Fundamentação Fisiológica da Matriz de Treino

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fundamentação Fisiológica da Matriz de Treino"

Transcrição

1 Fundamentação Fisiológica da Matriz de Treino A História Durante anos entendia-se a preparação física numa base de quantidade e depois qualidade. Conseguimos perceber isso através da análise da pirâmide da preparação física. 1RM 95% 3RM 85% 4RM 80% 6RM 75% 8RM 70% Método da pirâmide aplicação na musculação Aláctic o Anaeróbio láctico Aeróbio Método da pirâmide aplicação na organização da preparação física Através da análise da pirâmide, conseguimos perceber que os esforços repetidos estão na base da preparação física. O mesmo quer dizer que a

2 quantidade está na base do trabalho físico. O que faz que, quando um indivíduo chega ao topo da pirâmide e quiser trabalhar do ponto de vista da qualidade, iriá fazê-lo sobre um organismo fatigado. A Nova Proposta Para Zatsiorsky é fundamental trabalhar tendo como base a qualidade, pelo que o autor propõe a inversão da pirâmide. 1RM 95% 3RM 85% 4RM 80% 6RM 75% 8RM 70% Aláctic o Anaeróbio láctico Aeróbio Método da pirâmide aplicação na organização da preparação física

3 Força como Qualidade Física Fundamental Ao longo dos tempos foram desenvolvidas uma série de classificações para as qualidades físicas. O principal problema que encontramos nessas classificações é o facto de todas analisarem as diferentes qualidades (Velocidade, Força, Resistência, Flexibilidade, Coordenação ) individualmente não deixando espaço para a sua interligação. Acreditamos que a limitação destas classificações está no isolamento de cada uma das qualidades. Como base para o nosso trabalho, temos uma representação mais funcional das qualidades físicas. Partimos de uma afirmação muito comum nos dias de hoje nas ciências humanas e biológicas o indivíduo tem uma estrutura e esta é mobilizada por energia. Energia Estrutura O que é a estrutura? São os ossos, articulações e músculos. Nesta estrutura só nos músculos é que o treino pode actuar directamente, pelo que o músculo é o elemento central da estrutura. Por conseguinte, o músculo quando funciona produz força, pelo que podemos afirmar que a Força é a unidade central pela qual podemos chegar ás outras qualidades físicas amplitude Músculo/ Força tempo nível de análise O eixo do tempo é que determina a relação entre o músculo e energia (estrutura-energia). Ou seja, a fonte de energia depende da duração do

4 esforço. No que concerne à amplitude, esta tem influência na estrutura pois a força produzida pelo músculo dependo do seu estiramento. Em termos do nível de análise, o que estamos a falar é na realidade, da coordenação. Quando se analisa o músculo pode fazer-se a nível intramuscular ou intermuscular, a forma como se relacionam as componentes intramusculares ou a forma como os músculos se relacionam, componente intermuscular. A Coordenação é, como consequência, o centro do funcionamento muscular. Não é possível distanciar a Coordenação da Força pois a Coordenação não é mais senão o funcionamento da estrutura (funcionamento do músculo). A seguinte figura ilustra o que falamos até aqui. amplitude energia ATP P Musculo Força tempo sarcómero fibra s músculo Uni. Agonista antagonista coordenação funcionamento todo o corpo Depois do que foi explicado até aqui, parece-nos acessível perceber o porquê do destaque da Força como Qualidade Física Fundamental.

5 Conceitos Base Anatomia do Músculo O músculo é a parte activa da estrutura. É portanto a parte onde o treino pode ter um efeito mais directo. O músculo é rodeado pelo tecido conjuntivo. É depois constituído por fibras musculares que por sua vez são constituídas pelas miofibrilas. Estas, são constituídas pelos filamentos de actina e miosina. A unidade contráctil do músculo é o sarcómero. Cada sarcómero é limitado pela Linhas/Bandas Z. O sarcómero compreender ainda os filamentos de actina (filamento fino) e miosina (filamento grosso). Unidade Motora Ao falarmos de Unidade Motora falamos das estruturas básicas que intervêm na contracção muscular. Pela seguinte figura percebemos que as estruturas

6 que compõem a unidade motora são o neurónio motor e as fibras musculares enervadas por esse mesmo neurónio. Mecanismos da Força Para que um atleta possa realizar uma determinada intensidade de força, esta depende de uma série de factores. São estes de três níveis: 1. factores estruturais tem em conta o próprio músculo, 2. factores nervosos dizem respeito ao funcionamento das unidades motoras, 3. factores de estiramento (amplitude) no que diz respeito à potenciação da contracção. Factores Estruturais São três os factores estruturais: (i) a hipertrofia, (ii) as fibras musculares e (iii) os sarcómeros em série.

7 Hipertrofia Podemos encontrar as causas da hipertrofia na seguinte figura. Conseguimos então explicar a hipertrofia tendo em conta quatro causas: (i) aumento do número de miofibrilas, (ii) o desenvolvimento do envelope muscular (tecido conjuntivo), (iii) aumento da vascularização e (iv) aumento do número de fibras (ainda muito discutido na comunidade científica). As causas que permitem estas adaptações advêm do fenómeno da Supercompensação, fenómeno este, explicado pela Lei da Autoregeneração da Matéria Viva. Consequências práticas Através da seguinte figura conseguimos perceber que existem três zonas de influência nos factores da Força tendo em conta a Repetição Máxima (RM).

8 Na primeira zona percebemos que entre as 1-3 repetições (reps), o melhoramento da força dá-se essencialmente por factores nervosos. A zona 2 demonstra que entre as 3-12 reps trabalhamos os factores de Força associados ao aumento da Massa Muscular (percebemos que o ideal está nas 10 reps). A última zona evidencia que a partir das 15 reps já não se proporciona melhorias na Força mas sim nos factores energéticos, a partir das quais têm grande preponderância. Fibras Musculares Existem dois tipos de fibras, tipo I e tipo II. Por sua vez, as fibras tipo II dividemse em tipo IIa e tipo IIx. As fibras tipo I são também conhecidas como fibras lentas e as fibras tipo II como fibras rápidas.

