Novembro 2011 Grupo Tabagismo Região Centro EDITORIAL O tabagismo em tempo de crise A crise, actualmente domina tudo e todos, e é presumível que a dependência Tabágica, condicionada por este

Leia mais

A GPDTA E O CONTROLE DOS PRODUTOS DERIVADOS DO TABACO. sexta-feira, 16 de março de 12

A GPDTA E O CONTROLE DOS PRODUTOS DERIVADOS DO TABACO. sexta-feira, 16 de março de 12 A GPDTA E O CONTROLE DOS PRODUTOS DERIVADOS DO TABACO Lei 9.782/99 - Anvisa art. 8º, 1º, inciso X regulamentar, controlar, fiscalizar os produtos que envolvam risco à saúde, dentre eles os cigarros, cigarrilhas,

Leia mais

Como evitar 100 milhões de mortes pelo tabagismo

Como evitar 100 milhões de mortes pelo tabagismo Como evitar 100 milhões de mortes pelo tabagismo Thomas R. Frieden, MD, MPH Departamento de Saúde e Higiene Mental da Cidade de Nova York (New York City Department of Health and Mental Hygiene) 2007 Johns

Leia mais

ACT, FIOCRUZ E UFF LANÇAM ESTUDO SOBRE POLÍTICAS DE CONTROLE DO TABAGISMO E A RELAÇÃO COM A POBREZA

ACT, FIOCRUZ E UFF LANÇAM ESTUDO SOBRE POLÍTICAS DE CONTROLE DO TABAGISMO E A RELAÇÃO COM A POBREZA ACT, FIOCRUZ E UFF LANÇAM ESTUDO SOBRE POLÍTICAS DE CONTROLE DO TABAGISMO E A RELAÇÃO COM A POBREZA A Aliança de Controle do Tabagismo ACT, o Centro de Estudos sobre Tabaco e Saúde da Escola Nacional de

Leia mais

Efeitos do tabagismo passivo sobre a saúde

Efeitos do tabagismo passivo sobre a saúde Efeitos do tabagismo passivo sobre a saúde Jonathan Samet, MD, MS Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health 2007 Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health O que é Tabagismo Passivo? Fumaça

Leia mais

Formulário para envio de contribuições em Consulta Pública. Apresentação e orientações

Formulário para envio de contribuições em Consulta Pública. Apresentação e orientações Formulário para envio de contribuições em Consulta Pública FORMULÁRIO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES EM CONSULTA PÚBLICA Apresentação e orientações Este Formulário possui a finalidade de enviar contribuições

Leia mais

ESCOLA PROMOTORA DE SAÚDE

ESCOLA PROMOTORA DE SAÚDE ESCOLA PROMOTORA DE SAÚDE ÁREA 100% LIVRE DE FUMAÇA ESCOLA PROMOTORA DE SAÚDE O QUE É EPS? ESCOLA QUE PROPORCIONA UM ENTORNO MAIS SAUDÁVEL, SEGURO E APROPRIADOS PARA CONVIVER PROMOVENDO SAÚDE E QUALIDADE

Leia mais

Cessação e Tratamento do Tabagismo Mitos e Verdades. Silvia M. Cury Ismael Mônica Andreis

Cessação e Tratamento do Tabagismo Mitos e Verdades. Silvia M. Cury Ismael Mônica Andreis Cessação e Tratamento do Tabagismo Mitos e Verdades Silvia M. Cury Ismael Mônica Andreis Cigarro é droga? Verdade! Cigarro é uma droga poderosa, apesar de ser um produto lícito. O potencial de abuso da

Leia mais

GTSS GLOBAL TOBACCO SURVEILLANCE SYSTEM

GTSS GLOBAL TOBACCO SURVEILLANCE SYSTEM GTSS GLOBAL TOBACCO SURVEILLANCE SYSTEM Perguntas sobre Tabaco para Pesquisas Um subconjunto de perguntas chave da Pesquisa Mundial sobre Tabagismo em Adultos (conhecida internacionalmente como Global

Leia mais

SUSPENSÃO DO TABACO E TRATAMENTO

SUSPENSÃO DO TABACO E TRATAMENTO SUSPENSÃO DO TABACO E TRATAMENTO Em todo o mundo, 1,3 bilhões de pessoas fumam e, a menos que uma ação urgente seja tomada, 650 milhões delas morrerão prematuramente por causa do consumo de tabaco. 1 De

Leia mais

FATOS SOBRE AROMATIZANTES E SABORES DO TABACO

FATOS SOBRE AROMATIZANTES E SABORES DO TABACO FATOS SOBRE AROMATIZANTES E SABORES DO TABACO Baseado em material da Framework Convention Alliance (FCA), aliança internacional de ONGs, da qual a ACT faz parte. Recentemente, fumicultores de todas as

