Conta Centralizadora das Bandeiras Tarifárias. Título: PO CCB-01 Operacionalização da Conta Bandeiras. Tipo do documento: Procedimento.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Conta Centralizadora das Bandeiras Tarifárias. Título: PO CCB-01 Operacionalização da Conta Bandeiras. Tipo do documento: Procedimento."

Transcrição

1 Conta Centralizadora das Bandeiras Tarifárias Título: PO CCB-01 Operacionalização da Conta Bandeiras Tipo do documento: Procedimento Número: 01 Versão: 01 Classificação do documento: Público Vigência: 12 meses Data da aprovação: Elaborado pela

2 CLASSIFICAÇÃO DO DOCUMENTO: PUBLICO SUMÁRIO 1. Objetivo Abrangência Documentação Normativa Relacionada Operação da liquidação da Conta das Bandeiras Contabilidade do crédito e da aplicação financeira de eventual saldo da Conta Bandeiras Gestão dos custos da operação da Conta Bandeiras Gestão da Operacionalização da Conta Bandeiras Anexo I descrição dos papéis dos envolvidos no processo Página 1 de 35

3 CLASSIFICAÇÃO DO DOCUMENTO: PUBLICO 1. Objetivo O governo federal estabeleceu por meio do decreto nº 8.401, em 04/02/2015, a criação da conta centralizadora dos recursos das bandeiras tarifárias (Conta Bandeiras). A ANEEL por meio da AP 06/15 publicou a REN 649/15 que regulamentou a operacionalização da referida conta. A missão da em relação à Gerir os processos da Conta Bandeiras será a de assegurar a conformidade das operações e o bom funcionamento do mercado. A será responsável pela estruturação, gestão e liquidação da Conta Bandeiras, realizando as atividades necessárias para sua constituição e operacionalização. Os custos administrativos, financeiros e encargos tributários (CAFT) incorridos pela na gestão e na liquidação da Conta Bandeiras deverão ser considerados na definição dos valores das bandeiras tarifárias, conforme regulação da ANEEL. O rateio dos custos será proporcional a carga das Concessionárias/ Permissionárias de Distribuição do SIN. As bandeiras tarifárias serão homologadas pela ANEEL, a cada ano civil, considerando a previsão das variações relativas aos custos de geração por fonte termoelétrica e a exposição aos preços de liquidação no mercado de curto prazo que afetem os agentes de distribuição de energia Página 2 de 35

4 CLASSIFICAÇÃO DO DOCUMENTO: PUBLICO elétrica conectados ao SIN. A ANEEL definirá mensalmente, considerando informações prestadas pelo ONS, a bandeira tarifária a ser aplicada no mês seguinte. Os recursos provenientes da aplicação das bandeiras tarifárias pelos agentes de distribuição serão revertidos à Conta Bandeiras, ou seja os agentes de distribuição farão o recolhimento dos recursos em nome da CDE, diretamente para a Conta Bandeiras. Os recursos disponíveis na Conta Bandeiras serão repassados mensalmente aos agentes de distribuição, considerando os custos realizados da geração de energia por fonte termelétrica e das exposições ao mercado de curto prazo, apurados pela conforme Regras de Comercialização. Para operacionalização da Conta Bandeiras, a executará 3 novos processos: Este documento tem por objetivo detalhar os procedimentos necessários para operacionalizar a Conta Bandeiras pelas áreas envolvidas. 2. Abrangência Este documento abrange o detalhamento das atividades de responsabilidade da na operacionalização da Conta Bandeiras. Página 3 de 35

5 CLASSIFICAÇÃO DO DOCUMENTO: PUBLICO 3. Documentação Normativa Relacionada Decreto nº 8.401, de 04 de fevereiro de Criação da Conta Centralizadora dos Recursos de Bandeiras Tarifárias - Nova atribuição da. RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 649, DE 27 DE FEVEREIRO DE Aprova o Submódulo 6.8 dos Procedimentos de Regulação Tarifária PRORET, que trata das Bandeiras Tarifárias e dá outras providências. RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 650, DE 27 DE FEVEREIRO DE Altera o Módulo 7.1 dos Procedimentos de Regulação Tarifária PRORET, que trata dos Procedimentos Gerais da Estrutura Tarifária das Concessionárias de Distribuição. RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.859, DE 27 DE FEVEREIRO DE Estabelece as faixas de acionamento e os adicionais das bandeiras tarifárias, de que trata o submódulo 6.8 do PRORET, com vigência a partir de 2 de março de DESPACHO Nº 583, DE 4 DE MARÇO DE Fixar os créditos e débitos da Conta Centralizadora dos Recursos de Bandeiras Tarifárias, para fins da Liquidação das operações do mercado de curto prazo junto à Câmara de Comercialização de Energia Elétrica -, da competência de janeiro de 2015, nos termos do Submódulo 6.8 dos Procedimentos de Regulação Tarifária - PRORET, aprovado pela Resolução Normativa nº 649, de 27 de fevereiro de Página 4 de 35

6 4. Operação da liquidação da Conta das Bandeiras Página 5 de 35

7 Nº Etapa Descrição Responsável Prazo 1 Disponibilizar a relação dos não Agentes A SGT /ANEEL enviará o ofício circular aos não Agentes ANEEL Até 27/02/15 para as Concessionárias não Agentes. Até 31/03/15 para as Permissionárias de Distribuição. Até 24/04/2015 para encaminhar o ofício para os não agentes Solicitação da (termos do ofício circular) Relação dos não Agentes. (Concessionárias/ Permissionárias de Distribuição) Página 6 de 35

8 Nº Etapa Descrição Responsável Prazo 2.1 Enviar dados da pessoa física, jurídica, contatos dos representantes e seus documentos comprobatórios 2.2 Processar dados cadastrais Enviar para atendimento (cartão CPNJ, dados da pessoa física, contatos dos representantes e seus respectivos documentos comprobatórios). Para a declaração dos dados bancários deve ser enviado o documento físico para a. Direcionar a solicitação e a documentação física para as áreas responsáveis 2.3 Analisar poderes Análise dos poderes contido nos documentos, tendo em vista sua comprobatoriedade. Concessionárias e Permissionárias de Distribuição não Conforme o prazo estipulado pela ANEEL, as Concessionárias e Permissionárias não Agentes deverão informar os dados para a. Em até 1 dia útil, após o prazo estipulado pela ANEEL Em até 5 dias úteis Relação dos não Agentes. Dados cadastrais Carta de declaração bancária. Chamado Documentos digitais. Dados cadastrais e carta de declaração bancária. Chamado ativos com as informações e documentos comprobatórios Documentos comprobatórios analisados - Atende - Página 7 de 35

9 Nº Etapa Descrição Responsável Prazo 2.4 Realizar cadastro do solicitante Com as documentações validadas, a irá realizar o cadastro do não agente Em até 4 dias úteis Documentos comprobatórios analisados Dados cadastrados Módulo de agentes 2.5 Enviar dados cadastrais para o banco gestor Finalizado o cadastro, a enviará esses dados ao Banco Gestor Conforme calendário da liquidação da Conta Bandeiras Dados cadastrados Informações do cadastro - 3 Enviar mapa para banco gestor Envio da mapa com base nos dados publicados pela ANEEL no despacho. O mapa contém a informação do valor que cada Concessionárias e Permissionárias de Distribuição deverá depositar na Conta Bandeiras Em até MS+23 dias úteis Dados Cadastrais Despacho publicado pela ANEEL Mapa com os valores para depósito na conta centralizadora Mapa com os valores para depósito na conta referente ao CAFT Excel Página 8 de 35

10 Nº Etapa Descrição Responsável Prazo 4 Transferir valores do CAFT para a Conta da 5 Enviar dados do MCP e ESS O Banco Gestor deverá transferir dos valores depositados na Conta Bandeiras o montante referente ao CAFT para a Conta Com base na última rodada da disponibilização do MCP e informações do ESS (encargos de serviço de sistema) a elabora relatório com os resultados das Concessionárias e encaminha para a ANEEL Banco Gestor Em até 1 dia útil da data do depósito dos valores pelas distribuidoras/p ermissionárias devedoras Em até MS+19 dias úteis Mapa com os valores para depósito na conta referente ao CAFT Fechamento da contabilização do mês Extrato bancário - Relatório do MCP e informações do ESS para a ANEEL (aberto para cada Concessionária) Cliq Ferramentas VBA Excel Página 9 de 35

11 Nº Etapa Descrição Responsável Prazo 6 Enviar dados do RRV e CONER Enviar planilha com valores da receita fixa, receita variável e ajustes do RRV a serem pagas pelas Concessionária à ANEEL Em até MS+20 dias úteis Resultado da apuração da receita de venda (RRV) mensal Planilha com valores de RRV das Concessionárias (ANEEL) 7 Encaminhar saldo da Conta Bandeiras Enviar planilha com a posição do saldo da Conta Bandeiras para a ANEEL. Em até MS+20 dias úteis Extrato da conta Bandeiras. (Banco Gestor) Planilha com o saldo da conta Bandeiras. (ANEEL) Excel 8 Enviar as informações sobre o montante arrecadado das bandeiras tarifárias Atender à solicitação da ANEEL referente aos montantes arrecadados/ faturados com as Bandeiras tarifárias Concessionárias/ Permissionárias de Distribuição Em até MS+15 dias úteis Solicitação da ANEEL Receita faturada dos recursos da Bandeiras tarifárias por Concessionárias e Permissionárias de Distribuição (ANEEL) - Página 10 de 35

