REESTRUTURAÇÃO ORGANIZACIONAL DA FUNDAÇÃO CEEE. Reestruturação Organizacional Fundação CEEE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REESTRUTURAÇÃO ORGANIZACIONAL DA FUNDAÇÃO CEEE. Reestruturação Organizacional Fundação CEEE"

Transcrição

1

2 REESTRUTURAÇÃO ORGANIZACIONAL DA FUNDAÇÃO CEEE Reestruturação Organizacional Fundação CEEE

3 Claudiomar Gautério de Farias Diretor de Previdência Janice Antonia Fortes Diretora Financeira Juarez Emilio Moehlecke Presidente

4 HISTÓRICO 1. Atualização do estatuto 2. Comitê Gestor de Plano 3. Revisão do processo eleitoral 4. Processo administrativo disciplinar 5. Controle de riscos: auditoria interna, segregação de funções e segregação de ativos 6. Alinhamento do orçamento com o planejamento estratégico

5 HISTÓRICO 7. Criação de auditoria/ouvidoria 8. Gestão do fundo previdencial 9. Crescimento do custo administrativo bem acima da rentabilidade dos planos - Apontamento PREVIC 10. Expansão 11. Avaliação da estrutura física 12. Análise quanti-qualitativa de pessoal 13. Revisão do organograma

6 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO * DIRETRIZ FUNDAMENTAL (aumentar a participação no mercado de previdência complementar) DESDOBRAMENTOS Fidelizar as atuais patrocinadoras e garantir o pagamento de benefícios Conquistar novas patrocinadoras/instituidoras Desenvolver cultura organizacional competitiva Adequar as estruturas de governança às exigências do mercado OBJETIVOS ESTRATÉGICOS BUSCAR SUSTENTABILIDADE ADMINISTRATIVA APRIMORAR A ESTRUTURA DE GOVERNANÇA REDUZIR O NÚMERO DE AÇÕES JUDICIAIS REESTRUTURAR OS PLANOS COM DEMANDAS DE MELHORIAS *Aprovado por unanimidade pelo CD para os biênios e

7 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DIRETRIZ FUNDAMENTAL (aumentar a participação no mercado de previdência complementar) DESDOBRAMENTOS Fidelizar as atuais patrocinadoras e garantir o pagamento de benefícios Conquistar novas patrocinadoras/instituidoras Desenvolver cultura organizacional competitiva Adequar as estruturas de governança às exigências do mercado

8 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DIRETRIZ FUNDAMENTAL (aumentar a participação no mercado de previdência complementar) DESDOBRAMENTOS Fidelizar as atuais patrocinadoras e garantir o pagamento de benefícios Conquistar novas patrocinadoras/instituidoras Desenvolver cultura organizacional competitiva Adequar as estruturas de governança às exigências do mercado Comitê Gestor de Plano Expansão

9 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DIRETRIZ FUNDAMENTAL (aumentar a participação no mercado de previdência complementar) DESDOBRAMENTOS Fidelizar as atuais patrocinadoras e garantir o pagamento de benefícios Conquistar novas patrocinadoras/instituidoras Desenvolver cultura organizacional competitiva Adequar as estruturas de governança às exigências do mercado Comitê Gestor de Plano Revisão do processo eleitoral Processo administrativo disciplinar Expansão

10 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DIRETRIZ FUNDAMENTAL (aumentar a participação no mercado de previdência complementar) DESDOBRAMENTOS Fidelizar as atuais patrocinadoras e garantir o pagamento de benefícios Conquistar novas patrocinadoras/instituidoras Desenvolver cultura organizacional competitiva Adequar as estruturas de governança às exigências do mercado Alinhamento do orçamento com o planejamento estratégico Crescimento do custo administrativo bem acima da rentabilidade dos planos - Apontamento PREVIC Revisão do organograma

11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DIRETRIZ FUNDAMENTAL (aumentar a participação no mercado de previdência complementar) DESDOBRAMENTOS Fidelizar as atuais patrocinadoras e garantir o pagamento de benefícios Conquistar novas patrocinadoras/instituidoras Desenvolver cultura organizacional competitiva Adequar as estruturas de governança às exigências do mercado Atualização do estatuto Controle de riscos: auditoria interna, segregação de funções e segregação de ativos Criação de auditoria/ouvidoria Gestão do fundo previdencial Avaliação da estrutura física Análise quanti-qualitativa de pessoal

12 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO * DIRETRIZ FUNDAMENTAL (aumentar a participação no mercado de previdência complementar) DESDOBRAMENTOS Fidelizar as atuais patrocinadoras e garantir o pagamento de benefícios Conquistar novas patrocinadoras/instituidoras Desenvolver cultura organizacional competitiva Adequar as estruturas de governança às exigências do mercado OBJETIVOS ESTRATÉGICOS BUSCAR SUSTENTABILIDADE ADMINISTRATIVA APRIMORAR A ESTRUTURA DE GOVERNANÇA REDUZIR O NÚMERO DE AÇÕES JUDICIAIS REESTRUTURAR OS PLANOS COM DEMANDAS DE MELHORIAS *Aprovado por unanimidade pelo CD para os biênios e

13 TRABALHO DE GOVERNANÇA Aprovado por unanimidade no Conselho Deliberativo em abril/13; Implementado de duas maneiras:

14 TRABALHO DE GOVERNANÇA 1. Atualização do estatuto 2. Comitê Gestor de Plano 3. Revisão do processo eleitoral 4. Processo administrativo disciplinar 5. Controle de riscos: auditoria interna, segregação de funções e segregação de ativos 6. Alinhamento do orçamento com o planejamento estratégico

15 TRABALHO DE GOVERNANÇA 7. Criação de auditoria/ouvidoria 8. Gestão do fundo previdencial 9. Crescimento do custo administrativo bem acima da rentabilidade dos planos - Apontamento PREVIC 10. Expansão 11. Avaliação da estrutura física 12. Análise quanti-qualitativa de pessoal 13. Revisão do organograma

16 PROJETO DE REESTRUTURAÇÃO ORGANIZACIONAL DA FUNDAÇÃO CEEE* OBJETIVOS Analisar a estrutura organizacional; Analisar o quantitativo de pessoal; Mapear as competências comportamentais dos funcionários; *Aprovado por unanimidade pelo CD em janeiro de 2014

17 ESTRUTURA ORGANIZACIONAL VIGENTE ATÉ JANEIRO DE 2014

18 PROJETO DE REESTRUTURAÇÃO ORGANIZACIONAL DA FUNDAÇÃO CEEE 1 ETAPAS LEVANTAMENTOS, ANÁLISE E PROPOSIÇÃO DE MELHORIAS Prazo: 05 de junho a 30 de setembro de 2013.

19 PROJETO DE REESTRUTURAÇÃO ORGANIZACIONAL DA FUNDAÇÃO CEEE ETAPAS 1 2 LEVANTAMENTOS, ANÁLISE E PROPOSIÇÃO DE MELHORIAS ANÁLISE INTERNA - PRESIDÊNCIA Prazo: 05 de junho a 30 de setembro de Prazo: 01 de outubro de 2013 a 06 de janeiro 2014.

