Sistema de Recomendação Baseado na Arquitetura Multiagente

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sistema de Recomendação Baseado na Arquitetura Multiagente"

Transcrição

1 Sistema de Recomendação Baseado na Arquitetura Multiagente Paulo Burin 1 Orientadora: Fabiana Lorenzi 2 Resumo. Este artigo propõe a construção de uma ferramenta de software baseada na arquitetura multiagente utilizada para recomendação de pacotes turísticos. Através das preferências informadas pelo usuário, o sistema recomenda o melhor pacote turístico, composto pelos itens transporte, hospedagem e atrações. Após a recomendação, o usuário avalia o pacote turístico recebido e esta avaliação será utilizada pelo sistema para melhorar a qualidade das futuras recomendações. Tecnologias open-source do tipo PHP e MySQL serão utilizadas no desenvolvimento da ferramenta. Palavras-chave: Arquitetura multiagente, sistema de recomendação. 1 Introdução A tarefa de planejar uma viagem não é um processo fácil. Por este motivo, as pessoas sentem a necessidade de procurar agências de viagens. Neste processo o agente de viagem deve ter conhecimentos, para conseguir atender as necessidades e expectativas dos clientes. Estes conhecimentos vão desde informações sobre o destino escolhido pelo cliente, como de todos os detalhes relacionados a um pacote turístico, por exemplo, a localização de hotéis, o horário de abertura de atrações turísticas ou a escolha do melhor horário de vôo. Estas informações podem fazer a diferença quanto à preferência do cliente, porque um pacote turístico bem organizado, pode representar um aproveitamento melhor do período da viagem, permitindo assim que o turista consiga conhecer mais atrações e até mesmo um maior número de lugares diferentes (Lorenzi et al., 2006). Neste contexto, o desenvolvimento de uma ferramenta para auxiliar no processo de recomendação de pacotes turísticos, onde o agente de viagem possa informar as preferências do cliente e o sistema apresenta uma sugestão de um pacote turístico, representa ganhos para a agência. Porque nem sempre o agente de viagem tem a informação necessária, muitas vezes ele precisa buscar informações na Internet ou com seus colegas, desperdiçando tempo e muitas vezes ligações telefônicas. Caso algum item do pacote recomendado ou o pacote não agradar ao cliente, o agente pode fazer 1 Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) Curso de Sistemas de 2 Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) Curso de Sistemas de Informação, professora orientadora. 1

2 simulações até encontrar a melhor solução. Para o cliente, a ferramenta traz vários benefícios, além de estar com as informações atualizadas e ter condições de apresentar uma recomendação de melhor qualidade, o tempo gasto no processo é menor. 1.1 Motivação Ao se aproximar o período de férias, as pessoas começam a procurar as agências de viagens em busca de informações turísticas. Esta procura pode ser das mais variadas possíveis, desde lugares exóticos, cidades históricas, parques de diversões, praias entre outros, aumentando o número de clientes necessitando de informações e sobrecarregando os agentes de viagens. Muitas vezes o cliente chega na agência de viagem sem um destino definido ou sem conhecimento sobre o lugar em que deseja visitar. Em muitos casos as decisões são tomadas mediante sugestões de amigos, mas na maioria das vezes as decisões são tomadas mediante as informações obtidas através do agente de viagem (Silva & Machado, 2005 p13). A responsabilidade do agente de viagem ao passar informações de algum lugar para um cliente é muito grande, porque se ele não conseguir passar corretamente e o cliente não tiver suas expectativas atendidas, provavelmente irá responsabilizar o agente, podendo inclusive não voltar mais procurar a agência. Em outros casos o cliente pode querer visitar algum lugar que não é conhecido pelo agente, podendo o cliente procurar outra agência na busca por informações, afetando assim o faturamento da agência (Silva & Machado, 2005 p13). Ciente das necessidades das agências de viagens e vislumbrando uma área muito grande de atuação profissional relacionada a sistemas de recomendação, sistemas multiagentes e a combinação dos dois modelos de sistemas, surge a oportunidade e o desafio de buscar conhecimento sobre o tema e habilitar-se profissionalmente para o mercado de trabalho. Esta oportunidade veio na forma de participação no desenvolvimento de um sistema de recomendação baseado na arquitetura multiagente, no qual, será possível obter conhecimentos sobre sistemas, técnicas, ferramentas e o mercado relacionado ao processo de recomendação ao usuário final. O desenvolvimento de um sistema de recomendação deste nível traz vários benefícios para a sociedade como um todo, tais como: maior satisfação dos clientes, recomendações mais qualificadas, maior segurança para o agente de viagens no momento da recomendação, maior faturamento para as agências de viagens, divulgação do turismo de determinada região, aumento no faturamento econômico da região, entre outros. 1.2 Objetivos O presente projeto propõe o desenvolvimento de uma ferramenta de software que disponibiliza uma interface Web onde permite ao usuário realizar pesquisas, tornando mais fácil e ágil a tarefa de recomendar pacotes turísticos pelos agentes de viagens. Como objetivos específicos podem ser citados: Criar uma interface gráfica (Graphical User Interface, GUI) que permite ao usuário informar as preferências pessoais. A partir destas preferências o sistema retorna a recomendação de um pacote turístico, incluindo vôos, hotéis e atrações; 2

3 Disponibilizar uma lista de tarefas para que os agentes de busca apresentados por Lorenzi et al., (2006) possam acessar para resolvê-las; Organizar a recomendação e apresentar de forma amigável ao usuário; Permitir que o usuário avalie a recomendação recebida, sendo que deve ser diferenciada por vôo, hotel e atração; Criar interfaces para permitir o cadastro das informações utilizadas como parâmetros de entrada da recomendação, tais como, cidade, pais, categoria, tipo de acomodação, acomodação, tipo de empresa de transporte, empresa de transporte, tipo de atração e cliente; Criar uma interface que permite que sejam consultadas as recomendações realizadas e armazenadas na base de dados. Este artigo apresenta o projeto de uma ferramenta de software responsável por recomendar pacotes turísticos e está estruturado da seguinte maneira: Na seção 2 é apresentada a fundamentação teórica necessária para a compreensão de sistemas multiagentes, sistemas de recomendação e sistemas de recomendação baseado na arquitetura multiagente. A seção 3 descreve o projeto proposto e por fim na seção 4 é apresentada a conclusão. 2 Fundamentação Teórica Neste tópico é apresentada a pesquisa bibliográfica sobre os temas estudados para a construção deste trabalho. É dada uma visão teórica de sistemas multiagentes, sistemas de recomendação e sistema de recomendação baseada na arquitetura multiagente. 2.1 Sistemas Multiagente A inteligência artificial distribuída (IAD) é uma sub-área da inteligência artificial (IA) que tem analisado modelos de conhecimento, técnicas de comunicação e raciocínio em que vários sistemas interagem para solucionar um problema em comum. Os sistemas multiagentes (SMA) são uma abordagem da IAD em que é usada a designação agente para as entidades que participam das atividades na solução de problemas, ou seja, o foco da pesquisa são os agentes (Silva & Machado, 2005 p15). Os SMA têm por objeto de estudo não somente um indivíduo, mas sim a coletividade. Assim sendo, tenta compreender o comportamento do todo através de simulações dando ênfase à interação entre as entidades que formam o sistema, chamadas de agentes e suas organizações. Tal paradigma foi criado através de observações de sistemas naturais, em que surgem comportamentos inteligentes a partir da interação de seus elementos (Hübner, 2003 p19). Exemplos disto são apresentados por Hübner (2003 p19) apesar de uma colônia de formigas ser formada por seres simples, pode-se dizer que o formigueiro como um todo é um sistema complexo cujo comportamento é mais inteligente do que os das formigas que o formam; os neurônios são células simples, mas de sua interação e organização emerge um comportamento complexo e inteligente. A área de SMA estuda o comportamento de agentes autônomos organizados em grupos cooperando entre si para resolver problemas que seriam impossíveis de serem 3

