Efeitos da Entrada de Bancos Estrangeiros no Setor Bancário Brasileiro: Evolução do Crédito e dos Indicadores Operacionais

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Efeitos da Entrada de Bancos Estrangeiros no Setor Bancário Brasileiro: Evolução do Crédito e dos Indicadores Operacionais"

Transcrição

1 Efeitos da Entrada de Bancos Estrangeiros no Setor Bancário Brasileiro: Evolução do Crédito e dos Indicadores Operacionais Marcos Roberto Vasconcelos Departamento de Economia Universidade Estadual de Maringá Economista-Chefe da Caixa Econômica Federal José Ricardo Fucidji Departamento de Economia, Universidade Estadual de Maringá Setembro de 2003

2 Literatura sobre Efeitos de Eficiência gerados por Bancos Estrangeiros: Pressões Competitivas Sofisticação de Arranjos Organizacionais Modernização das Práticas Gerenciais Emuladores para os Agentes Domésticos Promoção da Estabilidade Macroeconômica

3 Visão Alternativa: As condições do setor, anteriores à liberalização, também importam. Os impactos da reestruturação são específicos ao segmento do mercado e do tipo de liberalização implementado. Em vários estudos de caso, os efeitos de eficiência também se mostram específicos em termos locacionais.

4 Objetivo: O texto discute a supostamente melhor performance operacional dos bancos estrangeiros, quando comparado aos domésticos, a partir da liberalização do acesso ao mercado. Para cumprir este objetivo, são apresentadas duas trajetórias: a do crédito bancário (como proxy para a eficiência macroeconômica) e alguns indicadores operacionais (como proxies para a eficiência microeconômica), para os 19 maiores bancos (privados nacionais, privados estrangeiros e públicos).

5 Fontes de Dados: Base de dados do Banco Central do Brasil (Sisbacen) Jornais e publicações especializadas Informações sobre as 19 instituições Os dados são semestrais, de dez/1994 a jun/2001 Os dados de bancos individuais contam para o grupo, em caso de aquisição ou fusão no periodo

6 Operações de Crédito É frequentemente suposto na literatua - e por alguns gestores públicos - que a entrada de bancos estrangeiros promova um aumento da eficiência micro e macroeconômica, particularmente do crédito. A despeito do aumento da participação estrangeira no setor, o crédito agregado não se elevou.

7 Gráfico 1 Evolução do Crédito Bancário (em bilhões de reais constantes de 1994)

8 Gráfico 2 Distribuição do Mercado de Crédito (por tipo de instituição) Bancos Publicos Federais Bancos Públicos Estaduais Bancos Privados Nacionais Bancos com Participação Estrangeira Bancos com Controle Estrangeiro

9 Gráfico 3 Razão Crédito/PIB (em %) 34,00 33,00 32,80 32,00 32,00 31,78 31,00 30,00 29,00 29,23 30,43 30,15 29,00 29,66 28,00 27,62 27,82 27,00 26,00 25,

10 Estes resultados mostram que todos os bancos, qualquer que seja sua origem de capital, adotaram uma postura mais cautelosa, modificando as posições de suas carteiras, com mais títulos públicos (de rentabilidade maior e risco menor que as operações de crédito ao setor privado). Os níveis de crédito agregado são baixos mesmo em comparação com outros países da América Latina. Os bancos estrangeiros seguem o mesmo padrão de comportamento dos privados nacionais (os concorrentes estabelecidos).

11 Existem duas explicações para esse comportamento: Por um lado, afirma-se que a instabilidade macroeconômica e as crises na Ásia, na Rússia e no Brasil tornaram os agentes mais avessos ao risco. Alguns estudos afirmam, por outro lado, que mudanças institucionais, como as Resoluções 2099 e 2784 empurraram os bancos para o mercado de títulos públicos. Bancos estrangeiros têm relutado em adotar uma política agressiva de concessão de crédito. Mesmo os bancos públicos têm ampliado a proporção de títulos públicos em suas carteiras.

12 Gráfico 4 Proporção de Títulos no Ativo Operacional (por tipo de instituição) 45,00 40,00 35,00 30,00 25,00 % 20,00 15,00 10,00 5,00 0,00 Dez/94 Dez/95 Dez/96 Dez/97 Dez/98 Dez/99 Dez/00 Instituições públicas Instituições privadas nacionais Instituições privadas estrangeiras

13 Gráfico 5 Proporção de Empréstimos no Ativo Operacional 60,00 50,00 40,00 % 30,00 20,00 10,00 0,00 Dez/94 Dez/95 Dez/96 Dez/97 Dez/98 Dez/99 Dez/00 Instituições públicas Instituições privadas estrangeiras Instituições privadas nacionais

14 Outro aspecto é a existência do fenômeno cereja do bolo (cherry picking) i.e., se as instituições estrangeiras estão relegando as piores faixas do mercado (operações de maior risco ou para menores clientes) aos agentes domésticos. A este respeito, contudo, os dados não parecem mostrar diferença entre os bancos privados nacionais e os estrangeiros. Os bancos públicos ainda detêm as carteiras de maior risco.

15 Tabela 1 Classificação do Risco das Carteiras de Crédito dos 19 Maiores Grupos Bancário Atuantes no Brasil Jun/01 Jun/00 1) VOTORANTIM** 8,47 8,74 (2) 2) SAFRA** 8,43 8,42 (5) 3) HSBC*** 8,37 8,52 (4) 4) MERCANTIL** 8,16 8,65 (3) 5) BILBAO VIZCAYA*** 8,05 7,47 (10) 6) BBA-CREDITANSTALT** 8,00 8,06 (6) 7) CITIBANK*** 7,96 7,82 (7) 8) BANKBOSTON*** 7,92 8,82 (1) 9) UNIBANCO** 7,65 7,73 (8) 10) BANCO DO BRASIL* 7,56 6,16 (17) 11) ABN AMRO*** 7,50 7,60 (9) 12) BRADESCO** 7,37 7,26 (12) 13) LLOYDS*** 7,37 7,15 (13) 14) ITAÚ** 7,35 7,34 (11) 15) SANTANDER BR*** 7,15 7,10 (14) 16) CAIXA ECONÔMICA FEDERAL* 6,96 6,77 (15) 17) BNB* 6,76 6,67 (16) 18) NOSSA CAIXA* 6,29 5,90 (19) 19) BANRISUL* 6,01 6,16 (18) Fonte: Elaboração dos autores, a partir de dados dos balanços. 1 Esta classificação foi obtida fazendo uma média ponderada dos percentuais aplicados nas modalidades AA, A, B, C, D, E, F, G e H; considerando, respectivamente, os pesos 9, 8, 7, 6, 5, 4, 3, 2 e1. 2 Os valores entre parênteses indicam a classificação da instituição em junho de * indica instituição pública ** indica instituição privada nacional *** indica instituição privada estrangeira

16 Indicadores operacionais: Grau de Alavancagem Esta variável é ambígua como um indicador de eficiência. Os três tipos de instituições ampliaram seus graus de alavancagem entre 1994 e 1998, reduzindo-o daí em diante. Contudo, os bancos privados nacionais ampliaram seu grau para o período como um todo, apontando dessa forma seu controle sobre o mercado.

