RESOLUÇÃO Nº 425/2003 (Revogada pela Resolução nº 522/2007)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RESOLUÇÃO Nº 425/2003 (Revogada pela Resolução nº 522/2007)"

Transcrição

1 Publicação: 29/08/03 RESOLUÇÃO Nº 425/2003 (Revogada pela Resolução nº 522/2007) Cria a Superintendência da Gestão de Recursos Humanos, estabelece seu Regulamento e dá outras providências. A CORTE SUPERIOR DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MINAS GERAIS, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo art. 22, inciso II, da Lei Complementar nº 59, de 18 de janeiro de 2001, CONSIDERANDO a necessidade de: a) adequação da estrutura e funcionamento da Secretaria de Administração de Recursos Humanos do Tribunal às necessidades atuais da Instituição; b) articulação do planejamento e da execução de políticas e diretrizes referentes a seleção, formação, aperfeiçoamento de magistrados e servidores com a Administração de Recursos Humanos; c) racionalização dos métodos e práticas necessários ao suporte à Administração de Recursos Humanos do Tribunal, d) aperfeiçoamento das condições para o gerenciamento das ações inerentes à Administração de Recursos Humanos, Saúde Ocupacional e Segurança do Trabalho, com vistas a reduzir os custos e aumentar sua qualidade, eficiência e presteza; RESOLVE: CAPÍTULO I DISPOSIÇÃO GERAL Art. 1º - Fica criada a Superintendência da Gestão de Recursos Humanos, órgão da Secretaria do Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais, com a estrutura e as atribuições estabelecidas nesta Resolução. CAPÍTULO II ESTRUTURA ORGANIZACIONAL Art. 2º - A Superintendência da Gestão de Recursos Humanos tem a seguinte estrutura organizacional: I - Superintendente da Gestão de Recursos Humanos; II - Diretoria Executiva de Administração de Recursos Humanos: a) Assessoria Técnica e Jurídica para Administração de Recursos Humanos, como órgão de assessoramento;

2 b) Gerência de Registro e Concessão de Direitos, Vantagens e Benefícios de Servidores; c) Gerência da Magistratura; d) Coordenação de Processamento da Folha de Pagamento; Vida. e) Gerência de Saúde Ocupacional, Segurança no Trabalho e Qualidade de CAPÍTULO III OBJETIVOS E ATRIBUIÇÕES Seção I Superintendência da Gestão de Recursos Humanos Art. 3º - A Superintendência da Gestão de Recursos Humanos tem como objetivos assegurar a legalidade dos atos administrativos inerentes à Administração de Recursos Humanos do Tribunal e favorecer a melhoria da qualidade de vida dos magistrados e servidores, para aprimorar a prestação jurisdicional. Art. 4º - O Superintendente da Gestão de Recursos Humanos será o 2º Vice-Presidente do Tribunal de Justiça de Minas Gerais. Parágrafo único - É facultada ao Superintendente da Gestão de Recursos Humanos a indicação de desembargador em atividade para exercer a função de Superintendente-Adjunto, ao qual competirá substituir o titular em suas ausências. Humanos: Art. 5º - São atribuições do Superintendente da Gestão de Recursos I - propor ao Presidente do Tribunal as políticas e diretrizes inerentes à gestão de recursos humanos e as premissas básicas para os seus processos de trabalho; II - propor ao Presidente a programação anual de projetos e atividades inerentes a sua área de atuação; III - assegurar que as ações desenvolvidas no seu âmbito de atuação estejam compatíveis com a missão, a visão e os valores do Tribunal; IV - participar das reuniões do Comitê Estratégico de Gestão Institucional destinadas a verificar o alcance das metas estabelecidas para as diversas Superintendências que integram a Secretaria do Tribunal, garantindo a gestão sob a perspectiva sistêmica; V - assegurar o desdobramento e o alcance das metas estabelecidas para a Superintendência da Gestão de Recursos Humanos; VI - manter a Presidência do Tribunal informada quanto ao alcance de metas no âmbito de sua área de atuação;

3 VII - indicar à Presidência do Tribunal, para nomeação ou designação, os ocupantes de cargos em comissão ou funções de confiança existentes na Superintendência da Gestão de Recursos Humanos; VIII - assegurar o planejamento e o acompanhamento da execução orçamentária da Diretoria Executiva de Administração de Recursos Humanos; IX - assegurar o desenvolvimento dos processos de trabalho da Superintendência, em compatibilidade com o Sistema de Padronização Organizacional do Tribunal; X - executar outras atividades inerentes à sua área de atuação. Seção II Diretoria Executiva de Administração de Recursos Humanos Art. 6º - A Diretoria Executiva de Administração de Recursos Humanos tem como objetivo assegurar a correção e a legalidade dos atos relativos à vida funcional dos magistrados e servidores da 1ª e 2ª Instâncias vinculados ao Tribunal, assim como os direitos dos pensionistas dos magistrados, além de promover a saúde ocupacional e a segurança no trabalho, favorecendo a melhoria da qualidade de vida dos magistrados e servidores, para aprimorar a prestação jurisdicional. Art. 7º - São atribuições da Diretoria Executiva de Administração de Recursos Humanos: I - assegurar o cumprimento das premissas básicas estabelecidas para os processos de trabalho inerentes à sua área de atuação; II - propor ao Superintendente da Gestão de Recursos Humanos as alterações necessárias às premissas básicas dos processos de trabalhos de sua área de atuação; III - promover o desdobramento das metas anuais, no âmbito da Diretoria; IV - apresentar, para aprovação do Superintendente, o planejamento e a programação geral de projetos e atividades a serem desenvolvidos pela Diretoria, assim como a previsão orçamentária anual, a partir das propostas dos gerentes das áreas sob sua responsabilidade; V - analisar propostas das Gerências e da Coordenação que integram sua estrutura organizacional, referentes à implantação de projetos inovadores que propiciem a melhoria dos processos de trabalho e o alcance dos resultados esperados e viabilizar sua aprovação pelos órgãos competentes; VI - avaliar mensalmente o alcance de metas estabelecidas e o cumprimento de seus objetivos; VII - analisar projeções e estimativas em relação ao custo da concessão de direitos e vantagens dos magistrados e servidores e avaliar sua repercussão financeira, subsidiando decisões;

4 VIII - assegurar a compatibilidade da folha de pagamento com as previsões orçamentárias do Tribunal; IX - obter, junto à Assessoria Técnica e Jurídica para a Administração de Recursos Humanos, pareceres e orientações aplicáveis à administração de recursos humanos no Tribunal; X - assegurar a permanente atualização da padronização de processos de trabalho no âmbito da Diretoria, com vistas ao alcance dos resultados esperados, considerando suas premissas básicas; XI - promover junto à Escola Judicial Desembargador Edésio Fernandes oportunidades de permanente atualização dos servidores da Diretoria; XII - negociar, junto às demais áreas do Tribunal, os recursos e meios necessários ao desenvolvimento dos trabalhos das Gerências, da Assessoria e da Coordenação sob sua responsabilidade; XIII - apresentar mensalmente ao Superintendente da Gestão de Recursos Humanos os resultados alcançados frente às metas estabelecidas, devidamente medidos; XIV - apresentar, mensalmente, ao Superintendente da Gestão de Recursos Humanos relatório da despesa com a folha de pagamento, por centros de custo, apontando distorções a serem corrigidas; XV - preparar relatório anual de suas atividades, apresentando-o ao Superintendente da Gestão de Recursos Humanos; XVI - subsidiar a preparação do orçamento anual de pessoal do Tribunal; XVII - assegurar a execução orçamentária da sua área de atuação em consonância com a programação estabelecida; XVIII - encaminhar para publicação no "Diário do Judiciário" os atos do Presidente do Tribunal relativos a pessoal; XIX - interagir com a Escola Judicial Desembargador Edésio Fernandes para organizar o conjunto de informações relativas à magistratura, para subsidiar a tomada de decisões pela Corte Superior ou pela Presidência do Tribunal; XX - exercer outras atividades inerentes à sua área de atuação. Seção III Assessoria Técnica e Jurídica para Administração de Recursos Humanos Art. 8º - A Assessoria Técnica e Jurídica para Administração de Recursos Humanos integra a Diretoria Executiva de Administração de Recursos Humanos e tem como objetivo subsidiar decisões e orientar o aperfeiçoamento dos processos inerentes à administração de recursos humanos, atendendo às premissas básicas estabelecidas pelo Tribunal, oferecendo soluções para a gestão de recursos humanos.

