Versão: 3 Início de Vigência: Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 3.042, de 14 de agosto de 2008

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Versão: 3 Início de Vigência: 01.10.2008 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 3.042, de 14 de agosto de 2008"

Transcrição

1 Procedimento de Comercialização Versão: 3 Início de Vigência: Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 3.042, de 14 de agosto de 2008

2 ÍNDICE 1. APROVAÇÃO HISTÓRICO DE REVISÕES PROCESSO ORIGEM E DO PROCEDIMENTO DE COMERCIALIZAÇÃO PÚBLICO ALVO OBJETIVO ASPECTOS LEGAIS E REGULATÓRIOS LISTA DE TERMOS FERRAMENTAS DE SUPORTE PREMISSAS FLUXOGRAMA MATRIZ DE OPERACIONALIZAÇÃO CRONOGRAMA GERAL ANEXOS pdc_me_01_v3_out_versao3 Página 2 de 32

3 1. APROVAÇÃO Início de Vigência do Procedimento de Comercialização: Aprovado pelo Despacho ANEEL nº 3.042, de 14 de agosto de HISTÓRICO DE REVISÕES Versão Elaborada versão inicial do documento. Versão As definições dos termos e expressões utilizadas neste Procedimento de Comercialização são encontradas no PdC Glossário de Termos da CCEE. Adequação do processo de transferência de Dados de do SCDE para o estabelecido na Premissa Novas disponibilizações do Relatório ME 006 no MS + 5du e no MS + 12du. O ajuste de dados de medição contempla novo o período: de MS+10du até MS+11du. Para efeito de pagamento de Encargo de Compensação Síncrona serão considerados, em intervalos de 5 minutos. Alteração do nome do PdC para adequação à Cadeia de Valor e à finalidade do mesmo, cujo principal objetivo é registrar no os dados de medição transferidos do SCDE, bem como deixar claro a que ambiente se refere este Procedimento (). Adaptação para a impossibilidade de os Agentes ajustarem diretamente as medidas coletadas pelo SCDE. pdc_me_01_v3_out_versao3 Página 3 de 32

4 3. PROCESSO ORIGEM Macro Processo: Registrar Dados de no 4. E DO PROCEDIMENTO DE COMERCIALIZAÇÃO Registrar Dados de no ME PÚBLICO ALVO 5.1. Agente de 5.2. Superintendência da CCEE 6. OBJETIVO Estabelecer os procedimentos necessários ao Registro, Ajuste e Estimativa de Dados de no, considerando todos os pontos de medição do Sistema Interligado Nacional (SIN), desde que de interesse para o Processo de Contabilização na CCEE. pdc_me_01_v3_out_versao3 Página 4 de 32

5 7. ASPECTOS LEGAIS E REGULATÓRIOS 7.1. Lei nº 9.427, de 26 de dezembro de 1996 Institui a Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), disciplina o regime das concessões de serviços públicos de energia elétrica, e dá outras providências Lei nº , de 15 de março de 2004 Dispõe sobre a comercialização de energia elétrica, altera as Leis nºs 5.665, de 20 de maio de 1971, 8.631, de 4 de março de 1993, 9.074, de 7 de julho de 1995, 9.427, de 26 de dezembro de 1996, 9.478, de 6 de agosto de 1997, 9.648, de 27 de maio de 1998, 9.991, de 24 de julho de 2000, , de 26 de abril de 2002, e dá outras providências Decreto nº 5.163, de 30 de julho de 2004 Regulamenta a comercialização de energia elétrica, o processo de outorga de concessões e de autorizações de geração de energia elétrica, e dá outras providências Decreto nº 5.177, de 12 de agosto de 2004 Regulamenta os arts. 4º e 5º da Lei nº , de 15 de março de 2004, e dispõe sobre a organização, as atribuições e o funcionamento da CCEE Resolução Normativa ANEEL nº 109, de 26 de outubro de 2004 Institui a Convenção de Comercialização de Energia Elétrica Resolução Normativa ANEEL nº 251, de 13 de fevereiro de 2007 Altera dispositivos da Resolução nº 265, de 10 de junho de 2003, que estabelece os procedimentos para prestação de serviços ancilares de geração, e dá outras providências Resolução Normativa ANEEL nº 247, de 21 de dezembro de 2006 Estabelece as condições para a comercialização de energia elétrica, oriunda de empreendimentos de geração que utilizem fontes primárias incentivadas, com unidade ou conjunto de unidades consumidoras cuja carga seja maior ou igual a 500 kw e dá outras providências Resolução Normativa ANEEL nº 248, de 23 de janeiro de 2007 Altera dispositivos da Resolução Normativa nº 67, de 8 de junho de 2004, bem como da Resolução nº 281, de 1º de outubro de 1999, e dá outras providências Resolução Normativa nº 260, de 03 de abril de Altera dispositivos da Convenção de Comercialização de Energia Elétrica - CCEE, instituída pela Resolução Normativa ANEEL 109 de , que estabeleceu a estrutura e a forma de funcionamento da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica - CCEE Resolução Normativa nº 263, de 17 de abril de Altera o parágrafo único do art. 1º, bem como o art. 22 do Anexo da Resolução Normativa ANEEL 109 de , que instituiu a Convenção de Comercialização de Energia Elétrica, referente ao funcionamento da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica - CCEE Lei nº , de 15 de junho de Cria o Regime Especial de Incentivos para o Desenvolvimento da Infra-Estrutura - REIDI; reduz para 24 (vinte e quatro) meses o prazo mínimo para utilização dos créditos da Contribuição para o PIS/Pasep e da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social - COFINS decorrentes da aquisição de edificações; amplia o prazo para pagamento de impostos e contribuições; altera a Medida Provisória no , de 24 de agosto de 2001, e as Leis nos 9.779, de 19 de janeiro de 1999, 8.212, de 24 de julho de 1991, , de 8 de maio de 2003, , de 30 de dezembro de 2002, 4.502, de 30 de novembro de 1964, 9.430, de 27 de dezembro de 1996, , de 24 de abril de 2002, , de 29 de dezembro de 2003, , de 13 de julho de 2004, 9.074, de 7 de julho de 1995, 9.427, de 26 de dezembro de 1996, , de 26 de abril de 2002, , de 15 de março de 2004, , de 30 de abril de 2004, , de 23 de julho de 2004, , de 21 de novembro de 2005; revoga dispositivos das Leis nos 4.502, de 30 de novembro de 1964, 9.430, de 27 de dezembro de 1996, e do Decreto- Lei no 1.593, de 21 de dezembro de 1977; e dá outras providências Decreto nº 6.210, de 18 de setembro de Altera dispositivos do Decreto nº 5.163, de 30 de julho de 2004, que regulamenta a comercialização de energia elétrica, o processo de outorga de concessões e de autorizações de geração de energia elétrica, define demanda mínima por unidade de consumo para a equiparação de consumidor a autoprodutor, e dá outras providências. pdc_me_01_v3_out_versao3 Página 5 de 32

6 7.13. Resolução Normativa ANEEL nº 286, de 06 de novembro de Aprova as Regras de Comercialização de Energia Elétrica aplicáveis a fontes incentivadas e consumidores especiais, de que trata a Resolução Normativa nº 247, de 21 de dezembro de Resolução Normativa ANEEL nº 293, de 04 de dezembro de Aprova as Regras de Comercialização de Energia Elétrica, versão 2008, de que trata a Convenção de Comercialização de Energia Elétrica instituída pela Resolução Normativa nº 109, de 26 de outubro de 2004, e dá outras providências Decreto nº 6.353, de 16 de janeiro de 2008 Regulamenta a contratação de energia de reserva de que trata o 3º do art.3º A da Lei , de 15 de março de 2004, mediante leilões a serem promovidos pela ANEEL, direta ou indiretamente, conforme diretrizes do Ministério de Minas e Energia MME, bem como altera o art. 44 do Decreto nº 5.163, de 30 de junho de 2004 e o art. 2º do Decreto nº 5.177, de 12 de agosto de 2004, e dá outras providências. 8. LISTA DE TERMOS Este Procedimento de Comercialização utiliza os seguintes termos e expressões, cujas definições são encontradas no PdC Glossário de Termos da CCEE. Agente da CCEE ou Agente Agente de Agente(s) Proprietário(s) Ativo Calculado Ativo de ou Ativo Ativo Influenciador Ativo Medido Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) Coleta Diária Coleta Diária Estável Compensador Síncrono Consumidor Especial Consumidor Livre du Encargo de Compensação Síncrona MS Margem de Ultrapassagem da Capacidade Declarada Nó de Rede Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) Ponto de Serviços Ancilares Sistema de Coleta de Dados de Energia (SCDE) Sistema de Contabilização e Liquidação () Sistema de de Faturamento (SMF) Superintendência da CCEE Unidade Geradora pdc_me_01_v3_out_versao3 Página 6 de 32

7 9. FERRAMENTAS DE SUPORTE FERRAMENTA DESCRIÇÃO Sistema computacional utilizado pelo Agente de para registrar/ajustar os dados de medição por meio do componente. SCDE Conversor de Relacionamento entre o SCDE e o Exemplo de Arquivo de Dados de Exemplo de Arquivo de Dados de para Horário de Verão Metodologia para Estimativa de Dados de GSAM - Ferramenta para Geração de Solicitações de Alterações de Dados de Metodologia para Arredondamento de Dados de Sistema computacional que realiza a Coleta de dados de medição. Esses dados poderão ser transferidos para o, quando aplicável. Aplicativo que realiza o relacionamento entre os Pontos de do SCDE e os Ativos do e transfere os dados de medição coletados pelo SCDE para o. Exemplo padrão de Arquivo de Dados de para inserção normal e/ou de ajuste no (vide anexo 14.1). Exemplo padrão de Arquivo de Dados de para registro normal e/ou de ajuste no a ser utilizada nos dias de início e de término do horário de verão (vide anexo 14.2). Metodologia a ser utilizada pelo Agente de ou pela Superintendência da CCEE para definir a quantidade de energia elétrica nos casos em que os dados de medição não tenham sido registrados/ajustados no no prazo adequado (vide anexo 14.3). Aplicativo desenvolvido pela Superintendência da CCEE para auxiliar o Agente a gerar o Formulário de Solicitações de Alterações e/ou Complementações dos Dados de. Metodologia a ser utilizada pelo Agente de e pela Superintendência da CCEE para efetuar o arredondamento dos dados de medição coletados pelo SCDE e transferidos ao (vide Anexo 14.6). pdc_me_01_v3_out_versao3 Página 7 de 32

8 10. PREMISSAS Premissas Gerais Complementarmente a este Procedimento de Comercialização, aplicam-se as disposições pertinentes constantes no Acordo Operacional celebrado entre a CCEE e o ONS Os horários informados neste Procedimento de Comercialização se baseiam no horário de Brasília A CCEE divulgará em seu site (www.ccee.org.br), antecipadamente, o cronograma mensal de datas para registro de dados de medição A contagem dos prazos estabelecidos neste Procedimento de Comercialização é realizada observando-se apenas os dias úteis Os procedimentos especiais para o horário de verão serão informados por meio de Comunicado emitido pela Superintendência da CCEE Para os pontos de medição coletados pelo SCDE, os horários dos medidores não devem sofrer alterações em razão do horário de verão. As alterações de horário, representando o horário de verão, poderão ser visualizadas através dos relatórios do sistema Os dados de medição a serem utilizados na contabilização da CCEE deverão ser coletados pelo SCDE, provenientes dos medidores presentes nas instalações físicas do Agente, conforme o PdC ME.06 Coleta de Dados de O objetivo do processo de medição para faturamento é utilizar, efetivamente, na contabilização da CCEE, os dados coletados pelo SCDE. As medidas, tanto as coletadas pelo SCDE quanto as obtidas internamente pela empresa em sistema próprio de coleta de dados de medição são provenientes de um mesmo medidor, e, portanto, obrigatoriamente têm que ser iguais O Agente de deverá diariamente acompanhar a coleta de dados pelo SCDE Para os casos de irregularidades em relação ao Sistema de para Faturamento SMF, a CCEE aplicará penalidade de multa decorrente de Infração na Instalação e/ou Adequação do SMF, conforme o PdC ME.07 Apuração de Não Conformidades e Penalidades de As situações nas quais os dados de medição não puderem ser coletados diretamente de medidores, através de coleta passiva, ativa ou Inspeção Lógica, são consideradas provisórias e excepcionais, ficando na dependência de regularização, por parte do Agente, das não conformidades que impedem que o Ponto de possa ser coletado conforme o PdC ME.06 Coleta de Dados de. Estes casos, serão tratados como exceções, situação em que será permitido o registro destes dados diretamente no para fins de Contabilização, continuando o Agente sujeito às penalidades de medição O Relatório Provisório de Dados de - ME006 e o Relatório por Ativos - ME001 serão disponibilizados no conforme PdC DR.01 - Divulgação de Resultados Além dos Relatórios, as informações de medição poderão ser visualizadas diretamente no componente de do O aceitará informações de medição somente quando essas respeitarem os seguintes parâmetros: a) Pontos de Geração: os valores informados não deverão exceder à Margem de Ultrapassagem da Capacidade Declarada da geração máxima constante da base cadastral da unidade geradora; b) Pontos de Consumo: os valores informados não deverão exceder à Margem de Ultrapassagem da Capacidade Declarada do consumo de pico constante da base cadastral do ponto de consumo; c) Pontos de conexão: os valores informados não deverão exceder à Margem de Ultrapassagem da Capacidade Declarada da capacidade máxima constante da base cadastral do ponto de conexão. pdc_me_01_v3_out_versao3 Página 8 de 32

