Desenho Técnico Sumário

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Desenho Técnico Sumário"

Transcrição

1

2 Sumário 1 Introdução Classificação dos desenhos Formatos e tipo de papel Letras e Algarismos Escalas Carimbo ou Legenda Simbologia Linhas e Traçados Hachuras Cotagem Noções de Vistas Ortográficas Exercícios e trabalhos práticos Referências Bibliográficas

3 1 Introdução O desenho foi a primeira forma racional que o homem encontrou de expressar suas idéias, desejos etc. O desenho é mais antigo do que o próprio alfabeto, inclusive, os primeiros alfabeto foram criados baseados em figuras, e não com representação alfanumérica. Seria praticamente impossível, para uma linha de produção, a montagem de quaisquer equipamentos sem um esquema, assim como, seria problemática a análise dos circuitos na hora de se executar uma reparação. A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) elaborou determinadas regras para a padronização na elaboração de qualquer tipo de desenho, que vão desde o formato de papel, até a simbologia que deve ser aplicada. 2 Classificação dos desenhos 2.1 Quanto ao aspecto geométrico Desenho projetivo Desenho resultante da projeção do objeto sobre um ou mais planos que fazem coincidir com o do próprio desenho, e compreende: Vistas ortográficas Figuras resultantes de projeções cilíndricas ortogonais do objeto, sobre planos previamente escolhidos, de modo a representar, com exatidão, a forma do mesmo com detalhes. 3

4 Perspectiva Figura resultante de projeção cilíndrica ou cônica, sobre um único plano, com a finalidade de permitir uma percepção mais fácil da forma do objeto Desenho não projetivo Desenho não subordinado à correspondência, por meio de projeções, entre as figuras que o constituem e o que é por ele representado. Compreende larga variedade de representações gráficas, tais como: diagramas, esquemas, ábacos, monogramas, organogramas, gráficos etc. DIRETOR SUPERVISOR TÉCNICO GERENTE ADMISTRATIVO Gráfico Organograma 2.2 Quanto ao grau de elaboração Esboço Aplicado aos estágios iniciais da elaboração de um projeto podendo, entretanto, servir como representação de elementos existentes. Pode ser elaborado à mão-livre, sem a utilização de qualquer tipo de instrumento (régua, esquadros, gabaritos e etc.), e em qualquer tipo de papel. 4

5 2.2.2 Desenho preliminar Representação gráfica empregada nos estágios intermediários da elaboração do projeto, sujeito ainda a alterações. Pode ser chamado de anteprojeto Desenho definitivo É a apresentação da solução final do projeto, contendo elementos necessários à sua execução e compreensão. Pode ser chamado de desenho executivo. Nota: Se porventura, durante a execução dos projetos, houver a necessidade de se efetuar qualquer alteração no projeto original, deve-se consultar o projetista, e registrar a alteração no desenho definitivo. Este processo recebe o nome de As built. 2.3 Quanto ao grau de pormenorização Detalhe Desenho de componente isolado ou parte de um todo complexo, visando dar destaque à determinada parte do projeto Desenho de conjunto Desenho mostrando reunidos vários componentes ou etapas, que se associam formando um todo. 2.4 Quanto ao material empregado Desenho a lápis Desenho a tinta (nanquim) Desenho a giz, carvão etc. 2.5 Quanto à técnica de execução Desenho a mão-livre Técnica utilizada para a elaboração de esboços Desenho com instrumentos Utiliza-se réguas, gabaritos, esquadros, transferidores, tecnígrafos e etc., para elaborar o desenho. 5

6 Obs.: Hoje em dia é comum o uso de computadores, com o uso de programas específicos, para a elaboração de desenhos diversos, tais como: AutoCad, Eletronic Workbench, Tango, OrCad e etc. 2.6 Quanto à técnica de apresentação Original Desenho matriz que serve à obtenção de novos exemplares. Podem ser elaborados em papeis especiais (vegetal, poliéster e manteiga) ou mídias eletrônicas (CDs e disquetes) Reprodução Desenho obtido, a partir do original, por qualquer processo (xerox, heliográfica, plotagem e etc.). Compreende: Cópia Reprodução na mesma grandeza do original. Ampliação Reprodução proporcional, porém, maior que o original. Redução Reprodução proporcional, porém, menor que o original. 3 Formatos e tipo de papel 3.1 O formato de papel básico é o A0, que apresenta uma área de 1 m. Do formato básico derivam os demais, sendo que os mais utilizados, para o desenho eletrônico, são os formatos A3 e A4. Formato Dimensões (mm) Margem Direita (mm) A0 841 x A1 594 x A2 420 x A3 297 x A4 210 x

7 Margem esquerda = 25 mm para todos os formatos 3.2 Os tipos de papéis, para a elaboração de desenhos, são bem variados. O mais comum é o bloco de desenho, que já vem nos formatos padronizados, mas, ainda podemos utilizar o papel vegetal e o poliéster. 4 Letras e Algarismos As letras e algarismos usados nas legendas e anotações, devem ser de fácil compreensão, de rápida execução e de tamanho adequado ao desenho, podendo ser verticais ou com uma ligeira inclinação para a direita (entre 60 e 75). Vertical ABCDEFGHIJKLMNOPQRSTUVXYWZ Inclinada ABCDEFGHIJKLMNOPQRSTUVXYWZ Minúsculas abcdefghijklmnopqrstuvxywz 5 Escalas Na elaboração dos diagramas esquemáticos, esboços ou croquis, não há necessidade a utilização de escalas. No entanto, quando elaboramos uma planta executiva de arquitetura e instalações, peças a serem torneadas, arte-final de placas de circuitos impressos e etc., devemos indicar a escala utilizada no carimbo, ou sob o próprio desenho, caso ele tenha sido elaborado com outros desenhos, na mesma folha. As escalas devem ter seus títulos expressos por intermédio de razões numéricas simples, como por exemplo: Natural ou tamanho real 1:1 = 1 cm do objeto representado no papel corresponderá a 1 cm do objeto real. Redução 1:2 ; 1:5 ; 1:10 etc. = na escala 1:5, 1 cm do objeto representado no papel corresponderá a 5 cm, ou 5 m, ou 5 Km do elemento real. 7

8 Ampliação 2:1 ; 5:1 ; 10:1 etc. = na escala 2:1, 2 cm do objeto representado no papel corresponderá a 1 cm do objeto real. Exemplos: 1 - Para representar 5,30 m na escala 1:50 corresponderá a: 1 cm cm X cm 50 x = 1 x 530 x = 530 = 10,6 cm 50 2 Para representar a espessura da parede de meia-vez (15 cm) na escala 1:20 corresponderá a: 1 cm cm X cm 20 x = 1 x 15 x = 15 = 0,75 cm = 7,5 mm 20 6 Carimbo ou Legenda Fica localizado na parte inferior direita, onde devemos inserir todos os dados do projeto, tais como: - Nome da empresa; - Nome do desenhista e/ou projetista; - Nome do cliente; - Escala, quando houver; - Data; - Título do desenho; - Número da folha - Etc. 8