17 Gráfico 6 Evolução dos Graus de Alavancagem 25,00 20,00 15,00 % 10,00 5,00 0,00 Dez/94 Dez/95 Dez/96 Dez/97 Dez/98 Dez/99 Dez/00 Instituições públicas Instituições privadas nacionais Instituições privadas estrangeiras

18 GRAU DE ALAVANCAGEM Dec-94 Dec-95 Dec-96 Dec-97 Dec-98 Dec-99 Dec-00 Jun-01 INTITUIÇÕES PÚBLICAS BANRISUL 10,58 25,70 19,96 29,65 30,71 9,85 11,85 13,57 BB 10,62 14,14 13,43 16,73 18,50 15,84 16,30 16,38 CEF 32,89 21,19 21,94 22,00 31,36 30,86 42,87 9,67 BNB 9,65 13,92 8,02 5,47 6,15 6,38 7,01 6,53 NOSSA CAIXA 9,00 10,17 11,67 13,77 12,65 13,40 16,05 15,91 MÉDIA 14,46 16,80 16,43 18,27 21,33 18,97 21,17 12,76 INTITUIÇÕES PRIVADAS NACIONAIS GRUPO BRADESCO 2,99 4,13 4,59 5,55 7,81 8,39 8,65 8,88 GRUPO ITAÚ 3,46 4,64 6,13 8,17 7,69 5,45 7,30 7,53 GRUPO UNIBANCO 9,46 9,59 9,78 8,20 8,11 6,47 6,98 7,34 SAFRA 14,49 11,89 15,58 16,51 16,15 15,44 16,11 14,11 BBA-CREDITANSTALT 10,60 17,59 11,39 12,89 12,09 12,07 13,16 12,47 VOTORANTIN 9,58 14,18 12,53 10,29 14,76 13,81 11,51 14,43 MÉDIA 4,85 6,02 6,80 7,78 8,59 7,67 8,55 8,78 INSTITUIÇÕES PRIVADAS ESTRANGEIRAS GRUPO SANTANDER BR 7,03 5,31 6,20 4,44 7,95 9,45 10,37 3,98 GRUPO ABN AMRO 6,98 6,24 8,58 8,97 12,77 3,87 4,19 4,24 GRUPO BANKBOSTON 8,14 10,88 16,62 14,30 11,59 17,89 17,43 21,79 GRUPO HSBC 6,32 27,20 26,55 10,67 12,26 12,28 11,66 15,84 GRUPO CITIBANK 3,80 5,77 8,21 8,71 5,72 6,41 6,95 9,31 GRUPO BIL BAO VYSCAYA 8,79 5,57 6,46 17,76 12,92 12,00 12,30 13,34 GRUPO LLOYDS 12,17 10,82 8,78 18,34 12,54 10,84 9,71 14,53 MÉDIA 7,12 8,28 10,14 10,87 10,31 7,76 8,40 6,84 Fonte: Cálculos dos autores, a partir de dados do Sisbacen.

19 Rentabilidade Patrimonial Os bancos privados nacionais apresentam a mais alta rentabilidade patrimonial desde 1995; em junho de 2001 apresentavam uma rentabilidade mais elevada que a registrada em dezembro de Os bancos estrangeiros apresentaram declínio de rentabilidade até 1997, ocorrendo o oposto daí até dezembro de Ocorreu uma melhora na rentabilidade da média do grupo bancos públicos.

20 Gráfico 7 Evolução da Rentabilidade Patrimonial 20,00 15,00 10,00 5,00 % 0,00 Dez/94 Dez/95 Dez/96 Dez/97 Dez/98 Dez/99 Dez/00-5,00-10,00-15,00-20,00-25,00-30,00 Instituições públicas Instituições privadas nacionais Instituições privadas estrangeiras

21 RENTABILIDADE PATRIMONIAL Dez-94 Dez-95 Dez-96 Dez-97 Dez-98 Dez-99 Dez-00 Jun-01 INTITUIÇÕES PÚBLICAS BANRISUL 9,32 4,90-6,72-2,44 5,41-2,68-1,36 7,71 BB -6,57-41,45 4,78 4,93 5,20 2,74 7,76 3,82 CEF -28,64 7,00 6,22 2,10 5,97 7,56 9,50-51,19 BNB 8,71 24,84 5,82 5,76 5,31 5,11 3,08 0,85 NOSSA CAIXA -7,77-5,68 0,12 5,61 5,02 1,07 11,56 6,92 MÉDIA -9,41-17,80 4,54 3,74 5,42 3,91 7,69-20,58 INTITUIÇÕES PRIVADAS NACIONAIS GRUPO BRADESCO 6,14 5,23 7,69-0,45 3,31-0,10 3,64 7,83 GRUPO ITAÚ 3,47 2,10 8,83 2,88 14,82 7,50 11,44 14,10 GRUPO UNIBANCO -0,43-0,40 7,72 10,31 4,03 4,09 7,41 7,82 SAFRA 11,97 28,78 20,70 3,76 6,81-2,27 6,07 6,48 BBA-CREDITANSTALT 61,54 27,07 22,50 11,55 12,25 7,16 13,75 8,79 VOTORANTIN 14,52 19,88 3,52 1,45 1,18-4,54 1,95 14,90 MÉDIA 6,48 5,02 9,10 3,13 7,40 3,38 7,38 9,82 INSTITUIÇÕES PRIVADAS ESTRANGEIRAS GRUPO SANTANDER BR 15,84 6,75-4,04-20,66 0,30 0,97 5,26-60,22 GRUPO ABN AMRO 4,39 1,62 6,50 5,44 3,55 0,47 2,39 4,70 GRUPO BANKBOSTON 52,08 7,67 4,47 6,69 5,06 7,03 10,65 35,14 GRUPO HSBC 29,04 5,31 7,41 1,48 0,44 0,53 1,36 7,67 GRUPO CITIBANK 17,63 10,17-9,37-3,08 1,57 9,73 6,07 19,41 GRUPO BILBAO VYSCAYA 21,49 25,60 5,62-21,72-27,88 4,84 2,35 1,81 GRUPO LLOYDS 19,12 3,03-2,66 2,86 13,94 7,72 10,25 10,16 MÉDIA 16,76 5,86 2,46-1,57 0,39 3,18 4,33-25,74 Fonte: Cálculos dos autores, a partir de dados do Sisbacen.

22 Margem Líquida Os indicadores de margem líquida e rentabilidade patrimonial têm um desempenho similar. Este indicador também dá ao grupo bancos privados nacionais o melhor resultado. Deve-se notar também a melhora da margem líquida da média do grupo bancos públicos e uma piora desse indicador para a média do grupo bancos estrangeiros em todo o período. Pode-se perceber um contágio dos resultados da Caixa Econômica Federal e do Santander para seus respectivos grupos de instituições.

23 10,00 Gráfico 8 Evolução da Margem Líquida 8,00 6,00 4,00 2,00 % 0,00 Dez/94 Dez/95 Dez/96 Dez/97 Dez/98 Dez/99 Dez/00-2,00-4,00-6,00-8,00-10,00-12,00 Instituições públicas Instituições privadas nacionais Instituições privadas estrangeiras