4 resolvidos individualmente. A autonomia dos agentes e sua organização são propriedades fundamentais para SMA. A autonomia significa que um agente tem sua existência independente dos demais e do problema que esta sendo resolvido, enquanto que a organização submete restrições comportamentais aos agentes, estabelecendo um comportamento coeso ao grupo (Hübner, 2003 p19). Em SMA, os agentes são projetados para solucionar todo tipo de problemas, porque estes agentes são entidades com conhecimento de sua existência e da existência de outros agentes, assim sendo, colaboram entre si para atingirem um objetivo comum. Os agentes devem possuir uma linguagem especifica para poderem se comunicar, sendo que cada agente deve ser capaz de executar uma tarefa cooperando assim para alcançar o objetivo global. Sendo agentes autônomos, a intervenção humana no processamento não será continua e a autodeterminação em relação ao meio ambiente em que o agente está inserido, deve ser um pré-requisito (Silva & Machado, 2005 p15). Em um SMA é necessário adotar uma política de cooperação, sendo que é através deste mecanismo que os agentes expressam suas necessidades a outros agentes, a fim de realizar uma determinada tarefa. A política de cooperação determina a maneira como os agentes expõem suas necessidades a outros agentes a fim de atingir determinado objetivo. Geralmente na realização de uma tarefa por um agente, surge a necessidade da ajuda de outros agentes da sociedade, ou ao contrário, prestam auxilio a outros agentes para que o objetivo geral do sistema seja alcançado (Silva & Machado, 2005 p22). A negociação é outro conceito que deve ser considerado em um SMA, sendo o aperfeiçoamento da concordância em pontos de vista comuns ou planos, através da troca estruturada de informações relevantes. Os principais objetivos da negociação são: modificar os planos locais de agentes, no caso de interações negativas; identificar situações onde potenciais interações são possíveis. Desta forma os agentes se comunicam para atingir um objetivo comum. Mais especificamente, a negociação é usada para alocação de tarefa e recurso, para reconhecimento de conflitos, a resolução de disparidades de objetivos, a determinação da estrutura organizacional e, então, para coerência da sociedade (Silva & Machado, 2005 p22). De acordo com Meneses (2001) Sistemas Multiagentes são sistemas constituídos de dois ou mais agentes, em um ambiente, que interagem para alcançarem alguns objetivos. Esses objetivos podem ser comuns a todos os agentes ou não. O ambiente pode ser aberto ou fechado, pode ter número fixo ou variável de agentes, os agentes podem ser heterogêneos ou homogêneos, colaborar ou competir, etc Agentes Um agente é uma entidade lógica ou física á qual é atribuída uma certa missão que ela é capaz de cumprir de maneira autônoma e em coordenação com outros agentes (Briot & Demazeau, 2002). Conforme Pozzebon et al., (2003 p2) um agente pode ser definido em termos de suas propriedades fundamentais e deve possuir um certo grau de autonomia para raciocinar e tomar decisões por sua própria vontade além de interagir com outros agentes. Por fim, um agente deve possuir um certo grau de independência para resolver um problema, nem que seja uma parte dele. Não existe uma definição única para o 4

5 conceito de agente, e isto ocorre porque os autores normalmente ligam a definição ao domínio da aplicação, às formas de cooperação e nos níveis de autonomia. Segundo Sichman et al., (1992) um agente é uma entidade virtual ou real, que pode perceber e representar partes de seu ambiente. Possuindo também capacidade de se comunicar com outros agentes, podendo possuir um comportamento autônomo, sendo uma conseqüência de suas observações, de seu conhecimento e de suas interações com os demais agentes. Ainda conforme Sichman et al., (1992) os agentes podem ser classificados em duas principais categorias: Agentes reativos: agentes reativos realizam ações de acordo com outras ações realizadas por eles. Tendo o comportamento seguindo o processo de estimuloresposta, não havendo memória em relação às ações realizadas no passado e não fazendo previsão de ações que poderão vir a ser realizadas futuramente. A capacidade interna realiza somente associações de entrada e saída, não realizando processamento. São baseados em modelos de organização etnológica ou biológica, como exemplo, podem ser citadas as colônias de formigas (Silva & Machado, 2005 p20). Agentes cognitivos: conforme Pozzebon et al., (2003 p3) os agentes cognitivos são baseados em organizações sociais humanas como grupos, hierarquias e mercados. Os agentes possuem uma representação explícita do ambiente e dos outros agentes, dispõem de memória, e por isto são capazes de planejar ações futuras. Agentes cognitivos podem comunicar-se entre si diretamente, isto é, seus sistemas de percepção e de comunicação são distintos, o que não acontece nos reativos. Normalmente estão em pequena quantidade no sistema e são de média ou alta complexidade, além disso, requerem sofisticados mecanismos de coordenação e protocolos de alto nível para suporte à interação. Os agentes cognitivos aumentam a qualidade do sistema sob o ponto de vista pedagógico porque permitem gerar um sistema mais perceptivo com autonomia, flexibilidade, colaboração e adaptação. 2.2 Sistemas de Recomendação Com a globalização e a facilidade de pesquisas através da utilização da Internet, atualmente a busca por uma informação específica em meio a um grande número de informações disponíveis, pode se tornar um processo difícil e demorado, ocasionando uma sobrecarga ao usuário final. Sendo que para a realização de uma pesquisa com maior grau de complexidade, pode ser consumido um tempo muito grande e não pode ser garantida a integridade dos dados. Para aumentar a confiabilidade das informações e diminuir o tempo de pesquisa é necessária a redução do universo de pesquisa. Se o universo para pesquisa for muito grande, podem ser encontrados sérios problemas, podendo ser desde informações desnecessárias, inconsistentes ou até falsas. Estes problemas motivaram o desenvolvimento de sistemas para automatizar estas pesquisas, sendo denominados de sistemas de recomendação. Estes sistemas são projetados para facilitar recomendações em diferentes tipos, com base em conhecimentos prévios adquiridos através de casos previamente registrados (Silva & Machado, 2005 p24). 5

6 Conforme Silva & Machado (2005 p24, apudd Reategui & Cazella, 2005) atualmente a principal área de utilização dos sistemas de recomendação é o chamado comércio eletrônico, onde a disputa entre as empresas pela descoberta das preferências do cliente é um fato que pode ser decisivo ao fazê-lo optar por uma ou outra empresa. A descoberta da preferência do cliente em um curto período de tempo pode resultar em um custo muito menor para a empresa. Por esse motivo, diversos investimentos são feitos para se tentar chegar a excelência nos sistemas de recomendação. Para manter a fidelidade e aumentar a lucratividade das empresas, o comércio eletrônico utiliza diferentes estratégias para personalizar recomendações aos usuários. Reategui & Cazella (2005, p5) colocam as principais estratégias de recomendação sendo: lista de recomendação, avaliação de usuários, suas recomendações, usuários que se interessam por X também se interessam por Y e associação por conteúdo. O objetivo dos sistemas de recomendações é auxiliar a tomada de decisão pelo usuário, mesmo que este não possua conhecimento suficiente sobre o assunto. Estes sistemas aprendem com as preferências do usuário e sugerem automaticamente produtos que atendam ao seu perfil. 2.3 Sistemas de Recomendação Baseados na Arquitetura Multiagente Sistemas de recomendação baseados na arquitetura multiagente são sistemas que utilizam agentes para auxiliar no processo, visando melhorar a qualidade da recomendação apresentada ao usuário. Os agentes cooperam e negociam para satisfazer as necessidades dos usuários, interagindo entre si para completar suas soluções parciais ou resolver conflitos que podem aparecer durante o processo (Lorenzi et al., 2006 p3). Em Lorenzi et al., (2006 p3, apudd Macho et al., 2000) é apresentado um o sistema de recomendação baseado na arquitetura multiagente responsável por organizar reuniões, considerando as restrições das agendas pessoais dos participantes. Este sistema propôs três agentes, sendo eles: assistente pessoal é o agente com que o usuário interage com o sistema, ou seja, é a interface entre o usuário e o sistema; flight travel é o agente responsável pela tarefa de recuperar os vôos em uma base de dados e o accommodation hotel é o agente responsável por encontrar acomodações nas cidades envolvidas em reuniões. Outro exemplo de sistema de recomendação que faz uso de agentes é o CASIS, apresentado em Lorenzi et al., (2005), para apoiar no processo de negociação entre os agentes, este sistema utiliza abordagens swarm intelligence. A metáfora da dança das abelhas é utilizada em conjunto com a abordagem de Raciocínio Baseado em Casos (RBC) com o objetivo de recomendar o melhor pacote turístico ao usuário. O processo de recomendação funciona da seguinte forma: o usuário informa suas preferências; as abelhas visitam todos os casos da base e quando elas encontram o melhor caso (de acordo com as preferências do usuário), elas dançam para este caso, recrutando novas abelhas; e o caso com o maior número de abelhas dançando para ele será recomendado ao usuário (Lorenzi et al., 2006 p3). A vantagem deste sistema é que sempre será recomendado um pacote ao usuário. Sabendo que, mesmo que não for exatamente o desejo do passageiro, mas se tratando de turismo recomendar um pacote é um fator muito importante. O sistema possui como desvantagem à necessidade de 6

