DESAFIOS PARA O TRANSPORTE SUSTENTÁVEL EM ASSENTAMENTOS URBANOS INFORMAIS PRECÁRIOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DESAFIOS PARA O TRANSPORTE SUSTENTÁVEL EM ASSENTAMENTOS URBANOS INFORMAIS PRECÁRIOS"

Transcrição

1 DESAFIOS PARA O TRANSPORTE SUSTENTÁVEL EM ASSENTAMENTOS URBANOS INFORMAIS PRECÁRIOS LUIS ANTONIO LINDAU JÚLIO CELSO VARGAS PAULA MANOELA DOS SANTOS MAGDALA SATT ARIOLI FELIPE CALEFFI BRUNO WERBERICH KARINE ROCHA ALVES FRANCISCO CANABARRO ALEXANDRE ENDRES LEONARDO LINHARES

2 1. INTRODUÇÃO Cerca de 3 milhões e 200 mil famílias vivem em AUIP e pelo menos 10 milhões de famílias enfrentam deficiências na infraestrutura de locomoção; Está em curso no Brasil o chamado PAC das Favelas com ações de regularização fundiária, saneamento e mobilidade; No Rio, intervenções no Complexo do Alemão, Morro Santa Marta e Manguinhos contemplaram acréscimos e melhorias na infraestrutura aliados a novas a tecnologias de transporte.

3 2. ASSENTAMENTOS URBANOS INFORMAIS PRECÁRIOS (AUIP) Os AUIP quase sempre se localizam em APP - Áreas de Preservação Permanente Ambiental - de morros e encostas das grandes cidades sul-americanas como o Rio de Janeiro, com grandes inclinações e grades elevados; A Lei da Regularização Fundiária Urbana traz a possibilidade de se promover a urbanização para a população de baixa renda em APP.

4 3. ESTRATÉGIAS DE INTERVENÇÃO Contraste entre um AUIP e cidade formal: Ocupação desordenada; Não há projeto viário arranjo de construções e canais de movimentação; Difícil reproduzir o transporte da cidade formal nos AUIP;

5 3. ESTRATÉGIAS DE INTERVENÇÃO Preciso manter a identidade básica das AUIP; Trabalhar nas interfaces entre o AUIP e a cidade formal; Criando condições de conectividade entre as duas realidades; Gerar urbanidade no assentamento.

6 3. ESTRATÉGIAS DE INTERVENÇÃO Figura 1: Esquema genérico de uma rede troncal de transportes em AUIP: 1- interface/nó principal; 2- nó secundário e 3- sistema de penetração (teleférico) (Chrispiniano, 2011)..

7 4. TRANSPORTES NA DIMENSÃO DOS AUIP Pesquisas origem destino feitas pelas grandes cidades; Porém para as AUIP: Não há trabalhos com foco na tipificação dos padrões: Mobilidade; Propriedade veicular; Meios de transporte utilizados;

8 4. TRANSPORTES NA DIMENSÃO DOS AUIP Viagens a pé prevalecem entre a população de baixa renda: Falta de dinheiro; Oferta de transporte coletivo insuficiente onde moram. Falta de transporte coletivo ou onde não há acesso: Surge o transporte informal; Van, Peruas e Motocicletas (Qualidade de manutenção - risco de acidentes). Motocicletas são muito utilizadas para vencer greides elevados no deslocamento interno às AUIP.

9 5. ALTERNATIVAS PARA O TRANSPORTE COLETIVO Transporte informal dentro das AUIP (Onde não há transporte formal); Limitação da circulação de Vans e Micro-ônibus nas AUIP; Desafios com a topografia acidentada e a configuração informal (elevados greides, estreitos canais);

10 5. ALTERNATIVAS PARA O TRANSPORTE COLETIVO Propulsão a cabo em AUIP de cidades como Caracas, Medellín e Rio de Janeiro; ART (Aerial Rapid Transit) Gôndolas; Maiores Velocidades (até 43,2 km/h) e Capacidades (superior a pass/h/sentido). CPT (Cable-Propelled Transit) Funicular; Menores Velocidades (4 km/h) e Capacidades (80 a 140 pass/h/sentido).

11 5. ALTERNATIVAS PARA O TRANSPORTE COLETIVO Casos de Aplicação do ART e CPT Sistema País Tecnologia ART Extensão (m) Velocidade (km/h) Capacidad e cabine (lugares) Headway (s/cabine) Capacidade ofertada (pass/h/direção) Frota (cabine) Portland Aerial Tram EUA Aerial Tram , Rossevelt Island Tramway EUA Aerial Tram Linha K Medellín Linha J Colômbia MDG Metrocable Linha L Caracas Metrocable Venezuela MDG Cable Constantine Algeria MDG , , Complexo do Alemão Brasil MDG , Maokong Gondola Taiwan MDG , Ngong Ping Cable Car China BDG Singapura Cable Car Singapura BDG , Koblenz Cable car Alemanha TDG ,

12 5. ALTERNATIVAS PARA O TRANSPORTE COLETIVO Funicular do Morro Dona Marta, Rio de Janeiro

13 5. ALTERNATIVAS PARA O TRANSPORTE COLETIVO Sistema Funicular Híbrido

14 6.1 TRANSPORTE SOBRE DUAS RODAS Bicicletas: A segurança é citada como maior impedimento ao seu uso; O desconforto relacionado a topografia pode ser superado pelo desenho do itinerário; Arborização ajuda a superar desconfortos climáticos; Investimentos em infraestrutura cicloviária são inferiores aos dos ciclomotores; Bicicletas elétricas permitem aliar o motor ao esforço humano É importante a implantação de paraciclos

15 6.1 TRANSPORTE SOBRE DUAS RODAS Motocicletas: Velocidade elevada em tráfego congestionado; Baixo custo de aquisição e manutenção comparados aos do automóvel; Despontam nas estatísticas de mortes no trânsito urbano e emissão de poluentes por passageiro. Utilizadas no transporte de cargas e passageiros, o Brasil conta com mais de 16,5 milhões de motocicletas. As vendas crescem 20% ao ano. A operação de moto táxis é geralmente informal

16 6.2 PEDESTRES Nos países em desenvolvimento o andar a pé é o principal meio de transporte; Calçadas, rampas e escadas seguras e confortáveis em muito melhorariam a qualidade da circulação interna dos AUIP; O pavimento das calçadas deve possuir faixa de circulação contínua, com piso liso, não escorregadio, resistente e sem buracos, rachaduras e/ou intrusão de vegetação; Recomenda-se a utilização de escadas em áreas urbanas onde ocorrerem inclinações maiores de 20%, e em declividades entre 20% e 40%, a melhor solução é a combinação entre escada e rampa com patamares Admite-se como confortável o fluxo de tráfego de 25 pessoas/min/m em calçadas, podendo chegar a 75 pessoas/min/m.

