Treinamento Programa de Desenvolvimento Sustentável do Sistema Apresentação Polyana Motta Zeller PRODESU- SECOP

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Treinamento 2013. Programa de Desenvolvimento Sustentável do Sistema Apresentação Polyana Motta Zeller PRODESU- SECOP"

Transcrição

1 Treinamento 2013 Programa de Desenvolvimento Sustentável do Sistema Apresentação Polyana Motta Zeller - SECOP

2 DN 86/2012 Aspectos importantes do Manual de Convênios Encaminhamento de proposta de parceria Contendo: justificativa fundamentada, descrição do objeto, fundamento legal, público alvo, prazo de execução, estimativa de custo, valor do repasse, contrapartida, responsabilidade dos partícipes, informação sobre a capacidade técnica e gerencial documento devidamente assinado pelo presidente Documentos necessários cópia autenticada por servidor PL aprovando a proposta de parceria, ata da eleição e termo de posse do presidente, documentos pessoais e comprovante de residência do presidente, CNPJ, certidões negativas de débitos- União, Previdência, FGTS, declaração de adimplência, plano de trabalho, prova da capacidade técnico-profissional, e comprovação da disponibilidade financeira ou orçamentária.

3 Aspectos importantes do Plano de Trabalho Documentos Contendo: justificativa fundamentada (indicação da situação), descrição do objeto, metas, etapas, responsabilidade dos partícipes, cronograma de execução, cronograma físicofinanceiro, cronograma de desembolso, planilha orçamentária (quantitativo e menor preço) e balizamento de preços (3). Vedações: DN 86/2012 Aplicação dos recursos em despesas não previstas no plano, alimentação, brindes, custos operacionais despesas de administração, despesas fora da vigência, encargos (multa, juros e cm), obrigações previdenciárias ou tributárias, remuneração de consultoria de dirigente, servidor, empregado, etc, representação pessoal, taxa de administração, transferência para 3º.

4 DN 86/2012 Execução do convênio Observância do convênio e do plano de trabalho, manter recursos em conta específica, não aplicação com desvio de finalidade, aplicação da Lei n.º 8.666/93. Aplicação dos recursos não utilizados imediatamente em caderneta de poupança ou aplicação de curto prazo. As receitas oriundas dos rendimentos não são contrapartida. Para efeito de acompanhamento pode ser solicitado relatório períodico (cumprimento da meta e dos cronogramas). Solicitação de prorrogação (ofício com justificativa e fundamentação) 30 dias antes do encerramento da vigência Solicitação de aditivo com aporte de recurso (ofício com justificativa e fundamentação, prestação de contas parciais, certidões vencidas 30 dias antes do encerramento da vigência

5 DN 86/2012 Execução do convênio - continuação Alteração de valor somente permitido para metas já contidas no convênio e não cumpridas Inclusão de novas metas caso excepcional Pagamento das despesas contempladas em alteração do plano somente após a aprovação do plenário do Confea Limitação de aditivo em 25% do valor do convênio Vedada celebração de aditivo fora da vigência do convênio Vedada celebração de aditivo para alteração do objeto

6 Portaria Interministerial n.º 507/2011 Aplicável no que couber de forma subsidiária Vedações art. 10 aplicável no que couber Encaminhamento da proposta de trabalho nossa proposta de parceria art. 19 Exigência de todos os documentos auetenticados art. 21 e 22 Caso de contrapartida art. 24 Exigência de plano de trabalho art. 25 e 26 Condições para celebração dos convênios art. 38 e ss

7 Alteração art. 50 Execução art. 52 Portaria Interministerial n.º 507/2011 Liberação dos recursos art. 54 Contratação art. 56 e 57 Pagamentos art. 64 Acompanhamento art. 68

8 DN 97/2012 Alterações importantes trazidas pela DN na DN 87/2011 Definição dos recursos disponíveis por participante e programa - Dezembro Divisão em 2 grupos com base na contribuição na receita do Confea Percentual de aplicação dos recursos nos programas 50% de aplicação obrigatória no Prodafisc (II-A) e no Prodafin(II-B) Somente a permanência de um programa não reembolsável Melhoria Administrativa

9 Programa DN 88/2011 Identificação Objetivo Regulamentação aplicada Instrumentos para operacionalização Beneficiário Escopo e não escopo Projeto Critérios para elaboração Critérios para apreciação Critérios para liberação de recursos Critérios para acompanhamento da execução Critérios de auditoria

10 Programa REPRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL Reuniões Número I A Referência ANEXO I OBJETIVO Viabilizar a representação institucional dos Creas do Grupo I nos fóruns consultivos do Sistema Confea/Crea e Mútua. BENEFICIÁRIO Creas do Grupo I participantes do Prodesu. ESCOPO Deslocamentos aéreos ou terrestres; e diárias. Representantes CP, CCEC, CNCEC, Fórum Crea-Jr NÃO ESCOPO Reuniões não relacionadas no calendário Participação de pessoas que não configuram representantes dos Creas

11 ELABORAÇÃO DOS PROJETOS Elaboração: colaboração do setor de assistência aos colegiados. Prazo apresentação: : 31 de dezembro do ano anterior Prazo execução: ano da aplicação Documentação complementar: ato do Crea que fixa o valor das diárias. Indicadores de avaliação: Legitimidade dos representantes do Crea para participação nos eventos Participação dos representantes institucionais nas reuniões do calendário do Sistema Confea/Crea Participação em, no mínimo, 80% das votações de cada reunião

12 LIBERAÇÃO DOS RECURSOS Parcela única ACOMPANHAMENTO DA EXECUÇÃO Relatório quadrimestral, contemplando informações por fórum consultivo. AUDITORIA A auditoria financeira: Comprovação da realização das despesas A auditoria institucional: Comprovação da legitimidade dos representantes do Crea; Comprovação da participação dos representantes Comprovação dos deslocamentos aéreos Comprovação de votação em, no mínimo 80%, dos assuntos submetidos à votação em cada reunião.

13 Programa REPRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL Eleições Número I B Referência ANEXO II OBJETIVO Apoiar a realização do processo eleitoral de conselheiros federais, de presidentes de Crea e do Confea. BENEFICIÁRIO Creas participantes do Prodesu. ESCOPO Divulgação da eleição Impressão de material Transporte de material ou pessoas designadas pela CER Diárias para pessoas designadas pela CER NÃO ESCOPO Despesas com serviços extraordinários de apoio e material de expediente

14 ELABORAÇÃO DOS PROJETOS Elaboração: assessoria da CER Prazo apresentação: março do ano da aplicação Prazo execução: calendário do processo eleitoral LIBERAÇÃO DOS RECURSOS Parcela única ACOMPANHAMENTO DA EXECUÇÃO Relatório conforme cronograma físico-financeiro. AUDITORIA A auditoria financeira: comprovação da realização das despesas

15 Programa PRODAFISC Número II A Referência ANEXO III OBJETIVO Proporcionar eficiência e eficácia às ações de verificação e fiscalização do exercício e das atividades profissionais. BENEFICIÁRIO Creas participantes do Prodesu. ESCOPO Capacitação e treinamento Atividades de gerenciamento de metas Consultoria para reestruturação administrativa Equipamentos e veículos Infra-estrutura e soluções de tecnologia da informação NÃO ESCOPO Despesas não relacionadas com o objetivo do programa.

16 ELABORAÇÃO DOS PROJETOS Elaboração: colaboração do setor de fiscalização Prazo apresentação: março do ano da aplicação Prazo execução: anual (ano da aplicação) ou plurianual Alinhamento: agenda estratégica e diretrizes de fiscalização Indicadores de avaliação: A serem definidos em função de: Índices de eficiência da gestão Índices fixados nas diretrizes de fiscalização, tais como: tempo de relação de quantidade de ART / fiscais coeficiente de cancelamento de autos de infração em decorrência de desconformidades ou anomalias da ação fiscalizatória

17 LIBERAÇÃO DOS RECURSOS Conforme cronograma de desembolso ACOMPANHAMENTO DA EXECUÇÃO Relatório conforme cronograma físico-financeiro Pode ter suporte técnico-operacional AUDITORIA A auditoria financeira: comprovação da realização das despesas A auditoria institucional: cumprimento dos objetivos e eficiência.

18 Programa PRODAFIN Número II B Referência ANEXO IV OBJETIVO Proporcionar eficiência e eficácia na organização e funcionamento administrativo do Crea para o desenvolvimento das atividades finalísticas relacionadas a atendimento, registro, cadastro, ART, acervo técnico, bem como instrução e julgamento de processos. BENEFICIÁRIO Creas e Mútua participantes do Prodesu. ESCOPO Capacitação e treinamento Atividades de gerenciamento de metas Consultoria para reestruturação administrativa Infraestrutura e soluções de tecnologia da informação NÃO ESCOPO Despesas não relacionadas com o objetivo do programa.

