Os Princípios do Equador e a Sustentabilidade no Mercado Financeiro. IFC, BOVESPA & FGV Nov, 2006

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Os Princípios do Equador e a Sustentabilidade no Mercado Financeiro. IFC, BOVESPA & FGV Nov, 2006"

Transcrição

1 Os Princípios do Equador e a Sustentabilidade no Mercado Financeiro IFC, BOVESPA & FGV Nov, 2006

2 Febraban Perfil Fundada em 1967 Principal entidade representativa do setor bancário brasileiro 114 associados (de 161 instituições em operação no Brasil) 94% do total de ativos e 95,3% do patrimônio do sistema Atuação nacional e internacional, como afiliada à Felaban Federação Latino Americana de Bancos

3 Visão Um sistema financeiro saudável, ético e eficiente é condição essencial para o desenvolvimento econômico e social do País. Missão Representar os seus associados, objetivando a melhoria contínua da eficiência do sistema financeiro e das suas relações com a sociedade, contribuindo assim para o desenvolvimento econômico e social do País. Valores Valorizar as pessoas Promover valores éticos, morais e legais Incentivar práticas de cidadania e responsabilidade social Defender o livre mercado e a livre concorrência Atuar com profissionalismo e transparência Valorizar a diversidade

4 Estrutura Suporta 24 comissões técnicas, sob coordenação de diretores setoriais Estudos e trabalhos que norteiam a atividade da entidade e seus associados Nossa Comissão: Responsabilidade Social e Sustentabilidade

5 Comissão de Responsabilidade Social e Sustentabilidade Missão Disseminar conceitos e fomentar práticas de desenvolvimento sustentável no setor financeiro nacional. Objetivos Estimular a inserção das questões de desenvolvimento sustentável no âmbito da Federação, incluindo as demais comissões. Contribuir para que a Febraban transmita à sociedade o papel e a atuação do sistema financeiro para o desenvolvimento econômico e socioambiental do País. Representar a Febraban perante fóruns e entidades que discutem temas de desenvolvimento sustentável, particularmente nos âmbitos social e ambiental. Promover a troca de experiências relacionadas ao desenvolvimento sustentável entre os associados e desenvolver possíveis ações conjuntas. Desenvolver e implementar políticas e práticas de investimento social da Febraban.

6 2006 Reestruturação da Comissão 22 bancos participantes: representatividade Interação com demais Comissões: transversalidade Marcos conceituais Foco no Investimento Social 2007 Projetos Institucionais Mobilização: Fundos de Direitos da Criança e do Adolescente Foco na agenda de Sustentabilidade Definição de temas prioritários Parcerias (FGV, IFC, Bovespa, Ethos etc.) Articulação Divulgação de boas práticas Disseminação / Orientação Posicionamento setorial

7 Por que o foco de forma setorial? Bancos Compromisso com a sociedade Governança corporativa Sustentabilidade Imagem Reputação Gestão de riscos Oportunidade de novos negócios Clientes Sustentabilidade Credibilidade Ética Transparência Marketing Valor da empresa Funding adequado

8 Bancos que já aderiram aos novos Princípios do Equador ABN AMRO Bank, N.V. Banco Bradesco Banco do Brasil Banco Itaú Banca Intesa Bank of America BMO Financial Group BTMU Barclays plc BBVA BES Group Calyon Caja Navarra CIBC Citigroup Inc. Credit Suisse Group Dexia Group Dresdner Bank Fortis HSBC Group HVB Group ING Group KBC Manulife Mizuho Corporate Bank Millennium bcp Nedbank Group Rabobank Group Royal Bank of Canada Sanpaolo IMI Standard Chartered Bank SMBC The Royal Bank of Scotland Unibanco Wells Fargo WestLB AG Westpac Banking Corporation

9 Obrigada! Contatos Telefone: E.mail:

10 1. Inclusão Social - Pessoas com Deficiências Coleção Febraban de Inclusão Social Estudos e pesquisas para Entendimento das Pessoas Com Deficiência Apoio ao Programa de Acessibilidade do Senado Federal Patrocínio do filme Acessibilidade, você também tem compromisso lançado na 1a. Conferência Nacional dos Conselhos de Defesa dos Portadores de Deficiência

11 2. Projeto Cisternas, pelo desenvolvimento das comunidades no semi-árido brasileiro Início: estados do semi-árido brasileiro Objetivo: assegurar condições básicas de saúde e higiene, aprendizagem e cidadania, com garantia de sustentabilidade Até 2005: cisternas, + de 100 mil beneficiados Continuidade em 2006, foco ampliado: Construção de cisternas Avaliação de impacto econômico e social Ações de Sustentabilidade Visibilidade

12 3. Relatório Social 1ª edição: Divulga iniciativas de responsabilidade social dos bancos Apresenta a participação e o envolvimento do setor bancário no atendimento às demandas da sociedade Primeira federação latinoamericana a produzir um relatório de sustentabilidade setorial

13 Apoio e Fortalecimento dos Fundos dos Direitos da Criança e do Adolescente Agente mobilizador e articulador de iniciativas a favor dos direitos da criança e do adolescente Lançamento: 8/11/2006

14 PANORAMA DE ARRECADAÇÃO DOS FUNDOS (2004) Pessoas físicas: 30% declaram imposto de renda via formulário completo Potencial de apoio aos Fundos de Direitos: R$ bilhões Direcionamento realizado: R$ 17 milhões Pessoas jurídicas 68,9% apuram IR com base no lucro real Potencial de apoio aos Fundos: R$ 374 bilhões Direcionamento realizado: R$ 61 milhões Total arrecadado pelos Fundos (milhões) Arrecadação de Imposto de Renda pela Receita Federal (bilhões) % direcionado aos Fundos Fonte: Receita Federal - ano 2004