20 PROJETO DE REESTRUTURAÇÃO ORGANIZACIONAL DA FUNDAÇÃO CEEE ETAPAS LEVANTAMENTOS, ANÁLISE E PROPOSIÇÃO DE MELHORIAS ANÁLISE INTERNA - PRESIDÊNCIA ANÁLISE INTERNA - DIRETORIA Prazo: 05 de junho a 30 de setembro de Prazo: 01 de outubro de 2013 a 06 de janeiro Prazo: 10 de janeiro a 10 fevereiro 2014.

21 PROJETO DE REESTRUTURAÇÃO ORGANIZACIONAL DA FUNDAÇÃO CEEE ETAPAS LEVANTAMENTOS, ANÁLISE E PROPOSIÇÃO DE MELHORIAS ANÁLISE INTERNA - PRESIDÊNCIA ANÁLISE INTERNA - DIRETORIA ANÁLISE INTERNA DIRETORIA E GERENTES Prazo: 05 de junho Prazo: 01 de outubro Prazo: 10 de janeiro Prazo: 10 fevereiro a 30 de setembro de 2013 a 06 de a 10 fevereiro a 20 de março de de janeiro

22 PROJETO DE REESTRUTURAÇÃO ORGANIZACIONAL DA FUNDAÇÃO CEEE ETAPAS LEVANTAMENTOS, ANÁLISE E PROPOSIÇÃO DE MELHORIAS ANÁLISE INTERNA - PRESIDÊNCIA ANÁLISE INTERNA - DIRETORIA ANÁLISE INTERNA DIRETORIA E GERENTES IMPLANTAÇÃO DAS DECISÕES REFERENTES AO QUADRO DE LOTAÇÃO Prazo: 05 de junho Prazo: 01 de Prazo: 10 de janeiro Prazo: 10 fevereiro Prazo: 24 de a 30 de setembro outubro de 2013 a a 10 fevereiro a 20 de março de março a 23 de maio de de janeiro de 2014.

23 PROJETO DE REESTRUTURAÇÃO ORGANIZACIONAL DA FUNDAÇÃO CEEE 1 ETAPAS LEVANTAMENTOS, ANÁLISE E PROPOSIÇÃO DE MELHORIAS Prazo: 05 de junho a 30 de setembro de ATIVIDADES Entrevistas e reuniões individuais com o Presidente e Diretores; Entrevistas e reuniões com a Diretoria, Gerentes, Assessores e com todos os funcionários da Fundação CEEE em atividade no período; Acompanhamento das atividades e macroprocessos realizados nas diversas áreas da Fundação CEEE; Estudo de documentos e registros sobre indicadores de gestão, normas e diretrizes; Aporte de referencial externo através das experiências e conhecimentos dos consultores; Aplicação de instrumento para identificação do Perfil Comportamental de todos os funcionários da Fundação CEEE; Edição de Relatório Final.

24 PROJETO DE REESTRUTURAÇÃO ORGANIZACIONAL DA FUNDAÇÃO CEEE ETAPAS 2 ANÁLISE INTERNA - PRESIDÊNCIA ATIVIDADES Reuniões com a Presidência para esclarecimentos sobre as sugestões da consultoria. Prazo: 01 de outubro de 2013 a 06 de janeiro 2014.

25 PROJETO DE REESTRUTURAÇÃO ORGANIZACIONAL DA FUNDAÇÃO CEEE 3 ETAPAS ANÁLISE INTERNA - DIRETORIA ATIVIDADES Reuniões com a Diretoria para entendimento, discussão e decisão sobre o encaminhamento das proposições aprovadas. Prazo: 10 de janeiro a 10 fevereiro Formalização da nova Estrutura Organizacional aos novos Gerentes e Assessores.

26 PROJETO DE REESTRUTURAÇÃO ORGANIZACIONAL DA FUNDAÇÃO CEEE 4 ETAPAS ANÁLISE INTERNA DIRETORIA E GERENTES Prazo: 10 fevereiro a 20 de março de ATIVIDADES Reuniões com Diretores, Gerentes e Assessores definidos na nova Estrutura Organizacional para entendimento, análise e validação das proposições referentes ao impacto em macroprocessos e quantitativo de pessoal, bem como o planejamento das respectivas implantações nas suas áreas de atuação. Definição entre Gerentes e Assessores sobre atividades transferidas entre as suas áreas, com a aprovação das respectivas Diretorias.

27 PROJETO DE REESTRUTURAÇÃO ORGANIZACIONAL DA FUNDAÇÃO CEEE 5 ETAPAS IMPLANTAÇÃO DAS DECISÕES REFERENTES AO QUADRO DE LOTAÇÃO Prazo: 24 de março a 23 de maio de ATIVIDADES Realização dos processos de desligamento, transferência interna e contratação de funcionários. Disponibilização aos empregados demitidos de serviço especializado de apoio no processo de recolocação no mercado de trabalho e reposicionamento profissional. Realização de cotações, escolha e contratação de prestadores de serviços para atividades que foram terceirizadas. Estudos para realização de ajustes internos referentes a alocação física de gerências, assessorias e respectivas equipes através de um novo layout administrativo.

28 PROJETO DE REESTRUTURAÇÃO ORGANIZACIONAL DA FUNDAÇÃO CEEE LEVANTAMENTOS, ANÁLISE E PROPOSIÇÃO DE MELHORIAS ANÁLISE INTERNA - PRESIDÊNCIA ANÁLISE INTERNA - DIRETORIA ANÁLISE INTERNA DIRETORIA E GERENTES IMPLANTAÇÃO DAS DECISÕES REFERENTES AO QUADRO DE LOTAÇÃO Prazo: 05 de junho a Prazo: 01 de outubro Prazo: 10 de janeiro a Prazo: 10 fevereiro a Prazo: 24 de março a 30 de setembro de de 2013 a 06 de 10 fevereiro de março de de maio de janeiro 2014.

29 NOVA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL* ORIENTADA PARA OS PROCESSOS- CHAVE Foco nos Participantes, Patrocinadores e Instituidores Foco na Rentabilidade de Ativos e Movimentação Financeira Foco no Desenvolvimento da Gestão e Instituição Foco na Segurança e Controles Internos *Aprovada por unanimidade no CD em

30 ESTRUTURA ORGANIZACIONAL ANTIGA

31 NOVA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL CONSELHO DELIBERATIVO CONSELHO FISCAL Auditoria Interna Assessoria Comunicação Assessoria Jurídica Secretaria Geral PRESIDÊNCIA GERÊNCIA DE CONTROLADORIA DIRETORIA FINANCEIRA DIRETORIA DE INFRAESTRUTURA* DIRETORIA DE PREVIDÊNCIA GERÊNCIA DE INVESTIMENTOS GERÊNCIA FINANCEIRA / CONTÁBIL GERÊNCIA DE GESTÃO E SERVIÇOS *Diretor Eleito GERÊNCIA PREVIDENCIÁRIA GERÊNCIA DE EXPANSÃO

32 CONTROLADORIA (incorpora a função Atuarial e cria sinergia necessária entre ambas) ADEQUAÇÃO DA ESTRUTURA GERÊNCIA PREVIDENCIÁRIA (assume a célula de reclamatórias judiciais, atendimento, geração de receita previdenciária e pagamento de benefícios. GESTÃO E SERVIÇOS (responsável pelas funções administrativas, informática e recursos humanos) FINANCEIRA E CONTÁBIL (concentra atividades que estavam em áreas distintas) EXPANSÃO (foco no crescimento da Fundação CEEE) *Aprovado por unanimidade pelo CD para os biênios e

