Coordenação-Geral de Monitoramento Contábil CGMC/PREVIC ANBIMA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Coordenação-Geral de Monitoramento Contábil CGMC/PREVIC ANBIMA"

Transcrição

1 Coordenação-Geral de Monitoramento Contábil CGMC/PREVIC ANBIMA Brasília, 29 de novembro de

2 Sistema de Previdência Complementar instituído pela Lei 6.435/77 e Decreto /78; normatizar e disciplinar o sistema de previdência complementar no Brasil; Entidades Fechadas de Previdência Complementar - EFPC; Entidades Abertas de Previdência Complementar - EAPC atualmente regido pela LC 108/01 e 109/01 e Decreto 4942/03. 2

3 EFPC fundação ou sociedade civil, sem fins lucrativos; constituídas por patrocinadores e instituidores; objeto: a administração e execução de planos de benefícios de natureza previdenciária.* órgão de supervisão e fiscalização PREVIC (MPS) órgão de regulamentação CNPC (MPS) diretrizes para aplicação dos recursos CMN(MF) * exceção dos planos assistenciais 3

4 Planos de Benefícios Previdenciais autorização específica; atender a padrões mínimos fixados pelo órgão regulador e fiscalizador; benefício definido, contribuição definida e contribuição variável; instituídos por patrocinadores e instituidores através convênio de adesão; devem ser, obrigatoriamente, oferecidos a todos os empregados; e regime de capitalização. 4

5 Plano de Gestão Administrativa - PGA Resolução CGPC n.º 28/2009; vigência a partir de janeiro de 2010; ente contábil com a finalidade de registrar as atividades referentes à gestão administrativa da EFPC, na forma do seu regulamento; (Instrução SPC n.º 34/2009) segregação das despesas administrativas das gestões; e seu patrimônio pertence aos planos de benefícios. 5

6 Planos Assistenciais permitido para as EFPC que já prestavam este serviço na data da publicação da LC 109/2001; (art. 76 LC 109/01) custeio específico; contabilização e patrimônio sejam mantidos em separado em relação ao plano previdenciário; com registro na ANS - deverão seguir as instruções e a planificação contábil da ANS sem registro na ANS - deverão utilizar as rubricas da gestão previdencial 6

7 Cadastro Nacional de Plano de Benefícios - CNPB código específico para os planos de benefícios previdenciais; Resolução CGPC n.º 14/2004 e Instrução SPC n.º 04/2004; identidade própria quanto aos aspectos regulamentares, cadastrais, atuariais, contábeis e de investimentos. independência patrimonial; recursos de um plano de benefícios não respondem por obrigações de outro plano de benefícios operado pela mesma EFPC 7

8 Cadastro Nacional de Plano de Benefícios - CNPB a) Código 1 e 2 Planos Previdenciais Exemplo: (início no ano de 1997) (início no ano de 2005) b) Código 5 Planos Assistenciais com registro na ANS Exemplo: c) Código 4 Planos Assistenciais sem registro na ANS Exemplo:

9 Contabilidade das S.As. Princípios de contabilidade - Resolução CFC 750/93, alterada pela Resolução CFC 1.282/10; Estrutura conceitual para a elaboração e apresentação das demonstrações contábeis - Deliberação CVM nº. 539/08 (revogou a Deliberação CVM nº. 29/86); Lei 6.404/76 estrutura do balanço patrimonial; Lei /07 alterou a Lei 6.404/76; Lei /09 alterou a Lei 6.404/76; 9

10 Contabilidade das S.As. 10

11 Contabilidade das EFPC legislação contábil própria estabelecida pelo órgão regulador e fiscalizador; (Instrução PREVIC 34/09) quando aplicável, devem ser adotadas as normas editadas pelo CFC; (Instrução PREVIC n.º 34/09) consonância com os princípios fundamentais de contabilidade; (Resolução CGPC n.º 28/2009) Norma Brasileira de Contabilidade Técnica Específica para as EFPC- NBC TE 11, de 22/01/

12 Contabilidade das EFPC Artigo 4 da NBC TE 11, de 22/01/ A estrutura da planificação contábil padrão das EFPC reflete o ciclo operacional de longo prazo da sua atividade, de forma que a apresentação de ativos e passivos, observadas as gestões previdencial, assistencial e administrativa e observados os investimentos, proporcione informações mais adequadas, confiáveis e relevantes do que a apresentação em circulante e não circulante, em conformidade com o item 63 da NBC T

13 Legislação Contábil das EFPC Lei Complementar 109/2001 Art. 22 e 23 Resolução CGPC 28/2009 Normas gerais do procedimentos contábeis Instrução n.º 34/2009 Normas específicas dos procedimentos contábeis Resolução CNPC n.º 01/2011 e n.º 04/2011 Altera a Resolução CGPC 28/2009 Instrução n.º 05/2011 Altera a Instrução n.º 34/

14 Lei Complementar n.º 109/2001 as EFPC devem manter atualizada sua contabilidade, de acordo com as instruções do órgão regulador e fiscalizador. demonstrações contábeis devem ser levantadas por plano de benefícios; no final do exercício a entidade deve consolidar a posição dos planos, submetendo suas contas a auditores independentes; encaminhar os resultados ao órgão regulador e fiscalizador; 14

15 Registro Contábil A EFPC deve elaborar a escrituração contábil respeitando a autonomia patrimonial de forma a identificar, separadamente, os planos de benefícios de natureza previdencial e assistencial por ela administrados, bem como o plano de gestão administrativa, para assegurar um conjunto de informações consistentes e transparentes (Resolução CGPC n.º 28/2009) 15

16 Resolução CGPC n.º 28/2009 dispõe sobre os procedimentos contábeis das EFPC vigência a partir de janeiro de 2010 alinhamento as normas internacionais de contabilidade composta por três anexos: a) Anexo A - Planificação Contábil Padrão; b) Anexo B - Modelos e Instruções de Preenchimento das Demonstrações Contábeis; c) Anexo C - Normas Gerais dos procedimentos contábeis. 16

17 Instrução SPC n.º 34/2009 estabelece normas específicas dos procedimentos contábeis; regulamentou a função e funcionamento das rubricas contábeis define a forma, o meio e a periodicidade dos demonstrativos contábeis; vigência a partir de janeiro de

18 Funcionamento de uma EFPC 1. Atividade Previdencial 2. Atividade Assistencial Atividades Fim 3. Atividade Administrativa 4. Atividade de Gestão dos Investimentos Atividades Meio Legislação atual: Atividade = Gestão 18

19 Fluxo de Recursos EFPC EFPC RECEBIMENTO DE CONTRIBUIÇÕES GESTÃO DOS RECURSOS PAGAMENTO DE BENEFÍCIOS 19

20 Modelo Contábil das EFPC possibilitar a visualização da movimentação e do resultado de todas as atividades (gestões); utilizar apenas uma escrita contábil; padronizar os procedimentos contábeis das EFPC 20

