Lógica para a Programação - 1º semestre AULA 01 Prof. André Moraes

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Lógica para a Programação - 1º semestre AULA 01 Prof. André Moraes"

Transcrição

1 Pág 4 Lógica para a Programação - 1º semestre AULA 01 Prof. André Moraes 1 APRESENTAÇÃO DA UNIDADE CURRICULAR A unidade curricular de Lógica para a programação tem como objetivo promover o estudo dos principais conceitos de construção de algoritmos, através da utilização de uma linguagem de programação como estudo de caso. A lógica para programação será estudada juntamente com o uso da linguagem Python para a abordagem a construção de algoritmos juntamente com a abordagem das características da linguagem adotada. 2 UMA ABORDAGEM INICIAL O computador está em todos os lugares diariamente para as mais variadas tarefas. Ele executa instruções com linguagem de máquina, fornecendo como resultado informações processadas. Para tanto, existem dois elementos marcantes no processamento de informações: Dados considerados como todas as entradas no computador que não tem sentido sem o processamento; Informação considerados como os dados processados, reorganizados de maneira significativa sobre uma empresa, uma pessoa, etc. 2.1 LÓGICA As pessoas utilizam a lógica no seu cotidiano sem perceber; chegam mesmo a citá-la, sem entender direito o seu significado. Segundo o dicionário Aurélio, a lógica significa coerência de raciocínio, de ideias, ou ainda a sequência coerente, regular e necessária de acontecimentos, de coisas. Podemos perceber isto através dos seguintes exemplos: O número 3 é menor do que o número 5. O número 7 é maior do que o número 5. Logo, o número 3 é menor do que os números 5 e 7. Quando chove, não é preciso regar as plantas do jardim. Hoje choveu. Logo, não é preciso regar as plantas do jardim. Às vezes, o raciocínio funciona desordenadamente. Quantas vezes já foi ouvida a seguinte frase: E se acontecer aquilo?, ou É, mas eu não tinha pensado nisso. 2.2 LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO EM USO Linguagem de máquina: Onde a representação simbólica de ligado (1) e desligado (0) especifica as ações a serem tomadas. Linguagem Assembly: Onde a representação simbólica de instrução na CPU especifica as ações. Linguagens de Alto nível: Consiste na linguagem mais próxima do homem. Necessitam de interpretadores e compiladores.

2 Pág 5 Existem linguagens que são consideradas como procedimentais e não procedimentais, como procedimentais temos: o o o Pascal, Cobol, C, C++: Linguagem de programação estruturada; Visual Basic, Delphi: linguagem de programação orientada a eventos; Java, Phyton, PHP: linguagem de programação orientada a objetos; Como exemplo de linguagens não procedimentais temos: SQL o Utilizada em aplicações para banco de dados para especificar os resultados desejados em uma busca. 2.3 PROGRAMA Consiste no conjunto de instruções feitas para serem executadas por um computador, que passam por algumas fases antes de sua forma final em linguagem de alto nível(pascal, C, Fortran, etc). A tarefa do Programador é elaborar um programa em linguagem de alto nível (programa fonte) e submetê-lo a um processo de compilação (transformação do programa em linguagem de alto nível para a linguagem de máquina) ETAPAS DE UM PROGRAMA Normalmente um programa passa por várias etapas, e simplificando podemos destacar as etapas de levantamento e análise de dados, projeto lógico e projeto físico Levantamento e análise de dados: Como o nome explica, sugere a etapa de conhecimento de campo. Onde o programador ou a equipe de analistas determina quais serão as necessidades para que possam ser automatizadas por computador e prevê como poderão ser feitas antecipadamente. Projeto Lógico: Normalmente é um detalhamento do processo de análise e especificação de como será o fluxo dos dados. Todas as tarefas que o sistema deve automatizar são detalhadas e divididas para um melhor entendimento do programador. É um esboço de como o programa ficará no futuro. Projeto Físico: É a etapa de criação da lógica do programa e também de sua real construção com uso de uma linguagem de programação. Uma das técnicas mais utilizadas é chamada de português estruturado, onde as etapas lógicas são descritas em uma linguagem mais amigável ao ser humano e depois passadas realmente a linguagem de programação de fato. 3 INTRODUÇÃO A LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Pode considerar-se como lógica de programação em processamento de dados como a maneira pela qual se representa em linguagem corrente, ou por meio de símbolos que expressam esta linguagem, instruções que compõem um programa a ser executado por computador. Existem algumas formas para se representar a lógica de programação atualmente, e a mais utilizada é o algoritmo e suas formas de representação. 3.1 ALGORITMO Pode ser considerado uma sequência de procedimentos finitos que, se forem executados em um determinado período de tempo chegará ao seu objetivo. Os algoritmos independem da linguagem de programação utilizada. O objetivo da construção de Algoritmos é que eles possam ser adaptados a qualquer linguagem de programação. Como exemplo, tomemos uma sequência como fazer café, por exemplo: 1. Encher a chaleira de água;

3 Pág 6 2. Colocar a chaleira para ferver; 3. Preparar o porta-filtro com o filtro sobre o bule; 4. Colocar duas colheres de pó de café no filtro; 5. Se a água estiver fervendo, acrescentar meio litro de água ao filtro; Senão continue esperando; 6. Aguardar coar; 7. Adoçar a gosto; Provavelmente, se pensar um pouco poderemos elaborar maneiras mais eficientes de fazer o café, como por exemplo: 1. Encher a chaleira de água; 2. Colocar a chaleira para ferver; 3. Enquanto a chaleira estiver no fogo; 4. Preparar o porta-filtro com o filtro sobre o bule; 5. Se houver café, coloque duas colheres de sopa de pó no filtro; 6. Senão, desligue a chaleira, vá até o mercado comprar café; 7. Repita os itens 2, 3 e 5; 8. Após a água ter fervido, acrescente aos poucos meio litro de água sobre o filtro; 9. Aguarde coar; 10. Adoce a gosto; OBSERVAÇÕES IMPORTANTES: Todo algoritmo é composto por instruções finitas e bem definidas, com o objetivo de resolver um problema proposto. É um caminho para a solução de um problema. Sabemos que os caminhos que levam a uma solução são muitos, alguns mais curtos, outros mais longos, mas o importante é chegar ao objetivo; A Instrução nada mais é do que um comando. As instruções escritas em linguagem de programação são chamadas de programas. A diferença é que utilizam linguagens de programação com formas de escrita diferentes; Não existe apenas um algoritmo para a solução de um problema;