12 Nº Etapa Descrição Responsável Prazo 9 Publicar despacho dos débitos e créditos por Concessionárias e Permissionárias de Distribuição Com as informações encaminhadas pela (mensal: MCP, RRV, CONER, ESS, eventual inadimplência/ loss sharing e saldo da conta. Anual: CAFT) e pelas Concessionárias e Permissionárias de Distribuição (receita faturada decorrente da aplicação das bandeiras tarifárias) a ANEEL emitirá o despacho para comandar a operacionalização da liquidação das bandeiras pela SGT/ ANEEL Em até MS+22 dias úteis Dados do MCP, ESS, inadimplência e loss sharing Dados do RRV e CONER Sado da conta CAFT Informações das Concessionárias e Permissionárias de Distribuição Despacho publicado pela ANEEL Site ANEEL Diário oficial Página 11 de 35

13 Nº Etapa Descrição Responsável Prazo 10 Comunicar as Concessionárias e Permissionárias de Distribuição o prazo para depósito É enviado o comunicado aos destinatários não Agentes, que pela primeira vez estão inseridos na tabela 1 do despacho, para confirmar o recebimento. Se o destinatário não recebeu o comunicado, será enviado um chamado ativo para uma possível atualização cadastral Em até MS+22 dias úteis Despacho. (ANEEL). Comunicado específico. (Concessionárias e Permissionárias de Distribuição que deverão depositar recurso na Conta Bandeiras) Report para confirmação do recebimento do Comunicado Específico . Atende (se necessário o envio do chamado ativo). 11 Depositar valores na Conta Bandeiras As Concessionárias/ Permissionárias de Distribuição devedoras constantes no despacho ANEEL deverão depositar os valores na Conta Bandeiras Concessionárias/ Permissionárias de Distribuição devedoras Em até MS+24 dias úteis Despacho publicado. (ANEEL) Comunicado específico Depósito na Conta Bandeiras (Banco Gestor) - Página 12 de 35

14 Nº Etapa Descrição Responsável Prazo 12 Receber recursos na Conta Bandeiras e disponibilizar relatório para a referente aos depósitos realizados 13 Enviar o extrato bancário para a A recebe os recursos da Conta Bandeiras, junto com os relatórios preliminares. O relatório deve contém o status da inadimplência É enviado para a o extrato bancário referente a Conta Bandeiras Banco Gestor Banco Gestor Em até MS+24 dias úteis Data do débito da liquidação do MCP Depósito na Conta Bandeiras (Concessionárias/ Permissionárias de Distribuição devedoras) Relatórios preliminares. Relatório final Relatórios preliminares Relatório final Extrato bancário 14 Acompanhamento dos depósitos na Conta Bandeiras A entrará em contato com os não Agentes inadimplentes (Concessionárias/ Permissionárias de Distribuição) Em até MS+24 dias úteis Relatórios preliminares Relatórios preliminares dos não Agentes inadimplentes Excel Página 13 de 35

15 Nº Etapa Descrição Responsável Prazo 15 Avaliação dos valores a serem repassados da bandeira para o MCP 16 Informar Concessionárias valor final a liquidar do MCP Calcular o loss sharing e gerar o mapa com as informações da liquidação da Conta Bandeiras. Por meio desses dados, o banco efetuará a transferência dos recursos às contas específicas da liquidação do MCP (Para os Agentes e demais contas para as Concessionárias/ Permissionárias de Distribuição não Agentes ) Será informado, quando necessário, o valor que cada Concessionária deverá depositar na data do débito da liquidação financeira do MCP Em até MS+25 dias úteis Em até MS+25 dias úteis Relatório do banco gestor com os resultados dos valores recebidos na Conta Bandeiras. (Banco Gestor) Mapa com os valores para transferência da Conta Bandeiras. (Banco Gestor) Mapa com os valores para transferência da Conta Bandeiras. (Banco Gestor) Chamado ativo informando o valor a ser creditado pela, na data do débito da liquidação financeira do MCP Excel Atende Página 14 de 35

16 Nº Etapa Descrição Responsável Prazo 17 Repasse de recursos da Conta Bandeiras para os Agentes da Transferência dos recursos financeiros da Conta Bandeiras para as contas específicas utilizadas para a liquidação do MCP, informar o resultado da transferência para a e geração de notas de liquidação para os Agentes Banco Gestor Até a data do débito da liquidação do MCP Mapa com os valores para transferência da Conta Bandeiras. Recurso disponível para a liquidação do MCP (Banco Liquidante) Resultado da transferência Notas de liquidação (Concessionárias) Excel 18 Realizar liquidação do MCP Operacionalizar a liquidação do MCP débito e crédito Banco Liquidante Até a data do débito da liquidação do MCP Recurso disponível para a liquidação do MCP (Banco Gestor) Nota de liquidação da Conta Bandeiras - 19 Valores disponíveis para retirada das Concessionárias No caso de saldo remanescente, os valores ficaram disponíveis para retirada das Concessionárias Concessionárias/ Permissionárias de Distribuição não Agentes da Conforme disponibilidade das concessionárias e permissionárias Saldo disponível para retirada (Banco Gestor) Saldo remanescente (Banco Gestor) - Página 15 de 35

17 Nº Etapa Descrição Responsável Prazo 20 Repasse de recursos da Conta Bandeiras para não agentes da, se aplicável Transferência dos recursos financeiros da Conta Bandeiras para as contas informadas no cadastro das Concessionárias/ Permissionárias de Distribuição não Agentes da, informar o resultado da transferência para a e geração de notas de liquidação para os não Agentes da Banco Gestor Até a data do débito da liquidação do MCP Mapa com os valores para transferência da Conta Bandeiras Recurso disponível na conta das Concessionárias/ Permissionárias de Distribuição não Agentes da Resultado da transferência dos recursos - Página 16 de 35

18 Nº Etapa Descrição Responsável Prazo 21 Emitir nota de liquidação da conta bandeiras Confirmação pelo Banco Gestor da realização dos débitos e/ou créditos junto as Concessionárias/ Permissionárias de Distribuição Banco Gestor Em até 2 dias úteis após a data da liquidação do MCP Mapa com os valores para transferência da Conta Bandeiras Notas de liquidação. (Concessionárias/ Permissionárias de Distribuição não Agentes da ) - 22 Aplicar recursos da Conta Bandeiras Se houver saldo remanescente na Conta Bandeiras, o Banco Gestor deverá aplicar nas modalidades pré estabelecidas pela ANEEL Banco Gestor A partir de MS+25 dias úteis Saldo da conta Bandeiras (Banco Gestor) Saldo aplicado nas modalidades preestabelecidas (Banco Gestor) - Página 17 de 35

19 Nº Etapa Descrição Responsável Prazo 23 Informar a Eletrobras eventuais inadimplências da Conta Bandeiras e loss sharing aplicado Disponibilizar planilha com a informação de eventual inadimplência/loss sharing (relação das empresas inadimplentes por Concessionárias/ Permissionárias de Distribuição) Em até 5 dias úteis após data do débito da liquidação do MCP Mapa com os valores para transferência da Conta Bandeiras Planilha com as eventuais inadimplências/ loss sharing, por Concessionárias/ Permissionárias de Distribuição (Eletrobras) 24 Enviar chamado ativo ao Agente devedor notificando inadimplência Enviar um chamado ativo para o Agente devedor, solicitando sua manifestação para emissão do boleto de cobrança do encargo da Conta Bandeira com o respectivo prazo de vencimento Em até 2 dias úteis após o recebimento do relatório da inadimplência emitir o chamado ativo Planilha com as eventuais inadimplências/ loss sharing, por Concessionárias/ Permissionárias de Distribuição. Chamado ativo emitidos. (Concessionárias/ Permissionárias de Distribuição inadimplentes) Atende Página 18 de 35

20 Nº Etapa Descrição Responsável Prazo 25 Envio do extrato da movimentação da Conta Bandeiras para a Emitir o extrato bancário, discriminado por Concessionária/ Permissionária de Distribuição com o respectivo valor depositado Banco Gestor Em até 1 dia útil após o pagamento do boleto Boletos emitidos. (Banco Gestor) Valor depositado pelas Concessionárias/ Permissionárias de Distribuição inadimplente (Banco Gestor) Extrato bancário - 26 Enviar a planilha com status da cobrança da inadimplência atualizado Elaborar planilha consolidada com a posição atualizada, por Concessionária/ Permissionária de Distribuição, e informar a Eletrobras Em até 2 dias úteis após a confirmação do Banco Gestor Extrato bancário. (Banco Gestor) Relatório consolidado Excel Página 19 de 35

21 5. Contabilidade do crédito e da aplicação financeira de eventual saldo da Conta Bandeiras Página 20 de 35