9 7 Simbologia Todos os elementos arquitetônicos, hidráulicos, sanitários, elétricos, eletrônicos e etc., têm suas representações gráficas padronizadas pela ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas). Você terá contato com essas simbologias, durante o decorrer do curso, em cada uma das matérias específicas. Obs.: Quando se deseja representar um elemento que se deseja diferenciar da simbologia aprovada, ou não existir tal representação, pode criar um símbolo próprio, desde que venha indicada na planta a convenção utilizada. 8 - Linhas e Traçados Para cada tipo de representação dos elementos de um desenho devemos utilizar linhas com formatos e espessuras diferenciadas, a fim de facilitar a compreensão do mesmo. Tipo Emprego grossa 1 Arestas e contornos visíveis 2 Linha de corte média 3 Arestas e contornos não 4 visíveis Linha de ruptura curta fina 5 Linha de cota e de extensão 9 Hachuras Linha de chamada Eixos de simetria e linha de 6 centro 7 Linha de ruptura longa

10 9 Hachuras Tem como finalidade acrescentar graficamente o tipo de material empregado nos elementos representados, principalmente quando realizamos a representação dos seus cortes. Concreto em vista Concreto em corte Mármore/Granito em vista Madeira em vista Madeira em corte Compensado de madeira Aço em corte Isolante térmico Alvenaria em corte Argamassa Talude em vista Enchimento de piso Aterro Materiais isolantes (borracha, vinil, neoprene e etc.) 10 Cotagem Apesar dos desenhos serem representados em escala é necessário a representação numérica das dimensões dos elementos, a cotagem. A cota deve ser sempre indicada de maneira clara e precisa, pois, se houver divergência entre a escala e a cota, prevalecerá a cota. 10

11 10.1 Elementos componentes da cotagem Linha de cota: é a linha que contém a dimensão daquilo que está sendo cotado e na qual é posicionado o valor numérico da cota, normalmente, essa linha fica paralela à aresta que se está cotando. Linha de extensão, auxiliar ou chamada de cotagem: é a linha que liga a linha de cota ao elemento que está sendo cotado, normalmente ela fica perpendicular à aresta que se está cotando. Finalização das linhas de cota: no encontro da linha de extensão com a linha de cota devemos das um acabamento que pode ser: setas, traços a 45, pequenas circunferências cheias e etc Posição das cotas Linha de cota Linha auxiliar ou de chamada Limite da linha de cota (traço a 45 ) Como regra geral na representação e leitura de desenhos deve se observar que os mesmos possam ser lidos da base da folha ou de sua direita. As posições inversas a estas (leitura de cima para baixo ou da esquerda para a direita) são consideradas de cabeça para baixo. 11 Noções de Vistas Ortográficas Define a Norma Técnica Brasileira (NBR 10647) que: Vistas Ortográficas são as "figuras resultantes da projeção cilíndricas ortogonais do objeto sobre planos convenientemente escolhidos, de modo a representar, com exatidão a forma do mesmo com seus detalhes". Quais sejam: 11

12 Vistas Comuns Vistas Secionais Vistas Auxiliares 11.1 Vistas Comuns Como visto anteriormente temos que uma vista comum é aquela em que temos uma das dimensões da peça projetada de forma acumulada (reduzida a um ponto). Deste modo temos que é possível obter seis Vistas Comuns de uma peça. Um par para cada dimensão acumulada. Uma principal e outra oposta. Se para cada Vista Comum temos um plano de projeção, então é possível considerar um paralelepípedo formado pelos seis planos de projeção. 12

13 Agora vamos imaginar que este paralelepípedo se abra até que todos os planos de projeção estejam sobre uma mesma superfície (coplanares). As vistas Comuns devem, sempre que possível, ser utilizadas obedecendo ao alinhamento (ref. distribuição de vistas), caso contrário devemos identificá-las claramente com o nome da vista colocado logo abaixo da vista correspondente. 13

14 11.2 Vistas Seccionais São vistas obtidas quando se supõe o objeto cortado por plano secante convenientemente escolhido e removida a parte anteposta entre o plano secante e o observador Vistas Auxiliares São vistas obtidas sobre planos auxiliares, inclinados em relação a planos principais de projeção. Empregam-se para representar, com exatidão, detalhes do objeto, inclinados em relação às faces principais do mesmo. 14

15 As vistas auxiliares são projeções parciais, pois devem representar apenas o detalhe que a motivou, o restante da peça deve ser omitido a partir do traçado de uma linha de ruptura. Observar que caso a vista auxiliar seja completa (sem interrupção da vista) então esta passará a levar a denominação de perspectiva. Perspectiva 12 Exercícios e trabalhos práticos Na figura abaixo temos uma perspectiva com suas vistas ortográficas e as suas faces devidamente identificadas. E F G A B FRONTAL F D C LATERAL ESQUERDA D E G SUPERIOR Perspectiva vistas ortográficas correspondentes Veja a representação das vistas ortográficas de um objeto com as respectivas representações de seus vértices. 15

16 Perspectiva vistas ortográficas Exercícios: 1) Tente identificar as arestas dos desenhos abaixo: 16

17 2) Tente identificar as faces do desenho abaixo: 3) Dada as perspectivas esboce as vistas principais (frontal, superior e lateral esquerda). Para facilitar a elaboração utilize uma folha de papel milimetrado. Fig. 1 Fig. 2 17

18 Fig. 3 Obs.: Adotar a mesma posição da vista frontal, indicada na figura 1, para todas as figuras. 4) Desenhar numa folha A-4 as vistas ortográficas cotadas das peças abaixo. 18

19 19 Desenho Técnico

20 13 Perspectiva É a maneira mais eficiente de representar graficamente as três principais medidas de um objeto (largura, altura e profundidade) em um único plano. Existem vários tipos de perspectivas, a saber: Cônica Muito utilizada em arquitetura de interiores e fachadas em 3D podendo ser com um ponto de fuga, dois pontos de fuga ou aérea. À cavaleira É elaborada mantendo a vista frontal ou elevação em linhas retas e a profundidade é representada sobre um plano inclinado a 30, 45 ou 60. Esse tipo de perspectiva, bem como a cônica, tem a desvantagem de ter algumas medidas fora da VG (verdadeira grandeza). Isométrica É a que nos dá uma visão muito próxima do real e é amplamente utilizada na representação de peças. Seus principais eixos estão inclinados em 120 um dos outros e por esse motivo pode ser facilmente elaborado com um par de esquadros. 20

21 a 90º. As linhas que não estiverem em 30º (obs. 90º + 30 º = 120º) em relação a horizontal, estarão A seguir mostramos um esboço de uma perspectiva elaborada a partir das três vistas ortográficas. 21

22 Exercícios: 1 Elabore as perspectivas isométricas a partir das vistas ortográficas sem se preocupar com as dimensões e/ou escalas gráficas. 22

23 23 Desenho Técnico

24 14 Referências Bibliográficas NBR Vistas Ortográficas. NBR-8196/99 Emprego de Escalas. NBR-8403/84 Aplicação de Linhas (Tipos e Larguras). NBR-10068/87 Folhas de Desenho (Leiaute e Dimensões). SILVA FILHO, Lourival Roque Apostila de Desenho Técnico Rio de Janeiro SILVA, Gilberto Soares da Curso de Desenho Técnico Porta Alegre

RESUMO DAS NORMAS TÉCNICAS DA ABNT

RESUMO DAS NORMAS TÉCNICAS DA ABNT RESUMO DAS NORMAS TÉCNICAS DA ABNT A padronização ou normalização do desenho técnico tem como objetivo uniformizar o desenho por meio de um conjunto de regras ou recomendações que regulamentam a execução

Leia mais

DESENHO TÉCNICO. Apresentar de forma sintética, as normas e convenções usuais referente às

DESENHO TÉCNICO. Apresentar de forma sintética, as normas e convenções usuais referente às CURSO: DESIGN DE INTERIORES DISCIPLINA: DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO TURNO: Manhã / Noite PERÍODO: 1º PROFESSORAS: Dodora DESENHO TÉCNICO Dimensões de papéis para desenhos técnicos: Objetivo: pranchas

Leia mais

URI- Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões Campus de Frederico Westphalen Curso: Química Industrial.