19 ELABORAÇÃO DOS PROJETOS Elaboração: colaboração do setor relacionado Prazo apresentação: não há Prazo execução: anual (ano da aplicação) ou plurianual Alinhamento: agenda estratégica Indicadores de avaliação: A serem definidos em função de: Índices de eficiência da gestão Índices fixados nos manuais específicos da atividade, tais como: tempo de finalização dos processos desconformidades ou anomalias em relação aos procedimentos normatizados coeficiente de arquivamento de processos em decorrência de perda do objeto ou prescrição

20 LIBERAÇÃO DOS RECURSOS Conforme cronograma de desembolso ACOMPANHAMENTO DA EXECUÇÃO Relatório conforme cronograma físico-financeiro Pode ter suporte técnico-operacional AUDITORIA A auditoria financeira: comprovação da realização das despesas A auditoria institucional: cumprimento dos objetivos e eficiência.

21 Programa CAPACITAÇÃO CORPORATIVA Número II C Referência ANEXO V OBJETIVO Proporcionar qualificação e aprimoramento dos conselheiros regionais e dos funcionários do Sistema Confea/Crea e Mútua. BENEFICIÁRIO Confea, Creas e Mútua participantes do Prodesu. ESCOPO Capacitação e treinamento conselheiros regionais e dos funcionários no desempenho da função Qualificação individual de funcionário no desempenho de suas funções técnico-profissionais Equipamento Infraestrutura e soluções de tecnologia da informação NÃO ESCOPO Despesas não relacionadas com o objetivo do programa

22 ELABORAÇÃO DOS PROJETOS Elaboração: colaboração do setor de pessoas ou de treinamento Prazo apresentação: não há Prazo execução: anual (ano da aplicação) ou plurianual Alinhamento: agenda estratégica Indicadores de avaliação: A serem definidos em função de: índices de eficiência da gestão índices fixados nos manuais específicos da atividade a ser capacitada.

23 LIBERAÇÃO DOS RECURSOS Conforme cronograma de desembolso ACOMPANHAMENTO DA EXECUÇÃO Relatório conforme cronograma físico-financeiro Pode ter suporte técnico-operacional AUDITORIA A auditoria financeira: comprovação da realização das despesas A auditoria institucional: cumprimento dos objetivos e eficiência, por meio de comprovação que certifique: aprovação dos participantes em, no mínimo, 75% do conteúdo; ou conclusão do curso pelo participante.

24 Programa ESTRUTURAÇÃO TECNOLÓGICA Número II D Referência ANEXO VI OBJETIVO Proporcionar modernização e estruturação tecnológica de sedes e inspetorias dos Creas, do Confea e da Mútua para cumprimento de suas finalidades institucionais. BENEFICIÁRIO Confea, Creas e Mútua participantes do Prodesu. ESCOPO Consultoria para reestruturação administrativa Infraestrutura e soluções de tecnologia da informação. NÃO ESCOPO Despesas não relacionadas com o objetivo do programa Objetos previstos no Prodafisc, Prodafin e Estr. Organizacional Custeio da manutenção da estrutura de TI

25 ELABORAÇÃO DOS PROJETOS Elaboração: colaboração do setor de tecnologia Prazo apresentação: não há Prazo execução: anual (ano da aplicação) ou plurianual Documentação complementar: especificação Alinhamento: agenda estratégica e plano de tecnologia Indicadores de avaliação: A serem definidos em função de: índices de eficiência da gestão índices fixados do plano de tecnologia, tais como: eficiência das atividades que estejam diretamente vinculadas à informatização número de procedimentos administrativos informatizados número de serviços disponibilizados na internet prazo de atualização no SIC dos dados regionais

26 LIBERAÇÃO DOS RECURSOS Conforme cronograma de desembolso ACOMPANHAMENTO DA EXECUÇÃO Relatório conforme cronograma físico-financeiro Pode ter suporte técnico-operacional AUDITORIA A auditoria financeira: comprovação da realização das despesas A auditoria institucional: cumprimento dos objetivos e eficiência

27 Programa ESTRUTURAÇÃO ORGANIZACIONAL Número II E Referência ANEXO VII OBJETIVO Proporcionar a implantação no Confea, nos Creas e na Mútua de unidades organizacionais de controle e transparência da gestão. BENEFICIÁRIO Confea, Creas e Mútua participantes do Prodesu. ESCOPO Capacitação e treinamento Equipamentos Infraestrutura e soluções de tecnologia da informação Mobiliário NÃO ESCOPO Reestruturação de unidades já existentes Pagamento de despesas de custeio ou de funcionamento da unidade que será implantada

28 ELABORAÇÃO DOS PROJETOS Prazo apresentação: não há Prazo execução: anual (ano da aplicação) ou plurianual Documentação complementar: ver relação Alinhamento: agenda estratégica e manual de orientações para implantação e gestão de Ouvidorias Indicadores de avaliação: A serem definidos em função de: índices de eficiência da gestão índices fixados nos manuais específicos.

29 LIBERAÇÃO DOS RECURSOS Conforme cronograma de desembolso ACOMPANHAMENTO DA EXECUÇÃO Relatório conforme cronograma físico-financeiro Pode ter suporte técnico-operacional AUDITORIA A auditoria financeira: comprovação da realização das despesas A auditoria institucional: cumprimento dos objetivos e eficiência

30 Programa AUDITORIA INDEPENDENTE Número II F Referência ANEXO VIII OBJETIVO Melhorar a gestão administrativa, financeira e institucional do Creas por meio da identificação e correção das desconformidades detectadas durante o exercício pela auditoria independente. BENEFICIÁRIO Creas participantes do Prodesu. ESCOPO Contratação de auditoria independente que possua equipe técnica experiente em contas Públicas NÃO ESCOPO Contratação de empresa que não possua equipe técnica experiente em contas Públicas

31 ELABORAÇÃO DOS PROJETOS Elaboração: colaboração do setor financeiro ou de controle Prazo apresentação: março do ano da aplicação Prazo execução: anual (ano da aplicação) Indicadores de avaliação: A serem definidos em função de: índices de eficiência da gestão índices fixados no manual de convênios e nos manuais específicos das atividades auditadas

32 LIBERAÇÃO DOS RECURSOS Conforme cronograma de desembolso ACOMPANHAMENTO DA EXECUÇÃO Relatório trimestral, contendo as informações: relatório trimestral da auditoria independente, indicando as desconformidades apontadas; ações implementadas para correção das pendências apontadas pela auditoria independência. Pode ter suporte técnico-operacional AUDITORIA A auditoria financeira: comprovação da realização das despesas A auditoria institucional: cumprimento dos objetivos e eficiência, por meio da verificação da correção das desconformidades detectadas pela auditoria independente.

33 Programa PRODACOM Número III A Referência ANEXO IX OBJETIVO Apoiar a produção e veiculação de campanhas institucionais, bem como a editoração de publicações técnicas de interesse do Sistema Confea/Crea e Mútua. BENEFICIÁRIO Confea, Creas e Mútua participantes do Prodesu. ESCOPO Impressão, criação e desenvolvimento de material gráfico Produção e veiculação de campanha institucional Produção de conteúdos para internet Aquisição de espaços em mídias NÃO ESCOPO Não poderá ser coincidente com o de outras ações institucionais de comunicação de mesma natureza e voltado ao mesmo público alvo, contratadas pelo Confea.

34 ELABORAÇÃO DOS PROJETOS Elaboração: colaboração do setor de comunicação Prazo apresentação: não há Prazo execução: anual (ano da aplicação) ou plurianual Alinhamento: agenda estratégica e plano de comunicação Indicadores de avaliação: A serem definidos em função de: índices de eficiência da gestão no caso de impresso, número de páginas, edições, tiragens e sua distribuição; no caso de site, número de acessos; no caso de rádio ou TV, número de veiculações e audiência.

