Descrição de Técnica. Leopoldino Capelozza Filho*, José Antonio Zuega Capelozza** Palavras-chave: Diagrama. Straight-wire.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Descrição de Técnica. Leopoldino Capelozza Filho*, José Antonio Zuega Capelozza** Palavras-chave: Diagrama. Straight-wire."

Transcrição

1 Descrição de Técnica DIAO: Diagrama individual anatômico objetivo. Uma proposta para escolha da forma dos arcos na técnica de Straight-Wire, baseada na individualidade anatômica e nos objetivos de tratamento Leopoldino Capelozza Filho*, José Antonio Zuega Capelozza** Resumo Avaliar a forma dos arcos dentários com objetivo de definir, de modo individualizado, a forma dos arcos a serem utilizados no tratamento ortodôntico é conduta obrigatória. Este artigo sustenta a tese de que a individualização só é verdadeira quando permite que as intenções de tratamento, interagindo com as características anatômicas, definam a forma dos arcos. Para permitir a prática desse conceito, introduz o DIAO, um diagrama onde a forma dos arcos pode e deve ser definida com base neste princípio. Palavras-chave: Diagrama. Straight-wire. Introdução Os dentes dos seres humanos estão dispostos em forma de arcos. Esta determinação morfogenética para a espécie apresenta variações que caracterizam a individualidade permitida à oclusão e a face de seus membros. Todos estudos realizados com intenção de determinar estabilidade ou recidiva pós-tratamento ortodôntico, mostram que variações introduzidas de modo aleatório na forma e dimensões dos arcos são instáveis. Assim, respeito a forma original e expansões e protrusões feitas apenas quando justificadas, parecem constituir atitudes necessárias para atribuir, neste aspecto, estabilidade potencial para os casos tratados com Ortodontia. Ao analisar a forma do arco original de um paciente a ser tratado, o ortodontista precisa fazer algumas considerações antes de emitir o seu conceito sobre ela, incluindo o que manter e o que alterar durante o tratamento.os conceitos de normalidade, revistos principalmente nas duas últimas duas décadas do século passado, passam longe da simplificação de regras rígidas como o ideal da posição vertical de incisivos inferiores. Ao mesmo tempo dogmas, como o respeito à posição dos caninos inferiores e a necessidade da preservação da distância entre eles parecem confirmadas. O que se pretende neste artigo é, portanto, definir condutas para análise da forma dos arcos dentários, mais especificamente do inferior, considerando o diagnóstico e os objetivos do tratamento. Após isto, sugerir o uso de um guia que possa representar a forma do arco escolhido e de um diagrama que permita a construção dos arcos, que serão usados para tornar realidade a forma definida como ideal para o tipo de tratamento proposto para cada paciente. * Professor doutor da Faculdade de Odontologia da Universidade de São Paulo - USP-Bauru. Membro do setor de Ortodontia do HRAC - USP - Bauru. ** Especialista em Ortodontia, professor da Profis, Bauru. 84 R Clín Ortodon Dental Press, Maringá, v. 3, n. 5, p out./nov. 2004

2 Leopoldino Capelozza Filho, José Antonio Zuega Capelozza O diagnóstico Antes de examinar os modelos dos arcos dentários com objetivo de avaliar sua forma, especificamente para determinar o diagrama, é necessário que o diagnóstico já tenha sido formulado e as metas gerais do tratamento definidas. Neste ponto, provavelmente os arcos dentários já tenham sido examinados e influenciado o diagnóstico e o plano de tratamento. Só após isto é possível ter parâmetros para julgar o arco inferior, avaliando sua forma. Classicamente, a determinação da forma ideal dos arcos dentários pressupõe que os dentes devem ser colocados idealmente sobre a base óssea. Diagramas que se tornaram de uso corrente em nosso meio, como o de Interlandi 7 para a técnica de Edgewise e de Trevisi para Straight-Wire, obedecem a este critério. Isto é um ideal a ser buscado apenas para os pacientes candidatos a um tratamento corretivo pleno, seja ele ortodôntico ou ortodôntico cirúrgico 4. Como sabemos, eles são a minoria no universo ortodôntico, já que tratamentos compensatórios provavelmente sejam feitos em mais de 50% dos pacientes 1. Portanto, considerando esta realidade, não é razoável admitirmos esta premissa clássica de modo genérico, sob pena de estarmos definindo forma para arcos dentários não compatíveis com a intenção do tratamento. Para aclarar este conceito, admitamos que após a análise de um paciente, o diagnóstico indique uma má oclusão do padrão III 4. Se a decisão for por um tratamento compensatório, o exame do arco dentário deveria considerar a compensação já presente, avaliar o que pode ser mantido e o que necessita ser eliminado. Admitindo o caráter conservador do tratamento compensatório 5, muito provavelmente apenas a excrescência criada pela compensação, como por exemplo o freqüente apinhamento na região dos incisivos inferiores, necessita obrigatoriamente ser eliminada. Se este tratamento compensatório, que estamos hipoteticamente analisando, for para uma má oclusão do padrão III tratada em época adequada 4, após o final do surto de crescimento facial, provavelmente este apinhamento deverá ser tratado com redução da massa dentária. Isto significa que ao definir o limite anterior do arco dentário inferior, a meta será mantê-lo onde está ou torná-lo mais retrusivo, se possível e necessário for. O diagnóstico determinará isto, e a curvatura anterior do arco considerado para o tratamento deste paciente deveria incorporar esta intenção. Se, ao contrário, estivéssemos tratando com intenção compensatória uma má oclusão do padrão II 4, muito provavelmente um apinhamento na região dos incisivos inferiores deveria ser tratado com protrusão destes dentes. Isto significa aceitar ou introduzir a compensação. Com certeza, a meta não seria retruir estes dentes. De qualquer modo, seu diagnóstico indicará o que fazer e a curvatura anterior do arco considerado ideal para o tratamento deste paciente, deveria incorporar esta intenção. Assim, se a meta for compensar, inclinando os incisivos inferiores para vestibular, a forma de arco deveria incorporar uma curvatura anterior protrusiva para incisivos. Ambas as ações para o arco inferior, aqui descritas como exemplo, teriam reflexos óbvios sobre o arco superior. Isto acontece, porque definida a forma para o arco inferior através do diagrama, a forma do arco superior será a mesma ampliada. Em outras palavras, conforme definido por Andrews no conceito original do Straight-Wire 2, os arcos superior e inferior usados nesta técnica devem ter a mesma forma, com o superior ampliado. O que se pretende com estas considerações, é introduzir o conceito de que as metas determinadas para o tratamento, seja uma inclinação vestibular de incisivos inferiores no tratamento compensatório de uma má oclusão do padrão II, ou a conduta oposta, obrigatória para as más oclusões do padrão III, devem ser consideradas e incorporadas na forma do arco na região pertinente. Isso significa que os arcos de nivelamento serão portadores da intenção manifesta no plano de tratamento. Outros exemplos serão dados nesse aspecto no decorrer da explanação feita aqui, mas essas, formuladas neste tópico, tentam justificar a necessidade de que o diagnóstico e as metas de tratamento já estejam definidas no momento de avaliar os arcos dentários para definição do diagrama. Parâmetros para definição das dimensões e forma dos arcos Distância inter-caninos inferiores Talvez esta seja uma das únicas unanimidades na Ortodontia. Dogma confirmado pelas pesquisas 10,11, a distância inter-caninos deve ser respeitada. Sempre? Sempre que estiver certa. Como sabemos, R Clín Ortodon Dental Press, Maringá, v. 3, n. 5, p out./nov

