A medição da circunferência da Terra por. Eratóstenes

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A medição da circunferência da Terra por. Eratóstenes"

Transcrição

1 A medição da circunferência da Terra por Eratóstenes (Texto histórico de Cleomedes) Resumo: Eratóstenes determinou, através da sua experiência, que o perímetro da terra é igual a estádios (44250 km), com uma margem de erro de 10% em relação ao valor real. Quando pensamos que o único instrumento utilizado foi uma estaca (gnómon) numa época em que praticamente toda a gente acreditava que a Terra era um disco plano, este exemplo da força do espírito humano é digno da nossa admiração. A tradução que se segue é um trabalho colectivo realizado pelos helenistas do fórum, grande maioria dos quais são referidos com o respectivo pseudónimo, news:fr.lettres.langues-anciennes.grec: Chaerephon, Robin Delisle, aliás Anaxágoras, Péricles, Iulius, Rob e André Charbonnet. O texto é proveniente de Greek Mathematics editado pela Loeb University Press - Classical library - Harvard University Press, mas trata-se na verdade de um excerto do livro de Cleomedes De motu circulari corporum coelestium escrito no Século I d.c.. Chaerephon propõe a sua própria tradução, mais literária, com base no texto editado pelo TLG (Thesaurus Linguae Graecae). Καὶ ἡ µὲν τοῦ Ποσειδωνίου ἔφοδος πρεὶ τοῦ κατὰ τὴν γῆν µεγέθους τοιαύτη, ἡ δὲ τοῦ Ἐρατοσθένους γεωµετρικῆς ἐφοδοῦ ἐχοµένη, καὶ δοκοῦσα τι ἀσαφέσετερον ἔχειν. ποιήσει δὲ σαφῇ τὰ λεγόµενα ὑπ αὐτοῦ τάδε προῦποτιθεµένων ἡµῶν. ὑποκείσθω ἡµῖν πρῶτον µὲν κῶ?αῦθα, ὑπὸ τῷ µεσηµβρινῷ κεῖσθαι Συήνην καὶ Ἀλεξάνδρειαν, καὶ δεύτερον, τὸ διάστηµα τό 1

2 µεταξὺ τῶν πόλεων πεντακισχιλίων σταδίων εἶναι, καὶ τρίτον, τὰς καταπεµποµένας ἀκτῖνας ἀπὸ διαφόρων µερῶν τοῦ ἡλίου ἐπὶ διάφορα τῆς γῆς µέρη παραλλήλους εἶναι οὗτως γὰρ ἔχειν αὐτὰς οἱ γεωµέτραι ὑποτίθενται. É este o método de Posidónio acerca do tamanho da terra, mas o de Eratóstenes depende de um método geométrico e parece ter algo menos claro. As suas afirmações seriam mais claras se as entendessemos como pressupostos. Devemos admitir, em primeiro lugar, que Siena e Alexandria se encontram sob o mesmo meridiano; em segundo lugar, que a distância entre as duas cidades é de 500 estádios, e, em terceiro lugar, que os raios enviados de diferentes locais do sol para diferentes locais da Terra são paralelos; de facto estas são as suposições dos geómetros. Τέταρτον ἐκεῖνο ὑποκείσθω, δεικνὺµενον παρὰ τοῖς γεωµέτραις, τὰς εἰς παραλλήλους ἐµπιπτούσας εὐθείας τὰς ἐναλλὰξγωνίας ἴσας ποιεῖν*, πέµπτον,τὰς ἐπὶ ἴσων γωνιῶν βεβηκυίας περιφερείας ὁµοίας εἶναι, τουτἐστι τὴν αὐτὴν ἀναλογίαν καὶ τὸν αὐτὸν λόγον ἔχειν πρὸς τοὺς οἰκείους κύκλους,δεικνυµένου καὶ τούτου παρὰ τοῖς γεωµέτραις. Ὁπόταν γὰρ περιφέρειαι ἐπὶ ἴσων γωνιῶν βεβηκυῖαι, ἄν µία ἡτισοῦν αὐτῶν δέκατον ᾖ µέρος τοῦ οἰκείου κύκλου, καὶ αἱ λοιπαὶ πᾶσαι δέκατα µέρη γενήσονται τῶν οἰκείων κύκλων. Em quarto lugar, que isto seja admitido como demonstrado pelos geómetros, que as rectas secantes das paralelas formam ângulos alternos iguais; em quinto lugar, que os arcos de círculo que têm por base ângulos iguais são semelhantes, isto é, que têm a mesma similitude e a mesma relação com os círculos correspondentes, sendo isto também demonstrado pelos geómetros. Com efeito, quando os arcos de círculo têm por base ângulos iguais, se qualquer um deles for a décima parte do seu próprio círculo, todos os outros serão a décima 2

3 parte dos seus próprios círculos.** Τούτων ὁ κατακρατήσας οὐκ ἄν χαλεπῶς τὴν ἔφοδον τοῦ Ἐρατοσθένους καταµάθοι ἔχουσαν οὔτως. ὑπὸ τῷ αὐτῷ κεῖσθαι µεσηµβρινῷ φησι Συήνην καὶ Ἀλεξάνδρειαν. ἐπεὶ οὖν µέγιστοι τῶν ἐν τῷ κόσµῳ οἱ µεσηµβρινοί, δεῖ καὶ τοὺς ὑποκειµένους τούτοις τῆς γῆς κύκλους µεγίστους εἶναι ἀναγκαίως. Ὤστε ἡλικον ἄν τὸν διὰ Συήνης καὶ Ἀλεξανδρείας ἥκοντα κύκλον τῆς γῆς ἡ ἔφοδος ἀποδείξει αὕτη, τηλικοῦντος καὶ ὁ µέγιστος ἔσται τῆς γῆς κύκλος. Φησὶ τοίνυν, καὶ ἔχει οὕτως, τὴν Συήνην ὑπὸ τῷ θερινῷ τροπικῷ κεῖσθαι κύκλῳ. Ὁπόταν οὖν ἐν καρκίνῳ γενόµενος ὁ ἥλιος καὶ θερινὰς ποιῶν τροπὰς ἀκριβῶς µεσουρανήσῃ, ἄσκιοι γινονται οἱ τῶν ὡρολογίων γνώµονες ἀναγκαίως, κατὰ κάθετον ἀκριβῇ τοῦ ἡλίου ὑπερκειµένου καὶ τοῦτο γίνεσθαι λόγος ἐπὶ σταδίους τριακοσίους τὴν διάµετρον. Quem estiver na posse destes factos, compreende sem dificuldade o raciocínio de Eratóstenes que consiste no seguinte: ele afirma que Siena e Alexandria se encontram sob o mesmo meridiano. E como os meridianos são os maiores existentes no universo, os círculos terrestres situados sob os mesmos são forçosamente também os maiores. Por conseguinte, este raciocínio demonstra que um círculo da Terra partindo de Siena até à Alexandria seria tão grande como a própria terra e que o maior do mesmo tamanho será também um círculo da Terra. Afirmou também e, com razão, que Siena está situada sob o trópico do verão. Assim, quando o sol está na constelação do câncer, quando o solstício do verão se encontra exactamente no meio do céu, os gnómons dos quadrantes solares estão necessariamente desprovidos de sombra, estando o sol exactamente na vertical; e isto é visível num diâmetro de 300 estádios. Ἐν Ἀλεξανδρείᾳ δὲ τῇ αὐτῇ ὥρᾳ ἀποβάλλουσιν οἱ τῶν ὡρολογίων γνώμονες σκίαν, ἅτε πρὸς ἄρκτῳ μᾶλλον τῆς Συήνης ταύτης τῆς πόλεως κειμένης. Ὑπὸ τῷ αὐτῷ μεσημβρινῷ τοίνυν καὶ 3