URI- Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões Campus de Frederico Westphalen Curso: Química Industrial. URI- Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões Campus de Frederico Westphalen Curso: Química Industrial Desenho Técnico Prof.ªElisa Maria Pivetta Cantarelli elisa@fw.uri.br Origem do

Leia mais

Peça Corte Visualização Representação

Peça Corte Visualização Representação Cortes Prof. Cristiano Arbex 2012 Corte: Em Desenho Técnico tem o significado de secção, separação. É um procedimento imaginário que permite a visualização das partes internas de uma peça, sendo usado

Leia mais

Prof. Sérgio Viana. Estas notas de aula são destinadas aos alunos que. Gráfica, para um posterior estudo mais profundo.

Prof. Sérgio Viana. Estas notas de aula são destinadas aos alunos que. Gráfica, para um posterior estudo mais profundo. EXPRESSÃO GRÁFICA Prof. Sérgio Viana Estas notas de aula são destinadas aos alunos que desejam ter um conhecimento básico de Expressão Gráfica, para um posterior estudo mais profundo. 1 Caligrafia Técnica

Leia mais

DESENHO TÉCNICO. Aula 03

DESENHO TÉCNICO. Aula 03 FACULDADE DE TECNOLOGIA SHUNJI NISHIMURA POMPÉIA - SP DESENHO TÉCNICO Aula 03 Prof. Me. Dario de A. Jané DESENHO TÉCNICO 1. PRINCÍPIOS BÁSICOS DE DESENHO TÉCNICO Normas Instrumentos Folhas (dobra, moldura,

Leia mais

ROTEIRO PRÁTICO DE DESENHO TÉCNICO

ROTEIRO PRÁTICO DE DESENHO TÉCNICO ROTEIRO PRÁTICO DE DESENHO TÉCNICO 1. OBJETIVO Este roteiro, baseado nas normas de desenho técnico em vigor, destina-se a orientar as empresas, interessadas em realizar ensaios para avaliações técnicas

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS PARA O DESENHO ARQUITETÔNICO

NORMAS TÉCNICAS PARA O DESENHO ARQUITETÔNICO Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Artes e Arquitetura Curso de Arquitetura e Urbanismo Escola Edgar Albuquerque Graeff Desenho Projetivo I DP-I NORMAS TÉCNICAS PARA O DESENHO ARQUITETÔNICO

Leia mais

Apostila Complementar

Apostila Complementar Desenho Técnico Apostila Complementar O curso de Desenho técnico mecânico é baseado nas apostilas de Leitura e Interpretação do Desenho Técnico Mecânico do Telecurso 2000 Profissionalizante de Mecânica.

Leia mais

DESENHOS UTILIZADOS NA REPRESENTAÇÃO DOS PROJETOS ARQUITETÔNICOS DE EDIFICAÇÕES

DESENHOS UTILIZADOS NA REPRESENTAÇÃO DOS PROJETOS ARQUITETÔNICOS DE EDIFICAÇÕES DESENHOS UTILIZADOS NA REPRESENTAÇÃO DOS PROJETOS ARQUITETÔNICOS DE EDIFICAÇÕES Na representação dos projetos de edificações são utilizados os seguintes desenhos: _ Planta de situação _ Planta de localização

Leia mais

DESENHO TÉCNICO. Aula 03

DESENHO TÉCNICO. Aula 03 FACULDADE DE TECNOLOGIA SHUNJI NISHIMURA POMPÉIA - SP DESENHO TÉCNICO Aula 03 Prof. Me. Dario de A. Jané DESENHO TÉCNICO 1. PRINCÍPIOS BÁSICOS DE DESENHO TÉCNICO Normas Instrumentos Folhas (dobra, moldura,

Leia mais

Conceitos Básicos de Desenho Técnico

Conceitos Básicos de Desenho Técnico Conceitos Básicos de Desenho Técnico 1. Utilização Das Ferramentas E Papel De Desenho 1.1. Ferramentas de Desenho 1.1.1. Apresentação O Desenho Arquitetônico uma especialização do Desenho Técnico, o qual

Leia mais

Aula 02/18 CLASSIFICAÇÃO DOS DESENHOS TÉCNICOS DESENHO PROJETIVO: DESENHO NÃO PROJETIVO:+

Aula 02/18 CLASSIFICAÇÃO DOS DESENHOS TÉCNICOS DESENHO PROJETIVO: DESENHO NÃO PROJETIVO:+ EXPRESSÃO GRÁFICA CURSO: Engenharia Mecânica PROFESSOR: José Ricardo Flores Faria Aula 02/18 CLASSIFICAÇÃO DOS DESENHOS TÉCNICOS DESENHO PROJETIVO: Desenho resultante da projeção do objeto, sob um ou mais

Leia mais

Corte total. Qualquer pessoa que já tenha visto um regis- A U L A

Corte total. Qualquer pessoa que já tenha visto um regis- A U L A A U L A 11 11 Corte total Introdução Qualquer pessoa que já tenha visto um regis- tro de gaveta, como o que é mostrado a seguir, sabe que se trata de uma peça complexa, com muitos elementos internos. Se

Leia mais

Introdução. Desenho técnico é uma linguagem de caráter universal.

Introdução. Desenho técnico é uma linguagem de caráter universal. Introdução Desenho técnico é uma linguagem de caráter universal. Através de símbolos, convenções e normas disseminados e adotados em todo mundo torna um desenho técnico, feito dentro das regras, de fácil

Leia mais

Curso Técnico em Eletromecânica

Curso Técnico em Eletromecânica Curso Técnico em Eletromecânica Edição 2011-1 2 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CAMPUS DE ARARANGUÁ

Leia mais

Normatização Desenho Técnico. Prof. Solivan Altoé

Normatização Desenho Técnico. Prof. Solivan Altoé Normatização Desenho Técnico CALIGRAFIA TÉCNICA NBR 8402 Assim como o resto do desenho técnico, as letras e algarismos também seguem uma forma definida por norma. Até pouco tempo atrás as letras eram desenhadas

Leia mais

BACHARELADO EM ENGENHARIA AMBIENTAL EaD UAB/UFSCar Expressão Gráfica para Engenharia NORMAS TÉCNICAS

BACHARELADO EM ENGENHARIA AMBIENTAL EaD UAB/UFSCar Expressão Gráfica para Engenharia NORMAS TÉCNICAS BACHARELADO EM ENGENHARIA AMBIENTAL EaD UAB/UFSCar NORMAS TÉCNICAS APOSTILA DO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL DA UFSCar volume 3 Profª Sheyla Mara Baptista Serra Agosto de 2008 3 NORMAS TÉCNICAS Conhecer

Leia mais

Normas da ABNT para Desenho Técnico

Normas da ABNT para Desenho Técnico UFMG - Curso de Graduação em Engenharia Metalúrgica Disciplina: DESENHO D Prof. Marcelo Borges Mansur (DEMET-UFMG) Normas da ABNT para Desenho Técnico Associação Brasileira de Normas Técnicas TERMINOLOGIA

Leia mais

INSTRUMENTOS USADOS Lápis e lapiseiras Os lápis médios são os recomendados para uso em desenho técnico, a seleção depende sobretudo de cada usuário.