22 Nº Etapa Descrição Responsável Prazo 1 Registrar informações contábeis (passivo/ativo) 2 Enviar informações para Eletrobras Efetuar o registro do valor total recebido (passivo) e o registro do valor total repassado (ativo) e as respectivas atualizações de aplicações, bem como das eventuais inadimplências Elaborar e encaminhar documento com informações contábeis da para registro da Eletrobras Em até MS+10 dias úteis Em até MS+16 dias úteis Despacho (ANEEL) Mapa de transferências financeiras da Conta Bandeiras Extrato bancário da movimentação financeira Registros contábeis de débito e crédito na Conta Bandeiras Registros contábeis de débito e crédito na Conta Bandeiras Documento suporte para o registro contábil da CDE (Eletrobras) Logix Excel 3 Atualizações financeira do passivo/ativo Encaminhar o documento no formato e meios preestabelecidos Manter a posição financeira (passivo/ ativo) da Conta Bandeiras atualizada internamente de forma diária, em atendimento a regulação Acompanhamento diário. Atualização em até MS+10 dias úteis Extratos bancários Atualizações financeiras Logix Excel Página 21 de 35

23 Nº Etapa Descrição Responsável Prazo 4 Fechar caderno de informações para a Auditoria 5 Realizar asseguração financeiro e contábil 6 Divulgar relatório de asseguração no site Elaborar caderno com informações contábeis da Conta Bandeiras escopo da Auditoria (balancete mensal e documentação suporte) A Auditoria contratada deverá realizar a auditoria e asseguração razoável das movimentações das contas envolvidas na operacionalização da Conta Bandeiras, segundo escopo contratado Divulgar o relatório de asseguração razoável emitido pela auditoria contratada no site da Auditoria Externa Em até 2 dias úteis após fechamento Contábil Prazo a ser definido no ato da contratação da auditoria Em até 2 dias úteis após a emissão do relatório de asseguração razoável Registros contábeis de débito e crédito na Conta Bandeiras Caderno de informações da Conta Bandeiras Relatório de asseguração razoável Caderno de informações da Conta Bandeiras Relatórios de asseguração razoável (Auditoria Externa) Relatório de asseguração razoável divulgado (Mercado) Logix Excel - Site da Página 22 de 35

24 Nº Etapa Descrição Responsável Prazo 7 Divulgar demonstrativo da Conta Bandeiras e índice de adimplemento 8 Registrar informações contábeis (passivo/ativo) Divulgar o extrato bancário das contas movimentadas pela na operacionalização da Conta Bandeiras bem como o índice de adimplemento A Eletrobras deverá realizar registros contábeis dos lançamentos da Conta Bandeiras informados pela Eletrobras Em até 2 dias úteis, após a emissão do certificado Mensal Tempo definido pela Eletrobras Extratos bancários Documento suporte para o registro contábil da CDE Extratos divulgados (Mercado) Passivo da CDE registrado de forma equivalente ao ativo da Site da - Página 23 de 35

25 6. Gestão dos custos da operação da Conta Bandeiras Página 24 de 35

26 Nº Etapa Descrição Responsável Prazo 1 Anuir os valores para o CAFT 2 Registrar movimentação bancária A ANEEL deverá homologar anualmente os valores estimados pela para o CAFT Registrar a movimentação bancária referente ao valor do financiamento destinado ao custeio das operações da Conta Bandeiras ANEEL Anual Até a liquidação da conta bandeiras de cada ano Anual Em até MS+2 dias úteis após a realização da primeira liquidação do ano Planilha com a estimativa das rubricas do CAFT Correspondência técnica justificando o CAFT Despacho com valores para custeio da operação (ANEEL) Documentos bancários (Banco gestor) Homologação dos valores estimados para o CAFT (ANEEL) Receita registrada - Logix Página 25 de 35

27 Nº Etapa Descrição Responsável Prazo 3 Registrar despesas 4 Acompanhar a realização (pessoal, serviços e demais despesas) Realizar registros de despesas com a Conta Bandeiras, compostos por pagamentos realizados a fornecedores de produtos ou serviços, valores de horas alocadas internamente com a operacionalização do processo (via timesheet) e valores pagos ao fisco Realizar o acompanhamento do planejado vs. realizado das despesas com a Conta Bandeiras, e elaborar relatórios gerenciais para demonstrar as despesas realizadas Mensal Em até MS+16 dias úteis Em até 3 dias corridos para elaboração do acompanhamento Relatório com alocações e valores do timesheet Documentos fiscais Relatório com alocações e valores do timesheet Receita registrada Despesas registradas Despesas registradas Controle de realização Logix Logix Excel Página 26 de 35

28 Nº Etapa Descrição Responsável Prazo 5 Enviar carta de encaminhamento da prestação de contas para a ANEEL Enviar carta de prestação de contas do planejado x realizado, demonstrando a realização do CAFT no trimestre e a consolidação anual. As distorções serão ajustadas no primeiro mês do ano seguinte Em até MS+30 a cada trimestre Obs: para o último trimestre o prazo passa para MS+45 dias em decorrência do fechamento de dezembro Controle de realização Relatório trimestral de controle de realização (ANEEL) Logix Excel 6 Enviar estimativa do CAFT para a ANEEL Enviar memória de cálculo e planilha detalhando o CAFT para cada rubrica para os 2 próximos anos Anual, até 31/10 de cada ano A elaboração da planilha detalhada do CAFT é desenvolvida em 03 meses (agosto a outubro) Informações atualizadas pelas áreas da envolvidas no processo Memória de cálculo e planilha com a estimativa do CAFT (ANEEL) Logix Excel Página 27 de 35

29 Nº Etapa Descrição Responsável Prazo 7 Fiscalização do CAFT 8 Realizar auditoria no processo Atender as demandas do órgão regulador e demais órgãos competentes e fornecer as informações requeridas de forma a subsidiar a realização da fiscalização A ANEEL realiza anualmente auditorias dos processos da e poderá auditar também a operacionalização da Conta Bandeiras ANEEL e demais órgãos competentes Auditoria externa Conforme disponibilidade do órgão regulador e fiscalizador Mensal Em até MS+28 dias Solicitação de abertura de fiscalização e de informações (ANEEL e demais órgãos competentes) Controle de realização Termo de Notificação, relatório da fiscalização, termo de encerramento Relatório de fiscalização - Logix Excel Timesheet Obs.: A auditoria contábil-financeira, prevista nos processos Contábeis, vai abranger a gestão de custo da Conta Bandeiras. Página 28 de 35

30 7. Gestão da Operacionalização da Conta Bandeiras Página 29 de 35

31 Nº Etapa Descrição Responsável Prazo 1 Monitorar a execução dos processos Definir em conjunto com as áreas participantes e com base nas datas acordadas entre as instituições envolvidas, o calendário de execução mensal dos processos Efetuar controle de realização, monitorando e cobrando o cumprimento das datas regulatórias e internas, bem como avaliando a conformidade das entregas realizadas e mantendo a documentação gerada durante a execução do processo armazenada Buscar providências junto aos gestores envolvidos em caso de não conformidade identificada Reportar periodicamente a operacionalização da Conta Bandeiras para o CAd e Agentes envolvidos Mensal Em até MS+20 dias úteis (ANEEL) Em até 3 dias úteis após a liquidação do MCP (MME) Documentos regulatórios despachados (ANEEL) Calendário operacional dos processos Manutenção do cadastro das Distribuidoras e Permissionárias não Agentes da Cronograma de execução Relatório de monitoramento da execução dos processos Indicadores da operação mensal da conta Demonstrativo dos débitos/créditos e apuração do índice de adimplência Relatório de contabilização das distribuidoras - Página 30 de 35

32 Nº Etapa Descrição Responsável Prazo 2 Gestão dos registros das transações financeiras e contábeis Manter registros, documentos e memória de cálculo gerados nas transações financeiras do processo, gerando evidências organizadas do processo para fins de auditoria Garantir que o documento com as informações contábeis da foram encaminhados para a Eletrobras e ANEEL Buscar providências dos gestores envolvidos em caso de não conformidade identificada Nota: O registro em referência inclui toda a movimentação da Conta Bandeiras, tais como atualizações no ativo/passivo e custos associados a operação Mensal Em até MS+15 dias Documentos regulatórios despachados (ANEEL) Documentos emitidos para e pelas partes no processo (, Eletrobras, Bancos, ANEEL) Registros do processo Relatório mensal das operações Indicadores da operação mensal da conta Demonstrativo dos débitos/créditos e apuração do índice de adimplência - Página 31 de 35

33 Nº Etapa Descrição Responsável Prazo 3 Gestão das informações divulgadas Apoiar na elaboração de conteúdo a ser publicado internamente e externamente com relação à Conta Bandeiras Avaliar conformidade de conteúdo publicado e realizar a atualização de informações necessárias Garantir a publicação do demonstrativo mensal da Conta Bandeiras, bem como o certificado emitido pela auditoria, base legal e demais informações avaliadas como relevantes Em até 3 dias úteis após a liquidação do MCP Conteúdo da Conta Bandeiras Conteúdo da Conta Bandeiras publicado (Mercado) Site Página 32 de 35

