INFORMATIVO SEMANAL AGL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INFORMATIVO SEMANAL AGL"

Transcrição

1 Sumário RIO GRANDE DO SUL... 3 Laticínios do Sul do país querem formar associação... 3 Produção/RS... 4 A Produção de leite no sul do País continua a crescer e se mantém à frente de MG... 4 SANTA CATARINA... 5 Preços do leite melhoram para produtor rural... 5 Produtores de leite do vale pedem apoio na SDR... 6 PARANÁ... 7 Maringá ganha Centro de Excelência em Tecnologia do Leite... 7 BRASIL... 8 Preços seguem em alta, mas mercado sinaliza estabilidade para dezembro... 8 Leite vindo do Uruguai deixa preço 20% mais barato no noroeste paulista... 9 Leite/PE...10 Convênio/AL...10 Feira/MS...11 Produtos lácteos ficaram mais caros no varejo em novembro...11 Produtividade da mão-de-obra do leite no Brasil, um fator limitante à competitividade nacional Resultados...12 Conclusões...14 MERCOSUL...15 Boas perspectivas para o mercado leiteiro do Mercosul Argentina: Brasil nos limita a venda de leite em pó por motivos políticos É provável que o setor leiteiro do Uruguai reduza ritmo de crescimento...17 Boas perspectivas para o mercado leiteiro do mercosul...18

2 Colômbia...19 Colombia: senado analizó blindaje al sector lácteo...19 Venezuela: con MiGurt esperan duplicar consumo de yogur...20 Mundo...21 Americanos se opõem aos limites de produção de leite estabelecidos pelo Governo...21 Leite nas Escolas/NZ...22 Grecia: la leche ya es un lujo...23 Informações...24 Selo da agricultura familiar conquista consumidores:...24 Companhia lança leite com vodka sabor morango para adultos...25 Incra simplifica regras para certificação de imóveis rurais...25 Variados tipos de queijo chamam atenção no Brasil Rural Contemporâneo...26 Queijo de leite de cabra...27 Grupo alerta para quantidades excessivas de sal no queijo...27 Novo Queijo Gran Capitán...28

3 RIO GRANDE DO SUL Laticínios do Sul do país querem formar associação As indústrias de laticínios da região Sul pretendem criar uma associação para ganhar maior poder de barganha nas negociações com as grandes redes de supermercados. A nova entidade também vai buscar a criação de um "marco regulatório" para evitar distorções de preços no setor e já pediu a realização de uma audiência pública sobre o assunto na Câmara dos Deputados, disse Darlan Palharini, secretário executivo do Sindilat-RS, que representa o setor no Rio Grande do Sul. De acordo com ele, os sindicatos das indústrias de Santa Catarina (Sindileite-SC) e do Paraná (Sindileite-PR) já fazem parte do movimento. O próximo passo será buscar a adesão de representantes dos produtores nas reuniões de dezembro do Conselho Estadual do Leite (Conseleite) de cada um dos três Estados, explicou. A principal queixa do setor, conforme Palharini, é que os grandes supermercados forçam as indústrias a baixar as tabelas do leite longa-vida (UHT), em alguns casos a níveis até inferiores aos custos de produção, para fazer promoções agressivas com o produto e estimular a venda de outros lácteos. Com isso, as indústrias não conseguem repassar os aumentos dos preços dos insumos e das matérias-primas e muitas delas estão com a situação financeira "comprometida", explicou o executivo. Palharini não revelou valores absolutos, mas acrescentou que os preços do leite UHT vendido pela indústria para o atacado e o varejo permaneceram estáveis ao longo deste ano no Rio Grande do Sul, mesmo na entressafra de janeiro a abril. Já o preço médio por litro in natura ao produtor subiu 8,6% de janeiro a novembro, para R$ 0,70, enquanto nos supermercados o valor médio por litro cobrado do consumidor passou de R$ 1,70 para R$ 1,83 no mesmo período, segundo a Associação Gaúcha de Supermercados (Agas). Conforme o presidente da Agas, Antônio Cesa Longo, se a nova associação tiver como único objetivo "forçar o aumento de preços" do leite, ela vai se "frustrar" porque valores são estabelecidos de acordo com "a oferta e a procura". De acordo com ele, neste caso os primeiros a "furar" o objetivo da futura associação serão provavelmente as próprias indústrias que estiverem com estoques elevados. A estimativa do Sindilat-RS é que a produção de leite in natura na região Sul deve crescer 9% neste ano, para quase 12 bilhões de litros, enquanto em todo o país o volume deve avançar 4,5%, para 33,4 bilhões de litros. Nos três Estados do Sul, onde existem cerca de 500 indústrias e cooperativas de laticínios em operação, cerca de 50% da matéria-prima captada é transformada em leite longa-vida, calcula a entidade. Fonte: Valor Econômico

4 Produção/RS O governo do Estado faz os ajustes finais no Programa Mais Leite, que criará mecanismos de incentivo à produção, afirmou o coordenador técnico da Câmara Setorial do Leite, João Milton Cunha. Segundo ele, o leite é um dos 22 produtos considerados prioritários pelo governo, por envolver mais de 100 mil famílias na produção de 9,5 milhões de litros/dia, em um setor que responde por 2,7% do PIB gaúcho. Os números poderiam ser maiores. Dados do Sindilat-RS apontam um potencial produtivo de 14 milhões de litros/dia, que poderia ser atingido em cinco anos com o estímulo à exportação de excedentes, já que o Rio Grande do Sul absorve apenas 40% da produção local. Fonte: Canal do Produtor A Produção de leite no sul do País continua a crescer e se mantém à frente de MG Segundo Leite Brasil, os estados da região sul cresceram 6,4% em 2011, enquanto os mineiros registraram 4,4% Minas Gerais continua na segunda posição no ranking nacional dos maiores produtores de leite. É o que mostra recente levantamento feito pela Leite Brasil, associação que representa os produtores nacionais, com base nos resultados da Pesquisa da Pecuária Municipal, divulgados pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Os estados do sul mantêm a liderança desde 2007, quando tinham participação de 28,7% na produção brasileira, contra 27,8% do estado mineiro. Em 2011, a participação foi de 31,9% em comparação aos 27,3% registrados por Minas Gerais. De acordo com a associação, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, estados que compõem a região sul do País, registraram crescimento na produção de leite de 6,2%, 6,3% e 6,8%, respectivamente, o que fez com que a região chegasse à marca de 6,4% em Com o índice, mantêm-se à frente de Minas Gerais (4,4%). Os números do sul superam, inclusive, a média nacional, que no período registrou aumento de 4,5%. O crescimento nos números estende-se também ao consumo de leite na região. Os estados do sul detêm os maiores níveis de consumo domiciliar de produtos lácteos, de acordo com a última edição da Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF), divulgada pelo IBGE, em Enquanto o consumo de leite por pessoa ao ano atingiu 81 litros em Minas Gerais, a média nos estados do sul foi de 105 litros.

5 Para Jorge Rubez, presidente da Leite Brasil, outro fato relevante da estatística é a produção média de leite por cabeça de gado. Na região sul, são produzidos cerca de litros vaca/ano, enquanto que em Minas Gerais, cada animal produz cerca de litros vaca/ano. Outro fator que justifica o forte desempenho dos estados é o investimento em tecnologia para a produção do leite e a preocupação com bons indicadores zootécnicos, afirma. Fonte: CDN Comunicação Corporativa SANTA CATARINA Preços do leite melhoram para produtor rural O aumento do consumo e a redução da produção - em razão da estiagem que atingiu o centro-oeste brasileiro e o sul do País - provoca, agora, elevação do preço pago aos produtores rurais pelo leite entregue nos laticínios catarinenses. O Conselho Paritário Produtor/Indústria de Leite do Estado de Santa Catarina (Conseleite) projetou em R$ 0,7042/litro o preço de referência para o leite padrão, mas o mercado está pagando acima de R$ 0,8430 em razão da escassez do produto. O Conselho definiu neste mês os três valores de referência para o leite: R$ 0,8098 para aquele acima do padrão; R$ 0,7042 para o padrão e R$ 0,6402 para o leite abaixo do padrão. Em relação ao mês anterior, os preços cresceram em 1,1% e a tendência é permanecerem estáveis. O presidente do Conseleite e vice-presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Santa Catarina (FAESC), Nelton Rogério de Souza, explica que os preços estão aquecidos porque a demanda das indústrias está forte. A seca que assolou o território catarinense neste ano não reduziu a produção estadual que, ao contrário, registra 9% de crescimento, mesma taxa de expansão verificada em A ampliação da base produtiva do leite decorre do fato de gerar renda mensal, ao contrário das lavouras e da pecuária intensiva. No mercado real, os criadores estão recebendo valores maiores que, em razão da qualidade, da quantidade e de outras condições. A atividade leiteira continua sendo uma excelente fonte de renda para os produtores rurais catarinenses. As famílias brasileiras estão ampliando o consumo de produtos lácteos de maior valor agregado e de melhor qualidade à medida que aumentam sua renda. Este cenário é observado principalmente nas classes C, D e E, que também estão