4 Pág FORMAS DE REPRESENTAÇÃO DE UM ALGORITMO Existem 3 formas de representar um algoritmo: Forma de Representação Significado Exemplo VARIAVEIS PSEUDOCÓDIGO (Ou português estruturado); As estruturas lógicas são escritas em uma linguagem próxima ao português, na sequência em que são executadas. Características: Fácil de aprender; Fácil de converter para programação; Melhor de representar programas maiores; IDADE, ANO, TEMPO TEMPO = 0 INÍCIO FACA ENQUANTO TEMPO<10 LEIA IDADE TEMPO = TEMPO + 1 FIM ENQUANTO ESCREVER TEMPO FLUXOGRAMA DIAGRAMA DE CHAPIN; É estruturado. As estruturas lógicas são expressas através de figuras geométricas, interligadas por setas que indicam o caminho a ser seguido Características: Fácil de compreender; Bom para construir e visualizar pequenos programas; Difícil quando o algoritmo fica grande; Não é estruturado. As estruturas lógicas são representadas por figuras representadas, colocadas uma após a outra, de cima para baixo. Características: Fácil de compreender ler e converter para linguagem de programação; ESCREVER IDADE + TEMPO

5 Pág 8 É estruturado; Bom para pequenos programas; Difícil de desenhar quando o programa fica grande PASSOS PARA A CONSTRUÇÃO DE UM ALGORITMO Com base nos conceitos abordados, podemos então definir alguns passos para a construção de algoritmos quando na sua construção: 1) Identificar o problema (objetivo) mediante leitura atenta de seu enunciado; 2) Identificar os dados que devem ser fornecidos e, a partir deles, verificar se desenvolverão os cálculos/processamento; 3) Identificar a saída de dados, que devem ser gerados como o resultado da solução; 4) Determinar o que deve ser feito para transformar as entradas de dados em saídas de dados desejadas, observando todas as regras e limitações do agente executante do algoritmo (computador); 5) Construir o algoritmo, utilizando uma forma de representação de algoritmos; 6) Testar a solução. Esta etapa se refere a execução de todas as ações do algoritmo, seguindo o fluxo estabelecido para verificar se ele está realmente gerando os resultados esperados ou detectar possíveis erros no seu desenvolvimento; OBSERVAÇÕES IMPORTANTES: Quando falamos de algoritmos para solucionar problemas, estamos na verdade nos referindo a uma codificação organizada, mais simples, sem nos atermos às formas rígidas das linguagens e também de forma clara e lógica; É possível também afirmar que um algoritmo consiste em um conjunto de procedimentos para resolver um problema de processamento de dados; Também vimos que a representação de soluções com uso do português estruturado podem facilitar a composição de algoritmos complexos, tornando-os em problemas mais fáceis de serem resolvidos. Esta forma de representação será descrita com detalhes a seguir. 3.3 ELEMENTOS UTILIZADOS EM ALGORITMOS A seguir são listados os principais elementos que podem ser utilizados na elaboração de um algoritmo. Elemento Constantes Componentes Númérico Data Lógica

6 Pág 9 Caracter (texto, literal, string) Númérico Variáveis Data Lógica Caracter (texto, literal, string) Expressões Operandos Operadores Comando de Atribuição Sequencial Estruturas Seleção Repetição 3.4 VARIÁVEIS E CONSTANTES Quando você estiver escrevendo seus programas, precisaremos armazenar informações para utilizar posteriormente durante a execução do programa. Para isso usamos os termos de declarar variáveis e constantes VARIÁVEIS NA MEMÓRIA A memória do computador é utilizada para trafegar todas as informações utilizadas em dado momento no computador, para tanto, é normalmente comparada a um grande armário com gavetas identificadas uma a uma. Quando uma gaveta guarda uma informação a identificação da gaveta é armazenada e utilizada para acessar esta informação. Esta identificação permite que possamos utilizar nomes dentro do programa em questão identificando as variáveis pelo nome e alterar, alocar novamente, excluir valores ao longo do programa. Com isso, temos a definição: Variável: é um endereço de memória de Acesso Randômico (RAM) representada por um nome (rótulo) simbólico, criado pelo usuário, cujo conteúdo é alterado no decorrer do programa. Elas armazenam valores temporariamente, de forma que cada vez que é utilizado o nome da variável, é manipulado o seu conteúdo. Pode-se dizer que a memória é composta por dois elementos básicos: Conteúdo: valor atual da variável; Identificador: nome dado a variável (ou constante) para possibilitar sua manipulação. No exemplo anterior feito em português estruturado criamos os seguintes elementos: Nota_1: identificador de nota fornecido pelo aluno;

7 Pág 10 Nota_2: identificador de nota fornecido pelo aluno; Media: identificador da média que terá como conteúdo o resultado do cálculo da média das duas notas. Os valores das variáveis permanecem na memória até que: O computador seja desligado, visto que são armazenados na memória RAM; Por término do programa ou rotina onde foram criadas; Seja atribuído um novo valor para a mesma variável; DECLARAÇÃO DE CONSTANTES Declarar constantes significa reservar uma área da memória RAM, que irá receber um nome (rótulo) cujo conteúdo vai permanecer constante durante toda a execução do programa. Alguns programadores preferem colocar em programas simples o valor da constante diretamente no programa. No entanto em programas complexos é recomendável utilizá-las, principalmente quando há a possibilidade de se alterar em determinado de tempo este valor (manutenção do programa), é aconselhável a criação de identificadores do tipo constante. As constantes podem ser dos seguintes tipos: Numérico: quando começam por um número, um sinal, ou parêntese. Data: quando tiver um formato conhecido de data. Os mais conhecidos são dd/mm/aaaa, dd/mm, mm/aa, mm/aaaa, etc. Lógica (Booleanas): quando são valores que correspondem às quatro letras ou palavras lógicas correspondentes: T (true), F (false), Y (yes), N (no). Caracter: (Texto, Literal ou String): São reconhecidas pela exclusão, ou seja, tudo que não for conhecido como número, data ou lógico, é do tipo caracter DETALHANDO O PORTUGUÊS ESTRUTURADO Consiste em uma forma de representação de algoritmos para solucionar problemas de processamento de dados na linguagem corrente. O formato de português estruturado utiliza uma estrutura própria para a representação de algoritmos, obedecendo a algumas regras para sua elaboração: Programa nome do programa; Variáveis; Constantes; Início 5 - Iniciar as variáveis de controle ou que receberão cálculos 6 - Solicitar entrada de dados do usuário 7 - Entradas de dados 8 - Processamento/Cálculos 1 - Denominação do programa 2 Declaração de variáveis 3 Declaração de constantes; 4 - Início do bloco principal do programa

