Descrição de Técnica. Leopoldino Capelozza Filho*, José Antonio Zuega Capelozza** Palavras-chave: Diagrama. Straight-wire.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Descrição de Técnica. Leopoldino Capelozza Filho*, José Antonio Zuega Capelozza** Palavras-chave: Diagrama. Straight-wire."

Transcrição

1 Descrição de Técnica DIAO: Diagrama individual anatômico objetivo. Uma proposta para escolha da forma dos arcos na técnica de Straight-Wire, baseada na individualidade anatômica e nos objetivos de tratamento Leopoldino Capelozza Filho*, José Antonio Zuega Capelozza** Resumo Avaliar a forma dos arcos dentários com objetivo de definir, de modo individualizado, a forma dos arcos a serem utilizados no tratamento ortodôntico é conduta obrigatória. Este artigo sustenta a tese de que a individualização só é verdadeira quando permite que as intenções de tratamento, interagindo com as características anatômicas, definam a forma dos arcos. Para permitir a prática desse conceito, introduz o DIAO, um diagrama onde a forma dos arcos pode e deve ser definida com base neste princípio. Palavras-chave: Diagrama. Straight-wire. Introdução Os dentes dos seres humanos estão dispostos em forma de arcos. Esta determinação morfogenética para a espécie apresenta variações que caracterizam a individualidade permitida à oclusão e a face de seus membros. Todos estudos realizados com intenção de determinar estabilidade ou recidiva pós-tratamento ortodôntico, mostram que variações introduzidas de modo aleatório na forma e dimensões dos arcos são instáveis. Assim, respeito a forma original e expansões e protrusões feitas apenas quando justificadas, parecem constituir atitudes necessárias para atribuir, neste aspecto, estabilidade potencial para os casos tratados com Ortodontia. Ao analisar a forma do arco original de um paciente a ser tratado, o ortodontista precisa fazer algumas considerações antes de emitir o seu conceito sobre ela, incluindo o que manter e o que alterar durante o tratamento.os conceitos de normalidade, revistos principalmente nas duas últimas duas décadas do século passado, passam longe da simplificação de regras rígidas como o ideal da posição vertical de incisivos inferiores. Ao mesmo tempo dogmas, como o respeito à posição dos caninos inferiores e a necessidade da preservação da distância entre eles parecem confirmadas. O que se pretende neste artigo é, portanto, definir condutas para análise da forma dos arcos dentários, mais especificamente do inferior, considerando o diagnóstico e os objetivos do tratamento. Após isto, sugerir o uso de um guia que possa representar a forma do arco escolhido e de um diagrama que permita a construção dos arcos, que serão usados para tornar realidade a forma definida como ideal para o tipo de tratamento proposto para cada paciente. * Professor doutor da Faculdade de Odontologia da Universidade de São Paulo - USP-Bauru. Membro do setor de Ortodontia do HRAC - USP - Bauru. ** Especialista em Ortodontia, professor da Profis, Bauru. 84 R Clín Ortodon Dental Press, Maringá, v. 3, n. 5, p out./nov. 2004

2 Leopoldino Capelozza Filho, José Antonio Zuega Capelozza O diagnóstico Antes de examinar os modelos dos arcos dentários com objetivo de avaliar sua forma, especificamente para determinar o diagrama, é necessário que o diagnóstico já tenha sido formulado e as metas gerais do tratamento definidas. Neste ponto, provavelmente os arcos dentários já tenham sido examinados e influenciado o diagnóstico e o plano de tratamento. Só após isto é possível ter parâmetros para julgar o arco inferior, avaliando sua forma. Classicamente, a determinação da forma ideal dos arcos dentários pressupõe que os dentes devem ser colocados idealmente sobre a base óssea. Diagramas que se tornaram de uso corrente em nosso meio, como o de Interlandi 7 para a técnica de Edgewise e de Trevisi para Straight-Wire, obedecem a este critério. Isto é um ideal a ser buscado apenas para os pacientes candidatos a um tratamento corretivo pleno, seja ele ortodôntico ou ortodôntico cirúrgico 4. Como sabemos, eles são a minoria no universo ortodôntico, já que tratamentos compensatórios provavelmente sejam feitos em mais de 50% dos pacientes 1. Portanto, considerando esta realidade, não é razoável admitirmos esta premissa clássica de modo genérico, sob pena de estarmos definindo forma para arcos dentários não compatíveis com a intenção do tratamento. Para aclarar este conceito, admitamos que após a análise de um paciente, o diagnóstico indique uma má oclusão do padrão III 4. Se a decisão for por um tratamento compensatório, o exame do arco dentário deveria considerar a compensação já presente, avaliar o que pode ser mantido e o que necessita ser eliminado. Admitindo o caráter conservador do tratamento compensatório 5, muito provavelmente apenas a excrescência criada pela compensação, como por exemplo o freqüente apinhamento na região dos incisivos inferiores, necessita obrigatoriamente ser eliminada. Se este tratamento compensatório, que estamos hipoteticamente analisando, for para uma má oclusão do padrão III tratada em época adequada 4, após o final do surto de crescimento facial, provavelmente este apinhamento deverá ser tratado com redução da massa dentária. Isto significa que ao definir o limite anterior do arco dentário inferior, a meta será mantê-lo onde está ou torná-lo mais retrusivo, se possível e necessário for. O diagnóstico determinará isto, e a curvatura anterior do arco considerado para o tratamento deste paciente deveria incorporar esta intenção. Se, ao contrário, estivéssemos tratando com intenção compensatória uma má oclusão do padrão II 4, muito provavelmente um apinhamento na região dos incisivos inferiores deveria ser tratado com protrusão destes dentes. Isto significa aceitar ou introduzir a compensação. Com certeza, a meta não seria retruir estes dentes. De qualquer modo, seu diagnóstico indicará o que fazer e a curvatura anterior do arco considerado ideal para o tratamento deste paciente, deveria incorporar esta intenção. Assim, se a meta for compensar, inclinando os incisivos inferiores para vestibular, a forma de arco deveria incorporar uma curvatura anterior protrusiva para incisivos. Ambas as ações para o arco inferior, aqui descritas como exemplo, teriam reflexos óbvios sobre o arco superior. Isto acontece, porque definida a forma para o arco inferior através do diagrama, a forma do arco superior será a mesma ampliada. Em outras palavras, conforme definido por Andrews no conceito original do Straight-Wire 2, os arcos superior e inferior usados nesta técnica devem ter a mesma forma, com o superior ampliado. O que se pretende com estas considerações, é introduzir o conceito de que as metas determinadas para o tratamento, seja uma inclinação vestibular de incisivos inferiores no tratamento compensatório de uma má oclusão do padrão II, ou a conduta oposta, obrigatória para as más oclusões do padrão III, devem ser consideradas e incorporadas na forma do arco na região pertinente. Isso significa que os arcos de nivelamento serão portadores da intenção manifesta no plano de tratamento. Outros exemplos serão dados nesse aspecto no decorrer da explanação feita aqui, mas essas, formuladas neste tópico, tentam justificar a necessidade de que o diagnóstico e as metas de tratamento já estejam definidas no momento de avaliar os arcos dentários para definição do diagrama. Parâmetros para definição das dimensões e forma dos arcos Distância inter-caninos inferiores Talvez esta seja uma das únicas unanimidades na Ortodontia. Dogma confirmado pelas pesquisas 10,11, a distância inter-caninos deve ser respeitada. Sempre? Sempre que estiver certa. Como sabemos, R Clín Ortodon Dental Press, Maringá, v. 3, n. 5, p out./nov