35 LIBERAÇÃO DOS RECURSOS Conforme cronograma de desembolso ACOMPANHAMENTO DA EXECUÇÃO Relatório conforme cronograma físico-financeiro Pode ter suporte técnico-operacional AUDITORIA A auditoria financeira: comprovação da realização das despesas A auditoria institucional: cumprimento dos objetivos e eficácia, por meio de documentos comprobatórios: impressão e distribuição no caso de impresso acessos no caso de site veiculações e audiência no caso de rádio ou TV

36 Programa ESTRUTURAÇÃO FÍSICA Aquisição, Construção, Reforma, Ampliação ou Locação Número III B Referência ANEXO X OBJETIVO Prover o Confea, os Creas e a Mútua de espaço físico adequado ao seu funcionamento. BENEFICIÁRIO Confea, Creas e Mútua participantes do Prodesu. ESCOPO Elaboração de projetos básicos e executivos Aquisição de sede ou de inspetoria Construção de sede ou de inspetoria Ampliação de sede ou de inspetoria Reforma de sede ou de inspetoria Locação emergencial de espaço físico para sede ou de Inspetoria no prazo máximo de doze meses NÃO ESCOPO Manutenção da estrutura física e aquisição de mobiliário

37 ELABORAÇÃO DOS PROJETOS Elaboração: colaboração do setor de patrimônio Prazo apresentação: não há Prazo execução: anual (ano da aplicação) ou plurianual Alinhamento: normas técnicas Documentação complementar: construção, reforma ou ampliação: Apêndice A. aquisição de imóvel : demonstrativo de compatibilidade do custo proposto com o valor de mercado. locação emergencial: demonstrativo de compatibilidade do custo proposto com o valor de mercado. Indicadores de avaliação: A serem definidos em função de índices fixados no manual de convênios e nos manuais e normas ou orientações técnicas específicos

38 LIBERAÇÃO DOS RECURSOS Conforme cronograma de desembolso, após a comprovação da homologação do processo licitatório ou parecer da dispensa de licitação, devidamente instruído. Construção, reforma e ampliação de sede ou inspetoria: apresentação de alvará de construção ou documento equivalente apresentação dos projetos executivos e respectivas ARTs; verificação do valor previsto no orçamento de acordo com o SINAPI Aquisição de imóvel: Apêndice B Locação emergencial : Apêndice C ACOMPANHAMENTO DA EXECUÇÃO Relatório conforme cronograma físico-financeiro No caso de construção, reforma ou ampliação será elaborado pelo responsável pela fiscalização da obra, e instruído com fotos e ARTs da fiscalização da obra.

39 AUDITORIA A auditoria financeira: comprovação da realização das despesas A auditoria institucional: cumprimento dos objetivos e eficácia, por meio de documentos comprobatórios: construção, reforma ou ampliação: termo de recebimento definitivo da obra, averbação em matrícula do imóvel, habitese ou equivalente; aquisição de imóvel: escritura do imóvel registrada; locação emergencial: contrato registrado e os recibos de pagamento do aluguel.

40 Programa ESTRUTURAÇÃO FÍSICA Mobiliário Número III C Referência ANEXO XI OBJETIVO A Prover a sede e inspetorias da instituição de mobiliário adequado ao seu funcionamento. BENEFICIÁRIO Confea, Creas e Mútua participantes do Prodesu. ESCOPO Mobiliário NÃO ESCOPO Não poderá ser aplicado em projeto para estruturação organizacional das unidades de controle e transparência da gestão.

41 ELABORAÇÃO DOS PROJETOS Elaboração: colaboração do setor de patrimônio Prazo apresentação: não há Prazo execução: anual (ano da aplicação) Alinhamento: normas técnicas Indicadores de avaliação: A serem definidos em função de índices voltados ao atendimento dos manuais e normas técnicas específicas.

42 LIBERAÇÃO DOS RECURSOS Parcela única ACOMPANHAMENTO DA EXECUÇÃO Relatório conforme cronograma físico-financeiro Pode ter suporte técnico-operacional AUDITORIA A auditoria financeira: comprovação da realização das despesas A auditoria institucional: cumprimento dos objetivos e eficácia.

43 Programa APOIO ÀS ENTIDADES REGIONAIS Número III D Referência ANEXO XII OBJETIVO Apoiar a realização de projetos das entidades regionais alinhados à Agenda Estratégica do Sistema Confea/Crea e Mútua. BENEFICIÁRIO Creas participantes do Prodesu. ESCOPO Publicação técnica e científica Congressos, seminários, simpósios, palestras ou workshops NÃO ESCOPO Projetos não alinhados à Agenda Estratégica Pagamento de despesas de custeio da entidade Pagamento de despesas que não estejam relacionadas, exclusivamente, a transporte, hospedagem e honorário de palestrante, bem como serviços gráficos e audiovisuais relativos ao evento.

44 ELABORAÇÃO DOS PROJETOS Elaboração: consolida os projetos das entidades apresentados no ano anterior e aprovados pelo Plenário do Crea Prazo apresentação: março do ano da aplicação Prazo execução: anual (ano da aplicação) Outros partícipes: entidades regionais registradas Alinhamento: agenda estratégica Indicadores de avaliação: A serem definidos em função de índices de eficiência da gestão.

45 LIBERAÇÃO DOS RECURSOS Conforme cronograma de desembolso ACOMPANHAMENTO DA EXECUÇÃO Relatório conforme cronograma físico-financeiro Pode ter suporte técnico-operacional AUDITORIA A auditoria financeira: comprovação da realização das despesas A auditoria institucional: cumprimento dos objetivos e eficiência, por meio de documentos comprobatórios: no caso de publicações, apresentação de, no mínimo, uma edição do material publicado no caso de eventos: lista de participantes resultado de pesquisa de avaliação respondida por, no mínimo, 60% dos participantes relatório circunstanciado das atividades desenvolvidas

46 Programa MELHORIA ADMINISTRATIVA Número III E Referência ANEXO XIII OBJETIVO Proporcionar apoio aos projetos de interesse dos Creas voltados à melhoria administrativa e à inserção institucional. BENEFICIÁRIO Creas participantes do Prodesu. ESCOPO Consultoria ou implantação de plano de melhoria de reestruturação administrativa Congressos, seminários, simpósios, palestras ou workshops técnicos e científicos promovidos pelo Crea Participação de presidente e conselheiros regionais em técnicos e científicos de interesse do Sistema Confea/Crea e Mútua: deslocamentos aéreos ou terrestres diárias.

47 NÃO ESCOPO Objetos já estejam contemplados por outros programas do Prodesu. ELABORAÇÃO DOS PROJETOS Elaboração: não há Prazo apresentação: não há Prazo execução: anual (ano da aplicação) ou plurianual Alinhamento: agenda estratégica Indicadores de avaliação: A serem fixados em função de : índices de eficiência da gestão índices fixados em manuais específicos.

48 LIBERAÇÃO DOS RECURSOS Conforme cronograma de desembolso ACOMPANHAMENTO DA EXECUÇÃO Relatório conforme cronograma físico-financeiro Pode ter suporte técnico-operacional AUDITORIA A auditoria financeira: comprovação da realização das despesas A auditoria institucional: cumprimento dos objetivos e eficiência

49 Programa RECUPERAÇÃO DA GESTÃO Recuperação da Capacidade de Pagamento Número IV A Referência ANEXO XIV OBJETIVO Proporcionar apoio a projetos que visem o pagamento das despesas operacionais para restabelecimento de capacidade de pagamento comprometida em decorrência de caso fortuito ou força maior. BENEFICIÁRIO Creas participantes do Prodesu. ESCOPO Pagamento de despesas operacionais, desde que em decorrência de um caso fortuito ou força maior; Implementação de ações que visem o restabelecimento do equilíbrio da relação despesa-receita. NÃO ESCOPO Objetos já contemplados por outros programas Pagamento de despesas não relacionados diretamente com a causa da incapacidade

50 ELABORAÇÃO DOS PROJETOS Elaboração: colaboração do setor financeiro Prazo apresentação: não há Prazo execução: anual (ano da aplicação) ou plurianual Indicadores de avaliação: A serem definidos conforme índices ou parâmetros financeiros e orçamentários

51 LIBERAÇÃO DOS RECURSOS Conforme cronograma de desembolso ACOMPANHAMENTO DA EXECUÇÃO Relatório mensal encaminhado até o décimo dia do mês subsequente, contemplando as informações relativas às metas do plano de trabalho. Deverá ter suporte técnico-operacional AUDITORIA A auditoria financeira: comprovação da realização das despesas A auditoria institucional: cumprimento dos objetivos e eficiência

52 Programa RECUPERAÇÃO DA GESTÃO Reengenharia Número IV B Referência ANEXO XV OBJETIVO Apoiar projetos de interesse do Crea que se encontre em situação de dificuldade financeira, visando ao seu desenvolvimento institucional, através de uma reestruturação administrativa, financeira e econômica, gerada por meio de gestão compartilhada com o Confea. BENEFICIÁRIO Creas do Grupo I participantes do Prodesu. ESCOPO Readequação dos processos administrativos, financeiros e contábeis, da estrutura organizacional e dos sistemas de informação do participante. Os objetos deste projeto serão indicados pela equipe de suporte técnico-operacional responsável pelo diagnóstico no Crea.

