A NAVEGAÇÃO ASTRONÔMICA É SIMPLES?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A NAVEGAÇÃO ASTRONÔMICA É SIMPLES?"

Transcrição

1 A NAVEGAÇÃO ASTRONÔMICA É SIMPLES? 2005

2 Curso de Capitão o Amador: PROGRAMA E INSTRUÇÕES GERAIS PARA O EXAME DE CAPITÃO O exame para a categoria de Capitão Amador constará de uma prova escrita, com duração máxima de quatro horas e trinta minutos. A prova escrita constará de quatro partes: ❶-NAVEGAÇÃO ASTRONÔMICA (Valendo 1,0 ponto, ) Problemas de Passagem Meridiana. ❷- NAVEGAÇÃO ELETRÔNICA (Valendo cinco pontos) Perguntas sobre: RADAR, RADIOGONIO, GPS e ECOBATÍMETRO ❸-ESTABILIDADE E FLUTUABILIDADE DE EMBARCAÇÕES (Valendo 1,0 pontos) ❹- METEOROLOGIA BÁSICA (Valendo 1,0 ponto) ❺- SOBREVIVÊNVIA NO MAR (Valendo 1,0 ponto) ❻- COMUNICAÇÕES ( Valendo 1,0 ponto) SERÁ APROVADO O ALUNO QUE OBTIVER O GRÁU 5 (CINCO) NO TOTAL DE 10, ISTO É DEVERÁ ACERTAR 50% DA PROVA. Obs: O acesso à categoria de Capitão Amador será concedido ao Mestre Amador maior de 21 anos de idade.atualmente não é mais obrigatório o intervalo de dois anos entre a habilitação de Mestre e de Capitão Amador, mas é obrigatório ter a habilitação de Mestre.

3 A NAVEGAÇÃO ASTRONÔMICA É SIMPLES? Sinopse: 1-PARTE: Mostramos a importância que foi a observação do céu para criar modelos conceituais que induziram a criação de formas práticas para determinar a posição no Globo Terrestre. Como construir o Sistema de Coordenadas Geográficas. 2-PARTE: Mostramos que para a determinação da posição quando temos costa a vista, nada melhor que um medidor de altura (sextante). 3-PARTE: Com a definição da esfera celeste e com a ajuda da 2-parte, criamos uma maneira simples e indispensável de determinar a posição usando a medida das alturas dos Astros em relação ao Horizonte.

4 Página-01 1-PARTE a)-a interação de conceitos e observações. A TERRA REDONDA. Voltemos aos tempos da Babilônia 2500 anos atrás. As observações mostravam a eles que a terra era plana, mas apesar deles nunca terem visto o fim da terra, era suposto que a terra era finita, isto é, se viajassem para bem longe poderiam chegar onde o céu e a Terra se encontravam. Mas o modelo da terra plana envolta pelo Universo possuía alguns problemas: Se tudo caia para baixo, porque não a TERRA? Será que a terra era de tamanho infinito? Naquela época não existia o conceito de infinito nem de gravidade, mas os gregos não ignoraram o problema e conceberam a Terra como cilíndrica estando situada exatamente no "Centro do Universo". Desde que ela no centro do uni verso não tendo nenhuma direção particular para ir, ficar permanentemente no mesmo lugar. Isto resolvia o problema da Terra não ser infinita, mas tinham ainda outros problemas com o modelo. Os Gregos eram marinheiros e sabiam de longas datas, que quando um navio se afastava muito da costa, não só diminuía de tamanho, mas parecia que entrava na água. Isto é facilmente explicado se a Terra é de fato curva.

5 Página-02 Observavam também, em viagens para o Sul ou para o Norte, que algumas estrelas desapareciam, enquanto outras se tornavam visíveis, que é mais uma evidencia de a Terra não ser plana. Outra forma de demonstrar foi pelos eclipses da Lua Os Gregos tinham consciência de que o eclipse da Lua era causado pela passagem da Terra entre o Sol e a Lua. A linha de sombra na face da lua durante o eclipse era observada ser curva e de mesma curvatura. Somente um objeto que sempre mostra uma sombra circular independente da orientação é a "ESFERA", e conseqüentemente a TERRA era uma esfera. Supondo que a terra era esférica, os Gregos também resolveram a questão da direção em que caiam os objetos, era em direção ao centro da Terra. Este modelo satisfez os Gregos perfeitamente, pois em suas mentes a esfera era considerada ser a forma geométrica mais perfeita. Os Gregos estavam aplicando basicamente A VERSÃO DOS MÉTODOS CIENTÍFICOS MODERNOS para seus estudos de Astronomia. Suas observações cuidadosas deram condições de formar uma hipótese razoável para explicar fatos observados.

6 Página-03 b)-o movimento do céu. Ainda no campo das observações, os antigos tinham a sensação de que a terra estava parada e o céu é que se movimentava. Como tudo isso começou no Hemisfério Norte, lá era observada uma estrela com uma característica fantástica: Ela estava parada no céu e as outras rodavam em torno dela, era a ESTRELA POLAR. Com esta observação, foi deduzido facilmente que o céu rodava em torno de um eixo o qual passava pela estrela polar, pois isto explicava porque ela estava parada. O CÉU SERIA ENTÃO UMA GRANDE ESFERA CONCENTRICA COM A TERRA, ONDE ESTAVAM LOCALIZADOS TODOS OS ASTROS DO FIRMAMENTO. Era criado o modelo do céu que até hoje é usado em navegação Astronômica: "A ESFERA CELESTE O eixo de rotação do céu cruzava a superfície da terra em dois pontos, que viriam a ser chamados de Pólos, Norte e Sul.

7 Página-04 c)-o problema da determinação da posição no globo terrestre Vamos imaginar a Terra plana, como vemos nos Atlas, o Mapa Mandi. Para criar uma maneira de obter uma posição num plano, necessito de duas operações: i)- Determinar uma "ORIGEM de referência. ii)- A partir da origem definir direções. Definimos uma origem de referência na Terra plana e a partir dela determino quatro direções com duas retas perpendiculares entre si. Poderíamos chama-las as de Norte, Sul, Leste e Oeste. Note que a cada ponto na superfície da Terra plana posso associar um único par de direções e de distâncias. Como exemplo, localizo um ponto genérico A se for dado o par: (100k m Sul, 300k m Oeste) Mas a terra não é plana, ela é uma esfera, então temos que criar um sistema adequado para determinar uma posição na sua superfície. Sigo o mesmo raciocínio anterior, crio uma origem e eixos de referências (direções)

8 Página-05 Para isto tenho que introduzir a seguinte definição: O CIRCULO MÁXIMO Se cortar uma esfera dividindo-a em duas partes iguais, estou criando dois hemisférios. O circulo criado na superfície da esfera devido a este corte é denominado de CÍRCULO MÁXIMO. Então o Equador e os Meridiano são Círculos Máximos. Foi criada a ORIGEM para o sistema terrestre utilizando-se da intersecção da linha do Equador com um Meridiano que passava em Greenwich (O Meridiano de Greenwich) e as DIREÇÕES a partir dessa origem são. Norte, Leste, Sul e Oeste. De novo posso associar a cada ponto da superfície da terra esférica com um par de distâncias e direções. Localizo um ponto genérico "B" se forem dados o par. (1.800 km Sul, km Oeste) mas sabemos que a posição de um ponto é dada por um par de coordenadas. Latitude = 30 S (SuI) Longitude = 60 W (Oeste)