24 MARGEM LÍQUIDA Dez-94 Dez-95 Dez-96 Dez-97 Dez-98 Dez-99 Dez-00 Jun-01 INTITUIÇÕES PÚBLICAS BANRISUL 3,44 1,34-1,82-0,57 1,87-1,45-0,78 4,18 BB -2,00-13,11 2,39 1,43 1,62 0,95 3,22 1,73 CEF -3,88 1,96 2,10 0,77 1,63 2,38 2,48-28,96 BNB 4,59 12,89 3,31 5,04 4,22 3,06 2,64 0,75 NOSSA CAIXA -2,59-2,24 0,05 2,23 2,05 0,43 6,62 3,57 MÉDIA -2,40-5,50 1,87 1,24 1,73 1,40 3,02-10,67 INTITUIÇÕES PRIVADAS NACIONAIS GRUPO BRADESCO 5,25 4,42 9,01-0,47 2,61-0,07 2,28 3,79 GRUPO ITAÚ 2,06 1,65 7,49 2,22 9,88 6,03 9,13 8,69 GRUPO UNIBANCO -0,05-0,20 3,95 4,77 2,11 1,80 5,04 4,02 SAFRA 2,22 9,20 10,89 1,44 2,88-1,01 2,77 2,59 BBA-CREDITANSTALT 14,41 10,86 13,47 4,08 5,06 3,41 6,05 3,28 VOTORANTIN 2,72 7,05 1,62 0,86 0,34-1,18 0,90 3,52 MÉDIA 2,58 3,38 7,38 2,17 4,61 2,00 4,79 4,86 INSTITUIÇÕES PRIVADAS ESTRANGEIRAS GRUPO SANTANDER BR 6,03 3,15-2,96-13,26 0,13 0,38 1,19-36,79 GRUPO ABN AMRO 2,01 0,90 5,62 4,00 2,01 0,46 1,56 2,30 GRUPO BANKBOSTON 8,43 3,42 2,03 2,21 1,71 1,42 3,44 5,20 GRUPO HSBC 5,63 1,54 2,26 0,85 0,15 0,18 0,40 1,46 GRUPO CITIBANK 3,46 4,14-6,45-1,61 1,01 5,24 3,78 5,86 GRUPO BILBAO VYSCAYA 6,71 11,81 4,38-9,97-11,34 2,48 1,38 0,83 GRUPO LLOYDS 4,82 0,89-1,40 0,57 3,34 2,20 4,82 3,07 MÉDIA 4,64 2,60 1,61-0,80 0,17 1,57 1,79-10,53 Fonte: Elaboração dos autores a partir dos dados do Sisbacen.

25 Receita de Ativos Operacionais Este indicador exibe uma tendência decrescente entre 1994 e 1997, e ascendente daí em diante. Isto parece se dever a um uso mais eficiente e lucrativo dos fundos (por exempo em aplicações de tesouraria). Os bancos estrangeiros apresentam o melhor desempenho neste indicador e os bancos públicos, o pior.

26 60,00 Gráfico 9 Evolução da Geração de Receitas de Ativos Operacionais 50,00 40,00 % 30,00 20,00 10,00 0,00 Dez/94 Dez/95 Dez/96 Dez/97 Dez/98 Dez/99 Dez/00 Instituições públicas Instituições privadas nacionais Instituições privadas estrangeiras

27 GERAÇÃO DE RECEITAS DE ATIVOS OPERACIONAIS Dez-94 Dez-95 Dez-96 Dez-97 Dez-98 Dez-99 Dez-00 Jun-01 INTITUIÇÕES PÚBLICAS BANRISUL 23,67 9,86 17,87 14,24 9,24 17,28 13,49 12,81 BB 26,23 22,12 13,31 19,90 15,75 17,28 14,09 13,05 CEF 25,75 17,91 14,75 13,78 12,92 12,24 12,05 25,31 BNB 17,71 12,69 18,69 16,73 16,23 20,66 13,30 13,76 NOSSA CAIXA 32,32 24,31 20,61 19,62 20,03 17,85 10,48 11,93 MÉDIA 26,00 19,04 14,64 16,96 14,52 15,40 13,08 16,18 INTITUIÇÕES PRIVADAS NACIONAIS GRUPO BRADESCO 37,46 22,31 12,91 14,77 15,32 18,17 17,33 22,87 GRUPO ITAÚ 46,60 24,64 16,05 14,18 18,73 19,35 15,12 21,09 GRUPO UNIBANCO 84,29 19,04 17,81 21,88 20,55 28,41 16,96 22,64 SAFRA 36,12 24,01 8,77 13,09 11,36 12,69 11,71 16,16 BBA-CREDITANSTALT 35,19 11,79 13,81 19,70 18,03 16,37 15,97 18,72 VOTORANTIN 50,02 13,00 10,12 12,37 21,16 26,56 16,29 26,17 MÉDIA 49,90 21,10 14,20 15,92 16,99 19,90 15,91 21,53 INSTITUIÇÕES PRIVADAS ESTRANGEIRAS GRUPO SANTANDER BR 34,46 34,21 18,49 27,60 25,69 26,67 36,64 32,11 GRUPO ABN AMRO 30,66 27,48 10,26 12,23 11,09 22,95 29,48 40,12 GRUPO BANKBOSTON 67,63 16,54 9,31 18,26 20,11 23,48 15,26 25,80 GRUPO HSBC 60,56 8,58 7,98 14,21 23,69 22,73 24,91 31,53 GRUPO CITIBANK 101,43 34,82 15,55 20,60 23,41 23,12 18,14 32,28 GRUPO BILBAO VYSCAYA 32,19 33,54 16,30 7,97 17,26 14,62 11,88 14,33 GRUPO LLOYDS 24,87 25,72 16,90 19,42 28,59 25,20 16,64 17,72 MÉDIA 44,49 22,47 11,30 14,33 19,37 22,89 23,99 30,01 Fonte: Elaboração dos autores a partir dos dados do Sisbacen,

28 Razão Custo-Receitas Os bancos públicos apresentam mais uma vez o pior desempenho, e os grupos privado nacional e estrangeiro apresentam desempenhos muito similares. Neste indicador, os bancos privados nacionais apresentam eficiência mais elevada que os bancos estrangeiros. Note-se que desde 2000 os bancos públicos têm passado por processos de reestruturação.

29 90,00 Gráfico 10 Evolução da Razão Custo-Receitas 80,00 70,00 60,00 50,00 % 40,00 30,00 20,00 10,00 0,00 Dez/94 Dez/95 Dez/96 Dez/97 Dez/98 Dez/99 Dez/00 Instituições públicas Instituições privadas estrangeiras Instituições privadas nacionais

30 RAZÃO CUSTO-RECEITAS Dez-94 Dez-95 Dez-96 Dez-97 Dez-98 Dez-99 Dez-00 Jun-01 INTITUIÇÕES PÚBLICAS BANRISUL 60,53 58,84 60,69 58,90 52,50 52,57 53,15 46,68 BB 61,19 73,40 72,46 85,43 74,63 75,79 66,87 65,15 CEF 67,46 69,69 80,74 66,86 67,68 68,36 62,33 124,22 BNB 76,35 76,87 93,86 82,07 90,92 95,56 51,95 47,47 NOSSA CAIXA 73,65 69,08 88,43 75,31 77,70 101,97 62,27 68,83 MÉDIA 63,93 71,02 76,28 76,15 71,61 74,31 63,95 82,45 INTITUIÇÕES PRIVADAS NACIONAIS GRUPO BRADESCO 68,36 68,89 72,52 75,10 68,41 67,66 59,41 54,94 GRUPO ITAÚ 60,83 67,36 67,11 73,58 69,56 68,87 70,22 60,82 GRUPO UNIBANCO 53,72 65,43 68,20 63,37 63,07 57,39 56,64 54,72 AFRA 61,56 57,64 60,10 58,25 56,09 58,25 52,72 51,97 BBA-CREDITANSTALT 64,50 50,99 54,09 59,55 54,41 51,85 51,30 51,91 VOTORANTIN 63,00 49,61 53,91 54,23 52,93 52,27 52,62 49,49 MÉDIA 59,45 65,15 67,35 67,75 64,66 62,42 59,61 55,31 INSTITUIÇÕES PRIVADAS ESTRANGEIRAS GRUPO SANTANDER BR 59,20 67,06 69,86 79,90 59,64 59,99 68,58 81,82 GRUPO ABN AMRO 62,68 67,17 64,33 67,53 67,47 67,13 62,40 57,35 GRUPO BANKBOSTON 128,43 57,21 61,09 60,77 57,49 58,68 57,19 51,92 GRUPO HSBC 64,35 57,28 52,99 74,78 64,46 67,24 57,97 54,54 GRUPO CITIBANK 60,23 57,81 76,05 60,16 57,96 53,91 52,79 48,98 GRUPO BILBAO VYSCAYA 61,39 56,10 67,39 71,48 86,57 62,82 59,30 59,52 GRUPO LLOYDS 65,18 52,68 55,42 59,32 57,01 56,74 55,01 52,47 MÉDIA 69,40 53,78 63,30 66,47 62,73 60,99 61,08 63,09 onte: Elaboração dos autores a partir dos dados do Sisbacen.