4 μεγίστῳ κύκλῳ τῶν πόλεων κειμένων, ἄν περιαγάγωμεν περιφέρειαν ἀπὸ τοῦ ἄρκου τῆς τοῦ γνώμονος σκιᾶς ἐπὶ τὴν βάσιν αὐτὴν τοῦ γνώμονος τοῦ ἐν Ἀλεξανδρείᾳ ὡρολογίου, αὕτη ἡ περιφέρεια τμῆμα γενήσεται τοῦ μεγίστου τῶν ἐν τῇ σκάφῃ κύκλων, ἐπεὶ μεγίστῳ κύκλῳ ὑπόκειται ἡ τοῦ ὡρολογίου σκάφη. Εἰ οὖν ἑξῆς νοήσαιμεν εὐθείας διὰ τῆς γῆς ἐκβαλλομένας ἀφ ἑκατέρου τῶν γνωμόνων, πρὸς τῷ κέντρῳ τῆς γῆς συμπεσοῦνται. Em Alexandria, a essa hora, os gnómons dos quadrantes solares projectam uma sombra, uma vez que esta cidade se encontra muito mais a Norte do que Siena. Dado que estas duas cidades se encontram sob o mesmo meridiano e o maior círculo, se conduzirmos um arco de círculo a partir da extremidade da sombra do gnómon até à base do gnómon do quadrante solar que se encontra em Alexandria, este arco de cículo será uma secção do maior círculo do quadrante, na medida em que a cavidade do quadrante solar se situa sob o maior círculo. Se, em seguida, imaginarmos rectas que passam pela Terra a partir de cada um dos gnómons, estas irão convergir perto do centro da Terra. ἐπεὶ οὖν τὸ ἐν Συήνῃ ὡρολόγιον κατὰ κάθετον ὑπόκειται τῷ ἡλίῳ, ἄν ἐπινοήσωμεν εὐθεῖαν ἀπὸ τοῦ ἡλίου ἥκουσαν ἐπ ἄκρον τὸν τοῦ ὡρολογίου γνώμονα, μία γενήσεται εὐθεῖα ἡ ἀπὸ τοῦ ἡλίου μέχρι τοῦ κέντρου τῆς γῆς ἥκουσα. ἐὰν οὖν ἑτέραν εὐθεῖαν νοήσωμεν ἀπὸ τοῦ ἄκρου τῆς σκιᾶς τοῦ γνώμονος δι ἄκρου τοῦ γνώμονος ἐπὶ τὸν ἥλιον ἀναγομένην ἀπὸ τῆς ἐν Ἀλεξανδρείᾳ σκάφης, αὕτη καὶ ἡ προειρημένη εὐθεῖα παράλληλοι γενήσονται ἀπὸ διαφόρων γε τοῦ ἡλίου μερῶν ἐπὶ διάφορα μέρη τῆς γῆς διήκουσαι. Εἰς ταύτας τοίνυν παραλλήλους οὔσας ἐμπίπτει εὐθεῖα ἡ ἀπὸ τοῦ κέντρου τῆς γῆς ἐπὶ τὸν ἐν Ἀλεξανδρείᾳ γνώμονα ἥκουσα, ὥστε τὰς ἐναλλὰξ γωνίας ἴσας ποιεῖν ῷν ἡ μέν ἐστι πρὸς τῷ κέντρῳ τῆς γῆς κατὰ σύμπτωσιν τῶν εὐθειῶν, αἵ ἀπὸ τῶν ὠρολογίων ἤχθησαν ἐπὶ τό κέντρον τῆς γῆς, γινομένη, ἡ δὲ κατὰ σύμπτωσιν ἄκρου τοῦ ἐν Ἀλεξανδρείᾳ γνώμονος καὶ τῆς ἀπ ἄκρου τῆς σκιᾶς αὐτοῦ ἐπὶ τὸν ἥλιον διὰ τῆς πρὸς αὐτον ψαύσεως ἀναχθείσης γεγενημενὴ. 4

5 Assim, quando o quadrante solar de Siena se encontra na vertical sob o sol, se imaginarmos uma linha recta partindo do sol até ao topo do gnómon do quadrante, obteremos uma linha recta partindo do sol até ao centro da Terra. Se imaginarmos outra linha recta a partir da extremidade da sombra do gnómon (e) ligando o topo do gnómon do quadrante côncavo de Alexandria ao sol, esta linha e a anterior serão paralelas, ligando diferentes pontos do Sol a diferentes pontos da Terra. Por conseguinte, a estas rectas, que são paralelas, vem juntar-se uma recta que vai do centro da Terra até ao gnómon de Alexandria, de modo a criar ângulos alternos iguais. Um dos ângulos situa-se no centro da Terra, na intersecção das linhas rectas traçadas desde os quadrantes solares até ao centro da Terra; o outro encontra-se na intersecção do topo do gnómon de Alexandria e da recta traçada desde a extremidade da sua sombra até ao sol, no seu ponto de contacto com o gnómon. Καὶ ἐπὶ μὲν ταύτης βέβηκε περιφέρεια ἡ ἀπ ἄκρου τῆς σκιᾶς τοῦ γνώμονος ἐπὶ τὴν βάσιν αὐτοῦ περιαχθεῖσα, ἐπὶ δὲ τῆς πρὸς τῷ κέντρῳ τῆς γῆς ἡ ἀπο Συήνης διὴκουσα εἰς Ἀλεξάνδρειαν. Ὅμοιαι τοίνυν αἱ περιφέρειαί εἰσιν ἀλλήλαις ἐπ ἴσων γε γωνιῶν βεβηκυῖαι. Ὃν ἄρα λόγον ἔχει ἡ ἐν τῇ σκάφῃ πρὸς τὸν οἰκεῖον κύκλον, τοῦτον ἔχει τὸν λόγον καὶ ἡ ἀπὸ ἀπο Συήνης εἰς Ἀλεξάνδρειαν ἤκουσα. Ἡ δέ γε ἐν τῇ σκάφῃ πεντηκοστὸν μέρος εὑρίσκεται τοῦ οἰκείου κύκλου. Δεῖ οὖν ἀναγκαίως καὶ τὸ ἀπο Συήνης εἰς Ἀλεξάνδρειαν διάστημα πεντηκοστὸν εἶναι μέρος τοῦ μεγίστου τῆς γῆς κύκλου καὶ ἐστι τοῦτο σταδίων πεντακισχιλίων. ὁ ἄρα σύμπας κύκλος γίνεται μυριάδων εἴκοσι πέντε. καὶ ἡ μὲν Ἐρατοσθένους τοιαύτη. E é neste ângulo que se apoia o arco de círculo que dá a volta da ponta da sombra do gnómon até à sua base enquanto que o que está próximo do centro da Terra se apoia no arco que vai de Siena a Alexandria. Estes arcos são portanto semelhantes, apoiando-se em lados iguais. A relação do arco do quadrante com o seu próprio 5

6 círculo é idêntica à do arco que vai de Siena a Alexandria. Mas verificamos que o arco do quadrante é a quintagésima parte do seu próprio círculo, pelo que, a distância que vai de Siena a Alexandria é forçosamente a quintagésima parte do maior círculo da Terra. Essa distância é igual a 5000 estádios. A totalidade do círculo é portanto de estádios. Eis o método de Eratóstenes. * Vigésima sétima proposta do livro 1 de Elementos de Euclides Ἐὰν εἰς δύο εὐθείας εὐθεῖα ἐμπίπτουσα τὰς ἐναλλὰξ γωνίας ἴσας ἀλλήλαις ποιῇ, παράλληλοι ἔσονται ἀλλήλαις αἱ εὐθεῖαι. Quando uma recta secante de duas rectas forma dois ângulos alternos iguais, as rectas são paralelas entre si. ** Os ângulos referidos no texto são os ângulos POS e BPO. Eratóstenes observou que quando o sol se encontra na vertical em relação ao quadrante solar de Siena, o ângulo BPA formado pelo caule AP do quadrante de Alexandria com a recta que une a extremidade deste caule à extremidade da sua sombra, é igual ao ângulo cujo arco une Alexandria a Siena, desde o centro da Terra. Conhecendo a distância de Alexandria a Siena, determina-se assim, com uma simples regra de três, a circunferência da Terra. 6

7 Tradução proposta por Chaerephon: Eis o método de Posidónio acerca do tamanho da Terra; o método de Eratóstenes depende de um método geométrico e, na minha opinião, é um pouco mais obscuro. As suas afirmações tornam-se claras se partirmos dos seguintes pressupostos. Em primeiro lugar, admitimos de imediato que Siena e Alexandria estão situadas no mesmo meridiano; em segundo lugar, que a distância entre as duas cidades é de 5000 estádios; em terceiro lugar, que os raios enviados de diferentes pontos do Sol para diferentes pontos da Terra são paralelos de facto, os geómetros admitem que esta informação está correcta. Em quarto lugar, é necessário admitir, conforme demonstrado pelos geómetros, que as rectas secantes de paralelas formam ângulos alternos iguais; em quinto lugar, que os arcos de círculos baseados em ângulos iguais são semelhantes, isto é, têm o mesmo tamanho e a mesma ligação com os respectivos círculos, o que também foi demonstrado pelos geómetros. De facto, quando arcos de círculo têm por base ângulos iguais, se um deles, seja ele qual for, representar a décima parte do seu círculo, os restantes representarão a décima parte dos respectivos círculos. Quem tiver em mente estes pressupostos, 7

