Manual do VBScript. Listagem 1 Recuperando espaço livre em disco com o VBScript

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Manual do VBScript. Listagem 1 Recuperando espaço livre em disco com o VBScript"

Transcrição

1 Manual do VBScript Este artigo é derivado do System Administration Scripting Guide, um novo livro que será publicado como parte do Windows.NET Server Resource Kit. Quando combinado a tecnologias como a instrumentação de gerenciamento do Windows (WMI) e as interfaces de serviço do Active Directory (ADSI), o Microsoft Visual Basic Scripting Edition (VBScript) torna-se uma linguagem de scripts poderosa. Usando o VBScript juntamente com essas tecnologias, você pode escrever um script de aproximadamente linhas, um script completo com tratamento de erros, sub-rotinas e outras construções de programação avançadas. Por sua vez, esse script fornece a você controle completo sobre todos os aspectos do seu ambiente de computação. No entanto, o que torna o VBScript uma ferramenta tão útil para administradores de sistema é o fato de que não é preciso criar soluções tão elaboradas e complicadas. Reconhecidamente, scripts podem ser usados para criar uma solução de gerenciamento empresarial abrangente. Porém, talvez o mais importante seja o fato de que os scripts também podem ser usados do seguinte modo: um administrador do sistema pode gastar alguns minutos digitando algumas linhas de código no Bloco de Notas e criar instantaneamente uma solução personalizada para um problema específico. Por exemplo, o script de três linhas mostrado na listagem 1 pode ser executado sempre que você precisar saber a quantidade de espaço livre em disco disponível na unidade C do seu computador. Listagem 1 Recuperando espaço livre em disco com o VBScript 1 Set objwmiservice = GetObject("winmgmts:") 2 Set objlogicaldisk = objwmiservice.get("win32_logicaldisk.deviceid='c:'") 3 WScript.Echo objlogicaldisk.freespace Se estiver enfrentado problemas com usuários que utilizam muito espaço na unidade C de seus computadores, agora você tem uma solução personalizada para identificar os computadores com pouco espaço livre em disco. Além disso, você pode desenvolver

2 essa solução personalizada usando somente o Bloco de Notas e só precisará digitar as três linhas de código já mencionadas. É claro que talvez esse script não atenda completamente às suas necessidades. Por exemplo, o script só informa a respeito do espaço livre em disco disponível no seu computador local; ele não pode informar a quantidade de espaço livre disponível em um computador remoto. Da mesma forma, o script relata apenas o espaço livre disponível na unidade C; ele não informa nada a respeito do espaço livre disponível nas unidades D e E, por exemplo. Porém, se o script não atender completamente às suas necessidades, ele poderá ser facilmente modificado, sem que seja preciso iniciar um novo script a partir do zero. Essa é outra vantagem do VBScript: é possível iniciar com um script muito simples e adicionar recursos a ele à medida que suas necessidades forem mudando e você for se tornando mais proficiente com a linguagem. Conceitos básicos do VBScript Este artigo foi criado para ilustrar o processo de se começar com um script básico e de se adicionar, gradualmente, mais recursos sofisticados a ele. O artigo começa com o script mostrado na listagem 1, um script que relata o espaço livre em disco na unidade C. Seções subseqüentes usarão esse script simples de três linhas e gradualmente adicionarão mais recursos para torná-lo mais útil em mais situações. Quando essa série de aprimoramentos estiver completa, você terá um script que pode: Recuperar informações sobre o espaço livre em disco de qualquer computador de sua empresa, inclusive computadores remotos. Recuperar informações sobre o espaço livre em disco de vários computadores. Recuperar informações sobre o espaço livre em disco de todas as unidades instaladas em um computador. Emitir uma notificação somente se uma unidade tiver pouco espaço em disco. Continuar funcionando caso um usuário digite um nome de computador inválido ou caso um computador não esteja disponível na rede. À medida que os novos recursos forem adicionados ao script, as construções do VBScript necessárias para fornecer esses aprimoramentos também serão brevemente

3 explicadas. (No capítulo do System Administration Scripting Guide do qual esse arquivo é derivado, essas construções são explicadas em mais detalhes.) Trabalhando com objetos O VBScript permite a administradores do sistema criar scripts complexos usando recursos de programação avançados, como árvores de decisão, loop, tratamento de erros e a capacidade de chamar funções e sub-rotinas. Porém, o VBScript não inclui funções intrínsecas à execução de tarefas de administração de sistemas. O VBScript possui funções internas para a determinação da raiz quadrada de um número ou do valor ASCII de um caractere, mas não possui funções internas para a interrupção de serviços, para a recuperação de eventos em logs de eventos ou para a execução de outras tarefas do interesse de administradores de sistemas. Usando objetos COM Felizmente, há maneiras de se executar essas tarefas por meio de programação. Isso é feito basicamente através do uso de objetos de automação. Objetos de automação são um subconjunto de COM (modelo de objeto componente), uma forma padrão de aplicativos (arquivos.exe) ou bibliotecas de programação (arquivos.dll) apresentarem seus recursos como uma série de objetos. Por sua vez, os programadores (ou escritores de script) podem utilizar esses objetos -- e os recursos do aplicativo ou da biblioteca de programação -- em seus próprios projetos. Por exemplo, um aplicativo de processamento de texto pode expor o verificador ortográfico como um objeto de automação, fornecendo aos escritores de script uma maneira de adicionar a verificação ortográfica a seus projetos. A capacidade de trabalhar com objetos de automação e utilizar as propriedades e os métodos desses objetos torna o VBScript uma ferramenta poderosa para administração de sistemas. O VBScript sozinho não pode ler eventos em um log; no entanto, ele pode usar os recursos incluídos na WMI para recuperar esses eventos. O VBScript não possui funções intrínsecas à criação de contas de usuário no Active Directory; porém, a linguagem pode usar os recursos da ADSI para criar essas contas. Na verdade, o VBScript é freqüentemente chamado de "linguagem cola", pois uma de suas aplicações principais é "colar" objetos. Em vez de fornecer um número infinito de funções intrínsecas dedicadas à administração de sistemas, o VBScript fornece duas funções,

4 GetObject e CreateObject, e os elementos de linguagem necessários para o uso dos métodos e das propriedades de objetos de automação. O script mostrado na listagem 2 ilustra a importância de objetos de automação no VBScript. Esse script relata a quantidade de espaço livre em disco na unidade C do computador local. E, ainda, ele faz isso usando pouco código VBScript. Em vez disso, o script: 1. Usa a função VBScript GetObject para se conectar à WMI através da biblioteca de scripts WMI (um objeto de automação). 2. Usa o método Get, fornecido pelo objeto de automação WMI, para recuperar as propriedades da unidade C. 3. Usa o método Echo do Windows Script Host (WSH) para relatar a quantidade de espaço livre em disco na unidade C. Aliás, WSH é apenas outro objeto de automação. Listagem 2 Usando objetos no VBScript 1 Set objwmiservice = GetObject("winmgmts:") 2 Set objlogicaldisk = objwmiservice.get("win32_logicaldisk.deviceid='c:'") 3 WScript.Echo objlogicaldisk.freespace No exemplo anterior, o objetivo principal do VBScript era colar os recursos da WMI e do WSH. Isso permitiu a você recuperar o espaço livre em disco (algo que o WSH não pode fazer sozinho) e exibir o valor de volta para a tela (algo que a WMI não pode fazer sozinha). Criando objetos Antes de utilizar os métodos ou as propriedades de um objeto de automação, você deve obter uma referência ao objeto, um processo conhecido como criar ou determinar o objeto. Criar objetos pode parecer confuso à primeira vista, pois o VBScript e o WSH fornecem os métodos CreateObject e GetObject para acessar objetos. Além disso, embora as implementações sejam semelhantes, há algumas diferenças sutis que crescem em importância à medida que você se torna proficiente em scripts. Essas diferenças são discutidas em mais detalhes no livro. Por enquanto, use as seguintes diretrizes práticas sem se preocupar com o fato de estar usando as funções do VBScript ou os métodos do WSH (porém, na maioria dos casos, você usará as funções do VBScript):

5 Use GetObject para criar objetos WMI ou ADSI. Quando estiver utilizando GetObject, use um identificador de origem para identificar o objeto a ser criado. Um identificador de origem é simplesmente uma seqüência de caracteres, com um prefixo obrigatório, que facilita a descrição do objeto de destino, da mesma forma como um nome de arquivo e um caminho completo descrevem um arquivo específico no sistema de arquivos. Use CreateObject para criar objetos que não sejam WMI ou ADSI. CreateObject usa um identificador por meio de programação, ProgID, para identificar o objeto a ser criado. Um ProgID é a seqüência de caracteres fixa que um objeto adiciona ao Registro quando o objeto é instalado e registrado no computador. Prefixos de identificador de origem também são armazenados no Registro. Estas não são regras fixas; algumas vezes você precisará usar CreateObject para criar objetos WMI que não sejam SWbemServices (por exemplo, SWbemDateTime). Alguns objetos ADSI exigem, de forma semelhante, o uso de CreateObject. Porém, em geral, CreateObject será necessário somente durante a criação de novas instâncias de itens como objetos de shell, de rede e de controlador do WSH, objetos de dicionário, FileSystemObject e o Internet Explorer, entre vários outros objetos. Objetos intrínsecos Alguns objetos são intrínsecos. Objetos intrínsecos são os objetos criados sem nunca ter sido necessário efetuar uma chamada para GetObject ou CreateObject. No script mostrado na listagem 2, o script conecta-se à WMI usando este código: Set objwmiservice = GetObject("winmgmts:") Isso cria uma referência, chamada objwmiservice, ao objeto SwbemServices da biblioteca de scripts WMI. Observe que nenhuma seqüência de caracteres semelhante é usada para criar uma referência ao objeto Wscript do WSH na listagem 2. Em vez disso, o método Echo é chamado sem a criação anterior de qualquer tipo de objeto WSH. Isso ocorre porque WScript é um objeto intrínseco. Não é necessário criar um objeto Wscript, pois WScript será criado automaticamente quando você executar um script de VBScript. O objeto de erro do VBScript, Err, é outro objeto intrínseco. O objeto Err será criado automaticamente quando ocorrer um erro no script. Examinaremos o objeto Err posteriormente neste artigo. Usando uma referência de objeto