Tendências Recentes da Consolidação Bancária no Mundo e no Brasil

Tendências Recentes da Consolidação Bancária no Mundo e no Brasil Tendências Recentes da Consolidação Bancária no Mundo e no Brasil Luiz Fernando de Paula Professor da Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade do Estado do Rio de Janeiro E-mail: lfpaula@alternex.com.br

Leia mais

Desnacionalização: Reserva e Abertura do Mercado aos Bancos Estrangeiros

Desnacionalização: Reserva e Abertura do Mercado aos Bancos Estrangeiros Desnacionalização: Reserva e Abertura do Mercado aos Bancos Estrangeiros Fernando Nogueira da Costa Professor do IE-UNICAMP http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ desnacionalização bancária No final

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO FINANCEIRO DOS BANCOS COOPERATIVOS NO BRASIL

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO FINANCEIRO DOS BANCOS COOPERATIVOS NO BRASIL AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO FINANCEIRO DOS BANCOS COOPERATIVOS NO BRASIL Edevandro Stefanello Clailton Ataídes de Freitas Jefferson Andrônio Ramundo Staduto Resumo: O objetivo do presente trabalho é avaliar

Leia mais

Perspectivas do Mercado de Crédito Marcus Manduca, sócio da PwC

Perspectivas do Mercado de Crédito Marcus Manduca, sócio da PwC Perspectivas do Mercado de Crédito Marcus Manduca, sócio da PwC Perspectivas do Mercado de Crédito Cenário econômico Cenário econômico Contexto Macro-econômico e Regulamentação Redução de spreads Incremento

Leia mais

Especial Lucro dos Bancos

Especial Lucro dos Bancos Boletim Econômico Edição nº 90 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Especial Lucro dos Bancos 1 Tabela dos Lucros em 2014 Ano Banco Período Lucro 2 0 1 4 Itaú Unibanco

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Crise não afeta lucratividade dos principais bancos no Brasil 1 Lucro dos maiores bancos privados

Leia mais

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012 RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO Junho de 2012 Riscos e oportunidades para a indústria de bens de consumo A evolução dos últimos anos, do: Saldo da balança comercial da indústria

Leia mais

RANKING NACIONAL DE CRÉDITO RURAL - MAIO/2009

RANKING NACIONAL DE CRÉDITO RURAL - MAIO/2009 Rural Mercantil do Brasil Banestes RANKING NACIONAL DE CRÉDITO RURAL - MAIO/2009 Saldo devedor do Crédito Rural em R$ mil 16.000.000 14.000.000 12.000.000 10.000.000 8.000.000 6.000.000 4.000.000 5,9 %

Leia mais

Antídoto contra o spread bancário

Antídoto contra o spread bancário Antídoto contra o spread bancário LUIZ FERNANDO DE PAULA Professor da Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (FCE/UERJ) Um dos grandes entraves ao crescimento econômico

Leia mais

O levantamento anual envolveu sete instituições financeiras: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica Federal, HSBC, Itaú, Safra e Santander.

O levantamento anual envolveu sete instituições financeiras: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica Federal, HSBC, Itaú, Safra e Santander. ANÁLISE COMPARATIVA RELATÓRIO ANUAL DE TAXAS DE JUROS / 2013 EMPRÉSTIMO PESSOAL E CHEQUE ESPECIAL O levantamento anual envolveu sete instituições financeiras: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica

Leia mais

Bancos Públicos e Desenvolvimento

Bancos Públicos e Desenvolvimento Bancos Públicos e Desenvolvimento Ministro Guido Mantega junho 2009 Seminário Valor Econômico e CEF 1 IMPORTÂNCIA DOS BANCOS PÚBLICOS Crise financeira demostrou a bancos públicos. importância dos Economias

Leia mais

Uma análise econômica do seguro-saúde Francisco Galiza Outubro/2005 www.ratingdeseguros.com.br

Uma análise econômica do seguro-saúde Francisco Galiza Outubro/2005 www.ratingdeseguros.com.br Uma análise econômica do seguro-saúde Francisco Galiza Outubro/2005 www.ratingdeseguros.com.br Um dos ramos mais importantes do mercado segurador brasileiro é o de saúde. Surgido sobretudo com uma opção

Leia mais

Bancos brasileiros prontos para um cenário de crescimento sustentado e queda de juros

Bancos brasileiros prontos para um cenário de crescimento sustentado e queda de juros 1 Bancos brasileiros prontos para um cenário de crescimento sustentado e queda de juros Tomás Awad Analista senior da Itaú Corretora Muito se pergunta sobre como ficariam os bancos num cenário macroeconômico

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE TAXAS DE JUROS / 2012 EMPRÉSTIMO PESSOAL E CHEQUE ESPECIAL

RELATÓRIO ANUAL DE TAXAS DE JUROS / 2012 EMPRÉSTIMO PESSOAL E CHEQUE ESPECIAL ANÁLISE COMPARATIVA RELATÓRIO ANUAL DE TAXAS DE JUROS / 2012 EMPRÉSTIMO PESSOAL E CHEQUE ESPECIAL O levantamento anual envolveu sete instituições financeiras: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica

Leia mais

Maximizando a rentabilidade e a segurança dos investimentos de nossos clientes

Maximizando a rentabilidade e a segurança dos investimentos de nossos clientes APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL Maximizando a rentabilidade e a segurança dos investimentos de nossos clientes ÍNDICE Equipe, Posicionamento e Parceiros da Plurimax Filosofia de Investimentos e Controle de

Leia mais

Especialista questiona "ascensão" de bancos brasileiros em ranking

Especialista questiona ascensão de bancos brasileiros em ranking Veículo: Valor Online Data: 13/04/09 Especialista questiona "ascensão" de bancos brasileiros em ranking A crise global colocou os bancos brasileiros em destaque nos rankings internacionais de lucro, rentabilidade

Leia mais

Evolução Recente das Principais Aplicações Financeiras

Evolução Recente das Principais Aplicações Financeiras Evolução Recente das Principais Aplicações Financeiras As principais modalidades de aplicação financeira disponíveis no mercado doméstico caderneta de poupança, fundos de investimento e depósitos a prazo

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO SOBRE AS TAXAS DE JUROS VIGENTES NO BRASIL: Uma análise das hipóteses convencionais. 3ª. versão

ESTUDO TÉCNICO SOBRE AS TAXAS DE JUROS VIGENTES NO BRASIL: Uma análise das hipóteses convencionais. 3ª. versão ESTUDO TÉCNICO SOBRE AS TAXAS DE JUROS VIGENTES NO BRASIL: Uma análise das hipóteses convencionais. 3ª. versão Prof. Dr. Alberto Borges Matias FEA-RP/USP POR QUE SÃO ELEVADAS AS TAXAS DE JUROS? Prof. Dr.