3 D I A O: Diagrama individual anatômico objetivo... em portadores de más oclusões, é relativamente freqüente o posicionamento inadequado dos caninos. Vítima da falta de espaço para irrupção dos incisivos inferiores, característica muito comum da espécie humana, muitas vezes o canino é obrigado a fazer uma irrupção atípica, ocupando um lugar fora daquele que seria o normal para ele. Nesta circunstância, sua posição deve ser considerada equivocada e a forma do arco escolhida deveria considerar sua correção. Muitas vezes isto é uma ocorrência unilateral e o canino melhor posicionado deveria servir como orientação a determinar a posição correta daquele mal posicionado. Ainda nesta área e considerando o apinhamento, muitas vezes extrações são indicadas para correção da discrepância de massa dentária. Mais freqüentemente, primeiros pré molares são os dentes de escolha para resolver esta incompatibilidade entre massa dentária e óssea. O espaço criado para corrigir este apinhamento anterior localiza-se, portanto, atrás dos caninos e exige seu movimento distal. A sugestão dos diagramas clássicos é que os caninos sejam movimentados nesta direção, com aumento de sua distância. Isso parece obrigatório por que a forma da mandíbula determina dimensões aumentadas para largura na direção distal, mas pode ser um equívoco se feito de maneira padronizada, sem considerar as condições de cada caso onde extrações são executadas. Esse movimento dos caninos para distal, com aumento na distância entre eles é condizente com a premissa de que este incremento seja potencialmente instável. A sugestão para tornar esse movimento mais consistente, é considerar individualmente cada caso e evitar que este movimento seja feito necessariamente com incremento da largura do arco nessa região dos caninos. Evitar isso parece consistente com a idéia de que alguma coisa equivocada tem sido feita durante o movimento dos caninos para distal em casos de extrações. A marcada recidiva obtida no apinhamento anterior observada a longo prazo 9, com a participação dos caninos, sugere que seu movimento distal obrigatório quando das extrações de pré molares, deveria ser feito, quando possível, sem aumento da distância entre eles. No tratamento compensatório, procedimento freqüentemente adotado no manejo das más oclusões com envolvimento esquelético, a posição do canino deve ser avaliada com perspectiva diferente. Um exemplo específico pode ser obtido a partir de uma má oclusão do padrão III. Nesta má oclusão os caninos tipicamente apresentam angulação diminuída 3,5, muitas vezes negativa, resultado de um movimento com intenção compensatória. Adicionalmente, estes dentes costumam apresentar uma rotação, com a colocação para vestibular da distal da coroa. Estes movimentos quase sempre provocam um aumento da distância inter caninos. Se o tratamento for compensatório, este aumento deverá ser mantido. De algum modo, mais freqüentemente com desgaste da massa dentária, o mau posicionamento (rotação) dos caninos deve ser eliminado, mas o dente mantido na posição. Considerando que a relação maxilomandibular que ocasionou a posição compensatória dos caninos será mantida no pós tratamento, sua ação determinante de forma continuará presente. Isto significa que respeitar a posição compensatória dos caninos, eliminando apenas a excrescência, é sensato na perspectiva de estabilidade futura. Como você sabe, se a intenção do tratamento para esta má oclusão do padrão III fosse corretiva, esta posição compensatória típica dos caninos inferiores deveria ser corrigida. O tratamento seria cirúrgico e, como bem expressa o nome, a fase descompensatória do tratamento ortodôntico, teria este objetivo. Nesta circunstância, a distância inter-caninos seria diminuída com um movimento para frente e para medial destes dentes. Adicionalmente, como já vimos neste artigo, a posição dos incisivos também deve ser considerada dentro de critérios anatômicos, mas considerando os objetivos do tratamento. Junto com a análise da distância inter-caninos, conforme sugerida aqui, temos uma nova perspectiva, mais realista e produtiva, para definirmos a curvatura do arco inferior. O que acabamos de discutir, nada mais é do que um reforço ao conceito de que as metas determinadas para o tratamento, devem ser consideradas e incorporadas na forma do arco na região pertinente. Isso significa que os arcos de nivelamento serão portadores da intenção manifesta no plano de tratamento. Distância inter-molares A largura do arco deve ser definida na região do primeiro molar inferior. A referência é a borda Wala 1, limite da gengiva inserida, facilmente visualizada 86 R Clín Ortodon Dental Press, Maringá, v. 3, n. 5, p out./nov. 2004

4 Leopoldino Capelozza Filho, José Antonio Zuega Capelozza quando do exame dos modelos dos arcos dentários pela vista oclusal. Arcos contornados de acordo com esta referência anatômica, determinariam a posição ideal dos molares, colocando esses dentes a uma distância de 2 mm do ponto EV (eixo vestibular da coroa clínica) à borda Wala 1. Este conceito pressupõe que se a distância do ponto EV dos molares à borda Wala estiver aumentada, os molares estarão atrésicos e, quando diminuída, os molares estarão expandidos. Se os demais dentes posteriores acompanharem a posição molar, esta definição a eles se aplica. Neste momento, depois do que já foi descrito neste artigo, você provavelmente já pressupõe o que vamos analisar. Repetindo o que foi aplicado à distância inter-caninos, o que fazer com a distância inter-molares também vai depender da intenção do tratamento. Considerando a mesma situação utilizada naquela análise, se o tratamento da má oclusão do padrão III for corretivo, a típica inclinação lingual dos dentes posteriores inferiores, molares incluídos 4, deverá ser eliminada. A forma do arco, escolhido de acordo com a borda Wala, promoverá uma expansão do arco dentário inferior permitindo a consecução deste objetivo. Se, ao contrário, o tratamento eleito for de caráter compensatório, a correção da atresia do arco dentário inferior será descartada e a borda Wala ignorada. A largura do arco inferior será determinada a partir da posição do molar, 2 mm distante do ponto EV, considerando apenas o que seria a espessura do acessório. Esta posição não ideal, mas resultado de uma compensação, deve ser aceita na conjuntura de um tratamento compensatório. Resumindo o que vimos até aqui, no hipotético exemplo que adotamos, analisando o arco dentário de uma má oclusão do padrão III, diagramas absolutamente diferentes serão escolhidos para um tratamento compensatório ou corretivo. Chamamos isto de influência do objetivo do tratamento sobre a forma dos arcos. Apresentação do diagrama O diagrama consiste em uma série de transparências (41), com desenhos de arcos com diferentes curvaturas (C1 - C7) combinadas com diferentes aberturas (Fig. 1). As curvaturas médias (C3, C4, C5) podem ser combinadas com sete aberturas (A1 a A7), enquanto as curvaturas extremas (menores e maiores) podem ser combinadas com cinco aberturas (A1 - A5). Esta combinação permite a opção de 41 formas de arcos diferentes que, provavelmente, atendam as necessidades mais freqüentes da prática ortodôntica. Além disso, para cada forma de arco, ou para cada transparência, são fornecidas 10 páginas com as formas dos arcos impressas em papel branco, o superior em cor preta e o inferior em cor vermelha (Fig. 1B). Após escolher a forma dos arcos através da transparência, a página correspondente a esta forma seria sacada do bloco, e serviria como base para construção dos arcos a serem utilizados no tratamento do paciente. Uso do diagrama Após o diagnóstico e plano de tratamento defini- a Figura 1 - Transparências A) e blocos de papel B) com a forma dos arcos superior (cor preta) e inferior (cor vermelha). b R Clín Ortodon Dental Press, Maringá, v. 3, n. 5, p out./nov

5 D I A O: Diagrama individual anatômico objetivo... dos, as transparências seriam utilizadas para definir uma forma para o arco inferior, compatível com as características anatômicas de normalidade e ou objetivos do tratamento. O arco superior, como já vimos, terá a mesma forma, ampliada. A curvatura anterior deve se ajustar à distância inter-caninos desejada e à posição dos incisivos pretendida, enquanto a abertura posterior do arco deve se ajustar à borda Wala e/ou à largura inter-molar desejável ao final do tratamento. Se você está lendo este artigo desde o princípio, não deve estar surpreso com estas opções, que podem parecer contraditórias. Em absoluto, elas não são. Obedecem ao critério de respeitar características de normalidade, não genéricas, mas sim a decantada normalidade individual. Como o normal é individual e apresenta-se sob múltiplas formas, o que propomos é definir o tipo de tratamento (corretivo ou compensatório) e, nessa perspectiva, definir se o ideal ou o aceitável será o critério a definir a forma do arco. O ideal é mais fácil de ser definido. É um ponto, aplicável aos indivíduos candidatos a um tratamento ortodôntico corretivo. Como sabemos 4, este tratamento é aplicável aos indivíduos normais com má oclusão ou portadores de más oclusões do padrão I. Além deles, os indivíduos com más oclusões relacionadas a discrepâncias esqueléticas, que criem desarmonias severas o suficiente para deixar a face desagradável e exigir intervenção ortodôntica e cirúrgica, também serão objeto de tratamento corretivo. O aceitável é uma faixa ampla de variações, condicionadas ao padrão de crescimento que determina a má oclusão. As más oclusões determinadas por discrepâncias no padrão de crescimento, quando presentes em indivíduos aceitáveis em termos de agradabilidade facial 4,6,8, devem ser tratadas de modo compensatório. Isto significa compactuar com posições dentárias diferentes da ideal, eliminando apenas as excrescências que, geralmente, constituem a queixa do paciente. Esta premissa, aplicável à maioria dos pacientes na clínica ortodôntica, abre um horizonte de possibilidades para a posição final dos dentes, incluindo curvatura anterior (distância inter caninos e posição dos incisivos) e largura dos arcos dentários. A definição destes parâmetros depende absolutamente do profissional, e deve resultar do diagnóstico e compor o plano de tratamento. Para exemplificar o uso do diagrama, os exemplos que seguem foram escolhidos com objetivo de permitir exercitar o escopo principal deste artigo, que visa introduzir o conceito da escolha da forma dos arcos dentários de um modo absolutamente individual. Desse modo, modelos dos arcos dentários de pacientes padrão III, adultos jovens, serão utilizados (Fig. 2, 3). Vamos admitir, para atingir nossos objetivos demonstrativos, duas hipóteses de tratamento. Na primeira (Fig. 2), tratamento ortodôntico descompensatório corretivo, preparatório para uma cirurgia ortognática, está indicado para esta má oclusão, porque o paciente apresenta uma face desagradável. Na segunda hipótese (Fig. 3), o tratamento seria ortodôntico compensatório, indicado porque a face do paciente é aceitável e há condições biológicas para sua realização. Definição do diagrama para tratamento corretivo A observação do arco inferior pela vista oclusal é o primeiro passo (Fig. 4A). Em seguida, de posse das transparências, algumas serão testadas e uma será escolhida de acordo com os preceitos já descritos para tratamento corretivo (Fig. 4B). Veja que a curvatura dos caninos escolhida, somada a um movimento destes dentes para frente e para mesial, significa dar a eles posição ideal, desmanchando a compensação. Este movimento vai diminuir a distância inter-caninos. Adicional e obrigatório é o movimento para vestibular dos incisivos, novamente buscando uma melhor posição na base óssea. Esta intenção, descompensar na busca da posição ideal dos dentes na base óssea, norteou a escolha da curvatura anterior C 4 para ser o modelo de forma desejada nesta área para o arco inferior. Definida a curvatura, passamos a analisar a abertura posterior do arco. Considerando que o tratamento é descompensatório, o ideal deve ser buscado. Esse parâmetro nessa região é a borda Wala (Fig. 4C), limite inferior da gengiva inserida. Mantendo sempre a curvatura escolhida, as transparências são testadas para a abertura e aquela coincidente com a borda Wala, A 6 é escolhida (Fig. 4D). Veja que existe inclinação lingual excessiva dos dentes posteriores inferiores, aumentando a distância do ponto EV à borda Wala. Isto caracteriza atresia dento alveolar típica das más oclusões do padrão III, e que será objeto de correção pela forma do arco escolhida. 88 R Clín Ortodon Dental Press, Maringá, v. 3, n. 5, p out./nov. 2004