3 D I A O: Diagrama individual anatômico objetivo... em portadores de más oclusões, é relativamente freqüente o posicionamento inadequado dos caninos. Vítima da falta de espaço para irrupção dos incisivos inferiores, característica muito comum da espécie humana, muitas vezes o canino é obrigado a fazer uma irrupção atípica, ocupando um lugar fora daquele que seria o normal para ele. Nesta circunstância, sua posição deve ser considerada equivocada e a forma do arco escolhida deveria considerar sua correção. Muitas vezes isto é uma ocorrência unilateral e o canino melhor posicionado deveria servir como orientação a determinar a posição correta daquele mal posicionado. Ainda nesta área e considerando o apinhamento, muitas vezes extrações são indicadas para correção da discrepância de massa dentária. Mais freqüentemente, primeiros pré molares são os dentes de escolha para resolver esta incompatibilidade entre massa dentária e óssea. O espaço criado para corrigir este apinhamento anterior localiza-se, portanto, atrás dos caninos e exige seu movimento distal. A sugestão dos diagramas clássicos é que os caninos sejam movimentados nesta direção, com aumento de sua distância. Isso parece obrigatório por que a forma da mandíbula determina dimensões aumentadas para largura na direção distal, mas pode ser um equívoco se feito de maneira padronizada, sem considerar as condições de cada caso onde extrações são executadas. Esse movimento dos caninos para distal, com aumento na distância entre eles é condizente com a premissa de que este incremento seja potencialmente instável. A sugestão para tornar esse movimento mais consistente, é considerar individualmente cada caso e evitar que este movimento seja feito necessariamente com incremento da largura do arco nessa região dos caninos. Evitar isso parece consistente com a idéia de que alguma coisa equivocada tem sido feita durante o movimento dos caninos para distal em casos de extrações. A marcada recidiva obtida no apinhamento anterior observada a longo prazo 9, com a participação dos caninos, sugere que seu movimento distal obrigatório quando das extrações de pré molares, deveria ser feito, quando possível, sem aumento da distância entre eles. No tratamento compensatório, procedimento freqüentemente adotado no manejo das más oclusões com envolvimento esquelético, a posição do canino deve ser avaliada com perspectiva diferente. Um exemplo específico pode ser obtido a partir de uma má oclusão do padrão III. Nesta má oclusão os caninos tipicamente apresentam angulação diminuída 3,5, muitas vezes negativa, resultado de um movimento com intenção compensatória. Adicionalmente, estes dentes costumam apresentar uma rotação, com a colocação para vestibular da distal da coroa. Estes movimentos quase sempre provocam um aumento da distância inter caninos. Se o tratamento for compensatório, este aumento deverá ser mantido. De algum modo, mais freqüentemente com desgaste da massa dentária, o mau posicionamento (rotação) dos caninos deve ser eliminado, mas o dente mantido na posição. Considerando que a relação maxilomandibular que ocasionou a posição compensatória dos caninos será mantida no pós tratamento, sua ação determinante de forma continuará presente. Isto significa que respeitar a posição compensatória dos caninos, eliminando apenas a excrescência, é sensato na perspectiva de estabilidade futura. Como você sabe, se a intenção do tratamento para esta má oclusão do padrão III fosse corretiva, esta posição compensatória típica dos caninos inferiores deveria ser corrigida. O tratamento seria cirúrgico e, como bem expressa o nome, a fase descompensatória do tratamento ortodôntico, teria este objetivo. Nesta circunstância, a distância inter-caninos seria diminuída com um movimento para frente e para medial destes dentes. Adicionalmente, como já vimos neste artigo, a posição dos incisivos também deve ser considerada dentro de critérios anatômicos, mas considerando os objetivos do tratamento. Junto com a análise da distância inter-caninos, conforme sugerida aqui, temos uma nova perspectiva, mais realista e produtiva, para definirmos a curvatura do arco inferior. O que acabamos de discutir, nada mais é do que um reforço ao conceito de que as metas determinadas para o tratamento, devem ser consideradas e incorporadas na forma do arco na região pertinente. Isso significa que os arcos de nivelamento serão portadores da intenção manifesta no plano de tratamento. Distância inter-molares A largura do arco deve ser definida na região do primeiro molar inferior. A referência é a borda Wala 1, limite da gengiva inserida, facilmente visualizada 86 R Clín Ortodon Dental Press, Maringá, v. 3, n. 5, p out./nov. 2004

4 Leopoldino Capelozza Filho, José Antonio Zuega Capelozza quando do exame dos modelos dos arcos dentários pela vista oclusal. Arcos contornados de acordo com esta referência anatômica, determinariam a posição ideal dos molares, colocando esses dentes a uma distância de 2 mm do ponto EV (eixo vestibular da coroa clínica) à borda Wala 1. Este conceito pressupõe que se a distância do ponto EV dos molares à borda Wala estiver aumentada, os molares estarão atrésicos e, quando diminuída, os molares estarão expandidos. Se os demais dentes posteriores acompanharem a posição molar, esta definição a eles se aplica. Neste momento, depois do que já foi descrito neste artigo, você provavelmente já pressupõe o que vamos analisar. Repetindo o que foi aplicado à distância inter-caninos, o que fazer com a distância inter-molares também vai depender da intenção do tratamento. Considerando a mesma situação utilizada naquela análise, se o tratamento da má oclusão do padrão III for corretivo, a típica inclinação lingual dos dentes posteriores inferiores, molares incluídos 4, deverá ser eliminada. A forma do arco, escolhido de acordo com a borda Wala, promoverá uma expansão do arco dentário inferior permitindo a consecução deste objetivo. Se, ao contrário, o tratamento eleito for de caráter compensatório, a correção da atresia do arco dentário inferior será descartada e a borda Wala ignorada. A largura do arco inferior será determinada a partir da posição do molar, 2 mm distante do ponto EV, considerando apenas o que seria a espessura do acessório. Esta posição não ideal, mas resultado de uma compensação, deve ser aceita na conjuntura de um tratamento compensatório. Resumindo o que vimos até aqui, no hipotético exemplo que adotamos, analisando o arco dentário de uma má oclusão do padrão III, diagramas absolutamente diferentes serão escolhidos para um tratamento compensatório ou corretivo. Chamamos isto de influência do objetivo do tratamento sobre a forma dos arcos. Apresentação do diagrama O diagrama consiste em uma série de transparências (41), com desenhos de arcos com diferentes curvaturas (C1 - C7) combinadas com diferentes aberturas (Fig. 1). As curvaturas médias (C3, C4, C5) podem ser combinadas com sete aberturas (A1 a A7), enquanto as curvaturas extremas (menores e maiores) podem ser combinadas com cinco aberturas (A1 - A5). Esta combinação permite a opção de 41 formas de arcos diferentes que, provavelmente, atendam as necessidades mais freqüentes da prática ortodôntica. Além disso, para cada forma de arco, ou para cada transparência, são fornecidas 10 páginas com as formas dos arcos impressas em papel branco, o superior em cor preta e o inferior em cor vermelha (Fig. 1B). Após escolher a forma dos arcos através da transparência, a página correspondente a esta forma seria sacada do bloco, e serviria como base para construção dos arcos a serem utilizados no tratamento do paciente. Uso do diagrama Após o diagnóstico e plano de tratamento defini- a Figura 1 - Transparências A) e blocos de papel B) com a forma dos arcos superior (cor preta) e inferior (cor vermelha). b R Clín Ortodon Dental Press, Maringá, v. 3, n. 5, p out./nov