9 Página-06 Como são usados graus em vez de distâncias? A resposta é simples: Foi definida a MILHA NÁUTICA. Se do centro da terra abro um ângulo de um minuto num Meridiano qualquer, a distância do arco na superfície da Terra é definida de UMA MILHA NÁUTICA ou 1852 metros. Note que se cria uma relação entre a medida de distância na superfície da terra e o ângulo no centro da Terra. Formaliza-se o "SISTEMA DE COORDENADAS GEOGRÁFICAS. A qualquer ponto na superfície da Terra posso associar a dupla : Latitude = 0 90 Longitude = 0 l80 SUL NORTE OESTE LESTE

10 Página-07 2-PARTE A Navegação Costeira. Como medir distâncias no mar? Esta é uma pergunta que qualquer mestre deveria responder, mas na verdade esta prática não é muito utilizada, não pela dificuldade, mas pela falta de conhecimento. Encontramos nas cartas náuticas alturas de faróis e de picos de montanhas (que se sobressaem) em relação ao nível do mar. Com a altura de um ponto observado podemos fazer o seguinte desenho: Note que se medirmos o ângulo "q, podemos com uma relação trigonométrica obter a distância "d" que estamos do ponto notável.para se obter a cotg q uso uma calculadora ou as tábuas do ângulo vertical. Como medir o Angulo Vertical θ? Uso um instrumento de medir ângulos chamado SEXTANTE. Ele foi inventado para medir ângulos não só astronômicas como também geográficos. A invenção do Sextante substituiu o antigo Astrolábio e todos os outros instrumentos de medição antigos. Apesar do grande desenvolvimento da navegação oceânica a base de aparelhos eletrônicos, o Sextante representa um instrumento indispensável à navegação e é um elemento de segurança preventiva contra as falhas sempre possíveis da parafernália eletrônica.

11 Página-08 Voltando ao mar, com o sextante nas mãos, determino o Ângulo Vertical de dois pontos notáveis. Um pode ser um farol e o outro o pico mais alto de uma Ilha. Pela fórmula, determino as distâncias e com centro nos pontos notáveis, traço os círculos de posição. Ploto na carta os dois círculos de posição, e onde eles se cruzarem é a posição desejada. Note que tenho como apoio às coordenadas dos dois pontos notáveis, nos quais é centralizado o circulo de posição. Veremos a frente, que em alto mar não temos nenhuma referência visível para obtenção de um ponto como temos em navegação costeira. Vamos usar certamente recursos astronômicos.

12 Página-09 3-PARTE A Navegação Astronômica. Numa situação em alto mar, o que nos parece é estar no meio de um grande pires de onde só se avistam os astros e o horizonte, não tendo nenhum ponto notável para ser usado na determinação da posição. Numa noite limpa, observando o céu em alto mar, temos a impressão de que todas as estrelas estão encravadas numa grande cúpula, e que elas nascem e desaparecem no horizonte. Esta observação levou a criação do modelo do céu como sendo uma grande esfera de raio infinito, a ESFERA CELESTE. Observo ainda que Sol e a Lua também nascem raspando o horizonte, dando a impressão de que eles estão também na esfera celeste. Esta observação dos astros rasparem o horizonte, nos dá a impressão de que o horizonte chega até a Esfera Celeste, isto é, tem raio infinito. O modelo da esfera celeste considera que todos os astros estão em sua superfície. e que o centro da Terra é o centro do Universo.

13 Página-10 Usando este modelo, coloco uma estrela na esfera celeste. Se ligar a estrela com o centro da terra, num certo instante, observo que esta linha marca um ponto na superfície da terra, este ponto é chamado de PONTO GEOGRÁFICO ou o PG ". Como o "PG" é um ponto localizado na superfície da terra posso associar a ele uma Latitude e uma Longitude. Como obter a "PG"? Para se obter o "PG" num certo instante, temos o ALMANAQUE NAUTICO, que é uma publicação editada pela Marinha. O "PG" é o ponto notável que estávamos procurando na carta para ser usado como ponto de apoio. Exatamente como foi feito no 2-parte. Lembre que na navegação costeira, para determinar a distância que estávamos do farol, medimos com o sextante o ângulo vertical do farol e usamos a sua altura que foi tirada da carta. Numa situação de alto mar, temos no barco o sextante e lá fora só temos o horizonte e os astros. O que significará, se medirmos o ângulo que a estrela faz com o horizonte. Este ângulo é denominado de ALTURA da estrela.

14 Página-11 RESUMO: Com o almanaque Náutico obtenho o "PG" da estrela. Com o sextante obtenho a "ALTURA da estrela em relação ao horizonte. Com estes dois dados uso o seguinte raciocínio: Está-se sobre o"pg" implica que a estrela esta sobre minha cabeça,ou que a altura é de 90. Se me afasto do "PG" (supondo que a esfera celeste está parada) a altura da estrela vai diminuindo até que ela fique beirando o horizonte, isto é, sua altura será de 0. Conclusão: Quanto mais afastado estivermos do "PG" menor a ALTURA da ESTRELA. Se fizermos um desenho disto tudo, notamos que a distância que estamos do "PG" é exatamente o arco do ângulo formado no centro da Terra entre o observador e o "PG. Mas surpreendentemente verifico que esta distância está relacionada com a altura da estrela por um ângulo de 90.

15 Página-12 Isto significa que quando tiro a altura de um astro, estou medindo a um ângulo que convertido em distância pela definição da milha náutica, será a distância que estou do "PG". Com a distância e compasso no "PG", posso traçar um circulo de posição, exatamente da mesma forma como fizemos na obtenção do circulo de posição na navegação costeira. Em alto mar teremos que medir no mínimo três estrelas simultaneamente, para obter três círculos de posição, traçados dos respectivos "PG"'s. A interseção dos três círculos será a posição obtida. O PRINCÍPIO BÁSICO DA NAVEGAÇÃO ASTRONÔMICA SE RESUME NA OBTENÇÃO, NUM CERTO INSTANTE, DA ALTURA DE UM ASTRO E DO "PG", USANDO RESPECTIVAMENTE, O RELÓGIO, O SEXTANTE E O ALMANAQUE NÁUTICO. Fim da apresentação

COMBINAÇÃO DOS SISTEMAS DE COORDENADAS UTILIZADOS EM NAVEGAÇÃO ASTRONÔMICA. O TRIÂNGULO ASTRONÔMICO OU TRIÂNGULO DE POSIÇÃO

COMBINAÇÃO DOS SISTEMAS DE COORDENADAS UTILIZADOS EM NAVEGAÇÃO ASTRONÔMICA. O TRIÂNGULO ASTRONÔMICO OU TRIÂNGULO DE POSIÇÃO COMBINAÇÃO DOS SISTEMAS DE COORDENADAS UTILIZADOS EM NAVEGAÇÃO ASTRONÔMICA. O TRIÂNGULO ASTRONÔMICO OU TRIÂNGULO DE POSIÇÃO 20 20.1 PROCESSO DE OBTENÇÃO DE LINHAS DE POSIÇÃO (LDP) E DE UMA POSIÇÃO ASTRONÔMICA