6 Leopoldino Capelozza Filho, José Antonio Zuega Capelozza FIGURA 2 - Modelos dos arcos dentários de uma má oclusão do padrão III de uma paciente com face desagradável, com indicação de tratamento ortodôntico corretivo descompensatório e cirurgia ortognática. FIGURA 3 - Modelos dos arcos dentários de uma má oclusão do padrão III de uma paciente com face aceitável, com indicação de tratamento ortodôntico compensatório primário. Pronto! O diagrama para o arco inferior esta escolhido: C4-A6. O próximo passo é destacar o impresso correspondente, onde já está desenhado também o diagrama para o arco superior (Fig. 5E). Ambos os arcos são portadores de forma correspondentes e que somarão na intenção de descompensar os arcos dentár Clín Ortodon Dental Press, Maringá, v. 3, n. 5, p out./nov

7 D I A O: Diagrama individual anatômico objetivo... rios na fase pré-cirurgica do tratamento ortodôntico. No arco inferior, os movimentos determinados ao dentes geram espaço e, por si só, via de regra, são capazes de permitir a correção de forma desejável. No arco superior, a forma do arco com intenção de descompensar pode exigir espaço, que terá que ser fornecido pelo ortodontista, de algum modo que deve estar previsto no plano de tratamento. Após o final do nivelamento e alinhamento, os arcos dentários geridos pelo diagrama escolhido, parecerão ao exame clínico, estar em completo desacordo devido ao equívoco na relação sagital maxilo mandibular, mas em plena condição de relação, quando este erro for eliminado pela cirurgia. Isto deve ser avaliado pelo exame dinâmico dos modelos dos arcos dentários4 e, quando uma correta oclusão não for possível, provavelmente seja por erros de inclinação dos dentes posteriores. Na técnica de Straight-Wire, com braquetes programados, muitas vezes a prescrição da canaleta tem dificuldades para expressar plenamente, seja pelo calibre do fio ou pelas relações de mordida pré-cirurgia. Nesta situação, antes de pensar em alterar a forma dos arcos ditadas pelo diagrama, diligentemente escolhido, pense em introduzir torques no fio ou usar um fio de calibre máximo. Definição do diagrama para tratamento compensatório A observação do arco inferior pela vista oclusal é o primeiro passo (Fig. 5A). Em seguida, de posse das transparências, algumas serão testadas e uma será escolhida de acordo com os preceitos já descritos para tratamento compensatório (Fig. 5B). Veja que a curvatura dos caninos escolhida embora pressuponha um movimento do dente 43, em essência, mantém a forma original do arco na área dos caninos e incisivos. Isto significa manter a compensação e, potencial estabilidade, introduzida para estes dentes ao longo do tempo, por fatores que estarão presentes e com ação condicionante no pós tratamento. Adicional e obri- Ponto EV Borda Wala a b c C4-A6 DIAO d Paciente: No.: e figura 4 - O modelo do arco dentário é observado pela vista oclusal A) e a curvatura anterior escolhida através das transparências B), considerando a distância e posição dos caninos e incisivos. Para avaliar a largura molar, borda Wala e ponto EV são considerados C) e uma é escolhida através das transparências D). Com a curvatura anterior e a largura molar o diagrama está definido, permitindo separar o impresso correspondente E). 90 R Clín Ortodon Dental Press, Maringá, v. 3, n. 5, p out./nov. 2004

8 Leopoldino Capelozza Filho, José Antonio Zuega Capelozza gatório será o movimento dos incisivos para lingual e dos caninos para distal, com objetivo de permitir uma relação de trespasse horizontal e vertical aceitável. Este movimento será feito através da tração distal do arco e, portanto, sem alterar a distância inter-caninos e a forma da curvatura anterior. Esta intenção, manter a posição compensatória dos dentes na base óssea norteou a escolha desta curvatura anterior C 4 para ser o modelo de forma desejada nesta área para o arco inferior. Definida a curvatura, passamos a analisar a abertura posterior do arco. Considerando que o tratamento é compensatório, como regra, apenas a excrescência deve ser eliminada da forma original. O parâmetro ideal nessa região é a borda Wala (Fig. 5C), limite inferior da gengiva inserida. Veja que existe inclinação lingual dos dentes posteriores inferiores, o que caracteriza moderada atresia dento alveolar. Esta atresia compensatória típica das más oclusões do padrão III será ignorada, já que o objetivo do tratamento é manter a compensação. Deste modo, a abertura do arco deve contemplar a posição original do primeiro molar, passando a 2 mm (espessura do acessório) do ponto EV da face vestibular da coroa clínica deste dente. Mantendo sempre a curvatura escolhida, as transparências são testadas para a abertura e aquela coincidente com este parâmetro, A 7 é a escolhida (Fig. 5D). Pronto! O diagrama para o arco inferior esta escolhido: C4-A7. O próximo passo é destacar o impresso correspondente, onde já esta desenhado também o diagrama para o arco superior (Fig. 5E). Ambos os arcos são portadores de forma correspondentes e que somarão na intenção de manter a compensação possível nos arcos dentários. No arco superior, a forma do arco com intenção de manter Ponto EV a b Borda Wala c C4-A7 DIAO d Paciente: No.: e figura 5 - O modelo do arco dentário é observado pela vista oclusal A) e a curvatura anterior escolhida através das transparências B), considerando a distância e posição dos caninos e incisivos. Para avaliar a largura molar, borda Wala e ponto EV são considerados C) e uma é escolhida através das transparências D). Com a curvatura anterior e a largura molar o diagrama está definido, permitindo separar o impresso correspondente E). R Clín Ortodon Dental Press, Maringá, v. 3, n. 5, p out./nov

9 D I A O: Diagrama individual anatômico objetivo... ou criar compensação, gera espaço e, por si só, via de regra, permite efetuar a correção desejada na forma. Embora no exemplo que estamos a apresentar isto não se aplique, quando houver apinhamento, no arco inferior, será necessário criar espaço evitando protrusão. Este espaço terá de ser fornecido pelo ortodontista, de algum modo que deve ser previsto no plano de tratamento. Após o final do nivelamento e alinhamento, os arcos dentários geridos pelo diagrama escolhido, deverão estar em plena condição de relação. Os dentes geralmente estarão em posições dentro das bases ósseas parecidas com as do pré tratamento, exceto aquelas necessárias para permitir criar as relações oclusais pretendidas. Estas posições, se diferentes das consideradas ideais, são, para estes pacientes onde o tratamento compensatório foi indicado com base em um diagnóstico adequado, as melhores possíveis e potencialmente mais estáveis. Conclusão A mudança de conceitos de normalidade na Ortodontia contemporânea, impõe àqueles que a praticam, nova perspectiva para diagnóstico, plano de tratamento e prognóstico. A escolha de diagramas para a confecção dos arcos de trabalho, que determinam a forma dos arcos dentários, não foge a esta evolução. A escolha de diagramas baseada em características anatômicas dos pacientes, com dependência do tipo de tratamento adotado, é apresentada neste artigo como um esforço nessa direção. OAID: Objective Anatomic Individual Diagram. A proposal for choosing the form of the arches in the Straight-wire technique, based on both the anatomic individuality and the aims of the treatment Abstract Evaluating the dental arches with the purpose of defining, in a individualized way, the form of the arches to be used in the orthodontic treatment is a compulsory procedure. This article supports the thesis that individualization is only true when it allows that the intentions of the treatment, interacting with the anatomic characteristics, define the form of the arches. In order to put this concept into practice, an OAID is introduced, a diagram in which the form of the arches can and must be defined based on this principle. Key words: Diagram. Straight-wire. REFERÊNCIAS 1. ANDREWS, L.F. Entrevista. R Dental Press Ortodon Ortop Maxilar, Maringá, v. 2, n. 5, p. 6-7, set./out ANDREWS, L.F. Straight-wire: the concept and appliance. San Diego: L.A. Willes, AZEVEDO, L.R.; PERUZZO, C.D. Estudo comparativo do grau de angulação dos caninos permanentes em pacientes com má oclusão de Classe III: análise ortopantomográfica e computadorizada de modelos f. (Conclusão de Curso) Faculdade de Odontologia, Universidade Federal do Pará, Belém, CAPELOZZA FILHO, L. Diagnóstico em Ortodontia. Maringá: Dental Press, CAPELOZZA FILHO, L. et al. Individualização de braquetes na técnica de straight-wire: revisão de conceitos e sugestões de indicação para uso. R Dental Press Ortodon Ortop Facial, Maringá, v. 4, n. 4, p , jul./ago FLAQUER, L.M. Análise fotométrica em normas frontal de adultos brasileiros, leucodermas, não tratados ortodonticamente classificados pela estética facial Dissertação (Mestrado) - UMESP, São Paulo, INTERLANDI, S. Diagrama para contorneamento do arco de canto individual. Rev Ass Paul Crurg Dent, São Paulo, v. 18, n. 1, p 3-6, jan./fev REIS, S.A.B. Análise facial numérica e subjetiva do perfil e análise da relação oclusal sagital em brasileiros, adultos, leucodermas, não tratados ortodonticamente Dissertação (Mestrado) UMESP, São Paulo, RIEDEL, R.A.; LITTLE, R.M., BUI, T.D. Mandibular incisor extraction-postretention evaluation of stability and relapse. Angle Orthod, Appleton, v. 62, no. 2, p , Summer ZACHRISSON, B.U. Aspectos importantes da estabilidade a longo prazo. R Dental Press Ortodon Ortop Facial, Maringá, v. 3, n. 4, p , jul.ago ZACHRISSON, B.U. Important aspects of long-term stability. J Clin Orthod, Boulder, v. 31, no. 9, p , Sept., Endereço para correspondência: Leopoldino Capelozza Filho Rua Silvio Marchione, Bauru - SP CEP: R Clín Ortodon Dental Press, Maringá, v. 3, n. 5, p out./nov. 2004