5 D I A O: Diagrama individual anatômico objetivo... dos, as transparências seriam utilizadas para definir uma forma para o arco inferior, compatível com as características anatômicas de normalidade e ou objetivos do tratamento. O arco superior, como já vimos, terá a mesma forma, ampliada. A curvatura anterior deve se ajustar à distância inter-caninos desejada e à posição dos incisivos pretendida, enquanto a abertura posterior do arco deve se ajustar à borda Wala e/ou à largura inter-molar desejável ao final do tratamento. Se você está lendo este artigo desde o princípio, não deve estar surpreso com estas opções, que podem parecer contraditórias. Em absoluto, elas não são. Obedecem ao critério de respeitar características de normalidade, não genéricas, mas sim a decantada normalidade individual. Como o normal é individual e apresenta-se sob múltiplas formas, o que propomos é definir o tipo de tratamento (corretivo ou compensatório) e, nessa perspectiva, definir se o ideal ou o aceitável será o critério a definir a forma do arco. O ideal é mais fácil de ser definido. É um ponto, aplicável aos indivíduos candidatos a um tratamento ortodôntico corretivo. Como sabemos 4, este tratamento é aplicável aos indivíduos normais com má oclusão ou portadores de más oclusões do padrão I. Além deles, os indivíduos com más oclusões relacionadas a discrepâncias esqueléticas, que criem desarmonias severas o suficiente para deixar a face desagradável e exigir intervenção ortodôntica e cirúrgica, também serão objeto de tratamento corretivo. O aceitável é uma faixa ampla de variações, condicionadas ao padrão de crescimento que determina a má oclusão. As más oclusões determinadas por discrepâncias no padrão de crescimento, quando presentes em indivíduos aceitáveis em termos de agradabilidade facial 4,6,8, devem ser tratadas de modo compensatório. Isto significa compactuar com posições dentárias diferentes da ideal, eliminando apenas as excrescências que, geralmente, constituem a queixa do paciente. Esta premissa, aplicável à maioria dos pacientes na clínica ortodôntica, abre um horizonte de possibilidades para a posição final dos dentes, incluindo curvatura anterior (distância inter caninos e posição dos incisivos) e largura dos arcos dentários. A definição destes parâmetros depende absolutamente do profissional, e deve resultar do diagnóstico e compor o plano de tratamento. Para exemplificar o uso do diagrama, os exemplos que seguem foram escolhidos com objetivo de permitir exercitar o escopo principal deste artigo, que visa introduzir o conceito da escolha da forma dos arcos dentários de um modo absolutamente individual. Desse modo, modelos dos arcos dentários de pacientes padrão III, adultos jovens, serão utilizados (Fig. 2, 3). Vamos admitir, para atingir nossos objetivos demonstrativos, duas hipóteses de tratamento. Na primeira (Fig. 2), tratamento ortodôntico descompensatório corretivo, preparatório para uma cirurgia ortognática, está indicado para esta má oclusão, porque o paciente apresenta uma face desagradável. Na segunda hipótese (Fig. 3), o tratamento seria ortodôntico compensatório, indicado porque a face do paciente é aceitável e há condições biológicas para sua realização. Definição do diagrama para tratamento corretivo A observação do arco inferior pela vista oclusal é o primeiro passo (Fig. 4A). Em seguida, de posse das transparências, algumas serão testadas e uma será escolhida de acordo com os preceitos já descritos para tratamento corretivo (Fig. 4B). Veja que a curvatura dos caninos escolhida, somada a um movimento destes dentes para frente e para mesial, significa dar a eles posição ideal, desmanchando a compensação. Este movimento vai diminuir a distância inter-caninos. Adicional e obrigatório é o movimento para vestibular dos incisivos, novamente buscando uma melhor posição na base óssea. Esta intenção, descompensar na busca da posição ideal dos dentes na base óssea, norteou a escolha da curvatura anterior C 4 para ser o modelo de forma desejada nesta área para o arco inferior. Definida a curvatura, passamos a analisar a abertura posterior do arco. Considerando que o tratamento é descompensatório, o ideal deve ser buscado. Esse parâmetro nessa região é a borda Wala (Fig. 4C), limite inferior da gengiva inserida. Mantendo sempre a curvatura escolhida, as transparências são testadas para a abertura e aquela coincidente com a borda Wala, A 6 é escolhida (Fig. 4D). Veja que existe inclinação lingual excessiva dos dentes posteriores inferiores, aumentando a distância do ponto EV à borda Wala. Isto caracteriza atresia dento alveolar típica das más oclusões do padrão III, e que será objeto de correção pela forma do arco escolhida. 88 R Clín Ortodon Dental Press, Maringá, v. 3, n. 5, p out./nov. 2004

6 Leopoldino Capelozza Filho, José Antonio Zuega Capelozza FIGURA 2 - Modelos dos arcos dentários de uma má oclusão do padrão III de uma paciente com face desagradável, com indicação de tratamento ortodôntico corretivo descompensatório e cirurgia ortognática. FIGURA 3 - Modelos dos arcos dentários de uma má oclusão do padrão III de uma paciente com face aceitável, com indicação de tratamento ortodôntico compensatório primário. Pronto! O diagrama para o arco inferior esta escolhido: C4-A6. O próximo passo é destacar o impresso correspondente, onde já está desenhado também o diagrama para o arco superior (Fig. 5E). Ambos os arcos são portadores de forma correspondentes e que somarão na intenção de descompensar os arcos dentár Clín Ortodon Dental Press, Maringá, v. 3, n. 5, p out./nov

7 D I A O: Diagrama individual anatômico objetivo... rios na fase pré-cirurgica do tratamento ortodôntico. No arco inferior, os movimentos determinados ao dentes geram espaço e, por si só, via de regra, são capazes de permitir a correção de forma desejável. No arco superior, a forma do arco com intenção de descompensar pode exigir espaço, que terá que ser fornecido pelo ortodontista, de algum modo que deve estar previsto no plano de tratamento. Após o final do nivelamento e alinhamento, os arcos dentários geridos pelo diagrama escolhido, parecerão ao exame clínico, estar em completo desacordo devido ao equívoco na relação sagital maxilo mandibular, mas em plena condição de relação, quando este erro for eliminado pela cirurgia. Isto deve ser avaliado pelo exame dinâmico dos modelos dos arcos dentários4 e, quando uma correta oclusão não for possível, provavelmente seja por erros de inclinação dos dentes posteriores. Na técnica de Straight-Wire, com braquetes programados, muitas vezes a prescrição da canaleta tem dificuldades para expressar plenamente, seja pelo calibre do fio ou pelas relações de mordida pré-cirurgia. Nesta situação, antes de pensar em alterar a forma dos arcos ditadas pelo diagrama, diligentemente escolhido, pense em introduzir torques no fio ou usar um fio de calibre máximo. Definição do diagrama para tratamento compensatório A observação do arco inferior pela vista oclusal é o primeiro passo (Fig. 5A). Em seguida, de posse das transparências, algumas serão testadas e uma será escolhida de acordo com os preceitos já descritos para tratamento compensatório (Fig. 5B). Veja que a curvatura dos caninos escolhida embora pressuponha um movimento do dente 43, em essência, mantém a forma original do arco na área dos caninos e incisivos. Isto significa manter a compensação e, potencial estabilidade, introduzida para estes dentes ao longo do tempo, por fatores que estarão presentes e com ação condicionante no pós tratamento. Adicional e obri- Ponto EV Borda Wala a b c C4-A6 DIAO d Paciente: No.: e figura 4 - O modelo do arco dentário é observado pela vista oclusal A) e a curvatura anterior escolhida através das transparências B), considerando a distância e posição dos caninos e incisivos. Para avaliar a largura molar, borda Wala e ponto EV são considerados C) e uma é escolhida através das transparências D). Com a curvatura anterior e a largura molar o diagrama está definido, permitindo separar o impresso correspondente E). 90 R Clín Ortodon Dental Press, Maringá, v. 3, n. 5, p out./nov. 2004

8 Leopoldino Capelozza Filho, José Antonio Zuega Capelozza gatório será o movimento dos incisivos para lingual e dos caninos para distal, com objetivo de permitir uma relação de trespasse horizontal e vertical aceitável. Este movimento será feito através da tração distal do arco e, portanto, sem alterar a distância inter-caninos e a forma da curvatura anterior. Esta intenção, manter a posição compensatória dos dentes na base óssea norteou a escolha desta curvatura anterior C 4 para ser o modelo de forma desejada nesta área para o arco inferior. Definida a curvatura, passamos a analisar a abertura posterior do arco. Considerando que o tratamento é compensatório, como regra, apenas a excrescência deve ser eliminada da forma original. O parâmetro ideal nessa região é a borda Wala (Fig. 5C), limite inferior da gengiva inserida. Veja que existe inclinação lingual dos dentes posteriores inferiores, o que caracteriza moderada atresia dento alveolar. Esta atresia compensatória típica das más oclusões do padrão III será ignorada, já que o objetivo do tratamento é manter a compensação. Deste modo, a abertura do arco deve contemplar a posição original do primeiro molar, passando a 2 mm (espessura do acessório) do ponto EV da face vestibular da coroa clínica deste dente. Mantendo sempre a curvatura escolhida, as transparências são testadas para a abertura e aquela coincidente com este parâmetro, A 7 é a escolhida (Fig. 5D). Pronto! O diagrama para o arco inferior esta escolhido: C4-A7. O próximo passo é destacar o impresso correspondente, onde já esta desenhado também o diagrama para o arco superior (Fig. 5E). Ambos os arcos são portadores de forma correspondentes e que somarão na intenção de manter a compensação possível nos arcos dentários. No arco superior, a forma do arco com intenção de manter Ponto EV a b Borda Wala c C4-A7 DIAO d Paciente: No.: e figura 5 - O modelo do arco dentário é observado pela vista oclusal A) e a curvatura anterior escolhida através das transparências B), considerando a distância e posição dos caninos e incisivos. Para avaliar a largura molar, borda Wala e ponto EV são considerados C) e uma é escolhida através das transparências D). Com a curvatura anterior e a largura molar o diagrama está definido, permitindo separar o impresso correspondente E). R Clín Ortodon Dental Press, Maringá, v. 3, n. 5, p out./nov