5 Art. 9º - São atribuições da Assessoria Técnica e Jurídica para Administração de Recursos Humanos: I - acompanhar as mudanças na legislação e na jurisprudência e orientar os órgãos da Superintendência quanto a implicações na administração de recursos humanos do Tribunal; II - orientar a atualização permanente dos instrumentos e procedimentos inerentes à administração de recursos humanos do Tribunal, em consonância com as mudanças e inovações na gestão de recursos humanos, especialmente quanto às normas relativas à administração pública; III - oferecer subsídios técnico-jurídicos para a tomada de decisões inerentes à administração de recursos humanos, inclusive nos aspectos relacionados aos sistemas informatizados que lhe dão suporte; IV - manter permanentemente informados os responsáveis pelos processos inerentes à administração de recursos humanos, quanto às normas legais e à jurisprudência aplicáveis ao Tribunal; V - oferecer subsídios ao aperfeiçoamento das premissas básicas relacionadas aos processos inerentes à administração de recursos humanos, saúde ocupacional e segurança no trabalho; VI - emitir pareceres em assuntos de administração de recursos humanos, saúde ocupacional e segurança no trabalho; VII - fundamentar a tomada de decisões que se fizerem necessárias na Diretoria Executiva de Administração de Recursos Humanos, nas Gerências e na Coordenação que integram a Diretoria; VIII - exercer outras atividades inerentes à sua área de atuação. Seção IV Gerência de Registro e Concessão de Direitos, Vantagens e Benefícios de Servidores Art A Gerência de Registro e Concessão de Direitos, Vantagens e Benefícios de Servidores integra a Diretoria Executiva de Administração de Recursos Humanos e tem como objetivo assegurar que o gerenciamento das ações inerentes aos registros funcionais e à concessão de direitos, vantagens e benefícios de servidores esteja em compatibilidade com os aspectos legais pertinentes e em consonância com as políticas e diretrizes do Tribunal. Art São atribuições da Gerência de Registro e Concessão de Direitos, Vantagens e Benefícios de Servidores: I - propor o aperfeiçoamento das premissas básicas no que se refere à sua área de atuação; II - manter atualizado o banco de dados e o arquivo de documentos, preferencialmente digitalizados, referentes à vida funcional dos servidores, a direitos,

6 vantagens e benefícios concedidos, para viabilizar as atividades inerentes à administração de recursos humanos do Tribunal; III - fornecer informações claras e precisas sobre a vida funcional e a concessão de direitos, vantagens e benefícios aos servidores da 1ª Instância e da Secretaria do Tribunal, assim como informações referentes aos aspectos legais da contratação de estagiários; IV - fornecer informações, a quem de direito, sobre valores concedidos a título de direitos, benefícios e vantagens a servidores da 1ª Instância e da Secretaria do Tribunal; V - apurar e registrar freqüência, afastamentos, situações especiais de exercício e outras que interferirem no pagamento dos servidores e na concessão de bolsa de estagiários; VI - apurar a contagem de tempo, identificando situações de servidores que completaram período aquisitivo para concessão de direitos e vantagens; VII - elaborar a escala de férias e encaminhá-la às áreas competentes, para as providências cabíveis relacionadas a pagamento e registro funcional; VIII - preparar os atos administrativos do Presidente do Tribunal relativos a servidores e providenciar sua publicação no "Diário do Judiciário"; IX - acompanhar a publicação dos atos de pessoal no "Diário do Judiciário" e registrar as respectivas datas; servidores; X - preparar certidões e outros documentos legais demandados pelos XI - manter atualizada a documentação funcional sujeita a fiscalização por órgãos e entidades competentes; XII - orientar os servidores para a consulta ao banco de dados de sua vida funcional e identificar demandas dos usuários que não estejam sendo atendidas, com vistas ao aperfeiçoamento do sistema informatizado; XIII - assegurar a legalidade e a completeza dos documentos relativos aos servidores, para provimento de cargos no Tribunal, assim como a regularidade da documentação dos estagiários; XIV - orientar servidores sobre a importância da atualização da documentação e de informações fornecidas para fins de cadastro e registro; XV - cadastrar os novos servidores no sistema de controle de pessoal e controlar os contratos de estagiários; XVI - preparar atos de admissão e desligamento de servidores, assim como o recolhimento de bens patrimoniais e identidade funcional, quando de seu desligamento;

7 XVII - preparar documentação relativa à posse, ao exercício e à identificação funcional dos servidores; XVIII - assegurar a legalidade dos atos de substituição em postos de trabalho temporariamente vagos; XIX - preparar documentos inerentes à sua área de atuação a serem encaminhados aos órgãos governamentais competentes nas áreas do Trabalho, da Previdência e da Fazenda, às representações das categorias profissionais e a outras Instituições responsáveis pelo controle do cumprimento da legislação pertinente à administração de recursos humanos; XX - representar o Tribunal, através de preposto, junto a órgãos governamentais e sindicatos representantes das categorias profissionais contratadas para prestar serviços ao Tribunal; XXI - manter os padrões inerentes aos processos de trabalho de sua área de atuação devidamente atualizados, em consonância com o Sistema de Padronização Organizacional do Tribunal; XXII - avaliar mensalmente os resultados alcançados frente aos resultados esperados, de modo a identificar procedimentos a serem aperfeiçoados; XXIII - apresentar mensalmente à Diretoria Executiva de Administração de Recursos Humanos, demonstrativos dos resultados alcançados e propostas de ações para melhoria, quando necessário; XXIV - apresentar, para aprovação de sua Diretoria, a previsão orçamentária anual para ações na sua área de responsabilidade; XXV - manter controle da execução orçamentária da Gerência, no âmbito de sua atuação; Gerência; XXVI - assegurar a permanente atualização dos servidores que integram a XXVII - buscar viabilizar junto à Diretoria Executiva os meios e as condições necessárias ao desenvolvimento dos trabalhos sob sua responsabilidade; XXVIII - desempenhar outras atividades inerentes à sua área de atuação. Seção V Gerência da Magistratura Art A Gerência da Magistratura integra a Diretoria Executiva de Administração de Recursos Humanos e tem como objetivo operacionalizar os registros funcionais e a concessão de direitos, vantagens e benefícios de magistrados e seus pensionistas, subsidiando a preparação da folha de pagamento, em consonância com a legislação pertinente e com as políticas e diretrizes do Tribunal. Art São atribuições da Gerência da Magistratura:

8 I - oferecer subsídios com vistas ao aperfeiçoamento das premissas básicas no que se refere a sua área de atuação; II - fornecer informações claras e precisas sobre a vida funcional e a concessão de direitos, vantagens e benefícios aos magistrados vinculados ao Tribunal e seus pensionistas; III - fornecer informações gerais sobre valores concedidos a título de direitos, benefícios e vantagens aos magistrados vinculados ao Tribunal e seus pensionistas; IV - manter atualizado o banco de dados referente à vida funcional dos magistrados, para operacionalizar a concessão de direitos, vantagens e benefícios; V - preparar documentação referente a posse, exercício, aposentadoria, exoneração e identificação funcional de magistrados, assim como o recolhimento de bens patrimoniais e da identidade funcional por ocasião de seu desligamento; VI - manter atualizados os mapas relativos à composição de Câmaras e outros órgãos do Tribunal, bem como as listagens com a situação dos juízes, para fins de movimentação; VII - preparar expedientes relativos a licenças, substituições e férias e tomar as demais providências cabíveis, relacionadas a pagamento e registro funcional; VIII - apurar a contagem de tempo, identificando situações de magistrados que completaram período aquisitivo para concessão de direitos e vantagens; IX - controlar a movimentação dos juízes de direito e preparar expedientes relacionados à designação de substitutos e cooperadores nas diversas varas e comarcas do Estado; X - desenvolver as etapas inerentes ao processo de provimento de vagas nas diversas entrâncias e nos Tribunais, no que diz respeito aos aspectos administrativos; XI - preparar os atos administrativos do Presidente do Tribunal relativos a magistrados ou a seus pensionistas e providenciar sua publicação no "Diário do Judiciário"; XII - acompanhar a publicação, no "Diário do Judiciário"; dos atos administrativos inerentes à vida funcional dos magistrados e aos seus pensionistas, registrando as respectivas datas; XIII - orientar os magistrados para a consulta a banco de dados de sua vida funcional e identificar demandas que não estejam sendo atendidas, com vistas ao aperfeiçoamento do sistema informatizado; XIV - preparar documentos inerentes à sua área de atuação, a serem encaminhados aos órgãos governamentais competentes, às representações das categorias profissionais e a outras instituições responsáveis pelo controle do cumprimento da legislação pertinente à administração de recursos humanos e cumprir diligências determinadas;