33 DE COMUNICAÇÃO (com foco exclusivo na atividade) ADEQUAÇÃO DA ESTRUTURA ASSESSORIA AUDITORIA JURÍDICA (foco estratégico na elaboração de pareceres e assessoramento aos Conselhos e Diretoria) AUDITORIA INTERNA (promoverá maior controle das atividades da entidade)

34 Criação, fusão e extinção de Gerências e atividades ADEQUAÇÃO DA ESTRUTURA OTIMIZAÇÃO Redução quadro funcionários (104 79) Redução Custos em R$ 1,5 milhão em 2014 Redução do espaço físico ocupado na sede em 19% com liberação de 1,2 andar Adequação do layout administrativo à nova estrutura

35

36 Oferecer soluções de previdência privada complementar, administrando com excelência e segurança os recursos financeiros dos seus clientes. *Aprovada por unanimidade no CD em

37

38 ATIVIDADES E EVENTOS INSTITUCIONAIS Palestras institucionais; Curso de preparação para a aposentadoria; Curso de planejamento financeiro e orçamento familiar; Seminário econômico; Prestação de contas a patrocinadores e instituidores.

39 ATIVIDADES E EVENTOS INSTITUCIONAIS Encontro Mais Vida; Diálogo Institucional; Seminário de Seguridade

40 Inserir slide sobre o evento Caminhos para o futuro

41 ATIVIDADES E EVENTOS INSTITUCIONAIS I SEMINÁRIO DE PREVIDÊNCIA MÁRIO SÉRGIO CORTELLA MAX GEHRINGER

42 ATIVIDADES E EVENTOS INSTITUCIONAIS Evento Dia do Aposentado; Consultoria Financeira; Atendimento individualizado (Serviço Social)

43 RECOMENDAÇÕES PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

44

Por favor, mantenham seus celulares desligados ou no modo silencioso.

Por favor, mantenham seus celulares desligados ou no modo silencioso. Por favor, mantenham seus celulares desligados ou no modo silencioso. Nossa equipe Carla Rejane Gomes Benites Alexandre Conte Luiz Eduardo Motta Itapuã Molina Berchon Manuel Valente Janice Antonia Fortes

Leia mais

Aprovado na 4ª Reunião Ordinária do Conselho Deliberativo 10-12-10 REVISADO NA 3ª RO DO CONSELHO DELIBERATIVO 24-08-12

Aprovado na 4ª Reunião Ordinária do Conselho Deliberativo 10-12-10 REVISADO NA 3ª RO DO CONSELHO DELIBERATIVO 24-08-12 Aprovado na 4ª Reunião Ordinária do Conselho Deliberativo 10-12-10 REVISADO NA 3ª RO DO CONSELHO DELIBERATIVO 24-08-12 Missão: MISSÃO Administrar os recursos previdenciários com segurança e rentabilidade,

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004 E DE 2003 SOCIEDADE CIVIL FGV DE PREVIDÊNCIA PRIVADA FGV PREVI

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004 E DE 2003 SOCIEDADE CIVIL FGV DE PREVIDÊNCIA PRIVADA FGV PREVI DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004 E DE 2003 SOCIEDADE CIVIL FGV DE PREVIDÊNCIA PRIVADA FGV PREVI SOCIEDADE CIVIL FGV DE PREVIDÊNCIA PRIVADA - FGV PREVI DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE

Leia mais

perfis de investimento

perfis de investimento perfis de investimento Índice 3 Apresentação 3 Como funciona a gestão de investimentos da ELETROS? 5 Quais são os principais riscos associados aos investimentos? 6 Como são os investimentos em renda fixa?

Leia mais

Modelo de Gestão CAIXA. 27/05/2008 Congresso CONSAD de Gestão Pública

Modelo de Gestão CAIXA. 27/05/2008 Congresso CONSAD de Gestão Pública Modelo de Gestão CAIXA 1 Modelo de Gestão - Conceito Um Modelo de Gestão designa o conjunto de idéias, princípios, diretrizes, prioridades, critérios, premissas e condições de contorno tomadas como válidas,

Leia mais

GESTÃO DE PROGRAMAS AÇÕES DA FATEC INTEGRADAS COM PROJETOS DA UFSM

GESTÃO DE PROGRAMAS AÇÕES DA FATEC INTEGRADAS COM PROJETOS DA UFSM GESTÃO DE PROGRAMAS AÇÕES DA FATEC INTEGRADAS COM PROJETOS DA UFSM As atividades que envolvem Ações Técnico-Científicas da FATEC, conjugadas com Pesquisa ou Extensão ou Ensino pela UFSM, são formalizadas

Leia mais

A Fundação CEEE administra planos previdenciários somente para a CEEE?

A Fundação CEEE administra planos previdenciários somente para a CEEE? A Fundação CEEE administra planos previdenciários somente para a CEEE? Patrocinadoras e instituidores Patrimônios independentes Patrocinadoras e instituidores Aberta para ingresso de novas empresas e entidades

Leia mais

Julho/2011 Volcei Marcon Gabriel Albino

Julho/2011 Volcei Marcon Gabriel Albino Workshop Descrição de cargos Julho/2011 Volcei Marcon Gabriel Albino Agenda 1 2 3 Nossa metodologia O Projeto Workshop de Descrição de Cargos 2011 Hay Group. All rights reserved 1 01 Nossa metodologia

Leia mais

ESTATUTO FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL BRASLIGHT

ESTATUTO FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL BRASLIGHT ESTATUTO FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL BRASLIGHT ESTATUTO FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL BRASLIGHT ÍNDICE CAPÍTULO I - Da Denominação, Sede e Foro... 4 CAPÍTULO II - Dos Objetivos... 4 CAPÍTULO III - Do

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DA OABPREV-PR PARA O EXERCÍCIO DE 2010/2012

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DA OABPREV-PR PARA O EXERCÍCIO DE 2010/2012 POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DA OABPREV-PR PARA O EXERCÍCIO DE 2010/2012 1- OBJETIVOS A Política de Investimentos dos Recursos Garantidores do Plano de Benefícios Previdenciários dos Advogados - PBPA e do

Leia mais

POUPREV FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL RESUMO DO RELATÓRIO ANUAL DE INFORMAÇÕES DE 2014

POUPREV FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL RESUMO DO RELATÓRIO ANUAL DE INFORMAÇÕES DE 2014 POUPREV FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL RESUMO DO RELATÓRIO ANUAL DE INFORMAÇÕES DE 2014 O presente resumo do Relatório Anual de Informações de 2014 trata das atividades desenvolvidas pela POUPREV, no referido

Leia mais

Eletros-Saúde: O desafio da segregação

Eletros-Saúde: O desafio da segregação Eletros-Saúde: O desafio da segregação Na última edição do Eletros em Foco, a Diretoria Executiva da ELETROS, em sua entrevista, antecipou os motivos e as ações previstas para a segregação das atividades

Leia mais

Manual de. Governança Corporativa

Manual de. Governança Corporativa Manual de Governança Corporativa Manual de Governança Corporativa Sumário 1. Definição... 2. Objetivo... 3. Da Contextualização da PREVIMINAS... 3.1. Arcabouço Legal e Regulatório... 3.2. A Identidade

