Proposta para a Padronização das Tomadas Fotográficas Intrabucais, com Finalidade Ortodôntica

Save this PDF as:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Proposta para a Padronização das Tomadas Fotográficas Intrabucais, com Finalidade Ortodôntica"

Transcrição

1 Artigo Inédito Relatos clínicos e de técnicas, investigações científicas e revisões literárias Proposta para a Padronização das Tomadas Fotográficas Intrabucais, com Finalidade Ortodôntica A fotografia é um dado indispensável na documentação ortodôntica. As fotografias extra e intrabucais fazem parte dos elementos de diagnóstico e permitem verificar a evolução dos casos ortodônticos. Para que as tomadas fotográficas tomem um tempo mínimo do profissional e reduzam o desconforto ao paciente, produzindo fotografias de qualidade satisfatória, elas devem ser sistematizadas e padronizadas na clínica ortodôntica. Este artigo propõe uma metodologia no intuito de se obter uma padronização da documentação fotográfica com finalidade ortodôntica. UNITERMOS: Fotografia intrabucal; Padronização das tomadas fotográficas. Standardization Proposal of Orthodontic Intraoral Photography Photography is an invaluable tool of the orthodontic records. Extra and intraoral photographs are part of the diagnostic data and allow the follow up of the orthodontic treatment. In order to obtain excellent results, with minimum amount of time spent with the photographic procedures and to reduce patient discomfort, the procedures have to be systematized and standardized. This article presents a method to obtain a standardization of the photographic records with orthodontic purposes. UNITERMS: Intraoral photography; Standardization of intraoral photography. Arnaldo Pinzan a Ricardo Takahashi b Guilherme R. P. Janson c José Fernando Castanha Henriques d Arnaldo Pinzan A PROFESSOR ASSOCIADO DO DEPARTAMENTO DE ORTODONTIA DA FOB-USP E TITULAR DO DEPARTAMENTO DE ORTODONTIA DA USC. B ALUNO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ORTODONTIA, AO NÍVEL DE MESTRADO, NA FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE BAURU (FOB-USP). C PROFESSOR DOUTOR DO DEPARTAMENTO DE ORTODONTIA DA FOB-USP. D PROFESSOR COORDENADOR DO CURSO DE MESTRADO EM ORTODONTIA DA FOB-USP. 63

2 INTRODUÇÃO Nas últimas décadas a Odontologia progrediu consideravelmente em todas as áreas. A fotografia, por sua vez, acompanhou esta evolução desempenhando a cada dia um papel importante na clínica odontológica, e, em particular, na documentação ortodôntica. Nesta, incluem-se fotografias extrabucais (de frente e perfil) e intrabucais (frontal e laterais direita e esquerda). Como rotina, na clínica ortodôntica executa-se uma documentação inicial e outra ao término do tratamento. Pode-se também executar outras tomadas em determinadas fases do tratamento com a finalidade de documentar a sua evolução, bem como, verificar possíveis erros no posicionamento dos acessórios e arcos ortodônticos. A utilização da fotografia estende-se no auxílio ao ensino, proporcionando uma riqueza de informações importantes, valorizando as aulas. A documentação fotográfica é também muito utilizada nas conferências e publicações em revistas especializadas, proporcionando uma visualização dos casos descritos. Com a preocupação de se documentar os casos ortodônticos, HEIMLICH 5 propôs uma sistemática e padronização da tomada fotográfica, utilizando uma câmara de 35 mm, uma lente de 50 mm e um suporte que sustentava este conjunto associado a duas lâmpadas photoflood. Do mesmo modo BINDER e HAZE 3 desenvolveram afastadores específicos para obtenção de acesso adequado nas fotografias oclusais intrabucais. O avanço da indústria fotográfica proporcionou uma infinidade de recursos tecnológicos. Este fato possibilitou o surgimento de novos métodos que melhoraram a sistemática das tomadas fotográficas 2,4. Portanto, o objetivo do presente trabalho é sugerir uma sistemática de tomadas fotográficas, com o intuito de padronizar as fotografias intrabucais. Acreditamos que esta metodologia poderá possibilitar a obtenção de uma menor qualidade final das fotografias, uma diminuição do tempo entre as tomadas e um menor desconforto ao paciente. Figura 1 - Conjunto fotográfico utilizado: máquina fotográfica de marca NIKON modelo N50, reflex de 35 mm, associada a uma lente AF MICRO NIKKOR de 105 mm e um flash circular de marca SUNPAK, modelo AUTO DX 8R. Figura 2 - Afastadores utilizados (1. Afastador lateral triangular, 2. Afastador frontal, 3.afastador lateral arredondado, 4. Afastadores laterais arredondados modificados). MATERIAL E MÉTODOS Deve-se utilizar um conjunto fotográfico com as seguintes características: uma câmara reflex, de 35 mm, com uma objetiva tipo macro de 50 ou 100 mm e um flash circular. 7 Como sugerido por PROFFIT 8, devese efetuar 5 (cinco) fotografias intrabucais: frontal, laterais direita e esquerda, com os dentes em oclusão, e duas imagens oclusais, superior e inferior. Para obter estas imagens, deve-se utilizar os seguintes afastadores: lateral triangular, frontal, lateral arredondado, e laterais arredondados modificados (Fig. 2), além de espelhos oclusais (Fig.12). A primeira fotografia a ser executada é a frontal. O paciente deve se encontrar encostado na cadeira odontológica, reclinada em aproximadamente 45 o. A seguir deve se instalar adequadamente o afastador frontal (Fig. 3). A fotografia deve respeitar as duas linhas imaginárias, como as propostas por GORDON e WANDER 4. 64

3 Figura 3 - Afastador frontal posicionado. Figura 4 - Desenho esquemático da fotografia frontal Figura 5 - Fotografia frontal. Figura 6 - Posicionamento dos afastadores laterais. Figura 7 - Desenho esquemático da fotografia lateral 65