9 Atualmente, o valor percentual da Margem de Ultrapassagem da Capacidade Declarada está estabelecido em 25%. Quando este percentual for alterado, os Agentes serão informados das razões da alteração por meio de Comunicado. O novo percentual levará em consideração a potência de sobrecarga do equipamento As verificações das Margem de Ultrapassagem da Capacidade Declarada serão realizadas em módulo, em conformidade com o exemplo a seguir: para a capacidade máxima de conexão de 100 MW, considerando a Margem de Ultrapassagem da Capacidade Declarada igual a 10%, o valor deverá estar entre [+110 MWh] e [-110 MWh] para cada hora medida Cabe ao Agente de solicitar, dentro dos prazos estabelecidos no PdC ME.02 Manutenção do Cadastro do Sistema Elétrico no, a alteração da capacidade do ativo de forma a se evitar a rejeição dos dados de medição. Não serão aceitos pedidos de alteração de capacidade por estouro da medição fora dos prazos estabelecidos A capacidade do Ativo no deve ser compatível com a capacidade nominal de consumo ou geração dos Pontos de no SCDE associados ao Ativo do Ao ultrapassar o limite de capacidade declarada, registrada no Cadastro do Sistema Elétrico do, o Agente de receberá comunicação da CCEE informando a necessidade de revisão do cadastro no. O Agente de estará sujeito às penalidades vigentes, caso não tome as providências necessárias e permita a ocorrência de dados de medição faltantes, inclusive em decorrência da falta de atualização cadastral no ou no SCDE. O Agente de notificado deverá informar ao Consumidor Livre sobre a necessidade de abertura de processo no SOMA para manutenção do cadastro (alteração da capacidade do ativo) É obrigação do Agente manter atualizada a relação de pessoas designadas para contato com a CCEE na Ferramenta de Autocadastro disponível no site da CCEE. A CCEE não se responsabiliza por quaisquer comunicados que não tenham sido entregues aos respectivos destinatários em razão da desatualização dos cadastros das empresas na CCEE O Agente será comunicado em MS+9, por meio de , sobre a relação dos ativos que tiverem dados faltantes. Estes comunicados abrangem os ativos participantes do processo de transferência de dados de medição coletados pelo SCDE e os ativos que ainda estão na condição provisória de dados registrados no através de arquivos em formato.txt Para os ativos do participantes ou não do processo de transferência de dados para o cuja medição seja obtida através de cálculos algébricos a partir de um ou mais medidores, a estimativa deve ser efetuada apenas sobre o medidor que necessita ser estimado. Uma memória de cálculo desta estimativa, contendo os dados horários de todos os medidores envolvidos, inclusive o estimado, deverá acompanhar a solicitação de ajustes correspondente, gerada pelo GSAM, ou o Formulário de Declaração de Ajustes, conforme o caso Algumas estimativas, como as relacionadas a seguir, não serão aceitas pela Superintendência da CCEE: a) Estimativas causadas por arredondamento de valores coletados pelo SCDE; b) Estimativas causadas por tentativa de compensação do erro de medição advindo da ultrapassagem do limite de Margem de Ultrapassagem da Capacidade Declarada, acima da capacidade máxima cadastrada para o ativo; c) Estimativas para compensar perdas por localização indevida do ponto de medição (sistema de medição fora da localização regulamentada); d) Estimativas para compensar perdas causadas por falta de instalação de medidores em Instalações Compartilhadas; e) Estimativas para refletir ajustes de contratos Para os ativos com coleta de dados de medição pelo SCDE, os valores de medição coletados pela Inspeção Lógica irão sobrepor os valores obtidos pela coleta passiva do SCDE (arquivos no formato XML ). pdc_me_01_v3_out_versao3 Página 9 de 32

10 10.2. Premissas específicas para o registro de dados de medição de ativos com dados coletados pelo SCDE e participantes do processo de transferência de dados para o A Superintendência da CCEE somente autorizará o cadastramento no Processo de Transferência de Dados para o após a instalação e/ou Adequação do Sistema de para Faturamento SMF, quando o Ponto de cadastrado no SCDE apresentar Coleta Diária Estável Para os Ativos com coleta de dados de medição pelo SCDE e participantes do processo de transferência ao, o registro dos dados de medição no será efetivado apenas pela Superintendência da CCEE utilizando-se do Conversor de Relacionamento entre o SCDE e o Será bloqueado aos Agentes a possibilidade de registro de dados de medição no para os ativos transferidos do SCDE para o, tanto no período normal quanto no período de ajustes Alterações e/ou complementações no cadastro do Conversor de Relacionamento serão efetuadas exclusivamente pela Superintendência da CCEE e serão informadas ao Agente Responsável Para os Pontos de com Coleta Diária Estável, a Superintendência da CCEE realizará a análise da necessidade de adequação da Manutenção do Cadastro do Ativo no. Uma proposta de adequação será enviada ao Agente de, para fins de conhecimento e análise. Em caso de dúvidas ou divergências quanto à proposta de adequação, o Agente de deverá manifestar-se em até 7 dias úteis do recebimento. Após o decurso deste prazo, sem a referida manifestação, a Manutenção do Cadastro do Ativo no proposta será considerada integral e irrevogavelmente aceita pelo Agente Caso a Superintendência da CCEE identifique novos pontos de medição com Coleta Diária Estável, poderá ser realizada nova Manutenção do Cadastro do Ativo no e posterior envio para validação do Agente de, nos termos definidos neste Procedimento Após a implementação da Manutenção do Cadastro do Ativo no proposta pela Superintendência da CCEE, a transferência dos dados de medição coletados pelo SCDE para o será compulsória, por meio de Conversor de Relacionamento entre o SCDE e o Para os ativos com dados de medição coletados pelo SCDE e participantes do processo de transferência de dados para o, o cronograma de registro de dados de medição será: a) Coleta de dados de medição pelo SCDE do mês M: até MS+3du (durante a janela de coletas); b) Transferência de dados do SCDE para o : MS+4du; c) Período para envio pelo Agente de medição de Solicitações de Alterações e/ou Complementações de dados de medição: imediatamente após a detecção de problemas no Sistema de para Faturamento e, no máximo, até às 18 horas do MS+8du; d) Período para análise, aprovação e registro de Alterações e/ou Complementações de dados de medição, pela Superintendência da CCEE: até MS+11du As informações de medição dos dados transferidos do SCDE poderão ser visualizadas no relatório ME006 Relatório Provisório de Dados de do ou por intermédio do componente de do Os Agentes deverão adotar a mesma metodologia de arredondamento de medidas utilizada pela CCEE. Esta metodologia está descrita no item Os Agentes que possuem acesso ao SCDE deverão acompanhar diariamente os resultados da coleta de dados de medição, acessando diretamente o sistema SCDE, através do qual estão disponíveis relatórios que permitem esse acompanhamento, visando garantir a completa coleta dos dados de medição, a inexistência de dados faltantes de coleta do SCDE e a exatidão dos valores medidos. pdc_me_01_v3_out_versao3 Página 10 de 32

11 Os Agentes que, em caráter excepcional, ainda não possuem acesso ao SCDE, também deverão acompanhar a existência de dados faltantes. Este acompanhamento poderá ser feito utilizando os relatórios que poderão ser disponibilizados pela CCEE a estes Agentes Os ativos do para os quais se observe que ocorreram medições horárias que ultrapassam a Margem de Ultrapassagem da Capacidade Declarada do ativo serão excluídos do processo de transferência até que o agente regularize o cadastro do ativo no, conforme premissas e prazos constantes do PdC ME.02 Manutenção do Cadastro do Sistema Elétrico. O Agente estará sujeito às eventuais penalidades aplicáveis. O retorno do ativo ao processo de transferência somente será efetivado pela CCEE após solicitação expressa e escrita do Agente, após a regularização do cadastro do ativo Em MS+5du, o Agente será comunicado, por , emitido automaticamente pelo sistema, encaminhado às pessoas definidas pelo Agente e previamente cadastradas no, a relação dos ativos que participam do processo de transferência e que tiveram como faltantes todas ou parte das horas previstas no mês Os valores de medição coletados pela inspeção lógica vão se sobrepor aos valores obtidos pela coleta passiva do SCDE (arquivos no formato XML ) Premissas para alterações ou complementações de Dados de de Pontos de coletados pelo SCDE e participantes do processo de transferência de dados para o Eventuais alterações/complementações de dados de medição para ativos transferidos do SCDE para o somente devem ocorrer quando ocorrerem problemas no SMF (falhas em componentes do sistema de medição comunicação, medidor, TI s, cablagem, etc) Alterações ou complementações dos dados de medição para ativos transferidos do SCDE para o deverão ser solicitadas à Superintendência da CCEE, imediatamente após a detecção de problemas no Sistema de para Faturamento e, no máximo, até às 18 horas do MS+8du para análise, aprovação e inclusão destas informações no As medições dos Ativos, para os quais não foram solicitadas Alterações e/ou Complementações de dados de medição para o respectivo mês de referência, serão consideradas como validadas pelo Agente de no MS+12du Será disponibilizado aos Agentes de o Gerador de Solicitações de Alterações ou Complementações dos Dados de GSAM. As informações inseridas, através do GSAM, permitirão a eliminação da necessidade de envio dos Formulários de Declaração de Ajustes de Dados de correspondentes Orientações de uso do GSAM serão encaminhadas juntamente com a ferramenta Para solicitar alterações ou complementações de dados de medição no, o Agente de deverá enviar uma solicitação para a Central de Atendimento da CCEE acompanhada do(s) arquivo(s), no formato.gmo, gerado(s) pelo GSAM, assim como o Boletim de Ocorrências na, conforme previsto no Submódulo 12 dos Procedimentos de Rede A justificativa técnica, que constará da solicitação de alteração ou complementação de dados de medição deverá ser objetiva e clara, de forma a fundamentar o motivo do pedido de ajuste, visando à adequada análise da solicitação pela Superintendência da CCEE. Caso a solicitação não tenha justificativa técnica, a mesma será rejeitada Caso as Solicitações de Alterações ou Complementações de dados de medição sejam aprovadas, a Superintendência da CCEE efetuará seu registro no As Solicitações de Alterações ou Complementações de dados de medição aprovadas pela Superintendência da CCEE, até MS+8du, poderão ser verificadas pelo Agente em MS+9du, através do Relatório ME006 ou diretamente no componente de do Na eventualidade de não aprovação da solicitação de alteração ou complementação de dados de medição pela Superintendência da CCEE, esta deverá comunicar o Agente de pdc_me_01_v3_out_versao3 Página 11 de 32

