UNIVERSIDADE DA AMAZÔNIA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CURSO DE FISIOTERAPIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DA AMAZÔNIA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CURSO DE FISIOTERAPIA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DA AMAZÔNIA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CURSO DE FISIOTERAPIA FELIPE ARAÚJO OSCAR FERNANDO LOPEZ VASQUEZ ROBERTO FÁBIO DE ASSUNÇÃO BASTOS PROPOSTA DE EXERCÍCIOS PLIOMÉTRICOS PARA REABILITAÇÃO DE MEMBROS INFERIORES BELÉM 2010

2 FELIPE ARAÚJO OSCAR FERNANDO LOPEZ VASQUEZ ROBERTO FABIO DE ASSUNÇÃO BASTOS PROPOSTA DE EXERCÍCIOS PLIOMÉTRICOS PARA REABILITAÇÃO DE MEMBROS INFERIORES Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Universidade da Amazônia para obtenção do grau de bacharel em fisioterapia. Orientador: Prof. Said Kalume Kalif. BELÉM 2010

3 FELIPE ARAÚJO OSCAR FERNANDO LOPEZ VASQUEZ ROBERTO FÁBIO DE ASSUNÇÃO BASTOS PROPOSTA DE EXERCÍCIOS PLIOMÉTRICOS PARA REABILITAÇÃO DE MEMBROS INFERIORES Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Universidade da Amazônia para obtenção do grau de bacharel em fisioterapia. Orientador: Prof. Said Kalume Kalif. Banca examinadora Prof º. Said Kalume Kalif Orientador Banca Banca Apresentado em: / / Conceito: Belém-Pará 2010

4 RESUMO A pliometria é uma técnica de treinamento que utiliza a ativação do ciclo alongamentoencurtamento do músculo, que é exposto a uma grande quantidade de contração excêntrica (alongamento) continuada imediatamente por uma contração concêntrica (encurtamento), com o intuito de gerar a potenciação mecânica, elástica e reflexa do músculo. Este ciclo aumenta a força explosiva do músculo devido ao armazenamento de energia elástica na fase excêntrica e sua reutilização durante a contração concêntrica, além da ativação do reflexo miotático. Não há uma grande utilização da pliometria na reabilitação de membros inferiores, além de escassez de estudos na literatura especializada. O objetivo do estudo foi elaborar uma cartilha de proposta de exercícios pliométricos na reabilitação de membros inferiores, para que ocorra uma maior divulgação e utilização desta técnica na reabilitação, o estudo é do tipo qualitativo analítico descritivo no qual foi realizado através de revisão bibliográfica nas bibliotecas da Universidade da Amazônia- UNAMA, e na Universidade Estadual do Pará- UEPA, utilizando fontes bibliográficas e artigos científicos retirados de sites científicos. A cartilha apresenta 20 exercícios para os membros inferiores, constituída de linguagem simples e ilustrativa, além de uniformizar a linguagem para a realização dos exercícios pliométricos, ou seja, consta na cartilha todas as descrições para a efetuação dos exercícios. Portanto, concluí-se que o trabalho busca a divulgação e exemplificação para a execução de exercícios pliométricos para membros inferiores, porém a pesquisa não pode comprovar a eficácia dos exercícios, porque a cartilha não será aplicada e são pouco mencionados resultados desse tipo de trabalho na literatura o que motiva a investigação dos efeitos da cartilha em pesquisas futuras. Palavras- chave: Pliometria, Músculo, Contração.

5 RESUMEN La pliometria es una técnica de entrenamiento que utiliza la activación del ciclo estiramientoacortamiento, siendo expuesta a una gran cuantidad de contracción excéntrica (estiramiento) seguida mediatamente por una contracción concéntrica (acortamiento), con la meta de producir una potenciación mecánica, elástica e refleja de un músculo. Este ciclo aumenta la fuerza explosiva de un músculo debido su capacidad de almacenar energía elástica en la fase excéntrica y reutilizar esta energía en la fase de contracción concéntrica, además de activar el reflejo miotático. No hay una gran utilización de la pliometria para l rehabilitación de miembros inferiores, además de la escasez de estudios en la literatura especializada. El objetivo del estudio fue elaborar una cartilla de ejercicios pliométricos en la rehabilitación de miembros inferiores, para que haya una mayor divulgación y utilización de esta técnica de rehabilitación, este estudio es del tipo cualitativo analítico descriptivo la cual se a desenvolvió por medio de una revisión bibliográfica en las bibliotecas de la Universidad de la Amazonia- UNAMA, en la Universidad Estadual de Pará- UEPA e utilizando fuentes bibliográficas e artículos científicos retirados de sitios científicos. La cartilla contiene 20 ejercicios para miembros inferiores constituida de lenguaje simples e ilustrativa, además de uniformizar la lenguaje para la ejecución de estos ejercicios pliométricos, o sea, se encuentra en la cartilla todas las descripciones para la ejecución de los ejercicios. Luego se concluí que este estudio busca divulgar e ejemplificar como ejecutar los ejercicios pliométricos para miembros inferiores, pero este estudio no puede comprobar su eficacia, ya que la carilla no será aplicada y son poco mencionados los resultados con ese tipo de estudio en la literatura, lo que motiva la investigación de los efectos de la cartilla en pesquisas futuras. Palabras- Clave: Pliometria, Músculo e Contracción

6 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Ilustração 1: Salto com agachamento Ilustração 2: Batidas de Tornozelo Ilustração 3: Saltos de um lado para o outro Ilustração 4: Skipping com a mesma perna Ilustração 5: Skipping alternando as pernas Ilustração 6: Saltos e passos contínuos Ilustração 7: Hops verticais Ilustração 8: Saltos alternando as pernas Ilustração 9:Salto com uma perna Ilustração 10:Extensão do quadril Ilustração 11: Salto em distância Ilustração 12: Salto em pé e alcance Ilustração 13: Saltos laterais usando plataforma Ilustração 14: Salto com as duas pernas, pulando degraus Ilustração 15: Saltos em profundidade Ilustração 16: Saltos com obstáculos Ilustração 17: Salto com joelhos flexionados Ilustração 18: Salto tesoura Ilustração 19: Saltos em plataforma Ilustração 20: Saltos reativos sobre barreiras... 37

7 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS CAE- Ciclo alongamento-encurtamento. CC- Componente Contrátil. CES- Componente elástico em Série. CEP- Componente elástico em Paralelo. I- Intensidade. M- Movimento. OTGs- Órgãos Tendinosos de Golgi. PI- Posicionamento Inicial. R- Repetições. UEPA- Universidade Estadual do Pará. UNAMA- Universidade da Amazônia.

8 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO OBJETIVOS OBJETIVO GERAL OBJETIVO ESPECÍFICO REFERENCIAL TEÓRICO HISTÓRICO FISIOLOGIA PLIOMÉTRICA FUNDAMENTOS DA PLIOMETRIA CONSIDERAÇÕES EM REABILITAÇÃO EXAME BÁSICO PRÉ-TREINAMENTO AQUECIMENTO, ALONGAMENTO E FLEXIBILIDADE DESENVOLVIMENTO DO PROGRAMA E IMPLEMENTAÇÃO MÉTODOS TIPO DE ESTUDO LOCAL DA PESQUISA ASPECTOS ÉTICOS RISCOS E BENEFICIOS RESULTADO DISCUSSÃO CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS APÊNDICE A ANEXO A... 59

9 9 1. INTRODUÇÃO Os exercícios pliométricos ativam o ciclo excêntrico-concêtrico do músculo, no qual o músculo é exposto a uma grande quantidade de contração excêntrica (alongamento) continuada imediatamente por uma contração concêntrica (encurtamento). Também são conhecidos como reação ciclo alongamento-contração ou reflexo miotático, podendo ser explicado de maneira fisiológica quando o músculo é alongado antes de ser contraído com mais qualidade e velocidade (BOMPA, 2004). A palavra pliometria é um termo composto derivado do grego plio que significa mais e metria que significa medir, ou seja, maior ou ter melhora (BOMPA, 2004, p.xiv). A reação ciclo alongamento-contração refere-se a uma parte natural da maioria dos movimentos. Quando se caminha, por exemplo, a cada vez em que um pé toca ao chão o grupo de músculo quadríceps faz uma reação pliométrica, passa primeiro por uma ação excêntrica, para em seguida passar por uma ação isométrica e finalmente por uma ação concêntrica (FLECK e KRAEMER, 1999). Embora as atividades pliométricas estejam presentes em nosso cotidiano através de atividades diárias como: andar, correr, arremessar, saltar e até mesmo em recreações infantis que envolvam obstáculos e são executadas em velocidade, estas são classificadas como ações pliométricas, diferente de um treinamento pliométrico no qual utiliza ações pliométricas numa modalidade separada de treinamento de acordo com uma metodologia definida (SIFF apud ZATSIORSKY, 2004). A pliometria é um método de treinamento de força com o objetivo de fazer medrar a potência explosiva em atletas. De forma simples, a combinação de velocidade e força resulta em potência. E há anos treinadores e atletas procuram elevar a potência para que seu desempenho melhorasse. Recentemente, especialistas em reabilitação introduziram técnicas para melhorar a potência de forma a aperfeiçoar resultados pós-cirúrgicos e pós-lesões (ANDREWS et al, 2005). A pliometria também é grandiosamente proveitosa de uma forma menos elevada na reabilitação de várias lesões. Além de aumentar o condicionamento, também aumenta e/ou facilita padrões motores funcionais, reflexos e de propriocepção, sendo todas necessárias para o encargo de recolocar um atleta ou paciente de volta à sua atividade funcional (ANDREWS et al, 2005).

