ANÁLISE DO PADRÃO DE POLO GERADOR DE VIAGENS EM UMA INSTITUIÇÃO PÚBLICA DE ENSINO SUPERIOR NO INTERIOR DO NORDESTE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE DO PADRÃO DE POLO GERADOR DE VIAGENS EM UMA INSTITUIÇÃO PÚBLICA DE ENSINO SUPERIOR NO INTERIOR DO NORDESTE"

Transcrição

1 ANÁLISE DO PADRÃO DE POLO GERADOR DE VIAGENS EM UMA INSTITUIÇÃO PÚBLICA DE ENSINO SUPERIOR NO INTERIOR DO NORDESTE Ary Ferreira da Silva Sabrina Câmara de Morais

2 ANÁLISE DO PADRÃO DE VIAGENS EM UMA INSTITUIÇÃO PÚBLICA DE ENSINO SUPERIOR NO INTERIOR DO NORDESTE Ary Ferreira da Silva Sabrina Câmara de Morais Universidade Federal do Cariri Centro de Ciência e Tecnologia RESUMO O município de Juazeiro do Norte/CE tem usufruído dos benefícios do desenvolvimento, o que torna frequente a implantação de edifícios e/ou empreendimentos urbanos, os chamados Pólos Geradores de Viagens PGVs. Esta pesquisa caracteriza o padrão de viagens realizadas pelos usuários do turno noturno da Instituição de Ensino Superior pública Universidade Federal do Cariri. A metodologia adotada engloba as etapas de elaboração e aplicação de questionário com usuários regulares da instituição para caracterizar o padrão de viagens e analisar os resultados alcançados. O principal modo de transporte utilizado pelos alunos, tanto nas viagens atraídas como nas produzidas, foi o ônibus, no entanto, percebeu-se o desejo dos alunos que utilizam esse modo de transporte, em propiciar viagens mais rápidas e confortáveis à instituição, através da mudança do modo de transporte atual para o modo de transporte automóvel. INTRODUÇÃO Nos últimos anos a população tem sido beneficiada pelos avanços gerados com a ciência e com a tecnologia. Entre esses avanços está a capacidade de implantar construções de grande porte ou mega construções; como shopping centers, estádios, universidades, feiras de eventos, supermercados, entre outros. Como conseqüência da implantação de empreendimentos do tipo Polo Gerador de Viagem surgem impactos positivos e principalmente negativos. Ambos podem ser de naturezas diversas, como ambientais, socioeconômicos, histórico-culturais, viários, entre outros. Como exemplo de efeitos negativos nas cidades podem ser citados os congestionamentos, o aumento no índice de acidentes de trânsito. Entre os impactos positivos destacam-se a valorização do solo e o aumento do número de empregos diretos e indiretos. Neste contexto estão as instituições de ensino superior (IES) que promovem um elevado número de viagens, originárias do deslocamento realizado por alunos, professores, funcionários e população em geral, por diferentes modos de transporte. O tempo de permanência dos seus usuários no empreendimento é elevado, o que impõe estudos complementares, referentes à necessidade de vagas para estacionamentos de longa duração. Segundo Nunes (2005), as Instituições de Ensino Superior (IES) são um dos polos geradores que mais cresce no Brasil. Apesar deste crescimento a produção técnico-científica referente à geração de viagens para esses polos ainda é escassa. No presente trabalho serão analisadas as características de viagens geradas por alunos e funcionários da Universidade Federal do Cariri (UFCA) com enfoque no turno noturno, o qual se espera que se caracterize de forma diferente do turno diurno que será analisado em pesquisa posterior. Inicialmente o esperado é que um número significante dos discentes desse turno trabalhe de dia e estude à noite. OBJETIVO O presente estudo teve como objetivo analisar o perfil dos usuários e das características das viagens atraídas e produzidas à UFCA, realizada por professores, alunos e servidores no turno da noite. Caracterizar o padrão de viagens para a IES, identificando os principais modos de transporte e os tempos de viagens atraídas e produzidas. 1

3 REFERENCIAL TEÓRICO Os estudos de geração de viagens existentes para instituições de ensino utilizam apenas como variável explicativa o número de alunos. Entretanto existem vários fatores que influem na geração de viagens que, segundo Ary (2002), podem ser relativos às características do próprio empreendimento, como também da região onde ele é implantado tais como: (a) porte e atratividade do empreendimento; (b) tipologia do empreendimento instalado; (c) localização; (d)condições de acessibilidade; (e) características sócio-econômicas da região; (f) uso do solo no entorno; (g) existência de empreendimentos concorrentes. No caso das IES além de alguns desses fatores, é importante investigar se o curso e o tipo de instituição (pública e privada) são fatores que influenciam na geração de viagens. Para Souza (2007), no caso das IES, a caracterização do padrão de viagens dos usuários requer a identificação de alguns elementos essenciais, como: turno em que são realizadas as viagens; principais modos de transporte utilizados; local de origem e destino; tempo de viagens; principais vias de acesso; principais locais de embarque e desembarque; além das informações referentes ao estacionamento, como: o local e o tempo estacionado. Para Grando (1986:6), Polos Geradores de Viagem são: Aquelas atividades que, mediante a oferta de bens e/ou serviços, produzem ou atraem um grande número de viagens, e conseqüentemente causam reflexos na circulação do tráfego em seu entorno. Para o Departamento Nacional de Trânsito DENATRAN (2001:8) são considerados PGVs: Os empreendimentos de grande porte que atraem ou produzem grande número de viagens, causando reflexos negativos na circulação viária em seu entorno imediato e, em certos casos, prejudicando a acessibilidade de toda a região, além de agravar as condições de segurança de veículos e pedestres. METODOLOGIA O primeiro passo da pesquisa refere-se à etapa em que foi selecionada a instituição pesquisada e calculado o tamanho da amostra. O questionário foi aplicado com 255 usuários. Quanto a metodologia teve como base as publicações de Bertazzo (2008), Souza (2007) e ITE (2001) e deu-se a partir da obtenção e tratamento dos dados necessários para a caracterização dos padrões de viagens dos usuários da IES. A coleta de dados foi realizada por meio da aplicação de um questionário com os alunos, professores e funcionários da IES do turno noturno, nos cursos de Administração, Design de Produto, Filosofia e Jornalismo. Os dados referentes às questões administrativas da IES, como o número e nome dos cursos, número de alunos matriculados por curso, foram obtidos diretamente nas coordenações de cada curso. Na segunda etapa foi realizada a aplicação do questionário. Esse, contendo 23 questões, dividido em 05 partes: A primeira refere-se às informações sobre os usuários; a segunda diz respeito às informações sobre o deslocamento de ida dos usuários até a IES; a terceira parte consta de questões relativas à possibilidade do usuário em trocar o modo de transporte; a quarta parte trata o destino e o local físico do usuário ao sair da instituição e o modo de transporte utilizado; a quinta parte refere-se a uma questão sobre a opinião dos usuários a respeito do que poderia ser feito para facilitar os deslocamentos dos mesmos para a instituição. No terceiro procedimento, para organizar os dados encontrados nos questionários preenchidos pelos usuários de cada curso da instituição e, posteriormente, extrair informações por meio de gráficos e planilhas. Após a obtenção e compilação dos dados, foi possível, através da quarta etapa, a caracterização dos padrões de viagens dos alunos da IES. 2