9 D I A O: Diagrama individual anatômico objetivo... ou criar compensação, gera espaço e, por si só, via de regra, permite efetuar a correção desejada na forma. Embora no exemplo que estamos a apresentar isto não se aplique, quando houver apinhamento, no arco inferior, será necessário criar espaço evitando protrusão. Este espaço terá de ser fornecido pelo ortodontista, de algum modo que deve ser previsto no plano de tratamento. Após o final do nivelamento e alinhamento, os arcos dentários geridos pelo diagrama escolhido, deverão estar em plena condição de relação. Os dentes geralmente estarão em posições dentro das bases ósseas parecidas com as do pré tratamento, exceto aquelas necessárias para permitir criar as relações oclusais pretendidas. Estas posições, se diferentes das consideradas ideais, são, para estes pacientes onde o tratamento compensatório foi indicado com base em um diagnóstico adequado, as melhores possíveis e potencialmente mais estáveis. Conclusão A mudança de conceitos de normalidade na Ortodontia contemporânea, impõe àqueles que a praticam, nova perspectiva para diagnóstico, plano de tratamento e prognóstico. A escolha de diagramas para a confecção dos arcos de trabalho, que determinam a forma dos arcos dentários, não foge a esta evolução. A escolha de diagramas baseada em características anatômicas dos pacientes, com dependência do tipo de tratamento adotado, é apresentada neste artigo como um esforço nessa direção. OAID: Objective Anatomic Individual Diagram. A proposal for choosing the form of the arches in the Straight-wire technique, based on both the anatomic individuality and the aims of the treatment Abstract Evaluating the dental arches with the purpose of defining, in a individualized way, the form of the arches to be used in the orthodontic treatment is a compulsory procedure. This article supports the thesis that individualization is only true when it allows that the intentions of the treatment, interacting with the anatomic characteristics, define the form of the arches. In order to put this concept into practice, an OAID is introduced, a diagram in which the form of the arches can and must be defined based on this principle. Key words: Diagram. Straight-wire. REFERÊNCIAS 1. ANDREWS, L.F. Entrevista. R Dental Press Ortodon Ortop Maxilar, Maringá, v. 2, n. 5, p. 6-7, set./out ANDREWS, L.F. Straight-wire: the concept and appliance. San Diego: L.A. Willes, AZEVEDO, L.R.; PERUZZO, C.D. Estudo comparativo do grau de angulação dos caninos permanentes em pacientes com má oclusão de Classe III: análise ortopantomográfica e computadorizada de modelos f. (Conclusão de Curso) Faculdade de Odontologia, Universidade Federal do Pará, Belém, CAPELOZZA FILHO, L. Diagnóstico em Ortodontia. Maringá: Dental Press, CAPELOZZA FILHO, L. et al. Individualização de braquetes na técnica de straight-wire: revisão de conceitos e sugestões de indicação para uso. R Dental Press Ortodon Ortop Facial, Maringá, v. 4, n. 4, p , jul./ago FLAQUER, L.M. Análise fotométrica em normas frontal de adultos brasileiros, leucodermas, não tratados ortodonticamente classificados pela estética facial Dissertação (Mestrado) - UMESP, São Paulo, INTERLANDI, S. Diagrama para contorneamento do arco de canto individual. Rev Ass Paul Crurg Dent, São Paulo, v. 18, n. 1, p 3-6, jan./fev REIS, S.A.B. Análise facial numérica e subjetiva do perfil e análise da relação oclusal sagital em brasileiros, adultos, leucodermas, não tratados ortodonticamente Dissertação (Mestrado) UMESP, São Paulo, RIEDEL, R.A.; LITTLE, R.M., BUI, T.D. Mandibular incisor extraction-postretention evaluation of stability and relapse. Angle Orthod, Appleton, v. 62, no. 2, p , Summer ZACHRISSON, B.U. Aspectos importantes da estabilidade a longo prazo. R Dental Press Ortodon Ortop Facial, Maringá, v. 3, n. 4, p , jul.ago ZACHRISSON, B.U. Important aspects of long-term stability. J Clin Orthod, Boulder, v. 31, no. 9, p , Sept., Endereço para correspondência: Leopoldino Capelozza Filho Rua Silvio Marchione, Bauru - SP CEP: R Clín Ortodon Dental Press, Maringá, v. 3, n. 5, p out./nov. 2004

Breve Panorama Histórico

Breve Panorama Histórico Análise Facial Breve Panorama Histórico Norman Kingsley Kingsley (final do séc.xix): s a articulação dos dentes secundária à aparência facial. Breve Panorama Histórico Edward Angle (in (início séc. s XX)

Leia mais

FECHAMENTO DE ESPAÇOS

FECHAMENTO DE ESPAÇOS FECHAMENTO DE ESPAÇOS Rua 144, n 77 - Setor Marista - Goiânia (GO) - CEP 74170-030 - PABX: (62) 278-4123 - 1 - Introdução Podemos definir essa etapa do tratamento ortodôntico como aquela onde o principal

Leia mais

Aparelho Arco E-1886E. Partes do aparelho

Aparelho Arco E-1886E. Partes do aparelho BRÁQUETES Aparelho Arco E-1886E Partes do aparelho Aparelho Arco E -1886 APARELHO PINO E TUBO - 1912 Arco Cinta -1915 Aparelho Edgewise - 1925 Braquete original Os primeiros bráquetes eram.022 de uma liga

Leia mais

Cotagem de dimensões básicas

Cotagem de dimensões básicas Cotagem de dimensões básicas Introdução Observe as vistas ortográficas a seguir. Com toda certeza, você já sabe interpretar as formas da peça representada neste desenho. E, você já deve ser capaz de imaginar

Leia mais

ANÁLISE DA DENTIÇÃO MISTA

ANÁLISE DA DENTIÇÃO MISTA 1 ANÁLISE DA DENTIÇÃO MISTA INTRODUÇÃO O período da dentição mista inicia-se por volta dos 6 anos de idade com a erupção dos primeiros molares permanentes, e termina ao redor dos 12 anos de idade, com

Leia mais

BOARD BRASILEIRO DE ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL

BOARD BRASILEIRO DE ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL Montagem das Pastas As pastas devem estar organizadas na seguinte ordem: I- Externo Página Título: colocar na capa frontal da pasta (a capa tem um envelope plástico para esta finalidade). BOARD BRASILEIRO

Leia mais

O Princípio da Complementaridade e o papel do observador na Mecânica Quântica

O Princípio da Complementaridade e o papel do observador na Mecânica Quântica O Princípio da Complementaridade e o papel do observador na Mecânica Quântica A U L A 3 Metas da aula Descrever a experiência de interferência por uma fenda dupla com elétrons, na qual a trajetória destes

Leia mais

Extração Seriada, uma Alternativa

Extração Seriada, uma Alternativa Artigo de Divulgação Extração Seriada, uma Alternativa Serial Extraction, an Alternative Procedure Evandro Bronzi Resumo A extração seriada é um procedimento ortodôntico que visa harmonizar

Leia mais

Série Aparelhos Ortodônticos

Série Aparelhos Ortodônticos Série Aparelhos Ortodônticos Em geral, o protocolo de tratamento nos casos de Classe III, principalmente naqueles com deficiência maxilar, tem sido a disjunção, seguida pela protração da ma-xila. De acordo

Leia mais

Aplicação da versatilidade do aparelho pré-ajustado MBT, nos casos que apresentam os incisivos laterais superiores em linguoversão

Aplicação da versatilidade do aparelho pré-ajustado MBT, nos casos que apresentam os incisivos laterais superiores em linguoversão Caso Clínico Aplicação da versatilidade do aparelho pré-ajustado MBT, nos casos que apresentam os incisivos laterais superiores em linguoversão Reginaldo César Zanelato*, Sáverio Mandetta**, Cássia Terezinha

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO APARELHO DE PROTRAÇÃO MANDIBULAR COMO ANCORAGEM PARA MESIALIZAÇÃO DE MOLARES INFERIORES: RELATO DE CASO CLÍNICO RESUMO

UTILIZAÇÃO DO APARELHO DE PROTRAÇÃO MANDIBULAR COMO ANCORAGEM PARA MESIALIZAÇÃO DE MOLARES INFERIORES: RELATO DE CASO CLÍNICO RESUMO 474 UTILIZAÇÃO DO APARELHO DE PROTRAÇÃO MANDIBULAR COMO ANCORAGEM PARA MESIALIZAÇÃO DE MOLARES INFERIORES: RELATO DE CASO CLÍNICO Fábio André Werlang 1 Marcos Massaro Takemoto 2 Prof Elton Zeni 3 RESUMO

Leia mais

BOARD BRASILEIRO DE ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL. http://www.bbo.org.br [acesso em 15/02/2009, 07h30] Especificação dos Casos quanto às Categorias

BOARD BRASILEIRO DE ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL. http://www.bbo.org.br [acesso em 15/02/2009, 07h30] Especificação dos Casos quanto às Categorias BOARD BRASILEIRO DE ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL http://www.bbo.org.br [acesso em 15/02/2009, 07h30] Especificação dos Casos quanto às Categorias A escolha dos casos a serem apresentados deverá seguir

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE Questionamento a alta direção: 1. Quais os objetivos e metas da organização? 2. quais os principais Produtos e/ou serviços da organização? 3. Qual o escopo da certificação? 4. qual é a Visão e Missão?