10 10 Embora a pesquisa tenha se restringido aos exercícios pliométricos para membros inferiores, esses também podem ser executados para parte superior do corpo, sempre ambos como instrumentos de reabilitação para ganhar força, condicionamento e para prevenção de lesões (ANDREWS et al, 2005). Portanto a pesquisa está sendo ditada pela necessidade de conectar os profissionais que lidam com a reabilitação de membros inferiores com o alicerce fisiológico da pliometria e sobre as considerações para a implementação de um programa pliométrico. A pesquisa justifica-se pela necessidade de uma cartilha de exercícios pliométricos para membros inferiores que oriente os profissionais e os pacientes quanto à maneira correta, segura e eficaz para realizar os exercícios, facilitando a reabilitação e evitando possíveis lesões nos sistema osteomioartciular. A cartilha se propõe a esclarecer como serão realizados os exercícios de forma correta informando a posição inicial e final do paciente, sendo essencial a participação do fisioterapeuta para fornecer orientações durante a execução dos exercícios usados no processo de reabilitação. Mesmo a cartilha não sendo aplicada, espera-se difundir a idéia de que se pode auxiliar profissionais através de cartilhas que tragam orientações corretas sobre o assunto e quanto a sua utilização..o estudo tem como problema a responder: a elaboração da cartilha proposta servirá para preencher a escassez de exercícios pliométricos na reabilitação de membro inferior através de um instrumento educativo?

11 11 2. OBJETIVOS 2.1. OBJETIVO GERAL Propor a elaboração de uma cartilha com exercícios pliométricos para a aplicação no processo de reabilitação do membro inferior OBJETIVO ESPECÍFICO Divulgar a importância da pliometria na reabilitação dos membros inferiores; Propor uma serie de exercícios pliométricos para a fase final do tratamento para a reabilitação do membro inferior.

12 12 3. REFERENCIAL TEÓRICO 3.1. HISTÓRICO Segundo Bompa (2004, p. XIV) os pioneiros da pliometria são provavelmente os atletas do atletismo dos anos 1919, 1920 e 1930, os quais utilizavam o salto como parte do seu treinamento durante os longos invernos no norte e no leste Europeu. Apesar dos exercícios pliométricos não serem novos, seus benefícios atléticos só foram estudados nas ultimas três décadas. Alguns dos primeiros estudos foram executados por Verkhoshanski em 1967 e 1968, onde utilizou vários tipos de exercícios pliométricos para aumentar a potência explosiva dos atletas, descobrindo especialmente na velocidade de contração, melhoras em todo sistema neuromuscular (BOMPA, 2004). A expressão pliometria, antes conhecido apenas como treinamento de salto, foi introduzido nos Estados Unidos pelo treinador de corrida de longa distância Fred Wilt (WILT apud ALBERT, 2002). O desenvolvimento do termo é confuso provavelmente derivado do termo plio que vem da palavra grega plythein, que significa aumentar ou da raiz grega plio e metric que significa mais e medida respectivamente (VOIGHT e TIPPETT apud PRENTICE, 2002; DINTIMAN et al, 1999). O exercício pliométrico é definido como um movimento rápido e vigoroso, que inclui um pré-alongamento do músculo e a ativação do ciclo alongamento-encurtamento, com a finalidade de potencializar a contração concêntrica subseqüente do alongamento (VOIGHT e TIPPETT apud PRENTICE, 2002). Logo, o propósito dos exercícios pliométricos é aumentar a excitabilidade dos receptores neurológicos para melhorar a reatividade do sistema neuromuscular (WILK e REINOLD apud BANDY e SANDERS, 2003) FISIOLOGIA PLIOMÉTRICA

13 13 A grande parte das pesquisas fisiológicas iniciais relativas à pliometria foi descrita como uma ação muscular conhecida como ciclo alongamento encurtamento (CAE), que atualmente é à base da pliometria (ANDREWS et al, 2005). O uso da pliometria como método de treinamento é baseado principalmente em duas qualidades dinâmicas fundamentais do tecido muscular: a elasticidade e a contratilidade. Estas qualidades, juntamente com o controle neuromuscular, força e flexibilidade, dão ao tecido muscular ativo a capacidade de gerar mais força em um intervalo menor de tempo (ANDREWS et al, 2005). Para que a pliometria seja bem explicada é importante que se entenda a fisiologia muscular. Primeiramente serão explicados os modos de contração muscular, que são divididos em três. A primeira é a contração isométrica, também conhecida como contração estática, caracterizada por ser executada sem a alteração do comprimento muscular, já que a resistência é igual à força máxima que o músculo consegue gerar. O segundo tipo de contração é a isotônica que se caracteriza por não haver modificação na tensão máxima do músculo, sendo também conhecida como contração dinâmica por que ocorre alteração do comprimento muscular durante sua ação. Este tipo de contração pode ser agrupado em dois subtipos, as de contração isotônica positiva (concêntrica) onde ocorre o encurtamento dos sarcômeros do músculo agonista devido à força ser maior que a resistência, e a contração isotônica negativa (excêntrica) caracterizada pelo aumento do tamanho dos sarcômeros durante a ação do músculo, já que a força gerada pelo músculo é menor que a resistência. O terceiro tipo é a contração isocinética que possui um movimento constante sobre uma amplitude de movimento também constante (DANTAS, 2003). Outro ponto importante sobre a fisiologia muscular envolve o encurtamento das fibras do músculo durante a contração. Estas fibras são classificadas de acordo com a velocidade de contração e resistência à fadiga, sendo divididas em dois tipos de fibras, as de abalo lento (tipo I) que realizam movimentos com menor velocidade e maior resistência a fadiga e as fibras de abalo rápido (tipo II) que são capazes de gerar mais força, maior velocidade, porém com menor resistência a fadiga em relação às fibras do tipo I. Logo a quantidade de força necessária durante a fase excêntrica e a subseqüente fase concêntrica explosiva do exercício do CAE necessita do recrutamento das fibras do tipo II (BOMPA, 2004; ANDREWS et al, 2005). O CAE pode ser compreendido como um fenômeno em que o padrão natural de alongamento ou fase de contração excêntrica do músculo ativo produz a energia que é armazenada na junção musculotendinosa, para uso futuro em uma contração subseqüente de

14 14 encurtamento ou fase concêntrica do CAE, ou seja, a contração excêntrica armazena a energia elástica que pode ser utilizada para maximizar a quantidade de potência produzida durante a contração concêntrica daquele músculo ou grupo de músculos (ANDREWS et al, 2005). O comportamento muscular é freqüentemente representado por um modelo de três componentes. O componente contrátil (CC), composto pela actina e miosina, um componente elástico em série (CES), que se localiza em série com o CC e apresenta uma parte ativa, localizada na zona contrátil do músculo e uma parte passiva correspondente ao tendão (DESLANDES, 2003). E o componente elástico em paralelo (CEP), localizado em paralelo correspondendo ao sarcômero e as camadas musculares (endomisio, perimísio e epimisio). Sendo este responsável por manter as fibras unidas, e juntamente com o CES confere importante rigidez funcional para aperfeiçoar a transmissão de força de contração do músculo para o tendão e o osso (NORDIN E FRANKEL, 2003). Quando o músculo contrai concentricamente, a maior parte da força gerada é proveniente do CC, ou seja, da interação actina miosina onde pouca energia elástica é armazenada. Já na contração excêntrica o músculo é alongado e o CES também, sendo assim uma maior quantidade de energia é armazenada (DESLANDES, 2003). Logo quando ocorre uma contração excêntrica seguida de uma contração concêntrica, ou seja, ocorre o CAE, o músculo se alonga como uma mola, com esse alongamento, o CES também é estirado podendo colaborar com uma maior produção de força, que é resultante da soma da força gerada pelo CC e o estiramento do CES (VOIGHT e TIPPETT apud PRENTICE, 2002). Sendo assim acredita-se que ocorre um aumento significativo na produção de força muscular concêntrica quando imediatamente precedida por uma contração muscular excêntrica, devido à reutilização dessa energia elástica que foi armazenada pelo músculo (PRENTICE e VOIGHT, 2003). Apesar de o CAE ter sido estudado por diversos investigadores, existe um consenso geral de que vários fatores importantes da anatomia e fisiologia neuromuscular devem ser considerados como, os componentes elásticos seriados dos músculos e tendões, a propriocepção e a arquitetura musculotendinosa geral (ANDREWS et al, 2005). Sendo assim o controle muscular e a propriocepção possuem um papel fundamental na estabilidade articular dinâmica. Atualmente a propriocepção é definida como o aglomerado de informações aferentes originadas das articulações, músculos, tendões e outros tecidos projetados para o sistema nervoso central para processamento, influenciando as respostas reflexas e o controle motor voluntário. A propriocepção contribui para o controle da postura, estabilidade articular e diversas sensações conscientes. As informações proprioceptivas são