34 Nº Etapa Descrição Responsável Prazo 4 Subsidiar as auditorias e futuras fiscalizações Auxiliar as auditorias internas e externas e fiscalização pelos órgãos competentes, garantindo que a documentação comprobatória necessária foi entregue, prestando informações e esclarecendo dúvidas Divulgar o extrato e buscar providências junto aos gestores envolvidos em caso de não conformidade identificada Em até MS+15 dias (Auditoria externa) Prazos acordados entre os órgãos fiscalização e a Pontos endereçados pela Auditoria ( e Auditoria externa) Pontos endereçados pela fiscalização realizada pelos órgãos competentes (ANEEL, TCU, etc.) Informações contábeis Relatórios descritivos das operações realizadas Extratos bancários (Bancos) Mapas de liquidação Nota de liquidação Comunicados e chamados ativos Excel Atende Página 33 de 35

35 Nº Etapa Descrição Responsável Prazo 5 Interações com stakeholders Prestar informações relevantes para o Mercado e os Agentes Responder as questões de interesse dos Agentes/ Mercado Atender as demandas dos órgãos reguladores, fiscalizadores, bancos e governo Por demanda Em até 3 dias úteis após a liquidação do MCP Pontos endereçados pelos bancos, ANEEL, MF, MME, Eletrobras, Conselho Fiscal, TCU, etc Informações e esclarecimentos disponibilizados (Bancos, ANEEL, MF, MME, Eletrobras, Conselho Fiscal, TCU, etc.) Informações publicadas na página da conta, no website Site (para comunicado, informes) Página 34 de 35

36 8. Anexo I descrição dos papéis dos envolvidos no processo Para facilitar o entendimento dos processos, descrevemos abaixo o papel dos envolvidos na operacionalização dos financiamentos as Concessionárias: Câmara de Comercialização de Energia Elétrica Pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, que atua sob autorização do Poder Concedente; regulação e fiscalização da ANEEL, segundo a Convenção de Comercialização, instituída pela Resolução Normativa ANEEL nº 109, de 26 de outubro de 2004, com a finalidade de viabilizar as operações de compra e venda de energia elétrica entre os Agentes da, restritas ao Interligado Nacional (SIN), cuja criação foi autorizada nos termos do artigo 4º da Lei nº , de 15 de março de 2004, e do Decreto nº 5.177, de 12 de agosto de Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) Autarquia em regime especial, vinculada ao Ministério de Minas e Energia - MME, criada pela Lei nº 9.427, de 26 de Dezembro de Eletrobras Empresa de capital aberto, controlada pelo governo brasileiro, que atua nas áreas de geração, transmissão e distribuição de energia elétrica. Concessionárias/ Permissionárias de Distribuição Concessionárias de distribuição de energia elétrica (estatais ou privadas) e permissionárias de distribuição de energia elétrica, independentemente se Agentes ou não Agentes. Banco Gestor O Banco gestor foi contratado para operacionalizar as transações financeiras das movimentações referentes à Conta Centralizadora das Bandeiras Tarifárias. Banco Liquidante Banco responsável pela liquidação do mercado de curto prazo (MCP). Auditoria Empresa de auditoria externa responsável por auditar e atestar as operações da Conta Centralizadora das Bandeiras Tarifárias. Página 35 de 35

Versão: Consulta Pública Início de Vigência: XX.XX.XXX Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº XXXX, de XX de mês de 200X

Versão: Consulta Pública Início de Vigência: XX.XX.XXX Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº XXXX, de XX de mês de 200X Procedimento de Comercialização LIQUIDAÇÃO FINANCEIRA RELATIVA À CONTRATAÇÃO DE ENERGIA DE RESERVA Versão: Consulta Pública Início de Vigência: XX.XX.XXX Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº XXXX,

Leia mais

Versão: 1 Início de Vigência: XX/XX/2005 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº XX, de XX de Mês de 200X

Versão: 1 Início de Vigência: XX/XX/2005 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº XX, de XX de Mês de 200X Procedimento de Comercialização Versão: 1 Início de Vigência: Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº XX, de XX de Mês de 200X ÍNDICE 1. APROVAÇÃO...3 2. HISTÓRICO DE REVISÕES...3 3. PROCESSO ORIGEM...4

Leia mais

A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A. Módulo 6.8: Bandeiras Tarifárias. S u b m ó d u l o 6. 8

A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A. Módulo 6.8: Bandeiras Tarifárias. S u b m ó d u l o 6. 8 A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A Módulo 6.8: Bandeiras Tarifárias S u b m ó d u l o 6. 8 B A N D E I R A S T A R I F Á R I A S Revisão Motivo da revisão Instrumento de aprovação

Leia mais

Regime de Cotas de Garantia Física. Versão 2013.3.0

Regime de Cotas de Garantia Física. Versão 2013.3.0 Regime de Cotas de Garantia Física ÍNDICE REGIME DE COTAS DE GARANTIA FÍSICA 4 1. Introdução 4 1.1. Lista de Termos 5 1.2. Conceitos Básicos 6 2. Detalhamento das Etapas da Determinação da Receita de Venda

Leia mais

O PREFEITO DE GOIÂNIA, no uso de suas atribuições legais, e CAPÍTULO I DO FUNDO MUNICIPAL DE ESPORTE E LAZER

O PREFEITO DE GOIÂNIA, no uso de suas atribuições legais, e CAPÍTULO I DO FUNDO MUNICIPAL DE ESPORTE E LAZER 1 Gabinete do Prefeito DECRETO Nº 4139, DE 11 DE SETEMBRO DE 2013. Regulamenta o Fundo Municipal de Esporte e Lazer e o Incentivo ao Esporte e Lazer e dá outras providências. O PREFEITO DE GOIÂNIA, no

Leia mais

Associação Matogrossense dos Municípios

Associação Matogrossense dos Municípios RESOLUÇÃO N.º 004/2010 Dispõe sobre a produção de normas e procedimentos para realização de auditorias internas e inspeções na Associação Matogrossense dos Municípios - AMM. A Presidência da Associação

Leia mais

pdc_me_05_versao2 Página 1 de 21 Versão: 2 Início de Vigência: 23.02.2010 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 391, de 22 de fevereiro de 2010

pdc_me_05_versao2 Página 1 de 21 Versão: 2 Início de Vigência: 23.02.2010 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 391, de 22 de fevereiro de 2010 pdc_me_05_versao2 Página 1 de 21 Procedimento de Comercialização Versão: 2 Início de Vigência: Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 391, de 22 de fevereiro de 2010 CÓDIGO ÍNDICE 1. APROVAÇÃO...

Leia mais

EXTRATO DE CONTRATO DE REPRESENTANTE DE SEGUROS

EXTRATO DE CONTRATO DE REPRESENTANTE DE SEGUROS EXTRATO DE CONTRATO DE REPRESENTANTE DE SEGUROS SCHULTZ-INGÁ TURISMO LTDA, pessoa jurídica de direito privado, inscrita no CNPJ/MF sob o n.º 04.628.135/0001-57 com sede na cidade de Curitiba, estado do

Leia mais

DECRETO Nº 15.114,DE 8 DE JANEIRO DE 2013 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

DECRETO Nº 15.114,DE 8 DE JANEIRO DE 2013 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS DECRETO Nº 15.114,DE 8 DE JANEIRO DE 2013 Disciplina a celebração de convênios e operações de crédito com previsão de ingresso de recursos financeiros que beneficiem órgãos e entidades da Administração

Leia mais

CÂMARA DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA - CCEE Módulo 3: Contratação de Energia e Potência. Submódulo 3.5 REAJUSTE DA RECEITA DE VENDA - RRV

CÂMARA DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA - CCEE Módulo 3: Contratação de Energia e Potência. Submódulo 3.5 REAJUSTE DA RECEITA DE VENDA - RRV CÂMARA DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA - Módulo 3: Contratação de Energia e Potência Submódulo 3.5 DE VENDA - RRV CÂMARA DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA - Módulo 3: Contratação de Energia

Leia mais

Política de Exercício de Direito de Voto em Assembléias Gerais

Política de Exercício de Direito de Voto em Assembléias Gerais Política de Exercício de Direito de Voto em Assembléias Gerais Capítulo I: Aplicação e Objeto 1.1. Pelo presente documento, a ARBITRAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA. ( Gestora ) vem, nos termos do Código ANBIMA

Leia mais

ADMINISTRAR VOTOS E CONTRIBUIÇÃO ASSOCIATIVA

ADMINISTRAR VOTOS E CONTRIBUIÇÃO ASSOCIATIVA l Procedimento de Comercialização Versão: 2 Início de Vigência: Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 1497, de 27 de maio de 2010 ÍNDICE 1. APROVAÇÃO... 3 2. HISTÓRICO DE REVISÕES... 3 3. PROCESSO

Leia mais

Serviço Público Federal Conselho Regional de Corretores de Imóveis Estado de São Paulo

Serviço Público Federal Conselho Regional de Corretores de Imóveis Estado de São Paulo ANEXO VI CONCORRÊNCIA Nº. 003/2015 Projeto Básico 1. DO OBJETO 1.1. Objeto: Selecionar a proposta mais vantajosa para a administração, visando â contratação de empresa do ramo na prestação de serviços

Leia mais

VALORA GESTÃO DE INVESTIMENTOS LTDA

VALORA GESTÃO DE INVESTIMENTOS LTDA MANUAL DE GERENCIAMENTO DE LIQUIDEZ VALORA GESTÃO DE INVESTIMENTOS LTDA Elaborado pelo Oficial de Compliance: Misak Pessoa Neto Data: 25/01/2016 Versão: 1.3 1 Sumário 1. Objetivo... 3 2. Princípios Gerais...