Leia mais

SISTEMAS DE 18 COORDENADAS UTILIZADOS EM ASTRONOMIA NÁUTICA E NAVEGAÇÃO ASTRONÔMICA

SISTEMAS DE 18 COORDENADAS UTILIZADOS EM ASTRONOMIA NÁUTICA E NAVEGAÇÃO ASTRONÔMICA SISTEMAS DE 18 COORDENADAS UTILIZADOS EM ASTRONOMIA NÁUTICA E NAVEGAÇÃO ASTRONÔMICA 18.1 CONCEITOS FUNDAMENTAIS Conforme visto no capítulo anterior, para determinar a posição de qualquer ponto na superfície

Leia mais

Introdução À Astronomia e Astrofísica 2010

Introdução À Astronomia e Astrofísica 2010 CAPÍTULO 1 ESFERA CELESTE E O SISTEMA DE COORDENADAS Esfera Celeste. Sistema de Coordenadas. Coordenadas Astronómicas. Sistema Horizontal. Sistema Equatorial Celeste. Sistema Equatorial Horário. Tempo

Leia mais

ÓRBITA ILUMINADA HU F 152/ NT4091

ÓRBITA ILUMINADA HU F 152/ NT4091 ÓRBITA ILUMINADA HU F 152/ NT4091 INTRODUÇÃO Trata-se de um modelo científico de trabalho, representando o Sol, a Terra e a Lua, e mostrando como estes se relacionam entre si. Foi concebido para mostrar

Leia mais

NASCER E PÔR-DO-SOL E DA LUA. CREPÚSCULOS

NASCER E PÔR-DO-SOL E DA LUA. CREPÚSCULOS 24 NASCER E PÔR-DO-SOL E DA LUA. CREPÚSCULOS 24.1 IMPORTÂNCIA DO CONHECIMENTO DOS INSTANTES DO NASCER E DO PÔR-DO-SOL E DA LUA, E DA DURAÇÃO DOS CREPÚSCULOS Em Navegação Astronômica, é importante conhecer

Leia mais

Elementos de Astronomia

Elementos de Astronomia Elementos de Astronomia Astronomia Antiga, Esfera Celeste, Coordenadas e Movimento Diurno dos Astros Rogemar A. Riffel Sala 1316 e-mail: rogemar@ufsm.br http://www.ufsm.br/rogemar/ensino.html Por que estudar

Leia mais

Encontrando o seu lugar na Terra

Encontrando o seu lugar na Terra Encontrando o seu lugar na Terra A UU L AL A Nesta aula vamos aprender que a Terra tem a forma de uma esfera, e que é possível indicar e localizar qualquer lugar em sua superfície utilizando suas coordenadas

Leia mais

A Escola e o Relógio de Sol Resumo

A Escola e o Relógio de Sol Resumo Universidade Federal de São Carlos Centro de Ciências Exatas e de Tecnologia Departamento de Matemática A Escola e o Relógio de Sol Resumo Autora: Raquel Duarte de Souza Orientador: Prof. Dr. José Antônio

Leia mais

Sistemas de coordenadas e tempo. 1 Sistema de coordenadas horizontal local

Sistemas de coordenadas e tempo. 1 Sistema de coordenadas horizontal local José Laurindo Sobrinho Grupo de Astronomia da Universidade da Madeira Fevereiro 2014 Sistemas de coordenadas e tempo 1 Sistema de coordenadas horizontal local O sistema de coordenadas horizontal local

Leia mais

Movimento Annual do Sol, Fases da Lua e Eclipses

Movimento Annual do Sol, Fases da Lua e Eclipses Movimento Annual do Sol, Fases da Lua e Eclipses FIS02010 Professora Ana Chies Santos IF/UFRGS https://anachiessantos.wordpress.com/ensino/fis02010/ Facebook #AstroUFRGS Relembrando... Sistemas de Coordenadas

Leia mais

Coordenadas Geográficas

Coordenadas Geográficas Orientação A rosa-dos-ventos possibilita encontrar a direção de qualquer ponto da linha do horizonte. Por convenção internacional, a língua inglesa é utilizada como padrão, portanto o Leste muitas vezes

Leia mais

17º Congresso de Iniciação Científica O CONHECIMENTO GEOMÉTRICO EM PORTUGAL NO SÉCULO XVI E SUAS APLICAÇÕES NA CARTOGRAFIA MARÍTIMA

17º Congresso de Iniciação Científica O CONHECIMENTO GEOMÉTRICO EM PORTUGAL NO SÉCULO XVI E SUAS APLICAÇÕES NA CARTOGRAFIA MARÍTIMA 17º Congresso de Iniciação Científica O CONHECIMENTO GEOMÉTRICO EM PORTUGAL NO SÉCULO XVI E SUAS APLICAÇÕES NA CARTOGRAFIA MARÍTIMA Autor(es) FLÁVIA DE ALMEIDA LUCATTI Orientador(es) JOANA DARC DA SILVA

Leia mais

Introdução À Astronomia e Astrofísica 2010

Introdução À Astronomia e Astrofísica 2010 CAPÍTULO 3 ESTAÇÕES DO ANO E INSOLAÇÃO SOLAR. Movimento Anual do Sol e as Estações do Ano. Estação em diferentes latitudes. Insolação Solar. Recapitulando a aula anterior: Capítulo 2 Trigonometria Esférica

Leia mais

Fundamentação Teórica

Fundamentação Teórica Fundamentação Teórica Etimologicamente significa, buscar o oriente. Orientar-se sempre foi uma das preocupações básicas do ser humano e se justificava inicialmente pela busca de e de. No decorrer do tempo

Leia mais

I Seminário SIGCidades: Cadastro Territorial Multifinalitário. Fundamentos de Cartografia aplicados aos SIGs

I Seminário SIGCidades: Cadastro Territorial Multifinalitário. Fundamentos de Cartografia aplicados aos SIGs I Seminário SIGCidades: Cadastro Territorial Multifinalitário Fundamentos de Cartografia aplicados aos SIGs 1. FORMA DA TERRA Geóide Elipsóide Esfera Modelos de representação da Terra O modelo que mais

Leia mais

RADIAÇÃO SOLAR E TERRESTRE. Capítulo 3 Meteorologia Básica e Aplicações (Vianello e Alves)

RADIAÇÃO SOLAR E TERRESTRE. Capítulo 3 Meteorologia Básica e Aplicações (Vianello e Alves) RADIAÇÃO SOLAR E TERRESTRE Capítulo 3 Meteorologia Básica e Aplicações (Vianello e Alves) INTRODUÇÃO A Radiação Solar é a maior fonte de energia para a Terra, sendo o principal elemento meteorológico,

Leia mais

Geografia/15 6º ano Turma: 1º trimestre Nome: Data: / / RECUPERAÇÃO FINAL 2015 GEOGRAFIA 6º ano

Geografia/15 6º ano Turma: 1º trimestre Nome: Data: / / RECUPERAÇÃO FINAL 2015 GEOGRAFIA 6º ano Geografia/15 6º ano Turma: 1º trimestre Nome: Data: / / 6ºgeo301r RECUPERAÇÃO FINAL 2015 GEOGRAFIA 6º ano Querido(a) Aluno(a) No primeiro trimestre buscamos entender o surgimento da Geografia, sua contribuição

Leia mais

RESUMO O trabalho apresenta resultados de um estudo sobre o texto A Geometria do Globo Terrestre