Leia mais

Brasil: Perspectivas para o setor bancário e o mercado de crédito. Espírito Santo, 06/04/2015. Murilo Portugal Presidente

Brasil: Perspectivas para o setor bancário e o mercado de crédito. Espírito Santo, 06/04/2015. Murilo Portugal Presidente Brasil: Perspectivas para o setor bancário e o mercado de crédito Espírito Santo, 06/04/2015 Murilo Portugal Presidente 1 or Bancário O sistema bancário brasileiro comporta atualmente 132 bancos múltiplos,

Leia mais

Impactos do Plano Verão para as instituições financeiras

Impactos do Plano Verão para as instituições financeiras Impactos do Plano Verão para as instituições financeiras Roberto Luis Troster* São Paulo, novembro de 2008 *Roberto Luis Troster é economista e doutor em economia pela USP Universidade de São Paulo e pósgraduado

Leia mais

O papel anticíclico do BNDES sobre o crédito

O papel anticíclico do BNDES sobre o crédito 3 ago 2006 Nº 7 O papel anticíclico do BNDES sobre o crédito Por Ernani Teixeira Torres Filho Superintendente da SAE Nas crises, sistema bancário contrai o crédito. BNDES atua em sentido contrário e sua

Leia mais

Conclusão. Patrícia Olga Camargo

Conclusão. Patrícia Olga Camargo Conclusão Patrícia Olga Camargo SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros CAMARGO, PO. A evolução recente do setor bancário no Brasil [online]. São Paulo: Editora UNESP; São Paulo: Cultura Acadêmica,

Leia mais

O que é o conglomerado Caixa...

O que é o conglomerado Caixa... CAIXA FEDERAL QUAL CAIXA QUEREMOS? Março 2015 O que é o conglomerado Caixa... A Caixa é uma instituição financeira constituída pelo Decreto-Lei 759/1969, sob a forma de empresa pública, vinculada ao Ministério

Leia mais

A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil

A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil 1 A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil Guido Mantega Outubro de 2008 1 2 Gravidade da Crise Crise mais forte desde 1929 Crise mais grave do que as ocorridas nos anos 1990 (crise de US$ bilhões

Leia mais

TABELA 1 Destaques dos seis maiores bancos Brasil - 2013

TABELA 1 Destaques dos seis maiores bancos Brasil - 2013 DESEMPENHO DOS BANCOS EM 2013 Resultados diferenciados e fechamento de postos de trabalho caracterizaram o desempenho do setor bancário em 2013 Em 2013, os seis maiores bancos do país 1 apresentaram resultados

Leia mais

Análise de Risco de Bancos. Palestra Ocepar

Análise de Risco de Bancos. Palestra Ocepar Análise de Risco de Bancos Palestra Ocepar Abril/2009 Programação Análise recente do setor bancário Concentração Bancária Spread Bancário Crise Internacional Modelo de Análise de Bancos Perspectivas 2

Leia mais

Internacionalização das Economias 2014

Internacionalização das Economias 2014 Internacionalização das Economias 2014 Agenda 1 O Banco do Brasil 2 A Economia Brasileira 3 Oportunidades para Investimento em Infraestruturas no Brasil 4 O Comércio com o Brasil Banco do Brasil Highlights

Leia mais

Pesquisa FEBRABAN de Projeções Macroeconômicas e Expectativas de Mercado

Pesquisa FEBRABAN de Projeções Macroeconômicas e Expectativas de Mercado Pesquisa FEBRABAN de Projeções Macroeconômicas e Expectativas de Mercado Variáveis Macroeconômicas Pesquisa de Projeções Macroeconômicas (Média) Efetivos Efetivos Pesquisas anteriores 2012 2013 Pesquisa

Leia mais

Tendências em Novas Tecnologias 17 de julho de 2014. Painel: Dimensões da difusão tecnológica no setor bancário

Tendências em Novas Tecnologias 17 de julho de 2014. Painel: Dimensões da difusão tecnológica no setor bancário Tendências em Novas Tecnologias 17 de julho de 2014 Painel: Dimensões da difusão tecnológica no setor bancário Inovações Tecnológicas interagem com: internacionalização do sistema; competitividade e produtividade;

Leia mais

A pergunta de um trilhão de dólares: Quem detém a dívida pública dos mercados emergentes

A pergunta de um trilhão de dólares: Quem detém a dívida pública dos mercados emergentes A pergunta de um trilhão de dólares: Quem detém a dívida pública dos mercados emergentes Serkan Arslanalp e Takahiro Tsuda 5 de março de 2014 Há um trilhão de razões para se interessar em saber quem detém

Leia mais

Investimento em infraestrutura: efeitos multiplicadores sobre o crescimento do PIB

Investimento em infraestrutura: efeitos multiplicadores sobre o crescimento do PIB Investimento em infraestrutura: efeitos multiplicadores sobre o crescimento do PIB Brasília (DF), 06 de outubro de 2015 1 Diretoria Estratégia da Marca Gerência de Assessoramento Econômico Economia Internacional

Leia mais

Análise de Custo do Crédito 09 de Janeiro de 2014

Análise de Custo do Crédito 09 de Janeiro de 2014 Análise de Custo do Crédito 09 de Janeiro de 2014 O Departamento de Economia (Depecon) da FIESP desenvolve um estudo comparativo das taxas de juros aplicadas pelos grandes bancos de varejo no Brasil, com

Leia mais

Fundos de Investimentos

Fundos de Investimentos Fundos de Investimentos 1 O que e um fundo de investimentos? Um fundo de investimentos concentra em uma unica entidade juridica, varios investidores com o mesmo objetivo e que compartilham a mesma estrategia

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 63 março de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 63 março de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 63 março de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico A concentração bancária no Brasil é uma ameaça à justiça econômica e social 1 Quais as ameaças

Leia mais

1. Público-alvo. 2. Objetivos

1. Público-alvo. 2. Objetivos LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS dezembro/2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento

Leia mais

Análise de Custo do Crédito 02 de Abril de 2015

Análise de Custo do Crédito 02 de Abril de 2015 Análise de Custo do Crédito 02 de Abril de 2015 O Departamento de Economia (Depecon) da FIESP desenvolve um estudo comparativo das taxas de juros aplicadas pelos grandes bancos de varejo no Brasil, com

Leia mais

ESTUDO DE RENTABILIDADE BANCÁRIA *

ESTUDO DE RENTABILIDADE BANCÁRIA * Banco Itaú - Consultoria Econômica informe especial pág 1 ESTUDO DE RENTABILIDADE BANCÁRIA * Tomás Málaga Pricila Maziero Sérgio Ribeiro da Costa Werlang INTRODUÇÃO Este estudo avalia a rentabilidade bancária.

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE TAXAS DE JUROS / 2011 EMPRÉSTIMO PESSOAL E CHEQUE ESPECIAL

RELATÓRIO ANUAL DE TAXAS DE JUROS / 2011 EMPRÉSTIMO PESSOAL E CHEQUE ESPECIAL RELATÓRIO ANUAL DE TAXAS DE JUROS / 2011 EMPRÉSTIMO PESSOAL E CHEQUE ESPECIAL ANÁLISE COMPARATIVA O levantamento anual envolveu sete instituições financeiras: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica

Leia mais

Análise de Custo do Crédito 30 de janeiro de 2014

Análise de Custo do Crédito 30 de janeiro de 2014 Análise de Custo do Crédito 30 de janeiro de 2014 O Departamento de Economia (Depecon) da FIESP desenvolve um estudo comparativo das taxas de juros aplicadas pelos grandes bancos de varejo no Brasil, com

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Canadá Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios De acordo com a nomenclatura usada pelo Ministério da Indústria do Canadá, o porte

Leia mais

Análise de Custo do Crédito 12 de Novembro de 2015

Análise de Custo do Crédito 12 de Novembro de 2015 Análise de Custo do Crédito 12 de Novembro de 2015 O Departamento de Economia (Depecon) da FIESP desenvolve um estudo comparativo das taxas de juros aplicadas pelos grandes bancos de varejo no Brasil,