8 consegue compreender facilmente o método de Eratóstenes. Segundo Eratóstenes, Siena e Alexandria estão situadas no mesmo meridiano. Assim, se os meridianos são os maiores círculos do universo, os círculos da Terra que são projecções dos primeiros, são forçosamente os maiores círculos da Terra. Por conseguinte, o tamanho da circunferênca terrestre que passa por Siena e Alexandria, e que será demonstrado por este método, será igualmente a maior circunferência da Terra. Eratóstenes afirma portanto, e, com razão, que Siena se encontra no trópico de verão (i.e. trópico de câncer). Assim, quando o sol entra no Câncer e passa exactamente para o zénite durante o solstício de verão, os gnómons dos quadrantes solares não têm mais sombra, uma vez que o sol se encontra exactamente na vertical, e isto é visível em 300 estádios de diâmetro (= num raio de 24 km.). Mas em Alexandria, à mesma hora, os gnómons dos quadrantes projectam uma sombra, pois esta cidade está situada mais a norte do que Siena. Estando as duas cidades situadas no mesmo meridiano e na maior circunferência, se traçarmos um arco de círculo a partir da extremidade da sombra do gnómon até à própria base do gnómon do quadrante de Alexandria, este arco de círculo será uma parte do maior círculo do quadrante, uma vez que a esfera do quadrante está situada sob o maior círculo. Se imaginarmos, portanto, rectas que atravessam a Terra a partir de cada um dos gnómons, intersectar-se-ão no centro da Terra. Assim, quando o quadrante solar de Siena se encontra na vertical sob o sol, se imaginarmos uma linha recta do sol até ao topo do gnómon do quadrante, obtemos uma linha recta do Sol até ao centro da Terra. Se imaginarmos uma outra linha recta a partir da extremidade da sombra do gnómon, ligando o topo do gnómon do quadrante esférico de Alexandria ao Sol, esta última linha e a linha precedente serão paralelas, uma vez que ligam diferentes pontos do Sol a diferentes pontos da Terra. Estas rectas, que são paralelas, são intersectadas por uma recta que vai do centro da Terra até ao 8

9 gnómon de Alexandria, formando ângulos alternos iguais; o primeiro situa-se no centro da Terra, na intersecção das rectas que foram construídas desde os quadrantes solares até ao centro da Terra, o outro encontra-se na intersecção do topo do gnómon de Alexandria com a recta construída desde a extremidade da sua sombra até ao Sol, e passando pelo seu ponto de contacto com o gnómon. É neste ângulo que se vem colocar um arco de círculo que vai da extremidade da sombra do gnómon até à sua base, no outro ângulo, direccionado para o centro da Terra, o arco de círculo que vai de Siena a Alexandria. Os arcos de círculo são semelhantes uma vez que são construídos em ângulos iguais. Por conseguinte, a relação existente entre o arco de círculo do quadrante esférico e o seu círculo é idêntica para o arco de círculo que vai de Siena a Alexandria. O arco de círculo do quadrante é a quintagésima parte do seu círculo (i.e. 7 12'). Por conseguinte, a distância de Siena a Alexandria é também a quintagésima parte do grande círculo da Terra. Este arco de círculo equivale a 5000 estádios. A circunferência total é portanto de estádios. Este é o método de Eratóstenes. Durante o solstício de Inverno, Eratóstenes coloca também quadrantes nas duas cidades; estes quadrantes produzem sombras, a de Alexandria é necessariamente maior, na medida em que esta cidade está mais distante do trópico de Inverno (trópico do Capricórnio). Tendo em consideração o excedente de sombra observado entre Siena e Alexandria, verificamos que este excedente é também a quintagésima parte do maior círculo dos quadrantes. É assim, a partir destes cálculos, que verificamos que a maior circunferência da Terra é de estádios. O diâmetro da Terra equivale portanto a mais de estádios, uma vez que tem de ser o terço do maior círculo. Assim sendo, quem defende que a Terra não pode ser esférica devido às depressões dos mares e às asperezas das montanhas, fá-lo de forma completamente ilógica. De 9

10 facto, não existe montanha mais alta nem mar mais profundo que 15 estádios (2475 m.). Trinta estádios em comparação com mais de estádios não têm qualquer relação (i.e. têm uma relação zero); mas é exactamente como se existisse uma partícula de pó numa esfera. E as asperezas à volta das bolinhas dos plátanos não as impedem de ser pequenas esferas; contudo, estas asperezas têm uma relação mais importante com o tamanho total das bolas do que as depressões do mar e o cimo das montanhas em relação ao tamanho total da Terra. Comentários e notas de Chaerephon : Estrabão e Eratóstenes: "Eratóstenes defende que a terra habitada forma aproximadamente um círculo que tende a fechar-se sobre si mesmo, de modo que, se a imensidão do Oceano Atlântico não o impedisse, seria possível ir, por via marítima, da Ibéria até à Índia: bastaria seguir a mesma paralela e percorrer a restante secção, ou seja, um pouco mais do que o terço da circunferência total, admitindo um valor inferior a duzentos mil estádios (aproximadamente km) para a paralela na qual foi efectuada a repartição anterior da Índia até à Ibéria." (Estrabão I, 4, 6-7) "Eratóstenes formula ainda a hipótese segundo a qual os cerca de setenta mil estádios (aproximadamente km) que representam o comprimento do mundo habitado equivalem a metade do círculo inteiro no qual se obtém este comprimento, de modo que, segundo ele, se, partindo do ocidente, navegássemos com vento de leste, ao fim de um número igual de estádios, chegaríamos à Índia." 10

11 (Estrabão II, 3, 6) Circunferência da Terra e estádios Segundo o texto de Cleomedes, a circunferência total da Terra, calculada por Eratóstenes, é de estádios. No Kleine Pauly, estão mencionados estádios...interrogação... (trata-se de uma margem de erro de apenas 0.79 %). Em duas outras obras, existe também uma referência a estádios. Qual era o comprimento do estádio? O estádio equivalia geralmente a 600 pés. Mas como os pés variavam de cidade para cidade, o estádio vale entre 179 e 213 m, o que não facilita os nossos cálculos. Na época helenista, utilizavam-se estádios de 165 m e de 149 m (estádio dos bematistas). De acordo com estes números, a circunferência do meridiano de Eratóstenes vale km (41580) ou km (37548). No que me diz respeito, prefiro guardar o valor citado por Cleomedes, com um estádio de 165m, ou seja de km. Na página internet da rede de Eratóstenes, encontro, mas sem referência, a menção de um estádio de 159,5m. Importante lembrar: o comprimento do meridiano terrestre é de km (equador: km). Ou seja, um erro de 3.01 % atribuível em parte ao facto de Siena e Alexandria não se encontrarem exactamente no mesmo meridiano, e ao erro na medida do ângulo: 7 12' em vez de e à distância de Siena a Alexandria, cujo tamanho corresponde surpreendemente a 5000 estádios. Alguns comentários: 11

12 Acerca de Posidónio Posidónio de Rhodes ( a.c.) mediu a circunferência da Terra, à semelhança de Eratóstenes ( a.c.). No entanto, encontrou um valor nitidamente inferior. Posteriormente foram feitas medições por outras pessoas; contudo, eram, na maioria dos casos, muito subestimadas, à semelhança do cálculo de aproximadamente quilómetros efectuado por Ptolomeu, no Século II depois de Jesus Cristo, na sua obra Sintaxe matemática (ou Almageste). Aliás, consta que esta subestimativa de quilómetros permitiu a viagem de Cristóvão Colombo em 1492, pois ele não teria partido se tivesse de percorrer tal distância para chegar à Ásia. Mas então não teríamos descoberto a América... Siena Siena é a actual Assuão. Explicação sobre a necessidade de paralelismo entre os raios enviados de diversos pontos do Sol para a Terra. Os raios são supostamente paralelos entre si, o que até é oportuno tendo em conta a enorme distância entre o Sol e a Terra. Além disso, o facto de serem paralelos permite uma comparação directa a partir das medições feitas das sombras projectadas pelos objectos. A variação dos comprimentos das sombras em diferentes pontos do globo deve-se então unicamente à esfericidade da Terra. Por outro lado, se os raios não seguissem uma direcção paralela às imediações da Terra, seriam necessários cálculos suplementares para determinar a sua direcção. É por isso que Eratóstenes tem o cuidado de referir esse facto para fundamentar a sua demonstração. Quando rectas se interseccionam a uma grande distância, são praticamente 12