Aplicação da versatilidade do aparelho pré-ajustado MBT, nos casos que apresentam os incisivos laterais superiores em linguoversão

Aplicação da versatilidade do aparelho pré-ajustado MBT, nos casos que apresentam os incisivos laterais superiores em linguoversão Caso Clínico Aplicação da versatilidade do aparelho pré-ajustado MBT, nos casos que apresentam os incisivos laterais superiores em linguoversão Reginaldo César Zanelato*, Sáverio Mandetta**, Cássia Terezinha

Leia mais

Extração Seriada, uma Alternativa

Extração Seriada, uma Alternativa Artigo de Divulgação Extração Seriada, uma Alternativa Serial Extraction, an Alternative Procedure Evandro Bronzi Resumo A extração seriada é um procedimento ortodôntico que visa harmonizar

Leia mais

Aparelho Arco E-1886E. Partes do aparelho

Aparelho Arco E-1886E. Partes do aparelho BRÁQUETES Aparelho Arco E-1886E Partes do aparelho Aparelho Arco E -1886 APARELHO PINO E TUBO - 1912 Arco Cinta -1915 Aparelho Edgewise - 1925 Braquete original Os primeiros bráquetes eram.022 de uma liga

Leia mais

O tipo facial e a morfologia do arco dentário no planejamento ortodôntico

O tipo facial e a morfologia do arco dentário no planejamento ortodôntico Caso Clínico O tipo facial e a morfologia do arco dentário no planejamento ortodôntico Alexandre de Almeida Ribeiro* Resumo A morfologia do arco dentário está relacionada diretamente com as demais partes

Leia mais

BOARD BRASILEIRO DE ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL

BOARD BRASILEIRO DE ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL Montagem das Pastas As pastas devem estar organizadas na seguinte ordem: I- Externo Página Título: colocar na capa frontal da pasta (a capa tem um envelope plástico para esta finalidade). BOARD BRASILEIRO

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO APARELHO DE PROTRAÇÃO MANDIBULAR COMO ANCORAGEM PARA MESIALIZAÇÃO DE MOLARES INFERIORES: RELATO DE CASO CLÍNICO RESUMO

UTILIZAÇÃO DO APARELHO DE PROTRAÇÃO MANDIBULAR COMO ANCORAGEM PARA MESIALIZAÇÃO DE MOLARES INFERIORES: RELATO DE CASO CLÍNICO RESUMO 474 UTILIZAÇÃO DO APARELHO DE PROTRAÇÃO MANDIBULAR COMO ANCORAGEM PARA MESIALIZAÇÃO DE MOLARES INFERIORES: RELATO DE CASO CLÍNICO Fábio André Werlang 1 Marcos Massaro Takemoto 2 Prof Elton Zeni 3 RESUMO

Leia mais

Breve Panorama Histórico

Breve Panorama Histórico Análise Facial Breve Panorama Histórico Norman Kingsley Kingsley (final do séc.xix): s a articulação dos dentes secundária à aparência facial. Breve Panorama Histórico Edward Angle (in (início séc. s XX)

Leia mais

PRISCILLA MENDES CORREA VICTOR

PRISCILLA MENDES CORREA VICTOR FUNORTE-FACULDADES UNIDAS DO NORTE DE MINAS NÚCLEO NITERÓI-SMILE ODONTOLOGIA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ORTODONTIA TRATAMENTO DA SOBREMORDIDA: RELATO DE CASO CLÍNICO PRISCILLA MENDES CORREA VICTOR Monografia

Leia mais

Angulação dos Caninos em Indivíduos Portadores de Má Oclusão de Classe I e

Angulação dos Caninos em Indivíduos Portadores de Má Oclusão de Classe I e Angulação dos Caninos em Indivíduos Portadores de Má Oclusão de Classe I e de Classe III- Análise comparativa através de um novo método utilizando imagens digitalizadas. Antonio David Corrêa Normando *

Leia mais

BOARD BRASILEIRO DE ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL. http://www.bbo.org.br [acesso em 15/02/2009, 07h30] Especificação dos Casos quanto às Categorias

BOARD BRASILEIRO DE ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL. http://www.bbo.org.br [acesso em 15/02/2009, 07h30] Especificação dos Casos quanto às Categorias BOARD BRASILEIRO DE ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL http://www.bbo.org.br [acesso em 15/02/2009, 07h30] Especificação dos Casos quanto às Categorias A escolha dos casos a serem apresentados deverá seguir

Leia mais

O setup ortodôntico como método auxiliar de diagnóstico e planejamento

O setup ortodôntico como método auxiliar de diagnóstico e planejamento Dica Clínica O setup ortodôntico como método auxiliar de diagnóstico e planejamento Hallissa Simplício*, Ary dos Santos-Pinto**, Marcus Vinicius Almeida de Araújo***, Sergei Godeiro Fernandes Rabelo Caldas****,

Leia mais

INFLUÊNCIA DA ANGULAÇÃO DOS DENTES ANTERIORES NO PERÍMETRO DO ARCO SUPERIOR

INFLUÊNCIA DA ANGULAÇÃO DOS DENTES ANTERIORES NO PERÍMETRO DO ARCO SUPERIOR INFLUÊNCIA DA ANGULAÇÃO DOS DENTES ANTERIORES NO PERÍMETRO DO ARCO SUPERIOR THE EFECT OF INCISORS AND CANINES TEETH ANGULATION ON SUPERIOR ARCH PERIMETER Capelozza,L.F e Cordeiro, A.S 1. Introdução: A

Leia mais

Individualização de Braquetes na Técnica de Straight-Wire: Revisão de Conceitos e Sugestão de Indicações para Uso

Individualização de Braquetes na Técnica de Straight-Wire: Revisão de Conceitos e Sugestão de Indicações para Uso Tópico Especial Individualização de Braquetes na Técnica de Straight-Wire: Revisão de Conceitos e Sugestão de Indicações para Uso Brackets Individualization in Straight-Wire Technique: Concepts Review

Leia mais

Reginaldo César Zanelato

Reginaldo César Zanelato Reginaldo César Zanelato Nos pacientes portadores da má oclusão de Classe II dentária, além das opções tradicionais de tratamento, como as extrações de pré-molares superiores e a distalização dos primeiros

Leia mais

Tratamento ortodôntico-cirúrgico da má oclusão de Classe III

Tratamento ortodôntico-cirúrgico da má oclusão de Classe III Caso Clínico Tratamento ortodôntico-cirúrgico da má oclusão de Classe III Eloísa Marcântonio Boeck*, Silvia Amelia S. Vedovello**, Adriana Simoni Lucato***, Maria Beatriz Borges de Araújo Magnani****,

Leia mais

Aparelhos Ortodônticos Removíveis com Alta Retenção

Aparelhos Ortodônticos Removíveis com Alta Retenção Aparelhos Ortodônticos Removíveis com Alta Retenção Um novo conceito de ver e atuar com os aparelhos ortodônticos removíveis José Roberto Ramos Na maioria dos casos, o emprego dos aparelhos ortodônticos

Leia mais

Série Aparelhos Ortodônticos

Série Aparelhos Ortodônticos Série Aparelhos Ortodônticos Em geral, o protocolo de tratamento nos casos de Classe III, principalmente naqueles com deficiência maxilar, tem sido a disjunção, seguida pela protração da ma-xila. De acordo

Leia mais

Descrição, passo a passo, do aparelho de Herbst com coroas de açoa. o superiores e splint removível vel inferior

Descrição, passo a passo, do aparelho de Herbst com coroas de açoa. o superiores e splint removível vel inferior Descrição, passo a passo, do aparelho de Herbst com coroas de açoa o superiores e splint removível vel inferior MORO, A.; et al. Descrição, passo a passo, do aparelho de Herbst com coroas de aço superiores

Leia mais

Tratamento Ortodôntico da Classe III, Subdivisão: Apresentação de um Caso Clínico (Parte 1)

Tratamento Ortodôntico da Classe III, Subdivisão: Apresentação de um Caso Clínico (Parte 1) Artigo de Divulgação Tratamento Ortodôntico da Classe III, Subdivisão: Apresentação de um Caso Clínico (Parte 1) Treatment of a Class III, Subdivision Malocclusion: A Case Report (Part 1) Guilherme R.