21 Modelo Contábil das EFPC possibilitar a visualização da movimentação e do resultado de todas as atividades (gestões); utilizar apenas uma escrita contábil; padronizar os procedimentos contábeis das EFPC CONTABILIDADE POR CENTRO DE CUSTOS ou CONTABILIDADE POR ATIVIDADE 21

22 Planificação Contábil Padrão O plano de contas é formado por codificação alfanumérica. A parte numérica (código) é formada por dez dígitos, enquanto a parte alfabética (título) destina-se à descrição da conta. (678 rubricas) Esta codificação não poderá, em hipótese alguma, ser alterada pelas EFPC. Exemplo: CÓDIGO CONTA ATIVO PASSIVO 22

23 Natureza das Rubricas Contábeis a) PATRIMONIAIS - utilizadas para o registro e controle dos itens patrimoniais (ativos e passivos), ou seja, os bens, direitos e obrigações, observadas as gestões previdencial, administrativa e o fluxo dos investimentos; Ex.: 1. Ativo 2. Passivo a) DE RESULTADO - evidenciam as Receitas e as Despesas da entidade. (Acumulativas) Ex.: 3. Gestão Previdencial 6. Gestão Assistencial 4. Gestão Administrativa 7. Operações Transitórias 5. Fluxo dos Investimentos 8. Encerramento do Exercícios 23

24 Estrutura e Formação das Contas 1.ATIVO 2.PASSIVO 3.GESTÃO PREVIDENCIAL 6.GESTÃO ASSISTENCIAL 4.GESTÃO ADMINISTRATIVA 5.FLUXO DOS INVESTIMENTOS 24

25 Balanço Patrimonial A T I V O P A S S I V O DISPONÍVEL EXIGÍVEL OPERACIONAL Gestão Previdencial REALIZÁVEL Gestão Administrativa Gestão Previdencial Investimentos Gestão Administrativa Investimentos EXIGÍVEL CONTINGENCIAL Gestão Previdencial PERMANENTE Gestão Administrativa Imobilizado Investimentos Intangível Diferido PATRIMÔNIO SOCIAL Patrimônio de Cobertura do Plano GESTÃO ASSISTENCIAL Provisões Matemáticas Equilíbrio Técnico Fundos GESTÃO ASSISTENCIAL 25

26 Estrutura e Formação das Contas (Consolidado) 1 Ativo 2 Passivo Contas Patrimoniais 3 Gestão Previdencial 4 Gestão Administrativa 5 Fluxo dos Investimentos 6 Gestão Assistencial Contas de Resultado 7 Operações Transitórias 8 Encerramento do Exercício Contas Transitórias 26

27 Balancetes Obrigatórios a) Balancete do Plano de Benefícios; Planos Previdenciais; e Planos Assistenciais. b) Balancete do Plano de Gestão Administrativa; e c) Balancete Consolidado. Periodicidade: trimestral; Prazo: até o último dia do mês subseqüente ao trimestre de referência; Meio: envio eletrônico através do SICADI Contábil. 27

28 Rodízio dos Auditores Independentes na contratação de serviços de auditoria independente, deverá ser observado: a) substituição obrigatória do responsável técnico, do diretor, do gerente, do supervisor e de qualquer outro integrante com função de gerência da equipe, após emitidos pareceres relativos a, no máximo, cinco exercícios sociais consecutivos b) o retorno somente poderá ocorrer após decorridos 3 (três) exercícios sociais, contados da data de sua substituição 28

29 Função e Funcionamento das Contas anexo B da instrução PREVIC 34/2009 a) Código (numérico 10 dígitos); b) Conta (nome do título contábil); c) Função da conta; e d) Funcionamento; a) Ao ser creditada; e b) Ao ser debitada. 29

30 Função e Funcionamento das Contas Exemplos: Recursos a Receber / Contribuições do Mês Patrocinador (es) Instituidor (es) Participantes Autopatrocinados Participantes em BPD Função: Registrar os recursos a receber referentes às contribuições previdenciais, normais e extraordinárias, do mês em curso, previstas na avaliação atuarial. Funcionamento: Debitada: Pela apropriação da contribuição. Creditada: Pelo recebimento da contribuição; e Pela transferência para as respectivas contas de Contribuições em Atraso. 30

31 Livros Contábeis livros obrigatórios: Diário e Razão (formalidades previstas no Código Civil); livros auxiliares são permitidos (segregação virtual); os livros obrigatórios e os demais documentos contábeis poderão ser substituídos por formulários impressos; será permitida a microfilmagem da documentação contábil da EFPC; a EFPC poderá adotar escrituração contábil em forma eletrônica desde que sejam observadas as normas do CFC. 31

32 Livro Diário lançamentos em ordem cronológica de dia, mês e ano; identificação de todos os lançamentos contábeis por plano de benefícios previdencial, assistencial e de gestão administrativa; escrituração contábil atualizada, não se permitindo atraso superior a 30 (trinta) dias; registro em cartório até o dia 15 de abril do ano subseqüente ao exercício social a que se referir; e as demonstrações contábeis deverão ser transcritas ou anexadas ao Livro Diário. 32

33 Livro Razão saldo anterior; movimento diário (devedor ou credor); histórico; saldo atual; e identificação de todos os lançamentos contábeis, por plano de benefícios e gestão administrativa. 33

34 Registro dos Lançamentos Contábeis Princípio da Competência, com exceção: a) contribuições de autopatrocinados e participantes de planos de instituidores CD ou CV poderão ser escriturados com base no regime de caixa; b) contribuições de patrocinadores e participantes de planos CD e CV poderão ser registradas com base na data do efetivo recebimento; e c) as exceções devem ser mencionadas nas Notas Explicativas às Demonstrações Contábeis. 34

35 Balanço Patrimonial; Demonstrações Contábeis Demonstração da Mutação do Ativo Líquido DMAL (consolidada e por plano de benefícios); Demonstração do Ativo Líquido DAL por plano de benefícios; Demonstração do Plano de Gestão Administrativa DPGA (consolidada); Demonstração do Plano de Gestão Administrativa por plano de benefícios (facultativa); Demonstração das Obrigações Atuariais do Plano de Benefícios DOAP; 35

36 Demonstrações Contábeis Notas Explicativas às Demonstrações Contábeis consolidadas; Parecer dos Auditores Independentes; Parecer do Atuário, relativo a cada plano de benefícios previdencial; Parecer do Conselho Fiscal; e Manifestação do Conselho Deliberativo com aprovação das Demonstrações Contábeis. Periodicidade: anual; Prazo: até o dia 31 de março do exercício social subseqüente ao ano de referência; Meio: envio eletrônico através do SICADI Contábil. 36

37 OBRIGADO Mauricio de Aguirre Nakata Coordenador-Geral de Monitoramento Contábil - CGMC Superintendência Nacional de Previdência Complementar PREVIC 37

FUNDAÇÃO CELESC DE SEGURIDADE SOCIAL CELOS. NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 (Em R$ MIL)

FUNDAÇÃO CELESC DE SEGURIDADE SOCIAL CELOS. NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 (Em R$ MIL) NOTA 1 - CONTEXTO OPERACIONAL A Fundação Celesc de Seguridade Social CELOS, instituída pela Centrais Elétricas de Santa Catarina S.A. Celesc, nas Assembléias Gerais Extraordinárias AGE de acionistas realizadas

Leia mais

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC TE ENTIDADE FECHADA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC TE ENTIDADE FECHADA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC TE ENTIDADE FECHADA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DISPOSIÇÕES GERAIS 1. Esta norma estabelece critérios e procedimentos específicos para estruturação das demonstrações

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração desta Norma de NBC TE 11 para ITG 2001 e de outras normas citadas: de NBC T 19.27 para NBC TG 26; de NBC T 1 para NBC TG ESTRUTURA CONCEITUAL.