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR

A IMPORTÂNCIA DA PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR O REGIME DE PREVIDENCIA O Regime de Previdência Complementar - RPC, integrante do Sistema de Previdência Social, apresenta-se como uma das formas de proteção ao trabalhador brasileiro. É desvinculado do

Leia mais

Soluções em Previdência Complementar & Serviços Atuariais

Soluções em Previdência Complementar & Serviços Atuariais Aon Hewitt Soluções em Previdência Complementar & Serviços Atuariais Facilidade e segurança para o RH e os colaboradores Risk. Reinsurance. Human Resources. Soluções em Previdência Complementar & Serviços

Leia mais

SUZANO PAPEL E CELULOSE S.A. Regimento Interno do Conselho de Administração

SUZANO PAPEL E CELULOSE S.A. Regimento Interno do Conselho de Administração SUZANO PAPEL E CELULOSE S.A. Regimento Interno do Conselho de Administração Este Regimento Interno foi aprovado pelo Conselho de Administração da Suzano Papel e Celulose S.A. em 18 de fevereiro de 2016.

Leia mais

ANEXO II PLANO DE TRABALHO

ANEXO II PLANO DE TRABALHO ANEXO II PLANO DE TRABALHO Objetivo: Inaugurado em 14 de março de 1877, o Centro Cultural José Bonifácio foi o primeiro colégio público da América Latina. Construído por ordem de D. Pedro II para a educação

Leia mais

Relatório Percepção das Consultoras acerca do cenário e práticas de Gestão de Pessoas (RH) do Tribunal de Contas

Relatório Percepção das Consultoras acerca do cenário e práticas de Gestão de Pessoas (RH) do Tribunal de Contas Relatório Percepção das Consultoras acerca do cenário e práticas de Gestão de Pessoas (RH) do Tribunal de Contas (Produto 2) TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DA BAHIA PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO

Leia mais

ATRIBUIÇÕES ESSENCIAIS DA FUNÇÃO

ATRIBUIÇÕES ESSENCIAIS DA FUNÇÃO PERFIL DE CARGO S 1- DADOS DA VAGA Cargo: Analista Função: Analista de Cooperativismo e Monitoramento Unidade Estadual: Sescoop- Maranhão Carga Horária: 40h/ semanais Salário: R$ 1.663,00 (hum mil seiscentos

Leia mais

MANUAL DE GOVERNANÇA CORPORATIVA

MANUAL DE GOVERNANÇA CORPORATIVA MANUAL DE GOVERNANÇA CORPORATIVA Aprovado pelo Conselho Deliberativo da BRF Previdência conforme Ata da 4ª/2014 Reunião Extraordinária, realizada em 15 de Julho de 2014. Revisado em 05/12/2014, para adequação

Leia mais

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO ADMINISTRATIVO E TECNOLÓGICO CONSELHO DIRETOR

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO ADMINISTRATIVO E TECNOLÓGICO CONSELHO DIRETOR PROGRAMA DESENVOLVIMENTO ADMINISTRATIVO E TECNOLÓGICO CONSELHO DIRETOR TERMO DE ABERTURA Preparado por: Cláudio França de Araújo Gestor do Programa CD Aprovado por: Ricardo Antônio de Arruda Veiga Representante

Leia mais

Política de Estruturação de Negócios e Gestão de Participações

Política de Estruturação de Negócios e Gestão de Participações Política de Estruturação de Negócios e Gestão de Participações Outubro de 2013 Conteúdo 1. Objetivo... 3 2. Princípios... 4 3. Diretrizes... 5 4. Responsabilidades... 6 5. Conceitos... 7 6. Disposições

Leia mais

Educação Financeira e Previdenciária Case - Fundação CEEE. Magdarlise Dal Fiume Germany Gerente Relações Institucionais

Educação Financeira e Previdenciária Case - Fundação CEEE. Magdarlise Dal Fiume Germany Gerente Relações Institucionais Educação Financeira e Previdenciária Case - Fundação CEEE Magdarlise Dal Fiume Germany Gerente Relações Institucionais Programa de Educação Financeira e Previdenciária - Criação Aprovado pela PREVIC em

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL RESUMO PLANO DE BENEFÍCIOS II. Resumo Relatório Anual 2014 BANORTE II

RELATÓRIO ANUAL RESUMO PLANO DE BENEFÍCIOS II. Resumo Relatório Anual 2014 BANORTE II RELATÓRIO ANUAL RESUMO 2014 PLANO DE BENEFÍCIOS II Mensagem da Diretoria Maior eficácia nos controles, no atendimento e na Comunicação Administrar um plano de previdência complementar envolve vários aspectos

Leia mais

o Programa, aprovado pela Diretoria Colegiada em dezembro de

o Programa, aprovado pela Diretoria Colegiada em dezembro de Diretoria de Desenvolvimento Institucional (DIDES) Programa de Trabalho 2009-2010 A Diretoria de Desenvolvimento Institucional (DIDES) implementará no biênio 2009...! 2010 projetos voltados para atingir

Leia mais

A Prática na Unimed João Pessoa

A Prática na Unimed João Pessoa A Prática na Unimed João Pessoa 27º Encontro Nacional de Núcleos de Desenvolvimento Humano e Comitês Educativos Unimed do Brasil São Paulo, Julho/2015 COOPERATIVISMO E GOVERNANÇA Princípios e Características

Leia mais

PRODUTO 1 METODOLOGIA Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS Município de Teresópolis - RJ

PRODUTO 1 METODOLOGIA Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS Município de Teresópolis - RJ PRODUTO 1 METODOLOGIA Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS Município de Teresópolis - RJ Setembro/2010 APRESENTAÇÃO Este documento denominado Metodologia é o primeiro produto apresentado

Leia mais

Ciclos de Melhoria e Inovação dos Processos Caso Sebrae/RJ. Palestrante: Marcelo Lima Gerente TI

Ciclos de Melhoria e Inovação dos Processos Caso Sebrae/RJ. Palestrante: Marcelo Lima Gerente TI Ciclos de Melhoria e Inovação dos Processos Caso Sebrae/RJ Palestrante: Marcelo Lima Gerente TI Agenda O Sebrae/RJ Contexto Inicial Iniciativas de Gestão por Processos Iniciativa Interna Projeto Gestão

Leia mais

4 Proposta de método de avaliação de desempenho em programas

4 Proposta de método de avaliação de desempenho em programas 4 Proposta de método de avaliação de desempenho em programas O método de avaliação foi proposto especialmente para esta pesquisa, mas poderá ser utilizado em outros casos relacionados à avaliação de desempenho

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI na Administração Pública Federal - Ciclo 2016 (322491)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI na Administração Pública Federal - Ciclo 2016 (322491) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI na Administração Pública Federal - Ciclo 2016 (322491) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 24/05/2016 12:51:35 Endereço IP: 187.4.152.90 Designação

Leia mais

SECRETARIA DE FAZENDA DO TOCANTINS PROJETO DE MODERNIZAÇÃO FISCAL DO ESTADO DO TOCANTINS - PMF-TO (PROFISCO-TO). PLANO DE COMUNICAÇÃO SEFAZ-TO

SECRETARIA DE FAZENDA DO TOCANTINS PROJETO DE MODERNIZAÇÃO FISCAL DO ESTADO DO TOCANTINS - PMF-TO (PROFISCO-TO). PLANO DE COMUNICAÇÃO SEFAZ-TO SECRETARIA DE FAZENDA DO TOCANTINS SEFAZ-TO PROJETO DE MODERNIZAÇÃO FISCAL DO ESTADO DO TOCANTINS - PMF-TO (PROFISCO-TO). PLANO DE COMUNICAÇÃO 10 de Outubro de 2013 LISTA DE ILUSTRAÇÕES 2 Quadro 1- Matriz

Leia mais

ACEPREV Acesita Previdência Privada. Em todos os momentos, em cada oscilação da vida, a SOLIDEZ sustenta a tranquilidade.