8 Pág Saída de informações Fim. OBSERVAÇÕES: Os textos numerados são apenas informações dos passos seguidos; Deve-se colocar no final de cada instrução um ponto-e-vírgula (;) para avisar o computador de que a instrução acabou e haverá outra em seguida; Note que após a palavra FIM existe um ponto (.), isto indica o final do bloco principal do programa e que o algoritmo está terminado; Exemplo 1: escrevendo o primeiro algoritmo em português estruturado Em uma cidade do interior X existe um índice de natalidade de n% ao ano, enquanto na cidade vizinha Y existe um índice 30% a mais. Dado: natalidade da cidade X. Objetivo: construa um algoritmo para calcular e mostrar o valor estimado de natalidade da cidade Y. As variáveis utilizadas são Nat_X representando a natalidade da cidade X e Nat_Y, representando a natalidade da cidade Y que queremos descobrir. Exemplo 2: Calculando a média de notas Programa Natalidade; Variáveis Nat_X, Nat_Y: Real; Início Nat_Y 0; Escreva( Digite a natalidade da cidade X: ); Leia(Nat_X); Nat_Y Nat_X * 1,30; Escreva( A natalidade da Cidade Y é, Nat_Y); Fim Construir um algoritmo para calcular e mostrar o valor da média de um aluno. O programa deve receber duas notas e calcular a média das duas e em seguida informar na tela o resultado. Programa Notas; Variáveis Nota_1, Nota_2, Media: Real; Início Nota_1 0; Nota_2 0; Media 0; Escreva( Digite a nota 1 do aluno: ); Leia(Nota_1); Escreva( Digite a nota 2 do aluno: ); Leia(Nota_2); Media (Nota_1 + Nota_2)/2; Escreva( A média final do aluno é, Media); Fim.

9 Pág 12 4 UMA INTRODUÇÃO AO AMBIENTE DE PROGRAMAÇÃO PYTHON Para executar e escrever programas em Python, podemos simplesmente digitar o código e diretamente o executar. Não existem etapas de compilação e ligações intermediárias, como acontece em outras linguagens populares. O Python executa os programas imediatamente, o que favorece uma experiência de programação interativa e um retorno rápido após alterações no programa. 4.1 EXECUTANDO O PYTHON Para executar o ambiente Python (Windows), considerando que tenhamos o aplicativo instalado necessitamos apenas acessar o menu iniciar do Windows e navegar até a listagem de programas localizando o grupo de programa Python, conforme a figura: Após localizar, execute o IDLE (Python GUI), que será o ambiente utilizado em nossas aulas: A tela acima é considerada como sendo o ambiente de programação da linguagem. Podem-se executar todas as tarefas desejadas no ambiente desde a elaboração de programas e a execução dos mesmos. Existem normalmente duas visões de execução da linguagem, a visão de Programador e a visão de Interpretador, que serão detalhadas em seguida. Por ora faremos alguns testes com os principais comandos para podermos reproduzir os códigos que foram elaborados em português estruturado anteriormente. 4.2 DESENVOLVENDO ALGUNS COMANDOS SIMPLES Alguns comandos simples podem ser executados diretamente no interpretador Python, até mesmo os códigos que elaboramos anteriormente na visão de português estruturado, para tanto, vamos ao IDLE (Python Shell): Reproduziremos o primeiro exemplo que fizemos anteriormente, porém agora utilizando a linguagem e suas características.

10 Pág 13 EXEMPLO 1: reescrevendo o exemplo do português estruturado O código ao lado demonstra um código compatível com o português estruturado que foi elaborado anteriormente. Note que aqui estamos apenas visualizando o que deve ser digitado, pois o que você verá realmente será as respostas em tempo real do interpretador Python. OBSERVAÇÕES: Ainda que faltem alguns itens a serem explorados, podemos ver que a forma de programar do Python é bastante simples e possui a característica de responder imediatamente aos comandos feitos pelo programador; A resposta imediata se deve ao uso do interpretador Python que estamos utilizando, existem outras formas de executar o código sem que seja necessário fazê-lo diretamente no interpretador. Como podemos perceber, a atribuição de valores as variáveis é bastante simples, e não há a necessidade de declararmos quais tipos estão sendo utilizados dentro da linguagem;

Algoritmos e Programação Parte Teórica

Algoritmos e Programação Parte Teórica Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Engenharia da Produção / Elétrica Algoritmos e Programação Parte Teórica Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Organização de Computadores Software

Organização de Computadores Software Organização de Computadores Software Professor Marcus Vinícius Midena Ramos Colegiado de Engenharia de Computação (74)3614.1936 marcus.ramos@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~marcus.ramos Objetivos: Entender

Leia mais

LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO

LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL SENAC - RIO GRANDE DO SUL LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO 1ª Edição Elaboração e Edição SENAC - Rio Grande do Sul Documento produzido para uso interno do SENAC - Rio Grande

Leia mais

Programação de Computadores. Turma CI-180-B. Josiney de Souza. josineys@inf.ufpr.br

Programação de Computadores. Turma CI-180-B. Josiney de Souza. josineys@inf.ufpr.br Programação de Computadores Turma CI-180-B Josiney de Souza josineys@inf.ufpr.br Agenda do Dia Aula 2 (06/03/15) Como está organizado um computador Computadores antigos Modelo von-neumann Quais suas partes

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS PARA A CONSTRUÇÃO DE ALGORITMOS PARA COMPUTADORES. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com

CONCEITOS BÁSICOS PARA A CONSTRUÇÃO DE ALGORITMOS PARA COMPUTADORES. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com CONCEITOS BÁSICOS PARA A CONSTRUÇÃO DE ALGORITMOS PARA COMPUTADORES Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com Objetivos Compreender os conceitos de lógica de programação e de algoritmos. Conhecer

Leia mais

A lógica de programação ajuda a facilitar o desenvolvimento dos futuros programas que você desenvolverá.

A lógica de programação ajuda a facilitar o desenvolvimento dos futuros programas que você desenvolverá. INTRODUÇÃO A lógica de programação é extremamente necessária para as pessoas que queiram trabalhar na área de programação, seja em qualquer linguagem de programação, como por exemplo: Pascal, Visual Basic,

Leia mais

Introdução à Engenharia de Computação

Introdução à Engenharia de Computação Introdução à Engenharia de Computação Tópico: O Computador como uma Multinível José Gonçalves - Introdução à Engenharia de Computação Visão Tradicional Monitor Placa-Mãe Processador Memória RAM Placas

Leia mais

Conceitos básicos da linguagem C

Conceitos básicos da linguagem C Conceitos básicos da linguagem C 2 Em 1969 Ken Thompson cria o Unix. O C nasceu logo depois, na década de 70. Dennis Ritchie, implementou-o pela primeira vez usando o sistema operacional UNIX criado por

Leia mais

Introdução a Computação

Introdução a Computação Introdução a Computação Aula 02 Introdução a Linguagem C Edirlei Soares de Lima Lógica de Programação Lógica de Programação é a técnica de criar sequências lógicas de ações para

Leia mais

Algoritmos em Javascript

Algoritmos em Javascript Algoritmos em Javascript Sumário Algoritmos 1 O que é um programa? 1 Entrada e Saída de Dados 3 Programando 4 O que é necessário para programar 4 em JavaScript? Variáveis 5 Tipos de Variáveis 6 Arrays