9 Através da figura anterior, percebemos que: as fibras tipo I têm pouca influência na Força mas bastante resistência à fadiga. As tipo IIa são fibras mistas pois têm influência na produção de Força e apresentam resistência à fadiga, são portanto mistas ao metabolismo aeróbio e anaeróbio. As tipo IIx são fibras unicamente de metabolismo anaeróbio, pelo que têm grande influência na produção de Força mas nenhuma resistência. Transformação das fibras musculares Conseguimos perceber, olhando para o centro da figura anterior, que parece ser possível existir alguma transformação nas fibras, i.e., fibras tipo II transformarem-se em tipo I e vice-versa. Percebemos ainda que para transformarmos fibras lentas em fibras rápidas devemos usar estímulos que impliquem estimulações rápidas (Força e Velocidade). Pelo contrário, se quisermos transformar fibras rápidas em lentas os estímulos terão de ser de ordem lenta. Importante referir nesta altura que a transformação de fibras rápidas para lentas se faz de uma forma mais natural do que o oposto. Para

10 além disso, o processo de transformação de fibras não é imediato nem sequer curto. É um processo demorado que depende de anos de estímulos específico para essas transformações. Arquitectura das fibras A distinção do tipo de fibras em tipo I e tipo II, não é suficiente para explicar todas as transformações que acontecem nas fibras devidas ao treino desportivo. Estudos recentes usando técnicas avançadas (ultrasons) que permitem ver in vivo a acção das fibras musculares enquanto trabalham, permitiram verificar que quanto maior é a fibra, maior é a tendência de estas terem os seus sarcómeros dispostos em série. Este facto favorece grandemente a Velocidade. Por outro lado, quanto menor é o ângulo de inserção das fibras, maior será a Força exercida. Estes estudos permitiram demonstrar que estas características são individuais ao atleta e que os sprinters têm fibras arquitectonicamente diferentes que os maratonistas (os sprinters têm fibras mais longas e um ângulo de inserção inferior). Inclusivamente, Estas diferenças foram notadas ainda dentro do grupo de sprinters (os que corriam 100m em 10 têm fibras mais longas e com menor ângulo de inserção que os sprinters que correm 100m em 11 ). Naturalmente que estes fenómenos têm uma influência genética mas também a possibilidade de evolução graças ao treino.

11 Consequências práticas Na esperança de produzir transformação das fibras, devemos trabalhar com cargas elevadas. Devido à arquitectura das fibras, devemos também trabalhar usando exercícios excêntricos para aumentar o comprimento das fibras. Como outra possibilidade temos ainda o trabalho explosivo. Aumento dos sarcómeros em série Existem duas formas de desenvolver este aspecto. Um será trabalhar em amplitude. Sabe-se que um músculo, desde que em alongamento, mesmo imobilizado aumenta o número de sarcómeros em série. Por outro lado, temos o trabalho excêntrico que é também bastante eficaz para este objectivo. Factores Nervosos

12 Recrutamento das fibras O recrutamento das fibras musculares é explicado pela Lei de Henneman ou princípio do tamanho que nos diz que as fibras lentas são sempre recrutadas antes das fibras rápidas, independentemente do estímulo. Actualmente este princípio é bastante discutido. Consequências práticas O recrutamento das unidades motoras é a primeira causa de aumento da força. Depois disso aparece o trabalho de hipertrofia. Ou seja, os factores nervosos surgem antes dos factores estruturais. Por outro lado, os estímulos que promovam frequências elevadas de impulsos nervosos, são uma forma eficaz de aumentar a força através do recrutamento de fibras.

13 Sincronização das Unidades Motoras Para termos uma utilização do músculo eficaz, precisamos que as nossas fibras estejam sincronizadas entre si. Através da análise da próxima figura vamos perceber de que forma funciona a sincronização das fibras musculares. Percebemos que as fibras estão inicialmente sincronizadas. O circuito de Renshaw é o responsável pela dessincronização por acção de inibição dos motoneurónios. Através do treino da força que vise a inibição central do circuito de Renshaw, conseguimos adquirir o estado de sincronização novamente. Segundo alguns autores acredita-se que a sincronização das unidades motoras, ajuda na capacidade de produzir força. Não está totalmente excluída a possibilidade da sincronização das unidades motoras afectar ainda a força máxima.

14 Consequências Práticas A Coordenação Intermuscular Vários estudos demonstram que um aumento da carga ao nível do Squat não implica necessariamente um aumento da força nos quadricípides. Isto deve-se essencialmente ao fenómeno da Coordenação Intermuscular, isto é, os ganhos de força devem-se, em parte, aos aspectos coordenativos intermusculares. Como consequência práticas deste fenómeno, temos de ter atenção ao facto de que devemos trabalhar da forma mais específica possível para os objectivos que pretendemos. Factores de Estiramento Um músculo estirado produz mais força do que o contrário. As razões são de duas ordens:

15 Reflexo Miotático Na estrutura muscular e paralelamente ás fibras, encontramos o fuso neuro muscular (FNM). A sua função é avaliar o estiramento do músculo. Quando este se estira para além do seu estiramento normal, o FNM obriga o músculo a encurtar-se. Conseguimos perceber este fenómeno através da análise de um salto em profundidade. Quando colocamos um atleta a realizar um salto em profundidade, a força máxima que produz dá-se depois do contacto no solo e a força produzida é sempre superior à contracção máxima voluntária. Como consequência prática temos a Pliometria com a particular atenção à utilização de ângulos diferentes de contacto com o solo. Elasticidade Tendão-Músculo Sabemos hoje que a elasticidade de série é um aspecto importante nos movimentos desportivos. Esta elasticidade é analisada em duas fracções: (i) fracção passiva, associada aos tendões e,(ii) fracção activa, encontrada na parte contráctil do músculo e associada a uma proteína, a titina. Através da seguinte figura conseguimos perceber que a titina consegue armazenar energia e restituí-la.

Page 1. Tipos de Força. Força máxima. Força rápida. Força de resistência. Força reactiva

Page 1. Tipos de Força. Força máxima. Força rápida. Força de resistência. Força reactiva Bibliografia Adaptações do aparelho locomotor ao exercício físico e à inactividade Cap. 5 (pp. 107-138). Efeitos da actividade física nos tecidos não contrácteis. Cap. 8 (pp. 124-183). Adaptações neuromusculares

Leia mais

Prof. Dr. Sergio Augusto Cunha MÚSCULOS

Prof. Dr. Sergio Augusto Cunha MÚSCULOS MÚSCULOS SISTEMAS Prof. Dr. Sergio Augusto Cunha SISTEMA MUSCULAR Tecido conjuntivo. Tecido muscular. Funcionamento dos músculos. Formas dos músculos. Tipos de contrações musculares. Tipos de fibras musculares.