12 por meio de chamado ativo, juntamente com as razões da reprovação das solicitações de alterações ou complementações de dados de medição O Agente poderá solicitar à CCEE, por meio da Central de Atendimento da CCEE, entre MS+12du e MS+15du, as razões da reprovação das Solicitações de Alterações ou Complementações de dados de medição. A Superintendência da CCEE terá um prazo de 5 dias úteis para encaminhar resposta ao Agente de Premissas Específicas para o registro de dados de medição de ativos com dados não coletados pelo SCDE Para os Pontos de do SCDE que não forem relacionados a Ativos do, o Agente de deverá continuar realizando o registro de dados de medição no conforme estabelecido neste Procedimento de Comercialização Para ativos não participantes do processo de transferência de dados para o, o cronograma de entrada de dados de medição será o seguinte: a) Período normal para entrada de dados de medição no : até às 18 horas de MS+8du; b) Período para entrada de dados de Ajustes de no, e envio, à Superintendência da CCEE, dos respectivos Formulários de Declaração de Ajustes da Dados de : das 8 horas de MS+10du até às 18 horas de MS+11du; Para efetuar registro de dados de medição no para ativos não coletados pelo SCDE, o Agente de tem duas opções: a) Registro das informações no módulo de, aba de Leituras Horárias dos Medidores; b) Registro através de carga de arquivos, na secção Envio de dados, subseção, Carga de. Os arquivos devem ter o formato conforme descrito no item Premissas para Ajustes de Dados de de Pontos de não coletados pelo SCDE Eventuais necessidades de ajustes dos dados de medição no, para ativos com dados de medição não coletados pelo SCDE, deverão ser registradas diretamente no, e justificadas através dos Formulário de Declaração de Ajuste de Dados de (vide seção 14.4), no período compreendido entre as 8 horas do MS+10du e as 18 horas do MS+11du Os ajustes de dados de medição deverão ser identificados no Formulário de Declaração de Ajuste de Dados de (vide Seção 14.4),que indicará a justificativa técnica do ajuste, mesmo que não haja alteração em relação à medição originalmente enviada Em cada Formulário só poderão constar dados de um Ativo A justificativa técnica, que constará no Formulário de Declaração de Ajustes de Dados de (vide Seção 14.4), deverá ser objetiva e clara, de forma a fundamentar o motivo do pedido de ajuste, visando à adequada análise pela Superintendência da CCEE. Caso o Formulário não tenha justificativa técnica, o ajuste será rejeitado, os dados de medição ajustados pelo Agente de serão desconsiderados do e o Agente de será devidamente comunicado por meio da Central de Atendimento da CCEE O Formulário de Declaração de Ajuste de Dados de (vide seção 14.4) a ser encaminhado à Superintendência da CCEE por deverá ser enviado até às 18 horas do MS+11du. Caso a Superintendência da CCEE não receba o Formulário no prazo estabelecido, os dados de medição ajustados pelo Agente de serão desconsiderados do e o Agente de será devidamente comunicado por meio da Central de Atendimento da CCEE Verificada alteração de dados de medição, a Superintendência da CCEE poderá solicitar esclarecimentos adicionais ao Agente de. Caso a Superintendência da CCEE pdc_me_01_v3_out_versao3 Página 12 de 32

13 considere as justificativas do Agente de incompletas ou inadequadas, a solicitação de ajuste não será aceita, os dados de ajuste de medição serão desconsiderados no e o Agente de será devidamente comunicado pela Central de Atendimento da CCEE A ausência de pronunciamento da Superintendência da CCEE quanto às justificativas incluídas no Formulário de Declaração de Ajuste de Dados de (vide seção 14.4) até a divulgação do Resultado do Processo de Contabilização, implicará aprovação tácita do ajuste de medição Quando o Agente, por motivo técnico de inviabilidade operacional do e/ou por problema de conectividade com a CCEE, for impedido de enviar os dados de ajuste eletronicamente, deverão ser seguidos os procedimentos detalhados no PdC AM.01 Entrada de Dados por Contingência As medições dos Ativos para os quais não foram solicitados alteração e/ou complementação dos dados de medição, para o respectivo mês de referência, serão consideradas como validadas pelo Agente de no MS+12du Premissas para registro de dados de medição de Energia de Teste O registro de dados de medição no, da geração das unidades geradoras em teste, para o mês de referência, poderá ser de uma das duas formas possíveis: (i) registro de dados de ativos com Dados de coletados pelo SCDE e participantes do processo de transferência de dados para o ; ou (ii) entrada de dados de ativos com dados de medição não coletados pelo SCDE. Em ambas as situações, o registro de dados deverá seguir os procedimentos correspondentes, apresentados nos itens anteriores deste Procedimento de Comercialização A Manutenção do Sistema Elétrico no a ser realizada em comum acordo entre o Agente de e a Superintendência da CCEE, deverá definir a configuração das unidades geradoras em teste e das unidades geradoras em operação comercial A energia de teste de unidades geradoras cujo SMF de apuração da medição líquida da usina englobe mais de uma unidade geradora será segregada por modelagem, enquanto permanecerem os testes. Os valores registrados nos respectivos ativos serão aqueles verificados na barra das unidades geradoras levadas ao ponto de conexão da usina com o sistema elétrico (conexão com a Distribuidora ou com a Rede Básica) A Superintendência da CCEE irá registrar no a data de início dos testes e de entrada em operação comercial de cada unidade geradora de acordo com o Despacho específico emitido pela ANEEL e confirmados através de arquivos recebidos do ONS. Caso a usina não seja despachada pelo ONS, será utilizada a informação de despacho da ANEEL Caso o Agente de informe dados de medição de suas unidades geradoras em teste anteriores à data e à hora de início do período de teste informado pela ANEEL e pelo ONS, os mesmos serão desconsiderados automaticamente pelo para fins de Contabilização na CCEE A energia gerada pelas unidades geradoras em teste das usinas hidráulicas submotorizadas e das térmicas despachadas centralizadamente deverá ser calculada conforme as Regras de Comercialização vigentes A CCEE disponibilizará, aos Agentes de, através do, o Relatório ME008 - Período de Teste de Usinas, contendo as informações de data e de horário de início do período de teste, bem como a data e o horário de entrada em operação comercial para cada unidade geradora, conforme dados informados pela ANEEL ou pelo ONS, conforme o caso, a serem considerados na Contabilização na CCEE Premissas específicas para a registro de dados de medição de ativos para o recebimento do Serviço Ancilar de Compensação Síncrona Para os ativos que serão utilizados na contabilização de Serviço Ancilar de compensação síncrona, os dados de medição serão obrigatoriamente coletados através da Inspeção Lógica do SCDE. pdc_me_01_v3_out_versao3 Página 13 de 32

14 Para efeito de pagamento de Encargo de Compensação Síncrona, serão considerados, em intervalos de 5 minutos, os períodos de início e término para os quais a Unidade Geradora foi autorizada pelo ONS a prestar Serviços Ancilares como Compensador Síncrono Para os intervalos em que não for realizada a coleta de Inspeção Lógica, os dados de medição dos ativos relacionados ao pagamento do Serviço Ancilar de Compensação Síncrona serão zerados automaticamente pelo sistema Premissas para estimativa pelos Agentes de de dados de medição faltantes Para efetuar a estimativa de dados de medição faltantes ou a alteração de dados de medição considerados incorretos por defeito no SMF, os Agentes de deverão utilizar a metodologia descrita no Anexo Premissas utilizadas pela Superintendência da CCEE quando de dados de medição faltantes na contabilização do Para efetuar a complementação dos dados de medição faltantes para a contabilização no, a Superintendência da CCEE analisará caso a caso os ativos com dados faltantes, podendo utilizar nas medições horárias faltantes até o limite de: (i) valor de capacidade máxima para ativos de consumo; (ii) valor zero para ativos de geração. A complementação de dados realizada pela Superintendência da CCEE será definitiva, não cabendo recurso por parte do Agente Para que a Superintendência da CCEE não tenha que completar dados de medição faltantes na contabilização do, o Agente de deverá: (i) acompanhar, diariamente, através dos relatórios disponíveis no SCDE, a existência de dados faltantes nas coletas, se for o caso; (ii) atender aos comunicados de dados faltantes emitidos automaticamente pelo sistema no MS+5du e no MS+9du; (iii) verificar a situação da medição através do Relatório ME006; (iv) deixar de verificar até o MS+11du, no componente do, a existência de dados faltantes; e (v) registrar dados de medição no ou solicitar complementação de dados à Superintendência da CCEE, conforme o caso. pdc_me_01_v3_out_versao3 Página 14 de 32

15 REGISTRAR DADOS DE MEDIÇÃOENVIAR DADOS DE MEDIÇÃO NO 11. FLUXOGRAMA 11.1 Registro de dados de medição de ativos com dados coletados pelo SCDE Legenda: MS: mês seguinte às operações de compra e venda de energia. du: dias úteis. pdc_me_01_v3_out_versao3 Página 15 de 32

16 REGISTRAR DADOS DE MEDIÇÃOENVIAR DADOS DE MEDIÇÃO NO 11.2 Registro de dados de medição de ativos diretamente no Legenda: MS: mês seguinte às operações de compra e venda de energia. du: dias úteis. pdc_me_01_v3_out_versao3 Página 16 de 32

17 REGISTRAR DADOS DE MEDIÇÃOENVIAR DADOS DE MEDIÇÃO NO 12. MATRIZ DE OPERACIONALIZAÇÃO 12.1 Registro de dados de medição de ativos com dados coletados pelo SCDE ATIVIDADE RESPONSÁVEL DETALHAMENTO FERRAMENTA PRODUTOS GERADOS PRAZO Verificar a existência de novos pontos de medição com Coleta Diária estável, conforme estabelecido nas Premissas Transferir Dados de do SCDE para o Superintendência da CCEE Realizar a transferência dos dados de medição coletados pelo SCDE para o, somente para os Pontos de com Coleta Diária estável e com a proposta da Manutenção do Cadastro do Ativo aprovada. Notas: Conversor de Relacionamento entre o SCDE e o Dados de transferidos do SCDE para o. MS+4du 1) O Agente de poderá, ainda, realizar novo registro de dados de medição, conforme previsto na atividade Preparar solicitação de ajustes de dados de medição / Enviar solicitação. Visualizar Informações Provisórias de no Agente de O Agente de que tenha seus dados de medição coletados pelo SCDE poderá visualizar no o Relatório ME006 - Relatório Provisório de Dados de, contendo os dados de medição que forem transferidos do SCDE para o. Nota: Relatório Provisório de Dados de coletados pelo SCDE e transferidos para o MS+5du 1) O Relatório ME006 - Relatório Provisório de Dados de é disponibilizado conforme o PdC DR.01 Divulgação de Resultados. pdc_me_01_v3_out_versao3 Página 17 de 32

18 REGISTRAR DADOS DE MEDIÇÃOENVIAR DADOS DE MEDIÇÃO NO ATIVIDADE RESPONSÁVEL DETALHAMENTO FERRAMENTA PRODUTOS GERADOS PRAZO Verificar Medições Faltantes / Enviar Comunicado ao Agente de Superintendência da CCEE Verificar a ausência de medição de Ativos e/ou horas de Ativos com medições faltantes. Enviar comunicado por ao Agente de com a relação de Ativos com medições faltantes no mês de referência. Existência de Ativos e/ou horas de Ativos com medições faltantes verificada pela Superintendência da CCEE. Comunicado com medições faltantes enviado pela Superintendência da CCEE. MS+5du Verificar no os dados de medição coletados. Na impossibilidade de leitura de qualquer Ponto de, estimar dados de medições faltantes conforme Metodologia para Estimativa de Dados de. Preparar solicitação de ajustes de dados de medição / Enviar solicitação Agente de O registro dos Dados de deverá ser feito conforme as premissas 10.3 deste procedimento. Os dados de medição deverão ser informados em MWh com, no máximo, 3 casas decimais, conforme Metodologia de Arredondamento de Dados de. GSAM Solicitação de ajuste de dados de medição preparada e enviada pelo Agente à CCEE. Até MS+8du Nota: Os Agentes da CCEE que possuem seus dados de medição coletados pela Superintendência da CCEE pelo SCDE terão seus dados transferidos para o no MS+4du. Para maiores detalhes vide Premissa pdc_me_01_v3_out_versao3 Página 18 de 32

19 REGISTRAR DADOS DE MEDIÇÃOENVIAR DADOS DE MEDIÇÃO NO ATIVIDADE RESPONSÁVEL DETALHAMENTO FERRAMENTA PRODUTOS GERADOS PRAZO Visualizar Informações Provisórias de no Agente de Visualizar no o Relatório ME006 - Relatório Provisório de Dados de, contendo os dados de medição aprovados e registrados até o MS + 8du e os dados de medição de Ativos Influenciadores. Nota: 1) O Relatório ME006 - Relatório Provisório de Dados de é disponibilizado conforme o PdC DR.01 Divulgação de Resultados. Relatório Provisório de Dados de disponibilizado no aprovados e registrados até MS+8du, disponibilizado no MS+9du até MS + 11du Analisar solicitações de ajustes de dados de medição enviadas pelos Agentes Superintendência da CCEE A Superintendência da CCEE avaliará as solicitações de ajuste de dados de medição enviadas. GSAM Análise das Solicitações de Ajustes de Dados de enviadas pelo Agente MS+9du até MS + 11du Comunicar a rejeição da solicitação de ajuste de dados de medição Superintendência da CCEE As solicitações rejeitadas serão comunicadas aos Agentes com justificativa, conforme premissa GSAM Comunicado informando a rejeição da solicitação de Ajuste de Dados de MS+9du até MS + 11du Registrar no os ajustes aprovados Superintendência da CCEE A Superintendência da CCEE registrará no os dados de medição das solicitações aprovadas. Ajuste de Dados de, solicitados pelo Agente de, aprovados e registrados pela Superintendência da CCEE no. MS+9du até MS + 11du pdc_me_01_v3_out_versao3 Página 19 de 32

