ÓRBITA ILUMINADA HU F 152/ NT4091

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ÓRBITA ILUMINADA HU F 152/ NT4091"

Transcrição

1 ÓRBITA ILUMINADA HU F 152/ NT4091 INTRODUÇÃO Trata-se de um modelo científico de trabalho, representando o Sol, a Terra e a Lua, e mostrando como estes se relacionam entre si. Foi concebido para mostrar os movimentos básicos da Terra e da Lua e para explicar as causas do dia e da noite, das estações do ano e das fases da Lua. Muitos dos importantes relacionamentos que podem ser demonstrados com o simulador vão ser a seguir indicados. O simulador está dimensionado à escala, para assim melhor mostrar os tamanhos relativos, distâncias e os movimentos da Terra e da Lua. A Terra e a Lua são apresentadas à escala de 1 polegada por 2000 milhas, ou seja aproximadamente, à escala 1: Para representar o Sol à mesma escala havia que dar-lhe um diâmetro de aproximadamente 11m. E quanto à escala de distâncias, o centro do Sol, ficaria a cerca de 1.120m da Terra! Impossível, assim, respeitar a escala quanto ao Sol. Na figura 1 estão indicadas dimensões e distâncias, referentes ao Sol, Terra e Lua, assim como os movimentos da Terra e da Lua, à volta do Sol. Dimensões médias e distâncias Sol Sol:1.384 milhões de km de diâmetro Terra: km de diâmetro (distando do Sol 150 milhões de Km) Lua: 3.450km de diâmetro (a 382 mil quilómetros da Terra) Lua A Lua completa uma rotação em torno do seu eixo em 29 ½ dias e dá uma rotação à volta da terra todos os 29 ½ dias. A Terra faz uma rotação à volta do Sol em 365 ¼ dias. A Terra completa uma rotação em torno do seu eixo em 23 horas e 56 minutos. Terra Figura 1 Quando o Simulador passa de uma posição mensal para a próxima, a Lua gira à volta da Terra dando aproximadamente uma volta por mês. A Terra completa uma rotação à volta do Sol, uma vez por ano e realiza em torno do seu eixo 365 ¼ rotações por ano. Não é possível, com um simulador deste tipo, fazer rodar a Terra 365 ¼ vezes durante a sua rotação à volta do Sol. Vai, por isso, ver-se a terra rodar menos vezes do que na realidade sucede. É importante ter isto em conta para evitar ideias erradas quanto ao movimento de rotação da Terra à volta do Sol. Na já referida figura 1, estão indicados os períodos de rotação da Lua (à volta da Terra) e da Terra (à volta do Sol). Pág. 1 de 5

2 INVESTIGAÇÃO BÁSICA COM O SIMULADOR A utilização racional do Simulador permite explicar: 1. Como é que a rotação da Terra dá origem ao dia e à noite. 2. Como é que a giração da Terra à volta do Sol e a inclinação do seu eixo dão origem às estações. 3. Por que motivo, o nascer do Sol é a Este e o pôr do Sol a Oeste. 4. Como é que a rotação da Terra à volta do Sol e a inclinação do seu eixo fazem alterar a duração do dia e da noite. 5. Por que razão a duração do crepúsculo varia com as diferentes estações e latitudes. 6. Por que razão há um Sol da meia noite. 7. Por que razão há fases da Lua. 8. Por que razão só podemos observar uma face da Lua. 9. Por que razão há eclipses do Sol e da Lua. 10. Por que motivo há marés. No simulador, o Sol é representado por uma esfera amarela (diâmetro 15cm); a Terra, por um globo de 10cm e a Lua por uma esfera da mesma dimensão (2,5cm), sendo os movimentos da Terra e da Lua produzidos manualmente. DIA E NOITE Uma das mais importantes demonstrações com o Simulador é a sucessão do dia e da noite. Os raios do Sol iluminam sempre e apenas a metade da Terra voltada para o Sol. É o lado de dia. A outra metade é o lado de noite. Para mostrar quando é dia e quando é noite, rode a Terra de forma a realizar uma rotação completa (no sentido contrário ao dos ponteiros do relógio). Como a Terra gira de Oeste para Leste, poderá observar que quando o local em que se encontra entra na noite, o Sol fica a Oeste desse local. Isto explica por que razão o pôr do Sol se dá a Oeste. Como a Terra continua a rodar, verá que quando o local em que se encontra entra no dia, o nascer do Sol ocorre do lado Leste. Bem entendido que o Sol não se move. É a rotação da Terra que provoca o aparente movimento do Sol, de Leste para Oeste. Duração do dia O Simulador mostra, claramente, a razão por que a duração do dia e da noite varia pelo facto de a Terra se mover em torno do Sol. Os dias são mais longos no Verão e mais curtos no Inverno, mas no Equador, dia e noite são sempre iguais, com duração de 12 horas. O Simulador mostrará, o número de horas com dia e com noite em qualquer local e em qualquer altura. Por exemplo: para mostrar a duração do dia em Nova York em 21 de Junho, apontar para Junho 21 e fazer rodar a Terra de forma que em Nova York seja dia. Contar os meridianos que estão com luz do dia ao longo do paralelo de Nova York, como mostra a figura 3. O afastamento entre meridianos neste globo é de 15º, ou seja o quanto a Terra roda em 1 hora. Verá que há aproximadamente 15 horas de dia e 9 horas de noite no dia 21 de Junho, em Nova York. Apontar agora para a posição 10 de Fevereiro e contar as horas de dia para Nova York. Verá que há aproximadamente 10 horas de dia e 14 horas de noite. Igual procedimento pode ser seguido para calcular a duração do dia e da noite em qualquer dia e em qualquer local. É também possível encontrar a hora aproximada do nascer do Sol e do pôr do Sol para qualquer local e em qualquer data. Por exemplo, para encontrar a hora de pôr do Sol e de nascer do Sol em Nova York em 21 de Junho, seguir os passos acima indicados. Ver-se-á que a duração do dia será de 15 horas e uma vez que metade do dia é antes do meio dia e a outra metade após o meio dia, facilmente se determina que o Sol se põe às 7 ½ horas depois do meio dia e que nasce 7 ½ horas antes do meio dia, ou seja pelas 4h.30m. da manhã. Pág. 2 de 5