6 dispostas a pagar mais caro por estes itens, mesmo que isso resulte na elevação dos gastos. Essa tendência foi confirmada pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) em parceria com o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq), da Universidade de São Paulo (USP). Na classe C, o levantamento aponta que o aumento de 1% da renda gera incremento de 0,4% no consumo e uma elevação de 1,14% nas despesas com estes produtos. Nas classes D e E, o mesmo ganho de 1% na renda amplia o consumo em 0,6% e os gastos em 1%. Fonte: Milkpoint Produtores de leite do vale pedem apoio na SDR Araranguá O secretário do Desenvolvimento Regional de Araranguá, Heriberto Afonso Schmidt, acompanhado do diretor geral da SDR, Agenor Biava, recebeu na tarde desta segunda-feira, produtores de leite da comunidade de Sanga da Toca I, representantes da Associação Litoral Leite. Junto com o vice-prefeito de Araranguá e Prefeito eleito, Sandro Maciel e do engenheiro agrônomo da Uneagro (Cooperativa dos Engenheiros Agrônomos e de Profissionais em Desenvolvimento Rural e Ambiental de Santa Catarina), Zaqueu Cristiano, os produtores pediram para que o secretário regional verifique a possibilidade da cedência de um terreno de propriedade do Estado localizado às margens da BR-101, na Sanga da Toca, para a instalação de uma usina de processamento de leite. A Associação realiza um belo trabalho e iremos verificar junto ao Governo do Estado a possibilidade de cedência do terreno, para que os trabalhos dos produtores possam crescer ainda mais, disse o secretário Regional. Eles expuseram que hoje a produção de cerca de 180 mil litros é processada em outros Municípios, como Sombrio, Rio Fortuna e Braço do Norte. A instalação de uma usina no Município irá valorizar o produtor e fomentar a produção de leite em Araranguá, conta o vice-presidente da Associação, Jailson Réus. Segundo o engenheiro agrônomo da Uneagro, há cerca de 50 produtores Associados à Litoral Leite, fundada em A usina poderá ainda realizar o processamento de frutas e hortaliças e abrigar uma garagem de máquinas e uma unidades demonstrativa, relatou Zaqueu. Fonte: Portalacteo

7 PARANÁ Maringá ganha Centro de Excelência em Tecnologia do Leite No último dia 4, na Fazenda Experimental de Iguatemi (FEI), foi inaugurado o Centro Mesorregional de Excelência em Tecnologia do Leite (Bloco Z-108). Na edificação, de 476,42 m², funcionará um Laboratório de Análises de Leite, um Laboratório de Análise de Nutrição e Forragem para vaca leiteira, e um auditório para 80 pessoas, além de estufas, banheiros e copa. A UEM foi contemplada com R$ 1,8 milhão, para colocar em funcionamento um dos oito Centros Mesorregionais de Excelência em Tecnologia do Leite instalados no Paraná. Os recursos são originários do Finep e Fundo Paraná, com contrapartida da UEM. O custo final da obra ficou em R$ 385 mil, e o restante dos recursos foram utilizados para cobrir gastos com aquisição de equipamentos. Na solenidade de inauguração, o professor do Departamento de Zootecnia (DZO) e coordenador do Núcleo Pluridisciplinar de Pesquisa e Estudo da Cadeia Produtiva do Leite (Nupel), Geraldo Tadeu dos Santos, explicou que o objetivo do Centro é articular esforços de equipes de pesquisadores, extensionistas e acadêmicos de pós-graduação e de graduação, para produzirem mais e melhores resultados em atividades organizadas de pesquisa, desenvolvimento e inovação, além de prestar assistência direta e indireta aos produtores de leite. Tadeu ainda ressaltou que a inauguração do Centro coroa os esforços e bons resultados conquistados pelos membros do DZO e Programa de Pós-Graduação em Zootecnia (PPZ) da UEM. O diretor do Centro de Ciências Agrárias (CCA) da UEM, Julio César Damasceno, louvou o objetivo da Secretaria da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior do Paraná (Seti) em investir em pesquisas relacionadas à agricultura, lembrando que o estado é o segundo maior produtor de leite do Brasil. O reitor da UEM, Julio Santiago Prates Filho, agradeceu o empenho e compromisso com o ensino superior por parte da Seti, que soube enxergar a produção do conhecimento como uma maneira de alavancar o potencial econômico do Paraná e gerar bem-estar para a sociedade. O secretário de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior do Paraná, Alípio Santos Leal Neto, foi enfático ao dizer que os investimentos feitos na UEM pela Seti são resultado do grande esforço e determinação que a Universidade vem demonstrando em continuar crescendo. O secretário ainda ressaltou que o governo tem a obrigação de aproximar a academia do setor produtivo, para que ambos trabalhem juntos em prol do desenvolvimento. Fonte: Bem Paraná

8 BRASIL Preços seguem em alta, mas mercado sinaliza estabilidade para dezembro No mês de novembro, o preço recebido por produtores pelo leite entregue em outubro teve aumento de 1,5% (ou 1,3 centavo por litro) frente ao mês anterior, indo para a média de R$ 0,8221/litro (valor líquido), segundo levantamentos do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), da Esalq/USP. O preço bruto foi de R$ 0,8952/litro. Essas médias são ponderadas pela produção de leite nos estados do RS, PR, SC, SP, MG, GO e BA. Em relação ao mesmo período do ano anterior, o preço médio ficou praticamente estável, apresentando leve recuo de 0,1% em termos reais (ou seja, descontando-se a inflação do período - IPCA até outubro/12). Pesquisas do Cepea, no entanto, mostram que os custos de produção estão quase 20% maiores. Os preços do milho continuam subindo, enquanto o preço do farelo de soja, mesmo em queda no mês de outubro, vale quase o dobro que há um ano. Além disso, no início de 2013, deve haver novo aumento dos custos em função do reajuste do salário mínimo. Pesquisadores do Cepea observam que o comportamento dos preços recebidos pelo leite em novembro foi atípico para o período. Normalmente, com a chegada das chuvas na primavera, em outubro, já é maior a disponibilidade de leite, o que tende a pressionar as cotações. Neste ano, entretanto, o volume mais baixo de chuvas combinado aos custos mais elevados da produção de leite têm limitado o avanço da produção. A oferta diminuiu nos três estados do Sul. De acordo com o Índice de Captação de Leite do Cepea (ICAP- Leite), entre setembro e outubro, a captação média diária naquela região caiu quase 5%. A redução ocorreu devido ao atraso das pastagens de verão, ocasionado pelo frio intenso e chuvas insuficientes nos últimos meses. Já em Goiás, houve aumento em torno de 4% (principalmente na região sul do estado); em Minas Gerais, houve alta de quase 3% e, em São Paulo, o índice permaneceu praticamente estável. No balanço dos sete estados desta pesquisa, o ICAP/Cepea recuou 0,4%. No segmento de derivados lácteos, agentes consultados pelo Cepea já relatam aumento da oferta de leite em novembro. Até o final deste mês, entretanto, os preços permanecem firmes. No atacado paulista, o preço médio do leite UHT em novembro (cotado até o dia 29) teve aumento de 2,2% em relação a outubro, passando para a média de R$ 1,93/litro (valor inclui frete e impostos cobrados no estado). No caso do queijo muçarela, houve alta de 4,7% na comparação mensal, com média de R$ 11,67/kg em novembro. Essa

9 pesquisa é feita diariamente com laticínios e atacadistas e tem o apoio financeiro da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB) e da Confederação Brasileira de Cooperativas de Laticínios (CBCL). A maior parte dos laticínios/cooperativas consultados pelo Cepea (54% dos entrevistados, que representam 63% do volume de leite amostrado) acredita que os preços do leite ao produtor permanecerão estáveis em dezembro (produção entregue em novembro). Para 29% dos agentes (que respondem por 21% do volume da amostra), deve haver alta de preços e 16% dos consultados (responsáveis por 16% do volume de leite amostrado) acha que deve haver queda. AO PRODUTOR De acordo com os levantamentos do Cepea, o estado de Goiás apresentou aumento de 1,8% no preço líquido do leite, que foi para R$ 0,8731/litro em novembro o maior valor entre os estados da média nacional. Em Minas Gerais, o acréscimo foi de 1,7%, com a média a R$ 0,8374/litro. No estado paulista, a média foi de R$ 0,8498/litro, aumento de 0,9% frente a outubro. No Sul do País, o preço médio líquido do Paraná aumentou 1,4%, com a média chegando a R$ 0,7967/litro. No Rio Grande do Sul, com acréscimo de 1,2%, o litro teve média de R$ 0,7548 e, em Santa Catarina, houve alta de 0,8%, com média de R$ 0,7946/litro. O Espírito Santo foi o único estado a ter diminuição de preço, entre os 11 atualmente acompanhados pelo Cepea. A queda foi de 1,2% entre outubro e novembro, com a média (valor líquido) passando para R$ 0,7908/litro. No Rio de Janeiro, houve acréscimo de 1,8%, com o litro a R$ 0,9026. Em Mato Grosso do Sul, a alta foi de 2,2%, com média de R$ 0,7247/litro. Na Bahia, o preço médio foi de R$ 0,8110/litro em novembro, leve aumento de 0,3% frente a outubro. No Ceará, a variação foi semelhante, de 0,4%; a média esteve em R$ 0,8550/litro. Fonte: CEPEA Leite vindo do Uruguai deixa preço 20% mais barato no noroeste paulista Em agosto de 2011, litro custava em média R$ 1,99; agora sai por R$ 1,49.Produtores do país vizinho conseguem vender o produto mais em conta. Depois que o Uruguai começou a exportar leite para o Brasil, o preço está em média 20% mais barato na região noroeste paulista. A novidade, que animou as donas de casa, desagradou os produtores da região. Na casa da empresária Suzi Concenza, de São José do Rio Preto (SP), o café da manhã sem leite não tem graça. Os quatro filhos adoram. Resultado: são três litros consumidos todos os dias. Essa diminuição de custo foi interessante para a gente que consome bastante, diz a empresária. O leite é um alimento que faz parte do dia a dia. A boa notícia é que está mais barato colocar ele na mesa. Em agosto de 2011, o litro custava em média R$ 1,99. E este ano a situação é bem diferente. O produto está