Leia mais

Sumário. 1. Instalando a Chave de Proteção 3. 2. Novas características da versão 1.3.8 3. 3. Instalando o PhotoFacil Álbum 4

Sumário. 1. Instalando a Chave de Proteção 3. 2. Novas características da versão 1.3.8 3. 3. Instalando o PhotoFacil Álbum 4 1 Sumário 1. Instalando a Chave de Proteção 3 2. Novas características da versão 1.3.8 3 3. Instalando o PhotoFacil Álbum 4 4. Executando o PhotoFacil Álbum 9 3.1. Verificação da Chave 9 3.1.1. Erro 0001-7

Leia mais

Bem-vindo ao tópico Múltiplas filiais.

Bem-vindo ao tópico Múltiplas filiais. Bem-vindo ao tópico Múltiplas filiais. 1 Ao final deste tópico, você estará apto a: Explicar as opções disponibilizadas com o recurso Múltiplas filiais. Definir as configurações necessárias para trabalhar

Leia mais

Descrição, passo a passo, do aparelho de Herbst com coroas de açoa. o superiores e splint removível vel inferior

Descrição, passo a passo, do aparelho de Herbst com coroas de açoa. o superiores e splint removível vel inferior Descrição, passo a passo, do aparelho de Herbst com coroas de açoa o superiores e splint removível vel inferior MORO, A.; et al. Descrição, passo a passo, do aparelho de Herbst com coroas de aço superiores

Leia mais

Aula 4 Estatística Conceitos básicos

Aula 4 Estatística Conceitos básicos Aula 4 Estatística Conceitos básicos Plano de Aula Amostra e universo Média Variância / desvio-padrão / erro-padrão Intervalo de confiança Teste de hipótese Amostra e Universo A estatística nos ajuda a

Leia mais

6. Pronunciamento Técnico CPC 23 Políticas Contábeis, Mudança de Estimativa e Retificação de Erro

6. Pronunciamento Técnico CPC 23 Políticas Contábeis, Mudança de Estimativa e Retificação de Erro TÍTULO : PLANO CONTÁBIL DAS INSTITUIÇÕES DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - COSIF 1 6. Pronunciamento Técnico CPC 23 Políticas Contábeis, Mudança de Estimativa e Retificação de Erro 1. Aplicação 1- As instituições

Leia mais

Desenhando perspectiva isométrica

Desenhando perspectiva isométrica Desenhando perspectiva isométrica A UU L AL A Quando olhamos para um objeto, temos a sensação de profundidade e relevo. As partes que estão mais próximas de nós parecem maiores e as partes mais distantes

Leia mais

O tipo facial e a morfologia do arco dentário no planejamento ortodôntico

O tipo facial e a morfologia do arco dentário no planejamento ortodôntico Caso Clínico O tipo facial e a morfologia do arco dentário no planejamento ortodôntico Alexandre de Almeida Ribeiro* Resumo A morfologia do arco dentário está relacionada diretamente com as demais partes

Leia mais

Desenho Técnico Sumário

Desenho Técnico Sumário Sumário 1 Introdução... 3 2 Classificação dos desenhos... 3 3 Formatos e tipo de papel... 6 4 Letras e Algarismos... 7 5 Escalas... 7 6 Carimbo ou Legenda... 8 7 Simbologia... 9 8 - Linhas e Traçados...

Leia mais

Preparação do Trabalho de Pesquisa

Preparação do Trabalho de Pesquisa Preparação do Trabalho de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Pesquisa Bibliográfica Etapas do Trabalho de Pesquisa

Leia mais

Corte total. Qualquer pessoa que já tenha visto um regis- A U L A

Corte total. Qualquer pessoa que já tenha visto um regis- A U L A A U L A 11 11 Corte total Introdução Qualquer pessoa que já tenha visto um regis- tro de gaveta, como o que é mostrado a seguir, sabe que se trata de uma peça complexa, com muitos elementos internos. Se

Leia mais

Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios. Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios.

Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios. Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios. Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios Caro (a) aluno (a), Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios. O Plano de Negócios deverá ter no máximo

Leia mais

Atividades lúdicas na educação o Caminho de tijolos amarelos do aprendizado.

Atividades lúdicas na educação o Caminho de tijolos amarelos do aprendizado. Atividades lúdicas na educação o Caminho de tijolos amarelos do aprendizado. Vania D'Angelo Dohme (Mackenzie) 1. Considerações iniciais Johan Huizinga foi um importante historiador alemão, que viveu entre

Leia mais

Tecnologia da Informação Prof. Mário Henrique de Souza Pardo Resumo Aula 4

Tecnologia da Informação Prof. Mário Henrique de Souza Pardo Resumo Aula 4 Tecnologia da Informação Prof. Mário Henrique de Souza Pardo Resumo Aula 4 1 MS-Excel Aplicando funções às suas fórmulas de Excel (continuação) Serão vistas, nesta aula as funções de busca e referência

Leia mais

Unidade 3: Personalizando o Excel *

Unidade 3: Personalizando o Excel * Unidade 3: Personalizando o Excel * material do 2010* 3.0 Introdução Visto que você está fazendo este curso, você provavelmente passa ou espera passar muito tempo trabalhando com o Excel. Assim, você precisa

Leia mais

Série Aparelhos Ortodônticos: Barra Transpalatina

Série Aparelhos Ortodônticos: Barra Transpalatina Série Aparelhos Ortodônticos barra transpalatina INTRODUÇÃO A barra transpalatina (BTP) tem sido aplicada na mecânica ortodôntica de forma crescente e em muitas situações clínicas. Isto pela característica

Leia mais

FAZEMOS MONOGRAFIA PARA TODO BRASIL, QUALQUER TEMA! ENTRE EM CONTATO CONOSCO!

FAZEMOS MONOGRAFIA PARA TODO BRASIL, QUALQUER TEMA! ENTRE EM CONTATO CONOSCO! FAZEMOS MONOGRAFIA PARA TODO BRASIL, QUALQUER TEMA! ENTRE EM CONTATO CONOSCO! DEFINIÇÃO A pesquisa experimental é composta por um conjunto de atividades e técnicas metódicas realizados para recolher as

Leia mais

Gerenciamento da Integração (PMBoK 5ª ed.)

Gerenciamento da Integração (PMBoK 5ª ed.) Gerenciamento da Integração (PMBoK 5ª ed.) O PMBoK diz que: O gerenciamento da integração do projeto inclui os processos e as atividades necessárias para identificar, definir, combinar, unificar e coordenar

Leia mais

Seminário de Avaliação Econômica de Projetos Sociais

Seminário de Avaliação Econômica de Projetos Sociais Seminário de Avaliação Econômica de Projetos Sociais Elaine Toldo Pazello FEA-RP / USP Rio de Janeiro, 24/10/2007 Objetivo contextualizar as avaliações que serão apresentadas a seguir elas foram efetuadas

Leia mais

É usual dizer que as forças relacionadas pela terceira lei de Newton formam um par ação-reação.

É usual dizer que as forças relacionadas pela terceira lei de Newton formam um par ação-reação. Terceira Lei de Newton A terceira lei de Newton afirma que a interação entre dois corpos quaisquer A e B é representada por forças mútuas: uma força que o corpo A exerce sobre o corpo B e uma força que

Leia mais

Como a palavra mesmo sugere, osteointegração é fazer parte de, ou harmônico com os tecidos biológicos.