20 REGISTRAR DADOS DE MEDIÇÃOENVIAR DADOS DE MEDIÇÃO NO ATIVIDADE RESPONSÁVEL DETALHAMENTO FERRAMENTA PRODUTOS GERADOS PRAZO Verificar Medições Faltantes Superintendência da CCEE Verificar a ausência de medição de Ativos e/ou horas de Ativos com medições faltantes. Dados de faltantes verificados e estimados pela Superintendência da CCEE MS + 12du Verificar a existência de Ativos e/ou horas de Ativos com medições faltantes. Estimar Dados Faltantes / Comunicar Dados Estimados aos Agentes de Superintendência da CCEE Estimar medições faltantes, conforme Metodologia para Estimativa de Dados de (vide seção 14). Enviar comunicado via ao Agente de informando os Ativos de que foram estimados e seus respectivos valores Metodologia para Estimativa de Dados de Comunicado sobre dados estimados enviado ao Agente de MS+12du Visualizar no o Relatório ME006 Relatório Provisório de Dados de, contemplando o período de Ajustes. Notas: Visualizar Informações Provisórias de no Agente de 1) O Relatório ME006 Relatório Provisório de Dados de divulgado no MS+12du contempla os ajustes efetuados e eventuais estimativas. Relatório Provisório dos Dados de disponibilizado no. MS+12du 2) O Relatório ME006 - Relatório Provisório de Dados de é disponibilizado conforme o PdC DR.01 Divulgação de Resultados. Legenda: MS: mês seguinte às operações de compra e venda de energia. du: dias úteis. pdc_me_01_v3_out_versao3 Página 20 de 32

21 REGISTRAR DADOS DE MEDIÇÃOENVIAR DADOS DE MEDIÇÃO NO 12.2 Registro de dados de medição de ativos diretamente no ATIVIDADE RESPONSÁVEL DETALHAMENTO FERRAMENTA PRODUTOS GERADOS PRAZO Visualizar Informações Provisórias de no Agente de O Agente de que tenha enviado seus dados de medição até MS+ 4du poderá visualizar no o Relatório ME006 - Relatório Provisório de Dados de Nota: 1) O Relatório ME006 - Relatório Provisório de Dados de é disponibilizado conforme o PdC DR.01 Divulgação de Resultados. Relatório Provisório de Dados de coletados pelo SCDE e transferidos para o MS+5du pdc_me_01_v3_out_versao3 Página 21 de 32

22 REGISTRAR DADOS DE MEDIÇÃOENVIAR DADOS DE MEDIÇÃO NO ATIVIDADE RESPONSÁVEL DETALHAMENTO FERRAMENTA PRODUTOS GERADOS PRAZO Inserir no os dados de medição coletados. Na impossibilidade de leitura de qualquer Ponto de, estimar dados de medições faltantes conforme Metodologia para Estimativa de Dados de. As seguintes informações deverão ser inseridas por intermédio da tela do ou mediante carga de arquivo, em conformidade com o Exemplo de Arquivo de Dados de (vide seção 14): Registrar Dados de no Agente de a) Código do Agente no ; b) Código do Ativo no ; c) Tipo do Ativo (unidade geradora, carga ou conexão); d) Data dos dados de medição enviados; e) Dados de medição horários (1:00h até 24:00h). Exemplo de Arquivo de Dados de Metodologia para Estimativa de Dados de Dados de medição inseridos no pelo Agente de. Até MS+8du Os dados de medição deverão ser informados em MWh com, no máximo, 3 casas decimais. Nota: Os Agentes da CCEE que possuem seus dados de medição coletados pela Superintendência da CCEE pelo SCDE terão seus dados transferidos para o no MS+4du. Para maiores detalhes vide Premissa pdc_me_01_v3_out_versao3 Página 22 de 32

23 REGISTRAR DADOS DE MEDIÇÃOENVIAR DADOS DE MEDIÇÃO NO ATIVIDADE RESPONSÁVEL DETALHAMENTO FERRAMENTA PRODUTOS GERADOS PRAZO Verificar Medições Faltantes / Enviar Comunicado ao Agente de Superintendência da CCEE Verificar a ausência de medição de Ativos e/ou horas de Ativos com medições faltantes. Enviar comunicado por ao Agente de com a relação de Ativos com medições faltantes no mês de referência. Existência de Ativos e/ou horas de Ativos com medições faltantes verificada pela Superintendência da CCEE. Comunicado com medições faltantes enviado pela Superintendência da CCEE. MS+9du Visualizar Informações Provisórias de no Agente de Visualizar no o Relatório ME006 - Relatório Provisório de Dados de, contendo os dados de medição inseridos pelo Agente de e os dados de medição de Ativos Influenciadores. Nota: Relatório Provisório de Dados de disponibilizado no. MS+9du 1) O Relatório ME006 - Relatório Provisório de Dados de é disponibilizado conforme o PdC DR.01 Divulgação de Resultados. pdc_me_01_v3_out_versao3 Página 23 de 32

24 REGISTRAR DADOS DE MEDIÇÃOENVIAR DADOS DE MEDIÇÃO NO ATIVIDADE RESPONSÁVEL DETALHAMENTO FERRAMENTA PRODUTOS GERADOS PRAZO Enviar à Superintendência da CCEE anexando Formulário de Declaração de Ajuste de Dados de preenchido (vide seção 14). No formulário deverão constar as seguintes informações: a) Nome do Representante de, telefone e ; b) Empresa Solicitante, nº de identificação da empresa; Enviar Formulário de Declaração de Ajuste de Dados de e Efetuar Ajustes Agente de c) Mês, ano de referência dos dados de medição a serem ajustados; d) Código do Ativo no ; e) Tipo do Ativo (unidade geradora, carga ou conexão); f) Declaração da Total inserida inicialmente, ou seja, no prazo normal de inserção até MS+8du; g) Declaração da Total que foi inserida durante o período de ajustes, ou seja, entre MS+10du e MS+11du; Exemplo de Arquivo de Dados de Formulário de Declaração de Ajuste de Dados de Formulário de Declaração de Ajuste de Dados de enviado pelo Agente de. Ajustes de dados de medição efetuados pelo Agente de. De MS+10du até MS+11du h) Justificativa Técnica detalhada. Nota: O formulário deverá ser enviado à Superintendência da CCEE por meio do até às 18 horas de MS+11du. Efetuar ajuste de dados de medição no. Os ajustes poderão ser efetuados por intermédio da tela do ou mediante carga de arquivo, conforme atividade Registrar Dados de no. pdc_me_01_v3_out_versao3 Página 24 de 32

25 REGISTRAR DADOS DE MEDIÇÃOENVIAR DADOS DE MEDIÇÃO NO ATIVIDADE RESPONSÁVEL DETALHAMENTO FERRAMENTA PRODUTOS GERADOS PRAZO Estimar Dados Faltantes / Comunicar Dados Estimados aos Agentes de Superintendência da CCEE Verificar a existência de Ativos e/ou horas de Ativos com medições faltantes. Estimar medições faltantes, conforme Metodologia para Estimativa de Dados de (vide seção 14). Enviar comunicado via ao Agente de informando os Ativos de que foram estimados e seus respectivos valores Metodologia para Estimativa de Dados de Dados de medição faltantes estimados e verificados pela Superintendência da CCEE. Comunicado sobre dados estimados enviado ao Agente de MS+12du Visualizar no o Relatório ME006 Relatório Provisório de Dados de, contemplando o período de Ajustes. Notas: Visualizar Informações Provisórias de no Agente de 1) O Relatório ME006 Relatório Provisório de Dados de divulgado no MS+12du contempla os ajustes efetuados e eventuais estimativas. Relatório Provisório dos Dados de disponibilizado no. MS+12du 2) O Relatório ME006 - Relatório Provisório de Dados de é disponibilizado conforme o PdC DR.01 Divulgação de Resultados. Legenda: MS: mês seguinte às operações de compra e venda de energia. du: dias úteis. pdc_me_01_v3_out_versao3 Página 25 de 32

26 REGISTRAR DADOS DE MEDIÇÃOENVIAR DADOS DE MEDIÇÃO NO 13. CRONOGRAMA GERAL 12.1 Registro de dados de de Ativos com dados coletados pelo SCDE PRODUTO GERADO Dados de transferidos do SCDE para o. MS+4du Relatório Provisório de Dados de coletados pelo SCDE e transferidos para o. MS+5du Comunicado ao Agente de os Dados de Medições Faltantes MS+5du Solicitação de ajuste de dados de medição preparada e enviada pelo Agente à CCEE Até MS+ 8du Relatório Provisório de Dados de aprovados e registrados até MS+ 8du, disponibilizado no. Análise das Solicitações de Ajustes de Dados de disponibilizado no Comunicado informando a rejeição da solicitação de Ajuste de Dados de Ajustes de dados de medição, solicitados pelo Agente de, aprovados e registrados pela Superintendência da CCEE Dados de medição faltantes estimados e verificados pela Superintendência da CCEE. Comunicado sobre dados estimados enviado ao Agente de. De MS+9du até MS+ 11du De MS+9du até MS+ 11du De MS+9du até MS+ 11du De MS+9du até MS+ 11du MS+12du MS+12du Relatório Provisório dos Dados de após o período de Ajustes disponibilizado no. MS+12du Legenda: MS: mês seguinte às operações de compra e venda de energia. du: dias úteis. pdc_me_01_v3_out_versao3 Página 26 de 32

27 REGISTRAR DADOS DE MEDIÇÃOENVIAR DADOS DE MEDIÇÃO NO 12.2 Registro de dados de medição de ativos diretamente no PRODUTO GERADO CRONOGRAMA Relatório Provisório de Dados de coletados pelo SCDE e transferidos para o. MS+5du Dados de medição registrados no pelo Agente de. Até MS+8du Existência de Ativos e/ou horas de Ativos com medições faltantes verificada pela Superintendência da CCEE. Comunicado com medições faltantes enviado pela Superintendência da CCEE. MS+9du MS+9du Relatório Provisório de Dados de disponibilizado no. MS+9du Formulário de Declaração de Ajuste de Dados de enviado pelo Agente de. Ajustes de dados de medição efetuados pelo Agente de. De MS+10du Até MS+11du De MS+10du Até MS+11du Dados de medição faltantes estimados e verificados pela Superintendência da CCEE. Comunicado sobre dados estimados enviado ao Agente de. Relatório Provisório dos Dados de após o período de Ajustes disponibilizado no. MS+12du MS+12du MS+12du Legenda: MS: mês seguinte às operações de compra e venda de energia. du: dias úteis. pdc_me_01_v3_out_versao3 Página 27 de 32

28 14. ANEXOS Exemplo de Arquivo de Dados de Exemplo de arquivo de dados de medição.txt para inserção normal ou para ajuste: FORMATO Diário *** 42;4247;conexão;01/06/2002 1;0,123 2;0,456 3;1,789 4;4,111 5;3,222 6;8,888 7;0 8;0 9;0 (etc.) DESCRIÇÃO 1ª Linha 2ª Linha Diário 3ª Linha três asteriscos 4ª Linha número do Agente (até 4 dígitos); número do Ativo (até 9 dígitos); se é unidade geradora, carga ou conexão; data das leituras (no formato DD/MM/AAAA ano com 4 dígitos) 5ª Linha em diante hora (de 1 a 24); valor medido (em MWh, com até 3 casas decimais) pdc_me_01_v3_out_versao3 Página 28 de 32

29 14.2. Exemplo de Arquivo de Dados de para Horário de Verão Exemplo para Ativos que não participam do Processo de Transferência SCDE : Onde: - a hora 1 é o período compreendido entre 00:00 e 01:00 - a hora 23 é o período compreendido entre 22:00 e 23:00; - a hora 23* é o período compreendido entre 23:00 e 23:00* (no dia longo); - a hora 24 é o período compreendido entre 23:00 (ou 23:00* do dia longo) e 00:00 do dia seguinte. pdc_me_01_v3_out_versao3 Página 29 de 32