Leia mais

De RTZ a ACT. Controle do tabaco tem uma interface com todos os temas que estão na pauta da sociedade civil organizada

De RTZ a ACT. Controle do tabaco tem uma interface com todos os temas que estão na pauta da sociedade civil organizada As ONGs e o Controle do Tabagismo no Brasil 25 de agosto de 2007 Dr. Paulo César R P Corrêa Secretário-Executivo da ONG Aliança de Controle do Tabagismo (ACT) Grupo pesquisa Germinal / Projeto Elsa Presidente

Leia mais

Consumo do tabaco. Bhavesh Modi, MD Governo de Gujarat MBA/MPH at Johns Hopkins University. 2012 Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health

Consumo do tabaco. Bhavesh Modi, MD Governo de Gujarat MBA/MPH at Johns Hopkins University. 2012 Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health Consumo do tabaco Bhavesh Modi, MD Governo de Gujarat MBA/MPH at Johns Hopkins University Histórico de informações O tabaco é consumido em diferentes formas e em diversas culturas em todo o mundo O tabaco

Leia mais

INTRODUÇÃO ARTIGO / ARTICLE. Ana Maria B. Menezes 1 ; Barnardo L. Horta 2 ; Asandro da Rosa 1 ; Fernando K. Oliveira 1 & Marcos Bonnann 1

INTRODUÇÃO ARTIGO / ARTICLE. Ana Maria B. Menezes 1 ; Barnardo L. Horta 2 ; Asandro da Rosa 1 ; Fernando K. Oliveira 1 & Marcos Bonnann 1 ARTIGO / ARTICLE Hábito de Fumar entre Estudantes de Medicina da Universidade Federal de Pelotas, Brasil: Comparação entre as Prevalências de 1986 e 1991 Smoking habits among Students at the Pelotas Medical

Leia mais

PARE DE FUMAR! O GUIA DEFINITIVO DO ANTI TABAGISMO

PARE DE FUMAR! O GUIA DEFINITIVO DO ANTI TABAGISMO PARE DE FUMAR! O GUIA DEFINITIVO DO ANTI TABAGISMO INTRODUÇÃO Foi a partir dos anos 1950 que começaram a surgir políticas públicas mais contundentes com o objetivo de alertar a população sobre os malefícios

Leia mais

Perguntas & Respostas: Narguilé ou Cachimbo de água

Perguntas & Respostas: Narguilé ou Cachimbo de água Sociedade de Pneumologia e Tisiologia do Rio de Janeiro Comissão de Tabagismo Dia Mundial sem Tabaco 31 de maio de 2016 Tema: Narguile Perguntas & Respostas: Narguilé ou Cachimbo de água SOCIEDADE DE PNEUMOLOGIA

Leia mais

TABAGISMO: COMO TRATAR

TABAGISMO: COMO TRATAR TABAGISMO: COMO TRATAR Ana Carolina S. Oliveira Psicóloga Esp. Dependência Química CRP 06/99198 Hewdy Lobo Ribeiro Psiquiatra Forense Psiquiatra ProMulher IPq-HC-FMUSP CREMESP 114681 Epidemiologia Brasil

Leia mais

O desafio de deixar de fumar

O desafio de deixar de fumar O desafio de deixar de fumar O uso do cigarro tem como objetivo a busca por efeitos prazerosos desencadeados pela nicotina, melhora ime - diata do raciocínio e do humor, diminuição da ansiedade e ajuda

Leia mais

Destaque para a Convenção- Quadro para a Luta Antitabaco (CQLA)

Destaque para a Convenção- Quadro para a Luta Antitabaco (CQLA) Destaque para a Convenção- Quadro para a Luta Antitabaco (CQLA) PRIMEIRA EDIÇÃO/JANEIRO DE 2008 Um conjunto de notas informativas sobre a CQLA e as obrigações associadas da UE. A primeira edição fornece

Leia mais

OS ARGUMENTOS DOS OPOSITORES DO CONTROLE DO TABAGISMO: SUGESTÕES DE RESPOSTAS ÀS QUESTÕES MAIS FREQÜENTES

OS ARGUMENTOS DOS OPOSITORES DO CONTROLE DO TABAGISMO: SUGESTÕES DE RESPOSTAS ÀS QUESTÕES MAIS FREQÜENTES Organização Pan-Americana da Saúde, OS ARGUMENTOS DOS OPOSITORES DO CONTROLE DO TABAGISMO: SUGESTÕES DE RESPOSTAS ÀS QUESTÕES MAIS FREQÜENTES Programação Visual da Capa: Divisão de Comunicação Social/