10 até R$ 0,50 mais barato. Em alguns supermercados de Rio Preto o leite de saquinho pode ser encontrado por até R$ 1,49. A explicação para essa queda nos preços é a entrada de leite do Uruguai no Brasil. Os produtores do país vizinho conseguem vender o produto mais em conta e as indústrias de alimento do noroeste paulista preferem comprar de lá e não do mercado interno. Os grãos no mundo todo subiram, principalmente o milho e a soja, isso faz o custo de produção aumentar para o produtor brasileiro. Em contrapartida, a gente sabe que entra discriminadamente leite do Uruguai de produtores que são subsidiados pelo governo do Uruguai. Então é uma concorrência desleal, diz Carlos Frederico Mansor, presidente da Associação dos Produtores de Leite. Fonte: G1 Leite/PE A seca que atinge o Nordeste vem fazendo suas vítimas. Pequenos e grandes pecuaristas estão lidando como podem com o prejuízo. Houve uma queda de 60% na produção de leite, o que obriga alguns fazendeiros a buscar o sustento de outra forma. Em Pernambuco, eram produzidos 2,3 milhões de litros de leite/ dia. Atualmente, são apenas 900 mil. Postos de recebimento e resfriamento de leite estão fechando as portas. Luciente Celestina é funcionária de uma fazenda que antes, chegava a produzir litros de leite/dia. Hoje, está abandonada. O dono, Reginaldo Barros de Oliveira, precisou vender 430 animais. As dívidas não paravam de crescer. Só de ordenhadeiras e tanques de resfriamento de leite são mais de R$ 300 mil. Dos 60 funcionários ficaram apenas seis. Ele diz que ainda sofre muito por isso, mas tem certeza que vai superar. Fonte: G1/PE Convênio/AL O fortalecimento da Cadeia Produtiva do Leite e Derivados de Alagoas é o objetivo do novo convênio firmado entre a Secretaria de Estado do Planejamento e do Desenvolvimento Econômico (Seplande), o Sebrae/AL e a Federação das Indústrias do Estado de Alagoas (FIEA). Através dessa parceria, os esforços serão concentrados para criar um ambiente favorável ao estabelecimento de acordos de cooperação técnica e comercial entre instituições públicas e privadas, com ênfase no desenvolvimento da cadeia produtiva do leite, garantiu o secretário, Luiz Otavio Gomes. O superintendente do Sebrae/AL, Marcos Vieira, afirma que o convênio beneficiará, principalmente, os pequenos produtores de leite e laticínios de pequeno porte, visto que estas são as duas categorias mais numerosas. Fonte: Primeira Edição/AL

11 Feira/MS A cidade de Iguatemi, no extremo sul do Estado, será entre os dias 6 e 9 de dezembro, a capital sul-matogrossense do leite, com a realização da IV Feira do Leite do Território da Cidadania Cone Sul. Iniciada no primeiro ano da administração do prefeito José Roberto Arcoverde (PSDB), a Feira do Leite já faz parte dos calendários oficiais de eventos do Município e do Estado e reúne milhares de pessoas que de uma forma ou de outra participam da cadeia produtiva do leite. Uma extensa programação foi organizada para acontecer durante os quatro dias da festa. Segundo o prefeito o evento é a vitrine de produtos e novidades tecnológicas, com exposições e comercializações de máquinas e equipamentos, além de serem ofertados cursos de qualificação para a produção de derivados do leite. Fonte: Sul News/MS Produtos lácteos ficaram mais caros no varejo em novembro Grupo dos queijos puxou para cima os preços dos lácteos, com alta de 8,5% em relação ao começo do mês. Na segunda quinzena de novembro, o preço dos produtos lácteos subiu 0,6%, considerando a média de todos produtos lácteos pesquisados, na comparação com a primeira quinzena do mês. Os maiores ajustes foram para o grupo dos queijos, cuja alta foi de 1,7%, segundo levantamento da Scot Consultoria. O quilo do queijo prato ficou cotado em R$ 27,81, valor 8,5% maior em relação ao começo de novembro. Esse preço, no entanto, é 1,4% menor ao que o consumidor pagava no mesmo período de A captação de leite já apresenta elevação em algumas das principais bacias produtoras, como em Minas Gerais e São Paulo, o que tende a ser um fator baixista para as próximas cotações. Fonte: Scot Consultoria Vaca Louca Exames realizados em uma vaca morta aos 13 anos no Paraná poderão causar sérios problemas à cadeia produtiva de carne bovina brasileira. Suspeitava-se que o animal tivesse morrido de raiva, mas as primeiras análises obtidas pelo Ministério da Agricultura identificaram a presença do príon, uma forma de proteína que é o agente patogênico do mal da "vaca louca" (encefalopatia espongiforme bovina), moléstia neurodegenerativa que pode ser transmitida ao homem na forma da doença de Creutzfeldt-Jakob. O ministério deverá se pronunciar oficialmente nesta sexta-feira sobre o caso. Os técnicos da Pasta aguardavam uma contraprova do tecido do cérebro do animal para tirar quaisquer dúvidas sobre a ocorrência da doença e adotar as providências necessárias, uma vez que a doença costuma provocar barreiras comerciais amplas e duradouras à carne bovina do país no exterior. Fonte: Valor Econômico

12 Produtividade da mão-de-obra do leite no Brasil, um fator limitante à competitividade nacional. Resultados A pesquisa teve grande participação da região Centro-Sul do Brasil, Minas Gerais (34,3%), Goiás, Rio Grande do Sul, São Paulo (com 11,4% de participação cada um) e Paraná (9,6%) sendo os cinco estados com o maior número de respostas de produtores. O sistema de produção majoritariamente utilizado foi o de pastejo (44,6% do total), no entanto, a cada aumento no nível de produção em litros/dia, os sistemas de semiconfinamento e confinamento obtiveram maior importância, chegando a não haver propriedades utilizando o sistema de pastejo no maior estrato produtivo (produção acima de 5.000l/dia). Também houve a predominância de fazendeiros com menor volume de produção, 44,6% afirmaram produzir menos que 500l/dia. A tabela abaixo apresenta os dados sobre produtividade obtidos na pesquisa em litros/homem/dia: A produtividade geral (ponderada pela produção) da mão-de-obra contratada nas fazendas participantes foi de 592,6l/h/dia. No entanto, a amplitude entre as faixas extremas de produtividade (Fazendas com produções menores que 500l/dia comparadas às com produção maior que 5000l/dia) foi de 539,9 l/h/dia, ou seja, tal amplitude foi próxima ao próprio índice de produtividade observado no pesquisa, o que demonstra a discrepância da eficiência do trabalho nos estratos mais produtivos. Ao considerarmos a mão-de-obra familiar no cálculo da produtividade, o índice geral cai 28,3%, demonstrando o peso desta variável no cálculo da produtividade da mão-de-obra. A tabela abaixo apresenta a queda da produtividade por estrato de produção ao considerarmos a mão-de-obra familiar na análise. É nítida a importância deste parâmetro nas propriedades de menor escala, chegando a causar uma queda de 41,3% na produtividade da mão-de-obra

13 nas fazendas com produção entre l/dia. Este impacto é mais expressivo até a faixa de 2.500l/dia, havendo uma grande redução do efeito da mão-de-obra familiar acima desta faixa. Segundo dados de 2009 da IFCN (International Farm Comparison Network) publicados no "Panorama do Leite" da Embrapa Gado de Leite, a produtividade da mão-de-obra (com a mão-de-obra familiar inclusa) no Brasil foi de 486 l/homem/dia. Considerando a diferença de metodologias (o IFCN utiliza fazendas típicas das regiões Sul e Sudeste a partir de determinado número de vacas, ao passo que em nossa amostragem foram os leitores que voluntariamente participaram), é possível inferir que a ordem de grandeza foi semelhante. Já segundo a pesquisadora da Embrapa, Rosangela Zoccal, em comentário feito no artigo relativo aos custos da mão-de-obra, os valores gastos com mão-de-obra representam 31% do custo total de produção em uma fazenda com produção diária de 82 litros; 18% em uma com produção de 545 litros/dia e 12% em um sistema que produza litros/dia. A produtividade do trabalho observada, segundo ela, foi de, respectivamente, 82 litros/homem/dia; 182 litros/homem/dia e 324 litros/homem/dia, valores sensivelmente mais baixos do ue os nossos e os do IFCN, indicando que a realidade pode ser ainda pior. A comparação com os outros países demonstra a baixa produtividade da mão-de-obra brasileira: Alemanha, Argentina e EUA apresentam eficiência entre 90 e 110% maior no trabalho, quando comparadas aos dados resultantes de nossa pesquisa. Já a Nova Zelândia, maior exportador de lácteos do mundo, possui produtividade quase 5 vezes maior que os 425,1 l/homem/dia encontrados na pesquisa.

14 Conclusões A análise dos dados obtidos mostra que temos dois "Brasis" em termos de produção de leite: um voltado à produção de subsistência e baixa profissionalização da atividade e outro com eficiência muito maior, voltado à comercialização em maior escala. No entanto, a conclusão geral é uma só: estamos um passo (ou mais) atrás dos demais países produtores de leite, inclusive de países do Cone Sul. Nossas fazendas mais eficientes - com produção diária maior que litros - apresentaram um índice de produtividade 20% menor que o apresentado pela Argentina, um dos principais países que vem ganhando espaço no mercado brasileiro de lácteos. A baixa eficiência do trabalho torna-se ainda mais importante se considerarmos a valorização do salário mínimo na última década, muito acima da valorização do preço do leite. A profissionalização da atividade, buscando maiores índices de mecanização, produtividade da mão-de-obra, sistemas produtivos adequados à realidade nacional e modelos de gestão eficientes, deve ser a meta do produtor de leite nacional para competir no mercado. Caso contrário, os baixos índices de rentabilidade observados contribuirão para que o setor lácteo tenha dificuldades não só de recuperar a competitividade internacional, como também garantir a elevação desejada da produção interna, uma vez que atividades concorrentes podem se tornar mais rentáveis.