RESUMO O trabalho apresenta resultados de um estudo sobre o texto A Geometria do Globo Terrestre Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 43 O ÂNGULO DE ELEVAÇÃO DO SOL E A ENERGIA SOLAR Antonio da Silva Gomes Júnior 1, José Paulo Rodrigues da Silveira,

Leia mais

SOCIEDADE ASTRONÔMICA BRASILEIRA SAB VII Olimpíada Brasileira de Astronomia VII OBA - 2004 Gabarito do nível 3 (para alunos da 5ª à 8ª série)

SOCIEDADE ASTRONÔMICA BRASILEIRA SAB VII Olimpíada Brasileira de Astronomia VII OBA - 2004 Gabarito do nível 3 (para alunos da 5ª à 8ª série) SOCIEDADE ASTRONÔMICA BRASILEIRA SAB VII Olimpíada Brasileira de Astronomia VII OBA - 2004 Gabarito do nível 3 (para alunos da 5ª à 8ª série) Questão 1) (1 ponto) Como você já deve saber o sistema solar

Leia mais

HISTORIA da GEODESIA. Geodesia na Antiguidade Idade Média na Geodesia O Renascimento na Geodesia A era Moderna na Geodesia

HISTORIA da GEODESIA. Geodesia na Antiguidade Idade Média na Geodesia O Renascimento na Geodesia A era Moderna na Geodesia HISTORIA da GEODESIA Idade Média na Geodesia O Renascimento na Geodesia A era Moderna na Geodesia É a mais antiga das Ciências da Terra (geociência) Compreender a geometria da Terra... observando o céu!

Leia mais

Movimento Anual do Sol, Fases da Lua e Eclipses

Movimento Anual do Sol, Fases da Lua e Eclipses Elementos de Astronomia Movimento Anual do Sol, Fases da Lua e Eclipses Rogemar A. Riffel Sol, Terra e Lua Movimento Diurno do Sol Relembrando a aula passada De leste para oeste; O círculo diurno do Sol

Leia mais

A = Alexandria S = Sienne. AS = 800 km estaca. AÊB = SÔA (alternos internos) AÊB = 7 12' AS = 7 12' B A. raios do Sol ao meio dia solar

A = Alexandria S = Sienne. AS = 800 km estaca. AÊB = SÔA (alternos internos) AÊB = 7 12' AS = 7 12' B A. raios do Sol ao meio dia solar Determinação experimental do perímetro da Terra e outras propostas de experiências envolvendo o ol e as suas sombras 1 eguem-se propostas de actividades, pensadas para serem concretizadas por professores

Leia mais

A Terra gira... Nesta aula vamos aprender um pouco mais. sobre o movimento que a Terra realiza em torno do seu eixo: o movimento de

A Terra gira... Nesta aula vamos aprender um pouco mais. sobre o movimento que a Terra realiza em torno do seu eixo: o movimento de A U A U L L A A Terra gira... Nesta aula vamos aprender um pouco mais sobre o movimento que a Terra realiza em torno do seu eixo: o movimento de rotação. É esse movimento que dá origem à sucessão dos dias

Leia mais

LATITUDE, LONGITUDE E GPS

LATITUDE, LONGITUDE E GPS LATITUDE, LONGITUDE E GPS Anselmo Lazaro Branco* ENTENDA O QUE É LATITUDE, LONGITUDE, E COMO FUNCIONA UM APARELHO DE GPS. GPS O GPS é um aparelho digital de localização, que determinada a posição exata

Leia mais

muito como cartas náuticas faça para o watercraft, ou o a mapa rodoviário para excitadores. Usando estas cartas e outras ferramentas pilotos possa

muito como cartas náuticas faça para o watercraft, ou o a mapa rodoviário para excitadores. Usando estas cartas e outras ferramentas pilotos possa Carta Aeronáutica é a mapa projetou ajudar dentro navegação de avião, muito como cartas náuticas faça para o watercraft, ou o a mapa rodoviário para excitadores. Usando estas cartas e outras ferramentas

Leia mais

PROVA COMENTADA GEOGRAFIA/ ÍRIS TIPO B

PROVA COMENTADA GEOGRAFIA/ ÍRIS TIPO B PROVA COMENTADA GEOGRAFIA/ ÍRIS TIPO B Questão 1 A partir de seus conhecimentos sobre projeções cartográficas e analisando a que foi utilizada no mapa a seguir, você pode inferir que se trata da projeção:

Leia mais

O PROBLEMA GERAL DA NAVEGAÇÃO

O PROBLEMA GERAL DA NAVEGAÇÃO 1 O PROBLEMA GERAL DA NAVEGAÇÃO 1.1 DEFINIÇÃO; FORMAS; SEQÜÊNCIA BÁSICA DAS ATIVIDADES Entre as várias definições de navegação, uma que apresenta com precisão os principais aspectos envolvidos na questão

Leia mais

16 Comprimento e área do círculo

16 Comprimento e área do círculo A UA UL LA Comprimento e área do círculo Introdução Nesta aula vamos aprender um pouco mais sobre o círculo, que começou a ser estudado há aproximadamente 4000 anos. Os círculos fazem parte do seu dia-a-dia.

Leia mais

Introdução à Astronomia Semestre: 2015.1

Introdução à Astronomia Semestre: 2015.1 Introdução à Astronomia Semestre: 2015.1 Sergio Scarano Jr 22/10/2013 Coordenadas Altazimutais Zênite Z z 0 o A < 360 o [Ñ] -90 o h +90 o [Z] L A [Z] 0 o z 180 o [Ñ] N Plano do Horizonte h S W A = azimute

Leia mais

Plataforma Equatorial

Plataforma Equatorial Projecto Com a Cabeça na Lua OASA - Observatório Astronómico de Santana Açores Plataforma Equatorial Princípios fundamentais Utilização das Coordenadas Astronómicas Em geometria, sabemos que um sistema

Leia mais

Centro Educacional Juscelino Kubitschek

Centro Educacional Juscelino Kubitschek Centro Educacional Juscelino Kubitschek ALUNO: N.º: DATA: / /2011 ENSINO FUNDAMENTAL SÉRIE: 5ª SÉRIE / 6º ANO DISCIPLINA: GEOGRAFIA PROFESSOR: Equipe de Geografia CAROS ALUNOS (AS): Roteiro de Estudos

Leia mais

A HORA PELO MUNDO. Inicial

A HORA PELO MUNDO. Inicial Inicial Até o final do século XIX, cada cidade utilizava um sistema de horas exclusivo, baseado no momento em que o Sol atingia o ponto mais alto no céu. Nesse instante, era meio-dia na cidade. A marcação

Leia mais

Grupo de trabalho: OBJECTIVOS. Realizar actividades em parceria com outras escolas.

Grupo de trabalho: OBJECTIVOS. Realizar actividades em parceria com outras escolas. FAZER HISTÓRIA: descobrir o valor do raio da Terra e estimar a distância à Lua Data: / / Grupo de trabalho: OBJECTIVOS Relacionar a sombra projectada pelo Sol em lugares com diferentes latitudes, para

Leia mais

Topografia. Conceitos Básicos. Prof.: Alexandre Villaça Diniz - 2004-

Topografia. Conceitos Básicos. Prof.: Alexandre Villaça Diniz - 2004- Topografia Conceitos Básicos Prof.: Alexandre Villaça Diniz - 2004- 1 ÍNDICE ÍNDICE...1 CAPÍTULO 1 - Conceitos Básicos...2 1. Definição...2 1.1 - A Planta Topográfica...2 1.2 - A Locação da Obra...4 2.