3 O SOL DA MEIA NOITE Faça girar a Terra para a posição 21 Junho. Observe que na região norte do círculo Árctico nunca há noite. Esta região tem dia durante 24 horas pelo que é conhecida como a terra do Sol à meia noite. Observe que a área próxima do Pólo Sul, nunca está com dia em 21 de Junho. Faça voltar a Terra para o Sol em 22 de Dezembro e encontrará que as regiões do Pólo Sul têm dia durante 24 horas, enquanto que as do Pólo Norte, têm noite durante 24 horas. CREPÚSCULO E AURORA Quando o seu local de observação passa do dia para a noite, há um período de crepúsculo entre o momento em que o Sol se encontra em horizonte e o de total escuridão. Fica escuro quando o centro do Sol desce 18º para baixo do horizonte. Vejamos a figura 4. Ela mostra a zona de crepúsculo em 21 de Março e em 23 de Setembro. Pode ver-se que o período de crepúsculo varia com a latitude do lugar de observação. Às latitudes de 75º Norte e 75º Sul, há 12 horas de crepúsculo; a 45º Norte e 45º Sul, há noventa minutos de crepúsculo e no equador este tem a duração de 70 minutos. Coloque o Simulador em diferentes datas e por forma a visualizar uma zona de 18º com crepúsculo. Observará que o período de crepúsculo varia não só com a latitude mas também com as estações do ano. Ver-se-á que a duração do crepúsculo é maior nas latitudes altas e durante os meses de Verão. AS ESTAÇÕES Quando a Terra roda em torno do seu eixo, ela está, ao mesmo tempo, a girar à volta do Sol. O eixo da Terra está inclinado sempre de um ângulo de 23 ½ º em relação ao plano de giração (orbita) à volta do Sol. Ele aponta sempre para a mesma direcção no espaço, marcado pela Estrela Polar. Tal facto dá origem às estações do ano. Para demonstrar que há diferentes estações, movimentar o braço que transporta a Terra de modo que o ponteiro indique 21 de Junho no disco das datas. O hemisfério norte está, então, inclinado para o Sol daí resultando que os raios de Sol se concentram nesse hemisfério. É, então, verão no hemisfério Norte e inverno no hemisfério Sul. Fazer seguidamente girar a Terra à volta do Sol (no sentido contrário aos ponteiros do relógio) até atingir o 23 de Setembro no disco das datas. O Sol do meio dia estará então directamente sobre o equador, sendo outono no hemisfério Norte e primavera no hemisfério Sul. Continue a fazer girar a Terra até 23 de Dezembro. O Pólo Norte está mais afastado do Sul e os raios solares estão concentrados no hemisfério Sul. É, então inverno no hemisfério Norte e verão no hemisfério Sul. Faça seguidamente girar a Terra até 21 de Março. O Sol de novo incide directamente sobre o equador, sendo outono no hemisfério Norte e primavera no hemisfério Sul. Complete finalmente a giração da Terra até 21 de Junho. Decorreu entretanto um ano. Pág. 3 de 5

4 A LUA A uma distância na ordem dos km, a Lua é o nosso mais próximo vizinho. Não tem atmosfera e a temperatura diurna atinge cerca de 100 º C, caindo para cerca de 156ºC durante a noite. As crateras existentes na Lua cobrem cerca de metade da sua superfície visível. Apresentam-se a olho nu como manchas escuras. As montanhas lunares atingem alturas na ordem dos 6.000km. Os movimentos da Lua estão representados na figura ao lado. Vemos apenas um lado da Lua. Isto porque a Lua faz somente uma rotação completa enquanto gira à volta da Terra. Quanto às fases da Lua observar a figura 8. A metade da Lua frente ao Sol está iluminada excepto em situação de eclipse. Quando vista da Terra, a parte iluminada da Lua apresenta formas diferentes à medida que a Lua gira em torno da Terra (lua nova, quarto crescente, lua cheia, quarto minguante e, de novo, lua nova). Ver figura 8. ECLIPSES Ao utilizar o Simulador poderá parecer que a sombra da Lua poderá atingir a Terra todas as vezes que é lua nova e que a sombra da Terra poderá atingir a Lua sempre que é lua cheia. No entanto, tal raramente ocorre porque a Terra e a Lua não giram no mesmo plano. A orbita da Lua (no seu movimento à volta da Terra), está inclinada cerca da 5º relativamente à orbita que a Terra descreve no seu movimento à volta do Sol. A órbita da Lua varia de posição em relação à Terra à medida que Terra e Lua giram à volta do Sol. Lua nova ou lua cheia movem-se então dentro ou próximo do plano da órbita da terra aproximadamente cada seis meses. E só nestas alturas que a sombra da Lua pode cair na Terra ou a sombra da Terra pode cair na Lua para produzir um eclipse. Um eclipse pode ser lunar, quando a Terra se encontra entre o Sol e a Lua, ou solar, quando a Lua passa entre o Sol e a Terra. O exame da figura 9 permite verificar como o sistema Terra Lua gira à volta do Sol e como há duas ocasiões em que Sol, Terra e Lua estão alinhados. Esta situação ocorre de seis em seis meses. Há, pelo menos, dois eclipses do Sol por ano podendo ocorrer até sete. Eclipses da Lua variam de nenhum a três por ano. MARÉS A superfície do Oceano, seja em que ponto for, sobe e desce duas vezes por dia devido à força gravitacional da Lua e do Sol sobre a Terra. A subida e descida do Oceano produz as marés. Há duas preia-mares e duas baixa-mares por dia, com a água a subir durante cerca de 6 horas e a descer também durante cerca de 6 horas. A atracção gravitacional da Lua é cerca de duas vezes a do Sol, devido à muito maior distância a que este se encontra. Quando Sol, Lua estão alinhados é máxima a força de atracção sobre o oceano. Produzem-se as marés vivas que ocorrem duas vezes por mês, por altura da lua nova e da lua cheia. Na altura do quarto crescente e do quarto minguante, com a Lua em quadratura ocorrem as marés mortas. Pág. 4 de 5

5 MEDIÇÃO DA DIMENSÃO DA TERRA Determinar a dimensão da Terra por medida directa é quase impossível. Uma medição indirecta pode, no entanto ser feita. Um astrónomo grego, ERASTOTENES, calculou o diâmetro da Terra no ano 250A.C. utilizando princípios geométricos simples. Ele sabia que na cidade de ASWAN (A) o Sol estava a prumo no Solestício do Verão (nenhuma sombra). No mesmo dia e na mesma altura, noutra cidade, ALEXANDRIA (B) o Sol produzia uma sombra, que indicava que ali ele não estava perfeitamente a prumo. A sombra mostrou que o Sol estava 7 1/5º desviado da posição vertical. Partindo do princípio de que os raios de luz sobre a Terra provindos de uma fonte tão distante são aproximadamente paralelos, e conhecendo a distância entre as duas cidades, que era de 490 milhas, ERASTOTENES, foi capaz de calcular a dimensão da Terra pela forma a seguir exposta: 7 1/5º é, aproximadamente, 1/50 dos 360 correspondentes à circunferência à volta da Terra. Tal circunferência deve portanto ser 50 x 490 milhas (esta a distância entre ASWAN e ALEXANDRIA) ou sejam milhas. Uma vez que o diâmetro da esfera é, aproximadamente, um terço da respectiva circunferência, concluiu ele que o diâmetro da Terra seria de cerca de milhas, ou sejam, aproximadamente km. Para mais informações ou assistência, contacte-nos através de: J. ROMA, Lda. Praça da Figueira, nº 12 1º Lisboa Telf: Fax: Pág. 5 de 5

Movimentos da Terra e suas consequências

Movimentos da Terra e suas consequências Movimentos da Terra e suas consequências Movimentos da Terra A Terra descreve, como todos os outros planetas principais do Sistema Solar: Movimento de rotação movimento em torno de si própria, em volta