Leia mais

Linguagens de. Aula 01. Profa Cristiane Koehler cristiane.koehler@canoas.ifrs.edu.br

Linguagens de. Aula 01. Profa Cristiane Koehler cristiane.koehler@canoas.ifrs.edu.br Linguagens de III Aula 01 Profa Cristiane Koehler cristiane.koehler@canoas.ifrs.edu.br Linguagens de III Horário das Aulas: 6as feiras das 7h40 às 10h55 Objetivo principal desta disciplina é: utilizar

Leia mais

Algoritmos e Programação (Prática) Profa. Andreza Leite andreza.leite@univasf.edu.br

Algoritmos e Programação (Prática) Profa. Andreza Leite andreza.leite@univasf.edu.br (Prática) Profa. Andreza Leite andreza.leite@univasf.edu.br Introdução O computador como ferramenta indispensável: Faz parte das nossas vidas; Por si só não faz nada de útil; Grande capacidade de resolução

Leia mais

Algoritmos e Programação de Computadores

Algoritmos e Programação de Computadores Algoritmos e Programação de Computadores Algoritmos Estrutura Sequencial Parte 1 Professor: Victor Hugo L. Lopes Agenda Etapas de ação do computador; TDP Tipos de Dados Primitivos; Variáveis; Constantes;

Leia mais

Algoritmos Estruturas Seqüenciais. José Gustavo de Souza Paiva

Algoritmos Estruturas Seqüenciais. José Gustavo de Souza Paiva Algoritmos Estruturas Seqüenciais José Gustavo de Souza Paiva 1 Introdução Objetivo básico da computação auxiliar os seres humanos em trabalhos repetitivos e braçais, diminuindo i i d esforços e economizando

Leia mais

Regras Métodos Identificadores Variáveis Constantes Tipos de dados Comandos de atribuição Operadores aritméticos, relacionais e lógicos

Regras Métodos Identificadores Variáveis Constantes Tipos de dados Comandos de atribuição Operadores aritméticos, relacionais e lógicos Lógica Aula 2 Técnicas de Programação Criando algoritmos Regras Métodos Identificadores Variáveis Constantes Tipos de dados Comandos de atribuição Operadores aritméticos, relacionais e lógicos Criando

Leia mais

Introdução à Lógica de Programação

Introdução à Lógica de Programação Introdução à Lógica de Programação Sistemas Numéricos As informações inseridas em um computador são traduzidos em dados, ou seja, em sinais que podem ser manipulados pelo computador. O computador trabalha

Leia mais

Aula 12: Funções. Pré-requisitos: Todas as aulas anteriores deste módulo. 1. Aproveitando Códigos no Programa

Aula 12: Funções. Pré-requisitos: Todas as aulas anteriores deste módulo. 1. Aproveitando Códigos no Programa Aula 12: Funções Nesta aula explicaremos o que são e como usar funções nos seus programas em JavaScript. Você aprenderá como elas podem receber e retornar valores à estrutura que as acionou. Entenderá

Leia mais

Programação de. Programa. Bibliografia. Páginas electrónicas de PM. Regras das aulas de laboratório. Métodos de Ensino - Aulas

Programação de. Programa. Bibliografia. Páginas electrónicas de PM. Regras das aulas de laboratório. Métodos de Ensino - Aulas Programa Programação de Microprocessadores 1º Ano 2º Semestre A arquitectura dos computadores A linguagem C 1 aula 7 aulas Talvez haja mais algum assunto a abordar nas aulas seguintes Mestrado Integrado

Leia mais

Lógica de programação Instrução Algoritmo Diferença entre algoritmo e programa

Lógica de programação Instrução Algoritmo Diferença entre algoritmo e programa Programação de Computadores III Aula 2 Professor Leandro Augusto Frata Fernandes laffernandes@ic.uff.br Material disponível em http://www.ic.uff.br/~laffernandes/teaching/2011.1/tcc-03.063 Roteiro da Aula

Leia mais

Módulo 1 -Algoritmos e Programação

Módulo 1 -Algoritmos e Programação Curso de Programação em Computadores V Módulo 1 -Algoritmos e Programação Aura Conci & Erick Oliveira aconci@ic.uff.br, erickr@id.uff.br Disciplina: Programação V Bibliografia básica: W. Celes, R. Cerqueira

Leia mais

TUTORIAL AMBIENTE WEB PORTUGOL

TUTORIAL AMBIENTE WEB PORTUGOL 1 TUTORIAL AMBIENTE WEB PORTUGOL O WEBportugol é uma ferramenta para ajudar você a construir seus primeiros algoritmos e com isso aprender lógica de programação. A ferramenta utiliza uma linguagem chamada

Leia mais

Paradigmas de Linguagens de Programação

Paradigmas de Linguagens de Programação Paradigmas de Linguagens de Programação Faculdade Nova Roma Cursos de Ciências da Computação (6 Período) Prof. Adriano Avelar - Site: www.adrianoavelar.com Email: edson.avelar@yahoo.com.br Ementa Introdução

Leia mais

TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO

TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO (Adaptado do texto do prof. Adair Santa Catarina) ALGORITMOS COM QUALIDADE MÁXIMAS DE PROGRAMAÇÃO 1) Algoritmos devem ser feitos para serem lidos por seres humanos: Tenha em mente

Leia mais

1 INTRODUÇÃO 1.1 CONCEITO DE PARADIGMAS DE LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO PARADIGMAS DE LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO

1 INTRODUÇÃO 1.1 CONCEITO DE PARADIGMAS DE LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO PARADIGMAS DE LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO 1 INTRODUÇÃO 1.1 CONCEITO DE PARADIGMAS DE LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO Desde o seu surgimento, o manuseio da computação é baseado em linguagens de programação. Ela permite que sejam construídos aplicativos

Leia mais

Resolução de problemas e desenvolvimento de algoritmos

Resolução de problemas e desenvolvimento de algoritmos SSC0101 - ICC1 Teórica Introdução à Ciência da Computação I Resolução de problemas e desenvolvimento de algoritmos Prof. Vanderlei Bonato Prof. Cláudio Fabiano Motta Toledo Sumário Análise e solução de

Leia mais

10/02/2015. Introdução. Podemos classificar os tipos de dados a serem processados em dados e instruções Dados: Algoritmos e Lógica de Programação

10/02/2015. Introdução. Podemos classificar os tipos de dados a serem processados em dados e instruções Dados: Algoritmos e Lógica de Programação Introdução Algoritmos e Lógica de Programação Tipos de dados Podemos classificar os tipos de dados a serem processados em dados e instruções Dados: Informações a serem processadas pelo computador. Consideremos

Leia mais

INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO

INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO O que é um programa? Matlab vs outras linguagens de programação Paradigma de programação Fases de desenvolvimento de um programa CPU Hardware Periféricos Sistema Software Aplicação O que é um programa?