4 APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS Os dados obtidos na pesquisa de campo foram de grande importância para identificação dos fatores como: modo de transporte; local de origem e destino das viagens; localização física do local de origem e destino; e tempo de viagem. Constatou-se que o principal modo de transporte utilizado pelos alunos, tanto nas viagens atraídas como nas produzidas, foi o ônibus, onde os alunos realizavam 44% das viagens atraídas utilizando o modo de transporte ônibus, e 2% utilizando automóvel como passageiro, com relação às viagens produzidas, o percentual de usuários que utilizam o modo de transporte ônibus é menor (37%). Verifica-se através da figura 01 que o ônibus é utilizado pela maioria dos alunos, porém percebe-se o desejo dos alunos em utilizarem o modo automóvel. Figura 01: Comparação entre o modo de transportes utilizados e desejados pelos alunos A figura 02 ilustra que o modo automóvel como motorista é utilizado pela maioria dos professores e funcionários. Figura 02: Comparação entre os modos de transportes utilizados e desejados pelos Professores e Funcionários O local de origem e destino das viagens realizadas pelos alunos, professores e funcionários, possui uma localização física, ou seja, de qual cidade essas viagens se originam. Para o turno da noite observa-se que a maioria das viagens, realizadas por alunos, que chegam à instituição tem sua origem na cidade de Juazeiro do Norte (68,6%) e destino corresponde a 81,2% ao endereço da origem da viagem, quantos as viagens realizadas por professores e funcionários tem sua origem dividida entre as cidades de Juazeiro do Norte (46,7%), Crato (46,7%) e uma pequena porcentagem (6,7%) em Barbalha, e que o destino das viagens corresponde a 93,3% dos professores e funcionários têm como destino o mesmo endereço da origem. Quanto ao tempo que os usuários gastam na ida e na volta à instituição foi observado que para o modo de transporte automóvel como condutor os alunos levam menos de 20 minutos que corresponde a 54,8% dos deslocamentos, já o automóvel como passageiro, o tempo gasto para 3

5 as viagens atraídas é de menos de 30 minutos, no uso do modo ônibus nota-se que o tempo de viagem para este tipo de transporte situa-se entre 21 e 40 minutos. Quanto analisa o transporte fretamento verifica-se que os usuários gasta mais de 40 minutos. Quanto às viagens produzidas verifica-se que para o modo de transporte automóvel como condutor, o tempo gasto para os alunos chegarem às suas residências é de menos de 20 minutos, no uso do modo automóvel como passageiro, o tempo gasto para as viagens produzidas é menos de 20 minutos, com isso, o tempo de retorno da faculdade é menor que o gasto na ida. Quando se analisa o modo de transporte condução escolar, que refere-se ao transporte cedido gratuitamente pela prefeitura do município, nota-se que o tempo de viagem para esse modo de transporte tem a maioria de seus usuários dividida entre 21 a 30 minutos (41,7%), 25% realiza o deslocamento entre 11 a 20 minutos, e mais de uma hora (25%). Utilizando o modo de transporte automóvel como condutor o tempo gasto por professores e funcionários para chegarem às instituições é de menos de 30 minutos. Com relação ao modo de transporte automóvel como passageiro, o tempo é o mesmo para a viagem atraída e para a produzida está entre 21 e 30 minutos. Nota-se que para o modo motocicleta, os usuários gastam menos de 20 minutos para chegar à instituição e para retornar da mesma. CONCLUSÃO O estudo mostrou que principal modo de transporte utilizado pelos alunos foi o ônibus. Atualmente, o transporte ônibus é utilizado devido a não possibilidade dos usuários adquirirem um automóvel. Os alunos que estudam à noite tem como origem de sua viagem a residência e não o trabalho. Para esse turno, conclui-se que o total das viagens que partem da instituição tem a residência como destino. Ao analisar o deslocamento de professores e funcionários o local de origem e destino das viagens são suas residências. Para a localização física da origem e destino das viagens conclui-se que as viagens para a instituição têm origem e destino, Juazeiro do Norte. Analisando os modos de transportes ônibus, automóvel como condutor e passageiros, fretamento e condução escolar verificou-se que o tempo de viagem apresentou grande variação, tanto para as viagens atraídas quanto para as produzidas. REFERENCIAS ARY, M. B. Análise da demanda de viagens atraídas por shopping centers em Fortaleza. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal do Ceará, Fortaleza BERTAZZO, A. B. S. Estimativa e avaliação do padrão de viagens geradas para instituições de ensino médio. Dissertação de Mestrado. Universidade de Brasília, Brasília DENATRAN. Manual de procedimentos para o tratamento de polos geradores de tráfego. Brasília: Denatran/FGV GRANDO, L. A interferência dos polos geradores de tráfego no sistema viário: análise e contribuição metodológica para shopping centers. Dissertação de mestrado. Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro INSTITUTE OF TRANSPORTATION ENGINEERS ITE.TripGenerationHandbook. Washington: Editora ITE NUNES, J. L. Estudo da demanda por estacionamento em Instituições de Ensino Superior. Dissertação de Mestrado. Universidade de Brasília, Brasília SOUZA, S. C. F. Modelos para estimativa de viagens geradas por Instituições de Ensino Superior. Dissertação de Mestrado. Universidade de Brasília, Brasília Ary Ferreira da Silva Sabrina Câmara de Morais Universidade Federal do Cariri Centro de Ciências e Tecnologia Av. Tem. Raimundo Rocha, S/N Cidade Universitária Juazeiro do Norte/CE 4

ESTUDO DE ESTABELECIMENTOS DE ENSINO SUPERIOR PÚBLICO COMO POLOS GERADORES DE VIAGENS

ESTUDO DE ESTABELECIMENTOS DE ENSINO SUPERIOR PÚBLICO COMO POLOS GERADORES DE VIAGENS ESTUDO DE ESTABELECIMENTOS DE ENSINO SUPERIOR PÚBLICO COMO POLOS GERADORES DE VIAGENS José Ap. Sorratini, Márcia Helena Macedo e Alex de Vasconcelos Pineli Alves RESUMO Estabelecimentos de ensino de nível

Leia mais

MOBILIDADE URBANA. André Abe Patricia Stelzer

MOBILIDADE URBANA. André Abe Patricia Stelzer MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL André Abe Patricia Stelzer Atualmente, a mobilidade urbana é parte da política de desenvolvimento urbano sustentável. Trata do deslocamento de bens e pessoas e do atendimento

Leia mais

Nova abordagem para o estudo das viagens geradas nas instituições de ensino

Nova abordagem para o estudo das viagens geradas nas instituições de ensino Nova abordagem para o estudo das viagens geradas nas instituições de ensino Maria Alice Prudêncio Jacques 1 ; Ângela Bertazzo 2 ; Jorge Galarraga 3 ; Marcelo Herz 4 Resumo: A previsão do número de viagens

Leia mais

ANÁLISE DA VIABILIDADE DE IMPLANTAÇÃO DE REDE SEMIPÚBLICA DE TRANSPORTE COLETIVO EM UBERLÂNDIA, MG

ANÁLISE DA VIABILIDADE DE IMPLANTAÇÃO DE REDE SEMIPÚBLICA DE TRANSPORTE COLETIVO EM UBERLÂNDIA, MG ANÁLISE DA VIABILIDADE DE IMPLANTAÇÃO DE REDE SEMIPÚBLICA DE TRANSPORTE COLETIVO EM UBERLÂNDIA, MG Luciano Nogueira José Aparecido Sorratini ANÁLISE DA VIABILIDADE DE IMPLANTAÇÃO DE REDE SEMIPÚBLICA DE

Leia mais

Mobilidade Urbana. Linhas gerais, resultados e desafios selecionados

Mobilidade Urbana. Linhas gerais, resultados e desafios selecionados Mobilidade Urbana Linhas gerais, resultados e desafios selecionados Apresentação A política de desenvolvimento urbano é estratégica para a promoção de igualdade de oportunidades, para a desconcentração

Leia mais

O PREFEITO DE SÃO LUÍS, Capital do Estado do Maranhão.