15 15 originarias dos receptores musculares e tendíneos denominados fuso muscular e órgãos tendinosos de Golgi (OTGs) (LAPHART apud LEPORACE et al, 2009). O binômio excêntrico-concêntrico do CAE estimula os proprioceptores do fuso muscular, OTGs e os receptores dos ligamentos para facilitar recrutamento das junções motoras necessárias para maximizar a energia concêntrica gerada durante a atividade pliometrica (ANDREWS et al, 2005). O movimento pliométrico é baseado no reflexo de contração das fibras musculares resultantes de um estímulo rápido (e então alongamento) dessas fibras. Fisiologicamente, quando ocorre um alongamento violento e excessivo, os receptores de alongamento geram impulsos nervosos proprioceptivos para serem enviados à medula espinhal e, por meio de uma ação reflexa, eles são recebidos novamente nos receptores, processo conhecido como reflexo de alongamento ou miotático. Através dessa ação reflexa, ocorre um efeito de freio aplicado evitando o alongamento das fibras musculares e, o mais importante em termos de pliometria, uma contração muscular com muita potencia é liberada (BOMPA, 2004). Sendo assim as informações sobre as alterações do comprimento e da força muscular originam-se de três mecanorreceptores localizados nos músculos. Dois desses sensores são receptores de estiramento, chamados de receptores de estiramento primários e secundários e são achados nos fusos musculares, e o terceiro receptor são os Órgãos Tendinosos de Golgi (OTGs) localizados no tendão muscular (COHEN, 2001). O fuso muscular é um receptor complexo localizado em paralelo com as fibras musculares extrafusais (esqueléticas) e apresentam tecido conjuntivo que circunda as fibras intrafusais, formando uma estrutura cápsular. Os fusos são inervados por fibras nervosas aferentes mielinizadas, que se inserem na capsula das fibras intrafusais e se enrolam ao redor delas. Existem tanto fibras aferentes primárias quanto secundárias e estas contribuem para a capacidade do fuso de detectar pequenas alterações de comprimento. Os fusos musculares são sensíveis a mudanças de velocidade, sendo inervados pelas fibras musculares do tipo Ia. Estas fibras nervosas aferentes levam o impulso diretamente à medula espinhal, onde são imediatamente conduzidos através de interneurônios até os neurônios motores alfa, que desencadeiam a contração muscular. Este processo é conhecido como reflexo de alongamento ou miotático, considerado o processo neuromuscular que simboliza a ação base da pliometria, o qual é a função principal dos fusos musculares (ANDREWS et al,2005; BOMPA, 2004). Apesar de o fuso muscular ser sensível ao alongamento, os OTGs proporcionam informações complementares para o Sistema Nervoso Central (SNC) sobre a atividade muscular, especificamente extensão e grau de tensão. Os OTGs são estruturas de colágeno

16 16 encapsuladas normalmente localizadas na junção músculotendinosa, sendo inervado pelas fibras nervosas que se enrolam ao redor dos feixes de colágeno (ANDREWS et al, 2005). Ao contrário da ação facilitadora do fuso muscular, os OTG exercem efeito inibitório sobre o músculo ao ajudá-lo com o reflexo de relaxamento, atuando como um artifício protetor, que evita o rompimento do músculo e/ou tendão sobre condições extremas (VOIGHT e TIPPETT apud PRENTICE, 2002; BOMPA, 2004). Os exercícios pliométricos trabalham nos mecanismos neurais complexos. Como resultado de qualquer treinamento pliométrico, ocorrem mudanças tanto musculares quanto neurais que facilitam e aumentam o desempenho de habilidades e movimentos mais rápidos e potentes, logo tanto o fuso muscular como OTG irão atuar nesse tipo de exercício, fornecendo a base proprioceptiva (BOMPA, 2004; WILK e REINOLD apud BRANDY e SANDERS, 2003). Quando ocorre uma contração muscular concêntrica, a atividade do fuso muscular é diminuída, devido ao encurtamento das fibras musculares adjacentes, e durante uma contração excêntrica o reflexo miotático produz mais tensão no músculo estirado, que quando atinge um patamar potencialmente deletério, os órgãos tendinosos de Golgi disparam. Percebe-se que os sistemas do fuso muscular e OTG são opostos, de modo que força crescente é produzida, onde as vias neurais descendentes do cérebro ajudam a equilibrar essas forças e controlar qual reflexo dominará (ROWINSKI apud PRENTICE, 2002) FUNDAMENTOS DA PLIOMETRIA A pliometria é a forma de treinamento que procura combinar velocidade de movimento e força, utilizando os componentes neurofisiológicos descritos anteriormente, para gerar potência (VOIGHT e TIPPET apud PRENTICE, 2002). O fisioterapeuta tem que estar ciente em relação às fases do exercício pliométrico, para que se faça um trabalho eficaz de acordo com o programa de reabilitação do paciente, haja vista que todas as fases devem ser feitas corretamente, caso contrário o treinamento perde seu efeito. As fases da pliometria são divididas em três: fase excêntrica ou de preparação, fase de amortização e fase de resposta concêntrica. A fase excêntrica ocorre com os movimentos iniciais, nos quais os fusos musculares são estimulados e alongados durante a contração

17 17 excêntrica dos agonistas. É nesta fase que ocorre o armazenamento de energia elástica (ANDREWS et al, 2005). A fase de amortização inicia quando a contração excêntrica começa a diminuir a intensidade e termina com o início de uma força concêntrica, ou seja, ela é o intervalo eletromecânico entre as contrações excêntricas e concêntricas (VOIGHT e DRAOVITCH apud BANDY e SANDERS, 2003). Esta fase deve ser realizada o mais rápido possível, para que a energia elástica armazenada na fase anterior não tenha o risco de se dissipar em forma de calor no interior do músculo. O rápido alongamento (carga excêntrica) deve ser imediatamente seguido de uma acelerada contração concêntrica explosiva, para maximizar a força gerada (ANDREWS et al, 2005). Na fase de resposta concêntrica, se tem a somatória da fase de preparação e amortização. Esse é o estágio produtivo, devido à contração concêntrica estimulada (BANDY e SANDERS, 2003) CONSIDERAÇÕES EM REABILITAÇÃO Os exercícios pliométricos são também valiosos no programa de reabilitação após lesões. Quando aplicados na reabilitação de membros inferiores, trazem bons resultados na facilitação da consciência articular, fortalecendo o tecido durante o processo de recuperação e aumentando a força e a potência específicas para a atividade ou esporte que o paciente realiza (PRENTICE, 2002). Ao se tratar de lesão, geralmente são os estabilizadores passivos - ligamentos, cápsulas articulares, meniscos e a artrocinemática das superfícies articulares - que são lesionados nos esportes e em atividades cotidianas que abrange movimentos rápidos e perturbações nos estabilizadores dinâmicos - músculos e controles neurais aliados aos movimentos) (ANDREWS et al,2005). Na reabilitação os exercícios pliométricos treinam o sistema neuromuscular, com o objetivo de aumentar a excitabilidade do sistema nervoso para readquirir o aumento da capacidade reativa do sistema neuromuscular (PRENTICE, 2002). Enfocando principalmente a modificação dos elementos neuromusculares dinâmicos, já que os estabilizadores passivos podem ser tratados por meio da Fisioterapia, pois o processo de cicatrização é mais passivo (ANDREWS et al,2005).

18 18 Movimentos específicos de caráter preciso do ponto de vista biomecânico são à base do treinamento pliométrico, assim os músculos, tendões e ligamentos são fortalecidos de maneira funcional, o que é de grande importância para o paciente retomar a sua atividade (PRENTICE, 2002). Da mesma maneira que o treinamento pliométrico possui fatores benéficos ao desempenho motor, fisioterapeutas e executantes devem ser atentos para dois aspectos que podem limitar a sua prática: a fadiga muscular e o potencial de lesões (NETO et al, 2005). A fadiga é um fenômeno extremamente complicado, e pode ser dita como a perda da capacidade de desenvolver força ou incapacidade de sustentar o exercício satisfatoriamente. Na pliometria é o aumento nos tempos de contato nas fases excêntrica e concêntrica, ocasionando redução drástica na transferência de energia entre as fases, diminuição da estimulação neural do músculo e redução do desempenho muscular geral. A relação entre a suspensão aguda e tardia da função reflexa de alongamento no ciclo alongamentoencurtamento indica que há danos musculares imediato após o alojamento do mecanismo da fadiga (NETO et al, 2005). Alguns profissionais revelam preocupação em relação ao possível risco de lesão no treinamento pliométrico. Segundo alguns autores o risco de lesão com a pliometria é baixo, há porém, carência de estudos sobre o índice de lesões em pacientes realizando o uso da pliometria na reabilitação (ANDREWS et al,2005). Mas é preciso grande atenção para o excesso de exercícios sem um período correto de repouso, aplicação da pliometria no momento inicial do tratamento, pois são fatores que podem levar o paciente a reincidir ou obter novas lesões (ROSSI e BRANDALIZE, 2007). Estas ocorrem provenientes de forças exteriores que atuam nas articulações, transgredindo a integridade estrutural dos músculos, ossos e tecido conjuntivo, logo para prevenção é importante o paciente antes de praticar os exercícios pliométricos participar de um programa de treinamento de força que envolva tanta a musculatura dos membros, como estabilizadores da postura como abdominais e extensores da coluna (BOMPA, 2004). Essa preocupação com a aplicação da pliometria em membros inferiores é em relação a lesões nos pés, tornozelos, pernas, joelhos, quadris e região lombar, que estão associados à falta de controle devido ao excesso de fadiga que ocorre sempre ao final da atividade ou série de exercícios, progressão inadequada do treinamento, aquecimento inadequado, carga de trabalho excessiva, lastro insuficiente de prévio treinamento, calçados e pisos impróprios (NETO et al, 2005).

