Sede Mundial: 5 Speen Street Framingham, MA EUA P F

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sede Mundial: 5 Speen Street Framingham, MA 01701 EUA P.508.872.8200 F.508.935.4015 www.idc.com"

Transcrição

1 Sede Mundial: 5 Speen Street Framingham, MA EUA P F W H I T E P A P E R S e l e ção d a a b o r d a g e m c o r r e t a t e m i m p a c t o d e t e r m i n a n t e n o s f a t o r e s e c o n ôm i c o s d a c o m p u t a ção d e c l i e n t e v i r t u a l Oferecido pela NComputing Bob O'Donnell Setembro 2012 O P I N I ÃO D A I D C A virtualização de cliente - ou computação de cliente virtual (CCV) já superou as objeções técnicas, comerciais e para treinamento de produto, sendo agora uma solução de computação amplamente aceita. Quando os projetos CCV são bem compreendidos, dimensionados e implementados, eles podem oferecer menor custo inicial, melhor estabilidade operacional, maior acessibilidade do usuário, maior segurança de dados, e suporte mais econômico que os modelos tradicionais de TI. Entretanto, o alcance de melhores resultados de TI, de melhor flexibilidade operacional, e de maior agilidade através de CCV exige escolhas entre diferentes modelos de CCV. Os desktops virtuais centralizados (DVC), também conhecidos como infraestrutura virtual de desktops (IVD) e sessões de usuário virtual (SVU), ou ainda como serviços de terminal, são os dois principais modelos à escolha. Para desfrutar de todos os benefícios de um projeto CCV, a organização deve se esforçar para combinar seus atributos (modelo de negócios, requisitos dos usuários, capacidades de TI) e expectativas (escopo do projeto, benefícios esperados, oportunidade, custo) com o modelo certo. Embora tenha havido um impulso rumo à DVC por várias razões, especialmente nas grandes empresas, as soluções SVU continuam representando a maior parcela do mercado de CCV. Apesar de haver mais fatores de compatibilidade de aplicativo a serem considerados, os clientes, implementando soluções SVU, identificam benefícios econômicos decorrentes de uma maior densidade de usuários e um uso menos exigente de recursos de hospedagem, aliados a uma implementação simplificada e fácil, que são as principais razões para escolher essa tecnologia. A maioria das organizações começa devagar com projetos de computação de clientes virtuais talvez como solução para um problema departamental ou divisional de TI. Após comprovar o sucesso no ambiente local e com os aplicativos do cliente, esses projetos muitas vezes evoluem para uma concepção totalmente nova em nível empresarial e a reestruturação dos ativos de infraestrutura existentes e abordagens em benefício de toda a empresa. Independentemente da motivação a curto ou longo prazo, os projetos de virtualização do cliente devem ser realizados somente com as soluções e parceiros adequados, pois o risco é muito grande. N E S S E W H I T E P A P E R Esse white paper analisa a virtualização de cliente, explicando o seu significado, algumas das diferentes abordagens disponíveis atualmente, e os benefícios adquiridos

2 da implementação de uma solução de virtualização de cliente cuidadosamente considerada, adequadamente dimensionada e bem gerida. V I S ÃO G E R A L D A S I T U A Ç ÃO Hoje, empresas de todos os tamanhos e instituições educacionais investigam e implementam soluções de virtualização de clientes para alcançar benefícios, como por exemplo uma melhor capacidade de gestão e segurança dos seus dispositivos, flexibilidade para os tipos de dispositivos que contam com suporte técnico e, para muitas organizações, uma redução nos custos de TI e maior eficiência global. O primeiro passo para alcançar esses objetivos grandiosos é importante, mas muitas vezes esquecido: reservar tempo para aprender e compreender completamente a virtualização de clientes. Por mais estranho que possa parecer em um primeiro momento, há uma boa razão para isso: a virtualização de clientes pode ser uma questão complexa e até inalcançável. Para começar, existem vários meios diferentes de alcançar um determinado nível de virtualização de clientes e, em muitos casos, mais de um desses métodos são combinados para criar a solução utilizada dentro de uma organização. O IDC define quatro tipos básicos de soluções de computação de clientes virtuais: desktop virtual centralizado (DVC), ambiente virtual distribuído, virtualização de aplicativos, e sessão de usuário virtual (SVU). Essas soluções dividem uma metáfora subjacente: o desktop, que é a plataforma e a experiência apresentadas ao usuário. Isto não é um "PC desktop"; ao contrário, trata-se da apresentação de recursos essenciais de computação para o usuário, e esse desktop está sujeito às regras de controle, acesso, segurança, e assim por diante, tal como definido pela organização. Em um modelo centralizado de desktop virtual (também comumente chamado de infraestrutura de desktop virtual ou IDV), um servidor rodando um software de virtualização serve como host de várias instâncias do sistema operacional (SO), cada um dos quais com seu próprio desktop, conjunto de aplicativos, configurações de usuário etc.. Os usuários finais "conectam-se" a esses desktops virtuais através de um elemento de software de conexão, o chamado "connection broker", que atribui a cada utilizador o seu desktop virtual exclusivo. Os dispositivos clientes utilizados para acessar esses desktops podem variar, mas geralmente são PCs tradicionais, thin clients, ou "zero" clients, que são uma variação dos thin clients, que não têm um sistema operacional integrado ou parâmetros persistentes na memória. Com os ambientes virtuais distribuídos, o desktop virtual é ativado diretamente em uma ponta, permitindo que um ou mais computadores distintos rodem na máquina ao mesmo tempo. Os ambientes virtuais distribuídos são utilizados quase exclusivamente com PCs tradicionais. As soluções de virtualização de aplicativos alavancam o sistema operacional instalado em dispositivos clientes, como PCs e thin clients, mas conectam-se a servidores que rodam softwares especializados que permitem que os aplicativos sejam "compartilhados" por múltiplos usuários. A vantagem desta abordagem é que os departamentos de TI podem facilmente gerir e atualizar os aplicativos, sem ter que atualizar os PCs clientes individuais. Além disso, soluções SVU precisam de software especializado de virtualização rodando em um servidor, para que múltiplos usuários possam obter acesso. Ao 2 # IDC

3 contrário das soluções DVC, os produtos SVU utilizam um único sistema operacional e "virtualizam" as sessões para cada usuário, oferecendo também a cada usuário seus aplicativos próprios e configurações de perfil e armazenamento de dados, para que o usuário tenha uma experiência completa de desktop. A r q u i t e t u r a s d e s o l u ç õ e s d e c o m p u t a ç ã o d e c l i e n t e v i r t u a l Os modelos DVC e SVU de virtualização de clientes funcionam com o mesmo conceito um servidor "hospeda" o desktop que é apresentado ao usuário. Os produtos específicos mais comumente utilizados para criar um ambiente de DVC são Citrix XenDesktop e VMware View. Para SVU, soluções comuns incluem Citrix XenApp, Microsoft Remote Desktop Services, e NComputing vspace. Os elementos específicos aplicados a ambas as soluções DVC e SVU são: Softwares no lado do servidor, que realizam o trabalho pesado de criar os desktops virtuais, nos quais o indivíduo faz login; Software connection broker, que designa, aos usuários de dispositivos individuais, os seus próprios desktops virtuais; Protocolos, como HDX, PCoIP, RDP/RemoteFX, e UXP, que permitem a exibição visual do desktop virtual, a ser transmitido desde o servidor até o dispositivo cliente; Software de gestão, que permite aos administradores de TI ver e gerir ativamente as sessões virtuais de desktop em seu ambiente; Dispositivos de acesso, como thin clients, zero clients, ou mesmo PCs redirecionados; Como mencionado anteriormente, a diferença crucial entre as soluções DVC e SVU é a forma como o sistema operacional é utilizado com os desktops virtuais. Em DVC, cada desktop virtual (normalmente Windows) tem uma instância totalmente independente do sistema operacional do host, enquanto em SVU, uma única instância do sistema operacional é utilizada por vários usuários, todos eles tendo essencialmente suas próprias contas dentro do sistema operacional. Cada abordagem tem seus prós e contras. No caso de DVC, como cada desktop virtual tem seu próprio sistema operacional, a compatibilidade pode ser melhorada, porque os aplicativos rodando no desktop "pensam" que estão rodando em um PC autônomo e necessitam apoiar apenas um usuário por vez. Do lado negativo, o custo e a complexidade de gerenciar o sistema operacional para cada desktop virtual e cada usuário podem ser altos. Além disso, a grande parte dos servidores pode gerenciar menos desktops virtuais DVC que desktops SVU, porque cada desktop DVC possui normalmente demandas maiores de processamento e armazenamento do que um desktop SVU. Para SVU, gerenciar um único SO com aplicativos compartilhados para cada grupo de usuários é normalmente mais fácil e menos dispendioso, devido às maiores densidades de usuários possíveis por SO. No entanto, alguns aplicativos não rodam corretamente neste tipo de ambiente compartilhado, porque precisam ser "conscientes de multi-usuários" (isto é, capazes de suportar mais de um usuário por vez). Uma das outras grandes diferenças entre esses tipos de soluções, e em diferentes soluções da mesma categoria, é o grau em que elas podem escalar em ambientes de diferentes dimensões IDC #