Leia mais

DESEMPENHO DOS BANCOS 1º SEMESTRE DE 2012

DESEMPENHO DOS BANCOS 1º SEMESTRE DE 2012 Set/2012 DESEMPENHO DOS BANCOS 1º SEMESTRE DE 2012 Provisionamento excessivo e fechamento de postos de trabalho são destaques nos balanços dos seis maiores bancos no 1º semestre de 2012 A s demonstrações

Leia mais

Análise de Custo do Crédito 29 de Janeiro de 2015

Análise de Custo do Crédito 29 de Janeiro de 2015 Análise de Custo do Crédito 29 de Janeiro de 2015 O Departamento de Economia (Depecon) da FIESP desenvolve um estudo comparativo das taxas de juros aplicadas pelos grandes bancos de varejo no Brasil, com

Leia mais

Parceria Estratégica

Parceria Estratégica Parceria Estratégica 1 Aviso Importante Esta apresentação faz referências e declarações sobre expectativas, sinergias planejadas, estimativas de crescimento, projeções de resultados e estratégias futuras

Leia mais

A TERCEIRIZAÇÃO NOS BANCOS 5

A TERCEIRIZAÇÃO NOS BANCOS 5 A TERCEIRIZAÇÃO NOS BANCOS 5 Como a maioria das empresas, os bancos terceirizam para cortar custos fixos e preservar suas elevadíssimas margens de lucro e rentabilidade. O lucro líquido dos maiores bancos

Leia mais

Parte V Financiamento do Desenvolvimento

Parte V Financiamento do Desenvolvimento Parte V Financiamento do Desenvolvimento CAPÍTULO 9. O PAPEL DOS BANCOS PÚBLICOS CAPÍTULO 10. REFORMAS FINANCEIRAS PARA APOIAR O DESENVOLVIMENTO. Questão central: Quais as dificuldades do financiamento

Leia mais

Quero um empréstimo É uma ordem!

Quero um empréstimo É uma ordem! Quero um empréstimo É uma ordem! 2 de abril de 2014 Por Jesus Gonzalez-Garcia e Francesco Grigoli A participação estatal em bancos ainda é comum no mundo todo, apesar do grande número de privatizações

Leia mais

Política de Gerenciamento de Riscos Financeiros Endesa Brasil

Política de Gerenciamento de Riscos Financeiros Endesa Brasil Política de Gerenciamento de Riscos Financeiros Endesa Brasil Objeto Estabelecer uma política adequada de gerenciamento de riscos financeiros, de modo a resguardar as empresas do grupo Endesa Brasil de

Leia mais

Análise de Custo do Crédito 03 de Abril de 2014

Análise de Custo do Crédito 03 de Abril de 2014 Análise de Custo do Crédito 03 de Abril de 2014 O Departamento de Economia (Depecon) da FIESP desenvolve um estudo comparativo das taxas de juros aplicadas pelos grandes bancos de varejo no Brasil, com

Leia mais

A seguir, é apresentado um panorama sintético dos resultados financeiros desses bancos.

A seguir, é apresentado um panorama sintético dos resultados financeiros desses bancos. Mesmo em meio à turbulência vivida pela economia brasileira e que está levando o país a uma recessão desde a crise mundial de 2009, existe um setor que não deixou de crescer este ano: o bancário. Enquanto

Leia mais

Carlos José da Costa André Diretor de Gestão

Carlos José da Costa André Diretor de Gestão Desafios Estratégicos para a Indústria de Fundos de Investimento Carlos José da Costa André Diretor de Gestão Indústria de Fundos de Investimento Brasileira I. Gestão de Ativos Diferentes Serviços II.

Leia mais

Síntese de set/out/nov-2014

Síntese de set/out/nov-2014 Síntese de set/out/nov-2014 23 de dezembro de 2014 Análise de Cenário O que está ruim pode piorar um pouco mais... Embora a nomeação da equipe econômica e seus primeiros discursos tenham agradado aos mercados,

Leia mais

XVII Fórum BNB de Desenvolvimento XVI Encontro Regional de Economia

XVII Fórum BNB de Desenvolvimento XVI Encontro Regional de Economia XVII Fórum BNB de Desenvolvimento XVI Encontro Regional de Economia Financiamento aos pequenos negócios como Estratégia de Desenvolvimento Formas de Operação Operações Diretas Contratadas diretamente com

Leia mais

Fundos Garantidores de Risco de Crédito para Micro, Pequenas e Médias Empresas e em Operações de Crédito Educativo

Fundos Garantidores de Risco de Crédito para Micro, Pequenas e Médias Empresas e em Operações de Crédito Educativo Fundos res de Risco de Crédito para Micro, Pequenas e Médias Empresas e em Operações de Crédito Educativo A Lei nº 12.087, de 11 de novembro de 2009, autorizou a União a adquirir cotas, até o limite de

Leia mais

Índice. RS no Brasil Nossa Empresa Governança Corporativa Nossos Números Análise Comparativa Sustentabilidade Projeções e Estimativas

Índice. RS no Brasil Nossa Empresa Governança Corporativa Nossos Números Análise Comparativa Sustentabilidade Projeções e Estimativas CICLO APIMEC 2010 Índice RS no Brasil Nossa Empresa Governança Corporativa Nossos Números Análise Comparativa Sustentabilidade Projeções e Estimativas 3 RS no Brasil DADOS DEMOGRÁFICOS RS BRASIL População

Leia mais

ambiente e geração de benefícios espontâneos aos empregados e à sociedade em geral, considerando o efeito de suas ações em um espectro mais amplo,

ambiente e geração de benefícios espontâneos aos empregados e à sociedade em geral, considerando o efeito de suas ações em um espectro mais amplo, 10 1 INTRODUÇÃO 1.1 Problema A responsabilidade social tem sido apresentada como um tema de crescente relevância no cenário empresarial, sendo apontada como uma variável importante na estratégia competitiva

Leia mais

Earnings Release 1s14

Earnings Release 1s14 Earnings Release 1s14 1 Belo Horizonte, 26 de agosto de 2014 O Banco Bonsucesso S.A. ( Banco Bonsucesso, Bonsucesso ou Banco ), Banco múltiplo, de capital privado, com atuação em todo o território brasileiro

Leia mais

FUNDAÇÃO ARMANDO ALVARES PENTEADO FACULDADE DE ECONOMIA CRÉDITO NO BRASIL, NO PERÍODO 2000-2009 GREGORY ANDREAS RIBEIRO

FUNDAÇÃO ARMANDO ALVARES PENTEADO FACULDADE DE ECONOMIA CRÉDITO NO BRASIL, NO PERÍODO 2000-2009 GREGORY ANDREAS RIBEIRO FUNDAÇÃO ARMANDO ALVARES PENTEADO FACULDADE DE ECONOMIA CONSOLIDAÇÃO BANCÁRIA E EVOLUÇÃO DO CRÉDITO NO BRASIL, NO PERÍODO 2000-2009 GREGORY ANDREAS RIBEIRO Monografia de Conclusão do Curso apresentada

Leia mais

Política Anual de Investimentos Exercício de 2012

Política Anual de Investimentos Exercício de 2012 Política Anual de Investimentos Exercício de 2012 Política de Investimento -2012 1 SUMARIO 1. Introdução... 03 2. Divulgação da Política de Investimentos... 03 3. Objetivos... 03 4. Composição dos Investimentos

Leia mais

La supervisión de las actividades comercializadoras de los intermediarios financieros en Brasil