6 Com a automação, você não trabalha diretamente com o próprio objeto. Em vez disso, você cria uma referência ao objeto usando GetObject ou CreateObject e atribuindo o objeto a uma variável. Após a criação dessa referência, você poderá acessar os métodos e as propriedades do objeto usando a variável e não o objeto propriamente dito. Na listagem 2, GetObject é usado para atribuir o objeto SWbemServices da WMI à variável objwmiservice. Depois que a atribuição for concluída, todos os métodos e as propriedades do objeto SWbemServices poderão ser acessados através de objwmiservice. Por exemplo, na linha 2 do script, o método Get é usado para recuperar as propriedades da unidade C. Sempre que criar uma referência de objeto, você deverá usar a palavra-chave Set quando atribuir a referência a uma variável. Por exemplo, esta linha de código resultará em erro em tempo de execução: objwmiservice = GetObject("winmgmts:") Para criar a referência do objeto, use a palavra-chave Set da seguinte maneira: Set objwmiservice = GetObject("winmgmts:") Set só é usada durante a criação de uma referência de objeto. Se você usar essa palavra-chave para outros propósitos, como atribuir um valor a uma variável, ocorrerá um erro em tempo de execução. Por exemplo, esta linha de código falhará, pois nenhum objeto chamado y poderá ser encontrado no computador: Set x = y Métodos de chamada Os objetos de automação permitem usar os recursos dos objetos nos scripts. Por sua vez, isso permite a você criar scripts mais úteis e poderosos do que faria se estivesse restrito aos recursos da linguagem de scripts. Por exemplo, é impossível desenhar um gráfico usando somente o VBScript. No entanto, com a automação, você pode utilizar os recursos do Microsoft Excel e adicionar facilmente um gráfico a, por exemplo, uma página da Web. Normalmente, os objetos de automação expõem métodos e propriedades (porém, não há requisitos para que exponham nenhum dos dois). Os métodos são equivalentes às ações que os objetos podem executar. Por exemplo, embora o script da listagem 2 tenha somente três linhas, ele usa a automação para acessar os métodos de dois objetos COM diferentes e, assim, executar duas ações distintas:

7 O método Get, disponível através do objeto SWbemServices da WMI. O método Get recupera informações do recurso gerenciado pela WMI especificado. O método Echo, disponível através do objeto WScript. O método Echo exibe informações na tela. Se um script estiver sendo executado em uma janela de prompt de comando e, portanto, sob Cscript.exe, essa informação será exibida dentro dessa janela. Se o script estiver sendo executado sob Wscript.exe, a informação será exibida em uma caixa de diálogo. Depois de criar uma referência a um objeto, você poderá chamar os métodos desse objeto usando a notação de pontos. A notação de pontos tem esse nome, pois você chama um método digitando o nome da variável que faz referência ao objeto, um ponto e o nome do método (dependendo do método, você também poderá digitar seus parâmetros). Geralmente, a notação de pontos tem a seguinte aparência: Referência_de_Objeto.Nome_do_Método Na listagem 2, a chamada do método Get de SWbemServices pode ser dividida conforme mostrado na tabela 1. Tabela 1 Item Descrição objwmiservice Referência do objeto.. Ponto (separa a referência do objeto e o nome do método). Get Nome do método. ("Win32_LogicalDisk.DeviceID='C:'") Parâmetro do método. Para o método Get, isso pode ser lido como "Obtenha a instância da classe Win32_LogicalDisk onde DeviceID é igual a C:". Uma observação sobre Wscript.Echo Em vez de usar Wscript.Echo para exibir o espaço livre em disco, você pode usar a função Msgbox do VBScript: Msgbox objlogicaldisk.freespace Porém, neste artigo, usaremos Wscript.Echo e não Msgbox. Isso será feito porque a função Msgbox sempre exibe as informações em uma caixa de diálogo gráfica. Quando essa caixa de diálogo for exibida, você deverá clicar no botão OK antes que o script prossiga.

8 Recuperando propriedades Propriedades são atributos associados a um objeto. Elas são especialmente importantes em scripts de administração de sistemas, pois vários dos objetos que você usa são representações virtuais de objetos reais de sistema operacional e de computador. Na listagem 2, a propriedade FreeSpace é recuperada com a mesma notação de pontos usada para chamar métodos. Isso pode parecer irrelevante, mas com a WMI, a referência não é algum algoritmo de programação amorfo, mas sim a um disco rígido real no computador. Portanto, a propriedade FreeSpace não é somente uma propriedade de um objeto de automação; ela é uma propriedade da unidade C. De certa maneira, WMI cria um espelho virtual de um objeto físico real. Quando você recupera as propriedades desse espelho virtual, também recupera as propriedades do objeto físico. Variáveis O script mostrado na listagem 2 funciona exatamente como o esperado; quando executado, ele relata o espaço livre em disco na unidade C. Porém, isso não significa que o script não possa ser aprimorado. Por exemplo, a propriedade FreeSpace informa o número de bytes disponíveis em uma unidade. Como unidades de disco são normalmente medidas em gigabytes, quase sempre a propriedade FreeSpace retorna um valor difícil de interpretar. Por exemplo, a figura 1 mostra o valor relatado para uma unidade com aproximadamente 10 gigabytes de espaço livre em disco. Figura 1 Embora pareça óbvio que a unidade C possui espaço em disco adequado, é muito menos óbvio a quantidade de espaço em disco realmente disponível. Administradores de sistema podem achar fácil interpretar os dados retornados pelo script, caso os dados sejam relatados como megabytes em vez de bytes. O VBScript inclui uma grande variedade de funções matemáticas que permitem executar ações, como a conversão de bytes em megabytes. Além disso, o VBScript também fornece uma construção -- a variável -- que pode ser usada para armazenar os resultados dessas equações matemáticas. Variáveis fornecem uma maneira de armazenar qualquer tipo de dado enquanto o script está sendo executado.

9 Variáveis representam partes da memória disponíveis ao script durante sua execução. Com essa finalidade, você pode pensar em memória de computador como sendo uma série de pequenos compartimentos. Uma variável nada mais é do que um desses compartimentos com um rótulo identificador anexado. Você pode armazenar qualquer tipo de dado nesse compartimento e ter certeza de que o VBScript poderá recuperar os dados se necessário. Quando você desejar fazer referência a esses dados, o VBScript simplesmente procurará o endereço da memória e relatará as informações lá armazenadas. Usando variáveis Como outras linguagens de script comuns, as variáveis do VBScript podem ser criadas e usadas imediatamente em qualquer ponto de um script. Você não precisa se preocupar em declarar ou inicializar uma variável antes de usá-la. (Por outro lado, há algumas vantagens em declarar e inicializar variáveis antes de usá-las. Para obter detalhes, consulte o System Administration Scripting Guide.) Na linha 3 da listagem 3, uma variável chamada FreeMegabytes é usada para armazenar os resultados da divisão de FreeSpace por (o valor necessário para converter bytes em megabytes). Assim que a linha 3 for executada, a variável FreeMegabytes assumirá o valor dessa equação. Se for necessário fazer referência ao número de megabytes de espaço livre em disco em qualquer outro local do script, você não precisará repetir essa equação. Em vez disso, simplesmente faça referência à variável FreeMegabytes. Isso é mostrado na linha 4, onde o valor da variável é exibido para a tela. Listagem 3 Usando variáveis 1 Set objwmiservice = GetObject("winmgmts:") 2 Set objlogicaldisk = objwmiservice.get("win32_logicaldisk.deviceid='c:'") 3 FreeMegaBytes = objlogicaldisk.freespace / WScript.Echo FreeMegaBytes A Figura 2 mostra o valor relatado como megabytes. Figura 2 Observação A equação usou o número e não o número (com pontos para separar os milhares). Você não pode usar pontos ou qualquer outro caractere para separar milhares no VBScript. Em vez disso, você deve executar todos os dígitos juntos. Isso se aplica a números embutidos em código no script, bem como