13 paralelas. É assim que um pedreiro constrói as arestas de uma casa com fio-deprumo o que, na verdade, resulta em duas rectas secantes no centro da Terra! Finalmente, a distância Alexandria Siena é de aproximadamente 900 kms, o que é insignificante quando comparado com os 150 milhões de kms entre a Terra e o Sol. Eratóstenes explicado pela rede de Eratóstenes... Um comentário do jornal Le Monde «O sábio deparava-se com duas hipóteses. Ou a Terra era plana e o Sol suficientemente próximo para que os seus raios divergissem e provocassem a diferença constatada, ou a nossa estrela estava muito distante e nesse caso os seus raios chegavam paralelos e apenas a esfericidade do nosso planeta podia explicar os factos. Eratóstenes optou por esta segunda suposição, pois os Gregos já suspeitavam de uma curvatura da superfície terrestre. Tendo medido, em Alexandria, o ângulo criado pelos raios solares com a vertical, apenas tinha de conhecer a distância Alexandria-Siena para calcular o tamanho do nosso planeta, estando as duas cidades mais ou menos localizadas no mesmo meridiano. Esta medida indispensável foi-lhe fornecida pelas caravanas que viajavam ao longo do Nilo, entre as duas cidades.» 13

Medindo a Terra com Sombras

Medindo a Terra com Sombras Projecto apresentado no XI Encontro Nacional de Estudantes de Física, Faculdade de Ciências da Universidade do Porto, 27 Fevereiro - 1 Março de 2009, resultante de uma parceria entre a Sociedade Portuguesa

Leia mais

HISTORIA da GEODESIA. Geodesia na Antiguidade Idade Média na Geodesia O Renascimento na Geodesia A era Moderna na Geodesia

HISTORIA da GEODESIA. Geodesia na Antiguidade Idade Média na Geodesia O Renascimento na Geodesia A era Moderna na Geodesia HISTORIA da GEODESIA Idade Média na Geodesia O Renascimento na Geodesia A era Moderna na Geodesia É a mais antiga das Ciências da Terra (geociência) Compreender a geometria da Terra... observando o céu!

Leia mais

A = Alexandria S = Sienne. AS = 800 km estaca. AÊB = SÔA (alternos internos) AÊB = 7 12' AS = 7 12' B A. raios do Sol ao meio dia solar

A = Alexandria S = Sienne. AS = 800 km estaca. AÊB = SÔA (alternos internos) AÊB = 7 12' AS = 7 12' B A. raios do Sol ao meio dia solar Determinação experimental do perímetro da Terra e outras propostas de experiências envolvendo o ol e as suas sombras 1 eguem-se propostas de actividades, pensadas para serem concretizadas por professores

Leia mais

C O M A S FA SES D A L U A...

C O M A S FA SES D A L U A... C O M A FA E D A U A... Aristarco de amos (310 -- 230 a.c.) calculou as distâncias relativas entre a Terra e a ua e a Terra e o ol Verificou que no quarto crescente (ou no quarto minguante) a direcção

Leia mais

As aventuras do Geodetetive 1: A circunferência da Terra. Série Matemática na Escola

As aventuras do Geodetetive 1: A circunferência da Terra. Série Matemática na Escola As aventuras do Geodetetive 1: A circunferência da Terra Série Matemática na Escola Objetivos 1. Apresentar o método de Eratóstenes (276 194 a.c.) para o cálculo da circunferência da Terra. Este é um exemplo

Leia mais

A Geometria e as distâncias astronômicas na Grécia Antiga

A Geometria e as distâncias astronômicas na Grécia Antiga A Geometria e as distâncias astronômicas na Grécia Antiga Geraldo Ávila Qual é o mais distante: o Sol ou a Lua? Quais os tamanhos da Terra, Sol e Lua? A busca das respostas à essas perguntas intrigantes

Leia mais

Iluminação Natural. Construção de Diagramas Solares. Maio de 2007

Iluminação Natural. Construção de Diagramas Solares. Maio de 2007 Iluminação Natural Construção de Diagramas Solares Maio de 2007 arquitectura e artes do espectáculo lda. Rua Julião Quintinha, 1A tel: +351 217 157 502 email: etu@etu.pt 1500-381 Lisboa fax: +351 217 157

Leia mais

Medir o perímetro da Terra

Medir o perímetro da Terra Medir o perímetro da Terra Mireille Hartmann Tradução: Sílvia Duarte Uma experiência muito simples, um projecto de múltiplas facetas Pode parecer muito grandiosa mas, segundo Eratóstenes, a medição da

Leia mais

ÓRBITA ILUMINADA HU F 152/ NT4091

ÓRBITA ILUMINADA HU F 152/ NT4091 ÓRBITA ILUMINADA HU F 152/ NT4091 INTRODUÇÃO Trata-se de um modelo científico de trabalho, representando o Sol, a Terra e a Lua, e mostrando como estes se relacionam entre si. Foi concebido para mostrar

Leia mais

Geodesia Física e Espacial. ******* Sistemas e Tecnologias de Georeferenciação. Ano lectivo 2011/2012

Geodesia Física e Espacial. ******* Sistemas e Tecnologias de Georeferenciação. Ano lectivo 2011/2012 Geodesia Física e Espacial ******* Sistemas e Tecnologias de Georeferenciação Ano lectivo 2011/2012 Definição A geodesia é uma palavra de origem grega (γεωδαιζία ) que literalmente quer dizer divisão da

Leia mais

Arcos na Circunferência

Arcos na Circunferência Arcos na Circunferência 1. (Fuvest 013) Uma das primeiras estimativas do raio da Terra é atribuída a Eratóstenes, estudioso grego que viveu, aproximadamente, entre 75 a.c. e 195 a.c. Sabendo que em Assuã,

Leia mais

Movimentos da Terra e suas consequências

Movimentos da Terra e suas consequências Movimentos da Terra e suas consequências Movimentos da Terra A Terra descreve, como todos os outros planetas principais do Sistema Solar: Movimento de rotação movimento em torno de si própria, em volta

Leia mais

PONTUAÇÃO EXERCÍCIO. Há quatro sinais que são empregados: 1) Vírgula (, ): como na nossa gramática (,);

PONTUAÇÃO EXERCÍCIO. Há quatro sinais que são empregados: 1) Vírgula (, ): como na nossa gramática (,); PONTUAÇÃO 11 Há quatro sinais que são empregados: 1) Vírgula (, ): como na nossa gramática (,); 2) Ponto Final (. ): semelhante ao nosso ponto (.); 3) Ponto Medial ( ): acima da linha e pode tanto ser

Leia mais

Manuscrito 2427 - uma farsa

Manuscrito 2427 - uma farsa Manuscrito 2427 - uma farsa Evangelho Grego de Marcos, Chicago MS 972, Goodspeed MS 38, Variante Gregory-Aland No. 2427 de Nestle-Aland Marcos arcaico". Descrição: Pequeno Codex, 12 x 8 cm, 55 fólios,

Leia mais

CONSTRUIR E UTILIZAR UM ASTROLÁBIO SIMPLES

CONSTRUIR E UTILIZAR UM ASTROLÁBIO SIMPLES CONSTRUIR E UTILIZAR UM ASTROLÁBIO SIMPLES INTRODUÇÃO O astrolábio é um instrumento que serve para medir ângulos. Foi bastante utilizado no passado por exemplo pelos navegadores do tempo dos Descobrimentos

Leia mais

A NAVEGAÇÃO ASTRONÔMICA É SIMPLES?

A NAVEGAÇÃO ASTRONÔMICA É SIMPLES? A NAVEGAÇÃO ASTRONÔMICA É SIMPLES? 2005 Curso de Capitão o Amador: PROGRAMA E INSTRUÇÕES GERAIS PARA O EXAME DE CAPITÃO O exame para a categoria de Capitão Amador constará de uma prova escrita, com duração

Leia mais

VOCABULÁRIO ARISTOTÉLICO. Noûs «Junho de 2009» 1. Traduções

VOCABULÁRIO ARISTOTÉLICO. Noûs «Junho de 2009» 1. Traduções VOCABULÁRIO ARISTOTÉLICO Noûs «Junho de 2009» νοῦς 1. Traduções 1.1. Traduções em português. Inteligência: ÉTICA A NICÔMACOS, trad. Mário da Gama Kury, Brasília: UnB,1992. Inteligência: DE ANIMA, trad.