Leia mais

Insígnia de Competência de Astrónomo Alguns apontamentos para Exploradores

Insígnia de Competência de Astrónomo Alguns apontamentos para Exploradores Insígnia de Competência de Astrónomo Alguns apontamentos para Exploradores 1 Conhecer a influência do sol, terra e lua nas estações do ano (exs: culturas, flores, frutos, árvores, entre outros) 2 Conhecer

Leia mais

Movimento Anual do Sol, Fases da Lua e Eclipses

Movimento Anual do Sol, Fases da Lua e Eclipses Elementos de Astronomia Movimento Anual do Sol, Fases da Lua e Eclipses Rogemar A. Riffel Sol, Terra e Lua Movimento Diurno do Sol Relembrando a aula passada De leste para oeste; O círculo diurno do Sol

Leia mais

Estações do Ano e Fases da Lua

Estações do Ano e Fases da Lua ESPECIALIZAÇAO EM CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO Estações do Ano e Fases da Lua Prof. Nelson Luiz Reyes Marques Movimentos da Terra Quais são os movimentos da Terra? 1. Rotação 2. Revolução 3. Precessão

Leia mais

Introdução À Astronomia e Astrofísica 2010

Introdução À Astronomia e Astrofísica 2010 CAPÍTULO 3 ESTAÇÕES DO ANO E INSOLAÇÃO SOLAR. Movimento Anual do Sol e as Estações do Ano. Estação em diferentes latitudes. Insolação Solar. Recapitulando a aula anterior: Capítulo 2 Trigonometria Esférica

Leia mais

Figura 1 - O movimento da Lua em torno da Terra e as diferentes fases da Lua

Figura 1 - O movimento da Lua em torno da Terra e as diferentes fases da Lua Estudo do Meio Físico e Natural I Movimentos reais e aparentes dos astros J. L. G. Sobrinho Centro de Ciências Exactas e da Engenharia Universidade da Madeira A Lua e a Terra A Lua está a sempre visível

Leia mais

Movimento Annual do Sol, Fases da Lua e Eclipses

Movimento Annual do Sol, Fases da Lua e Eclipses Movimento Annual do Sol, Fases da Lua e Eclipses FIS02010 Professora Ana Chies Santos IF/UFRGS https://anachiessantos.wordpress.com/ensino/fis02010/ Facebook #AstroUFRGS Relembrando... Sistemas de Coordenadas

Leia mais

ENSINO MÉDIO 01 - PLANETA TERRA FORMA E MOVIMENTO

ENSINO MÉDIO 01 - PLANETA TERRA FORMA E MOVIMENTO ENSINO MÉDIO 01 - PLANETA TERRA FORMA E MOVIMENTO QUESTÃO 01 - Sobre as características gerais dos movimentos terrestres, julgue os itens: a) É incorreto dizer que o Sol nasce a leste e se põe a oeste,

Leia mais

Introdução À Astronomia e Astrofísica 2010

Introdução À Astronomia e Astrofísica 2010 CAPÍTULO 5 LUA E SUAS FASES. ECLIPSES. Lua. Fases da Lua. Sombra de um Corpo Extenso. Linha dos Nodos. Eclipses do Sol. Eclipses da Lua. Temporada de Eclipses. Saros. Recapitulando a aula anterior: Capítulo

Leia mais

Sistema Sol-Terra-Lua

Sistema Sol-Terra-Lua Sistema Sol-Terra-Lua Parte 1 As estações do ano Parte 2 As fases da Lua Parte 3 Eclipses Parte 4 - Marés 1 Parte 1 As estações do ano A latitudes medianas (como a nossa) há variações significativas de

Leia mais

C O M A S FA SES D A L U A...

C O M A S FA SES D A L U A... C O M A FA E D A U A... Aristarco de amos (310 -- 230 a.c.) calculou as distâncias relativas entre a Terra e a ua e a Terra e o ol Verificou que no quarto crescente (ou no quarto minguante) a direcção

Leia mais

As Fases da Lua iluminado pela luz do Sol A fase da lua representa o quanto dessa face iluminada pelo Sol está voltada também para a Terra

As Fases da Lua iluminado pela luz do Sol A fase da lua representa o quanto dessa face iluminada pelo Sol está voltada também para a Terra As Fases da Lua À medida que a Lua viaja ao redor da Terra ao longo do mês, ela passa por um ciclo de fases, durante o qual sua forma parece variar gradualmente. O ciclo completo dura aproximadamente 29,5

Leia mais

Planetário de pobre. Introdução. Materiais Necessários. Vamos simular e entender o movimento da abóbada celeste com uma montagem simples e barata.

Planetário de pobre. Introdução. Materiais Necessários. Vamos simular e entender o movimento da abóbada celeste com uma montagem simples e barata. dução Vamos simular e entender o movimento da abóbada celeste com uma montagem simples e barata. Retirado de Rodolfo Caniato, O Céu, ed. Ática, 1990. Cadastrada por Lucas Assis Material - onde encontrar

Leia mais

SISTEMA SOLAR TERRA, SOL E LUA

SISTEMA SOLAR TERRA, SOL E LUA SISTEMA SOLAR TERRA, SOL E LUA Apresentado por Thays Barreto Março de 2014 TERRA TERRA Terceiro planeta do Sistema Solar, pela ordem de afastamento do Sol; Diâmetro equatorial: 12.756 Km; Diâmetro polar:

Leia mais

www.educandusweb.com.br

www.educandusweb.com.br Sistema Terra-Lua-Sol Índice 1. Introdução... 3 2. Simulador... 3 2.1 Painel Principal... 3 O que ocorreu com dimensões e distâncias dos corpos estudados?... 5 2.2 Visualização - Wireframe/Texturizada...

Leia mais

As estações do ano acontecem por causa da inclinação do eixo da Terra em relação ao Sol. O movimento do nosso planeta em torno do Sol, dura um ano.

As estações do ano acontecem por causa da inclinação do eixo da Terra em relação ao Sol. O movimento do nosso planeta em torno do Sol, dura um ano. PROFESSORA NAIANE As estações do ano acontecem por causa da inclinação do eixo da Terra em relação ao Sol. O movimento do nosso planeta em torno do Sol, dura um ano. A este movimento dá-se o nome de movimento

Leia mais

Iluminação Natural. Construção de Diagramas Solares. Maio de 2007

Iluminação Natural. Construção de Diagramas Solares. Maio de 2007 Iluminação Natural Construção de Diagramas Solares Maio de 2007 arquitectura e artes do espectáculo lda. Rua Julião Quintinha, 1A tel: +351 217 157 502 email: etu@etu.pt 1500-381 Lisboa fax: +351 217 157

Leia mais

Leis de Newton e Forças Gravitacionais

Leis de Newton e Forças Gravitacionais Introdução à Astronomia Leis de Newton e Forças Gravitacionais Rogério Riffel Leis de Newton http://www.astro.ufrgs.br/bib/newton.htm Newton era adepto das ideias de Galileo. Galileo: Um corpo que se move,

Leia mais

Eclipse. (www.seara.ufc.br/astronomia/fenomenos/eclipses.htm. Acesso em: 03.10.2012.)