La supervisión de las actividades comercializadoras de los intermediarios financieros en Brasil La supervisión de las actividades comercializadoras de los intermediarios financieros en Brasil Roberto Mendonça Pereira CVM - Comissão de Valores Mobiliários Brasil Alerta As opiniões aqui expostas são

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O CNPJ: Informações referentes a Setembro de 2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o As informações completas sobre esse fundo podem

Leia mais

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 35 15 a 30 de setembro de 2009 EMPREGO De acordo com a Pesquisa

Leia mais

FINANCIAMENTO DO DESENVOLVIMENTO URBANO

FINANCIAMENTO DO DESENVOLVIMENTO URBANO FINANCIAMENTO DO DESENVOLVIMENTO URBANO As condições para o financiamento do desenvolvimento urbano estão diretamente ligadas às questões do federalismo brasileiro e ao desenvolvimento econômico. No atual

Leia mais

Resultados das Seguradoras Brasileiras e Mercado Mundial Uma Análise Comparada

Resultados das Seguradoras Brasileiras e Mercado Mundial Uma Análise Comparada Resultados das Seguradoras Brasileiras e Mercado Mundial Uma Análise Comparada Novembro/2001 SUMÁRIO: I) Introdução II) Análise Comparada III) Projeções e Conclusões Francisco Galiza Consultor e Mestre

Leia mais

Como poderemos ver é uma modalidade de alta rentabilidade e dominada pelo canal banco.

Como poderemos ver é uma modalidade de alta rentabilidade e dominada pelo canal banco. MERCADO DE SEGUROS BRASILEIRO RESIDENCIAL JANEIRO A JULHO DE 2008 Esse poderá ser o primeiro grande produto do chamado micro seguro. De fato a dificuldade para sua aplicabilidade para as camadas menos

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º, DE 2002

PROJETO DE LEI N.º, DE 2002 PROJETO DE LEI N.º, DE 2002 (Do Sr. Augusto Nardes) Institui o Fundo de Desenvolvimento da Empresa de Micro e de Pequeno Porte - Banco do Pequeno Empresário, e dá outras providências. O Congresso Nacional

Leia mais

Análise de Custo do Crédito

Análise de Custo do Crédito Análise de Custo do Crédito 07 de Março de 2013 O Departamento de Economia (Depecon) da FIESP elaborou um estudo comparativo das taxas de juros aplicadas pelos grandes bancos de varejo no Brasil, com o

Leia mais

Análise de Custo do Crédito 29 de Maio de 2014

Análise de Custo do Crédito 29 de Maio de 2014 Análise de Custo do Crédito 29 de Maio de 2014 O Departamento de Economia (Depecon) da FIESP desenvolve um estudo comparativo das taxas de juros aplicadas pelos grandes bancos de varejo no Brasil, com

Leia mais

Ementário do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial

Ementário do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial 01 ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS I EMENTA: Introdução à administração de recursos humanos; orçamento de pessoal; processo de recrutamento e seleção de pessoal; processo de treinamento e desenvolvimento

Leia mais

Objetivos 29/09/2010 BIBLIOGRAFIA. Administração Financeira I UFRN 2010.2 Prof. Gabriel Martins de Araújo Filho. Tópicos BALANÇO DE TAMANHO COMUM

Objetivos 29/09/2010 BIBLIOGRAFIA. Administração Financeira I UFRN 2010.2 Prof. Gabriel Martins de Araújo Filho. Tópicos BALANÇO DE TAMANHO COMUM Objetivos Administração Financeira I UFRN 2010.2 Prof. Gabriel Martins de Araújo Filho A EMPRESA NO MODELO DO BALANÇO PATRIMONIAL: análise das demonstrações financeiras Compreender a importância da padronização

Leia mais

A Importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo

A Importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo A Importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo A importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo Prof. William Eid Junior Professor Titular Coordenador do GV CEF

Leia mais

Instituto de Previdência dos Servidores Públicos Municipais de Pelotas - PREVPEL. Política de Investimentos Exercício de 2013

Instituto de Previdência dos Servidores Públicos Municipais de Pelotas - PREVPEL. Política de Investimentos Exercício de 2013 Instituto de Previdência dos Servidores Públicos Municipais de Pelotas - PREVPEL Política de Investimentos Exercício de 2013 Política de Investimentos do RPPS do Município de Pelotas RS, aprovada pelo

Leia mais

Basiléia. Patrimônio Líquido 6.368 5.927 5.117. Jun/09 Jun/10 Jun/11 Jun/12 Jun/13. Captações (líquidas de compulsório) 58.406 52.950 42.

Basiléia. Patrimônio Líquido 6.368 5.927 5.117. Jun/09 Jun/10 Jun/11 Jun/12 Jun/13. Captações (líquidas de compulsório) 58.406 52.950 42. Avenida Paulista, 2.100 - São Paulo - SP CNPJ 58.160.7890001-28 Se escolher navegar os mares do sistema bancário, construa seu banco como construiria seu barco: sólido para enfrentar, com segurança, qualquer

Leia mais

Ministério da Fazenda

Ministério da Fazenda MICROCRÉDITO E MICROFINANÇAS NO GOVERNO LULA Gilson Bittencourt GTI de Microcrédito e Microfinanças Objetivos da política de microcrédito e microfinanças Facilitar e ampliar o acesso ao crédito entre os

Leia mais

Desempenho financeiro do Portus no 1º semestre de 2007 RENDA FIXA

Desempenho financeiro do Portus no 1º semestre de 2007 RENDA FIXA Desempenho financeiro do Portus no 1º semestre de 2007 Este relatório tem como objetivo, atender a Instrução SPC nº 07 de 2005 e informar aos Participantes, Assistidos, Patrocinadores, Entidades de Classe

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 2. Finanças 2.1 Orçamento anual integrado Objetivo: Melhorar

Leia mais

ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES

ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES! A análise do desempenho histórico! Análise setorial! Análise de múltiplos! Elaboração de projeções de resultados! Determinação

Leia mais

NOTA CEMEC 02/2015 COMO AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS SE FINANCIAM E A PARTICIPAÇÃO DO MERCADO DE DÍVIDA CORPORATIVA 2010-2014

NOTA CEMEC 02/2015 COMO AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS SE FINANCIAM E A PARTICIPAÇÃO DO MERCADO DE DÍVIDA CORPORATIVA 2010-2014 NOTA CEMEC 02/2015 COMO AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS SE FINANCIAM E A PARTICIPAÇÃO DO MERCADO DE DÍVIDA CORPORATIVA 2010-2014 Fevereiro de 2015 NOTA CEMEC 1 02/2015 SUMÁRIO São apresentadas estimativas

Leia mais

Análise de Custo do Crédito 26 de Fevereiro de 2015

Análise de Custo do Crédito 26 de Fevereiro de 2015 Análise de Custo do Crédito 26 de Fevereiro de 2015 O Departamento de Economia (Depecon) da FIESP desenvolve um estudo comparativo das taxas de juros aplicadas pelos grandes bancos de varejo no Brasil,

Leia mais

PATRIMÔNIO LÍQUIDO DAS SEGURADORAS BRASILEIRAS UMA EVOLUÇÃO MARCANTE. Em dezembro de 2006, através da Resolução CNSP 158, com vigência a partir de

PATRIMÔNIO LÍQUIDO DAS SEGURADORAS BRASILEIRAS UMA EVOLUÇÃO MARCANTE. Em dezembro de 2006, através da Resolução CNSP 158, com vigência a partir de PATRIMÔNIO LÍQUIDO DAS SEGURADORAS BRASILEIRAS UMA EVOLUÇÃO MARCANTE Em dezembro de 2006, através da Resolução CNSP 158, com vigência a partir de 1º de janeiro de 2008, foram instituídas as regras sobre