Leia mais

Movimento Annual do Sol, Fases da Lua e Eclipses

Movimento Annual do Sol, Fases da Lua e Eclipses Movimento Annual do Sol, Fases da Lua e Eclipses FIS02010 Professora Ana Chies Santos IF/UFRGS https://anachiessantos.wordpress.com/ensino/fis02010/ Facebook #AstroUFRGS Relembrando... Sistemas de Coordenadas

Leia mais

17º Congresso de Iniciação Científica O CONHECIMENTO GEOMÉTRICO EM PORTUGAL NO SÉCULO XVI E SUAS APLICAÇÕES NA CARTOGRAFIA MARÍTIMA

17º Congresso de Iniciação Científica O CONHECIMENTO GEOMÉTRICO EM PORTUGAL NO SÉCULO XVI E SUAS APLICAÇÕES NA CARTOGRAFIA MARÍTIMA 17º Congresso de Iniciação Científica O CONHECIMENTO GEOMÉTRICO EM PORTUGAL NO SÉCULO XVI E SUAS APLICAÇÕES NA CARTOGRAFIA MARÍTIMA Autor(es) FLÁVIA DE ALMEIDA LUCATTI Orientador(es) JOANA DARC DA SILVA

Leia mais

O Q U E É U M REL Ó G I O DE S O L? Relógio de Sol é um instrumento que determina as divisões. do dia através do movimento da sombra de um objecto, o

O Q U E É U M REL Ó G I O DE S O L? Relógio de Sol é um instrumento que determina as divisões. do dia através do movimento da sombra de um objecto, o O Q U E É U M REL Ó G I O DE S O L? Relógio de Sol é um instrumento que determina as divisões do dia através do movimento da sombra de um objecto, o gnómon, sobre o qual incidem os raios solares e que

Leia mais

Movimento Anual do Sol, Fases da Lua e Eclipses

Movimento Anual do Sol, Fases da Lua e Eclipses Elementos de Astronomia Movimento Anual do Sol, Fases da Lua e Eclipses Rogemar A. Riffel Sol, Terra e Lua Movimento Diurno do Sol Relembrando a aula passada De leste para oeste; O círculo diurno do Sol

Leia mais

Canguru Matemático sem Fronteiras 2009

Canguru Matemático sem Fronteiras 2009 Duração: 1h30min Destinatários: alunos do 1 ano de Escolaridade Nome: Turma: Não podes usar calculadora. Há apenas uma resposta correcta em cada questão. As questões estão agrupadas em três níveis: Problemas

Leia mais

Introdução À Astronomia e Astrofísica 2010

Introdução À Astronomia e Astrofísica 2010 CAPÍTULO 3 ESTAÇÕES DO ANO E INSOLAÇÃO SOLAR. Movimento Anual do Sol e as Estações do Ano. Estação em diferentes latitudes. Insolação Solar. Recapitulando a aula anterior: Capítulo 2 Trigonometria Esférica

Leia mais

A Geometria no Globo Terrestre.

A Geometria no Globo Terrestre. A Geometria no Globo Terrestre. 1. Introdução. Neste trabalho pretendemos desenvolver o estudo da esfera e seus elementos explorando sua associação com o globo terrestre. O estudo da posição relativa de

Leia mais

O MELHOR TIPO DE MITO TRÁGICO: O argumento de Aristóteles em Poética 13-14

O MELHOR TIPO DE MITO TRÁGICO: O argumento de Aristóteles em Poética 13-14 O MELHOR TIPO DE MITO TRÁGICO: O argumento de Aristóteles em Poética 13-14 Malcolm Heath University of Leeds RESUMO: Nos capítulos 13 e 14 da Poética, Aristóteles discute o melhor tipo de enredo trágico.

Leia mais

Aspectos reais e lendários da biografia de Hipócrates, o "pai da medicina"

Aspectos reais e lendários da biografia de Hipócrates, o pai da medicina Wilson Alves Ribeiro Jr. warj.med.br/publicacoes.htm Aspectos reais e lendários da biografia de Hipócrates, o "pai da medicina" W.A. Ribeiro Jr. RIBEIRO Jr., W.A. Aspectos reais e lendários da biografia

Leia mais

Grupo de trabalho: OBJECTIVOS. Realizar actividades em parceria com outras escolas.

Grupo de trabalho: OBJECTIVOS. Realizar actividades em parceria com outras escolas. FAZER HISTÓRIA: descobrir o valor do raio da Terra e estimar a distância à Lua Data: / / Grupo de trabalho: OBJECTIVOS Relacionar a sombra projectada pelo Sol em lugares com diferentes latitudes, para

Leia mais

GUIA DO PROFESSOR ATIVIDADE: RAIO DA TERRA

GUIA DO PROFESSOR ATIVIDADE: RAIO DA TERRA GUIA DO PROFESSOR ATIVIDADE: RAIO DA TERRA 1 - RESUMO DA ATIVIDADE Como exemplo de um método de medida, vamos mostrar como há três séculos antes de Cristo, Eratóstenes mediu o raio da Terra, utilizando

Leia mais

Testa os conhecimentos de Geometria Descritiva

Testa os conhecimentos de Geometria Descritiva Testa os conhecimentos de Geometria Descritiva Para testar os conhecimentos de Geometria Descritiva, procede da seguinte forma: responde por escrito à questão escolhida; em seguida, clica no Hiperlink

Leia mais

Os Dez Mais Belos Experimentos Científicos

Os Dez Mais Belos Experimentos Científicos Robert P. Crease Os Dez Mais Belos Experimentos Científicos Tradução: Maria Inês Duque Estrada Jorge ZAHAR Editor Rio de Janeiro Às coisas selvagens, em todos os lugares Título original: The Prism and

Leia mais

Elementos de Astronomia

Elementos de Astronomia Elementos de Astronomia Astronomia Antiga, Esfera Celeste, Coordenadas e Movimento Diurno dos Astros Rogemar A. Riffel Sala 1316 e-mail: rogemar@ufsm.br http://www.ufsm.br/rogemar/ensino.html Por que estudar

Leia mais

Coordenadas Geográficas

Coordenadas Geográficas Orientação A rosa-dos-ventos possibilita encontrar a direção de qualquer ponto da linha do horizonte. Por convenção internacional, a língua inglesa é utilizada como padrão, portanto o Leste muitas vezes

Leia mais

RESUMO O trabalho apresenta resultados de um estudo sobre o texto A Geometria do Globo Terrestre

RESUMO O trabalho apresenta resultados de um estudo sobre o texto A Geometria do Globo Terrestre Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 43 O ÂNGULO DE ELEVAÇÃO DO SOL E A ENERGIA SOLAR Antonio da Silva Gomes Júnior 1, José Paulo Rodrigues da Silveira,

Leia mais

Insígnia de Competência de Astrónomo Alguns apontamentos para Exploradores

Insígnia de Competência de Astrónomo Alguns apontamentos para Exploradores Insígnia de Competência de Astrónomo Alguns apontamentos para Exploradores 1 Conhecer a influência do sol, terra e lua nas estações do ano (exs: culturas, flores, frutos, árvores, entre outros) 2 Conhecer

Leia mais

Raio é o segmento de recta que une um ponto da circunferência com o seu centro.

Raio é o segmento de recta que une um ponto da circunferência com o seu centro. Catarina Ribeiro 1 Vamos Recordar: Circunferência de centro C e raio r é o lugar geométrico de todos os pontos do plano que estão à mesma distância r de um ponto fixo C. Círculo de centro C e raio r é

Leia mais

Relações Astronômicas Terra - Sol

Relações Astronômicas Terra - Sol Universidade de São Paulo Departamento de Geografia FLG 0253 - Climatologia I Relações Astronômicas Terra - Sol Prof. Dr. Emerson Galvani Laboratório de Climatologia e Biogeografia LCB Radiação Solar -

Leia mais

Esfera e Sólidos Redondos Área da Esfera. Volume da Esfera

Esfera e Sólidos Redondos Área da Esfera. Volume da Esfera Aula n ọ 04 Esfera e Sólidos Redondos Área da Esfera A área de uma esfera é a medida de sua superfície. Podemos dizer que sua área é igual a quatro vezes a área de um círculo máximo, ou seja: eixo R O

Leia mais

GABARITO. Questão 2) (1 ponto) (0,2 cada acerto) Escreva CERTO ou ERRADO na frente de cada frase.