Eclipse. (www.seara.ufc.br/astronomia/fenomenos/eclipses.htm. Acesso em: 03.10.2012.) Eclipse 1. (G1 - ifsp 2013) Mecanismos do Eclipse A condição para que ocorra um Eclipse é que haja um alinhamento total ou parcial entre Sol, Terra e Lua. A inclinação da órbita da Lua com relação ao equador

Leia mais

1. Completa os espaços em branco de forma a obter afirmações verdadeiras.

1. Completa os espaços em branco de forma a obter afirmações verdadeiras. Agrupamento de Escolas Anselmo de Andrade Teste de Ciências Físico - Químicas 7.º Ano Ano Lectivo 08/09 Duração do Teste: 70 minutos Data: 05 / 01 / 09 Prof. Dulce Godinho Nome N.º Turma Prof. Classificação

Leia mais

Introdução À Astronomia e Astrofísica 2010

Introdução À Astronomia e Astrofísica 2010 CAPÍTULO 1 ESFERA CELESTE E O SISTEMA DE COORDENADAS Esfera Celeste. Sistema de Coordenadas. Coordenadas Astronómicas. Sistema Horizontal. Sistema Equatorial Celeste. Sistema Equatorial Horário. Tempo

Leia mais

Aula 04 Medidas de tempo

Aula 04 Medidas de tempo Aula 04 Medidas de tempo O que é tempo? Os fenômenos astronômicos são periódicos e regulares: tornaram-se os primeiros relógios. E foram os relógios mais precisos até a construção dos relógios atômicos

Leia mais

Extensivo noite - Aulas 01 e 02

Extensivo noite - Aulas 01 e 02 1. (Unesp 2011) A figura 1 mostra um quadro de Georges Seurat, grande expressão do pontilhismo. De forma grosseira podemos dizer que a pintura consiste de uma enorme quantidade de pontos de cores puras,

Leia mais

Prof. Franco Augusto

Prof. Franco Augusto Prof. Franco Augusto Astros São corpos que giram no espaço, classificados de acordo com a luminosidade. Iluminados ou opacos não possuem luz própria, recebendo luz das estrelas. São os planetas, asteroides,

Leia mais

16 Comprimento e área do círculo

16 Comprimento e área do círculo A UA UL LA Comprimento e área do círculo Introdução Nesta aula vamos aprender um pouco mais sobre o círculo, que começou a ser estudado há aproximadamente 4000 anos. Os círculos fazem parte do seu dia-a-dia.

Leia mais

Movimentos da Terra PPGCC FCT/UNESP. Aulas EGL 2016 João Francisco Galera Monico unesp

Movimentos da Terra PPGCC FCT/UNESP. Aulas EGL 2016 João Francisco Galera Monico unesp Movimentos da Terra PPGCC FCT/UNESP Aulas EGL 2016 João Francisco Galera Monico Terra Movimentos da Terra Cientificamente falando, a Terra possui um único movimento. Dependendo de suas causas, pode ser

Leia mais

Grupo de trabalho: OBJECTIVOS. Realizar actividades em parceria com outras escolas.

Grupo de trabalho: OBJECTIVOS. Realizar actividades em parceria com outras escolas. FAZER HISTÓRIA: descobrir o valor do raio da Terra e estimar a distância à Lua Data: / / Grupo de trabalho: OBJECTIVOS Relacionar a sombra projectada pelo Sol em lugares com diferentes latitudes, para

Leia mais

A HORA PELO MUNDO. Inicial

A HORA PELO MUNDO. Inicial Inicial Até o final do século XIX, cada cidade utilizava um sistema de horas exclusivo, baseado no momento em que o Sol atingia o ponto mais alto no céu. Nesse instante, era meio-dia na cidade. A marcação

Leia mais

Em 1968, as pessoas puderam pela primeira vez ver uma fotografia da Terra feita do espaço.

Em 1968, as pessoas puderam pela primeira vez ver uma fotografia da Terra feita do espaço. UNIDADE 2 A Terra Em 1968, as pessoas puderam pela primeira vez ver uma fotografia da Terra feita do espaço. Os astronautas americanos Frank Borman, Jim Lovell e William Anders foram os primeiros seres

Leia mais

Gabarito dos exercícios do livro Ciências cap. 5 e 6

Gabarito dos exercícios do livro Ciências cap. 5 e 6 COLÉGIO MARIA IMACULADA QI 05 ch. 72 LAGO SUL BRASÍLIA DF E-MAIL: cmidf@cmidf.com.br SITE: www.cmidf.com.br 6ºano 1º PERÍODO Gabarito dos exercícios do livro Ciências cap. 5 e 6 p. 74 Respostas: 1. Lua

Leia mais

Estrutura da Terra Contributos para o seu conhecimento

Estrutura da Terra Contributos para o seu conhecimento Estrutura da Terra Contributos para o seu conhecimento O Sistema Terra Lua e o passado da Terra O Sistema Terra Lua A conquista da Lua pelo Homem (em 21 de Julho de 1969), tornou possível conhecer com

Leia mais

A Geometria e as distâncias astronômicas na Grécia Antiga

A Geometria e as distâncias astronômicas na Grécia Antiga A Geometria e as distâncias astronômicas na Grécia Antiga Geraldo Ávila Qual é o mais distante: o Sol ou a Lua? Quais os tamanhos da Terra, Sol e Lua? A busca das respostas à essas perguntas intrigantes

Leia mais

PAUTA DO DIA. Acolhida Revisão Interatividades Intervalo Avaliação

PAUTA DO DIA. Acolhida Revisão Interatividades Intervalo Avaliação PAUTA DO DIA Acolhida Revisão Interatividades Intervalo Avaliação REVISÃO 1 Astronomia Ciência que estuda os astros e os fenômenos relacionados a eles. REVISÃO 1 Relaciona os fenômenos celestes aos fatos

Leia mais

Forças Gravitacionais Diferenciais e Sistema Solar

Forças Gravitacionais Diferenciais e Sistema Solar Introdução à Astrofísica Forças Gravitacionais Diferenciais e Sistema Solar Rogemar A. Riffel Derivação da força diferencial A força gravitacional diferencial é a diferença entre as forcas exercidas em

Leia mais

RESUMO O trabalho apresenta resultados de um estudo sobre o texto A Geometria do Globo Terrestre

RESUMO O trabalho apresenta resultados de um estudo sobre o texto A Geometria do Globo Terrestre Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 43 O ÂNGULO DE ELEVAÇÃO DO SOL E A ENERGIA SOLAR Antonio da Silva Gomes Júnior 1, José Paulo Rodrigues da Silveira,

Leia mais

Medindo a Terra com Sombras

Medindo a Terra com Sombras Projecto apresentado no XI Encontro Nacional de Estudantes de Física, Faculdade de Ciências da Universidade do Porto, 27 Fevereiro - 1 Março de 2009, resultante de uma parceria entre a Sociedade Portuguesa

Leia mais

www.google.com.br/search?q=gabarito

www.google.com.br/search?q=gabarito COLEGIO MÓDULO ALUNO (A) série 6 ano PROFESSOR GABARITO DA REVISÃO DE GEOGRAFIA www.google.com.br/search?q=gabarito QUESTÃO 01. a) Espaço Geográfico RESPOSTA: representa aquele espaço construído ou produzido