7 centralizar as fontes de informações, não sendo possível recuperar informações distribuídas. Em Lorenzi et al., (2006) é descrito uma abordagem multiagente para desenvolvimento de sistemas de recomendação de pacotes turísticos. Esta abordagem é baseada na colaboração entre agentes que trocam informações contidas em suas bases de conhecimento sobre pacotes turísticos. Para garantir a integridade da base de conhecimento dos agentes, cada agente possui um componente de manutenção de verdade que é responsável pela revisão de suas crenças, garantindo assim que cada agente virtual tenha o mesmo comportamento de um agente humano de viagens. A recomendação é dividida em sub-tarefas e distribuídas aos agentes através de uma lista. Cada agente é responsável então por escolher uma tarefa a ser realizada. Esta escolha, leva em consideração o grau de familiaridade que o agente tem com a tarefa, ou seja, ele dá preferência para aquelas que já tenham sido atendidas com êxito. Isto possibilita que a provável solução da tarefa esteja armazenada em sua base de conhecimento, não necessitando assim interagir com os outros agentes para troca de conhecimento. A abordagem propõe uma arquitetura formada por um conjunto de agentes com um objetivo global e com objetivos individuais. O objetivo global é a recomendação final que será apresentada ao usuário e os objetivos individuais, são as tarefas que os agentes resolverão para compor a recomendação. Neste cenário existem os Agentes de Busca(Src) que são responsáveis pela localização das informações necessárias na formação do pacote turístico a ser recomendado ao usuário. Estes agentes sempre retornam alguma informação ao sistema. Se eles não encontraram a informação solicitada pelo usuário, eles retornarão a informação mais parecida. No objetivo de gerar a melhor recomendação, muitas vezes é preciso que os agentes Src interajam entre si na tentativa de localizar as informações distribuídas que melhor atendam as preferências do usuário. 3 Projeto O presente trabalho propõe o desenvolvimento do ambiente de interação com o usuário para o cenário proposto em Lorenzi et al., (2006), o processo de recomendação, bem como a avaliação do usuário em relação à recomendação recebida. A partir da informação das preferências do usuário, o sistema disponibiliza uma lista de tarefas, para que os agentes Src possam acessar e resolvê-las, retornando as informações solicitadas e informando que a tarefa foi realizada. A partir deste momento o sistema organiza as informações e apresenta a recomendação para o usuário. O usuário analisa a recomendação e retorna ao sistema qual foi sua medida de satisfação em relação à qualidade da recomendação apresentada, sendo que esta medida é diferenciada por vôo, hotel e atração. 3.1 Interfaces Os protótipos das interfaces não serão apresentados, devido ao limite de páginas da proposta, sendo que somente serão descritas suas funcionalidades. 7

8 3.1.1 Cadastros O projeto conta com interfaces que permitem o cadastro das informações utilizadas como parâmetros de entrada para a recomendação, tais como, pais, estado, cidade, categoria, tipo de acomodação, acomodação, tipo de empresa de transporte, empresa de transporte, tipo de atração e cliente Recomendação de Pacotes Turísticos Esta é a GUI principal do sistema, é por ela que o usuário interage com o sistema de recomendação, informando as preferências pessoais e o sistema retorna uma recomendação de um pacote turístico incluindo vôos, hotéis e atrações. A partir das informações do usuário, a GUI disponibiliza uma lista de tarefas para que os agentes de busca (Src) apresentados por Lorenzi et al., (2006) possam acessar para resolvê-las. Quando os agentes Src informarem que as tarefas foram realizadas, a GUI deve receber as informações, organizar a recomendação e apresentar de forma amigável ao usuário. A GUI provê meios para que o usuário possa retornar ao sistema qual foi sua medida de satisfação em relação à qualidade da recomendação apresentada, sendo que esta medida é diferenciada por vôo, hotel e atração Consulta Histórico de Recomendações Esta interface permite que sejam consultadas as recomendações realizadas e armazenadas na base de dados. Conta com filtros que permitem a redução do número de recomendações retornadas pelo sistema, para que seja mais fácil a localização da recomendação que esta sendo requisitada. Como filtros, podem ser citados: CPF do cliente, data da recomendação, cidade, empresa de transporte entre outros. 3.2 Casos de Uso O diagrama de casos de uso é utilizado para descrever e definir os requisitos funcionais do sistema. Contém elementos gráficos que representam o sistema, os atores e os casos de uso, mostrando o relacionamento entre estes elementos. Os principais objetivos são: descrever os requisitos funcionais do sistema; delimitar o sistema; oferecer as possíveis situações do mundo real para a fase de teste do sistema; servir de base para usuários que não entendem de informática. O Diagrama de casos de uso deste projeto é apresentado na Figura 1. Figura 1: Casos de Uso 8

9 4 Conclusão Sistemas de recomendação são muito utilizados no comércio eletrônico, onde a descoberta das preferências do cliente é um fator decisivo para influenciar a tomada de decisão. Estes sistemas são projetados para facilitar o processo de recomendação de determinado produto ou serviço, dando mais confiança nas informações e diminuindo o tempo gasto na pesquisa, diminuindo consideravelmente o custo para as empresas. O objetivo dos sistemas de recomendação é auxiliar a tomada de decisão pelos usuários, mesmo que estes não possuam conhecimento suficiente sobre o assunto. Com o presente projeto, nota-se que um sistema de recomendação é de suma importância para que um agente de viagem possa recomendar com segurança um pacote turístico, o qual deve abranger transporte, hospedagem e atrações. O sistema de recomendação de pacotes turísticos pode ser considerado o ponto de partida, para que o agente de viagem possa atender as expectativas dos clientes e obter sucesso profissional. Este artigo é uma proposta para a disciplina de TCC1, por este motivo, neste momento não tem como apresentar resultados, ficando este processo para a disciplina de TCC2, quando será feita a defesa do trabalho. Como trabalhos futuros, sugere-se implementação dos agentes Src os quais são responsáveis por selecionar as tarefas da lista, resolvê-las e retornar as informações, para que o sistema possa organizar e apresentar a recomendação para o usuário. Os agentes Src devem considerar a medida de satisfação retornada pelo usuário, quando da necessidade de resolver novas tarefas. 5 Referências Bibliográficas Amorim, F. (2004) Sistema de recomendação para turismo. Universidade Luterana do Brasil, Sistemas de Informações, Canoas. Trabalho de conclusão de curso. Briot, J. P. & Demazeau, Y. (2002). Principes et architecture des systèmes multi-agents. Paris, Hermes. Hübner, J. F. (2003) Um modelo de reorganização de sistemas multiagentes. Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, Engenharia Elétrica, São Paulo. Tese de doutorado. Lorenzi, F. & Ricci, F. (2005) Case-based recommender systems: a unifying view. In: Mobasher, B. and Anand, S., editors, Intelligent Techniques for Web Personalization: IJCAI 2003 Workshop, ITWP 2003, Acapulco, Mexico, August 11, 2003, Revised Selected Papers. : Springer-Verlag GmbH, 2005, v. 3169, p Lorenzi, F., Bazzan, A. L. C., Abel, M. (2006) Manutenção de verdade na negociação de tarefas em sistemas multiagentes para recomendação turística. In: Semana acadêmica - seminário de informática, Instituto de Informática da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre. 9