19 19 Também devem ser consideradas as estruturas do corpo e as medidas de gordura corpórea, a idade e especialmente as anormalidades estruturais e lesões anteriores. O peso do corpo atua como resistência a ser superada em exercícios pliométricos para parte inferior do corpo. Pacientes que possuem o peso do corpo elevado realizarão os exercícios contra uma força maior, portanto o volume de treinamento deverá ser menor em comparação com indivíduos mais leves (FLECK E KRAEMER, 1999). É essencial que uma avaliação e exames específicos sejam realizados na busca de anormalidades vertebrais, bem como problemas de joelhos, quadris e tornozelos, antes do uso da pliometria, por ser um fator importante e preocupante no treinamento para extremidade inferior (ANDREWS et al,2005). Quando a pliometria é aplicada na reabilitação em crianças, deve-se levar em conta idade, experiência, maturidade e limite de atenção da criança. As que não são atletas de competição podem executar muitas atividades habituais que não exigem um treinamento pliométrico agressivo, como movimentos divertidos, relacionados a jogos como atividades de amarelinha e saltos (BANDY e SANDERS, 2003). Já em atletas infantis bem treinados a pliometria é um dos modos de reabilitação que ajuda para o retorno completo à função (BANDY e SANDERS, 2003). Os exercícios de intensidade baixa a média são os mais ordenados para atletas mais jovens, por motivo de serem difíceis os mesmos, terem força e coordenação para suportar os treinos com segurança sem cometer lesões nas placas epifisárias dos ossos e nos tendões por uso excessivo (ANDREWS et al,2005). Portanto exercícios pliométricos de grande intensidade não são apropriados até que o esqueleto amadureça e os discos epifisiais se fechem nos atletas jovens (DANTAS et al, 2007). É de extrema importância a supervisão constante durante programas pliométricos usados com criança, e cada criança deve ser avaliada em termos de força, flexibilidade, equilíbrio e coordenação. Contudo nos idosos os exercícios pliométricos podem não ser a escolha ótima para reabilitação, pois abordam movimentos que exigem potência rápida e reatividade muscular rápida o que não é benéfico para o idoso (com exceção do atleta idoso) já que possui alterações relacionadas à idade no tecido muscular (BANDY e SANDERS, 2003). Tem sido prática comum prescrever exercícios de fortalecimento na tentativa de acelerar a recuperação de lesões musculares, bem como reduzir a recidiva dessas lesões após a volta do paciente a suas atividades rotineiras. Demonstrando-se que essa conduta é positiva no tratamento de lesões musculares a pliometria pode ser indicada com a finalidade de

20 20 desenvolver a força explosiva, principalmente nos membros inferiores, embora possa ser feito um trabalho pliométrico para membros superiores (COHEN e ABDALLA, 2003; DANTAS, 2003). Os programas de reabilitação que incluem exercícios pliométricos para extremidade inferior devem ser contra-indicados quando há inflamação aguda ou dor, patologias do pósoperatório imediato e instabilidades macroscopicamente evidentes e, principalmente, para indivíduos que não estavam envolvidos em um programa de treinamento de força (BANDY e SANDERS, 2003) EXAME BÁSICO PRÉ-TREINAMENTO Antes de iniciar os exercícios pliométricos na reabilitação de membros inferiores é obrigação do fisioterapeuta efetuar um exame biomecânico superficial e uma série de testes funcionais para determinar a capacidade de um paciente iniciar um programa de pliometria (PRENTICE, 2002; ANDREWS et al,2005). A falta de força suficiente nas extremidades inferiores ocasionará o desaparecimento de estabilidade na aterrissagem e a elevação de estresse consumido pelos tecidos de sustentação devido às forças de grande choque. Por esses motivos a biomecânica do membro inferior deve ser normal, para ajudar no apoio estável e conseqüentemente na transmissão de força. É necessário o elemento de força apropriado da musculatura estabilizadora e indispensável à força muscular excêntrica, pois é um componente essencial para o treinamento pliométrico (PRENTICE, 2002; ANDREWS et al,2005). O fisioterapeuta tem de ser criativo na utilização de testes funcionais para permitir que o paciente comece a reabilitação com exercícios pliométricos, lembrando sempre que antes da pliometria ter início, é preciso iniciar um programa de treinamento de fortalecimento de maneira funcional e um treinamento de estabilidade em cadeia fechada (força excêntrica) para os membros inferiores (PRENTICE, 2002; ANDREWS et al,2005). Para verificar se o paciente está apto para o uso da pliometria, os testes de estabilidade estática e os testes de movimento dinâmico serão postos em prática no paciente sujeito a reabilitação. O primeiro determina a capacidade do indivíduo de estabilizar e controlar o corpo, através dos testes básicos de estabilidade: o apoio unipedal e os semi-agachamentos unipedais mantidos por trinta segundos. Para torna mais complexo o teste, é solicitado ao

PLIOMETRÍA PRINCÍPIO DE EXECUÇÃO DO TRABALHO EXCÊNTRICO- CONCÊNTRICO

PLIOMETRÍA PRINCÍPIO DE EXECUÇÃO DO TRABALHO EXCÊNTRICO- CONCÊNTRICO PLIOMETRÍA O termo pliometría se utiliza para descrever o método de treinamento que busca reforçar a reação explosiva do indivíduo como resultado de aplicar o que os fisiologistas denominam "ciclo estiramento-encurtamento".

Leia mais

Treino de Alongamento

Treino de Alongamento Treino de Alongamento Ft. Priscila Zanon Candido Avaliação Antes de iniciar qualquer tipo de exercício, considera-se importante que o indivíduo seja submetido a uma avaliação física e médica (Matsudo &

Leia mais

EXERCÍCIOS RESISTIDOS. Parte III

EXERCÍCIOS RESISTIDOS. Parte III EXERCÍCIOS RESISTIDOS Parte III PREPARO E APLICAÇÃO DE EXERCÍCIOS RESISTIDOS Aquecimento com movimentos leves, repetitivos e alongamentos. Aplicar a resistência de forma distal, na região onde o músculo

Leia mais

O QUE É TREINAMENTO FUNCIONAL? Por Artur Monteiro e Thiago Carneiro

O QUE É TREINAMENTO FUNCIONAL? Por Artur Monteiro e Thiago Carneiro O QUE É TREINAMENTO FUNCIONAL? Por Artur Monteiro e Thiago Carneiro O corpo humano é projetado para funcionar como uma unidade, com os músculos sendo ativados em seqüências especifica para produzir um

Leia mais

MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS

MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS 1 MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS Prof. Dr. Valdir J. Barbanti Escola de Educação Física e Esporte de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo A musculação refere-se à forma de exercícios que envolvem

Leia mais

C. Guia de Treino ------------------------------------------------

C. Guia de Treino ------------------------------------------------ C. Guia de Treino ------------------------------------------------ A FORÇA / RESISTÊNCIA ( FUNÇÃO MOVIMENTO OSCILAÇÃO ) A01 Joelhos inclinados Com os pés afastados na plataforma, segure a barra de apoio

Leia mais

TREINAMENTO DA FLEXIBILIDADE

TREINAMENTO DA FLEXIBILIDADE TREINAMENTO DA FLEXIBILIDADE O treinamento da flexibilidade pode ser realizado de duas formas: alongamento e flexionamento. ALONGAMENTOS No caso do alongamento, o objetivo é se mobilizar a articulação

Leia mais

Variáveis Manipuláveis do Treino de Força

Variáveis Manipuláveis do Treino de Força Variáveis Manipuláveis do Treino de Força Lucimere Bohn lucimerebohn@gmail.com Área de Formação: 813 Desporto. Curso: Musculação e Cardiofitness. Módulo: Bases Morfofisiológicas VARIÁVEIS MANIPULÁVEIS

Leia mais

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível.

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível. VALÊNCIAS FÍSICAS RESISTÊNCIA AERÓBICA: Qualidade física que permite ao organismo executar uma atividade de baixa para média intensidade por um longo período de tempo. Depende basicamente do estado geral

Leia mais

Fundamentação Fisiológica da Matriz de Treino

Fundamentação Fisiológica da Matriz de Treino Fundamentação Fisiológica da Matriz de Treino A História Durante anos entendia-se a preparação física numa base de quantidade e depois qualidade. Conseguimos perceber isso através da análise da pirâmide

Leia mais

TRIPLO SALTO VELOCIDADE FORÇA OUTRAS VELOCIDADE EXECUÇAO (MOV. ACÍCLICO) FORÇA RESISTÊNCIA HIPERTROFIA CAPACIDADE DE ACELERAÇÃO EQUILÍBRIO

TRIPLO SALTO VELOCIDADE FORÇA OUTRAS VELOCIDADE EXECUÇAO (MOV. ACÍCLICO) FORÇA RESISTÊNCIA HIPERTROFIA CAPACIDADE DE ACELERAÇÃO EQUILÍBRIO TRIPLO SALTO O TRIPLO SALTO É UMA DISCIPLINA TÉCNICA MUITO COMPLEXA QUE OBRIGA A UM GRANDE APERFEIÇOAMENTO EM VÁRIAS VERTENTES, VISTO O SEU DESENVOLVIMENTO DEPENDER DE UMA COMBINAÇÃO DE VÁRIAS HABILIDADES

Leia mais

Lesão do Ligamento Cruzado Posterior (LCP)

Lesão do Ligamento Cruzado Posterior (LCP) Lesão do Ligamento Cruzado Posterior (LCP) INTRODUÇÃO O ligamento cruzado posterior (LCP) é um dos ligamentos menos lesados do joelho. A compreensão dessa lesão e o desenvolvimento de novos tratamentos