Leia mais

Encontrando o seu lugar na Terra

Encontrando o seu lugar na Terra Encontrando o seu lugar na Terra A UU L AL A Nesta aula vamos aprender que a Terra tem a forma de uma esfera, e que é possível indicar e localizar qualquer lugar em sua superfície utilizando suas coordenadas

Leia mais

CONSTRUIR E UTILIZAR UM ASTROLÁBIO SIMPLES

CONSTRUIR E UTILIZAR UM ASTROLÁBIO SIMPLES CONSTRUIR E UTILIZAR UM ASTROLÁBIO SIMPLES INTRODUÇÃO O astrolábio é um instrumento que serve para medir ângulos. Foi bastante utilizado no passado por exemplo pelos navegadores do tempo dos Descobrimentos

Leia mais

Introdução À Astronomia e Astrofísica 2010

Introdução À Astronomia e Astrofísica 2010 CAPÍTULO 7 ÓRBITA DOS PLANETAS. LEIS DE KEPLER E DE NEWTON. Movimento dos Planetas. O Modelo Geocêntrico. O Modelo Heliocêntrico. Leis de Kepler. Isaac Newton e Suas Leis. Recapitulando as aulas anteriores:

Leia mais

Elementos de Astronomia

Elementos de Astronomia Elementos de Astronomia Astronomia Antiga, Esfera Celeste, Coordenadas e Movimento Diurno dos Astros Rogemar A. Riffel Sala 1316 e-mail: rogemar@ufsm.br http://www.ufsm.br/rogemar/ensino.html Por que estudar

Leia mais

Para explicar o equilíbrio existente nesse conjunto organizado de astros a Astrofísica propôs:

Para explicar o equilíbrio existente nesse conjunto organizado de astros a Astrofísica propôs: O SISTEMA SOLAR Para entendermos o mecanismo do "SISTEMA TERRA" temos que ter noções básicas de um contexto mais amplo: o espaço cósmico, onde se processam, entre outros milhares, o "SISTEMA SOLAR". UNIVERSO

Leia mais

Sistemas de coordenadas e tempo. 1 Sistema de coordenadas horizontal local

Sistemas de coordenadas e tempo. 1 Sistema de coordenadas horizontal local José Laurindo Sobrinho Grupo de Astronomia da Universidade da Madeira Fevereiro 2014 Sistemas de coordenadas e tempo 1 Sistema de coordenadas horizontal local O sistema de coordenadas horizontal local

Leia mais

Nota: Lê com atenção as questões que te são propostas e responde de forma clara e precisa. Indique todos os cálculos que efectuar. Bom trabalho!

Nota: Lê com atenção as questões que te são propostas e responde de forma clara e precisa. Indique todos os cálculos que efectuar. Bom trabalho! Escola Secundária de Mirandela Avaliação Sumativa de Ciências Físico-Químicas 7º Ano Nome: N: Turma: A Data: Classificação: Ass. da prof.: Ass. do Enc. Educ.: Nota: Lê com atenção as questões que te são

Leia mais

GABARITO DA PROVA OLÍMPICA DO NÍVEL II DA II OBA

GABARITO DA PROVA OLÍMPICA DO NÍVEL II DA II OBA 1. A astronomia estuda tudo que está fora da Terra, como por exemplo, os planetas, as estrelas, os cometas, as galáxias, as constelações, os movimentos destes corpos, etc. Para observar estes corpos basta

Leia mais

A Terra gira... Nesta aula vamos aprender um pouco mais. sobre o movimento que a Terra realiza em torno do seu eixo: o movimento de

A Terra gira... Nesta aula vamos aprender um pouco mais. sobre o movimento que a Terra realiza em torno do seu eixo: o movimento de A U A U L L A A Terra gira... Nesta aula vamos aprender um pouco mais sobre o movimento que a Terra realiza em torno do seu eixo: o movimento de rotação. É esse movimento que dá origem à sucessão dos dias

Leia mais

Relações Astronômicas Terra - Sol

Relações Astronômicas Terra - Sol Universidade de São Paulo Departamento de Geografia FLG 0253 - Climatologia I Relações Astronômicas Terra - Sol Prof. Dr. Emerson Galvani Laboratório de Climatologia e Biogeografia LCB Radiação Solar -

Leia mais

Conteúdo: Aula 1: Movimentos da Terra: movimento de Translação e as estações do ano. Aula 2: Solstícios e Equinócios FORTALECENDO SABERES

Conteúdo: Aula 1: Movimentos da Terra: movimento de Translação e as estações do ano. Aula 2: Solstícios e Equinócios FORTALECENDO SABERES A Conteúdo: Aula 1: Movimentos da Terra: movimento de Translação e as estações do ano. Aula 2: Solstícios e Equinócios 2 A Habilidades: Aula 1: Entender como ocorre o movimento de Translação da Terra e

Leia mais

Questão 01) A linha imaginária que circula a Terra a 23 27 de latitude norte denomina-se:

Questão 01) A linha imaginária que circula a Terra a 23 27 de latitude norte denomina-se: Lista de Exercícios Pré Universitário Uni-Anhanguera Aluno(a): Nº. Professor: Anderson José Soares Série: 1º Disciplina: GEOGRAFIA Data da prova: 22/02/14 Questão 01) A linha imaginária que circula a Terra

Leia mais

1- Durante o dia conseguimos ver apenas o brilho do Sol e não conseguimos ver o brilho de outras estrelas. Explique por que isso acontece.

1- Durante o dia conseguimos ver apenas o brilho do Sol e não conseguimos ver o brilho de outras estrelas. Explique por que isso acontece. Atividade de Estudo - Ciências 5º ano Nome: 1- Durante o dia conseguimos ver apenas o brilho do Sol e não conseguimos ver o brilho de outras estrelas. Explique por que isso acontece. 2- Cite uma semelhança

Leia mais

15 O sistema solar e seus planetas

15 O sistema solar e seus planetas A U A UL LA Atenção O sistema solar e seus planetas Leia com atenção as notícias abaixo, que apareceram em jornais de diferentes épocas. ANO DE 1781 CIENTISTAS DESCOBREM NOVO PLANETA De há quase 2.000

Leia mais

Aula 1. O Sistema Solar e o Planeta Terra. Disciplina: Geografia A Profª.: Tamara Régis

Aula 1. O Sistema Solar e o Planeta Terra. Disciplina: Geografia A Profª.: Tamara Régis Aula 1. O Sistema Solar e o Planeta Terra. Disciplina: Geografia A Profª.: Tamara Régis A origem do Universo A teoria do Big Bang foi anunciada em 1948 pelo cientista russo naturalizado estadunidense,

Leia mais

Introdução À Astronomia e Astrofísica 2010

Introdução À Astronomia e Astrofísica 2010 CAPÍTULO 6 CÁLCULO DAS SOMBRAS E SIMULAÇÕES. Cálculo do comprimento das Sombras. Cálculo do raio da sombra da Terra à Distância da Lua. Exemplos de Cálculos de Eclipses. Simulações dos Satélites GPS e

Leia mais

Para ajudá-los nos estudos, após resolver o exercício de revisão faça a correção a partir deste documento. Bons Estudos!