4 E s c a l a d e s o l u ç ã o a d e q u a d a As implementações em grande escala de soluções de virtualização de clientes são capazes de lidar com milhares de usuários ao redor do mundo, oferecendo disponibilidade e desempenho garantidos, independência da plataforma do usuário (necessária para permitir uma política de "trazer seu próprio dispositivo" [BYOD]), e gestão, acompanhamento, e ferramentas de otimização integradas. Essas implementações em larga escala geralmente dependem de vários CPDs dedicados, com especialistas e técnicos de TI altamente qualificados e treinados para manter os usuários de uma empresa multinacional conectados o tempo todo em todos os fusos horários. Essas implementações envolvem os custos globais mais elevados, sendo adequadas a apenas algumas poucas organizações globais. As implementações de virtualização de cliente em média escala oferecem a maioria ou todos os recursos listados anteriormente, mas podem ser localizadas em menos CPDs ou em instalações de serviços terceirizados. Há provavelmente menos necessidade de ferramentas de gerenciamento demasiadamente detalhadas, mas é preciso ter um gerenciamento centralizado. Além disso, esses projetos normalmente têm uma pequena equipe dedicada ao suporte para manter os desktops disponíveis para os usuários conectados. As implementações e oportunidades de menor escala são extremamente comuns. Esses ambientes muitas vezes adotam a virtualização de clientes em áreas específicas, visando uma ou duas questões claras geralmente em relação a licenças ou versões de software e depois crescem à medida que os resultados positivos da implementação se disseminam pela empresa. É bastante incomum ver soluções de virtualização de cliente suportando CPDs globais e milhares de usuários serem bem-sucedidas em implementações de pequena escala. É mais comum ver implementações de menores dimensões crescerem, à medida que a empresa obtém sucesso e os benefícios da virtualização de clientes impulsionam uma maior eficiência dos recursos de TI. Não surpreende que os custos associados com soluções concebidas para instalações de maior escala tendem a ser mais caras (mesmo com base por estação) do que as concebidas para pequenas e médias instalações. O n d e f i c a o s e r v i d o r? Uma das questões mais importantes que as organizações precisam abordar, ao tentar determinar o correto tipo de solução de virtualização de cliente, envolve a decisão sobre onde os servidores, hospedando os desktops virtuais, devem residir. Em muitas implementações de grande porte, o software de virtualização de clientes é instalado em servidores locais e suportado pelo TI naquela instalação. Para empresas com filiais menores, no entanto, este tipo de estrutura não é acessível ou realista. Ao contrário, esses tipos de empresas necessitam de soluções, onde o suporte de TI pode estar na matriz ou em um local externo. Isto dá às empresas a capacidade de "computar localmente, mas gerenciar remotamente", um importante meio para permitir reduções de custos com soluções virtualizadas de cliente. O pessoal de TI pode permanecer localizado centralmente, mas ainda gerir facilmente as necessidades de computação dos usuários em muitos diferentes locais e potencialmente distantes. Administrar esse tipo de estrutura, entretanto, pode criar uma nova responsabilidade, como dependência da qualidade, consistência e velocidade de uma conexão WAN. Esses desafios podem ser 4 # IDC

5 superados, mas podem também adicionar custos e complexidade a uma solução. O ponto chave é determinar não só o tamanho certo para a solução, mas também como essa solução pode crescer à medida que as necessidades de uma empresa ou unidade específica aumentam. Até mesmo nos menores ambientes de virtualização de clientes, a necessidade de fornecer um desktop conectado aos usuários representa um esforço de grande escala. Esses ambientes muitas vezes enfrentam desafios mais difíceis, de se contentar com recursos escassos e limitados. A pequena dimensão desses ambientes de TI, porém, significa que uma solução, que hoje é capaz de atender poucos usuários, seja capaz de crescer e atender a mais usuários; caso contrário, arquiteturas integrais de TI podem necessitar de atualizações dispendiosas e talvez sua total substituição. Assim, outro fator crítico envolve a seleção de ferramentas de software, que tenham uma flexibilidade de escala, desde o apoio a poucos usuários em um único servidor local, de baixa energia (até mesmo apenas um PC normal) em até algo que possa prosperar em um ambiente de servidor virtualizado, onde cada iteração virtual do software de hospedagem virtual possa hospedar grandes grupos de usuários, todos em um único e poderoso hardware de servidor. Produtos, como o software de hospedagem NComputing vspace e Central de Gerenciamento NComputing vspace fornecem essa escala e recursos de gerenciamento centralizado em um conjunto poderoso e unificado de ferramentas de TI. P E R S P E C T I V A S F U T U R A S As oportunidades de mercado para produtos que ofereçam recursos de virtualização de cliente são grandes. Segundo a pesquisa da IDC, as receitas mundiais do mercado de soluções de software DVC foram de aproximadamente US$207 milhões em 2010 e deverão atingir US$606 milhões em 2014 (Figura 1). As receitas mundiais de softwares SVU foram de US$1,3 bilhão em 2010 e deverão crescer para US$1,5 bilhão em As razões por trás deste crescimento são muitas, mas resumem-se ao fato de que esses tipos de produtos proporcionam às empresas um nível de segurança, estrutura, capacidade de gestão e controle em seus departamentos de TI, que elas consideram crítico para o sucesso contínuo. As empresas apreciam a flexibilidade que têm com essas soluções, especialmente com as drásticas flutuações e mudanças que começaram a ocorrer em dispositivos clientes IDC #

6 ($M) ($M) F I G U R A 1 R e c e i t a s m u n d i a i s c o m s o f t w a r e s d e d e s k t o p v i r t u a l c e n t r a l i z a d o e s e s s ã o d e u s u á r i o v i r t u a l, ,600 11,400 11,200 11, CVD DVC VUS SVU Fonte: IDC, 2012 Falando de dispositivos clientes, verificamos que thin clients e zero clients normalmente desempenham um papel crítico nas implementações de virtualização de cliente, uma vez que foram concebidos especificamente para funcionar com esses tipos de soluções de software. Como ilustrado na Figura 2, as remessas mundiais de unidades thin-client deverão crescer de 4,4 milhões em 2011 para 10,4 milhões em 2016, uma taxa de crescimento anual composta (CAGR) de 18,8%. 6 # IDC

7 Unidades Taxa de crescimento anual composta (CAGR) F I G U R A 2 R e m e s s a s m u n d i a i s d e u n i d a d e s T h i n - C l i e n t, Unidades Taxa de crescimento anual composta (CAGR) Fonte: IDC, 2012 A adoção de tecnologias de virtualização de cliente está avançando a passos largos por muitas razões distintas. Fundamentalmente, as organizações estão procurando por soluções de TI, que lhes dêem flexibilidade e agilidade para se adaptarem a exigências em constante mutação de aplicativos e serviços baseados na Web, o aumento da mobilidade dos trabalhadores, o fenômeno BYOD, e outras importantes tendências que estão provocando mudanças fundamentais na forma como as empresas precisam pensar e planejar sua infraestrutura de TI. E N F R E N T A N D O O S D E S A F IOS Um dos motivos, pelos quais as empresas optam por adotar soluções virtuais de computação de clientes, é que a tecnologia pode reduzir os custos de clientes por usuário. Embora os custos de aquisição de terminais sejam tipicamente elevados ou até maiores que os PCs normais, as organizações podem aproveitar os benefícios desse design nos custos de manutenção e suporte a longo prazo. Na verdade, em uma pesquisa entre gerentes de TI baseados nos Estados Unidos, que implantaram plataformas de software de sessão de usuário virtual, a IDC constatou que a razão principal para a implantação foi a redução no custo total de propriedade (CTP). As empresas também esperavam beneficiar-se da simplificação das suas operações de TI, bem como agilizar a gestão dos seus ambientes de sistema operacional, aplicativos e dispositivos (Figura 3) IDC #