Leia mais

Fábio José Garcia dos Reis Dezembro de 2010

Fábio José Garcia dos Reis Dezembro de 2010 Estados Unidos: a polêmica em torno do financiamento do governo federal que beneficia as IES com fins lucrativos e aumenta o endividamento dos estudantes Fábio José Garcia dos Reis Dezembro de 2010 No

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Crise Mundo Os EUA e a Europa passam por um forte processo de desaceleração economica com indicios de recessão e deflação um claro sinal de que a crise chegou

Leia mais

Derivativos Oportunidades e Alternativas de Proteção. 17 de setembro de 2008

Derivativos Oportunidades e Alternativas de Proteção. 17 de setembro de 2008 Derivativos Oportunidades e Alternativas de Proteção 17 de setembro de 2008 Presença Global do Unibanco O Unibanco é um dos maiores conglomerados financeiros do Brasil, presente nos principais centros

Leia mais

Os Princípios do Equador e a Sustentabilidade no Mercado Financeiro. IFC, BOVESPA & FGV Nov, 2006

Os Princípios do Equador e a Sustentabilidade no Mercado Financeiro. IFC, BOVESPA & FGV Nov, 2006 Os Princípios do Equador e a Sustentabilidade no Mercado Financeiro IFC, BOVESPA & FGV Nov, 2006 Febraban Perfil Fundada em 1967 Principal entidade representativa do setor bancário brasileiro 114 associados

Leia mais

Política monetária e senhoriagem: depósitos compulsórios na economia brasileira recente

Política monetária e senhoriagem: depósitos compulsórios na economia brasileira recente Política monetária e senhoriagem: depósitos compulsórios na economia brasileira recente Roberto Meurer * RESUMO - Neste artigo se analisa a utilização dos depósitos compulsórios sobre depósitos à vista

Leia mais

Apresentação de Resultados

Apresentação de Resultados Apresentação de Resultados 4º Trimestre, Aviso Importante: esta apresentação faz referências e declarações sobre expectativas, sinergias planejadas, estimativas de crescimento, projeções de resultados

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL Dezembro/2010 (em Reais ) ATIVO 2010. Bancos - Aplicações (Nota 1) 182.718.481,66 TOTAL ATIVOS 182.718.481,66 PASSIVO 2010

BALANÇO PATRIMONIAL Dezembro/2010 (em Reais ) ATIVO 2010. Bancos - Aplicações (Nota 1) 182.718.481,66 TOTAL ATIVOS 182.718.481,66 PASSIVO 2010 BALANÇO PATRIMONIAL Dezembro/2010 (em Reais ) ATIVO 2010 Bancos - Aplicações (Nota 1) 182.718.481,66 TOTAL ATIVOS 182.718.481,66 PASSIVO 2010 Empréstimos e Financiamentos (Nota 2) 417.243,35 ABRAPA 417.243,35

Leia mais

Renda Fixa: 88%[(78% [CDI+0,5%]+17% IMAB + 5%IMAB5)+12%(103%CDI)] Renda Variável Ativa = 100%(IBrx+6%) Inv. estruturados = IFM Inv. no exterior = BDRX

Renda Fixa: 88%[(78% [CDI+0,5%]+17% IMAB + 5%IMAB5)+12%(103%CDI)] Renda Variável Ativa = 100%(IBrx+6%) Inv. estruturados = IFM Inv. no exterior = BDRX Objetivo Os investimentos dos Planos Básico e Suplementar, modalidade contribuição definida, tem por objetivo proporcionar rentabilidade no longo prazo através das oportunidades oferecidas pelos mercados

Leia mais

Nova Estrutura de Dados de Crédito

Nova Estrutura de Dados de Crédito Nova Estrutura de Dados de Crédito Este boxe apresenta as principais alterações introduzidas recentemente nas estatísticas de crédito publicadas pelo Banco Central 1. A reformulação objetivou ampliar a

Leia mais

Nasce uma parceria de sucesso. Brasília, 9 de janeiro de 2009

Nasce uma parceria de sucesso. Brasília, 9 de janeiro de 2009 Nasce uma parceria de sucesso Brasília, 9 de janeiro de 2009 O Banco Votorantim 1 Banco Votorantim: 7 º maior banco do país e 3 º de capital privado nacional, com portfólio de negócios atraentes Sucesso

Leia mais

A melancolia das commodities: o investimento empresarial na América Latina Nicolás Magud

A melancolia das commodities: o investimento empresarial na América Latina Nicolás Magud A melancolia das commodities: o investimento empresarial na América Latina Nicolás Magud May 12, 2015 O investimento privado vem desacelerando em todos os mercados emergentes desde meados de 2011, e a

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O CNPJ: Informações referentes a Setembro de 2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o As informações completas sobre esse fundo podem

Leia mais

2.7 Financiamento. Por que Financiamento? Comparação Internacional. Visão 2022

2.7 Financiamento. Por que Financiamento? Comparação Internacional. Visão 2022 2.7 Financiamento Por que Financiamento? O ritmo de crescimento de uma economia e a competitividade da sua indústria dependem da disponibilidade de recursos para investimento e da capacidade do sistema

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Referência: Ofício n 2584/2006/SDE/GAB de 31 de maio de 2006

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Referência: Ofício n 2584/2006/SDE/GAB de 31 de maio de 2006 MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer n o 06246/2006/RJ COGAM/SEAE/MF Rio de janeiro, 26 de junho de 2006. Referência: Ofício n 2584/2006/SDE/GAB de 31 de maio de 2006 Assunto:

Leia mais

Novas Condições de Comercialização para Seguros - Ramo Automóvel Vigência a partir de 1/06/2010

Novas Condições de Comercialização para Seguros - Ramo Automóvel Vigência a partir de 1/06/2010 (Atualizações indicadas com esta seta ) CIRCULAR COBRANÇA AUTO Prezado Corretor, Ref.: Novas Condições de Comercialização para Seguros - Ramo Automóvel Vigência a partir de 1/06/2010 Seguem condições atualizadas

Leia mais

DOUTOR MAURÍCIO CARDOSO-RS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

DOUTOR MAURÍCIO CARDOSO-RS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS RPPS Fundo de Aposentadoria e Pensão do Servidor FAPS DOUTOR MAURÍCIO CARDOSO-RS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2014 1. FINALIDADE DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS Este documento estabelece o modelo de investimentos

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 77 julho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 77 julho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 77 julho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Sistema bancário e oferta monetária contra a recessão econômica 1 BC adota medidas para injetar

Leia mais

SOLUÇÕES EM NEGÓCIOS. Para os Municípios. O Banco dos Municípios

SOLUÇÕES EM NEGÓCIOS. Para os Municípios. O Banco dos Municípios O BANCO DO BRASIL SOLUÇÕES EM NEGÓCIOS Para os Municípios O Banco dos Municípios $ O BB em Números Ativos totais - R$ 459 bilhões Administração de Recursos de Terceiros - R$ 241,5 bilhões (19% de participação

Leia mais

Apresentação de Resultados

Apresentação de Resultados Apresentação de Resultados 1º Trimestre, 2014 Aviso Importante: esta apresentação faz referências e declarações sobre expectativas, sinergias planejadas, estimativas de crescimento, projeções de resultados

Leia mais

Um novo cenário para o setor financeiro no Brasil. Nota Técnica Número 123 abril 2013

Um novo cenário para o setor financeiro no Brasil. Nota Técnica Número 123 abril 2013 Um novo cenário para o setor financeiro no Brasil Nota Técnica Número 123 abril 2013 Um novo cenário para o setor financeiro no Brasil Introdução Em abril de 2012 teve início, de forma mais clara, o desenho

Leia mais