10 números inseridos como um argumento de linha de comando ou como resposta a qualquer tipo de solicitação. Modificando variáveis Provavelmente, o valor (significando megabytes de espaço livre) é muito mais significativo para o administrador de sistema típico do que o valor Porém, pode-se argumentar que os números após o ponto decimal não contêm muitas informações úteis. Felizmente, o VBScript fornece várias maneiras diferentes para você modificar os dados armazenados em variáveis. Por exemplo, a função Int retorna a parte inteira de um número, deixando de fora todos os dígitos após o ponto decimal. Portanto, você pode usar a função Int para modificar o valor decimal armazenado no compartimento FreeMegaBytes, conforme mostrado na linha 4 da listagem 4. Listagem 4 Modificando variáveis 1 Set objwmiservice = GetObject("winmgmts:") 2 Set objlogicaldisk = objwmiservice.get("win32_logicaldisk.deviceid='c:'") 3 FreeMegaBytes = objlogicaldisk.freespace / FreeMegaBytes = Int(FreeMegaBytes) 5 WScript.Echo FreeMegaBytes A função Int recupera o valor decimal original, descarta todos os dígitos após o ponto decimal e retorna somente a parte inteira arredondada do número, que sobrescreve o valor original armazenado no compartimento FreeMegaBytes (variável). Quando o script da listagem 4 for executado, FreeMegaBytes será relatado como um número inteiro, conforme mostrado na figura 3. Figura 3 Constantes No script mostrado na listagem 3, a quantidade de megabytes livres é calculada através da divisão do valor da propriedade FreeSpace pelo valor embutido em código (valores embutidos em código como esse são chamados de literais, pois representam literalmente o valor e não variáveis). Em um script pequeno como esse (especialmente, um script pequeno escrito para seu próprio uso), valores literais embutidos em código não apresentam problemas. Porém,

11 talvez seja necessário um script maior, especialmente um script usado na configuração de empresas. Nessas situações, literais podem resultar em, pelo menos, dois problemas: Confusão. Em um script pequeno, pode estar evidente que é o valor necessário para converter bytes (o valor retornado da propriedade FreeSpace) em megabytes. Em um script maior, que inclua várias equações matemáticas, isso pode não estar tão evidente. Esse problema ocorre principalmente em configurações de empresas, onde vários administradores podem usar -- e modificar -- o mesmo script. Embora seja fácil para você saber o que representa, talvez não seja tão evidente para outro administrador encarregado de modificar o script. Mais trabalho e mais risco de erro. Se você tem certeza de que seu script nunca será alterado, talvez não seja relevante que o uso de literais possa ser confuso. Porém, se houver possibilidade de alteração no script, os valores literais não só serão confusos, como também exigirão mais trabalho para a pessoa que estiver modificando o script. Por exemplo, considere que esse mesmo procedimento -- converter quilobytes em megabytes -- seja usado 5 ou 6 vezes em um script. Se mais tarde você decidir converter o valor em gigabytes em vez de megabytes, você terá de modificar corretamente cada linha de código em que ocorrer a conversão. Se não fizer isso, o script não fornecerá resultados precisos. Uma maneira de evitar os problemas que podem surgir devido ao uso de literais é utilizar constantes. Constantes são similares a variáveis, pois ambas são locais para armazenar dados. Porém, ao contrário das variáveis, as constantes, depois que são definidas (isto é, depois que um valor é atribuído a elas), não podem ser modificadas durante a execução do script. Ao atribuir itens importantes, como o valor necessário para converter bytes em megabytes, a uma constante, você pode garantir que o valor permanecerá o mesmo: um valor de constante não pode ser alterado, nem inadvertidamente nem de qualquer outra forma. Na listagem 5, uma constante chamada CONVERSION_FACTOR é definida na linha 1 e o valor é atribuído a ela. Posteriormente no script (linha 4), o número de bytes de espaço livre em disco é convertido no número de megabytes de espaço livre em disco. Em vez de usar o valor literal , a constante CONVERSION_FACTOR

12 é utilizada. Ambas as equações retornam o mesmo resultado; porém, é mais fácil ler e compreender a equação da listagem 5. Listagem 5 Usando constantes 1 Const CONVERSION_FACTOR = Set objwmiservice = GetObject("winmgmts:") 3 Set objlogicaldisk = objwmiservice.get("win32_logicaldisk.deviceid='c:'") 4 FreeMegaBytes = objlogicaldisk.freespace / CONVERSION_FACTOR 5 FreeMegaBytes = Int(FreeMegaBytes) 6 WScript.Echo FreeMegaBytes Outro benefício da utilização de constantes é que elas podem ser definidas uma vez e usadas várias vezes no mesmo script. Por exemplo, uma versão expandida do script mostrado na listagem 5 pode exigir que você converta bytes em megabytes várias vezes durante a execução do script. Em vez de usar o valor literal em cada equação, use a constante. Se mais tarde você decidir converter bytes em gigabytes, precisará somente alterar o valor da constante; não será necessário alterar o valor usado em cada equação. Seqüências de caracteres À medida que você escreve scripts cada vez mais sofisticados, começa a encontrar tipos diferentes de dados (esse tópico é abordado em mais detalhes no livro). Na listagem 5, por exemplo, você precisou usar dados numéricos para atribuir o valor literal à constante CONVERSION_FACTOR: Const CONVERSION_FACTOR = Essa linha de código será executada corretamente, pois um valor numérico está sendo atribuído à constante. Sempre que você atribuir um valor numérico a uma variável ou a uma constante, digite o sinal de igual seguido do valor. No entanto, resultados inesperados poderão ocorrer se você tentar atribuir um valor alfanumérico (geralmente chamado de valor de seqüência de caracteres) usando a mesma abordagem. Por exemplo, o código a seguir tenta atribuir a seqüência de caracteres atl-dc-01 à variável Computer e, em seguida, exibir o valor da variável: Computer = atl-dc-01 Wscript.Echo Computer Quando esse script for executado, o valor mostrado na figura 4 será exibido. Figura 4

13 Como o valor -1 foi atribuído à variável Computer? Quando o VBScript encontra um conjunto de caracteres alfanuméricos que não está entre aspas duplas, ele pressupõe que os caracteres representam o nome de uma variável. Se ele vir um hífen "perdido", presumirá que representa um sinal de menos. Como resultado, ele interpretará a linha Computer = atl-dc-01 como à variável Computer será atribuído: O valor da variável atl Menos o valor da variável dc Menos o valor 01 Como atl e dc são exibidas como novas variáveis que não foram inicializadas, o valor 0 será atribuído a elas. Dessa forma, o VBScript interpretará essa linha de código como se estivesse escrita assim: Computer = Por isso a atribuição errônea de -1. Quando você atribui um valor de seqüência de caracteres a uma variável ou a uma constante, deve colocá-lo entre aspas duplas; essa é a única forma de assegurar que o VBScript tratará a seqüência de caracteres como um valor alfanumérico e não como uma variável. Por exemplo, esse código atribui corretamente a seqüência de caracteres atl-dc-01 à variável Computer e, em seguida, exibe os resultados: Computer = "atl-dc-01" Wscript.Echo Computer Quando esse script for executado, a seqüência de caracteres mostrada na figura 5 será exibida. Figura 5 Seqüências de caracteres como variáveis Freqüentemente, as seqüências de caracteres são usadas para atribuir valores a variáveis. Por exemplo, os scripts usados até agora neste capítulo empregam o seguinte código para conectarem-se à WMI: Set objwmiservice = GetObject("winmgmts:") Sem explicar todos os detalhes da conexão com a WMI (para obter essas informações, consulte o capítulo sobre a WMI no livro), esse código sempre conecta você ao computador local. Isso é suficiente, a menos que você seja um administrador de

14 sistema responsável pelo gerenciamento de alguns computadores remotos. Nesse caso, é aconselhável usar um script que possa recuperar o espaço livre em disco de um computador remoto. Isso permitirá a você verificar, a partir da sua estação de trabalho, o espaço em disco disponível em qualquer computador sob o seu controle. Com a WMI, é possível conectar-se a um computador remoto simplesmente incluindo o nome do computador como parte do identificador de origem GetObject. Por exemplo, esta linha de código conecta você ao serviço WMI no computador remoto atl-dc-01: Set objwmiservice = GetObject("winmgmts://atl-dc-01") Você pode usar o código precedente para escrever um script que faça a conexão com o computador remoto. Porém, em uma configuração de empresa, talvez você deseje um script mais flexível que possa conectar-se a qualquer computador remoto. Para isso, edite o script sempre que executá-lo, substituindo o nome embutido em código do computador pelo nome embutido em código do computador de destino. Uma alternativa ainda melhor é fornecer alguma maneira para o script aceitar entradas quando estiver sendo executado e assim operar, por exemplo, em um computador inserido como um argumento de linha de comando. A entrada do usuário será discutida posteriormente neste artigo. No entanto, antes de começar essa discussão, é importante compreender como os valores de seqüência de caracteres (como nomes de computador) podem ser atribuídos a uma variável e, em seguida, utilizados como parte do código de script. Por exemplo, na linha 2 da listagem 6, o valor da seqüência de caracteres atl-dc-01 é atribuído à variável Computer. Na linha 3, essa variável é usada para fazer a conexão com o serviço WMI no computador atl-dc-01. Porém, isso não é feito embutindo-se em código o valor atl-dc-01 no identificador de registro, mas sim através do valor da variável Computer. Listagem 6 Usando seqüências de caracteres 1 Const CONVERSION_FACTOR = Computer = "atl-dc-01" 3 Set objwmiservice = GetObject("winmgmts://" & Computer) 4 Set objlogicaldisk = objwmiservice.get("win32_logicaldisk.deviceid='c:'") 5 FreeMegaBytes = objlogicaldisk.freespace / CONVERSION_FACTOR 6 FreeMegaBytes = Int(FreeMegaBytes) 7 WScript.Echo FreeMegaBytes Em um pequeno script de demonstração como esse, usar uma variável para o nome do computador provavelmente exige mais esforço do que embutir o valor em código. Porém, esse script ilustra um conceito importante: você pode atribuir um valor a uma