9 XV - manter atualizados os registros e informações referentes ao provimento e à vacância de comarcas, aos cargos da magistratura, a afastamentos e plantões de magistrados; XVI - elaborar e providenciar a divulgação da escala de plantão de finais de semana e de férias forenses de juízes de direito e desembargadores; XVII - manter atualizada a documentação funcional sujeita à fiscalização por órgãos e entidades competentes; XVIII - encaminhar mensalmente ao Tribunal Regional Eleitoral dados referentes a afastamento dos magistrados envolvidos em atividades eleitorais, para providências relativas a pagamento; XIX - preparar informações referentes à vida funcional de magistrados, para subsidiar decisões e a preparação de relatórios; XX - obter, junto à Assessoria Técnica e Jurídica para Administração de Recursos Humanos, pareceres e orientações aplicáveis à sua esfera de responsabilidade; XXI - alimentar, mensalmente, o sistema da folha de pagamento com os dados inerentes a pagamento de magistrados e pensionistas; XXII - assegurar aos magistrados e pensionistas o recebimento de comprovantes de crédito; XXIII - avaliar mensalmente os resultados alcançados frente aos resultados esperados, de modo a identificar procedimentos a serem aperfeiçoados; XXIV - apresentar mensalmente, à sua Diretoria, os resultados alcançados frente às metas estabelecidas, devidamente medidos; XXV - manter os padrões inerentes aos processos de trabalho de sua área de atuação devidamente atualizados, em consonância com o Sistema de Padronização Organizacional do Tribunal; XXVI - desempenhar outras atividades inerentes à sua área de atuação. Seção VI Coordenação de Pagamento de Magistrados e Servidores Art 14 - A Coordenação de Pagamento de Magistrados e Servidores integra a Diretoria Executiva de Administração de Recursos Humanos e tem como objetivo apurar a freqüência, os afastamentos e situações especiais de exercício de magistrados e servidores, para efeito de pagamento da remuneração e de proventos e a concessão de bolsa de estagiários; Servidores: Art São atribuições da Coordenação de Pagamento de Magistrados e

10 I - oferecer subsídios com vistas ao aperfeiçoamento das premissas básicas no que se refere aos processos de trabalho em sua área de atuação. II - fornecer informações sobre o pagamento de servidores, magistrados e pensionistas e sobre a concessão de bolsa de estagiários do Tribunal; III - elaborar projeções e estimativas em relação ao custo da concessão de direitos e vantagens dos magistrados e servidores; IV - processar a folha de pagamento, levando em conta freqüência, afastamentos, situações especiais de exercício, concessões de direitos e vantagens, tributos devidos e outras questões que impliquem créditos ou descontos na remuneração dos magistrados, servidores, pensionistas e estagiários; V - emitir comprovantes de crédito e outros documentos relativos a pagamentos de servidores, magistrados e pensionistas e a concessão de bolsa de estagiários; VI - informar às empresas fornecedoras os valores relativos aos cálculos mensais para aquisição de vales-refeição, vales-transporte e outros benefícios concedidos; VII - manter controles que possibilitem verificar a compatibilidade da folha de pagamento com as previsões orçamentárias do Tribunal; VIII - preparar documentos inerentes a sua área de atuação, a serem encaminhados aos órgãos governamentais competentes, às representações das categorias profissionais e a outras instituições responsáveis pelo controle do cumprimento da legislação pertinente à Administração de Recursos Humanos; IX - avaliar mensalmente os resultados alcançados frente aos resultados esperados, de modo a identificar procedimentos a serem aperfeiçoados; X - apresentar mensalmente, à Diretoria, demonstrativos dos resultados alcançados e propostas de ações para melhoria, quando necessário; XI - manter os padrões inerentes aos processos de trabalho de sua área de atuação devidamente atualizados, em consonância com o Sistema de Padronização Organizacional do Tribunal; XII - desempenhar outras atividades inerentes à sua área de atuação. Seção VII Gerência de Saúde Ocupacional, Segurança no Trabalho e Qualidade de Vida Art A Gerência de Saúde Ocupacional, Segurança no Trabalho e Qualidade de Vida integra a Diretoria Executiva de Administração de Recursos Humanos e tem como objetivo desenvolver programas e ações que assegurem a saúde ocupacional dos magistrados e servidores, assim como sua recuperação e readaptação, promovendo a qualidade de vida no trabalho.

11 Art São atribuições da Gerência de Saúde Ocupacional, Segurança no Trabalho e Qualidade de Vida: I - propor políticas e diretrizes para gestão da saúde ocupacional, segurança no trabalho e qualidade de vida dos magistrados e servidores vinculados ao Tribunal; II - definir e propor estratégias de atuação, considerando a possibilidade de parcerias, de modo a assegurar a saúde ocupacional, a segurança no trabalho e a melhoria da qualidade de vida dos magistrados e servidores; III - planejar as ações relativas à saúde ocupacional e à segurança no trabalho, em consonância com as normas vigentes, as políticas e as diretrizes do Tribunal, e verificar o seu cumprimento; IV - orientar a gestão da saúde ocupacional e segurança no trabalho dos magistrados e servidores vinculados ao Tribunal, e verificar, periodicamente, os resultados alcançados, instruindo sobre ações corretivas, quando necessário; V - viabilizar a avaliação e os controles periódicos da saúde dos magistrados e servidores vinculados ao Tribunal; VI - viabilizar a realização de perícias médicas, providenciando seu devido registro, a publicação de concessão de licenças e as comunicações delas decorrentes; VII - assegurar a apuração mensal e a análise das incidências de doenças ocupacionais dos magistrados e servidores, propondo alternativas para a remoção de suas causas; VIII - assegurar a apuração mensal, o registro e a análise da frequência dos afastamentos por doença ou outros indicadores, para identificar necessidade de ações da Gerência na busca de soluções integradas; IX - assegurar a atualização permanente dos procedimentos, em atendimento à legislação pertinente à saúde ocupacional e à segurança no trabalho; X - viabilizar o atendimento de intercorrências clínicas para magistrados e servidores do Tribunal; XI - fornecer informações, relacionados à saúde ocupacional, para subsidiar decisões sobre a vida funcional de magistrados e servidores, resguardados os aspectos de sigilo; XII - assegurar o desenvolvimento de ações e programas que propiciem a saúde ocupacional, a segurança no trabalho e a qualidade de vida dos magistrados e servidores, em conformidade com as premissas básicas do Tribunal; XIII - assegurar o desenvolvimento de ações e programas que propiciem a prevenção de doenças orgânicas e emocionais; XIV - preparar documentos inerentes à sua área de atuação, a serem encaminhados aos órgãos governamentais competentes, às representações das

12 categorias profissionais e outras instituições responsáveis pelo controle do cumprimento da legislação pertinente à administração de recursos humanos; XV - assegurar a atualização da documentação funcional sujeita à fiscalização por órgãos e entidades competentes; XVI - buscar junto à Assessoria Técnica e Jurídica para Administração de Recursos Humanos pareceres e orientações aplicáveis à administração da saúde ocupacional e da segurança no trabalho no Tribunal; XVII - oferecer subsídios com vistas ao aperfeiçoamento das premissas básicas no que se refere aos processos de trabalho em sua área de atuação; XVIII - avaliar mensalmente, os resultados alcançados frente aos esperados, de modo a identificar procedimentos a serem aperfeiçoados; XIX - apresentar mensalmente, à Diretoria Executiva de Administração de Recursos Humanos, os resultados alcançados frente às metas estabelecidas, devidamente medidos; XX - manter os padrões inerentes aos processos de trabalho de sua área de atuação devidamente atualizados, em compatibilidade com o Sistema de Padronização Organizacional do Tribunal; XXI - apresentar, para aprovação de sua Diretoria, a previsão orçamentária anual para ações na sua área de responsabilidade; XXII - manter controle da execução orçamentária da Gerência no âmbito de sua atuação; Gerência; XXIII - assegurar a permanente atualização dos servidores que integram a XXIV - buscar viabilizar junto à Diretoria Executiva os meios e as condições necessários ao desenvolvimento dos trabalhos sob sua responsabilidade; XXV - desempenhar outras atividades inerentes à sua de atuação. CAPÍTULO IV DISPOSIÇÕES FINAIS E TRANSITÓRIAS Art O Presidente do Tribunal constituirá Comissão encarregada de elaborar, no prazo de 30 (trinta) dias, Plano de Ação definindo as medidas necessárias para a implantação da nova estrutura, o funcionamento da Diretoria Executiva de Administração de Recursos Humanos e a implementação das demais mudanças organizacionais estabelecidas nesta Resolução. 1º - Portaria do Presidente do Tribunal disporá sobre aproveitamento, na nova estrutura da Superintendência da Gestão de Recursos Humanos, de servidores lotados na atual Secretaria de Administração de Pessoal.