Leia mais

Definição de Programas de Computadores e Linguagem de Programação de Comutadores

Definição de Programas de Computadores e Linguagem de Programação de Comutadores Definição de Programas de Computadores e Linguagem de Programação de Comutadores O computador é um equipamento eletrônico composto por circuitos eletrônicos, que trabalham com o estado ligado(1) e desligado(0),

Leia mais

3. INTRODUÇÃO À LINGUAGEM C 3.1. CONCEITOS BÁSICOS. Lógica de Programação

3. INTRODUÇÃO À LINGUAGEM C 3.1. CONCEITOS BÁSICOS. Lógica de Programação Lógica de Programação 3. INTRODUÇÃO À LINGUAGEM C Caro Aluno Vamos iniciar o terceiro capítulo da nossa disciplina. Agora vamos começar a aplicar os conceitos vistos nos capítulos anteriores em uma linguagem

Leia mais

ALGORITMOS MEMÓRIA, VARIÁVEIS E CONSTANTES, OPERADORES Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br

ALGORITMOS MEMÓRIA, VARIÁVEIS E CONSTANTES, OPERADORES Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br ALGORITMOS MEMÓRIA, VARIÁVEIS E CONSTANTES, OPERADORES Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br ROTEIRO Memória Variáveis e constantes Tipos primitivos de dados Operadores Comandos

Leia mais

AULA TEÓRICA 10 Tema 9. Introdução à programação. Desenho de Algoritmos

AULA TEÓRICA 10 Tema 9. Introdução à programação. Desenho de Algoritmos AULA TEÓRICA 10 Tema 9. Introdução à programação. Desenho de Algoritmos Ø Resolução de problemas. Ø Algoritmo. Ø Pseudo-código. Ø Fluxograma. Ø Tipos de fluxogramas. Fluxograma sequencial. 1 Resolução

Leia mais

Introdução à Lógica de Programação. / NT Editora. -- Brasília: 2013. 135p. : il. ; 21,0 X 29,7 cm.

Introdução à Lógica de Programação. / NT Editora. -- Brasília: 2013. 135p. : il. ; 21,0 X 29,7 cm. Autor José Jesse Gonçalves Graduado em Licenciatura em Matemática pela Universidade Estadual de São Paulo - UNESP, de Presidente Prudente (1995), com especialização em Análise de Sistemas (1999) e mestrado

Leia mais

Desmistificando o Programa de Computador

Desmistificando o Programa de Computador Desmistificando o Programa de Computador Hoje vou explicar, da maneira mais simples possível, como funciona um programa de computador. Na sua essência um programa de computador nada mais é que uma coletânea

Leia mais

Programação em papel quadriculado

Programação em papel quadriculado 4 NOME DA AULA: Programação em papel quadriculado Tempo de aula: 45 60 minutos Tempo de preparação: 10 minutos Objetivo principal: ajudar os alunos a entender como a codificação funciona. RESUMO Ao "programar"

Leia mais

LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO PARA ENGENHARIA INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO COM C/C++ Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1

LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO PARA ENGENHARIA INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO COM C/C++ Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO PARA ENGENHARIA INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO COM C/C++ Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 Objetivos Entender o mecanismo de um programa em C/C++ Apresentar e estrutura da Linguagem C/C++

Leia mais

Algoritmos e Programação Aula 01 Introdução a Computação

Algoritmos e Programação Aula 01 Introdução a Computação Algoritmos e Programação Aula 01 Introdução a Computação Felipe S. L. G. Duarte Felipelageduarte+fatece@gmail.com Baseado no material do Prof. Luis Otavio Alvares e do Prof. Dr. Rodrigo Fernandes de Mello

Leia mais

MANZANO, José Augusto N. G., Estudo Dirigido: ALGORITMOS - Editora Érica, 2000. ÍNDICE

MANZANO, José Augusto N. G., Estudo Dirigido: ALGORITMOS - Editora Érica, 2000. ÍNDICE ÍNDICE MANZANO, José Augusto N. G., Estudo Dirigido: ALGORITMOS - Editora Érica, 2000. 1 Abordagem Contextual...4 1.1 Definições Básicas...4 1.2 Necessidade do Uso da Lógica...4 1.3 Aplicabilidade da Lógica

Leia mais

Capítulo 1. INTRODUÇÃO

Capítulo 1. INTRODUÇÃO Capítulo 1. INTRODUÇÃO OBJETIVOS DO CAPÍTULO Conceitos de: linguagem de programação, FORTRAN, projeto, programa-fonte, programa-objeto, programa-executável, compilação, comando Procedimentos básicos para

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação. Conceitos básicos de algoritmos

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação. Conceitos básicos de algoritmos Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação Conceitos básicos de algoritmos Prof. Renato Pimentel 1 Computação Dados Informações vindas de usuários ou de outras máquinas; Processamento transformação

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS SOBRE PROGRAMAÇÃO Programação Orientada a Objetos (POO)

CONCEITOS BÁSICOS SOBRE PROGRAMAÇÃO Programação Orientada a Objetos (POO) CONCEITOS BÁSICOS SOBRE PROGRAMAÇÃO Programação Orientada a Objetos (POO) Profa. Vania V. Estrela, Profa. Albany E. Herrmann 1. Programação Programação requer o uso de uma linguagem, cuja sintaxe geralmente

Leia mais

http://www.matematica.br/programas/icg. 5. Uma lousa denominada EPI (registrador de endereço de próxima instrução).

http://www.matematica.br/programas/icg. 5. Uma lousa denominada EPI (registrador de endereço de próxima instrução). Universidade de São Paulo Instituto de Matemática e Estatística DCC Leônidas O. Brandão 1 Computador à Gaveta O objetivo deste texto é introduzir os primeiros conceitos de algoritmos a partir de um modelo

Leia mais

1) Ao ser executado o código abaixo, em PHP, qual será o resultado impresso em tela?

1) Ao ser executado o código abaixo, em PHP, qual será o resultado impresso em tela? Exercícios sobre Linguagem PHP: 1) Ao ser executado o código abaixo, em PHP, qual será o resultado impresso em tela? 2) Considere a linguagem de programação PHP e seus operadores. A execução da sentença:

Leia mais

COMPUTAÇÃO APLICADA. Porém, é necessário considerar que ninguém ensina ninguém a pensar, pois todas as pessoas normais tem este dom.