15 NA PRÁTICA 1. Disseminar Estatuto da Criança e do Adolescente, mecanismo legal e fomentar o fortalecimento dos Conselhos de Direitos 2. Estimular os associados a apoiar os Fundos dos Direitos da Criança e do Adolescente Bancos direcionar 1% do IRPJ Mobilizar Funcionários Clientes Disseminar a informação sociedade

16 Cartilha, Folder, Hotsite, Articulação, Eventos

AVALIAÇÃO DE RISCOS COMO FERRAMENTA PARA TOMADA DE DECISÃO EM PROJETOS SUSTENTÁVEIS. Carlos Camargo, M.Sc Gerente Segurança e Saúde Grupo EBX

AVALIAÇÃO DE RISCOS COMO FERRAMENTA PARA TOMADA DE DECISÃO EM PROJETOS SUSTENTÁVEIS. Carlos Camargo, M.Sc Gerente Segurança e Saúde Grupo EBX AVALIAÇÃO DE RISCOS COMO FERRAMENTA PARA TOMADA DE DECISÃO EM PROJETOS SUSTENTÁVEIS Carlos Camargo, M.Sc Gerente Segurança e Saúde Grupo EBX Introdução O que é um projeto sustentável? O que é Avaliação

Leia mais

IFC & Sustentabilidade. Pedro Mader Meloni

IFC & Sustentabilidade. Pedro Mader Meloni IFC & Sustentabilidade Pedro Mader Meloni 1 Papel do Setor Financeiro "O setor financeiro é um canal crítico através do qual sinais de prêços, regulações e pressões da sociedade civil podem direcionar

Leia mais

Riscos Ambientais e Sociais para Analistas de Crédito

Riscos Ambientais e Sociais para Analistas de Crédito Riscos Ambientais e Sociais para Analistas de Crédito Maria Silvia Chicarino Consultora, Risco Socioambiental Banco Santander - Brasil O que é um ambientalista? Por que estudar meio ambiente? Meio ambiente

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Programa Voluntários Bradesco

Programa Voluntários Bradesco 18ª Audiência de Sustentabilidade Programa Voluntários Bradesco Agosto / 2009 Banco Bradesco Um dos maiores Bancos Privados da América Latina 22 Maior Banco no Mundo (Forbes Global 2000) Maior Seguradora

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Standard Chartered Bank, Brasil Página 1 de 8 ÍNDICE I. OBJETIVO... 3 II. CICLO DE REVISÃO... 3 III. DISPOSIÇÕES GERAIS... 3 IV. ESTRUTURA DE GOVERNANÇA... 4

Leia mais

6.2.2 RISCO SOCIOAMBIENTAL NA CONCESSÃO DE CRÉDITO 6.3 RELACIONAMENTO COM FUNCIONÁRIOS E COLABORADORES

6.2.2 RISCO SOCIOAMBIENTAL NA CONCESSÃO DE CRÉDITO 6.3 RELACIONAMENTO COM FUNCIONÁRIOS E COLABORADORES Índice 1. INTRODUÇÃO 2. PARTES INTERESSADAS. NORMATIVOS. ESTRUTURA DE GOVERNANÇA. PRINCÍPIOS 6. DIRETRIZES 6.1 NORMATIZAÇÃO 6.2 GERENCIAMENTO DO RISCO SOCIOAMBIENTAL 6.2.1 RISCO SOCIOAMBIENTAL DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

ABCE REVITALIZADA PLANEJAMENTO 2011-2015

ABCE REVITALIZADA PLANEJAMENTO 2011-2015 ABCE REVITALIZADA PLANEJAMENTO 2011-2015 1 Destaques do levantamento de referências de associações internacionais Além dos membros associados, cujos interesses são defendidos pelas associações, há outras

Leia mais

Incidência em políticas públicas: ampliando as possibilidades. Rafael Gioielli Instituto Votorantim / Brasil

Incidência em políticas públicas: ampliando as possibilidades. Rafael Gioielli Instituto Votorantim / Brasil Incidência em políticas públicas: ampliando as possibilidades Rafael Gioielli Instituto Votorantim / Brasil Políticas públicas e Investimento Social Privado MODELO MAIS COMUM MODELO ALTERNATIVO ISP INFLUENCIAR

Leia mais

CENÁRIO BRASILEIRO DO MARKETING RELACIONADO A CAUSAS Atitudes e comportamento das OSCs e Empresas

CENÁRIO BRASILEIRO DO MARKETING RELACIONADO A CAUSAS Atitudes e comportamento das OSCs e Empresas CENÁRIO BRASILEIRO DO MARKETING RELACIONADO A CAUSAS Atitudes e comportamento das OSCs e 3º Seminário de Marketing Relacionado a Causas 25 de outubro de 2007 1 Objetivos Estudar atitudes e comportamentos

Leia mais

Compliance e a Valorização da Ética. Brasília, outubro de 2014

Compliance e a Valorização da Ética. Brasília, outubro de 2014 Compliance e a Valorização da Ética Brasília, outubro de 2014 Agenda 1 O Sistema de Gestão e Desenvolvimento da Ética Compliance, Sustentabilidade e Governança 2 Corporativa 2 Agenda 1 O Sistema de Gestão

Leia mais

Instituto Ethos. de Empresas e Responsabilidade Social. Emilio Martos Gerente Executivo de Relacionamento Empresarial