Para ajudá-los nos estudos, após resolver o exercício de revisão faça a correção a partir deste documento. Bons Estudos! EXERCÍCIO DE REVISÃO - GEOGRAFIA 6º ano Profª. Ms. Graziella Fernandes de Castro Queridos alunos, Para ajudá-los nos estudos, após resolver o exercício de revisão faça a correção a partir deste documento.

Leia mais

Ano: 6º Turma: 6.1 / 6.2

Ano: 6º Turma: 6.1 / 6.2 COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Paralela 2ª Etapa 2014 Disciplina: Geografia Professor (a): Fernando Parente Ano: 6º Turma: 6.1 / 6.2 Caro aluno, você está recebendo o conteúdo

Leia mais

A abordagem do assunto será feita inicialmente explorando uma curva bastante conhecida: a circunferência. Escolheremos como y

A abordagem do assunto será feita inicialmente explorando uma curva bastante conhecida: a circunferência. Escolheremos como y 5 Taxa de Variação Neste capítulo faremos uso da derivada para resolver certos tipos de problemas relacionados com algumas aplicações físicas e geométricas. Nessas aplicações nem sempre as funções envolvidas

Leia mais

Respostas - Exercícios de rotação e translação

Respostas - Exercícios de rotação e translação Respostas - Exercícios de rotação e translação 1) "Durante a minha vida inteira me fiz essas perguntas: Existe vida além da Terra? Se existe, como se parece? De que é feita? Os seres de outros mundos se

Leia mais

Centro de Ensino Superior do Amapá CEAP. Curso de Arquitetura e Urbanismo. Disciplina: Estudos Ambientais Prof. Msc. João Paulo Nardin Tavares

Centro de Ensino Superior do Amapá CEAP. Curso de Arquitetura e Urbanismo. Disciplina: Estudos Ambientais Prof. Msc. João Paulo Nardin Tavares 1 Centro de Ensino Superior do Amapá CEAP Curso de Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Estudos Ambientais Prof. Msc. João Paulo Nardin Tavares Sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009 - As fortes chuvas da

Leia mais

REPRESE TAÇÃO SIMPLIFICADA DAS FASES DA LUA

REPRESE TAÇÃO SIMPLIFICADA DAS FASES DA LUA FASES DA LUA O ASPECTO DA LUA SE MODIFICA DIARIAMENTE. Mas isso se deve tão somente a posição relativa da Lua, Terra e Sol. A cada dia o Sol ilumina a Lua sob um ângulo diferente, à medida que ela se desloca

Leia mais

Apostila de Atividades

Apostila de Atividades Apostila de Atividades IMAX A viagem pelo espaço continua aqui Transforme a sua sala de aula em uma divertida aventura pelo espaço. Assim que sua classe viver a experiência sem limites pelo universo com

Leia mais

O céu. Aquela semana tinha sido uma trabalheira! www.interaulaclube.com.br

O céu. Aquela semana tinha sido uma trabalheira! www.interaulaclube.com.br A U A UL LA O céu Atenção Aquela semana tinha sido uma trabalheira! Na gráfica em que Júlio ganhava a vida como encadernador, as coisas iam bem e nunca faltava serviço. Ele gostava do trabalho, mas ficava

Leia mais

SOCIEDADE ASTRONÔMICA BRASILEIRA SAB VII Olimpíada Brasileira de Astronomia VII OBA - 2004 Gabarito do nível 2 (para alunos da 3ª à 4ª série)

SOCIEDADE ASTRONÔMICA BRASILEIRA SAB VII Olimpíada Brasileira de Astronomia VII OBA - 2004 Gabarito do nível 2 (para alunos da 3ª à 4ª série) SOCIEDADE ASTRONÔMICA BRASILEIRA SAB VII Olimpíada Brasileira de Astronomia VII OBA - 2004 Gabarito do nível 2 (para alunos da 3ª à 4ª série) Questão 1) (1 ponto) Como você já deve saber o sistema solar

Leia mais

A NAVEGAÇÃO ASTRONÔMICA É SIMPLES?

A NAVEGAÇÃO ASTRONÔMICA É SIMPLES? A NAVEGAÇÃO ASTRONÔMICA É SIMPLES? 2005 Curso de Capitão o Amador: PROGRAMA E INSTRUÇÕES GERAIS PARA O EXAME DE CAPITÃO O exame para a categoria de Capitão Amador constará de uma prova escrita, com duração

Leia mais

Tópico 02: Movimento Circular Uniforme; Aceleração Centrípeta

Tópico 02: Movimento Circular Uniforme; Aceleração Centrípeta Aula 03: Movimento em um Plano Tópico 02: Movimento Circular Uniforme; Aceleração Centrípeta Caro aluno, olá! Neste tópico, você vai aprender sobre um tipo particular de movimento plano, o movimento circular

Leia mais

Oficina de CNII/EF Material do Aluno. Tema: Sistema Solar. Prezado Aluno,

Oficina de CNII/EF Material do Aluno. Tema: Sistema Solar. Prezado Aluno, Tema: Sistema Solar Prezado Aluno, Nesta oficina, você desenvolverá atividades que abordam a constituição do Sistema Solar, os movimentos dos astros, os fenômenos celestes e sua relação com o planeta Terra.

Leia mais

MOVIMENTOS DA TERRA e FUSOS HORÁRIOS

MOVIMENTOS DA TERRA e FUSOS HORÁRIOS MOVIMENTOS DA TERRA e FUSOS HORÁRIOS MOVIMENTO DE ROTAÇÃO Movimento que a Terra realiza ao redor do seu próprio eixo de oeste para leste com duração aproximada de 24 horas (23h, 56 e 4 ). MOVIMENTO DE

Leia mais

Plataforma Equatorial

Plataforma Equatorial Projecto Com a Cabeça na Lua OASA - Observatório Astronómico de Santana Açores Plataforma Equatorial Princípios fundamentais Utilização das Coordenadas Astronómicas Em geometria, sabemos que um sistema

Leia mais

LUZ: se propaga por meio de ondas eletromagnéticas. É o agente físico responsável pela sensação visual.

LUZ: se propaga por meio de ondas eletromagnéticas. É o agente físico responsável pela sensação visual. LUZ: É uma forma de energia radiante, que se propaga por meio de ondas eletromagnéticas. É o agente físico responsável pela sensação visual. RAIO DE LUZ: É uma representação da propagação da Luz RAIO DE

Leia mais

Eclipse e outros fenômenos

Eclipse e outros fenômenos Eclipse e outros fenômenos Oficina de CNII/EF Presencial e EAD Todos os dias vários fenômenos ocorrem ao nosso redor, muito próximo de nós. Alguns são tão corriqueiros que nem percebemos sua ocorrência.