ACEPREV Acesita Previdência Privada. Em todos os momentos, em cada oscilação da vida, a SOLIDEZ sustenta a tranquilidade. ACEPREV Acesita Previdência Privada Em todos os momentos, em cada oscilação da vida, a SOLIDEZ sustenta a tranquilidade. RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2008 M ENSAGEM DA DIRETORIA A Diretoria Executiva

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria do Tesouro Nacional TERMO DE REFERÊNCIA

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria do Tesouro Nacional TERMO DE REFERÊNCIA 1 MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria do Tesouro Nacional TERMO DE REFERÊNCIA Contratação de um consultor especializado no desenvolvimento de programas voltados à promoção da saúde e da qualidade de vida

Leia mais

1 Nome do Projeto Centro de Treinamento e Capacitação Corporativa. 2 Coordenador (a) Eng. Mec. Vinício Duarte Ferreira. 3 Gestor (a) 4 Programa

1 Nome do Projeto Centro de Treinamento e Capacitação Corporativa. 2 Coordenador (a) Eng. Mec. Vinício Duarte Ferreira. 3 Gestor (a) 4 Programa 1 Nome do Projeto Centro de Treinamento e Capacitação Corporativa 2 Coordenador (a) Eng. Mec. Vinício Duarte Ferreira 3 Gestor (a) 4 Programa Eng. Agr. Flávio Henrique da Costa Bolzan Organização, Normas

Leia mais

1. Antecedentes. 2. Objetivo. 3. Escopo dos Trabalhos

1. Antecedentes. 2. Objetivo. 3. Escopo dos Trabalhos CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR PESSOA FÍSICA PARA ELABORAÇÃO DE DIAGNÓSTICO SITUACIONAL DE REVISÃO E REDESENHO DOS PROCESSOS ORGANIZACIONAIS DA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL Termo de Referência Outubro 2012

Leia mais

Planejamento da Gerência de Avaliação Institucional / Comissão Própria de Avaliação - CPA/UEG

Planejamento da Gerência de Avaliação Institucional / Comissão Própria de Avaliação - CPA/UEG Planejamento da de Avaliação / Comissão Própria de Avaliação - CPA/UEG O Planejamento Estratégico da de Avaliação foi elaborado com base no Plano de Governo do Estado de Goiás 2012-2015, Plano de Trabalho

Leia mais

I - DA FINALIDADE II - DA CONCEITUAÇÃO

I - DA FINALIDADE II - DA CONCEITUAÇÃO I - DA FINALIDADE 1. Este Normativo de Pessoal tem por finalidade estabelecer, definir e disciplinar os procedimentos para criação, extinção, remuneração, designação, contratação, substituição, dispensa

Leia mais

Fundação Previdenciária IBM. Resumo Relatório Anual 2013 PLANO DE BENEFÍCIOS DA IBM BRASIL. 1 Relatório Anual - IBM

Fundação Previdenciária IBM. Resumo Relatório Anual 2013 PLANO DE BENEFÍCIOS DA IBM BRASIL. 1 Relatório Anual - IBM Fundação Previdenciária IBM Resumo Relatório Anual 2013 PLANO DE BENEFÍCIOS DA IBM BRASIL 1 VIVER O PRESENTE, DE OLHO NO FUTURO Caro participante, Muitos dizem que é melhor viver intensamente o presente

Leia mais

Simaco. A Fundação Fecomercio sinaliza tornar-se um dos maiores fundos instituídos

Simaco. A Fundação Fecomercio sinaliza tornar-se um dos maiores fundos instituídos FPA Fundação Fecomércio de Previdência Associativa - FPA A Fundação Fecomercio sinaliza tornar-se um dos maiores fundos instituídos do País, já respondendo sozinha por mais de 60% dos planos dessa modalidade.

Leia mais

PLANO ANUAL DE CAPACITAÇÃO 2012

PLANO ANUAL DE CAPACITAÇÃO 2012 PLANO ANUAL DE CAPACITAÇÃO 2012 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 3 CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO 5 CAPACITAÇÃO DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO 7 CAPACITAÇÃO

Leia mais

Incubadora de Empresas de Base Tecnológica de Itajubá - INCIT PLANO ANUAL DE TREINAMENTO

Incubadora de Empresas de Base Tecnológica de Itajubá - INCIT PLANO ANUAL DE TREINAMENTO Incubadora de Empresas de Base Tecnológica de Itajubá - INCIT PLANO ANUAL DE TREINAMENTO Itajubá/MG Fevereiro de 2012 Plano Anual de 2 de 11 Revisão 01 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1 OBJETIVO GERAL... 4 2

Leia mais

Principais destaques do período

Principais destaques do período Apresentação A Diretoria da Sabesprev apresenta a seus participantes o resultado de mais um exercício, marcado por uma gestão participativa, inserida nos preceitos da Governança Corporativa e com total

Leia mais

ASPECTOS GERAIS DE GOVERNANÇA

ASPECTOS GERAIS DE GOVERNANÇA ASPECTOS GERAIS DE GOVERNANÇA FUNCIONAMENTO DO SISTEMA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR OPERADO POR ENTIDADES DE PREVIDÊNCIA PRIVADA, QUE ADMINISTRAM PLANOS DE BENEFÍCOS CLASSIFICADAS EM: ENTIDADES ABERTES

Leia mais

CATÁLOGO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Modalidade a Distância

CATÁLOGO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Modalidade a Distância CATÁLOGO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Modalidade a Distância ATOS LEGAIS DO CURSO: Nome do Curso: Administração Nome da Mantida: Centro Universitário de Rio Preto Endereço de Funcionamento do Curso: Rua Yvette

Leia mais

ética Programa de Integridade Última atualização em: Circular Bancoob 1ª Edição em: Circular Bancoob 2.377 Página: 1/15

ética Programa de Integridade Última atualização em: Circular Bancoob 1ª Edição em: Circular Bancoob 2.377 Página: 1/15 ética Programa de Integridade 1ª Edição em: Circular Bancoob 2.377 Última atualização em: Circular Bancoob Página: 1/15 Índice Título 1: Apresentação... 3 Título 2: Risco da prática de atos lesivos contra

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

Marcelo Narvaes Fiadeiro Subsecretário de Planejamento, Orçamento e Administração

Marcelo Narvaes Fiadeiro Subsecretário de Planejamento, Orçamento e Administração Marta Suplicy Ministra da Cultura Ana Cristina Wanzeler Secretária-Executiva Marcelo Narvaes Fiadeiro Subsecretário de Planejamento, Orçamento e Administração Paulo Cesar Kluge Coordenador-Geral de Tecnologia