COMPUTAÇÃO APLICADA. Porém, é necessário considerar que ninguém ensina ninguém a pensar, pois todas as pessoas normais tem este dom. 1- LÓGICA A maioria das pessoas gostam de falar ou julgar que possuem e sabem usar o raciocínio lógico, porém, quando questionadas direta ou indiretamente, perdem essa linha de raciocínio, pois ele depende

Leia mais

ALGORITMOS E FLUXOGRAMAS

ALGORITMOS E FLUXOGRAMAS ALGORITMOS E FLUXOGRAMAS Prof. André Backes INTRODUÇÃO Computadores = cérebros eletrônicos? Computadores são máquinas e, por si sós, não podem ser inteligentes. Alguém as projetou e deu a ela todas as

Leia mais

Prof. Edson J. R. Justino Aula Teórica 02 Escola Politécnica Pontifícia Universidade Católica do Paraná - PUCPR Introdução ao Conceito de Algoritmo e O Conceito de Algoritmo e as Estruturas Básicas de

Leia mais

SOFTWARES. Rotina de Instruções. Dados

SOFTWARES. Rotina de Instruções. Dados SOFTWARES 1 CONCEITOS Podemos dizer que os softwares são a alma do computador, eles são responsáveis pelo seu funcionamento e aproveitamento. De uma forma geral os softwares se desenvolvem através de uma

Leia mais

OS COMPUTADORES E A RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS

OS COMPUTADORES E A RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS OS COMPUTADORES E A RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS Etapas de desenvolvimento de um programa: Criação do programa-fonte (texto) Compilação desse programa (tradução para código executável) Execução do código produzido

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE VARIAÁ VEL Antes de iniciarmos os comandos referentes a Banco de Dados, precisamos de uma breve descrição técnica sobre Variáveis que serão uma constante em programação seja qual for sua forma de leitura.

Leia mais

Introdução à Arquitetura de Computadores. Renan Manola Introdução ao Computador 2010/01

Introdução à Arquitetura de Computadores. Renan Manola Introdução ao Computador 2010/01 Introdução à Arquitetura de Computadores Renan Manola Introdução ao Computador 2010/01 Introdução Conceitos (1) Computador Digital É uma máquina que pode resolver problemas executando uma série de instruções

Leia mais

10/02/2015. As linguagens. Algoritmos e Lógica de programação. Os produtos. Os ingredientes. Introdução. Atuais:.Net Java Delphi PHP

10/02/2015. As linguagens. Algoritmos e Lógica de programação. Os produtos. Os ingredientes. Introdução. Atuais:.Net Java Delphi PHP s e Lógica de programação Introdução Atuais:.Net Java Delphi PHP Anteriores: Dbase Clipper VB6 As linguagens Ruby on Rails Python / Perl Objective-C Android (Java) Outras: PL/SQL T-SQL ADVPL Html5 C++

Leia mais

ITENS FUNDAMENTAIS. Profª Angélica da Silva Nunes

ITENS FUNDAMENTAIS. Profª Angélica da Silva Nunes ITENS FUNDAMENTAIS Profª Angélica da Silva Nunes CONCEITOS BÁSICOS Hardware - é a parte física do computador, tais como: teclado, monitor de vídeo, etc. Software - são os programas e aplicativos que permitem

Leia mais

Renovação do certificado A1

Renovação do certificado A1 Renovação do certificado A1 Requisitos: Os passos descritos neste procedimento foram testados no Windows 7 sem apresentar erros. Atente que algumas divergências poderão ser observadas caso a versão do

Leia mais

Algoritmos e programação

Algoritmos e programação Algoritmos e programação Introdução à Programação Prof. Bonadia dos Santos Conceitos básicos Desde o início de sua existência, o homem procurou criar máquinas que o auxiliassem em seu trabalho. Dentre

Leia mais

Programação Orientada a Objetos - 3º semestre AULA 08 Prof. André Moraes

Programação Orientada a Objetos - 3º semestre AULA 08 Prof. André Moraes Pág 50 Programação Orientada a Objetos - 3º semestre AULA 08 Prof. André Moraes 10 CORREÇÃO DE QUESTÕES DE AVALIAÇÃO 1 PARTE I - AVALIAÇÃO TEÓRICA 11 RESPONDA AS QUESTÕES ABAIXO: A) Qual a diferença entre

Leia mais

Bacharelado em Ciência e Tecnologia Processamento da Informação TESTE DE MESA TESTE DE MESA

Bacharelado em Ciência e Tecnologia Processamento da Informação TESTE DE MESA TESTE DE MESA Prof. Dr. Edson Pimentel Centro de Matemática, Computação e Cognição Objetivos Aprender a verificar se o algoritmo (ou programa) leva a um resultado esperado através de simulação de valores, utilizando

Leia mais

Computador Digital Circuitos de um computador (Hardware)

Computador Digital Circuitos de um computador (Hardware) Computador Digital SIS17 - Arquitetura de Computadores (Parte I) Máquina que pode resolver problemas executando uma série de instruções que lhe são fornecidas. Executa Programas conjunto de instruções

Leia mais

Programação Elementar de Computadores Jurandy Soares

Programação Elementar de Computadores Jurandy Soares Programação Elementar de Computadores Jurandy Soares Básico de Computadores Computador: dispositivos físicos + programas Dispositivos físicos: hardware Programas: as instruções que dizem aos dispositivos

Leia mais

Implementando uma Classe e Criando Objetos a partir dela

Implementando uma Classe e Criando Objetos a partir dela Análise e Desenvolvimento de Sistemas ADS Programação Orientada a Obejeto POO 3º Semestre AULA 04 - INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETO (POO) Parte: 2 Prof. Cristóvão Cunha Implementando uma Classe

Leia mais

UNIDADE 6 - PROGRAMAÇÃO MODULAR

UNIDADE 6 - PROGRAMAÇÃO MODULAR UNIDADE 6 - PROGRAMAÇÃO MODULAR Até o momento as estruturas de controle (seqüência, seleção e repetição) de um algoritmo definia-o como um bloco lógico (início e fim). À medida que os problemas a serem

Leia mais

Organização de programas em Python. Vanessa Braganholo vanessa@ic.uff.br

Organização de programas em Python. Vanessa Braganholo vanessa@ic.uff.br Organização de programas em Python Vanessa Braganholo vanessa@ic.uff.br Vamos programar em Python! Mas... } Como um programa é organizado? } Quais são os tipos de dados disponíveis? } Como variáveis podem

Leia mais

Notas da Aula 6 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 6 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Monitores Notas da Aula 6 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Embora os semáforos sejam uma boa solução para o problema da exclusão mútua, sua utilização não é trivial. O programador é obrigado a

Leia mais

Introdução à Programação com Python

Introdução à Programação com Python Introdução à Programação com Python Algoritmos e lógica de programação para iniciantes Nilo Ney Coutinho Menezes Novatec Copyright 2010 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos

Leia mais

UNICE Ensino Superior Linguagem de Programação Ambiente Cliente Servidor.

UNICE Ensino Superior Linguagem de Programação Ambiente Cliente Servidor. UNICE Ensino Superior Linguagem de Programação Ambiente Cliente Servidor. Modelo Cliente/Servidor Por HIARLY ALVES Fortaleza - CE Apresentação. O mais famoso tipo de arquitetura utilizada em redes de computadores

Leia mais

ILP - Introdução à Linguagem de Programação. Plano de estudo: - Constantes e variáveis. - Atribuindo valores às variáveis.