4 A primeira divide o visor da máquina fotográfica na horizontal que coincide com o plano oclusal do paciente. A segunda divide o visor na vertical, coincidindo com a linha média dentária do paciente (Figs. 4 e 5). A distância focal da fotografia frontal deve ser anotada na ficha clínica do paciente para orientar o operador no momento da execução de outras tomadas, a fim de se obter imagens semelhantes para se efetuarem comparações. Com o paciente na mesma posição, toma-se a fotografia lateral direita. Posiciona-se o afastador lateral triangular no lado direito do paciente e o arredondado no esquerdo. Mantendose o afastador esquerdo em posição, traciona-se o afastador direito de forma que os limites da fotografia incluam obrigatoriamente os primeiros molares (superior e inferior) e os incisivos. A linha imaginária horizontal 4 deve coincidir com o plano oclusal do paciente, e a vertical deve tangenciar a distal do canino (Figs. 6 e 7). A tomada da lateral esquerda é semelhante, invertendo-se os afastadores e a posição do operador (Figs. 8 e 9). A distância focal das fotografias direita e esquerda deve ser a mesma e ser anotada na ficha clínica para futuras comparações. A posição do operador deve ser de 9 horas para as tomadas laterais direita e esquerda, respectivamente. A seguir executam-se as fotografias oclusais. Deve-se efetuar uma modificação nos afastadores laterais arredondados, como proposto por JANSON 6, para possibilitar um melhor posicionamento do espelho oclusal e permitir que o paciente consiga uma maior abertura bucal, com menor desconforto (Fig. 10). Toma-se o cuidado para que os afastadores modificados tracionem os lábios para fora (Fig. 11) a fim de minimizar as imagens indesejáveis como as de : narinas, lábio, olhos e afastadores labiais. As imagens de nariz, lábios e outras estruturas estranhas, geralmente causam distrações prejudicando o objetivo real da fotografia (Fig. 12). Inicia-se a tomada fotográfica oclusal, com o auxílio de um espelho, pelo arco superior que apresenta um maior comprimento (Figs. 13 e 14). A mesma distância focal deve ser empregada para o inferior a fim de se obter a mesma magnificação da imagem (Figs. 15 e 16). Para se evitar o embaçamento do espelho, pode-se aplicar jatos de ar ou mesmo aquecê-lo previamente, como preconizado por MACHADO 7. O enquadramento das fotografias oclusais deve respeitar as linhas de orientação vertical e horizontal Figura 8 - Fotografia lateral direita. Figura 9 - Fotografia lateral esquerda. Figura 10 - Modificação nos afastadores. Figura 11 - Tracionamento dos lábios com os afastadores modificados. 66

5 propostas por BENGEL 2. A linha imaginária vertical passa entre os incisivos e divide os arcos superior e inferior em duas partes iguais. A linha horizontal passa nas cúspides dos segundos pré- molares. A observância da metodologia proposta permitirá ao ortodontista obter facilmente, em seu consultório, fotografias padronizadas de boa qualidade e respeitando os itens descritos abaixo exigidos pela American Board of Orthodontics Qualidade e padronização das impressões intrabucais coloridas Os arcos dentários do paciente orientados corretamente nos três planos do espaço Uma vista frontal em máxima intercuspidação Duas laterais: direita e esquerda (em máxima interscuspidação) OPCIONAL : Duas oclusais, superior e inferior Livre de distrações como: afastadores de bochecha, etiquetas e dedos Qualidade de iluminação revelando os contornos anatômicos e sem sombras Língua retraída Ausência de saliva e ou bolhas Dentes limpos. Figura 12 - Fotografia oclusal com imagens indesejáveis : bochecha, lábio superior, nariz, laterais do espelho e imagem dupla dos incisivos superiores. Figura 13 - Desenho esquemático da fotografia oclusal superior Figura 14 - Fotografia oclusal superior. Figura 15 - Desenho esquemático da fotografia oclusal inferior Figura 16 - Fotografia oclusal inferior. 67

QUALIDADE FOTOGRÁFICA: UM DESAFIO EM ORTODONTIA PHOTOGRAPHIC QUALITY: A CHALLENGE IN ORTHODONTICS

QUALIDADE FOTOGRÁFICA: UM DESAFIO EM ORTODONTIA PHOTOGRAPHIC QUALITY: A CHALLENGE IN ORTHODONTICS 1 QUALIDADE FOTOGRÁFICA: UM DESAFIO EM ORTODONTIA PHOTOGRAPHIC QUALITY: A CHALLENGE IN ORTHODONTICS SOBREIRA, CASSIO ROCHA* LORIATO, LÍVIA BARBOSA* SIMÕES, MILENA PINTO* LEITE, EUGÊNIO BATISTA** * Alunos

Leia mais

"SISTEMAS DE COTAGEM"

SISTEMAS DE COTAGEM AULA 6T "SISTEMAS DE COTAGEM" Embora não existam regras fixas de cotagem, a escolha da maneira de dispor as cotas no desenho técnico depende de alguns critérios. A cotagem do desenho técnico deve tornar

Leia mais

Imagens na Odontologia Considerações parciais

Imagens na Odontologia Considerações parciais Imagens na Odontologia Considerações parciais Cléber Bidegain Pereira, CD. Especialista em Ortodontia Este comentário, sobre imagens na Odontologia, tem a intenção de chamar a atenção para que as imagens

Leia mais

BOARD BRASILEIRO DE ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL. http://www.bbo.org.br [acesso em 15/02/2009, 07h30] Especificação dos Casos quanto às Categorias

BOARD BRASILEIRO DE ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL. http://www.bbo.org.br [acesso em 15/02/2009, 07h30] Especificação dos Casos quanto às Categorias BOARD BRASILEIRO DE ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL http://www.bbo.org.br [acesso em 15/02/2009, 07h30] Especificação dos Casos quanto às Categorias A escolha dos casos a serem apresentados deverá seguir

Leia mais

ODONTOLOGIA FOTOGRAFIA APLICADA À ODONTOLOGIA 3º Período / Carga Horária: 40 horas

ODONTOLOGIA FOTOGRAFIA APLICADA À ODONTOLOGIA 3º Período / Carga Horária: 40 horas ODONTOLOGIA FOTOGRAFIA APLICADA À ODONTOLOGIA 3º Período / Carga Horária: 40 horas 1. PRÉ-REQUISITO: Anatomia Geral LISTA DE MATERIAIS 1 Máquina Fotográfica Digital que apresente função manual e Zoom óptico

Leia mais

Tecnologias IXUS 210. Ecrã Táctil LCD PureColor II

Tecnologias IXUS 210. Ecrã Táctil LCD PureColor II Tecnologias IXUS 210 Interface Táctil Avançada A IXUS 210 inclui o ecrã táctil IXUS com a interface de utilizador mais avançada até hoje, proporcionando acesso ao menu principal da câmara, bem como ícones

Leia mais

Desenho de máquinas. Aula 3

Desenho de máquinas. Aula 3 Desenho de máquinas Aula 3 Cotagem A cotagem e a escolhas das vistas que irão compor um desenho, são os dois itens que mais exigem conhecimentos e experiência do engenheiro mecânico na área do Desenho

Leia mais

I Caderno de Odontopediatria

I Caderno de Odontopediatria I Caderno de Odontopediatria Faculdade de Medicina Dentária da Universidade do Porto Fotografia em Odontopediatria Autores: Cristina Cardoso Silva, Susana Silva, Cristina Areias, Viviana Macho, Ana Norton,