Leia mais

Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais Presidência Controladoria Interna PLANO DIRETOR CONTROLE INTERNO 2013-2014

Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais Presidência Controladoria Interna PLANO DIRETOR CONTROLE INTERNO 2013-2014 PLANO DIRETOR DE CONTROLE INTERNO 2013-2014 SUMÁRIO Pág. 1. INTRODUÇÃO 02 2. SISTEMA DE CONTROLE INTERNO 02 2.1 Conceituação 02 2.2. Marco legal 04 3. O CONTROLE INTERNO NO ÂMBITO DO TCEMG 4. CONTROLADORIA

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DO TURISMO DA MACRORREGIÃO SUL DO BRASIL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FORO E DURAÇÃO

ESTATUTO SOCIAL DA AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DO TURISMO DA MACRORREGIÃO SUL DO BRASIL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FORO E DURAÇÃO ESTATUTO SOCIAL DA AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DO TURISMO DA MACRORREGIÃO SUL DO BRASIL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FORO E DURAÇÃO Art. 1 - A Agência de Desenvolvimento do Turismo da Macrorregião Sul

Leia mais

Medida Provisória nº de de 2008

Medida Provisória nº de de 2008 Medida Provisória nº de de 008 Dispõe sobre a criação da Gratificação de Desempenho de Atividade de Controle Interno e de Apoio Técnico ao Controle Interno no âmbito das Instituições Federais vinculadas

Leia mais

Questionário de Governança de TI 2016

Questionário de Governança de TI 2016 Questionário de Governança de TI 2016 De acordo com o Referencial Básico de Governança do Tribunal de Contas da União, a governança no setor público compreende essencialmente os mecanismos de liderança,

Leia mais

Resumo Gestão de Pessoas por Competências

Resumo Gestão de Pessoas por Competências Resumo Gestão de Pessoas por Competências A coordenação técnica e acompanhamento especializado para a realização do projeto são realizados pela consultora e professora Sonia Goulart, da SG Educação Empresarial.

Leia mais

CATÁLOGO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

CATÁLOGO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CATÁLOGO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO ATOS LEGAIS DO CURSO: Nome do Curso: Administração Nome da Mantida: Centro Universitário de Rio Preto Endereço de Funcionamento do Curso: Rua Yvette Gabriel Atique, 45

Leia mais

Funpresp-EXE. Novo regime de previdência para os servidores públicos federais no Brasil. Brasília/DF 04/fevereiro/2013

Funpresp-EXE. Novo regime de previdência para os servidores públicos federais no Brasil. Brasília/DF 04/fevereiro/2013 Funpresp-EXE Novo regime de previdência para os servidores públicos federais no Brasil Brasília/DF 04/fevereiro/2013 Órgão de Administração FUNPRESP/EXE - GOVERNANÇA Conselho Deliberativo (6 paritário)

Leia mais

Resumo de Auditoria. 1- Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro. - Auditoria realizada em Fevereiro e entrega do Relatório em Maio.

Resumo de Auditoria. 1- Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro. - Auditoria realizada em Fevereiro e entrega do Relatório em Maio. Resumo de Auditoria 1- Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro Inspeção Ordinária nº 565/2014 Objetivo: Avaliação da adequação da contratação de serviços de saúde pela municipalidade ao modelo proposto

Leia mais

1. Escopo ou finalidade da iniciativa

1. Escopo ou finalidade da iniciativa 1. Escopo ou finalidade da iniciativa Estruturar e implantar uma unidade administrativa para assessorar a alta administração do Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais em relação à elaboração e ao

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS. Av. Gabriel de Lara, 1307 Leblon Paranaguá PR Cep 83.203-550 - (041) 3425-6969 - CNPJ - 08.542.

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS. Av. Gabriel de Lara, 1307 Leblon Paranaguá PR Cep 83.203-550 - (041) 3425-6969 - CNPJ - 08.542. POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2008 ÍNDICE 1 Introdução 2 Objetivo 3 Estrutura Organizacional para Tomada de Decisões de Investimento 4 Diretrizes de Alocação dos Recursos 4.1. Segmentos de Aplicação 4.2. Objetivos

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 11/06/2014 13:47:32 Endereço IP: 200.253.113.2 1. Liderança da alta administração 1.1. Com

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE PESSOAS DA SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PREVIC

POLÍTICA DE GESTÃO DE PESSOAS DA SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PREVIC POLÍTICA DE GESTÃO DE PESSOAS DA SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PREVIC 1. CONCEITOS E DEFINIÇÕES 1.1 Políticas de Gestão de Pessoas são o conjunto de estratégias ou políticas específicas

Leia mais

Conferência sobre Administração Executiva para a América Latina e Caribe

Conferência sobre Administração Executiva para a América Latina e Caribe Conferência sobre Administração Executiva para a América Latina e Caribe Setor Público e Setor Privado: o que devem fazer para trabalhar na mesma Direção? Fernando Antonio Brito Fialho Diretor-Geral da

Leia mais

Criada em 1904, antes da Previdência Oficial no Brasil. Maior fundo de pensão da América Latina; e,

Criada em 1904, antes da Previdência Oficial no Brasil. Maior fundo de pensão da América Latina; e, Fundos de Pensão NASCIMENTO Criada em 1904, antes da Previdência Oficial no Brasil STATUS ATUAL Maior fundo de pensão da América Latina; e, 25º do mundo, em patrimônio. (*) () k d l d l l (*) Ranking divulgado

Leia mais

Organização da Aula. Gestão de Recursos Humanos. Aula 5. Contextualização. Captação de Pessoas. Captação de pessoas: recrutamento e seleção

Organização da Aula. Gestão de Recursos Humanos. Aula 5. Contextualização. Captação de Pessoas. Captação de pessoas: recrutamento e seleção Gestão de Recursos Humanos Aula 5 Profa. Me. Ana Carolina Bustamante Organização da Aula Captação de pessoas: recrutamento e seleção Empregabilidade Estratégias de recrutamento e seleção Processos de orientação

Leia mais

Plano de Trabalho do Conselho Fiscal de 2015/2016

Plano de Trabalho do Conselho Fiscal de 2015/2016 JUNHO- 23ª RO - 19/06 Balancetes - abril/2015 Mensal DA/Gecof 1º - 29/05 e Reunião CF 19/06 Resultados Econômico-Financeiros - abril/2015 Mensal DA/Gecof Reunião CF 19/06 Fluxo de caixa - abril/2015 Mensal

Leia mais

53 o CONSELHO DIRETOR

53 o CONSELHO DIRETOR 53 o CONSELHO DIRETOR 66 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL DA OMS PARA AS AMÉRICAS Washington, D.C., EUA, 29 de setembro a 3 de outubro de 2014 Tema 5.4 da Agenda Provisória CD53/19 18 de julho de 2014 Original:

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação 2016-2019. Versão 0 1.0

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação 2016-2019. Versão 0 1.0 PETI Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação 2016-2019 Versão 0 1.0 Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação 2016-2019 Presidente Luiz Otávio Pimentel Vice-Presidente Mauro Sodré