13 2º - Até a edição da Portaria referida no parágrafo anterior, os servidores responsáveis por atividades incluídas nas competências da Superintendência da Gestão de Recursos Humanos, previstas nesta Resolução, darão continuidade às ações em andamento. 3º - Até a edição de normas que estabeleçam quadro de cargos e funções da Superintendência da Gestão de Recursos Humanos, o Presidente do Tribunal disporá, mediante Portaria, sobre a lotação e o provimento dos cargos em comissão hoje existentes, a fim de propiciar a implantação e o funcionamento da estrutura organizacional estabelecida nesta Resolução. Art Em decorrência da organização da Secretaria do Tribunal, estabelecida nas Resoluções nº 401, de 19 de setembro de 2002, nº 410, de 19 de maio de 2003, nº 423 e nº 424, hoje aprovadas, e nesta Resolução, ficam extintos os órgãos previstos na Resolução nº 141, de setembro de 1989, e em suas alterações posteriores, excetuados os criados no sub-item 3.1 e no item 6 de seu art. 4º, que dispõem, respectivamente, sobre a estrutura organizacional do Gabinete do 2º Vice-Presidente e sobre os órgãos de Assistência Imediata à Corregedoria-Geral de Justiça. Art Integra esta Resolução seu Anexo Único, que contém o organograma da Superintendência da Gestão de Recursos Humanos. Art Revogam-se as disposições em contrário. Art Esta Resolução entrará em vigor na data de sua publicação, devendo ser efetivadas as alterações dela decorrentes com base no Plano de Ação aprovado pelo Presidente do Tribunal. PUBLIQUE-SE. CUMPRA-SE. Belo Horizonte, 27 de agosto de Desembargador GUDESTEU BIBER Presidente

14 Anexo Único 2º VICE PRESIDENTE SUPERINTENDÊNCIA DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DIRETORIA EXECUTIVA DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS ASSESSORIA TÉCNICA E JURÍDICA PARA ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS GERÊNCIA DE REGISTRO, CONCESSÃO DE DIREITOS, VANTAGENS E BENEFÍCIOS DOS SERVIDORES GERÊNCIA DA MAGISTRATURA GERÊNCIA DE SAÚDE OCUPACIONAL, SEGURANÇA NO TRABALHO E QUALIDADE DE VIDA COORDENAÇÃO DE PAGAMENTO DE MAGISTRADOS E SERVIDORES

Atribuições do órgão conforme a Lei nº 3.063, de 29 de maio de 2013: TÍTULO II DAS COMPETÊNCIAS DOS ÓRGÃOS DA ADMINISTRAÇÃO DIRETA

Atribuições do órgão conforme a Lei nº 3.063, de 29 de maio de 2013: TÍTULO II DAS COMPETÊNCIAS DOS ÓRGÃOS DA ADMINISTRAÇÃO DIRETA SECRETARIA MUNICIPAL DE COMPRAS E LICITAÇÕES End: Rua Siqueira Campos, S-64 Centro Fone: (14) 3283-9570 ramal 9576 Email: compras@pederneiras.sp.gov.br Responsável: Dr. Luis Carlos Rinaldi Atribuições

Leia mais

*LEI COMPLEMENTAR Nº 283, DE 9 DE DEZEMBRO DE 2004.

*LEI COMPLEMENTAR Nº 283, DE 9 DE DEZEMBRO DE 2004. Governo do Estado do Rio Grande do Norte Gabinete Civil Coordenadoria de Controle dos Atos Governamentais *LEI COMPLEMENTAR Nº 283, DE 9 DE DEZEMBRO DE 2004. Altera a Lei Complementar n.º 163, de 5 de

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO CUNI Nº 024, DE 8 DE MAIO DE 2012 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS, no uso de suas atribuições

Leia mais

PORTARIA CNMP-PRESI Nº 241, DE 15 DE AGOSTO DE 2013.

PORTARIA CNMP-PRESI Nº 241, DE 15 DE AGOSTO DE 2013. PORTARIA CNMP-PRESI Nº 241, DE 15 DE AGOSTO DE 2013. Aprova o Regimento Interno da Auditoria Interna do Conselho Nacional do Ministério Público. O PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO,

Leia mais

LEI DELEGADA Nº 15, DE 18 DE MARÇO DE 2003.

LEI DELEGADA Nº 15, DE 18 DE MARÇO DE 2003. ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR LEI DELEGADA Nº 15, DE 18 DE MARÇO DE 2003. DISPÕE SOBRE A ESTRUTURA DA CONTROLADORIA GERAL DO ESTADO CGE, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O GOVERNADOR DO ESTADO DE ALAGOAS

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS Art. 1. O Núcleo de Inovação e Transferência de Tecnologia - NITTEC é um Órgão Executivo

Leia mais

Associação Matogrossense dos Municípios

Associação Matogrossense dos Municípios RESOLUÇÃO N.º 004/2010 Dispõe sobre a produção de normas e procedimentos para realização de auditorias internas e inspeções na Associação Matogrossense dos Municípios - AMM. A Presidência da Associação

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 07, de 1º de setembro de 2010.

RESOLUÇÃO Nº 07, de 1º de setembro de 2010. RESOLUÇÃO Nº 07, de 1º de setembro de 2010. Revoga a Resolução de nº 05, de 16 de junho de 2010, que define as atribuições do cargo de Pedagogo da rede municipal de ensino de Governador Valadares e as

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAZONAS R E S O L U Ç Ã O N.º 003/2013

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAZONAS R E S O L U Ç Ã O N.º 003/2013 Altera a nomenclatura da Divisão de Recursos Humanos para Divisão de Gestão de Pessoas, organiza a estrutura funcional e dá outras providências. O, no uso de suas atribuições legais, e CONSIDERANDO que

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 006, de 05 de maio de 2003. Aprova Regimento da Auditoria Interna da UFSJ

RESOLUÇÃO N o 006, de 05 de maio de 2003. Aprova Regimento da Auditoria Interna da UFSJ RESOLUÇÃO N o 006, de 05 de maio de 2003 Aprova Regimento da Auditoria Interna da UFSJ O PRESIDENTE DO CONSELHO DELIBERATIVO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL REI, no uso de suas atribuições

Leia mais

PROJETO DE LEI MUNICIPAL Nº. xxx, DE xx DE xx DE xxxx INSTITUI O CONSELHO MUNICIPAL DE CULTURA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

PROJETO DE LEI MUNICIPAL Nº. xxx, DE xx DE xx DE xxxx INSTITUI O CONSELHO MUNICIPAL DE CULTURA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. PROJETO DE LEI MUNICIPAL Nº. xxx, DE xx DE xx DE xxxx INSTITUI O CONSELHO MUNICIPAL DE CULTURA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO MUNICIPAL, Faço saber que a Câmara Municipal decreta e eu sanciono a

Leia mais

Regulamenta o Programa de Estágio de Estudantes na Câmara Municipal de São Paulo.

Regulamenta o Programa de Estágio de Estudantes na Câmara Municipal de São Paulo. ATO 994/07 Regulamenta o Programa de Estágio de Estudantes na Câmara Municipal de São Paulo. Considerando a Lei Federal nº 6.494, de 07/12/1977, que dispõe sobre o estágio de estudantes de ensino superior,

Leia mais

Regimento da Biblioteca Rev.: 01 Data: 07/07/2008

Regimento da Biblioteca Rev.: 01 Data: 07/07/2008 COMPLEXO DE ENSINO SUPERIOR DE SANTA CATARINA - CESUSC FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE FLORIANÓPOLIS - FCSF Credenciada pela Portaria MEC n. 109, de 10 de fevereiro de 2000 (DOU 11.02.2000) BIBLIOTECA

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS REGIMENTO INTERNO Aprovado na reunião do Conselho de Centro do dia 15.03.2007. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE

Leia mais

GABINETE DO VICE - PREFEITO

GABINETE DO VICE - PREFEITO 4 GABINETE DO VICE - PREFEITO ESTRUTURA O RGANIZACIONAL GABINETE DO VICE-PREFEITO - Cadastro Organizacional/PMS Gabinete do Vice- Prefeito VICE-PREFEITO Coordenadoria Administrativa Setor de Material e

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS GABINETE CIVIL

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS GABINETE CIVIL DECRETO Nº 309, DE 6 DE DEZEMBRO DE 2005. Aprova o Regimento Interno e o Organograma da Secretaria Municipal do Trabalho e Cooperativismo e dá outras providências. O PREFEITO DE PALMAS no uso das atribuições