Leia mais

CARTOGRAFIA APLICADA AO E SI O DE HISTÓRIA. Ivison de Souza Silva 1, Universidade Federal de Alagoas.

CARTOGRAFIA APLICADA AO E SI O DE HISTÓRIA. Ivison de Souza Silva 1, Universidade Federal de Alagoas. CARTOGRAFIA APLICADA AO E SI O DE HISTÓRIA Ivison de Souza Silva 1, Universidade Federal de Alagoas. Resumo: Esse trabalho trata da necessidade do uso da Ciência Cartográfica para o entendimento da História,

Leia mais

O Q U E É U M REL Ó G I O DE S O L? Relógio de Sol é um instrumento que determina as divisões. do dia através do movimento da sombra de um objecto, o

O Q U E É U M REL Ó G I O DE S O L? Relógio de Sol é um instrumento que determina as divisões. do dia através do movimento da sombra de um objecto, o O Q U E É U M REL Ó G I O DE S O L? Relógio de Sol é um instrumento que determina as divisões do dia através do movimento da sombra de um objecto, o gnómon, sobre o qual incidem os raios solares e que

Leia mais

CONSTRUIR E UTILIZAR UM ASTROLÁBIO SIMPLES

CONSTRUIR E UTILIZAR UM ASTROLÁBIO SIMPLES CONSTRUIR E UTILIZAR UM ASTROLÁBIO SIMPLES INTRODUÇÃO O astrolábio é um instrumento que serve para medir ângulos. Foi bastante utilizado no passado por exemplo pelos navegadores do tempo dos Descobrimentos

Leia mais

Planetário de pobre. Introdução. Materiais Necessários. Vamos simular e entender o movimento da abóbada celeste com uma montagem simples e barata.

Planetário de pobre. Introdução. Materiais Necessários. Vamos simular e entender o movimento da abóbada celeste com uma montagem simples e barata. dução Vamos simular e entender o movimento da abóbada celeste com uma montagem simples e barata. Retirado de Rodolfo Caniato, O Céu, ed. Ática, 1990. Cadastrada por Lucas Assis Material - onde encontrar

Leia mais

Questão 01) A linha imaginária que circula a Terra a 23 27 de latitude norte denomina-se:

Questão 01) A linha imaginária que circula a Terra a 23 27 de latitude norte denomina-se: Lista de Exercícios Pré Universitário Uni-Anhanguera Aluno(a): Nº. Professor: Anderson José Soares Série: 1º Disciplina: GEOGRAFIA Data da prova: 22/02/14 Questão 01) A linha imaginária que circula a Terra

Leia mais

Medindo a Terra com Sombras

Medindo a Terra com Sombras Projecto apresentado no XI Encontro Nacional de Estudantes de Física, Faculdade de Ciências da Universidade do Porto, 27 Fevereiro - 1 Março de 2009, resultante de uma parceria entre a Sociedade Portuguesa

Leia mais

Insígnia de Competência de Astrónomo Alguns apontamentos para Exploradores

Insígnia de Competência de Astrónomo Alguns apontamentos para Exploradores Insígnia de Competência de Astrónomo Alguns apontamentos para Exploradores 1 Conhecer a influência do sol, terra e lua nas estações do ano (exs: culturas, flores, frutos, árvores, entre outros) 2 Conhecer

Leia mais

O que são satélites? Existem 2 tipos de satélite, são os satélites naturais e satélites artificiais.

O que são satélites? Existem 2 tipos de satélite, são os satélites naturais e satélites artificiais. O que são satélites? Existem 2 tipos de satélite, são os satélites naturais e satélites artificiais. Satélites naturais são: a Lua que gravita em torno da Terra. Satélites artificiais são: dispositivos,

Leia mais

Palavras-Chave: Sistema de Posicionamento Global. Sistemas de Localização Espacial. Equação de Superfícies Esféricas.

Palavras-Chave: Sistema de Posicionamento Global. Sistemas de Localização Espacial. Equação de Superfícies Esféricas. METODOS MATEMÁTICOS PARA DEFINIÇÃO DE POSICIONAMENTO Alberto Moi 1 Rodrigo Couto Moreira¹ Resumo Marina Geremia¹ O GPS é uma tecnologia cada vez mais presente em nossas vidas, sendo que são inúmeras as

Leia mais

ASTRO 3D: UMA FERRAMENTA PARA O ENSINO DE ASTRONOMIA

ASTRO 3D: UMA FERRAMENTA PARA O ENSINO DE ASTRONOMIA 0 ASTRO 3D: UMA FERRAMENTA PARA O ENSINO DE ASTRONOMIA Eliza M. Silva 1, Rafael B. Botelho, Artur Justiniano, Paulo A. Bresan. Universidade Federal de Alfenas UNIFAL-MG Resumo O Ensino de Astronomia está

Leia mais

Engenharia Civil Topografia e Geodésia. Curso Técnico em Edificações Topografia GEODÉSIA

Engenharia Civil Topografia e Geodésia. Curso Técnico em Edificações Topografia GEODÉSIA e Geodésia GEODÉSIA e Geodésia GEODÉSIA O termo Geodésia, em grego Geo = terra, désia = 'divisões' ou 'eu divido', foi usado, pela primeira vez, por Aristóteles (384-322 a.c.), e pode significar tanto

Leia mais

Hoje adota novas tecnologias no posicionamento geodésico, como por exemplo o Sistema de Posicionamento Global (GPS)

Hoje adota novas tecnologias no posicionamento geodésico, como por exemplo o Sistema de Posicionamento Global (GPS) Geodésia A Geodésia é uma ciência que se ocupa do estudo da forma e tamanho da Terra no aspecto geométrico e com o estudo de certos fenômenos físicos relativos ao campo gravitacional terrestre, visando

Leia mais

GPS GLOBAL POSITION SYSTEM

GPS GLOBAL POSITION SYSTEM FUNDAMENTOS DA NAVEGAÇÃO ELETRÔNICA GPS GLOBAL POSITION SYSTEM ECOBATÍMETRO FISHFINDER AUTOR: PROF. DR. FABIO GONÇALVES DOS REIS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP EDIÇÃO REVISADA BRASIL 2004 6

Leia mais

A abordagem do assunto será feita inicialmente explorando uma curva bastante conhecida: a circunferência. Escolheremos como y

A abordagem do assunto será feita inicialmente explorando uma curva bastante conhecida: a circunferência. Escolheremos como y 5 Taxa de Variação Neste capítulo faremos uso da derivada para resolver certos tipos de problemas relacionados com algumas aplicações físicas e geométricas. Nessas aplicações nem sempre as funções envolvidas

Leia mais

GABARITO PROVA DO NÍVEL 3 (Para alunos do 6 º ao 9 º ano do Ensino Fundamental) XVII OBA - 2014

GABARITO PROVA DO NÍVEL 3 (Para alunos do 6 º ao 9 º ano do Ensino Fundamental) XVII OBA - 2014 GABARITO PROVA DO NÍVEL 3 (Para alunos do 6 º ao 9 º ano do Ensino Fundamental) XVII OBA - 2014 Nota de Astronomia: Nota de Astronáutica: Nota Final: Observação: A Nota Final é a soma das notas de Astronomia