53 NÃO ESCOPO Objetos, contemplados por outros programas do Prodesu, que constem de convênios específicos já formalizados. Despesas não especificadas pela equipe de suporte técnicooperacional que juntamente com o Crea definirão as ações necessárias ao desenvolvimento institucional do Regional. ELABORAÇÃO DOS PROJETOS Elaboração: colaboração do setor financeiro Prazo apresentação: não há Prazo execução: anual (ano da aplicação) ou plurianual Indicadores de avaliação: A serem definidos em função de: índices de eficiência da gestão índices fixados em manuais específicos.

54 LIBERAÇÃO DOS RECURSOS Conforme cronograma de desembolso ACOMPANHAMENTO DA EXECUÇÃO Relatório conforme cronograma físico-financeiro. Deverá ter suporte técnico-operacional AUDITORIA A auditoria financeira: comprovação da realização das despesas A auditoria institucional: cumprimento dos objetivos e eficiência OBRIGADA!! POLYANA MOTTA ZELLER

ANEXO I DA DECISÃO PL- 1752/2014

ANEXO I DA DECISÃO PL- 1752/2014 C ANEXO I DA DECISÃO PL- 1752/2014 ROTEIRO PARA A APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS DE PARCERIA QUE ENVOLVA REPASSES DE RECURSOS FINANCEIROS DO CONFEA PARA EVENTOS 1. REQUISITOS 1.1. As propostas de parceria deverão

Leia mais

Manual de Convênios do Sistema Confea/Crea

Manual de Convênios do Sistema Confea/Crea Referência Ficha Técnica Supervisão Comissão de Controle e Sustentabilidade do Sistema CCSS Elaboração Auditoria - AUDI Cont. Luis Fernando Lucato Controladoria CINT Adv. Fernando Nascimento dos Santos

Leia mais

REGULAMENTO DOS PROCEDIMENTOS PARA CELEBRAÇÃO DE CONVÊNIOS E ACORDOS DE COOPERAÇÃO TÉCNICA

REGULAMENTO DOS PROCEDIMENTOS PARA CELEBRAÇÃO DE CONVÊNIOS E ACORDOS DE COOPERAÇÃO TÉCNICA REGULAMENTO DOS PROCEDIMENTOS PARA CELEBRAÇÃO DE CONVÊNIOS E ACORDOS DE COOPERAÇÃO TÉCNICA I DOS PRINCÍPIOS GERAIS Art. 1º A ABDI tem por objeto promover a execução de políticas de desenvolvimento industrial,

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DS Documento de Suporte

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DS Documento de Suporte DIAGRAMA DE PROCESSOS DS. 10 01 1 / 27 Solicitação das unidades para elaboração, revisão ou cancelamento de documentos ou registros; Mudança no modo de realização dos processos; Tratamento de nãoconformidades;

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA VETERINÁRIA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO RESOLUÇÃO CRMV-RJ Nº 47/2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA VETERINÁRIA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO RESOLUÇÃO CRMV-RJ Nº 47/2015 RESOLUÇÃO CRMV-RJ Nº 47/2015 Ementa: Estabelece requisitos a serem observados para obtenção de apoio financeiro e/ou institucional junto ao CRMV-RJ. O - CRMV-RJ, no uso das atribuições que lhe são conferidas

Leia mais

Resolução nº 1.053/14

Resolução nº 1.053/14 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA CONFEA RESOLUÇÃO N 1.053, DE 11 DE MARÇO DE 2014. Regulamenta a concessão de recursos para as entidades de classe que objetivem apoiar

Leia mais

Programa de Fortalecimento das Cadeias e Arranjos Produtivos Locais - APLs

Programa de Fortalecimento das Cadeias e Arranjos Produtivos Locais - APLs Programa de Fortalecimento das Cadeias e Arranjos Produtivos Locais - APLs Realização de Convênios Convênios São acordos firmados por entidades públicas, ou entre estas e organizações particulares para

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 4, 19 de maio de 2008.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 4, 19 de maio de 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 4, 19 de maio de 2008. Dispõe sobre o processo de contratação de serviços de Tecnologia da Informação pela Administração Pública Federal direta, autárquica e fundacional. O SECRETÁRIO

Leia mais

1. DA AUTORIZAÇÃO 2. DO OBJETO

1. DA AUTORIZAÇÃO 2. DO OBJETO MINISTÉRIO DAS COMUNICAÇÕES SECRETARIA DE INCLUSÃO DIGITAL AVISO DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 02, DE 4 DE OUTUBRO DE 2012 PROGRAMA COMPUTADORES PARA INCLUSÃO A União, por intermédio da Secretaria de Inclusão

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI na Administração Pública Federal - Ciclo 2016 (322491)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI na Administração Pública Federal - Ciclo 2016 (322491) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI na Administração Pública Federal - Ciclo 2016 (322491) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 18/05/2016 16:38:00 Endereço IP: 200.198.193.162

Leia mais

CHECKLIST CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE RECURSOS FEDERAIS

CHECKLIST CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE RECURSOS FEDERAIS CHECKLIST CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE RECURSOS FEDERAIS VERIFICAÇÕES PRELIMINARES Art. 3, caput e 1 ; 1. O objeto do convênio ou contrato de repasse guarda relação com a atividade do convenente? 2.

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA VETERINÁRIA DE PERNAMBUCO

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA VETERINÁRIA DE PERNAMBUCO CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA VETERINÁRIA DE PERNAMBUCO Resolução nº 004, de 25 de março de 2015 Estabelece requisitos a serem observados para obtenção de apoio financeiro ou institucional junto ao CRMV-PE.

Leia mais

ATOS DA FMEL - FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE ESPORTE E LAZER DE ITAJAÍ EDITAL Nº. 004/2013 LEI MUNICIPAL DE INCENTIVO AO ESPORTE

ATOS DA FMEL - FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE ESPORTE E LAZER DE ITAJAÍ EDITAL Nº. 004/2013 LEI MUNICIPAL DE INCENTIVO AO ESPORTE ATOS DA FMEL - FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE ESPORTE E LAZER DE ITAJAÍ EDITAL Nº. 004/2013 LEI MUNICIPAL DE INCENTIVO AO ESPORTE O Superintendente da Fundação Municipal de Esporte e Lazer de Itajaí, no uso de

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado de Minas Gerais (CRMV-MG)

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado de Minas Gerais (CRMV-MG) .1. RESOLUÇÃO Nº 332 Estabelece procedimento para a concessão de apoio financeiro e institucional. O Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado de Minas Gerais (CRMV-MG), no uso da atribuição

Leia mais

AUXÍLIOS FINANCEIROS CONVÊNIOS ENTIDADES REGISTRADAS

AUXÍLIOS FINANCEIROS CONVÊNIOS ENTIDADES REGISTRADAS AUXÍLIOS FINANCEIROS CONVÊNIOS ENTIDADES REGISTRADAS Modalidade/Convênios: Repasse de ARTs e Mútua Cooperação (projetos que objetivem o aperfeiçoamento técnico e cultural). Natureza dos Projetos: Pesquisas

Leia mais

Rua Joaquim André, 895 Paulista 3434-0461-3434-7137 Piracicaba SP EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA 02/2012

Rua Joaquim André, 895 Paulista 3434-0461-3434-7137 Piracicaba SP EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA 02/2012 CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE PIRACICABA Rua Joaquim André, 895 Paulista 3434-0461-3434-7137 Piracicaba SP EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA 02/2012 SELEÇÃO PÚBLICA DE PROJETOS

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS GABINETE CIVIL

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS GABINETE CIVIL PUBLICADA NO DIÁRIO OFICIAL Nº 1925, DE 23 DE MAIO DE 2005, Págs 54 e 56 LEI Nº 1367, DE 17 DE MAIO DE 2005. Regulamentada pelo Decreto nº 198/06 Cria o Fundo Municipal de Desenvolvimento da Economia Popular

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Distrito Federal ATO NORMATIVO Nº XX, DE XX DE XXXXXXXXXX DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Distrito Federal ATO NORMATIVO Nº XX, DE XX DE XXXXXXXXXX DE 2015 ATO NORMATIVO Nº XX, DE XX DE XXXXXXXXXX DE 2015 Dispõe sobre a concessão de recursos para medidas que objetivem o aperfeiçoamento técnico/científico/de inovação e cultural pelo Crea-DF e dá outras providências;

Leia mais

Questionário de Governança de TI 2016

Questionário de Governança de TI 2016 Questionário de Governança de TI 2016 De acordo com o Referencial Básico de Governança do Tribunal de Contas da União, a governança no setor público compreende essencialmente os mecanismos de liderança,