Leia mais

Setup: um Auxílio no Diagnóstico Ortodôntico

Setup: um Auxílio no Diagnóstico Ortodôntico Setup: um Auxílio no Diagnóstico Ortodôntico CASO CLÍNICO Setup: a Diagnosis Assistance in Orthodontics Michelle Santos VIANNA* Armando Yukio SAGA** Fernando Augusto CASAGRANDE*** Elisa Souza CAMARGO****

Leia mais

Avaliação da Precisão da Acuidade Visual no Posicionamento dos Acessórios Ortodônticos

Avaliação da Precisão da Acuidade Visual no Posicionamento dos Acessórios Ortodônticos Artigo Inédito Avaliação da Precisão da Acuidade Visual no Posicionamento dos Acessórios Ortodônticos Accuracy Assessment of Visual Acuity in Orthodontic Accessories Placement Arnaldo Pinzan Resumo O propósito

Leia mais

FECHAMENTO DE ESPAÇOS

FECHAMENTO DE ESPAÇOS FECHAMENTO DE ESPAÇOS Rua 144, n 77 - Setor Marista - Goiânia (GO) - CEP 74170-030 - PABX: (62) 278-4123 - 1 - Introdução Podemos definir essa etapa do tratamento ortodôntico como aquela onde o principal

Leia mais

ANÁLISE DA DENTIÇÃO MISTA

ANÁLISE DA DENTIÇÃO MISTA 1 ANÁLISE DA DENTIÇÃO MISTA INTRODUÇÃO O período da dentição mista inicia-se por volta dos 6 anos de idade com a erupção dos primeiros molares permanentes, e termina ao redor dos 12 anos de idade, com

Leia mais

OCLUSÃO! ! Posições mandibulares. ! Movimentos mandibulares. ! Equilíbrio de forças atuantes - vestibulolingual

OCLUSÃO! ! Posições mandibulares. ! Movimentos mandibulares. ! Equilíbrio de forças atuantes - vestibulolingual Universidade de Brasília Departamento de Odontologia OCLUSÃO! NOÇÕES DE OCLUSÃO! Estudo das relações estáticas e dinâmicas entre as estruturas do sistema mastigatório!! Movimentos mandibulares Disciplina

Leia mais

(VTO dentário) Resumo Este presente artigo teve por finalidade demonstrar, simplificadamente, o manejo

(VTO dentário) Resumo Este presente artigo teve por finalidade demonstrar, simplificadamente, o manejo iagnóstico Análise da Movimentação entária (VTO dentário) Adriano César Trevisi Zanelato*, Hugo José Trevisi**, Reginaldo César Trevisi Zanelato***, André César Trevisi Zanelato*, Renata Chicarelli Trevisi****

Leia mais

Cirurgia Ortognática e Estética Facial: Qual sua importância na Odontologia Integrada?

Cirurgia Ortognática e Estética Facial: Qual sua importância na Odontologia Integrada? Cirurgia Ortognática e Estética Facial: Qual sua importância na Odontologia Integrada? A avaliação da estética facial, bem como sua relação com a comunicação e expressão da emoção, é parte importante no

Leia mais

Áurea Cristina de Oliveira Corrêa

Áurea Cristina de Oliveira Corrêa FUNORTE-FACULDADES UNIDAS DO NORTE DE MINAS NÚCLEO NITERÓI-SMILE ODONTOLOGIA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ORTODONTIA TRATAMENTO MINIMALISTA DAS MÁS OCLUSÕES DO PADRÃO FACE LONGA: RELATO DE CASO Áurea Cristina

Leia mais

Proposta para a Padronização das Tomadas Fotográficas Intrabucais, com Finalidade Ortodôntica

Proposta para a Padronização das Tomadas Fotográficas Intrabucais, com Finalidade Ortodôntica Artigo Inédito Relatos clínicos e de técnicas, investigações científicas e revisões literárias Proposta para a Padronização das Tomadas Fotográficas Intrabucais, com Finalidade Ortodôntica A fotografia

Leia mais

Tratamento da Má Oclusão de Classe II com Extração de Pré -Molares Superiores

Tratamento da Má Oclusão de Classe II com Extração de Pré -Molares Superiores Tratamento da Má Oclusão de Classe II com Extração de Pré -Molares Superiores Adriano César Trevisi Zanelato Coordenador do curso de especialização em Ortodontia pela Escola de Odontologia Cuiabá (MT).

Leia mais

Mordida Profunda Definição. Trespasse vertical

Mordida Profunda Definição. Trespasse vertical Mordida Profunda Definição Trespasse vertical Mordida Profunda Diagnóstico Os fatores que contribuem variam de acordo com a oclusão: u Em boas oclusões é determinda por fatores dentários: t Comprimento

Leia mais

JOÃO SABINO DE PAULA OLIVEIRA CONTENÇÃO ORTODÔNTICA

JOÃO SABINO DE PAULA OLIVEIRA CONTENÇÃO ORTODÔNTICA JOÃO SABINO DE PAULA OLIVEIRA CONTENÇÃO ORTODÔNTICA Londrina 2015 JOÃO SABINO DE PAULA OLIVEIRA CONTENÇÃO ORTODÔNTICA Londrina 2015 JOÃO SABINO DE PAULA OLIVEIRA CONTENÇÃO ORTODÔNTICA Trabalho de Conclusão

Leia mais

Estudo dirigido sobre premolares

Estudo dirigido sobre premolares Estudo dirigido sobre premolares 1 Miguel Carlos Madeira e Roelf Cruz Rizzolo http://www.anatomiafacial.com Material para ser impresso, com a autorização dos autores, exclusivamente para os alunos do primeiro

Leia mais

AVALIAÇÃO DA OCLUSÃO DE PACIENTES TRATADOS ORTODONTICAMENTE COM APARELHO FIXO

AVALIAÇÃO DA OCLUSÃO DE PACIENTES TRATADOS ORTODONTICAMENTE COM APARELHO FIXO UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE ODONTOLOGIA THIAGO BERNARDES NUNES OBERDAM THIESEN FERREIRA AVALIAÇÃO DA OCLUSÃO DE PACIENTES TRATADOS ORTODONTICAMENTE COM APARELHO

Leia mais

Série Aparelhos Ortodônticos: Barra Transpalatina

Série Aparelhos Ortodônticos: Barra Transpalatina Série Aparelhos Ortodônticos barra transpalatina INTRODUÇÃO A barra transpalatina (BTP) tem sido aplicada na mecânica ortodôntica de forma crescente e em muitas situações clínicas. Isto pela característica

Leia mais

Saúde do Paciente. Dados Referentes à Identificação Pessoal do Paciente e Responsáveis

Saúde do Paciente. Dados Referentes à Identificação Pessoal do Paciente e Responsáveis Exame Clínico Em Ortodontia Dados Referentes à Identificação Pessoal do Paciente e Responsáveis Nome Gênero Dt Data de Nascimento; Pêso Altura; Endereço Telefone (recados); Pai Mãe Profissões Telefones;

Leia mais

Sliding Jig: confecção e mecanismo de ação

Sliding Jig: confecção e mecanismo de ação Dica Clínica Sliding Jig: confecção e mecanismo de ação Adriana Simoni Lucato* Eloísa Marcantônio Boeck* Silvia Amelia Scudeler Vedovello* João Sarmento Pereira Neto** Maria Beatriz Borges de Araújo Mangnani***

Leia mais

Tratamento da má oclusão de Classe II divisão 1 a, através de recursos ortodônticos e ortopédicos faciais (funcionais e mecânicos): relato de caso

Tratamento da má oclusão de Classe II divisão 1 a, através de recursos ortodônticos e ortopédicos faciais (funcionais e mecânicos): relato de caso Caso Clínico Tratamento da má oclusão de Classe II divisão 1 a, através de recursos ortodônticos e ortopédicos faciais (funcionais e mecânicos): relato de caso José Euclides Nascimento* Luciano da Silva