Leia mais

D E S C R I Ç Ã O S U M Á R I A D A S A T R I B U I Ç Õ E S

D E S C R I Ç Ã O S U M Á R I A D A S A T R I B U I Ç Õ E S GRUPO 8 Cargo: Cargo Exercido: Nível Analista Analista de Gestão de Riscos, Caixa e Tesouraria I Unidade: PRESIDÊNCIA / SURIC / Gerência de Gestão de Riscos ou SUFIN / Gerências de Gestão de Caixa ou Tesouraria

Leia mais

Regime de Cotas de Garantia Física. Versão 2013.1.2

Regime de Cotas de Garantia Física. Versão 2013.1.2 Regime de Cotas de Garantia Física ÍNDICE REGIME DE COTAS DE GARANTIA FÍSICA 4 1. Introdução 4 1.1. Lista de Termos 5 1.2. Conceitos Básicos 6 2. Detalhamento das Etapas da Determinação da Receita de Venda

Leia mais

Empresa de Transmissão do Alto Uruguai S.A. Demonstrativo das mutações do ativo imobilizado em 31 de dezembro de 2011

Empresa de Transmissão do Alto Uruguai S.A. Demonstrativo das mutações do ativo imobilizado em 31 de dezembro de 2011 Demonstrativo das mutações do ativo imobilizado em 31 de dezembro de 2011 Demonstrativo das mutações do ativo imobilizado Exercício findo em 31 de dezembro de 2011 Conteúdo Relatório dos auditores independentes

Leia mais

Versão: 3 Início de Vigência: 01.10.2008 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 3.042, de 14 de agosto de 2008

Versão: 3 Início de Vigência: 01.10.2008 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 3.042, de 14 de agosto de 2008 Procedimento de Comercialização MANUTENÇÃO DE CADASTRO DE AGENTES DA CCEE E USUÁRIOS DO SCL Versão: 3 Início de Vigência: Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 3.042, de 14 de agosto de 2008 ÍNDICE

Leia mais

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 1009/2012 de 20 de Julho de 2012

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 1009/2012 de 20 de Julho de 2012 VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 1009/2012 de 20 de Julho de 2012 O Decreto Regulamentar n.º 84-A/2007, de 10 de dezembro, alterado pelos Decretos

Leia mais

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Fazenda Departamento Geral de Administração e Finanças TERMO DE REFERÊNCIA

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Fazenda Departamento Geral de Administração e Finanças TERMO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA Código de Classificação: 13.02.01.15 1 DO OBJETO: A presente licitação tem por objeto a contratação de empresa para prestação dos serviços de cobertura securitária (seguro) para assegurar

Leia mais

Ref.: NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA ENCERRAMENTO DO EXERCÍCIO DE 2009

Ref.: NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA ENCERRAMENTO DO EXERCÍCIO DE 2009 Universidade Federal de Minas Gerais Pro - Reitoria de Planejamento e Desenvolvimento Departamento de Contabilidade e Finanças e-mail: dcf@dcf.ufmg.br Tel. (031) 3409-4102 1 OFÍCIO CIRCULAR DCF 028/2009

Leia mais

Exercício do Direito de Voto

Exercício do Direito de Voto Procedimento Exercício do Direito de Voto Data de Efetivação: 01/08/2014 ÍNDICE 1. Sumário... 2 2. Alterações das versões anteriores... 2 3. Escopo... 2 4. Responsabilidades... 2 5. Previsão Regulatória

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 476, DE 16 DE JANEIRO DE 2009.

INSTRUÇÃO CVM Nº 476, DE 16 DE JANEIRO DE 2009. INSTRUÇÃO CVM Nº 476, DE 16 DE JANEIRO DE 2009. Dispõe sobre as ofertas públicas de valores mobiliários distribuídas com esforços restritos e a negociação desses valores mobiliários nos mercados regulamentados.

Leia mais

Assunto: Contabilização do pagamento da Contribuição ao Programa de Integração Social e de Formação do Patrimônio do Servidor Público PIS/PASEP

Assunto: Contabilização do pagamento da Contribuição ao Programa de Integração Social e de Formação do Patrimônio do Servidor Público PIS/PASEP Nota Técnica n 003/2012/GECON Vitória, 08 de Março de 2012. Assunto: Contabilização do pagamento da Contribuição ao Programa de Integração Social e de Formação do Patrimônio do Servidor Público PIS/PASEP

Leia mais

Versão: 3 Início de Vigência: 01.10.2008 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 3.042, de 14 de agosto de 2008

Versão: 3 Início de Vigência: 01.10.2008 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 3.042, de 14 de agosto de 2008 Procedimento de Comercialização Versão: 3 Início de Vigência: Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 3.042, de 14 de agosto de 2008 ÍNDICE 1. APROVAÇÃO... 3 2. HISTÓRICO DE REVISÕES... 3 3. PROCESSO

Leia mais

Empresa de Distribuição de Energia Vale Paranapanema S/A Resultados do 3º trimestre de 2015

Empresa de Distribuição de Energia Vale Paranapanema S/A Resultados do 3º trimestre de 2015 Resultados do 3º trimestre de 2015 São Paulo, 13 de novembro de 2015 A Administração da Empresa de Distribuição de Energia do Vale Paranapanema ( EDEVP ou Companhia ) apresenta os resultados do terceiro

Leia mais

A CBLC atua como contraparte central nas Operações de Empréstimo de Ativos.

A CBLC atua como contraparte central nas Operações de Empréstimo de Ativos. C A P Í T U L O V I - S E R V I Ç O D E E M P R É S T I M O D E A T I V O S - B T C O Serviço de Empréstimo de Ativos da CBLC (BTC) permite: O registro de ofertas e o fechamento de Operações contra as

Leia mais

Versão: 2 Início de Vigência: 27.11.2006 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 2.773, de 27 de novembro de 2006

Versão: 2 Início de Vigência: 27.11.2006 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 2.773, de 27 de novembro de 2006 Procedimento de Comercialização Versão: 2 Início de Vigência: Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 2.773, de 27 de novembro de 2006 ÍNDICE 1. APROVAÇÃO... 3 2. HISTÓRICO DE REVISÕES... 3 3. PROCESSO

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PROCEDIMENTO DE CONTABILIDADE

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PROCEDIMENTO DE CONTABILIDADE 6/06/205 PCO-0. INTRODUÇÃO O Manual de tem por objetivo estabelecer procedimento para registro e análise das informações contábeis, bem como, a elaboração e divulgação das Demonstrações Financeiras da

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº, DE DE DE 2012

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº, DE DE DE 2012 ANEXO À RESOLUÇÃO Nº, DE DE DE 2012 PROCEDIMENTOS PARA LICENCIAMENTO DE ESTAÇÕES DE RADIOCOMUNICAÇÃO ASSOCIADAS À PRESTAÇÃO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO DESTINADO AO USO DO PÚBLICO EM GERAL - STFC

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE DECRETO Nº 22.561, DE 10 DE FEVEREIRO DE 2012.

RIO GRANDE DO NORTE DECRETO Nº 22.561, DE 10 DE FEVEREIRO DE 2012. RIO GRANDE DO NORTE DECRETO Nº 22.561, DE 10 DE FEVEREIRO DE 2012. Fixa normas para a execução orçamentária e financeira do exercício de 2012 e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO RIO GRANDE

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA FUNDO DE BOLSA DE MANUTENÇÃO PARA EX-ALUNOS DOS COLÉGIOS EMBRAER

REGULAMENTO DO PROGRAMA FUNDO DE BOLSA DE MANUTENÇÃO PARA EX-ALUNOS DOS COLÉGIOS EMBRAER REGULAMENTO DO PROGRAMA FUNDO DE BOLSA DE MANUTENÇÃO PARA EX-ALUNOS DOS COLÉGIOS EMBRAER Este regulamento estabelece as disposições gerais que regem o Programa Fundo de Bolsa de Manutenção para ex-alunos

Leia mais

CONSTITUIÇÃO FEDERAL 1988

CONSTITUIÇÃO FEDERAL 1988 MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL MPS SECRETARIA DE POLÍTICAS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL SPPS DEPARTAMENTO DOS REGIMES DE PREVIDÊNCIA NO SERVIÇO PÚBLICO DRPSP COORDENAÇÃO-GERAL DE AUDITORIA, ATUÁRIA, CONTABILIDADE

Leia mais

REQUERIMENTO Nº 139/2013

REQUERIMENTO Nº 139/2013 CÂMARA MUNICIPAL DE ESTEIO GABINETE DO VEREADOR LEONARDO PASCOAL RUA 24 DE AGOSTO, 535, CENTRO, SALA 06 3º ANDAR CEP: 93280-000 - ESTEIO - RS TELEFONE (51) 3458-5015 - FAX (51) 3458-3366 E-MAIL: contato@leonardopascoal.com.br

Leia mais

A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A. S u b m ó d u l o 10. 2

A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A. S u b m ó d u l o 10. 2 A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A Módulo 10: Ordem e Condições de Realização dos Processos Tarifários e Requisitos de Informações e Obrigações Periódicas S u b m ó d u l o

Leia mais

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO 1 APRESENTAÇÃO As exposições sujeitas ao risco de crédito são grande parte dos ativos da COOPERFEMSA, por isso, o gerenciamento do risco dessas exposições é fundamental para que os objetivos da Cooperativa

Leia mais

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLEIA

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLEIA POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLEIA Conformidade ao Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas para os Fundos de Investimento Versão 2015/2 Editada em novembro de 2015 SUMÁRIO 1.