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAÇÃO SANITÁRIA

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAÇÃO SANITÁRIA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAÇÃO SANITÁRIA Influência do marketing industrial na qualidade da prescrição médica e da dispensação de medicamentos. Karina Martiniana

Leia mais

Dependência do Tabagismo

Dependência do Tabagismo Dependência do Tabagismo Jack E. Henningfield, PhD Johns Hopkins School of Medicine (Escola de Medicina Johns Hopkins) Pinney Associates 2007 Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health (Escola de

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CUMPRIMENTO DA LEI PORTUGUESA DE PREVENÇÃO DO TABAGISMO NO SECTOR DA RESTAURAÇÃO

AVALIAÇÃO DO CUMPRIMENTO DA LEI PORTUGUESA DE PREVENÇÃO DO TABAGISMO NO SECTOR DA RESTAURAÇÃO 22 AVALIAÇÃO DO CUMPRIMENTO DA LEI PORTUGUESA DE PREVENÇÃO DO TABAGISMO NO SECTOR DA RESTAURAÇÃO RESUMO José Alberto Gomes Precioso 1 José Manuel Calheiros 2 Maria José López 3 Carles Ariza 3 Manel Nebot

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 853, DE 2003 (Do Sr. JOSÉ DIVINO) Dispõe sobre o teor máximo permitido de Alcatrão, Nicotina e Monóxido de Carbono (CO) por cigarro produzido e consumido em todo território Nacional.

Leia mais

TRATAMENTO DO TABAGISMO: o que funciona? TRATAMENTO DO TABAGISMO CONTROLE DO TABAGISMO TRATAMENTO DO TABAGISMO. Carlos A A Viegas POR QUE PARAR?

TRATAMENTO DO TABAGISMO: o que funciona? TRATAMENTO DO TABAGISMO CONTROLE DO TABAGISMO TRATAMENTO DO TABAGISMO. Carlos A A Viegas POR QUE PARAR? : o que funciona? Carlos A A Viegas IX CURSO NACIONAL DE ATUALIZAÇÃO EM PNEUMOLOGIA SBPT - 2008 CONTROLE DO TABAGISMO IMPLEMENTAÇÃO DA CONVENÇÃO QUADRO IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA SABER SAÚDE TRATAMENTO

Leia mais

LEI Nº 9.294, DE 15 DE JULHO DE 1996. Art. 1º......

LEI Nº 9.294, DE 15 DE JULHO DE 1996. Art. 1º...... LEI Nº 9.294, DE 15 DE JULHO DE 1996. Dispõe sobre as restrições ao uso e à propaganda de produtos fumígeros, bebidas alcoólicas, medicamentos, terapias e defensivos agrícolas, nos termos do 4 do art.

Leia mais

NLST: estamos prontos para o rastreamento do câncer de pulmão?

NLST: estamos prontos para o rastreamento do câncer de pulmão? NLST: estamos prontos para o rastreamento do câncer de pulmão? Vladmir Cláudio Cordeiro de Lima, MD, PhD Hospital A.C. Camargo São Paulo - Brasil Rastreamento do Câncer de Pulmão Fonte: World Health Organization.

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR PROCURADOR GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO FERNANDO GRELLA VIEIRA

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR PROCURADOR GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO FERNANDO GRELLA VIEIRA EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR PROCURADOR GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO FERNANDO GRELLA VIEIRA ASSOCIAÇÃO DE CONTROLE DO TABAGISMO, PROMOÇÃO DA SAÚDE E DOS DIREITOS HUMANOS - ACT, associação sem

Leia mais

A Anvisa e o Controle dos Produtos Derivados do Tabaco

A Anvisa e o Controle dos Produtos Derivados do Tabaco A Anvisa e o Controle dos Produtos Derivados do Tabaco Agência Nacional de Vigilância Sanitária Anvisa Copyright 2014. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. É permitida a reprodução parcial ou total

Leia mais

CNAP 2015 - Módulo Tabagismo

CNAP 2015 - Módulo Tabagismo XVI Curso Nacional de Atualização em PNEUMOLOGIA - CNAP SBPT 2015 - São Paulo, 17/Abril/2015 CNAP 2015 - Módulo Tabagismo 08h00 08h25: Contribuição do Pneumologista para o Controle do Tabagismo - Luiz

Leia mais

31 de maio. Dia Mundial sem Tabaco

31 de maio. Dia Mundial sem Tabaco O O Dia Mundial Sem Tabaco foi criado em 1987 pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para alertar sobre as doenças e mortes evitáveis relacionadas ao tabagismo. No Brasil, o Instituto Nacional de Câncer

Leia mais

POR QUE PARAR DE FUMAR? Porque fumo é um importante fator de risco de doenças, sendo uma das principais causas de morte evitável no mundo.