Instituto Ethos. de Empresas e Responsabilidade Social. Emilio Martos Gerente Executivo de Relacionamento Empresarial Instituto Ethos de Empresas e Responsabilidade Social Emilio Martos Gerente Executivo de Relacionamento Empresarial Missão do Instituto Ethos Mobilizar, sensibilizar e ajudar as empresas a gerir seus negócios

Leia mais

CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS

CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS APRESENTAÇÃO Em Dezembro de 2004 por iniciativa da Federação das Indústrias do Estado do Paraná o CPCE Conselho Paranaense de Cidadania Empresarial nasceu como uma organização

Leia mais

Fundação Itaú Social. Por uma educação integral,

Fundação Itaú Social. Por uma educação integral, Fundação Itaú Social Por uma educação integral, integrada e integradora Visão Itaú Ser o banco líder em performance e perene reconhecidamente sólido e ético, destacando-se por equipes motivadas, comprometidas

Leia mais

A Academia está alinhada também aos Princípios para Sustentabilidade em Seguros UNPSI, coordenados pelo UNEP/FI órgão da ONU dedicado às questões da

A Academia está alinhada também aos Princípios para Sustentabilidade em Seguros UNPSI, coordenados pelo UNEP/FI órgão da ONU dedicado às questões da - 1 - Prêmio CNSeg 2012 Empresa: Grupo Segurador BBMAPFRE Case: Academia de Sustentabilidade BBMAPFRE Introdução A Academia de Sustentabilidade BBMAPFRE foi concebida em 2009 para disseminar o conceito

Leia mais

Associação sem fins lucrativos, fundada em 1998, por um grupo de 11 empresários; 1475 associados: empresas de diferentes setores e portes.

Associação sem fins lucrativos, fundada em 1998, por um grupo de 11 empresários; 1475 associados: empresas de diferentes setores e portes. Instituto Ethos Associação sem fins lucrativos, fundada em 1998, por um grupo de 11 empresários; 1475 associados: empresas de diferentes setores e portes. MISSÃO: Mobilizar, sensibilizar e ajudar as empresas

Leia mais

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira.

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 1 PROJETO SETORIAL INTEGRADO BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 2 Introdução O Ministério da Cultura, sugeriu a Fundação

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Referência: Ofício n 2584/2006/SDE/GAB de 31 de maio de 2006

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Referência: Ofício n 2584/2006/SDE/GAB de 31 de maio de 2006 MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer n o 06246/2006/RJ COGAM/SEAE/MF Rio de janeiro, 26 de junho de 2006. Referência: Ofício n 2584/2006/SDE/GAB de 31 de maio de 2006 Assunto:

Leia mais

Programa de Comunicação Interna e Externa

Programa de Comunicação Interna e Externa Programa de Comunicação Interna e Externa Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Comunicação Interna e Externa das Faculdades Integradas Ipitanga FACIIP pretende orientar a execução

Leia mais

Aplicar na Bolsa, visando à formação de. envolve normalmente um horizonte de longo prazo. socialmente responsáveis e sustentabilidade

Aplicar na Bolsa, visando à formação de. envolve normalmente um horizonte de longo prazo. socialmente responsáveis e sustentabilidade OQUEABOLSATEMA A VER COM SUSTENTABILIDADE? Aplicar na Bolsa, visando à formação de patrimônio ou reservas para a utilização futura, envolve normalmente um horizonte de longo prazo. Selecionar empresas

Leia mais

MENSAGEM CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

MENSAGEM CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO MENSAGEM O Código de Ética do Banco do Brasil vem reafirmar a contínua valorização dos preceitos éticos existentes na cultura da Organização, reconhecidos pela comunidade. Nasce da realidade da Empresa,

Leia mais

Programas de. Andrea Goldschmidt andrea@apoenasustentavel.com.br

Programas de. Andrea Goldschmidt andrea@apoenasustentavel.com.br Programas de Voluntariado Empresarial Andrea Goldschmidt andrea@apoenasustentavel.com.br POSICIONAMENTO APOENA Visão Ser a mais completa empresa de consultoria em Gestão Sustentável do Brasil. Missão Disseminar,

Leia mais

Sustentabilidade nas instituições financeiras Os novos horizontes da responsabilidade socioambiental

Sustentabilidade nas instituições financeiras Os novos horizontes da responsabilidade socioambiental Sustentabilidade nas instituições financeiras Os novos horizontes da responsabilidade socioambiental O momento certo para incorporar as mudanças A resolução 4.327 do Banco Central dispõe que as instituições

Leia mais

PRS - Programa de Responsabilidade Social do Crea-RS

PRS - Programa de Responsabilidade Social do Crea-RS PRS - Programa de Responsabilidade Social do Crea-RS Gestão de Administração e Finanças Gerência de Desenvolvimento Humano e Responsabilidade Social Junho/2014 Desenvolvimento Sustentável Social Econômico

Leia mais

Política de Patrocínio

Política de Patrocínio SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...02 1. OBJETIVO INSTITUCIONAL...03 2. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS...04 3. LINHAS DE ATUAÇÃO...05 3.1 Projetos prioritários...05 3.2 Projetos que não podem ser patrocinados...05 4. ABRANGÊNCIA...06

Leia mais

SAC: Fale com quem resolve

SAC: Fale com quem resolve SAC: Fale com quem resolve A Febraban e a sociedade DECRETO 6523/08: UM NOVO CENÁRIO PARA OS SACs NOS BANCOS O setor bancário está cada vez mais consciente de seu papel na sociedade e deseja assumi-lo