8 F I G U R A 3 R a z õ e s p a r a u s a r s o f t w a r e d e s e s s ã o d e u s u á r i o v i r t u a l P. Qual é a razão que o levou a implementar software de sessão de usuário virtual? Custo total de propriedade Simplificação das operações de TI Simplificação da gestão do sistema operacional Simplificação da gestão do ciclo de vida dos aplicativos Simplificação da gestão do ciclo de vida dos computadores Retorno sobre o investimento Habilitação do ambiente de usuário da próxima geração (suporte a mais dispositivos) Outro (especificar) (% de entrevistados) n = 119 Fonte: IDC, 2011 A experiência do mundo real também atendeu às expectativas dos gestores de TI, pois a redução de custos foi citada como o principal benefício obtido após a implementação do software SVU, seguido de perto pela simplificação da gestão de dispositivos de TI, sistemas operacionais e aplicativos (Figura 4). Os gestores de TI também citaram a facilidade da implementação dessas soluções, como um grande benefício, juntamente com a melhoria do acesso para seus usuários finais e, até mesmo, melhor segurança de seus ambientes. 8 # IDC

9 F I G U R A 4 B e n e f íc i o s d e u s a r s o f t w a r e d e s e s s ã o d e u s u á r i o v i r t u a l P. Que benefícios você já teve com o uso de software de sessão de usuário virtual? Redução de custo Simplificação da gestão Facilidade de implementação/administração Melhor acesso ao usuário/suporte dos dispositivos Melhor segurança Maior eficiência/produtividade Melhor gestão/distribuição de aplicativos Mais confiável/maior disponibilidade Facilidade de uso Capacidade de padronização Aceitação/satisfação do usuário Menos hardware/custos Mais flexível Nenhum Velocidade Facilidade de planejamento Outro n = 100 Fonte: IDC, 2011 (% de entrevistados) 2012 IDC #

10 D E S A F I O S / O P O R T U N I D A D ES As características das soluções de cliente virtual as tornam bastante ideais para resolver determinados problemas de TI. Apesar do apelo do conceito da virtualização, as realidades do esforço de implementação podem acarretar impactos inesperados. Essas realidades também podem surpreender os usuários, gestores de TI e executivos, quando os níveis esperados de serviço e redução de custos não se concretizam como esperado. É extremamente importante para as organizações, que a solução selecionada seja do tamanho ideal para seu ambiente. Muitas soluções de virtualização de cliente são projetadas para ambientes em grande escala. Essas implementações globais da empresa são geralmente muito bem planejadas, com recursos, pessoal, e envolvimento do fornecedor ou RVA (revendedor de valor agregado) suficientes para atender aos compromissos do projeto para usuários no mundo todo. Mais importante, porém, é o fato que essas implementações são feitas em infraestruturas globais de TI existentes, com CPDs regionais que já suportam milhares de usuários. O valor da virtualização de clientes, porém, não se limita a esses ambientes em grande escala. Implementações menores às vezes bem menores podem levar a economias esperadas em custos de suporte de TI, mas também podem fornecer recursos adicionais e melhorados. Atualizações consistentes de SO, melhoria na segurança de dados e na utilização dos recursos existentes estão dentro do alcance de empresas de pequeno porte. Em qualquer implementação de tamanho, as questões críticas ainda são compreensão e planejamento. É necessária compreensão do negócio, do custo e do valor específico da solução de virtualização no contexto do negócio. O passo mais importante, porém, é o planejamento. Isso significa planejamento, não apenas na implementação, mas também em como uma solução de virtualização pode crescer juntamente com a empresa. É necessário também definir as limitações fundamentais e o plano para abordar essas limitações. Em alguns ambientes, ter todos os usuários conectados a um único cluster ou CPD de servidores IDV é adequado para os níveis de serviço e esforços de manutenção pretendidos; em outros, ter servidores IDV distribuídos localmente nos escritórios regionais, mas geridos centralmente, é a melhor configuração. Em outros casos ainda, o plano de implementação poderá apelar para uma solução de "servidor remoto, escritório remoto", até que o escritório remoto atinja um determinado tamanho e outra abordagem a substitua. Essas implementações precisam de uma solução, que seja flexível o suficiente para oferecer benefícios atuais, e para que possa crescer e continuar a proporcionar os mesmos benefícios no futuro. Os fornecedores, que ofereçam essas soluções capazes de expansão, compreenderão as necessidades das estruturas pequenas e das que estão crescendo em TI e poderão oferecer soluções mais eficazes e adequadas para hoje e para o futuro. Outra preocupação para manter em mente é o desempenho do cliente. Muitas soluções de virtualização de cliente são extremamente dependentes da rede e impõem grandes exigências à infraestrutura existente. Além disso, alguns aplicativos não são muito eficientes no uso do espaço de rede e, quando implementados em ambientes virtualizados de desktop, podem ocasionar um decepcionante 10 # IDC

11 desempenho do cliente. Esses problemas podem ser facilmente resolvidos com a ativação da quantidade correta de capacidade de rede e com testes constantes de importantes aplicativos em ambientes de desktop virtual, mas precisam ser considerados como parte do processo de implantação de desktop virtual. C O N C L U S ÃO Para a maioria das organizações que estão considerando soluções virtualizadas de cliente, os possíveis benefícios são convincentes. Melhoria na segurança, custos reduzidos de suporte ao usuário final e operações de TI mais eficientes ajudam a melhorar a eficácia e o valor da maioria das organizações de TI. Além disso, os menores custos de aquisição de hardware, o reduzido consumo de energia e a maior vida útil dos dispositivos de cliente também podem contribuir para a melhoria dos resultados. Especificamente, as soluções que alavancam softwares de sessão virtual do usuário podem oferecer as vantagens mais importantes em termos de custos, em especial para empresas de médio e pequeno porte. De qualquer forma, por cautela, é preciso pesquisar e analisar, antes de escolher uma solução. Muitos compradores de virtualização descobriram que apenas deslocaram suas despesas de capital de TI para despesas operacionais de TI e não obtiveram nenhum benefício real. Isso não precisa acontecer, ao contrário, ao implementar soluções que coincidam e sejam dimensionadas de acordo com as necessidades do negócio, os gestores de TI descobrirão que as soluções de virtualização de desktop trazem um novo nível de flexibilidade e capacidade à sua organização que renderá dividendos por muitos e muitos anos. E S T U D O D E C A S O O G r u p o d e e m p r e s a s F l a m a n Um varejista privado de produtos agrícolas situado no Canadá, a Flaman iniciou suas atividades há mais de 50 anos como varejista rural de grãos e silos para ensilagem. Essa empresa bem gerida tornou-se um importante fornecedor da indústria com várias unidades, incluindo oito estabelecimentos varejistas geograficamente dispersos pela província de Saskatchewan. À medida que a Flaman cresceu, o mesmo ocorreu com as necessidades de informação de seus executivos, gerentes e trabalhadores. Identificar os requisitos foi a parte mais fácil informações precisas sobre as vendas e estoque para operações just-in-time, contabilização oportuna e dados da folha de pagamento para gestão de caixa e remuneração dos empregados, bem como dados operacionais completos para análise e avaliação de oportunidades. Foi fácil identificar os desafios de TI da empresa já que Bart De Marie é o único responsável pelo setor de TI da Flaman. Ao longo da sua vida ele viu os desafios "clássicos" de gestão de dados enfrentados por muitas pequenas e médias empresas. Os PCs da empresa tinham de 5 a 10 anos de idade, o fluxo de trabalho da empresa havia crescido e ele foi forçado a acomodar aplicativos antigos e isolados da linha de negócio, já que De Marie tinha que tomar as decisões e fazer as mudanças necessárias sozinho IDC #