Leia mais

HISTÓRICO MÉTODO THERASUIT HISTÓRICO O MÉTODO THERASUIT PRINCIPAIS OBJETIVOS. Profa. Ms. Daniela Vincci Lopes Ruzzon

HISTÓRICO MÉTODO THERASUIT HISTÓRICO O MÉTODO THERASUIT PRINCIPAIS OBJETIVOS. Profa. Ms. Daniela Vincci Lopes Ruzzon HISTÓRICO MÉTODO THERASUIT Profa. Ms. Daniela Vincci Lopes Ruzzon Veste criada em Michigan/USA, por pesquisadores russos. Função: contrapor os efeitos negativos vividos pelos astronautas (atrofia muscular,

Leia mais

DOR NAS COSTAS EXERCÍCIOS ESPECIALIZADOS PARA O TRATAMENTO DA DOR NAS COSTAS. www.doresnascostas.com.br. Página 1 / 10

DOR NAS COSTAS EXERCÍCIOS ESPECIALIZADOS PARA O TRATAMENTO DA DOR NAS COSTAS. www.doresnascostas.com.br. Página 1 / 10 DOR NAS COSTAS EXERCÍCIOS ESPECIALIZADOS PARA O TRATAMENTO DA DOR NAS COSTAS www.doresnascostas.com.br Página 1 / 10 CONHEÇA OS PRINCÍPIOS DO COLETE MUSCULAR ABDOMINAL Nos últimos anos os especialistas

Leia mais

Prof. Dr. Sergio Augusto Cunha MÚSCULOS

Prof. Dr. Sergio Augusto Cunha MÚSCULOS MÚSCULOS SISTEMAS Prof. Dr. Sergio Augusto Cunha SISTEMA MUSCULAR Tecido conjuntivo. Tecido muscular. Funcionamento dos músculos. Formas dos músculos. Tipos de contrações musculares. Tipos de fibras musculares.

Leia mais

Page 1. Tipos de Força. Força máxima. Força rápida. Força de resistência. Força reactiva

Page 1. Tipos de Força. Força máxima. Força rápida. Força de resistência. Força reactiva Bibliografia Adaptações do aparelho locomotor ao exercício físico e à inactividade Cap. 5 (pp. 107-138). Efeitos da actividade física nos tecidos não contrácteis. Cap. 8 (pp. 124-183). Adaptações neuromusculares

Leia mais

FUTURO DO GOLFE = NÃO SE BASEIA SOMENTE NA CÓPIA DO SWING PERFEITO - MECÂNICA APROPRIADA - EFICIÊNCIA DE MOVIMENTO

FUTURO DO GOLFE = NÃO SE BASEIA SOMENTE NA CÓPIA DO SWING PERFEITO - MECÂNICA APROPRIADA - EFICIÊNCIA DE MOVIMENTO FUTURO DO GOLFE = NÃO SE BASEIA SOMENTE NA CÓPIA DO SWING PERFEITO - MECÂNICA APROPRIADA - EFICIÊNCIA DE MOVIMENTO CARACTERÍSTICAS INDIVIDUAIS - Flexibilidade - Estabilidade - Equilíbrio - Propiocepção

Leia mais

EXERCÍCIOS RESISTIDOS : Uma visão dentro da Escola

EXERCÍCIOS RESISTIDOS : Uma visão dentro da Escola EXERCÍCIOS RESISTIDOS : Uma visão dentro da Escola Professora Mestre em Ciências Escola de Educação Física e Esporte Universidade de São Paulo CONTEÚDO Conceitos básicos. Princípios biológicos do treinamento.

Leia mais

Metodologia do Treinamento Físico

Metodologia do Treinamento Físico Metodologia do Treinamento Físico FLEXIBILIDADE DEFINIÇÃO: É definida como a capacidade física expressa pela maior amplitude possível do movimento voluntário de uma articulação, ou combinações de articulações

Leia mais

Relaxar a musculatura dos braços. Entrelace os dedos de ambas as mãos com suas palmas para cima e levante os braços por 10 segundos.

Relaxar a musculatura dos braços. Entrelace os dedos de ambas as mãos com suas palmas para cima e levante os braços por 10 segundos. por Christian Haensell A flexibilidade do corpo e das juntas é controlada por vários fatores: estrutura óssea, massa muscular, tendões, ligamentos, e patologias (deformações, artroses, artrites, acidentes,

Leia mais

Ligamento Cruzado Posterior

Ligamento Cruzado Posterior Ligamento Cruzado Posterior Introdução O Ligamento Cruzado Posterior (LCP) é classificado como estabilizador estático do joelho e sua função principal é restringir o deslocamento posterior da tíbia em

Leia mais

VOCÊ CONHECE SUA PISADA?

VOCÊ CONHECE SUA PISADA? ANO 2 www.instituodetratamentodador.com.br VOCÊ CONHECE SUA PISADA? Direção: Dr José Goés Instituto da Dor Criação e Diagramação: Rubenio Lima 85 8540.9836 Impressão: NewGraf Tiragem: 40.000 ANO 2 Edição

Leia mais

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano.

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano. Biomecânica Parte do conhecimento da Ergonomia aplicada ao trabalho origina-se no estudo da máquina humana. Os ossos, os músculos, ligamentos e tendões são os elementos dessa máquina que possibilitam realizar

Leia mais

TREINAMENTO FUNCIONAL PARA A NATAÇÃO *

TREINAMENTO FUNCIONAL PARA A NATAÇÃO * TREINAMENTO FUNCIONAL PARA A NATAÇÃO * Heahter Sumulong. Você está procurando alcançar uma margem competitiva sobre seus oponentes? O desenvolvimento de uma musculatura central forte junto com um treinamento

Leia mais

Exercícios específicos para a barriga que enrijecem os músculos da região e ajudam na manutenção de uma boa postura.

Exercícios específicos para a barriga que enrijecem os músculos da região e ajudam na manutenção de uma boa postura. 13/05/2004-05h31 Atividades físicas trazem riscos ocultos para o corpo KATIA DEUTNER Free-lance para a Folha de S.Paulo Você sabe: eles fazem bem ao coração, aos ossos, ao colesterol, à pressão, às articulações,

Leia mais

Fisiologia do Sistema Nervoso. 1. Sistema Nervoso Sensorial 2. Sistema Nervoso Motor 3. Sistema Nervoso Autônomo 4.

Fisiologia do Sistema Nervoso. 1. Sistema Nervoso Sensorial 2. Sistema Nervoso Motor 3. Sistema Nervoso Autônomo 4. Fisiologia do Sistema Nervoso 1. Sistema Nervoso Sensorial 2. Sistema Nervoso Motor 3. Sistema Nervoso Autônomo 4. Ritmos Biológicos Sistema Nervoso Motor a) Organização Hierárquica do Movimento Movimentos

Leia mais

Sistema Muscular PROF. VINICIUS COCA

Sistema Muscular PROF. VINICIUS COCA Sistema Muscular PROF. VINICIUS COCA MUSCULO CARDÍACO (MIOCÁRDIO) Músculo cardíaco possui anatomia própria, diferindo anatômica e funcionalmente dos outros tipos musculares. MÚSCULO LISO O músculo liso

Leia mais

ABRCOLUNA Associação Brasileira de Reabilitação de Coluna

ABRCOLUNA Associação Brasileira de Reabilitação de Coluna ABRCOLUNA Associação Brasileira de Reabilitação de Coluna Guia de Exercícios preventivos para a Coluna Vertebral Dr. Coluna 01 Helder Montenegro Fisioterapeuta Guia de Exercícios Dr Coluna 2012.indd 1

Leia mais

3/26/2009 EX E E X R E C R ÍCI C OS S E E PO P ST S U T RA R OS EX ER EX CÍ C CI C OS REAL EA MEN M T EN E MO M DIFI F CAM A M A A PO P STUR U A?

3/26/2009 EX E E X R E C R ÍCI C OS S E E PO P ST S U T RA R OS EX ER EX CÍ C CI C OS REAL EA MEN M T EN E MO M DIFI F CAM A M A A PO P STUR U A? EXERCÍCIOS E POSTURA OS EXERCÍCIOS REALMENTE MODIFICAM A POSTURA? 1 Um vício postural pode ser corrigido voluntariamente com reeducação psicomotora, um desvio postural pode ser corrigido com exercícios

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO ISO-STRETCHING

CURSO DE FORMAÇÃO ISO-STRETCHING CURSO DE FORMAÇÃO ISO-STRETCHING O Curso de Formação em Iso Stretching é ministrado pelo fundador da técnica, o osteopata e fisioterapeuta francês Bernard Redondo. O método Iso Stretching foi desenvolvido

Leia mais

Corrida de Barreiras. José Carvalho. Federação Portuguesa de Atletismo

Corrida de Barreiras. José Carvalho. Federação Portuguesa de Atletismo Corrida de Barreiras José Carvalho F P A Federação Portuguesa de Atletismo CORRIDAS DE BARREIRAS José Carvalho Objectivo Ser capaz de realizar uma corrida com barreiras - ritmada em velocidade máxima.