INSTRUMENTOS USADOS Lápis e lapiseiras Os lápis médios são os recomendados para uso em desenho técnico, a seleção depende sobretudo de cada usuário. INSTRUMENTOS USADOS Lápis e lapiseiras Os lápis médios são os recomendados para uso em desenho técnico, a seleção depende sobretudo de cada usuário. INSTRUMENTOS USADOS Esquadros São usados em pares: um

Leia mais

UNESP DESENHO TÉCNICO: Fundamentos Teóricos e Introdução ao CAD. Parte 3/5: Prof. Víctor O. Gamarra Rosado

UNESP DESENHO TÉCNICO: Fundamentos Teóricos e Introdução ao CAD. Parte 3/5: Prof. Víctor O. Gamarra Rosado UNESP UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE GUARATINGUETÁ DESENHO TÉCNICO: Fundamentos Teóricos e Introdução ao CAD Parte 3/5: 8. Projeções ortogonais 9. Terceira Vista 10. Tipos

Leia mais

Normas da ABNT. (Associação Brasileira de Normas Técnicas) para Desenho Técnico

Normas da ABNT. (Associação Brasileira de Normas Técnicas) para Desenho Técnico Normas da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) para Desenho Técnico TERMINOLOGIA Norma ABNT NBR 10647, Abril 1989 Quanto ao aspecto geométrico: Desenho Projetivo Vistas ortográficas: Perspectivas:

Leia mais

Código da Disciplina CCE0047. e-mail: prof.clelia.fic@gmail.com http://cleliamonasterio.blogspot.com/

Código da Disciplina CCE0047. e-mail: prof.clelia.fic@gmail.com http://cleliamonasterio.blogspot.com/ Código da Disciplina CCE0047 e-mail: prof.clelia.fic@gmail.com http://cleliamonasterio.blogspot.com/ AULA 4 PLANTA BAIXA Representação de projetos de arquitetura NBR- 6492: REPRESENTAÇÃO DE ELEMENTOS CONSTRUTIVOS:

Leia mais

Cotagem de dimensões básicas

Cotagem de dimensões básicas Cotagem de dimensões básicas Introdução Observe as vistas ortográficas a seguir. Com toda certeza, você já sabe interpretar as formas da peça representada neste desenho. E, você já deve ser capaz de imaginar

Leia mais

DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I. Aula 02 Projeção, vistas, diedros. Desenho Técnico Mecânico I

DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I. Aula 02 Projeção, vistas, diedros. Desenho Técnico Mecânico I DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I Aula 02 Projeção, vistas, diedros PROJEÇÕES Projeções Projeção Cilíndrica Projeção Ortogonal Isométrica Vistas Ortográficas 1º Diedro 2º Diedro 3º Diedro 4º Diedro PROJEÇÕES

Leia mais

Curso Técnico em Eletromecânica

Curso Técnico em Eletromecânica Curso Técnico em Eletromecânica Edição 2010-1 2 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CAMPUS DE ARARANGUÁ

Leia mais

DESENHO TÉCNICO. Aula 07. Cortes em Desenho Técnico

DESENHO TÉCNICO. Aula 07. Cortes em Desenho Técnico FACULDADE DE TECNOLOGIA SHUNJI NISHIMURA POMPÉIA - SP DESENHO TÉCNICO Aula 07 Cortes em Desenho Técnico Prof. Me. Dario de Almeida Jané REPRESENTAÇÃO EM CORTE A representação em corte consiste em imaginar

Leia mais

MÉTODOS DE REPRESENTAÇÃO

MÉTODOS DE REPRESENTAÇÃO MARIA DO CÉU SIMÕES TERENO 2011 EUROPEU E AMERICANO SISTEMAS DE PROJEÇÕES ORTOGONAIS Ângulos Diedros A representação de objectos tridimensionais por meio de desenhos bidimensionais, utilizando projecções

Leia mais

Expressão Gráfica II 1 I INTRODUÇÃO

Expressão Gráfica II 1 I INTRODUÇÃO Expressão Gráfica II 1 I INTRODUÇÃO O Desenho Técnico é uma representação gráfica de objetos e suas relações, de maneira clara e sem ambiguidades através da descrição da forma e tamanho. É uma linguagem

Leia mais

Nivelamento Desenho Técnico

Nivelamento Desenho Técnico Módulo: Nivelamento Desenho Técnico Natanael Gomes da Costa Júnior Curso: FTST - FORMAÇÃO TÉCNICA EM SEGURANÇA DO TRABALHO MÓDULO DE NIVELAMENTO DESENHO TÉCNICO Sumário Sumário...2 Competências a serem

Leia mais

DESENHO TÉCNICO. Aula 06. Cotagem em Desenho Técnico

DESENHO TÉCNICO. Aula 06. Cotagem em Desenho Técnico FACULDADE DE TECNOLOGIA SHUNJI NISHIMURA POMPÉIA - SP DESENHO TÉCNICO Aula 06 Cotagem em Desenho Técnico Prof. Me. Dario de Almeida Jané COTAGEM EM DESENHO TÉCNICO Cotas são elementos de Desenho Técnico

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MATO GROSSO

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MATO GROSSO Página 1/38 Professor: Fabiano de Pádua Data: 10/2/2010 Aluno(a): Turma: Página 2/38 SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 4 2. CONCEITOS BÁSICOS... 4 2.1- Histórico... 4 2.2- Desenho Técnico... 4 2.3- Normas e Padrões...

Leia mais

"SISTEMAS DE COTAGEM"

SISTEMAS DE COTAGEM AULA 6T "SISTEMAS DE COTAGEM" Embora não existam regras fixas de cotagem, a escolha da maneira de dispor as cotas no desenho técnico depende de alguns critérios. A cotagem do desenho técnico deve tornar

Leia mais

NBR 8196 (Ago 1992) 2.7.2. Conceito Escala é a relação entre as medidas do desenho de um objeto e seu tamanho real:

NBR 8196 (Ago 1992) 2.7.2. Conceito Escala é a relação entre as medidas do desenho de um objeto e seu tamanho real: 2.7. ESCALAS NBR 8196 (Ago 1992) 2.7.1. OBJETIVO Fixa as condições exigíveis para o emprego de escalas e suas designações em desenho técnico e documentos semelhantes. 2.7.2. Conceito Escala é a relação

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Refrigeração, Ventilação e Ar Condicionado Disciplina: Desenho Técnico Tema: Introdução ao Desenho Técnico Profº