Leia mais

Rizele Santana Norberto Marques Sereno. Banco do Brasil 18/06/2013

Rizele Santana Norberto Marques Sereno. Banco do Brasil 18/06/2013 A Gestão do Conhecimento para a Efetividade da Administração Pública Rizele Santana Norberto Marques Sereno Programa de Certificação Interna de Conhecimentos Banco do Brasil 18/06/2013 Missão Ser um banco

Leia mais

A função da associação de classe na construção e defesa de suas agendas. 15 ago 13

A função da associação de classe na construção e defesa de suas agendas. 15 ago 13 A função da associação de classe na construção e defesa de suas agendas 15 ago 13 Associação Iniciativa formal ou informal que reúne pessoas físicas ou jurídicas com objetivos comuns, visando superar

Leia mais

BANCOS E SUSTENTABILIDADE 16 º

BANCOS E SUSTENTABILIDADE 16 º 16 º BANCOS E SUSTENTABILIDADE PRÁTICAS DO SETOR BANCÁRIO RELACIONADAS A ASPECTOS SOCIOAMBIENTAIS E A MUDANÇAS CLIMÁTICAS O 16º Café com Sustentabilidade promoveu uma rica interação entre representantes

Leia mais

A FORMALIZAÇÃO COMO TENDÊNCIA

A FORMALIZAÇÃO COMO TENDÊNCIA EVOLUÇÃO DO SEGMENTO DE PROMOÇÃO DE CRÉDITO: A FORMALIZAÇÃO COMO TENDÊNCIA Desenvolvendo Pessoas e Fortalecendo o Sistema Renato Martins Oliva Agenda O que é ABBC Missão e valores Bancos de pequena e média

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Banco Cooperativo Sicredi S.A. Versão: Julho/2015 Página 1 de 1 1 INTRODUÇÃO O Sicredi é um sistema de crédito cooperativo que valoriza a

Leia mais

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diretriz 01 - Promoção da cultura do respeito e da garantia dos direitos humanos de

Leia mais

Plano de Ação 2016 GRACE

Plano de Ação 2016 GRACE Plano de Ação 2016 GRACE Mensagem da Direção É tempo de preparar mais um ano de intensa atividade do GRACE, procurando consolidar o capital de experiência e partilha acumulado e alargar novas perspetivas

Leia mais

segurando investimentos assegurando oportunidades

segurando investimentos assegurando oportunidades segurando investimentos assegurando oportunidades MISSÃO DA MIGA Promover o investimento estrangeiro direto nos países em desenvolvimento para apoiar o crescimento econômico, reduzir a pobreza e melhorar

Leia mais

REF: As pautas das crianças e adolescentes nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.

REF: As pautas das crianças e adolescentes nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. Brasília, Dezembro de 2015 Exma. Sra. Dilma Rousseff Presidente da República Federativa do Brasil Palácio do Planalto Gabinete da Presidência Praça dos Três Poderes, Brasília - DF, 70150-900. REF: As pautas

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL 2014-2018

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL 2014-2018 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL 2014-2018 (Síntese da Matriz estratégica) Texto aprovado na 19ª Reunião Extraordinária do CONSUNI, em 04 de novembro de 2013. MISSÃO Ser uma Universidade que valoriza

Leia mais

INVESTIMENTO SOCIAL. Agosto de 2014

INVESTIMENTO SOCIAL. Agosto de 2014 INVESTIMENTO SOCIAL Agosto de 2014 INVESTIMENTO SOCIAL Nós promovemos o desenvolvimento sustentável de diversas maneiras Uma delas é por meio do Investimento Social INVESTIMENTO INVESTIENTO SOCIAL - Estratégia

Leia mais

Economia,Mercado e Empresas de Construção Civil: a sustentabilidade na prática. Paulo Itacarambi Instituto Ethos Setembro de 2008

Economia,Mercado e Empresas de Construção Civil: a sustentabilidade na prática. Paulo Itacarambi Instituto Ethos Setembro de 2008 Economia,Mercado e Empresas de Construção Civil: a sustentabilidade na prática Paulo Itacarambi Instituto Ethos Setembro de 2008 Paulo Itacarambi SBCS08 1 Como Alcançar o Desenvolvimento Sustentável? Políticas

Leia mais

Sistemas de Boas Práticas Internacionais

Sistemas de Boas Práticas Internacionais Sistemas de Boas Práticas Internacionais por Christopher Wells Superintendente Risco Socioambiental Santander Brasil Brasília, 21 de agosto, 2014 O que é uma externalidade? 2 Rio limpo Ar limpo Algumas

Leia mais

Discurso 04/12/2003. Dr. Alfredo Setubal

Discurso 04/12/2003. Dr. Alfredo Setubal Discurso 04/12/2003 Dr. Alfredo Setubal Presidente do Conselho de Administração do IBRI - Instituto Brasileiro de Relações com Investidores Boa Noite! Esta cerimônia de final de ano é a minha última à

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

ENTIDADES AUTO-REGULADORAS DO MERCADO ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO

ENTIDADES AUTO-REGULADORAS DO MERCADO ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO BM&FBOVESPA A BM&FBOVESPA é muito mais do que um espaço de negociação: lista empresas e fundos; realiza negociação de ações, títulos, contratos derivativos; divulga cotações; produz índices de mercado;

Leia mais

COMPLIANCE FUNÇÃO, CONSOLIDAÇÃO E. Vanessa Alessi Manzi 19/09/08

COMPLIANCE FUNÇÃO, CONSOLIDAÇÃO E. Vanessa Alessi Manzi 19/09/08 COMPLIANCE FUNÇÃO, CONSOLIDAÇÃO E DESAFIOS Vanessa Alessi Manzi 19/09/08 Agenda 1. Compliance conceito e missão 2. Atuação de Compliance nas instituições 3. Ferramentas de Compliance 4. Auditoria e Compliance