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA PROVIMENTO N. 11/2016-CM

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA PROVIMENTO N. 11/2016-CM PROVIMENTO N. 11/2016-CM Institui o Grupo de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário GMF de que trata a Resolução n. 96, de 27-10-2009 e a Resolução n. 214, de 15-12-2015, ambas do Conselho

Leia mais

Perfil e Jornada de Trabalho da Equipe de Profissionais da Estação Juventude Local

Perfil e Jornada de Trabalho da Equipe de Profissionais da Estação Juventude Local PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA-GERAL SECRETARIA NACIONAL DE JUVENTUDE Perfil e Jornada de Trabalho da Equipe de Profissionais da Estação Juventude Local a) COORDENADOR ADJUNTO: 01 (Contratação Temporária

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSU Nº 05/2009

RESOLUÇÃO CONSU Nº 05/2009 RESOLUÇÃO CONSU Nº 05/2009 Cria o Núcleo de Inovação Tecnológica da UESC - NIT O Presidente do Conselho Universitário CONSU - da Universidade Estadual de Santa Cruz UESC, no uso de suas atribuições, em

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE GOIÁS

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE GOIÁS 1 RESOLUÇÃO NORMATI VA N.º 0 0 6 / 2 0 0 1 O Tribunal de Contas do Estado de Goiás, considerando as atribuições estabelecidas pela Constituição Estadual em seu artigo 26, o disposto no inciso XII do art.

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 638, DE 22 DE JANEIRO DE 2008

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 638, DE 22 DE JANEIRO DE 2008 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 638, DE 22 DE JANEIRO DE 2008 Aprova o Regimento do Campus Universitário do Marajó-Soure. O REITOR DA UNIVERSIDADE

Leia mais

ANEXO II DA DEFINIÇÃO E OBJETIVO DO ESTÁGIO

ANEXO II DA DEFINIÇÃO E OBJETIVO DO ESTÁGIO ANEXO II NORMAS ESPECÍFICAS DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO E ESTÁGIO NÃO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - MODALIDADE BACHARELADO DA DEFINIÇÃO E OBJETIVO DO ESTÁGIO Art.

Leia mais

CAPÍTULO I DO APOIO A GESTÃO DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE CAPÍTULO II DA CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE

CAPÍTULO I DO APOIO A GESTÃO DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE CAPÍTULO II DA CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE LEI N.º 1.297, DE 06 DE JULHO DE 2010. Dispõe sobre apoio a Gestão do Sistema Único de Saúde, da realização de conferências no âmbito municipal, da reformulação e funcionamento do Conselho Municipal de

Leia mais

ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE RORAIMA AMAZÔNIA: PATRIMÔNIO DOS BRASILEIROS SECRETARIA LEGISLATIVA

ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE RORAIMA AMAZÔNIA: PATRIMÔNIO DOS BRASILEIROS SECRETARIA LEGISLATIVA ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE RORAIMA AMAZÔNIA: PATRIMÔNIO DOS BRASILEIROS SECRETARIA LEGISLATIVA Publicado no Diário Oficial nº 1.346 de 05/07/96. LEI COMPLEMENTAR Nº 018 DE 05 DE JULHO DE 1996

Leia mais

PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA GABINETE DO PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA

PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA GABINETE DO PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO N 3457 Dispõe sobre a criação do Centro de Preservação da Memória do Ministério Público do Estado do Paraná CPM e dá outras providências. O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ, no

Leia mais

CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL. Texto atualizado apenas para consulta.

CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL. Texto atualizado apenas para consulta. 1 Texto atualizado apenas para consulta. LEI Nº 3.984, DE 28 DE MAIO DE 2007 (Autoria do Projeto: Poder Executivo) Cria o Instituto do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos do Distrito Federal Brasília

Leia mais

PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SCJ Nº 001/2013 O DESEMBARGADOR-PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA DÉCIMA OITAVA REGIÃO, no uso de suas

PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SCJ Nº 001/2013 O DESEMBARGADOR-PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA DÉCIMA OITAVA REGIÃO, no uso de suas PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SCJ Nº 001/2013 O DESEMBARGADOR-PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA DÉCIMA OITAVA REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO que o avanço tecnológico,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 16 - CONSU, DE 07 DE AGOSTO DE 2009.

RESOLUÇÃO Nº. 16 - CONSU, DE 07 DE AGOSTO DE 2009. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI CONSU RESOLUÇÃO Nº. 16 - CONSU, DE 07 DE AGOSTO DE 2009. Aprova o Regimento interno da Diretoria de Relações Internacionais

Leia mais

OSMAR DE LIMA MAGALHÃES Secretário do Governo Municipal

OSMAR DE LIMA MAGALHÃES Secretário do Governo Municipal PREFEITURA DE GOIÂNIA 1 GABINETE DO PREFEITO DECRETO Nº 2598, DE 19 DE ABRIL DE 2013. Aprova o Regimento Interno da Secretaria Municipal de Políticas para as Pessoas com Deficiência ou Mobilidade Reduzida.

Leia mais

Estabelece a estrutura organizacional dos Campus Experimentais da Unesp

Estabelece a estrutura organizacional dos Campus Experimentais da Unesp Resolução Unesp-38, de 10-9-2008 Estabelece a estrutura organizacional dos Campus Experimentais da Unesp O Reitor da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, tendo em vista o deliberado

Leia mais

EDUARDO BRAGA Governador do Estado

EDUARDO BRAGA Governador do Estado DECRETO N.º 24031, DE 26 DE JANEIRO DE 2.004 APROVA o Regimento Interno da SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO, ÉTICA E TRANSPARÊNCIA - SCI, e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO AMAZONAS, no

Leia mais

LEI Nº 15.853 DE 11 DE OUTUBRO DE 2011.

LEI Nº 15.853 DE 11 DE OUTUBRO DE 2011. LEI Nº 15.853 DE 11 DE OUTUBRO DE 2011. 1 Dispõe sobre a criação do Conselho Municipal de Economia Solidária e o Fundo Municipal de Fomento à Economia Solidária e dá outras providências. O Prefeito Municipal

Leia mais

DECRETO Nº 533, DE 02 DE SETEMBRO DE 1991.

DECRETO Nº 533, DE 02 DE SETEMBRO DE 1991. ALTERADO PELOS DECRETOS SC N 322/1995; 2.155/1997; 2.442/1997 DECRETO Nº 533, DE 02 DE SETEMBRO DE 1991. Dispõe sobre a competência do Conselho de Meio Ambiente - CONSEMA - SC O GOVERNADOR DO ESTADO DE

Leia mais

Procuradoria Geral de Justiça, em Natal (RN), 08 de junho de 2011.

Procuradoria Geral de Justiça, em Natal (RN), 08 de junho de 2011. MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA R E S O L U Ç Ã O Nº 074/2011-PGJ.* O PROCURADOR GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE, no uso das atribuições

Leia mais

MANUAL DE NORMAS Ato: Resolução Nº 012/2011- CONSUP

MANUAL DE NORMAS Ato: Resolução Nº 012/2011- CONSUP Pág. 1 de 8 CAPÍTULO I DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SEUS FINS Art. 1º O Núcleo de Inovação Tecnológica do Instituto Federal do Piauí (IFPI), criado pela Resolução nº 012, de 12 de agosto de 2011,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 211/2005-CEPE/UNICENTRO

RESOLUÇÃO Nº 211/2005-CEPE/UNICENTRO RESOLUÇÃO Nº 211/2005-CEPE/UNICENTRO Aprova o Regulamento de Estágio do Curso de Turismo da Universidade Estadual do Centro- Oeste, UNICENTRO. O REITOR DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE, UNICENTRO:

Leia mais

DECRETO Nº 713, DE 1º DE ABRIL DE 2013

DECRETO Nº 713, DE 1º DE ABRIL DE 2013 DECRETO Nº 713, DE 1º DE ABRIL DE 2013 Publicado no DOE(Pa) de 02.04.13. Institui o Programa de Parcerias Público-Privadas PPP/PA e regulamenta o Conselho Gestor de Parcerias Público- Privadas do Estado

Leia mais

REGULAMENTO OPERACIONAL DA DIRETORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO

REGULAMENTO OPERACIONAL DA DIRETORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO 1 REGULAMENTO OPERACIONAL DA DIRETORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO Art.1º A Diretoria de Ensino de Graduação (DEG) é órgão da Pró-Reitoria Acadêmica, do Centro Universitário de Maringá.