Leia mais

MB Consultoria. ConsultoriaemGestãoparaa ExcelênciaemseusNegócios

MB Consultoria. ConsultoriaemGestãoparaa ExcelênciaemseusNegócios emgestãoparaa ExcelênciaemseusNegócios Apresentação A é uma empresa jovem que conta com parceiros qualificados nas áreas de contabilidade, administração, direito, especialistas em finanças, controladoria

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA REVISÃO DO PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS

TERMO DE REFERENCIA REVISÃO DO PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS TERMO DE REFERENCIA REVISÃO DO PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS 1) OBJETO Escolha de instituição pública ou privada, sem fins lucrativos, para desenvolvimento de estudo do Planejamento da Força de Trabalho e

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL 1. INTRODUÇÃO: O Banco Pottencial, considera a gestão de riscos como um instrumento essencial para maximização da eficiência no uso do capital e para escolha

Leia mais

Conferência sobre Administração Executiva para a América Latina e Caribe

Conferência sobre Administração Executiva para a América Latina e Caribe Conferência sobre Administração Executiva para a América Latina e Caribe Setor Público e Setor Privado: o que devem fazer para trabalhar na mesma Direção? Fernando Antonio Brito Fialho Diretor-Geral da

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2013-2017 COOPERATIVISMO: QUEM MOVIMENTA SÃO AS PESSOAS

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2013-2017 COOPERATIVISMO: QUEM MOVIMENTA SÃO AS PESSOAS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2013-2017 COOPERATIVISMO: QUEM MOVIMENTA SÃO AS PESSOAS MENSAGEM DO PRESIDENTE O cooperativismo vive seu momento de maior evidência. O Ano Internacional das Cooperativas, instituído

Leia mais

Quadro Comparativo das Alterações Propostas ao Estatuto da CAIXA DE ASSISTÊNCIA E PREVIDÊNCIA FÁBIO DE ARAUJO MOTTA - CASFAM.

Quadro Comparativo das Alterações Propostas ao Estatuto da CAIXA DE ASSISTÊNCIA E PREVIDÊNCIA FÁBIO DE ARAUJO MOTTA - CASFAM. Quadro Comparativo das Alterações Propostas ao Estatuto da CAIXA DE ASSISTÊNCIA E PREVIDÊNCIA FÁBIO DE ARAUJO MOTTA - CASFAM 1 Estatuto CASFAM CAPITULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E OBJETO CAPITULO I

Leia mais

Financial Services. Precisão competitiva. Metodologias específicas e profissionais especializados na indústria de seguros

Financial Services. Precisão competitiva. Metodologias específicas e profissionais especializados na indústria de seguros Financial Services Precisão competitiva Metodologias específicas e profissionais especializados na indústria de seguros Nossa experiência na indústria de seguros A indústria de seguros vem enfrentando

Leia mais

A comunicação eficaz é tão estimulante como um café preto e tão difícil quanto dormir depois...

A comunicação eficaz é tão estimulante como um café preto e tão difícil quanto dormir depois... A comunicação eficaz é tão estimulante como um café preto e tão difícil quanto dormir depois... livro Comunicação Interpessoal Empresas investem cada vez mais no desenvolvimento de pessoas e processos

Leia mais

FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR COMENTÁRIO DE DESEMPENHO 1º SEMESTRE DE 2012. Principais Destaques

FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR COMENTÁRIO DE DESEMPENHO 1º SEMESTRE DE 2012. Principais Destaques Aumento do Patrimônio Atingimento da Meta Atuarial Principais Destaques 1. Perfil Institucional A Fundação CAGECE de Previdência Complementar CAGEPREV, criada através da Lei Estadual nº 13.313, de 30 de

Leia mais

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSUNTOS JURÍDICOS

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSUNTOS JURÍDICOS PUBLICADO NO DOMP Nº 756 DE: 08/05/2013 PÁG. 1/4 PREFEITURA DE PALMAS LEI N o 1.966, DE 8 DE MAIO DE 2013. (Alterada pela Lei nº 2.198, de 03/12/2015). (Alterada pela Lei nº 2.097 de. A CÂMARA MUNICIPAL

Leia mais

Política de Gestão de Riscos das Empresas Eletrobras

Política de Gestão de Riscos das Empresas Eletrobras Política de Gestão de Riscos das Empresas Eletrobras Versão 5.0 dezembro 2010 Política de Gestão de Riscos das Empresas Eletrobras Sumário 1. Objetivos 2. Conceitos 3. Referências 4. Princípios 5. Diretrizes

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Janeiro 2011

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Janeiro 2011 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Janeiro 2011 A CONTRATAÇÃO DE EQUIPE DE VENDAS IN HOUSE Eco, MBA Real Estate, Mestre em Eng. Civil, Alfredo Eduardo Abibi Filho No mercado

Leia mais

A estratégia do PGQP frente aos novos desafios. 40ª Reunião da Qualidade 09-10-2006 Eduardo Guaragna

A estratégia do PGQP frente aos novos desafios. 40ª Reunião da Qualidade 09-10-2006 Eduardo Guaragna A estratégia do PGQP frente aos novos desafios 40ª Reunião da Qualidade 09-10-2006 Eduardo Guaragna PROCESSO DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO MACROFLUXO ENTRADAS PARA O PROCESSO - Análise de cenários e conteúdos

Leia mais

ENTREVISTA EXCLUSIVA COM O PALESTRANTE

ENTREVISTA EXCLUSIVA COM O PALESTRANTE 20-21 Maio de 2013 Tivoli São Paulo Mofarrej São Paulo, Brasil ENTREVISTA EXCLUSIVA COM O PALESTRANTE Fernando Cotrim Supply Chain Director, Rio 2016 Perguntas: Quais são os desafios de gerenciar o Supply

Leia mais

PRODUTOS DO COMPONENTE 3. 3.1 - Modelo de Gestão Organizacional Formulado e Regulamentado

PRODUTOS DO COMPONENTE 3. 3.1 - Modelo de Gestão Organizacional Formulado e Regulamentado PRODUTOS DO COMPONENTE 3 3.1 - Modelo de Gestão Organizacional Formulado e Regulamentado A estruturação do atual modelo de gestão, caracterizou-se pela necessidade de alinhar permanentemente os órgãos

Leia mais

Faço saber que a Assembleia Legislativa decreta e eu promulgo a seguinte lei: CAPÍTULO I Do Regime de Previdência Complementar

Faço saber que a Assembleia Legislativa decreta e eu promulgo a seguinte lei: CAPÍTULO I Do Regime de Previdência Complementar LEI Nº 14.653, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2011 Institui o regime de previdência complementar no âmbito do Estado de São Paulo, fixa o limite máximo para a concessão de aposentadorias e pensões de que trata o

Leia mais

QUADRO COMPARATIVO DAS PROPOSTAS PARA REVOGAÇÃO DA LEI 7176/97

QUADRO COMPARATIVO DAS PROPOSTAS PARA REVOGAÇÃO DA LEI 7176/97 QUADRO COMPARATIVO DAS PROPOSTAS PARA REVOGAÇÃO DA LEI 7176/97 PROPOSTA GOVERNO Art. 1º - A Universidade do Estado da Bahia - UNEB, criada pela Lei Delegada n.º 66, de 1º de junho de 1983, a Universidade