Leia mais

PRINCÍPIOS DO EQUADOR: SUSTENTABILIDADE E IMPACTOS NA CONDUTA AMBIENTAL DOS BANCOS SIGNATÁRIOS BRASILEIROS

PRINCÍPIOS DO EQUADOR: SUSTENTABILIDADE E IMPACTOS NA CONDUTA AMBIENTAL DOS BANCOS SIGNATÁRIOS BRASILEIROS PRINCÍPIOS DO EQUADOR: SUSTENTABILIDADE E IMPACTOS NA CONDUTA AMBIENTAL DOS BANCOS SIGNATÁRIOS BRASILEIROS MARCO ANTONIO DIAS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO EDUARDO LUIZ MACHADO INSTITUTO

Leia mais

ABN AMRO REAL. The Equator Principles and Sustainability in the Financial Sector: Transforming Markets in Latin America. Cris Ronza November 10, 2006

ABN AMRO REAL. The Equator Principles and Sustainability in the Financial Sector: Transforming Markets in Latin America. Cris Ronza November 10, 2006 ABN AMRO REAL The Equator Principles and Sustainability in the Financial Sector: Transforming Markets in Latin America Cris Ronza November 10, 2006 Os Princípios do Equador no ABN AMRO Real O que é, quando

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

O Dirigente Municipal de Educação e a articulação com o terceiro setor

O Dirigente Municipal de Educação e a articulação com o terceiro setor Missão Promover e realizar ações que contribuam para a melhoria da qualidade da educação pública e que fomentem o desenvolvimento social de comunidades de baixa renda. Visão Ser referência como fundação

Leia mais

Caixa Econômica Federal! "#$%&&'

Caixa Econômica Federal! #$%&&' Caixa Econômica Federal! "#$%&&' $! % & ' (! " # )*+),&- $ ./', 0'12' 2003 2004 2004 2005 2007 2008 2009 Adesão ao Pacto Global; Projeto Corporativo Responsabilidade Social : Incorporação dos princípios

Leia mais

A estratégia do PGQP frente aos novos desafios. 40ª Reunião da Qualidade 09-10-2006 Eduardo Guaragna

A estratégia do PGQP frente aos novos desafios. 40ª Reunião da Qualidade 09-10-2006 Eduardo Guaragna A estratégia do PGQP frente aos novos desafios 40ª Reunião da Qualidade 09-10-2006 Eduardo Guaragna PROCESSO DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO MACROFLUXO ENTRADAS PARA O PROCESSO - Análise de cenários e conteúdos

Leia mais

Os Princípios do Equador e o Desempenho Socioambiental do Setor Financeiro

Os Princípios do Equador e o Desempenho Socioambiental do Setor Financeiro Avaliação do desempenho socioambiental de projetos com foco nos Princípios do Equador e Parâmetros de Desempenho do IFC Os Princípios do Equador e o Desempenho Socioambiental do Setor Financeiro São Paulo,

Leia mais

Iniciativas para o Fortalecimento da Ação Fiscal dos Municípios em Tributação Imobiliária

Iniciativas para o Fortalecimento da Ação Fiscal dos Municípios em Tributação Imobiliária SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE TRIBUTAÇÃO IMOBILIÁRIA Iniciativas para o Fortalecimento da Ação Fiscal dos Municípios em Tributação Imobiliária Salvador, 21 e 22 de novembro de 2007 SESSÃO III Inovação,

Leia mais

MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM

MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM COLETIVA DE IMPRENSA Participantes: Relatores: Geraldo Soares IBRI; Haroldo Reginaldo Levy Neto

Leia mais

Politica Nacional de Enfrentamento à epidemia de HIV/AIDS no Brasil:

Politica Nacional de Enfrentamento à epidemia de HIV/AIDS no Brasil: FUNDO POSITHiVO Politica Nacional de Enfrentamento à epidemia de HIV/AIDS no Brasil: Resposta Brasileira à epidemia de AIDS: Conjunção de esforços- Resposta Governamental & Sociedade Brasileira. Êxito

Leia mais

O Papel dos Bancos Públicos na Promoção do Desenvolvimento Sustentável

O Papel dos Bancos Públicos na Promoção do Desenvolvimento Sustentável O Papel dos Bancos Públicos na Promoção do Desenvolvimento Sustentável 10 de maio 2006 Rio de Janeiro www.unepfi.org O que é uma externalidade? Ar limpo Photos Externalidades Rio limpo Algumas externalidades

Leia mais

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DO SERVIÇO FEDERAL DE PROCESSAMENTO DE DADOS (SERPRO) - PCS A Política de Comunicação do Serviço

Leia mais

Objetivos do Pacto Global da ONU

Objetivos do Pacto Global da ONU nossa missão global Objetivos do Pacto Global da ONU A maior iniciativa voluntária do mundo para a responsabilidade corporativa está presente em 145 países com mais de 8 mil participantes corporativos.