15 MERCOSUL Boas perspectivas para o mercado leiteiro do Mercosul. Diante do crescimento sustentado e da solidez da produção de leite, alguns países do mercosul, como Chile, Uruguai e Argentina teriam grandes possibilidades de êxito no setor leiteiro, de acordo com o engenheiro agrônomo e diretor da Infortambo Alejandro Sanmartino. Sanmartino destacou que o Chile tem um sistema produtivo ordenado e ideias claras sobre crescimento. Creio que Uruguai, Argentina e Chile têm perfis muito similares e grandes possibilidades de serem protagonistas do mercado leiteiro da região. Com relação ao setor leiteiro do Uruguai, ele explicou que está se encaminhando à exportação e ao crescimento. Em 2011 o país aumentou sua produção em mais de 20% com relação ao ano anterior, quando apenas se esperava um aumento de 10% a 12%. Sobre a Argentina, ele disse que embora o país esteja com um modelo cada vez mais intensivo, possui muitas incertezas no cenário político, o que torna ainda mais desafiadora sua produção leiteira. O Brasil, por sua vez, estaria fazendo outro caminho, segundo Sanmartino. O Brasil é hoje um mercado com custos muito desfavoráveis, não conseguindo ser competitivo para exportar seus excedentes. De fato, não têm excedentes. Quanto ao mercado dos Estados Unidos, ele disse que possui um modelo altamente competitivo e uma grande escala que assusta nossas realidades. Para Sanmartino, o mercado leiteiro estaria exibindo uma mudança em seu modelo. É um modelo que já está instalado, em maior escala, com maior produção e maior intensificação, porque tem que competir com outros usos intensivos da terra, como produção de soja ou cana de açúcar. Há uma clara tendência a um maior uso de recursos por unidade de superfície. Não vejo os produtores produzindo a mesma quantidade de leite por hectare nos próximos anos. Vejo-os produzindo mais por uma necessidade de progredir e de crescer. Não imagino que cheguem a ter um sistema com a mesma quantidade de vacas, devem se tornar mais eficientes, pela lógica do que está ocorrendo a nível mundial. As fazendas leiteiras, ou crescem ou vão para trás.

16 San martino disse que o mercado mundial se torna cada dia mais complexo e desafiador devido às mudanças climáticas, à volatilidade dos mercados ou as eventuais complicações para inserir o recurso humano em modelos cada vez mais intensivos. Ele prevê que a atividade leiteira é o ouro branco dessa época, considerando que o mundo demandará cada vez mais alimentos e leite, em particular. O setor leiteiro é uma atividade que combina recursos humanos, animais, vegetais, tecnologia, biotecnologia, especialistas e muito mais. Não há atividade no mundo que integre tantas áreas e disciplinas como o setor leiteiro. Fonte: Portalechero Argentina: Brasil nos limita a venda de leite em pó por motivos políticos. Em 31 de outubro venceu o último acordo que estabelece um número máximo de toneladas mensais de exportação de leite em pó ao país vizinho. A Argentina quer aumentar esse número para toneladas, mas o Brasil tem outro plano: o licenciamento de compras a alguns importadores para concentrar a demanda e gerenciar os preços. Depois de tantas idas e vindas em 2011, Argentina e Brasil aceitaram estabelecer toneladas por mês para a exportação de leite em pó. A proposta nacional foi de toneladas, mas os brasileiros deixaram claro que seu limite era inferior a esse número, posição que eles mantem até hoje. Eles temem que, por Argentina ser um grande produtor de laticínios junto com o Uruguai e com o Chile, tomaremos uma parte muito forte do seu mercado e, consequentemente, prejudique seus produtores locais. Em 31 de outubro venceu este último acordo e mesmo que tenha sido prorrogado até o fim do mês, apenas esta semana começaram a mover as licenças de importação no Brasil. Paulón detalhou que a Confederação de Agricultura e Pecuária (CNA), a Organização das Cooperativas de Leite do Brasil (OCB) e a Federação de Cooperativas Brasileiras de leite, pediram um prazo para dialogar com o Ministério do desenvolvimento de indústria e comércio Exterior do Brasil sobre as suas condições para chegar a um novo acordo com a Argentina. Eles querem ser os que concedem aos exportadores os números. Dessa maneira, as licenças teriam pouquíssimos importadores que terminariam concentrando a demanda e gerenciando obviamente os preços, assegurou Paulón. Afirmou também que a Argentina se opõe a essa condição e que este ano buscará subir o número a toneladas mensais de exportação ao Brasil. O certo é que hoje já não somos seu principal provedor de leite em pó. Ao longo do ano, nosso país vendeu ao Brasil cerca de toneladas de leite em pó, enquanto o Uruguai superou toneladas. Em 2009, quando o nosso maior sócio do MERCOSUL começou a impor as taxas para a exportação, chegamos a vender cerca de toneladas. Esse mesmo ano, o Uruguai apenas

17 superava toneladas. Nem Chile nem Uruguai estão presos a nenhum acordo. Querem-nos limitar cada vez mais por motivos políticos. Fonte: Portalacteo. É provável que o setor leiteiro do Uruguai reduza ritmo de crescimento O setor leiteiro do Uruguai continuará crescendo, mas possivelmente a um ritmo anual menor. Nos últimos 24 meses, o volume de leite produzido aumentou quase 25% e o crescimento foi quase sem endividamento. O setor leiteiro uruguaio é hoje o exemplo de integração e crescimento produtivo por excelência na agropecuária local. Grande parte do crescimento é apoiado pelas denominadas mega fazendas. Para muitos analistas, esse tipo de produtor está com uma taxa de crescimento que manterá os dois dígitos. Porém, também há outro tipo de produtor que há algum tempo estão com a produção parada e não estão dispostos seja por sua idade avançada ou pela falta de liquidez a seguir o ritmo que demanda sustentar um crescimento como o que vem ocorrendo. Até agora, o setor leiteiro cresceu sem endividamento, mas, esse último segmento de produtores seria o que está consumindo capital próprio e, se tem dívidas, é a curto prazo. Nos anos 80 e 90, cresceram com créditos mais brandos, com dois anos de graça, com quatro ou cinco amortizações que permitiram uma mudança no sistema de produção. Hoje, para mudar o sistema de produção, como exige o momento, esses créditos não estão na praça e não está no ânimo de muitos produtores de leite fazer empréstimos convencionais, disse o presidente da Câmara Uruguaia de Produtores de Leite, Horacio Leániz. É provável que o ritmo de crescimento se desacelere, disse o assessor da Associação Nacional de Produtores de Leite, Daniel Zorrilla. Há duas razões fundamentais para que isso ocorra. Financeiramente, a coisa começará a complicar e custará mais seguir nesse caminho ao ritmo que vínhamos crescendo. Em segundo lugar, porque esse crescimento ocorreu, praticamente com aumento na produção individual das vacas e por meio de incorporação de concentrados nas dietas. Esse processo está chegando a um limite. Certamente, de agora em diante, terá que crescer aumentando o número de vacas em ordenha, que é o que não ocorreu nos últimos anos. É provável que o crescimento seja mais lento, ainda que superando a média anual que vinha sendo registrada até o momento (8%). Há alguns limitantes do ponto de vista reprodutivo para seguir crescendo. Há de melhorar os indicadores e há limitantes quanto à intensidade com que se faz a recria, disse Zorrilla. Esse é um elemento que precisa se resolver, mas que certamente não se fará com a velocidade com que se fez essa incorporação de concentrados na alimentação de vacas leiteiras, admitiu ele.

18 Segundo dados do Instituto Nacional de Leite (Inale), até o mês de agosto foram enviadas às plantas 169,5 milhões de litros, um volume que já é 12,8% superior ao registrado no mesmo período do ano anterior. Fonte: El País Digital Boas perspectivas para o mercado leiteiro do mercosul Diante do crescimento sustentado e da solidez da produção de leite, alguns países do mercosul, como Chile, Uruguai e Argentina teriam grandes possibilidades de êxito no setor leiteiro, de acordo com o engenheiro agrônomo e diretor da Infortambo Alejandro Sanmartino. Sanmartino destacou que o Chile tem um sistema produtivo ordenado e ideias claras sobre crescimento. Creio que Uruguai, Argentina e Chile têm perfis muito similares e grandes possibilidades de serem protagonistas do mercado leiteiro da região. Com relação ao setor leiteiro do Uruguai, ele explicou que está se encaminhando à exportação e ao crescimento. Em 2011 o país aumentou sua produção em mais de 20% com relação ao ano anterior, quando apenas se esperava um aumento de 10% a 12%. Sobre a Argentina, ele disse que embora o país esteja com um modelo cada vez mais intensivo, possui muitas incertezas no cenário político, o que torna ainda mais desafiadora sua produção leiteira. O Brasil, por sua vez, estaria fazendo outro caminho, segundo Sanmartino. O Brasil é hoje um mercado com custos muito desfavoráveis, não conseguindo ser competitivo para exportar seus excedentes. De fato, não tem excedentes. Quanto ao mercado dos Estados Unidos, ele disse que possui um modelo altamente competitivo e uma grande escala que assusta nossas realidades. Para Sanmartino, o mercado leiteiro estaria exibindo uma mudança em seu modelo. É um modelo que já está instalado, em maior escala, com maior produção e maior intensificação, porque tem que competir com outros usos intensivos da terra, como produção de soja ou cana de açúcar. Há uma clara tendência a um maior uso de recursos por unidade de superfície. Não vejo os produtores produzindo a mesma quantidade de leite por hectare nos próximos anos. Vejo-os produzindo mais por uma necessidade de progredir e de crescer. Não imagino que cheguem a ter um sistema com a mesma quantidade de vacas, devem se tornar mais eficientes, pela lógica do que está ocorrendo a nível mundial. As fazendas leiteiras, ou crescem ou vão para trás. Sanmartino disse que o mercado mundial se torna cada dia mais complexo e desafiador devido às mudanças climáticas, à volatilidade dos mercados ou as eventuais complicações para inserir o recurso humano em