Leia mais

COLÉGIO JOÃO PAULO I GEOGRAFIA - EXERCÍCIOS PARA TRIMESTRAL 1

COLÉGIO JOÃO PAULO I GEOGRAFIA - EXERCÍCIOS PARA TRIMESTRAL 1 COLÉGIO JOÃO PAULO I GEOGRAFIA - EXERCÍCIOS PARA TRIMESTRAL 1 Professor(a): Richard 1) Sobre as coordenadas geográficas, assinale a alternativa correta. a) A longitude é determinada pelo ângulo formado

Leia mais

Mecânica do Sistema Solar

Mecânica do Sistema Solar Mecânica do Sistema Solar IFSP Vicente Barros Mais informações em Click to edit Masterhttp://astro.if.ufrgs.br/index.htm subtitle style Curiosidades - Posição da ISS http://spotthestation.nasa.gov/ Nosso

Leia mais

I Olimpíada Brasileira de Astronomia Brasil, 22 de agosto de 1998. Nível 1 GABARITO OFICIAL

I Olimpíada Brasileira de Astronomia Brasil, 22 de agosto de 1998. Nível 1 GABARITO OFICIAL I Olimpíada Brasileira de Astronomia Brasil, 22 de agosto de 1998. Nível 1 GABARITO OFICIAL Questão 1 a) (VALOR: 0,2 pts) Quais os planetas do Sistema Solar que têm sistema de anéis? R: Saturno, Júpiter,

Leia mais

AULA O4 COORDENADAS GEOGRÁFICAS E FUSOS HORÁRIOS

AULA O4 COORDENADAS GEOGRÁFICAS E FUSOS HORÁRIOS AULA O4 COORDENADAS GEOGRÁFICAS E FUSOS HORÁRIOS As coordenadas geográficas são de suma importância pra Geografia, pois a partir delas é possível localizar qualquer ponto na superfície terrestre. Devemos

Leia mais

Esfera e Sólidos Redondos Área da Esfera. Volume da Esfera

Esfera e Sólidos Redondos Área da Esfera. Volume da Esfera Aula n ọ 04 Esfera e Sólidos Redondos Área da Esfera A área de uma esfera é a medida de sua superfície. Podemos dizer que sua área é igual a quatro vezes a área de um círculo máximo, ou seja: eixo R O

Leia mais

Localização de um lugar relativamente a outros locais, conhecidos.

Localização de um lugar relativamente a outros locais, conhecidos. Localização de um lugar relativamente a outros locais, utilizando pontos de referência conhecidos. Indicação de edifícios/construções conhecidas (da casa de um amigo, de uma Igreja, de uma rotunda, de

Leia mais

Introdução À Astronomia e Astrofísica 2010

Introdução À Astronomia e Astrofísica 2010 CAPÍTULO 5 LUA E SUAS FASES. ECLIPSES. Lua. Fases da Lua. Sombra de um Corpo Extenso. Linha dos Nodos. Eclipses do Sol. Eclipses da Lua. Temporada de Eclipses. Saros. Recapitulando a aula anterior: Capítulo

Leia mais

Coordenadas Geográficas e Projeções Cartográficas. Prof. Bruno

Coordenadas Geográficas e Projeções Cartográficas. Prof. Bruno Coordenadas Geográficas e Projeções Cartográficas Prof. Bruno Paralelos Linhas Imaginárias que cortam o mundo no sentido horizontal Latitude É a medida do ângulo dos Paralelos. Varia de 0 a 90 graus, de

Leia mais

Aula 1. Atividades. V. A cartografia é a arte que tem o interesse de explicar a origem do planeta Terra. Estão corretas: e) II, IV e V.

Aula 1. Atividades. V. A cartografia é a arte que tem o interesse de explicar a origem do planeta Terra. Estão corretas: e) II, IV e V. Aula 1 1. Atividades A palavra cartografia é relativamente nova, sendo utilizada pela primeira vez em 8 de dezembro de 1839. Seu uso aconteceu na carta escrita em Paris, enviada pelo português Visconde

Leia mais

AULA 4 SISTEMAS DE REFERÊNCIA

AULA 4 SISTEMAS DE REFERÊNCIA AULA 4 SISTEMAS DE REFERÊNCIA Objetivos TOPOGRAFIA Gerais Visão geral de Sistemas de Referência Específicos Sistemas de Coordenadas; Sistema de Referência; Datum Geodésico; Sistemas de Referência De acordo

Leia mais

Sistemas de Coordenadas:

Sistemas de Coordenadas: Necessários para expressar a posição de pontos sobre a superfície (elipsóide, esfera, plano). Î Para o Elipsóide, empregamos o Sistema de Coordenadas Cartesiano e Curvilíneo: PARALELOS E MERIDIANOS. Î

Leia mais

REPRESE TAÇÃO SIMPLIFICADA DAS FASES DA LUA

REPRESE TAÇÃO SIMPLIFICADA DAS FASES DA LUA FASES DA LUA O ASPECTO DA LUA SE MODIFICA DIARIAMENTE. Mas isso se deve tão somente a posição relativa da Lua, Terra e Sol. A cada dia o Sol ilumina a Lua sob um ângulo diferente, à medida que ela se desloca

Leia mais

A TERRA E SEUS MOVIMENTOS. A ESFERA CELESTE

A TERRA E SEUS MOVIMENTOS. A ESFERA CELESTE 17 A TERRA E SEUS MOVIMENTOS. A ESFERA CELESTE 17.1 A TERRA 17.1.1 FORMA E DIMENSÕES. A ESFERA TERRESTRE Primeiramente, o homem imaginou a Terra como uma superfície plana, pois era assim que ele a via.

Leia mais

Eu não nasci de óculos!

Eu não nasci de óculos! A U A UL LA Eu não nasci de óculos! Enquanto Roberto conversa com Gaspar, Ernesto coloca os óculos de Roberto e exclama: - Puxa, estou enxergando tudo embaralhado. Tudo meio turvo! - É como você tivesse

Leia mais

2. (UFRN) Analise a figura abaixo e assinale a opção que corresponde, respectivamente, às coordenadas geográficas dos pontos X e Z.

2. (UFRN) Analise a figura abaixo e assinale a opção que corresponde, respectivamente, às coordenadas geográficas dos pontos X e Z. Lista de exercícios de Coordenadas Geográficas Professor: Jair Henrique 1.Examine atentamente as sentenças a seguir e assinale o grupo das que lhe parecerem corretas. 1 - Paralelamente ao Equador ficam

Leia mais

A figura da Terra. Da esfera ao Geóide (passando pelo elipsóide)

A figura da Terra. Da esfera ao Geóide (passando pelo elipsóide) A figura da Terra Da esfera ao Geóide (passando pelo elipsóide) Uma primeira aproximação: a Terra esférica Esfera: Superfície curva fechada cujos pontos se encontram todos a igual distância, R, de um ponto

Leia mais

Cálculo das Retas de Altura pelas Tábuas para Navegação Astronômica Figura 28.13 Extrato da PUB.229

Cálculo das Retas de Altura pelas Tábuas para Navegação Astronômica Figura 28.13 Extrato da PUB.229 Figura 28.13 Extrato da PUB.229 906 28.3. RESOLUÇÃO DO TRIÂNGULO DE POSIÇÃO PELAS PUB.249 SIGHT REDUCTION TABLES FOR AIR NAVIGATION a. INTRODUÇÃO Embora originalmente destinadas à navegação aérea, as PUB.249