Leia mais

POSIÇÃO REAL DO PLANO OCLUSAL NAS FOTOGRAFIAS INTRA-ORAIS EM CONSTRUÇÃO

POSIÇÃO REAL DO PLANO OCLUSAL NAS FOTOGRAFIAS INTRA-ORAIS EM CONSTRUÇÃO POSIÇÃO REAL DO PLANO OCLUSAL NAS FOTOGRAFIAS INTRA-ORAIS EM CONSTRUÇÃO Cléber Bidegain Pereira Silvia Bastos Sergio Lúcio Lopes Nas recomendações para fotografias, na ortodontia e ortopedia, o PADRÃO

Leia mais

Técnicas radiográficas. Técnicas Radiográficas Intraorais em Odontologia. Técnicas Radiográficas Intraorais. Técnicas Radiográficas

Técnicas radiográficas. Técnicas Radiográficas Intraorais em Odontologia. Técnicas Radiográficas Intraorais. Técnicas Radiográficas Técnicas Radiográficas Intraorais em Odontologia Técnicas radiográficas Divididas em dois grandes grupos: Técnicas Intraorais Profª Paula Christensen Técnicas Radiográficas Técnicas Extraorais Técnicas

Leia mais

INCISIVOS INCISIVO CENTRAL SUPERIOR INCISIVO LATERAL SUPERIOR INCISIVO CENTRAL INFERIOR INCISIVO LATERAL INFERIOR CANINOS

INCISIVOS INCISIVO CENTRAL SUPERIOR INCISIVO LATERAL SUPERIOR INCISIVO CENTRAL INFERIOR INCISIVO LATERAL INFERIOR CANINOS INCISIVOS Os incisivos permanentes são o primeiro e segundo dente a contar da linha média; Juntamente com os caninos constituem os dentes anteriores; Os incisivos superiores são geralmente maiores que

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA FOTOGRAFAR AS OBRAS DE REFORMA, AMPLIAÇÃO E CONSTRUÇÃO DE UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE

MANUAL DE ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA FOTOGRAFAR AS OBRAS DE REFORMA, AMPLIAÇÃO E CONSTRUÇÃO DE UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE MANUAL DE ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA FOTOGRAFAR AS OBRAS DE REFORMA, AMPLIAÇÃO E CONSTRUÇÃO DE UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE APRESENTAÇÃO As informações descritas neste documento tem o objetivo de orientar os

Leia mais

UMC Cotas em desenho técnico (Módulo 2) Componentes gráficos de uma cota: Linha de cota Linha de chamada Setas de cota

UMC Cotas em desenho técnico (Módulo 2) Componentes gráficos de uma cota: Linha de cota Linha de chamada Setas de cota 1 UMC Engenharia Mecânica Expressão Gráfica 2 Prof.: Jorge Luis Bazan. Desenho Básico Cotas em desenho técnico (Módulo 2) Em desenho técnico damos o nome de cota ao conjunto de elementos gráficos introduzidos

Leia mais

Breve Panorama Histórico

Breve Panorama Histórico Análise Facial Breve Panorama Histórico Norman Kingsley Kingsley (final do séc.xix): s a articulação dos dentes secundária à aparência facial. Breve Panorama Histórico Edward Angle (in (início séc. s XX)

Leia mais

Extração Seriada, uma Alternativa

Extração Seriada, uma Alternativa Artigo de Divulgação Extração Seriada, uma Alternativa Serial Extraction, an Alternative Procedure Evandro Bronzi Resumo A extração seriada é um procedimento ortodôntico que visa harmonizar

Leia mais

DIGITAL PHOTOGRAPHY IN ORTHODONTICS PART IV - EQUIPMENT SUGGESTION

DIGITAL PHOTOGRAPHY IN ORTHODONTICS PART IV - EQUIPMENT SUGGESTION FOTOGRAFIA DIGITAL EM ORTODONTIA PARTE IV - SUGESTÃO DE EQUIPAMENTO DIGITAL PHOTOGRAPHY IN ORTHODONTICS PART IV - EQUIPMENT SUGGESTION André Wilson MACHADO* Eugênio Batista LEITE** Bernardo Quiroga SOUKI***

Leia mais

APRESENTAÇÃO DAS BANDAS TIPOS:

APRESENTAÇÃO DAS BANDAS TIPOS: 1 2 BANDAS ORTODÔNTICAS Introdução Para entendermos a real importância destes componentes de um aparelho ortodôntico, devemos inicialmente compreender qual a função da bandagem frente à um complexo sistema

Leia mais

BOARD BRASILEIRO DE ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL

BOARD BRASILEIRO DE ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL Montagem das Pastas As pastas devem estar organizadas na seguinte ordem: I- Externo Página Título: colocar na capa frontal da pasta (a capa tem um envelope plástico para esta finalidade). BOARD BRASILEIRO

Leia mais

Cotagem de dimensões básicas

Cotagem de dimensões básicas Cotagem de dimensões básicas Introdução Observe as vistas ortográficas a seguir. Com toda certeza, você já sabe interpretar as formas da peça representada neste desenho. E, você já deve ser capaz de imaginar

Leia mais

Normatização Desenho Técnico. Prof. Solivan Altoé

Normatização Desenho Técnico. Prof. Solivan Altoé Normatização Desenho Técnico CALIGRAFIA TÉCNICA NBR 8402 Assim como o resto do desenho técnico, as letras e algarismos também seguem uma forma definida por norma. Até pouco tempo atrás as letras eram desenhadas

Leia mais

URI- Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões Campus de Frederico Westphalen Curso: Química Industrial.