O PREFEITO DE SÃO LUÍS, Capital do Estado do Maranhão. Lei 4.052, de 13 de março de 2002 Define condições para a instalação de pólos geradores de tráfego, estabelecendo-lhes exigências; critérios para quantidade de vagas de carga e descarga, embarque e desembarque,

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL E AMBIENTAL

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL E AMBIENTAL UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL E AMBIENTAL MODELOS PARA ESTIMATIVA DE VIAGENS GERADAS POR INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR SANDRA CRISTINA FERREIRA DE

Leia mais

AVALIAÇÃO DE VIAGENS POR BICICLETAS: PESQUISA SOBRE OS HÁBITOS DOS CICLISTAS

AVALIAÇÃO DE VIAGENS POR BICICLETAS: PESQUISA SOBRE OS HÁBITOS DOS CICLISTAS AVALIAÇÃO DE VIAGENS POR BICICLETAS: PESQUISA SOBRE OS HÁBITOS DOS CICLISTAS Pablo de Barros Cardoso Professor, Universidade do Grande Rio, Brasil Vânia Barcellos Gouvêa Campos Professora, Instituto Militar

Leia mais

ANÁLISE DA ACESSIBILIDADE DOS PRINCIPAIS AEROPORTOS BRASILEIROS

ANÁLISE DA ACESSIBILIDADE DOS PRINCIPAIS AEROPORTOS BRASILEIROS Anais do XVI Encontro de Iniciação Científica e Pós-Graduação do ITA XVI ENCITA / 2010 Instituto Tecnológico de Aeronáutica São José dos Campos SP Brasil 20 de outubro de 2010 ANÁLISE DA ACESSIBILIDADE

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE A DELIMITAÇÃO ESPACIAL E TEMPORAL DOS IMPACTOS VIÁRIOS DECORRENTES DA IMPLANTAÇÃO DE EDIFÍCIOS RESIDENCIAIS DE GRANDE PORTE

UM ESTUDO SOBRE A DELIMITAÇÃO ESPACIAL E TEMPORAL DOS IMPACTOS VIÁRIOS DECORRENTES DA IMPLANTAÇÃO DE EDIFÍCIOS RESIDENCIAIS DE GRANDE PORTE UM ESTUDO SOBRE A DELIMITAÇÃO ESPACIAL E TEMPORAL DOS IMPACTOS VIÁRIOS DECORRENTES DA IMPLANTAÇÃO DE EDIFÍCIOS RESIDENCIAIS DE GRANDE PORTE Ricardo Santos Guimarães Ilce Marília Dantas Pinto de Freitas

Leia mais

29 de julho de 2014. 1ª Reunião do Observatório da Mobilidade Urbana de Belo Horizonte

29 de julho de 2014. 1ª Reunião do Observatório da Mobilidade Urbana de Belo Horizonte 1ª Reunião do Observatório da Mobilidade Urbana de Belo Horizonte Mesa 1: Acessibilidade e qualidade do transporte coletivo e das calçadas de Belo Horizonte Em que medida o PlanMob-BH considerou e avançou

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE TRANUS COMO APOIO À ENGENHARIA DE TRÁFEGO E TRANSPORTE URBANO

UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE TRANUS COMO APOIO À ENGENHARIA DE TRÁFEGO E TRANSPORTE URBANO UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE TRANUS COMO APOIO À ENGENHARIA DE TRÁFEGO E TRANSPORTE URBANO 1. INTRODUÇÃO Atualmente a tecnologia vem se desenvolvendo cada vez mais rápido para suprir as necessidades da população.

Leia mais

PROGRAMA APRENDIZAGEM PRÁTICA (PAP) EDITAL Nº01/2016 PROGEP SELEÇÃO DE BOLSISTAS

PROGRAMA APRENDIZAGEM PRÁTICA (PAP) EDITAL Nº01/2016 PROGEP SELEÇÃO DE BOLSISTAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO CARIRI PROGRAMA APRENDIZAGEM PRÁTICA (PAP) EDITAL Nº01/2016 PROGEP SELEÇÃO DE BOLSISTAS 1. INTRODUÇÃO A Gestão Pessoas (PROGEP) da Universida Feral do Cariri - UFCA, torna pública

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE TRÂNSITO

POLÍTICA NACIONAL DE TRÂNSITO POLÍTICA NACIONAL DE TRÂNSITO INTRODUÇÃO A Associação Brasileira de Pedestres ABRASPE apresenta aqui sua sugestão para revisão do texto original de Política Nacional de Trânsito apresentado pelo Departamento

Leia mais

Satisfação dos consumidores: estudo de caso em um supermercado de Bambuí/MG

Satisfação dos consumidores: estudo de caso em um supermercado de Bambuí/MG Satisfação dos consumidores: estudo de caso em um supermercado de Bambuí/MG Ana Clara Rosado Silva (1) ; Daiane Oliveira Borges (2) ; Tatiana Morais Leite (3) ; Vanessa Oliveira Couto (4) ; Patrícia Carvalho

Leia mais

No meio urbano o desenvolvimento econômico passa pela relação entre os indivíduos, as edificações e os meios de deslocamento.

No meio urbano o desenvolvimento econômico passa pela relação entre os indivíduos, as edificações e os meios de deslocamento. No meio urbano o desenvolvimento econômico passa pela relação entre os indivíduos, as edificações e os meios de deslocamento. Pólos Geradores de Tráfego As cidades brasileiras vivem um momento de mudança

Leia mais

I Efetivação do compromisso social do IFAL com o Estado de Alagoas;

I Efetivação do compromisso social do IFAL com o Estado de Alagoas; PROGRAMA DE APOIO AO INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS PARA O DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES INTEGRADAS PROIFAL 1. OBJETIVO Apoiar o Instituto Federal de Alagoas IFAL nas atividades de ensino, pesquisa e extensão

Leia mais

Mapa 11: Itinerários das Linhas Diametrais - por Grupo de Operação. Ribeirão Preto - SP/2010

Mapa 11: Itinerários das Linhas Diametrais - por Grupo de Operação. Ribeirão Preto - SP/2010 200000 205000 210000 215000 220000 Mapa 11: Itinerários das Linhas Diametrais - por Grupo de Operação. Ribeirão Preto - SP/2010 7660000 7665000 195000 Legenda Linhas Diametrais Rápido D Oeste (4) 7655000

Leia mais

Análise de correlação entre acidentes de trânsito, uso e ocupação do solo, polos geradores de viagens e população em Uberlândia-MG

Análise de correlação entre acidentes de trânsito, uso e ocupação do solo, polos geradores de viagens e população em Uberlândia-MG ACIDENTES DE TRÂNSITO AN P Análise de correlação entre acidentes de trânsito, uso e ocupação do solo, polos geradores de viagens e população em Uberlândia-MG Priscilla Alves Mestre, Universidade Federal

Leia mais

ANALISE DO PADRÃO DE POLO GERADOR DE VIAGENS EM UMA INSTITUIÇÃO PÚBLICA DE ENSINO SUPERIOR

ANALISE DO PADRÃO DE POLO GERADOR DE VIAGENS EM UMA INSTITUIÇÃO PÚBLICA DE ENSINO SUPERIOR ANALISE DO PADRÃO DE POLO GERADOR DE VIAGENS EM UMA INSTITUIÇÃO PÚBLICA DE ENSINO SUPERIOR S. C. Morais, M. P. Rocha, M. C. S. Oliveira, P. F. S. Caselli e A. F. Silva RESUMO O objetivo da pesquisa é caracterizar