Leia mais

Conjuntos Numéricos. É um subconjunto de números naturais que possuem exatamente dois divisores: o número 1 e ele mesmo. { }

Conjuntos Numéricos. É um subconjunto de números naturais que possuem exatamente dois divisores: o número 1 e ele mesmo. { } CURSO: ASTRONOMIA APLICADA À NAVEGAÇÃO PROFESSOR: ALEXANDRE RIBEIRO ANDRADE MÓDULO 1: MATEMÁTICA APLICADA NA ASTRONOMIA NÁUTICA Apostila 1: Sistema de Unidades utilizadas na Navegação e na Astronomia,

Leia mais

As aventuras do Geodetetive 5: Como viajar e chegar no dia anterior. Série Matemática na Escola

As aventuras do Geodetetive 5: Como viajar e chegar no dia anterior. Série Matemática na Escola As aventuras do Geodetetive 5: Como viajar e chegar no dia anterior. Série Matemática na Escola Objetivos 1. Mostrar como são estabelecidos os fusos horários e fatos a estes relacionados. 2. Apresentar

Leia mais

GEOGRAFIA DO BRASIL Cartografia

GEOGRAFIA DO BRASIL Cartografia GEOGRAFIA DO BRASIL Cartografia 1 Cartografia Referências Geográficas Grande São Paulo 2 Cartografia Referências Geográficas Porque é importante conhecer? 3 Cartografia Referências Geográficas Porque é

Leia mais

Astronomia/Kepler. As hipóteses de Kepler [editar] Colaborações com Tycho Brahe [editar]

Astronomia/Kepler. As hipóteses de Kepler [editar] Colaborações com Tycho Brahe [editar] Astronomia/Kepler < Astronomia Astronomia Uma das importantes personagens da Astronomia foi Johannes Kepler.. Como muitos astrônomos de sua época, Kepler era também um astrólogo e uma de suas crenças fundamentais

Leia mais

IBM1018 Física Básica II FFCLRP USP Prof. Antônio Roque Aula 4

IBM1018 Física Básica II FFCLRP USP Prof. Antônio Roque Aula 4 Lei de Gauss Considere uma distribuição arbitrária de cargas ou um corpo carregado no espaço. Imagine agora uma superfície fechada qualquer envolvendo essa distribuição ou corpo. A superfície é imaginária,

Leia mais

QUE HORAS SÃO? Neuza Machado Vieira Professora Assistente Doutora (aposentada) em Geografia da Faculdade de Ciências Humanas e Sociais UNESP/Franca

QUE HORAS SÃO? Neuza Machado Vieira Professora Assistente Doutora (aposentada) em Geografia da Faculdade de Ciências Humanas e Sociais UNESP/Franca QUE HORAS SÃO? Analúcia Bueno dos Reis Giometti Professora Doutora Titular do Departamento de Educação, Ciências Sociais e Políticas Públicas da Faculdade de História, Direito e Serviço Social UNESP/Franca.

Leia mais

Aula 12 O SISTEMA UTM, A CARTA INTERNACIONAL AO MILIONÉSIMO E O DESDOBRAMENTO DAS FOLHAS TOPOGRÁFICAS

Aula 12 O SISTEMA UTM, A CARTA INTERNACIONAL AO MILIONÉSIMO E O DESDOBRAMENTO DAS FOLHAS TOPOGRÁFICAS Aula 12 O SISTEMA UTM, A CARTA INTERNACIONAL AO MILIONÉSIMO E O DESDOBRAMENTO DAS FOLHAS TOPOGRÁFICAS META Apresentar o sistema UTM como forma de localização dos elementos terrestres e a composição das

Leia mais

Estudos Ambientais. Aula 4 - Cartografia

Estudos Ambientais. Aula 4 - Cartografia Estudos Ambientais Aula 4 - Cartografia Objetivos da aula Importância da cartografia; Conceitos cartográficos. O que é cartografia Organização, apresentação, comunicação e utilização da geoinformação nas

Leia mais

Horário solar aparente Horário solar aparente tempo solar aparente

Horário solar aparente Horário solar aparente tempo solar aparente Horário solar aparente Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. http://pt.wikipedia.org/wiki/hor%c3%a1rio_solar_aparente Acesso em 15 de novembro de 2011 Horário solar aparente, ou tempo solar aparente,

Leia mais

Movimentos da Terra e suas consequências

Movimentos da Terra e suas consequências Movimentos da Terra e suas consequências Movimentos da Terra A Terra descreve, como todos os outros planetas principais do Sistema Solar: Movimento de rotação movimento em torno de si própria, em volta

Leia mais

GABARITO DA PROVA OLÍMPICA DO NÍVEL II DA II OBA

GABARITO DA PROVA OLÍMPICA DO NÍVEL II DA II OBA 1. A astronomia estuda tudo que está fora da Terra, como por exemplo, os planetas, as estrelas, os cometas, as galáxias, as constelações, os movimentos destes corpos, etc. Para observar estes corpos basta

Leia mais

ORIENTAÇÃO E LOCALIZAÇÃO

ORIENTAÇÃO E LOCALIZAÇÃO ORIENTAÇÃO E LOCALIZAÇÃO Para se orientar o homem teve de desenvolver sua capacidade de observação. Observando a natureza o homem percebeu que o Sol aparece todas as manhãs aproximadamente, num mesmo lado

Leia mais

Espelho, espelho meu...

Espelho, espelho meu... A UU L AL A Espelho, espelho meu... No meio do trânsito ouve-se a sirene da ambulância. Ernesto vira-se e pergunta ao pai: - Por que as letras escritas no capô da ambulância estão todas invertidas? Figura

Leia mais

LABORATÓRIO DE GEOPROCESSAMENTO DIDÁTIC

LABORATÓRIO DE GEOPROCESSAMENTO DIDÁTIC LABORATÓRIO DE GEOPROCESSAMENTO DIDÁTICO Professora: Selma Regina Aranha Ribeiro Estagiários: Ricardo Kwiatkowski Silva / Carlos André Batista de Mello DEFINIÇÃO DE DECLINAÇÃO MAGNÉTICA Muitas pessoas

Leia mais

Lista de Geografia I Data da entrega: 21/03/2016

Lista de Geografia I Data da entrega: 21/03/2016 Lista de Geografia I Data da entrega: 21/03/2016 Questão 01) Aparecida de Goiânia, / /2016. Aluno(a): 1ª série Professor: Edu Marinho Considerando a posição geográfica do território brasileiro ilustrada

Leia mais

UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO : ENGENHARIA CIVIL GEODÉSIA AULA 04. Professora : Thaís Prado Avancini

UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO : ENGENHARIA CIVIL GEODÉSIA AULA 04. Professora : Thaís Prado Avancini UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO : ENGENHARIA CIVIL GEODÉSIA AULA 04 Professora : Thaís Prado Avancini Base Astronômica dos Calendários Desde a antiguidade movimento aparente dos astros serviu de referência

Leia mais

Como surgiu o universo

Como surgiu o universo Como surgiu o universo Modelos para o universo Desde os tempos remotos o ser humano observa o céu, buscando nele pistas para compreender o mundo em que vive. Nessa busca incansável, percebeu fenômenos