Leia mais

TRIPLO SALTO VELOCIDADE FORÇA OUTRAS VELOCIDADE EXECUÇAO (MOV. ACÍCLICO) FORÇA RESISTÊNCIA HIPERTROFIA CAPACIDADE DE ACELERAÇÃO EQUILÍBRIO

TRIPLO SALTO VELOCIDADE FORÇA OUTRAS VELOCIDADE EXECUÇAO (MOV. ACÍCLICO) FORÇA RESISTÊNCIA HIPERTROFIA CAPACIDADE DE ACELERAÇÃO EQUILÍBRIO TRIPLO SALTO O TRIPLO SALTO É UMA DISCIPLINA TÉCNICA MUITO COMPLEXA QUE OBRIGA A UM GRANDE APERFEIÇOAMENTO EM VÁRIAS VERTENTES, VISTO O SEU DESENVOLVIMENTO DEPENDER DE UMA COMBINAÇÃO DE VÁRIAS HABILIDADES

Leia mais

Métodos da Taxa de Produção de Força ou Máximos Métodos da Hipertrofia Muscular ou Sub-máximos Métodos Mistos. Métodos Reactivos

Métodos da Taxa de Produção de Força ou Máximos Métodos da Hipertrofia Muscular ou Sub-máximos Métodos Mistos. Métodos Reactivos Classificação dos s de treino da Força Classificação dos s de Treino da Força Diversidade Terminológica Classificações com base na carga, modalidade desportiva, etc. T. Força = hipertrofia muscular Classificação

Leia mais

METODOLOGIA DO TREINO I

METODOLOGIA DO TREINO I METODOLOGIA DO TREINO I Texto de Apoio Qualidades Físicas - Força 2 1. Definição Se quisermos procurar uma forma de definir força, só recolheremos alguma unanimidade de conceitos se a entendermos como

Leia mais

Sistema Muscular PROF. VINICIUS COCA

Sistema Muscular PROF. VINICIUS COCA Sistema Muscular PROF. VINICIUS COCA MUSCULO CARDÍACO (MIOCÁRDIO) Músculo cardíaco possui anatomia própria, diferindo anatômica e funcionalmente dos outros tipos musculares. MÚSCULO LISO O músculo liso

Leia mais

EXERCÍCIOS RESISTIDOS : Uma visão dentro da Escola

EXERCÍCIOS RESISTIDOS : Uma visão dentro da Escola EXERCÍCIOS RESISTIDOS : Uma visão dentro da Escola Professora Mestre em Ciências Escola de Educação Física e Esporte Universidade de São Paulo CONTEÚDO Conceitos básicos. Princípios biológicos do treinamento.

Leia mais

Fisiologia Humana. Prof. Ms.Sandro de Souza

Fisiologia Humana. Prof. Ms.Sandro de Souza Prof. Ms.Sandro de Souza Existem 3 tipos de Tecido Muscular Liso Forma a parede de diversos órgãos. São constituídos de fibras fusiformes, mas muito mais curtas do que as fibras musculares esqueléticas:

Leia mais

Variáveis Manipuláveis do Treino de Força

Variáveis Manipuláveis do Treino de Força Variáveis Manipuláveis do Treino de Força Lucimere Bohn lucimerebohn@gmail.com Área de Formação: 813 Desporto. Curso: Musculação e Cardiofitness. Módulo: Bases Morfofisiológicas VARIÁVEIS MANIPULÁVEIS

Leia mais

Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular

Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular Object 1 Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular Curso de Educação Física. Centro Universitário Toledo de Araçatuba - UNITOLEDO. (Brasil) Prof. Mário Henrique

Leia mais

PERIODIZAÇÃO APLICADA AO TREINAMENTO FUNCIONAL

PERIODIZAÇÃO APLICADA AO TREINAMENTO FUNCIONAL PERIODIZAÇÃO APLICADA AO TREINAMENTO FUNCIONAL MÉTODO CONTÍNUO O exercício é executado sem pausa. A intensidade do exercício é, normalmente, submáxima O volume é de moderado para alto VARIAÇÕES METODOLÓGICAS

Leia mais

Força e hipertrofia muscular. Msd. Júlia Veronese Marcon

Força e hipertrofia muscular. Msd. Júlia Veronese Marcon Força e hipertrofia muscular Msd. Júlia Veronese Marcon Função do músculo esquelético Contratilidade; Produz movimento humano (ex: locomoção, postura); Produz contra-inclinação muscular aumentando a resistência

Leia mais

SAÚDE. Apresentação do tema: Saúde. É um completo bem estar físico, mental e social e não somente a ausência de doença ou enfermidade.

SAÚDE. Apresentação do tema: Saúde. É um completo bem estar físico, mental e social e não somente a ausência de doença ou enfermidade. Apresentação do tema: Saúde É um completo bem estar físico, mental e social e não somente a ausência de doença ou enfermidade. 1.Desenvolvimento das Capacidades Motoras - Resistência - Força - Velocidade

Leia mais

António Graça Quantificação do Limiar anaeróbio Controlo Através da Lactatémia

António Graça Quantificação do Limiar anaeróbio Controlo Através da Lactatémia António Graça Quantificação do Limiar anaeróbio Controlo Através da Lactatémia 1. Introdução Organizar e colocar em prática o planeamento do treino requer a sua confirmação através de meios de avaliação.

Leia mais

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível.

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível. VALÊNCIAS FÍSICAS RESISTÊNCIA AERÓBICA: Qualidade física que permite ao organismo executar uma atividade de baixa para média intensidade por um longo período de tempo. Depende basicamente do estado geral

Leia mais

Efeitos da Inactividade e Readaptação Física do Desportista após uma lesão

Efeitos da Inactividade e Readaptação Física do Desportista após uma lesão Efeitos da Inactividade e Readaptação Física do Desportista após uma lesão por Mestre Francisco Batista Escola Superior de Educação de Almeida Garrett - Lic. Educação Física 1 Introdução Como sabemos uma

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Motricidade Humana 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular

Leia mais

Prof. Me Alexandre Rocha

Prof. Me Alexandre Rocha Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com Docência Docência Personal Trainer Prof. Me Alexandre Rocha 1 Alterações morfofuncionais decorrentes

Leia mais

O AGACHAMENTO AGACHAMENTO É UM PADRÃO DE MOVIMENTO PRIMITIVO

O AGACHAMENTO AGACHAMENTO É UM PADRÃO DE MOVIMENTO PRIMITIVO O AGACHAMENTO O agachamento é um dos movimentos mais utilizados no treino desportivo, mas um dos menos compreendidos e pior utilizado. Deixo um conjunto reflexões que para alguns poderão ser um pouco polémicas

Leia mais

A ACTIVIDADE FÍSICA F PREVENÇÃO DA IMOBILIDADE NO IDOSO EDNA FERNANDES

A ACTIVIDADE FÍSICA F PREVENÇÃO DA IMOBILIDADE NO IDOSO EDNA FERNANDES A ACTIVIDADE FÍSICA F NA PREVENÇÃO DA IMOBILIDADE NO IDOSO EDNA FERNANDES Epidemiologia do Envelhecimento O envelhecimento da população é um fenómeno de amplitude mundial, a OMS (Organização Mundial de