Leia mais

C Â M A R A M U N I C I P A L D O R I O D E J A N E I R O GABINETE DO VEREADOR CARLO CAIADO

C Â M A R A M U N I C I P A L D O R I O D E J A N E I R O GABINETE DO VEREADOR CARLO CAIADO DESPACHO 2005 N O PROJETO DE LEI Nº 398/2005 ESTABELECE NORMAS E REGRAS PARA EXPLORAÇÃO DO SERVIÇO DE MANOBRA E GUARDA DE VEÍCULOS VALET-PARKING NA FORMA QUE MENCIONA, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. Autor:

Leia mais

PROBLEMAS ATUAIS DA LOGÍSTICA URBANA NA ENTREGA DE MATERIAIS HOSPITALARES UM ESTUDO INVESTIGATIVO

PROBLEMAS ATUAIS DA LOGÍSTICA URBANA NA ENTREGA DE MATERIAIS HOSPITALARES UM ESTUDO INVESTIGATIVO PROBLEMAS ATUAIS DA LOGÍSTICA URBANA NA ENTREGA DE MATERIAIS HOSPITALARES UM ESTUDO INVESTIGATIVO Frederico Souza Gualberto Rogério D'Avila Edyr Laizo Leise Kelli de Oliveira PROBLEMAS ATUAIS DA LOGÍSTICA

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA COPA DAS CONFEDERAÇÕES CONSUMIDOR

RELATÓRIO DE PESQUISA COPA DAS CONFEDERAÇÕES CONSUMIDOR RELATÓRIO DE PESQUISA COPA DAS CONFEDERAÇÕES CONSUMIDOR Julho 2013 COPA DAS CONFEDERAÇÕES - CONSUMIDOR Pesquisa realizada pela CNDL e SPC Brasil. Foram realizadas 620 entrevistas, com um erro máximo de

Leia mais

Sistema de Informações da Mobilidade Urbana. Relatório Geral 2012

Sistema de Informações da Mobilidade Urbana. Relatório Geral 2012 Sistema de Informações da Mobilidade Urbana Relatório Geral 2012 Julho/2014 Relatório Geral 2012 1 Sumário executivo... 3 2 Mobilidade... 25 2.1 Valores para Brasil (municípios acima de 60 mil habitantes)...

Leia mais

Manual Prêmio Mobilidade

Manual Prêmio Mobilidade Manual Prêmio Mobilidade 1. Qual o objetivo do Prêmio Mobilidade? O Prêmio Cidades Sustentáveis, categoria "Mobilidade", pretende reconhecer políticas públicas sustentáveis e bem sucedidas de melhoria

Leia mais

Engenharia de Tráfego. Prof. Heitor Vieira

Engenharia de Tráfego. Prof. Heitor Vieira Engenharia de Tráfego Prof. Heitor Vieira 1. INTRODUÇÃO A Engenharia de Tráfego é a parte da Engenharia de Transportes que trata de dos problemas de planejamento, operação e controle de tráfego. Tendo

Leia mais

OS IMPACTOS DOS GRANDES EMPREENDIMENTOS NA MOBILIDADE URBANA: OS POLOS GERADORES DE VIAGENS

OS IMPACTOS DOS GRANDES EMPREENDIMENTOS NA MOBILIDADE URBANA: OS POLOS GERADORES DE VIAGENS dossiê MOBILIDADE OS IMPACTOS DOS GRANDES EMPREENDIMENTOS NA MOBILIDADE URBANA: OS POLOS GERADORES DE VIAGENS 1 2 1 Membro do Programa de Engenharia de Transportes Coppe/UFRJ. E-mail:

Leia mais

A importância do estudo das diferenças de percepção entre ciclistas e aspirantes para o planejamento.

A importância do estudo das diferenças de percepção entre ciclistas e aspirantes para o planejamento. A importância do estudo das diferenças de percepção entre ciclistas e aspirantes para o planejamento. AUTORES ALVES, Felipe Alberto Martins¹; ANDRADE, Beatriz Rodrigues². ¹Universidade Federal do Ceará.

Leia mais

A empresa fica na feira de Sapatilha?

A empresa fica na feira de Sapatilha? A Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina (FECOMÉRCIO-SC), com o intuito de mapear o perfil do turista e o impacto do festival para o empresário do município, realizou um projeto

Leia mais

SUGESTÕES PARA A REFORMULAÇÃO DOS SISTEMAS DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS URBANOS E METROPOLITANO DE PORTO ALEGRE 1

SUGESTÕES PARA A REFORMULAÇÃO DOS SISTEMAS DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS URBANOS E METROPOLITANO DE PORTO ALEGRE 1 SUGESTÕES PARA A REFORMULAÇÃO DOS SISTEMAS DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS URBANOS E METROPOLITANO DE PORTO ALEGRE 1 Contribuições ao debate do Conselho Deliberativo Metropolitano - CDM Por Mauri

Leia mais

A TUTORIA A DISTÂNCIA NA EaD DA UFGD

A TUTORIA A DISTÂNCIA NA EaD DA UFGD Ednei Nunes de Oliveira A TUTORIA A DISTÂNCIA NA EaD DA UFGD UFGD/Faculdade de Educação a Distância Dourados MS, E-mail: edneioliveira@ufgd.edu.br Professor da FACED, Bolsista PIBID/EaD/UFGD. RESUMO Esta

Leia mais

Transporte Hidroviário Urbano

Transporte Hidroviário Urbano PHD 2537 Introdução Contexto atual No Brasil, o transporte rodoviário é responsável por 96,02% da movimentação de passageiros Necessidade de expansão da infra-estrutura devido ao crescimento das cidades

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS TRANSPORTES

A IMPORTÂNCIA DOS TRANSPORTES MODOS DE TRANSPORTE A IMPORTÂNCIA DOS TRANSPORTES Os transportes evoluíram com o processo de desenvolvimento económico. A sua utilização é fundamental para a economia mundial, para o desenvolvimento das

Leia mais

A Curitiba de 2024. Entenda

A Curitiba de 2024. Entenda Emendas ao Plano Direitor propõem a paulistinização do trânsito em Curitiba Gazeta do Povo - Curitiba/PR - HOME - 04/10/2015-21:49:00 Modelo em gestão de mobilidade urbana para o restante do país nas décadas

Leia mais

MOBILIDADE URBANA Marta Monteiro da Costa Cruz Fábio Romero Gesiane Silveira

MOBILIDADE URBANA Marta Monteiro da Costa Cruz Fábio Romero Gesiane Silveira Marta Monteiro da Costa Cruz Fábio Romero Gesiane Silveira Mobilidade Urbana Palestrantes: Marta Cruz Engenheira Civil Universidade Federal do Espírito Santo Gesiane Silveira Engenheira Civil Universidade

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BELO HORIZONTE (UNIBH) Gabinete da Reitoria PORTARIA Nº 01, DE 02 DE FEVEREIRO DE 2016

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BELO HORIZONTE (UNIBH) Gabinete da Reitoria PORTARIA Nº 01, DE 02 DE FEVEREIRO DE 2016 CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BELO HORIZONTE (UNIBH) Gabinete da Reitoria PORTARIA Nº 01, DE 02 DE FEVEREIRO DE 2016 Regulamenta transporte intercampi gratuito para Alunos A Vice-Reitora do Centro Universitário

Leia mais

MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA-PB SUPERINTENDÊNCIA

MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA-PB SUPERINTENDÊNCIA MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA-PB SUPERINTENDÊNCIA DE TRANSPORTE E TRANSITO DE JOÃO PESSOA STTRANS EDITAL DE CONCORRÊNCIA Nº 001/2011 PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº 2010/047142 ANEXO IV DIRETRIZES PARA A REESTRUTURAÇÃO

Leia mais

PESQUISA DIA DAS CRIANÇAS - MOSSORÓ

PESQUISA DIA DAS CRIANÇAS - MOSSORÓ PESQUISA DIA DAS CRIANÇAS - MOSSORÓ Mossoró, setembro de 2015 1 Sumário 1. Aspectos Metodológicos... 3 2. Descrição dos Resultados... 4 Itens de comemoração... 4 Gastos com presente... 4 Local e quando

Leia mais

Desigualdade Entre Escolas Públicas no Brasil: Um Olhar Inicial

Desigualdade Entre Escolas Públicas no Brasil: Um Olhar Inicial 29 Desigualdade Entre Escolas Públicas no Brasil: Um Olhar Inicial Gabriel Barreto Correa (*) Isabel Opice (**) 1 Introdução Não é novidade que o Brasil apresenta, além de índices educacionais muito baixos

Leia mais

Foco: Mulheres beneficiárias do Programa Bolsa Família

Foco: Mulheres beneficiárias do Programa Bolsa Família Projeto de Educação Financeira de Adultos Foco: Mulheres beneficiárias do Programa Bolsa Família Relatório Parcial A AEF-Brasil é uma entidade da sociedade civil que promove e executa ações transversais

Leia mais

ILMO. SR. SUPERINTENDENTE DE SERVIÇOS DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS DA AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES ANTT.