Leia mais

Estratégia e inovação. Gestão de Risco. Meio Ambiente, saúde e segurança

Estratégia e inovação. Gestão de Risco. Meio Ambiente, saúde e segurança Favor indicar o departamento no qual opera: 16% 5% Relações externas, Comunicação N=19 79% Estratégia e inovação Gestão de Risco Outros Meio Ambiente, saúde e segurança Outros: Desenvolvimento Sustentável

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

Prefeitura Municipal de Botucatu

Prefeitura Municipal de Botucatu I- Identificação: Projeto Empresa Solidária II- Apresentação : O Fundo Social de Solidariedade é um organismo da administração municipal, ligado ao gabinete do prefeito, que atua em diversos segmentos

Leia mais

RBC BRASIL DTVM LTDA. Confiança que faz a diferença

RBC BRASIL DTVM LTDA. Confiança que faz a diferença RBC BRASIL DTVM LTDA Confiança que faz a diferença Sobre o RBC Brasil O RBC Brasil (RBC Brasil DTVM Ltda) é uma subsidiária integral do Royal Bank of Canada, cuja história de atuação em nosso país remonta

Leia mais

Credit Suisse (Brasil) Política de Responsabilidade Socioambiental (PRSA) Julho de 2015

Credit Suisse (Brasil) Política de Responsabilidade Socioambiental (PRSA) Julho de 2015 Credit Suisse (Brasil) Política de Responsabilidade Socioambiental (PRSA) Julho de 2015 Sumário 1. Aplicação... 02 2. Definições... 02 2.1 Risco socioambiental... 02 2.2 Partes relacionadas... 02 2.3 Termos...

Leia mais

Por uma educação de qualidade para crianças e adolescentes

Por uma educação de qualidade para crianças e adolescentes Por uma educação de qualidade para crianças e adolescentes O que é o Instituto C&A? Organização sem fins lucrativos que investe em educação Foi criada pelos acionistas da C&A em 1991 Missão Promover a

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Internacionalização da Arquitetura Brasileira

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Internacionalização da Arquitetura Brasileira PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Internacionalização da Arquitetura Brasileira PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO SETORIAL PARA INTERNACIONALIZAÇÃO DA ARQUITETURA BRASILEIRA AMBIENTE EXTERNO WORKSHOP APRESENTAÇÃO PES AMBIENTE

Leia mais

Santander InveStImento SocIal PrIvado dashboard 2014

Santander InveStImento SocIal PrIvado dashboard 2014 Investimento Social Privado DASHBOARD 2014 nossa causa Inclusão Social e Econômica da população brasileira. diretrizes Fortalecer políticas públicas e não se perder em ações isoladas. Dialogar e fazer

Leia mais

A Sustentabilidade no HSL. Diretoria de Filantropia e Responsabilidade Social

A Sustentabilidade no HSL. Diretoria de Filantropia e Responsabilidade Social A Sustentabilidade no HSL Diretoria de Filantropia e Responsabilidade Social Sustentabilidade HSL Panorama Geral Desequilíbrio do processo econômico Fonte: New Scientist (18 October 2008, p 40). Legenda:

Leia mais

Transformando o presente, construindo o amanhã.

Transformando o presente, construindo o amanhã. Transformando o presente, construindo o amanhã. Primeira sede em 1988 História No dia 23 de novembro de 1988, a Fundação Belgo-Mineira foi oficialmente constituída, a fim de promover ações de marketing

Leia mais

Sustentabilidade. é parte do negócio IBGC 12/11/2007. Fabio Colletti Barbosa Banco Real ABN Amro

Sustentabilidade. é parte do negócio IBGC 12/11/2007. Fabio Colletti Barbosa Banco Real ABN Amro Sustentabilidade é parte do negócio IBGC 12/11/2007 Fabio Colletti Barbosa Banco Real ABN Amro Agenda Contexto Nossa essência Nosso jeito de fazer negócios Resultados Contexto Nossa Essência Nosso jeito

Leia mais

TÍTULO: OS PRINCÍPIOS DO EQUADOR E O SISTEMA FINANCEIRO - FERRAMENTAS PARA A GESTÃO SOCIOAMBIENTAL BRASILEIRA 1

TÍTULO: OS PRINCÍPIOS DO EQUADOR E O SISTEMA FINANCEIRO - FERRAMENTAS PARA A GESTÃO SOCIOAMBIENTAL BRASILEIRA 1 TÍTULO: OS PRINCÍPIOS DO EQUADOR E O SISTEMA FINANCEIRO - FERRAMENTAS PARA A GESTÃO SOCIOAMBIENTAL BRASILEIRA 1 Vânia de Lourdes Marques, Sandra Hacon e Valéria da Vinha RESUMO Os Princípios do Equador,

Leia mais

Agenda Regional de Desenvolvimento Sustentável Eixo 4: Gestão Regional Integrada

Agenda Regional de Desenvolvimento Sustentável Eixo 4: Gestão Regional Integrada Agenda Regional de Desenvolvimento Sustentável Eixo 4: Gestão Regional Integrada 1 O Projeto Litoral Sustentável 1ª Fase (2011/2012): Diagnósticos municipais (13 municípios) Diagnóstico regional (Já integralmente

Leia mais

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA!

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! NOSSA VISÃO Um mundo mais justo, onde todas as crianças e todos os adolescentes brincam, praticam esportes e se divertem de forma segura e inclusiva. NOSSO

Leia mais

Fortalecendo a reputação por meio da performance sustentável. Paulo Marinho Itaú Unibanco Comunicação Corporativa

Fortalecendo a reputação por meio da performance sustentável. Paulo Marinho Itaú Unibanco Comunicação Corporativa Fortalecendo a reputação por meio da performance sustentável Paulo Marinho Itaú Unibanco Comunicação Corporativa Você tem uma boa reputação? Você tem uma boa reputação? E sua empresa? Para um banco tão

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

Governança e Sustentabilidade. Pós-graduação FECAP Coordenadoria Marcelo de Aguiar Coimbra

Governança e Sustentabilidade. Pós-graduação FECAP Coordenadoria Marcelo de Aguiar Coimbra Governança e Sustentabilidade Pós-graduação FECAP Coordenadoria Marcelo de Aguiar Coimbra A Pós-Graduação em Governança e Sustentabilidade FECAP foi concebida para fornecer as competências necessárias