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO EXERCICIO DE 2013 (Valores expressos em R$ mil)

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO EXERCICIO DE 2013 (Valores expressos em R$ mil) COOPERATIVA CENTRAL DE CRÉDITO URBANO - CECRED CNPJ: 05.463.212/0001-29 Rua Frei Estanislau Schaette, 1201 - B. Água Verde - Blumenau/SC NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO EXERCICIO DE

Leia mais

Política de Contas a Pagar

Política de Contas a Pagar T Política de Contas a Pagar 1 1. ABRANGÊNCIA 1.1 Todas as áreas administrativas da empresa responsáveis por aquisições/contratações de produtos e/ou serviços, conforme deliberação e aprovação dos sócios

Leia mais

COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MÚTUO ALIANÇA COOPERNITRO C.N.P.J. n.º 52.935.442/0001-23

COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MÚTUO ALIANÇA COOPERNITRO C.N.P.J. n.º 52.935.442/0001-23 COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MÚTUO ALIANÇA COOPERNITRO C.N.P.J. n.º 52.935.442/0001-23 ATIVO BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 (Em Milhares de Reais) CIRCULANTE 2.239 2.629 DISPONIBILIDADES

Leia mais

MANUAL CONTRATAÇÃO DE EVENTOS PRÉ EVENTO A) ELABORAÇÃO DA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA E TRÂMITES PARA CONTRATAÇÃO DA EMPRESA

MANUAL CONTRATAÇÃO DE EVENTOS PRÉ EVENTO A) ELABORAÇÃO DA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA E TRÂMITES PARA CONTRATAÇÃO DA EMPRESA MANUAL CONTRATAÇÃO DE EVENTOS PRÉ EVENTO A) ELABORAÇÃO DA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA E TRÂMITES PARA CONTRATAÇÃO DA EMPRESA 1) Reunião Prévia (Responsável: Secretaria Demandante) Solicitação de Contratação,

Leia mais

Versão: 3 Início de Vigência: xx.xx.2006 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nºxxxx, de xxx de xxxxx de 2006

Versão: 3 Início de Vigência: xx.xx.2006 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nºxxxx, de xxx de xxxxx de 2006 Procedimento de Comercialização Versão: 3 Início de Vigência: xx.xx.2006 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nºxxxx, de xxx de xxxxx de 2006 ÍNDICE 1. APROVAÇÃO...3 2. HISTÓRICO DE REVISÕES...3 3.

Leia mais

CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL POR EXPERIÊNCIA DE ADMINISTRADORES. DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES Fluxo e Detalhamento

CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL POR EXPERIÊNCIA DE ADMINISTRADORES. DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES Fluxo e Detalhamento CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL POR EXPERIÊNCIA DE ADMINISTRADORES DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES Fluxo e Detalhamento ICSS 2013 1 2 Índice 1 FLUXO DO PROCESO DE CERTIFICAÇÃO POR EXPERIÊNCIA... 4 2 DETALHAMENTO DO

Leia mais

MANUAL PARA REGISTRO DE CERTIFICADO DE DEPÓSITO DE VALORES MOBILIÁRIOS - BDR NÍVEL I NÃO PATROCINADO

MANUAL PARA REGISTRO DE CERTIFICADO DE DEPÓSITO DE VALORES MOBILIÁRIOS - BDR NÍVEL I NÃO PATROCINADO MANUAL PARA REGISTRO DE CERTIFICADO DE DEPÓSITO DE VALORES MOBILIÁRIOS - BDR NÍVEL I NÃO PATROCINADO Artigo 1º. Para registro do Certificado de Depósito de Valores Mobiliários - BDR Nível I Não Patrocinado

Leia mais

ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011

ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011 SUR - REDE UNIVERSITÁRIA DE DIREITOS HUMANOS QUADRO I - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO Nota Nota ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011 CIRCULANTE CIRCULANTE Caixa e equivalentes

Leia mais

Art. 2º. Fazer publicar esta Portaria em Boletim de Serviço, revogando-se a Portaria 577/05-R, de 05 de dezembro de 2005.

Art. 2º. Fazer publicar esta Portaria em Boletim de Serviço, revogando-se a Portaria 577/05-R, de 05 de dezembro de 2005. PORTARIA 328/R-06 DE 22 DE JUNHO DE 2006. O REITOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE, no uso da competência que lhe foi atribuída pelo artigo 39, inciso XX, do Regimento Geral da UFRN; CONSIDERANDO

Leia mais

DECRETO Nº 12.069, DE 13 DE JANEIRO DE 2010.

DECRETO Nº 12.069, DE 13 DE JANEIRO DE 2010. 1 DECRETO Nº 12.069, DE 13 DE JANEIRO DE 2010. INSTITUI E REGULAMENTA A DECLARAÇÃO MENSAL DE SERVIÇO DE INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS - DMS-IF E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Prefeito do Município de Uberlândia,

Leia mais

Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Petrobrás (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 de

Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Petrobrás (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 de Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Petrobrás Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 de setembro de 2003 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes Aos

Leia mais

5. Em 20/11/2013, a Superintendência de Econômica e Financeira SFF emitiu nota técnica 2 sobre o assunto.

5. Em 20/11/2013, a Superintendência de Econômica e Financeira SFF emitiu nota técnica 2 sobre o assunto. VOTO PROCESSO: 48500.003345/2013-33 INTERESSADO: Concessionárias de Distribuição de Energia Elétrica. RELATOR: Diretor José Jurhosa Júnior. RESPONSÁVEL: ASSESSORIA DA DIRETORIA. ASSUNTO: Devolução de recursos

Leia mais

Comitês do Banco BMG. Comitês Existentes

Comitês do Banco BMG. Comitês Existentes Comitês do Banco BMG Introdução Os Comitês representam coletivamente os interesses do Banco BMG, nos diversos segmentos de sua organização. É política do Banco BMG, manter o controle permanente de seus

Leia mais

Inepar Telecomunicações S.A. Demonstrações Contábeis em 31 de dezembro de 2008 e 2007

Inepar Telecomunicações S.A. Demonstrações Contábeis em 31 de dezembro de 2008 e 2007 80 Inepar Telecomunicações S.A. Demonstrações Contábeis em 31 de dezembro de 2008 e 2007 Parecer dos Auditores Independentes 81 Aos Acionistas da Inepar Telecomunicações S.A Curitiba - PR 1. Examinamos

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VIANA

PREFEITURA MUNICIPAL DE VIANA INSTRUÇÃO NORMATIVA SJU Nº 02/2014 Versão: 01 Data da Aprovação: 31/03/2014 Ato de Aprovação: Decreto Municipal Nº 075/2014 Unidade Responsável: Procuradoria Geral. I - FINALIDADE: A presente Instrução

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE ANÁPOLIS-CMDCA

CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE ANÁPOLIS-CMDCA CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE ANÁPOLIS-CMDCA RESOLUÇÃO Nº. 007/11, de 29 DE NOVEMBRO DE 2011. Dispõe sobre a Captação de Recursos através do Fundo da Infância e Adolescência

Leia mais

PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES SEM RESSALVA

PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES SEM RESSALVA PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES SEM RESSALVA Aos administradores, conselheiros e participantes Fundo de Pensão Multipatrocinado da Ordem dos Advogados do Brasil, Seção do Paraná e da Caixa de Assistência

Leia mais

a) MORTE POR ACIDENTE Garante aos beneficiários do segurado o pagamento do valor do capital contratado;

a) MORTE POR ACIDENTE Garante aos beneficiários do segurado o pagamento do valor do capital contratado; TERMO DE REFERÊNCIA Código de Classificação: 13.02.01.15 1 DO OBJETO: A presente licitação tem por objeto a contratação de empresa para prestação dos serviços de cobertura securitária (seguro) para assegurar

Leia mais

28. Câmbio. 1. Escrituração. 2. Disponibilidades em Moedas Estrangeiras

28. Câmbio. 1. Escrituração. 2. Disponibilidades em Moedas Estrangeiras TÍTULO : PLANO CONTÁBIL DAS INSTITUIÇÕES DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - COSIF 1 28. Câmbio 1. Escrituração 1 - Sempre que o ato ou fato administrativo envolver outra moeda além da moeda nacional, a escrituração