30 14.3. Metodologia para Estimativa dos Dados de pelo Agente de O presente Anexo estabelece a metodologia a ser utilizada pelo Agente de para realizar a estimativa, a complementação de dados de medição faltantes ou a alteração de dados de medição considerados incorretos. Esta metodologia pode ser aplicada nas duas situações: (i) para ativos com dados de medição transferidos do SCDE para o ; (ii) para ativos que não participam do processo de transferência. Cabe observar que há necessidade de justificativa técnica, que deverá ser objetiva e clara, de forma a fundamentar o motivo do pedido de ajuste, visando à adequada análise pela Superintendência da CCEE. Esta justificativa deverá constar no Formulário de Declaração de Ajustes de Dados de ou do arquivo emitido pela ferramenta GSAM, para que a estimativa seja aceita pela Superintendência da CCEE. Caso a justificativa seja omitida, o ajuste será rejeitado. Constatada a indisponibilidade de leitura de qualquer ponto de medição, decorrente de, por exemplo: comissionamento, desativação, manutenção preventiva, manutenção corretiva, modificações, defeitos, substituição de medidor, impossibilidade de comunicação, ou incorreção destes valores por problemas técnicos no SMF, deverá ser utilizada a presente metodologia de estimativa, para o período correspondente à indisponibilidade ou à inadequação dos dados. A Estimativa de Dados de pelo Agente de para ativos de consumo, de geração, de consumo interno e de intercâmbio, deverá seguir a ordem de prioridade indicada a seguir, respeitando aspectos de sazonalidade: a) Considerar, caso disponível, a medição de retaguarda; b) Caso a estimativa seja para apenas uma hora, utilizar a média entre a medida anterior e a posterior à hora com medição faltante ou incorreta; c) Considerar, caso disponível, a medição do medidor de conferência ( check meter ); d) Para medição de geração líquida, considerar a medição de geração bruta, ajustada, ou seja, considerando estimativa do consumo interno e/ou das perdas; e) Considerar, caso disponível, medição destinada a controle operacional; f) Estimar as energias pela média dos respectivos valores medidos e calculados nos mesmos horários, em período abrangido pelos 3 (três) últimos valores medidos, correspondentes a dias similares de três semanas anteriores mais próximas do período da estimativa, caso disponíveis; g) Em caso de falta de dados correspondentes a 3 (três) semanas anteriores, poderá ser tomado como base o último ciclo diário completo de leitura, correspondente ao mesmo dia da semana anterior ao período de estimativa; h) Para os ativos do em que a sua medição é obtida através de cálculos algébricos (equações) a partir de um ou mais medidores, a estimativa deve ser efetuada sobre a parcela da equação representada pelo medidor a ser estimado. Após realizada a estimativa da parcela faltante, aplicam-se os devidos cálculos algébricos. Obs.: Caso o Agente de disponha de alguma forma de estimar os dados diferente das listadas, com melhor correlação aos valores medidos para o Ativo em questão, pode submetê-la à apreciação da Superintendência da CCEE para que, caso aprovada, seja utilizada. pdc_me_01_v3_out_versao3 Página 30 de 32

pdc_me_05_versao2 Página 1 de 21 Versão: 2 Início de Vigência: 23.02.2010 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 391, de 22 de fevereiro de 2010

pdc_me_05_versao2 Página 1 de 21 Versão: 2 Início de Vigência: 23.02.2010 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 391, de 22 de fevereiro de 2010 pdc_me_05_versao2 Página 1 de 21 Procedimento de Comercialização Versão: 2 Início de Vigência: Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 391, de 22 de fevereiro de 2010 CÓDIGO ÍNDICE 1. APROVAÇÃO...

Leia mais

pdc_me_05 Página 1 de 28 Versão: 1 Início de Vigência: 11.03.2008 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 934, de 07 de março de 2008.

pdc_me_05 Página 1 de 28 Versão: 1 Início de Vigência: 11.03.2008 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 934, de 07 de março de 2008. pdc_me_05 Página 1 de 28 Procedimento de Comercialização Versão: 1 Início de Vigência: Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 934, de 07 de março de 2008. CÂMARA DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

Leia mais

Versão: 3 Início de Vigência: 01.10.2008 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 3.042, de 14 de agosto de 2008

Versão: 3 Início de Vigência: 01.10.2008 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 3.042, de 14 de agosto de 2008 Procedimento de Comercialização MANUTENÇÃO DE CADASTRO DE AGENTES DA CCEE E USUÁRIOS DO SCL Versão: 3 Início de Vigência: Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 3.042, de 14 de agosto de 2008 ÍNDICE

Leia mais

pdc_me_04_versao2 Página 1 de 19 Versão: 2 Início de Vigência: 23.02.2010 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 391, de 22 de fevereiro de 2010

pdc_me_04_versao2 Página 1 de 19 Versão: 2 Início de Vigência: 23.02.2010 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 391, de 22 de fevereiro de 2010 pdc_me_04_versao2 Página 1 de 19. Procedimento de Comercialização Versão: 2 Início de Vigência: Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 391, de 22 de fevereiro de 2010 ÍNDICE 1. APROVAÇÃO... 3 2. HISTÓRICO

Leia mais

REGISTRO, TRATAMENTO E APURAÇÃO DE INDISPONIBILIDADES DE USINAS HIDRÁULICAS NÃO DESPACHADAS CENTRALIZADAMENTE E PARTICIPANTES DO MRE

REGISTRO, TRATAMENTO E APURAÇÃO DE INDISPONIBILIDADES DE USINAS HIDRÁULICAS NÃO DESPACHADAS CENTRALIZADAMENTE E PARTICIPANTES DO MRE Procedimento de Comercialização REGISTRO, TRATAMENTO E APURAÇÃO DE INDISPONIBILIDADES DE USINAS HIDRÁULICAS NÃO DESPACHADAS CENTRALIZADAMENTE E PARTICIPANTES DO MRE Versão: 1 Início de Vigência: REGISTRO,

Leia mais

Versão: 1 Início de Vigência: XX/XX/2005 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº XX, de XX de Mês de 200X

Versão: 1 Início de Vigência: XX/XX/2005 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº XX, de XX de Mês de 200X Procedimento de Comercialização Versão: 1 Início de Vigência: Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº XX, de XX de Mês de 200X ÍNDICE 1. APROVAÇÃO...3 2. HISTÓRICO DE REVISÕES...3 3. PROCESSO ORIGEM...4

Leia mais

Versão: Consulta Pública Início de Vigência: XX.XX.XXX Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº XXXX, de XX de mês de 200X

Versão: Consulta Pública Início de Vigência: XX.XX.XXX Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº XXXX, de XX de mês de 200X Procedimento de Comercialização LIQUIDAÇÃO FINANCEIRA RELATIVA À CONTRATAÇÃO DE ENERGIA DE RESERVA Versão: Consulta Pública Início de Vigência: XX.XX.XXX Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº XXXX,

Leia mais

REGISTRO, TRATAMENTO E APURAÇÃO DE INDISPONIBILIDADES DE USINAS HIDRÁULICAS NÃO DESPACHADAS CENTRALIZADAMENTE E PARTICIPANTES DO MRE

REGISTRO, TRATAMENTO E APURAÇÃO DE INDISPONIBILIDADES DE USINAS HIDRÁULICAS NÃO DESPACHADAS CENTRALIZADAMENTE E PARTICIPANTES DO MRE Procedimento de Comercialização REGISTRO, TRATAMENTO E APURAÇÃO DE INDISPONIBILIDADES DE USINAS HIDRÁULICAS NÃO DESPACHADAS CENTRALIZADAMENTE E PARTICIPANTES DO MRE Versão: 1 Início de Vigência: XX/XX/200X

Leia mais

ADMINISTRAR VOTOS E CONTRIBUIÇÃO ASSOCIATIVA

ADMINISTRAR VOTOS E CONTRIBUIÇÃO ASSOCIATIVA l Procedimento de Comercialização Versão: 2 Início de Vigência: Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 1497, de 27 de maio de 2010 ÍNDICE 1. APROVAÇÃO... 3 2. HISTÓRICO DE REVISÕES... 3 3. PROCESSO

Leia mais

Versão: 3 Início de Vigência: xx.xx.2006 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nºxxxx, de xxx de xxxxx de 2006

Versão: 3 Início de Vigência: xx.xx.2006 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nºxxxx, de xxx de xxxxx de 2006 Procedimento de Comercialização Versão: 3 Início de Vigência: xx.xx.2006 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nºxxxx, de xxx de xxxxx de 2006 ÍNDICE 1. APROVAÇÃO...3 2. HISTÓRICO DE REVISÕES...3 3.

Leia mais

Versão: 2 Início de Vigência: 27.11.2006 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 2.773, de 27 de novembro de 2006

Versão: 2 Início de Vigência: 27.11.2006 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 2.773, de 27 de novembro de 2006 Procedimento de Comercialização Versão: 2 Início de Vigência: Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 2.773, de 27 de novembro de 2006 ÍNDICE 1. APROVAÇÃO... 3 2. HISTÓRICO DE REVISÕES... 3 3. PROCESSO

Leia mais

Conta Centralizadora das Bandeiras Tarifárias. Título: PO CCB-01 Operacionalização da Conta Bandeiras. Tipo do documento: Procedimento.

Conta Centralizadora das Bandeiras Tarifárias. Título: PO CCB-01 Operacionalização da Conta Bandeiras. Tipo do documento: Procedimento. Conta Centralizadora das Bandeiras Tarifárias Título: PO CCB-01 Operacionalização da Conta Bandeiras Tipo do documento: Procedimento Número: 01 Versão: 01 Classificação do documento: Público Vigência:

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA APURAÇÃO DOS DADOS NECESSÁRIOS A CONTABILIZAÇÃO E FATURAMENTO DA ENERGIA EXPORTADA PARA A ARGENTINA E O URUGUAI.

PROCEDIMENTOS PARA APURAÇÃO DOS DADOS NECESSÁRIOS A CONTABILIZAÇÃO E FATURAMENTO DA ENERGIA EXPORTADA PARA A ARGENTINA E O URUGUAI. PROCEDIMENTOS PARA APURAÇÃO DOS DADOS NECESSÁRIOS A CONTABILIZAÇÃO E FATURAMENTO DA ENERGIA EXPORTADA PARA A ARGENTINA E O URUGUAI. 1 Sumário Conteúdo 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 4 3. PREMISSAS OPERACIONAIS...

Leia mais

Versão: 2 Início de Vigência: XX. XX.2006 Instrumento de Aprovação:

Versão: 2 Início de Vigência: XX. XX.2006 Instrumento de Aprovação: Procedimento de Comercialização MANUTENÇÃO DE CADASTRO DE AGENTES DA CCEE E USUÁRIOS DO SCL Versão: 2 Início de Vigência: XX. XX.2006 Instrumento de Aprovação: ÍNDICE 1. APROVAÇÃO...3 2. HISTÓRICO DE REVISÕES...3

Leia mais

ANEXO 05 - Minutas de Ato Autorizativo para PCH

ANEXO 05 - Minutas de Ato Autorizativo para PCH ANEXO 05 - Minutas de Ato Autorizativo para PCH A) Para Autoprodução PORTARIA Nº, DE DE DE 2005 Autoriza a empresa... a estabelecer-se como Autoprodutor de Energia Elétrica, mediante a implantação e exploração

Leia mais

3º Workshop Smart Grid Energia 2013

3º Workshop Smart Grid Energia 2013 3º Workshop Smart Grid Energia 2013 Sistema de Medição para Faturamento no Âmbito do Mercado de Energia Elétrica Câmara de Comercialização de Energia Elétrica - CCEE Campinas, 08 de novembro de 2013 Objetivo

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica PORTARIA N o 563, DE 17 DE OUTUBRO DE 2014. O MINISTRO DE ESTADO DE MINAS E ENERGIA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, parágrafo único,

Leia mais

PdC Versão 1 PdC Versão 2

PdC Versão 1 PdC Versão 2 Procedimento de Comercialização Controle de Alterações PdC Glossário de Termos da CCEE PdC Versão 1 PdC Versão 2 METODOLOGIA DO CONTROLE DE ALTERAÇÕES Texto em realce refere-se à inserção de nova redação.