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA CENTRO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA Prof. Dr. Victor H. A. Okazaki http://okazaki.webs.com Material de Apoio: Desenvolvimento & Aprendizado

Leia mais

MEDIDAS DA FORÇA E RESISTÊNCIA MUSCULAR

MEDIDAS DA FORÇA E RESISTÊNCIA MUSCULAR MEDIDAS DA FORÇA E RESISTÊNCIA MUSCULAR Revisando conceitos... Músculo-esquelética Força Resistência Flexibilidade Motora Agilidade Equilíbrio Potência Velocidade Revisando conceitos... Isométricas (estática)

Leia mais

Dados Pessoais: História social e familiar. Body Chart

Dados Pessoais: História social e familiar. Body Chart Dados Pessoais: História Clínica: Nome: P.R. Idade: 54 Morada: Contacto: Médico: Fisioterapeuta: Profissão: Fisioterapeuta Diagnóstico Médico: Fratura comitiva da rótula Utente de raça caucasiana, Fisioterapeuta,

Leia mais

Educação Física 1.ª etapa- 9. o ano

Educação Física 1.ª etapa- 9. o ano Educação Física 1.ª etapa- 9. o ano CONHECENDO MEU CORPO DURANTE O EXERCÍCIO DESCUBRA PORQUE É TÃO IMPORTANTE ACOMPANHAR OS BATIMENTOS CARDÍACOS ENQUANTO VOCÊ SE EXERCITA E APRENDA A CALCULAR SUA FREQUÊNCIA

Leia mais

CUIDADOS COM A COLUNA

CUIDADOS COM A COLUNA SENADO FEDERAL CUIDADOS COM A COLUNA SENADOR CLÉSIO ANDRADE 2 Cuidados com a coluna 3 apresentação As dores na coluna vertebral são um grande transtorno na vida de muita gente, prejudicando os movimentos

Leia mais

TECNOLOGIA E BIOMECÂNICA PARA O TRATAMENTO DA DOR MUSCULOESQUELÉTICA TECNOLOGIA E BIOMECÂNICA PARA O TRATAMENTO DA DOR MUSCULOESQUELÉTICA

TECNOLOGIA E BIOMECÂNICA PARA O TRATAMENTO DA DOR MUSCULOESQUELÉTICA TECNOLOGIA E BIOMECÂNICA PARA O TRATAMENTO DA DOR MUSCULOESQUELÉTICA TECNOLOGIA E BIOMECÂNICA PARA O TRATAMENTO DA DOR MUSCULOESQUELÉTICA TECNOLOGIA E BIOMECÂNICA PARA O TRATAMENTO DA DOR MUSCULOESQUELÉTICA As dores musculoesqueléticas atingem 40% da população e representam

Leia mais

CLASSES DE MOVIMENTOS

CLASSES DE MOVIMENTOS CLASSES DE MOVIMENTOS ATOS REFLEXOS - considerados involuntários, simples (poucos músculos), estereotipados, em geral ocorrem automaticamente em resposta a um estímulo sensorial. Ex. resposta ao toque

Leia mais

CERTIFICAÇÃO EM TREINAMENTO FUNCIONAL (NEUROFISIOLOGIA) Educador Silvio Pecoraro

CERTIFICAÇÃO EM TREINAMENTO FUNCIONAL (NEUROFISIOLOGIA) Educador Silvio Pecoraro CERTIFICAÇÃO EM TREINAMENTO FUNCIONAL (NEUROFISIOLOGIA) Educador Silvio Pecoraro O que é Treinamento Funcional? É um tipo de treinamento que através do exercício físico e de sua especificidade, visa desenvolver

Leia mais

Força e Resistência Muscular

Força e Resistência Muscular Força e Resistência Muscular Prof. Sergio Gregorio da Silva, PhD Objetivos do Treinamento com Pesos Aumento da massa muscular Força Potência Velocidade Resistência Muscular Localizada Equilibro Coordenação

Leia mais

BENEFÍCIOS DO MÉTODO PILATES NA REABILITAÇÃO

BENEFÍCIOS DO MÉTODO PILATES NA REABILITAÇÃO BENEFÍCIOS DO MÉTODO PILATES NA REABILITAÇÃO O método pilates é um trabalho que se baseia em exercícios de força e mobilidade utilizando para tal técnicas e exercícios específicos. Este método permite

Leia mais

Fisiologia Humana. Prof. Ms.Sandro de Souza

Fisiologia Humana. Prof. Ms.Sandro de Souza Prof. Ms.Sandro de Souza Existem 3 tipos de Tecido Muscular Liso Forma a parede de diversos órgãos. São constituídos de fibras fusiformes, mas muito mais curtas do que as fibras musculares esqueléticas:

Leia mais

O sistema nervoso esta dividido em duas partes:

O sistema nervoso esta dividido em duas partes: 1 FISIOLOGIA HUMANA I Neuromuscular Prof. MsC. Fernando Policarpo 2 Conteúdo: Estrutura do Sistema Nervoso Central (SNC) e Periférico (SNP). Elementos do Tecido Nervoso. Mecanismos de Controle Muscular.

Leia mais

Fisiologia do Sistema Nervoso

Fisiologia do Sistema Nervoso Fisiologia do Sistema Nervoso 1. Sistema Nervoso Sensorial 2. Sistema Nervoso Motor 3. Sistema Nervoso Autônomo 4. Ritmos Biológicos Visão Geral do Sistema Nervoso Central O Sistema Nervoso Central - SNC

Leia mais

A influência da prática da capoeira na postura dos capoeiristas: aspectos biomecânicos e fisiológicos.

A influência da prática da capoeira na postura dos capoeiristas: aspectos biomecânicos e fisiológicos. A influência da prática da capoeira na postura dos capoeiristas: aspectos biomecânicos e fisiológicos. Autores: Ft Mariana Machado Signoreti Profa. Msc. Evelyn Cristina Parolina A capoeira é uma manifestação

Leia mais

Treinamento Funcional 17/08/2015. Treinamento Funcional Definição

Treinamento Funcional 17/08/2015. Treinamento Funcional Definição Treinamento Funcional Será que você fez a escolha certa? Prof. Cauê La Scala Teixeira Treinamento Funcional Definição Treinamento: Ato de treinar; conjunto de exercícios praticados por um atleta como preparo

Leia mais

ESTRUTURA, FUNÇÃO E CONTROLE DO MOVIMENTO

ESTRUTURA, FUNÇÃO E CONTROLE DO MOVIMENTO ESTRUTURA, FUNÇÃO E CONTROLE DO MOVIMENTO Prover um meio de comunicação p/ coordenar o trabalho de bilhões de células Perceber e responder aos eventos nos ambientes externo e interno Controlar os movimentos

Leia mais

Exercícios além da academia

Exercícios além da academia Exercícios além da academia Pilates É uma modalidade de atividade física realizada em aparelhos, bolas e no solo, que proporciona fortalecimento muscular, aumento da flexibilidade e correção da postura.

Leia mais

EXERCÍCIOS RESISTIDOS. Parte I

EXERCÍCIOS RESISTIDOS. Parte I EXERCÍCIOS RESISTIDOS Parte I DESEMPENHO MUSCULAR Capacidade do músculo realizar trabalho. Elementos fundamentais: Força Potência muscular Resistência à fadiga FATORES QUE AFETAM O DESEMPENHO MUSCULAR

Leia mais

Dados Pessoais: História social e familiar. Questões especiais Exames Complementares Medicação: Reumoplus. Fatores que agravam os sintomas e função

Dados Pessoais: História social e familiar. Questões especiais Exames Complementares Medicação: Reumoplus. Fatores que agravam os sintomas e função Dados Pessoais: Nome: V. Idade: 19 Morada: Contacto: Médico: Fisioterapeuta: Profissão: Estudante e Jogador de Basquetebol (Estoril) Diagnóstico Médico: Ligamentoplastia do Ligamento Cruzado Anterior História

Leia mais

Lucimere Bohn lucimerebohn@gmail.com Área de Formação: 813 Desporto. Curso: Musculação e Cardiofitness. Módulo: Bases Morfofisiológicas

Lucimere Bohn lucimerebohn@gmail.com Área de Formação: 813 Desporto. Curso: Musculação e Cardiofitness. Módulo: Bases Morfofisiológicas Musculação: Definições Básicas Lucimere Bohn lucimerebohn@gmail.com Área de Formação: 813 Desporto. Curso: Musculação e Cardiofitness. Módulo: Bases Morfofisiológicas Termos frequentes na descrição de

Leia mais

11 EXERCÍCIOS PARA PREVENIR LESÕES

11 EXERCÍCIOS PARA PREVENIR LESÕES 11 EXERCÍCIOS PARA PREVENIR LESÕES O futsal, como outras modalidades, está associado a certos riscos de lesões por parte dos jogadores. No entanto, estudos científicos comprovaram que a incidência de lesões

Leia mais

Pare de maltratar seus joelhos. Fundamentais para qualquer atividade física, eles precisam estar fortes e saudáveis para agüentar você todos os dias

Pare de maltratar seus joelhos. Fundamentais para qualquer atividade física, eles precisam estar fortes e saudáveis para agüentar você todos os dias Pare de maltratar seus joelhos. Fundamentais para qualquer atividade física, eles precisam estar fortes e saudáveis para agüentar você todos os dias Rodrigo Gerhardt Desde que você resolveu deixar de engatinhar

Leia mais

Centro de Reeducação Respiratória e Postural S/C Ltda Josleide Baldim Hlatchuk Fisioterapeuta CREFITTO 12.408F

Centro de Reeducação Respiratória e Postural S/C Ltda Josleide Baldim Hlatchuk Fisioterapeuta CREFITTO 12.408F RPG 1. DEFINIÇÃO A Reeducação Postural Global é um método fisioterápico de correção e tratamento da dor, que trabalha sobre as cadeias de tensão muscular utilizando posturas de alongamento excêntrico ativo