12 Sem a possibilidade de uma atualização completa de recursos de TI da empresa ou do treinamento e apoio ao usuário necessários, De Marie resolveu implementar a virtualização de cliente. Utilizando um pequeno servidor em cada localidade de varejo como hospedeiro de virtualização de desktop, De Marie utilizou produtos da NComputing para fornecer sessões de desktop atualizadas e geridas conectadas aos dispositivos de acesso em cada loja. Isso permitiu a De Marie gerir todos os servidores remotos a partir de sua localidade e permitir, assim, a coleta centralizada dos dados remotos de varejo que foram fundamentais para o crescimento da empresa. De Marie creditou à NComputing como um recurso valioso para ajudar a dimensionar os problemas de TI e comparar as alternativas. Após a implementação bem-sucedida de virtualização de desktop vspace, ele foi capaz de satisfazer as necessidades de TI atuais e futuras da Flaman. De Marie observou que agora ele pode manter um servidor e alguns PCs disponíveis como "reservas aquecidas" para garantir a disponibilidade e a melhoria das comunicações por toda a empresa. Ele também indicou que a solução de virtualização de clientes é um economizador de energia, pois quando ele pode se dar ao luxo de substituir um PC antigo por um thin client mais recente, a energia elétrica necessária para suportar a máquina diminui. De Marie foi claro sobre o quão fundamental foi para ele investir tempo e esforço para compreender as soluções propostas pelos fornecedores participantes. Ele analisou todos os detalhes da execução, incluindo todos os custos de licenciamento de aplicativos e comunicação de dados. De Marie determinou exatamente quais dos seus PCs atuais seriam utilizados e onde; quais software de servidor ele necessitava e quais seriam seus custos; quais dispositivos de acesso são utilizados em cada estação; com qual software aplicativo eles iriam se comunicar e a que custo, e quais ferramentas de gestão ele poderia ter e a qual custo. Essa meticulosidade contribuiu para De Marie fazer suas recomendações à administração executiva, sabendo que não haveria surpresas, à medida que o projeto avançasse. Ele havia feito sua própria investigação no início do projeto, e chegou a essas conclusões distintas, mas importantes: É necessário definir claramente o projeto de virtualização de cliente e seus objetivos. É necessário entender todos os detalhes do seu negócio e TI atual, e deve-se saber como os planos de crescimento da companhia irão afetar as necessidades de TI. É necessário compreender todos os detalhes das ofertas de virtualização disponíveis. É necessário entender cada pressuposto, implicação e risco de cada uma das opções da lista selecionada de virtualização. É necessário escolher o parceiro adequado. De Marie está satisfeito com a solução escolhida da NComputing por duas razões: ela resolve seu problema atual de TI a um custo razoável e lhe proporciona uma estratégia de crescimento, que só precisa ser implementada e paga quando necessário. 12 # IDC

13 A v i s o d e d i r e i t o s a u t o r a i s Publicação Externa de Dados e Informações da IDC Qualquer informação da IDC, que seja utilizada em publicidade, divulgações à imprensa ou materiais promocionais, exige autorização prévia por escrito do Vice-presidente ou Gerente Geral da IDC no país, conforme adequado. Uma minuta do documento proposto deve acompanhar o pedido. A IDC reserva-se o direito de negar a aprovação de uso externo por qualquer motivo. Copyright 2012 IDC. A reprodução sem autorização por escrito é expressamente proibida IDC #

Conceitos Básicos de Rede. Um manual para empresas com até 75 computadores

Conceitos Básicos de Rede. Um manual para empresas com até 75 computadores Conceitos Básicos de Rede Um manual para empresas com até 75 computadores 1 Conceitos Básicos de Rede Conceitos Básicos de Rede... 1 A Função de Uma Rede... 1 Introdução às Redes... 2 Mais Conceitos Básicos

Leia mais

UM CAMINHO SIMPLES PARA UMA NUVEM PRIVADA

UM CAMINHO SIMPLES PARA UMA NUVEM PRIVADA UM CAMINHO SIMPLES PARA UMA NUVEM PRIVADA Julho de 2015 Com nuvens privadas de fácil uso concebidas para executar aplicativos corporativos essenciais para os negócios, as principais organizações se beneficiam

Leia mais

O Cisco IBSG prevê o surgimento de mercados globais conectados

O Cisco IBSG prevê o surgimento de mercados globais conectados O Cisco IBSG prevê o surgimento de mercados globais conectados Como as empresas podem usar a nuvem para se adaptar e prosperar em um mercado financeiro em rápida mudança Por Sherwin Uretsky, Aron Dutta

Leia mais

Como identificar, vender e comercializar com os prospectos de pequenas empresas Parte 1/3

Como identificar, vender e comercializar com os prospectos de pequenas empresas Parte 1/3 Como identificar, vender e comercializar com os prospectos de pequenas empresas Parte 1/3 A pequena empresa é um mercado massivo em importante crescimento, que alcançou uma maturidade em termos de oportunidade

Leia mais

CLOUD COMPUTING NAS EMPRESAS: NUVEM PÚBLICA OU NUVEM PRIVADA? nubeliu.com

CLOUD COMPUTING NAS EMPRESAS: NUVEM PÚBLICA OU NUVEM PRIVADA? nubeliu.com CLOUD COMPUTING NAS EMPRESAS: NUVEM PÚBLICA OU NUVEM PRIVADA? nubeliu.com SUMÁRIO Introdução... 4 Nuvem pública: quando ela é ideal... 9 Nuvem privada: quando utilizá-la... 12 Alternativas de sistemas

Leia mais

Sede global: 5 Speen Street Framingham, MA 01701 EUA Tel.508.872.8200 Fax.508.935.4015 www.idc.com

Sede global: 5 Speen Street Framingham, MA 01701 EUA Tel.508.872.8200 Fax.508.935.4015 www.idc.com Sede global: 5 Speen Street Framingham, MA 01701 EUA Tel.508.872.8200 Fax.508.935.4015 www.idc.com B O L E T I M I N F O R M A T I V O R e d H a t E n t e r p r i s e L i n u x e m u s o : E m p r e s

Leia mais

IDC A N A L Y S T C O N N E C T I O N

IDC A N A L Y S T C O N N E C T I O N IDC A N A L Y S T C O N N E C T I O N Robert Young Gerente de pesquisas de software para gerenciamento de sistemas empresariais C o m o r e p e n s a r o gerenciamento de ativo s d e T I n a e ra da "Internet

Leia mais

Provedor de serviços de software oferece solução econômica de gestão eletrônica

Provedor de serviços de software oferece solução econômica de gestão eletrônica Windows Azure Soluções para clientes - Estudo de caso Provedor de serviços de software oferece solução econômica de gestão eletrônica Visão geral País ou região: Índia Setor: Tecnologia da informação Perfil

Leia mais

agility made possible

agility made possible RESUMO DA SOLUÇÃO Utilitário ConfigXpress no CA IdentityMinder a minha solução de gerenciamento de identidades pode se adaptar rapidamente aos requisitos e processos de negócio em constante mudança? agility

Leia mais

Quatro tendências críticas em TI para a continuidade dos negócios

Quatro tendências críticas em TI para a continuidade dos negócios Quatro tendências críticas em TI para a continuidade dos negócios Em TI, o fracasso não é uma opção. Não surpreendentemente, as organizações tornaram uma prioridade alta desenvolver e implementar planos

Leia mais

Gestão e estratégia de TI Conhecimento do negócio aliado à excelência em serviços de tecnologia

Gestão e estratégia de TI Conhecimento do negócio aliado à excelência em serviços de tecnologia Gestão e estratégia de TI Conhecimento do negócio aliado à excelência em serviços de tecnologia Desafios a serem superados Nos últimos anos, executivos de Tecnologia de Informação (TI) esforçaram-se em

Leia mais

Manual de Vendas. Chegou a oportunidade de aumentar os lucros com o Windows Server 2012 R2

Manual de Vendas. Chegou a oportunidade de aumentar os lucros com o Windows Server 2012 R2 Manual de Vendas Chegou a oportunidade de aumentar os lucros com o Windows Server 2012 R2 O Windows Server 2012 R2 fornece soluções de datacenter e de nuvem híbrida de classe empresarial que são simples

Leia mais

Gerenciamento inteligente de dados

Gerenciamento inteligente de dados Gerenciamento inteligente de dados Sanjeet Singh Grupo de produtos de armazenamento de dados da Dell ÍNDICE Índice RESUMO EXECUTIVO... 3 O GERENCIAMENTO DE DADOS DE HOJE... 3 VISÃO DA DELL: IDM... 4 OBJETIVOS

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo II Clico de Vida e Organização

Gerenciamento de Projetos Modulo II Clico de Vida e Organização Gerenciamento de Projetos Modulo II Clico de Vida e Organização Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos

Leia mais

SUMÁRIO. White Paper - NETGLOBE 2

SUMÁRIO. White Paper - NETGLOBE 2 SUMÁRIO Conhecendo a Telepresença... 3 A nova era da Videoconferência: Telepresença... 3 Como viabilizar um projeto de Telepresença... 4 Telepresença oferece excelente qualidade em uma fantástica experiência,

Leia mais

WMS e TMS. A integração entre os sistemas de gerenciamento de armazéns e transportes é fundamental para a otimização dos fluxos de trabalho

WMS e TMS. A integração entre os sistemas de gerenciamento de armazéns e transportes é fundamental para a otimização dos fluxos de trabalho WMS e TMS A integração entre os sistemas de gerenciamento de armazéns e transportes é fundamental para a otimização dos fluxos de trabalho O que um jogador de futebol e uma bailarina profissional têm em

Leia mais

NUVEM HÍBRIDA: DEIXE AS PREOCUPAÇÕES COM SEGURANÇA NO PASSADO.