10 Macho, S., Torrens, M., Faltings, B. (2000). A multi-agent recommender system for planning meetings. In: Workshop on Agent-based recommender systems (WARS 2000), Barcelona. Meneses, E. & Silva, F. (2001) Integração de Agentes de Informação, Jornada de Atualização em Inteligência Artificial. Disponível em acesso 23 Apr Pereira, A. L. (2004) Sistema WEB para turismo. Universidade Luterana do Brasil, Tecnologia em Informática, Canoas. Trabalho de conclusão de curso. Pozzebon, E., Frigo, L. B., Bittencourt, G. (2004) O papel dos Agentes Inteligentes nos Sistemas Tutores Inteligentes. In: WCETE - World Congress on Engineering and Technology Education. São Paulo, p Reategui, E. B. & Cazella, S. C. (2005) Sistemas de Recomendação Mini Curso. In: Enia XXV Congresso da Sociedade Brasileira da Computação. UNISINOS - São Leopoldo, p Sichman, J. S., Demazeu, Y., Boissier, O. (1992) How can knowledge-based systems be called agents? In: Simpósio Brasileiro de Inteligência Artificial. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro - Rio de Janeiro, p Silva, P. E. D., & Machado, G. R. D. F. (2005) Sistema para recomendação de pacotes turísticos. Universidade Luterana do Brasil, Matemática Aplicada à Informática, Canoas. Trabalho de conclusão de curso. 10

Sistemas Inteligentes. Aula: Agentes Inteligentes Flávia Barros & Patricia Tedesco

Sistemas Inteligentes. Aula: Agentes Inteligentes Flávia Barros & Patricia Tedesco Sistemas Inteligentes Aula: Agentes Inteligentes Flávia Barros & Patricia Tedesco 1 Ao final desta aula a gente deve... Entender o que é um Agente Racional (inteligente)? Distinguir entre os vários tipos

Leia mais

paradigma WBC Public - compra direta Guia do Fornecedor paradigma WBC Public v6.0 g1.0

paradigma WBC Public - compra direta Guia do Fornecedor paradigma WBC Public v6.0 g1.0 paradigma WBC Public - compra direta Guia do Fornecedor paradigma WBC Public v6.0 g1.0 agosto de 2007 As informações contidas neste documento, incluíndo quaisquer URLs e outras possíveis referências a

Leia mais

Metadados. 1. Introdução. 2. O que são Metadados? 3. O Valor dos Metadados

Metadados. 1. Introdução. 2. O que são Metadados? 3. O Valor dos Metadados 1. Introdução O governo é um dos maiores detentores de recursos da informação. Consequentemente, tem sido o responsável por assegurar que tais recursos estejam agregando valor para os cidadãos, as empresas,

Leia mais

DAS6607 - Inteligência Artificial Aplicada à Controle de Processos e Automação Industrial

DAS6607 - Inteligência Artificial Aplicada à Controle de Processos e Automação Industrial DAS6607 - Inteligência Artificial Aplicada à Controle de Processos e Automação Industrial Aluno: André Faria Ruaro Professores: Jomi F. Hubner e Ricardo J. Rabelo 29/11/2013 1. Introdução e Motivação 2.

Leia mais

Assistentes Virtuais Inteligentes

Assistentes Virtuais Inteligentes Assistentes Virtuais Inteligentes Excelência e Redução de Custo Operacional WHITEPAPER OFERECEMOS RECORDAÇÕES E EXPERIÊNCIAS ENCANTADORAS We offer amazing memories and experiences Ofrecemos preciosos recuerdos

Leia mais

18º Congresso de Iniciação Científica IMPLEMENTAÇÃO DE UM MODELO DE TESTE DE APLICAÇÕES WEB

18º Congresso de Iniciação Científica IMPLEMENTAÇÃO DE UM MODELO DE TESTE DE APLICAÇÕES WEB 18º Congresso de Iniciação Científica IMPLEMENTAÇÃO DE UM MODELO DE TESTE DE APLICAÇÕES WEB Autor(es) HARLEI MIGUEL DE ARRUDA LEITE Orientador(es) PLÍNIO ROBERTO SOUZA VILELA Apoio Financeiro PIBIC/CNPQ

Leia mais

Ferramenta para Geração de Código a partir da Especialização do Diagrama de Classes

Ferramenta para Geração de Código a partir da Especialização do Diagrama de Classes Ferramenta para Geração de Código a partir da Especialização do Diagrama de Classes Alexandro Deschamps (Ápice) alexandro@apicesoft.com Everaldo Artur Grahl (FURB/DSC) egrahl@furb.br Resumo. Uma das grandes

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 28 Revisão para a Prova 2 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 28-28/07/2006 1 Matéria para a Prova 2 Gestão de projetos de software Conceitos (Cap. 21) Métricas (Cap.

Leia mais

Processos de gerenciamento de projetos em um projeto

Processos de gerenciamento de projetos em um projeto Processos de gerenciamento de projetos em um projeto O gerenciamento de projetos é a aplicação de conhecimentos, habilidades, ferramentas e técnicas às atividades do projeto a fim de cumprir seus requisitos.

Leia mais

O USO E DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARES EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS* THE USE AND DEVELOPMENT OF SOFTWARE IN MICRO AND SMALL ENTERPRISES

O USO E DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARES EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS* THE USE AND DEVELOPMENT OF SOFTWARE IN MICRO AND SMALL ENTERPRISES O USO E DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARES EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS* THE USE AND DEVELOPMENT OF SOFTWARE IN MICRO AND SMALL ENTERPRISES Rodolfo Miranda Pereira 1 Tania Fatima Calvi Tait 2 Donizete Carlos

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das Partes Interessadas e da Integração

Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das Partes Interessadas e da Integração Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das

Leia mais

Desenvolvimento de uma Etapa

Desenvolvimento de uma Etapa Desenvolvimento de uma Etapa A Fase Evolutiva do desenvolvimento de um sistema compreende uma sucessão de etapas de trabalho. Cada etapa configura-se na forma de um mini-ciclo que abrange as atividades

Leia mais

Unidade II MODELAGEM DE PROCESSOS

Unidade II MODELAGEM DE PROCESSOS Unidade II 3 MODELAGEM DE SISTEMAS 1 20 A fase de desenvolvimento de um novo sistema de informação (Quadro 2) é um momento complexo que exige um significativo esforço no sentido de agregar recursos que

Leia mais

Eleve a experiência do consumidor: como criar uma situação de win-win entre a TI e seus usuários

Eleve a experiência do consumidor: como criar uma situação de win-win entre a TI e seus usuários Eleve a experiência : como criar uma situação de win-win entre a TI e seus usuários Introdução Soluções da CA Por que é necessário melhorar a experiência dos usuários com os serviços de TI? A consumerização

Leia mais

ITIL. Conteúdo. 1. Introdução. 2. Suporte de Serviços. 3. Entrega de Serviços. 4. CobIT X ITIL. 5. Considerações Finais

ITIL. Conteúdo. 1. Introdução. 2. Suporte de Serviços. 3. Entrega de Serviços. 4. CobIT X ITIL. 5. Considerações Finais ITIL Conteúdo 1. Introdução 2. Suporte de Serviços 3. Entrega de Serviços 4. CobIT X ITIL 5. Considerações Finais Introdução Introdução Information Technology Infrastructure Library O ITIL foi desenvolvido,

Leia mais

2 Ergonomia aplicada na EAD em ambiente web

2 Ergonomia aplicada na EAD em ambiente web 2 Ergonomia aplicada na EAD em ambiente web A eficiência da educação a distância (EAD) depende da contribuição de diversas disciplinas. É comum encontrarmos estudos nas áreas da ciência da computação,

Leia mais

Introdução à. Engenharia de Software. Givanaldo Rocha de Souza givanaldo.rocha@ifrn.edu.br http://docente.ifrn.edu.