Leia mais

MANUAL DE NEGOCIAÇÃO E INTERMEDIAÇÃO DE OPERAÇÕES

MANUAL DE NEGOCIAÇÃO E INTERMEDIAÇÃO DE OPERAÇÕES 1. OBJETIVO MANUAL DE NEGOCIAÇÃO E INTERMEDIAÇÃO DE OPERAÇÕES O objetivo deste manual é servir de referência para demonstrar o funcionamento operacional dos serviços da Orla DTVM, relativo à sua mesa de

Leia mais

Prefeitura Municipal de Catanduva Banco Interamericano de Desenvolvimento. Programa de Desenvolvimento Urbano Integrado de Catanduva

Prefeitura Municipal de Catanduva Banco Interamericano de Desenvolvimento. Programa de Desenvolvimento Urbano Integrado de Catanduva Prefeitura Municipal de Catanduva Banco Interamericano de Desenvolvimento Programa de Desenvolvimento Urbano Integrado de Catanduva ESTRUTURA DE ORGANIZACIONAL DO PROGRAMA O esquema organizacional do Programa,

Leia mais

Art. 3º Para efeito deste Regulamento são adotadas as seguintes definições:

Art. 3º Para efeito deste Regulamento são adotadas as seguintes definições: Portaria SES-RS nº 767 DE 13/08/2015 Norma Estadual - Rio Grande do Sul Publicado no DOE em 26 ago 2015 Aprova os critérios e procedimentos para o recolhimento de alimentos, inclusive in natura, bebidas

Leia mais

Submódulo 1.1 Adesão à CCEE. Módulo 6 Penalidades. Submódulo 6.2 Notificação e gestão do pagamento de penalidades

Submódulo 1.1 Adesão à CCEE. Módulo 6 Penalidades. Submódulo 6.2 Notificação e gestão do pagamento de penalidades Submódulo 1.1 Adesão à CCEE Módulo 6 Penalidades Submódulo 6.2 Notificação e gestão do Revisão 1.0 Vigência 16/10/2012 1 Submódulo 6.2 Notificação e gestão do ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO 3. PREMISSAS

Leia mais

PORTARIA CNMP-PRESI Nº 241, DE 15 DE AGOSTO DE 2013.

PORTARIA CNMP-PRESI Nº 241, DE 15 DE AGOSTO DE 2013. PORTARIA CNMP-PRESI Nº 241, DE 15 DE AGOSTO DE 2013. Aprova o Regimento Interno da Auditoria Interna do Conselho Nacional do Ministério Público. O PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO,

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DAS FUNÇÕES GRATIFICADAS

ATRIBUIÇÕES DAS FUNÇÕES GRATIFICADAS ATRIBUIÇÕES DAS FUNÇÕES GRATIFICADAS ASSESSORIA DE IMPRENSA: Função GERENTE. Assessorar a Diretoria da Ceasa; Promover e divulgar notícias relacionadas a Ceasa; Estreitar o relacionamento da mídia com

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE COMPRAS, CONTRATAÇÃO DE OBRAS E SERVIÇOS E AQUISIÇÃO DE BENS COM EMPREGO DE RECURSOS PROVENIENTES DO PODER PÚBLICO

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE COMPRAS, CONTRATAÇÃO DE OBRAS E SERVIÇOS E AQUISIÇÃO DE BENS COM EMPREGO DE RECURSOS PROVENIENTES DO PODER PÚBLICO REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE COMPRAS, CONTRATAÇÃO DE OBRAS E SERVIÇOS E AQUISIÇÃO DE BENS COM EMPREGO DE RECURSOS PROVENIENTES DO PODER PÚBLICO CAPÍTULO I DA INTRODUÇÃO Art. 1º - O presente regulamento

Leia mais

<&0?24}66n& t.yyac 09itzca!& Xeatôpa>

<&0?24}66n& t.yyac 09itzca!& Xeatôpa> Poder Judiciário INSTRUÇÃO NORMATIVA 6 4 DE 7 DE ABRIL DE 2015 Dispõe sobre projetos institucionais no âmbito do Conselho Nacional de Justiça. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

CAPÍTULO III - DA COMPOSIÇÃO E DIVERSIFICAÇÃO DA CARTEIRA DO FUNDO

CAPÍTULO III - DA COMPOSIÇÃO E DIVERSIFICAÇÃO DA CARTEIRA DO FUNDO CAPÍTULO I - DO FUNDO Artigo 1º O CAIXA FUNDO MÚTUO DE PRIVATIZAÇÃO FGTS PETROBRAS IV CAIXA FMP FGTS PETROBRAS IV, doravante designado, abreviadamente, FUNDO, é uma comunhão de recursos, constituído sob

Leia mais

CHECKLIST CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE RECURSOS FEDERAIS

CHECKLIST CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE RECURSOS FEDERAIS CHECKLIST CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE RECURSOS FEDERAIS VERIFICAÇÕES PRELIMINARES Art. 3, caput e 1 ; 1. O objeto do convênio ou contrato de repasse guarda relação com a atividade do convenente? 2.

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO PARANÁ

TRIBUNAL DE CONTAS DO PARANÁ TRIBUNAL DE CONTAS DO PARANÁ DIRETORIA DE CONTAS MUNICIPAIS Prestação de Contas de Empresas Públicas e Sociedades de Economia Mista Municipais Prestação de Contas Anual Instrução Normativa n 22/2008 INSTRUÇÃO

Leia mais

DECRETO Nº 980, DE 16 DE ABRIL DE 2012

DECRETO Nº 980, DE 16 DE ABRIL DE 2012 DECRETO Nº 980, DE 16 DE ABRIL DE 2012 Regulamenta o Fundo Municipal dos Direitos do Idoso. O Prefeito Municipal de São José dos Pinhais, Estado do Paraná, usando de suas atribuições legais, e de acordo

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 068/2011 COPEL DISTRIBUIÇÃO S/A

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 068/2011 COPEL DISTRIBUIÇÃO S/A CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 068/2011 COPEL DISTRIBUIÇÃO S/A AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 068/2011: Contribuições de 30/11/2011 a 30/12/2011 EMENTA:

Leia mais

Procedimento Operacional N⁰ do procedimento: PO 008

Procedimento Operacional N⁰ do procedimento: PO 008 1/5 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Elaboração inicial do documento 01 Inclusão da AP como de uso restrito e interno da SINER e revisão das responsabilidades do Responsável pelo Projeto. 02 Melhoria

Leia mais

2. DO PRAZO CONTRATUAL

2. DO PRAZO CONTRATUAL TERMO DE REFERÊNCIA OBJETIVANDO A CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA FORNECIMENTO DE BALDES DE CLORO GRANULADO PARA A MANUTENÇÃO E CONSERVAÇÃO DOS ESPELHOS D ÁGUA DO MUSEU DO AMANHÃ. JUSTIFICATIVA O Museu do

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas ATIVO 2014 2013 Explicativas CIRCULANTE 11.363 8.987 Disponibilidades 30 37 Relações Interfinanceiras / Aplicações R.F. 4 8.069 6.136 Operações de Crédito

Leia mais

Instruções para Cotação Eletrônica 152/2014

Instruções para Cotação Eletrônica 152/2014 Instruções para Cotação Eletrônica 152/2014 (Inciso II do Art. 24 da Lei nº 8.666/93 c/c Portaria nº 306, de 13 de dezembro de 2001). A União, por intermédio do Instituto Nacional de Câncer José Alencar

Leia mais

Fator Veritá Fundo de Investimento Imobiliário (Administrado pelo Banco Fator S.A.)

Fator Veritá Fundo de Investimento Imobiliário (Administrado pelo Banco Fator S.A.) Fator Veritá Fundo de Investimento Imobiliário Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2011 e Relatório dos Auditores Independentes CNPJ 11.664.201/0001-00 Deloitte

Leia mais

PROJETO DE INTEGRAÇÃO DAS CLEARINGS FASE 2

PROJETO DE INTEGRAÇÃO DAS CLEARINGS FASE 2 PROJETO DE INTEGRAÇÃO DAS CLEARINGS FASE 2 Workshop Empréstimo de Ativos 31/08/2015 Clearing de Renda Variável e Renda Fixa Privada A implantação da Fase 2 do Projeto de Integração das Clearings depende

Leia mais

pdc_me_05 Página 1 de 28 Versão: 1 Início de Vigência: 11.03.2008 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 934, de 07 de março de 2008.

pdc_me_05 Página 1 de 28 Versão: 1 Início de Vigência: 11.03.2008 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 934, de 07 de março de 2008. pdc_me_05 Página 1 de 28 Procedimento de Comercialização Versão: 1 Início de Vigência: Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 934, de 07 de março de 2008. CÂMARA DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

Leia mais

1. INTRODUÇÃO... 2. 1.1. Área Responsável... 2. 1.2. Base Legal... 2. 1.3. Abrangência... 2. 1.4. Objetivo... 2

1. INTRODUÇÃO... 2. 1.1. Área Responsável... 2. 1.2. Base Legal... 2. 1.3. Abrangência... 2. 1.4. Objetivo... 2 Orientação para o envio dos Relatórios da Auditoria Contábil Independente 13/julho/2015 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 2 1.1. Área Responsável... 2 1.2. Base Legal... 2 1.3. Abrangência... 2 1.4. Objetivo...