GABARITO. Questão 2) (1 ponto) (0,2 cada acerto) Escreva CERTO ou ERRADO na frente de cada frase. XVI OBA GABARITO DA PROVA DO NÍVEL 3 (Para alunos do 6 o ao 9 o ano das escolas nas quais o ensino fundamental é de 9 anos ou alunos da 5 a à 8 a série das escolas nas quais o ensino fundamental ainda

Leia mais

MÉTODOS DE REPRESENTAÇÃO

MÉTODOS DE REPRESENTAÇÃO MARIA DO CÉU SIMÕES TERENO 2011 EUROPEU E AMERICANO SISTEMAS DE PROJEÇÕES ORTOGONAIS Ângulos Diedros A representação de objectos tridimensionais por meio de desenhos bidimensionais, utilizando projecções

Leia mais

Cartografia terrestre e celeste

Cartografia terrestre e celeste Cartografia terrestre e celeste André Ross Professeur de mathématiques Cégep de Lévis-Lauzon 16 de março de 2011 Representação do mundo habitável Todos nós já olhamos um globo terrestre, mapas de diferentes

Leia mais

Eclipse. (www.seara.ufc.br/astronomia/fenomenos/eclipses.htm. Acesso em: 03.10.2012.)

Eclipse. (www.seara.ufc.br/astronomia/fenomenos/eclipses.htm. Acesso em: 03.10.2012.) Eclipse 1. (G1 - ifsp 2013) Mecanismos do Eclipse A condição para que ocorra um Eclipse é que haja um alinhamento total ou parcial entre Sol, Terra e Lua. A inclinação da órbita da Lua com relação ao equador

Leia mais

TRABALHO DE MATEMÁTICA. Movimentos Periódicos

TRABALHO DE MATEMÁTICA. Movimentos Periódicos TRABALHO DE MATEMÁTICA Movimentos Periódicos Trabalho Realizado por: Hugo Miguel, nº 14 João Martinho, nº 17 Ricardo Almeida, nº 22 INTRODUÇÃO: Para haver dia e noite e estações do ano é necessário movimento,

Leia mais

ΟΡΚΟΣ, ΙΠΠΟΚΡΑΤΗΣ (O juramento de Hipócrates)

ΟΡΚΟΣ, ΙΠΠΟΚΡΑΤΗΣ (O juramento de Hipócrates) Wilson Alves Ribeiro Jr. warj.med.br/publicacoes.htm ΟΡΚΟΣ, ΙΠΠΟΚΡΑΤΗΣ (O juramento de Hipócrates) W.A. Ribeiro Jr. RIBEIRO JR., W.A. ΟΡΚΟΣ, ΙΠΠΟΚΡΑΤΗΣ. Modelo 19, Araraquara, v. 4, n. 9, p. 69-72, 1999.

Leia mais

ORIENTAÇÃO E LOCALIZAÇÃO

ORIENTAÇÃO E LOCALIZAÇÃO ORIENTAÇÃO E LOCALIZAÇÃO Para se orientar o homem teve de desenvolver sua capacidade de observação. Observando a natureza o homem percebeu que o Sol aparece todas as manhãs aproximadamente, num mesmo lado

Leia mais

As aventuras do Geodetetive 5: Como viajar e chegar no dia anterior. Série Matemática na Escola

As aventuras do Geodetetive 5: Como viajar e chegar no dia anterior. Série Matemática na Escola As aventuras do Geodetetive 5: Como viajar e chegar no dia anterior. Série Matemática na Escola Objetivos 1. Mostrar como são estabelecidos os fusos horários e fatos a estes relacionados. 2. Apresentar

Leia mais

ASTRONOMIA NO DIA-A-DIA Dr. André Milone

ASTRONOMIA NO DIA-A-DIA Dr. André Milone ASTRONOMIA NO DIA-A-DIA Dr. André Milone Divisão de Astrofísica (DAS) Curso de Introdução à Astronomia e Astrofísica 2009 ROTEIRO GERAL Fenômenos astronômicos no dia-a-dia Movimentos da Terra heliocentrismo

Leia mais

MÉTRICA, RÍTMICA E TRADUÇÃO DAS ANACREÔNTICAS. Palavras-chave: Anacreônticas, métrica, rítmica, tradução poética.

MÉTRICA, RÍTMICA E TRADUÇÃO DAS ANACREÔNTICAS. Palavras-chave: Anacreônticas, métrica, rítmica, tradução poética. MÉTRICA, RÍTMICA E TRADUÇÃO DAS ANACREÔNTICAS C. Leonardo B. Antunes 1 Resumo: Neste artigo, apresentarei algumas considerações métricas e rítmicas acerca das Anacreônticas, bem como as soluções tradutórias

Leia mais

Aula 04 Medidas de tempo

Aula 04 Medidas de tempo Aula 04 Medidas de tempo O que é tempo? Os fenômenos astronômicos são periódicos e regulares: tornaram-se os primeiros relógios. E foram os relógios mais precisos até a construção dos relógios atômicos

Leia mais

UNIDADE 2: ASTRONOMIA

UNIDADE 2: ASTRONOMIA UNIDADE 2: ASTRONOMIA ARISTÓTELES (384-322 a.c.) Afirmou que a Terra era redonda devido à sombra esférica deixada por ela durante o eclipse lunar. ERATÓSTENES (273-194 a.c.) Mediu a circunferência da Terra

Leia mais

Questão 01) A linha imaginária que circula a Terra a 23 27 de latitude norte denomina-se:

Questão 01) A linha imaginária que circula a Terra a 23 27 de latitude norte denomina-se: Lista de Exercícios Pré Universitário Uni-Anhanguera Aluno(a): Nº. Professor: Anderson José Soares Série: 1º Disciplina: GEOGRAFIA Data da prova: 22/02/14 Questão 01) A linha imaginária que circula a Terra

Leia mais

A LINGUAGEM SECRETA DO UNIVERSO

A LINGUAGEM SECRETA DO UNIVERSO A LINGUAGEM SECRETA DO UNIVERSO JOSÉ NATÁRIO 1. A Profecia de Galileu Uma das mais notáveis profecias de sempre deve-se a Galileu Galilei (Figura 1), que há mais de quatro séculos escreveu no seu livro

Leia mais

Geometria Métrica Espacial. Geometria Métrica Espacial

Geometria Métrica Espacial. Geometria Métrica Espacial UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA 1. Prismas Geometria Métrica

Leia mais

Conceitos de Geodésia

Conceitos de Geodésia Sumário P r o f. Ti a g o B a d r e M a r i n o G e o p r o c e s s a m e n t o D e p a r t a m e n t o d e G e o c i ê n c i a s I n s t i t u t o d e A g r o n o m i a U F R R J SISTEMAS DE COORDENADAS

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1 EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 12.º Ano de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 286/89, de 29 de Agosto Programas novos e Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) PROVA 635/11 Págs. Duração da prova: 150

Leia mais

SISTEMAS DE 18 COORDENADAS UTILIZADOS EM ASTRONOMIA NÁUTICA E NAVEGAÇÃO ASTRONÔMICA

SISTEMAS DE 18 COORDENADAS UTILIZADOS EM ASTRONOMIA NÁUTICA E NAVEGAÇÃO ASTRONÔMICA SISTEMAS DE 18 COORDENADAS UTILIZADOS EM ASTRONOMIA NÁUTICA E NAVEGAÇÃO ASTRONÔMICA 18.1 CONCEITOS FUNDAMENTAIS Conforme visto no capítulo anterior, para determinar a posição de qualquer ponto na superfície

Leia mais

Encontrando o seu lugar na Terra

Encontrando o seu lugar na Terra Encontrando o seu lugar na Terra A UU L AL A Nesta aula vamos aprender que a Terra tem a forma de uma esfera, e que é possível indicar e localizar qualquer lugar em sua superfície utilizando suas coordenadas

Leia mais

A Geometria do Globo Terrestre. Os Três Problemas Clássicos da Matemática Grega. A Matemática dos Códigos de Barras

A Geometria do Globo Terrestre. Os Três Problemas Clássicos da Matemática Grega. A Matemática dos Códigos de Barras page 1 A Geometria do Globo Terrestre Sérgio Alves Os Três Problemas Clássicos da Matemática Grega João Pitombeira de Carvalho A Matemática dos Códigos de Barras Francisco César Polcino Milies page 2 Texto

Leia mais

Espelho, espelho meu...