19 modelos cada vez mais intensivos. Ele prevê que a atividade leiteira é o ouro branco dessa época, considerando que o mundo demandará cada vez mais alimentos e leite, em particular. O setor leiteiro é uma atividade que combina recursos humanos, animais, vegetais, tecnologia, biotecnologia, especialistas e muito mais. Não há atividade no mundo que integre tantas áreas e disciplinas como o setor leiteiro. Fonte: Portalechero Colômbia O ministro da Agricultura da Colômbia, Juan Camilo Restrepo Salazar chamou a atenção para o aumento das importações de lácteos, no cumprimento de acordos comerciais firmados com diversos países. Destaca as importações procedentes do Chile, Argentina e Equador, que subiram de três mil toneladas, em 2011, para fechar 2012, com 16 mil toneladas. Esta importação excessiva está distorcendo o mercado de produtos lácteos, e pode pressionar para baixo o preço ao produtor e causar desempregos no país, lembrou Salazar. O ministro pede maior controle na alfândega para equilibrar o mercado e proteger a renda das famílias rurais do país. Fonte: The Dairy Colombia: senado analizó blindaje al sector lácteo Según informó la presidenta de la célula legislativa, Myriam Paredes, la reunión de ayer fue el resultado de una iniciativa aprobada la semana pasada en el Congreso y en la que se comprometieron a evaluar la situación del sector lechero en el país con miras a blindarlo ante una eventual aprobación del Tratado de Libre Comercio con la Unión Europea, además se revisó el avance y ejecución del Conpes 7536, que pasó a segundo debate, y que está relacionado con ese TLC. Los senadores que participaron en esta primera mesa técnica de trabajo solicitaron al Ministerio de Agricultura adoptar políticas que garanticen la disminución de los precios de los insumos para el sector lácteo. El Gobierno Nacional se comprometió, de otra parte, a incluir al sector lácteo dentro del Contrato Plan para proporcionarle mayores recursos económicos y planes técnicos especiales que permitan su fortalecimiento y desarrollo. El acuerdo de compromisos derivado de esta mesa de trabajo contempla, igualmente, una política de reactivación del sector lácteo mediante programas de asociatividad y capacitación y un plan de acción de renovación de pastos y de genética con la puesta en marcha y refinanciación de centros de investigación y experimentación como el de Obonuco, Nariño.

20 El plan de internacionalización del sector lechero será complementado con acciones gubernamentales, como por ejemplo el fortalecimiento del Puerto de Buenaventura dentro de la estrategia trazada de convertirlo en el primer puerto de exportación del Pacífico colombiano. Fonte: El Nuevo Siglo, Colombia. Venezuela: con MiGurt esperan duplicar consumo de yogur Este mes sale al mercado de la Gran Caracas el primer yogur de larga duración que no requiere refrigeración para conservarse por lo menos durante 6 meses. Se trata de MiGurt, producto elaborado por Empresas Polar en alianza con el Grupo Leche Pascual y para lo cual inauguraron recientemente una planta con una inversión de 630 millones de bolívares, en Valencia, en una extensión de metros cuadrados. La fábrica tiene una capacidad para procesar 53 millones de kilos y en una primera fase producirá 14 millones de kilos. El mercado venezolano de yogur es de 60 millones de kilos y con MiGurt, Polar y Pascual esperan en 3 años ser los líderes en la categoría y duplicar el consumo por persona al año, que está actualmente en 3 kilos. Venimos a competir con MiGurt en un mercado que tiene mucha expectativa de crecimiento, donde el consumo per cápita de yogur puede llegar a duplicarse en poco tiempo. Estoy convencido de que llegaremos a liderar el mercado de yogures en Venezuela, expresó Lorenzo Mendoza, presidente de la junta directiva de Empresas Polar. Dijo que MiGurt es un producto de excelente calidad y asequible al presupuesto del venezolano. Se colocará en bodegas, tiendas, panaderías, supermercados independientes y de cadena, autofarmacias y en más de puntos de venta, con un precio que será 20% más económico que el resto de los productos que hay en el mercado. Esperan que para el 21 de enero se comercialice en todo el país. La idea es lograr a mediano plazo un portafolio de 40 productos distintos de yogur de larga duración, agregó Mendoza.La presentación en vaso de 125 gramos de yogur batido costará 5 bolívares más IVA y el yogur con trozos de frutas 5,54 bolívares y vendrá en los sabores de fresa, durazno, piña, fresa con cambur, piña con cambur. Posteriormente se lanzará al mercado la variedad ligera y combinada con cereales tradicionales, hojuelas azucaradas y para niños. También se conseguirá la presentación de 750 gramos. Fonte: El Nacional, Venezuela

Ano V - Edição 34 Agosto 2014

Ano V - Edição 34 Agosto 2014 da pecuária de leite Ano V - Edição 34 Agosto 2014 PODER DE COMPRA AUMENTA NO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2014 Por Pedro de Lima, equipe Gado de Leite Cepea O poder de compra do pecuarista de leite esteve maior,

Leia mais

Dados do Censo Agropecuário Confirmam Concentração da Atividade Leiteira no Brasil

Dados do Censo Agropecuário Confirmam Concentração da Atividade Leiteira no Brasil Dados do Censo Agropecuário Confirmam Concentração da Atividade Leiteira no Brasil Ézio José Gomes Os dados do último Censo Agropecuário do IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, de 2006

Leia mais

O que esperar do mercado de leite no Brasil e no mundo

O que esperar do mercado de leite no Brasil e no mundo O que esperar Desenvolver do do mercado de de leite no no e fortalecer Brasil e o e no agronegócio no mundo O que esperar do mercado de leite no Rafael Ribeiro de Lima Filho zootecnista Scot Consultoria

Leia mais

Cadeia Produtiva do Leite. Médio Integrado em Agroindústria

Cadeia Produtiva do Leite. Médio Integrado em Agroindústria Médio Integrado em Agroindústria A importância da cadeia do leite A cadeia do leite e de seus derivados desempenha papel relevante no suprimento de alimentos e na geração de emprego e renda, se igualando

Leia mais

Paulo do Carmo Martins Economista (UFJF) Mestre em Economia Aplicada (UFV) Doutor em Economia Aplicada (USP) Pesquisador Embrapa Gado de Leite

Paulo do Carmo Martins Economista (UFJF) Mestre em Economia Aplicada (UFV) Doutor em Economia Aplicada (USP) Pesquisador Embrapa Gado de Leite Tendências para o Setor Lácteo do Brasil e da América Latina Paulo do Carmo Martins Economista (UFJF) Mestre em Economia Aplicada (UFV) Doutor em Economia Aplicada (USP) Pesquisador Embrapa Gado de Leite

Leia mais

AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL

AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL IMPORTÂNCIA ECONOMICA 1- Exportações em 2014: Mais de US$ 100 bilhões de dólares; 2- Contribui com aproximadamente 23% do PIB brasileiro; 3- São mais de 1 trilhão de Reais e

Leia mais

PRODUÇÃO E PERPECTIVAS DA CADEIA DO LEITE NA AGRICULTURA FAMILIAR. Eng. Agr. Breno Kirchof

PRODUÇÃO E PERPECTIVAS DA CADEIA DO LEITE NA AGRICULTURA FAMILIAR. Eng. Agr. Breno Kirchof PRODUÇÃO E PERPECTIVAS DA CADEIA DO LEITE NA AGRICULTURA FAMILIAR Eng. Agr. Breno Kirchof SITUAÇÃO MUNDIAL PRODUÇÃO MUNDIAL LEITE VACA - 599,6 bilhões de litros leite/ano CRESCIMENTO PRODUÇÃO - 1% a 2%

Leia mais

Edição 40 (Março/2014)

Edição 40 (Março/2014) Edição 40 (Março/2014) Cenário Econômico: Prévia da inflação oficial acelera por alimentos e transportes (Fonte: Terra) O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15) avançou 0,73% em março

Leia mais

Edição 44 (Abril/2014)

Edição 44 (Abril/2014) Edição 44 (Abril/2014) Cenário Econômico: Prévia da inflação tem maior alta desde janeiro de 2013 O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15), considerado a prévia da inflação oficial,

Leia mais

REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Senhor Presidente:

REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Senhor Presidente: REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Requer o envio de Indicação ao Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento, no sentido de implantar um Programa de Redução de Perdas de Produtos Agrícolas. Senhor

Leia mais

Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana

Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana Super-safra norte-americana Em seu boletim de oferta e demanda mundial de setembro o Usda reestimou para cima suas projeções para a safra 2007/08.

Leia mais

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Outubro de 2012. MUNDO O milho é o cereal mais produzido no mundo. De acordo com o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), a produção média do

Leia mais

ÁREA DE MILHO CRESCEU 4,9% NA SAFRA 2012/2013, A MAIOR DESDE 1937, INDICANDO QUE O PAÍS COLHERIA UMA SAFRA RECORDE ESTE ANO

ÁREA DE MILHO CRESCEU 4,9% NA SAFRA 2012/2013, A MAIOR DESDE 1937, INDICANDO QUE O PAÍS COLHERIA UMA SAFRA RECORDE ESTE ANO GRÃOS: SOJA, MILHO, TRIGO e ARROZ TENDÊNCIAS DOS MERCADOS PARA 2012/2013 NO BRASIL E NO MUNDO Carlos Cogo Setembro/2012 PRODUÇÃO MUNDIAL DEVE RECUAR 4,1% NA SAFRA 2012/2013 ESTOQUES FINAIS MUNDIAIS DEVEM

Leia mais

Preços de alimentos básicos continuam em alta

Preços de alimentos básicos continuam em alta 1 São Paulo, 2 de junho de 2008. NOTA À IMPRENSA Preços de alimentos básicos continuam em alta Apenas duas, das 16 capitais onde o DIEESE - Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos

Leia mais

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA)

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Relatório com as principais notícias divulgadas pela mídia

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA EMPRESA JÚNIOR FABAVI VITÓRIA DIRETORIA DE PROJETOS SOCIAIS. Projeto: CESTA BÁSICA DA CLASSE MÉDIA CAPIXABA

PROJETO DE PESQUISA EMPRESA JÚNIOR FABAVI VITÓRIA DIRETORIA DE PROJETOS SOCIAIS. Projeto: CESTA BÁSICA DA CLASSE MÉDIA CAPIXABA EMPRESA JÚNIOR FABAVI VITÓRIA DIRETORIA DE PROJETOS SOCIAIS PROJETO DE PESQUISA Projeto: CESTA BÁSICA DA CLASSE MÉDIA CAPIXABA Período: Janeiro a Dezembro de 2012 Vitória, dezembro de 2012 Cesta Básica

Leia mais

RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO

RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO PANORAMA SEMANA DE 21 A 25 DE SETEMBRO de 2009 Semana de preço estável no mercado de Boi Gordo no Rio Grande do Sul, com o preço encerrando a semana a R$ 4,61/kg carcaça.