Leia mais

Aplicar na Bolsa, visando à formação de. envolve normalmente um horizonte de longo prazo. socialmente responsáveis e sustentabilidade

Aplicar na Bolsa, visando à formação de. envolve normalmente um horizonte de longo prazo. socialmente responsáveis e sustentabilidade OQUEABOLSATEMA A VER COM SUSTENTABILIDADE? Aplicar na Bolsa, visando à formação de patrimônio ou reservas para a utilização futura, envolve normalmente um horizonte de longo prazo. Selecionar empresas

Leia mais

Plano de Sustentabilidade da Unilever

Plano de Sustentabilidade da Unilever Unilever Plano de Sustentabilidade da Unilever Eixo temático Governança Principal objetivo da prática Para a Unilever, o crescimento sustentável e lucrativo requer os mais altos padrões de comportamento

Leia mais

Desenvolvimento da Cadeia de Fornecedores e Sustentabilidade. Augusto Riccio Coordenador de Organização Gestão &Governança

Desenvolvimento da Cadeia de Fornecedores e Sustentabilidade. Augusto Riccio Coordenador de Organização Gestão &Governança Desenvolvimento da Cadeia de Fornecedores e Sustentabilidade Augusto Riccio Coordenador de Organização Gestão &Governança Destaques Petrobras --------------------------------------------------------------------------

Leia mais

PRS - Programa de Responsabilidade Social do Crea-RS. Gestão de Administração e Finanças Gerência de Gestão de Pessoas

PRS - Programa de Responsabilidade Social do Crea-RS. Gestão de Administração e Finanças Gerência de Gestão de Pessoas PRS - Programa de Responsabilidade Social do Crea-RS Gestão de Administração e Finanças Gerência de Gestão de Pessoas Desenvolvimento Sustentável Social Econômico Ambiental Lucro Financeiro Resultado Social

Leia mais

POLíTICA DE PATROCíNIOS E DOAÇÕES VOLVO DO BRASIL

POLíTICA DE PATROCíNIOS E DOAÇÕES VOLVO DO BRASIL POLíTICA DE PATROCíNIOS E DOAÇÕES VOLVO DO BRASIL índice APRESENTAÇÃO...3 POLíTICA DE PATROCíNIOS DA VOLVO DO BRASIL...3 1. Objetivos dos Patrocínios...3 2. A Volvo como Patrocinadora...3 3. Foco de Atuação...4

Leia mais

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS Governança Corporativa se faz com Estruturas O Itaú se orgulha de ser um banco essencialmente colegiado. A Diretoria atua de forma integrada e as decisões são tomadas em conjunto, buscando sempre o consenso

Leia mais

Índice de Sustentabilidade Empresarial - ISE Confidencial Restrita Confidencial Uso Interno Público 1

Índice de Sustentabilidade Empresarial - ISE Confidencial Restrita Confidencial Uso Interno Público 1 Confidencial Restrita Confidencial Uso Interno Público 1 Sustentabilidade em Bolsas de Valores Estímulo à transparência e ao desempenho socioambiental das empresas listadas Critérios mínimos de listagem.

Leia mais

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal Mapa de obras contratadas pela CEF, em andamento com recursos do Governo Federal 5.048

Leia mais

POLÍTICA DE EXECUÇÃO E DE TRANSMISSÃO DE ORDENS DA CAIXAGEST - TÉCNICAS DE GESTÃO DE FUNDOS, S.A.

POLÍTICA DE EXECUÇÃO E DE TRANSMISSÃO DE ORDENS DA CAIXAGEST - TÉCNICAS DE GESTÃO DE FUNDOS, S.A. POLÍTICA DE EXECUÇÃO E DE TRANSMISSÃO DE ORDENS DA CAIXAGEST - TÉCNICAS DE GESTÃO DE FUNDOS, S.A. Este documento destina-se a informar os clientes dos princípios e procedimentos que constituem a Política

Leia mais

Escola de Políticas Públicas

Escola de Políticas Públicas Escola de Políticas Públicas Política pública na prática A construção de políticas públicas tem desafios em todas as suas etapas. Para resolver essas situações do dia a dia, é necessário ter conhecimentos

Leia mais

Perfil dos Participantes Compilação das Respostas dos Questionários

Perfil dos Participantes Compilação das Respostas dos Questionários Perfil dos Participantes Compilação das Respostas dos Questionários Outubro/2011 Temas de Interesse Meio Ambiente Ações Sociais / Projetos Sociais / Programas Sociais Sustentabilidade / Desenvolvimento

Leia mais

Mobilização e Participação Social no

Mobilização e Participação Social no SECRETARIA-GERAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Mobilização e Participação Social no Plano Brasil Sem Miséria 2012 SUMÁRIO Introdução... 3 Participação

Leia mais

Reunião do Comitê de Marketing 13 e 14 de janeiro de 2011

Reunião do Comitê de Marketing 13 e 14 de janeiro de 2011 ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------- Reunião do Comitê de Marketing 13 e 14 de janeiro de 2011 Memória Presentes: membros do

Leia mais

Planejamento CPA Metropolitana 2013

Planejamento CPA Metropolitana 2013 Planejamento CPA Metropolitana 2013 1 Planejamento CPA Metropolitana Ano 2013 Denominada Comissão Própria de Avaliação, a CPA foi criada pela Legislação de Ensino Superior do MEC pela Lei 10.861 de 10

Leia mais

Inventário de emissões de gases de efeito estufa. Elaboração e uso como ferramenta de gestão