Leia mais

Insígnia de Competência de Astrónomo Alguns apontamentos para Exploradores

Insígnia de Competência de Astrónomo Alguns apontamentos para Exploradores Insígnia de Competência de Astrónomo Alguns apontamentos para Exploradores 1 Conhecer a influência do sol, terra e lua nas estações do ano (exs: culturas, flores, frutos, árvores, entre outros) 2 Conhecer

Leia mais

Cotagens especiais. Você já aprendeu a interpretar cotas básicas

Cotagens especiais. Você já aprendeu a interpretar cotas básicas A UU L AL A Cotagens especiais Você já aprendeu a interpretar cotas básicas e cotas de alguns tipos de elementos em desenhos técnicos de modelos variados. Mas, há alguns casos especiais de cotagem que

Leia mais

GABARITO PROVA DO NÍVEL 3 (Para alunos do 6 º ao 9 º ano do Ensino Fundamental) XVII OBA - 2014

GABARITO PROVA DO NÍVEL 3 (Para alunos do 6 º ao 9 º ano do Ensino Fundamental) XVII OBA - 2014 GABARITO PROVA DO NÍVEL 3 (Para alunos do 6 º ao 9 º ano do Ensino Fundamental) XVII OBA - 2014 Nota de Astronomia: Nota de Astronáutica: Nota Final: Observação: A Nota Final é a soma das notas de Astronomia

Leia mais

Passos a seguir: A Windows to the Universe Citizen Science Event www.windows.ucar.edu/starcount. 20 outubro - 3 novembro 2008

Passos a seguir: A Windows to the Universe Citizen Science Event www.windows.ucar.edu/starcount. 20 outubro - 3 novembro 2008 Passos a seguir: O QUE é preciso? Caneta ou lápis Luz vermelha ou lanterna de visão nocturna GPS, acesso à internet ou mapa topográfico Guia de actividades (impresso) com relatório (formulário) COMO fazer

Leia mais

Desempenho Térmico de edificações Aula 5: Orientação e Diagrama Solar

Desempenho Térmico de edificações Aula 5: Orientação e Diagrama Solar Desempenho Térmico de edificações Aula 5: Orientação e Diagrama Solar PROFESSOR Roberto Lamberts ECV 5161 UFSC FLORIANÓPOLIS estrutura Introdução Movimentos da terra Diagramas solares Análises de proteções

Leia mais

Centro Educacional Juscelino Kubitschek

Centro Educacional Juscelino Kubitschek Centro Educacional Juscelino Kubitschek ALUNO: N.º: DATA: / /2011 ENSINO FUNDAMENTAL SÉRIE: 5ª SÉRIE / 6º ANO DISCIPLINA: GEOGRAFIA PROFESSOR: Equipe de Geografia CAROS ALUNOS (AS): Roteiro de Estudos

Leia mais

As Influências da Lua na Terra e o Fenômeno das Marés

As Influências da Lua na Terra e o Fenômeno das Marés UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA As Influências da Lua na Terra e o Fenômeno das Marés Autor: Paulo Meira Bonfim Mantellatto Orientador:

Leia mais

As aventuras do Geodetetive 4: As quatro estações. Série Matemática na Escola. Objetivos. As aventuras do Geodetetive 4 1/16

As aventuras do Geodetetive 4: As quatro estações. Série Matemática na Escola. Objetivos. As aventuras do Geodetetive 4 1/16 As aventuras do Geodetetive 4: As quatro estações. Série Matemática na Escola Objetivos 1. Mostrar como os movimentos de translação e de rotação da Terra determinam as estações do ano e a variação da duração

Leia mais

06-01-2012. Sumário. O Sistema Solar. Principais características dos planetas do Sistema Solar 05/01/2012. 23 e 24

06-01-2012. Sumário. O Sistema Solar. Principais características dos planetas do Sistema Solar 05/01/2012. 23 e 24 Sumário Os planetas do Sistema Solar e as suas principais características. (BI dos Planetas do Sistema Solar). Atividade Prática de Sala de Aula Características dos planetas. Preenchimento de tabelas,

Leia mais

Esquema: Representação da força de atração gravitacional entre dois corpos de massas M 1 e M 2

Esquema: Representação da força de atração gravitacional entre dois corpos de massas M 1 e M 2 As Forças de Marés As marés são conhecidas de todos, principalmente por aqueles que moram próximo ao mar e dele vivem. Muitos deles sabem prever a maré em função da Lua e do Sol, sem sequer saber qual

Leia mais

ESCOLA SALESIANA DE MANIQUE TESTE DE AVALIAÇÃO DE CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICAS ANO LECTIVO 2010/2011

ESCOLA SALESIANA DE MANIQUE TESTE DE AVALIAÇÃO DE CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICAS ANO LECTIVO 2010/2011 ESCOLA SALESIANA DE MANIQUE TESTE DE AVALIAÇÃO DE CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICAS ANO LECTIVO 2010/2011 Nome: 7.º Ano Turma Nº: Encarregado de Educação: Classificação: Professor: 1. Observe a figura seguinte,

Leia mais

SOCIEDADE ASTRONÔMICA BRASILEIRA SAB VII Olimpíada Brasileira de Astronomia VII OBA - 2004 Gabarito do nível 3 (para alunos da 5ª à 8ª série)

SOCIEDADE ASTRONÔMICA BRASILEIRA SAB VII Olimpíada Brasileira de Astronomia VII OBA - 2004 Gabarito do nível 3 (para alunos da 5ª à 8ª série) SOCIEDADE ASTRONÔMICA BRASILEIRA SAB VII Olimpíada Brasileira de Astronomia VII OBA - 2004 Gabarito do nível 3 (para alunos da 5ª à 8ª série) Questão 1) (1 ponto) Como você já deve saber o sistema solar

Leia mais

As fases da Lua. Depois do Sol, o astro que sempre despertou. Desenhe as fases da Lua que você conhece.

As fases da Lua. Depois do Sol, o astro que sempre despertou. Desenhe as fases da Lua que você conhece. A U A UL LA Acesse: http://fuvestibular.com.br/ As fases da Lua Atenção Depois do Sol, o astro que sempre despertou mais o interesse das pessoas foi a Lua. Percorrendo a escuridão celeste, a Lua vem iluminando

Leia mais

(QRV3LFD]]LR NÃO HÁ PERMISSÃO DE USO PARCIAL OU TOTAL DESTE MATERIAL PARA OUTRAS FINALIDADES. NASA

(QRV3LFD]]LR NÃO HÁ PERMISSÃO DE USO PARCIAL OU TOTAL DESTE MATERIAL PARA OUTRAS FINALIDADES. NASA $6752120,$'26,67(0$62/$5$*$ 7(55$ H /8$ (QRV3LFD]]LR,$*863 NÃO HÁ PERMISSÃO DE USO PARCIAL OU TOTAL DESTE MATERIAL PARA OUTRAS FINALIDADES. NASA Parâmetros lunares mais relevantes Distância orbital média

Leia mais

Tópicos Especiais em Física. Vídeo-aula 3: astronomia esférica 25/06/2011

Tópicos Especiais em Física. Vídeo-aula 3: astronomia esférica 25/06/2011 Tópicos Especiais em Física Vídeo-aula 3: astronomia esférica 25/06/2011 Sistema esférico de coordenadas geográficas Sistemas de coordenadas celestes Movimento diurno dos astros Movimento anual do sol

Leia mais

QUE HORAS SÃO? Neuza Machado Vieira Professora Assistente Doutora (aposentada) em Geografia da Faculdade de Ciências Humanas e Sociais UNESP/Franca

QUE HORAS SÃO? Neuza Machado Vieira Professora Assistente Doutora (aposentada) em Geografia da Faculdade de Ciências Humanas e Sociais UNESP/Franca QUE HORAS SÃO? Analúcia Bueno dos Reis Giometti Professora Doutora Titular do Departamento de Educação, Ciências Sociais e Políticas Públicas da Faculdade de História, Direito e Serviço Social UNESP/Franca.