Curso Superior de Tecnologia em Refrigeração, Ventilação e Ar Condicionado Disciplina: Desenho Técnico Tema: Introdução ao Desenho Técnico Profº Curso Superior de Tecnologia em Refrigeração, Ventilação e Ar Condicionado Disciplina: Desenho Técnico Tema: Introdução ao Desenho Técnico Profº Milton 2014 DEFINIÇÃO Desenho Técnico é a linguagem técnica

Leia mais

DESENHO TÉCNICO. Prof. Melissa Passamani Boni

DESENHO TÉCNICO. Prof. Melissa Passamani Boni DESENHO TÉCNICO Prof. Melissa Passamani Boni Ementa do Curso: Expressão de ideias através da comunicação visual. Normas gerais do Desenho Técnico (ABNT). Conceituação básica da compreensão das figuras

Leia mais

ESTUDO DAS PROJEÇÕES NOÇÕES ELEMENTARES 1. DEFINIÇÃO

ESTUDO DAS PROJEÇÕES NOÇÕES ELEMENTARES 1. DEFINIÇÃO Estudo das projeções ESTUDO DAS PROJEÇÕES NOÇÕES ELEMENTARES 1. DEFINIÇÃO Geometria é a ciência que tem por objetivo a medida das linhas, superfícies e dos volumes. Descrever significa representar, contar

Leia mais

DESENHO ARQUITETÔNICO CEPREVI 2012

DESENHO ARQUITETÔNICO CEPREVI 2012 DESENHO ARQUITETÔNICO CEPREVI 2012 OBJETIVO: Tornar o aluno apto a interpretação do desenho técnico e das simbologias utilizadas em projetos de segurança contra incêndio e pânico; Identificar e compreender

Leia mais

UMC Cotas em desenho técnico (Módulo 2) Componentes gráficos de uma cota: Linha de cota Linha de chamada Setas de cota

UMC Cotas em desenho técnico (Módulo 2) Componentes gráficos de uma cota: Linha de cota Linha de chamada Setas de cota 1 UMC Engenharia Mecânica Expressão Gráfica 2 Prof.: Jorge Luis Bazan. Desenho Básico Cotas em desenho técnico (Módulo 2) Em desenho técnico damos o nome de cota ao conjunto de elementos gráficos introduzidos

Leia mais

REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DE COMPONENTES DE MECÂNICA

REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DE COMPONENTES DE MECÂNICA ETE Cel. Fernando Febeliano da Costa REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DE COMPONENTES DE MECÂNICA 1 o Ciclo de Técnico Mecânica Apostila baseada nas anotações de Professores e do TC 2000 Técnico Distribuição gratuita

Leia mais

Execução de caracter para escrita em desenho técnico NBR 8402 Aplicação de linhas em desenhos - Tipos de linhas - Larguras das linhas NBR 8403

Execução de caracter para escrita em desenho técnico NBR 8402 Aplicação de linhas em desenhos - Tipos de linhas - Larguras das linhas NBR 8403 Execução de caracter para escrita em desenho técnico NBR 8402 Aplicação de linhas em desenhos - Tipos de Execução de caracter para escrita em desenho técnico - NBR 8402 Execução de caracter para escrita

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA APOSTILA 4

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA APOSTILA 4 Gerência da Construção Civil, Geomática e Meio Ambiente Professor: Cristiano Nascimento APOSTILA 4 Desenho Técnico Topográfico (Instrumental e Normas) DESENHO TÉCNICO TOPOGRÁFICO (INSTRUMENTAL E NORMAS)

Leia mais

(A) I, III e IV. (B) II, III e IV. (C) I e IV. (D) I, II e III. (E) I, II, III e IV.

(A) I, III e IV. (B) II, III e IV. (C) I e IV. (D) I, II e III. (E) I, II, III e IV. Técnico de Laboratório / Área: Engenharia Civil/Projetos ==Questão 26==================== Analise a perspectiva isométrica apresentada abaixo: Assinale a alternativa que contém as vistas ortográficas correspondentes:

Leia mais

Código da Disciplina CCE0047 AULA 3. e-mail: prof.clelia.fic@gmail.com http://cleliamonasterio.blogspot.com/

Código da Disciplina CCE0047 AULA 3. e-mail: prof.clelia.fic@gmail.com http://cleliamonasterio.blogspot.com/ Código da Disciplina CCE0047 AULA 3 e-mail: prof.clelia.fic@gmail.com http://cleliamonasterio.blogspot.com/ Representação de projetos de arquitetura NBR- 6492: INFORMAÇÕES NA PRANCHA: Nome dos ambientes:

Leia mais

Acerca da representação do projeto de arquitetura, julgue o item seguinte.

Acerca da representação do projeto de arquitetura, julgue o item seguinte. 52.(UEAP/FGV/2014) Segundo Neves (1989), as informações básicas conceituais são o embasamento sobre o qual se assentam todas as ideias do partido arquitetônico e podem ser sintetizadas em cinco tópicos,

Leia mais

CURSO COMPLETO DE PROJETO DE MÓVEIS

CURSO COMPLETO DE PROJETO DE MÓVEIS CURSO COMPLETO DE PROJETO DE MÓVEIS Módulo 05 Projeto de Móveis CURSO COMPLETO DE PROJETO DE MÓVEIS MÓDULO 05 Aula 03 Assuntos a serem abordados: 04. Desenhos que Compõem um Projeto de Detalhamento de

Leia mais

Desenho Técnico I. Engenharia Mecânica. UMC Universidade de Mogi das Cruzes Reprodução não autorizada 1º sem. 2015

Desenho Técnico I. Engenharia Mecânica. UMC Universidade de Mogi das Cruzes Reprodução não autorizada 1º sem. 2015 1 Desenho Técnico I Engenharia Mecânica 1º semestre de 2015 2 EXPRESSÃO GRÁFICA I O objetivo da disciplina é estudar essa linguagem, obtendo conhecimento para realizá-la e interpretá-la corretamente. O

Leia mais

DESENHO DE ARQUITETURA PLANTA BAIXA AULA 01 PROF ALINE FERNANDES

DESENHO DE ARQUITETURA PLANTA BAIXA AULA 01 PROF ALINE FERNANDES DESENHO DE ARQUITETURA PLANTA BAIXA PLANTA BAIXA PLANTA BAIXA PLANTA BAIXA PLANTA BAIXA PLANTA BAIXA PROJETO ARQUITETÔNICO SÍMBOLOS GRÁFICOS PASSOS PARA MONTAGEM DE PLANTA BAIXA: 1. Deve-se estimar o tamanho

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE GUARATINGUETÁ

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE GUARATINGUETÁ UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE GUARATINGUETÁ DESENHO TÉCNICO: Fundamentos Teóricos e Introdução ao CAD Prof. VÍCTOR O. GAMARRA ROSADO Março de 2005 2 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

ERROS MAIS COMETIDOS EM DESENHO TÉCNICO

ERROS MAIS COMETIDOS EM DESENHO TÉCNICO ERROS MAIS COMETIDOS EM DESENHO TÉCNICO Aluna: Patricia Carvalho Souza Luciana Martins Orientadora: Anna Virgínia Machado Normalização do Desenho Técnico Objetivo da normalização: A padronização ou normalização

Leia mais

Corte composto. abaixo, por apresentarem seus elementos internos fora de alinhamento, precisam de outra maneira de se imaginar o corte.