NUVEM HÍBRIDA: DEIXE AS PREOCUPAÇÕES COM SEGURANÇA NO PASSADO. NUVEM HÍBRIDA: DEIXE AS PREOCUPAÇÕES COM SEGURANÇA NO PASSADO. Muitas empresas brasileiras estão interessadas nas vantagens proporcionadas pela computação em nuvem, como flexibilidade, agilidade e escalabilidade,

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Introdução A A logística sempre existiu e está presente no dia a dia de todos nós, nas mais diversas

Leia mais

Classificação de Sistemas: Sistemas Empresariais

Classificação de Sistemas: Sistemas Empresariais Universidade do Contestado Campus Concórdia Curso de Ciências Contábeis Prof.: Maico Petry Classificação de Sistemas: Sistemas Empresariais DISCIPLINA: Sistemas de Informação Gerencial O QI da empresa

Leia mais

O QUE FAZER PARA MELHORAR O PROCESSO DE COMPRAS 1

O QUE FAZER PARA MELHORAR O PROCESSO DE COMPRAS 1 O QUE FAZER PARA MELHORAR O PROCESSO DE COMPRAS 1 Matheus Alberto Cônsoli* Lucas Sciência do Prado* Marcos Fava Neves* As revendas agropecuárias devem considerar não apenas preços, mas também as oportunidades

Leia mais

UNEMAT SISTEMA DE INFORMAÇÃO (SI) Professora: Priscila Pelegrini priscila_pelegrini@unemat-net.br

UNEMAT SISTEMA DE INFORMAÇÃO (SI) Professora: Priscila Pelegrini priscila_pelegrini@unemat-net.br UNEMAT SISTEMA DE INFORMAÇÃO (SI) Professora: Priscila Pelegrini priscila_pelegrini@unemat-net.br SINOP MT 2015-1 COMO SÃO DESENVOLVIDOS OS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO? São desenvolvimento como uma estrutura

Leia mais

Cinco restrições de desenvolvimento/teste que afetam a velocidade, o custo e a qualidade dos seus aplicativos

Cinco restrições de desenvolvimento/teste que afetam a velocidade, o custo e a qualidade dos seus aplicativos Série de ebooks sobre desenvolvimento em paralelo ágil: Capítulo 2 Cinco restrições de desenvolvimento/teste que afetam a velocidade, o custo e a qualidade dos seus aplicativos Novas pressões, mais restrições

Leia mais

Lista de Exercícios: Vantagem Estratégica. Exercício 1

Lista de Exercícios: Vantagem Estratégica. Exercício 1 Lista de Exercícios: Vantagem Estratégica Exercício 1 Pedido: Escreva abaixo de cada definição o nome do termo correspondente, entre os citados abaixo: Termos Ação estratégica de diferenciação Ação estratégica

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Cluster, Grid e computação em nuvem Slide 8 Nielsen C. Damasceno Introdução Inicialmente, os ambientes distribuídos eram formados através de um cluster. Com o avanço das tecnologias

Leia mais

Planejamento - 7. Planejamento do Gerenciamento do Risco Identificação dos riscos. Mauricio Lyra, PMP

Planejamento - 7. Planejamento do Gerenciamento do Risco Identificação dos riscos. Mauricio Lyra, PMP Planejamento - 7 Planejamento do Gerenciamento do Risco Identificação dos riscos 1 O que é risco? Evento que representa uma ameaça ou uma oportunidade em potencial Plano de gerenciamento do risco Especifica

Leia mais

Guia de Licenciamento por Volume Microsoft

Guia de Licenciamento por Volume Microsoft iii Sumário Capítulo 1: Introdução ao Licenciamento por Volume... 1 Pontos chave para entender o Licenciamento por Volume Microsoft... 1 Programas de licenciamento para sua organização... 1 Licenciamento

Leia mais

Resumo da solução SAP SAP Technology SAP Afaria. Gestão da mobilidade empresarial como vantagem competitiva

Resumo da solução SAP SAP Technology SAP Afaria. Gestão da mobilidade empresarial como vantagem competitiva da solução SAP SAP Technology SAP Afaria Objetivos Gestão da mobilidade empresarial como vantagem competitiva Simplifique a gestão de dispositivos e aplicativos Simplifique a gestão de dispositivos e aplicativos

Leia mais

Como ter sucesso no desenvolvimento e suporte de nuvens híbridas

Como ter sucesso no desenvolvimento e suporte de nuvens híbridas BOLETIM INFORMATIVO Como ter sucesso no desenvolvimento e suporte de nuvens híbridas Oferecido por: HP Gard Little Julho de 2014 Elaina Stergiades OPINIÃO DA IDC Ao planejar a adoção de novas tecnologias

Leia mais

Porque estudar Gestão de Projetos?

Porque estudar Gestão de Projetos? Versão 2000 - Última Revisão 07/08/2006 Porque estudar Gestão de Projetos? Segundo o Standish Group, entidade americana de consultoria empresarial, através de um estudo chamado "Chaos Report", para projetos

Leia mais

Programa de Gestão de Fornecedores. da White Martins. Sua chave para o sucesso

Programa de Gestão de Fornecedores. da White Martins. Sua chave para o sucesso Programa de Gestão de Fornecedores da White Martins Sua chave para o sucesso Quem Somos A White Martins representa na América do Sul a Praxair, uma das maiores companhias de gases industriais e medicinais

Leia mais

B O L E T I M I N F O R M A T I V O P o r q u e u t i l i z a r a n u v e m p a r a c o l a b o r a ç ã o?

B O L E T I M I N F O R M A T I V O P o r q u e u t i l i z a r a n u v e m p a r a c o l a b o r a ç ã o? Sede mundial: 5 Speen Street Framingham, MA 01701 EUA P.508.872.8200 F.508.935.4015 www.idc.com B O L E T I M I N F O R M A T I V O P o r q u e u t i l i z a r a n u v e m p a r a c o l a b o r a ç ã o?

Leia mais

; CONSOLI, M. A. ; NEVES,

; CONSOLI, M. A. ; NEVES, ARTIGO EM REVISTA Publicado em: PAIVA, Hélio Afonso Braga de ; CONSOLI, M. A. ; NEVES, Marcos Fava. Oportunidades em Compras. AgroRevenda, São Paulo, v. 11, p. 12-14, 15 nov. 2006. Oportunidades em compras

Leia mais

BSC Balance Score Card

BSC Balance Score Card BSC (Balance Score Card) BSC Balance Score Card Prof. Gerson gerson.prando@fatec.sp.gov.br Uma das metodologias mais visadas na atualidade éobalanced ScoreCard, criada no início da década de 90 por Robert

Leia mais

Metadados. 1. Introdução. 2. O que são Metadados? 3. O Valor dos Metadados

Metadados. 1. Introdução. 2. O que são Metadados? 3. O Valor dos Metadados 1. Introdução O governo é um dos maiores detentores de recursos da informação. Consequentemente, tem sido o responsável por assegurar que tais recursos estejam agregando valor para os cidadãos, as empresas,

Leia mais

Nove Motivos do Porque as Soluções de Implementação Rápida SAP Podem Facilitar a Sua Vida Chegue Onde Quer Chegar, Um Passo de Cada Vez

Nove Motivos do Porque as Soluções de Implementação Rápida SAP Podem Facilitar a Sua Vida Chegue Onde Quer Chegar, Um Passo de Cada Vez Soluções de Implementação Rápida SAP Nove Motivos do Porque as Soluções de Implementação Rápida SAP Podem Facilitar a Sua Vida Chegue Onde Quer Chegar, Um Passo de Cada Vez O Melhor Gerenciador de Negócios

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo VIII Riscos

Gerenciamento de Projetos Modulo VIII Riscos Gerenciamento de Projetos Modulo VIII Riscos Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

Otimizada para Crescimento:

Otimizada para Crescimento: Quinta Pesquisa Anual de Mudança na Cadeia de Suprimentos RESUMO REGIONAL: AMÉRICA LATINA Otimizada para Crescimento: Executivos de alta tecnologia se adaptam para se adequar às demandas mundiais INTRODUÇÃO

Leia mais

Segurança sem complicações. os ambientes virtuais SECURITY FOR VIRTUAL AND CLOUD ENVIRONMENTS

Segurança sem complicações. os ambientes virtuais SECURITY FOR VIRTUAL AND CLOUD ENVIRONMENTS Segurança sem complicações para todos os ambientes virtuais SECURITY FOR VIRTUAL AND CLOUD ENVIRONMENTS Proteção ou desempenho? O número de máquinas virtuais ultrapassou o de máquinas físicas em 2009.