Leia mais

MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL Conselho de Gestão da Previdência Complementar RESOLUÇÃO CGPC Nº. 28, DE 26 DE JANEIRO DE 2009.

MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL Conselho de Gestão da Previdência Complementar RESOLUÇÃO CGPC Nº. 28, DE 26 DE JANEIRO DE 2009. (DOU nº. 27, de 09 de fevereiro de 2009, Seção 1, páginas 44 a 49) MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL Conselho de Gestão da Previdência Complementar RESOLUÇÃO CGPC Nº. 28, DE 26 DE JANEIRO DE 2009. Dispõe

Leia mais

POUPREV FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL RESUMO DO RELATÓRIO ANUAL DE INFORMAÇÕES DE 2014

POUPREV FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL RESUMO DO RELATÓRIO ANUAL DE INFORMAÇÕES DE 2014 POUPREV FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL RESUMO DO RELATÓRIO ANUAL DE INFORMAÇÕES DE 2014 O presente resumo do Relatório Anual de Informações de 2014 trata das atividades desenvolvidas pela POUPREV, no referido

Leia mais

Relatório 01/2015 Demonstrações Contábeis. Janeiro 2015. Coordenadoria de Contabilidade Diretoria de Administração

Relatório 01/2015 Demonstrações Contábeis. Janeiro 2015. Coordenadoria de Contabilidade Diretoria de Administração Relatório 01/2015 Demonstrações Contábeis Janeiro 2015 Coordenadoria de Contabilidade Diretoria de Administração 1. Introdução Este relatório tem por objetivo apresentar para Diretoria Executiva e Conselho

Leia mais

Resolução CNPC Nº. 8 de 31 de outubro de 2011. (Publicado no D.O.U. Nº 241, de 16 de dezembro de 2011, seção I)

Resolução CNPC Nº. 8 de 31 de outubro de 2011. (Publicado no D.O.U. Nº 241, de 16 de dezembro de 2011, seção I) Resolução CNPC Nº. 8 de 31 de outubro de 2011. (Publicado no D.O.U. Nº 241, de 16 de dezembro de 2011, seção I) Dispõe sobre os procedimentos contábeis das entidades fechadas de previdência complementar,

Leia mais

Seminário ANCEP Encerramento de 2013 Procedimentos e Controles. 12 de Dezembro de 2013 Brasilia-DF

Seminário ANCEP Encerramento de 2013 Procedimentos e Controles. 12 de Dezembro de 2013 Brasilia-DF Seminário ANCEP Encerramento de 2013 Procedimentos e Controles 12 de Dezembro de 2013 Brasilia-DF 1 DIRETORIA DE ASSUNTOS ATUARIAIS, CONTÁBEIS E ECONÔMICOS- DIACE/PREVIC Coordenação-Geral de Monitoramento

Leia mais

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Celular CRT

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Celular CRT Demonstrações Financeiras Relatório Anual 04 Visão Prev Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios Visão Celular CRT Período: 04 e 03 dezembro R$ Mil Descrição 04 03 Variação (%). Ativos.85.769

Leia mais

NEXIA TEIXEIRA Auditores

NEXIA TEIXEIRA Auditores NEXIA TEIXEIRA Auditores Audit, Advisory & Tax Relatório dos Auditores Independentes para a Diretoria da FUNDAÇÃO BDMG DE SEGURIDADE SOCIAL - DESBAN Exercício findo em 31 de dezembro de 2013 1 DESBAN -

Leia mais

DICIONÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS DA PREVIDÊNCIA

DICIONÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS DA PREVIDÊNCIA Dicionário de Termos Técnicos da Previdência Complementar Fechada DICIONÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS DA PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR FECHADA Revisão Técnica dos Verbetes Comissões Técnicas Nacionais de Seguridade,

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA

REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA INSTITUTO GEIPREV DE SEGURIDADE SOCIAL REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA Regulamento aprovado pelo Conselho Deliberativo do GEIPREV na 123ª reunião realizada em 27/11/2009. 1 SUMÁRIO

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004 E DE 2003 SOCIEDADE CIVIL FGV DE PREVIDÊNCIA PRIVADA FGV PREVI

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004 E DE 2003 SOCIEDADE CIVIL FGV DE PREVIDÊNCIA PRIVADA FGV PREVI DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004 E DE 2003 SOCIEDADE CIVIL FGV DE PREVIDÊNCIA PRIVADA FGV PREVI SOCIEDADE CIVIL FGV DE PREVIDÊNCIA PRIVADA - FGV PREVI DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE

Leia mais

RDEC 06 Demonstrações Contábeis. Junho 2015

RDEC 06 Demonstrações Contábeis. Junho 2015 RDEC 06 Demonstrações Contábeis Junho 2015 Diretoria de Administração Brasília, julho de 2015 1. Introdução Este relatório tem por objetivo apresentar as demonstrações contábeis da Fundação de Previdência

Leia mais

A nova visão da. Contabilidade Aplicada ao Setor Público

A nova visão da. Contabilidade Aplicada ao Setor Público A nova visão da Contabilidade Aplicada ao Setor Público Constituição Federal Lei de Responsabilidade Fiscal 101/2000 Lei 4.320/64 Finanças Públicas Lei 12.249/2010 Conselho Federal de Contabilidade Lei

Leia mais

DESBAN - FUNDAÇÃO BDMG DE SEGURIDADE SOCIAL

DESBAN - FUNDAÇÃO BDMG DE SEGURIDADE SOCIAL DESBAN - FUNDAÇÃO BDMG DE SEGURIDADE SOCIAL DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS REFERENTES AOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 E RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES BDO Auditores Independentes,

Leia mais

ANEXO A PLANIFICAÇÃO CONTÁBIL PADRÃO

ANEXO A PLANIFICAÇÃO CONTÁBIL PADRÃO Plano de Contas Padrão, contendo alterações pela Instrução SPC nº 34/2009 ANEXO A PLANIFICAÇÃO CONTÁBIL PADRÃO I CARACTERÍSTICAS 1. O plano de contas é formado por codificação alfanumérica. 2. A parte

Leia mais

Demonstrações Financeiras

Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras do Exercício findo em 31 de dezembro de 2012 e 2011 Fundação Sabesp de Seguridade Social Sabesprev CNPJ nº 65.471.914/0001-86 Alameda Santos, 1827 14º andar Cerqueira César -