ILMO. SR. SUPERINTENDENTE DE SERVIÇOS DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS DA AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES ANTT. ILMO. SR. SUPERINTENDENTE DE SERVIÇOS DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS DA AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES ANTT. FRESP Federação das Empresas de Transportes de Passageiros por Fretamento do Estado

Leia mais

FINANÇAS PÚBLICAS DO MUNICÍPIO DE CAMPO MOURÃO: ANÁLISE COMPARATIVA DE DOIS DIFERENTES MANDATOS POLÍTICOS. Área: ECONOMIA

FINANÇAS PÚBLICAS DO MUNICÍPIO DE CAMPO MOURÃO: ANÁLISE COMPARATIVA DE DOIS DIFERENTES MANDATOS POLÍTICOS. Área: ECONOMIA FINANÇAS PÚBLICAS DO MUNICÍPIO DE CAMPO MOURÃO: ANÁLISE COMPARATIVA DE DOIS DIFERENTES MANDATOS POLÍTICOS Área: ECONOMIA BUENO, Elizabete Cristina PONTILI,RosangelaMaria Resumo: Desde a década de 1930

Leia mais

Aprimorando os Conhecimentos de Eletricidade Lista 1 Processos de Eletrização I e II Prof.: Célio Normando

Aprimorando os Conhecimentos de Eletricidade Lista 1 Processos de Eletrização I e II Prof.: Célio Normando Aprimorando os Conhecimentos de Eletricidade Lista 1 Processos de Eletrização I e II Prof.: Célio Normando 1 ) (U.F. Lavras-MG) No modelo atômico atual, o nêutron tem a composição (u, d, d), no qual (u)

Leia mais

NORMA BRASILEIRA. Accessibility in highway transportation

NORMA BRASILEIRA. Accessibility in highway transportation NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 15320 Primeira edição 30.12.2005 Válida a partir de 30.01.2006 Acessibilidade à pessoa com deficiência no transporte rodoviário Accessibility in highway transportation Palavras-chave:

Leia mais

PED-RMPA INFORME ESPECIAL IDOSOS

PED-RMPA INFORME ESPECIAL IDOSOS A POPULAÇÃO IDOSA NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE SETEMBRO - 2008 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE PED-RMPA INFORME ESPECIAL IDOSOS

Leia mais

A Ampliação do Acesso à Comunicação, à Informação e ao Entretenimento nos Domicílios Cearenses

A Ampliação do Acesso à Comunicação, à Informação e ao Entretenimento nos Domicílios Cearenses Nº 82 dezembro 2014 A Ampliação do Acesso à Comunicação, à Informação e ao Entretenimento nos Domicílios Cearenses Uma Análise Comparativa com o Brasil e os Estados Nordestinos 2002-2013 GOVERNO DO ESTADO

Leia mais

SP 01/04/92 NT 144/92. Telemarketing: Uma Alternativa de Pesquisa de Opinião para o Sistema de Transporte Público

SP 01/04/92 NT 144/92. Telemarketing: Uma Alternativa de Pesquisa de Opinião para o Sistema de Transporte Público SP 01/04/92 NT 144/92 Telemarketing: Uma Alternativa de Pesquisa de Opinião para o Sistema de Transporte Público Assessoria Técnica da Presidência - ATE Introdução Nas grandes cidades, as restrições naturais

Leia mais

COORDENAÇÕES DOS CURSOS DE BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS HORÁRIOS DAS AVALIAÇÕES 1º SEMESTRE DE 2016

COORDENAÇÕES DOS CURSOS DE BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS HORÁRIOS DAS AVALIAÇÕES 1º SEMESTRE DE 2016 COORDENAÇÕES DOS CURSOS DE BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO E TURMA: 30116 - PERÍODO: 1º TURNO: VESPERTINO - SALA: 112 BLOCO: I HORÁRIO: 15:00 ÀS 17:30 HS MATEMÁTICA 18/04 06/06 20/06 ECONOMIA 19/04 07/06

Leia mais

Nº 27 Março 2012 Análise da Evolução das Características dos Domicílios Cearenses em Termos da Existência de Bens Duráveis na Década de 2000

Nº 27 Março 2012 Análise da Evolução das Características dos Domicílios Cearenses em Termos da Existência de Bens Duráveis na Década de 2000 Nº 27 Março 2012 Análise da Evolução das Características dos Domicílios Cearenses em Termos da Existência de Bens Duráveis na Década de 2000 GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cid Ferreira Gomes Governador Domingos

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES. Art. 1.º Esta lei complementar estabelece as exigências quanto a:

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES. Art. 1.º Esta lei complementar estabelece as exigências quanto a: Atualizada até LC 610/2007. LEI COMPLEMENTAR N.º 528 DE 18 DE ABRIL DE 2005 ESTABELECE A OBRIGATORIEDADE DE VAGAS PARA ESTACIONAMENTO PARA EDIFICAÇÕES EM GERAL E A ADOÇÃO DE MEDIDAS MITIGADORAS ÀS ATIVIDADES

Leia mais

Programa de Ação para o Desenvolvimento do Turismo no Nordeste PRODETUR / NE I. Relatório de Finalização de Projeto Project Completion Report -PCR

Programa de Ação para o Desenvolvimento do Turismo no Nordeste PRODETUR / NE I. Relatório de Finalização de Projeto Project Completion Report -PCR Programa de Ação para o Desenvolvimento do Turismo no Nordeste PRODETUR / NE I Relatório de Finalização de Projeto Project Completion Report -PCR PCR PRODETUR/NE I Apresentação: PRODETUR/NE I sem linha

Leia mais

Mobilidade Corporativa: otimização do uso do automóvel. Guillermo Petzhold

Mobilidade Corporativa: otimização do uso do automóvel. Guillermo Petzhold Mobilidade Corporativa: otimização do uso do automóvel Guillermo Petzhold Cenário de toda manhã... e toda tarde Quando chegamos ao trabalho Mobilidade corporativa: definição Atua na racionalização do uso

Leia mais

Resumo do Estudo da Oxford Economics sobre o Impacto Econômico do projeto Hub Nordeste Brasil, encomendado pelo Grupo LATAM

Resumo do Estudo da Oxford Economics sobre o Impacto Econômico do projeto Hub Nordeste Brasil, encomendado pelo Grupo LATAM Resumo do Estudo da Oxford Economics sobre o Impacto Econômico do projeto Hub Nordeste Brasil, encomendado pelo Grupo LATAM Data da divulgação do estudo 17/09/2015 CONTEXTO A consultoria Oxford Economics,

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Polos geradores de tráfego, mitigação, impacto de grandes empreendimentos.