Leia mais

7 SPDM ASSOCIAÇÃO PAULISTA PARA O DESENVOLVIMENTO DA MEDICINA Programa de Atenção Integral à Saúde

7 SPDM ASSOCIAÇÃO PAULISTA PARA O DESENVOLVIMENTO DA MEDICINA Programa de Atenção Integral à Saúde REGULAMENTO DE COMPRAS e CONTRATAÇÃO DE OBRAS E SERVIÇOS DAS UNIDADES SOB GERENCIAMENTO DA O.S.S. SPDM ASSOCIAÇÃO PAULISTA PARA O DESENVOLVIMENTO DA MEDICINA PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE A SPDM

Leia mais

REGULAMENTO DE CONTRATAÇÕES DE COMPRAS E SERVIÇOS - VERSÃO: 02

REGULAMENTO DE CONTRATAÇÕES DE COMPRAS E SERVIÇOS - VERSÃO: 02 REGULAMENTO DE CONTRATAÇÕES DE COMPRAS E SERVIÇOS - VERSÃO: 02 Disponibilizamos a política de orientações institucionais para a contratação de serviços de terceiros (Compras), tanto para serviços como

Leia mais

Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL. Procedimentos do Programa de Eficiência Energética PROPEE

Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL. Procedimentos do Programa de Eficiência Energética PROPEE Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Procedimentos do Programa de Eficiência Energética PROPEE Módulo 10 Controle e Fiscalização Revisão Motivo da Revisão 1 Correções e aperfeiçoamentos Instrumento

Leia mais

O Prefeito do Município de João Pessoa, Estado da Paraíba, faço saber que o Poder Legislativo decreta e eu sanciono a seguinte lei:

O Prefeito do Município de João Pessoa, Estado da Paraíba, faço saber que o Poder Legislativo decreta e eu sanciono a seguinte lei: www.leismunicipais.com.br LEI Nº 12.211, DE 27 DE SETEMBRO DE 2011. DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO FUNDO MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO DA ECONOMIA POPULAR EMPREENDEDORA E SOLIDÁRIA DO MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA OLINDA

PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA OLINDA LEI N 274/2013 Nova Olinda - TO, 23 de outubro de 2013 "Institui e cria o Fundo Municipal do Meio Ambiente - FMMA do Município de Nova Olinda -TO e dá outras providências." O PREFEITO MUNICIPAL DE NOVA

Leia mais

O PREFEITO DE GOIÂNIA, no uso de suas atribuições legais, e CAPÍTULO I DO FUNDO MUNICIPAL DE ESPORTE E LAZER

O PREFEITO DE GOIÂNIA, no uso de suas atribuições legais, e CAPÍTULO I DO FUNDO MUNICIPAL DE ESPORTE E LAZER 1 Gabinete do Prefeito DECRETO Nº 4139, DE 11 DE SETEMBRO DE 2013. Regulamenta o Fundo Municipal de Esporte e Lazer e o Incentivo ao Esporte e Lazer e dá outras providências. O PREFEITO DE GOIÂNIA, no

Leia mais

ESTATUTO DO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL - ABDI

ESTATUTO DO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL - ABDI ESTATUTO DO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL - ABDI ESTATUTO DO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL - ABDI I - DA DENOMINAÇÃO,

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 16/07/2014 11:10:14 Endereço IP: 200.139.16.10 1. Liderança da alta administração 1.1. Com

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA DE PATROCÍNIO AVISO DE EDITAL Nº 1/2013

CHAMADA PÚBLICA DE PATROCÍNIO AVISO DE EDITAL Nº 1/2013 CHAMADA PÚBLICA DE PATROCÍNIO AVISO DE EDITAL Nº 1/2013 DO OBJETO: Este Edital de Chamada Pública de Patrocínio visa promover a seleção de projetos a serem patrocinados pelo Conselho de Arquitetura e Urbanismo

Leia mais

EDITAL DE APOIO A PESQUISADORES INTERNACIONAIS VISITANTES UFMT

EDITAL DE APOIO A PESQUISADORES INTERNACIONAIS VISITANTES UFMT EDITAL DE APOIO A PESQUISADORES INTERNACIONAIS VISITANTES UFMT EDITAL PROPeq/UFMT DE APOIO A PESQUISADORES INTERNACIONAIS VISITANTES - Maio de 2015 I) OBJETIVOS: O Edital de Apoio à participação de pesquisadores

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 11/06/2014 13:47:32 Endereço IP: 200.253.113.2 1. Liderança da alta administração 1.1. Com

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS POSTALCAP. SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Brasilcap Capitalização S.A. CNPJ: 15.138.043/0001-05 PROCESSO SUSEP Nº: 15414.

CONDIÇÕES GERAIS POSTALCAP. SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Brasilcap Capitalização S.A. CNPJ: 15.138.043/0001-05 PROCESSO SUSEP Nº: 15414. CONDIÇÕES GERAIS POSTALCAP I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Brasilcap Capitalização S.A. CNPJ: 15.138.043/0001-05 POSTALCAP MODALIDADE: POPULAR PROCESSO SUSEP Nº: 15414.902353/2014-65

Leia mais

MEMÓRIAS BRASILEIRAS: BIOGRAFIAS Edital N 13/2015

MEMÓRIAS BRASILEIRAS: BIOGRAFIAS Edital N 13/2015 MEMÓRIAS BRASILEIRAS: BIOGRAFIAS Edital N 13/2015 Publicado no DOU de 29/07/15 seção 3 pág. 33 DIRETORIA DE PROGRAMAS E BOLSAS NO PAÍS DPB Coordenação- Geral de Programas Estratégicos CGPE A Coordenação

Leia mais

POLÍTICA DE PATROCINIO DA CAGECE

POLÍTICA DE PATROCINIO DA CAGECE POLÍTICA DE PATROCINIO DA CAGECE A Política de Patrocínio da Cagece que compreende o apoio financeiro concedido a projetos institucionais, culturais, sociais, ambientais e esportivos de iniciativa de terceiros,

Leia mais

REGULAMENTO DAS INSPETORIAS, REPRESENTAÇÕES E DAS COMISSÕES AUXILIARES DE FISCALIZAÇÃO-CAFs CAPÍTULO I DAS INSPETORIAS E REPRESENTAÇÕES.

REGULAMENTO DAS INSPETORIAS, REPRESENTAÇÕES E DAS COMISSÕES AUXILIARES DE FISCALIZAÇÃO-CAFs CAPÍTULO I DAS INSPETORIAS E REPRESENTAÇÕES. REGULAMENTO DAS INSPETORIAS, REPRESENTAÇÕES E DAS COMISSÕES AUXILIARES DE FISCALIZAÇÃO-CAFs CAPÍTULO I DAS INSPETORIAS E REPRESENTAÇÕES Seção I Da Natureza e Finalidade das Inspetorias Art. 1º A Inspetoria

Leia mais

1 Nome do Projeto Centro de Treinamento e Capacitação Corporativa. 2 Coordenador (a) Eng. Mec. Vinício Duarte Ferreira. 3 Gestor (a) 4 Programa

1 Nome do Projeto Centro de Treinamento e Capacitação Corporativa. 2 Coordenador (a) Eng. Mec. Vinício Duarte Ferreira. 3 Gestor (a) 4 Programa 1 Nome do Projeto Centro de Treinamento e Capacitação Corporativa 2 Coordenador (a) Eng. Mec. Vinício Duarte Ferreira 3 Gestor (a) 4 Programa Eng. Agr. Flávio Henrique da Costa Bolzan Organização, Normas

Leia mais

Planejamento Estratégico 2014-2018

Planejamento Estratégico 2014-2018 Planejamento Estratégico 2014-2018 CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DE GOIÁS Crea-GO O Planejamento Estratégico é um processo dinâmico, sistêmico, participativo e contínuo para determinação

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.682, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2013

CIRCULAR Nº 3.682, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2013 CIRCULAR Nº 3.682, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2013 Aprova o regulamento que disciplina a prestação de serviço de pagamento no âmbito dos arranjos de pagamentos integrantes do Sistema de Pagamentos Brasileiro

Leia mais

Artigo 3º. Os projetos submetidos a presente seleção deverão indicar, entre os eixos abaixo discriminados, aquele de atuação principal.