Leia mais

Treino de força no atletismo: Estudo de caso com o Técnico Nacional de Lançamentos. Paulo Pereira

Treino de força no atletismo: Estudo de caso com o Técnico Nacional de Lançamentos. Paulo Pereira Treino de força no atletismo: Estudo de caso com o Técnico Nacional de Lançamentos Paulo Pereira Porto, Novembro 2008 Treino de força no atletismo: Estudo de caso com o Técnico Nacional de Lançamentos

Leia mais

Treino de Alongamento

Treino de Alongamento Treino de Alongamento Ft. Priscila Zanon Candido Avaliação Antes de iniciar qualquer tipo de exercício, considera-se importante que o indivíduo seja submetido a uma avaliação física e médica (Matsudo &

Leia mais

EXERCÍCIOS RESISTIDOS. Parte I

EXERCÍCIOS RESISTIDOS. Parte I EXERCÍCIOS RESISTIDOS Parte I DESEMPENHO MUSCULAR Capacidade do músculo realizar trabalho. Elementos fundamentais: Força Potência muscular Resistência à fadiga FATORES QUE AFETAM O DESEMPENHO MUSCULAR

Leia mais

Tecido Muscular e Contração

Tecido Muscular e Contração Tecido Muscular e Contração Aula ao Vivo Características gerais: Constitui os músculos Originado do mesoderma; Relacionado à locomoção e movimentação de substâncias internas do corpo em função da capacidade

Leia mais

Confederação Brasileira de Canoagem (CBCa)

Confederação Brasileira de Canoagem (CBCa) (CBCa) Palestra: Programação anual dos treinamentos na Canoagem Slalom. Os Ciclos de Treinamento Na Água Trabalho Intensidade Fisiológico Periodização de: Aeróbia Capacidade Continua Aeróbia Capacidade

Leia mais

TECIDO MUSCULAR CARACTERÍSTICAS

TECIDO MUSCULAR CARACTERÍSTICAS TECIDO MUSCULAR CARACTERÍSTICAS O tecido muscular é formado por células alongadas ricas em filamentos (miofibrilas), denominadas fibras musculares. Essas células tem origem mesodérmica e são muito especializadas

Leia mais

Diminua seu tempo total de treino e queime mais gordura

Diminua seu tempo total de treino e queime mais gordura Diminua seu tempo total de treino e queime mais gordura Neste artigo vou mostrar o principal tipo de exercício para acelerar a queima de gordura sem se matar durante horas na academia. Vou mostrar e explicar

Leia mais

Mentor do Projecto -> Coach-Helper.Com

Mentor do Projecto -> Coach-Helper.Com - Licenciado em Educação Física; - Treinador Nível II em Futebol; - Treinador à 25 anos, passando por todos os escalões; - Treinou a Selecção Distrital de Leiria; - Passou pelo Marinhense, Marítimo, União

Leia mais

ESTRUTURA, FUNÇÃO E CONTROLE DO MOVIMENTO

ESTRUTURA, FUNÇÃO E CONTROLE DO MOVIMENTO ESTRUTURA, FUNÇÃO E CONTROLE DO MOVIMENTO Prover um meio de comunicação p/ coordenar o trabalho de bilhões de células Perceber e responder aos eventos nos ambientes externo e interno Controlar os movimentos

Leia mais

NATAÇÃO: PLANEJAMENTO DO TREINO FORA DE ÁGUA NUM MACROCICLO *

NATAÇÃO: PLANEJAMENTO DO TREINO FORA DE ÁGUA NUM MACROCICLO * NATAÇÃO: PLANEJAMENTO DO TREINO FORA DE ÁGUA NUM MACROCICLO * Ricardo Jorge da Costa Antunes ricardoantunes@bragatel.pt (Portugal) http://www.efdeportes.com/ Revista Digital - Buenos Aires - Año 10 - N

Leia mais

Treinar primeiro os grandes grupos musculares (tab. 1) Alternar os movimentos de flexão / extensão (tab. 2) Alternar tronco e m. superiores / m.

Treinar primeiro os grandes grupos musculares (tab. 1) Alternar os movimentos de flexão / extensão (tab. 2) Alternar tronco e m. superiores / m. CONSTRUÇÃO de PROGRAMAS de TREINO 8 Objectivos Selecção dos Exercicíos Organização dos exercicíos Frequência de Treino Selecção das Cargas Selecção do nº. de Repetições Selecção do nº. de Séries e Pausas

Leia mais

$QiOLVHELRPHFkQLFDHQHXURPXVFXODUGD PXVFXODWXUD H[WHQVRUDGRWUHPLQIHULRUQRVDOWRGHLPSXOVmR YHUWLFDO

$QiOLVHELRPHFkQLFDHQHXURPXVFXODUGD PXVFXODWXUD H[WHQVRUDGRWUHPLQIHULRUQRVDOWRGHLPSXOVmR YHUWLFDO $QiOLVHELRPHFkQLFDHQHXURPXVFXODUGD PXVFXODWXUD H[WHQVRUDGRWUHPLQIHULRUQRVDOWRGHLPSXOVmR YHUWLFDO,PSRUWkQFLDQR)XWHEROHLPSOLFDo}HVSDUDRWUHLQRGHIRUoD SDUWH * Licenciado em Ed. Física e Desporto (UTAD) Mestrando

Leia mais

A PLANIFICAÇÃO DO TREINO DA FORÇA NOS DESPORTOS COLECTIVOS por Sebastião Mota

A PLANIFICAÇÃO DO TREINO DA FORÇA NOS DESPORTOS COLECTIVOS por Sebastião Mota A PLANIFICAÇÃO DO TREINO DA FORÇA NOS DESPORTOS COLECTIVOS por Sebastião Mota INTRODUÇÃO Este documento foi elaborado segundo uma adaptação da obra de Gilles Cometti, que nos propõe uma matriz inovadora

Leia mais

Sistema Muscular. Elementos de Anatomia e Fisiologia Humana

Sistema Muscular. Elementos de Anatomia e Fisiologia Humana Os ossos e as articulações fornecem a estrutura e o suporte do corpo humano mas, por si só, não conseguem mover o corpo. O movimento depende do sistema muscular e, é conseguido pela contracção e relaxamento

Leia mais

Prof. Paulo Fonseca Bioenergética do exercício

Prof. Paulo Fonseca Bioenergética do exercício Prof. Paulo Fonseca Bioenergética do exercício O exercício é uma atividade ativa, portanto, demanda muita energia. Durante o exercício, a demanda energética do muculo esquelético aumenta consumindo uma