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 08/03-COUN

RESOLUÇÃO Nº 08/03-COUN RESOLUÇÃO Nº 08/03-COUN Estabelece o Regimento Interno do Núcleo de Educação a Distância (NEAD) da Universidade Federal do Paraná. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Paraná, no uso de

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA E DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES INICIAIS

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA E DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES INICIAIS CENTRO UNIVERSITÁRIO PADRE ANCHIETA Jundiaí/SP REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA E DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES INICIAIS Art. 1º. O estágio de prática jurídica supervisionado

Leia mais

GABINETE DO PREFEITO

GABINETE DO PREFEITO Autor: Poder Executivo. LEI N 1.328/2016. CRIA O CONSELHO E FUNDO MUNICIPAL E POLÍTICAS SOBRE DROGAS DO MUNICÍPIO DE ARIPUANÃ E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. EDNILSON LUIZ FAITTA, Prefeito Municipal de Aripuanã,

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL Aprovado pela Resolução CONSUNI nº 44/15, de 09/12/2015. CAPÍTULO I AS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente Regulamento

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS PORTUGUÊS INGLÊS.

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS PORTUGUÊS INGLÊS. REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS PORTUGUÊS INGLÊS. FUNDAMENTAÇÃO LEGAL O presente regulamento fundamenta-se nos termos da LDB 9394, de 20 de dezembro

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO SISTEMA DOS LABORATÓRIOS DO CAMPUS CAÇAPAVA DO SUL TÍTULO I DOS FINS

REGIMENTO INTERNO DO SISTEMA DOS LABORATÓRIOS DO CAMPUS CAÇAPAVA DO SUL TÍTULO I DOS FINS 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA (Lei nº. 11.640, de 11 de janeiro de 2008) REGIMENTO INTERNO DO SISTEMA DOS LABORATÓRIOS DO CAMPUS CAÇAPAVA DO SUL TÍTULO I DOS FINS Art. 1º - O sistema

Leia mais

REGIMENTO DA DIRETORIA DE ENFERMAGEM HOSPITAL SÃO PAULO/ HU da UNIFESP. Subseção I. Subseção II. Subseção III. Subseção IV. Subseção V.

REGIMENTO DA DIRETORIA DE ENFERMAGEM HOSPITAL SÃO PAULO/ HU da UNIFESP. Subseção I. Subseção II. Subseção III. Subseção IV. Subseção V. REGIMENTO DA DIRETORIA DE ENFERMAGEM HOSPITAL SÃO PAULO/ HU da UNIFESP SEÇÃO I Da Estrutura Organizacional e Funcionamento da Subseção I Da Direção Subseção II Das Gerências Executivas Subseção III Do

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO CUNI Nº 044, DE 11 DE SETEMBRO DE 2013. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS, no uso de suas

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JURANDA Estado do Paraná LEI Nº 558/2003

PREFEITURA MUNICIPAL DE JURANDA Estado do Paraná LEI Nº 558/2003 LEI Nº 558/2003 CRIA O CONSELHO COMUNITÁRIO DE SEGURANÇA DO MUNICÍPIO DE JURANDA, ESTADO DO PARANÁ, ESTABELECE ATRIBUIÇÕES E DÁ OUTRAS PROVIDENCIAS. A CÂMARA MUNICIPAL DE JURANDA, ESTADO DO PARANÁ, APROVOU

Leia mais

LEI Nº 935 /2010. Art. 1º. Esta Lei dispõe sobre a Estrutura Administrativa da Câmara Municipal de Piranguçu. TÍTULO I DA ESTRUTURA ADMINSTRATIVA

LEI Nº 935 /2010. Art. 1º. Esta Lei dispõe sobre a Estrutura Administrativa da Câmara Municipal de Piranguçu. TÍTULO I DA ESTRUTURA ADMINSTRATIVA LEI Nº 935 /2010 Dispõe sobre a Estrutura Administrativa da Câmara Municipal de Piranguçu. O Povo do Município de Piranguçu, por seus representantes na Câmara Municipal aprovou e eu, Prefeito Municipal,

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 003/2010, de 10 de março de 2010

LEI COMPLEMENTAR Nº 003/2010, de 10 de março de 2010 LEI COMPLEMENTAR Nº 003/2010, de 10 de março de 2010 DISPÕE SOBRE A ESTRUTURA ORGANIZACIONAL, REGULAMENTAÇÃO DO QUADRO DE PESSOAL E VENCIMENTOS DA CÂMARA MUNICIPAL DE VEREADORES DE SÃO CARLOS, ESTADO DE

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL BRASIL PREFEITURA MUNICIPAL DE ESTRELA Rua Julio de Castilhos, 380 Centro Estrela/RS Fone: 39811000

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL BRASIL PREFEITURA MUNICIPAL DE ESTRELA Rua Julio de Castilhos, 380 Centro Estrela/RS Fone: 39811000 Edital de convocação para inscrição de candidatos para o Conselho Municipal de Previdência CMP do Município de Estrela. A Lei Municipal nº 4.493, de 13 de setembro de 2007, dispõe sobre o Regime Próprio

Leia mais

ATO NORMATIVO Nº 014/2006.

ATO NORMATIVO Nº 014/2006. ATO NORMATIVO Nº 014/2006. Dispõe sobre a organização da Superintendência de Gestão Administrativa do Ministério Público do Estado da Bahia e dá outras providências. O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO

Leia mais

Normas Gerais de Estágios

Normas Gerais de Estágios Normas Gerais de Estágios NORMAS GERAIS DE ESTÁGIOS DA UNIVERSIDADE DE SANTO AMARO - UNISA O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA e EXTENSÃO - CONSEPE, órgão normativo, consultivo e deliberativo da administração

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO CHOÇA ESTADO DA BAHIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO CHOÇA ESTADO DA BAHIA LEI Nº 272, DE 06 DE JUNHO DE 2014. Dispõe sobre a criação do Conselho Comunitário de Segurança Pública e Entidades Afins do Município de Barra do Choça e dá outras Providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL Faz saber que a Câmara de Vereadores decreta e eu sanciono a seguinte Lei Complementar.

O PREFEITO MUNICIPAL Faz saber que a Câmara de Vereadores decreta e eu sanciono a seguinte Lei Complementar. Prefeitura Municipal de Novo Horizonte do Sul Estado de Mato Grosso do sul Poder Executivo Gabinete do Prefeito LEI COMPLEMENTAR Nº 033/2008 de 30 de Dezembro de 2008. DISPÕE SOBRE A ESTRUTURA ORGANO-

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO DA UNIÃO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 18ª REGIÃO SECRETARIA DO TRIBUNAL PLENO RESOLUÇÃO ADMINISTRATIVA Nº 28/2011

PODER JUDICIÁRIO DA UNIÃO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 18ª REGIÃO SECRETARIA DO TRIBUNAL PLENO RESOLUÇÃO ADMINISTRATIVA Nº 28/2011 PODER JUDICIÁRIO DA UNIÃO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 18ª REGIÃO SECRETARIA DO TRIBUNAL PLENO RESOLUÇÃO ADMINISTRATIVA Nº 28/2011 Referenda a Portaria TRT 18ª GP/DG/SGPe nº 065/2011, que dispõe sobre

Leia mais

I - DA FINALIDADE II - DA CONCEITUAÇÃO

I - DA FINALIDADE II - DA CONCEITUAÇÃO I - DA FINALIDADE 1. Este Normativo de Pessoal tem por finalidade estabelecer, definir e disciplinar os procedimentos para criação, extinção, remuneração, designação, contratação, substituição, dispensa

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL PORTARIA N 1.095/SAF, DE 03 DE OUTUBRO 2007.

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL PORTARIA N 1.095/SAF, DE 03 DE OUTUBRO 2007. AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL PORTARIA N 1.095/SAF, DE 03 DE OUTUBRO 2007. Dispõe sobre procedimentos relativos à supervisão, à fiscalização e à gestão dos contratos, convênios e outros ajustes de

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Educação Superior Norte - RS/UFSM Departamento de Enfermagem

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Educação Superior Norte - RS/UFSM Departamento de Enfermagem Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Educação Superior Norte - RS/UFSM Departamento de Enfermagem REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE ENFERMAGEM UFSM/CESNORS TÍTULO I: DO REGIME

Leia mais

Art. 1º. Aprovar as alterações do Estatuto da Universidade Federal de Juiz de Fora, com sede na cidade de Juiz de Fora, Estado de Minas Gerais.