PALAVRAS-CHAVE Polos geradores de tráfego, mitigação, impacto de grandes empreendimentos. Medidas Mitigatórias para Polos Geradores de Tráfego. Rovana Reale; Júlio Cezar Miranda; Isabel Cristina Guimarães Haifuch; Lúcia de Borba Maciel EPTC Empresa Pública de Transporte e Circulação (Porto

Leia mais

FORMAÇÃO PLENA. Desde a criação do primeiro Programa de NA PÓS-GRADUAÇÃO

FORMAÇÃO PLENA. Desde a criação do primeiro Programa de NA PÓS-GRADUAÇÃO FORMAÇÃO PLENA NA PÓS-GRADUAÇÃO Desde a criação do primeiro Programa de Pós- Sricto Sensu, em Fitotecnia, em 1975, a UFLA ocupou-se de pautar as suas ações em fundamentos morais sólidos e em valores que

Leia mais

MINISTÉRIO DO TURISMO SECRETARIA NACIONAL DE POLÍTICAS DE TURISMO DEPARTAMENTO DE PRODUTOS E DESTINOS

MINISTÉRIO DO TURISMO SECRETARIA NACIONAL DE POLÍTICAS DE TURISMO DEPARTAMENTO DE PRODUTOS E DESTINOS MINISTÉRIO DO TURISMO SECRETARIA NACIONAL DE POLÍTICAS DE TURISMO DEPARTAMENTO DE PRODUTOS E DESTINOS Categorização dos Municípios das Regiões Turísticas do Mapa do Turismo Brasileiro PERGUNTAS E RESPOSTAS

Leia mais

1. INSTALAÇÃO DO SISTEMA. 3 2. PRIMEIRO LOGIN. 8 3. ATUALIZAÇÃO DO SISTEMA. 12 4. DESINSTALAÇÃO DO SISTEMA. 14 5. EXCLUIR DADOS. 15 6.

1. INSTALAÇÃO DO SISTEMA. 3 2. PRIMEIRO LOGIN. 8 3. ATUALIZAÇÃO DO SISTEMA. 12 4. DESINSTALAÇÃO DO SISTEMA. 14 5. EXCLUIR DADOS. 15 6. Índice 1. INSTALAÇÃO DO SISTEMA...3 2. PRIMEIRO LOGIN...8 3. ATUALIZAÇÃO DO SISTEMA...12 4. DESINSTALAÇÃO DO SISTEMA...14 5. EXCLUIR DADOS...15 6. APRESENTAÇÃO DO EXTRANET...17 6.1 Sistema DESCONECTADO...18

Leia mais

EDITAL Nº 05/2015/PROEN/UFCA EDITAL DE SELEÇÃO PARA BOLSA SANTANDER /ANDIFES DE MOBILIDADE ACADÊMICA 2015.2

EDITAL Nº 05/2015/PROEN/UFCA EDITAL DE SELEÇÃO PARA BOLSA SANTANDER /ANDIFES DE MOBILIDADE ACADÊMICA 2015.2 EDITAL Nº 05/2015/PROEN/UFCA EDITAL DE SELEÇÃO PARA BOLSA SANTANDER /ANDIFES DE MOBILIDADE ACADÊMICA 2015.2 A Pró-Reitora de Ensino da Universidade Federal do Cariri (UFCA), usando de suas atribuições

Leia mais

SISTEMA INFORMATIVO NO TRANSPORTE COLETIVO PÚBLICO URBANO: ONDE, O QUÊ E COMO INFORMAR NOS PRINCIPAIS ELEMENTOS DO SISTEMA

SISTEMA INFORMATIVO NO TRANSPORTE COLETIVO PÚBLICO URBANO: ONDE, O QUÊ E COMO INFORMAR NOS PRINCIPAIS ELEMENTOS DO SISTEMA SISTEMA INFORMATIVO NO TRANSPORTE COLETIVO PÚBLICO URBANO: ONDE, O QUÊ E COMO INFORMAR NOS PRINCIPAIS ELEMENTOS DO SISTEMA Carolina Stolf Silveira Marta Dischinger SISTEMA INFORMATIVO NO TRANSPORTE COLETIVO

Leia mais

A INDÚSTRIA DO ESTADO DO CEARÁ. Estrutura da Indústria

A INDÚSTRIA DO ESTADO DO CEARÁ. Estrutura da Indústria A INDÚSTRIA DO ESTADO DO CEARÁ Estrutura da Indústria A indústria do Estado do Ceará é fortemente marcada pela presença de quatro divisões pertencentes à categoria de uso de bens de consumo não duráveis:

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEISDA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEISDA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEISDA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2013/01 a 2013/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Diagnóstico

Leia mais

ESTUDO 22: MOBILIDADE URBANA METROPOLITANA

ESTUDO 22: MOBILIDADE URBANA METROPOLITANA ESTUDO 22: MOBILIDADE URBANA METROPOLITANA Pesquisador Ronaldo Balassiano Coordenador Eduardo Cesar Leão Marques Parte 1 1.1. Atividade 1: Diagnóstico Socioeconômico Geral O objetivo principal desse estudo

Leia mais

ipea políticas sociais acompanhamento e análise 7 ago. 2003 117 GASTOS SOCIAIS: FOCALIZAR VERSUS UNIVERSALIZAR José Márcio Camargo*

ipea políticas sociais acompanhamento e análise 7 ago. 2003 117 GASTOS SOCIAIS: FOCALIZAR VERSUS UNIVERSALIZAR José Márcio Camargo* GASTOS SOCIAIS: FOCALIZAR VERSUS UNIVERSALIZAR José Márcio Camargo* Como deve ser estruturada a política social de um país? A resposta a essa pergunta independe do grau de desenvolvimento do país, da porcentagem

Leia mais

7 etapas para construir um Projeto Integrado de Negócios Sustentáveis de sucesso

7 etapas para construir um Projeto Integrado de Negócios Sustentáveis de sucesso 7 etapas para construir um Projeto Integrado de Negócios Sustentáveis de sucesso Saiba como colocar o PINS em prática no agronegócio e explore suas melhores opções de atuação em rede. Quando uma empresa

Leia mais

LEVANTAMENTO DE DADOS PARA A DETERMINAÇÃO DE TAXAS DE GERAÇÃO DE VIAGENS EM MEGA EMPREENDIMENTOS

LEVANTAMENTO DE DADOS PARA A DETERMINAÇÃO DE TAXAS DE GERAÇÃO DE VIAGENS EM MEGA EMPREENDIMENTOS LEVANTAMENTO DE DADOS PARA A DETERMINAÇÃO DE TAXAS DE GERAÇÃO DE VIAGENS EM MEGA EMPREENDIMENTOS Paulo Vitor Cunha da Silva Juliana Muniz Licinio da Silva Portugal Programa de Engenharia de Transportes

Leia mais

Caracterização da coleta seletiva de resíduos sólidos no Brasil: avanços e dificuldades

Caracterização da coleta seletiva de resíduos sólidos no Brasil: avanços e dificuldades Revista Economia & Tecnologia (RET) Volume 9, Número 4, p. 129-136, Out/Dez 2013 Seção: Tecnologia & Inovação Caracterização da coleta seletiva de resíduos sólidos no Brasil: avanços e dificuldades Alessandra

Leia mais

Cadeia Produtiva do Petróleo no Rio Grande do Norte: Enclave na Economia do Estado?