Leia mais

Ações Empresariais com Agregação de Valor

Ações Empresariais com Agregação de Valor GESTÃO CORPORATIVA Ações Empresariais com Agregação de Valor Heleni de Mello Fonseca Diretora de Gestão Empresarial 1 ESTRATÉGIA EMPRESARIAL DA CEMIG 2003/2006 Alinhada ao direcionamento do Sócio Majoritário,

Leia mais

Alternativas de Modelo Institucional e Gerencial

Alternativas de Modelo Institucional e Gerencial Workshop dos Resultados dos Estudos Temáticos 13-14 de dezembro de 2006 Alternativas de Modelo Institucional e Gerencial Grupo Temático 10 Modelos Sumário Objetivos do GT10 Lógica ideal de desenvolvimento

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS GABINETE CIVIL

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS GABINETE CIVIL PUBLICADA NO DIÁRIO OFICIAL Nº 1925, DE 23 DE MAIO DE 2005, Págs 54 e 56 LEI Nº 1367, DE 17 DE MAIO DE 2005. Regulamentada pelo Decreto nº 198/06 Cria o Fundo Municipal de Desenvolvimento da Economia Popular

Leia mais

PrimeGlobal PGBR. Uma excelente alternativa em serviços de auditoria, consultoria e Impostos. Diferença PrimeGlobal

PrimeGlobal PGBR. Uma excelente alternativa em serviços de auditoria, consultoria e Impostos. Diferença PrimeGlobal PrimeGlobal PGBR Uma excelente alternativa em serviços de auditoria, consultoria e Impostos Somos uma empresa de auditoria, consultoria e impostos, criada á partir da junção de importantes empresas nacionais,

Leia mais

1. Escopo ou finalidade da iniciativa

1. Escopo ou finalidade da iniciativa 1. Escopo ou finalidade da iniciativa Esta iniciativa busca definir ações e diretrizes que atendam aos requisitos de infraestrutura e gestão apropriadas às atividades administrativas e judiciais, de forma

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO Controle de Versões Autor da Solicitação: Subseção de Governança de TIC Email:dtic.governanca@trt3.jus.br Ramal: 7966 Versão Data Notas da Revisão 1 03.02.2015 Versão atualizada de acordo com os novos

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação. CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Representação de Apoio ao Desenvolvimento Urbano

MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação. CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Representação de Apoio ao Desenvolvimento Urbano MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Representação de Apoio ao Desenvolvimento Urbano SNHIS / FNHIS - Lei nº 11.124/05 REQUISITOS PARA ADESÃO DOS MUNICÍPIOS AO

Leia mais

SIC 41/04. Belo Horizonte, 4 de outubro de 2004. EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA. Distribuído a assessorados da CONSAE.

SIC 41/04. Belo Horizonte, 4 de outubro de 2004. EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA. Distribuído a assessorados da CONSAE. SIC 41/04 Belo Horizonte, 4 de outubro de 2004. EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DECRETO Nº 5.224, de 1º de outubro de 2004 Dispõe sobre a organização dos Centros Federais de Educação Tecnológica e dá outras providências.

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS Versão 5.0 06/12/2010 Sumário 1 Objetivos... 3 2 Conceitos... 3 3 Referências... 4 4 Princípios... 4 5 Diretrizes... 5 6 Responsabilidades... 6 7 Disposições

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico A decisão pela realização do Planejamento Estratégico no HC surgiu da Administração, que entendeu como urgente formalizar o planejamento institucional. Coordenado pela Superintendência

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE GESTÃO, ARTICULAÇÃO E PROJETOS EDUCACIONAIS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE GESTÃO, ARTICULAÇÃO E PROJETOS EDUCACIONAIS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE GESTÃO, ARTICULAÇÃO E PROJETOS EDUCACIONAIS TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA - CONSULTOR POR PRODUTO

Leia mais

por: Eliandro Alves, Elvio Filho, Julio Xavier e Sérgio Cordeiro Professor: Everton Rennê

por: Eliandro Alves, Elvio Filho, Julio Xavier e Sérgio Cordeiro Professor: Everton Rennê por: Eliandro Alves, Elvio Filho, Julio Xavier e Sérgio Cordeiro Professor: Everton Rennê ROTEIRO Histórico; Definição; Objetivos e/ou propósitos; Estrutura; Aplicação do modelo; Vantagens e desvantagens;

Leia mais

Coordenação-Geral de Monitoramento Contábil CGMC/PREVIC ANBIMA

Coordenação-Geral de Monitoramento Contábil CGMC/PREVIC ANBIMA Coordenação-Geral de Monitoramento Contábil CGMC/PREVIC ANBIMA Brasília, 29 de novembro de 2011 1 Sistema de Previdência Complementar instituído pela Lei 6.435/77 e Decreto 81.240/78; normatizar e disciplinar

Leia mais

9º Encontro Nacional SINAENCO Novas formas de contratação 1º. de dezembro de 2011

9º Encontro Nacional SINAENCO Novas formas de contratação 1º. de dezembro de 2011 A Estruturadora Brasileira de Projetos tem por missão desenvolver, com imparcialidade e transparência, projetos de infraestrutura que contribuam para o desenvolvimento econômico e social brasileiro criando

Leia mais

Plano de Previdência Complementar. Recursos Humanos Outubro 2015

Plano de Previdência Complementar. Recursos Humanos Outubro 2015 Plano de Previdência Complementar Recursos Humanos Outubro 2015 Indice 1. Introdução 2. Conheça a PRhosper 3. Calendário de decisões 4. Sobre o Tempo de Serviço Continuo 5. Encerramento dos Planos VGBL

Leia mais

GESTÃO DE RISCOS ATUARIAIS ANTÔNIO FERNANDO GAZZONI ABR.14

GESTÃO DE RISCOS ATUARIAIS ANTÔNIO FERNANDO GAZZONI ABR.14 GESTÃO DE RISCOS ATUARIAIS ANTÔNIO FERNANDO GAZZONI ABR.14 AGENDA CONSIDERAÇÕES INICIAIS E CONTEXTUALIZAÇÃO ASPECTOS RELEVANTES DE GOVERNANÇA INSTRUMENTOS DE GESTÃO DO RISCO ATUARIAL CONSIDERAÇÕES FINAIS

Leia mais

A Previdência Complementar do Estado de São S o Paulo CARLOS HENRIQUE FLORY

A Previdência Complementar do Estado de São S o Paulo CARLOS HENRIQUE FLORY A Previdência Complementar do Estado de São S o Paulo CARLOS HENRIQUE FLORY Outubro de 2012 POR QUE O ESTADO DE SÃO S O PAULO ADOTOU A PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR? 1º MOTIVO: O ENVELHECIMENTO DA POPULAÇÃ

Leia mais

Todos nossos cursos são preparados por mestres e profissionais reconhecidos no mercado, com larga e comprovada experiência em suas áreas de atuação.

Todos nossos cursos são preparados por mestres e profissionais reconhecidos no mercado, com larga e comprovada experiência em suas áreas de atuação. Curso Formação Efetiva de Analístas de Processos Curso Gerenciamento da Qualidade Curso Como implantar um sistema de Gestão de Qualidade ISO 9001 Formação Profissional em Auditoria de Qualidade 24 horas

Leia mais