Leia mais

Tecidos Nervoso e Muscular

Tecidos Nervoso e Muscular Material de apoio para Monitoria Questão 1 (Feio-Lemos, 2014) No esquema abaixo está representada a anatomia geral de um neurônio. Acerca da mesma, responda o que se pede. a b c d e f Meio intracelular

Leia mais

MIOLOGIA. Prof.: Gustavo M. Pires

MIOLOGIA. Prof.: Gustavo M. Pires MIOLOGIA Prof.: Gustavo M. Pires INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO Os músculos são estruturas que movem os segmentos do corpo por encurtamento da distância que existe entre suas extremidades fixadas, ou seja, por

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA, APTIDÃO FÍSICA, SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA

ATIVIDADE FÍSICA, APTIDÃO FÍSICA, SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA ATIVIDADE FÍSICA, APTIDÃO FÍSICA, SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA Revolução industrial Antes da revolução industrial as pessoas eram mais ativas porque viviam constantemente se movimentando no trabalho na escola,

Leia mais

VELOCIDADE * Prof. Ms. Jeferson Macedo Vianna 1 INTRODUÇÃO 2 CONCEITO

VELOCIDADE * Prof. Ms. Jeferson Macedo Vianna 1 INTRODUÇÃO 2 CONCEITO VELOCIDADE * Prof. Ms. Jeferson Macedo Vianna 1 INTRODUÇÃO A velocidade é um dos componentes mais importantes do desempenho esportivo. No entanto, ela não deve ser vista como uma capacidade isolada. A

Leia mais

Desenvolvimento das capacidades motoras

Desenvolvimento das capacidades motoras Desenvolvimento das capacidades motoras Capacidades motoras Todos nós possuímos capacidades motoras ou físicas e é através delas que conseguimos executar ações motoras, desde as mais básicas às mais complexas

Leia mais

Eletroestimulação. ELETROESTIMULAÇÃO (Histórico) O que é??? FISIOLOGIA DA CONTRAÇÃO MUSCULAR E CONDUÇÃO NERVOSA

Eletroestimulação. ELETROESTIMULAÇÃO (Histórico) O que é??? FISIOLOGIA DA CONTRAÇÃO MUSCULAR E CONDUÇÃO NERVOSA Eletroestimulação Profa. Andreza Caramori de Moraes Profa. Narion Coelho Prof. Paulo Angelo Martins O que é??? A eletroestimulação é um mecanismo que simula a passagem do impulso nervoso, levando o músculo

Leia mais

CAPÍTULO 6 TECIDO MUSCULAR

CAPÍTULO 6 TECIDO MUSCULAR CAPÍTULO 6 TECIDO MUSCULAR 1 Características Histológicas O tecido muscular é constituído por células alongadas que possuem grande quantidade de filamentos citoplasmáticos com proteínas contráteis. Esse

Leia mais

MÉTODOS DE TREINAMENTO INTERVALADOS 2 COMPONENTES DO MÉTODO DE TREINO INTERVALADO

MÉTODOS DE TREINAMENTO INTERVALADOS 2 COMPONENTES DO MÉTODO DE TREINO INTERVALADO MÉTODOS DE TREINAMENTO INTERVALADOS 1 INTRODUÇÃO O método de treino por intervalos caracteriza-se por exercícios onde o organismo é submetido a períodos curtos, regulares e repetidos de trabalho com períodos

Leia mais

Métodos de treino da resistência

Métodos de treino da resistência Métodos de treino da resistência Índice 1. Introdução... 2 2. Noções básicas sobre exercício e sistemas energéticos... 2 2.1. Capacidade e potência dos sistemas energéticos... 3 3. Métodos de Treino da

Leia mais

Desenvolvimento da criança e o Desporto

Desenvolvimento da criança e o Desporto Desenvolvimento da criança e o Desporto Desenvolvimento da criança e o Desporto DESPORTO ENSINO TREINO CRIANÇAS E JOVENS I - O QUÊ? II - QUANDO? III - COMO? Desenvolvimento da criança e o Desporto I Capacidades

Leia mais

Histologia do Tecido Muscular

Histologia do Tecido Muscular Histologia do Tecido Muscular Vera Regina Andrade, 2014 Células ou fibras alongadas possuem proteínas contráteis Com capacidade de contração e distensão, proporcionando os movimentos corporais Três tipos

Leia mais

Níveis de organização do corpo humano - TECIDOS. HISTOLOGIA = estudo dos tecidos

Níveis de organização do corpo humano - TECIDOS. HISTOLOGIA = estudo dos tecidos Níveis de organização do corpo humano - TECIDOS HISTOLOGIA = estudo dos tecidos TECIDOS Grupos de células especializadas, semelhantes ou diferentes entre si, e que desempenham funções específicas. Num

Leia mais

Treinamento de Força

Treinamento de Força Treinamento de Força Sandro de Souza Referencial teórico: FLECK, S.J; KRAEMER, W.J. Fundamentos do Treinamento de Força Muscular, ArtMed, 3 Ed., 2007. As 5 leis básicas do Treinamento de Força Lei nº1

Leia mais

ADAPTAÇÕES AO TREINAMENTO NO FUTEBOL Silvia Teixeira de Pinho; Daniel Medeiros Alves; Luiz Antonio O. Ramos Filho 1

ADAPTAÇÕES AO TREINAMENTO NO FUTEBOL Silvia Teixeira de Pinho; Daniel Medeiros Alves; Luiz Antonio O. Ramos Filho 1 ADAPTAÇÕES AO TREINAMENTO NO FUTEBOL Silvia Teixeira de Pinho; Daniel Medeiros Alves; Luiz Antonio O. Ramos Filho 1 Resumo O futebol é o esporte mais popular do planeta, praticado por milhões de participantes.

Leia mais

Organização do treino de Badminton

Organização do treino de Badminton Organização do treino de Badminton Introdução O treino tem sempre uma variabilidade de factores enorme, qual o objectivo, a quem se destina, iniciação ou alto rendimento, qual a altura da época que nos

Leia mais

A PLIOMETRIA por Sebastião Mota

A PLIOMETRIA por Sebastião Mota por Sebastião Mota O termo pliometria refere-se a exercícios específicos que envolvam o Ciclo Alongamento- Encurtamento (CAE), isto é, um rápido alongamento da musculatura seguido de uma rápida acção concêntrica.

Leia mais

A, B Preto, Branco etc.

A, B Preto, Branco etc. 1 2 Qualidade a desenvolver Velocidade Reacção Velocidade máxima Conteúdos e métodos a utilizar Jogos de reacção (Barra do lenço, A e B) com distâncias entre 10 e 15 metros Jogos e repetições curtas Distâncias

Leia mais

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano.