Cadeia Produtiva do Petróleo no Rio Grande do Norte: Enclave na Economia do Estado? Cadeia Produtiva do Petróleo no Rio Grande do Norte: Enclave na Economia do Estado? Ana Beatriz Lopes de Sousa(UFRN) ablsousa@ig.com.br Pedro Hélio Gomes Teixeira (UFRN) helio@ct.com.br Resumo: Este trabalho

Leia mais

A EVOLUÇÃO DO INVESTIMENTO EXTERNO DIRETO (IED) NO BRASIL: 1995-2013 1 RESUMO

A EVOLUÇÃO DO INVESTIMENTO EXTERNO DIRETO (IED) NO BRASIL: 1995-2013 1 RESUMO 1 A EVOLUÇÃO DO INVESTIMENTO EXTERNO DIRETO (IED) NO BRASIL: 1995-2013 1 Cleidi Dinara Gregori 2 RESUMO Este artigo tem como objetivo analisar a evolução do investimento externo direto, também conhecido

Leia mais

Manual Operacional do Sistema de Concessão de Diárias e Passagens - SCDP Representante Administrativo (AGOSTO 2010)

Manual Operacional do Sistema de Concessão de Diárias e Passagens - SCDP Representante Administrativo (AGOSTO 2010) Manual Operacional do Sistema de Concessão de Diárias e Passagens - SCDP Representante Administrativo (AGOSTO 2010) Índice 1. Reserva Passagem...03 1.1. Remarcação de Bilhete...13 2 1. Reserva Passagem

Leia mais

Inauguração: 29/04/2015

Inauguração: 29/04/2015 Inauguração: 29/04/2015 Chegou um novo conceito de shopping center. Municípios com vocação para o crescimento sempre apresentam grandes oportunidades. Município de Minas Gerais, Uberaba está na região

Leia mais

Estudo de Caso realizado na ETUFOR utilizando a eficiência energética como ferramenta para reduzir custos.

Estudo de Caso realizado na ETUFOR utilizando a eficiência energética como ferramenta para reduzir custos. Estudo de Caso realizado na ETUFOR utilizando a eficiência energética como ferramenta para reduzir custos. Fabielli Guerra de Oliveira UFC (fabielliguerra@yahoo.com.br) Marcos Ronaldo Albertin UFC (albertin@ufc.br)

Leia mais

Cel. Vicente, 281 Centro Porto Alegre RS www.poa.ifrs.edu.br

Cel. Vicente, 281 Centro Porto Alegre RS www.poa.ifrs.edu.br A presente publicação tem por objetivo divulgar as normas relacionadas à utilização do serviço de veículos fretados (ônibus, micro-ônibus e vans) pelo IFRS Campus Porto Alegre. A padronização das rotinas

Leia mais

Segurança do trânsito 9. Velocidade e distância de parada Fevereiro 2010

Segurança do trânsito 9. Velocidade e distância de parada Fevereiro 2010 9. Velocidade e distância de parada Aula Interdisciplinar Indicação: 6º ao 9º Ano do Ensino Fundamental Ilustração do Manual de Direção Defensiva do DENATRAN A velocidade é um dos maiores fatores de risco

Leia mais

Empresa. Produtos. Bicicletas Elétricas

Empresa. Produtos. Bicicletas Elétricas Empresa Eletro Transport é uma empresa no ramo de veículos elétricos e equipamentos geradores de energia renovável. Conta com toda a infra-estrutura de pesquisa e estatísticas da D7 Group em Londres que

Leia mais

Publicado originalmente em: XIII Encontro Nacional de Geógrafos. João Pessoa, 2002.

Publicado originalmente em: XIII Encontro Nacional de Geógrafos. João Pessoa, 2002. Publicado originalmente em: XIII Encontro Nacional de Geógrafos. João Pessoa, 2002. MUDANÇAS NO USO DO SOLO URBANO NO ENTORNO DA FEIRA HIPPIE EM GOÂNIA-GO: O CASO DA RUA 44 Cleusa Silva Ribeiro - E-mail:

Leia mais

Salvador na Copa das Confederações e Copa do Mundo FIFA 2014

Salvador na Copa das Confederações e Copa do Mundo FIFA 2014 Salvador na Copa das Confederações e Copa do Mundo FIFA 2014 18/05/2012 Ana Cláudia Nascimento e Sousa Diretora de Mobilidade Urbana e Interurbana ACESSIBILIDADE À ARENA FONTE NOVA LEGADO PARA A CIDADE

Leia mais

PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DO ENSINO MÉDIO SOBRE A CONTEXTUALIZAÇÃO DO ENSINO DE QUÍMICA NO MUNÍCIPIO DE GURJÃO-PB

PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DO ENSINO MÉDIO SOBRE A CONTEXTUALIZAÇÃO DO ENSINO DE QUÍMICA NO MUNÍCIPIO DE GURJÃO-PB PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DO ENSINO MÉDIO SOBRE A CONTEXTUALIZAÇÃO DO ENSINO DE QUÍMICA NO MUNÍCIPIO DE GURJÃO-PB Fábio de Araújo OLIVEIRA 1, Emília de Farias LUCENA 2, Maria Betânia Hermenegildo dos SANTOS

Leia mais

Planos de Mobilidade de Empresas e Polos

Planos de Mobilidade de Empresas e Polos Workshop Regional de Disseminação do Universidade de Évora Évora -24 de Abril de 2012 Planos de Mobilidade de Empresas e Polos Maria João Silveira DHV http://www.dhv.pt maria.silveira@dhv.pt O Que Pretendemos?

Leia mais

ANÁLISE DOS RESULTADOS DOS PROGRAMAS DE APOIO ÀS PMEs NO BRASIL Resumo Executivo PARA BAIXAR A AVALIAÇÃO COMPLETA: WWW.IADB.

ANÁLISE DOS RESULTADOS DOS PROGRAMAS DE APOIO ÀS PMEs NO BRASIL Resumo Executivo PARA BAIXAR A AVALIAÇÃO COMPLETA: WWW.IADB. ANÁLISE DOS RESULTADOS DOS PROGRAMAS DE APOIO ÀS PMEs NO BRASIL Resumo Executivo PARA BAIXAR A AVALIAÇÃO COMPLETA: WWW.IADB.ORG/EVALUATION ANÁLISE DOS RESULTADOS DOS PROGRAMAS DE APOIO ÀS PMEs NO BRASIL

Leia mais

A consolidação da rede de BRS do Rio de Janeiro.

A consolidação da rede de BRS do Rio de Janeiro. A consolidação da rede de BRS do Rio de Janeiro. Aline Leite 1 ; Diego Mateus da Silva 1 ; Eduardo Tavares da Silva 2 ; Luciana Brizon 2 ; Luciana Pires 2 ; Marcelo Mancini 1 ; Miguel Ângelo de Paula 2

Leia mais

2º SEMINÁRIO SINDUSCON-

2º SEMINÁRIO SINDUSCON- 2º SEMINÁRIO SINDUSCON- Legalização de Empreendimentos no Município de São Paulo Secretaria Municipal de Transportes Companhia de Engenharia de Tráfego Pólos Geradores de Tráfego Certidão de Diretrizes

Leia mais

Geografia da Evasão: novos desafios no contexto do projeto cursinho pré-vestibular. IDEAL da FCT/UNESP

Geografia da Evasão: novos desafios no contexto do projeto cursinho pré-vestibular. IDEAL da FCT/UNESP Geografia da Evasão: novos desafios no contexto do projeto cursinho pré-vestibular IDEAL da FCT/UNESP Fernanda Bomfim Soares ¹ Universidade Estadual Paulista Campus Presidente Prudente fbs.geo@gmail.com

Leia mais

SHOPPING CENTERS Evolução Recente

SHOPPING CENTERS Evolução Recente ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 - AO2 GERÊNCIA SETORIAL DE COMÉRCIO E SERVIÇOS Data: Maio/98 N o 16 SHOPPING CENTERS Evolução Recente Este informe apresenta a evolução recente da indústria de shopping

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 14/01/2009 (*) Portaria/MEC nº 58, publicada no Diário Oficial da União de 14/01/2009 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO

Leia mais

NOTA TÉCNICA 0037_V1_2014 TRANSPORTE COLETIVO URBANO LINHAS CIRCULARES

NOTA TÉCNICA 0037_V1_2014 TRANSPORTE COLETIVO URBANO LINHAS CIRCULARES NOTA TÉCNICA 0037_V1_2014 TRANSPORTE COLETIVO URBANO LINHAS CIRCULARES Jaraguá do Sul (SC), Abril de 2014. ALINHAMENTO ESTRATÉGICO Jaraguá Ativa: Cidade inteligente e sustentável, cidade para pessoas.