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N 71, de 11 de dezembro de 1998.

CIRCULAR SUSEP N 71, de 11 de dezembro de 1998. CIRCULAR SUSEP N 71, de 11 de dezembro de 1998. Dispõe sobre a operação dos contratos previdenciários dos planos coletivos que tenham por finalidade a concessão de benefícios a pessoas físicas vinculadas

Leia mais

RESOLUÇÃO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO (CONSUNI) N.º 03/2011

RESOLUÇÃO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO (CONSUNI) N.º 03/2011 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS RESOLUÇÃO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO (CONSUNI) N.º 03/2011 Dispõe sobre as normas gerais para a celebração de contratos ou convênios da Universidade

Leia mais

Política de Gerenciamento de Capital

Política de Gerenciamento de Capital 1 / 6 Sumário 1. OBJETIVO... 2 2. APLICAÇÃO... 2 3. ABREVIATURAS E DEFINIÇÕES GERAIS... 2 4. DESCRIÇÃO... 2 4.1. Conceito... 2 4.2. Politica... 3 4.3. Estrutura... 3 4.4. Responsabilidades... 3 5. ANEXOS...

Leia mais

Política de Gestão de Risco Financeiro

Política de Gestão de Risco Financeiro Política de Gestão de Risco Financeiro Índice Introdução... 2 Objetivos... 2 Atribuições... 3 Descrição dos riscos financeiros... 4 Exposição às flutuações das taxas de juros... 4 Exposição às variações

Leia mais

Coordenação-Geral de Monitoramento Contábil CGMC/PREVIC ANBIMA

Coordenação-Geral de Monitoramento Contábil CGMC/PREVIC ANBIMA Coordenação-Geral de Monitoramento Contábil CGMC/PREVIC ANBIMA Brasília, 29 de novembro de 2011 1 Sistema de Previdência Complementar instituído pela Lei 6.435/77 e Decreto 81.240/78; normatizar e disciplinar

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO CUNI Nº 024, DE 8 DE MAIO DE 2012 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS, no uso de suas atribuições

Leia mais

REF.: RELATÓRIO TRIMESTRAL DO FIDC ANGÁ SABEMI CONSIGNADOS IV (CNPJ: 22.945.746/0001-00) - PERÍODO ENCERRADO EM 30/09/2015.

REF.: RELATÓRIO TRIMESTRAL DO FIDC ANGÁ SABEMI CONSIGNADOS IV (CNPJ: 22.945.746/0001-00) - PERÍODO ENCERRADO EM 30/09/2015. São Paulo, 16 de novembro de 215. À Comissão de es Mobiliários ( CVM ) Gerência de Acompanhamento de Fundos Estruturados - GIE Rua Sete de Setembro, 111 3º andar 2159-9 - Rio de Janeiro - RJ REF.: RELATÓRIO

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.235. Documento normativo revogado pela Circular nº 3.248, de 29/7/2004.

CIRCULAR Nº 3.235. Documento normativo revogado pela Circular nº 3.248, de 29/7/2004. CIRCULAR Nº 3.235 Documento normativo revogado pela Circular nº 3.248, de 29/7/2004. Dispõe sobre a transferência de recursos de que tratam os arts. 3º e 8º da Lei 9.311, de 1996, e o art. 85 do Ato das

Leia mais

CAPÍTULO XI FINANÇAS

CAPÍTULO XI FINANÇAS CAPÍTULO XI FINANÇAS A. INVESTIMENTO DOS FUNDOS DA ASSOCIAÇÃO As decisões referentes aos investimentos da associação deverão tomar como base as declarações sobre normas de investimentos para o Fundo Geral

Leia mais

Não Aceita 4. Contribuições Recebidas Contribuição: ABRADEE Justificativa Avaliação ANEEL: Parcialmente Aceita Art. 1º

Não Aceita 4. Contribuições Recebidas Contribuição: ABRADEE Justificativa Avaliação ANEEL: Parcialmente Aceita Art. 1º COMPLEMENTO AO Anexo I da Nota Técnica n o Nota Técnica no 077/2015-SRM-SRD-SRG-SGT-SFF-SCG/ANEEL de 08/05/2015 (Análise de contribuições que não constaram do RAC Minuta de Resolução, Anexo I da NT 08/05/2015)

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO DIRETORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE PROJETOS EDUCACIONAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO DIRETORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE PROJETOS EDUCACIONAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO DIRETORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE PROJETOS EDUCACIONAIS EDITAL Nº 001/14 PROEN/DE, de 17 de fevereiro de 2014. PROGRAMA

Leia mais

LEI DELEGADA Nº 15, DE 18 DE MARÇO DE 2003.

LEI DELEGADA Nº 15, DE 18 DE MARÇO DE 2003. ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR LEI DELEGADA Nº 15, DE 18 DE MARÇO DE 2003. DISPÕE SOBRE A ESTRUTURA DA CONTROLADORIA GERAL DO ESTADO CGE, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O GOVERNADOR DO ESTADO DE ALAGOAS

Leia mais

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS PARA FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS PARA FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS PARA FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO (Política de Voto para FII) SOMENTE PARA USO INTERNO Este material foi elaborado pela Leste Administração

Leia mais

1. OBJETIVO Este documento tem por objetivo, estabelecer um padrão para a emissão dos relatórios anuais com base na NR 7.

1. OBJETIVO Este documento tem por objetivo, estabelecer um padrão para a emissão dos relatórios anuais com base na NR 7. 1/5 1. OBJETIVO Este documento tem por objetivo, estabelecer um padrão para a emissão dos relatórios anuais com base na NR 7. 2. DEFINIÇÃO E CONCEITO PCMSO Programa de controle médico da saúde ocupacional;

Leia mais

O Regulamento Operacional é de cumprimento obrigatório das seguintes partes envolvidas: I) Agente da CCEE

O Regulamento Operacional é de cumprimento obrigatório das seguintes partes envolvidas: I) Agente da CCEE REGULAMENTO OPERACIONAL VINCULADO AO PdC LF 01 1) OBJETIVO DO REGULAMENTO Este Regulamento foi elaborado conjuntamente pela Câmara de Comercialização de Energia Elétrica CCEE e Banco Bradesco S/A (Agente

Leia mais

CAERN. Descrição de Perfis

CAERN. Descrição de Perfis 4 Nível: Médio/Técnico Reporte: Coordenador Sumário Realizar atividades administrativas de acordo com as necessidades da área, com as normas e procedimentos da empresa, visando garantir a eficiência dos

Leia mais

4º Trimestre 2013 1 / 15

4º Trimestre 2013 1 / 15 Divulgação das informações de Gestão de Riscos, Patrimônio de Referência Exigido e Adequação do Patrimônio de Referência. (Circular BACEN nº 3.477/2009) 4º Trimestre 2013 Relatório aprovado na reunião

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatório de Gerenciamento de Riscos Estrutura de Gerenciamento de Capital Informações Adicionais e Dados Quantitativos Agosto/2013 1 Estrutura de Gerenciamento de Capital 1. Comitê de Gestão do Capital

Leia mais

PORTARIA Nº 835 de 2 de abril de 2013

PORTARIA Nº 835 de 2 de abril de 2013 PORTARIA Nº 835 de 2 de abril de 2013 A Reitora da, Profª. Drª. Soraya Soubhi Smaili, considerando a decisão do Conselho Universitário em sua reunião ordinária de 13 de março de 2013, no uso de suas atribuições

Leia mais

GNACS processo de trabalho RELATÓRIO DE AUDITORIA

GNACS processo de trabalho RELATÓRIO DE AUDITORIA GNACS processo de trabalho RELATÓRIO DE AUDITORIA 2013 Metodologia DONABEDIAN Avedis Donabedian entendia cuidado de saúde de forma sistêmica e desenvolveu um quadro conceitual para o entendimento da avaliação

Leia mais

INSTRUÇÃO ADMINISTRATIVA Nº 01/2006, ATUALIZADA EM 7 DE FEVEREIRO 2012

INSTRUÇÃO ADMINISTRATIVA Nº 01/2006, ATUALIZADA EM 7 DE FEVEREIRO 2012 INSTRUÇÃO ADMINISTRATIVA Nº 01/2006, ATUALIZADA EM 7 DE FEVEREIRO 2012 REGRAS E CRITÉRIOS PARA O FUNCIONAMENTO DAS OPERAÇÕES DE CONTAS A PAGAR ATRAVÉS DA FADEX TERESINA PI, FEVEREIRO DE 2012 INSTRUÇÃO

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE. Deliberação nº 1.100/2014 DS/CMDCA

CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE. Deliberação nº 1.100/2014 DS/CMDCA CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Deliberação nº 1.100/2014 DS/CMDCA Dispõe sobre a Autorização para Captação de Recursos Financeiros para o Fundo Municipal para Atendimento dos

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL 1. FINALIDADE 1.1. Este Regulamento tem por finalidade disciplinar as concessões de empréstimos aos Participantes do Plano de Benefícios JMalucelli, administrado pelo

Leia mais