Leia mais

Eliminar a segregação das despesas administrativas entre comuns e específicas; Eliminar a segregação das despesas administrativas entre previdenciais

Eliminar a segregação das despesas administrativas entre comuns e específicas; Eliminar a segregação das despesas administrativas entre previdenciais Geraldo de Assis Souza Júnior PAUTA APRESENTADA A PREVIC SOBRE O PGA Eliminar a segregação das despesas administrativas entre comuns e específicas; Eliminar a segregação das despesas administrativas entre

Leia mais

TÍTULO : PLANO CONTÁBIL DAS INSTITUIÇÕES DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - COSIF 1 CAPÍTULO : Normas Básicas - 1 SEÇÃO : Consórcios - 26

TÍTULO : PLANO CONTÁBIL DAS INSTITUIÇÕES DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - COSIF 1 CAPÍTULO : Normas Básicas - 1 SEÇÃO : Consórcios - 26 TÍTULO : PLANO CONTÁBIL DAS INSTITUIÇÕES DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - COSIF 1 26. Consórcios 1. Procedimentos Específicos de Escrituração 1 - Para fins de elaboração dos Documentos Balancete e Balanço

Leia mais

Gerência de Previdência. Viçosa, Outubro 2014 Rita de Cássia S Valente Neto

Gerência de Previdência. Viçosa, Outubro 2014 Rita de Cássia S Valente Neto Gerência de Previdência Viçosa, Outubro 2014 Rita de Cássia S Valente Neto MISSÃO DO AGROS Promover segurança e bem-estar social dos participantes, por meio de seus planos previdenciário e assistencial.

Leia mais

FUNDAÇÃO LIBERTAS DE SEGURIDADE SOCIAL

FUNDAÇÃO LIBERTAS DE SEGURIDADE SOCIAL FUNDAÇÃO LIBERTAS DE SEGURIDADE SOCIAL Avaliação Atuarial Especial de Setembro PLANO DE BENEFÍCIOS 2 - RP2 MINASCAIXA CNPB 1979.0034-83 Relatório 119/13 Outubro/2013 1 ÍNDICE 1.1 OBJETIVO DA AVALIAÇÃO

Leia mais

ASPECTOS GERAIS DE GOVERNANÇA

ASPECTOS GERAIS DE GOVERNANÇA ASPECTOS GERAIS DE GOVERNANÇA FUNCIONAMENTO DO SISTEMA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR OPERADO POR ENTIDADES DE PREVIDÊNCIA PRIVADA, QUE ADMINISTRAM PLANOS DE BENEFÍCOS CLASSIFICADAS EM: ENTIDADES ABERTES

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [08.071.645/0001-27] CIASPREV - CENTRO DE INTEGRACAO E ASSISTENCIA AOS SERVIDORES PUBLICOS PREVIDENCIA PRIVADA PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2005.0049-11] PREVINA ENCERRAMENTO

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis Exercícios findos em 31 de dezembro de 2014 e 2013 Fundação Sabesp de Seguridade Social SABESPREV CNPJ 65.471.914/0001-86 Alameda Santos, 1827 14 º andar CEP 01419.909 Cerqueira

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [01.225.861/0001-30] REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDENCIA PRIVADA PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2012.0017-18] PB CD-02 ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2014 Atuário Responsável

Leia mais

PROGRAMA DETALHADO COM BIBLIOGRAFIA

PROGRAMA DETALHADO COM BIBLIOGRAFIA CERTIFICAÇÃO DE DIRIGENTES DAS EFPC PROGRAMA DETALHADO COM BIBLIOGRAFIA Versão 25/08/2010 1 I. Administração Geral 1) Fundos de Pensão Coletânea de Normas MPS/SPC Junho/2009; 2) LegNormas eletrônico disponibilizado

Leia mais

Bungeprev Fundo Múltiplo de Previdência Privada Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2007 e de 2006 e parecer dos auditores independentes

Bungeprev Fundo Múltiplo de Previdência Privada Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2007 e de 2006 e parecer dos auditores independentes Bungeprev Fundo Múltiplo de Previdência Privada Demonstrações e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes Aos Administradores, Participantes e Patrocinadores Bungeprev Fundo

Leia mais

Segurança Financeira. em Planos Instituídos. Álvaro da Luz Gerente Financeiro Quanta Previdência Unicred

Segurança Financeira. em Planos Instituídos. Álvaro da Luz Gerente Financeiro Quanta Previdência Unicred em Planos Instituídos Álvaro da Luz Gerente Financeiro Quanta Previdência Unicred Segurança Financeira RISCOS Risco Atuarial Risco Financeiro Relacionado ao equilíbrio entre receitas e despesas no longo

Leia mais

Previdência (EAPC) - Tópicos. TEMA 3.Empresas Abertas de Previdência (EAPC) e a sua Contabilidade. O que é Previdência Privada Complementar?

Previdência (EAPC) - Tópicos. TEMA 3.Empresas Abertas de Previdência (EAPC) e a sua Contabilidade. O que é Previdência Privada Complementar? FEA-USP-EAC Curso de Graduação em Ciências Contábeis Disciplina: EAC0551 -Contabilidade e Análise de Balanços de Instituições Previdenciárias TEMA 3.Empresas Abertas de Previdência (EAPC) e a sua Contabilidade

Leia mais

Regras de consistência para validação dos Balancetes Contábeis SICADI - Módulo Contábil. Regras de consistência - Anexo A

Regras de consistência para validação dos Balancetes Contábeis SICADI - Módulo Contábil. Regras de consistência - Anexo A Regras de consistência - Anexo A Regras de consistência (competência = janeiro/2002 a dezembro/2009) Balancete do(s) Plano(s) de Benefícios: 1 SZ (1.0.0.0.00.00) + (2.0.0.0.00.00) = 0 2 ST (1.0.0.0.00.00)

Leia mais

Relatório do PGA. Relatório Maio/2012

Relatório do PGA. Relatório Maio/2012 Relatório Maio/2012 O relatório do PGA Plano de Gestão Administrativa tem o objetivo de prestar contas das atividades de gestão administrativa, dos planos de benefícios, desenvolvidas no mês. Informando

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil)

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas ATIVO 2014 Explicativas CIRCULANTE 4.414 Disponibilidades 26 Relações Interfinanceiras / Aplicações R.F. 4 2.566 Operações de Crédito 5 1.800 Outros Créditos

Leia mais

Contabilidade Pública & Plano de Contas RPPS

Contabilidade Pública & Plano de Contas RPPS Contabilidade Pública & Plano de Contas RPPS Por Otoni Gonçalves Guimarães Natal- RN, 18 de junho de 2015 1 DESAFIO Equilíbrio Financeiro e Atuarial Pressuposto Básico Existência de recursos (ativos) suficientes

Leia mais

Notas Explicativas às Demonstrações Contábeis Exercícios findos em 31 de dezembro de 2015 e 2014 (Em milhares de reais)