Corte composto. abaixo, por apresentarem seus elementos internos fora de alinhamento, precisam de outra maneira de se imaginar o corte. A UU L AL A Corte composto Certos tipos de peças, como as representadas abaixo, por apresentarem seus elementos internos fora de alinhamento, precisam de outra maneira de se imaginar o corte. Introdução

Leia mais

Disciplina : Desenho Técnico Professora: Mariza Andrade. Mariza Andrade

Disciplina : Desenho Técnico Professora: Mariza Andrade. Mariza Andrade Disciplina : Desenho Técnico Professora: Mariza Andrade Nossas Aulas Ementa 1ª Parte: - Introdução ao Desenho Técnico; - Padronização do Desenho ; - Normas ABNT; - Instrumentos de Desenho e sua utilização;

Leia mais

DESENHO TÉCNICO DEFINIÇÃO. Conjunto de Metodologias. Procedimentos. que visam o desenvolvimento. comunicação de PROJECTOS, CONCEITOS e IDEIAS.

DESENHO TÉCNICO DEFINIÇÃO. Conjunto de Metodologias. Procedimentos. que visam o desenvolvimento. comunicação de PROJECTOS, CONCEITOS e IDEIAS. DESENHO TÉCNICO DEFINIÇÃO Conjunto de Metodologias Procedimentos que visam o desenvolvimento comunicação de PROJECTOS, CONCEITOS e IDEIAS. DESENHO TÉCNICO REPRESENTAÇÃO GEOMÉTRICA Objectivo produzir documentação

Leia mais

Escalas. Antes de representar objetos, modelos, peças, A U L A. Nossa aula. O que é escala

Escalas. Antes de representar objetos, modelos, peças, A U L A. Nossa aula. O que é escala Escalas Introdução Antes de representar objetos, modelos, peças, etc. deve-se estudar o seu tamanho real. Tamanho real é a grandeza que as coisas têm na realidade. Existem coisas que podem ser representadas

Leia mais

Configurando o estilo de Camada (Layer) no AutoCAD 2007

Configurando o estilo de Camada (Layer) no AutoCAD 2007 Configurando o estilo de Camada (Layer) no AutoCAD 2007 1 - Inicialmente, na Barra de Camadas clique no ícone (Gerenciador de Propriedades da Camada), para configurar o estilo de camada: 2 - Na caixa de

Leia mais

DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I (SEM 0564) Notas de Aulas v.2015. Aula 01 Introdução

DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I (SEM 0564) Notas de Aulas v.2015. Aula 01 Introdução DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I (SEM 0564) Notas de Aulas v.2015 Aula 01 Introdução DEFINIÇÃO Desenho Técnico é a linguagem técnica e gráfica empregada para expressar e documentar formas, dimensões, acabamento,

Leia mais

UNESP DESENHO TÉCNICO: Fundamentos Teóricos e Introdução ao CAD. Parte 4/5: Prof. Víctor O. Gamarra Rosado

UNESP DESENHO TÉCNICO: Fundamentos Teóricos e Introdução ao CAD. Parte 4/5: Prof. Víctor O. Gamarra Rosado UNESP UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE GUARATINGUETÁ DESENHO TÉCNICO: Fundamentos Teóricos e Introdução ao CAD Parte 4/5: 11. Cotagem 12. Escala Prof. Víctor O. Gamarra

Leia mais

Caderno de Respostas

Caderno de Respostas Caderno de Respostas DESENHO TÉCNICO BÁSICO Prof. Dr.Roberto Alcarria do Nascimento Ms. Luís Renato do Nascimento CAPÍTULO 1: ELEMENTOS BÁSICOS DO DESENHO TÉCNICO 1. A figura ilustra um cubo ao lado de

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ALVES REDOL ESCOLA SEDE: ESCOLA SECUNDÁRIA ALVES REDOL. Educação Tecnológica. Desenho Técnico

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ALVES REDOL ESCOLA SEDE: ESCOLA SECUNDÁRIA ALVES REDOL. Educação Tecnológica. Desenho Técnico AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ALVES REDOL ESCOLA SEDE: ESCOLA SECUNDÁRIA ALVES REDOL Educação Tecnológica Desenho Técnico O desenho técnico pode ser considerado uma «linguagem», pois tem uma gramática, uma ortografia

Leia mais

Projeção ortográfica de modelos com elementos paralelos e oblíquos

Projeção ortográfica de modelos com elementos paralelos e oblíquos A U L A Projeção ortográfica de modelos com elementos paralelos e oblíquos Introdução Você já sabe que peças da área da Mecânica têm formas e elementos variados. Algumas apresentam rebaixos, outras rasgos,

Leia mais

UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS EXATAS E AMBIENTAIS CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO

UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS EXATAS E AMBIENTAIS CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS EXATAS E AMBIENTAIS CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Projeto Arquitetônico I 2015/01 Representação de projetos de arquitetura - NBR 6492 Arquitetura

Leia mais

Mecânica Leitura e Interpretação de Desenho Técnico Mecânico

Mecânica Leitura e Interpretação de Desenho Técnico Mecânico _ CPM - Programa de Certificação de Pessoal de Manutenção Mecânica Leitura e Interpretação de Desenho Técnico Mecânico _ Departamento Regional do Espírito Santo 3 _ Leitura e Interpretação de Desenho Técnico

Leia mais

Desenho Técnico. Eng. Agr. Prof. Dr. Cristiano Zerbato. Planta Baixa

Desenho Técnico. Eng. Agr. Prof. Dr. Cristiano Zerbato. Planta Baixa Desenho Técnico Eng. Agr. Prof. Dr. Cristiano Zerbato Planta Baixa PROJETO ARQUITETÔNICO: PLANTAS E VISTAS Profª. Ms. Laura Ludovico de Melo ENG1051 PROJETO ARQUITETÔNICO: PLANTAS E VISTAS Planta Baixa:

Leia mais

DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I. Aula 04 Cortes, hachuras, semi-cortes. Desenho Técnico Mecânico I

DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I. Aula 04 Cortes, hachuras, semi-cortes. Desenho Técnico Mecânico I DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I Aula 04 Cortes, hachuras, semi-cortes CORTE Corte é a denominação dada à representação de um produto secionada por um ou mais planos virtuais (planos secantes). No corte se representa

Leia mais

FOLHAS PARA DESENHOS TÉCNICOS

FOLHAS PARA DESENHOS TÉCNICOS FOLHAS PARA DESENHOS TÉCNICOS Faculdade de Arquitetura Departamento de Expressão Gráfica Setor Técnico Disciplinas de desenho técnico instrumentado dos cursos de Engenharia (ARQ 3322, ARQ 3319 e ARQ 3323)

Leia mais

AULA 02 Normatização, Formatação, Caligrafia e Introdução ao Desenho técnico instrumentado. 2013/01. Prof. Esp. Arq. José Maria

AULA 02 Normatização, Formatação, Caligrafia e Introdução ao Desenho técnico instrumentado. 2013/01. Prof. Esp. Arq. José Maria AULA 02 Normatização, Formatação, Caligrafia e Introdução ao Desenho técnico instrumentado. 2013/01 Prof. Esp. Arq. José Maria Norma: Trata-se de um princípio, previamente acordado, que deve ser tomado