ILP - Introdução à Linguagem de Programação. Plano de estudo: - Constantes e variáveis. - Atribuindo valores às variáveis. Plano de estudo: -. - Atribuindo valores às variáveis. - Expressões Na maioria das vezes, precisamos armazenar dados para manipulá-los. Por exemplo, em um escritório de contabilidade, armazenamos os dados

Leia mais

PROGRAMAÇÃO BÁSICA DE CLP

PROGRAMAÇÃO BÁSICA DE CLP PROGRAMAÇÃO BÁSICA DE CLP Partindo de um conhecimento de comandos elétricos e lógica de diagramas, faremos abaixo uma revisão para introdução à CLP. Como saber se devemos usar contatos abertos ou fechados

Leia mais

Especificação do Trabalho Prático

Especificação do Trabalho Prático Especificação do Trabalho Prático O professor Thomas é um homem muito ocupado. Tem, em sua agenda, uma série de compromissos que ele deve atender em 2009. De tantos compromissos que tem, resolveu contratar

Leia mais

O Windows é um software de sistema, que permite ao utilizador interagir com o computador e com os seus periféricos.

O Windows é um software de sistema, que permite ao utilizador interagir com o computador e com os seus periféricos. Sistema Operativo Windows - Ambiente de trabalho - Janelas - Atalhos - Programas - Gestão de pastas e ficheiros - Menu iniciar O Windows é um software de sistema, que permite ao utilizador interagir com

Leia mais

Características do PHP. Começando a programar

Características do PHP. Começando a programar PHP Introdução Olá pessoal. Desculpe o atraso na publicação da aula. Pude perceber pelas respostas (poucas) ao fórum que a realização da atividade do módulo I foi relativamente tranquila. Assistam ao vídeo

Leia mais

TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO 1 INTRODUÇÃO A ALGORITMOS

TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO 1 INTRODUÇÃO A ALGORITMOS TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO 1 INTRODUÇÃO A ALGORITMOS 2015.2 Morganna Carmem Diniz Resumo Para implementar a solução de um problema no computador é necessário que seja encontrada uma forma de descrever esta

Leia mais

A inclusão das Línguas Estrangeiras Modernas no Programa Nacional do Livro Didático (PNLD) Por Ana Paula Seixas Vial e Jonathan Zotti da Silva

A inclusão das Línguas Estrangeiras Modernas no Programa Nacional do Livro Didático (PNLD) Por Ana Paula Seixas Vial e Jonathan Zotti da Silva A inclusão das Línguas Estrangeiras Modernas no Programa Nacional do Livro Didático (PNLD) Por Ana Paula Seixas Vial e Jonathan Zotti da Silva Pela primeira vez, o Programa Nacional do Livro Didático (PNLD)

Leia mais

Algoritmos DCC 119. Introdução e Conceitos Básicos

Algoritmos DCC 119. Introdução e Conceitos Básicos Algoritmos DCC 119 Introdução e Conceitos Básicos Sumário Sistemas de Numeração Sistemas Computacionais Estrutura de um Computador Digital Sistemas Operacionais Algoritmo Introdução Formas de representação

Leia mais

Programação de Computadores

Programação de Computadores Não é permitida a alteração do layout. Qualquer alteração nos conteúdos, deverá ser comunicada aos autores. Autoria: Autoria: Ernesto Ernesto R. R. Afonso, Afonso, Eng.º Eng.º Manuel Manuel A. A. E. E.

Leia mais

O ENSINO DE CÁLCULO NUMÉRICO: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

O ENSINO DE CÁLCULO NUMÉRICO: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO O ENSINO DE CÁLCULO NUMÉRICO: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Prof. Leugim Corteze Romio Universidade Regional Integrada URI Campus Santiago-RS leugimcr@urisantiago.br Prof.

Leia mais

Professor. Thiago Miranda Material: www.thiagomiranda.net. Email: mirandathiago@gmail.com

Professor. Thiago Miranda Material: www.thiagomiranda.net. Email: mirandathiago@gmail.com Microsoft Windows 1 Professor Thiago Miranda Material: www.thiagomiranda.net Email: mirandathiago@gmail.com Conceitos básicos de SO O que é um sistema operacional? É um programa ou conjunto de programas

Leia mais

Representação de Algoritmos - Linguagens de Programação

Representação de Algoritmos - Linguagens de Programação Representação de Algoritmos - Linguagens de Programação A representação de algoritmos em uma pseudo-linguagem mais próxima às pessoas é bastante útil principalmente quando o problema a ser tratado envolve

Leia mais

1 - Processamento de dados

1 - Processamento de dados Conceitos básicos sobre organização de computadores 2 1 - Processamento de dados O que é processamento? O que é dado? Dado é informação? Processamento é a manipulação das informações coletadas (dados).

Leia mais

Conceitos Básicos sobre Sistemas Operacionais

Conceitos Básicos sobre Sistemas Operacionais Conceitos Básicos sobre Sistemas Operacionais Ivanovitch Medeiros Dantas da Silva Universidade Federal do Rio Grande do Norte Departamento de Engenharia de Computação e Automação DCA0800 - Algoritmos e

Leia mais

Introdução aos computadores, à Internet e à World Wide Web. 2005 by Pearson Education do Brasil

Introdução aos computadores, à Internet e à World Wide Web. 2005 by Pearson Education do Brasil 1 Introdução aos computadores, à Internet e à World Wide Web OBJETIVOS Neste capítulo, você aprenderá: Conceitos básicos de hardware e software. Conceitos básicos de tecnologia de objeto, como classes,

Leia mais

Estruturas de Repetição

Estruturas de Repetição Estruturas de Repetição Lista de Exercícios - 04 Algoritmos e Linguagens de Programação Professor: Edwar Saliba Júnior Estruturas de Repetição O que são e para que servem? São comandos que são utilizados

Leia mais

EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1

EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1 EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1 Claudemir Monteiro Lima Secretária de Educação do Estado de São Paulo claudemirmonteiro@terra.com.br João

Leia mais

CURSO BÁSICO DE PROGRAMAÇÃO AULA 1. Introdução a Sistemas de Computação Noções de Lógica Introdução à Lógica de Programação

CURSO BÁSICO DE PROGRAMAÇÃO AULA 1. Introdução a Sistemas de Computação Noções de Lógica Introdução à Lógica de Programação CURSO BÁSICO DE PROGRAMAÇÃO AULA 1 Introdução a Sistemas de Computação Noções de Lógica Introdução à Lógica de Programação Componentes de um Sistema de Computação - Hardware Parte física de um sistema

Leia mais

Objetivo principal: aprender como definir e chamar funções.