Leia mais

Submódulo 1.1 Adesão à CCEE. Módulo 6 Penalidades. Submódulo 6.1 Penalidades de medição e multas

Submódulo 1.1 Adesão à CCEE. Módulo 6 Penalidades. Submódulo 6.1 Penalidades de medição e multas Submódulo 1.1 Adesão à CCEE Módulo 6 Penalidades Submódulo 6.1 Penalidades de medição Revisão 1.0 Vigência 16/10/2012 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO 3. PREMISSAS 4. LISTA DE DOCUMENTOS 5. FLUXO DE

Leia mais

pdc_me_04_minuta_01 Página 1 de 29 Versão: 1 Início de Vigência: XX.XX.200X Instrumento de Aprovação:

pdc_me_04_minuta_01 Página 1 de 29 Versão: 1 Início de Vigência: XX.XX.200X Instrumento de Aprovação: pdc_me_04_minuta_01 Página 1 de 29. Procedimento de Comercialização MAPEAMENTO DE PONTOS DE MEDIÇÃO NO SCDE Versão: 1 Início de Vigência: Instrumento de Aprovação: CÓDIGO ÍNDICE 1. APROVAÇÃO... 3 2. HISTÓRICO

Leia mais

PROCEDIMENTO DE MERCADO PE.01 Estabelecer Preços do MAE

PROCEDIMENTO DE MERCADO PE.01 Estabelecer Preços do MAE PROCEDIMENTO DE MERCADO PE.01 Estabelecer Preços Responsável pelo PM: Gerência de Contabilização CONTROLE DE ALTERAÇÕES Versão Data Descrição da Alteração Elaborada por Aprovada por PM PE.01 - Estabelecer

Leia mais

Submódulo 1.1 Adesão à CCEE. Módulo 6 Penalidades. Submódulo 6.2 Notificação e gestão do pagamento de penalidades

Submódulo 1.1 Adesão à CCEE. Módulo 6 Penalidades. Submódulo 6.2 Notificação e gestão do pagamento de penalidades Submódulo 1.1 Adesão à CCEE Módulo 6 Penalidades Submódulo 6.2 Notificação e gestão do Revisão 1.0 Vigência 16/10/2012 1 Submódulo 6.2 Notificação e gestão do ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO 3. PREMISSAS

Leia mais

CÂMARA DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA - CCEE Módulo 3: Contratação de Energia e Potência. Submódulo 3.5 REAJUSTE DA RECEITA DE VENDA - RRV

CÂMARA DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA - CCEE Módulo 3: Contratação de Energia e Potência. Submódulo 3.5 REAJUSTE DA RECEITA DE VENDA - RRV CÂMARA DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA - Módulo 3: Contratação de Energia e Potência Submódulo 3.5 DE VENDA - RRV CÂMARA DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA - Módulo 3: Contratação de Energia

Leia mais

pdc_me_04 Página 1 de 24 Versão: 1 Início de Vigência: 11.03.2008 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 934, de 07 de março de 2008.

pdc_me_04 Página 1 de 24 Versão: 1 Início de Vigência: 11.03.2008 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 934, de 07 de março de 2008. pdc_me_04 Página 1 de 24. Procedimento de Comercialização Versão: 1 Início de Vigência: Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 934, de 07 de março de 2008. ÍNDICE 1. APROVAÇÃO... 3 2. HISTÓRICO DE

Leia mais

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST Módulo 9 Ressarcimento de Danos Elétricos Revisão Motivo da Revisão Primeira

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA DETERMINAÇÃO DA POTÊNCIA INSTALADA E POTÊNCIA LÍQUIDA DE EMPREENDIMENTO DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

PROCEDIMENTO PARA DETERMINAÇÃO DA POTÊNCIA INSTALADA E POTÊNCIA LÍQUIDA DE EMPREENDIMENTO DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PROCEDIMENTO PARA DETERMINAÇÃO DA POTÊNCIA INSTALADA E POTÊNCIA LÍQUIDA DE EMPREENDIMENTO DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CONTROLE DE REVISÕES REVISÃO DESCRIÇÃO DA REVISÃO ATO LEGAL 00 Revisão Inicial Resolução

Leia mais

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA PARA COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA PROVENIENTE DE GERAÇÃO DISTRIBUÍDA Nº 001/2014

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA PARA COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA PROVENIENTE DE GERAÇÃO DISTRIBUÍDA Nº 001/2014 EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA PARA COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA PROVENIENTE DE GERAÇÃO DISTRIBUÍDA Nº 001/2014 A LIGHT SERVIÇOS DE ELETRICIDADE S. A. concessionária de serviços públicos de distribuição de energia

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS - ANA RESOLUÇÃO CONJUNTA Nº 03, DE 10 DE AGOSTO DE 2010

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS - ANA RESOLUÇÃO CONJUNTA Nº 03, DE 10 DE AGOSTO DE 2010 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS - ANA RESOLUÇÃO CONJUNTA Nº 03, DE 10 DE AGOSTO DE 2010 Estabelecer as condições e os procedimentos a serem observados pelos concessionários

Leia mais

EMPREENDIMENTOS HIDRELÉTRICOS INSTRUÇÕES PARA CADASTRAMENTO E HABILITAÇÃO TÉCNICA COM VISTAS À PARTICIPAÇÃO NOS LEILÕES DE ENERGIA

EMPREENDIMENTOS HIDRELÉTRICOS INSTRUÇÕES PARA CADASTRAMENTO E HABILITAÇÃO TÉCNICA COM VISTAS À PARTICIPAÇÃO NOS LEILÕES DE ENERGIA EMPREENDIMENTOS HIDRELÉTRICOS INSTRUÇÕES PARA CADASTRAMENTO E HABILITAÇÃO TÉCNICA COM VISTAS À PARTICIPAÇÃO NOS LEILÕES DE ENERGIA Governo Federal Ministério de Minas e Energia Ministro Silas Rondeau Cavalcante

Leia mais

EDITAL FAPESB 002/2013 APOIO À PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS CIENTÍFICOS E/OU TECNOLÓGICOS

EDITAL FAPESB 002/2013 APOIO À PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS CIENTÍFICOS E/OU TECNOLÓGICOS EDITAL FAPESB 002/2013 APOIO À PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS CIENTÍFICOS E/OU TECNOLÓGICOS A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia FAPESB, no uso das suas atribuições, torna público o presente Edital

Leia mais

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST. Módulo 4 Procedimentos Operativos do Sistema de Distribuição

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST. Módulo 4 Procedimentos Operativos do Sistema de Distribuição Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST Módulo 4 Procedimentos Operativos do Sistema de Distribuição Revisão 0

Leia mais

MODELO CONTRATO DE USO DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO. Arquivo: CUST Modelo 25mai10.doc

MODELO CONTRATO DE USO DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO. Arquivo: CUST Modelo 25mai10.doc MODELO CONTRATO DE USO DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO Arquivo: Motivo: Adequação à Resolução 399/10 - Contratação do Uso do Sistema de Transmissão Modelo aplicado a: Distribuidores conectados à Rede Básica;

Leia mais

Submódulo 12.2. Instalação do sistema de medição para faturamento

Submódulo 12.2. Instalação do sistema de medição para faturamento Submódulo 2.2 Instalação do sistema de medição para faturamento Rev. Nº. Motivo da revisão Data de aprovação pelo ONS Data e instrumento de aprovação pela ANEEL 0 Este documento foi motivado pela criação

Leia mais

Versão: 2 Início de Vigência: 23.02.2010 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 391, de 22 de fevereiro de 2010

Versão: 2 Início de Vigência: 23.02.2010 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 391, de 22 de fevereiro de 2010 Procedimento de Comercialização APURAÇÃO DE NÃO-CONFORMIDADES E PENALIDADES DE MEDIÇÃO Versão: 2 Início de Vigência: Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 391, de 22 de fevereiro de 2010 ÍNDICE 1.

Leia mais

A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A. Módulo 6.8: Bandeiras Tarifárias. S u b m ó d u l o 6. 8

A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A. Módulo 6.8: Bandeiras Tarifárias. S u b m ó d u l o 6. 8 A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A Módulo 6.8: Bandeiras Tarifárias S u b m ó d u l o 6. 8 B A N D E I R A S T A R I F Á R I A S Revisão Motivo da revisão Instrumento de aprovação

Leia mais

A COMPASS COMERCIALIZADORA DE ENERGIA ELÉTRICA LTDA. OFERTA COMPASS nº 01/2009

A COMPASS COMERCIALIZADORA DE ENERGIA ELÉTRICA LTDA. OFERTA COMPASS nº 01/2009 A COMPASS COMERCIALIZADORA DE ENERGIA ELÉTRICA LTDA. OFERTA COMPASS nº 01/2009 EDITAL DE VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA NO AMBIENTE DE CONTRATAÇÃO LIVRE - ACL A OFERTA e os procedimentos relativos à Venda de

Leia mais

LEILÕES DE ENERGIA NOVA A-5 e A-3/2007 DÚVIDAS FREQÜENTES

LEILÕES DE ENERGIA NOVA A-5 e A-3/2007 DÚVIDAS FREQÜENTES LEILÕES DE ENERGIA NOVA A-5 e A-3/2007 DÚVIDAS FREQÜENTES GERAÇÃO: 1) Uma usina à biomassa de bagaço de cana que já tenha vendido nos leilões de energia nova anteriores e que pretenda modificar seu projeto

Leia mais

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria do Turismo, Esporte e do Lazer Fundação de Esporte e Lazer do Rio Grande do Sul - FUNDERGS

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria do Turismo, Esporte e do Lazer Fundação de Esporte e Lazer do Rio Grande do Sul - FUNDERGS EDITAL Nº 03/2015 PEQUENAS OBRAS E REFORMAS EM GINÁSIOS ESPORTIVOS, CANCHAS, QUADRAS ESPORTIVAS, ESTÁDIOS, CAMPOS DE FUTEBOL E OUTROS ESPAÇOS DESTINADOS À PRÁTICA DE ESPORTES E AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS

Leia mais

REGULAMENTO DA CÂMARA DE REGISTRO, COMPENSAÇÃO E LIQUIDAÇÃO DE OPERAÇÕES DE CÂMBIO DA BM&FBOVESPA. Março 2014. Página 1

REGULAMENTO DA CÂMARA DE REGISTRO, COMPENSAÇÃO E LIQUIDAÇÃO DE OPERAÇÕES DE CÂMBIO DA BM&FBOVESPA. Março 2014. Página 1 REGULAMENTO DA CÂMARA DE REGISTRO, COMPENSAÇÃO E LIQUIDAÇÃO DE OPERAÇÕES DE CÂMBIO DA BM&FBOVESPA Março 2014 Página 1 ÍNDICE CAPÍTULO I DAS DEFINIÇÕES... 3 CAPÍTULO II DAS ATIVIDADES DA CÂMARA... 6 CAPÍTULO

Leia mais

Secretaria de Gestão de Informação e Documentação ATO DA COMISSÃO DIRETORA Nº 2, DE 2008

Secretaria de Gestão de Informação e Documentação ATO DA COMISSÃO DIRETORA Nº 2, DE 2008 ATO DA COMISSÃO DIRETORA Nº 2, DE 2008 Dispõe sobre a gestão de Contratos no Senado Federal e dá outras providências. A COMISSÃO DIRETORA DO SENADO FEDERAL, no uso de suas atribuições e visando o aprimoramento

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO NA MODALIDADE LOCAL PLANOS DE SERVIÇO CLARO FIXO.

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO NA MODALIDADE LOCAL PLANOS DE SERVIÇO CLARO FIXO. CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO NA MODALIDADE LOCAL PLANOS DE SERVIÇO CLARO FIXO. Objeto O objeto do presente Contrato é a prestação, pela EMBRATEL, do Serviço Telefônico Fixo

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 363, DE 22 DE ABRIL DE 2009

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 363, DE 22 DE ABRIL DE 2009 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 363, DE 22 DE ABRIL DE 2009 Estabelece as condições de atendimento por meio de Central de Teleatendimento - CTA das concessionárias e

Leia mais

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST Módulo 7 Cálculo de Perdas na Distribuição Revisão 0 1 2 3 Motivo da Revisão

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 2809. Parágrafo 1º Para efeito da constituição da amostra referida neste artigo, devem ser considerados:

RESOLUÇÃO Nº 2809. Parágrafo 1º Para efeito da constituição da amostra referida neste artigo, devem ser considerados: RESOLUÇÃO Nº 2809 Altera e consolida as normas relativas à metodologia de cálculo da Taxa Básica Financeira - TBF e da Taxa Referencial - TR, bem como dispõe sobre o fornecimento de informações para essa

Leia mais

Intercâmbio de informações operativas relativas ao Sistema de Medição para Faturamento SMF

Intercâmbio de informações operativas relativas ao Sistema de Medição para Faturamento SMF SCDE Sistema De Coleta De Dados De Energia FATQEE Base Histórica de Faturamento e Qualidade de Energia Anexo IV ao Acordo Operacional entre o ONS e CCEE Intercâmbio de informações operativas relativas

Leia mais

O Banco Central do Brasil em 29/06/2006 editou a Resolução 3380, com vista a implementação da Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional.

O Banco Central do Brasil em 29/06/2006 editou a Resolução 3380, com vista a implementação da Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional. 1 POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL 1.1 Introdução O Banco Central do Brasil em 29/06/2006 editou a Resolução 3380, com vista a implementação da Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional.