17 6.3 TRANSPORTE DE CARGAS E SERVIÇOS Serviços de segurança; Atendimento emergencial de saúde; Bombeiros; Coleta de lixo; transporte de cargas em geral; Coletas diárias de toneladas de lixo são realizadas com carrinhos de mão sobre rampas e escadas, ou de forma manual por garis comunitários, levando o lixo das residências até a zona de coleta.

18 6.3 TRANSPORTE DE CARGAS E SERVIÇOS Alternativas: Veículos Elétricos Motocicletas Helicópteros Transporte de carga agregado ao transporte público

19 7. CONCLUSÕES Uma parcela significativa da população urbana brasileira vive em Assentamentos Urbanos Informais Precários. As recentes iniciativas de governo para reurbanizar nossas favelas, particularmente as cariocas, apresentam enormes desafios, entre eles, a provisão de uma oferta estruturada de transportes.. Quase nada se sabe sobre os padrões de mobilidade dos habitantes das favelas. Não há um entendimento do padrão de demanda dos habitantes das AUIP brasileiras. Sistemas com propulsão a cabo tipo ART e CPT têm custos relativamente elevados de implantação e operação e requerem um bom equacionamento financeiro. Se as soluções foram relegadas unicamente às forças atuais de mercado, tudo indica que a motocicleta seguirá proliferando nos AUIP.

20 7. CONCLUSÕES O processo de renovação urbana dos AUIP é uma oportunidade para a promoção de ambientes mais sustentáveis: Priorização da movimentação de pedestres e bicicletas; Qualificação das vielas, escadas, e planos inclinados; Exploração da integração modal; Fazer o melhor uso das leis da física para vencer as declividades.

PROPOSTA DE INDICADORES PARA ANÁLISE DA ACESSIBILIDADE ÀS NOVAS TECNOLOGIAS DE TRANSPORTE EM FAVELAS

PROPOSTA DE INDICADORES PARA ANÁLISE DA ACESSIBILIDADE ÀS NOVAS TECNOLOGIAS DE TRANSPORTE EM FAVELAS PROPOSTA DE INDICADORES PARA ANÁLISE DA ACESSIBILIDADE ÀS NOVAS TECNOLOGIAS DE TRANSPORTE EM FAVELAS Carolinne de Morais Gonçalves Renata Albergaria de Mello Bandeira Carlos Alexandre de Bastos Vasconcellos

Leia mais

DESAFIOS PARA O TRANSPORTE SUSTENTÁVEL EM ASSENTAMENTOS URBANOS INFORMAIS PRECÁRIOS

DESAFIOS PARA O TRANSPORTE SUSTENTÁVEL EM ASSENTAMENTOS URBANOS INFORMAIS PRECÁRIOS DESAFIOS PARA O TRANSPORTE SUSTENTÁVEL EM ASSENTAMENTOS URBANOS INFORMAIS PRECÁRIOS Luis Antonio Lindau Júlio Celso Vargas Paula Manoela dos Santos Magdala Satt Arioli Felipe Caleffi Bruno Werberich Karine

Leia mais

MOBILIDADE URBANA: OS MODAIS DE TRANSPORTE

MOBILIDADE URBANA: OS MODAIS DE TRANSPORTE Engº Emiliano Affonso Neto 20 de Setembro de 2013 Realização: ASPECTOS A SEREM ABORDADOS 1. A Escolha do Modo de Transporte 2. Modos de Transporte 3. Recomendações ASPECTOS A SEREM ABORDADOS 1. A Escolha

Leia mais

Mobilidade Urbana. Linhas gerais, resultados e desafios selecionados

Mobilidade Urbana. Linhas gerais, resultados e desafios selecionados Mobilidade Urbana Linhas gerais, resultados e desafios selecionados Apresentação A política de desenvolvimento urbano é estratégica para a promoção de igualdade de oportunidades, para a desconcentração

Leia mais

NORMA BRASILEIRA. Accessibility in highway transportation

NORMA BRASILEIRA. Accessibility in highway transportation NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 15320 Primeira edição 30.12.2005 Válida a partir de 30.01.2006 Acessibilidade à pessoa com deficiência no transporte rodoviário Accessibility in highway transportation Palavras-chave:

Leia mais

A cidadedo futuro. Marcus Quintella marcus.quintella@fgv.br

A cidadedo futuro. Marcus Quintella marcus.quintella@fgv.br A cidadedo futuro Marcus Quintella marcus.quintella@fgv.br O transporte público multimodal é chave para cidades eficientes e sustentáveis Integraçãoé a base da multimodalidade Fonte: Capima (capima.com.br)

Leia mais

50 Mil Mortos no Trânsito 2014. Uma Guerra Não Declarada no Brasil

50 Mil Mortos no Trânsito 2014. Uma Guerra Não Declarada no Brasil Uma Guerra Não Declarada no Brasil O Que leva as Pessoas morarem nas Cidades? Nasceram lá: Oportunidades de Trabalho: Estudar Saúde: Êxodo Rural e a Urbanização dos Séculos XIX a XXI Seul / Coréia do Sul

Leia mais

Consulta Pública PROPOSTAS

Consulta Pública PROPOSTAS Consulta Pública POLÍTICA DE LOGÍSTICA URBANA DE BELO HORIZONTE - 2015 PBH BHTRANS / outubro 2015 PROPOSTAS 1. Causas básicas do caos urbano 1. Desequilíbrio entre a oferta e a demanda do uso da estrutura

Leia mais

Manual Prêmio Mobilidade

Manual Prêmio Mobilidade Manual Prêmio Mobilidade 1. Qual o objetivo do Prêmio Mobilidade? O Prêmio Cidades Sustentáveis, categoria "Mobilidade", pretende reconhecer políticas públicas sustentáveis e bem sucedidas de melhoria

Leia mais

Princípios da nova visão de Mobilidade Urbana Mobilidade Sustentável

Princípios da nova visão de Mobilidade Urbana Mobilidade Sustentável Princípios da nova visão de Mobilidade Urbana Mobilidade Sustentável Diminuir a necessidade de viagens motorizadas: Posicionando melhor os equipamentos sociais, descentralizando os serviços públicos, ocupando

Leia mais

29 de julho de 2014. 1ª Reunião do Observatório da Mobilidade Urbana de Belo Horizonte