URI- Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões Campus de Frederico Westphalen Curso: Química Industrial. URI- Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões Campus de Frederico Westphalen Curso: Química Industrial Desenho Técnico Prof.ªElisa Maria Pivetta Cantarelli elisa@fw.uri.br Origem do

Leia mais

PUPILOMETRO GR-4. w w w. m e l l o i n d u s t r i a l. c o m. b r

PUPILOMETRO GR-4. w w w. m e l l o i n d u s t r i a l. c o m. b r PUPILOMETRO GR-4 *O Pupilometro é um instrumento digital de precisão óptica usado para medir a distancia pupilar. *Este equipamento foi desenvolvido cientificamente integrando tecnologia, mecanismos, eletricidade

Leia mais

3.2. Experimentações: o processo de produção Iluminação de três pontos

3.2. Experimentações: o processo de produção Iluminação de três pontos Página 1 de 5 3 - estética e a técnica na ambientação 3.2. Experimentações: o processo de produção Iluminação de três pontos iluminação de três pontos é composta por três refletores, cada qual com função

Leia mais

MOLDAGEM E CONFECÇÃO DE MODELO DE ESTUDO

MOLDAGEM E CONFECÇÃO DE MODELO DE ESTUDO MOLDAGEM E CONFECÇÃO DE MODELO DE ESTUDO Prof. Dr. Alfredo Júlio Fernandes Neto - 2005 A obtenção do molde e posterior modelo de estudo em gesso é um procedimento crítico e, como em qualquer outro trabalho

Leia mais

Apresentação. 1. Introdução. 2. Situação Problema

Apresentação. 1. Introdução. 2. Situação Problema EASY GLASS Easy Glass Resumo O Easy Glass é um projeto desenvolvido para implantar a manutenção dos pára-brisas dos veículos ferroviários, cujo objetivo consiste na implantação de um guindaste de coluna

Leia mais

A importância das fotografias posteriores no orçamento odontológico

A importância das fotografias posteriores no orçamento odontológico Fotografia A importância das fotografias posteriores no orçamento odontológico Jairo Pires de Oliveira, Débora G. O. Polloni, Fabiano Ignacio 34 Rev Dental Press Estét. 2011 jan-mar;8(1):34-44 Oliveira

Leia mais

DESENHO TÉCNICO. Apresentar de forma sintética, as normas e convenções usuais referente às

DESENHO TÉCNICO. Apresentar de forma sintética, as normas e convenções usuais referente às CURSO: DESIGN DE INTERIORES DISCIPLINA: DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO TURNO: Manhã / Noite PERÍODO: 1º PROFESSORAS: Dodora DESENHO TÉCNICO Dimensões de papéis para desenhos técnicos: Objetivo: pranchas

Leia mais

Aula 4: TÉCNICA RADIOGRÁFICA INTRA-ORAL

Aula 4: TÉCNICA RADIOGRÁFICA INTRA-ORAL Aula 4: TÉCNICA RADIOGRÁFICA INTRA-ORAL Técnicas Radiográficas Periapical Exame do dente e osso alveolar que o rodeia; Interproximal Diagnóstico de cáries proximais, excessos marginais de restaurações;

Leia mais

Universidade do Estado de Santa Catarina Departamento de Engenharia Civil TOPOGRAFIA II. Profa. Adriana Goulart dos Santos

Universidade do Estado de Santa Catarina Departamento de Engenharia Civil TOPOGRAFIA II. Profa. Adriana Goulart dos Santos Universidade do Estado de Santa Catarina Departamento de Engenharia Civil TOPOGRAFIA II Profa. Adriana Goulart dos Santos Aerofotogrametria Fotogrametria é a ciência aplicada que se propõe a registrar,

Leia mais

ESCORAMENTO ESPECIFICAÇÕES OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 3

ESCORAMENTO ESPECIFICAÇÕES OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 3 ESCORAMENTO PÁGINA 1/16 MOS 4ª Edição ESPECIFICAÇÕES MÓDULO 05 VERSÃO 00 DATA jun/2012 SUMÁRIO OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 3 0501 ESCORAMENTO DE MADEIRA... 3 0502

Leia mais

GME-100C Olho Mágico Digital com campainha

GME-100C Olho Mágico Digital com campainha GME-100C Olho Mágico Digital com campainha Manual de Instruções Antes de tentar conectar ou operar este produto, por favor, leia atentamente estas instruções. Índice 1. Apresentação do Produto 1.1 Embalagem

Leia mais

Aula 9 ESCALA GRÁFICA. Antônio Carlos Campos

Aula 9 ESCALA GRÁFICA. Antônio Carlos Campos Aula 9 ESCALA GRÁFICA META Apresentar as formas de medição da proporcionalidade entre o mundo real e os mapas através das escalas gráficas. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: estabelecer formas

Leia mais

Desenho e Projeto de tubulação Industrial

Desenho e Projeto de tubulação Industrial Desenho e Projeto de tubulação Industrial Módulo I Aula 08 1. PROJEÇÃO ORTOGONAL Projeção ortogonal é a maneira que o profissional recebe o desenho em industrias, 1 onde irá reproduzi-lo em sua totalidade,

Leia mais

PROTOCOLO DE DESCONTAMINAÇÃO ORAL

PROTOCOLO DE DESCONTAMINAÇÃO ORAL PROTOCOLO DE DESCONTAMINAÇÃO ORAL (PARA ADULTOS) Adaptado para utilização de escova dental + boneca de gaze Versão 1.6 Dr. Eduardo Esber Odontologista CROMG 16393 CNI 16495 "O que acontece na boca não

Leia mais

Escalas. Antes de representar objetos, modelos, peças, A U L A. Nossa aula. O que é escala

Escalas. Antes de representar objetos, modelos, peças, A U L A. Nossa aula. O que é escala Escalas Introdução Antes de representar objetos, modelos, peças, etc. deve-se estudar o seu tamanho real. Tamanho real é a grandeza que as coisas têm na realidade. Existem coisas que podem ser representadas

Leia mais

ROTEIRO PRÁTICO DE DESENHO TÉCNICO

ROTEIRO PRÁTICO DE DESENHO TÉCNICO ROTEIRO PRÁTICO DE DESENHO TÉCNICO 1. OBJETIVO Este roteiro, baseado nas normas de desenho técnico em vigor, destina-se a orientar as empresas, interessadas em realizar ensaios para avaliações técnicas

Leia mais

MANUAL PARA CONFECÇÃO DE PAINÉIS CIENTÍFICOS*

MANUAL PARA CONFECÇÃO DE PAINÉIS CIENTÍFICOS* MANUAL PARA CONFECÇÃO DE PAINÉIS CIENTÍFICOS* Segundo Carlos Estrela (2001), o painel científico constitui uma discussão informal de um grupo de pessoas conhecedoras de um assunto em análise, apresentando

Leia mais

Conceitos Básicos de Desenho Técnico

Conceitos Básicos de Desenho Técnico Conceitos Básicos de Desenho Técnico 1. Utilização Das Ferramentas E Papel De Desenho 1.1. Ferramentas de Desenho 1.1.1. Apresentação O Desenho Arquitetônico uma especialização do Desenho Técnico, o qual

Leia mais

Manual de identidade visual

Manual de identidade visual Manual de identidade visual apresentação....................................3 Versões horizontal e vertical........................4 grid de construção................................5 Cores institucionais...............................6

Leia mais

RESUMO DAS NORMAS TÉCNICAS DA ABNT

RESUMO DAS NORMAS TÉCNICAS DA ABNT RESUMO DAS NORMAS TÉCNICAS DA ABNT A padronização ou normalização do desenho técnico tem como objetivo uniformizar o desenho por meio de um conjunto de regras ou recomendações que regulamentam a execução