POR QUE PARAR DE FUMAR? Porque fumo é um importante fator de risco de doenças, sendo uma das principais causas de morte evitável no mundo. TABAGISMO POR QUE PARAR DE FUMAR? Porque fumo é um importante fator de risco de doenças, sendo uma das principais causas de morte evitável no mundo. Porque O tabagismo é uma doença. Porque Cerca de 90%

Leia mais

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS)

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS) ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS) A Organização Mundial da Saúde (OMS), com sede em Genebra, tem como órgão principal a Assembleia Mundial da Saúde, composta por delegações de todos os Estados-membros

Leia mais

I CURSO DE APERFEIÇOAMENTO EM TABAGISMO DISCIPLINA DE PNEUMOLOGIA - ESCOLA MÉDICA DE PÓS-GRADUAÇÃO - PUC RIO AVALIAÇÃO CLÍNICA INICIAL

I CURSO DE APERFEIÇOAMENTO EM TABAGISMO DISCIPLINA DE PNEUMOLOGIA - ESCOLA MÉDICA DE PÓS-GRADUAÇÃO - PUC RIO AVALIAÇÃO CLÍNICA INICIAL Cristina Cantarino Pneumologista Coordenadora do Centro de Estudos para Tratamento da Dependência à Nicotina do INCA Coordenadora Municipal do Controle de Tabagismo de Niterói Coordenadora da Clínica de

Leia mais

PROJETO DE LEI No 1.772, DE 2007

PROJETO DE LEI No 1.772, DE 2007 COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI No 1.772, DE 2007 Acrescenta dispositivos aos artigos 27 e 33 da Lei n.º 6.360, de 23 de setembro de 1976. Autor: Deputado CARLOS BEZERRA Relator:

Leia mais

O desafio em ajudar o paciente a parar de fumar TABAGISMO 03/07/2012. Prevalência de Tabagismo no Brasil

O desafio em ajudar o paciente a parar de fumar TABAGISMO 03/07/2012. Prevalência de Tabagismo no Brasil O desafio em ajudar o paciente a parar de fumar Fernanda Miranda de Oliveira Pneumologista TABAGISMO O tabagismo é uma doença crônica, gerada pela dependência física e psicológica da nicotina. Todos os

Leia mais

Cigarro agride não fumantes

Cigarro agride não fumantes Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Cigarro agride não fumantes Para impedir o tabagismo passivo, cidades criam leis de proibição do fumo

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO - RDC Nº 14, DE 15 DE MARÇO DE 2012

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO - RDC Nº 14, DE 15 DE MARÇO DE 2012 AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO - RDC Nº 14, DE 15 DE MARÇO DE 2012 Dispõe sobre os limites máximos de alcatrão, nicotina e monóxido de carbono nos cigarros e a restrição

Leia mais

ORAÇÕES SUBORDINADAS ADVERBIAIS. I. Minha prima chegou no início da noite. II.Minha prima chegou quando anoiteceu.

ORAÇÕES SUBORDINADAS ADVERBIAIS. I. Minha prima chegou no início da noite. II.Minha prima chegou quando anoiteceu. ORAÇÕES SUBORDINADAS ADVERBIAIS Observe: I. Minha prima chegou no início da noite. II.Minha prima chegou quando anoiteceu. Na oração I, temos que o termo destacado expressa circunstância de tempo, exercendo,

Leia mais

AMBIENTE DE TRABALHO LIVRE DO FUMO HISTÓRICO DE REVISÕES. Descrição da. Aprovado por: 29/10/2012 00 Emissão Inicial. Elaborado por: Attatiana Miranda

AMBIENTE DE TRABALHO LIVRE DO FUMO HISTÓRICO DE REVISÕES. Descrição da. Aprovado por: 29/10/2012 00 Emissão Inicial. Elaborado por: Attatiana Miranda Ministério da Saúde FIOCRUZ Fundação Oswaldo Cruz AMBIENTE DE TRABALHO LIVRE DO FUMO HISTÓRICO DE REVISÕES Data Revisão Descrição da Revisão Elaborado Revisado Aprovado 00 Emissão Inicial Sônia Gertner

Leia mais

A situacão do tabagismo no Brasil

A situacão do tabagismo no Brasil A situacão do tabagismo no Brasil Dados dos inquéritos do Sistema Internacional de Vigilância do Tabagismo da Organização Mundial da Saúde realizados no Brasil entre 2002 e 2009 Ministério da Saúde Instituto