29 de julho de 2014. 1ª Reunião do Observatório da Mobilidade Urbana de Belo Horizonte 1ª Reunião do Observatório da Mobilidade Urbana de Belo Horizonte Mesa 1: Acessibilidade e qualidade do transporte coletivo e das calçadas de Belo Horizonte Em que medida o PlanMob-BH considerou e avançou

Leia mais

SUGESTÕES PARA A REFORMULAÇÃO DOS SISTEMAS DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS URBANOS E METROPOLITANO DE PORTO ALEGRE 1

SUGESTÕES PARA A REFORMULAÇÃO DOS SISTEMAS DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS URBANOS E METROPOLITANO DE PORTO ALEGRE 1 SUGESTÕES PARA A REFORMULAÇÃO DOS SISTEMAS DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS URBANOS E METROPOLITANO DE PORTO ALEGRE 1 Contribuições ao debate do Conselho Deliberativo Metropolitano - CDM Por Mauri

Leia mais

30/11/2012. do adensamento populacional. crescimento desordenado. ocupação de áreas naturais e frágeis

30/11/2012. do adensamento populacional. crescimento desordenado. ocupação de áreas naturais e frágeis Universidade Metodista Recuperação Ambiental de Áreas Degradadas Impactos gerados pelo uso e ocupação do solo no meio urbano Final século XVIII Revolução Industrial Migração do homem do campo objetivo

Leia mais

Sistema de Informações da Mobilidade Urbana. Relatório Geral 2012

Sistema de Informações da Mobilidade Urbana. Relatório Geral 2012 Sistema de Informações da Mobilidade Urbana Relatório Geral 2012 Julho/2014 Relatório Geral 2012 1 Sumário executivo... 3 2 Mobilidade... 25 2.1 Valores para Brasil (municípios acima de 60 mil habitantes)...

Leia mais

transporte lugar adequado morar, trabalhar e viver dignidade acesso à habitação mobilidade trânsito seguro serviços e equipamentos urbanos

transporte lugar adequado morar, trabalhar e viver dignidade acesso à habitação mobilidade trânsito seguro serviços e equipamentos urbanos INFRAESTRUTURA VIÁRIA, APRESENTANDO O SISTEMA DE TELEFÉRICO NO COMPLEXO DO ALEMÃO COMO ALTERNATIVA, BEM SUCEDIDA PARA TRANSPORTE MASSIVO PARA BAIXA RENDA. O transporte por teleférico para o complexo do

Leia mais

Transporte Hidroviário Urbano

Transporte Hidroviário Urbano PHD 2537 Introdução Contexto atual No Brasil, o transporte rodoviário é responsável por 96,02% da movimentação de passageiros Necessidade de expansão da infra-estrutura devido ao crescimento das cidades

Leia mais

CRITÉRIOS TÉCNICOS PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE MOBILIDADE URBANA. Lúcia Maria Mendonça Santos Ministério das Cidades

CRITÉRIOS TÉCNICOS PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE MOBILIDADE URBANA. Lúcia Maria Mendonça Santos Ministério das Cidades CRITÉRIOS TÉCNICOS PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE MOBILIDADE URBANA Lúcia Maria Mendonça Santos S e m i n á r i o M o b i l i d a d e U r b a n a S u s t e n t á v e l : P r á t i c a s e T e n d ê n c

Leia mais

Depto. Engenharia Industrial Estudo sobre a Mobilidade Sustentável Diretrizes para o Município do Dr. Madiagne Diallo, Prof. Coordenador do Laboratório de Apoio à Decisão Coordenador de Assessoria Técnica

Leia mais

MOBILIDADE URBANA: UM DESAFIO PARA GESTORES PÚBLICOS

MOBILIDADE URBANA: UM DESAFIO PARA GESTORES PÚBLICOS MOBILIDADE URBANA: UM DESAFIO PARA GESTORES PÚBLICOS ARTIGO Manoel Reis Coordenador de projetos da FGV Projetos Manoel Reis é engenheiro naval, mestre em engenharia pela Escola Politécnica da USP e tem

Leia mais

A importância do estudo das diferenças de percepção entre ciclistas e aspirantes para o planejamento.

A importância do estudo das diferenças de percepção entre ciclistas e aspirantes para o planejamento. A importância do estudo das diferenças de percepção entre ciclistas e aspirantes para o planejamento. AUTORES ALVES, Felipe Alberto Martins¹; ANDRADE, Beatriz Rodrigues². ¹Universidade Federal do Ceará.

Leia mais

Duplo sentido ciclável. Experiência de Paris.

Duplo sentido ciclável. Experiência de Paris. Duplo sentido ciclável. Experiência de Paris. Thiago Máximo É preciso pensar a mobilidade urbana, como um sistema. Muitas vezes a questão da circulação nas grades cidades é pensada apenas para sanar problemas

Leia mais

MOBILIDADE URBANA Marta Monteiro da Costa Cruz Fábio Romero Gesiane Silveira

MOBILIDADE URBANA Marta Monteiro da Costa Cruz Fábio Romero Gesiane Silveira Marta Monteiro da Costa Cruz Fábio Romero Gesiane Silveira Mobilidade Urbana Palestrantes: Marta Cruz Engenheira Civil Universidade Federal do Espírito Santo Gesiane Silveira Engenheira Civil Universidade

Leia mais

sustentável Crescimento

sustentável Crescimento sustentável Crescimento A população urbana aumenta de forma significativa, e gestores têm o desafio de buscar soluções criativas e inovadoras para financiar a infraestrutura necessária a esse contingente

Leia mais

FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo. CIRCULAÇÕES VERTICAIS - escadas. Prof. Manuel Vitor Curso - Edifícios

FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo. CIRCULAÇÕES VERTICAIS - escadas. Prof. Manuel Vitor Curso - Edifícios FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo CIRCULAÇÕES VERTICAIS - escadas Prof. Manuel Vitor Curso - Edifícios Circulações Verticais São meios mecânicos e não mecânicos que permitem a ligação entre

Leia mais

IV Conferência de Política Urbana. Eixo de Mobilidade: 29 de março de 2014

IV Conferência de Política Urbana. Eixo de Mobilidade: 29 de março de 2014 IV Conferência de Política Urbana Eixo de Mobilidade: Redução dos deslocamentos, melhoria da acessibilidade e estímulo ao transporte coletivo e não motorizado. 29 de março de 2014 Roteiro 2 1) Contexto