Art. 1º. Aprovar as alterações do Estatuto da Universidade Federal de Juiz de Fora, com sede na cidade de Juiz de Fora, Estado de Minas Gerais. Portaria 1.105, de 28 de setembro de 1998 O Ministro de Estado da Educação e do Desporto, usando da competência que lhe foi delegada pelo Decreto 1.845, de 28 de março de 1996, e tendo em vista o Parecer

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA IMS/CAT/UFBA. Título I. Das Disposições Gerais. Capítulo I

REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA IMS/CAT/UFBA. Título I. Das Disposições Gerais. Capítulo I 1 REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA IMS/CAT/UFBA Título I Das Disposições Gerais Capítulo I Dos Objetivos e da Estruturação Geral do Serviço de Psicologia Art. 1º - O Serviço de Psicologia é parte

Leia mais

RESOLUÇÃO N 54/2009/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE, no uso de suas atribuições legais,

RESOLUÇÃO N 54/2009/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE, no uso de suas atribuições legais, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 54/2009/CONEPE Aprova Normas Específicas do Estágio Curricular do

Leia mais

Reestruturação da CPE

Reestruturação da CPE SEAP Secretaria de Estado da Administração e Previdência DRH Departamento de Recursos Humanos Reestruturação da CPE Fevereiro de 2010 Secretaria de Estado da Administração e Previdência pág: 1 Contextualização:

Leia mais

L E I N 7.785, DE 9 DE JANEIRO DE 2014

L E I N 7.785, DE 9 DE JANEIRO DE 2014 L E I N 7.785, DE 9 DE JANEIRO DE 2014 Dispõe sobre a reestruturação da Loteria do Estado do Pará - LOTERPA e dá outras providências. A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO PARÁ estatui e eu sanciono a

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO GOTARDO CNPJ: 18.602.037/0001-55 Insc. Est. Isento São Gotardo Minas Gerais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO GOTARDO CNPJ: 18.602.037/0001-55 Insc. Est. Isento São Gotardo Minas Gerais LEI COMPLEMENTAR Nº.132, DE 02 DE MARÇO DE 2015. Dispõe sobre a criação e extinção de cargos em comissão de livre provimento e exoneração sem aumento da despesa e dá outras providências. O povo do Município

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1021-ANTAQ, DE 24 DE ABRIL DE 2008.

RESOLUÇÃO Nº 1021-ANTAQ, DE 24 DE ABRIL DE 2008. RESOLUÇÃO Nº 1021-ANTAQ, DE 24 DE ABRIL DE 2008. ALTERA O REGIMENTO INTERNO DA AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES AQUAVIÁRIOS-ANTAQ, APROVADO PELA RESOLUÇÃO Nº 646-ANTAQ, DE 06 DE OUTUBRO DE 2006, E DÁ OUTRA

Leia mais

PORTARIA Nº 835 de 2 de abril de 2013

PORTARIA Nº 835 de 2 de abril de 2013 PORTARIA Nº 835 de 2 de abril de 2013 A Reitora da, Profª. Drª. Soraya Soubhi Smaili, considerando a decisão do Conselho Universitário em sua reunião ordinária de 13 de março de 2013, no uso de suas atribuições

Leia mais

DECRETO Nº 27.958, DE 16 DE MAIO DE 2007 DODF DE 17.05.2007

DECRETO Nº 27.958, DE 16 DE MAIO DE 2007 DODF DE 17.05.2007 DECRETO Nº 27.958, DE 16 DE MAIO DE 2007 DODF DE 17.05.2007 Aprova o Estatuto Social da Fundação de Apoio à Pesquisa do Distrito Federal e dá outras providências. O GOVERNADOR DO DISTRITO FEDERAL, no uso

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 641, DE 22 DE JANEIRO 2008

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 641, DE 22 DE JANEIRO 2008 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 641, DE 22 DE JANEIRO 2008 Aprova o Regimento do Campus Universitário de Castanhal. O REITOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

LEI Nº 10.066, DE 27 DE JULHO DE 1992

LEI Nº 10.066, DE 27 DE JULHO DE 1992 LEI Nº 10.066, DE 27 DE JULHO DE 1992 Cria a Secretaria de Estado do Meio Ambiente SEMA, a entidade autárquica Instituto Ambiental do Paraná IAP e adota outras providências. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 11, DE 04 DE NOVEMBRO DE 2015. Art. 1º Aprovar, na forma do Anexo, a Norma de Capacitação de Servidores da APO.

RESOLUÇÃO Nº 11, DE 04 DE NOVEMBRO DE 2015. Art. 1º Aprovar, na forma do Anexo, a Norma de Capacitação de Servidores da APO. RESOLUÇÃO Nº 11, DE 04 DE NOVEMBRO DE 2015 A DIRETORIA EXECUTIVA DA AUTORIDADE PÚBLICA OLÍMPICA APO, no uso das atribuições que lhe conferem o inciso XIV do Parágrafo Segundo da Cláusula Décima Quinta

Leia mais

ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR

ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR DISPÕE SOBRE A REVISÃO GERAL ANUAL DA REMUNERAÇÃO DOS SERVIDORES DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE ALAGOAS, NOS TERMOS DO ART. 37, INCISO X, DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL, ALTERA O QUADRO DE SERVIDORES EFETIVOS

Leia mais

Secretaria de Gestão de Informação e Documentação ATO DA COMISSÃO DIRETORA Nº 2, DE 2008

Secretaria de Gestão de Informação e Documentação ATO DA COMISSÃO DIRETORA Nº 2, DE 2008 ATO DA COMISSÃO DIRETORA Nº 2, DE 2008 Dispõe sobre a gestão de Contratos no Senado Federal e dá outras providências. A COMISSÃO DIRETORA DO SENADO FEDERAL, no uso de suas atribuições e visando o aprimoramento

Leia mais

Estado da Paraíba Prefeitura Municipal de Santa Cecília Gabinete do Prefeito

Estado da Paraíba Prefeitura Municipal de Santa Cecília Gabinete do Prefeito Lei nº176/2014 Dispõe sobre o Conselho e Fundo Municipal de Políticas sobre Drogas do Município de Santa Cecília e dá outras providências. A Câmara Municipal de Santa Cecília, estado da Paraíba, aprovou

Leia mais

Art. 1º - Fica aprovado o Regimento Interno da Central do Sistema de Controle Interno, anexo ao presente Decreto.

Art. 1º - Fica aprovado o Regimento Interno da Central do Sistema de Controle Interno, anexo ao presente Decreto. DECRETO N.º 961/08 De 01 de julho de 2008. APROVA O REGIMENTO INTERNO DA CENTRAL DO SISTEMA DE CONTROLE INTERNO, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A PREFEITA MUNICIPAL DE VALE DO SOL, no uso de suas atribuições

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 02/2010 Cria e estabelece o Regimento Interno do órgão suplementar, Centro de Educação a Distância (CEAD) da Universidade Federal de Juiz de Fora. O CONSELHO SUPERIOR da

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSUNI Nº 041/2014

DELIBERAÇÃO CONSUNI Nº 041/2014 DELIBERAÇÃO CONSUNI Nº 041/2014 Aprova o Estatuto da Fundação Caixa Beneficente dos Servidores da Universidade de Taubaté (Funcabes). O CONSELHO UNIVERSITÁRIO, na conformidade do Processo nº FUNCABES-

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO REGIMENTO INTERNO

CONSELHO MUNICIPAL DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO REGIMENTO INTERNO REGIMENTO INTERNO Conselho Municipal de Ciência, Tecnologia e Inovação CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º O Conselho Municipal de Ciência, Tecnologia e Inovação (CMCTI/Campinas), criado pela Lei Municipal

Leia mais

LEI Nº 6.293, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2004.

LEI Nº 6.293, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2004. 1 LEI Nº 6.293, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2004. Dá nova redação à Lei nº 5.249/99, oriunda da aprovação do Projeto de Lei nº 114/99, de autoria do Vereador Vanderlei Martins Tristão, que criou o Conselho Municipal

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 396, DE 02 DE OUTUBRO DE 2014.