Leia mais

FOTOGRAFIA DIGITAL NA CLÍNICA DIÁRIA Masioli, MA; Masioli, DLC; Damazio, WQ

FOTOGRAFIA DIGITAL NA CLÍNICA DIÁRIA Masioli, MA; Masioli, DLC; Damazio, WQ FOTOGRAFIA DIGITAL NA CLÍNICA DIÁRIA Marco Antonio Masioli Doutor em Clínica Odontológica- Universidade Federal do Rio do Janeiro (UFRJ) Professor Coordenador das Disciplinas de Materiais Dentários e PPR-

Leia mais

Nivelamento geométrico

Nivelamento geométrico UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS DA TERRA DEPARTAMENTO DE GEOMÁTICA Nivelamento geométrico DR. CARLOS AURÉLIO NADAL PROFESSOR TITULAR Tipos de Nivelamento: 1. GEOMÉTRICO: mais preciso dos

Leia mais

Manual de Transição TWT Sítio de Disciplina para Moodle 2.6

Manual de Transição TWT Sítio de Disciplina para Moodle 2.6 Universidade Católica Portuguesa Direcção de Sistemas de Informação Manual de Transição TWT Sítio de Disciplina para Moodle 2.6 Manual de utilização - Docentes DSI Outubro 2014 V2.6 ÍNDICE 1 OBJETIVO DESTE

Leia mais

Programação do Curso

Programação do Curso Programação do Curso Introdução à Fotografia Digital Aula 2 Equipamentos acessórios; Composição Disponível em www.ecoclics.com/wp- content/pdf/aula_ifd_2.pdf Roteiro da Aula Acessórios Ø Tripés Ø Filtros

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS: CURSO: ALUNO:

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS: CURSO: ALUNO: INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS: CURSO: ALUNO: DISCIPLINA: FÍSICA II PROFESSOR: EDSON JOSÉ LENTES ESFÉRICAS 1. (FGV/2012) Uma estudante usou uma lupa para pesquisar a formação

Leia mais

Lista 2 Espelhos Planos Construções Extensivo Noite

Lista 2 Espelhos Planos Construções Extensivo Noite 1. (Fuvest 2007) A janela de uma casa age como se fosse um espelho e reflete a luz do Sol nela incidente, atingindo, às vezes, a casa vizinha. Para a hora do dia em que a luz do Sol incide na direção indicada

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO APARELHO DE PROTRAÇÃO MANDIBULAR COMO ANCORAGEM PARA MESIALIZAÇÃO DE MOLARES INFERIORES: RELATO DE CASO CLÍNICO RESUMO

UTILIZAÇÃO DO APARELHO DE PROTRAÇÃO MANDIBULAR COMO ANCORAGEM PARA MESIALIZAÇÃO DE MOLARES INFERIORES: RELATO DE CASO CLÍNICO RESUMO 474 UTILIZAÇÃO DO APARELHO DE PROTRAÇÃO MANDIBULAR COMO ANCORAGEM PARA MESIALIZAÇÃO DE MOLARES INFERIORES: RELATO DE CASO CLÍNICO Fábio André Werlang 1 Marcos Massaro Takemoto 2 Prof Elton Zeni 3 RESUMO

Leia mais

Eng Civil Washington Peres Núñez Dr. em Engenharia Civil pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Eng Civil Washington Peres Núñez Dr. em Engenharia Civil pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul PESQUISA ANÁLISE DE CARACTERÍSTICAS DE QUALIDADE DE MISTURAS ASFÁLTICAS PRODUZIDAS NA ATUALIDADE NO SUL DO BRASIL E IMPACTOS NO DESEMPENHO DE PAVIMENTOS FLEXÍVEIS. MANUAL DE OPERAÇÃO DO BANCO DE DADOS

Leia mais

ANÁLISE DA DENTIÇÃO MISTA

ANÁLISE DA DENTIÇÃO MISTA 1 ANÁLISE DA DENTIÇÃO MISTA INTRODUÇÃO O período da dentição mista inicia-se por volta dos 6 anos de idade com a erupção dos primeiros molares permanentes, e termina ao redor dos 12 anos de idade, com

Leia mais

Tratamento Ortodôntico da Classe III, Subdivisão: Apresentação de um Caso Clínico (Parte 1)

Tratamento Ortodôntico da Classe III, Subdivisão: Apresentação de um Caso Clínico (Parte 1) Artigo de Divulgação Tratamento Ortodôntico da Classe III, Subdivisão: Apresentação de um Caso Clínico (Parte 1) Treatment of a Class III, Subdivision Malocclusion: A Case Report (Part 1) Guilherme R.

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO - EQUIPAMENTO OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DE MICROSCÓPIO CONTROLE DE APROVAÇÃO E REVISÃO

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO - EQUIPAMENTO OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DE MICROSCÓPIO CONTROLE DE APROVAÇÃO E REVISÃO 1/5 00 CONTROLE DE APROVAÇÃO E REVISÃO Elaboração Análise Crítica Aprovação Sidney J. Gomes Sidney J. Gomes Diretor do Laboratório Data: / / Data: / / Data: / / Resumo da revisão: - Emissão inicial DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA RAIZ DENTAL. radiográficas da raiz dental. As ocorrências, em sua maioria, são provenientes de

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA RAIZ DENTAL. radiográficas da raiz dental. As ocorrências, em sua maioria, são provenientes de ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA RAIZ DENTAL Neste tópico vamos descrever as principais alterações das imagens radiográficas da raiz dental. As ocorrências, em sua maioria, são provenientes de causas

Leia mais

DIGITAL PHOTOGRAPHY IN ORTHODONTICS PART III - THE DIGITAL EQUIPMENT

DIGITAL PHOTOGRAPHY IN ORTHODONTICS PART III - THE DIGITAL EQUIPMENT FOTOGRAFIA DIGITAL EM ORTODONTIA PARTE III - O EQUIPAMENTO DIGITAL DIGITAL PHOTOGRAPHY IN ORTHODONTICS PART III - THE DIGITAL EQUIPMENT André Wilson MACHADO* Eugênio Batista LEITE** Bernardo Quiroga SOUKI***

Leia mais

CASA CIVIL DEPARTAMENTO DE TRÂNSITO DO PARANÁ DETRAN/PR SISTEMA DETRAN/PR APLICATIVO DE VISTORIA ELETRÔNICA DE VEÍCULOS MANUAL DO USUÁRIO