Objetivo principal: aprender como definir e chamar funções. 12 NOME DA AULA: Escrevendo músicas Duração da aula: 45 60 minutos de músicas durante vários dias) Preparação: 5 minutos (se possível com introduções Objetivo principal: aprender como definir e chamar

Leia mais

ICC Introdução para JavaScript

ICC Introdução para JavaScript ICC Introdução para JavaScript Arquitetura Genérica de um Computador Máquina de Von Neumann Diagrama conhecido como Máquina de Von Neumann (grande nome da informática) A finalidade de um computador é receber,

Leia mais

LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO. Professor Celso Masotti http://ead.celsomasotti.com.br

LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO. Professor Celso Masotti http://ead.celsomasotti.com.br LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Professor Celso Masotti http://ead.celsomasotti.com.br Ano: 2015 1 HTML & PHP em Ambiente Web PARTE II Sumário I Decisão... 4 Operadores de Comparação... 6 II IF ELSEIF ELSE... 7

Leia mais

Planificação de. Aplicações Informáticas B

Planificação de. Aplicações Informáticas B Escola básica e secundária de Velas Planificação de Aplicações Informáticas B Ano letivo 2011/2012 1- Introdução à Programação Planificação de Aplicações Informáticas B Unidade Sub-Unidades Objetivos Conteúdos

Leia mais

Curso de Linguagem C

Curso de Linguagem C Curso de Linguagem C 1 Aula 1 - INTRODUÇÃO...4 AULA 2 - Primeiros Passos...5 O C é "Case Sensitive"...5 Dois Primeiros Programas...6 Introdução às Funções...7 Introdução Básica às Entradas e Saídas...

Leia mais

Introdução à Computação: Sistemas de Computação

Introdução à Computação: Sistemas de Computação Introdução à Computação: Sistemas de Computação Beatriz F. M. Souza (bfmartins@inf.ufes.br) http://inf.ufes.br/~bfmartins/ Computer Science Department Federal University of Espírito Santo (Ufes), Vitória,

Leia mais

Identificar as características de funcionamento do sistema operacional;

Identificar as características de funcionamento do sistema operacional; Lógica para a Programação - 1º semestre AULA 01 Prof. André Moraes 1 UMA ABORDAGEM INICIAL A unidade curricular de sistemas operacionais proprietários visa explorar a instalação e administração de hardware

Leia mais

Programação I. Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias

Programação I. Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias Programação I Prof. Bruno Vilela Oliveira bruno@cca.ufes.br http://www.brunovilela.webnode.com.br Aulas 2-3-4-5-6-7-8 Lógica Algoritmos Portugol

Leia mais

Protótipo de um Software Tutorial para Auxílio na Construção de Interfaces Padrão Windows

Protótipo de um Software Tutorial para Auxílio na Construção de Interfaces Padrão Windows Protótipo de um Software Tutorial para Auxílio na Construção de Interfaces Padrão Windows Eduardo Comin Prof. Dalton Solano dos Reis Orientador 1 Roteiro Introdução Ergonomia Interface Software Educacional

Leia mais

Apresentação. Rio de Janeiro, 19 de fevereiro de 2002 Waldemar Celes

Apresentação. Rio de Janeiro, 19 de fevereiro de 2002 Waldemar Celes Apresentação A disciplina de Estruturas de Dados (ED) está sendo ministrada em sua nova versão desde o segundo semestre de 1998. Trata-se da segunda disciplina de informática oferecida no curso de Engenharia

Leia mais

CURSO DE INFORMÁTICA. Algoritmos. Parte 3. Ricardo José Cabeça de Souza

CURSO DE INFORMÁTICA. Algoritmos. Parte 3. Ricardo José Cabeça de Souza CURSO DE INFORMÁTICA Algoritmos Ricardo José Cabeça de Souza Parte 3 Sumário UNIDADE I - ALGORITMOS 1.6 Pseudo-Linguagem (Pseudocódigo) 1.6.1 Pseudo-Linguagem 1.6.2 Identificadores 1.6.2.1 Nomeação de

Leia mais

Como funcionam os comandos de SQL no Logic Basic Por Alan Oliveira

Como funcionam os comandos de SQL no Logic Basic Por Alan Oliveira Como funcionam os comandos de SQL no Logic Basic Por Alan Oliveira www.linksinfo.com.br Tutorial versão 1.0 Sobre o Logic basic: Parte 1 Sobre o Logic Basic e o SQL O Logic Basic é uma linguagem de programação

Leia mais

Tecnologias no Cotidiano Desafios a Inclusão Digital e social

Tecnologias no Cotidiano Desafios a Inclusão Digital e social Tecnologias no Cotidiano Desafios a Inclusão Digital e social 1- Apresentação Estamos iniciando o curso Introdução à Educação Digital. Esse curso integra um conjunto de políticas públicas voltadas à inclusão

Leia mais

Para que o NSBASIC funcione corretamente em seu computador, você deve garantir que o mesmo tenha as seguintes características:

Para que o NSBASIC funcione corretamente em seu computador, você deve garantir que o mesmo tenha as seguintes características: Cerne Tecnologia www.cerne-tec.com.br Conhecendo o NSBASIC para Palm Vitor Amadeu Vitor@cerne-tec.com.br 1. Introdução Iremos neste artigo abordar a programação em BASIC para o Palm OS. Para isso, precisaremos

Leia mais

Introdução a lógica de programação. Aula 02: Linguagens de Programação e Introdução ao Visual C# Express

Introdução a lógica de programação. Aula 02: Linguagens de Programação e Introdução ao Visual C# Express Introdução a lógica de programação Aula 02: Linguagens de Programação e Introdução ao Visual C# Express Roteiro da aula Linguagem de Programação Visual C#: Introdução a C# através de comandos de entrada

Leia mais

Prof. Vitório Bruno Mazzola INE/CTC/UFSC 1. INTRODUÇÃO

Prof. Vitório Bruno Mazzola INE/CTC/UFSC 1. INTRODUÇÃO Capítulo 6 ENGENHARIA DE SOFTWARE CONCEITOS BÁSICOS Prof. Vitório Bruno Mazzola INE/CTC/UFSC 1. INTRODUÇÃO Nos anos 40, quando se iniciou a evolução dos sistemas computadorizados, grande parte dos esforços,

Leia mais

1 Instalação. 2 Exemplos para Utilização do Componente

1 Instalação. 2 Exemplos para Utilização do Componente O CobreBemX é um componente COM ''não visual'' distribuído sob a forma de DLL, possuindo as seguintes funcionalidades: Impressão de Boletos Bancários em impressoras Laser ou Jato de Tinta para diverso

Leia mais

Exercícios Teóricos Resolvidos

Exercícios Teóricos Resolvidos Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Matemática Exercícios Teóricos Resolvidos O propósito deste texto é tentar mostrar aos alunos várias maneiras de raciocinar

Leia mais