Leia mais

Palestras Scot Consultoria

Palestras Scot Consultoria Palestras Scot Consultoria índice palestras scot consultoria As melhores e mais fiéis informações de mercado vão até você temas 3 pecuária de corte e seus derivados temas 5 pecuária de leite e derivados

Leia mais

InfoCarne Informativo Sinduscarne: Notícias do setor da carne Edição 27

InfoCarne Informativo Sinduscarne: Notícias do setor da carne Edição 27 21 de Dezembro de 2015 InfoCarne Informativo Sinduscarne: Notícias do setor da carne Edição 27 Nesta Edição Destaque Guia para o Exportador é lançado na FIEMG / apoio do Sinduscarne A FORÇA DA INDÚSTRIA

Leia mais

BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014

BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014 BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014 Milho: Os preços no mercado brasileiro ficaram estáveis e até mesmo um pouco mais baixos em algumas praças. A incerteza dos produtores quanto à produtividade do milho

Leia mais

BOLETIM EMPREGO Setembro 2014

BOLETIM EMPREGO Setembro 2014 Introdução A seguir são apresentados os últimos resultados disponíveis sobre o emprego no Brasil, com foco no ramo Metalúrgico. Serão utilizadas as bases de dados oficiais, são elas: a RAIS (Relação Anual

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA "LUIZ DE QUEIROZ"

DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ Na média, pecuarista ganha da inflação em setembro Em setembro, o custo efetivo da pecuária, pesquisado pela CNA/Cepea-USP, teve alta de apenas 0,22%, enquanto que a inflação medida pelo IGP-M alcançou

Leia mais

Workshop - Mercado Imobiliário

Workshop - Mercado Imobiliário Workshop - Mercado Imobiliário Workshop - Mercado Imobiliário Workshop - Mercado Imobiliário 1. O que está acontecendo com o Brasil? 2. Por que o Brasil é a bola da vez? 3. Por que o Mercado imobiliário

Leia mais

Pesquisa APAS/LatinPanel mostra as principais marcas na preferência dos consumidores brasileiros

Pesquisa APAS/LatinPanel mostra as principais marcas na preferência dos consumidores brasileiros Pesquisa APAS/LatinPanel mostra as principais marcas na preferência dos consumidores brasileiros Estudo Mais Mais A Escolha do Consumidor aponta que em 79% das 94 categorias de produtos pesquisadas houve

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

Edição 24 (Novembro/2013) Cenário Econômico A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2013: UM PÉSSIMO ANO Estamos encerrando o ano de 2013 e, como se prenunciava, a

Edição 24 (Novembro/2013) Cenário Econômico A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2013: UM PÉSSIMO ANO Estamos encerrando o ano de 2013 e, como se prenunciava, a Edição 24 (Novembro/2013) Cenário Econômico A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2013: UM PÉSSIMO ANO Estamos encerrando o ano de 2013 e, como se prenunciava, a economia nacional registra um de seus piores momentos

Leia mais

OPORTUNIDADES PARA A PRODUÇÃO DE LEITE NO BRASIL

OPORTUNIDADES PARA A PRODUÇÃO DE LEITE NO BRASIL OPORTUNIDADES PARA A PRODUÇÃO DE LEITE NO BRASIL 1. Produção de Leite Rodrigo Sant`Anna Alvim 1 O Brasil conta com um setor leiteiro que vem crescendo substancialmente nos últimos anos. Grande importador

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE Painel 8: O papel de Instituições Públicas para Desenvolvimento da Cacauicultura Brasileira O Cacau e a Agricultura Familiar Adriana

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Junio 2011 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

PANORAMA DA PRODUÇÃO DE LEITE EM PASTAGENS NO BRASIL

PANORAMA DA PRODUÇÃO DE LEITE EM PASTAGENS NO BRASIL PANORAMA DA PRODUÇÃO DE LEITE EM PASTAGENS NO BRASIL ALICE: Gato, qual o caminho correto? GATO: Depende Alice... Para onde você quer ir? ALICE: Não sei, estou perdida. GATO: Para quem não sabe onde quer

Leia mais

PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA E CONSUMO INTERNO BRASILEIRO

PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA E CONSUMO INTERNO BRASILEIRO PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA E CONSUMO INTERNO BRASILEIRO WESP-GUTERRES, Caroline 1 ; TEIXEIRA, José Domingos Lemos 1 ; ARALDI,Daniele Furian 2 Palavras-Chave: Brasil. Consumo de carne. Bovinocultura. Introdução

Leia mais

REGIONAL CENTRO-OESTE

REGIONAL CENTRO-OESTE REGIONAL CENTRO-OESTE SOJA DESPONTA NO CENTRO-OESTE, REDUZINDO ÁREAS DE MILHO VERÃO E ALGODÃO A produção de soja despontou no Centro-Oeste brasileiro nesta safra verão 2012/13, ocupando áreas antes destinadas

Leia mais

Orgânicos e desenvolvimento sustentável

Orgânicos e desenvolvimento sustentável Orgânicos e desenvolvimento sustentável SÉRGIO ANGHEBEN Gestor do Programa Desenvolvimento Rural Sustentável da Itaipu Binacional A princípio, gostaria de chamar atenção no quadro 1 para a área plantada

Leia mais

Associação Brasileira de Supermercados Nº49 ECONOMIA. Honda: ritmo de vendas de janeiro foi positivo. Nesta edição:

Associação Brasileira de Supermercados Nº49 ECONOMIA. Honda: ritmo de vendas de janeiro foi positivo. Nesta edição: Associação Brasileira de Supermercados Nº49 ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 26 de Fevereiro de 2015 Setor inicia o ano com crescimento real de 3,42% Em janeiro de 2015

Leia mais

A PRODUCAO LEITEIRA NOS

A PRODUCAO LEITEIRA NOS A PRODUCAO LEITEIRA NOS ESTADOS UNIDOS Estatisticas A produção leiteira durante Janeiro de 2012 superou os 7 bilhões de kg, 3.7% acima de Janeiro de 2011. A produção por vaca foi em media 842 kg em Janeiro,

Leia mais

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA)

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Relatório com as principais notícias divulgadas pela mídia

Leia mais

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os Desempenho da Agroindústria em 2004 Em 2004, a agroindústria obteve crescimento de 5,3%, marca mais elevada da série histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003),

Leia mais

Agronegócio. Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ. Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze. 41 3379 8719 brandalizze@uol.com.

Agronegócio. Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ. Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze. 41 3379 8719 brandalizze@uol.com. Agronegócio Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze 41 3379 8719 brandalizze@uol.com.br GRÃOS Produção (milhões de T. USDA - Fevereiro de 2014; Projeções

Leia mais

CONJUNTURA ECONÔMICA

CONJUNTURA ECONÔMICA CONJUNTURA ECONÔMICA O mês de março de 2015 foi marcado pelo anúncio dos principais resultados da economia de 2014 e deste início de 2015. Dentre eles destacaramse o PIB, taxa de desemprego nas principais

Leia mais

LEITE E DERIVADOS JULHO / 2013 /2009

LEITE E DERIVADOS JULHO / 2013 /2009 LEITE E DERIVADOS JULHO / 2013 /2009 1. Mercado nacional: preços pagos ao produtor e produção histórica e estimada no Mercosul Os preços nominais médios brutos 1 pagos ao produtor em julho, ponderados

Leia mais

CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO

CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO O Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio brasileiro estimado pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e pelo Centro de Estudos Avançados

Leia mais

Fortaleza, 4 de novembro de 2013.

Fortaleza, 4 de novembro de 2013. Fortaleza, 4 de novembro de 2013. Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco Central do Brasil, no V Fórum Banco Central sobre Inclusão Financeira Senhoras e senhores, boa tarde a todos.

Leia mais

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de Desempenho da Agroindústria No fechamento do primeiro semestre de 2005, a agroindústria registrou crescimento de 0,3%, taxa bastante inferior à assinalada pela média da indústria brasileira (5,0%) no mesmo

Leia mais

Enfrentando os Desafios Para Criar Competitividade Sustentável

Enfrentando os Desafios Para Criar Competitividade Sustentável SIMPÓSIO REGIONAL DE BOVINOCULTURA DE LEITE Guarapuava,07/10/2015 Enfrentando os Desafios Para Criar Competitividade Sustentável Ronei Volpi Coordenador Geral da Aliança Láctea Sul Brasileira Competitividade

Leia mais

O Brasil Sem Miséria é um Plano de metas para viabilizar o compromisso ético ousado do Governo da presidenta

O Brasil Sem Miséria é um Plano de metas para viabilizar o compromisso ético ousado do Governo da presidenta O Brasil Sem Miséria é um Plano de metas para viabilizar o compromisso ético ousado do Governo da presidenta Dilma Rousseff. É também um desafio administrativo e de gestão ao impor ao setor público metas

Leia mais

Projeto PODEMOS MAIS E MELHOR

Projeto PODEMOS MAIS E MELHOR Projeto PODEMOS MAIS E MELHOR Mostra Local de: Londrina Categoria do projeto: I Projetos em Andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: "PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE RIBEIRÃO

Leia mais

AGRÍCOLA NO BRASIL. Prefácio. resultados do biotecnologia: Benefícios econômicos da. Considerações finais... 7 L: 1996/97 2011/12 2021/22...