CASA CIVIL DEPARTAMENTO DE TRÂNSITO DO PARANÁ DETRAN/PR SISTEMA DETRAN/PR APLICATIVO DE VISTORIA ELETRÔNICA DE VEÍCULOS MANUAL DO USUÁRIO CASA CIVIL DEPARTAMENTO DE TRÂNSITO DO PARANÁ DETRAN/PR SISTEMA DETRAN/PR APLICATIVO DE VISTORIA ELETRÔNICA DE VEÍCULOS MANUAL DO USUÁRIO SETEMBRO 2015 Versão 1.00 Manual do usuário elaborado pela Coordenadoria

Leia mais

REQUISITOS BÁSICOS PARA TÁXI ACESSÍVEL

REQUISITOS BÁSICOS PARA TÁXI ACESSÍVEL REQUISITOS BÁSICOS PARA TÁXI ACESSÍVEL 1. OBJETIVO...3 2. APRESENTAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS...3 3. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS...4 3.1 Características Gerais...4 3.2 Carroceria...4 4. ACESSIBILIDADE...8 4.1

Leia mais

COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA DA ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO CEARÁ

COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA DA ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO CEARÁ COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA DA ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO CEARÁ 1. ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO (TCLE) A importância do TCLE. A Resolução CNS 196/96 afirma

Leia mais

Elaboração de perfis longos dentro do projeto Memória Visual através da fotografia: revitalização do Cais Mauá

Elaboração de perfis longos dentro do projeto Memória Visual através da fotografia: revitalização do Cais Mauá Elaboração de perfis longos dentro do projeto Memória Visual através da fotografia: revitalização do Cais Mauá José Lourenço Degani 1 1. Introdução Quando, dentro do projeto Memória Visual Através da Fotografia:

Leia mais

Condições de Trabalho

Condições de Trabalho NR-17 Ergonomia OBJETIVO Visa a estabelecer parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas dos trabalhadores, de modo a proporcionar um máximo de conforto,

Leia mais

5 Discussão dos Resultados

5 Discussão dos Resultados 87 5 Discussão dos Resultados No procedimento de análises das imagens gráficas obtidas nas simulações pelo método de elementos finitos, comparou-se a distribuição das tensões nas restaurações com material

Leia mais

IGC - Índice do Grau de Complexidade

IGC - Índice do Grau de Complexidade IGC - Índice do Grau de Complexidade Uma medida da complexidade do caso DI -American Board of Orthodontics Autorização American Board of Orthodon1cs- ABO Atualização: 13.05.2013 12. Outros Itens pontuados

Leia mais

Primeiras Informações

Primeiras Informações Primeiras Informações Para que um trabalho escolar fique com melhor qualidade é importante registrálo, não apenas para ser apresentado aos pais, mas principalmente como arquivo. Guardar o registro de trabalhos

Leia mais

NBR 8196 (Ago 1992) 2.7.2. Conceito Escala é a relação entre as medidas do desenho de um objeto e seu tamanho real:

NBR 8196 (Ago 1992) 2.7.2. Conceito Escala é a relação entre as medidas do desenho de um objeto e seu tamanho real: 2.7. ESCALAS NBR 8196 (Ago 1992) 2.7.1. OBJETIVO Fixa as condições exigíveis para o emprego de escalas e suas designações em desenho técnico e documentos semelhantes. 2.7.2. Conceito Escala é a relação

Leia mais

ÓPTICA GEOMÉTRICA. Lista de Problemas

ÓPTICA GEOMÉTRICA. Lista de Problemas Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Física Departamento de Física FIS01044 UNIDADE II ÓPTICA GEOMÉTRICA Lista de Problemas Problemas extraídos de HALLIDAY, D., RESNICK, R., WALKER, J.

Leia mais

BACHARELADO EM ENGENHARIA AMBIENTAL EaD UAB/UFSCar Expressão Gráfica para Engenharia NORMAS TÉCNICAS

BACHARELADO EM ENGENHARIA AMBIENTAL EaD UAB/UFSCar Expressão Gráfica para Engenharia NORMAS TÉCNICAS BACHARELADO EM ENGENHARIA AMBIENTAL EaD UAB/UFSCar NORMAS TÉCNICAS APOSTILA DO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL DA UFSCar volume 3 Profª Sheyla Mara Baptista Serra Agosto de 2008 3 NORMAS TÉCNICAS Conhecer

Leia mais

FECHAMENTO DE ESPAÇOS

FECHAMENTO DE ESPAÇOS FECHAMENTO DE ESPAÇOS Rua 144, n 77 - Setor Marista - Goiânia (GO) - CEP 74170-030 - PABX: (62) 278-4123 - 1 - Introdução Podemos definir essa etapa do tratamento ortodôntico como aquela onde o principal

Leia mais

Cotagem de elementos

Cotagem de elementos Cotagem de elementos Introdução Na aula anterior você estudou algumas regras para cotagem e aprendeu como indicar as cotas básicas da peça. Mas, só com essas cotas, não é possível produzir peças que tenham

Leia mais

PROPOSTA DE MODIFICAÇÃO DA NR-12 ANEXO VIII- PRENSAS E SIMILARES. Análise Realizada pela Empresa/Entidade: Pessoa para Contato: e-mail:

PROPOSTA DE MODIFICAÇÃO DA NR-12 ANEXO VIII- PRENSAS E SIMILARES. Análise Realizada pela Empresa/Entidade: Pessoa para Contato: e-mail: PROPOSTA DE MODIFICAÇÃO DA NR-12 ANEXO VIII- PRENSAS E SIMILARES Análise Realizada pela Empresa/Entidade: Pessoa para Contato: e-mail: Texto Proposto Comentário Nossa Proposta Justificativa Técnica Dobradeiras

Leia mais

Copyright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total deste ebook só é permitida através de autorização por escrito de

Copyright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total deste ebook só é permitida através de autorização por escrito de 1 Se quereres dar aos seus desenhos mais realismo, profundidade, volume e proporção, você deve conhecer as regras da perspectiva. Desde o mais simples até o mais complexo desenho necessitam de uma boa

Leia mais

INSTALAÇÃO, LUBRIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO DAS CORRENTES TRANSPORTADORAS PROCEDIMENTO DE INSTALAÇÃO DA CORRENTE

INSTALAÇÃO, LUBRIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO DAS CORRENTES TRANSPORTADORAS PROCEDIMENTO DE INSTALAÇÃO DA CORRENTE UNP-130408 1 de 6 INSTALAÇÃO, LUBRIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO DAS CORRENTES TRANSPORTADORAS A vida útil das correntes transportadoras e elevadoras está diretamente ligada aos cuidados com a instalação, lubrificação

Leia mais

Manual de Atualização dos Móveis Make-up - Nova Iluminação Fev/08

Manual de Atualização dos Móveis Make-up - Nova Iluminação Fev/08 Manual de Atualização dos Móveis Make-up - Nova Iluminação Fev/08 bandeja de metal que fica na 1ª prateleira. Os Móveis Make-up estão passando por uma atualização. Ganharam um novo display e uma nova iluminação.