Leia mais

Figura 1 - O movimento da Lua em torno da Terra e as diferentes fases da Lua

Figura 1 - O movimento da Lua em torno da Terra e as diferentes fases da Lua Estudo do Meio Físico e Natural I Movimentos reais e aparentes dos astros J. L. G. Sobrinho Centro de Ciências Exactas e da Engenharia Universidade da Madeira A Lua e a Terra A Lua está a sempre visível

Leia mais

NOÇÕES DE COSMOGRAFIA RELAÇÕES ASTRONÔMICAS ENTRE A TERRA E O SOL

NOÇÕES DE COSMOGRAFIA RELAÇÕES ASTRONÔMICAS ENTRE A TERRA E O SOL UIVERIDADE FEDERAL DE LAVRA DEPARTAMETO DE EGEHARIA ÚCLEO DE AGROMETEOROLOGIA E CLIMATOLOGIA GE109 Agrometeorologia OÇÕE DE COMOGRAFIA RELAÇÕE ATROÔMICA ETRE A TERRA E O OL Prof. Antônio Augusto Aguilar

Leia mais

SISTEMA SOLAR TERRA, SOL E LUA

SISTEMA SOLAR TERRA, SOL E LUA SISTEMA SOLAR TERRA, SOL E LUA Apresentado por Thays Barreto Março de 2014 TERRA TERRA Terceiro planeta do Sistema Solar, pela ordem de afastamento do Sol; Diâmetro equatorial: 12.756 Km; Diâmetro polar:

Leia mais

Escola Politécnica da Universidade de São Paulo. PTR 2202 Informações Espaciais

Escola Politécnica da Universidade de São Paulo. PTR 2202 Informações Espaciais Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Transportes PTR Laboratório de Topografia e Geodésia LTG PTR 2202 Informações Espaciais 1/34 Denizar Blitzkow Edvaldo Simões

Leia mais

Capítulo 1 - fundamentos da navegação astronômica.

Capítulo 1 - fundamentos da navegação astronômica. Capítulo 1 - fundamentos da navegação astronômica. "E pur si muove" Galileu Galilei Ângulos, ângulos, ângulos... Ângulos, como veremos neste capítulo, são a matéria prima do astrônomo. As posições dos

Leia mais

As aventuras do Geodetetive 1: A circunferência da Terra. Série Matemática na Escola

As aventuras do Geodetetive 1: A circunferência da Terra. Série Matemática na Escola As aventuras do Geodetetive 1: A circunferência da Terra Série Matemática na Escola Objetivos 1. Apresentar o método de Eratóstenes (276 194 a.c.) para o cálculo da circunferência da Terra. Este é um exemplo

Leia mais

Pacote de Actividades para Educadores: Guia de Observação www.globeatnight.org

Pacote de Actividades para Educadores: Guia de Observação www.globeatnight.org Pacote de Actividades para Educadores: Guia de Observação Encoraje os seus alunos a participar numa campanha mundial de ciência, que consiste em observar e registar a magnitude das estrelas visíveis e

Leia mais

CIÊNCIAS. Tantas vezes a morte é apercebida, na Terra tanta guerra, tanto engano, tanta necessidade aborrecida. Os Lusíadas, Luís Vaz de Camões.

CIÊNCIAS. Tantas vezes a morte é apercebida, na Terra tanta guerra, tanto engano, tanta necessidade aborrecida. Os Lusíadas, Luís Vaz de Camões. Tantas vezes a morte é apercebida, na Terra tanta guerra, tanto engano, tanta necessidade aborrecida. Os Lusíadas, Luís Vaz de Camões. Capítulo 1 Astronomia (Os cientistas e suas teorias sobre o Universo

Leia mais

APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA INTERDISCIPLINAR NA CONFECÇÃO DE UM RELÓGIO SOLAR NASCIMENTO, FLÁVIO BORGES*; NASCIMENTO, TATIANE S.

APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA INTERDISCIPLINAR NA CONFECÇÃO DE UM RELÓGIO SOLAR NASCIMENTO, FLÁVIO BORGES*; NASCIMENTO, TATIANE S. APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA INTERDISCIPLINAR NA CONFECÇÃO DE UM RELÓGIO SOLAR NASCIMENTO, FLÁVIO BORGES*; NASCIMENTO, TATIANE S. XAVIER**; *Secretaria de Educação do município de Monte Mor-SP; Colégio Salesiano

Leia mais

Geodesia Física e Espacial. ******* Sistemas e Tecnologias de Georeferenciação. Ano lectivo 2011/2012

Geodesia Física e Espacial. ******* Sistemas e Tecnologias de Georeferenciação. Ano lectivo 2011/2012 Geodesia Física e Espacial ******* Sistemas e Tecnologias de Georeferenciação Ano lectivo 2011/2012 Definição A geodesia é uma palavra de origem grega (γεωδαιζία ) que literalmente quer dizer divisão da

Leia mais

A Geometria e as distâncias astronômicas na Grécia Antiga

A Geometria e as distâncias astronômicas na Grécia Antiga A Geometria e as distâncias astronômicas na Grécia Antiga Geraldo Ávila Qual é o mais distante: o Sol ou a Lua? Quais os tamanhos da Terra, Sol e Lua? A busca das respostas à essas perguntas intrigantes

Leia mais

Exercícios de Cartografia II

Exercícios de Cartografia II Exercícios de Cartografia II 1. (UFRN) Um estudante australiano, ao realizar pesquisas sobre o Brasil, considerou importante saber a localização exata de sua capital, a cidade de Brasília. Para isso, consultou

Leia mais

Fusos Horários do Brasil

Fusos Horários do Brasil CARTOGRAFIA Fusos Horários do Brasil Por causa de seu movimento de rotação, a Terra apresenta dias e noites. Como consequência, vários pontos da superfície do planeta apresentam diferença de horários.

Leia mais

www.enemdescomplicado.com.br

www.enemdescomplicado.com.br Exercícios de Física Gravitação Universal 1-A lei da gravitação universal de Newton diz que: a) os corpos se atraem na razão inversa de suas massas e na razão direta do quadrado de suas distâncias. b)

Leia mais

UNIDADE 2: ASTRONOMIA

UNIDADE 2: ASTRONOMIA UNIDADE 2: ASTRONOMIA ARISTÓTELES (384-322 a.c.) Afirmou que a Terra era redonda devido à sombra esférica deixada por ela durante o eclipse lunar. ERATÓSTENES (273-194 a.c.) Mediu a circunferência da Terra

Leia mais

ELEMENTOS DA ASTRONOMIA Na ANTIGUIDADE a observação dos astros e a interpretação religiosa mantiveram uma ligação praticamente una.

ELEMENTOS DA ASTRONOMIA Na ANTIGUIDADE a observação dos astros e a interpretação religiosa mantiveram uma ligação praticamente una. ELEMENTOS DA ASTRONOMIA Na ANTIGUIDADE a observação dos astros e a interpretação religiosa mantiveram uma ligação praticamente una. Os povos primitivos já utilizavam símbolos representando os corpos celestes

Leia mais

Capítulo IV TAQUEOMETRIA

Capítulo IV TAQUEOMETRIA 62 Capítulo IV TAQUEOMETRIA 1. Princípios Gerais A taqueometria, do grego takhys (rápido), metren (medição), compreende uma série de operações que constituem um processo rápido e econômico para a obtenção

Leia mais