Notas Explicativas às Demonstrações Contábeis Exercícios findos em 31 de dezembro de 2015 e 2014 (Em milhares de reais) Notas Explicativas às Demonstrações Contábeis Exercícios findos em 31 de dezembro de 2015 e 2014 (Em milhares de reais) NOTA 1. Contexto Operacional A Fundação Sistel de Seguridade Social ( Sistel, Fundação

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas ATIVO Explicativas CIRCULANTE 63.224 47.422 Disponibilidades 423 429 Relações Interfinanceiras / Aplicações R.F. 4 31.991 23.380 Relações Interdependências

Leia mais

RDEC 08 Demonstrações Contábeis. Agosto 2015

RDEC 08 Demonstrações Contábeis. Agosto 2015 RDEC 08 Demonstrações Contábeis Agosto 2015 Diretoria de Administração Brasília, Setembro de 2015 1. Introdução Este relatório tem por objetivo apresentar as demonstrações contábeis da Fundação de Previdência

Leia mais

15 Disponível. 1. Adições. 4 Recebível. (+) Contribuições. 398 Investimento. -1 Empréstimos e Financiamentos. 2. Destinações - - - (-) Benefícios

15 Disponível. 1. Adições. 4 Recebível. (+) Contribuições. 398 Investimento. -1 Empréstimos e Financiamentos. 2. Destinações - - - (-) Benefícios Demonstração do Ativo Líquido por Plano Benefícios PBS Telemig Celular Período: 015 e 0 zembro R$ Mil Demonstração da Mutação do Ativo Líquido por Plano Benefícios PBS Telemig Celular / Período: 015 e

Leia mais

FUNDO DE PENSÃO MULTIPATROCINADO DA ORDEM DOS AVOGADOS DO BRASIL, SEÇÃO DO PARANÁ E DA CAIXA DE ASSISTÊNCIA DOS ADVOGADOS DO PARANÁ OABPREV-PR

FUNDO DE PENSÃO MULTIPATROCINADO DA ORDEM DOS AVOGADOS DO BRASIL, SEÇÃO DO PARANÁ E DA CAIXA DE ASSISTÊNCIA DOS ADVOGADOS DO PARANÁ OABPREV-PR FUNDO DE PENSÃO MULTIPATROCINADO DA ORDEM DOS AVOGADOS DO BRASIL, SEÇÃO DO PARANÁ E DA CAIXA DE ASSISTÊNCIA DOS ADVOGADOS DO PARANÁ OABPREV-PR DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS REFERENTES AOS EXERCÍCIOS FINDOS

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [00.469.585/0001-93] FACEB - FUNDACAO DE PREVIDENCIA DOS EMPREGADOS DA CEB PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2006.0068-11] CEBPREV ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2013 Atuário

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas ATIVO 2014 2013 Explicativas CIRCULANTE 11.363 8.987 Disponibilidades 30 37 Relações Interfinanceiras / Aplicações R.F. 4 8.069 6.136 Operações de Crédito

Leia mais

Contabilidade Atuarial. Contextualização. Aula 5. Contabilidade Trabalhista. Escrituração. Instrumentalização. Profa. Me. Marinei A.

Contabilidade Atuarial. Contextualização. Aula 5. Contabilidade Trabalhista. Escrituração. Instrumentalização. Profa. Me. Marinei A. Contabilidade Atuarial Aula 5 Contextualização Profa. Me. Marinei A. Mattos Contabilidade Trabalhista A contabilidade das empresas inseridas no segmento de seguros segue o plano de contas das Sociedades

Leia mais

Mensagem da Diretoria Executiva

Mensagem da Diretoria Executiva Relatório Anual de Informações 2011 Mensagem da Diretoria Executiva Em cumprimento aos dispositivos legais e estatutários que disciplinam as Entidades Fechadas de Previdência Complementar - EFPC, a Diretoria

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota. Explicativa

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota. Explicativa BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) ATIVO Nota Explicativa CIRCULANTE 39.755 68.651 Disponibilidades 522 542 Relações Interf./Aplicações R.F. 5 13.018 27.570 Relações Interdependências 6-1.733 Operações

Leia mais

Empresa de Transmissão do Alto Uruguai S.A. Demonstrativo das mutações do ativo imobilizado em 31 de dezembro de 2011

Empresa de Transmissão do Alto Uruguai S.A. Demonstrativo das mutações do ativo imobilizado em 31 de dezembro de 2011 Demonstrativo das mutações do ativo imobilizado em 31 de dezembro de 2011 Demonstrativo das mutações do ativo imobilizado Exercício findo em 31 de dezembro de 2011 Conteúdo Relatório dos auditores independentes

Leia mais

INFORMATIVO N.º 173-26/11/2012 VOLTA REDONDA/RJ

INFORMATIVO N.º 173-26/11/2012 VOLTA REDONDA/RJ ESTATUTO PROPOSTA DE ALTERAÇÕES www.cbsprev.com.br Central de Atendimento: 08000-268181 INFORMATIVO N.º 173-26/11/2012 VOLTA REDONDA/RJ Atendendo à Resolução n.º 6, de 15/08/2011, do Conselho Nacional

Leia mais

Professor conteudista: Hildebrando Oliveira

Professor conteudista: Hildebrando Oliveira Contabilidade Professor conteudista: Hildebrando Oliveira Sumário CONTABILIDADE Unidade I 1 CONCEITO DE CONTABILIDADE...1 2 OBJETO DA CONTABILIDADE...2 3 O BALANÇO PATRIMONIAL...3 4 A CONTA...4 O RESULTADO...6

Leia mais

Estatuto e Regulamentos dos Planos de Benefícios

Estatuto e Regulamentos dos Planos de Benefícios O Relatório Anual de Informações é uma publicação que atende ao disposto na Resolução CGPC 23/2006, de 6 de dezembro de 2006, alterada pela Resolução CNPC 2/2011, de 3 de março de 2011. Estatuto e Regulamentos

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota ATIVO Explicativa CIRCULANTE 19.098 15.444 Disponibilidades 98 90 Relações Interf. / Aplicações R.F. 5 13.053 9.797 Operações de Crédito 6 5.760 5.518 Outros

Leia mais

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_...

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_... http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_... Página 1 de 14 CONTABILIDADE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Considerações ROTEIRO 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO

Leia mais

Perguntas e respostas relativas ao preenchimento e envio das Demonstrações Atuariais (DA).

Perguntas e respostas relativas ao preenchimento e envio das Demonstrações Atuariais (DA). Perguntas e respostas relativas ao preenchimento e envio das Demonstrações Atuariais (DA). 1. Como proceder para corrigir, nas Demonstrações Atuariais, as informações do campo características dos benefícios?

Leia mais

É permitida a reprodução total ou parcial desta obra, desde que citada a fonte.