Leia mais

Má oclusão Classe III de Angle com discrepância anteroposterior acentuada

Má oclusão Classe III de Angle com discrepância anteroposterior acentuada C ASO CLÍNIC O BBO Má oclusão Classe III de Angle com discrepância anteroposterior acentuada Carlos Alexandre Câmara* Resumo O caso clínico apresentado refere-se ao tratamento de uma paciente com 36 anos,

Leia mais

Tratamento de Classe II, Divisão 1, com ausência congênita de incisivo lateral superior

Tratamento de Classe II, Divisão 1, com ausência congênita de incisivo lateral superior A RTIGO DE D IVULGA ÇÃO Tratamento de Classe II, Divisão 1, com ausência congênita de incisivo lateral superior Roberto M. A. LIMA FILHO*, Anna Carolina LIMA**, José H. G. de OLIVEIRA***, Antonio C. de

Leia mais

Padrões cefalométricos de Ricketts aplicados a indivíduos brasileiros com oclusão excelente

Padrões cefalométricos de Ricketts aplicados a indivíduos brasileiros com oclusão excelente T ÓPICO ESPECIAL Padrões cefalométricos de Ricketts aplicados a indivíduos brasileiros com oclusão excelente Masato Nobuyasu**, Minol Myahara***, Tieo Takahashi****, Adélqui Attizzani****, Hiroshi Maruo*****,

Leia mais

RECUPERADORES DE ESPAÇO

RECUPERADORES DE ESPAÇO RECUPERADORES DE ESPAÇO Conceito Recuperadores de espaço são usados para recuperar o espaço perdido nas arcadas dentárias. Eles verticalizam os dentes que inclinaram, depois que outros foram perdidos.

Leia mais

Tratamento da transposição de canino e pré-molar superior unilateral: abordagem por meio de mecânica segmentada

Tratamento da transposição de canino e pré-molar superior unilateral: abordagem por meio de mecânica segmentada Caso Clínico Tratamento da transposição de canino e pré-molar superior unilateral: abordagem por meio de mecânica segmentada Leopoldino Capelozza Filho*, Mauricio de Almeida Cardoso**, João Cardoso Neto***

Leia mais

Ortho In Lab. Resumo PROSTHESIS

Ortho In Lab. Resumo PROSTHESIS Planejamento e individualização da aparatologia ortodôntica conjugada aos mini-implantes ( DATs) Parte I Sítios de instalação uma área de risco controlado. Individualization of planning and orthodontic

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS AÇÕES DE SAÚDE BUCAL NA REDE DE SERVIÇOS DA SMSA DOCUMENTO AUXILIAR

DESENVOLVIMENTO DAS AÇÕES DE SAÚDE BUCAL NA REDE DE SERVIÇOS DA SMSA DOCUMENTO AUXILIAR PREFEITURA DE BELO HORIZONTE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE GERÊNCIA DE ASSISTÊNCIA DESENVOLVIMENTO DAS AÇÕES DE SAÚDE BUCAL NA REDE DE SERVIÇOS DA SMSA DOCUMENTO AUXILIAR COORDENAÇÃO TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL

Leia mais

Estudo da Recidiva em Pacientes com

Estudo da Recidiva em Pacientes com CASO CLÍNICO Estudo da Recidiva em Pacientes com Maloclusão de Classe II, Tratados pela Técnica do Arco de Canto com Extrações de Pré-Molares Pertencentes às Categorias de Crescimento de Petrovic. Parte

Leia mais

Composição química e resistência mecânica da base de braquetes Straight-Wire

Composição química e resistência mecânica da base de braquetes Straight-Wire Composição química e resistência mecânica da base de braquetes Straight-Wire observa-se a presença de outros elementos na composição química dos braquetes analisados. De acordo com Chiaverini 8, esses

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO APARELHO Componentes do aparelho extrabucal 3

APRESENTAÇÃO DO APARELHO Componentes do aparelho extrabucal 3 Série Aparelhos Ortodônticos EXTRABUCAL INTRODUÇÃO A ancoragem extrabucal ainda é um dos recursos mais utilizados e recomendados no tratamento da má oclusão de Classe II, primeira divisão, caracterizada

Leia mais

Concordância dos ortodontistas no diagnóstico do Padrão Facial

Concordância dos ortodontistas no diagnóstico do Padrão Facial Concordância dos ortodontistas no diagnóstico do Padrão Facial Sílvia Augusta Braga Reis* Jorge Abrão** Cristiane Aparecida Assis Claro*** Renata Ferraz Fornazari**** *Doutoranda em Ortodontia pela USP

Leia mais

Desgaste interproximal e suas implicações clínicas

Desgaste interproximal e suas implicações clínicas A r t i g o In é d i t o Desgaste interproximal e suas implicações clínicas Osmar Aparecido Cuoghi*, Rodrigo Castellazzi Sella**, Fernanda Azambuja Macedo***, Marcos Rogério de Mendonça**** Resumo Introdução:

Leia mais

Uma vez estando estabelecidos os conceitos de oclusão normal, a etapa. subseqüente do processo de aprendizado passa a ser o estudo das variações

Uma vez estando estabelecidos os conceitos de oclusão normal, a etapa. subseqüente do processo de aprendizado passa a ser o estudo das variações 1 INTRODUÇÃO Uma vez estando estabelecidos os conceitos de oclusão normal, a etapa subseqüente do processo de aprendizado passa a ser o estudo das variações desse padrão. Vale a pena relembrarmos a definição

Leia mais

A Importância do diagnóstico e intervenção precoce no tratamento das maloclusões em odontopediatria

A Importância do diagnóstico e intervenção precoce no tratamento das maloclusões em odontopediatria A Importância do diagnóstico e intervenção precoce no tratamento das maloclusões em odontopediatria The importance of early diagnosis and intervention in the treatment of malocclusion in pediatric dentistry

Leia mais

APRESENTAÇÃO DAS BANDAS TIPOS:

APRESENTAÇÃO DAS BANDAS TIPOS: 1 2 BANDAS ORTODÔNTICAS Introdução Para entendermos a real importância destes componentes de um aparelho ortodôntico, devemos inicialmente compreender qual a função da bandagem frente à um complexo sistema

Leia mais

ROTEIRO DE TÉCNICAS ANESTÉSICAS

ROTEIRO DE TÉCNICAS ANESTÉSICAS ROTEIRO DE TÉCNICAS ANESTÉSICAS Anestesia em anestésico o mais próximo possível do ápice do dente a ser anestesiado. Objetivo : Propiciar o conhecimento das técnicas anestésicas, principalmente as utilizadas

Leia mais

Tratamento ortodontico em paciente adulto: relato de caso clínico

Tratamento ortodontico em paciente adulto: relato de caso clínico Caso Clínico Tratamento ortodontico em paciente adulto: relato de caso clínico Matheus Melo Pithon*, Luiz Antônio Alves Bernardes** Resumo Com o maior acesso da população aos serviços de saúde bucal houve

Leia mais

A individualização de torque para os caninos no aparelho pré-ajustado

A individualização de torque para os caninos no aparelho pré-ajustado Caso Clínico A individualização de torque para os caninos no aparelho pré-ajustado Reginaldo César Zanelato*, Ademir Tadeu Grossi**, Sáverio Mandetta***, Marco Antonio Scanavini**** Resumo A grande maioria

Leia mais

T4A TRAINER PARA ALINHAMENTO. Desenvolvido por Dr. Chris Farrell (BDS Sydney University)

T4A TRAINER PARA ALINHAMENTO. Desenvolvido por Dr. Chris Farrell (BDS Sydney University) T4A TRAINER PARA ALINHAMENTO Desenvolvido por Dr. Chris Farrell (BDS Sydney University) PARA O ALINHAMENTO DE DENTES ANTERIORES NA DENTIÇÃO PERMANENTE Contate-nos para obter informações sobre o vídeo de

Leia mais

Extração de incisivo inferior: uma opção de tratamento ortodôntico

Extração de incisivo inferior: uma opção de tratamento ortodôntico T ó p i c o E s p e c i a l Extração de incisivo inferior: uma opção de tratamento ortodôntico Mírian Aiko Nakane Matsumoto*, Fábio Lourenço Romano**, José Tarcísio Lima Ferreira***, Silvia Tanaka****,

Leia mais

Abordagem Segmentada para Intrusão Simultânea ao Fechamento de Espaço: Biomecânica do Arco Base de Três Peças

Abordagem Segmentada para Intrusão Simultânea ao Fechamento de Espaço: Biomecânica do Arco Base de Três Peças rtigo Traduzido bordagem Segmentada para Intrusão Simultânea ao Fechamento de Espaço: iomecânica do rco ase de Três Peças Segmented pproach to Simultaneous Intrusion and Space Closure: iomechanics of the

Leia mais

Estabilidade pós-contenção das alterações da forma do arco inferior na má oclusão de Classe II de Angle tratada com e sem a extração de pré-molares

Estabilidade pós-contenção das alterações da forma do arco inferior na má oclusão de Classe II de Angle tratada com e sem a extração de pré-molares A r t i g o I n é d i t o Estabilidade pós-contenção das alterações da forma do arco inferior na má oclusão de Classe II de Angle tratada com e sem a extração de pré-molares Mauro C. Agner Busato*, Guilherme

Leia mais

A importância do ajuste oclusal pós-tratamento ortodôntico

A importância do ajuste oclusal pós-tratamento ortodôntico INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE - ICS FUNORTE- SOEBRAS Fernando Ferreira Pena Lopes A importância do ajuste oclusal pós-tratamento ortodôntico Contagem MG 2010 FERNANDO FERREIRA PENA LOPES A importância

Leia mais

Mesialização de molares com ancoragem em mini-implantes

Mesialização de molares com ancoragem em mini-implantes A r t i g o In é d i t o Mesialização de molares com ancoragem em mini-implantes Marcos Janson*, Daniela Alcântara Fernandes Silva** Resumo Introdução: é muito comum, na rotina do consultório odontológico,

Leia mais

TIP-EDGE e a TÉCNICA DIFERENCIAL DO ARCO RETO.