AGRÍCOLA NO BRASIL. Prefácio. resultados do biotecnologia: Benefícios econômicos da. Considerações finais... 7 L: 1996/97 2011/12 2021/22... O OS BENEFÍCIOS ECONÔMICOS DA BIOTECNOLOGIA AGRÍCOLA NO BRASIL L: 1996/97 2011/12 O caso do algodão geneticamente modificado O caso do milho geneticamente modificado O caso da soja tolerante a herbicida

Leia mais

fls. 776 Se impresso, para conferncia acesse o site http://esaj.tjsc.jus.br/esaj, informe o processo 0300287-79.2015.8.24.0175 e o cdigo 353F682.

fls. 776 Se impresso, para conferncia acesse o site http://esaj.tjsc.jus.br/esaj, informe o processo 0300287-79.2015.8.24.0175 e o cdigo 353F682. fls. 776 fls. 777 fls. 778 fls. 779 fls. 780 fls. 781 fls. 782 fls. 783 1/107 LAUDODEAVALIAÇÃO ECONÔMICA fls. 784 2/107 Códigodoimóvel NomedoImóvel Endereço Bairro Cidade UF Proprietário Documento RegistrodeImóveis

Leia mais

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA ABRAMGE-RS Dr. Francisco Santa Helena Presidente da ABRAMGE-RS Sistema ABRAMGE 3.36 milhões de internações; 281.1 milhões de exames e procedimentos ambulatoriais; 16.8

Leia mais

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 A economia piauiense, em 2008, apresentou expansão em volume do Produto Interno Bruto (PIB) de 8,8% em relação ao ano anterior. Foi a maior taxa de crescimento

Leia mais

Produzir Leite é Bom Negócio? Alto Paranaíba. Sebastião Teixeira Gomes

Produzir Leite é Bom Negócio? Alto Paranaíba. Sebastião Teixeira Gomes Produzir Leite é Bom Negócio? Alto Paranaíba Sebastião Teixeira Gomes Viçosa Novembro 1996 1 Índice Especificação Página 1. Introdução... 2 2. Notas Metodológicas... 2 3. Recursos Disponíveis... 3 4. Raça

Leia mais

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores:

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores: SEGURIDADE ALIMENTARIA: apuesta por la agricultura familiar Seminario: Crisis alimentaria y energética: oportunidades y desafios para América Latina e el Caribe O cenário mundial coloca os preços agrícolas

Leia mais

O AMBIENTE ECONÔMICO. Boletim n.º 05 1º trimestre de 2013. Taxa de juros - SELIC (fixada pelo Comitê de Política Monetária COPOM)

O AMBIENTE ECONÔMICO. Boletim n.º 05 1º trimestre de 2013. Taxa de juros - SELIC (fixada pelo Comitê de Política Monetária COPOM) Boletim n.º 05 1º trimestre de O AMBIENTE ECONÔMICO Taxa de juros - SELIC (fixada pelo Comitê de Política Monetária COPOM) Atividade econômica A economia brasileira, medida pelo desempenho do Produto Interno

Leia mais

Em janeiro, preço da cesta só cai em duas capitais

Em janeiro, preço da cesta só cai em duas capitais 1 São Paulo, 06 de fevereiro de 2012. NOTA À IMPRENSA Em janeiro, preço da cesta só cai em duas capitais Apenas duas, das 17 capitais onde o DIEESE - Departamento Intersindical de Estatística e Estudos

Leia mais

LEITE E DERIVADOS AGOSTO / 2014 /2014/2009

LEITE E DERIVADOS AGOSTO / 2014 /2014/2009 LEITE E DERIVADOS AGOSTO / 2014 /2014/2009 1. Mercado nacional 1.1 Preços pagos ao produtor Os preços nominais médios brutos 1 pagos ao produtor em agosto, ponderados pela produção, dos sete estados pesquisados

Leia mais

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE realizou, em outubro, o primeiro prognóstico para

Leia mais

VALORIZAÇÃO DO BEZERRO ATRAI ATENÇÃO PARA A CRIA

VALORIZAÇÃO DO BEZERRO ATRAI ATENÇÃO PARA A CRIA Ano 6 - Edição 25 Agosto 2014 VALORIZAÇÃO DO BEZERRO ATRAI ATENÇÃO PARA A CRIA Por Prof. Dr. Sergio De Zen, Pesquisador; Equipe Pecuária de Corte As cotações praticadas em todos os elos da cadeia pecuária

Leia mais

Os bancos públicos e o financiamento para a retomada do crescimento econômico

Os bancos públicos e o financiamento para a retomada do crescimento econômico Boletim Econômico Edição nº 87 outubro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Os bancos públicos e o financiamento para a retomada do crescimento econômico 1 O papel dos bancos

Leia mais

EMATER PARANÁ CONDOMÍNIOS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL: UMA PROPOSTA DE MELHORAMENTO GENÉTICO EM BOVINOS DE LEITE NO MUNICÍPIO DE TOLEDO PR.

EMATER PARANÁ CONDOMÍNIOS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL: UMA PROPOSTA DE MELHORAMENTO GENÉTICO EM BOVINOS DE LEITE NO MUNICÍPIO DE TOLEDO PR. EMATER PARANÁ CONDOMÍNIOS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL: UMA PROPOSTA DE MELHORAMENTO GENÉTICO EM BOVINOS DE LEITE NO MUNICÍPIO DE TOLEDO PR. Gelson Hein Médico Veterinário Unidade Local de Toledo NOVEMBRO

Leia mais

O AGRONEGÓCIO DO PALMITO NO BRASIL:

O AGRONEGÓCIO DO PALMITO NO BRASIL: O AGRONEGÓCIO DO PALMITO NO BRASIL: UMA ATUALIZAÇÃO Aníbal Rodrigues - anibal@iapar.br Pesquisador - Área de Sócioeconomia Instituto Agronômico do Paraná IAPAR, Curitiba - PR 1 Introdução 2 Metodologia

Leia mais

CLIPPING 06/02/2014 Acesse: www.cncafe.com.br

CLIPPING 06/02/2014 Acesse: www.cncafe.com.br CLIPPING Acesse: www.cncafe.com.br Após altas, produtor não deve exercer opção de venda de café Valor Econômico Tarso Veloso e Carine Ferreira Após a sequência de altas do café arábica na bolsa de Nova

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA)

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Relatório com as principais notícias divulgadas pela mídia

Leia mais

SETOR DE ALIMENTOS: estabelecimentos e empregos formais no Rio de Janeiro

SETOR DE ALIMENTOS: estabelecimentos e empregos formais no Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL SETOR DE ALIMENTOS: estabelecimentos e empregos formais no Rio de Janeiro OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, DEZEMBRO DE 2012 18 2012 PANORAMA GERAL

Leia mais

A CADEIA PRODUTIVA DO LEITE

A CADEIA PRODUTIVA DO LEITE 25 Roberto H. Jank Jr. 1 A CADEIA PRODUTIVA DO LEITE SÍNTESE RETROSPECTIVA O Brasil é o sexto maior produtor mundial de leite e deverá ser o terceiro nos próximos 5 anos, mantidas as nossas atuais taxas

Leia mais

A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento

A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento Duarte Vilela chgeral@cnpgl.embrapa.br Audiência Pública - 18/05/2010 Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento

Leia mais

VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO

VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO 1. Crescimento Econômico Conceitua-se crescimento econômico como "o aumento contínuo do Produto Interno Bruto (PIB) em termos globais e per capita,

Leia mais

Sistemas de Produção de Leite Prof. Geraldo Tadeu dos Santos

Sistemas de Produção de Leite Prof. Geraldo Tadeu dos Santos Sistemas de Produção de Leite Prof. Geraldo Tadeu dos Santos É Exite uma grande diversidade dos sistemas de produção de leite praticados nos vários países produtores Argentina Austrália Nova Zelândia É

Leia mais

INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA

INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA TEL +55 34 3229 1313 FAX +55 34 3229 4949 celeres@celeres.com.br celeres.com.br IB13.02 16 de dezembro de 2013 INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA Conteúdo Análise Geral... 2 Tabelas... 5 Figuras Figura 1. Adoção

Leia mais

SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA DA PRODUÇÃO DE LEITE EM UMA UNIDADE DE PRODUÇÃO FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MIRAGUAI - RS

SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA DA PRODUÇÃO DE LEITE EM UMA UNIDADE DE PRODUÇÃO FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MIRAGUAI - RS SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA DA PRODUÇÃO DE LEITE EM UMA UNIDADE DE PRODUÇÃO FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MIRAGUAI - RS José Rubens Hermann dos Santos 1 ; Anderson Clayton Rhoden 2, Fabiana Raquel Mühl 3, Neuri

Leia mais

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita)

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita) Fornecer aos agentes envolvidos no agronegócio, notadamente as indústrias de insumos agropecuários e de alimentos, além dos produtores, Governo e academia, informações estratégicas sobre a dinâmica futura

Leia mais

Conjuntura do Leite Demanda de Importações

Conjuntura do Leite Demanda de Importações ARQ_86.DOC Conjuntura do Leite Demanda de Importações Março/95 ÍNDICE Págin a 1. INTRODUÇÃO... 3 2. O LEITE E AS POLÍTICAS PÚBLICAS... 3 3. COMPETITIVIDADE INTERNACIONAL DOS DERIVADOS DO LEITE... 5 4.