Leia mais

Tabagismo. Introdução - Conceitos

Tabagismo. Introdução - Conceitos Introdução - Conceitos Fumar causa uma doença crônica, conhecida como tabagismo, doença de dependência da nicotina, classificada no CID 10 como F-17.2 e reconhecida pela Organização Mundial da Saúde como

Leia mais

DECRETO Nº 54.311, DE 7 DE MAIO DE 2009

DECRETO Nº 54.311, DE 7 DE MAIO DE 2009 Página 1 de 5 DECRETO Nº 54.311, DE 7 DE MAIO DE 2009 Institui a Política Estadual para o Controle do Fumo, regulamenta a Lei nº 13.541, de 7 de maio de 2009, que proíbe o consumo de produtos fumígenos,

Leia mais

PARECER COREN-SP 003/2015 - CT PRCI nº 102.705 Tickets nº 298.347

PARECER COREN-SP 003/2015 - CT PRCI nº 102.705 Tickets nº 298.347 PARECER COREN-SP 003/2015 - CT PRCI nº 102.705 Tickets nº 298.347 Ementa: Paciente fumante. 1. Do fato Profissional Auxiliar de Enfermagem informa que a direção da instituição em que trabalha determinou

Leia mais

Pesquisa Clínica e Regulamentação da Importação de Medicamentos. Revisoras da 2ª Edição: Carolina Rodrigues Gomes e Vera Lúcia Edais Pepe

Pesquisa Clínica e Regulamentação da Importação de Medicamentos. Revisoras da 2ª Edição: Carolina Rodrigues Gomes e Vera Lúcia Edais Pepe Pesquisa Clínica e Regulamentação da Importação de Medicamentos Autoras: Grazielle Silva de Lima e Letícia Figueira Freitas Revisoras da 2ª Edição: Carolina Rodrigues Gomes e Vera Lúcia Edais Pepe Revisoras

Leia mais

Tabagismo Passivo. Jane Domingues de Faria Oliveira Mestre em Educação Física UNICAMP

Tabagismo Passivo. Jane Domingues de Faria Oliveira Mestre em Educação Física UNICAMP 11 Tabagismo Passivo Jane Domingues de Faria Oliveira Mestre em Educação Física UNICAMP tabagismo é atualmente reconhecido como uma dependência O química que expõe os indivíduos a inúmeras substâncias

Leia mais

Perguntas & Respostas ABIA sobre gorduras trans

Perguntas & Respostas ABIA sobre gorduras trans Perguntas & Respostas ABIA sobre gorduras trans GRUPO CONSUMIDOR 1) O que são ácidos graxos trans ou gordura trans? Os ácidos graxos ou gorduras trans são um tipo de gordura formada pelo processo de hidrogenação

Leia mais

Tabagismo e Câncer de Pulmão

Tabagismo e Câncer de Pulmão F A C U L D A D E D E S A Ú D E P Ú B L I C A D E P A R TA M E N T O D E E P I D E M I O L O G I A U N I V E R S I D A D E D E S Ã O P A U L O Série Vigilância em Saúde Pública E X E R C Í C I O N º 3

Leia mais

POSICIONAMENTO DO INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER JOSÉ ALENCAR GOMES DA SILVA ACERCA DOS AGROTÓXICOS

POSICIONAMENTO DO INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER JOSÉ ALENCAR GOMES DA SILVA ACERCA DOS AGROTÓXICOS POSICIONAMENTO DO INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER JOSÉ ALENCAR GOMES DA SILVA ACERCA DOS AGROTÓXICOS O Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA), órgão do Ministério da Saúde, tem como

Leia mais

FORMAÇÃO AMBIENTAL MULTIDISCIPLINAR: A NOVA DEMANDA DO MERCADO E POSSIBILIDADES DE MELHORES NEGÓCIOS PARA OS ENGENHEIROS

FORMAÇÃO AMBIENTAL MULTIDISCIPLINAR: A NOVA DEMANDA DO MERCADO E POSSIBILIDADES DE MELHORES NEGÓCIOS PARA OS ENGENHEIROS FORMAÇÃO AMBIENTAL MULTIDISCIPLINAR: A NOVA DEMANDA DO MERCADO E POSSIBILIDADES DE MELHORES NEGÓCIOS PARA OS ENGENHEIROS Ogenis Magno Brilhante (1) Professor Doutor do DSSA/ENSP/FIOCRUZ.desde 1990. Pós

Leia mais

Fortalecendo o Sistema de Farmacovigilância para a introdução de novos medicamentos para a tuberculose no Brasil