Leia mais

INFORMATIVO ROTÁRIO GLOBALOUTLOOK GUIA SOBRE O MODELO DE FINANCIAMENTO DA FUNDAÇÃO ROTÁRIA

INFORMATIVO ROTÁRIO GLOBALOUTLOOK GUIA SOBRE O MODELO DE FINANCIAMENTO DA FUNDAÇÃO ROTÁRIA INFORMATIVO ROTÁRIO GLOBALOUTLOOK GUIA SOBRE O MODELO DE FINANCIAMENTO DA FUNDAÇÃO ROTÁRIA COPYRIGHT 2015 BY ROTARY INTERNATIONAL. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS. NOSSO MODELO DE FINANCIAMENTO Nossas despesas

Leia mais

ESTUDO DE VIABILIDADE. Santander, Victor - Unioeste Aula de Luiz Eduardo Guarino de Vasconcelos

ESTUDO DE VIABILIDADE. Santander, Victor - Unioeste Aula de Luiz Eduardo Guarino de Vasconcelos ESTUDO DE VIABILIDADE Santander, Victor - Unioeste Aula de Luiz Eduardo Guarino de Vasconcelos Objetivos O que é um estudo de viabilidade? O que estudar e concluir? Benefícios e custos Análise de Custo/Benefício

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO I. Família Pai, mãe, filhos. Criar condições para a perpetuação da espécie

ADMINISTRAÇÃO I. Família Pai, mãe, filhos. Criar condições para a perpetuação da espécie 1 INTRODUÇÃO 1.1 ORGANIZAÇÃO E PROCESSOS A administração está diretamente ligada às organizações e aos processos existentes nas mesmas. Portanto, para a melhor compreensão da Administração e sua importância

Leia mais

Roteiro SENAC. Análise de Riscos. Planejamento do Gerenciamento de Riscos. Planejamento do Gerenciamento de Riscos

Roteiro SENAC. Análise de Riscos. Planejamento do Gerenciamento de Riscos. Planejamento do Gerenciamento de Riscos SENAC Pós-Graduação em Segurança da Informação: Análise de Riscos Parte 2 Leandro Loss, Dr. Eng. loss@gsigma.ufsc.br http://www.gsigma.ufsc.br/~loss Roteiro Introdução Conceitos básicos Riscos Tipos de

Leia mais

B O L E T I M I N F O R M A T I V O I B M P u r e f l e x e F l e x S y s t e m : I n f r a e s t r u t u r a p a r a e f i c i ê n c i a d a T I

B O L E T I M I N F O R M A T I V O I B M P u r e f l e x e F l e x S y s t e m : I n f r a e s t r u t u r a p a r a e f i c i ê n c i a d a T I Sede global: 5 Speen Street Framingham, MA 01701 EUA Tel.508.872.8200 Fax.508.935.4015 www.idc.com B O L E T I M I N F O R M A T I V O I B M P u r e f l e x e F l e x S y s t e m : I n f r a e s t r u

Leia mais

3 Qualidade de Software

3 Qualidade de Software 3 Qualidade de Software Este capítulo tem como objetivo esclarecer conceitos relacionados à qualidade de software; conceitos estes muito importantes para o entendimento do presente trabalho, cujo objetivo

Leia mais

Estudo de Viabilidade. GMon Sistema de Gerenciamento de Monitores. Curso: Ciências da Computação Professora: Carla Silva

Estudo de Viabilidade. GMon Sistema de Gerenciamento de Monitores. Curso: Ciências da Computação Professora: Carla Silva Estudo de Viabilidade GMon Sistema de Gerenciamento de Monitores Curso: Ciências da Computação Professora: Carla Silva Recife, 20 de Janeiro de 2012 1 Sumário 1. Motivação... 3 2. Problema identificado...

Leia mais

Desafios de Tecnologia da Informação e Otimização de Investimentos Aplicações para Ambientes Virtualizados Monitoração e Gerenciamento Acesso Remoto

Desafios de Tecnologia da Informação e Otimização de Investimentos Aplicações para Ambientes Virtualizados Monitoração e Gerenciamento Acesso Remoto Desafios de Tecnologia da Informação e Otimização de Investimentos Aplicações para Ambientes Virtualizados Monitoração e Gerenciamento Acesso Remoto a Aplicações Unix, Linux e Windows - Sage Scada e outros

Leia mais

Aprimoramento através da integração

Aprimoramento através da integração Aprimoramento através da integração Uma parceria para implementar uma solução de aprendizagem em tempo recorde Visão Geral Com mais de 70 anos de excelência na produção de conhecimento no Brasil, a Fundação

Leia mais

Introdução a Banco de Dados Aula 03. Prof. Silvestri www.eduardosilvestri.com.br

Introdução a Banco de Dados Aula 03. Prof. Silvestri www.eduardosilvestri.com.br Introdução a Banco de Dados Aula 03 Prof. Silvestri www.eduardosilvestri.com.br Arquiteturas de Banco de Dados Arquiteturas de BD - Introdução Atualmente, devem-se considerar alguns aspectos relevantes

Leia mais

REPLICACÃO DE BASE DE DADOS

REPLICACÃO DE BASE DE DADOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE FANESE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO - NPGE REPLICACÃO DE BASE DE DADOS BRUNO VIEIRA DE MENEZES ARACAJU Março, 2011 2 FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA DAS QUESTÕES DISCURSIVAS PROFISSIONAL BÁSICO COMUNICAÇÃO SOCIAL

PADRÃO DE RESPOSTA DAS QUESTÕES DISCURSIVAS PROFISSIONAL BÁSICO COMUNICAÇÃO SOCIAL Questão n o 1 a) O candidato deverá apresentar seis dentre as seguintes vantagens: Domínio de tecnologia capaz de produzir bens preferidos por certas classes de compradores Aumento dos índices de qualidade

Leia mais

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com /

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / andre.belini@ifsp.edu.br MATÉRIA: SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Aula N : 15 Tema:

Leia mais

Eixo Anhanguera-Bandeirantes virou polo lean, diz especialista

Eixo Anhanguera-Bandeirantes virou polo lean, diz especialista Eixo Anhanguera-Bandeirantes virou polo lean, diz especialista Robson Gouveia, gerente de projetos do Lean Institute Brasil, detalha como vem evoluindo a gestão em empresas da região O eixo Anhanguera

Leia mais

As Organizações e a Teoria Organizacional

As Organizações e a Teoria Organizacional Página 1 de 6 As Organizações e a Teoria Organizacional Autora: Sara Fichman Raskin Este texto é totalmente baseado no primeiro capítulo do livro Organizational theory: text and cases, do autor Jones Gareth,

Leia mais

W H I T E P A P E R A c e d a a o p o d e r d o f l a s h c o m o V N X d e ú l t i m a g e r a ç ã o a t i v a d o p o r M C x

W H I T E P A P E R A c e d a a o p o d e r d o f l a s h c o m o V N X d e ú l t i m a g e r a ç ã o a t i v a d o p o r M C x Sede global: 5 Speen Street Framingham, MA 01701 EUA Tel.: 508-872-8200 Fax: 508-935-4015 www.idc.com W H I T E P A P E R A c e d a a o p o d e r d o f l a s h c o m o V N X d e ú l t i m a g e r a ç ã

Leia mais

Produtividade. Sem tempo a

Produtividade. Sem tempo a Produtividade Sem tempo a A NDREA MARQUES/ FOTONAUTA perder Contax investe em tecnologias Microsoft para facilitar o trabalho de seus operadores e garantir que eles atendam os clientes com mais agilidade

Leia mais

INVESTIMENTO A LONGO PRAZO 1. Princípios de Fluxo de Caixa para Orçamento de Capital

INVESTIMENTO A LONGO PRAZO 1. Princípios de Fluxo de Caixa para Orçamento de Capital 5 INVESTIMENTO A LONGO PRAZO 1. Princípios de Fluxo de Caixa para Orçamento de Capital 1.1 Processo de decisão de orçamento de capital A decisão de investimento de longo prazo é a decisão financeira mais

Leia mais

17 a 20 de agosto de 2010, Rio de Janeiro. Projeto Web Grupo Águas do Brasil Flavia Garcia

17 a 20 de agosto de 2010, Rio de Janeiro. Projeto Web Grupo Águas do Brasil Flavia Garcia 17 a 20 de agosto de 2010, Rio de Janeiro Projeto Web Grupo Águas do Brasil Flavia Garcia Sites Corporativos São a vitrine da sua empresa. É a imagem do seu negócio para o mundo; Clientes e parceiros examinam

Leia mais

Matriz global: 5 Speen Street Framingham, MA 01701 EUA Tel.: 508.872.8200 Fax: 508.935.4015 www.idc.com