Leia mais

SISTEMAS DE 18 COORDENADAS UTILIZADOS EM ASTRONOMIA NÁUTICA E NAVEGAÇÃO ASTRONÔMICA

SISTEMAS DE 18 COORDENADAS UTILIZADOS EM ASTRONOMIA NÁUTICA E NAVEGAÇÃO ASTRONÔMICA SISTEMAS DE 18 COORDENADAS UTILIZADOS EM ASTRONOMIA NÁUTICA E NAVEGAÇÃO ASTRONÔMICA 18.1 CONCEITOS FUNDAMENTAIS Conforme visto no capítulo anterior, para determinar a posição de qualquer ponto na superfície

Leia mais

Escola E. B. 2º e 3º ciclos do Paul. Trabalho elaborado por: Diana Vicente nº 9-7ºB No âmbito da disciplina de Ciências Naturais

Escola E. B. 2º e 3º ciclos do Paul. Trabalho elaborado por: Diana Vicente nº 9-7ºB No âmbito da disciplina de Ciências Naturais Escola E. B. 2º e 3º ciclos do Paul Trabalho elaborado por: Diana Vicente nº 9-7ºB No âmbito da disciplina de Ciências Naturais Introdução Formação do sistema solar Constituição * Sol * Os planetas * Os

Leia mais

Eclipses da Lua e do Sol

Eclipses da Lua e do Sol Eclipses da Lua e do Sol Rosa M. Ros União Astronómica Internacional Universidade Politécnica de Catalunha, Espanha Objetivos Compreender porque é que a Lua tem fases Compreender a causa dos eclipses da

Leia mais

Mecânica 2007/2008. 6ª Série

Mecânica 2007/2008. 6ª Série Mecânica 2007/2008 6ª Série Questões: 1. Suponha a=b e M>m no sistema de partículas representado na figura 6.1. Em torno de que eixo (x, y ou z) é que o momento de inércia tem o menor valor? e o maior

Leia mais

Universidade de São Paulo Departamento de Geografia FLG 0253 - Climatologia I. Pressão Atmosférica

Universidade de São Paulo Departamento de Geografia FLG 0253 - Climatologia I. Pressão Atmosférica Universidade de São Paulo Departamento de Geografia FLG 0253 - Climatologia I Pressão Atmosférica Prof. Dr. Emerson Galvani Laboratório de Climatologia e Biogeografia LCB Questão motivadora: Observamos

Leia mais

1a) Resposta: O aluno deveria ter pintado a bola maior de amarelo e a média de azul ou indicado a cor.

1a) Resposta: O aluno deveria ter pintado a bola maior de amarelo e a média de azul ou indicado a cor. Sociedade Astronômica Brasileira (SAB) - Agência Espacial Brasileira (AEB) VIII Olimpíada Brasileira de Astronomia e de Astronáutica- 2005 Gabarito da Prova do nível 1 (para alunos da 1ª à 2ª série) Questão

Leia mais

COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011

COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011 COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011 O Sol e a dinâmica da natureza. O Sol e a dinâmica da natureza. Cap. II - Os climas do planeta Tempo e Clima são a mesma coisa ou não? O que

Leia mais

Desenho Técnico. Desenho Projetivo e Perspectiva Isométrica

Desenho Técnico. Desenho Projetivo e Perspectiva Isométrica Desenho Técnico Assunto: Aula 3 - Desenho Projetivo e Perspectiva Isométrica Professor: Emerson Gonçalves Coelho Aluno(A): Data: / / Turma: Desenho Projetivo e Perspectiva Isométrica Quando olhamos para

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES

CADERNO DE ATIVIDADES COLÉGIO ARNALDO 2014 CADERNO DE ATIVIDADES CIÊNCIAS Aluno (a): 5º ano Turma: Professor (a): Valor: 20 pontos CONTEÚDOS ORIENTAÇÕES Releia os registros do seu caderno, os conteúdos dos livros e realize

Leia mais

Sabemos hoje em dia que os anéis são formados por mil milhões de partículas de gelo, misturadas com rocha e silicatos, algumas do tamanho de LU11

Sabemos hoje em dia que os anéis são formados por mil milhões de partículas de gelo, misturadas com rocha e silicatos, algumas do tamanho de LU11 SATURNO Se existe outro planeta, para além da Terra, que todos conseguem reconhecer instantaneamente, é certamente Saturno, o sexto membro da família solar. Apesar de agora sabermos que Júpiter, Úrano

Leia mais

Qual o motivo das estações do ano?

Qual o motivo das estações do ano? Qual o motivo das estações do ano? Estações do Ano: W Início da Primavera 23 set Hemisfério Sul Início do Inverno 22 jun Início do Verão 22 dez g Início do Outono 21 mar Estações do Ano: Hemisfério Norte

Leia mais

Movimentos da Terra. 4) Número de aulas: São seis etapas que serão divididas em aulas a critério do professor.

Movimentos da Terra. 4) Número de aulas: São seis etapas que serão divididas em aulas a critério do professor. Movimentos da Terra 1) Objetivo Geral Aplicar os conhecimentos sobre os movimentos da Terra e da Lua para o cotidiano, e mais especificamente, para a economia de energia elétrica como o horário de verão

Leia mais

Astor João Schönell Júnior

Astor João Schönell Júnior Astor João Schönell Júnior As galáxias são classificadas morfologicamente (Hubble Sequence): -Espirais -Elípticas -Irregulares - Galáxias SO As galáxias espirais consistem em um disco com braços espirais

Leia mais

Astronomia/Kepler. As hipóteses de Kepler [editar] Colaborações com Tycho Brahe [editar]

Astronomia/Kepler. As hipóteses de Kepler [editar] Colaborações com Tycho Brahe [editar] Astronomia/Kepler < Astronomia Astronomia Uma das importantes personagens da Astronomia foi Johannes Kepler.. Como muitos astrônomos de sua época, Kepler era também um astrólogo e uma de suas crenças fundamentais

Leia mais

Formação da Lua. (Estes trabalhos estão protegidos pelos direitos de autor, registados oficialmente no I.G.A.C. sob os nºs. 4961/2008 a 1211/2012)

Formação da Lua. (Estes trabalhos estão protegidos pelos direitos de autor, registados oficialmente no I.G.A.C. sob os nºs. 4961/2008 a 1211/2012) Formação da Lua (Estes trabalhos estão protegidos pelos direitos de autor, registados oficialmente no I.G.A.C. sob os nºs 4961/2008 a 1211/2012) José Luís Pereira rebelofernandes@sapo.pt Introdução. A

Leia mais