Leia mais

EFEITOS DO LEITE LONGA VIDA NO MERCADO DE SÃO PAULO

EFEITOS DO LEITE LONGA VIDA NO MERCADO DE SÃO PAULO EFEITOS DO LEITE LONGA VIDA NO MERCADO DE SÃO PAULO Sebastião Teixeira Gomes 1 1. INTRODUÇÃO Este documento representa a contribuição da Federação da Agricultura do Estado de São Paulo (FAESP), através

Leia mais

Alta do dólar reforça aumento dos custos de produção

Alta do dólar reforça aumento dos custos de produção Alta do dólar reforça aumento dos custos de produção Por Prof. Dr. Sergio De Zen e Graziela Correr; Equipe Pecuária de Corte Se, de um lado, a forte alta do dólar frente ao Real tem contribuído para elevar

Leia mais

110,0 105,0 100,0 95,0 90,0 85,0 80,0

110,0 105,0 100,0 95,0 90,0 85,0 80,0 BOI GORDO O ano de 2013 registrou preços elevados para a arroba do boi gordo, em todas as praças pecuárias acompanhadas pelo Sistema FAEB/SENAR. No acumulado do ano, foram verificadas as seguintes valorizações:

Leia mais

Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer

Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer A demanda crescente nos mercados interno e externo por combustíveis renováveis, especialmente o álcool, atrai novos investimentos para a formação

Leia mais

Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra

Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra Ano 8 Edição 15 - Setembro de 2015 Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra A forte valorização do dólar frente ao Real no decorrer deste ano apenas no período de

Leia mais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais Alexandre Sylvio Vieira da Costa 1 1.Engenheiro Agrônomo. Professor Universidade Vale do Rio Doce/Coordenador Adjunto da Câmara

Leia mais

Cesta básica tem alta moderada na maioria das capitais

Cesta básica tem alta moderada na maioria das capitais 1 São Paulo, 06 de julho de 2009. NOTA À IMPRENSA Cesta básica tem alta moderada na maioria das capitais Em junho, a Pesquisa Nacional da Cesta Básica, realizada pelo DIEESE - Departamento Intersindical

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Crise Mundo Os EUA e a Europa passam por um forte processo de desaceleração economica com indicios de recessão e deflação um claro sinal de que a crise chegou

Leia mais

CONJUNTURA DE SAFRAS, OU MAIS DO MESMO: EXPANSÃO DA FRONTEIRA AGRÍCOLA COM SOJA EM 2015/16

CONJUNTURA DE SAFRAS, OU MAIS DO MESMO: EXPANSÃO DA FRONTEIRA AGRÍCOLA COM SOJA EM 2015/16 CONJUNTURA DE SAFRAS, OU MAIS DO MESMO: EXPANSÃO DA FRONTEIRA AGRÍCOLA COM SOJA EM 2015/16 A Companhia Nacional do Abastecimento (Conab), divulgou recentemente sua primeira estimativa para a safra brasileira

Leia mais

TRIGO Período de 02 a 06/11/2015

TRIGO Período de 02 a 06/11/2015 TRIGO Período de 02 a 06//205 Tabela I - PREÇO PAGO AO PRODUTOR (em R$/60 kg) Centro de Produção Unid. 2 meses Períodos anteriores mês (*) semana Preço Atual PR 60 kg 29,56 35,87 36,75 36,96 Semana Atual

Leia mais

INTRODUÇÃO PRINCIPAIS DESTAQUES DO 2º TRIMESTRE DE 2009 DESEMPENHO DO SETOR

INTRODUÇÃO PRINCIPAIS DESTAQUES DO 2º TRIMESTRE DE 2009 DESEMPENHO DO SETOR INTRODUÇÃO A LAEP Investments Ltd. foi constituída em junho de 2007 visando capturar oportunidades no setor lácteo no Brasil e no exterior, tanto na integração da cadeia produtiva do leite, quanto no beneficiamento

Leia mais

Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária

Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária fevereiro de 2013. 1 - Considerações Iniciais A Suinocultura é uma das atividades da agropecuária mais difundida e produzida no mundo. O porco, espécie

Leia mais

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo.

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo. 1 MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo Maio/ 2014 Metodologia 2 Metodologia 3 Técnica Pesquisa quantitativa,

Leia mais

Política de C & T > Indicadores O retorno do investimento Avaliação revela alto grau de eficiência em quatro programas da FAPESP Fabrício Marques

Política de C & T > Indicadores O retorno do investimento Avaliação revela alto grau de eficiência em quatro programas da FAPESP Fabrício Marques Pesquisa FAPESP - Maio 2008 - Edição 147 Política de C & T > Indicadores O retorno do investimento Avaliação revela alto grau de eficiência em quatro programas da FAPESP Fabrício Marques Quatro grandes

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul GESTÃO FINANCEIRA para ficar no azul índice 03 Introdução 04 Capítulo 1 O que é gestão financeira? 06 Capítulo 2 Gestão financeira e tomada de decisões 11 13 18 Capítulo 3 Como projetar seu fluxo financeiro

Leia mais

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS APRESENTAÇÃO A Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico SEPLAN em parceria com a SUFRAMA e sob a coordenação

Leia mais

NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014

NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014 NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014 Março 2015 1 NOTA CEMEC 03/2015 SUMÁRIO Os dados de Contas Nacionais atualizados até o terceiro trimestre de 2014 revelam a continuidade da

Leia mais

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 1. INTRODUÇÃO O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), por meio da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), realiza sistematicamente

Leia mais

O que é o Fundo? Que diferença ele fará para SFX? Qual é o objetivo do Fundo?

O que é o Fundo? Que diferença ele fará para SFX? Qual é o objetivo do Fundo? O que é o Fundo? O Fundo Terra Verde é uma fonte de financiamento para o desenvolvimento sustentável de São Félix do Xingu (SFX), no sudeste do Pará. Ele é um mecanismo privado e tem como objetivo captar,

Leia mais

AGROINDÚSTRIA. O BNDES e a Agroindústria em 1998 BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 INTRODUÇÃO 1.

AGROINDÚSTRIA. O BNDES e a Agroindústria em 1998 BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 INTRODUÇÃO 1. AGROINDÚSTRIA BNDES FINAME BNDESPAR ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 O BNDES e a Agroindústria em 1998 INTRODUÇÃO Este informe apresenta os principais dados sobre os desembolsos do BNDES

Leia mais

Conexões Sustentáveis São Paulo Amazônia Quem se beneficia com a destruição da Amazônia Edição 2011

Conexões Sustentáveis São Paulo Amazônia Quem se beneficia com a destruição da Amazônia Edição 2011 Caso: O desmatamento ilegal do bife Link: http://reporterbrasil.org.br/conexoes/?p=147 Íntegra do posicionamento das empresas JBS Friboi 1) Quais as ações realizadas pela empresa para evitar, em sua cadeia

Leia mais

Ovinocultura de Leite. Uma alternativa de renda às famílias rurais.

Ovinocultura de Leite. Uma alternativa de renda às famílias rurais. Ovinocultura de Leite Uma alternativa de renda às famílias rurais. Área de abragência Oeste, Meio Oeste, Alto Uruguai e Extremo Oeste Catarinense. 53% dos estabelecimentos rurais e 67% da área total rural.

Leia mais

Valor da Cesta Básica aumenta em 12 cidades

Valor da Cesta Básica aumenta em 12 cidades 1 São Paulo, 06 de novembro de 2014. NOTA À IMPRENSA Valor da Cesta Básica aumenta em 12 cidades Em outubro, houve aumento dos preços do conjunto de bens alimentícios essenciais em 12 das 18 cidades onde

Leia mais

Grupo de pesquisa: 1) Comercialização, Mercados e Preços Agrícolas FORMA DE APRESENTAÇÃO ORAL COM DEBATEDOR

Grupo de pesquisa: 1) Comercialização, Mercados e Preços Agrícolas FORMA DE APRESENTAÇÃO ORAL COM DEBATEDOR Leandro Augusto Ponchio CPF: 283.568.088-80 Pesquisador do CEPEA/ESALQ/USP Rua Pádua Dias, 11 Caixa postal 132 CEP: 13.400-970 Piracicaba-SP. e-mail: laponchi@esalq.usp.br Alexandre Lopes Gomes CPF: 030.071.446-71

Leia mais

CONJUNTURA 24.05.2010 FEIJÃO. João Ruas Gerência de Alimentos Básicos Superintendência de Gestão da Oferta

CONJUNTURA 24.05.2010 FEIJÃO. João Ruas Gerência de Alimentos Básicos Superintendência de Gestão da Oferta CONJUNTURA 24.05.2010 FEIJÃO João Ruas Gerência de Alimentos Básicos Superintendência de Gestão da Oferta MERCADO -Comportamento das principais cultivares plantadas no Brasil; -Situação da Safra 2009/2010;

Leia mais

Analfabetismo no Brasil

Analfabetismo no Brasil Analfabetismo no Brasil Ricardo Paes de Barros (IPEA) Mirela de Carvalho (IETS) Samuel Franco (IETS) Parte 1: Magnitude e evolução do analfabetismo no Brasil Magnitude Segundo estimativas obtidas com base

Leia mais

DADOS MINISTERIO DA CIENCIA, TECNOLOGIA E INOVACAO ÓRGÃO CONCEDENTE MINISTERIO DA CIENCIA, TECNOLOGIA E INOVACAO

DADOS MINISTERIO DA CIENCIA, TECNOLOGIA E INOVACAO ÓRGÃO CONCEDENTE MINISTERIO DA CIENCIA, TECNOLOGIA E INOVACAO DADOS OBJETO DO CONVÊNIO: Apoio à realização de Seminários com o tema Inclusão Social e Inovação para Produção Orgânica : : CNPJ: 01146526000147 UF: PR MODALIDADE: Convênio SITUAÇÃO: Prestação de Contas

Leia mais