TIP-EDGE e a TÉCNICA DIFERENCIAL DO ARCO RETO. TIP-EDGE e a TÉCNICA DIFERENCIAL DO ARCO RETO....Tip-Edge é um braquete com um slot edgewise modificado, pré-ajustado, que permite inclinação da coroa em uma direção e ainda cria ancoragem através de movimento

Leia mais

Matheus Melo Pithon**, Luiz Antônio Alves Bernardes*** Palavras-chave: Classe III esquelética. Expansão rápida da maxila. Aparelho ortodôntico fixo.

Matheus Melo Pithon**, Luiz Antônio Alves Bernardes*** Palavras-chave: Classe III esquelética. Expansão rápida da maxila. Aparelho ortodôntico fixo. Artigo de Divulgação 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 42 43 44 45 Tratamento da má oclusão Classe iii esquelética através

Leia mais

Correção da relação sagital entre os arcos dentais Classe II

Correção da relação sagital entre os arcos dentais Classe II Correção da relação sagital entre os arcos dentais Classe II CAPÍTULO 13 Karyna Martins do Valle-Corotti Danilo Furquim Siqueira INTRODUÇÃO Angle 1 definiu a maloclusão de Classe II como uma relação mesiodistal

Leia mais

INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE/ SOEBRAS ALINE LOPES GÓS

INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE/ SOEBRAS ALINE LOPES GÓS 1 INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE/ SOEBRAS ALINE LOPES GÓS BRAQUETES: TIPOS E PRESCRIÇÕES SANTO ANDRÉ 2013 2 ALINE LOPES GÓS BRAQUETES: TIPOS E PRESCRIÇÕES Monografia apresentada ao colegiado de

Leia mais

BRUXISMO EXCÊNTRICO COMO FATOR ETIOLÓGICO DE DISFUNÇÃO TEMPOROMANDIBULAR

BRUXISMO EXCÊNTRICO COMO FATOR ETIOLÓGICO DE DISFUNÇÃO TEMPOROMANDIBULAR BRUXISMO EXCÊNTRICO COMO FATOR ETIOLÓGICO DE DISFUNÇÃO TEMPOROMANDIBULAR Gustavo Dias Gomes da Silva(1); Anna Kássia Tavares Alves Chaves Santiago Ana Isabella Arruda Meira Ribeiro (3); Alcione Barbosa

Leia mais

Confecção e instalação do Sky Hook

Confecção e instalação do Sky Hook Dica Clínica Confecção e instalação do Sky Hook Preparing and fitting the Sky Hook Laurindo Zanco Furquim * Resumo Nos casos de Classe III, principalmente naqueles com deficiência maxilar, o protocolo

Leia mais

Instrumentais em Ortodontia Lingual Instrumentals in Lingual Orthodontics

Instrumentais em Ortodontia Lingual Instrumentals in Lingual Orthodontics 580 Artigo de Revisão (Review Articles) Orthodontic Science and Practice. 2009; 2(6). Instrumentais em Ortodontia Lingual Instrumentals in Lingual Orthodontics Marcos Gabriel do Lago Prieto - Especialista

Leia mais

ESDRAS FELIPE DINIZ ALVES TRATAMENTO DO APINHAMENTO ANTERO-INFERIOR POR MEIO DA EXTRAÇÃO DE UM INCISIVO INFERIOR RELATO DE CASO CLÍNICO

ESDRAS FELIPE DINIZ ALVES TRATAMENTO DO APINHAMENTO ANTERO-INFERIOR POR MEIO DA EXTRAÇÃO DE UM INCISIVO INFERIOR RELATO DE CASO CLÍNICO ESDRAS FELIPE DINIZ ALVES TRATAMENTO DO APINHAMENTO ANTERO-INFERIOR POR MEIO DA EXTRAÇÃO DE UM INCISIVO INFERIOR RELATO DE CASO CLÍNICO Londrina 2013 ESDRAS FELIPE DINIZ ALVES TRATAMENTO DO APINHAMENTO

Leia mais

INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE/SOEBRÁS

INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE/SOEBRÁS INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE/SOEBRÁS PLACA LÁBIO ATIVA INDICAÇÕES, VANTAGENS E DESVANTAGENS ROBERTA HOFFERT Monografia apresentada ao programa de Especialização em Ortodontia do ICS - FUNORTE/SOEBRÁS

Leia mais

MANUAL DO MYOBRACE MANUAL DE PROCEDIMENTOS. Este manual apresenta informações mais detalhadas que as do folheto sobre o Sistema MYOBRACE.

MANUAL DO MYOBRACE MANUAL DE PROCEDIMENTOS. Este manual apresenta informações mais detalhadas que as do folheto sobre o Sistema MYOBRACE. MANUAL DE PROCEDIMENTOS MANUAL DO MYOBRACE Índice Página Definindo o Myobrace 2 Indicações de uso 4 Seleção de pacientes 5 Seleção de casos 5 Casos iniciais 6 Casos típicos 6 Utilizando o Myobrace após

Leia mais

Tratamento Ortodôntico em Adultos: uma Abordagem Direcionada Orthodontic Treatment in Adults: an Objective Approach

Tratamento Ortodôntico em Adultos: uma Abordagem Direcionada Orthodontic Treatment in Adults: an Objective Approach Artigo Inédito Tratamento Ortodôntico em Adultos: uma Abordagem Direcionada Orthodontic Treatment in Adults: an Objective Approach Leopoldino Capelozza Filho Resumo A demanda de pacientes adultos nos consultórios

Leia mais

Tratamento cirúrgico da má oclusão de Classe III dentária e esquelética

Tratamento cirúrgico da má oclusão de Classe III dentária e esquelética Caso Clínico BBO Tratamento cirúrgico da má oclusão de Classe III dentária e esquelética Ione Helena Vieira Portella Brunharo 1 O preparo ortodôntico para tratamento cirúrgico do padrão esquelético de

Leia mais

INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE/SOEBRÁS CONTENÇÃO EM ORTODONTIA

INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE/SOEBRÁS CONTENÇÃO EM ORTODONTIA INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE/SOEBRÁS CONTENÇÃO EM ORTODONTIA MARIANY JESUS LEMOS RUSISCA Monografia apresentada ao programa de Especialização em Ortodontia do ICS - FUNORTE/SOEBRÁS Núcleo Alfenas,

Leia mais

MOVIMENTOS MANDIBULARES

MOVIMENTOS MANDIBULARES MOVIMENTOS MANDIBULARES Alfredo Julio Fernandes Neto, et al. Univ. Fed. Uberlândia - 2006 Para o entendimento da dinâmica dos movimentos mandibulares, além dos quatro determinantes anatômicos do aparelho

Leia mais

Dr. Andrews - Setenta e três dos meus últimos cem pacientes apresentavam condições que necessitavam

Dr. Andrews - Setenta e três dos meus últimos cem pacientes apresentavam condições que necessitavam Vivemos em um país para o qual o futuro sempre reserva novos horizontes, melhores perspectivas e grandes transformações. É, contudo, enorme a dificuldade de quem procura trazer esse futuro brilhante para

Leia mais

Mini-implantes ortodônticos como auxiliares da fase de retração anterior

Mini-implantes ortodônticos como auxiliares da fase de retração anterior A r t i g o In é d i t o Mini-implantes ortodônticos como auxiliares da fase de retração anterior Carlo Marassi*, Cesar Marassi** Resumo Introdução: os mini-implantes ortodônticos se estabeleceram como

Leia mais

EXTRAÇÃO DE INCISIVO INFERIOR EM ORTODONTIA

EXTRAÇÃO DE INCISIVO INFERIOR EM ORTODONTIA INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE / SOEBRÁS EXTRAÇÃO DE INCISIVO INFERIOR EM ORTODONTIA PÂMELA KIMURA FERNANDES PEREIRA SANTO ANDRÉ 2012 INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE / SOEBRÁS EXTRAÇÃO DE

Leia mais

Manipulação de Tecido Mole ao Redor de Implantes na Zona Estética

Manipulação de Tecido Mole ao Redor de Implantes na Zona Estética Manipulação de Tecido Mole ao Redor de Implantes na Zona Estética Figura 9 1A Diagrama de secção transversal mostrando um implante no local do incisivo. A forma côncava do rebordo vestibular é evidenciada.