15 variável e usá-la no lugar de um valor embutido em código. Por que isso é importante? Imagine que esse script foi criado para recuperar espaço livre em disco de 100 computadores. Em vez de embutir em código seqüências de caracteres separadas do identificador de registro da WMI em cada computador, é possível criar uma única seqüência de caracteres com a variável Computer. Em seguida, o script poderá executar essa única seqüência de caracteres 100 vezes, a cada vez substituindo o valor de Computer por um nome de computador diferente. Porém, no momento, você só precisa se concentrar na linha 3: Set objwmiservice = GetObject("winmgmts://" & Computer) É desta forma que o VBScript interpreta essa linha de código: 1. O VBscript lê tudo até a segunda aspa dupla. Em outras palavras: Set objwmiservice = GetObject("winmgmts://" 2. Ele lê o E comercial, que significa basicamente "acrescentar o próximo item à seqüência de caracteres precedente". O que vem depois do E comercial é a variável Computer, à qual foi atribuída o valor atl-dc-01. O VBScript vê a linha da seguinte forma: Set objwmiservice = GetObject("winmgmts://atl-dc-01" 3. Ele lê o caractere de parêntese de fechamento. O VBScript exige que você tenha um número igual de parênteses de abertura e de fechamento. Se o parêntese de fechamento não estiver incluído, você receberá uma mensagem de erro. Agora, o VBScript lê a linha de código como Set objwmiservice = GetObject("winmgmts://atl-dc-01") 4. Após chegar ao final da linha, o VBScript executa a instrução. Por sua vez, o script se conecta ao serviço WMI em atl-dc-01. Para conectar-se ao serviço WMI em um computador diferente, você só precisa alterar o valor da variável Computer. Concatenando seqüências de caracteres Concatenação refere-se ao processo de combinar duas ou mais seqüências de caracteres em uma única seqüência de caracteres (também é possível combiná-las

16 com valores numéricos ou de datas). A concatenação é usada com freqüência para fornecer saída mais significativa e legível. Por exemplo, o script mostrado na listagem 4 retorna um valor como Essa informação é bastante útil, desde que você tenha certeza de que o script foi desenvolvido para retornar o número de megabytes de espaço livre em disco da unidade C. Caso você não conheça a função do script, a saída será sem sentido. Entre outras funções, a concatenação ajuda a fornecer contexto para sua saída de script. Por exemplo, em vez de exibir o valor 10340, é aconselhável exibir uma mensagem similar a "Há megabytes de espaço livre em disco". Para fazer isso, você pode combinar os três itens a seguir: "Há ", uma seqüência de caracteres simples representando o início da mensagem. FreeMegaBytes, a variável contendo o número de megabytes livres na unidade. " megabytes de espaço livre em disco.", uma segunda seqüência de caracteres representando o final da mensagem. Conforme mostrado nas linhas 3, 7 e 8 da listagem 7, você concatena itens no VBScript usando o E comercial (&). Listagem 7 Concatenando seqüências de caracteres 1 Const CONVERSION_FACTOR = Computer = "atl-dc-01" 3 Set objwmiservice = GetObject("winmgmts://" & Computer) 4 Set objlogicaldisk = objwmiservice.get("win32_logicaldisk.deviceid='c:'") 5 FreeMegaBytes = objlogicaldisk.freespace / CONVERSION_FACTOR 6 FreeMegaBytes = Int(FreeMegaBytes) 7 WScript.Echo "Há " & FreeMegaBytes & _ 8 " megabytes de espaço livre em disco." Observação O sublinhado (_) no final da linha 7 é conhecido como o caractere de continuação de linha e é usado para indicar uma quebra na instrução. Isso significa que as linhas 7 e 8 devem ser tratadas como uma única linha. Por ser muito grande para caber no espaço reservado, a linha foi quebrada. As quebras de instrução são abordadas em mais detalhes no livro. Como alternativa, você pode ter atribuído o valor "Há " a uma variável chamada MessageStart e a seqüência de caracteres " megabytes de espaço livre em disco." a

17 uma variável chamada MessageEnd. Em seguida, você pode ter concatenado as três variáveis da seguinte maneira: Wscript.Echo MessageStart & FreeMegaBytes & MessageEnd Se você observar as linhas 7 e 8, perceberá que os espaços em branco foram embutidos em código nos valores da seqüência de caracteres "Há " e " megabytes de espaço livre em disco.". Isso é necessário, pois o E comercial não insere espaços entre os itens sendo concatenados. Por exemplo, exclua os espaços em branco, desta forma: WScript.Echo "Há" & FreeMegaBytes & "megabytes de espaço livre em disco." Nesse caso, a mensagem resultante executará os três valores juntos, conforme mostrado na figura 6. Figura 6 Para formas simples de concatenação, você pode evitar esse problema usando uma vírgula em vez do E comercial para combinar os valores: WScript.Echo "Há", FreeMegaBytes, "megabytes de espaço livre em disco." Quando itens são separados por vírgula, um espaço em branco é inserido automaticamente entre eles. Como resultado, a mensagem é formatada de maneira apropriada, conforme mostrado na figura 7. Figura 7 Coleções Até este ponto do artigo, os scripts foram criados para recuperar o espaço livre na unidade C de um computador especificado. Determinar o espaço livre em uma única unidade é uma tarefa administrativa comum, especialmente quando você está trabalhando com estações de trabalho de usuários que possuem somente uma unidade. Como a intenção era recuperar apenas o espaço livre em disco da unidade C, o DeviceID foi embutido em código no script. É claro que, provavelmente, outros computadores -- incluindo a maioria dos servidores -- possuem várias unidades. Para esses computadores, a determinação do espaço livre na unidade C não é informação suficiente; como administrador do sistema, você também precisa conhecer o espaço livre da unidade D, da unidade E e das outras unidades instaladas no computador. (Na verdade, a classe Win32_LogicalDisk pode identificar e retornar as propriedades de todos os tipos de unidade, incluindo disquetes, CD-ROMs e unidades de rede mapeadas.)

18 Porém, isso apresenta um problema imediato: como saber quais unidades estão instaladas em um determinado computador? Teoricamente, você pode verificar o espaço livre das unidades C a Z, mas, se um computador não possuir, por exemplo, uma unidade E, o script falhará. Embora seja possível incluir um código criado para tratar esses erros e impedir que o script falhe, o script resultante seria muito longo, dificultando a sua leitura e a sua manutenção. Esse script específico também seria muito ineficiente; mesmo que um computador tivesse somente uma unidade, o script tentaria recuperar o espaço livre nas unidades D a Z inexistentes. Felizmente, objetos de automação quase sempre retornam informações na forma de coleções. Como coleções de selos ou de moedas, essas coleções de automação são simples grupos de itens relacionados. Por exemplo, o script da listagem 8 usa o método InstancesOf da WMI (linha 4) para retornar não apenas uma unidade específica, mas uma coleção consistindo em todos os discos lógicos instalados no computador. Se o computador tiver quatro unidades (C, D, E e F), a coleção terá quatro itens, um para cada unidade. Listagem 8 Usando coleções 1 Const CONVERSION_FACTOR = Computer = "atl-dc-01" 3 Set objwmiservice = GetObject("winmgmts://" & Computer) 4 Set collogicaldisks = objwmiservice.instancesof("win32_logicaldisk") 5 For Each objlogicaldisk In collogicaldisks 6 FreeMegaBytes = objlogicaldisk.freespace / CONVERSION_FACTOR 7 FreeMegaBytes = Int(FreeMegaBytes) 8 WScript.Echo objlogicaldisk.deviceid & " " & FreeMegaBytes 9 Next Obter informações retornadas como uma coleção significa que você não precisa antecipar quais unidades estão instaladas ou não em um computador. Em vez disso, simplesmente pergunte pela coleção (todas as instâncias de unidades de disco instaladas no computador). Depois que a coleção tiver sido retornada, você poderá usar um loop For Each (também conhecido como um loop de iteração) para examinar cada item individual da coleção. For Each A instrução For Each fornece uma maneira simples de iterar todos os itens em uma coleção (ou em uma matriz). Ao contrário da instrução For (que será abordada

19 posteriormente), For Each não exige que você saiba quantos itens existem na coleção. Em vez disso, ela inicia com o primeiro item da coleção (ou matriz) e continua até que tenha efetuado um loop em cada item. Um loop For Each típico tem a seguinte aparência: For Each objlogicaldisk In collogicaldisks WScript.Echo objlogicaldisk.deviceid Next Os itens individuais que compõem esse loop são descritos na tabela 2. Tabela 2 Item Descrição objlogicaldisk collogicaldisks For Each objlogicaldisk in collogicaldisks Wscript.Echo objlogicaldisk.deviceid Variável que representa as instâncias de unidade de disco individuais. Nome dado à coleção de unidades de disco recuperada com a WMI. Inicia o loop. A sintaxe básica pode ser lida como Instância For Each de um objeto em uma coleção de objetos executa uma ação. Neste exemplo, isso pode ser lido como "Para cada unidade de disco individual na coleção de unidades de disco instalada neste computador " Instruções executadas para cada unidade de disco na coleção (neste exemplo, há somente uma instrução, mas pode haver várias instruções entre as instruções For Each e Next). Observe que a referência a unidades de disco individuais é feita com a variável objlogicaldisk e com a propriedade adequada (neste caso, DeviceID). O valor dessa propriedade será alterado todas as vezes através do loop. Por exemplo, em um computador com unidades C, D e E, objlogicaldisk.deviceid será igual a C na primeira iteração, pois C é o DeviceID da primeira unidade da coleção. Em passagens subseqüentes através do loop, objlogicaldisk.deviceid será igual a D e, em seguida, a E.