Artigo 3º. Os projetos submetidos a presente seleção deverão indicar, entre os eixos abaixo discriminados, aquele de atuação principal. Edital Fumcad 2015 Prorrogação de Edital de Chamada Pública FUMCAD 2015 SELEÇÃO PÚBLICA DE PROPOSTAS PARA SELEÇÃO DE PROJETOS RELATIVOS À PROMOÇÃO, PROTEÇÃO E DEFESA DOS DIREITOS DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO TORCIDA PÉ QUENTE BRADESCO PRIME PU

CONDIÇÕES GERAIS DO TORCIDA PÉ QUENTE BRADESCO PRIME PU I INFORMAÇÕES INICIAIS CONDIÇÕES GERAIS DO TORCIDA PÉ QUENTE BRADESCO PRIME PU SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S.A. CNPJ: 33.010.851/0001-74 TORCIDA PÉ QUENTE BRADESCO PRIME PU PLANO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 02/2012

RESOLUÇÃO Nº 02/2012 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO ACADÊMICO DE PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 02/2012 Aprova o Regulamento de Extensão Universitária da Universidade

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO MELHOR IDADE

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO MELHOR IDADE CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO MELHOR IDADE I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 33.010.851/0001-74 PÉ QUENTE BRADESCO MELHOR IDADE PLANO PM 60/60

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI na Administração Pública Federal - Ciclo 2016 (322491)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI na Administração Pública Federal - Ciclo 2016 (322491) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI na Administração Pública Federal - Ciclo 2016 (322491) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 24/05/2016 12:51:35 Endereço IP: 187.4.152.90 Designação

Leia mais

Rua Ulisses Caldas, 81 - Centro - Natal/RN 59025-090 (55)xx84-3232-8863 www.natal.rn.gov.br

Rua Ulisses Caldas, 81 - Centro - Natal/RN 59025-090 (55)xx84-3232-8863 www.natal.rn.gov.br LEI Nº. 6.067, DE 11 DE MARÇO DE 2010. Altera a Lei Ordinária 5.711/06, que dispõe sobre a Organização Administrativa da Câmara Municipal do Natal, e dá outras providências. A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE

Leia mais

ORGANIZAÇÃO SOCIAL PRO-EDUCA- INSTITUTO SOCIAL PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO E SUSTENTABILIDADE

ORGANIZAÇÃO SOCIAL PRO-EDUCA- INSTITUTO SOCIAL PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO E SUSTENTABILIDADE ORGANIZAÇÃO SOCIAL PRO-EDUCA- INSTITUTO SOCIAL PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO E SUSTENTABILIDADE CNPJ N 05.303.355/0001-73 REGISTRO EM RCPJ- BARUERI/SP 222857 REGULAMENTO DE COMPRAS, CONTRATAÇÕES DE

Leia mais

Edital. Ações para o desenvolvimento integral na Primeira Infância

Edital. Ações para o desenvolvimento integral na Primeira Infância Edital Ações para o desenvolvimento integral na Primeira Infância 1. OBJETIVO 1.1. Este edital tem o objetivo de apoiar financeiramente projetos de extensão universitária voltados a ações para o desenvolvimento

Leia mais

F4D7 - Solicitação de Convênio para Execução de Projetos e/ou Eventos

F4D7 - Solicitação de Convênio para Execução de Projetos e/ou Eventos Página: 1 de 8 INSTRUÇÕES PARA FIRMAR CONVÊNIO COM O CREA-CE Conforme Art. 25. Serão admitidas para cumprimento do objeto do convênio firmado entre o Crea e a instituição de ensino ou a entidade de classe

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO PRIME SOS MATA ATLÂNTICA 300

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO PRIME SOS MATA ATLÂNTICA 300 CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO PRIME SOS MATA ATLÂNTICA 300 I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 33.010.851/0001-74 PÉ QUENTE BRADESCO PRIME SOS MATA

Leia mais

DECRETO Nº 980, DE 16 DE ABRIL DE 2012

DECRETO Nº 980, DE 16 DE ABRIL DE 2012 DECRETO Nº 980, DE 16 DE ABRIL DE 2012 Regulamenta o Fundo Municipal dos Direitos do Idoso. O Prefeito Municipal de São José dos Pinhais, Estado do Paraná, usando de suas atribuições legais, e de acordo

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI na Administração Pública Federal - Ciclo 2016 (322491)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI na Administração Pública Federal - Ciclo 2016 (322491) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI na Administração Pública Federal - Ciclo 2016 (322491) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 27/05/2016 11:27:56 Endereço IP: 200.139.21.10 Designação

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO RIO GRANDE DO NORTE

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO RIO GRANDE DO NORTE ATO NORMATIVO Nº 01, DE 28 DE MARÇO DE 2012. Institui o Normativo de Pessoal EMPREGO DE LIVRE PROVIMENTO E DEMISSÃO DE NÍVEL SUPERIOR, EMPREGOS TEMPORÁRIOS DE NÍVEL SUPERIOR E EMPREGOS TEMPORÁRIOS DE NÍVEL

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO DA CASA

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO DA CASA CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO DA CASA I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 33.010.851/0001-74 PÉ QUENTE BRADESCO DA CASA PLANO PM 30/30 - MODALIDADE:

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA CADASTRO DE INSTRUTORES CURSO GESTÃO DE PROJETOS EDITAL Nº 57/2014-AFPE6/AFPE

PROCESSO SELETIVO PARA CADASTRO DE INSTRUTORES CURSO GESTÃO DE PROJETOS EDITAL Nº 57/2014-AFPE6/AFPE PROCESSO SELETIVO PARA CADASTRO DE INSTRUTORES CURSO GESTÃO DE PROJETOS EDITAL Nº 57/2014-AFPE6/AFPE A Gerente Substituta de Administração e Desenvolvimento de Pessoas da Anatel - AFPE, no uso de suas

Leia mais

Art. 3º. As propostas devem ser apresentadas por professores mensalistas do quadro de docentes, nas seguintes condições:

Art. 3º. As propostas devem ser apresentadas por professores mensalistas do quadro de docentes, nas seguintes condições: EDITAL Nº 049/2015 CHAMADA DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA 2016 A Diretoria de Pós graduação e Extensão, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo Regimento Geral do Centro Universitário

Leia mais

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA Nº 02/2012 SNBP-FBN X ENTIDADES PÚBLICAS E PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA Nº 02/2012 SNBP-FBN X ENTIDADES PÚBLICAS E PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA Nº 02/2012 SNBP-FBN X ENTIDADES PÚBLICAS E PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS SELEÇÃO PÚBLICA DE PROPOSTA PARA PROJETO DE APOIO A INSTALAÇÃO DE BIBLIOTECAS PÚBLICAS NO BRASIL REFERENTE

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO OUROCAP 20 Anos. SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Brasilcap Capitalização S.A. CNPJ: 15.138.043/0001-05

CONDIÇÕES GERAIS DO OUROCAP 20 Anos. SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Brasilcap Capitalização S.A. CNPJ: 15.138.043/0001-05 CONDIÇÕES GERAIS DO OUROCAP 20 Anos I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Brasilcap Capitalização S.A. CNPJ: 15.138.043/0001-05 OUROCAP 20 ANOS MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP Nº: 15414.900585/2015-60

Leia mais

Gestão de Projetos. 5ª Câmara de Coordenação e Revisão - Combate à Corrupção Manual de Normas e Procedimentos - MNP 05

Gestão de Projetos. 5ª Câmara de Coordenação e Revisão - Combate à Corrupção Manual de Normas e Procedimentos - MNP 05 Gestão de Projetos 5ª Câmara de Coordenação e Revisão - Combate à Corrupção Manual de Normas e Procedimentos - MNP 05 Sumário GESTÃO DE PROJETOS... 5 GESTÃO DE PROJETOS... 5 GESTÃO DE PROJETOS... 5 Elementos

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO EMPRESA SOCIOAMBIENTAL

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO EMPRESA SOCIOAMBIENTAL CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO EMPRESA SOCIOAMBIENTAL I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S.A. CNPJ: 33.010.851/0001-74 PÉ QUENTE BRADESCO EMPRESA SOCIOAMBIENTAL

Leia mais

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO E RELAÇÕES INSTITUCIONAIS

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO E RELAÇÕES INSTITUCIONAIS DECRETO Nº 1.153, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2015. Aprova o Regimento Interno do Conselho Gestor do Programa de Parcerias Público-Privadas do município de Palmas. O PREFEITO DE PALMAS, no uso das atribuições

Leia mais

Art. 1º - Fica aprovado o Regimento Interno da Central do Sistema de Controle Interno, anexo ao presente Decreto.

Art. 1º - Fica aprovado o Regimento Interno da Central do Sistema de Controle Interno, anexo ao presente Decreto. DECRETO N.º 961/08 De 01 de julho de 2008. APROVA O REGIMENTO INTERNO DA CENTRAL DO SISTEMA DE CONTROLE INTERNO, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A PREFEITA MUNICIPAL DE VALE DO SOL, no uso de suas atribuições

Leia mais

CAPÍTULO I. Parágrafo Único - Sua duração é por tempo indeterminado. CAPÍTULO II DAS ATIVIDADES DA FUNDAÇÃO

CAPÍTULO I. Parágrafo Único - Sua duração é por tempo indeterminado. CAPÍTULO II DAS ATIVIDADES DA FUNDAÇÃO ESTATUTO DA FUNDAÇÃO HOSPITAL SANTA LYDIA CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA JURÍDICA, SEDE E FORO Artigo 1º - A FUNDAÇÃO HOSPITAL SANTA LYDIA, cuja instituição foi autorizada pela Lei Complementar nº

Leia mais

PORTARIA CNMP-PRESI Nº 241, DE 15 DE AGOSTO DE 2013.