Fortalecendo o Sistema de Farmacovigilância para a introdução de novos medicamentos para a tuberculose no Brasil Fortalecendo o Sistema de Farmacovigilância para a introdução de novos medicamentos para a tuberculose no Brasil Introdução Em 2009, o Ministério da Saúde (MS) do Brasil mudou seu esquema de tratamento

Leia mais

Tratamento do tabagismo : manejo da farmacoterapia e das co-morbidades

Tratamento do tabagismo : manejo da farmacoterapia e das co-morbidades Tratamento do tabagismo : manejo da farmacoterapia e das co-morbidades Interações medicamentosas Carlos Alberto de Barros Franco Professor Titular de Pneumologia da Escola Médica de PósGraduação da PUC-Rio

Leia mais

Por que aprovar a Convenção-Quadro para o Controle do Tabaco?

Por que aprovar a Convenção-Quadro para o Controle do Tabaco? Por que aprovar a Convenção-Quadro para o Controle do Tabaco? 2004, Ministério da Saúde É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte. Ministério da Saúde Humberto Costa

Leia mais

Os padrões de consumo de crack, álcool e outras drogas e alguns instrumentos de avaliação e codificação

Os padrões de consumo de crack, álcool e outras drogas e alguns instrumentos de avaliação e codificação Os padrões de consumo de crack, álcool e outras drogas e alguns instrumentos de avaliação e codificação Enfª. Lorena Silveira Cardoso Mestranda em Saúde Coletiva do PRPPG - UFES VITÓRIA 2015 Nessa aula

Leia mais

SENADO FEDERAL EVITE O CIGARRO SENADOR CLÉSIO ANDRADE

SENADO FEDERAL EVITE O CIGARRO SENADOR CLÉSIO ANDRADE SENADO FEDERAL EVITE O CIGARRO SENADOR CLÉSIO ANDRADE 2 Evite o cigarro apresentação Depois que foi identificado como problema de saúde pública, o cigarro tem sido combatido em campanhas de comunicação,

Leia mais

O papel do farmacêutico comunitário na cessação do tabagismo

O papel do farmacêutico comunitário na cessação do tabagismo Ano XII Número 03 mai-ago/2007 O papel do farmacêutico comunitário na cessação do tabagismo 1. Introdução A farmácia comunitária é o serviço de saúde mais acessível para a maioria das pessoas e os farmacêuticos

Leia mais

O Consumo de Tabaco no Brasil. Equipe LENAD: Ronaldo Laranjeira Clarice Sandi Madruga Ilana Pinsky Ana Cecília Marques Sandro Mitsuhiro

O Consumo de Tabaco no Brasil. Equipe LENAD: Ronaldo Laranjeira Clarice Sandi Madruga Ilana Pinsky Ana Cecília Marques Sandro Mitsuhiro O Consumo de Tabaco no Brasil Equipe LENAD: Ronaldo Laranjeira Clarice Sandi Madruga Ilana Pinsky Ana Cecília Marques Sandro Mitsuhiro 1. Porque esse estudo é relevante? Segundo a Organização Mundial de

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA. PROJETO DE LEI N o 2.249,DE 2011 I RELATÓRIO

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA. PROJETO DE LEI N o 2.249,DE 2011 I RELATÓRIO COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI N o 2.249,DE 2011 Proíbe a fabricação e a comercialização de refrigerantes que contenham a substância tóxica benzeno como ingrediente ou subproduto

Leia mais

Guia para Registro de Novas Associações em Dose Fixa

Guia para Registro de Novas Associações em Dose Fixa Medicamentos Guia para Registro de Novas Associações em Dose Fixa Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Anvisa Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Anvisa Guia para Registro de Novas Associações

Leia mais

Cessação do tabagismo e Farmacoterapia. Edward Ellerbeck, MD, MPH

Cessação do tabagismo e Farmacoterapia. Edward Ellerbeck, MD, MPH Cessação do tabagismo e Farmacoterapia Edward Ellerbeck, MD, MPH Juiz de Fora, Brasil October 17, 2011 Mary: Uma mulher de 54 anos na minha clínica Paciente regular nos últimos 5 anos» Realizava o exame

Leia mais

Guia de Farmacovigilância - Anvisa. ANEXO IV - Glossário

Guia de Farmacovigilância - Anvisa. ANEXO IV - Glossário Guia de Farmacovigilância - Anvisa ANEXO IV - Glossário De acordo com a RESOLUÇÃO - RDC Nº 4, DE 10/02/09 (DOU 11/02/09): Dispõe sobre as normas de farmacovigilância para os detentores de registro de medicamentos