É permitida a reprodução total ou parcial desta obra, desde que citada a fonte. 2010 Ministério da Previdência Social Superintendência Nacional de Previdência Complementar (Previc) É permitida a reprodução total ou parcial desta obra, desde que citada a fonte. Edição, Distribuição

Leia mais

Introdução DEDICATÓRIA

Introdução DEDICATÓRIA 1 Introdução Você está recebendo o resumo impresso do Relatório Anual de Informações aos Participantes (RAIP) referente ao exercício 2013, com informações do(s) Plano(s) de Benefícios Previdenciário(s)

Leia mais

Aderência das Demonstrações Contábeis dos Fundos de Pensão do Brasil aos Padrões Contábeis Internacionais: uma análise comparativa à luz da IAS 26

Aderência das Demonstrações Contábeis dos Fundos de Pensão do Brasil aos Padrões Contábeis Internacionais: uma análise comparativa à luz da IAS 26 Aderência das Demonstrações Contábeis dos Fundos de Pensão do Brasil aos Padrões Contábeis Internacionais: uma análise comparativa à luz da IAS 26 ROSWELTON ANJOS DE PAULA Universidade de Brasília DIANA

Leia mais

Relatório Anual de Informações 2013. Prevhab - Previdência Complementar. Relatório Anual

Relatório Anual de Informações 2013. Prevhab - Previdência Complementar. Relatório Anual Relatório Anual de Informações 2013 Prevhab - Previdência Complementar Relatório Anual 2013 1 Prevhab - Previdência Complementar Relatório Anual de Informações 2013 Índice 06 04 03 Balanço Patrimonial

Leia mais

Nota de Esclarecimento sobre o Parecer dos Auditores Independentes Fundação Libertas de Seguridade Social

Nota de Esclarecimento sobre o Parecer dos Auditores Independentes Fundação Libertas de Seguridade Social Nota de Esclarecimento sobre o Parecer dos Auditores Independentes Fundação Libertas de Seguridade Social Tendo em vista os apontamentos realizados pelos Auditores Independentes em relação às Demonstrações

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO DEMONSTRATIVO DOS RESULTADOS DA AVALIAÇÃO ATUARIAL DOS PLANOS DE BENEFÍCIOS 1- SIGLA: BUNGEPREV 2- CÓDIGO: 3861 3- RAZÃO SOCIAL: BUNGEPREV - Fundo Múltiplo de Prev idência Priv

Leia mais

Conta Centralizadora das Bandeiras Tarifárias. Título: PO CCB-01 Operacionalização da Conta Bandeiras. Tipo do documento: Procedimento.

Conta Centralizadora das Bandeiras Tarifárias. Título: PO CCB-01 Operacionalização da Conta Bandeiras. Tipo do documento: Procedimento. Conta Centralizadora das Bandeiras Tarifárias Título: PO CCB-01 Operacionalização da Conta Bandeiras Tipo do documento: Procedimento Número: 01 Versão: 01 Classificação do documento: Público Vigência:

Leia mais

ITG 1000 ITG 1000 MODELO CONTÁBIL PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE MODELO CONTÁBIL PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE

ITG 1000 ITG 1000 MODELO CONTÁBIL PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE MODELO CONTÁBIL PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ITG 1000 MODELO CONTÁBIL PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE O Processo de O Processo de Convergência às Normas Internacionais de Contabilidade (IFRS) PROCESSO DE CONVERGÊNCIA MARCOS LEGAL E

Leia mais

Exigível contingencial A Visão do auditor independente. Gilberto Souza Deloitte Touche Tohmatsu

Exigível contingencial A Visão do auditor independente. Gilberto Souza Deloitte Touche Tohmatsu Exigível contingencial A Visão do auditor independente Gilberto Souza Deloitte Touche Tohmatsu Sumário Aspectos gerais Divulgações aplicáveis Riscos e procedimentos de auditoria Questões latentes da indústria

Leia mais

ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011

ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011 SUR - REDE UNIVERSITÁRIA DE DIREITOS HUMANOS QUADRO I - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO Nota Nota ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011 CIRCULANTE CIRCULANTE Caixa e equivalentes

Leia mais

Quadro Comparativo das Alterações Propostas ao Estatuto da CAIXA DE ASSISTÊNCIA E PREVIDÊNCIA FÁBIO DE ARAUJO MOTTA - CASFAM.

Quadro Comparativo das Alterações Propostas ao Estatuto da CAIXA DE ASSISTÊNCIA E PREVIDÊNCIA FÁBIO DE ARAUJO MOTTA - CASFAM. Quadro Comparativo das Alterações Propostas ao Estatuto da CAIXA DE ASSISTÊNCIA E PREVIDÊNCIA FÁBIO DE ARAUJO MOTTA - CASFAM 1 Estatuto CASFAM CAPITULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E OBJETO CAPITULO I

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [10.530.382/0001-19] FUNDO DE PREVIDENCIA COMPLEMENTAR DA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE PERNAMBUCO-ALEPEPREV PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2008.0048-56] ALEPEPREV ENCERRAMENTO

Leia mais

Normas Internacionais de Contabilidade para o Setor Público - NICSP e o Modelo Contábil adotado no Brasil

Normas Internacionais de Contabilidade para o Setor Público - NICSP e o Modelo Contábil adotado no Brasil Normas Internacionais de Contabilidade para o Setor Público - NICSP e o Modelo Contábil adotado no Brasil Abril 2007 CONTABILIDADE PÚBLICA Conceitos e Objetivos É o ramo da Contabilidade que coleta, registra

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 534, DE 29 DE JANEIRO DE 2008

DELIBERAÇÃO CVM Nº 534, DE 29 DE JANEIRO DE 2008 TEXTO INTEGRAL DA, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA DELIBERAÇÃO CVM Nº 624, DE 28 DE JANEIRO DE 2010 (DOCUMENTO DE REVISÃO CPC Nº 01) Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 02 do Comitê de Pronunciamentos

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO IBRACON Nº 02/2013

COMUNICADO TÉCNICO IBRACON Nº 02/2013 COMUNICADO TÉCNICO IBRACON Nº 02/2013 Emissão do Relatório do Auditor Independente sobre as demonstrações contábeis das Entidades Fechadas de Previdência Complementar (EFPC) para os exercícios que se findam

Leia mais

Seguem as dúvidas recebidas até o momento sobre o sistema DAweb.

Seguem as dúvidas recebidas até o momento sobre o sistema DAweb. Rio de Janeiro, 24 de fevereiro de 2014. Seguem as dúvidas recebidas até o momento sobre o sistema DAweb. 1- Na estatística de tempo médio de contribuição, teria que colocar observação para os Regulamentos

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.409/12. Aprova a ITG 2002 Entidade sem Finalidade de Lucros.