Espelho, espelho meu... A UU L AL A Espelho, espelho meu... No meio do trânsito ouve-se a sirene da ambulância. Ernesto vira-se e pergunta ao pai: - Por que as letras escritas no capô da ambulância estão todas invertidas? Figura

Leia mais

ESCOLA DR. ALFREDO JOSÉ BALBI UNITAU APOSTILA ESFERAS E SUAS PARTES PROF. CARLINHOS NOME: N O :

ESCOLA DR. ALFREDO JOSÉ BALBI UNITAU APOSTILA ESFERAS E SUAS PARTES PROF. CARLINHOS NOME: N O : ESCOLA DR. ALFREDO JOSÉ BALBI UNITAU APOSTILA ESFERAS E SUAS PARTES PROF. CARLINHOS NOME: N O : 1 ESFERAS Consideramos um ponto O e um segmento de medida r. Chama-se esfera de centro O e raio r o conjunto

Leia mais

Unidade didáctica: circunferência e polígonos. Matemática 9º ano

Unidade didáctica: circunferência e polígonos. Matemática 9º ano Unidade didáctica: circunferência e polígonos Matemática 9º ano POLÍGONOS. Ângulos de um polígono DEFINIÇÃO: Um polígono é uma superfície plana limitada por uma linha poligonal fechada. Em qualquer polígono

Leia mais

Introdução À Astronomia e Astrofísica 2010

Introdução À Astronomia e Astrofísica 2010 CAPÍTULO 5 LUA E SUAS FASES. ECLIPSES. Lua. Fases da Lua. Sombra de um Corpo Extenso. Linha dos Nodos. Eclipses do Sol. Eclipses da Lua. Temporada de Eclipses. Saros. Recapitulando a aula anterior: Capítulo

Leia mais

2) (PUC-Camp) Uma pessoa encontra-se num ponto A, localizado na base de um prédio, conforme mostra a figura adiante.

2) (PUC-Camp) Uma pessoa encontra-se num ponto A, localizado na base de um prédio, conforme mostra a figura adiante. ATIVIDADES PARA RECUPERAÇÃO PARALELA - MATEMÁTICA PROFESSOR: CLAUZIR PAIVA NASCIMENTO TURMA: 9º ANO REVISÃO 1) (Cesesp-PE) Do alto de uma torre de 50 metros de altura, localizada numa ilha, avista-se a

Leia mais

22 SÉCULOS A MEDIR ÁREA

22 SÉCULOS A MEDIR ÁREA SÉCULOS A MEDIR ÁREA MIGUEL ABREU E ANA CANNAS DA SILVA. O teorema favorito de Arquimedes Das geniais descobertas e invenções de Arquimedes (87- AC), conta-se que a sua favorita terá sido a de que a superfície

Leia mais

GABARITO PROVA DO NÍVEL 3 (Para alunos do 6 º ao 9 º ano do Ensino Fundamental) XVII OBA - 2014

GABARITO PROVA DO NÍVEL 3 (Para alunos do 6 º ao 9 º ano do Ensino Fundamental) XVII OBA - 2014 GABARITO PROVA DO NÍVEL 3 (Para alunos do 6 º ao 9 º ano do Ensino Fundamental) XVII OBA - 2014 Nota de Astronomia: Nota de Astronáutica: Nota Final: Observação: A Nota Final é a soma das notas de Astronomia

Leia mais

Plataforma Equatorial

Plataforma Equatorial Projecto Com a Cabeça na Lua OASA - Observatório Astronómico de Santana Açores Plataforma Equatorial Princípios fundamentais Utilização das Coordenadas Astronómicas Em geometria, sabemos que um sistema

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA DISTÂNCIA FOCAL DE UMA LENTE E ESTUDO DA FORMAÇÃO DE IMAGEM

DETERMINAÇÃO DA DISTÂNCIA FOCAL DE UMA LENTE E ESTUDO DA FORMAÇÃO DE IMAGEM ETERMINAÇÃO A ISTÂNCIA FOCAL E UMA LENTE E ESTUO A FORMAÇÃO E IMAGEM. Objectivo eterminação da distância focal de uma lente convergente e de uma associação de lentes, e estudo da formação de imagem. 2.

Leia mais

Introdução À Astronomia e Astrofísica 2010

Introdução À Astronomia e Astrofísica 2010 CAPÍTULO 7 ÓRBITA DOS PLANETAS. LEIS DE KEPLER E DE NEWTON. Movimento dos Planetas. O Modelo Geocêntrico. O Modelo Heliocêntrico. Leis de Kepler. Isaac Newton e Suas Leis. Recapitulando as aulas anteriores:

Leia mais

Matemática 2. 01. A estrutura abaixo é de uma casa de brinquedo e consiste de um. 02. Abaixo temos uma ilustração da Victoria Falls Bridge.

Matemática 2. 01. A estrutura abaixo é de uma casa de brinquedo e consiste de um. 02. Abaixo temos uma ilustração da Victoria Falls Bridge. Matemática 2 01. A estrutura abaixo é de uma casa de brinquedo e consiste de um paralelepípedo retângulo acoplado a um prisma triangular. 1,6m 1m 1,4m Calcule o volume da estrutura, em dm 3, e indique

Leia mais

16 Comprimento e área do círculo

16 Comprimento e área do círculo A UA UL LA Comprimento e área do círculo Introdução Nesta aula vamos aprender um pouco mais sobre o círculo, que começou a ser estudado há aproximadamente 4000 anos. Os círculos fazem parte do seu dia-a-dia.

Leia mais

Aula 1. O Sistema Solar e o Planeta Terra. Disciplina: Geografia A Profª.: Tamara Régis

Aula 1. O Sistema Solar e o Planeta Terra. Disciplina: Geografia A Profª.: Tamara Régis Aula 1. O Sistema Solar e o Planeta Terra. Disciplina: Geografia A Profª.: Tamara Régis A origem do Universo A teoria do Big Bang foi anunciada em 1948 pelo cientista russo naturalizado estadunidense,

Leia mais

03.(UFMG) Observe a fi gura.

03.(UFMG) Observe a fi gura. 01.(FUVEST-SP) Adote: velocidade da luz = 3.10 8 m/s Um feixe de luz entra no interior de uma caixa retangular de altura L, espelhada internamente, através de uma abertura A. O feixe, após sofrer 5 refl

Leia mais

Onde estás? Materiais para Observar e Experimentar

Onde estás? Materiais para Observar e Experimentar Onde estás? Materiais para Observar e Experimentar ão propostas algumas experiências e actividades de observação dirigidas a crianças a partir dos oito anos de idade. Estas actividades poderão ser utilizadas

Leia mais

GEOGRAFIA. Professora Bianca

GEOGRAFIA. Professora Bianca GEOGRAFIA Professora Bianca TERRA E LUA MOVIMENTO DA LUA MOVIMENTOS DA TERRA TEMPO E CLIMA Tempo é o estado da atmosfera de um lugar num determinado momento. Ele muda constantemente. Clima é o conjunto

Leia mais

MOVIMENTOS DA TERRA e FUSOS HORÁRIOS

MOVIMENTOS DA TERRA e FUSOS HORÁRIOS MOVIMENTOS DA TERRA e FUSOS HORÁRIOS MOVIMENTO DE ROTAÇÃO Movimento que a Terra realiza ao redor do seu próprio eixo de oeste para leste com duração aproximada de 24 horas (23h, 56 e 4 ). MOVIMENTO DE

Leia mais

Tópico 02: Movimento Circular Uniforme; Aceleração Centrípeta

Tópico 02: Movimento Circular Uniforme; Aceleração Centrípeta Aula 03: Movimento em um Plano Tópico 02: Movimento Circular Uniforme; Aceleração Centrípeta Caro aluno, olá! Neste tópico, você vai aprender sobre um tipo particular de movimento plano, o movimento circular

Leia mais

Figura 1 - O movimento da Lua em torno da Terra e as diferentes fases da Lua

Figura 1 - O movimento da Lua em torno da Terra e as diferentes fases da Lua Estudo do Meio Físico e Natural I Movimentos reais e aparentes dos astros J. L. G. Sobrinho Centro de Ciências Exactas e da Engenharia Universidade da Madeira A Lua e a Terra A Lua está a sempre visível

Leia mais

A Geografia é uma ciência... [...] Ela permite compreender as transformações promovidas no espaço e tem ajudado os grupos sociais a se posicionarem

A Geografia é uma ciência... [...] Ela permite compreender as transformações promovidas no espaço e tem ajudado os grupos sociais a se posicionarem A Geografia é uma ciência... [...] Ela permite compreender as transformações promovidas no espaço e tem ajudado os grupos sociais a se posicionarem de forma ética e crítica diante de questões ambientais,

Leia mais

Introdução: Mas, todas estas lentes podem ser na verdade convergentes ou divergentes, dependendo do que acontece com a luz quando esta passa por ela.