Como a palavra mesmo sugere, osteointegração é fazer parte de, ou harmônico com os tecidos biológicos. PRINCIPAIS PERGUNTAS SOBRE IMPLANTES DENTÁRIOS. O que são implantes osseointegrados? É uma nova geração de implantes, introduzidos a partir da década de 60, mas que só agora atingem um grau de aceitabilidade

Leia mais

Reginaldo César Zanelato

Reginaldo César Zanelato Reginaldo César Zanelato Nos pacientes portadores da má oclusão de Classe II dentária, além das opções tradicionais de tratamento, como as extrações de pré-molares superiores e a distalização dos primeiros

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo VIII Riscos

Gerenciamento de Projetos Modulo VIII Riscos Gerenciamento de Projetos Modulo VIII Riscos Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

Implantes Dentários. Qualquer paciente pode receber implantes?

Implantes Dentários. Qualquer paciente pode receber implantes? Implantes Dentários O que são implantes ósseos integrados? São uma nova geração de implantes, introduzidos a partir da década de 6O, mas que só agora atingem um grau de aceitabilidade pela comunidade científica

Leia mais

Tópicos Avançados em Banco de Dados Gerenciamento de Transações em Banco de Dados. Prof. Hugo Souza

Tópicos Avançados em Banco de Dados Gerenciamento de Transações em Banco de Dados. Prof. Hugo Souza Tópicos Avançados em Banco de Dados Gerenciamento de Transações em Banco de Dados Prof. Hugo Souza Até agora vimos como é formada a infraestrutura física e lógica das bases de dados com os principais componentes

Leia mais

Técnicas de Normalização por Phaser

Técnicas de Normalização por Phaser Técnicas de Normalização por Phaser http://phpbrasil.com/articles/article.php/pagerrow/0/id/146 Dos fatores mais importantes no desenvolvimento de páginas dinâmicas é a definição de banco de dados. Se

Leia mais

OBJETIVO VISÃO GERAL SUAS ANOTAÇÕES

OBJETIVO VISÃO GERAL SUAS ANOTAÇÕES OBJETIVO Assegurar a satisfação do cliente no pós-venda, desenvolvendo um relacionamento duradouro entre o vendedor e o cliente, além de conseguir indicações através de um sistema de follow-up (acompanhamento).

Leia mais

Cotagem de elementos

Cotagem de elementos Cotagem de elementos Introdução Na aula anterior você estudou algumas regras para cotagem e aprendeu como indicar as cotas básicas da peça. Mas, só com essas cotas, não é possível produzir peças que tenham

Leia mais

FERRAMENTAS DA QUALIDADE

FERRAMENTAS DA QUALIDADE FERRAMENTAS DA QUALIDADE Docente: Dr. José Carlos Marques Discentes: Estêvão Andrade N.º 2089206 Maria da Luz Abreu N.º 2405797 Teodoto Silva N.º 2094306 Vitalina Cunha N.º 2010607 FERRAMENTAS DA QUALIDADE

Leia mais

Proposta para a Padronização das Tomadas Fotográficas Intrabucais, com Finalidade Ortodôntica

Proposta para a Padronização das Tomadas Fotográficas Intrabucais, com Finalidade Ortodôntica Artigo Inédito Relatos clínicos e de técnicas, investigações científicas e revisões literárias Proposta para a Padronização das Tomadas Fotográficas Intrabucais, com Finalidade Ortodôntica A fotografia

Leia mais

CADERNOS DE INFORMÁTICA Nº 1. Fundamentos de Informática I - Word 2010. Sumário

CADERNOS DE INFORMÁTICA Nº 1. Fundamentos de Informática I - Word 2010. Sumário CADERNO DE INFORMÁTICA FACITA Faculdade de Itápolis Aplicativos Editores de Texto WORD 2007/2010 Sumário Editor de texto... 3 Iniciando Microsoft Word... 4 Fichários:... 4 Atalhos... 5 Área de Trabalho:

Leia mais

INFLUÊNCIA DA ANGULAÇÃO DOS DENTES ANTERIORES NO PERÍMETRO DO ARCO SUPERIOR

INFLUÊNCIA DA ANGULAÇÃO DOS DENTES ANTERIORES NO PERÍMETRO DO ARCO SUPERIOR INFLUÊNCIA DA ANGULAÇÃO DOS DENTES ANTERIORES NO PERÍMETRO DO ARCO SUPERIOR THE EFECT OF INCISORS AND CANINES TEETH ANGULATION ON SUPERIOR ARCH PERIMETER Capelozza,L.F e Cordeiro, A.S 1. Introdução: A

Leia mais

INSTRUMENTOS USADOS Lápis e lapiseiras Os lápis médios são os recomendados para uso em desenho técnico, a seleção depende sobretudo de cada usuário.

INSTRUMENTOS USADOS Lápis e lapiseiras Os lápis médios são os recomendados para uso em desenho técnico, a seleção depende sobretudo de cada usuário. INSTRUMENTOS USADOS Lápis e lapiseiras Os lápis médios são os recomendados para uso em desenho técnico, a seleção depende sobretudo de cada usuário. INSTRUMENTOS USADOS Esquadros São usados em pares: um

Leia mais

Portal do Projeto Tempo de Ser

Portal do Projeto Tempo de Ser Sumário Portal do Projeto Tempo de Ser O que é um Wiki?...2 Documentos...2 Localizando documentos...3 Links...3 Criando um Documento...4 Criando um link...4 Editando um Documento...5 Sintaxe Básica...5

Leia mais

AMARO Gestão Empresarial Ltda.

AMARO Gestão Empresarial Ltda. Anexo SL Por se tratar de uma tradução livre e de uso somente informativo para os clientes da consultoria, selecionamos somente os trechos importantes do Anexo SL e colocamos abaixo o Apêndice 2 que estrutura

Leia mais

WebQualis 3.0 MANUAL CAPES/MEC. Diretoria de Avaliação - DAV

WebQualis 3.0 MANUAL CAPES/MEC. Diretoria de Avaliação - DAV CAPES/MEC Diretoria de Avaliação - DAV WebQualis 3.0 Aplicativo para a classificação dos veículos de divulgação da produção científica da Pós-Graduação Brasileira MANUAL 2008 2 Fundação CAPES Presidente

Leia mais

Processos de gerenciamento de projetos em um projeto

Processos de gerenciamento de projetos em um projeto Processos de gerenciamento de projetos em um projeto O gerenciamento de projetos é a aplicação de conhecimentos, habilidades, ferramentas e técnicas às atividades do projeto a fim de cumprir seus requisitos.

Leia mais

CONTROLE SOCIAL DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO Marcos Ferreira* TEXTO DE APOIO PARA DEBATE Não há assunto na sociedade brasileira que receba mais epítetos sobre sua importância, urgência e centralidade na vida

Leia mais

PRISCILLA MENDES CORREA VICTOR

PRISCILLA MENDES CORREA VICTOR FUNORTE-FACULDADES UNIDAS DO NORTE DE MINAS NÚCLEO NITERÓI-SMILE ODONTOLOGIA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ORTODONTIA TRATAMENTO DA SOBREMORDIDA: RELATO DE CASO CLÍNICO PRISCILLA MENDES CORREA VICTOR Monografia

Leia mais

SISTEMA BRENA DE AUTOMAÇÃO COMERCIAL

SISTEMA BRENA DE AUTOMAÇÃO COMERCIAL SISTEMA BRENA DE AUTOMAÇÃO COMERCIAL VERSÃO 359 U N I P A C K NOTA FISCAL ELETRÔNICA CONTENDO ITENS COM CFOP S DISTINTOS RIO DE JANEIRO 25 DE JULHO DE 2013 SUMÁRIO 1- INTRODUÇÃO... 03 2- MOTIVAÇÃO... 03

Leia mais

Administração de Pessoas

Administração de Pessoas Administração de Pessoas MÓDULO 5: ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS 5.1 Conceito de ARH Sem as pessoas e sem as organizações não haveria ARH (Administração de Recursos Humanos). A administração de pessoas

Leia mais

1. Introdução. Avaliação de Usabilidade Página 1

1. Introdução. Avaliação de Usabilidade Página 1 1. Introdução Avaliação de Usabilidade Página 1 Os procedimentos da Avaliação Heurística correspondem às quatro fases abaixo e no final é apresentado como resultado, uma lista de problemas de usabilidade,

Leia mais

Exercícios Teóricos Resolvidos

Exercícios Teóricos Resolvidos Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Matemática Exercícios Teóricos Resolvidos O propósito deste texto é tentar mostrar aos alunos várias maneiras de raciocinar