Introdução à. Engenharia de Software. Givanaldo Rocha de Souza givanaldo.rocha@ifrn.edu.br http://docente.ifrn.edu. "Antes de imprimir pense em sua responsabilidade e compromisso com o MEIO AMBIENTE." Engenharia de Software Introdução à Engenharia de Software Givanaldo Rocha de Souza givanaldo.rocha@ifrn.edu.br http://docente.ifrn.edu.br/givanaldorocha

Leia mais

ABRIL/2004 UMA FERRAMENTA PARA AUXILIAR O PROFESSOR NO ENSINO À DISTÂNCIA

ABRIL/2004 UMA FERRAMENTA PARA AUXILIAR O PROFESSOR NO ENSINO À DISTÂNCIA 1 ABRIL/2004 UMA FERRAMENTA PARA AUXILIAR O PROFESSOR NO ENSINO À DISTÂNCIA Andréa Pereira de Castro Universidade de Cruz Alta UNICRUZ, Cruz Alta andreap@unicruz.edu.br Adriana Pereira Cocco Universidade

Leia mais

CURSO DE DEPENDÊNCIA DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I DA UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI 05/2005 035-TC-C3

CURSO DE DEPENDÊNCIA DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I DA UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI 05/2005 035-TC-C3 CURSO DE DEPENDÊNCIA DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I DA UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI 05/2005 035-TC-C3 Categoria: Métodos e Tecnologias Setor Educacional: Educação Universitária Natureza do Trabalho:

Leia mais

Tencologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: WEB I Conteúdo: Arquitetura de Software Aula 03

Tencologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: WEB I Conteúdo: Arquitetura de Software Aula 03 Tencologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: WEB I Conteúdo: Arquitetura de Software Aula 03 Agenda 1. Arquitetura de Software 1.1.Introdução 1.2.Vantagens da Arquitetura de Software

Leia mais

ESTUDO DE CASO: LeCS: Ensino a Distância

ESTUDO DE CASO: LeCS: Ensino a Distância ESTUDO DE CASO: LeCS: Ensino a Distância HERMOSILLA, Lígia Docente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais de Garça FAEG - Labienópolis - CEP 17400-000 Garça (SP) Brasil Telefone (14) 3407-8000

Leia mais

A construção de um manual sobre a utilização dos modelos também poderá alavancar o uso das representações. Este conteria a explicação detalhada da

A construção de um manual sobre a utilização dos modelos também poderá alavancar o uso das representações. Este conteria a explicação detalhada da 6 Conclusões No âmbito do framework teórico da Engenharia Semiótica, este trabalho faz parte de um esforço conjunto para desenvolver ferramentas epistêmicas que apóiem a reflexão do designer durante o

Leia mais

3 Análise para a definição da estratégia

3 Análise para a definição da estratégia 3 Análise para a definição da estratégia O presente capítulo aborda os aspectos relacionados à transação sob dois prismas, sendo o primeiro o Transaction Cost Theory (TCT), no qual o foco é a análise dos

Leia mais

Fatores de Sucesso e Dificuldades na Implementação de Processos de Software Utilizando o MR-MPS MPS e o CMMI

Fatores de Sucesso e Dificuldades na Implementação de Processos de Software Utilizando o MR-MPS MPS e o CMMI Fatores de Sucesso e Dificuldades na Implementação de Processos de Software Utilizando o MR-MPS MPS e o CMMI Ana Regina Rocha, Mariano Montoni, Gleison Santos, Kathia Oliveira 2, Ana Cândida Natali, Paula

Leia mais

Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo Silvério POLIDORIO 2

Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo Silvério POLIDORIO 2 COMO QUEBRAR PARADIGMAS SEM CAUSAR UM IMPACTO NEGATIVO NO PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DO MARKETING DE RELACIONAMENTO, CRM E DBM EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo

Leia mais

Processo de Engenharia de Software II

Processo de Engenharia de Software II UNIOESTE - Universidade Estadual do Oeste do Paraná CCET Centro de ciências Exatas e Tecnológicas Colegiado de Ciência da Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Processo de Engenharia

Leia mais

As Organizações e a Teoria Organizacional

As Organizações e a Teoria Organizacional Página 1 de 6 As Organizações e a Teoria Organizacional Autora: Sara Fichman Raskin Este texto é totalmente baseado no primeiro capítulo do livro Organizational theory: text and cases, do autor Jones Gareth,

Leia mais

Introdução ao Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps) Projeto: mps Br melhoria de processo do software Brasileiro

Introdução ao Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps) Projeto: mps Br melhoria de processo do software Brasileiro Introdução ao Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps) Realidade das Empresas Brasileiras ISO/IEC 12207 ISO/IEC 15504 CMMI Softex Governo Universidades Modelo de Referência para

Leia mais

Uma Arquitetura de Controle Distribuída para um Sistema de Visão Computacional Propositada.

Uma Arquitetura de Controle Distribuída para um Sistema de Visão Computacional Propositada. Uma Arquitetura de Controle Distribuída para um Sistema de Visão Computacional Propositada. Reinaldo A. C. Bianchi 1 Anna H. R. C. Rillo 2 1 Divisão de Automação e Inteligência Artificial - Laboratório

Leia mais

TEORIA DOS JOGOS E APRENDIZADO

TEORIA DOS JOGOS E APRENDIZADO TEORIA DOS JOGOS E APRENDIZADO DE MÁQUINA Estudos Iniciais André Filipe de Moraes Batista Disciplina de Aprendizagem de Máquina UFABC 2010 TEORIA DOS JOGOS Ramo da matemática aplicada estuda situações

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE

QUALIDADE DE SOFTWARE QUALIDADE DE SOFTWARE - 02 Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Questão 1 A ISO 9000-3 é um guia para a aplicação da ISO 9001 para o desenvolvimento, fornecimento e manutenção de software.

Leia mais

CURSO: Orientações. MÓDULOS: Orientações/Calendário/Links. Curso 3/3 2009. Contato com o suporte: Nome.: Empresa.: Data.: / / E-mail.

CURSO: Orientações. MÓDULOS: Orientações/Calendário/Links. Curso 3/3 2009. Contato com o suporte: Nome.: Empresa.: Data.: / / E-mail. CURSO: Orientações MÓDULOS: Orientações/Calendário/Links Curso 3/3 2009 Contato com o suporte: Tel.:11-3857-9007 ramal 4 Fax.: 11-3857-9007 ramal 211 Cellular: 11-9333-21 E-mail.: suporte@webcontabil.com.br

Leia mais

4. BANCO DE COMPETÊNCIAS PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE APOIO À DECISÃO DE CAPACITAÇÃO DE RH

4. BANCO DE COMPETÊNCIAS PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE APOIO À DECISÃO DE CAPACITAÇÃO DE RH 4. BANCO DE COMPETÊNCIAS PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE APOIO À DECISÃO DE CAPACITAÇÃO DE RH 1. INTRODUÇÃO Gilson da Silva Cardoso Antonio Carlos Francisco Luciano Scandelari O mundo está experimentando

Leia mais

Índice Resumo Introdução Groupware Agendas de Grupo Agenda Compartilhada Funcionalidades Cadastro do Usuário / Login Agenda e Configuração

Índice Resumo Introdução Groupware Agendas de Grupo Agenda Compartilhada Funcionalidades Cadastro do Usuário / Login Agenda e Configuração UNIRIO Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro CCET Centro de Ciências Exatas e Tecnologia EIA Escola de Informática Aplicada TIN0033 Projeto de Graduação II Orientadora: Renata Araújo Alunos:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o. PROFESSOR: Andrey DISCIPLINA: Técnicas Alternativas de Programação AULA: 11 APRESENTAÇÃO Nesta aula serão discutidos os conceitos relacionados

Leia mais

UM GUIA RÁPIDO ORIENTADO A RESULTADOS (vigência: 29 JUN 2009)

UM GUIA RÁPIDO ORIENTADO A RESULTADOS (vigência: 29 JUN 2009) GESTÃO DE PROCESSOS UM GUIA RÁPIDO ORIENTADO A RESULTADOS (vigência: 29 JUN 2009) 1. O QUE É PROCESSO? Processos têm sido considerados uma importante ferramenta de gestão, um instrumento capaz de aproximar

Leia mais

3 Gerenciamento de Projetos

3 Gerenciamento de Projetos 34 3 Gerenciamento de Projetos Neste capítulo, será abordado o tema de gerenciamento de projetos, iniciando na seção 3.1 um estudo de bibliografia sobre a definição do tema e a origem deste estudo. Na

Leia mais

paradigma WBC Public - pregão eletrônico Guia do Fornecedor paradigma WBC Public v6.0 g1.1

paradigma WBC Public - pregão eletrônico Guia do Fornecedor paradigma WBC Public v6.0 g1.1 paradigma WBC Public - pregão eletrônico Guia do Fornecedor paradigma WBC Public v6.0 g1.1 agosto de 2007 As informações contidas neste documento, incluíndo quaisquer URLs e outras possíveis referências

Leia mais

FORFAIT: UM PACOTE DIFERENCIADO

FORFAIT: UM PACOTE DIFERENCIADO FORFAIT: UM PACOTE DIFERENCIADO Luiz Paulo Pereira Corrêa Luiz Rodrigues Mendes Pâmela Souza Soares Vanessa Saraiva Sena RESUMO: O trabalho analisa as agências de viagens para apresentar como elas dispõem

Leia mais

Rastreabilidade de requisitos através da web

Rastreabilidade de requisitos através da web Rastreabilidade de requisitos através da web Fernando dos Santos (FURB) fds@inf.furb.br Karly Schubert Vargas (FURB) karly@inf.furb.br Christian Rogério Câmara de Abreu (FURB) crca@inf.furb.br Resumo.