20 Next Indica o final do loop. Depois de iterar cada item da coleção, o script prosseguirá na linha após a instrução Next. Se não houver linhas após essa instrução, o script será finalizado. Coleções sem itens É possível que uma coleção não contenha itens. Por exemplo, considere este script, que retorna o conjunto de todas as unidades de fita instaladas em um computador: Set objwmiservice = GetObject("winmgmts:") Set coltapedrives = objwmiservice.instancesof("win32_tapedrive") For Each objtapedrive In coltapedrives WScript.Echo objtapedrive.name Next Se esse script for executado em um computador sem unidades de fita, parecerá que nada aconteceu. Na verdade, o script será executado conforme o esperado. Porém, como o computador não possui uma unidade de fita, a coleção resultante de todas as unidades de fita instaladas no computador não conterá itens. Quando executado em um computador sem unidades de fita, o script irá: 1. Conectar-se ao serviço WMI. 2. Recuperar a coleção de unidades de fita instalada no computador. 3. Configurar um loop For Each para percorrer toda a coleção, exibindo o nome de cada unidade de fita individual da coleção. Porém, como não há itens na coleção, o loop For Each e as instruções nele incluídas não serão de fato executados. Em vez disso, o loop For Each será ignorado e o script irá para a primeira linha após a instrução Next. Nesse script de exemplo, não há linhas de código após a instrução Next, logo, o script é finalizado. Infelizmente, isso pode ser confuso: não existe maneira óbvia de saber se o script foi executado ou não. Uma forma de aprimorar esse script é usar a propriedade Count para determinar a quantidade de itens na coleção. Por exemplo, esse script usa a propriedade Count para exibir o número de unidades de fita instaladas em um computador:

Algoritmos em Javascript

Algoritmos em Javascript Algoritmos em Javascript Sumário Algoritmos 1 O que é um programa? 1 Entrada e Saída de Dados 3 Programando 4 O que é necessário para programar 4 em JavaScript? Variáveis 5 Tipos de Variáveis 6 Arrays

Leia mais

Criando um script simples

Criando um script simples Criando um script simples As ferramentas de script Diferente de muitas linguagens de programação, você não precisará de quaisquer softwares especiais para criar scripts de JavaScript. A primeira coisa

Leia mais

Estruturando um aplicativo

Estruturando um aplicativo Com o Visual FoxPro, é possível criar facilmente aplicativos controlados por eventos e orientados a objetos em etapas. Esta abordagem modular permite que se verifique a funcionalidade de cada componente

Leia mais

4 Criação de macros e introdução à linguagem VBA

4 Criação de macros e introdução à linguagem VBA 4 Criação de macros e introdução à linguagem VBA Vinicius A. de Souza va.vinicius@gmail.com São José dos Campos, 2011. 1 Sumário Tópicos em Microsoft Excel 2007 Introdução à criação de macros...3 Gravação

Leia mais

Informática - Básico. Paulo Serrano GTTEC/CCUEC-Unicamp

Informática - Básico. Paulo Serrano GTTEC/CCUEC-Unicamp Informática - Básico Paulo Serrano GTTEC/CCUEC-Unicamp Índice Apresentação...06 Quais são as características do Windows?...07 Instalando o Windows...08 Aspectos Básicos...09 O que há na tela do Windows...10

Leia mais

Trabalhando com banco de dados

Trabalhando com banco de dados Avançado Trabalhando com Aprenda a manipular dados no Excel com a ajuda de outros aplicativos da suíte Office Armazenar e organizar informações são tarefas executadas diariamente por todos nós. Desde o

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

Backup e restauração do Active Directory com o Acronis Backup & Recovery 11 White paper técnico

Backup e restauração do Active Directory com o Acronis Backup & Recovery 11 White paper técnico Backup e restauração do Active Directory com o Acronis Backup & Recovery 11 White paper técnico Aplica-se às seguintes edições: Advanced Server Virtual Edition Advanced Server SBS Edition Advanced Workstation

Leia mais

Java Como Programar, 8/E

Java Como Programar, 8/E Capítulo 2 Introdução aos aplicativos Java Java Como Programar, 8/E (C) 2010 Pearson Education, Inc. Todos os 2.1 Introdução Programação de aplicativo Java. Utilize as ferramentas do JDK para compilar

Leia mais

Vetores. Vetores. Figura 1 Exemplo de vetor com 10 elementos

Vetores. Vetores. Figura 1 Exemplo de vetor com 10 elementos Vetores Nos capítulos anteriores estudamos as opções disponíveis na linguagem C para representar: Números inteiros em diversos intervalos. Números fracionários com várias alternativas de precisão e magnitude.

Leia mais

Introdução... 1. Instalação... 2

Introdução... 1. Instalação... 2 ONTE DO Introdução... 1 O que é IPP?... 1 Qual é a função de um software Samsung IPP?... 1 Instalação... 2 Requisitos do sistema... 2 Instalar o software Samsung IPP... 2 Desinstalar o software Samsung

Leia mais

INFORMÁTICA APLICADA AULA 02 LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO C++

INFORMÁTICA APLICADA AULA 02 LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO C++ UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: Bacharelado em Ciências e Tecnologia INFORMÁTICA APLICADA AULA 02 LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO C++ Profª ª Danielle Casillo COMPILADORES Toda linguagem de programação

Leia mais

Conectando Bancos de Dados Microsoft Access no BrOffice.org Base. fornecido pelo Projeto de Documentação do BrOffice.org

Conectando Bancos de Dados Microsoft Access no BrOffice.org Base. fornecido pelo Projeto de Documentação do BrOffice.org Conectando Bancos de Dados Microsoft Access no BrOffice.org Base fornecido pelo Projeto de Documentação do BrOffice.org Índice 1 Introdução...2 1.1 Versão... 2 1.2 Licenciamento...2 1.3 Mensagem do Projeto

Leia mais

MDaemon GroupWare. Versão 1 Manual do Usuário. plugin para o Microsoft Outlook. Trabalhe em Equipe Usando o Outlook e o MDaemon

MDaemon GroupWare. Versão 1 Manual do Usuário. plugin para o Microsoft Outlook. Trabalhe em Equipe Usando o Outlook e o MDaemon MDaemon GroupWare plugin para o Microsoft Outlook Trabalhe em Equipe Usando o Outlook e o MDaemon Versão 1 Manual do Usuário MDaemon GroupWare Plugin for Microsoft Outlook Conteúdo 2003 Alt-N Technologies.

Leia mais

Características do PHP. Começando a programar

Características do PHP. Começando a programar PHP Introdução Olá pessoal. Desculpe o atraso na publicação da aula. Pude perceber pelas respostas (poucas) ao fórum que a realização da atividade do módulo I foi relativamente tranquila. Assistam ao vídeo

Leia mais

Configuração do Servidor DHCP no Windows Server 2003

Configuração do Servidor DHCP no Windows Server 2003 Configuração do Servidor DHCP no Windows Server 2003 Como instalar o Serviço DHCP Antes de poder configurar o serviço DHCP, é necessário instalá lo no servidor. O DHCP não é instalado por padrão durante

Leia mais

Para testar seu primeiro código utilizando PHP, abra um editor de texto (bloco de notas no Windows) e digite o código abaixo:

Para testar seu primeiro código utilizando PHP, abra um editor de texto (bloco de notas no Windows) e digite o código abaixo: Disciplina: Tópicos Especiais em TI PHP Este material foi produzido com base nos livros e documentos citados abaixo, que possuem direitos autorais sobre o conteúdo. Favor adquiri-los para dar continuidade

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS COTAS DE DISCO. Professor Carlos Muniz

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS COTAS DE DISCO. Professor Carlos Muniz ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS Trabalhando com cotas Usando o Gerenciador de Recursos de Servidor de Arquivos para criar uma cota em um volume ou uma pasta, você pode limitar o espaço em disco

Leia mais

Aula 4 Pseudocódigo Tipos de Dados, Expressões e Variáveis

Aula 4 Pseudocódigo Tipos de Dados, Expressões e Variáveis 1. TIPOS DE DADOS Todo o trabalho realizado por um computador é baseado na manipulação das informações contidas em sua memória. Estas informações podem ser classificadas em dois tipos: As instruções, que

Leia mais

Excel Avançado 2007 Excel Avançado 2007 1

Excel Avançado 2007 Excel Avançado 2007 1 1 Sumário: 1. Introdução...3 2. Funções...3 2.1 Função SE...4 2.2 Botão Inserir...7 2.3 Novas Funções Condicionais...8 2.4 Aninhando Funções...8 3. Análise de Dados Alternativos...9 3.1 Cenários...9 3.2

Leia mais

Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter

Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter Índice Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter............... 1 Sobre a Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter................ 1 Requisitos de

Leia mais

Programação Elementar de Computadores Jurandy Soares

Programação Elementar de Computadores Jurandy Soares Programação Elementar de Computadores Jurandy Soares Básico de Computadores Computador: dispositivos físicos + programas Dispositivos físicos: hardware Programas: as instruções que dizem aos dispositivos

Leia mais

Instruções de Instalação do IBM SPSS Modeler (Licença de Usuário Autorizado)

Instruções de Instalação do IBM SPSS Modeler (Licença de Usuário Autorizado) Instruções de Instalação do IBM SPSS Modeler (Licença de Usuário Autorizado) Índice Instruções de Instalação....... 1 Requisitos do sistema........... 1 Código de autorização.......... 1 Instalando...............