Leia mais

O setup ortodôntico como método auxiliar de diagnóstico e planejamento

O setup ortodôntico como método auxiliar de diagnóstico e planejamento Dica Clínica O setup ortodôntico como método auxiliar de diagnóstico e planejamento Hallissa Simplício*, Ary dos Santos-Pinto**, Marcus Vinicius Almeida de Araújo***, Sergei Godeiro Fernandes Rabelo Caldas****,

Leia mais

c. Técnica de Estrutura de Controle Teste do Caminho Básico

c. Técnica de Estrutura de Controle Teste do Caminho Básico 1) Defina: a. Fluxo de controle A análise de fluxo de controle é a técnica estática em que o fluxo de controle através de um programa é analisado, quer com um gráfico, quer com uma ferramenta de fluxo

Leia mais

"SISTEMAS DE COTAGEM"

SISTEMAS DE COTAGEM AULA 6T "SISTEMAS DE COTAGEM" Embora não existam regras fixas de cotagem, a escolha da maneira de dispor as cotas no desenho técnico depende de alguns critérios. A cotagem do desenho técnico deve tornar

Leia mais

4Distribuição de. freqüência

4Distribuição de. freqüência 4Distribuição de freqüência O objetivo desta Unidade é partir dos dados brutos, isto é, desorganizados, para uma apresentação formal. Nesse percurso, seção 1, destacaremos a diferença entre tabela primitiva

Leia mais

7. DIAGRAMAÇÃO DAS PLACAS

7. DIAGRAMAÇÃO DAS PLACAS 7. DIAGRAMAÇÃO DAS PLACAS A diagramação das placas de Sinalização Vertical de Indicação compreende os seguintes passos: Definição da altura das letras, a partir da velocidade regulamentada na via; Dimensionamento

Leia mais

Educação Patrimonial Centro de Memória

Educação Patrimonial Centro de Memória Educação Patrimonial Centro de Memória O que é história? Para que serve? Ambas perguntas são aparentemente simples, mas carregam uma grande complexidade. É sobre isso que falarei agora. A primeira questão

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DO DESEMPENHO

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DO DESEMPENHO ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DO DESEMPENHO Atualizado em 30/12/2015 GESTÃO DE DESEMPENHO A gestão do desempenho constitui um sistemático de ações que buscam definir o conjunto de resultados a serem alcançados

Leia mais

CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL

CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL Renara Tavares da Silva* RESUMO: Trata-se de maneira ampla da vitalidade da empresa fazer referência ao Capital de Giro, pois é através deste que a mesma pode

Leia mais

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL 1 MENSAGEM DA PRESIDÊNCIA O conjunto marca/logotipo é o elemento gráfico e visual pelo qual somos reconhecidos nos diversos meios em que atuamos. As suas formas foram concebidas

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL MOTIVAÇÃO

ADMINISTRAÇÃO GERAL MOTIVAÇÃO ADMINISTRAÇÃO GERAL MOTIVAÇÃO Atualizado em 11/01/2016 MOTIVAÇÃO Estar motivado é visto como uma condição necessária para que um trabalhador entregue um desempenho superior. Naturalmente, como a motivação

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL ANALISTA E TÉCNICO ADMINISTRATIVO DA ANTT PROFESSOR: BERNARDO CONRADO

ADMINISTRAÇÃO GERAL ANALISTA E TÉCNICO ADMINISTRATIVO DA ANTT PROFESSOR: BERNARDO CONRADO Olá Pessoal, Aos meus alunos e aos que acessam o Ponto, segue a correção da prova de Administração Geral da ANTT que aconteceu neste final de semana do dia 11/08 de acordo com a minha visão. Infelizmente

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE (Concepções de Ciência, Professores de Química, Educação Integrada)

PALAVRAS-CHAVE (Concepções de Ciência, Professores de Química, Educação Integrada) CONCEPÇÕES SOBRE CIÊNCIA DOS PROFESSORES DE QUÍMICA DO ENSINO MÉDIO DO IFG CAMPUS GOIÂNIA: IMPLICAÇÕES PARA A FORMAÇÃO INTEGRADA. Layla Karoline Tito ALVES, Instituto de Química,layla.quimica@gmail.com.

Leia mais

CIRURGIAS ORTOGNÁTICAS

CIRURGIAS ORTOGNÁTICAS CIRURGIAS ORTOGNÁTICAS Informações ao paciente Contém: 1. Explicação geral sobre cirurgias ortognáticas, 2. Perguntas e respostas, A cirurgia ortognática, também chamada de ortodontia cirúrgica, é um tipo

Leia mais

Objetivo principal: aprender como definir e chamar funções.

Objetivo principal: aprender como definir e chamar funções. 12 NOME DA AULA: Escrevendo músicas Duração da aula: 45 60 minutos de músicas durante vários dias) Preparação: 5 minutos (se possível com introduções Objetivo principal: aprender como definir e chamar

Leia mais

Aparelhos Ortodônticos Removíveis com Alta Retenção

Aparelhos Ortodônticos Removíveis com Alta Retenção Aparelhos Ortodônticos Removíveis com Alta Retenção Um novo conceito de ver e atuar com os aparelhos ortodônticos removíveis José Roberto Ramos Na maioria dos casos, o emprego dos aparelhos ortodônticos

Leia mais

UMC Cotas em desenho técnico (Módulo 2) Componentes gráficos de uma cota: Linha de cota Linha de chamada Setas de cota

UMC Cotas em desenho técnico (Módulo 2) Componentes gráficos de uma cota: Linha de cota Linha de chamada Setas de cota 1 UMC Engenharia Mecânica Expressão Gráfica 2 Prof.: Jorge Luis Bazan. Desenho Básico Cotas em desenho técnico (Módulo 2) Em desenho técnico damos o nome de cota ao conjunto de elementos gráficos introduzidos

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PROJETOS

ELABORAÇÃO DE PROJETOS Unidade II ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA Profa. Eliane Gomes Rocha Pesquisa em Serviço Social As metodologias qualitativas de pesquisa são utilizadas nas Ciências Sociais e também no Serviço Social,

Leia mais

O planejamento do projeto. Tecnologia em Gestão Pública Desenvolvimento de Projetos Aula 8 Prof. Rafael Roesler

O planejamento do projeto. Tecnologia em Gestão Pública Desenvolvimento de Projetos Aula 8 Prof. Rafael Roesler O planejamento do projeto Tecnologia em Gestão Pública Desenvolvimento de Projetos Aula 8 Prof. Rafael Roesler 2 Introdução Processo de definição das atividades Sequenciamento de atividades Diagrama de

Leia mais

Ponte rolante: como escolher

Ponte rolante: como escolher Ponte rolante: como escolher Vários fatores devem ser analisados antes de se optar por um modelo A decisão sobre a escolha do tipo de ponte rolante é altamente influenciada pelo local onde ela deve ser

Leia mais

Roteiro para Instrumentação da Técnica de Parafuso de Compressão

Roteiro para Instrumentação da Técnica de Parafuso de Compressão Roteiro para Instrumentação da Técnica de Parafuso de Compressão Roteiro para Instrumentação da Técnica de Parafuso de Compressão O tipo de compressão gerada por um parafuso é designado compressão interfragmentária

Leia mais

Para o PowerPoint, assim como para vários softwares de apresentação, uma apresentação é um conjunto de slides.

Para o PowerPoint, assim como para vários softwares de apresentação, uma apresentação é um conjunto de slides. POWERPOINT 1. O QUE É UMA APRESENTAÇÃO Para o PowerPoint, assim como para vários softwares de apresentação, uma apresentação é um conjunto de slides. Em cada slide podemos ter vários elementos ou objetos

Leia mais

5 DICAS DE GESTÃO EM TEMPOS DE CRISE. Um guia prático com 5 dicas primordiais de como ser um bom gestor durante um período de crise.