Matriz global: 5 Speen Street Framingham, MA 01701 EUA Tel.: 508.872.8200 Fax: 508.935.4015 www.idc.com Matriz global: 5 Speen Street Framingham, MA 01701 EUA Tel.: 508.872.8200 Fax: 508.935.4015 www.idc.com B O L E T I M I N F O R M A T I V O M a x i m i z a n d o S e u A m b i e n t e V i r t u a l p a

Leia mais

N E S S E B O L E T I M I N F O R M A T I V O

N E S S E B O L E T I M I N F O R M A T I V O Sede Global: 5 Speen Street Framingham, MA 01701 EUA T.508.872.8200 F.508.935.4015 www.idc.com B O L E T I M I N F O R M A T I V O E n t e n d e n d o a s e s t r a t é g i a s d e i m p l a n t a ç ã

Leia mais

CA Mainframe Chorus for Storage Management Versão 2.0

CA Mainframe Chorus for Storage Management Versão 2.0 FOLHA DO PRODUTO CA Mainframe Chorus for Storage Management CA Mainframe Chorus for Storage Management Versão 2.0 Simplifique e otimize suas tarefas de gerenciamento de armazenamento, aumente a produtividade

Leia mais

Redução de até 35% no custo da infraestrutura da computação no desktop

Redução de até 35% no custo da infraestrutura da computação no desktop Matriz global: 5 Speen Street Framingham, MA 01701 EUA Tel.: 508.872.8200 Fax: 508.935.4015 www.idc.com B O L E T I M I N F O R M A T I V O G e r a n d o v a l o r d e n e g ó c i o c o m v i r t u a l

Leia mais

Como identificar, vender e comercializar com os prospectos de pequenas empresas Parte 3/3

Como identificar, vender e comercializar com os prospectos de pequenas empresas Parte 3/3 Como identificar, vender e comercializar com os prospectos de pequenas empresas Parte 3/3 A pequena empresa é um mercado massivo em importante crescimento, que alcançou uma maturidade em termos de oportunidade

Leia mais

AGILIDADE ORGANIZACIONAL

AGILIDADE ORGANIZACIONAL PMI PULSO DA PROFISSÃO RELATÓRIO DETALHADO AGILIDADE ORGANIZACIONAL Destaques do Estudo O lento crescimento econômico e as prioridades mutantes do mercado global criaram um ambiente de negócios complexo

Leia mais

Multiplexador. Permitem que vários equipamentos compartilhem um único canal de comunicação

Multiplexador. Permitem que vários equipamentos compartilhem um único canal de comunicação Multiplexadores Permitem que vários equipamentos compartilhem um único canal de comunicação Transmissor 1 Receptor 1 Transmissor 2 Multiplexador Multiplexador Receptor 2 Transmissor 3 Receptor 3 Economia

Leia mais

CA Mainframe Chorus for Security and Compliance Management Version 2.0

CA Mainframe Chorus for Security and Compliance Management Version 2.0 FOLHA DO PRODUTO CA Mainframe Chorus for Security and Compliance CA Mainframe Chorus for Security and Compliance Management Version 2.0 Simplifique e otimize suas tarefas de gerenciamento de segurança

Leia mais

Eficiência operacional no setor público. Dez recomendações para cortar custos

Eficiência operacional no setor público. Dez recomendações para cortar custos Eficiência operacional no setor público Dez recomendações para cortar custos 2 de 8 Introdução Com grandes cortes no orçamento e uma pressão reguladora cada vez maior, o setor público agora precisa aumentar

Leia mais

1. O Contexto do SBTVD

1. O Contexto do SBTVD CT 020/06 Rio de Janeiro, 27 de janeiro de 2006 Excelentíssimo Senhor Ministro Hélio Costa MD Ministro de Estado das Comunicações Referência: Considerações sobre o Sistema Brasileiro de Televisão Digital

Leia mais

R E S U M O E X E C U T I V O. Oferecido por: EMC. Laura DuBois Agosto de 2013

R E S U M O E X E C U T I V O. Oferecido por: EMC. Laura DuBois Agosto de 2013 Matriz global: 5 Speen Street Framingham, MA 01701 EUA Tel.: +1 508-872-8200 Fax: +1 508-935-4015 www.idc.com B O L E T I M I N F O R M A T I V O R e v e l a n d o o p o d e r d o f l a s h c o m o V N

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Este material resulta da reunião de fragmentos do módulo I do Curso Gestão Estratégica com uso do Balanced Scorecard (BSC) realizado pelo CNJ. 1. Conceitos de Planejamento Estratégico

Leia mais

10 Dicas para uma implantação

10 Dicas para uma implantação 10 Dicas para uma implantação de Cloud Computing bem-sucedida. Um guia simples para quem está avaliando mudar para A Computação em Nuvem. Confira 10 dicas de como adotar a Cloud Computing com sucesso.

Leia mais

2 Investimentos em Tecnologia da Informação

2 Investimentos em Tecnologia da Informação Investimentos em Tecnologia da Informação 19 2 Investimentos em Tecnologia da Informação Este capítulo visa apresentar os conceitos básicos e definições que farão parte do desenvolvimento desta dissertação.

Leia mais

7 perguntas para fazer a qualquer fornecedor de automação de força de vendas

7 perguntas para fazer a qualquer fornecedor de automação de força de vendas 7 perguntas para fazer a qualquer fornecedor de automação de força de vendas 1. O fornecedor é totalmente focado no desenvolvimento de soluções móveis? Por que devo perguntar isso? Buscando diversificar

Leia mais

Introdução Ciclo de vida tradicional de desenvolvimento Prototipagem Pacotes de software Desenvolvimento de 4ª geração Terceirização

Introdução Ciclo de vida tradicional de desenvolvimento Prototipagem Pacotes de software Desenvolvimento de 4ª geração Terceirização Prof. Ricardo José Pfitscher Material elaborado com base em: José Luiz Mendes Gerson Volney Lagemann Introdução Ciclo de vida tradicional de desenvolvimento Prototipagem Pacotes de software Desenvolvimento

Leia mais

CÓDIGO CRÉDITOS PERÍODO PRÉ-REQUISITO TURMA ANO INTRODUÇÃO

CÓDIGO CRÉDITOS PERÍODO PRÉ-REQUISITO TURMA ANO INTRODUÇÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS ESCOLA DE GESTÃO E NEGÓCIOS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS, ADMINISTRAÇÃO E ECONOMIA DISCIPLINA: ESTRUTURA E ANÁLISE DE CUSTO CÓDIGO CRÉDITOS PERÍODO PRÉ-REQUISITO

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇOS DE REDE

ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇOS DE REDE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇOS DE REDE Introdução O administrador de redes geovanegriesang@ifsul.edu.br www.geovanegriesang.com Gerenciamento de redes Gerenciamento de rede é o ato de iniciar, monitorar e modificar

Leia mais

Introdução. Uso do disco Vantagens Desvantagens Baixo custo, facilidade de manutenção do software e do hardware, simetria e flexibilidade

Introdução. Uso do disco Vantagens Desvantagens Baixo custo, facilidade de manutenção do software e do hardware, simetria e flexibilidade Introdução É sabido que os processos rodam em processadores. Nos sistemas tradicionais existe somente um único processador, de forma que não há dúvida a respeito de como ele deve ser usado. Em um sistema

Leia mais

Aumente o valor do ciclo de vida de cada cliente

Aumente o valor do ciclo de vida de cada cliente Engajamento com o Cliente Gerenciamento de Ciclo de Vida do Cliente Informativo Torne cada interação relevante e envolvente Aumente o valor do ciclo de vida de cada cliente Gerenciamento do ciclo de vida

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA E INFORMÁTICA BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO RAPID APPLICATION DEVELOPMENT

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA E INFORMÁTICA BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO RAPID APPLICATION DEVELOPMENT UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA E INFORMÁTICA BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO RAPID APPLICATION DEVELOPMENT Disciplina: Modelagem a Programação Orientada a Objetos

Leia mais

CONSIDERE ESTRATÉGIAS DE AQUISIÇÃO DE SELOS MECÂNICOS QUE SEJAM MUTUAMENTE BENÉFICAS. por Heinz P. Bloch

CONSIDERE ESTRATÉGIAS DE AQUISIÇÃO DE SELOS MECÂNICOS QUE SEJAM MUTUAMENTE BENÉFICAS. por Heinz P. Bloch CONSIDERE ESTRATÉGIAS DE AQUISIÇÃO DE SELOS MECÂNICOS QUE SEJAM MUTUAMENTE BENÉFICAS por Heinz P. Bloch Para TECÉM - tecem.com.br 05/10/2013 Parcerias com um único fornecedor de selo mecânico nem sempre

Leia mais

Soluções em. Cloud Computing. Midia Indoor. para

Soluções em. Cloud Computing. Midia Indoor. para Soluções em Cloud Computing para Midia Indoor Resumo executivo A Midia Indoor chegou até a Under buscando uma hospedagem para seu site e evoluiu posteriormente para uma solução cloud ampliada. A empresa

Leia mais

Gestão da TI. Os custos escondidos da. Conheça os custos escondidos na gestão amadora da TI e pare de perder dinheiro.