Introdução: Mas, todas estas lentes podem ser na verdade convergentes ou divergentes, dependendo do que acontece com a luz quando esta passa por ela. Introdução: Com este trabalho experimental pretende-se observar o comportamento de feixes ao atravessar lentes e, ao mesmo tempo, verificar o comportamento dos feixes ao incidir em espelhos. Os conceitos

Leia mais

GDC I AULA TEÓRICA 09

GDC I AULA TEÓRICA 09 GDC I AULA TEÓRICA 09 Perspectiva linear de quadro plano: - O perspectógrafo completo (Plano Geometral e a Linha de Terra). - A marcação de pontos por coordenadas. - Determinação dos traços de planos e

Leia mais

Exame Nacional de 2009 1. a chamada

Exame Nacional de 2009 1. a chamada 1. A agência de viagens ViajEuropa tem como destinos turísticos as capitais europeias. A taela 1 mostra o número de viagens vendidas pela agência nos primeiros três meses do ano. Cotações Meses Taela 1

Leia mais

Exame de Seleção à 1 a Série do Ensino Médio 2006 30/10/2005

Exame de Seleção à 1 a Série do Ensino Médio 2006 30/10/2005 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS COLÉGIO DE APLICAÇÃO SETOR CURRICULAR DE MATEMÁTICA Instruções: Exame de Seleção à 1 a Série do Ensino Médio 006 30/10/005

Leia mais

Introdução às Geometrias Não-Euclidianas

Introdução às Geometrias Não-Euclidianas Introdução às Geometrias Não-Euclidianas Miguel Abreu Instituto Superior Técnico e Sociedade Portuguesa de Matemática Fevereiro de 2012 Geometria Euclidiana ( 300 a.c.)- primeiros Axiomas Plano = conjunto

Leia mais

ASTRONOMIA NO DIA A DIA

ASTRONOMIA NO DIA A DIA ASTRONOMIA NO DIA A DIA Dr. André Milone Divisão de Astrofísica (DAS) Curso de Introdução à Astronomia e Astrofísica 2013 Astronomia no dia a dia Qual é a forma e movimentos da Terra? O Metro e o Segundo

Leia mais

Unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA. Física 1 PRINCIPIOS DE FUNCIONAMENTO DO GPS

Unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA. Física 1 PRINCIPIOS DE FUNCIONAMENTO DO GPS Unesp Física 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA UNIDADE DIFERENCIADA - SOROCABA/IPERÓ Veja também os sites: www.fis.puc-rio.br/fis-intr/gps.htm www.gpsglobal.com.br/artigos/ita12ahtml PRINCIPIOS DE FUNCIONAMENTO

Leia mais

TEMA 2 ENERGIA DA ATMOSFERA

TEMA 2 ENERGIA DA ATMOSFERA Meteorologia Geral 21 TEMA 2 ENERGIA DA ATMOSFERA 2.1 Introdução A principal fonte de energia da Terra (Vide a Figura 2.1) é o Sol (Vide a Figura 2.1). Uma pequena quantidade de energia provém do interior

Leia mais

SISTEMA BÁSICO DE ÓPTICA

SISTEMA BÁSICO DE ÓPTICA SISTEMA BÁSICO DE ÓPTICA MODELO OS-8515C MANUAL DE ACTIVIDADES EXPERIMENTAIS (ACTUALIZADO) J. ROMA, Lda. SUMÁRIO Introdução...3 Acerca do equipamento...5 Acerca das experiências...6 Experiência 1: Adição

Leia mais

A importância das Escrituras

A importância das Escrituras A importância das Escrituras Razão da necessidade das Escrituras Como devemos estudar a Bíblia A Bíblia como um livro Os livros antigos; A estrutura da Bíblia; O Tema Central; Algumas observações úteis

Leia mais

UNOCHAPECÓ Lista 03 de exercícios Mecânica (lançamento de projéteis) Prof: Visoli

UNOCHAPECÓ Lista 03 de exercícios Mecânica (lançamento de projéteis) Prof: Visoli UNOCHAPECÓ Lista 03 de exercícios Mecânica (lançamento de projéteis) Prof: Visoli 1. A figura abaixo mostra o mapa de uma cidade em que as ruas retilíneas se cruzam perpendicularmente e cada quarteirão

Leia mais

Apontamentos de aula: Tópicos Básicos de Cartografia e Sistema Universal Transversal Mercator (UTM)

Apontamentos de aula: Tópicos Básicos de Cartografia e Sistema Universal Transversal Mercator (UTM) Apontamentos de aula: Tópicos Básicos de Cartografia e Sistema Universal Transversal Mercator (UTM) Colaboradores: Emanoel Jr da S. Nunes Érica S. Nakai Pedro Paulo da S. Barros Coordenador: Prof. Peterson

Leia mais

Resoluções. 1. E Da figura obtemos: E 1. 50 a b 120. i =? E 2

Resoluções. 1. E Da figura obtemos: E 1. 50 a b 120. i =? E 2 Resoluções Segmento: Pré-vestibular oleção: Alfa, eta e Gama. Disciplina: Física aderno de xercícios 1 Unidade VIII Óptica Geométrica Série 2: studo da reflexão e dos sistemas refletores 1. Da figura obtemos:

Leia mais

A TERRA E SEUS MOVIMENTOS. A ESFERA CELESTE

A TERRA E SEUS MOVIMENTOS. A ESFERA CELESTE 17 A TERRA E SEUS MOVIMENTOS. A ESFERA CELESTE 17.1 A TERRA 17.1.1 FORMA E DIMENSÕES. A ESFERA TERRESTRE Primeiramente, o homem imaginou a Terra como uma superfície plana, pois era assim que ele a via.

Leia mais

A GEOMETRIA DO GLOBO TERRESTRE

A GEOMETRIA DO GLOBO TERRESTRE A GEOMETRIA DO GLOBO TERRESTRE Sérgio Alves IME/USP 1. INTRODUÇÃO Neste curso pretendemos desenvolver o estudo da esfera e seus elementos explorando sua associação com o globo terrestre. Conceitos geográficos

Leia mais

SESSÃO 5: DECLINAÇÃO SOLAR AO LONGO DO ANO

SESSÃO 5: DECLINAÇÃO SOLAR AO LONGO DO ANO SESSÃO 5: DECLINAÇÃO SOLAR AO LONGO DO ANO Respostas breves: 1.1) 9,063 N 1.2) norte, pois é positiva. 1.3) São José (Costa Rica). 2) Não, porque Santa Maria não está localizada sobre ou entre os dois

Leia mais

As Influências da Lua na Terra e o Fenômeno das Marés

As Influências da Lua na Terra e o Fenômeno das Marés UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA As Influências da Lua na Terra e o Fenômeno das Marés Autor: Paulo Meira Bonfim Mantellatto Orientador:

Leia mais

CIRCUNFERÊNCIA E POLÍGONOS. ROTAÇÕES

CIRCUNFERÊNCIA E POLÍGONOS. ROTAÇÕES B3 CIRCUNFERÊNCIA E POLÍGONOS. ROTAÇÕES Circunferência Circunferência é um conjunto de pontos do plano situados à mesma distância de um ponto fixo (centro). Corda é um segmento de recta cujos extremos

Leia mais

A figura da Terra. Da esfera ao Geóide (passando pelo elipsóide)

A figura da Terra. Da esfera ao Geóide (passando pelo elipsóide) A figura da Terra Da esfera ao Geóide (passando pelo elipsóide) Uma primeira aproximação: a Terra esférica Esfera: Superfície curva fechada cujos pontos se encontram todos a igual distância, R, de um ponto

Leia mais

Capítulo I GENERALIDADES

Capítulo I GENERALIDADES Topografia I Profa. Andréa Ritter Jelinek 1 Capítulo I GENERALIDADES 1. Conceitos Fundamentais Definição: a palavra Topografia deriva das palavras gregas topos (lugar) e graphen (descrever), que significa

Leia mais

Docente: Prof. Doutor Ricardo Cunha Teixeira Discentes: Carlos Silva Sara Teixeira Vera Pimentel

Docente: Prof. Doutor Ricardo Cunha Teixeira Discentes: Carlos Silva Sara Teixeira Vera Pimentel Docente: Prof. Doutor Ricardo Cunha Teixeira Discentes: Carlos Silva Sara Teixeira Vera Pimentel Sem a Matemática, não poderia haver Astronomia; sem os recursos maravilhosos da Astronomia, seria completamente

Leia mais

Fundamentação Teórica

Fundamentação Teórica Fundamentação Teórica Etimologicamente significa, buscar o oriente. Orientar-se sempre foi uma das preocupações básicas do ser humano e se justificava inicialmente pela busca de e de. No decorrer do tempo

Leia mais