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº120/2013

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº120/2013 Ressaltamos a necessidade de contratação pelas distribuidoras no Leilão A-1 de 2013da quantidade de energia correspondente à exposição involuntária decorrente do cancelamento do Leilão A-1 de 2012 e da

Leia mais

Aspectos Jurídicos 1

Aspectos Jurídicos 1 Aspectos Jurídicos 1 Planejamento do conteúdo: 1. Direito de energia no Brasil Estrutura e funcionamento do Estado brasileiro Marcos regulatórios (CR, as Políticas, as Leis, as Agências) 2. A contratação

Leia mais

2.1. O Estudo de Inventário da UHE Colíder foi aprovado conforme a seguir discriminado:

2.1. O Estudo de Inventário da UHE Colíder foi aprovado conforme a seguir discriminado: ANEXO VIII AO EDITAL DE LEILÃO Nº. 03/2010-ANEEL ANEXO VIII CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS E INFORMAÇÕES BÁSICAS PARA A EXPLORAÇÃO DA UHE FERREIRA GOMES A exploração da UHE Ferreira Gomes, pela Concessionária,

Leia mais

Eólica Faísa V Geração e Comercialização de Energia Elétrica S.A.

Eólica Faísa V Geração e Comercialização de Energia Elétrica S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2012 2011 Passivo e patrimônio líquido 2012 2011 (Não auditado) (Não auditado) Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa (Nota 4) 415 7 Fornecedores

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA

ESTADO DE SANTA CATARINA Email Institucional Programa Orçamentário Objetivo Objetivo Detalhado Justificativa Instrumento Transferência Tipo Proponente Identificador Proponente seitectur@sol.sc.gov.br 640 Promoção do Turismo Catarinense

Leia mais

ANEXO VIII CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS E INFORMAÇÕES BÁSICAS PARA A EXPLORAÇÃO DA UHE TELES PIRES

ANEXO VIII CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS E INFORMAÇÕES BÁSICAS PARA A EXPLORAÇÃO DA UHE TELES PIRES ANEXO VIII CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS E INFORMAÇÕES BÁSICAS PARA A EXPLORAÇÃO DA UHE TELES PIRES A exploração da UHE Teles Pires, pela Concessionária, será realizada em conformidade com a legislação em vigor

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 193, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2008 Altera os arts. 1º e 11 e o inciso I do art. 2º da Resolução CNSP No 118, de 22 de dezembro de 2004.

RESOLUÇÃO Nº 193, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2008 Altera os arts. 1º e 11 e o inciso I do art. 2º da Resolução CNSP No 118, de 22 de dezembro de 2004. RESOLUÇÃO Nº 193, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2008 Altera os arts. 1º e 11 e o inciso I do art. 2º da Resolução CNSP No 118, de 22 de dezembro de 2004. A SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - SUSEP, no uso da

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DO GRUPO CMS (CPEE, CSPE, CJE E CLFM) PARA A AUDIÊNCIA PÚBLICA ANEEL No 019/2005

CONTRIBUIÇÃO DO GRUPO CMS (CPEE, CSPE, CJE E CLFM) PARA A AUDIÊNCIA PÚBLICA ANEEL No 019/2005 CONTRIBUIÇÃO DO GRUPO CMS (CPEE, CSPE, CJE E CLFM) PARA A AUDIÊNCIA PÚBLICA ANEEL No 019/2005 Abaixo apresentamos nossas contribuições para a Audiência Pública ANEEL N 019/2005, de 30/08/2005. Destacamos

Leia mais

TERMOS DE USO DO WEBSITE

TERMOS DE USO DO WEBSITE TERMOS DE USO DO WEBSITE Este Termo de Uso apresenta as "Condições Gerais" aplicáveis ao uso dos serviços oferecidos por PB COMERCIO & TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO LTDA - ME, sociedade limitada, inscrita no

Leia mais

Dispõe sobre a Cotação Eletrônica de Preços no Estado do Rio Grande do Sul.

Dispõe sobre a Cotação Eletrônica de Preços no Estado do Rio Grande do Sul. LEI Nº 13.179, DE 10 DE JUNHO DE 2009 Business Online Comunicação de Dados Dispõe sobre a Cotação Eletrônica de Preços no Estado do Rio Grande do Sul. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Faço

Leia mais

NORMATIVO SARB 003/2008, revisto e atualizado em 14 de maio de 2015.

NORMATIVO SARB 003/2008, revisto e atualizado em 14 de maio de 2015. NORMATIVO SARB 003/2008, revisto e atualizado em 14 de maio de 2015. O Sistema de Autorregulação Bancária da Federação Brasileira de Bancos - FEBRABAN institui o NORMATIVO DE SERVIÇO DE ATENDIMENTO AO

Leia mais

Portaria n.º 65, de 28 de janeiro de 2015.

Portaria n.º 65, de 28 de janeiro de 2015. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Portaria n.º 65, de 28 de janeiro de 2015. O PRESIDENTE DO INSTITUTO NACIONAL

Leia mais

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO Autarquia Municipal Lei de criação Nº792 de 30-03-1967 CNPJ: 27.998.368/0001-47

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO Autarquia Municipal Lei de criação Nº792 de 30-03-1967 CNPJ: 27.998.368/0001-47 EDITAL PROCEDIMENTO DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PMI 000001/2014 PROCESSO Nº 001179/2014 O Serviço Autônomo de Água e Esgoto, do município de São Mateus estado do Espírito Santo, FAZ SABER que se encontra

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA DETERMINAÇÃO DA POTÊNCIA INSTALADA E POTÊNCIA LÍQUIDA DE EMPREENDIMENTO DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

PROCEDIMENTO PARA DETERMINAÇÃO DA POTÊNCIA INSTALADA E POTÊNCIA LÍQUIDA DE EMPREENDIMENTO DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PROCEDIMENTO PARA DETERMINAÇÃO DA POTÊNCIA INSTALADA E POTÊNCIA LÍQUIDA DE EMPREENDIMENTO DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA 1 CONTROLE DE REVISÕES REVISÃO DESCRIÇÃO DA REVISÃO ATO LEGAL 0 Revisão Inicial

Leia mais

CONTRATO DE ASSINATURA, CESSÃO DE DIREITO DE USO, LICENÇA DE USO DE SOFTWARE E OUTRAS AVENÇAS.

CONTRATO DE ASSINATURA, CESSÃO DE DIREITO DE USO, LICENÇA DE USO DE SOFTWARE E OUTRAS AVENÇAS. CONTRATO DE ASSINATURA, CESSÃO DE DIREITO DE USO, LICENÇA DE USO DE SOFTWARE E OUTRAS AVENÇAS. MÓDULO SISTEMAS DE GESTÃO LTDA, com sede na cidade de Ribeirão Preto, Estado de São Paulo, na Rua Amapá, 309

Leia mais

NORMA TÉCNICA SUMÁRIO 1 FINALIDADE... 3 2 CAMPO DE APLICAÇÃO... 3 3 RESPONSABILIDADES... 3 4 DEFINIÇÕES... 3

NORMA TÉCNICA SUMÁRIO 1 FINALIDADE... 3 2 CAMPO DE APLICAÇÃO... 3 3 RESPONSABILIDADES... 3 4 DEFINIÇÕES... 3 30 / 08 / 2012 1 de 19 SUMÁRIO 1 FINALIDADE... 3 2 CAMPO DE APLICAÇÃO... 3 3 RESPONSABILIDADES... 3 4 DEFINIÇÕES... 3 4.1 Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT... 3 4.2 Agência Nacional de Energia

Leia mais

Certificado de Qualidade do Etanol

Certificado de Qualidade do Etanol Manual do Usuário Qualidade Combustível INTRODUÇÃO. A proposta deste documento é orientar e esclarecer os agentes da cadeia Combustível na emissão do Certificado da Qualidade e no envio mensal de dados

Leia mais

Art. 2º Para os efeitos desta Resolução serão considerados os seguintes conceitos e definições:

Art. 2º Para os efeitos desta Resolução serão considerados os seguintes conceitos e definições: RESOLUÇÃO NORMATIVA ANEEL Nº 398, DE 23 DE MARÇO DE 2010 Regulamenta a Lei nº 11.934, de 5 de maio de 2009, no que se refere aos limites à exposição humana a campos elétricos e magnéticos originários de

Leia mais

Associação Matogrossense dos Municípios

Associação Matogrossense dos Municípios RESOLUÇÃO N.º 004/2010 Dispõe sobre a produção de normas e procedimentos para realização de auditorias internas e inspeções na Associação Matogrossense dos Municípios - AMM. A Presidência da Associação

Leia mais

REGULAMENTO DA CÂMARA DE REGISTRO, COMPENSAÇÃO E LIQUIDAÇÃO DE OPERAÇÕES DE CÂMBIO BM&FBOVESPA

REGULAMENTO DA CÂMARA DE REGISTRO, COMPENSAÇÃO E LIQUIDAÇÃO DE OPERAÇÕES DE CÂMBIO BM&FBOVESPA REGULAMENTO DA CÂMARA DE REGISTRO, COMPENSAÇÃO E LIQUIDAÇÃO DE OPERAÇÕES DE CÂMBIO BM&FBOVESPA CAPÍTULO I DAS DEFINIÇÕES CAPÍTULO II DAS ATIVIDADES DA CÂMARA CAPÍTULO III DOS PARTICIPANTES CAPÍTULO IV

Leia mais

NORMATIVO SARB 003/2008 1. CONCEITO

NORMATIVO SARB 003/2008 1. CONCEITO O Conselho de Auto-Regulação Bancária, com base no art. 1 (b), do Código de Auto-Regulação Bancária, sanciona as regras abaixo dispostas, formalizando preceitos comuns a todas as signatárias da auto-regulação

Leia mais

Módulo 3 Contratação de Energia e Potência

Módulo 3 Contratação de Energia e Potência Submódulo3.1 Contratos do ambiente livre Módulo 3 Contratação de Energia e Potência Submódulo 3.1 Contratos do Ambiente Livre Revisão 1.0 Vigência 12/11/2012 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO 3. PREMISSAS

Leia mais

REGULAMENTO PARA SUBVENÇÃO DIRETA AOS PRODUTORES DE CANA-DE-AÇÚCAR NA REGIÃO NORDESTE, EXCLUSIVAMENTE NA SAFRA 2008/2009

REGULAMENTO PARA SUBVENÇÃO DIRETA AOS PRODUTORES DE CANA-DE-AÇÚCAR NA REGIÃO NORDESTE, EXCLUSIVAMENTE NA SAFRA 2008/2009 REGULAMENTO PARA SUBVENÇÃO DIRETA AOS PRODUTORES DE CANA-DE-AÇÚCAR NA REGIÃO NORDESTE, EXCLUSIVAMENTE NA SAFRA 2008/2009 1. DO OBJETIVO. Estabelecer, exclusivamente para a safra 2008/2009, as condições

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Recibo Provisório de Serviço - EFD Contribuições Bloco A

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Recibo Provisório de Serviço - EFD Contribuições Bloco A Recibo Provisório de Serviço - EFD Contribuições Bloco A 07/10/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 3.1 Instrução Normativa

Leia mais

OFÍCIO/CVM/SEP/GEA-5/Nº 121/2012 Rio de Janeiro, 09 de maio de 2012.

OFÍCIO/CVM/SEP/GEA-5/Nº 121/2012 Rio de Janeiro, 09 de maio de 2012. OFÍCIO/CVM/SEP/GEA-5/Nº 121/2012 Rio de Janeiro, 09 de maio de 2012. Ao Senhor, CARLOS ALBERTO BEZERRA DE MIRANDA Diretor de Relações com Investidores da BAESA-ENERGETICA BARRA GRANDE S.A Avenida Madre

Leia mais

O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE ARACATI, no uso de suas atribuições legais, conforme lhe confere a Lei Orgânica do Município, e

O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE ARACATI, no uso de suas atribuições legais, conforme lhe confere a Lei Orgânica do Município, e DECRETO Nº 063/2013-GP. Regulamenta e implementa a Lei Complementar Federal n 123 de 14 de Dezembro de 2006 e a Lei Geral Municipal da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte n 216, de 18 de dezembro

Leia mais

CLÁUSULA SEGUNDA Este contrato entrará em vigor por prazo indeterminado após sua publicação e registro em Ofício de Notas competente.

CLÁUSULA SEGUNDA Este contrato entrará em vigor por prazo indeterminado após sua publicação e registro em Ofício de Notas competente. Pelo presente instrumento particular, a COMPANHIA DE ÁGUAS E ESGOTOS DO RIO GRANDE DO NORTE (CAERN), inscrita no CNPJ n.º 08.334.385/0001-35, com sede na Avenida Sen. Salgado Filho, n 1555, bairro Tirol,

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo PROCEDIMENTO VERSÃO Nº ATA Nº APROVAÇÃO DATA DATA DA VIGÊNCIA 08 20/06/2013 28/06/2013 LOGÍSTICA FSL DANIEL DE SOUZA SANTIAGO FSL SUMÁRIO 1. RESUMO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...