Leia mais

Desenho de máquinas. Aula 3

Desenho de máquinas. Aula 3 Desenho de máquinas Aula 3 Cotagem A cotagem e a escolhas das vistas que irão compor um desenho, são os dois itens que mais exigem conhecimentos e experiência do engenheiro mecânico na área do Desenho

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS CENTRO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA DESENHO TÉCNICO I

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS CENTRO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA DESENHO TÉCNICO I UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS CENTRO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA DESENHO TÉCNICO I Prof. Dr. EDISON ROBERTO POLETI 2003 SUMÁRIO 1. Noções Fundamentais para o Desenho

Leia mais

Projeção Perspectiva. Desenho Técnico I Profº Msc. Edgar Nogueira Demarqui

Projeção Perspectiva. Desenho Técnico I Profº Msc. Edgar Nogueira Demarqui Projeção Perspectiva Desenho Técnico I Profº Msc. Edgar Nogueira Demarqui Definição Quando olhamos para um objeto, temos a sensação de profundidade e relevo; O desenho, para transmitir essa mesma idéia,

Leia mais

CURSO TÉCNICO ELETROTÉCNICA DISCIPLINA: DESENHO TÉCNICO MECÂNICO PROFESSOR: MARCOS ANTÔNIO DE LEMOS PAULO

CURSO TÉCNICO ELETROTÉCNICA DISCIPLINA: DESENHO TÉCNICO MECÂNICO PROFESSOR: MARCOS ANTÔNIO DE LEMOS PAULO Ministério da Educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica (SETEC) Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará CURSO TÉCNICO ELETROTÉCNICA DISCIPLINA: DESENHO TÉCNICO

Leia mais

1. FERRAMENTAS. Elevação e Marcação. Trenas de 5m e 30m. Nível a laser ou Nível alemão. Pág.4 1. Ferramentas

1. FERRAMENTAS. Elevação e Marcação. Trenas de 5m e 30m. Nível a laser ou Nível alemão. Pág.4 1. Ferramentas ÍNDICE: 1. Ferramentas 2. Equipamentos de Proteção Individual - EPI 3. Serviços Preliminares 4. Marcação da Alvenaria 5. Instalação dos Escantilhões 6. Nivelamento das Fiadas 7. Instalação dos gabaritos

Leia mais

Copyright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total deste ebook só é permitida através de autorização por escrito de

Copyright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total deste ebook só é permitida através de autorização por escrito de 1 Se quereres dar aos seus desenhos mais realismo, profundidade, volume e proporção, você deve conhecer as regras da perspectiva. Desde o mais simples até o mais complexo desenho necessitam de uma boa

Leia mais

Desenho e Projeto de tubulação Industrial

Desenho e Projeto de tubulação Industrial Desenho e Projeto de tubulação Industrial Módulo I Aula 08 1. PROJEÇÃO ORTOGONAL Projeção ortogonal é a maneira que o profissional recebe o desenho em industrias, 1 onde irá reproduzi-lo em sua totalidade,

Leia mais

PROJETO DE EDIFICAÇÕES RURAIS

PROJETO DE EDIFICAÇÕES RURAIS Universidade Federal de Goiás Escola de Agronomia e Engenharia de Alimentos Setor de Engenharia Rural PROJETO DE EDIFICAÇÕES RURAIS Construções e Eletrificação Rural Prof. Dr. Regis de Castro Ferreira

Leia mais

26. Com relação aos componentes de uma coberta, é CORRETO afirmar que

26. Com relação aos componentes de uma coberta, é CORRETO afirmar que CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓDIGO 18 UCs de Desenho Técnico e/ou Desenho Arquitetônico e/ou Projeto Arquitetônico e/ou Desenho Assistido por Computador (CAD 2D e/ou 3D) e/ou Desenho de Detalhes de Estruturas,

Leia mais

Corte total. Qualquer pessoa que já tenha visto um regis- A U L A

Corte total. Qualquer pessoa que já tenha visto um regis- A U L A Corte total Introdução Qualquer pessoa que já tenha visto um regis- tro de gaveta, como o que é mostrado a seguir, sabe que se trata de uma peça complexa, com muitos elementos internos. Se fôssemos representar

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE RECURSOS HUMANOS - PRORH COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO - COPESE CONCURSO PÚBLICO PARA CARGO DE SERVIDOR

PRÓ-REITORIA DE RECURSOS HUMANOS - PRORH COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO - COPESE CONCURSO PÚBLICO PARA CARGO DE SERVIDOR Questão 1: O desenho possibilita a representação dos objetos. Por meio dos desenhos temos a construção de ideias. No caso da arquitetura, o desenho consiste: a) na representação exata da planta alta e

Leia mais

Medição tridimensional

Medição tridimensional A U A UL LA Medição tridimensional Um problema O controle de qualidade dimensional é tão antigo quanto a própria indústria, mas somente nas últimas décadas vem ocupando a importante posição que lhe cabe.

Leia mais

1. Desenho artístico e técnico

1. Desenho artístico e técnico 1. Desenho artístico e técnico O desenho artístico possibilita uma ampla liberdade de figuração e apreciável subjetividade na representação. Dois artistas ao tratarem o mesmo tema transmitem, a quem observa

Leia mais

Jorji Nonaka (jorji.nonaka@ufpe.br) Engenharia Naval e Oceânica

Jorji Nonaka (jorji.nonaka@ufpe.br) Engenharia Naval e Oceânica Jorji Nonaka (jorji.nonaka@ufpe.br) Engenharia Naval e Oceânica Diferentes tipos de linhas Hachura em cor diferente O (Negro) Linha Centro (Amarelo) Tracejado (Vermelho) Camadas ou Níveis Layer (AutoCAD)

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA DESENHO MECÂNICO CORTES. Prof. Márcio Valério de Araújo

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA DESENHO MECÂNICO CORTES. Prof. Márcio Valério de Araújo UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA DESENHO MECÂNICO CORTES Prof. Márcio Valério de Araújo INTRODUÇÃO IMPORTÂNCIA DA REPRESENTAÇÃO EM CORTE NO DESENHO TÉCNICO

Leia mais

Unidade II - REPRESENTAÇÃO DE ÁREA DE CORTE POR MEIO DE HACHURAS EM DESENHO TÉCNICO - NBR 12298

Unidade II - REPRESENTAÇÃO DE ÁREA DE CORTE POR MEIO DE HACHURAS EM DESENHO TÉCNICO - NBR 12298 Unidade II - REPRESENTAÇÃO DE ÁREA DE CORTE POR MEIO DE HACHURAS EM DESENHO TÉCNICO - NBR 12298 Os cortes são utilizados para representar de modo claro, os detalhes internos das peças ou de conjuntos.

Leia mais

Estudo das projeções. Projeções noções elementares.