Leia mais

Mordida Profunda Definição. Trespasse vertical

Mordida Profunda Definição. Trespasse vertical Mordida Profunda Definição Trespasse vertical Mordida Profunda Diagnóstico Os fatores que contribuem variam de acordo com a oclusão: u Em boas oclusões é determinda por fatores dentários: t Comprimento

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIA Atualizada em julho de 2011 A maior parte das Monografias

Leia mais

VistaScan Perio Plus Digitalizador de placas de fósforo Certamente haverá mais tempo para os pacientes

VistaScan Perio Plus Digitalizador de placas de fósforo Certamente haverá mais tempo para os pacientes VistaScan Perio Plus Digitalizador de placas de fósforo Certamente haverá mais tempo para os pacientes AR COMPRIMIDO ASPIRAÇÃO IMAGIOLOGIA TRATAMENTO HIGIENE Eficiência no decorrer dos procedimentos na

Leia mais

Corte composto. abaixo, por apresentarem seus elementos internos fora de alinhamento, precisam de outra maneira de se imaginar o corte.

Corte composto. abaixo, por apresentarem seus elementos internos fora de alinhamento, precisam de outra maneira de se imaginar o corte. A UU L AL A Corte composto Certos tipos de peças, como as representadas abaixo, por apresentarem seus elementos internos fora de alinhamento, precisam de outra maneira de se imaginar o corte. Introdução

Leia mais

CIRURGIAS ORTOGNÁTICAS

CIRURGIAS ORTOGNÁTICAS CIRURGIAS ORTOGNÁTICAS Informações ao paciente Contém: 1. Explicação geral sobre cirurgias ortognáticas, 2. Perguntas e respostas, A cirurgia ortognática, também chamada de ortodontia cirúrgica, é um tipo

Leia mais

WEBGIS Sistema Informativo Territorial

WEBGIS Sistema Informativo Territorial PREFEITURA MUNICIPAL DE PONTA GROSSA WEBGIS Sistema Informativo Territorial MANUAL DE UTILIZAÇÃO Autor: Rony Camargo de Brito Primeira edição: 20-06-2008 Atualizado: 08-10-2008 Todos os Direitos Reservados

Leia mais

Roda Roda. Série Matemática na Escola. Objetivos 1. Introduzir o conceito de permutação circular; 2. Aplicar o conceito de permutação simples.

Roda Roda. Série Matemática na Escola. Objetivos 1. Introduzir o conceito de permutação circular; 2. Aplicar o conceito de permutação simples. Roda Roda Série Matemática na Escola Objetivos 1. Introduzir o conceito de permutação circular; 2. Aplicar o conceito de permutação simples. Roda Roda Série Matemática na Escola Conteúdos Permutações e

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada (Decreto Federal nº 5154/04 e Lei Federal nº 11741/08) PLANO DE CURSO Área Tecnológica: Metalurgia

Leia mais

Copyright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total deste ebook só é permitida através de autorização por escrito de

Copyright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total deste ebook só é permitida através de autorização por escrito de 1 Aprenda nesta aula os primeiros passos para começar a sombrear de forma eficiente e estética. (Mateus Machado) PREENCHIMENTOS 1. CARACTERÍSTICAS DOS LÁPIS DE DESENHO Antes de realizarmos sombreamentos

Leia mais

DANIELLE MARTINS STARTARI PROTOCOLO FOTOGRÁFICO PARA PRÓTESE ADESIVA CAMPO GRANDE 2014 DANIELLE MARTINS STARTARI

DANIELLE MARTINS STARTARI PROTOCOLO FOTOGRÁFICO PARA PRÓTESE ADESIVA CAMPO GRANDE 2014 DANIELLE MARTINS STARTARI DANIELLE MARTINS STARTARI PROTOCOLO FOTOGRÁFICO PARA PRÓTESE ADESIVA CAMPO GRANDE 2014 DANIELLE MARTINS STARTARI PROTOCOLO FOTOGRÁFICO PARA PRÓTESE ADESIVA Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao

Leia mais

*A476A87532* COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA. PROJETO DE LEI N o 7.065, DE 2002 I - RELATÓRIO

*A476A87532* COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA. PROJETO DE LEI N o 7.065, DE 2002 I - RELATÓRIO COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI N o 7.065, DE 2002 Dispõe sobre o comércio de produtos ópticos em geral. Autor: Deputado Arnaldo Faria de Sá Relator: Deputado José Linhares I - RELATÓRIO

Leia mais

O setup ortodôntico como método auxiliar de diagnóstico e planejamento

O setup ortodôntico como método auxiliar de diagnóstico e planejamento Dica Clínica O setup ortodôntico como método auxiliar de diagnóstico e planejamento Hallissa Simplício*, Ary dos Santos-Pinto**, Marcus Vinicius Almeida de Araújo***, Sergei Godeiro Fernandes Rabelo Caldas****,

Leia mais

Crawford 542 Portas Seccionadas

Crawford 542 Portas Seccionadas Crawford 2 Crawford Crawford Dedicação ao cliente A Crawford 542 é uma porta seccionada concebida para aplicação em armazéns, centros de logística e todo o tipo de unidades de produção. O desenho é ideal

Leia mais

Medição tridimensional

Medição tridimensional A U A UL LA Medição tridimensional Um problema O controle de qualidade dimensional é tão antigo quanto a própria indústria, mas somente nas últimas décadas vem ocupando a importante posição que lhe cabe.