Leia mais

Aula 5 : Circulação Vertical Escadas, Rampas e Elevadores

Aula 5 : Circulação Vertical Escadas, Rampas e Elevadores Aula 5 : Circulação Vertical Escadas, Rampas e Elevadores Escadas Escada é o elemento de composição arquitetônica cuja função é proporcionar a possibilidade de circulação vertical entre dois ou mais pisos

Leia mais

Universidade Federal do Oeste da Bahia UFOB CENTRO DAS CIÊNCIAS EXATAS E DAS TECNOLOGIAS IAD176 - Desenho Técnico Prof. Dennis Coelho Cruz

Universidade Federal do Oeste da Bahia UFOB CENTRO DAS CIÊNCIAS EXATAS E DAS TECNOLOGIAS IAD176 - Desenho Técnico Prof. Dennis Coelho Cruz Universidade Federal do Oeste da Bahia UFOB CENTRO DAS CIÊNCIAS EXATAS E DAS TECNOLOGIAS IAD176 - Desenho Técnico Prof. Dennis Coelho Cruz Aula 12 : Desenho Arquitetônico Escadas e Rampas Escadas Escada

Leia mais

Infraestrutura Turística. Magaeventos Esportivos e a Promoção da Imagem do Brasil no Exterior 16 e 17 de agosto Brasília.

Infraestrutura Turística. Magaeventos Esportivos e a Promoção da Imagem do Brasil no Exterior 16 e 17 de agosto Brasília. Infraestrutura Turística. Magaeventos Esportivos e a Promoção da Imagem do Brasil no Exterior 16 e 17 de agosto Brasília Mobilidade Urbana Renato Boareto 1 Organização Não Governamental fundada em 2006

Leia mais

modelo EMBARQ de parceria para a mobilidade sustentável Luis Antonio Lindau Presidente

modelo EMBARQ de parceria para a mobilidade sustentável Luis Antonio Lindau Presidente Governos Municipais e Terceiro Setor: modelo EMBARQ de parceria para a mobilidade sustentável EMBARQ Brasil Luis Antonio Lindau Presidente BRASIL População: 190 milhões 84% urbana HDI 0,718 = 84ª posição

Leia mais

MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL. sexta-feira, 29 de junho de 12

MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL. sexta-feira, 29 de junho de 12 MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL O QUE É MOBILIDADE URBANA? É um atributo das cidades e se refere ao deslocamentos de pessoas e bens no espaço urbano. Pensar a mobilidade urbana é pensar sobre como se organizam

Leia mais

DEDICATED TO MAKING A DIFFERENCE. obilidade. relatorio sintético

DEDICATED TO MAKING A DIFFERENCE. obilidade. relatorio sintético DEDICATED TO MAKING A DIFFERENCE obilidade relatorio sintético relatorio sintético O relatório a seguir representa uma fotografia da mobilidade no mundo no início do século XXI e identifica as ameaças

Leia mais

Segurança com retroescavadeira. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho

Segurança com retroescavadeira. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Segurança com retroescavadeira Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Retroescavadeira Apenas pessoas que possuem o completo conhecimento do trator e dos implementos devem efetuar

Leia mais

Mobilidade Urbana COMO SE FORMAM AS CIDADES? 06/10/2014

Mobilidade Urbana COMO SE FORMAM AS CIDADES? 06/10/2014 Mobilidade Urbana VASCONCELOS, Eduardo Alcântara de. Mobilidade urbana e cidadania. Rio de Janeiro: SENAC NACIONAL, 2012. PLANEJAMENTO URBANO E REGIONAL LUCIANE TASCA COMO SE FORMAM AS CIDADES? Como um

Leia mais

CAPA. Transporte público,

CAPA. Transporte público, Transporte público, insatisfação c O Idec testou os ônibus e o metrô de Belo Horizonte e de São Paulo e constatou demora, superlotação e outros problemas que desrespeitam os direitos do usuário Shutterstock/Montagem

Leia mais

30 de setembro de 2010. Caderno: Ladeira dos Tabajaras

30 de setembro de 2010. Caderno: Ladeira dos Tabajaras 30 de setembro de 2010 Caderno: Ladeira dos Tabajaras Pesquisa nas favelas com Unidade de Polícia Pacificadora da cidade do Rio de Janeiro _Ladeira dos Tabajaras 2010 _ 2 _ > Rio de Janeiro 30 de setembro

Leia mais

Márcio de Almeida D Agosto Beatriz Lagnier Gil Ferreira PET/COPPE/UFRJ. Eficiência e Tecnologia no Transporte de Massa e Transporte Individual

Márcio de Almeida D Agosto Beatriz Lagnier Gil Ferreira PET/COPPE/UFRJ. Eficiência e Tecnologia no Transporte de Massa e Transporte Individual Márcio de Almeida D Agosto Beatriz Lagnier Gil Ferreira PET/COPPE/UFRJ Eficiência e Tecnologia no Transporte de Massa e Transporte Individual SUMÁRIO 1. COPPE/PET/ LTC 2. Panorama do transporte no Mundo

Leia mais

ESTUDO 22: MOBILIDADE URBANA METROPOLITANA

ESTUDO 22: MOBILIDADE URBANA METROPOLITANA ESTUDO 22: MOBILIDADE URBANA METROPOLITANA Pesquisador Ronaldo Balassiano Coordenador Eduardo Cesar Leão Marques Parte 1 1.1. Atividade 1: Diagnóstico Socioeconômico Geral O objetivo principal desse estudo

Leia mais

A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE MOBILIDADE URBANA

A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE MOBILIDADE URBANA Seminário Internacional sobre Cidades Inteligentes, Cidades do Futuro Comissão de Desenvolvimento Urbano CDU Câmara dos Deputados A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE MOBILIDADE URBANA RENATO BOARETO Brasília 06

Leia mais

ACESSIBILIDADE EM ARENAS MULTIUSO

ACESSIBILIDADE EM ARENAS MULTIUSO ACESSIBILIDADE EM ARENAS MULTIUSO Um Check-list! Uma arena multiuso, na maioria das vezes utilizada para jogos de futebol (daí sua importância capital na sociedade brasileira), deve partir de premissa

Leia mais

A palavra transporte vem do latim trans (de um lado a outro) e portare (carregar). Transporte é o movimento de pessoas ou coisas de um lugar para

A palavra transporte vem do latim trans (de um lado a outro) e portare (carregar). Transporte é o movimento de pessoas ou coisas de um lugar para A palavra transporte vem do latim trans (de um lado a outro) e portare (carregar). Transporte é o movimento de pessoas ou coisas de um lugar para outro. Os transportes podem se distinguir pela possessão:

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE TRÂNSITO

POLÍTICA NACIONAL DE TRÂNSITO POLÍTICA NACIONAL DE TRÂNSITO INTRODUÇÃO A Associação Brasileira de Pedestres ABRASPE apresenta aqui sua sugestão para revisão do texto original de Política Nacional de Trânsito apresentado pelo Departamento

Leia mais

MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA-PB SUPERINTENDÊNCIA

MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA-PB SUPERINTENDÊNCIA MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA-PB SUPERINTENDÊNCIA DE TRANSPORTE E TRANSITO DE JOÃO PESSOA STTRANS EDITAL DE CONCORRÊNCIA Nº 001/2011 PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº 2010/047142 ANEXO IV DIRETRIZES PARA A REESTRUTURAÇÃO

Leia mais

Índice de Aferição de Acessibilidade Física Edificação (Interior)

Índice de Aferição de Acessibilidade Física Edificação (Interior) Interfere na faixa livre mínima? (faixa livre mín=0,90m) Há interferência das portas na faixa livre apenas nas áreas privativas da edificação Área de Aproximação à porta Há área de manobra para cadeira

Leia mais

UMA MOBILIDADE URBANA OU UMA PSEUDOMOBILIDADE URBANA ESTÁ SENDO CONSTRUÍDA NAS CIDADES?

UMA MOBILIDADE URBANA OU UMA PSEUDOMOBILIDADE URBANA ESTÁ SENDO CONSTRUÍDA NAS CIDADES? UMA MOBILIDADE URBANA OU UMA PSEUDOMOBILIDADE URBANA ESTÁ SENDO CONSTRUÍDA NAS CIDADES? BUENO, Maria Helena Berardo Graduanda em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Estadual de Goiás - UnUCET ( Unidade

Leia mais

os projetos de urbanização de favelas 221

os projetos de urbanização de favelas 221 5.15 Favela Jardim Floresta. Vielas e padrão de construção existente. 5.16 Favela Jardim Floresta. Plano geral de urbanização e paisagismo. 5.17 Favela Jardim Floresta. Seção transversal. 5.18 Favela Jardim

Leia mais

Apoio à Elaboração de Projetos de Sistemas Integrados de Transporte Coletivo Urbano

Apoio à Elaboração de Projetos de Sistemas Integrados de Transporte Coletivo Urbano Programa 9989 Mobilidade Urbana Ações Orçamentárias Número de Ações 19 10SR0000 Apoio à Elaboração de Projetos de Sistemas Integrados de Transporte Coletivo Urbano Produto: Projeto elaborado Unidade de

Leia mais

Sistemas informatizados de gestão operacional para transporte urbano

Sistemas informatizados de gestão operacional para transporte urbano Sistemas informatizados de gestão operacional para transporte urbano Wan Yu Chih Wplex Software Florianópolis SC http://www.wplex.com.br Objetivo O objetivo deste documento é fornecer informações sobre

Leia mais

China e seu Sistemas

China e seu Sistemas China e seu Sistemas Em 1949, logo depois da revolução chinesa, a China possuía 540 milhões de habitantes, e se caracterizava por ser predominantemente rural, neste período o timoneiro Mao Tsetung, enfatizava

Leia mais

Simopeças Viaturas Limpeza Urbana, Lda

Simopeças Viaturas Limpeza Urbana, Lda Simopeças Viaturas Limpeza Urbana, Lda Viaturas Eléctricas MEGA E-Worker VANTA GE NS - Fiabilidade e Qualidade - Baixa manutenção - Sem emissões poluentes - Custos de operação MUITO reduzidos GAR ANTIA

Leia mais

é de queda do juro real. Paulatinamente, vamos passar a algo parecido com o que outros países gastam.

é de queda do juro real. Paulatinamente, vamos passar a algo parecido com o que outros países gastam. Conjuntura Econômica Brasileira Palestrante: José Márcio Camargo Professor e Doutor em Economia Presidente de Mesa: José Antonio Teixeira presidente da FENEP Tentarei dividir minha palestra em duas partes:

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 262, DE 2013

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 262, DE 2013 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 262, DE 2013 Altera a Lei nº 12.587, de 3 de janeiro de 2012, que institui as diretrizes da Política Nacional de Mobilidade Urbana e dá outras providências, para fortalecer

Leia mais

ACESSIBILIDADE PÚBLICA. Uma estratégia para Transporte Público

ACESSIBILIDADE PÚBLICA. Uma estratégia para Transporte Público ACESSIBILIDADE PÚBLICA Uma estratégia para Transporte Público Pedro Bisch Neto Diretor Superintendente Vinicio Salvagni Diretor de Trasnporte Metropolitano DEFINIÇÃO AFINAL, O QUE É MOBILIDADE URBANA E

Leia mais

A Dimensão Social e Tecnológica da Mobilidade Urbana - O Sistema de Transporte Urbano, os Modos não Motorizados: o Modo Cicloviário

A Dimensão Social e Tecnológica da Mobilidade Urbana - O Sistema de Transporte Urbano, os Modos não Motorizados: o Modo Cicloviário A Dimensão Social e Tecnológica da Mobilidade Urbana - O Sistema de Transporte Urbano, os Modos não Motorizados: o Modo Cicloviário Por Ana Paula dos Santos Cunha Araújo e Eudes Santana Araújo* *O texto

Leia mais

Mais automóveis e menos espaço. Essa é a equação em quase todas as cidades. Por esta razão, os sistemas de estacionamento robotizados, que aproveitam

Mais automóveis e menos espaço. Essa é a equação em quase todas as cidades. Por esta razão, os sistemas de estacionamento robotizados, que aproveitam Mais automóveis e menos espaço. Essa é a equação em quase todas as cidades. Por esta razão, os sistemas de estacionamento robotizados, que aproveitam o espaço disponível mais eficientemente, são uma alternativa

Leia mais

MICHELIN A melhor forma de avançar

MICHELIN A melhor forma de avançar MICHELIN A melhor forma de avançar ar COMPONENTES PARA VEÍCULOS ELÉCTRICOS Seminário Mobilidade Eléctrica Lisboa, 8 de Março o de 2010 MICHELIN NO MUNDO 68 centros de produção em 19 países: Argélia Alemanha

Leia mais

Trilha I Desafios da Inclusão Digital

Trilha I Desafios da Inclusão Digital Trilha I Desafios da Inclusão Digital Temas e Posicionamentos Exposições das(os) Painelistas Posicionamentos Karina Menezes (Raul Hacker Club, terceiro setor) O acesso à Internet deve estimular espaços