5 DICAS DE GESTÃO EM TEMPOS DE CRISE. Um guia prático com 5 dicas primordiais de como ser um bom gestor durante um período de crise. 5 DICAS DE GESTÃO EM TEMPOS DE CRISE Um guia prático com 5 dicas primordiais de como ser um bom gestor durante um período de crise. INTRODUÇÃO Gerir uma empresa não é uma tarefa fácil, mas em tempos de

Leia mais

A Torre de Hanói e o Princípio da Indução Matemática

A Torre de Hanói e o Princípio da Indução Matemática A Torre de Hanói e o Princípio da Indução Matemática I. O jogo A Torre de Hanói consiste de uma base com três pinos e um certo número n de discos de diâmetros diferentes, colocados um sobre o outro em

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: GESTÃO DE PROJETOS. Prof. Msc. Carlos José Giudice dos Santos

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: GESTÃO DE PROJETOS. Prof. Msc. Carlos José Giudice dos Santos FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: GESTÃO DE PROJETOS Prof. Msc. Carlos José Giudice dos Santos O QUE SÃO PROCESSOS? De acordo com o Guia PMBOK, (2013) processo é um conjunto de ações e/ou atividades inter-relacionadas

Leia mais

Top Guia In.Fra: Perguntas para fazer ao seu fornecedor de CFTV

Top Guia In.Fra: Perguntas para fazer ao seu fornecedor de CFTV Top Guia In.Fra: Perguntas para fazer ao seu fornecedor de CFTV 1ª Edição (v1.4) 1 Um projeto de segurança bem feito Até pouco tempo atrás o mercado de CFTV era dividido entre fabricantes de alto custo

Leia mais

CUSTOS DA QUALIDADE EM METALURGICAS DO SEGMENTOS DE ELEVADORES PARA OBRAS CÍVIS - ESTUDO DE CASO

CUSTOS DA QUALIDADE EM METALURGICAS DO SEGMENTOS DE ELEVADORES PARA OBRAS CÍVIS - ESTUDO DE CASO CUSTOS DA QUALIDADE EM METALURGICAS DO SEGMENTOS DE ELEVADORES PARA OBRAS CÍVIS - ESTUDO DE CASO José Roberto Santana Alexandre Ripamonti Resumo: Com a globalização da economia, as empresas, enfrentam

Leia mais

Exemplo: O pedido tem a finalidade de atender as necessidades previstas. O pedido tem a finalidade de atender às necessidades previstas.

Exemplo: O pedido tem a finalidade de atender as necessidades previstas. O pedido tem a finalidade de atender às necessidades previstas. Projeto Falar Bem O projeto Falar Bem está sendo desenvolvido na ECEME, no corrente ano, com o objetivo de observar e analisar palestras e instruções, a fim de reunir dados para a elaboração de uma crítica

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL DO BANCO COOPERATIVO SICREDI E EMPRESAS CONTROLADAS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL DO BANCO COOPERATIVO SICREDI E EMPRESAS CONTROLADAS ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL DO BANCO COOPERATIVO SICREDI E EMPRESAS CONTROLADAS Versão : 31 de dezembro de 2008 CONTEÚDO 1. INTRODUÇÃO...3 2. ORGANIZAÇÃO DA GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL...3

Leia mais

Angulação dos Caninos em Indivíduos Portadores de Má Oclusão de Classe I e

Angulação dos Caninos em Indivíduos Portadores de Má Oclusão de Classe I e Angulação dos Caninos em Indivíduos Portadores de Má Oclusão de Classe I e de Classe III- Análise comparativa através de um novo método utilizando imagens digitalizadas. Antonio David Corrêa Normando *

Leia mais

Ética no exercício da Profissão

Ética no exercício da Profissão Titulo: Ética no exercício da Profissão Caros Colegas, minhas Senhoras e meus Senhores, Dr. António Marques Dias ROC nº 562 A nossa Ordem tem como lema: Integridade. Independência. Competência. Embora

Leia mais

L 276/4 PT Jornal Oficial da União Europeia. DECISÃO N. o 190. de 18 de Junho de 2003

L 276/4 PT Jornal Oficial da União Europeia. DECISÃO N. o 190. de 18 de Junho de 2003 L 276/4 PT Jornal Oficial da União Europeia DECISÃO N. o 190 de 18 de Junho de 2003 relativa às características técnicas do cartão europeu de seguro de doença (Texto relevante para efeitos do EEE e do

Leia mais

MANUAL DA SECRETARIA

MANUAL DA SECRETARIA MANUAL DA SECRETARIA Conteúdo Tela de acesso... 2 Liberação de acesso ao sistema... 3 Funcionários... 3 Secretaria... 5 Tutores... 7 Autores... 8 Configuração dos cursos da Instituição de Ensino... 9 Novo

Leia mais

Figura 1: tela inicial do BlueControl COMO COLOCAR A SALA DE INFORMÁTICA EM FUNCIONAMENTO?

Figura 1: tela inicial do BlueControl COMO COLOCAR A SALA DE INFORMÁTICA EM FUNCIONAMENTO? Índice BlueControl... 3 1 - Efetuando o logon no Windows... 4 2 - Efetuando o login no BlueControl... 5 3 - A grade de horários... 9 3.1 - Trabalhando com o calendário... 9 3.2 - Cancelando uma atividade

Leia mais

Laboratório didático de Física

Laboratório didático de Física Laboratório didático de Física Como redigir um relatório Como escrever um relatório? Esperamos nos próximos parágrafos passar algumas informações úteis para escrever um relatório. É possível que algumas

Leia mais

Resolução da lista de exercícios de casos de uso

Resolução da lista de exercícios de casos de uso Resolução da lista de exercícios de casos de uso 1. Explique quando são criados e utilizados os diagramas de casos de uso no processo de desenvolvimento incremental e iterativo. Na fase de concepção se

Leia mais

1. Eu tenho problema em ter minhas necessidades satisfeitas. 1 2 3 4 5 6

1. Eu tenho problema em ter minhas necessidades satisfeitas. 1 2 3 4 5 6 FIAT Q Questionário de Relacionamento Interpessoal Glenn M. Callaghan Department of Psychology; One Washington Square, San Jose University, San Jose CA 95192-0120 Phone 08) 924-5610 e fax (408) 924 5605.

Leia mais

www.belcorp.biz VIII/09

www.belcorp.biz VIII/09 CÓDIGO DE ÉTICA www.belcorp.biz VIII/09 Na Belcorp acreditamos que cada pessoa tem o poder de transformar seus sonhos em realidade. Assumir este poder significa reconhecer que nossas ações e decisões têm

Leia mais

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES ASSOCIADAS DE ENSINO FAE.

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES ASSOCIADAS DE ENSINO FAE. REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES ASSOCIADAS DE ENSINO FAE. CAPÍTULO I Dos Objetivos e Prazos Artigo 1º Os Cursos Acadêmicos de Pós-Graduação stricto

Leia mais

Bem-vindo ao tópico sobre administração de listas de preços.

Bem-vindo ao tópico sobre administração de listas de preços. Bem-vindo ao tópico sobre administração de listas de preços. Nesse tópico, você aprenderá a administrar listas de preços no SAP Business One. Sua empresa atualiza múltiplas listas de preços para fornecer

Leia mais

Além do Modelo de Bohr

Além do Modelo de Bohr Além do Modelo de Bor Como conseqüência do princípio de incerteza de Heisenberg, o conceito de órbita não pode ser mantido numa descrição quântica do átomo. O que podemos calcular é apenas a probabilidade

Leia mais

4 Experimentos Computacionais

4 Experimentos Computacionais 33 4 Experimentos Computacionais O programa desenvolvido neste trabalho foi todo implementado na linguagem de programação C/C++. Dentre as bibliotecas utilizadas, destacamos: o OpenCV [23], para processamento

Leia mais

Individualização de Braquetes na Técnica de Straight-Wire: Revisão de Conceitos e Sugestão de Indicações para Uso

Individualização de Braquetes na Técnica de Straight-Wire: Revisão de Conceitos e Sugestão de Indicações para Uso Tópico Especial Individualização de Braquetes na Técnica de Straight-Wire: Revisão de Conceitos e Sugestão de Indicações para Uso Brackets Individualization in Straight-Wire Technique: Concepts Review

Leia mais

Manual de Utilizador. Caderno. Recursos da Unidade Curricular. Gabinete de Ensino à Distância do IPP. http://eweb.ipportalegre.pt. ged@ipportalegre.

Manual de Utilizador. Caderno. Recursos da Unidade Curricular. Gabinete de Ensino à Distância do IPP. http://eweb.ipportalegre.pt. ged@ipportalegre. Manual de Utilizador Caderno Recursos da Unidade Curricular Gabinete de Ensino à Distância do IPP http://eweb.ipportalegre.pt ged@ipportalegre.pt Índice RECURSOS... 1 ADICIONAR E CONFIGURAR RECURSOS...

Leia mais