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE SEGURANÇA PÚBLICA DEPARTAMENTO DE TRÂNSITO DO ESTADO DO PARÁ UNIDADE CENTRAL DE PLANEJAMENTO RELATÓRIO ESTATÍSTICO DE TRÂNSITO NO ESTADO DO PARÁ E MUNICÍPIO

Leia mais

Oportunidades criadas pelo Plano Diretor Estratégico

Oportunidades criadas pelo Plano Diretor Estratégico A CRIAÇÃO DE TERRITÓRIOS DE OPORTUNIDADE JUNTO AO SISTEMA METRO-FERROVIÁRIO: EM PROL DE UMA PARCERIA MAIS EFETIVA NOS PROCESSOS DE TRANSFORMAÇÃO URBANA NO ENTORNO DAS ESTAÇÕES. ABSTRACT Ao longo dos trinta

Leia mais

FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DO PARANÁ PESQUISA CONJUNTURAL DO COMÉRCIO

FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DO PARANÁ PESQUISA CONJUNTURAL DO COMÉRCIO FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DO PARANÁ PESQUISA CONJUNTURAL DO COMÉRCIO ANÁLISE CONJUNTURAL DO MÊS DE DEZEMBRO DE 2013 CURITIBA E R.M Este relatório, referente ao mês de Dezembro de 2013, da Pesquisa Conjuntural

Leia mais

MANUAL OPERACIONAL PLANO DE DESENVOLVIMENTO PRELIMINAR PDP

MANUAL OPERACIONAL PLANO DE DESENVOLVIMENTO PRELIMINAR PDP MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO DA PRODUÇÃO DEPARTAMENTO DE MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS MANUAL OPERACIONAL PLANO DE DESENVOLVIMENTO PRELIMINAR

Leia mais

Anexo II.1 Informações sobre a Cidade e seu Serviço de Transporte Coletivo Atual

Anexo II.1 Informações sobre a Cidade e seu Serviço de Transporte Coletivo Atual Anexo II.1 Informações sobre a Cidade e seu Serviço de Transporte Coletivo Atual PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 2 1.1 A Cidade... 2 1.2 Padrão de mobilidade... 5 1.2.1 Frota

Leia mais

Título: BRT Metropolitano Litoral Sul.

Título: BRT Metropolitano Litoral Sul. Título: BRT Metropolitano Litoral Sul. Autores: Angelique Joseli de Oliveira ¹; Tamara Crioruska Tarasiuk 1 ¹ Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos de São Paulo - EMTU/SP. Superintendência de Engenharia

Leia mais

Relatório Sintético do Levantamento de Auditoria/ 2007 Relatório Preliminar da Unidade Técnica ainda sem Manifestação do Ministro Relator

Relatório Sintético do Levantamento de Auditoria/ 2007 Relatório Preliminar da Unidade Técnica ainda sem Manifestação do Ministro Relator Relatório Sintético do Levantamento de Auditoria/ 2007 Relatório Preliminar da Unidade Técnica ainda sem Manifestação do Ministro Relator IDENTIFICAÇÃO DA OBRA Caracterização da obra Processo: 9649/2007-2

Leia mais

PADRÕES DE QUALIDADE OUTUBRO 2000

PADRÕES DE QUALIDADE OUTUBRO 2000 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DEPARTAMENTO DE POLÍTICA DO ENSINO SUPERIOR COORDENAÇÃO DAS COMISSÕES DE ESPECIALISTAS DE ENSINO COMISSÃO DE ESPECIALISTAS DE ENSINO DE FARMÁCIA PADRÕES

Leia mais

PARECER CEE/PE Nº 92/2011-CES APROVADO PELO PLENÁRIO EM 04/07/2011 I RELATÓRIO:

PARECER CEE/PE Nº 92/2011-CES APROVADO PELO PLENÁRIO EM 04/07/2011 I RELATÓRIO: INTERESSADA: UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE/FACULDADE DE CIÊNCIAS DA ADMINISTRAÇÃO DE PERNAMBUCO FCAP ASSUNTO: RECONHECIMENTO DO CURSO SUPERIOR SEQUENCIAL DE FORMAÇÃO ESPECÍFICA EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

Leia mais

A situação do câncer no Brasil 1

A situação do câncer no Brasil 1 A situação do câncer no Brasil 1 Fisiopatologia do câncer 23 Introdução O câncer é responsável por cerca de 13% de todas as causas de óbito no mundo: mais de 7 milhões de pessoas morrem anualmente da

Leia mais

GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 12 O BRASIL NEOLIBERAL E OS DESAFIOS PARA O SÉCULO XXI

GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 12 O BRASIL NEOLIBERAL E OS DESAFIOS PARA O SÉCULO XXI GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 12 O BRASIL NEOLIBERAL E OS DESAFIOS PARA O SÉCULO XXI Como pode cair no enem A desconcentração industrial verificada no Brasil, na última década, decorre, entre outros fatores,

Leia mais

ANÁLISE DA DEMANDA DE VIAGENS ATRAÍDAS POR SHOPPING CENTERS EM FORTALEZA

ANÁLISE DA DEMANDA DE VIAGENS ATRAÍDAS POR SHOPPING CENTERS EM FORTALEZA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ PROGRAMA DE MESTRADO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES ANÁLISE DA DEMANDA DE VIAGENS ATRAÍDAS POR SHOPPING CENTERS EM FORTALEZA Miguel Barbosa Ary Dissertação submetida ao Programa

Leia mais

TRANSFORMAÇÃO DE VAGÃO TRADICIONAL DE LASTRO DE BRITA EM VAGÃO AUTOMÁTICO DE ACIONAMENTO HIDRÁULICO

TRANSFORMAÇÃO DE VAGÃO TRADICIONAL DE LASTRO DE BRITA EM VAGÃO AUTOMÁTICO DE ACIONAMENTO HIDRÁULICO TRANSFORMAÇÃO DE VAGÃO TRADICIONAL DE LASTRO DE BRITA EM VAGÃO AUTOMÁTICO DE ACIONAMENTO HIDRÁULICO RESUMO: A modernização do vagão Hopper de brita do sistema de Metrô englobou a mudança de sua estrutura

Leia mais

EDITAL 03/2016 SELEÇÃO DE TUTOR BOLSISTA

EDITAL 03/2016 SELEÇÃO DE TUTOR BOLSISTA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE-FURG SECRETARIA GERAL DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA SEaD EDITAL 03/2016 SELEÇÃO DE TUTOR BOLSISTA A Secretária de Educação a

Leia mais

PROPOSTAS MOBILIDADE PROPOSTAS DE MÉDIO E LONGO PRAZO

PROPOSTAS MOBILIDADE PROPOSTAS DE MÉDIO E LONGO PRAZO PROPOSTAS MOBILIDADE PROPOSTAS DE MÉDIO E LONGO PRAZO AGENDA DO DEBATE: Pedestres Bicicleta Transporte público: ônibus e trilhos Circulação viária carros, motos e caminhões Acessibilidade Educação e trânsito

Leia mais