RESOLUÇÃO Nº 396, DE 02 DE OUTUBRO DE 2014. RESOLUÇÃO Nº 396, DE 02 DE OUTUBRO DE 2014. O PRESIDENTE DO CONSELHO DE CÂMPUS DO CÂMPUS DO PANTANAL, da Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, no uso de suas atribuições legais, e Considerando

Leia mais

O PREFEITO DE GOIÂNIA, no uso de suas atribuições legais, e CAPÍTULO I DO FUNDO MUNICIPAL DE ESPORTE E LAZER

O PREFEITO DE GOIÂNIA, no uso de suas atribuições legais, e CAPÍTULO I DO FUNDO MUNICIPAL DE ESPORTE E LAZER 1 Gabinete do Prefeito DECRETO Nº 4139, DE 11 DE SETEMBRO DE 2013. Regulamenta o Fundo Municipal de Esporte e Lazer e o Incentivo ao Esporte e Lazer e dá outras providências. O PREFEITO DE GOIÂNIA, no

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 530. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Faço saber que a Assembléia Legislativa decretou e eu sanciono a seguinte

LEI COMPLEMENTAR Nº 530. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Faço saber que a Assembléia Legislativa decretou e eu sanciono a seguinte (Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial de 28/12/2009) LEI COMPLEMENTAR Nº 530 Altera dispositivos da Lei Complementar nº 16, de 09.01.1992; da Lei Complementar nº 353, de 06.01.2006; da

Leia mais

E S T A D O D E M A T O G R O S S O Prefeitura Municipal de Jaciara

E S T A D O D E M A T O G R O S S O Prefeitura Municipal de Jaciara DECRETO EXECUTIVO MUNICIPAL Nº 3.243/2015 25.06.2015. Altera a regulamentação da Lei 1.509/2013 de 13.03.2013 em seus artigos 22 e 23, nos termos do artigo 11 da referida Lei; dá nova nomenclatura ao cargo

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 4.799, DE 4 DE AGOSTO DE 2003. Dispõe sobre a comunicação de governo do Poder Executivo Federal e dá outras providências.

Leia mais

Rua Ulisses Caldas, 81 - Centro - Natal/RN 59025-090 (55)xx84-3232-8863 www.natal.rn.gov.br

Rua Ulisses Caldas, 81 - Centro - Natal/RN 59025-090 (55)xx84-3232-8863 www.natal.rn.gov.br LEI Nº. 6.067, DE 11 DE MARÇO DE 2010. Altera a Lei Ordinária 5.711/06, que dispõe sobre a Organização Administrativa da Câmara Municipal do Natal, e dá outras providências. A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO E LINGUAGEM (CEEL)

REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO E LINGUAGEM (CEEL) REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO E LINGUAGEM (CEEL) TÍTULO 1 Da Instituição e seus Fins Art. 1 0 O Centro de Estudos em Educação e Linguagem (CEEL), criado em 2004, para integrar uma

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE VEREADORES DE PARNAMIRIM Casa Antônio Lustosa de Oliveira Cabral CNPJ n.º 35.446.376/0001-09

CÂMARA MUNICIPAL DE VEREADORES DE PARNAMIRIM Casa Antônio Lustosa de Oliveira Cabral CNPJ n.º 35.446.376/0001-09 LEI N.º 741/2009 EMENTA: Dispõe sobre a instituição do Sistema de Controle Interno SCI do Poder Legislativo Municipal, cria o Órgão Central do SCI e dá outras providências. A MESA DIRETORA DA CÂMARA MUNICIPAL

Leia mais

ESCOLA DE ENFERMAGEM REGIMENTO

ESCOLA DE ENFERMAGEM REGIMENTO ESCOLA DE ENFERMAGEM REGIMENTO Organização Administrativa e Técnica TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E TÉCNICA CAPÍTULO I DA ESTRUTURA FUNCIONAL Art. 7º A organização administrativa e técnica da

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE, FAÇO SABER que o Poder Legislativo decreta e eu sanciono a seguinte Lei Complementar: CAPÍTULO I

O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE, FAÇO SABER que o Poder Legislativo decreta e eu sanciono a seguinte Lei Complementar: CAPÍTULO I Lei Complementar nº 182, de 07 de dezembro de 2000. Dispõe sobre o Plano de Cargos, Funções e Vencimentos e institui o Quadro e Plano de Carreira dos Servidores dos Serviços Auxiliares de apoio administrativo

Leia mais

PROPOSTAS SIND SAUDE. Lei Nº. 15.462/2005 PROPOSTA SIND-SAÚDE

PROPOSTAS SIND SAUDE. Lei Nº. 15.462/2005 PROPOSTA SIND-SAÚDE Lei Nº. 15.462/2005 PROPOSTAS SIND SAUDE PROPOSTA SIND-SAÚDE Art. 9 Os servidores que, após a publicação desta lei, ingressarem em cargo de carreira instituída por esta lei terão as seguintes cargas horárias

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA IN

INSTRUÇÃO NORMATIVA IN Quinta-feira, 15 de Março de 2012 Ano XVIII - Edição N.: 4030 Poder Executivo Secretaria Municipal de Planejamento, Orçamento e Informação - Secretaria Municipal Adjunta de Recursos Humanos INSTRUÇÃO NORMATIVA

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 424/2003 (Revogada pela Resolução nº 522/2007)

RESOLUÇÃO Nº 424/2003 (Revogada pela Resolução nº 522/2007) Publicação: 29/08/03 RESOLUÇÃO Nº 424/2003 (Revogada pela Resolução nº 522/2007) Cria a Superintendência Administrativa do Tribunal de Justiça e estabelece seu Regulamento. A CORTE SUPERIOR DO TRIBUNAL

Leia mais

RESOLUÇÃO ADMINISTRATIVA nº 03/2009

RESOLUÇÃO ADMINISTRATIVA nº 03/2009 RESOLUÇÃO ADMINISTRATIVA nº 03/2009 Dispõe sobre o estágio de estudantes no âmbito do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região. O ÓRGÃO ESPECIAL DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso

Leia mais

LEI Nº. 179/2007, DE 08/06/2007

LEI Nº. 179/2007, DE 08/06/2007 LEI Nº. 179/2007, DE 08/06/2007 Dispõe sobre a criação do Conselho Municipal de Defesa do Meio Ambiente e dá outras providências. O Prefeito Municipal de Malhada/BA, no uso de uma de suas atribuições legais,

Leia mais

1ª PARTE LEIS E DECRETOS 2ª PARTE ATOS ADMINISTRATIVOS COMANDANTE DO EXÉRCITO

1ª PARTE LEIS E DECRETOS 2ª PARTE ATOS ADMINISTRATIVOS COMANDANTE DO EXÉRCITO 1ª PARTE LEIS E DECRETOS Sem alteração. 2ª PARTE ATOS ADMINISTRATIVOS COMANDANTE DO EXÉRCITO PORTARIA Nº 813, DE 28 DE SETEMBRO DE 2012. Aprova as Normas para a Realização das Atividades de Auditoria e

Leia mais

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP Regulamento do Curricular Supervisionado do Curso de Graduação em Pedagogia - Licenciatura Faculdade de

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 16, DE 23 DE ABRIL DE 2014.

RESOLUÇÃO N.º 16, DE 23 DE ABRIL DE 2014. RESOLUÇÃO N.º 16, DE 23 DE ABRIL DE 2014. Regulamenta a implantação do serviço voluntário no âmbito do Poder Judiciário do Estado de Roraima e dá outras providências. O EGRÉGIO, em sua composição plenária,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 022/2011, DE 28 DE ABRIL DE 2011 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG

RESOLUÇÃO Nº 022/2011, DE 28 DE ABRIL DE 2011 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas - UNIFAL-MG Secretaria Geral RESOLUÇÃO Nº 022/2011, DE 28 DE ABRIL DE 2011 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG O Conselho

Leia mais

INSTITUTO FENASBAC DE EXCELÊNCIA PROFISSIONAL - I.FENASBAC REGIMENTO INTERNO. Capítulo I - FINALIDADE

INSTITUTO FENASBAC DE EXCELÊNCIA PROFISSIONAL - I.FENASBAC REGIMENTO INTERNO. Capítulo I - FINALIDADE INSTITUTO FENASBAC DE EXCELÊNCIA PROFISSIONAL - I.FENASBAC REGIMENTO INTERNO Capítulo I - FINALIDADE Artigo 1º - O Instituto FENASBAC tem as seguintes finalidades: I. promover a geração de conhecimento,

Leia mais

Dispõe sobre a organização dos Serviços Administrativos da Câmara Municipal de Porangatu e dá outras providências.

Dispõe sobre a organização dos Serviços Administrativos da Câmara Municipal de Porangatu e dá outras providências. 1 RESOLUÇÃO Nº 08/03, DE 01 DE SETEMBRO DE 2003. Dispõe sobre a organização dos Serviços Administrativos da Câmara Municipal de Porangatu e dá outras providências. A MESA DIRETORA DA, no uso de suas atribuições

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE PAULISTA - UNORP

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE PAULISTA - UNORP REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE PAULISTA - UNORP CAPÍTULO I DOS FUNDAMENTOS LEGAIS Artigo 1º- O presente regulamento de estágios do Centro Universitário do Norte Paulista

Leia mais