Leia mais

Curso de Iniciação ao Access Basic (I) CONTEÚDOS

Curso de Iniciação ao Access Basic (I) CONTEÚDOS Curso de Iniciação ao Access Basic (I) CONTEÚDOS 1. A Linguagem Access Basic. 2. Módulos e Procedimentos. 3. Usar o Access: 3.1. Criar uma Base de Dados: 3.1.1. Criar uma nova Base de Dados. 3.1.2. Criar

Leia mais

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Neste capítulo nós iremos examinar as características da interface do gerenciador de arquivos Konqueror. Através dele realizaremos as principais operações com arquivos

Leia mais

Conecta S_Line. 2.2 Downloads Para instalar o Conecta S_Line, basta acessar www.sline.com.br/downloads.aspx

Conecta S_Line. 2.2 Downloads Para instalar o Conecta S_Line, basta acessar www.sline.com.br/downloads.aspx 1 Introdução O Conecta S_Line permite que o laboratório envie à Central S_Line os resultados de exames gerados pelo Sistema de Informação Laboratorial (LIS) em forma de arquivos digitais. Todo o processo

Leia mais

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA Manual de Utilização Google Grupos Sumário (Clique sobre a opção desejada para ir direto à página correspondente) Utilização do Google Grupos Introdução... 3 Página

Leia mais

CA Nimsoft Monitor Snap

CA Nimsoft Monitor Snap CA Nimsoft Monitor Snap Guia de Configuração do Monitoramento de conectividade de rede net_connect série 2.9 Aviso de copyright do CA Nimsoft Monitor Snap Este sistema de ajuda online (o Sistema ) destina-se

Leia mais

Table of Contents. PowerPoint XP

Table of Contents. PowerPoint XP Table of Contents Finalizando a apresentação...1 Usando anotações...1 Desfazer e repetir...1 Localizar e substituir...2 Substituir...2 Efeitos de transição...3 Esquema de animação...6 Controlando os tempos

Leia mais

CAPÍTULO 3 - TIPOS DE DADOS E IDENTIFICADORES

CAPÍTULO 3 - TIPOS DE DADOS E IDENTIFICADORES CAPÍTULO 3 - TIPOS DE DADOS E IDENTIFICADORES 3.1 - IDENTIFICADORES Os objetos que usamos no nosso algoritmo são uma representação simbólica de um valor de dado. Assim, quando executamos a seguinte instrução:

Leia mais

Manual SAGe Versão 1.2 (a partir da versão 12.08.01)

Manual SAGe Versão 1.2 (a partir da versão 12.08.01) Manual SAGe Versão 1.2 (a partir da versão 12.08.01) Submissão de Relatórios Científicos Sumário Introdução... 2 Elaboração do Relatório Científico... 3 Submissão do Relatório Científico... 14 Operação

Leia mais

Sincronização do Catálogo de Endereços no MDaemon 6.x com o uso do ComAgent, LDAP, MAPI e WAB

Sincronização do Catálogo de Endereços no MDaemon 6.x com o uso do ComAgent, LDAP, MAPI e WAB Sincronização do Catálogo de Endereços no MDaemon 6.x com o uso do ComAgent, LDAP, MAPI e WAB Alt-N Technologies, Ltd 1179 Corporate Drive West, #103 Arlington, TX 76006 Tel: (817) 652-0204 2002 Alt-N

Leia mais

Notas da Aula 4 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 4 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 4 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Threads Threads são linhas de execução dentro de um processo. Quando um processo é criado, ele tem uma única linha de execução, ou thread. Esta

Leia mais

Introdução à Programação

Introdução à Programação Introdução à Programação Introdução a Linguagem C Construções Básicas Programa em C #include int main ( ) { Palavras Reservadas } float celsius ; float farenheit ; celsius = 30; farenheit = 9.0/5

Leia mais

Como acessar o novo webmail da Educação? Manual do Usuário. 15/9/2009 Gerencia de Suporte, Redes e Novas Tecnologias Claudia M.S.

Como acessar o novo webmail da Educação? Manual do Usuário. 15/9/2009 Gerencia de Suporte, Redes e Novas Tecnologias Claudia M.S. Como acessar o novo webmail da Educação? Manual do Usuário 15/9/2009 Gerencia de Suporte, Redes e Novas Tecnologias Claudia M.S. Tomaz IT.002 02 2/14 Como acessar o Webmail da Secretaria de Educação? Para

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SERVIÇO DE BACKUP. Professor Carlos Muniz

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SERVIÇO DE BACKUP. Professor Carlos Muniz ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS O que é o Backup do Windows Server? O recurso Backup do Windows Server no Windows Server 2008 consiste em um snap-in do Console de Gerenciamento Microsoft (MMC) e

Leia mais

Resumo da Matéria de Linguagem de Programação. Linguagem C

Resumo da Matéria de Linguagem de Programação. Linguagem C Resumo da Matéria de Linguagem de Programação Linguagem C Vitor H. Migoto de Gouvêa 2011 Sumário Como instalar um programa para executar o C...3 Sintaxe inicial da Linguagem de Programação C...4 Variáveis

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO. Software de Ferramenta de Backup

MANUAL DO USUÁRIO. Software de Ferramenta de Backup MANUAL DO USUÁRIO Software de Ferramenta de Backup Software Ferramenta de Backup Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. Este manual serve como referência para

Leia mais

Tutorial de Matlab Francesco Franco

Tutorial de Matlab Francesco Franco Tutorial de Matlab Francesco Franco Matlab é um pacote de software que facilita a inserção de matrizes e vetores, além de facilitar a manipulação deles. A interface segue uma linguagem que é projetada

Leia mais

EMENTA DO CURSO. Tópicos:

EMENTA DO CURSO. Tópicos: EMENTA DO CURSO O Curso Preparatório para a Certificação Oracle Certified Professional, Java SE 6 Programmer (Java Básico) será dividido em 2 módulos e deverá ter os seguintes objetivos e conter os seguintes

Leia mais

CA Nimsoft Monitor Snap

CA Nimsoft Monitor Snap CA Nimsoft Monitor Snap Guia de Configuração do Monitoramento do Jboss do Nimsoft jboss série 1.3 Aviso de copyright do CA Nimsoft Monitor Snap Este sistema de ajuda online (o Sistema ) destina-se somente

Leia mais

Componentes da linguagem C++

Componentes da linguagem C++ Componentes da linguagem C++ C++ é uma linguagem de programação orientada a objetos (OO) que oferece suporte às características OO, além de permitir você realizar outras tarefas, similarmente a outras

Leia mais

Excel 2010 Modulo II

Excel 2010 Modulo II Excel 2010 Modulo II Sumário Nomeando intervalos de células... 1 Classificação e filtro de dados... 3 Subtotais... 6 Validação e auditoria de dados... 8 Validação e auditoria de dados... 9 Cenários...

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SERVIÇOS DE ACESSO REMOTO (TELNET E TERMINAL SERVICES) Professor Carlos Muniz

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SERVIÇOS DE ACESSO REMOTO (TELNET E TERMINAL SERVICES) Professor Carlos Muniz ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SERVIÇOS DE ACESSO REMOTO (TELNET E O que é roteamento e acesso remoto? Roteamento Um roteador é um dispositivo que gerencia o fluxo de dados entre segmentos da rede,

Leia mais

2 de maio de 2014. Remote Scan

2 de maio de 2014. Remote Scan 2 de maio de 2014 Remote Scan 2014 Electronics For Imaging. As informações nesta publicação estão cobertas pelos termos dos Avisos de caráter legal deste produto. Conteúdo 3 Conteúdo...5 Acesso ao...5

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SERVIÇOS IMPRESSÃO. Professor Carlos Muniz

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SERVIÇOS IMPRESSÃO. Professor Carlos Muniz ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SERVIÇOS IMPRESSÃO Serviços de impressão Os serviços de impressão permitem compartilhar impressoras em uma rede, bem como centralizar as tarefas de gerenciamento

Leia mais

Sistema Operacional. Processo e Threads. Prof. Dr. Márcio Andrey Teixeira Sistemas Operacionais

Sistema Operacional. Processo e Threads. Prof. Dr. Márcio Andrey Teixeira Sistemas Operacionais Sistema Operacional Processo e Threads Introdução a Processos Todos os computadores modernos são capazes de fazer várias coisas ao mesmo tempo. Enquanto executa um programa do usuário, um computador pode

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

Guia do laboratório de teste: Configure o SharePoint Server 2010 como um Servidor Único com o Microsoft SQL Server

Guia do laboratório de teste: Configure o SharePoint Server 2010 como um Servidor Único com o Microsoft SQL Server Guia do laboratório de teste: Configure o SharePoint Server 2010 como um Servidor Único com o Microsoft SQL Server Este documento é fornecido no estado em que se encontra. As informações e exibições expressas

Leia mais

Recursos do Outlook Web Access

Recursos do Outlook Web Access Recursos do Outlook Web Access Este material foi criado pela Secretaria de Tecnologia de Informação e Comunicação (SETIC) do Tribunal Regional do Trabalho da 17ª Região. Seu intuito é apresentar algumas

Leia mais

O sistema que completa sua empresa Roteiro de Instalação (rev. 15.10.09) Página 1