Gestão da TI. Os custos escondidos da. Conheça os custos escondidos na gestão amadora da TI e pare de perder dinheiro. da Gestão da TI Conheça os custos escondidos na gestão amadora da TI e pare de perder dinheiro. Conteúdo Introdução Os custos escondidos - parte 1 Os custos escondidos - parte 2 Os custos escondidos -

Leia mais

Satisfação dos consumidores: estudo de caso em um supermercado de Bambuí/MG

Satisfação dos consumidores: estudo de caso em um supermercado de Bambuí/MG Satisfação dos consumidores: estudo de caso em um supermercado de Bambuí/MG Ana Clara Rosado Silva (1) ; Daiane Oliveira Borges (2) ; Tatiana Morais Leite (3) ; Vanessa Oliveira Couto (4) ; Patrícia Carvalho

Leia mais

Programa de assistência técnica alargada da Kaspersky

Programa de assistência técnica alargada da Kaspersky Programa de assistência técnica alargada da Kaspersky NÍVEIS MSA ENTERPRISE E MSA BUSINESS Reduza os impactos financeiros e operacionais negativos das interrupções Preserve a imagem da sua marca e os níveis

Leia mais

Perguntas. Que todo usuário deveria fazer antes de comprar um software CAD de baixo custo. Por Robert Green, proprietário da Robert Green Consulting

Perguntas. Que todo usuário deveria fazer antes de comprar um software CAD de baixo custo. Por Robert Green, proprietário da Robert Green Consulting Perguntas Que todo usuário deveria fazer antes de comprar um software CAD de baixo custo Por Robert Green, proprietário da Robert Green Consulting 5 perguntas que todo usuário deveria fazer antes de comprar

Leia mais

Aumente sua velocidade e flexibilidade com a implantação da nuvem gerenciada de software da SAP

Aumente sua velocidade e flexibilidade com a implantação da nuvem gerenciada de software da SAP Parceiros de serviços em nuvem gerenciada Aumente sua velocidade e flexibilidade com a implantação da nuvem gerenciada de software da SAP Implemente a versão mais recente do software da SAP de classe mundial,

Leia mais

PESQUISA SOBRE CUSTO E GESTÃO DA INFORMAÇÃO

PESQUISA SOBRE CUSTO E GESTÃO DA INFORMAÇÃO PESQUISA SOBRE CUSTO E GESTÃO DA INFORMAÇÃO Resultados da América Latina 2012 SUMÁRIO 3 METODOLOGIA 4 INTRODUÇÃO 5 AS 7 SÃO 9 NÃO 11 RECOMENDAÇÕES INFORMAÇÕES ESTÃO AUMENTANDO VERTIGINOSAMENTE... E ELAS

Leia mais

Uma empresa só poderá vender seus bens/serviços aos consumidores se dois requisitos básicos forem preenchidos:

Uma empresa só poderá vender seus bens/serviços aos consumidores se dois requisitos básicos forem preenchidos: Módulo 4. O Mercado O profissional de marketing deverá pensar sempre em uma forma de atuar no mercado para alcançar os objetivos da empresa. Teoricamente parece uma tarefa relativamente fácil, mas na realidade

Leia mais

Fina Flor Cosméticos obtém grande melhoria nos processos e informações com suporte SAP Business One

Fina Flor Cosméticos obtém grande melhoria nos processos e informações com suporte SAP Business One Fina Flor Cosméticos obtém grande melhoria nos processos e informações com suporte SAP Business One Geral Executiva Nome da Fina Flor Cosméticos Indústria Cosméticos Produtos e Serviços Desenvolve, fabrica

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS EM SAÚDE. Os custos das instituições

GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS EM SAÚDE. Os custos das instituições GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS EM SAÚDE Os custos das instituições Dra Janice Donelles de Castro - Professora do Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Programa de

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE Questionamento a alta direção: 1. Quais os objetivos e metas da organização? 2. quais os principais Produtos e/ou serviços da organização? 3. Qual o escopo da certificação? 4. qual é a Visão e Missão?

Leia mais

TREINAMENTO SOBRE PRODUTOS PARA VENDEDORES DO VAREJO COMO ESTRATÉGIA PARA MAXIMIZAR AS VENDAS 1. Liane Beatriz Rotili 2, Adriane Fabrício 3.

TREINAMENTO SOBRE PRODUTOS PARA VENDEDORES DO VAREJO COMO ESTRATÉGIA PARA MAXIMIZAR AS VENDAS 1. Liane Beatriz Rotili 2, Adriane Fabrício 3. TREINAMENTO SOBRE PRODUTOS PARA VENDEDORES DO VAREJO COMO ESTRATÉGIA PARA MAXIMIZAR AS VENDAS 1 Liane Beatriz Rotili 2, Adriane Fabrício 3. 1 Pesquisa realizada no curso de Administração da Unijuí 2 Aluna

Leia mais

É viável terceirizar o ambiente de backup de dados?

É viável terceirizar o ambiente de backup de dados? É viável terceirizar o ambiente de backup de dados? Na era da informação, o próprio nome sugere que o ativo mais valioso da organização são os dados que geram as informações. Em alguns casos esses dados

Leia mais

Documento técnico de negócios

Documento técnico de negócios Documento técnico de negócios Manual de proteção de dados para armazenamento totalmente em flash Principais considerações para o comprador de armazenamento com experiência em tecnologia Documento técnico

Leia mais

Documento técnico de negócios Gerenciamento de nuvens híbridas

Documento técnico de negócios Gerenciamento de nuvens híbridas Documento técnico de negócios Gerenciamento de nuvens híbridas Uma solução de gerenciamento de nuvens abrangente, segura e flexível Documento técnico de negócios Página 2 Frente às tendências significativas

Leia mais

Relatório de Pesquisa. Março 2013

Relatório de Pesquisa. Março 2013 Relatório de Pesquisa SONDAGEM CONJUNTURAL DO VAREJO BRASILEIRO Março 2013 SONDAGEM CONJUNTURAL DO VAREJO BRASILEIRO Pesquisa realizada pela CNDL e SPC Brasil. Foram ouvidos em todo o país 615 varejistas.

Leia mais

PASSO 8 IMPLANTANDO OS CONTROLES

PASSO 8 IMPLANTANDO OS CONTROLES PASSO 8 IMPLANTANDO OS CONTROLES Ter o controle da situação é dominar ou ter o poder sobre o que está acontecendo. WWW.SIGNIFICADOS.COM.BR Controle é uma das funções que compõem o processo administrativo.

Leia mais

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão Desenvolve Minas Modelo de Excelência da Gestão O que é o MEG? O Modelo de Excelência da Gestão (MEG) possibilita a avaliação do grau de maturidade da gestão, pontuando processos gerenciais e resultados

Leia mais

A LIBERDADE DO LINUX COM A QUALIDADE ITAUTEC

A LIBERDADE DO LINUX COM A QUALIDADE ITAUTEC A LIBERDADE DO LINUX COM A QUALIDADE ITAUTEC O AMBIENTE OPERACIONAL QUE AGREGA A CONFIABILIDADE E O SUPORTE DA ITAUTEC À SEGURANÇA E À PERFORMANCE DO LINUX O LIBRIX É UMA DISTRIBUIÇÃO PROFISSIONAL LINUX

Leia mais

Tencologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: WEB I Conteúdo: Arquitetura de Software Aula 03

Tencologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: WEB I Conteúdo: Arquitetura de Software Aula 03 Tencologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: WEB I Conteúdo: Arquitetura de Software Aula 03 Agenda 1. Arquitetura de Software 1.1.Introdução 1.2.Vantagens da Arquitetura de Software

Leia mais

COMPETÊNCIAS DO CLIENTE: INCORPORAÇÃO NO MODELO DE NEGÓCIOS THOMAS STOB JUNIOR

COMPETÊNCIAS DO CLIENTE: INCORPORAÇÃO NO MODELO DE NEGÓCIOS THOMAS STOB JUNIOR COMPETÊNCIAS DO CLIENTE: INCORPORAÇÃO NO MODELO DE NEGÓCIOS THOMAS STOB JUNIOR RESUMO Este artigo defende a idéia de que na nova economia as empresas precisam incorporar a experiência do cliente a seus

Leia mais