Leia mais

Unioeste - Universidade Estadual do Oeste do Paraná Curso de Bacharelado em Informática Estudo de Requisitos CASCAVEL 2009

Unioeste - Universidade Estadual do Oeste do Paraná Curso de Bacharelado em Informática Estudo de Requisitos CASCAVEL 2009 Unioeste - Universidade Estadual do Oeste do Paraná CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Colegiado de Informática Curso de Bacharelado em Informática Estudo de Requisitos Alunos: Professor: Disciplina:

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais Introdução as redes de comunicação e redes de computadores Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza

Sistemas de Informações Gerenciais Introdução as redes de comunicação e redes de computadores Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Sistemas de Informações Gerenciais Introdução as redes de comunicação e redes de computadores Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Este documento está sujeito a copyright. Todos os direitos estão reservados

Leia mais

Apresentação do Banco de Dados Mundial sobre Fortificações

Apresentação do Banco de Dados Mundial sobre Fortificações Apresentação do Banco de Dados Mundial sobre Fortificações Roberto Tonera Projeto Fortalezas Multimídia - Universidade Federal de Santa Catarina Brasil projeto@fortalezasmultimidia.com.br artonera@hotmail.com

Leia mais

; CONSOLI, M. A. ; NEVES,

; CONSOLI, M. A. ; NEVES, ARTIGO EM REVISTA Publicado em: PAIVA, Hélio Afonso Braga de ; CONSOLI, M. A. ; NEVES, Marcos Fava. Oportunidades em Compras. AgroRevenda, São Paulo, v. 11, p. 12-14, 15 nov. 2006. Oportunidades em compras

Leia mais

Marketing e promoção na Biblioteca da Escola de Engenharia de São Carlos-USP

Marketing e promoção na Biblioteca da Escola de Engenharia de São Carlos-USP Powered by TCPDF (www.tcpdf.org) Marketing e promoção na Biblioteca da Escola de Engenharia de São Carlos-USP Luiza de Menezes Romanetto (USP e UFSCar) - lumenezesr@gmail.com Flávia Helena Cassin (EESC-USP)

Leia mais

29/05/2012. Gestão de Projetos. Luciano Gonçalves de Carvalho FATEC. Agenda. Gerenciamento de Integração do Projeto Exercícios Referências FATEC

29/05/2012. Gestão de Projetos. Luciano Gonçalves de Carvalho FATEC. Agenda. Gerenciamento de Integração do Projeto Exercícios Referências FATEC Gestão de Projetos 1 Agenda Gerenciamento de Integração do Projeto Exercícios Referências 2 1 GERENCIAMENTO DA INTEGRAÇÃO DO PROJETO 3 Gerenciamento da Integração do Projeto Fonte: EPRoj@JrM 4 2 Gerenciamento

Leia mais

Manual de instalação, configuração e utilização do Enviador XML

Manual de instalação, configuração e utilização do Enviador XML Manual de instalação, configuração e utilização do Enviador XML 1. Conceitos e termos importantes XML Empresarial: é um sistema web (roda em um servidor remoto) de armazenamento e distribuição de documentos

Leia mais

Módulo 9 A Avaliação de Desempenho faz parte do subsistema de aplicação de recursos humanos.

Módulo 9 A Avaliação de Desempenho faz parte do subsistema de aplicação de recursos humanos. Módulo 9 A Avaliação de Desempenho faz parte do subsistema de aplicação de recursos humanos. 9.1 Explicações iniciais A avaliação é algo que faz parte de nossas vidas, mesmo antes de nascermos, se não

Leia mais

Desenvolvendo um Ambiente de Aprendizagem a Distância Utilizando Software Livre

Desenvolvendo um Ambiente de Aprendizagem a Distância Utilizando Software Livre Desenvolvendo um Ambiente de Aprendizagem a Distância Utilizando Software Livre Fabrício Viero de Araújo, Gilse A. Morgental Falkembach Programa de Pós-graduação em Engenharia de Produção - PPGEP Universidade

Leia mais

Relatório referente ao período de 24 de abril de 2007 a 29 de maio de 2007.

Relatório referente ao período de 24 de abril de 2007 a 29 de maio de 2007. Relatório do GPES Relatório referente ao período de 24 de abril de 2007 a 29 de maio de 2007. Objetivo O objetivo desse relatório é expor alguns padrões de interface para Web que foram definidos pela Coleção

Leia mais

Resolução da lista de exercícios de casos de uso

Resolução da lista de exercícios de casos de uso Resolução da lista de exercícios de casos de uso 1. Explique quando são criados e utilizados os diagramas de casos de uso no processo de desenvolvimento incremental e iterativo. Na fase de concepção se

Leia mais

USO DA INTERNET E PARTICIPAÇÃO CIDADÃ NA GESTÃO LOCAL: ORÇAMENTO PARTICIPATIVO INTERATIVO DE IPATINGA

USO DA INTERNET E PARTICIPAÇÃO CIDADÃ NA GESTÃO LOCAL: ORÇAMENTO PARTICIPATIVO INTERATIVO DE IPATINGA USO DA INTERNET E PARTICIPAÇÃO CIDADÃ NA GESTÃO LOCAL: ORÇAMENTO PARTICIPATIVO INTERATIVO DE IPATINGA An Innovations in Technology and Governance Case Study Desde o final dos anos 1980, diversos governos

Leia mais

Ambientes Virtuais Interativos e Inteligentes: Fundamentos, Implementação e Aplicações Práticas

Ambientes Virtuais Interativos e Inteligentes: Fundamentos, Implementação e Aplicações Práticas Ambientes Virtuais Interativos e Inteligentes: Fundamentos, Implementação e Aplicações Práticas Fernando S. Osório Soraia Raupp Musse Cássia Trojahn dos Santos Farlei Heinen Adriana Braum André Tavares

Leia mais

Figura 5 - Workflow para a Fase de Projeto

Figura 5 - Workflow para a Fase de Projeto 5. Fase de Projeto A Fase de Projeto caracteriza-se por transformar as informações modeladas durante a Fase de Análise em estruturas arquiteturais de projeto com o objetivo de viabilizar a implementação

Leia mais

Aula 2 Revisão 1. Ciclo de Vida. Processo de Desenvolvimento de SW. Processo de Desenvolvimento de SW. Processo de Desenvolvimento de SW

Aula 2 Revisão 1. Ciclo de Vida. Processo de Desenvolvimento de SW. Processo de Desenvolvimento de SW. Processo de Desenvolvimento de SW Ciclo de Vida Aula 2 Revisão 1 Processo de Desenvolvimento de Software 1 O Processo de desenvolvimento de software é um conjunto de atividades, parcialmente ordenadas, com a finalidade de obter um produto

Leia mais

Introdução. 1. O que é e-commerce?