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.409/12. Aprova a ITG 2002 Entidade sem Finalidade de Lucros. RESOLUÇÃO CFC N.º 1.409/12 Aprova a ITG 2002 Entidade sem Finalidade de Lucros. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais e com fundamento no disposto na

Leia mais

CADERNO APOS Nº 1. PROCEDIMENTOS PARA ACOMPANHAMENTO DO DESEMPENHO DE SEU PLANO DA SISTEL Edição 2 (abril/15)

CADERNO APOS Nº 1. PROCEDIMENTOS PARA ACOMPANHAMENTO DO DESEMPENHO DE SEU PLANO DA SISTEL Edição 2 (abril/15) CADERNO APOS Nº 1 PROCEDIMENTOS PARA ACOMPANHAMENTO DO DESEMPENHO DE SEU PLANO DA SISTEL Edição 2 (abril/15) 1 1 Introdução... 3 2 Quadro Balancete Sintético (superávit ou déficit do plano) mensal... 3

Leia mais

Jonilson Lima da Silva Diretor Administrativo CRC/DF 13305/00

Jonilson Lima da Silva Diretor Administrativo CRC/DF 13305/00 BALANÇO PATRIMONIAL - ATIVO ATIVO CIRCULANTE 38.455.315,35 29.551.124,31 Disponível 87.037,02 29.289,05 Realizável 38.037.154,40 29.516.935,26 Aplicações 23.329.701,27 15.413.999,65 Créditos de Operações

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 118, DE 2004.

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 118, DE 2004. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 118, DE 2004. Dispõe sobre a prestação de serviços de auditoria independente para as sociedades seguradoras, de capitalização

Leia mais

Cadastro Nacional de Planos de Benefícios - CNPB nº 2014-0021-18

Cadastro Nacional de Planos de Benefícios - CNPB nº 2014-0021-18 O futuro é hoje! Cadastro Nacional de Planos de Benefícios - CNPB nº 2014-0021-18 Portaria 672-15/12/2014 - Diretoria de Análise Técnica Superintendência Nacional de Previdência Complementar Proteção Segurança

Leia mais

COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO DOS VALES DO SÃO FRANCISCO E DO PARNAÍBA - MI NORMA DE AUDITORIA (NOR-902)

COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO DOS VALES DO SÃO FRANCISCO E DO PARNAÍBA - MI NORMA DE AUDITORIA (NOR-902) COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO DOS VALES DO SÃO FRANCISCO E DO PARNAÍBA Vinculada ao Ministério da Integração Nacional - MI NORMA DE AUDITORIA (NOR-902) FOR-101/01 NORMAS ESPECIAIS CÓDIGO: 900 FOLHA Nº:

Leia mais

A Previdência Complementar do Estado de São S o Paulo CARLOS HENRIQUE FLORY

A Previdência Complementar do Estado de São S o Paulo CARLOS HENRIQUE FLORY A Previdência Complementar do Estado de São S o Paulo CARLOS HENRIQUE FLORY Outubro de 2012 POR QUE O ESTADO DE SÃO S O PAULO ADOTOU A PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR? 1º MOTIVO: O ENVELHECIMENTO DA POPULAÇÃ

Leia mais

Demonstrações Financeiras. SOCIEDADE CIVIL FGV DE PREVIDÊNCIA PRIVADA (Em milhares) Exercícios findos em 31 de dezembro de 2002 e 2001

Demonstrações Financeiras. SOCIEDADE CIVIL FGV DE PREVIDÊNCIA PRIVADA (Em milhares) Exercícios findos em 31 de dezembro de 2002 e 2001 Demonstrações Financeiras SOCIEDADE CIVIL FGV DE PREVIDÊNCIA PRIVADA Exercícios findos em 31 de dezembro de 2002 e 2001 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Índice Balanço Patrimonial... Quadro 1 Demonstração do

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA ÍNDICE

REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA ÍNDICE 1 REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA ÍNDICE CAPÍTULO I DA FINALIDADE CAPÍTULO II DO GLOSSÁRIO CAPÍTULO III DA FORMA DE GESTÃO DOS RECURSOS CAPÍTULO IV DA CONSTITUIÇÃO DO PGA CAPÍTULO V

Leia mais

PLANO DE BENEFÍCIOS PREVMAIS. Avaliação Atuarial de 2014 Plano de Benefícios PrevMais CNPB 2006.0034-29 Parecer Atuarial 045/15 Fevereiro 2015

PLANO DE BENEFÍCIOS PREVMAIS. Avaliação Atuarial de 2014 Plano de Benefícios PrevMais CNPB 2006.0034-29 Parecer Atuarial 045/15 Fevereiro 2015 156 Relatório Anual de Informações 2014 PLANO DE BENEFÍCIOS PREVMAIS Avaliação Atuarial de 2014 Plano de Benefícios PrevMais CNPB 2006.0034-29 Parecer Atuarial 045/15 Fevereiro 2015 1. Considerações Iniciais

Leia mais

RELATÓRIO DE CONTROLES INTERNOS DO CONSELHO FISCAL

RELATÓRIO DE CONTROLES INTERNOS DO CONSELHO FISCAL RELATÓRIO DE CONTROLES INTERNOS DO CONSELHO FISCAL Artigo 19, da Resolução do CGPC nº 13/04. CAPOF Caixa de Assistência e Aposentadoria dos Funcionários do Banco do Estado do Maranhão. 1º SEMESTRE DE 2011

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. 1.1. Gestões a serem auditadas: Contábil, Financeira, Patrimonial, Administrativa.

TERMO DE REFERÊNCIA. 1.1. Gestões a serem auditadas: Contábil, Financeira, Patrimonial, Administrativa. GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO FUNDAÇÃO DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO TERMO DE REFERÊNCIA 1 DO OBJETO 1.1. Contratação de empresa

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Consórcio Intermunicipal do Vale do Jacuí CONSÓRCIO INTERMUNICIPAL DO VALE DO JACUÍ (CI/JACUÍ) CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

Estado do Rio Grande do Sul Consórcio Intermunicipal do Vale do Jacuí CONSÓRCIO INTERMUNICIPAL DO VALE DO JACUÍ (CI/JACUÍ) CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CONSÓRCIO INTERMUNICIPAL DO VALE DO JACUÍ (CI/JACUÍ) CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO CA Nº 11/2015 Altera o Anexo I das Resoluções CA 005/2008 e 06/2013 a fim de adequá-los à nova redação do Estatuto

Leia mais

Fator Veritá Fundo de Investimento Imobiliário (Administrado pelo Banco Fator S.A.)