Leia mais

ANEXO II DIRETRIZES PARA A REESTRUTURAÇÃO DO TRANSPORTE COLETIVO DO RIO DE JANEIRO

ANEXO II DIRETRIZES PARA A REESTRUTURAÇÃO DO TRANSPORTE COLETIVO DO RIO DE JANEIRO ANEXO II DIRETRIZES PARA A REESTRUTURAÇÃO DO TRANSPORTE COLETIVO DO RIO DE JANEIRO 1. Perspectiva para o Sistema de Transporte Futuro 1.1. Introdução 1.2. Definições 2. Política Tarifária 3. Tecnologias

Leia mais

2. Todos os modais deveriam passar por um posto de controle (PC), pré-estabelecido, no centro da cidade.

2. Todos os modais deveriam passar por um posto de controle (PC), pré-estabelecido, no centro da cidade. BELO HORIZONTE/MG SETEMBRO/2008 Realização: Apoio: Desafio Intermodal O objetivo desta atividade é obter dados quantitativos e qualitativos sobre deslocamentos usando os meios de transportes disponíveis

Leia mais

ECOXXI 2011/2012 Indicador Mobilidade Sustentável

ECOXXI 2011/2012 Indicador Mobilidade Sustentável ECOXXI 2011/2012 Indicador Mobilidade Sustentável Gabinete de Planeamento Inovação e Avaliação Catarina Marcelino (cmarcelino@imtt.pt) http://www.imtt.pt APA, 14 de Fevereiro de 2012 Índice 1. Conceito

Leia mais

ILMO. SR. SUPERINTENDENTE DE SERVIÇOS DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS DA AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES ANTT.

ILMO. SR. SUPERINTENDENTE DE SERVIÇOS DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS DA AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES ANTT. ILMO. SR. SUPERINTENDENTE DE SERVIÇOS DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS DA AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES ANTT. FRESP Federação das Empresas de Transportes de Passageiros por Fretamento do Estado

Leia mais

Apoio do BNDES a Concessões e PPPs em Infraestrutura. Rio de Janeiro Abril de 2012

Apoio do BNDES a Concessões e PPPs em Infraestrutura. Rio de Janeiro Abril de 2012 Apoio do BNDES a Concessões e PPPs em Infraestrutura Rio de Janeiro Abril de 2012 O que apoiamos Projetos de Infraestrutura Energia elétrica; Telecomunicações; Saneamento Ambiental; Logística e transportes;

Leia mais

Financiamento para o desenvolvimento. Novembro/2012

Financiamento para o desenvolvimento. Novembro/2012 Financiamento para o desenvolvimento Novembro/2012 Agenda Contexto dos investimentos em infraestrutura no Brasil Desafios para a realização de investimentos em infraestrutura 1 Brasil Média Global Países

Leia mais

Desenvolvimento de um novo conceito de cabine ergonômica para linha aeronáutica agrícola

Desenvolvimento de um novo conceito de cabine ergonômica para linha aeronáutica agrícola Desenvolvimento de um novo conceito de cabine ergonômica para linha aeronáutica agrícola Ricardo Gasperini ; (Desenho Industrial; UNESP Campus de Bauru) ricardo.gasperini@gmail.com José Carlos Plácido

Leia mais

Engenharia de Tráfego. Prof. Heitor Vieira

Engenharia de Tráfego. Prof. Heitor Vieira Engenharia de Tráfego Prof. Heitor Vieira 1. INTRODUÇÃO A Engenharia de Tráfego é a parte da Engenharia de Transportes que trata de dos problemas de planejamento, operação e controle de tráfego. Tendo

Leia mais

REDES DE TRANSPORTE E TELECOMUNICAÇÕES. Os diferentes modos de transporte e telecomunicações

REDES DE TRANSPORTE E TELECOMUNICAÇÕES. Os diferentes modos de transporte e telecomunicações REDES DE TRANSPORTE E TELECOMUNICAÇÕES Os diferentes modos de transporte e telecomunicações Redes de transporte e telecomunicações As redes de transporte são o conjunto das vias de comunicação (estradas,

Leia mais

BOAS PRÁTICAS DE MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL: POR UMA ACESSIBILIDADE MAIS JUSTA

BOAS PRÁTICAS DE MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL: POR UMA ACESSIBILIDADE MAIS JUSTA BOAS PRÁTICAS DE MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL: POR UMA ACESSIBILIDADE MAIS JUSTA Nivaldo Gerôncio da Silva Filho 1 Resumo: Nos últimos 20 anos, as preocupações com os fatores socioambientais vêm se configurando

Leia mais

A Logística Brasileira Hoje e Suas Tendências

A Logística Brasileira Hoje e Suas Tendências A Logística Brasileira Hoje e Suas Tendências Prof. Manoel A. S. Reis, PhD I SEMINÁRIO DE INFRAESTRUTURA DA BRITCHAM Segmento de Transportes no Brasil São Paulo 18 de Novembro de 2010 1. Características

Leia mais

MANUAL DO PROPRIETÁRIO

MANUAL DO PROPRIETÁRIO MANUAL DO PROPRIETÁRIO v.01 AVISO IMPORTANTE! ESPECIFICAÇÕES FAZER UMA DESCARGA E RECARGA COMPLETA A CADA 90 DIAS. Modelo: Motor: Potência: AUTONOMIA: Velocidade máxima: Autonomia: Tempo de recarga: Bateria:

Leia mais

Energia em busca de alternativas renováveis 1

Energia em busca de alternativas renováveis 1 Energia em busca de alternativas renováveis 1 Nivalde José de Castro Roberto Brandão Guilherme de A. Dantas Pergunta: É possível haver equilíbrio em um quadro de alta do petróleo, custos pouco atrativos

Leia mais

Política Nacional de Mobilidade Urbana e Construção do Plano de Mobilidade

Política Nacional de Mobilidade Urbana e Construção do Plano de Mobilidade Ministério das Cidades SeMOB - Secretaria Nacional de Transportes e da Mobilidade Urbana Política Nacional de Mobilidade Urbana e Construção do Plano de Mobilidade Porto Alegre RS Abril de 2015 Política

Leia mais

Experiências em Transportes Cenário Atual. Apresentação Paraisópolis Junho/2014 Bianca Bianchi Alves

Experiências em Transportes Cenário Atual. Apresentação Paraisópolis Junho/2014 Bianca Bianchi Alves + Experiências em Transportes Cenário Atual Apresentação Paraisópolis Junho/2014 Bianca Bianchi Alves + Cidades Realidade 50% população vivendo em cidades atualmente 70% em 2050 (Nações Unidas) Concentração