Introdução. 1. O que é e-commerce? Introdução As vendas na internet crescem a cada dia mais no Brasil e no mundo, isto é fato. Entretanto, dominar esta ferramenta ainda pode ser um mistério tanto para micro quanto para pequenos e médios

Leia mais

MODELAGEM DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

MODELAGEM DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Unidade III MODELAGEM DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Daniel Arthur Gennari Junior Sobre esta aula Ciclo de Vida de Sistemas Engenharia de Software Aplicações de Software Diagramação de Software Ciclo

Leia mais

EGC Gestão Estratégica da Tecnologia da Informação

EGC Gestão Estratégica da Tecnologia da Informação EGC Gestão Estratégica da Tecnologia da Informação Resenha Crítica: Qual a relação entre competitividade, gestão do conhecimento e tecnologia da informação? Paulo Fernando da Silva Para discutirmos a relação

Leia mais

77... DESIGN INSTRUCIONAL E O DESENVOLVIMENTO DE MATERIAIS DIDÁTICOS NA UNISULVIRTUAL

77... DESIGN INSTRUCIONAL E O DESENVOLVIMENTO DE MATERIAIS DIDÁTICOS NA UNISULVIRTUAL 77 DESIGN INSTRUCIONAL E O DESENVOLVIMENTO DE MATERIAIS DIDÁTICOS NA UNISULVIRTUAL Cristina Klipp de Oliveira Daniela Erani Monteiro Will Márcia Loch Roseli Rocha Moterle RESUMO: O material didático utilizado

Leia mais

2 Engenharia de Software

2 Engenharia de Software 20 2 Engenharia de Software 2.1 Design de Sistemas Orientados a Objetos Os Sistemas Orientados a Objetos não são mais novidade hoje em dia já estando há muitos anos no mercado. A orientação a objetos permite

Leia mais

Agenda Semântica. Grupo: Francisco Rodrigues Júnior Guilherme Daher Ferreira Luana Vieira Morellato Renan Rigo

Agenda Semântica. Grupo: Francisco Rodrigues Júnior Guilherme Daher Ferreira Luana Vieira Morellato Renan Rigo Universidade Federal do Espírito Santo Inteligência Artificial Agenda Semântica Grupo: Francisco Rodrigues Júnior Guilherme Daher Ferreira Luana Vieira Morellato Renan Rigo Vitória 2007/02 Agenda Semântica

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Introdução aos Processos de Software: modelos e ciclo de vida de software Prof. MSc. Hugo Vieira L. Souza Este documento está sujeito a copyright. Todos os direitos estão reservados

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Sistemas de Informação 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Sistemas de Informação 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Sistemas de Informação 2011-2 SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE MANUTENÇÃO AUTOMOTIVA Alunos: WERNECK,

Leia mais

Estudo de Viabilidade. GMon Sistema de Gerenciamento de Monitores. Curso: Ciências da Computação Professora: Carla Silva

Estudo de Viabilidade. GMon Sistema de Gerenciamento de Monitores. Curso: Ciências da Computação Professora: Carla Silva Estudo de Viabilidade GMon Sistema de Gerenciamento de Monitores Curso: Ciências da Computação Professora: Carla Silva Recife, 20 de Janeiro de 2012 1 Sumário 1. Motivação... 3 2. Problema identificado...

Leia mais

DESENVOLVENDO O SISTEMA

DESENVOLVENDO O SISTEMA DESENVOLVENDO O SISTEMA Declaração da Necessidade O primeiro passo do processo de análise de sistema envolve a identificação da necessidade [Pressman-95]. Normalmente o analista reúne-se com o usuário

Leia mais

É recomendável ordenar e responder apenas àquelas perguntas que podem efetivamente contribuir para um aprofundamento da análise da organização.

É recomendável ordenar e responder apenas àquelas perguntas que podem efetivamente contribuir para um aprofundamento da análise da organização. Roteiro de Apoio Análise da Sustentabilidade Institucional Antonio Luiz de Paula e Silva alpsilva@fonte.org.br 1 O presente documento apresenta uma série de perguntas para ajudar no levantamento de dados

Leia mais

O que aprendi sobre avaliação em cursos semipresenciais

O que aprendi sobre avaliação em cursos semipresenciais O que aprendi sobre avaliação em cursos semipresenciais José Moran Pesquisador, Professor, Conferencista e Orientador de projetos inovadores na educação. Publicado em: SILVA, Marco & SANTOS, Edméa (Orgs).

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Página 1 NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio (votação 10/02/96. Rev.1) 0. INTRODUÇÃO 0.1 Resumo geral 0.2 Benefícios de se ter um Sistema

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL DO BANCO COOPERATIVO SICREDI E EMPRESAS CONTROLADAS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL DO BANCO COOPERATIVO SICREDI E EMPRESAS CONTROLADAS ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL DO BANCO COOPERATIVO SICREDI E EMPRESAS CONTROLADAS Versão : 31 de dezembro de 2008 CONTEÚDO 1. INTRODUÇÃO...3 2. ORGANIZAÇÃO DA GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL...3

Leia mais

Levantamento, Análise e Gestão Requisitos. Aula 06

Levantamento, Análise e Gestão Requisitos. Aula 06 Levantamento, Análise e Gestão Requisitos Aula 06 Agenda Técnicas de Levantamento de Requisitos: Entrevista Workshop, Brainstorming, Storyboarding e Roleplaying Prototipação JAD Joint Application Design

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAMENTO DE TURSIMO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAMENTO DE TURSIMO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAMENTO DE TURSIMO Concurso Público para o Cargo de Professor Adjunto EDITAL 027/2012 Código do Candidato: PROVA ESCRITA - 17.12.2012

Leia mais

Um passo inicial para aplicação do gerenciamento de projetos em pequenas empresas

Um passo inicial para aplicação do gerenciamento de projetos em pequenas empresas Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão de Projetos Aperfeiçoamento/GPPP1301 T132 09 de outubro de 2013 Um passo inicial para aplicação do gerenciamento de s em pequenas empresas Heinrich

Leia mais

A técnica a serviço da aproximação com os doadores: Marketing de relacionamento nos Doutores da Alegria

A técnica a serviço da aproximação com os doadores: Marketing de relacionamento nos Doutores da Alegria Agentes Financiadores Notícias e atualidades sobre Agentes Financiadores nacionais e internacionais página inicial A técnica a serviço da aproximação com os doadores: Marketing de relacionamento nos Doutores

Leia mais

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com /

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / andre.belini@ifsp.edu.br MATÉRIA: GESTÃO DE PROJETOS Aula N : 10 Tema: Gerenciamento

Leia mais

O QUE FAZER PARA MELHORAR O PROCESSO DE COMPRAS 1

O QUE FAZER PARA MELHORAR O PROCESSO DE COMPRAS 1 O QUE FAZER PARA MELHORAR O PROCESSO DE COMPRAS 1 Matheus Alberto Cônsoli* Lucas Sciência do Prado* Marcos Fava Neves* As revendas agropecuárias devem considerar não apenas preços, mas também as oportunidades

Leia mais

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave ISO14004 uma diretriz ISO 14004:2004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Prof.Dr.Daniel Bertoli Gonçalves FACENS 1 Seu propósito geral é auxiliar as

Leia mais

Unidade 8: Padrão MVC e DAO Prof. Daniel Caetano

Unidade 8: Padrão MVC e DAO Prof. Daniel Caetano Programação Servidor para Sistemas Web 1 Unidade 8: Padrão MVC e DAO Prof. Daniel Caetano Objetivo: Apresentar a teoria por trás dos padrões na construção de aplicações Web. INTRODUÇÃO Nas aulas anteriores

Leia mais

Gerenciamento de Projeto: Planejando os Riscos. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Gerenciamento de Projeto: Planejando os Riscos. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Gerenciamento de Projeto: Planejando os Riscos Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Introdução Planejar o Gerenciamento dos Riscos. Identificar os Riscos Realizar a Análise Qualitativa

Leia mais

6 Conclusão. 6.1.Conclusões Finais

6 Conclusão. 6.1.Conclusões Finais 143 6 Conclusão 6.1.Conclusões Finais O impacto da inserção dos canais eletrônicos na rede de distribuição hoteleira pode ser dividido em três possíveis implicações, como já previsto por Guthan, em 2002