O sistema que completa sua empresa Roteiro de Instalação (rev. 15.10.09) Página 1 Roteiro de Instalação (rev. 15.10.09) Página 1 O objetivo deste roteiro é descrever os passos para a instalação do UNICO. O roteiro poderá ser usado não apenas pelas revendas que apenas estão realizando

Leia mais

Preparando o Ambiente e Instalando o System Center Configuration Manager 2012 R2

Preparando o Ambiente e Instalando o System Center Configuration Manager 2012 R2 Preparando o Ambiente e Instalando o System Center Configuration Manager 2012 R2 Artigo escrito por Walter Teixeira wteixeira.wordpress.com Sumário Cenário Proposto... 3 Preparação do Servidor SQL Server

Leia mais

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server Noções de 1 Considerações Iniciais Basicamente existem dois tipos de usuários do SQL Server: Implementadores Administradores 2 1 Implementadores Utilizam o SQL Server para criar e alterar base de dados

Leia mais

Seu manual do usuário SONY ERICSSON K550I http://pt.yourpdfguides.com/dref/449983

Seu manual do usuário SONY ERICSSON K550I http://pt.yourpdfguides.com/dref/449983 Você pode ler as recomendações contidas no guia do usuário, no guia de técnico ou no guia de instalação para SONY ERICSSON K550I. Você vai encontrar as respostas a todas suas perguntas sobre a no manual

Leia mais

Procalc v1.0. Versão Programador

Procalc v1.0. Versão Programador Procalc v1.0 Versão Programador Conteúdo Procalc... 4 Primeiros botões... 5 Funções Básicas... 6 Como funciona... 7 Funções avançadas... 8 Logaritmo... 8 Logaritmo Natural... 9 Expoente... 10 Factorial...

Leia mais

2. OPERADORES... 6 3. ALGORITMOS, FLUXOGRAMAS E PROGRAMAS... 8 4. FUNÇÕES... 10

2. OPERADORES... 6 3. ALGORITMOS, FLUXOGRAMAS E PROGRAMAS... 8 4. FUNÇÕES... 10 1. TIPOS DE DADOS... 3 1.1 DEFINIÇÃO DE DADOS... 3 1.2 - DEFINIÇÃO DE VARIÁVEIS... 3 1.3 - VARIÁVEIS EM C... 3 1.3.1. NOME DAS VARIÁVEIS... 3 1.3.2 - TIPOS BÁSICOS... 3 1.3.3 DECLARAÇÃO DE VARIÁVEIS...

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO SUMÁRIO

MANUAL DO USUÁRIO SUMÁRIO SUMÁRIO 1. Home -------------------------------------------------------------------------------------------------------- 7 2. Cadastros -------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Microsoft Excel 2000. Alan Cleber Borim - alan.borim@poli.usp.br. http://www.pcs.usp.br/~alan

Microsoft Excel 2000. Alan Cleber Borim - alan.borim@poli.usp.br. http://www.pcs.usp.br/~alan Microsoft Excel 2000 Alan Cleber Borim - alan.borim@poli.usp.br http://www.pcs.usp.br/~alan Microsoft Índice 1.0 Microsoft Excel 2000 3 1.1 Acessando o Excel 3 1.2 Como sair do Excel 3 1.3 Elementos da

Leia mais

Abaixo do Objeto WorkSheet temos a coleção Cells, que representa todas as células de uma planilha.

Abaixo do Objeto WorkSheet temos a coleção Cells, que representa todas as células de uma planilha. Aula 1 O modelo de objetos do Excel APPLICATION É o próprio Excel. Temos diversas propriedades e métodos importantes nesse objeto. Destacamos dois exemplos: Application.DisplayAlerts Se for true, o Excel

Leia mais

PHP() é uma linguagem de integração de servidor que permite a criação de paginas dinâmicas. Como todas

PHP() é uma linguagem de integração de servidor que permite a criação de paginas dinâmicas. Como todas O que é PHP? Acrônimo de PHP: Hipertext Language PostProcessor Inicialmente escrita para o desenvolvimento de aplicações Web Facilidade para iniciantes e recursos poderosos para programadores profissionais

Leia mais

Centro de Computação - Unicamp Gerência de Atendimento ao Cliente (e-mail:apoio@turing.unicamp.br) Sumário

Centro de Computação - Unicamp Gerência de Atendimento ao Cliente (e-mail:apoio@turing.unicamp.br) Sumário Sumário Conceitos Microsoft Access 97... 01 Inicialização do Access... 02 Convertendo um Banco de Dados... 03 Criando uma Tabela... 06 Estrutura da Tabela... 07 Propriedades do Campo... 08 Chave Primária...

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES. Professor Carlos Muniz

SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES. Professor Carlos Muniz SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES Agendar uma tarefa Você deve estar com logon de administrador para executar essas etapas. Se não tiver efetuado logon como administrador, você só poderá alterar as configurações

Leia mais

Algoritmos e Programação Estruturada

Algoritmos e Programação Estruturada Algoritmos e Programação Estruturada Virgínia M. Cardoso Linguagem C Criada por Dennis M. Ritchie e Ken Thompson no Laboratório Bell em 1972. A Linguagem C foi baseada na Linguagem B criada por Thompson.

Leia mais

Produto IV: ATU SAAP. Manual de Referência

Produto IV: ATU SAAP. Manual de Referência Produto IV: ATU SAAP Manual de Referência Pablo Nogueira Oliveira Termo de Referência nº 129275 Contrato Número 2008/000988 Brasília, 30 de outubro de 2008 1 Sistema de Apoio à Ativideade Parlamentar SAAP

Leia mais

Instalando e usando o Document Distributor 1

Instalando e usando o Document Distributor 1 Instalando e usando o 1 O é composto por pacotes de software do servidor e do cliente. O pacote do servidor deve ser instalado em um computador Windows NT, Windows 2000 ou Windows XP. O pacote cliente

Leia mais

GABARITO - B. manuel@carioca.br

GABARITO - B. manuel@carioca.br NOÇÕES DE INFORMÁTICA EDITORA FERREIRA PROVA MPRJ -TÉCNICO ADMINISTRATIVO - TADM NCE-UFRJ CORREÇÃO - GABARITO COMENTADO Considere que as questões a seguir referem-se a computadores com uma instalação padrão

Leia mais

Introdução aos Projectos

Introdução aos Projectos Introdução aos Projectos Categoria Novos Usuários Tempo necessário 20 minutos Arquivo Tutorial Usado Iniciar um novo arquivo de projeto Este exercício explica a finalidade ea função do arquivo de projeto

Leia mais

Pacote de gerenciamento do Backup Exec 2014 para Microsoft SCOM. Guia do Usuário do Pacote de Gerenciamento do Microsoft SCOM

Pacote de gerenciamento do Backup Exec 2014 para Microsoft SCOM. Guia do Usuário do Pacote de Gerenciamento do Microsoft SCOM Pacote de gerenciamento do Backup Exec 2014 para Microsoft SCOM Guia do Usuário do Pacote de Gerenciamento do Microsoft SCOM Pacote de gerenciamento do Microsoft Operations Este documento contém os seguintes

Leia mais

Microsoft Excel 2003

Microsoft Excel 2003 Associação Educacional Dom Bosco Faculdades de Engenharia de Resende Microsoft Excel 2003 Professores: Eduardo Arbex Mônica Mara Tathiana da Silva Resende 2010 INICIANDO O EXCEL Para abrir o programa Excel,

Leia mais

Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Sistemas Operacionais de Rede

Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Sistemas Operacionais de Rede Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Sistemas Operacionais de Rede O sistema de nome de domínio (DNS) é um sistema que nomeia computadores e serviços de rede e é organizado em uma hierarquia de domínios.

Leia mais

Guia de Instalação e Inicialização. Para WebReporter 2012

Guia de Instalação e Inicialização. Para WebReporter 2012 Para WebReporter 2012 Última revisão: 09/13/2012 Índice Instalando componentes de pré-requisito... 1 Visão geral... 1 Etapa 1: Ative os Serviços de Informações da Internet... 1 Etapa 2: Execute o Setup.exe

Leia mais

LIÇÃO 1 - USANDO O GRAVADOR DE MACROS

LIÇÃO 1 - USANDO O GRAVADOR DE MACROS 1_15 - ADS - PRO MICRO (ILM 001) - Estudo dirigido Macros Gravadas Word 1/35 LIÇÃO 1 - USANDO O GRAVADOR DE MACROS No Microsoft Office Word 2007 é possível automatizar tarefas usadas frequentemente criando

Leia mais

SUMÁRIO 1. AULA 7 INTRODUÇÃO À REDES PONTO A PONTO = PARTE 1:... 2

SUMÁRIO 1. AULA 7 INTRODUÇÃO À REDES PONTO A PONTO = PARTE 1:... 2 SUMÁRIO 1. AULA 7 INTRODUÇÃO À REDES PONTO A PONTO = PARTE 1:... 2 1.1 Introdução... 2 1.2 Montando Redes Ponto-a-Ponto... 3 1.2.1 Parte lógica... 3 1.2.2 Escolhendo o sistema operacional... 3 1.2.3 Instalação

Leia mais

Introdução ao Tableau Server 7.0

Introdução ao Tableau Server 7.0 Introdução ao Tableau Server 7.0 Bem-vindo ao Tableau Server; Este guia orientará você pelas etapas básicas de instalação e configuração do Tableau Server. Em seguida, usará alguns dados de exemplo para

Leia mais

Montar planilhas de uma forma organizada e clara.