PORTARIA CNMP-PRESI Nº 241, DE 15 DE AGOSTO DE 2013. PORTARIA CNMP-PRESI Nº 241, DE 15 DE AGOSTO DE 2013. Aprova o Regimento Interno da Auditoria Interna do Conselho Nacional do Ministério Público. O PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO,

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 360/DILEP.CDEP.SEGPES.GDGSET.GP, DE 7 DE JULHO DE 2014

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 360/DILEP.CDEP.SEGPES.GDGSET.GP, DE 7 DE JULHO DE 2014 TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 360/DILEP.CDEP.SEGPES.GDGSET.GP, DE 7 DE JULHO DE 2014 Institui o Programa de Incentivo à Participação de Servidores do Tribunal Superior do Trabalho em

Leia mais

Programa de Fluxo Contínuo para Apoio a Projetos Especiais

Programa de Fluxo Contínuo para Apoio a Projetos Especiais Chamada Pública nº 03/2012 Programa de Fluxo Contínuo para Apoio a Projetos Especiais A FUNDAÇÃO ARAUCÁRIA de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Paraná, em conformidade com suas finalidades,

Leia mais

RESOLUÇÃO. Santa Rosa, RS, 21 de setembro de 2009.

RESOLUÇÃO. Santa Rosa, RS, 21 de setembro de 2009. RESOLUÇÃO CAS Nº 32/2009, DE 21 DE SETEMBRO DE 2009. DISPÕE SOBRE O REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PESQUISA PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO NPPGE DAS FACULDADES INTEGRADAS MACHADO DE ASSIS. O CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 11, DE 04 DE NOVEMBRO DE 2015. Art. 1º Aprovar, na forma do Anexo, a Norma de Capacitação de Servidores da APO.

RESOLUÇÃO Nº 11, DE 04 DE NOVEMBRO DE 2015. Art. 1º Aprovar, na forma do Anexo, a Norma de Capacitação de Servidores da APO. RESOLUÇÃO Nº 11, DE 04 DE NOVEMBRO DE 2015 A DIRETORIA EXECUTIVA DA AUTORIDADE PÚBLICA OLÍMPICA APO, no uso das atribuições que lhe conferem o inciso XIV do Parágrafo Segundo da Cláusula Décima Quinta

Leia mais

REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS RCC IJUCI/MG CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS SEÇÃO I DOS PRINCÍPIOS

REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS RCC IJUCI/MG CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS SEÇÃO I DOS PRINCÍPIOS REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS RCC IJUCI/MG CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS SEÇÃO I DOS PRINCÍPIOS Art. 1º Este regulamento aplica os procedimentos e os princípios observados pelo Instituto

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ESPECIALIZADOS CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS TÉCNICOS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ESPECIALIZADOS CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS TÉCNICOS Este 1. Termo APRESENTAÇÃO para Consórcio realizar de estudos, referência visando se aplica à avaliação à contratação da estrutura de serviços técnica técnicos e administrativa especializados município

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA IMS/CAT/UFBA. Título I. Das Disposições Gerais. Capítulo I

REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA IMS/CAT/UFBA. Título I. Das Disposições Gerais. Capítulo I 1 REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA IMS/CAT/UFBA Título I Das Disposições Gerais Capítulo I Dos Objetivos e da Estruturação Geral do Serviço de Psicologia Art. 1º - O Serviço de Psicologia é parte

Leia mais

EDITAL INTERNO Nº 02/2012

EDITAL INTERNO Nº 02/2012 EDITAL INTERNO Nº 02/2012 PROCESSO SELETIVO PARA O PROGRAMA DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS NA ÁREA DE PETRÓLEO, GÁS, ENERGIA E BIOCOMBUSTÍVEIS (PFRH/IFRJ/PETROBRAS) O Pró-Reitor de Ensino Médio e Técnico

Leia mais

CONSIDERANDO a necessidade de conferir mais efetividade e amplitude às ações do controle externo a cargo do Tribunal,

CONSIDERANDO a necessidade de conferir mais efetividade e amplitude às ações do controle externo a cargo do Tribunal, DELIBERAÇÃO Nº 262 2 de dezembro de 2014 Estabelece normas a serem observadas pelos órgãos e entidades estaduais e municipais da Administração Pública Direta e Indireta de qualquer dos Poderes, sob a jurisdição

Leia mais

REGIMENTO INTERNO MUSEU DA MEMÓRIA E PATRIMÔNIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS CAPÍTULO I CATEGORIA, SEDE E FINALIDADE

REGIMENTO INTERNO MUSEU DA MEMÓRIA E PATRIMÔNIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS CAPÍTULO I CATEGORIA, SEDE E FINALIDADE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas - UNIFAL-MG REGIMENTO INTERNO MUSEU DA MEMÓRIA E PATRIMÔNIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS CAPÍTULO I CATEGORIA, SEDE E FINALIDADE Art. 1º O Museu

Leia mais

EDITAL DE TOMADA DE PREÇO Nº 017/2013.

EDITAL DE TOMADA DE PREÇO Nº 017/2013. EDITAL DE TOMADA DE PREÇO Nº 017/2013. O PREFEITO MUNICIPAL DE GAURAMA, torna público para o conhecimento dos interessados, que às 15:00 horas do dia 18 de março de 2013, nas dependências do Salão Nobre

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS Introdução Independentemente do nível de experiência da proponente na elaboração de projetos, o Instituto Cooperforte empresta apoio, orientação e subsídios às Instituições

Leia mais

Última atualização em: 23/4/2014 Resolução Sicoob Confederação 080. 1ª edição em 14/6/2012 Resolução Sicoob Confederação 031 1/5

Última atualização em: 23/4/2014 Resolução Sicoob Confederação 080. 1ª edição em 14/6/2012 Resolução Sicoob Confederação 031 1/5 1. Esta Política Institucional de Gerenciamento de Capital: a) é elaborada por proposta da área de Controles Internos e Riscos da Confederação Nacional das Cooperativas do Sicoob Sicoob Confederação; b)

Leia mais

LEI Nº 9.548, DE 22 DE ABRIL DE 2015. A CÂMARA MUNICIPAL DE GOIÂNIA, Estado de Goiás, aprova e eu, PREFEITO MUNICIPAL, sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 9.548, DE 22 DE ABRIL DE 2015. A CÂMARA MUNICIPAL DE GOIÂNIA, Estado de Goiás, aprova e eu, PREFEITO MUNICIPAL, sanciono a seguinte Lei: 1 Gabinete do Prefeito LEI Nº 9.548, DE 22 DE ABRIL DE 2015 Institui o Programa Municipal de Parcerias Público-Privadas, cria a Comissão Gestora de Parcerias Público-Privadas de Goiânia e dá outras providências.

Leia mais

I - DA FINALIDADE II - DA CONCEITUAÇÃO

I - DA FINALIDADE II - DA CONCEITUAÇÃO I - DA FINALIDADE 1. Este Normativo de Pessoal tem por finalidade estabelecer, definir e disciplinar os procedimentos para criação, extinção, remuneração, designação, contratação, substituição, dispensa

Leia mais

REGULAMENTO DE AQUISIÇÕES DE BENS E DE SERVIÇOS COM A UTILIZAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS NO ÂMBITO DA UNIDADE EMBRAPII-CPqD

REGULAMENTO DE AQUISIÇÕES DE BENS E DE SERVIÇOS COM A UTILIZAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS NO ÂMBITO DA UNIDADE EMBRAPII-CPqD COM A UTILIZAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS NO ÂMBITO DA UNIDADE EMBRAPII-CPqD OUTUBRO/2015 Regulamento Aprovado na 875ª REDIR de 03/08/15 CAPÍTULOS PÁGINA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES INICIAIS. 2 CAPÍTULO II SELEÇÃO

Leia mais

Conselho Municipal dos Direitos da Criança e Adolescente de Viana - COMDICAVI Lei Municipal Nº. 1214/94

Conselho Municipal dos Direitos da Criança e Adolescente de Viana - COMDICAVI Lei Municipal Nº. 1214/94 EDITAL Nº. 01/2014 - COMDICAVI Dispõe sobre o chancelamento de projetos das entidades não governamentais e órgãos governamentais de atendimento à criança e ao adolescente, para financiamento com recursos

Leia mais

Contrato de Empréstimo n.º 980/OC-BR. República Federativa do Brasil e o Banco Interamericano de Desenvolvimento

Contrato de Empréstimo n.º 980/OC-BR. República Federativa do Brasil e o Banco Interamericano de Desenvolvimento TERMO DE REFERÊNCIA Projeto BRA/97/032 Coordenação do Programa de Modernização Fiscal dos Estados Brasileiros - PNAFE Contrato de Empréstimo n.º 980/OC-BR entre a República Federativa do Brasil e o Banco

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.771, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2015

CIRCULAR Nº 3.771, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2015 CIRCULAR Nº 3.771, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2015 Dispõe sobre os procedimentos a serem observados pelas cooperativas de crédito para instrução de processos referentes a pedidos de autorização e dá outras providências.