Leia mais

DESCUBRA UM GUIA PARA CONSTRUIR UMA BASE FORTE POR JOHN SMITH

DESCUBRA UM GUIA PARA CONSTRUIR UMA BASE FORTE POR JOHN SMITH DESCUBRA A S U A P A S S A D A UM GUIA PARA CONSTRUIR UMA BASE FORTE POR JOHN SMITH COMO USAR ESTE GUIA ESTE GUIA ENSINARÁ TÉCNICAS PARA VOCÊ APERFEIÇOAR A FORMA COMO VOCÊ CORRE AUMENTANDO EQUILÍBRIO,

Leia mais

LESÕES MUSCULARES. Ft. Esp. Marina Medeiros

LESÕES MUSCULARES. Ft. Esp. Marina Medeiros LESÕES MUSCULARES Ft. Esp. Marina Medeiros EPIDEMIOLOGIA Os músculos são os únicos geradores de força capazes de produzir movimento articular. São 434 músculos, representando 40% do peso corporal; dentre

Leia mais

1. CONSIDERAÇÕES SOBRE A MARCHA EM CASOS DE FRATURAS DO MEMBRO INFERIOR.

1. CONSIDERAÇÕES SOBRE A MARCHA EM CASOS DE FRATURAS DO MEMBRO INFERIOR. 1. CONSIDERAÇÕES SOBRE A MARCHA EM CASOS DE FRATURAS DO MEMBRO INFERIOR. Quando ocorre uma fratura envolvendo o membro inferior, a reeducação do padrão de marcha normal até o nível da função anterior à

Leia mais

INFLUENCIA DA FLEXIBILIDADE NO SALTO VERTICAL EM ATLETAS DE VOLEIBOL MASCULINO

INFLUENCIA DA FLEXIBILIDADE NO SALTO VERTICAL EM ATLETAS DE VOLEIBOL MASCULINO ROGER MARCHESE INFLUENCIA DA FLEXIBILIDADE NO SALTO VERTICAL EM ATLETAS DE VOLEIBOL MASCULINO Artigo apresentado como Trabalho de Conclusão de Curso em Especialização em Ciência do Treinamento Desportivo

Leia mais

Luxação da Articulação Acrômio Clavicular

Luxação da Articulação Acrômio Clavicular Luxação da Articulação Acrômio Clavicular INTRODUÇÃO As Luxações do ombro são bem conhecidas especialmente durante a prática de alguns esportes. A maior incidencia de luxção do ombro são na verdade luxação

Leia mais

ITS / CTA. Autores Ademir Alonso & Alberto Carlos

ITS / CTA. Autores Ademir Alonso & Alberto Carlos ITS / CTA Escola Técnica Volume Simonsen I Capítulo I Autores Ademir Alonso & Alberto Carlos 1 ITS / CTA Sumário SUMÁRIO Volume I Capítulo I Unidade I Capítulo I - Beneficios da Educação Física Capítulo

Leia mais

VELOCIDADE, AGILIDADE, EQUILÍBRIO e COORDENAÇÃO VELOCIDADE

VELOCIDADE, AGILIDADE, EQUILÍBRIO e COORDENAÇÃO VELOCIDADE 1 VELOCIDADE, AGILIDADE, EQUILÍBRIO e COORDENAÇÃO VELOCIDADE - É a capacidade do indivíduo de realizar movimentos sucessivos e rápidos, de um mesmo padrão, no menor tempo possível. Força; Fatores que influenciam

Leia mais

DESPORTO LESÕES DESPORTIVAS SE TEM UMA LESÃO. Lesões Desportivas. Não Deve Fazer. Deve Fazer

DESPORTO LESÕES DESPORTIVAS SE TEM UMA LESÃO. Lesões Desportivas. Não Deve Fazer. Deve Fazer DESPORTO LESÕES DESPORTIVAS Vem descobrir quais as lesões mais comuns e o que fazer em cada uma delas Carlos Cruz Perde-se no tempo o conselho à prática desportiva. Quer sejamos velhos ou novos a actividade

Leia mais

Clínica de Lesões nos Esportes e Atividade Física Prevenção e Reabilitação. Alexandre Carlos Rosa alexandre@portalnef.com.br 2015

Clínica de Lesões nos Esportes e Atividade Física Prevenção e Reabilitação. Alexandre Carlos Rosa alexandre@portalnef.com.br 2015 Clínica de Lesões nos Esportes e Atividade Física Prevenção e Reabilitação Alexandre Carlos Rosa alexandre@portalnef.com.br 2015 O que iremos discutir.. Definições sobre o atleta e suas lesões Análise

Leia mais

Palavras chaves: Core; Treinamento Funcional; Musculação; Homens.

Palavras chaves: Core; Treinamento Funcional; Musculação; Homens. 1 Estudo comparativo do nível de força isométrica e estabilidade da musculatura do core entre indivíduos praticantes de treinamento funcional e de musculação. Resumo: O presente estudo teve como objetivo

Leia mais

Senior Fitness Test SFT

Senior Fitness Test SFT 1. Levantar e sentar na caira Senior Fitness Test SFT Objetivo: avaliar a força e resistência dos membros inferiores. Instrumentos: cronômetro, caira com encosto e sem braços, com altura assento aproximadamente

Leia mais

KINETIC CONTROL: OTIMIZANDO A SAÚDE DO MOVIMENTO

KINETIC CONTROL: OTIMIZANDO A SAÚDE DO MOVIMENTO KC seguindo adiante KINETIC CONTROL: OTIMIZANDO A SAÚDE DO MOVIMENTO Otimizar a saúde do está no coração da Fisioterapia e da Terapia do Movimento. As pesquisas de neurociência nos tem proporcionado um

Leia mais

TÉCNICAS EM AVALIAÇÃO E REEDUCAÇÃO POSTURAL

TÉCNICAS EM AVALIAÇÃO E REEDUCAÇÃO POSTURAL 13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA TÉCNICAS

Leia mais

LESÕES OSTEOMUSCULARES

LESÕES OSTEOMUSCULARES LESÕES OSTEOMUSCULARES E aí galera do hand mades é com muito orgulho que eu estou escrevendo este texto a respeito de um assunto muito importante e que muitas vezes está fora do conhecimento de vocês Músicos.

Leia mais

Principais funções dos músculos: Tipos de tecido muscular:

Principais funções dos músculos: Tipos de tecido muscular: Corpo Humano Tipos de Tecidos Tipos de tecido muscular: Esquelético Liso Cardíaco Principais funções dos músculos: 1.Movimento corporal 2.Manutenção da postura 3.Respiração 4.Produção de calor corporal

Leia mais

Dados Pessoais: História social e familiar. Body Chart. Questões especiais Exames Complementares Rx (23/08/2012) placa de fixação interna a nível da

Dados Pessoais: História social e familiar. Body Chart. Questões especiais Exames Complementares Rx (23/08/2012) placa de fixação interna a nível da Dados Pessoais: Nome: M. Idade: 29 Morada: Contacto: Médico: Fisioterapeuta: Profissão: Técnica de comunicação Diagnóstico Médico: Síndrome de Kienbock História Clínica: 2009-1 mês após uma mudança de

Leia mais

Academia Seja dentro ou fora da Academia, nosso Clube oferece espaços para manter a saúde em dia e o corpo em forma

Academia Seja dentro ou fora da Academia, nosso Clube oferece espaços para manter a saúde em dia e o corpo em forma Projeto Verão O Iate é sua Academia Seja dentro ou fora da Academia, nosso Clube oferece espaços para manter a saúde em dia e o corpo em forma por rachel rosa fotos: felipe barreira Com a chegada do final

Leia mais

Protocolo dos Testes de Aptidão Física Funcional da Bateria de Testes de Rikli & Jones (1999)

Protocolo dos Testes de Aptidão Física Funcional da Bateria de Testes de Rikli & Jones (1999) Protocolo dos Testes de Aptidão Física Funcional da Bateria de Testes de Rikli & Jones (1999) 1. Levantar e Sentar na Cadeira Avaliar a força e resistência dos membros inferiores (número de execuções em

Leia mais

FORÇA E POTÊNCIA! O Levantamento de Peso Olímpico (LPO) para o esporte e o fitness!