Leia mais

Data: fevereiro/2012 AULA 4 - CÁLCULO DE ESCADAS

Data: fevereiro/2012 AULA 4 - CÁLCULO DE ESCADAS Grupo Universitário - IPEP São Paulo - SP Rua Maria Paula, 35-1º andar Bela Vista Fone: (11) 3293-3558 Rua Pirapitingui, 186-1º andar Liberdade Fone: (11) 3385-7400 Campinas - SP Rua José de Alencar, 470

Leia mais

Empresa. Produtos. Bicicletas Elétricas

Empresa. Produtos. Bicicletas Elétricas Empresa Eletro Transport é uma empresa no ramo de veículos elétricos e equipamentos geradores de energia renovável. Conta com toda a infra-estrutura de pesquisa e estatísticas da D7 Group em Londres que

Leia mais

MOBILIDADE URBANA. André Abe Patricia Stelzer

MOBILIDADE URBANA. André Abe Patricia Stelzer MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL André Abe Patricia Stelzer Atualmente, a mobilidade urbana é parte da política de desenvolvimento urbano sustentável. Trata do deslocamento de bens e pessoas e do atendimento

Leia mais

Visita técnica EMBARQ Brasil 16 de outubro de 2014. Apoio na elaboração do parecer técnico

Visita técnica EMBARQ Brasil 16 de outubro de 2014. Apoio na elaboração do parecer técnico Visita técnica EMBARQ Brasil 16 de outubro de 2014 Rejane Fernandes, Diretora de Relações Estratégicas & Desenvolvimento Diogo Pires Ferreira, Coordenador de Projetos de Transporte Apoio na elaboração

Leia mais

Bus Rapid Transit. Possui desempenho e conforto semelhante aos sistemas sobre trilhos, mas com custo entre 4 a 20 vezes. menor;

Bus Rapid Transit. Possui desempenho e conforto semelhante aos sistemas sobre trilhos, mas com custo entre 4 a 20 vezes. menor; 1 BRT MANAUS 2 Bus Rapid Transit O BRT é um sistema de transporte com alta capacidade e baixo custo que utiliza parte segregada da infraestrutura viária existente e opera por controle centralizado, permitindo

Leia mais

Pós-Graduação em Ciências e Tecnologias na Educação Tópicos de Física Artigo: Inclinações das ruas e das estradas

Pós-Graduação em Ciências e Tecnologias na Educação Tópicos de Física Artigo: Inclinações das ruas e das estradas Pós-Graduação em Ciências e Tecnologias na Educação Tópicos de Física Artigo: Inclinações das ruas e das estradas Fernando Lang da Silveira - Instituto de Física da UFRGS Quem é o Fernando Lang da Silveira?

Leia mais

Questão 11. Questão 12. Resposta. Resposta. O mapa e os blocos-diagramas ilustram um dos grandes problemas do mundo moderno.

Questão 11. Questão 12. Resposta. Resposta. O mapa e os blocos-diagramas ilustram um dos grandes problemas do mundo moderno. Questão 11 O mapa e os blocos-diagramas ilustram um dos grandes problemas do mundo moderno. b) Porque há diferentes modos de ocupação do solo. Nas áreas onde a cobertura vegetal é mais densa, ocorre uma

Leia mais

CARTILHA DE TRÂNSITO. Dicas para você viver mais e melhor!

CARTILHA DE TRÂNSITO. Dicas para você viver mais e melhor! CARTILHA DE TRÂNSITO Dicas para você viver mais e melhor! Este material foi concebido pela SBOT Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia com o intuito de ser um agente expressivo na prevenção

Leia mais

Índice de Aferição de Acessibilidade Física

Índice de Aferição de Acessibilidade Física Área de Aproximação à porta Interfere na faixa livre mínima? (faixa livre mín=0,90m) Há área de manobra para cadeira de rodas? (raio mínimo=de 1,20m a 1,50m) Dimensões da área frontal à porta Dimensões

Leia mais

Segurança do trânsito 9. Velocidade e distância de parada Fevereiro 2010

Segurança do trânsito 9. Velocidade e distância de parada Fevereiro 2010 9. Velocidade e distância de parada Aula Interdisciplinar Indicação: 6º ao 9º Ano do Ensino Fundamental Ilustração do Manual de Direção Defensiva do DENATRAN A velocidade é um dos maiores fatores de risco

Leia mais

Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre. Anexo V Diretrizes Futuras para o Sistema de Transporte Coletivo por Ônibus do Município de Porto Alegre

Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre. Anexo V Diretrizes Futuras para o Sistema de Transporte Coletivo por Ônibus do Município de Porto Alegre Licitação do Sistema Ônibus de Porto Alegre Anexo V Diretrizes Futuras para o Sistema de Transporte Coletivo por Ônibus do Município de Porto Alegre Anexo V Diretrizes Futuras para o Sistema de Transporte

Leia mais

RELATÓRIO VISTORIA N.º 001/2011

RELATÓRIO VISTORIA N.º 001/2011 RELATÓRIO DE VISTORIA N.º 001/2011 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL AGÊNCIA BOCA DO RIO Salvador, 14 de dezembro de 2011 1 RELATÓRIO DE VISTORIA 1 SOLICITANTE: Ministério Público Federal Procuradoria Regional dos

Leia mais

INCURSÃO EM PISTA: UM PROBLEMA ATUAL E CRESCENTE

INCURSÃO EM PISTA: UM PROBLEMA ATUAL E CRESCENTE INCURSÃO EM PISTA: UM PROBLEMA ATUAL E CRESCENTE 1 FONSECA, Wilber Campos 2 BARCO, Juliana Alexandra P. de C Ms. Humberto César Machado. RESUMO: Com a elevada demanda no tráfego aéreo, o número de incursões

Leia mais

China e seu Sistemas

China e seu Sistemas China e seu Sistemas Em 1949, logo depois da revolução chinesa, a China possuía 540 milhões de habitantes, e se caracterizava por ser predominantemente rural, neste período o timoneiro Mao Tsetung, enfatizava

Leia mais

Unidade: Política Habitacional e o Direito à Moradia Digna.

Unidade: Política Habitacional e o Direito à Moradia Digna. OBSERVATÓRIO DAS METRÓPOLES, AÇÃO URBANA E FUNDAÇÃO BENTO RUBIÃO PROGRAMA DE FORMAÇÃO: POLÍTICAS PÚBLICAS E O DIREITO À CIDADE Unidade: Política Habitacional e o Direito à Moradia Digna. Módulo III - A

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS TRANSPORTES

A IMPORTÂNCIA DOS TRANSPORTES MODOS DE TRANSPORTE A IMPORTÂNCIA DOS TRANSPORTES Os transportes evoluíram com o processo de desenvolvimento económico. A sua utilização é fundamental para a economia mundial, para o desenvolvimento das

Leia mais

A rede cicloviária do D.F.: um avanço na mobilidade urbana ou iniciativa para inglês ver?