Montar planilhas de uma forma organizada e clara. 1 Treinamento do Office 2007 EXCEL Objetivos Após concluir este curso você poderá: Montar planilhas de uma forma organizada e clara. Layout da planilha Inserir gráficos Realizar operações matemáticas 2

Leia mais

Daniel Gondim. Informática

Daniel Gondim. Informática Daniel Gondim Informática Microsoft Windows Sistema Operacional criado pela Microsoft, empresa fundada por Bill Gates e Paul Allen. Sistema Operacional Programa ou um conjunto de programas cuja função

Leia mais

Aula 01 - Formatações prontas e condicionais. Aula 01 - Formatações prontas e condicionais. Sumário. Formatar como Tabela

Aula 01 - Formatações prontas e condicionais. Aula 01 - Formatações prontas e condicionais. Sumário. Formatar como Tabela Aula 01 - Formatações prontas e Sumário Formatar como Tabela Formatar como Tabela (cont.) Alterando as formatações aplicadas e adicionando novos itens Removendo a formatação de tabela aplicada Formatação

Leia mais

Informática I. Aula 6. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 6-12/09/2007 1

Informática I. Aula 6. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 6-12/09/2007 1 Informática I Aula 6 http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 6-12/09/2007 1 Ementa Noções Básicas de Computação (Hardware, Software e Internet) HTML e Páginas Web Internet e a Web Javascript e

Leia mais

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO PARANÁ GOVERNO DO ESTADO COLÉGIO ESTADUAL DE PARANAVAÍ ENSINO FUNDAMENTAL, MÉDIO, NORMAL E PROFISSIONAL CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA DISCIPLINA: INTERNET E PROGRAMAÇÃO WEB 1º MÓDULO SUBSEQUENTE MECANISMOS

Leia mais

Instalação e utilização do Document Distributor

Instalação e utilização do Document Distributor Para ver ou fazer o download desta ou de outras publicações do Lexmark Document Solutions, clique aqui. Instalação e utilização do Document Distributor O Lexmark Document Distributor é composto por pacotes

Leia mais

Tutorial do Iniciante. Excel Básico 2010

Tutorial do Iniciante. Excel Básico 2010 Tutorial do Iniciante Excel Básico 2010 O QUE HÁ DE NOVO O Microsoft Excel 2010 é um programa de edição de planilhas eletrônicas muito usado no mercado de trabalho para realizar diversas funções como;

Leia mais

INDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. CONFIGURAÇÃO MÍNIMA... 4 3. INSTALAÇÃO... 4 4. INTERLIGAÇÃO DO SISTEMA... 5 5. ALGUNS RECURSOS... 6 6. SERVIDOR BAM...

INDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. CONFIGURAÇÃO MÍNIMA... 4 3. INSTALAÇÃO... 4 4. INTERLIGAÇÃO DO SISTEMA... 5 5. ALGUNS RECURSOS... 6 6. SERVIDOR BAM... 1 de 30 INDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. CONFIGURAÇÃO MÍNIMA... 4 3. INSTALAÇÃO... 4 3.1. ONDE SE DEVE INSTALAR O SERVIDOR BAM?... 4 3.2. ONDE SE DEVE INSTALAR O PROGRAMADOR REMOTO BAM?... 4 3.3. COMO FAZER

Leia mais

Pacote de gerenciamento do Backup Exec para Microsoft SCOM. Guia do Usuário do Pacote de Gerenciamento do Microsoft SCOM

Pacote de gerenciamento do Backup Exec para Microsoft SCOM. Guia do Usuário do Pacote de Gerenciamento do Microsoft SCOM Pacote de gerenciamento do Backup Exec para Microsoft SCOM Guia do Usuário do Pacote de Gerenciamento do Microsoft SCOM Pacote de gerenciamento do Microsoft Operations Este documento contém os seguintes

Leia mais

Programação Web Prof. Wladimir

Programação Web Prof. Wladimir Programação Web Prof. Wladimir Linguagem de Script e PHP @wre2008 1 Sumário Introdução; PHP: Introdução. Enviando dados para o servidor HTTP; PHP: Instalação; Formato básico de um programa PHP; Manipulação

Leia mais

BlackBerry Internet Service. Versão: 4.5.1. Guia do usuário

BlackBerry Internet Service. Versão: 4.5.1. Guia do usuário BlackBerry Internet Service Versão: 4.5.1 Guia do usuário Publicado: 09/01/2014 SWD-20140109134951622 Conteúdo 1 Primeiros passos... 7 Sobre os planos de serviço de mensagens oferecidos para o BlackBerry

Leia mais

Como Configurar Catálogos de Correio Eletrônico com o MDaemon 6.0

Como Configurar Catálogos de Correio Eletrônico com o MDaemon 6.0 Como Configurar Catálogos de Correio Eletrônico com o MDaemon 6.0 Alt-N Technologies, Ltd 1179 Corporate Drive West, #103 Arlington, TX 76006 Tel: (817) 652-0204 2002 Alt-N Technologies. Todos os Direitos

Leia mais

Primeiramente lemos a seguinte citação, copiada de Excel-Ajuda:

Primeiramente lemos a seguinte citação, copiada de Excel-Ajuda: 33 Capítulo 3 Procedimentos (macros) Primeiramente lemos a seguinte citação, copiada de Excel-Ajuda: O objetivo de uma macro é automatizar as tarefas usadas com mais freqüência. Embora algumas macros sejam

Leia mais

Portal Contador Parceiro

Portal Contador Parceiro Portal Contador Parceiro Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa 1. Portal Contador Parceiro... 03 2. Acesso ao Portal... 04 3. Profissionais...11 4. Restrito...16 4.1 Perfil... 18 4.2 Artigos...

Leia mais

1. FUNÇÕES NO EXCEL 2007

1. FUNÇÕES NO EXCEL 2007 1. FUNÇÕES NO EXCEL 2007 Funções são fórmulas predefinidas que efetuam cálculos usando valores específicos, denominados argumentos, em uma determinada ordem ou estrutura. As funções podem ser usadas para

Leia mais

Configuração de Digitalizar para E-mail

Configuração de Digitalizar para E-mail Guia de Configuração de Funções de Digitalização de Rede Rápida XE3024PT0-2 Este guia inclui instruções para: Configuração de Digitalizar para E-mail na página 1 Configuração de Digitalizar para caixa

Leia mais

Manual QuotServ Todos os direitos reservados 2006/2007

Manual QuotServ Todos os direitos reservados 2006/2007 Todos os direitos reservados 2006/2007 Índice 1. Descrição 3 2. Instalação 3 3. Configurações 4 4. Usando arquivo texto delimitado 5 5. Usando arquivo texto com posições fixas 7 6. Usando uma conexão MySQL

Leia mais

2. ENTRADA DE DADOS 2.1. TEXTOS

2. ENTRADA DE DADOS 2.1. TEXTOS 2. ENTRADA DE DADOS Os dados digitados em uma célula são divididos em duas categorias principais: constantes ou fórmulas. Um valor constante é um dado digitado diretamente na célula e que não é alterado.

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Agrárias

Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Agrárias Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Agrárias Professor: Renato Dourado Maia Disciplina: Programação de Computadores Curso: Engenharia de Alimentos Turma: Terceiro Período 1 Introdução

Leia mais

Projeto solidário para o ensino de Informática Básica

Projeto solidário para o ensino de Informática Básica Projeto solidário para o ensino de Informática Básica Parte 2 Sistema Operacional MS-Windows XP Créditos de desenvolvimento deste material: Revisão: Prof. MSc. Wagner Siqueira Cavalcante Um Sistema Operacional

Leia mais

Software de gerenciamento do sistema Intel. Guia do usuário do Pacote de gerenciamento do servidor modular Intel

Software de gerenciamento do sistema Intel. Guia do usuário do Pacote de gerenciamento do servidor modular Intel Software de gerenciamento do sistema Intel do servidor modular Intel Declarações de Caráter Legal AS INFORMAÇÕES CONTIDAS NESTE DOCUMENTO SÃO RELACIONADAS AOS PRODUTOS INTEL, PARA FINS DE SUPORTE ÀS PLACAS

Leia mais

15/8/2007 Gerencia de Tecnologia da Informação Claudia M.S. Tomaz

15/8/2007 Gerencia de Tecnologia da Informação Claudia M.S. Tomaz 15/8/2007 Gerencia de Tecnologia da Informação Claudia M.S. Tomaz MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO WEBMAIL GETEC 01 2/13 Como acessar o Webmail da Secretaria de Educação? Para utilizar o Webmail da Secretaria de

Leia mais

Manual de Utilização

Manual de Utilização Se ainda tiver dúvidas entre em contato com a equipe de atendimento: Por telefone: 0800 642 3090 Por e-mail atendimento@oisolucoespraempresas.com.br Introdução... 3 1. O que é o programa Oi Backup Empresarial?...

Leia mais

Instruções de Instalação do IBM SPSS Modeler (Licença Simultânea)

Instruções de Instalação do IBM SPSS Modeler (Licença Simultânea) Instruções de Instalação do IBM SPSS Modeler (Licença Simultânea) Índice Instruções de Instalação....... 1 Requisitos de Sistema........... 1 Instalando............... 1 Instalando a Partir de um Arquivo

Leia mais

Documento de Instalação e Configuração do InfoGrid

Documento de Instalação e Configuração do InfoGrid Documento de Instalação e Configuração do InfoGrid Tecgraf/PUC Rio infogrid@tecgraf.puc rio.br 1.Introdução O objetivo deste documento é podermos registrar em um único local todas as informações necessárias

Leia mais