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano. Biomecânica Parte do conhecimento da Ergonomia aplicada ao trabalho origina-se no estudo da máquina humana. Os ossos, os músculos, ligamentos e tendões são os elementos dessa máquina que possibilitam realizar

Leia mais

Lucimere Bohn lucimerebohn@gmail.com Área de Formação: 813 Desporto. Curso: Musculação e Cardiofitness. Módulo: Bases Morfofisiológicas

Lucimere Bohn lucimerebohn@gmail.com Área de Formação: 813 Desporto. Curso: Musculação e Cardiofitness. Módulo: Bases Morfofisiológicas Musculação: Definições Básicas Lucimere Bohn lucimerebohn@gmail.com Área de Formação: 813 Desporto. Curso: Musculação e Cardiofitness. Módulo: Bases Morfofisiológicas Termos frequentes na descrição de

Leia mais

UNIVERSIDADE DO PORTO FACULDADE DE CIÊNCIAS DO DESPORTO E EDUCAÇÃO FÍSICA. A Força em Ciclo de Alongamento Encurtamento

UNIVERSIDADE DO PORTO FACULDADE DE CIÊNCIAS DO DESPORTO E EDUCAÇÃO FÍSICA. A Força em Ciclo de Alongamento Encurtamento UNIVERSIDADE DO PORTO FACULDADE DE CIÊNCIAS DO DESPORTO E EDUCAÇÃO FÍSICA A Força em Ciclo de Alongamento Encurtamento Estudo comparativo de dois processos de treino pliométricos CAE longo VS. CAE curto

Leia mais

Por Personal Trainer Rui Barros

Por Personal Trainer Rui Barros Por Personal Trainer Rui Barros MANTER O PONTO DE EQUILIBRIO E NÃO RESISTIR À MUDANÇA Uma vez que estamos a terminar o nosso ciclo de treinos de verão, gostava de deixar ao leitor uma mensagem de conforto

Leia mais

MÚSCULO ESQUELÉTICO INSTITUTO DE FISIOLOGIA. Francisco Sampaio

MÚSCULO ESQUELÉTICO INSTITUTO DE FISIOLOGIA. Francisco Sampaio MÚSCULO ESQUELÉTICO INSTITUTO DE FISIOLOGIA Francisco Sampaio MÚSCULO ESQUELÉTICO (RESUMO) INTRODUÇÃO CLASSIFICAÇÃO FUNÇÕES BIOMECÂNICA TIPOS DE CONTRACÇÃO MECANISMO DE CONTRACÇÃO UNIDADE MOTORA COMPORTAMENTO

Leia mais

BASES FISIOLÓGICAS DO TREINAMENTO ESPORTIVO

BASES FISIOLÓGICAS DO TREINAMENTO ESPORTIVO BASES FISIOLÓGICAS DO TREINAMENTO ESPORTIVO Dr. José Maria Santarem* Exercícios físicos são parte integrante da prática e preparação esportiva, e podem ser utilizados em medicina com diversas finalidades.

Leia mais

Miologia anatomia e fisiologia dos músculos

Miologia anatomia e fisiologia dos músculos ANATOMIA DOS ANIMAIS DOMÉSTICOS Miologia anatomia e fisiologia dos músculos Valdirene Zabot valdirene@unochapeco.edu.br Tipos de tecido O tecido muscular e, consequentemente, os músculos, são classificados,

Leia mais

TREINAMENTO DE FORÇA RELACIONADO A SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA

TREINAMENTO DE FORÇA RELACIONADO A SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA TREINAMENTO DE RELACIONADO A SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA Como regra geral, um músculo aumenta de força quando treinado próximo da sua atual capacidade de gerar força. Existem métodos de exercícios que são

Leia mais

Metodologia do Treinamento Físico

Metodologia do Treinamento Físico Metodologia do Treinamento Físico FLEXIBILIDADE DEFINIÇÃO: É definida como a capacidade física expressa pela maior amplitude possível do movimento voluntário de uma articulação, ou combinações de articulações

Leia mais

MEDIDAS DA FORÇA E RESISTÊNCIA MUSCULAR

MEDIDAS DA FORÇA E RESISTÊNCIA MUSCULAR MEDIDAS DA FORÇA E RESISTÊNCIA MUSCULAR Revisando conceitos... Músculo-esquelética Força Resistência Flexibilidade Motora Agilidade Equilíbrio Potência Velocidade Revisando conceitos... Isométricas (estática)

Leia mais

Jan Cabri / Raul Oliveira 2º ano 2008/2009. Temas do Programa. Organização e controlo dos movimentos

Jan Cabri / Raul Oliveira 2º ano 2008/2009. Temas do Programa. Organização e controlo dos movimentos CINESIOLOGIA Jan Cabri / Raul Oliveira 2º ano 2008/2009 Temas do Programa Organização e controlo dos movimentos Adaptações do aparelho locomotor à actividade física e à inactividade Anatomia de superfície

Leia mais

Miologia. Fundamentos da fisiologia muscular e principais grupos musculares

Miologia. Fundamentos da fisiologia muscular e principais grupos musculares Fundamentos da fisiologia muscular e principais grupos musculares Área da anatomia responsável pelo estudo dos músculos CONTEÚDOS propriedades do músculo esquelético B Organização microscópica e processo

Leia mais

PLIOMETRÍA PRINCÍPIO DE EXECUÇÃO DO TRABALHO EXCÊNTRICO- CONCÊNTRICO

PLIOMETRÍA PRINCÍPIO DE EXECUÇÃO DO TRABALHO EXCÊNTRICO- CONCÊNTRICO PLIOMETRÍA O termo pliometría se utiliza para descrever o método de treinamento que busca reforçar a reação explosiva do indivíduo como resultado de aplicar o que os fisiologistas denominam "ciclo estiramento-encurtamento".