Leia mais

DOENÇAS RELACIONADAS COM O TABACO

DOENÇAS RELACIONADAS COM O TABACO DOENÇAS RELACIONADAS COM O TABACO BOCA E FARINGE Cancro CÉREBRO Acidente vascular cerebral LARINGE E TRAQUEIA Cancro Inflamação CORAÇÃO Doença coronária/ Enfarte ESÓFAGO E ESTÔMAGO Cancro Úlcera PÂNCREAS

Leia mais

Prevenção de riscos e doenças. Reabilitação. Nathalia C Andrada

Prevenção de riscos e doenças. Reabilitação. Nathalia C Andrada Promoção de saúde Prevenção de riscos e doenças Reabilitação Nathalia C Andrada Programa Diretrizes diretrizes@amb.org.br Cenário atual www.projetodiretrizes.org.br Cenário atual Cenário atual TRAJETÓRIA

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 577, DE 2008 Mensagem nº 138/08, do Sr Governador do Estado São Paulo, 28 de agosto de 2008 Senhor Presidente

PROJETO DE LEI Nº 577, DE 2008 Mensagem nº 138/08, do Sr Governador do Estado São Paulo, 28 de agosto de 2008 Senhor Presidente PROJETO DE LEI Nº 577, DE 2008 Mensagem nº 138/08, do Sr Governador do Estado São Paulo, 28 de agosto de 2008 Senhor Presidente Tenho a honra de encaminhar, por intermédio de Vossa Excelência, à elevada

Leia mais

FUJA DO ASSASSINO SILENCIOSO - COMO UMA BOA PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA PODE AJUDAR A EVITAR DOENÇAS

FUJA DO ASSASSINO SILENCIOSO - COMO UMA BOA PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA PODE AJUDAR A EVITAR DOENÇAS FUJA DO ASSASSINO SILENCIOSO - COMO UMA BOA PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA PODE AJUDAR A EVITAR DOENÇAS Por: David S. Luther, Q.S.S.P. - Gerente de apoio ao produto, North Safety Products Adaptado por: Daniela

Leia mais

Não deixe esse assunto no ar. Tabagismo

Não deixe esse assunto no ar. Tabagismo Não deixe esse assunto no ar. Tabagismo TABAGISMO O tabagismo é uma das principais causas de morte evitável. O VÍCIO Quase todos os fumantes tiveram o primeiro contato com o vício na adolescência, entre

Leia mais

Informe Técnico n. 63, de 3 de outubro de 2014. Assunto: Esclarecimentos sobre adição de ingredientes fontes de EPA e DHA em alimentos e bebidas.

Informe Técnico n. 63, de 3 de outubro de 2014. Assunto: Esclarecimentos sobre adição de ingredientes fontes de EPA e DHA em alimentos e bebidas. Informe Técnico n. 63, de 3 de outubro de 2014. Assunto: Esclarecimentos sobre adição de ingredientes fontes de EPA e DHA em alimentos e bebidas. I. Introdução. Com base no disposto na Resolução n. 16/99

Leia mais

Tratamento de Tabagismo em ambulatórios de Tratamento de abuso de substâncias nos Estados Unidos

Tratamento de Tabagismo em ambulatórios de Tratamento de abuso de substâncias nos Estados Unidos Tratamento de Tabagismo em ambulatórios de Tratamento de abuso de substâncias nos Estados Unidos Cigarette smoking cessation services in outpatient substance abuse treatment programs in the United States

Leia mais

Os Malefícios para a Saúde Causados pelo Tabaco. Dr. Ernesto Maier Rymer

Os Malefícios para a Saúde Causados pelo Tabaco. Dr. Ernesto Maier Rymer Os Malefícios para a Saúde Causados pelo Tabaco Dr. Ernesto Maier Rymer História do Tabaco Séc. X a.c. Uso pelos índios Séc. XVI Entrada na Europa Séc. XVII Cachimbo Séc. XVIII Rapé e tabaco mascado Séc.