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI na Administração Pública Federal - Ciclo 2016 (322491)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI na Administração Pública Federal - Ciclo 2016 (322491) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI na Administração Pública Federal - Ciclo 2016 (322491) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 20/05/2016 17:15:31 Endereço IP: 201.76.165.227

Leia mais

Modelo de Projeto de Lei (Origem Poder Executivo) Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2011.

Modelo de Projeto de Lei (Origem Poder Executivo) Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2011. Modelo de Projeto de Lei (Origem Poder Executivo) Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2011. CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 o São estabelecidas, em cumprimento

Leia mais

Pró Reitoria de Extensão Universitária. Reitoria

Pró Reitoria de Extensão Universitária. Reitoria EDITAL N 004/2015 PROEX/Central de Cursos de Inovação e da UNESP Apoio para Cursos de em temas ambientais Seleção de propostas de cursos de extensão universitária em temas ambientais no âmbito da PROEX

Leia mais

ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR

ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR DECRETO Nº 4.059, DE 1º DE OUTUBRO DE 2008 CRIA OS NÚCLEOS DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL NO ÂMBITO DA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO E DO ESPORTE E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 1, DE 25 DE JULHO DE 2012

PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 1, DE 25 DE JULHO DE 2012 MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL GABINETE DO MINISTRO PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 1, DE 25 DE JULHO DE 2012 MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL GABINETE DO MINISTRO DOU de 26/07/2012 (nº 144, Seção 1,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO UNIVERSITÁRIO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO UNIVERSITÁRIO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 12/2011/CONSU Estabelece normas para o relacionamento entre a Universidade Federal de

Leia mais

Art. 2º. Fazer publicar esta Portaria em Boletim de Serviço, revogando-se a Portaria 577/05-R, de 05 de dezembro de 2005.

Art. 2º. Fazer publicar esta Portaria em Boletim de Serviço, revogando-se a Portaria 577/05-R, de 05 de dezembro de 2005. PORTARIA 328/R-06 DE 22 DE JUNHO DE 2006. O REITOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE, no uso da competência que lhe foi atribuída pelo artigo 39, inciso XX, do Regimento Geral da UFRN; CONSIDERANDO

Leia mais

EDITAL Verde-Amarelo/ Parques Tecnológicos: FINEP 04/2002

EDITAL Verde-Amarelo/ Parques Tecnológicos: FINEP 04/2002 EDITAL Verde-Amarelo/ Parques Tecnológicos: FINEP 04/2002 O Ministério da Ciência e Tecnologia, em cumprimento às recomendações do Comitê Gestor do Programa de Estímulo à Interação Universidade-Empresa

Leia mais

REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÕES COM RECURSOS PÚBLICOS FUNDAÇÃO SICREDI

REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÕES COM RECURSOS PÚBLICOS FUNDAÇÃO SICREDI REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÕES COM RECURSOS PÚBLICOS FUNDAÇÃO SICREDI A FUNDAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL E CULTURAL DO SISTEMA DE CRÉDITO COOPERATIVO FUNDAÇÃO SICREDI, institui o presente

Leia mais

ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO

ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO COORDENAÇÃO SETORIAL DE EXTENSÃO E CULTURA POLI UPE RESOLUÇÃO 01.2015 Regulamenta e estabelece normas sobre os Cursos de Extensão Universitária da Escola Politécnica de Pernambuco, Campus Benfica, da Universidade

Leia mais

Ano 2010, Número 043 Brasília, quinta-feira, 4 de março de 2010

Ano 2010, Número 043 Brasília, quinta-feira, 4 de março de 2010 Ano 2010, Número 043 Brasília, quinta-feira, 4 de março de 2010 Página 66 AYRES BRITTO, PRESIDENTE- ARNALDO VERSIANI, RELATOR RICARDO LEWANDOWSKI CÁRMEN LÚCIA- FELIX FISCHER- MARCELO RIBEIRO. PUBLICAÇÃO

Leia mais

EVENTOS E CONGRESSOS

EVENTOS E CONGRESSOS EVENTOS E CONGRESSOS O financiamento de eventos de caráter científico-tecnológico obedece à seguinte priorização: a) organização; b) participação coletiva; c) participação individual no país; d) participação

Leia mais

Apresentação. Documentos de diversas modalidades que formalizam atividades de cooperação entre a UFRGS e outras instituições.

Apresentação. Documentos de diversas modalidades que formalizam atividades de cooperação entre a UFRGS e outras instituições. Apresentação A Universidade Federal do Rio Grande do Sul interage com instituições públicas ou privadas, nacionais ou internacionais, em conformidade com as leis federais, estatuto e regimento, resoluções,

Leia mais

O COMANDANTE-GERAL DA POLÍCIA MILITAR DA BAHIA, no uso das suas atribuições legais;

O COMANDANTE-GERAL DA POLÍCIA MILITAR DA BAHIA, no uso das suas atribuições legais; PORTARIA n. 019/CG-10 Aprova a programação orçamentária e financeira para execução pelas Unidades Gestoras da PMBA no exercício financeiro de 2010, e dá outras providências. O COMANDANTE-GERAL DA POLÍCIA

Leia mais

O Congresso Nacional decreta:

O Congresso Nacional decreta: Dispõe sobre os valores mínimos a serem aplicados anualmente por Estados, Distrito Federal, Municípios e União em ações e serviços públicos de saúde, os critérios de rateio dos recursos de transferências

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO DO PRODESU. Programa de Desenvolvimento Sustentável do Sistema Confea/Creas e Mútua

ANEXO I REGULAMENTO DO PRODESU. Programa de Desenvolvimento Sustentável do Sistema Confea/Creas e Mútua ANEXO I REGULAMENTO DO PRODESU Programa de Desenvolvimento Sustentável do Sistema Confea/Creas e Mútua CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Seção I Dos Objetivos Art. 1º O Programa de

Leia mais

IMPLEMENTAR PROJETOS ESPECIAIS 1 OBJETIVO

IMPLEMENTAR PROJETOS ESPECIAIS 1 OBJETIVO Proposto por: Departamento de Avaliação e Acompanhamento de Projetos Especiais (DEAPE) Analisado por: Gabinete da Presidência (GABPRES) Aprovado por: Chefe do Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro

Leia mais

Regulamento Interno da Farmácia Escola de Dispensação de Medicamentos do Curso de Bacharelado em Farmácia da Faculdade Asces

Regulamento Interno da Farmácia Escola de Dispensação de Medicamentos do Curso de Bacharelado em Farmácia da Faculdade Asces Regulamento Interno da Farmácia Escola de Dispensação de Medicamentos do Curso de Bacharelado em Farmácia da Faculdade Asces Caruaru-PE 2014 REGULAMENTO INTERNO DA FARMÁCIA ESCOLA DE DISPENSAÇÃO DE MEDICAMENTOS

Leia mais

Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais Presidência Controladoria Interna PLANO DIRETOR CONTROLE INTERNO 2013-2014

Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais Presidência Controladoria Interna PLANO DIRETOR CONTROLE INTERNO 2013-2014 PLANO DIRETOR DE CONTROLE INTERNO 2013-2014 SUMÁRIO Pág. 1. INTRODUÇÃO 02 2. SISTEMA DE CONTROLE INTERNO 02 2.1 Conceituação 02 2.2. Marco legal 04 3. O CONTROLE INTERNO NO ÂMBITO DO TCEMG 4. CONTROLADORIA

Leia mais

I. INFORMAÇÕES INICIAIS II. GLOSSÁRIO

I. INFORMAÇÕES INICIAIS II. GLOSSÁRIO PU_TRADICIONAL_100MM_15M Condições Gerais I. INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: CARDIF CAPITALIZAÇÃO S.A. CNPJ Nº. : 11.467.788/0001-67 PRODUTO: PU_TRADICIONAL_100MM_15M MODALIDADE: TRADICIONAL

Leia mais