Leia mais

Autoria Multimídia: o uso de ferramentas multimídia no campo educacional

Autoria Multimídia: o uso de ferramentas multimídia no campo educacional Autoria Multimídia: o uso de ferramentas multimídia no campo educacional Douglas Vaz, Suelen Silva de Andrade Faculdade Cenecista de Osório (FACOS) Rua 24 de maio, 141 95520-000 Osório RS Brasil {doug.vaz,

Leia mais

1.1 Considerações Iniciais e Motivações. Separação física entre professor e aluno, que a distingue do ensino presencial;

1.1 Considerações Iniciais e Motivações. Separação física entre professor e aluno, que a distingue do ensino presencial; 1 Capítulo 1 Introdução 1.1 Considerações Iniciais e Motivações A educação a distância é uma área de pesquisa e desenvolvimento em franca expansão. Os benefícios deste tipo de educação incluem independência

Leia mais

3.1 Definições Uma classe é a descrição de um tipo de objeto.

3.1 Definições Uma classe é a descrição de um tipo de objeto. Unified Modeling Language (UML) Universidade Federal do Maranhão UFMA Pós Graduação de Engenharia de Eletricidade Grupo de Computação Assunto: Diagrama de Classes Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação:

Leia mais

Abordagem simples aos modos de falha com recurso a um software de organização e gestão da manutenção

Abordagem simples aos modos de falha com recurso a um software de organização e gestão da manutenção Abordagem simples aos modos de falha com recurso a um software de organização e gestão da manutenção Marcelo Batista (1), José Fernandes (1) e Alexandre Veríssimo (1) mbatista@manwinwin.com; jcasimiro@navaltik.com;

Leia mais

Definição: O escopo de um projeto descreve todos os seus produtos, os serviços necessários para realizá-los e resultados finais esperados. Descreve também o que é preciso fazer para que alcance seus objetivos

Leia mais

GUIA DO COORDENADOR DE PROJETOS

GUIA DO COORDENADOR DE PROJETOS GUIA DO COORDENADOR DE PROJETOS Sumário 1. Introdução... 2 2. Início Portal Coordenador... 2 2.1. Novos Pedidos... 2 2.2. Pendências... 3 2.3. Menu... 4 2.4. Sair... 4 3. Saldo de Projetos... 5 4. Extrato

Leia mais

Manual do Usuário - Cliente Externo

Manual do Usuário - Cliente Externo Versão 3.0 SGCL - Sistema de Gestão de Conteúdo Local SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 4 1.1. Referências... 4 2. COMO ESTÁ ORGANIZADO O MANUAL... 4 3. FUNCIONALIDADES GERAIS DO SISTEMA... 5 3.1. Acessar a Central

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 14 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 14 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 14 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 01 de Novembro de 2013. Revisão aula passada Projeto de Arquitetura Decisões de projeto de Arquitetura

Leia mais

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE A proposta para o ambiente apresentada neste trabalho é baseada no conjunto de requisitos levantados no capítulo anterior. Este levantamento, sugere uma

Leia mais

UNEMAT SISTEMA DE INFORMAÇÃO (SI) Professora: Priscila Pelegrini priscila_pelegrini@unemat-net.br

UNEMAT SISTEMA DE INFORMAÇÃO (SI) Professora: Priscila Pelegrini priscila_pelegrini@unemat-net.br UNEMAT SISTEMA DE INFORMAÇÃO (SI) Professora: Priscila Pelegrini priscila_pelegrini@unemat-net.br SINOP MT 2015-1 COMO SÃO DESENVOLVIDOS OS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO? São desenvolvimento como uma estrutura

Leia mais

Prefeitura de Belo Horizonte. Sistema de Controle de Protocolo

Prefeitura de Belo Horizonte. Sistema de Controle de Protocolo Prefeitura de Belo Horizonte Sistema de Controle de Protocolo Relatório apresentado para concorrer ao 2º Prêmio Inovar BH conforme Edital SMARH nº 001/2014 Belo Horizonte Julho de 2014 Resumo Sendo grande

Leia mais

SEU SITE COMO CANAL DE VENDAS ESTATÍSTICAS SOBRE O COMPORTAMENTO ONLINE DOS TURISTAS -2015-

SEU SITE COMO CANAL DE VENDAS ESTATÍSTICAS SOBRE O COMPORTAMENTO ONLINE DOS TURISTAS -2015- SEU SITE COMO CANAL DE VENDAS ESTATÍSTICAS SOBRE O COMPORTAMENTO ONLINE DOS TURISTAS -2015- Conheça melhor o comportamento online do hóspede e prepare sua estratégia digital para os últimos meses deste

Leia mais

UM SISTEMA WEB PARA GERÊNCIA DE CAMPEONATOS DE VOLEIBOL

UM SISTEMA WEB PARA GERÊNCIA DE CAMPEONATOS DE VOLEIBOL UM SISTEMA WEB PARA GERÊNCIA DE CAMPEONATOS DE VOLEIBOL Caroline Paião dos Santos 1 NIPETI 2 - Instituto Federal de Mato Grosso do Sul (IFMS), Campus Nova Andradina carol.ifms@gmail.com Claudio Zarate

Leia mais

Aumente o valor do ciclo de vida de cada cliente

Aumente o valor do ciclo de vida de cada cliente Engajamento com o Cliente Gerenciamento de Ciclo de Vida do Cliente Informativo Torne cada interação relevante e envolvente Aumente o valor do ciclo de vida de cada cliente Gerenciamento do ciclo de vida

Leia mais

Banco de Dados. CursoTécnico em Informática Modalidade Integrado. Professora Michelle Nery. Instituto Federal do Sul de Minas, câmpus Pouso Alegre

Banco de Dados. CursoTécnico em Informática Modalidade Integrado. Professora Michelle Nery. Instituto Federal do Sul de Minas, câmpus Pouso Alegre Banco de Dados CursoTécnico em Informática Modalidade Integrado Instituto Federal do Sul de Minas, câmpus PousoAlegre Professora Michelle Nery Conteúdo Programático Introdução O que é Banco de Dados O

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES BANCO INTERAMERICANO DE DESENVOLVIMENTO REPRESENTAÇÃO NO BRASIL SOLICITAÇÃO DE MANIFESTAÇÃO DE

Leia mais

Serviço para implementação de atualização de firmware HP

Serviço para implementação de atualização de firmware HP Dados técnicos Serviço para implementação de atualização de firmware HP Serviços HP Vantagens do serviço Fornece atualizações de firmware com o intuito de minimizar quaisquer interrupções ao seu ambiente

Leia mais

Requisitos para Gestão de Requisitos no Desenvolvimento de Software que Utilizam Prática Ágeis

Requisitos para Gestão de Requisitos no Desenvolvimento de Software que Utilizam Prática Ágeis Requisitos para Gestão de Requisitos no Desenvolvimento de Software que Utilizam Prática Ágeis Abstract. Resumo. 1. Introdução Vinicius A. C. de Abreu 1 Departamento de Ciência da Computação - DCC Universidade

Leia mais

COMO FOMENTAR MAIS E MELHOR NAS EMPRESAS?

COMO FOMENTAR MAIS E MELHOR NAS EMPRESAS? UM OLHAR DA INVENTTA: COMO FOMENTAR MAIS E MELHOR NAS EMPRESAS? Rafael Augusto, Marina Loures e Vitor Bohnenberger 1. INTRODUÇÃO As empresas sempre nos perguntam Como obter recursos para desenvolver projetos

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS VOLTADA PARA RECRUTAMENTO E SELEÇÃO E CARGOS E SALÁRIOS.

GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS VOLTADA PARA RECRUTAMENTO E SELEÇÃO E CARGOS E SALÁRIOS. GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS VOLTADA PARA RECRUTAMENTO E SELEÇÃO E CARGOS E SALÁRIOS. BARBOSA, Roger Eduardo 1 Resumo Neste artigo analisaremos como o planejamento estratégico na gestão de pessoas nas

Leia mais

c. Técnica de Estrutura de Controle Teste do Caminho Básico

c. Técnica de Estrutura de Controle Teste do Caminho Básico 1) Defina: a. Fluxo de controle A análise de fluxo de controle é a técnica estática em que o fluxo de controle através de um programa é analisado, quer com um gráfico, quer com uma ferramenta de fluxo

Leia mais