Estudo das projeções. Projeções noções elementares. COLÉGIO PEDRO II U E EN II 2ª série Ensino Médio Estudo das Projeções Março/ 2011 Aluno(a): N o Turma: Disciplina: DESENHO Coordenação: Prof. Jorge Marcelo Prof.ª: Soraya Izar Apostila extra 1 Estudo das

Leia mais

4/12/2013 DESENHO TÉCNICO. Programa. Datas. Sistema de Avaliação DESENHO TÉCNICO. Lista de material para as aulas

4/12/2013 DESENHO TÉCNICO. Programa. Datas. Sistema de Avaliação DESENHO TÉCNICO. Lista de material para as aulas FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL Cursos: Agronomiae Eng. Florestal1 o Semestre Prof. responsável: Lorena Stolle Programa 1 - Materiais e instrumentos de desenho, convenções e normalização

Leia mais

Governador Cid Ferreira Gomes. Vice Governador Domingos Gomes de Aguiar Filho. Secretária da Educação Maria Izolda Cela de Arruda Coelho

Governador Cid Ferreira Gomes. Vice Governador Domingos Gomes de Aguiar Filho. Secretária da Educação Maria Izolda Cela de Arruda Coelho Governador Cid Ferreira Gomes Vice Governador Domingos Gomes de Aguiar Filho Secretária da Educação Maria Izolda Cela de Arruda Coelho Secretário Adjunto Maurício Holanda Maia Secretário Executivo Antônio

Leia mais

Representação de cotas. Representaçã. Princípios de cotagem em Desenho Técnico 2. Princípios de cotagem em Desenho Técnico

Representação de cotas. Representaçã. Princípios de cotagem em Desenho Técnico 2. Princípios de cotagem em Desenho Técnico Princípios de cotagem em Desenho Técnico Representação de cotas Cotagem de projecções ortogonais múltiplas Cotagem de projecções ortogonais axonom étricas Alcínia Zita de Almeida Sampaio Representaçã ção

Leia mais

Desenho Técnico. D e s e n h o A r q u i t e t ô n i c o

Desenho Técnico. D e s e n h o A r q u i t e t ô n i c o D e s e n h o A r q u i t e t ô n i c o DESENHO ARQUITETÔNICO Planta Baixa é a projeção que se obtém, quando cortamos, imaginariamente, uma edificação, com um plano horizontal, paralelo ao plano do piso.

Leia mais

CEMIG. Instrução para Elaboração de Documentos em Meio Digital. 22.000-ER/SE-83 a DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE SUBESTAÇÕES NÚMERO/REVISÃO

CEMIG. Instrução para Elaboração de Documentos em Meio Digital. 22.000-ER/SE-83 a DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE SUBESTAÇÕES NÚMERO/REVISÃO Instrução para Elaboração de Documentos em Meio Digital c b a TES(53450-3) RMC(42208-9) 11/01/01 GEDOC Rev. Feito Visto Aprov. Data DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE SUBESTAÇÕES FEITO VISTO APROV. TES (53450-3)

Leia mais

DESENHO TÉCNICO GENERALIDADES. Prof. Dr. Rodrigo Couto Santos

DESENHO TÉCNICO GENERALIDADES. Prof. Dr. Rodrigo Couto Santos MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A S A G R Á R I A S E n g e n h a r i a A g r í c o l a DESENHO TÉCNICO GENERALIDADES Prof. Dr. Rodrigo

Leia mais

7. DIAGRAMAÇÃO DAS PLACAS

7. DIAGRAMAÇÃO DAS PLACAS 7. DIAGRAMAÇÃO DAS PLACAS A diagramação das placas de Sinalização Vertical de Indicação compreende os seguintes passos: Definição da altura das letras, a partir da velocidade regulamentada na via; Dimensionamento

Leia mais

Rev Modificação Data Projetista Desenhista Aprovo. Sítio. Área do sítio

Rev Modificação Data Projetista Desenhista Aprovo. Sítio. Área do sítio OBJETO: CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA EXECUÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA PARA RECUPERAÇÃO DE CERCA OPERACIONAL, IMPLANTAÇÃO DA CERCA DE SERVIDÃO, COMPLEMENTAÇÃO DA CERCA PATRIMONIAL E SERVIÇOS COMPLEMENTARES

Leia mais

PARTE 2 O DESENHO ARQUITETÔNICO

PARTE 2 O DESENHO ARQUITETÔNICO 34 PARTE 2 O DESENHO ARQUITETÔNICO 1 O PROJETO E O DESENHO DE ARQUITETURA Os projetos arquitetônicos devem conter todas as informações necessárias para que possam ser completamente entendidos, compreendidos

Leia mais

Projeções: leitura recomendada. Aulas 3, 4 e 10 da apostila Telecurso 2000

Projeções: leitura recomendada. Aulas 3, 4 e 10 da apostila Telecurso 2000 Projeções Projeções: leitura recomendada Aulas 3, 4 e 10 da apostila Telecurso 2000 Projeções: conceitos A projeção transforma pontos 3D (X, Y, Z) em 2D (xi,yi) Projeções: conceitos Raios de projeção emanam

Leia mais

3 Medidas, Proporções e Cortes

3 Medidas, Proporções e Cortes 3 Medidas, Proporções e Cortes 3.1 Garagens A Figura 3.1 apresenta algumas dimensões que podem ser usadas para projetos de garagens. Em geral, para projetos residenciais, podem-se usar as dimensões de

Leia mais

DESENHO TÉCNICO PROJETO ARQUITETÔNICO. Prof. Dr. Rodrigo Couto Santos

DESENHO TÉCNICO PROJETO ARQUITETÔNICO. Prof. Dr. Rodrigo Couto Santos M I N I S T É R I O D A E D U C A Ç Ã O U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D A G R A N D E D O U R A D O S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A S A G R Á R I A S E n g e n h a r i a A g r í c o l a DESENHO

Leia mais

DESENHO DE ARQUITETURA CORTES

DESENHO DE ARQUITETURA CORTES DESENHO DE ARQUITETURA CORTES CORTES são representações de vistas ortográficas seccionais do tipo corte, obtidas quando passamos por uma construção um plano de corte e projeção VERTICAL, normalmente paralelo

Leia mais

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL 1 MENSAGEM DA PRESIDÊNCIA O conjunto marca/logotipo é o elemento gráfico e visual pelo qual somos reconhecidos nos diversos meios em que atuamos. As suas formas foram concebidas

Leia mais

ELEVAÇÕES OU FACHADAS

ELEVAÇÕES OU FACHADAS ELEVAÇÕES OU FACHADAS 1- CONCEITUAÇÃO Elevações ou fachadas são elementos gráficos componentes de um projeto de arquitetura, constituídos pela projeção das arestas visíveis do volume sobre um plano vertical,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CENTRO DE GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE GEOLOGIA DISCIPLINA: GEOLOGIA ESTRUTURAL GEOLOGIA ESTRUTURAL - PRÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CENTRO DE GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE GEOLOGIA DISCIPLINA: GEOLOGIA ESTRUTURAL GEOLOGIA ESTRUTURAL - PRÁTICA 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CENTRO DE GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE GEOLOGIA DISCIPLINA: GEOLOGIA ESTRUTURAL Cap. 01 - Mapas e Seções Geológicas GEOLOGIA ESTRUTURAL - PRÁTICA Antes que se comece a estudar

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS - ESALQ / USP LEB 340 - Topografia e Geoprocessamento I Prof. Rubens Angulo Filho 1º Semestre de 2015

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS - ESALQ / USP LEB 340 - Topografia e Geoprocessamento I Prof. Rubens Angulo Filho 1º Semestre de 2015 Trabalho prático nº 01: Levantamento à Trena 1) Material: a) trena de 20,0m; b) 3 balizas; c) 4 fichas; d) GPS de navegação 2) Método: A medição dos alinhamentos, no campo, será executada por 3 balizeiros

Leia mais