Inventário de emissões de gases de efeito estufa. Elaboração e uso como ferramenta de gestão Inventário de emissões de gases de efeito estufa Elaboração e uso como ferramenta de gestão 25 de agosto de 2011 Programa Brasileiro GHG Protocol Origens Metodologia mais utilizada mundialmente para a

Leia mais

POR QUE SER ASSOCIADO ABESE? CONHEÇA TODOS OS BENEFÍCIOS

POR QUE SER ASSOCIADO ABESE? CONHEÇA TODOS OS BENEFÍCIOS POR QUE SER ASSOCIADO ABESE? CONHEÇA TODOS OS BENEFÍCIOS Associação Brasileira das Empresas de Sistemas Eletrônicos de Segurança - ABESE Entidade que representa, nacionalmente, as empresas de sistemas

Leia mais

Planejamento Estratégico 2007-2008

Planejamento Estratégico 2007-2008 Planejamento Estratégico 2007-2008 Missão: Promover, fortalecer e integrar programas estaduais e setoriais de QPC, visando contribuir para o desenvolvimento sustentável do Brasil e a qualidade de vida

Leia mais

O Atual Ambiente e Contexto Institucional PPP SUMMIT. São Paulo/Maio de 2015

O Atual Ambiente e Contexto Institucional PPP SUMMIT. São Paulo/Maio de 2015 O Atual Ambiente e Contexto Institucional PPP SUMMIT São Paulo/Maio de 2015 Tópicos Ambiente Institucional Quando da Edição da Lei de PPP Atual Situação Fiscal Governança dos Contratos de PPP Desafios

Leia mais

Política do Programa de Voluntariado do Grupo Telefônica

Política do Programa de Voluntariado do Grupo Telefônica Política do Programa de Voluntariado do Grupo Telefônica INTRODUÇÃO O Grupo Telefônica, consciente de seu importante papel na construção de sociedades mais justas e igualitárias, possui um Programa de

Leia mais

INSTITUCIONAL www.febraban.org.br

INSTITUCIONAL www.febraban.org.br INSTITUCIONAL www.febraban.org.br Outubro/2013 SUMÁRIO VISÃO MISSÃO E PRINCIPAIS STAKEHOLDERS VALORES CORPORATIVOS OBJETIVOS ESTRATÉGICOS ESTRUTURA GERAL E GOVERNANÇA CORPORATIVA CONEXÕES E PRINCIPAIS

Leia mais

A Sustentabilidade no Processo de Decisão Financeira. Indicadores e práticas nos setores de Crédito, Investimentos e Seguros

A Sustentabilidade no Processo de Decisão Financeira. Indicadores e práticas nos setores de Crédito, Investimentos e Seguros A Sustentabilidade no Processo de Decisão Financeira Indicadores e práticas nos setores de Crédito, Investimentos e Seguros 15 de Agosto 2013 Agenda Conceitos e Evolução Atuação do Setor Financeiro O Mercado

Leia mais

COMO SE ASSOCIAR 2014

COMO SE ASSOCIAR 2014 2014 QUEM SOMOS FUNDADO EM 2004, O CONSELHO EMPRESARIAL BRASIL CHINA CEBC É UMA INSTITUIÇÃO BILATERAL SEM FINS LUCRATIVOS FORMADA POR DUAS SEÇÕES INDEPENDENTES, NO BRASIL E NA CHINA, QUE SE DEDICA À PROMOÇÃO

Leia mais

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO EM GESTÃO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL E DESENVOLVIMENTO PETROBRÁS UNIVERSIDADE COORPORATIVA OFICINA2

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO EM GESTÃO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL E DESENVOLVIMENTO PETROBRÁS UNIVERSIDADE COORPORATIVA OFICINA2 PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO EM GESTÃO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL E DESENVOLVIMENTO PETROBRÁS UNIVERSIDADE COORPORATIVA OFICINA2 ESTRATÉGIAS E INSTRUMENTOS DE RESPONSABILIDADE SOCIAL AMBIENTAL E

Leia mais

São Paulo, 25 de abril de 2013.

São Paulo, 25 de abril de 2013. São Paulo, 25 de abril de 2013. Discurso do diretor de Relacionamento Institucional e Cidadania, Luiz Edson Feltrim, na SME Banking Conference 2013 1 Dirijo saudação especial a Sra. Ghada Teima, IFC Manager

Leia mais

ambiente e geração de benefícios espontâneos aos empregados e à sociedade em geral, considerando o efeito de suas ações em um espectro mais amplo,

ambiente e geração de benefícios espontâneos aos empregados e à sociedade em geral, considerando o efeito de suas ações em um espectro mais amplo, 10 1 INTRODUÇÃO 1.1 Problema A responsabilidade social tem sido apresentada como um tema de crescente relevância no cenário empresarial, sendo apontada como uma variável importante na estratégia competitiva

Leia mais

ATIVIDADES JUNTO AO TERCEIRO SETOR

ATIVIDADES JUNTO AO TERCEIRO SETOR ATIVIDADES JUNTO AO TERCEIRO SETOR cenário geral de organizacão ORÍGENS DO COOPERATIVISMO COMUNIDADE UNIMED ASSOCIAÇÃO NEGÓCIO (EMPRESA) PLANO DE SAÚDE MERCADO (COMUNIDADE) RESPONSABILIDADE SOCIAL cenário

Leia mais

Projeto Empreendedores Cívicos

Projeto Empreendedores Cívicos Projeto Empreendedores Cívicos I. Conceito Empreendedores Cívicos são agentes de inovação social que fomentam e promovem transformações positivas em benefício da coletividade rumo a um Brasil Sustentável.

Leia mais