Leia mais

REGISTRO ELETRÔNICO DE PRODUTOS MANUAL DE UTILIZAÇÃO

REGISTRO ELETRÔNICO DE PRODUTOS MANUAL DE UTILIZAÇÃO Ministério da Fazenda SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS REGISTRO ELETRÔNICO DE PRODUTOS MANUAL DE UTILIZAÇÃO Versão 01/08/2016 Coordenação Geral de Produtos CGPRO/DIRAT SUMÁRIO COORDENAÇÃO GERAL DE

Leia mais

Exportação de Energia..republi

Exportação de Energia..republi Exportação de Energia.republi Exportação de Energia Argentina e Uruguai GCTL Coordenação de Contabilização Atualizado em Junho/2013 1 Exportação de Energia INTRODUÇÃO A República da Argentina, por meio

Leia mais

Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL MANUAL DE INSTRUÇÃO PARA ELABORAÇÃO E ENVIO DO ARQUIVO DE DIFERENÇA MENSAL DE RECEITA DMR ANUAL

Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL MANUAL DE INSTRUÇÃO PARA ELABORAÇÃO E ENVIO DO ARQUIVO DE DIFERENÇA MENSAL DE RECEITA DMR ANUAL Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Superintendência de Gestão Técnica da Informação SGI Superintendência de Regulação dos Serviços Comerciais SRC MANUAL DE INSTRUÇÃO PARA ELABORAÇÃO E ENVIO DO

Leia mais

Produção de Hidrogênio na Usina Hidrelétrica de Itaipu em Escala Piloto e Utilização em Célula a Combustível com base no Convênio ECV-DTC 002/2011.

Produção de Hidrogênio na Usina Hidrelétrica de Itaipu em Escala Piloto e Utilização em Célula a Combustível com base no Convênio ECV-DTC 002/2011. FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO ITAIPU - BRASIL PROCESSO FPTI-BR Nº. 0098/2014 Edital Nº. 098/2014 A Fundação Parque Tecnológico Itaipu Brasil, FPTI-BR, por meio do PTI Ciência, Tecnologia e Inovação, PTI

Leia mais

Programa de Certificação da Bioeletricidade

Programa de Certificação da Bioeletricidade Programa de Certificação da Bioeletricidade Regulamento para a obtenção do Certificado Energia Verde Bioeletricidade e do Selo Energia Verde Bioeletricidade Iniciativa: Parceria: Apoio: Revisão Data Motivo

Leia mais

Termo de Uso ANEAS Colégio São Francisco Xavier

Termo de Uso ANEAS Colégio São Francisco Xavier Termo de Uso ANEAS Colégio São Francisco Xavier ACORDO COM O USUÁRIO Este Termo de Uso apresenta as Condições Gerais aplicáveis ao uso dos serviços oferecidos pelo ANEAS COLÉGIO SÃO FRANCISCO XAVIER, inscrita

Leia mais

Termo de Referência Manutenção Preventiva e Corretiva de Equipamentos Ativos de Rede de Dados do Palácio da Cidade

Termo de Referência Manutenção Preventiva e Corretiva de Equipamentos Ativos de Rede de Dados do Palácio da Cidade PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Empresa Municipal de Informática S.A. - IplanRio Termo de Referência Manutenção Preventiva e Corretiva de Equipamentos Ativos de Rede de Dados do Palácio da Cidade

Leia mais

EDITAL Nº 002/2015/PROPE SELEÇÃO DE ORIENTADORES E PROJETOS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

EDITAL Nº 002/2015/PROPE SELEÇÃO DE ORIENTADORES E PROJETOS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA EDITAL Nº 002/2015/PROPE SELEÇÃO DE ORIENTADORES E PROJETOS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - PIBIC/FAPEMIG PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

Leia mais

P4-MPS.BR - Prova de Conhecimento do Processo de Aquisição do MPS.BR

P4-MPS.BR - Prova de Conhecimento do Processo de Aquisição do MPS.BR Data: 6 de Dezembro de 2011 Horário: 13:00 às 17:00 horas (hora de Brasília) Nome: e-mail: Nota: INSTRUÇÕES Você deve responder a todas as questões. O total máximo de pontos da prova é de 100 pontos (100%),

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA SAF Nº 01, DE 19 DE JANEIRO DE 2011

INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA SAF Nº 01, DE 19 DE JANEIRO DE 2011 INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA SAF Nº 01, DE 19 DE JANEIRO DE 2011 Publicada no DOE de 25 de janeiro de 2011 Dispõe sobre a movimentação de recursos efetuados pelos Órgãos, Fundos e Entidades da Administração

Leia mais

PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES DA INTERNATIONAL MEAL COMPANY ALIMENTAÇÃO S.A. CNPJ/MF: 17.314.329/0001-20 NIRE: 3530048875-0

PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES DA INTERNATIONAL MEAL COMPANY ALIMENTAÇÃO S.A. CNPJ/MF: 17.314.329/0001-20 NIRE: 3530048875-0 PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES DA INTERNATIONAL MEAL COMPANY ALIMENTAÇÃO S.A. CNPJ/MF: 17.314.329/0001-20 NIRE: 3530048875-0 CLÁUSULA 1. OBJETIVO DA OUTORGA DE OPÇÕES 1.1 O objetivo do Plano de Opção

Leia mais

Assunto: Esclarecimentos relacionados à atuação do auditor no âmbito do mercado de valores mobiliários

Assunto: Esclarecimentos relacionados à atuação do auditor no âmbito do mercado de valores mobiliários COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS Rua Sete de Setembro, 111/2-5º e 23-34º Andares Centro Rio de Janeiro - RJ CEP: 20050-901 Brasil Tel.: (21) 3554-8686 - www.cvm.gov.br OFÍCIO-CIRCULAR/CVM/SNC/GNA/n.º 01/2016

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU. REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU.

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU. REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU. PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU. REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU. PREÂMBULO. A Faculdade Cenecista de Osório, no uso de suas atribuições decorrentes da Resolução nº. 1 de junho

Leia mais

JUSTIFICATIVA PARA CONTRATAÇÃO DO SERVIÇO

JUSTIFICATIVA PARA CONTRATAÇÃO DO SERVIÇO TERMO DE REFERÊNCIA OBJETIVANDO A CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA EM SERVIÇOS DE CINEMATOGRAFIA E EDIÇÃO DE IMAGENS EM VIDEO E FOTO PARA O MUSEU DO AMANHÃ JUSTIFICATIVA PARA CONTRATAÇÃO DO SERVIÇO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VIANA

PREFEITURA MUNICIPAL DE VIANA INSTRUÇÃO NORMATIVA SJU Nº 02/2014 Versão: 01 Data da Aprovação: 31/03/2014 Ato de Aprovação: Decreto Municipal Nº 075/2014 Unidade Responsável: Procuradoria Geral. I - FINALIDADE: A presente Instrução

Leia mais

Banco de Tokyo-Mitsubishi UFJ Brasil S/A

Banco de Tokyo-Mitsubishi UFJ Brasil S/A 1. PARTES CONVÊNIO PARA UTILIZAÇÃO DO SISTEMA INTERNET BANKING O presente Convênio disciplina o uso do Sistema INTERNET BANKING ( INTERNET BANKING ) disponível na home page (www.br.bk.mufg.jp) de propriedade

Leia mais

Os Valores numéricos apresentados são apenas fictícios, não podendo ser utilizados como referência.

Os Valores numéricos apresentados são apenas fictícios, não podendo ser utilizados como referência. EDITAL nº 006/2012 - A-5 - ANEEL EMPREENDEDOR E PROPONENTE VENDEDOR Os Valores numéricos apresentados são apenas fictícios, não podendo ser utilizados como referência. CCEE Sistema de Leilões de Energia

Leia mais

Dúvidas Freqüentes IMPLANTAÇÃO. 1- Como aderir à proposta AMQ?

Dúvidas Freqüentes IMPLANTAÇÃO. 1- Como aderir à proposta AMQ? Dúvidas Freqüentes IMPLANTAÇÃO 1- Como aderir à proposta AMQ? A adesão é realizada através do preenchimento e envio do Formulário de Cadastramento Municipal no site do projeto. O gestor municipal da saúde

Leia mais

Monitor de Comercialização - Proponente MT-212-00056-2

Monitor de Comercialização - Proponente MT-212-00056-2 Monitor de Comercialização - Proponente MT-212-00056-2 Última Atualização: 08/01/2015 Índice I Como acessar um Leilão II Informações básicas III Anexos IV Painel de Lances V Envio de Lances VI Prorrogação

Leia mais

5. Em 20/11/2013, a Superintendência de Econômica e Financeira SFF emitiu nota técnica 2 sobre o assunto.

5. Em 20/11/2013, a Superintendência de Econômica e Financeira SFF emitiu nota técnica 2 sobre o assunto. VOTO PROCESSO: 48500.003345/2013-33 INTERESSADO: Concessionárias de Distribuição de Energia Elétrica. RELATOR: Diretor José Jurhosa Júnior. RESPONSÁVEL: ASSESSORIA DA DIRETORIA. ASSUNTO: Devolução de recursos

Leia mais

CONTRATO DE ADESÃO AO PLANO ALTERNATIVO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO - LINHA CONTROLE 80

CONTRATO DE ADESÃO AO PLANO ALTERNATIVO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO - LINHA CONTROLE 80 CONTRATO DE ADESÃO AO PLANO ALTERNATIVO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO - LINHA CONTROLE 80 Pelo presente instrumento particular, a TELECOMUNICAÇÕES DE SÃO PAULO S/A TELESP, com sede na Rua Martiniano

Leia mais

EMPREENDIMENTOS TERMELÉTRICOS INSTRUÇÕES PARA O CADASTRAMENTO E HABILITAÇÃO TÉCNICA COM VISTAS À PARTICIPAÇÃO NOS LEILÕES DE ENERGIA

EMPREENDIMENTOS TERMELÉTRICOS INSTRUÇÕES PARA O CADASTRAMENTO E HABILITAÇÃO TÉCNICA COM VISTAS À PARTICIPAÇÃO NOS LEILÕES DE ENERGIA EMPREENDIMENTOS TERMELÉTRICOS INSTRUÇÕES PARA O CADASTRAMENTO E HABILITAÇÃO TÉCNICA COM VISTAS À PARTICIPAÇÃO NOS LEILÕES DE ENERGIA Governo Federal Ministério de Minas e Energia Ministro Silas Rondeau

Leia mais

CONTRATO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL. Empresa: Matrícula: Telefone: ( ) Renegociação? ( ) NÃO ( ) SIM Novo Contrato:

CONTRATO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL. Empresa: Matrícula: Telefone: ( ) Renegociação? ( ) NÃO ( ) SIM Novo Contrato: CONTRATO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL Nome do Participante/Assistido: Empresa: Matrícula: Telefone: ( ) Valor do Empréstimo: Quantidade de Prestações: Renegociação? ( ) NÃO ( ) SIM Novo Contrato: Valor liquido

Leia mais

VOTO RESPONSÁVEL: SUPERINTENDÊNCIA DE CONCESSÕES E AUTORIZAÇÕES DE GERAÇÃO SCG

VOTO RESPONSÁVEL: SUPERINTENDÊNCIA DE CONCESSÕES E AUTORIZAÇÕES DE GERAÇÃO SCG FL. 1 de 3 VOTO PROCESSO: 48000.002352/2013-18 INTERESSADO: Geração Biomassa Santa Cândida II S.A. RELATOR: Diretor André Pepitone da Nóbrega RESPONSÁVEL: SUPERINTENDÊNCIA DE CONCESSÕES E AUTORIZAÇÕES

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO PROCEDIMENTO DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE Nº 001/CISCEA/2015

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO PROCEDIMENTO DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE Nº 001/CISCEA/2015 1 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO PROCEDIMENTO DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE Nº 001/CISCEA/2015 PMI - GESTÃO DA REDE DE COMUNICAÇÕES INTEGRADA DO COMAER (GRCIC)

Leia mais

REGULAMENTO Concurso Cultural "Primeiros Passos

REGULAMENTO Concurso Cultural Primeiros Passos REGULAMENTO Concurso Cultural "Primeiros Passos O concurso cultural denominado Primeiros Passos" é promovido pelas BRASSCOM - Associação Brasileira de Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação,

Leia mais