FORÇA E POTÊNCIA! O Levantamento de Peso Olímpico (LPO) para o esporte e o fitness! TREINAMENTOESPORTIVO.COM FORÇA E POTÊNCIA! O Levantamento de Peso Olímpico (LPO) para o esporte e o fitness! No esporte há poucas modalidades onde os atletas podem ter tempo para atingir a força máxima,

Leia mais

Clínica Deckers. Fisioterapia Exercícios Terapêuticos para a Coluna Lombar O QUE É

Clínica Deckers. Fisioterapia Exercícios Terapêuticos para a Coluna Lombar O QUE É Fisioterapia Exercícios Terapêuticos para a Coluna Lombar O QUE É Estes são alguns dos exercícios recomendados com maior freqüência para a terapia da coluna lombar, Eles foram compilados para dar a você,

Leia mais

Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular

Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular Object 1 Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular Curso de Educação Física. Centro Universitário Toledo de Araçatuba - UNITOLEDO. (Brasil) Prof. Mário Henrique

Leia mais

Treinamento funcional

Treinamento funcional Treinamento funcional Treinamento Funcional O segredo está no equilíbrio. O treinamento funcional trabalha grande parte dos músculos do corpo num único exercício, queima muitas calorias e desenvolve a

Leia mais

TREINAMENTO DE FORÇA RELACIONADO A SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA

TREINAMENTO DE FORÇA RELACIONADO A SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA TREINAMENTO DE RELACIONADO A SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA Como regra geral, um músculo aumenta de força quando treinado próximo da sua atual capacidade de gerar força. Existem métodos de exercícios que são

Leia mais

Fundamentos Teórico-Práticos do Aquecimento no Futsal

Fundamentos Teórico-Práticos do Aquecimento no Futsal futsalcoach.com la web para el técnico de fútbol sala C Copyright 2005, F U T S A L C O A C H, Spain Todos los derechos reservados Autor: Prof. João Carlos Romano Preparador Físico de la Selección Brasileña

Leia mais

Global Training. The finest automotive learning

Global Training. The finest automotive learning Global Training. The finest automotive learning Cuidar da saúde com PREFÁCIO O Manual de Ergonomia para o Motorista que você tem em agora em mãos, é parte de um programa da Mercedes-Benz do Brasil para

Leia mais

O treino invisível para aumento do rendimento desportivo

O treino invisível para aumento do rendimento desportivo O treino invisível para aumento do rendimento desportivo Carlos Sales, Fisioterapeuta Federação Portuguesa de Ciclismo Luís Pinho, Fisioterapeuta Federação Portuguesa de Ciclismo Ricardo Vidal, Fisioterapeuta

Leia mais

Seqüência completa de automassagem

Seqüência completa de automassagem Seqüência completa de automassagem Os exercícios descritos a seguir foram inspirados no livro Curso de Massagem Oriental, de Armando S. B. Austregésilo e podem ser feitos em casa, de manhã ou à tardinha.

Leia mais

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM TREINAMENTO ESPORTIVO MARCO ANTONIO SARTOR

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM TREINAMENTO ESPORTIVO MARCO ANTONIO SARTOR UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM TREINAMENTO ESPORTIVO MARCO ANTONIO SARTOR A INTERFERENCIA DO TREINAMENTO DE FORÇA NA FLEXIBILIDADE DE PRATICANTES

Leia mais

Lesões Labrais ou Lesão Tipo SLAP

Lesões Labrais ou Lesão Tipo SLAP INTRODUÇÃO Lesões Labrais ou Lesão Tipo SLAP Desde que os cirurgiões ortopédicos começaram a utilizar câmeras de vídeo, chamadas artroscópios, para visualizar, diagnosticar e tratar problemas dentro da

Leia mais

EXÉRCITO BRASILEIRO www.exercito.gov.br

EXÉRCITO BRASILEIRO www.exercito.gov.br EXÉRCITO BRASILEIRO www.exercito.gov.br CARTILHA DE TREINAMENTO NEUROMUSCULAR COM ELÁSTICOS INSTITUTO DE PESQUISA DA CAPACITAÇÃO FÍSICA DO EXÉRCITO www.ipcfex.com.br Realização www.exercito.gov.br www.decex.ensino.eb.br

Leia mais

Alterações da Estrutura Corporal

Alterações da Estrutura Corporal Alterações da Estrutura Corporal Exercícios e Postura milenadutra@bol.com.br Os Exercícios Realmente Mudam a Postura? Vício postural pode ser corrigido voluntariamente com reeducação psicomotora Desvio

Leia mais

FATORES RELACIONADOS AO ENCURTAMENTO DOS ISQUIOTIBIAIS: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO

FATORES RELACIONADOS AO ENCURTAMENTO DOS ISQUIOTIBIAIS: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO FATORES RELACIONADOS AO ENCURTAMENTO DOS ISQUIOTIBIAIS: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO PETTER, Gustavo; DALLA NORA, Daniel; SANTOS, Tarciso Silva dos; BRAZ, Melissa Medeiros; LEMOS, Jadir Camargo Trabalho de

Leia mais

CARTILHA DE AUTOCUIDADO DE COLUNA

CARTILHA DE AUTOCUIDADO DE COLUNA CARTILHA DE AUTOCUIDADO DE COLUNA APRENDA A CUIDAR DA SUA COLUNA Elaboração: Júlia Catarina Sebba Rios Pesquisa: Efeitos de um programa educacional de autocuidado de coluna em idosos ati vos e sedentários

Leia mais

REPETIÇÃO MÁXIMA E PRESCRIÇÃO NA MUSCULAÇÃO

REPETIÇÃO MÁXIMA E PRESCRIÇÃO NA MUSCULAÇÃO Universidade Gama Filho REPETIÇÃO MÁXIMA E PRESCRIÇÃO NA MUSCULAÇÃO Ricardo Franklin de Freitas Mussi Marcos Aurélio Ferreira Dias Salvador Ba 2005 Ricardo Franklin de Freitas Mussi Marcos Aurélio Ferreira

Leia mais

O COMPLEXO DO OMBRO TENDINITE DE OMBRO. Dra. Nathália C. F. Guazeli

O COMPLEXO DO OMBRO TENDINITE DE OMBRO. Dra. Nathália C. F. Guazeli 3 Março/2013 TENDINITE DE OMBRO Dra. Nathália C. F. Guazeli GALERIA CREFITO 3 / 78.186 F O COMPLEXO DO OMBRO Para entender o que é Tendinite de Ombro, vale a pena conhecer um pouquinho como ele é composto,

Leia mais

Universidade Católica de Pernambuco Centro de Ciências Biológicas e Saúde Curso de Fisioterapia Disciplina de Fisioterapia Aplicada à Neurologia

Universidade Católica de Pernambuco Centro de Ciências Biológicas e Saúde Curso de Fisioterapia Disciplina de Fisioterapia Aplicada à Neurologia Universidade Católica de Pernambuco Centro de Ciências Biológicas e Saúde Curso de Fisioterapia Disciplina de Fisioterapia Aplicada à Neurologia Distúrbios do tônus Prof a. Ana Karolina Pontes de Lima

Leia mais

Revisão do 1 semestre (ballet 1 e 2 ano)

Revisão do 1 semestre (ballet 1 e 2 ano) 1 Revisão do 1 semestre (ballet 1 e 2 ano) PLIÉS DEMI PLIÉ: Demi Plié Grand Plié É um exercício de fundamental importância, pois é usado na preparação e amortecimento de muitos passos de ballet, como os

Leia mais

ABDOMINAIS: UMA ABORDAGEM PRÁTICA DO EXERCÍCIO RESISTIDO

ABDOMINAIS: UMA ABORDAGEM PRÁTICA DO EXERCÍCIO RESISTIDO ABDOMINAIS: UMA ABORDAGEM PRÁTICA DO EXERCÍCIO RESISTIDO Éder Cristiano Cambraia 1 Eduardo de Oliveira Melo 2 1 Aluno do Curso de Pós Graduação em Fisiologia do Exercício. edercambraiac@hotmail.com 2 Professor

Leia mais

Incidência de Disfunção Sacroilíaca

Incidência de Disfunção Sacroilíaca Incidência de Disfunção Sacroilíaca ::: Fonte Do Saber - Mania de Conhecimento ::: adsense1 Introdução A pelve e em especial as articulações sacroilíacas sempre foram consideradas como tendo valor clínico

Leia mais

Pilates Power Gym. Manual de Instruções. Pilates Power Gym. Modelo AB - 7620

Pilates Power Gym. Manual de Instruções. Pilates Power Gym. Modelo AB - 7620 Pilates Power Gym Modelo AB - 7620 Pilates Power Gym LEIA TODAS AS INSTRUÇÕES ANTES DE USAR E GUARDE ESTE MANUAL PARA CONSULTAS FUTURAS. Manual de Instruções Manual Pilates Power Gym-2010.indd Spread 1

Leia mais

LER/DORT. www.cpsol.com.br

LER/DORT. www.cpsol.com.br LER/DORT Prevenção através s da ergonomia DEFINIÇÃO LER: Lesões por Esforços Repetitivos; DORT: Doenças Osteomusculares Relacionadas ao Trabalho; São doenças provocadas pelo uso inadequado e excessivo

Leia mais

FITNESSGRAM. O Fitnessgram é um programa de educação e avaliação da aptidão física relacionada com a saúde.

FITNESSGRAM. O Fitnessgram é um programa de educação e avaliação da aptidão física relacionada com a saúde. Professora de Educação Física HelenaMiranda FITNESSGRAM O Fitnessgram é um programa de educação e avaliação da aptidão física relacionada com a saúde. Todos os elementos incluídos no Fitnessgram foram

Leia mais

GINÁSTICA LABORAL Prof. Juliana Moreli Barreto

GINÁSTICA LABORAL Prof. Juliana Moreli Barreto GINÁSTICA LABORAL Prof. Juliana Moreli Barreto OFICINA PRÁTICA Aprenda a ministrar aulas de ginástica laboral GINÁSTICA LABORAL - Objetivos e benefícios do programa - Formas de aplicação atualmente - Periodização

Leia mais

Conteúdo do curso de massagem desportiva

Conteúdo do curso de massagem desportiva Conteúdo do curso de massagem desportiva Massagem desportiva Vamos fazer uma massagem desportiva na pratica. A massagem desportiva pode denotar dois tipos diferentes de tratamento. Pode ser utilizada como

Leia mais

Deficiência de Desempenho Muscular. Prof. Esp. Kemil Rocha Sousa

Deficiência de Desempenho Muscular. Prof. Esp. Kemil Rocha Sousa Deficiência de Desempenho Muscular Prof. Esp. Kemil Rocha Sousa Desempenho Muscular Refere-se à capacidade do músculo de produzir trabalho (força X distância). (KISNER & COLBI, 2009) Fatores que afetam

Leia mais