Leia mais

Características: Células alongadas e grande quantidade de filamentos contráteis; Origem mesodérmica;

Características: Células alongadas e grande quantidade de filamentos contráteis; Origem mesodérmica; Características: Células alongadas e grande quantidade de filamentos contráteis; Origem mesodérmica; Características: Tipos: Músculo estriado esquelético; Músculo estriado cardíaco; Músculo liso; Músculo

Leia mais

Principais funções dos músculos: Tipos de tecido muscular:

Principais funções dos músculos: Tipos de tecido muscular: Corpo Humano Tipos de Tecidos Tipos de tecido muscular: Esquelético Liso Cardíaco Principais funções dos músculos: 1.Movimento corporal 2.Manutenção da postura 3.Respiração 4.Produção de calor corporal

Leia mais

Métodos Treino e. CEF Cardio - Resumo

Métodos Treino e. CEF Cardio - Resumo Métodos Treino e Máquinas Cardiovasculares CEF Cardio - Resumo 3 Vias de ressíntese Energia (revisão) Conceito Resistência (fadiga) Níveis de Intensidade Metabólica Métodos de Treino Cardiovascular Máquinas

Leia mais

MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS

MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS 1 MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS Prof. Dr. Valdir J. Barbanti Escola de Educação Física e Esporte de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo A musculação refere-se à forma de exercícios que envolvem

Leia mais

MÉTODOS DE TREINAMENTO AERÓBICO *

MÉTODOS DE TREINAMENTO AERÓBICO * MÉTODOS DE TREINAMENTO AERÓBICO * Marlos Rodrigues Domingues Qualidades físicas divididas fisiologicamente e pedagogicamente em: - Orgânicas: as principais são as resistências aeróbica, anaeróbica lática

Leia mais

24/10/2013 Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com

24/10/2013 Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com Docência Personal Trainer Alterações morfofuncionais decorrentes do treinamento de força 1 Exercícios

Leia mais

TREINAMENTO DE FORÇA APLICADO À CATEGORIA DE BASE DO SUB-13 AO SUB-20 Profº - Douglas Saretti Cref nº 056144-G/SP

TREINAMENTO DE FORÇA APLICADO À CATEGORIA DE BASE DO SUB-13 AO SUB-20 Profº - Douglas Saretti Cref nº 056144-G/SP TREINAMENTO DE FORÇA APLICADO À CATEGORIA DE BASE DO SUB-13 AO SUB-20 Profº - Douglas Saretti Cref nº 056144-G/SP RESUMO: Abordar o assunto treinamento de força no futebol, requer muito estudo e um olhar

Leia mais

CÉLULAS MUSCULAR Fibra Muscular. Membrana celular- SARCOLEMA Citoplasma- SARCOPLASMA REL RETÍCULO SARCOPLASMÁTICO Mitocôndrias- SARCOSSOMAS

CÉLULAS MUSCULAR Fibra Muscular. Membrana celular- SARCOLEMA Citoplasma- SARCOPLASMA REL RETÍCULO SARCOPLASMÁTICO Mitocôndrias- SARCOSSOMAS CÉLULAS MUSCULAR Fibra Muscular Membrana celular- SARCOLEMA Citoplasma- SARCOPLASMA REL RETÍCULO SARCOPLASMÁTICO Mitocôndrias- SARCOSSOMAS Diâmetro fibra muscular: músculo considerado; idade; sexo; estado

Leia mais

fibras musculares ou miócitos

fibras musculares ou miócitos Os tecidos musculares são de origem mesodérmica e relacionam-se com a locomoção e outros movimentos do corpo, como a contração dos órgãos do tubo digestório, do coração e das artérias. As células dos tecidos

Leia mais

Treino em Circuito. O que é?

Treino em Circuito. O que é? Circuitando O que é? O trabalho em circuito foi idealizado por R.E.Morgan e G.T. Adamson em 1953, na Universidade de Leeds, na Inglaterra, como ofrma de manter os seus atletas em trabalho físico num espaço

Leia mais

Departamento de Educação Física e Desporto

Departamento de Educação Física e Desporto ESCOLA SECUNDÁRIA VITORINO NEMÉSIO Ano Letivo 2013-2014 Departamento de Educação Física e Desporto CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Ensino Básico Disciplina de Educação Física Revisto em Departamento no dia

Leia mais

temas de reabilitação cinesiterapia e massoterapia Pedro Soares Branco e colaboradores

temas de reabilitação cinesiterapia e massoterapia Pedro Soares Branco e colaboradores temas de reabilitação cinesiterapia e massoterapia Pedro Soares Branco e colaboradores temas de reabilitação cinesiterapia e massoterapia Pedro Soares Branco Assistente Hospitalar Graduado de Medicina

Leia mais

MÉTODOS DE TREINO FLEXIBILIDADE

MÉTODOS DE TREINO FLEXIBILIDADE MÉTODOS DE TREINO FLEXIBILIDADE FLEXIBILIDADE REVISÕES Formas de manifestação da flexibilidade: CONCEITO: Flexibilidade pode ser definida como a capacidade dos tecidos corporais em permitir, sem danos

Leia mais

TREINAMENTO DA FLEXIBILIDADE

TREINAMENTO DA FLEXIBILIDADE TREINAMENTO DA FLEXIBILIDADE O treinamento da flexibilidade pode ser realizado de duas formas: alongamento e flexionamento. ALONGAMENTOS No caso do alongamento, o objetivo é se mobilizar a articulação

Leia mais

Planificação do treino de velocistas (100 e 200 m)

Planificação do treino de velocistas (100 e 200 m) Planificação do treino de velocistas (100 e 200 m) NOTA: Nos treinos de ginásio faz-se sempre pliometria de caixas e no aquecimento estão incluídos exercícios de pliometria básicos. Preparação Específica

Leia mais

Coordenação do Organismo

Coordenação do Organismo Sistema Nervoso Coordenação do Organismo Sistema Nervoso Sistema responsável pela transmissão de estímulos de uma zona do corpo para outra. Sistema Hormonal Sistema responsável pela síntese de substâncias

Leia mais

Força e Resistência Muscular

Força e Resistência Muscular Força e Resistência Muscular Prof. Sergio Gregorio da Silva, PhD Objetivos do Treinamento com Pesos Aumento da massa muscular Força Potência Velocidade Resistência Muscular Localizada Equilibro Coordenação

Leia mais

Métodos e sistemas de treinamento de Força

Métodos e sistemas de treinamento de Força Métodos e sistemas de treinamento de Força O treinamento de força atualmente exerce um papel importante no condicionamento físico geral, na performance esportiva, na reabilitação de lesões e no aumento

Leia mais

Metodologia do Treinamento Desportivo

Metodologia do Treinamento Desportivo Metodologia do Treinamento Desportivo PRINCÍPIOS DO TREINAMENTO ESPORTIVO Princípios do treinamento [5] Individualidade biológica Adaptação Sobrecarga Interdependência volume / intensidade Continuidade

Leia mais

ELECTRICIDADE DOS SISTEMAS BIOLÓGICOS

ELECTRICIDADE DOS SISTEMAS BIOLÓGICOS ELECTRICIDADE DOS SISTEMAS BIOLÓGICOS ELECTRICIDADE Capaz de transportar e sincronizar informação de um modo muito eficiente. Importante na actividade neuronal e muscular. ELECTRICIDADE DO SISTEMA NERVOSO

Leia mais

CIRCUITO TREINO * O fator especificador do circuito será a qualidade física visada e o desporto considerado.