Leia mais

Reabilitação de lesões cervicais não cariosas associadas com hipersensibilidade dentinária empregando resinas compostas nano-híbridas

Reabilitação de lesões cervicais não cariosas associadas com hipersensibilidade dentinária empregando resinas compostas nano-híbridas Reabilitação de lesões cervicais não cariosas associadas com hipersensibilidade dentinária empregando resinas compostas nano-híbridas Autores Paulo Vinícius Soares 1, Guilherme Faria Moura 2, Ramon Correa

Leia mais

Concreto - determinação da consistência pelo abatimento do tronco de cone

Concreto - determinação da consistência pelo abatimento do tronco de cone MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA EXECUTIVA COORDENAÇÃO DO INSTITUTO DE PESQUISAS RODOVIÁRIAS - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra, km 163 - Centro

Leia mais

9. MANUTENÇÃO DE TRANSFORMADORES:

9. MANUTENÇÃO DE TRANSFORMADORES: 9. MANUTENÇÃO DE TRANSFORMADORES: 9.1 OTIMIZAÇÃO E MONITORAMENTO DA OPERAÇÃO DOS TRANSFORMADORES Os transformadores são máquinas estáticas que transferem energia elétrica de um circuito para outro, mantendo

Leia mais

EXAUSTOR MUNTERS MANUAL DE INSTALAÇÃO EXAUSTOR MUNTERS REV.00-11/2012-MI0047P

EXAUSTOR MUNTERS MANUAL DE INSTALAÇÃO EXAUSTOR MUNTERS REV.00-11/2012-MI0047P MANUAL DE INSTALAÇÃO EXAUSTOR MUNTERS REV.00-11/2012-MI0047P 0 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 2 IMPORTANTE... 3 SEGURANÇA... 3 CUIDADOS AO RECEBER O EQUIPAMENTO... 4 1) Instalação dos exaustores... 5 2) Instalação

Leia mais

Cirurgiã Dentista, Especialista em Radiologia, Especializanda em Ortodontia PLANO DE CURSO

Cirurgiã Dentista, Especialista em Radiologia, Especializanda em Ortodontia PLANO DE CURSO C U R S O O D O N T O L O G I A Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14 Componente Curricular: RADIOLOGIA Código: ODO-14 Pré-requisito: ANATOMIA

Leia mais

Fotografia. 38 Rev Dental Press Estét. 2011 jul-set;8(3):38-46

Fotografia. 38 Rev Dental Press Estét. 2011 jul-set;8(3):38-46 Fotografia 38 Rev Dental Press Estét. 2011 jul-set;8(3):38-46 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 Fotografia odontológica em dentes

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E PREVIDÊNCIA SOCIAL. PORTARIA N.º 511, DE 29 DE ABRIL DE 2016 (DOU de 02/05/2016 Seção I Pág. 94)

MINISTÉRIO DO TRABALHO E PREVIDÊNCIA SOCIAL. PORTARIA N.º 511, DE 29 DE ABRIL DE 2016 (DOU de 02/05/2016 Seção I Pág. 94) MINISTÉRIO DO TRABALHO E PREVIDÊNCIA SOCIAL PORTARIA N.º 511, DE 29 DE ABRIL DE 2016 (DOU de 02/05/2016 Seção I Pág. 94) Inclui, na Norma Regulamentadora n.º 36 - Segurança e Saúde no Trabalho em Empresas

Leia mais

ZJ20U93 Montagem e Operacional

ZJ20U93 Montagem e Operacional www.zoje.com.br ZJ20U93 Montagem e Operacional ÍNDICE 1. Aplicação...2 2. Operação segura...2 3. Cuidados antes da operação...2 4. Lubrificação...2 5. Seleção da agulha e do fio...3 6. A Inserção da agulha...3

Leia mais

Dr Christian Coachman. Dr Guilherme Cabral. Dr Braulio Paolucci

Dr Christian Coachman. Dr Guilherme Cabral. Dr Braulio Paolucci Protócolo Wax-up Dr Christian Coachman Dr Guilherme Cabral Dr Braulio Paolucci Volume 3D / Posicão 3D Centrais 1. Encerar sobre a linha mediana antiga!! 2. Encerar os 2 centrais em um bloco de cera 3.

Leia mais

Otimização do tempo de setup na operação gargalo de uma indústria gráfica utilizando o Sistema de Troca Rápida de Ferramentas

Otimização do tempo de setup na operação gargalo de uma indústria gráfica utilizando o Sistema de Troca Rápida de Ferramentas Otimização do tempo de setup na operação gargalo de uma indústria gráfica utilizando o Sistema de Troca Rápida de Ferramentas Jonas Alves de Paiva (UFPB) jonas@ct.ufpb.br Thiago Miranda de Vasconcelos

Leia mais

E-QP-ECD-069 REV. C 26/Set/2007 PROCEDIMENTO DE CONTROLE DIMENSIONAL - CALIBRAÇÃO DE TRENA COM RÉGUA PADRÃO E TRENA PADRÃO - - NÍVEL BÁSICO -

E-QP-ECD-069 REV. C 26/Set/2007 PROCEDIMENTO DE CONTROLE DIMENSIONAL - CALIBRAÇÃO DE TRENA COM RÉGUA PADRÃO E TRENA PADRÃO - - NÍVEL BÁSICO - ENGENHARIA PROCEDIMENTO DE CONTROLE DIMENSIONAL - CALIBRAÇÃO DE TRENA COM RÉGUA PADRÃO E TRENA PADRÃO - - NÍVEL BÁSICO - Os comentários e sugestões referentes a este documento devem ser encaminhados ao

Leia mais

Corte total. Qualquer pessoa que já tenha visto um regis- A U L A

Corte total. Qualquer pessoa que já tenha visto um regis- A U L A A U L A 11 11 Corte total Introdução Qualquer pessoa que já tenha visto um regis- tro de gaveta, como o que é mostrado a seguir, sabe que se trata de uma peça complexa, com muitos elementos internos. Se

Leia mais

ERGONOMIA Notas de Aula. Ponto 02 ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO Prof. Dr. Mario S. Ferreira, Prof. Dr. Carlos Antônio Ramires Righi Março, 2009.

ERGONOMIA Notas de Aula. Ponto 02 ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO Prof. Dr. Mario S. Ferreira, Prof. Dr. Carlos Antônio Ramires Righi Março, 2009. 1. INTRODUÇÃO ERGONOMIA Notas de Aula Ponto 02 ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO Prof. Dr. Mario S. Ferreira, Prof. Dr. Carlos Antônio Ramires Righi Março, 2009. A Análise Ergonômica do Trabalho - AET é uma

Leia mais

Gráficos estatísticos: histograma. Série Software ferramenta

Gráficos estatísticos: histograma. Série Software ferramenta Gráficos estatísticos: histograma Série Software ferramenta Funcionalidade Este software permite a construção de histogramas a partir de uma tabela de dados digitada pelo usuário. Gráficos estatísticos:

Leia mais

A SEGUIR ALGUMAS DICAS PARA O DESENVOLVIMENTO DE UM PROJETO CIENTÍFICO

A SEGUIR ALGUMAS DICAS PARA O DESENVOLVIMENTO DE UM PROJETO CIENTÍFICO A SEGUIR ALGUMAS DICAS PARA O DESENVOLVIMENTO DE UM PROJETO CIENTÍFICO DESENVOLVENDO UM PROJETO 1. Pense em um tema de seu interesse ou um problema que você gostaria de resolver. 2. Obtenha um caderno

Leia mais