Leia mais

O aparelho de Herbst com Cantilever (CBJ) Passo a Passo

O aparelho de Herbst com Cantilever (CBJ) Passo a Passo O aparelho de Herbst com Cantilever (CBJ) Passo a Passo çã APARELHO DE HERBST COM CANTILEVER (CBJ) MAYES, 1994 Utiliza quatro coroas de açoa o nos primeiros molares e um cantilever,, a partir dos primeiros

Leia mais

Princípios de OCLUSÃO

Princípios de OCLUSÃO Aperfeiçoamento em Prótese Convencional e sobre Implantes Bibliografia Recomendada HOBO, S. et al. Osseointegração e Reabilitação Oclusal. 1 ed. São Paulo: Quintessence, 1997. Princípios de OCLUSÃO Princípios

Leia mais

REAÇÕES TECIDUAIS ÀS FORÇAS ORTODÔNTICAS

REAÇÕES TECIDUAIS ÀS FORÇAS ORTODÔNTICAS REAÇÕES TECIDUAIS ÀS FORÇAS S DENTES ORTODONTIA FORÇA MOVIMENTO -Inicialmente,na Era Cristã, preconizava-se pressões digitais nos dentes mal posicionados visando melhorar a harmonia dos arcos dentários.

Leia mais

QUEIXA PRINCIPAL: EXAME ESTÉTICO

QUEIXA PRINCIPAL: EXAME ESTÉTICO O texto abaixo é um parte do capítulo I do livro manual simplificado de diagnóstico e planejamento em ortodontia e ortopedia que pode ser adquirido em nosso site. Os colegas que não frequentaram cursos

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. O apinhamento pode ser definido como uma discrepância entre o perímetro

1 INTRODUÇÃO. O apinhamento pode ser definido como uma discrepância entre o perímetro 1 1 INTRODUÇÃO O apinhamento pode ser definido como uma discrepância entre o perímetro do arco dentário presente e o tamanho do arco dentário requerido para alinhar e posicionar corretamente os dentes.

Leia mais

Utilização do APM no tratamento da má oclusão de Classe II, 2ª divisão, em paciente adulto

Utilização do APM no tratamento da má oclusão de Classe II, 2ª divisão, em paciente adulto Caso Clínico Utilização do APM no tratamento da má oclusão de Classe II, 2ª divisão, em paciente adulto Jaime Sampaio Bicalho*, Rafael de Faria Bicalho** Resumo Relato de caso clínico de paciente com 51

Leia mais

Título: ALEXANDER DISCIPLINE, NOVO CONCEITO EM ORTODONTIA

Título: ALEXANDER DISCIPLINE, NOVO CONCEITO EM ORTODONTIA Título: ALEXANDER DISCIPLINE, NOVO CONCEITO EM ORTODONTIA Resumo: Sistema elaborado para se obter excelentes resultados de maneira simples e organizada, simplificando a mecânica ortodôntica reduzindo o

Leia mais

Descrição do Método de Contenção Fixa, com Livre Acesso do Fio Dental

Descrição do Método de Contenção Fixa, com Livre Acesso do Fio Dental Dica Clínica Descrição do Método de Contenção Fixa, com Livre Acesso do Fio Dental Description of the Method of Fixed Retention, with Free Access of the Dental Floss Jaime Sampaio Bicalho * Karla Tonelli

Leia mais

Confecção do contensor removível Osamu

Confecção do contensor removível Osamu Dica Clínica Confecção do contensor removível Osamu José Antônio Pereira Caricati*, Acácio Fuziy**, Paulo Tukasan**, Omar Gabriel da Silva Filho***, Maria Helena Ocké Menezes**** Resumo A busca constante

Leia mais

manter um dente recém- período suficientemente prolongado correção ortodôntica que se conceito polêmico.

manter um dente recém- período suficientemente prolongado correção ortodôntica que se conceito polêmico. Introdução CONTENÇÕES EM ORTODONTIA em ortodontia é o procedimento para manter um dente recém- movimentado em posição por um período suficientemente prolongado para assegurar a manutenção da correção ortodôntica

Leia mais

incisivos inferiores 1,3,4,6. Há também um movimento do nariz para frente, tornando o perfil facial menos côncavo e, conseqüentemente,

incisivos inferiores 1,3,4,6. Há também um movimento do nariz para frente, tornando o perfil facial menos côncavo e, conseqüentemente, Série Aparelhos Ortodônticos MÁSCARA FACIAL INTRODUÇÃO Inúmeras formas de tratamento têm sido relatadas para a correção precoce da má oclusão de Classe III. No entanto, talvez por muitos casos necessitarem

Leia mais

Artigo Traduzido. Arild Stenvik, DDS, MSD, PhD* Björn U. Zachrisson, DDS, MSD, PhD** Palavras-chave: Autotransplante. Agenesia.

Artigo Traduzido. Arild Stenvik, DDS, MSD, PhD* Björn U. Zachrisson, DDS, MSD, PhD** Palavras-chave: Autotransplante. Agenesia. Artigo Traduzido Um Caso de Difícil Solução, Facilitado pelo Autotransplante: Agenesia de um Incisivo e de Dois Pré-molares Inferiores, com Trespasse Vertical Acentuado A Difficult Agenesis Case Made Easier

Leia mais

IGC - Índice do Grau de Complexidade

IGC - Índice do Grau de Complexidade IGC - Índice do Grau de Complexidade Uma medida da complexidade do caso DI -American Board of Orthodontics Autorização American Board of Orthodon1cs- ABO Atualização: 13.05.2013 12. Outros Itens pontuados

Leia mais

RECIDIVA E CONTENÇÃO ORTODÔNTICA: uma revisão

RECIDIVA E CONTENÇÃO ORTODÔNTICA: uma revisão 1 CLÍNICA INTEGRADA DE ODONTOLOGIA - CIODONTO RECIDIVA E CONTENÇÃO ORTODÔNTICA: uma revisão RICARDO ALEXANDRE FARIA GOMES VITÓRIA DA CONQUISTA 2014 2 CLÍNICA INTEGRADA DE ODONTOLOGIA - CIODONTO RECIDIVA

Leia mais

FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PIRACICABA CETASE

FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PIRACICABA CETASE FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PIRACICABA CETASE CENTRO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DAS ALTERAÇÕES FUNCIONAIS DO SISTEMA ESTOMATOGNÁTICO Área de Prótese Fixa e Escultura Dental FICHA CLÍNICA 1 - Dados Pessoais

Leia mais

Avaliação Clínica Comparativa de Dois Casos de Expansão Rápida de Maxila

Avaliação Clínica Comparativa de Dois Casos de Expansão Rápida de Maxila CASO CLÍNICO Avaliação Clínica Comparativa de Dois Casos de Expansão Rápida de Maxila Comparative Clinical Evaluation of Two Cases of Rapid Maxillary Expansion Neif Miguel SARKIS Filho* Solange Barbosa

Leia mais

ANÁLISE DISCIPLINA DE OCLUSÃO

ANÁLISE DISCIPLINA DE OCLUSÃO ANÁLISE OCLUSAL DISCIPLINA DE OCLUSÃO FACULDADE DE ODONTOLOGIA da UERJ 2000 Equipe da Disciplina: Ricardo Lessa Bastos Walzer Abrahão Poubel Florence M. Sekito Hilda M. R. Souza Paulo Roberto B. Fernandes

Leia mais

ATIVADOR FIXO BIOPEDIC: INDICAÇÕES E INSTALAÇÃO

ATIVADOR FIXO BIOPEDIC: INDICAÇÕES E INSTALAÇÃO ATIVADOR FIXO BIOPEDIC: INDICAÇÕES E INSTALAÇÃO Luiz Fernando Eto*; Eneida Guimarães de Menezes Venuto**; Paula Moura Nagem** Luiz Fernando Eto - Especialista e Mestre em Ortodontia pelo COP-PUCMG; Professor

Leia mais

Alderico Artese. Antônio Carlos Peixoto da Silva. Professor Adjunto de Ortodontia da UFRJ e UERJ

Alderico Artese. Antônio Carlos Peixoto da Silva. Professor Adjunto de Ortodontia da UFRJ e UERJ E n t r e v i s t a Foi com muita honra e satisfação que aceitamos a incumbência da coordenar esta entrevista, cujo espaço a Dental Press teve a feliz iniciativa de dedicar aos expoentes da

Leia mais

Borracha Natural - conservação amônia. vulcanizado. Sintéticos carvão,petróleo e álcoois vegetais TIPOS DE ELÁSTICOS

Borracha Natural - conservação amônia. vulcanizado. Sintéticos carvão,petróleo e álcoois vegetais TIPOS DE ELÁSTICOS Curso de Aperfeiçoamento em Ortodontia Elásticos TIPOS DE ELÁSTICOS Borracha Natural - conservação amônia sensível ao ozônio vulcanizado Sintéticos carvão,petróleo e álcoois vegetais Elasticidade é a propriedade

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECIALIZADOS

CONHECIMENTOS ESPECIALIZADOS CONHECIMENTOS ESPECIALIZADOS 31) Sobre a reabsorção localizada severa, é correto afirmar que a) os dentes com dilaceração são fatores de risco. b) o tratamento ortodôntico não é o principal fator etiológico.

Leia mais