CIRCUITO TREINO * O fator especificador do circuito será a qualidade física visada e o desporto considerado. CIRCUITO TREINO * O CT é um método polivalente adequado a realizar tanto a preparação cardiopulmonar como a neuromuscular. É, por isto, largamente empregado no treinamento desportivo pela economia de tempo

Leia mais

Roteiro. Contracao muscular e potencial de acao. Musculo cardiaco caracteristicas da contracao do musculo cardiaco

Roteiro. Contracao muscular e potencial de acao. Musculo cardiaco caracteristicas da contracao do musculo cardiaco Roteiro Contracao muscular e potencial de acao Musculo cardiaco caracteristicas da contracao do musculo cardiaco Impulsos eletricos no coracao Sistema nervoso simpatico e parassimpatico e a atividade cardiaca

Leia mais

Fisiologia do Sistema Nervoso. 1. Sistema Nervoso Sensorial 2. Sistema Nervoso Motor 3. Sistema Nervoso Autônomo 4.

Fisiologia do Sistema Nervoso. 1. Sistema Nervoso Sensorial 2. Sistema Nervoso Motor 3. Sistema Nervoso Autônomo 4. Fisiologia do Sistema Nervoso 1. Sistema Nervoso Sensorial 2. Sistema Nervoso Motor 3. Sistema Nervoso Autônomo 4. Ritmos Biológicos Sistema Nervoso Motor a) Organização Hierárquica do Movimento Movimentos

Leia mais

LESÕES MUSCULARES. Ft. Esp. Marina Medeiros

LESÕES MUSCULARES. Ft. Esp. Marina Medeiros LESÕES MUSCULARES Ft. Esp. Marina Medeiros EPIDEMIOLOGIA Os músculos são os únicos geradores de força capazes de produzir movimento articular. São 434 músculos, representando 40% do peso corporal; dentre

Leia mais

PLANEAMENTO DO TREINO: DA FORMAÇÃO AO ALTO RENDIMENTO

PLANEAMENTO DO TREINO: DA FORMAÇÃO AO ALTO RENDIMENTO PLANEAMENTO DO TREINO: DA FORMAÇÃO AO ALTO RENDIMENTO António Vasconcelos Raposo Treinador de Mérito de Natação Pura Desportiva Formador da Solidariedade Olímpica Internacional Formador FINA Formador da

Leia mais

Periodização no Treinamento de Força. (Musculação).

Periodização no Treinamento de Força. (Musculação). Curso de Musculação. Periodização no Treinamento de Força. (Musculação). Periodização: o que é isso? É o período ou temporada de treinamento prédeterminado, em que se encontra um indivíduo, possuindo etapas

Leia mais

Para podermos diagnosticar a fadiga temos as análises ao sangue (técnica invasiva) e as análises à urina (mais utilizada devido a várias vantagens).

Para podermos diagnosticar a fadiga temos as análises ao sangue (técnica invasiva) e as análises à urina (mais utilizada devido a várias vantagens). Fadiga A procura de um elevado nível de rendimento, para muitos autores, é o principal objectivo do treino (Carlile,1963). Concordamos com esta posição e pensamos que tal situação só é verificável quando

Leia mais

ASPECTOS ATUAIS DO TREINAMENTO DE VELOCIDADE

ASPECTOS ATUAIS DO TREINAMENTO DE VELOCIDADE ASPECTOS ATUAIS DO TREINAMENTO DE VELOCIDADE JAYME NETTO JR Professor do Departamento de Fisioterapia/UNESP Mestrado em Ciências do Esporte/UNICAMP Doutorado em Ciências da Saúde/FAMERP Técnico Olímpico

Leia mais

Mesomorfo, Ectomorfo ou Endomorfo? Qual o seu tipo físico?

Mesomorfo, Ectomorfo ou Endomorfo? Qual o seu tipo físico? Mesomorfo, Ectomorfo ou Endomorfo? Qual o seu tipo físico? Você provavelmente já notou que seu corpo não é o mesmo que o de seus amigos ou colegas de trabalho. Algumas pessoas tendem a ser mais magras

Leia mais

DOMÍNIOS SUBDOMÍNIOS CONTEÚDOS OBJETIVOS. 1.º Período: ATIVIDADES DESPORTIVAS

DOMÍNIOS SUBDOMÍNIOS CONTEÚDOS OBJETIVOS. 1.º Período: ATIVIDADES DESPORTIVAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA 5.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO Metas Intermédias Atividades Desportivas O aluno cumpre o nível introdutório de quatro matérias diferentes: Um nível introdutório na categoria

Leia mais

Audição. Audição. Audição e equilíbrio. Capta e direcciona as ondas sonoras para o canal auditivo externo.

Audição. Audição. Audição e equilíbrio. Capta e direcciona as ondas sonoras para o canal auditivo externo. Sistema auditivo Audição Audição Audição e equilíbrio Capta e direcciona as ondas sonoras para o canal auditivo externo. Possui glândulas sebáceas e glândulas sudoríparas apócrinas modificadas glândulas

Leia mais

SISTEMA MUSCULAR. Profª Fabíola Alves dos Reis 2014

SISTEMA MUSCULAR. Profª Fabíola Alves dos Reis 2014 SISTEMA MUSCULAR Profª Fabíola Alves dos Reis 2014 OBJETIVOS Diferenciar os tipos de músculos. Conhecer as estruturas micro e macroscópicas dos músculos. Conceituar: estados de contração e de relaxamento,

Leia mais

Os Benefícios do Taekwon-do na Infância e na Adolescência

Os Benefícios do Taekwon-do na Infância e na Adolescência Liga Desportiva de Taekwon-do do Estado de Minas Gerais - LDTEMG Mestre Ronaldo Avelino Xavier Os Benefícios do Taekwon-do na Infância e na Adolescência Belo Horizonte, 06 de Fevereiro de 2013. Mestre

Leia mais

O processo contrátil do músculo liso: A base química da contrcao do músculo liso:

O processo contrátil do músculo liso: A base química da contrcao do músculo liso: O musculo liso e sua contracao: O músculo liso e composto por fibras muito menores, contrastando com as fibras musculares esqueléticas. Muitos dos princípios da contração se aplicam, da mesma forma que

Leia mais

Alexandre Sérgio Silva Laboratório de Estudos do Treinamento Físico Aplicado ao Desempenho e Saúde (LETFADS) ass974@yahoo.com.br

Alexandre Sérgio Silva Laboratório de Estudos do Treinamento Físico Aplicado ao Desempenho e Saúde (LETFADS) ass974@yahoo.com.br Alexandre Sérgio Silva Laboratório de Estudos do Treinamento Físico Aplicado ao Desempenho e Saúde (LETFADS) ass974@yahoo.com.br Cognitiva, emocional, Motivacional, lolitiva Tarefas realizadas Tarefas

Leia mais