Leia mais

Porque o Brasil deve adotar embalagem padronizada para produtos de tabaco

Porque o Brasil deve adotar embalagem padronizada para produtos de tabaco Porque o Brasil deve adotar embalagem padronizada para produtos de tabaco Com a adoção de embalagens para produtos de tabaco, elas passam a não ter mais logotipos, design e textos promocionais. Passam

Leia mais

PROJETO DE LEI. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

PROJETO DE LEI. O CONGRESSO NACIONAL decreta: PROJETO DE LEI Dispõe sobre restrições a exposição à venda, comercialização e entrega ao consumo do álcool etílico hidratado e anidro, e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1 o A

Leia mais

Tabagismo Patologia relacionada com o tabaco

Tabagismo Patologia relacionada com o tabaco Tabagismo Patologia relacionada com o tabaco Comissão de Tabagismo da SociedadePortuguesa de Pneumologia > 4.000 compostos Monóxido de carbono Hipóxia no sangue e tecidos Benzopireno cancerígeno FUMO DO

Leia mais

Relatório da Pesquisa ITC Brasil sobre Publicidade, Promoção e Patrocínio de Tabaco

Relatório da Pesquisa ITC Brasil sobre Publicidade, Promoção e Patrocínio de Tabaco Projeto Internacional de Avaliação das Políticas de Controle do Tabaco Publicidade, Promoção e Patrocínio de Tabaco Resultados das Ondas 1 e 2 da Pesquisa (2009-2013) Maio de 2013 Promoção de Estratégias

Leia mais

TABAGISMO E GÊNERO NO BRASIL"

TABAGISMO E GÊNERO NO BRASIL TABAGISMO E GÊNERO NO BRASIL" SEMINÁRIO INTERNACIONAL CONTROLE SOCIAL DO TABACO EM DEBATE - PROPOSTAS DE ACTUAÇÃO 13 DE NOVEMBRO 2006 Ministério da Saúde Nos países em desenvolvimento, os fumantes constituem

Leia mais

Avaliação do cumprimento da Lei n.º 37/2007 de Prevenção do Tabagismo no sector da restauração do Concelho de Braga

Avaliação do cumprimento da Lei n.º 37/2007 de Prevenção do Tabagismo no sector da restauração do Concelho de Braga Avaliação do cumprimento da Lei n.º 37/2007 de Prevenção do Tabagismo no sector da restauração do Concelho de Braga José Precioso I, José Manuel Calheiros II, Maria José López III, Carles Ariza III, Manel

Leia mais

A primeira avaliação individual com o paciente

A primeira avaliação individual com o paciente I Encontro de Profissionais de Saúde para Abordagem e Tratamento do Tabagismo na rede SUS 12/09/2012 RJ - INCA A primeira avaliação individual com o paciente Cristina Cantarino Coordenadora do Centro de

Leia mais

ORIENTAÇÃO DE SERVIÇO Nº01/2014/SUTOX/ANVISA

ORIENTAÇÃO DE SERVIÇO Nº01/2014/SUTOX/ANVISA Assunto Esclarecimentos sobre a aplicação das novas regras de uso e propaganda de produtos derivados ou não do tabaco estabelecidas na Lei Federal nº 12.546/2011, Decreto nº. 8.262/2014 e Portaria Interministerial

Leia mais

Desafios para a Comunicação Efetiva em Farmacovigilância no Brasil

Desafios para a Comunicação Efetiva em Farmacovigilância no Brasil IX Encontro Internacional de Farmacovigilância das Américas Painel: Comunicação do Risco em Farmacovigilância: o que fazer para a informação chegar a quem interessa? Desafios para a Comunicação Efetiva

Leia mais

Os acessos do usuário a este site e sua utilização estão sujeitos à concordância dos termos e condições abaixo.

Os acessos do usuário a este site e sua utilização estão sujeitos à concordância dos termos e condições abaixo. Termos de uso Os acessos do usuário a este site e sua utilização estão sujeitos à concordância dos termos e condições abaixo. Dos objetivos Este site foi desenvolvido pela Saiteria (http://www.saiteria.com.br/)

Leia mais

JAIME CÉSAR DE MOURA OLIVEIRA

JAIME CÉSAR DE MOURA OLIVEIRA Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública n 27, de 06 de abril de 2015 D.O.U de 08/04/2015 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso das

Leia mais

LEI Nº 6.437, DE 20 DE AGOSTO DE 1977

LEI Nº 6.437, DE 20 DE AGOSTO DE 1977 LEI Nº 6.437, DE 20 DE AGOSTO DE 1977 Configura infrações à legislação sanitária federal, estabelece as sanções respectivas, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o CONGRESSO

Leia mais

5 de junho de 2013. A quem interessar possa:

5 de junho de 2013. A quem interessar possa: THE JOHNS HOPKINS UNIVERSITY SCHOOL OF MEDICINE Department of Psychiatry and Behavioral Sciences Division of Behavioral Biology Behavioral Biology Research Center, 5510 Nathan Shock Drive Johns Hopkins

Leia mais

Princípios de vigilância

Princípios de vigilância Princípios de vigilância Jonathan Samet, MD, MS Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health 2007 Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health Objetivos do aprendizado Definir os termos básicos relacionados

Leia mais