A rede cicloviária do D.F.: um avanço na mobilidade urbana ou iniciativa para inglês ver? A rede cicloviária do D.F.: um avanço na mobilidade urbana ou iniciativa para inglês ver? Eliezé Bulhões de Carvalho 1, 2 Michelle Andrade 1 1 - Programa de Pós Graduação em Transportes UnB 2 - GPIT Grupo

Leia mais

GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 12 O BRASIL NEOLIBERAL E OS DESAFIOS PARA O SÉCULO XXI

GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 12 O BRASIL NEOLIBERAL E OS DESAFIOS PARA O SÉCULO XXI GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 12 O BRASIL NEOLIBERAL E OS DESAFIOS PARA O SÉCULO XXI Como pode cair no enem A desconcentração industrial verificada no Brasil, na última década, decorre, entre outros fatores,

Leia mais

Logo abaixo, será descrito as 23 propostas de governo em diferentes segmentos, que modificarão o Amazonas: Áreas: 1) Logística, Trânsito e Transportes

Logo abaixo, será descrito as 23 propostas de governo em diferentes segmentos, que modificarão o Amazonas: Áreas: 1) Logística, Trânsito e Transportes O referido plano de governo irá modificar a cidade de Manaus, assim como o Estado do Amazonas, pela ousadia, autenticidade e acima de tudo por ter sido construído em consonância com os anseios da população

Leia mais

INOVAÇÃO EM PNEUS PARA IMPULSIONAR A MOBILIDADE SUSTENTÁVEL

INOVAÇÃO EM PNEUS PARA IMPULSIONAR A MOBILIDADE SUSTENTÁVEL INOVAÇÃO EM PNEUS PARA IMPULSIONAR A MOBILIDADE SUSTENTÁVEL INOVAÇÃO EM PNEUS PARA IMPULSIONAR A MOBILIDADE SUSTENTÁVEL AGENDA PIRELLI: UMA VISÃO GERAL VISÃO DA PIRELLI: PARA AUMENTAR A MOBILIDADE URBANA

Leia mais

PESQUISA SOBRE COMPORTAMENTO DE PEDESTES E CICLISTAS EM TRECHO DE VIA NA CIDADE DE MARINGÁ

PESQUISA SOBRE COMPORTAMENTO DE PEDESTES E CICLISTAS EM TRECHO DE VIA NA CIDADE DE MARINGÁ PESQUISA SOBRE COMPORTAMENTO DE PEDESTES E CICLISTAS EM TRECHO DE VIA NA CIDADE DE MARINGÁ T. B. Neri, A. N. P. Barbosa, D. M. De Genaro Chiroli, T. M. Teixeira, F. A. Simões RESUMO A integração do pedestre

Leia mais

Mobilidade Urbana. GT de Infraestrutura do CREA-ES, 22/dez/2014

Mobilidade Urbana. GT de Infraestrutura do CREA-ES, 22/dez/2014 Mobilidade Urbana GT de Infraestrutura do CREA-ES, 22/dez/2014 Mobilidade Urbana É quando todos os modais de tráfego têm ou podem ter movimento e acessibilidade. Mobilidade não é distância percorrida,

Leia mais

como a DT200 da Yamaha.

como a DT200 da Yamaha. Para os iniciantes, é melhor optar por uma moto de menor potência, como a 125cc, porque elas são mais leves e dão mais chances. As 250cc são mais violentas e qualquer erro pode causar um tombo. Para o

Leia mais

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL A FUNÇÃO SOCIAL DA CIDADE E O PAPEL SOCIAL DA PROPRIEDADE Autor(es): Pascoal Mário Costa Guglielmi e Pedro Ribeiro Guglielmi Condicionada pela sua complexa topografia, a ocupação inicial do Rio de Janeiro

Leia mais

Mobilidade Caminhos para o Futuro

Mobilidade Caminhos para o Futuro EVENTO DIÁLOGOS CAPITAIS: METRÓPOLES BRASILEIRAS O FUTURO PLANEJADO Mobilidade Caminhos para o Futuro Ricardo Young PPS Vereador Município de SP ricardoyoungvereador http://www.ricardoyoung.com.br/ 21/JULHO/2014

Leia mais

Congresso Mobilidade Urbana Transporte Urbano por Cabo 18-19 de março 2013 São Paulo e Rio de Janeiro

Congresso Mobilidade Urbana Transporte Urbano por Cabo 18-19 de março 2013 São Paulo e Rio de Janeiro Congresso Mobilidade Urbana Transporte Urbano por Cabo 18-19 de março 2013 São Paulo e Rio de Janeiro Poma histórico 1936 Jean Pomagalski, engenheiro polonês, instalou o primeiro telesqui na França, perto

Leia mais

AVIÃO: MÁQUINA DE GANHAR TEMPO

AVIÃO: MÁQUINA DE GANHAR TEMPO AVIÃO: MÁQUINA DE GANHAR TEMPO Para o empresário do agronegócio, investir em uma aeronave particular, com características versáteis, representa economia de tempo e dinheiro Líder Aviação expõe avião Baron

Leia mais

Planejamento da Mobilidade. Morar Carioca. Contribuição SMTR/CET-RIO. Secretário Municipal de Transportes Alexandre Sansão

Planejamento da Mobilidade. Morar Carioca. Contribuição SMTR/CET-RIO. Secretário Municipal de Transportes Alexandre Sansão Morar Carioca Contribuição Secretário Municipal de Transportes Alexandre Sansão Subsecretário Municipal de Transportes Rômulo Dante Orrico Subsecretário Municipal de Transportes - Gestão Hélio Borges Faria

Leia mais

L A B O R A T Ó R I O A D A P T S E Escola de Arquitetura da UFMG. ROTEIRO DE INSPEÇÃO DA ACESSIBILIDADE Guia Acessível BH / RIZOMA CONSULTING14

L A B O R A T Ó R I O A D A P T S E Escola de Arquitetura da UFMG. ROTEIRO DE INSPEÇÃO DA ACESSIBILIDADE Guia Acessível BH / RIZOMA CONSULTING14 INTRODUÇÃO Este material tem o objetivo de avaliar a acessibilidade mínima de estabelecimentos comerciais e de serviço ao público. Ele avalia basicamente a acessibilidade física do local e as condições

Leia mais