Fator Veritá Fundo de Investimento Imobiliário (Administrado pelo Banco Fator S.A.) Fator Veritá Fundo de Investimento Imobiliário Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2011 e Relatório dos Auditores Independentes CNPJ 11.664.201/0001-00 Deloitte

Leia mais

PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES SEM RESSALVA

PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES SEM RESSALVA PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES SEM RESSALVA Aos administradores, conselheiros e participantes Fundo de Pensão Multipatrocinado da Ordem dos Advogados do Brasil, Seção do Paraná e da Caixa de Assistência

Leia mais

Expediente. Diretoria Executiva

Expediente. Diretoria Executiva Expediente Diretoria Executiva Edevaldo Fernandes da Silva Diretor-Presidente Eugenia Bossi Fraga Diretora Administrativa e Financeira Cláudia Ferreira V. M. da Cunha Balula Diretora de Seguridade Social

Leia mais

GUIA PREVIC. Melhores Práticas Contábeis para Entidades Fechadas de Previdência Complementar

GUIA PREVIC. Melhores Práticas Contábeis para Entidades Fechadas de Previdência Complementar GUIA PREVIC Melhores Práticas Contábeis para Entidades Fechadas de Previdência Complementar Guia Previc Melhores Práticas Contábeis para Entidades Fechadas de Previdência Complementar Brasília-DF Agosto/2013

Leia mais

PRINCÍPIOS DE CONTABILIDADE

PRINCÍPIOS DE CONTABILIDADE PRINCÍPIOS DE CONTABILIDADE 1. Introdução No dia 28 de maio de 2010 houve uma atualização na Resolução CFC 750/93 para a Resolução CFC 1282/10, com o intuito de assegurar a aplicação correta das normas

Leia mais

NOTA TÉCNICA 004/2016 Assunto: PCSB/CET/006/2015

NOTA TÉCNICA 004/2016 Assunto: PCSB/CET/006/2015 Nota técnica CET 004/2016 ALTERAÇÃO DO PLANO DE CONTAS DA CAGECE Fortaleza, março/2016 NOTA TÉCNICA 004/2016 Assunto: PCSB/CET/006/2015 1) Considerações iniciais O poder regulatório da Arce é exercido

Leia mais

FUNDAÇÃO CHESF DE ASSISTÊNCIA E SEGURIDADE SOCIAL FACHESF

FUNDAÇÃO CHESF DE ASSISTÊNCIA E SEGURIDADE SOCIAL FACHESF FUNDAÇÃO CHESF DE ASSISTÊNCIA E SEGURIDADE SOCIAL FACHESF DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS E NOTAS EXPLICATIVAS 2010 SOBRE OS PLANOS DE BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS E DE GESTÃO ADMINISTRATIVA CNPJ Nº 42.160.192/0001-43

Leia mais

Balanço Patrimonial 6. Demonstração da Mutação Patrimônio Social 7. Demonstração da Mutação do Ativo Líquido por Plano de Benefícios 8

Balanço Patrimonial 6. Demonstração da Mutação Patrimônio Social 7. Demonstração da Mutação do Ativo Líquido por Plano de Benefícios 8 ÍNDICE Uma nova Funterra 3 Balanço Patrimonial 6 Demonstração da Mutação Patrimônio Social 7 Demonstração da Mutação do Ativo Líquido por Plano de Benefícios 8 Demonstração do Ativo Líquido por Plano de

Leia mais

Controle Interno se refere a procedimentos de organização adotados como planos permanentes da entidade.

Controle Interno se refere a procedimentos de organização adotados como planos permanentes da entidade. Julio Cesar Medeiros Pasqualeto Contador, com 27 de experiência. Pós Graduado em Finanças pela FGV /RJ e Mestrando em Controladoria/Finanças pela Unisinos/RS. Membro CTNC ABRAPP e ANCEP, Membro do Conselho

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO PARANÁ

TRIBUNAL DE CONTAS DO PARANÁ TRIBUNAL DE CONTAS DO PARANÁ DIRETORIA DE CONTAS MUNICIPAIS Prestação de Contas de Empresas Públicas e Sociedades de Economia Mista Municipais Prestação de Contas Anual Instrução Normativa n 22/2008 INSTRUÇÃO

Leia mais

GLOSSÁRIO TERMOS UTILIZADOS PARA FUNDOS DE PENSÃO. ABRAPP. Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência

GLOSSÁRIO TERMOS UTILIZADOS PARA FUNDOS DE PENSÃO. ABRAPP. Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência GLOSSÁRIO ABRAPP. Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência Complementar. ASSISTIDOS. Participante ou Beneficiário(s) em gozo de benefício. ATUÁRIO. Profissional técnico especializado,

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas ATIVO 2014 2013 Explicativas CIRCULANTE 39.466 27.437 Disponibilidades 221 196 Relações Interf. / Aplicações R.F. 5 27.920 18.274 Operações de Crédito 6 11.138

Leia mais

DECRETO Nº 38.125 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2013. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais e,

DECRETO Nº 38.125 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2013. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais e, DECRETO Nº 38.125 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2013 Cria a Empresa Pública de Saúde do Rio de Janeiro S/A RIOSAÚDE e aprova seu Estatuto. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS DA ADMINISTRAÇÃO ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E DE 2012

NOTAS EXPLICATIVAS DA ADMINISTRAÇÃO ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E DE 2012 NOTAS EXPLICATIVAS DA ADMINISTRAÇÃO ÀS DEMONSTRAÇÕES 1. BREVE HISTÓRICO DO CLUBE CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E DE 2012 O Esporte Clube Vitória, fundado na cidade do Salvador, onde tem foro e sede,

Leia mais

Rua Bernardo Guimarães, 63 Funcionários Belo Horizonte MG Cep 30140-080 Telefones (31) 3284-8407 3284-2625 Fax: 3284-8931 E-mail: casfam@fiemg.com.

Rua Bernardo Guimarães, 63 Funcionários Belo Horizonte MG Cep 30140-080 Telefones (31) 3284-8407 3284-2625 Fax: 3284-8931 E-mail: casfam@fiemg.com. MATERIAL EXPLICATIVO DO PLANO DE BENEFÍCIOS SISTEMA FIEMG Outubro / 2013 A CASFAM A CASFAM é uma Entidade Fechada de Previdência Complementar (EFPC), sociedade civil patrocinada pelo Sistema FIEMG, com

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS

GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS AMORTIZAÇÃO: Representa a conta que registra a diminuição do valor dos bens intangíveis registrados no ativo permanente, é a perda de valor de capital aplicado na aquisição

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PRÓ-HOPE APOIO À CRIANÇA COM CÂNCER CNPJ 02.072.483/0001-65 BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DEZEMBRO DE 2010 E 2009

ASSOCIAÇÃO PRÓ-HOPE APOIO À CRIANÇA COM CÂNCER CNPJ 02.072.483/0001-65 BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DEZEMBRO DE 2010 E 2009 BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DEZEMBRO DE 2010 E 2009 ATIVO 31/12/2010 31/12/2009 PASSIVO 31/12/2010 31/12/2009 CIRCULANTE 2.067.853,08 1.156.034,03 CIRCULANTE 1.444.697,99 375.899,34 DISPONIBILIDADES 1.284.699,22

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com relação a conceitos, objetivos e finalidades da contabilidade, julgue os itens que se seguem. 51 Auxiliar um governo no processo de fiscalização tributária é uma das finalidades

Leia mais

Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2012 e de 2011

Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2012 e de 2011 Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2012 e de 2011 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações

Leia mais

JOSÉ HERNANDEZ PEREZ JUNIOR

JOSÉ HERNANDEZ PEREZ JUNIOR JOSÉ HERNANDEZ PEREZ JUNIOR Mestre em Controladoria e Contabilidade Estratégica e Bacharel em Ciências Contábeis. Professor de cursos de MBA da Fundação Getulio Vargas - RJ. Professor das Faculdades Atibaia

Leia mais