Avaliação de Danos Utilizando Técnica de Estatística Multivariada na Floresta

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Avaliação de Danos Utilizando Técnica de Estatística Multivariada na Floresta"

Transcrição

1 Avaliação de Danos Utilizando Técnica de Estatística Multivariada na Floresta RESUMO Estadual do Antimary Cristiano Corrêa da Silva 1 Altemir da Silva Braga 2 A Avaliação de Danos deve ser parte integrante dos Planos de Manejo Florestal Sustentável para a Categoria Pleno. Para denotar sua importância o estudo realizado na Floresta Estadual do Antimary na exploração florestal ocorrida no ano Em uma área de 1000 ha que foram instaladas 7 parcelas na área da estrada principal. Nas quais foram avaliadas a Altura, Diâmetro á Altura do peito, tipo e dano na copa e no fuste e o estado fitossanitário das árvores avaliadas Teve como o objetivo deste trabalho, foi avaliar por meio de componente principais e análise de fatores estudou quais variáveis e fatores, respectivamente,mais explicam a variação dentro e entre as parcelas estudadas. Sendo As porcentagens da variância total explicadas pelos componentes são respectivamente, 40% para CP 1 e 20% para CP 2.Os quais juntos formam 60% sendo a técnica de componentes principais não indicada para estudo deste tipo para a avaliação de danos por seu baixo índice de explicação. Por fim e bom ressaltar que o manejo floresta sustentável e grade base da economia no Acre, sendo necessário maiores estudos para obtenção de solidas bases técnicas, para a redução pelo mesmo causado. Multivariada Palavras-chave: Componentes principais, Avaliação de danos, Estatística Abstract: The Damage Assessment should be an integral part of the Sustainable Forest Management Plans for Full Category. Being the percentages of the total variance explained by the components are respectively 40% and 20%. which together form the 60% is the technique of principal components is not suitable for study. Keywords: Principal components, damage evaluation, Multivariate Statistics 1 Introdução A Avaliação de Danos deve ser parte integrante dos Planos de Manejo Florestal Sustentável para a Categoria Pleno. No entanto, ressaltava que era apenas quando previsto como uma atividade pós-exploratória (IBAMA, 2006). Em Norma de Execução (NE) N o 01 de 24 de Abril de 2007, o IBAMA reafirma a importância da Avaliação de Danos, para os Planos de Manejo Florestal Sustentável da Categoria ¹ Graduando em Engenharia Florestal/UFAC ² NAEPE /UFAC 1

2 Pleno, na contribuição para a melhoria dos métodos de exploração Florestal ao longo do tempo, e da estimativa da produtividade da floresta (IBAMA, 2007). No Anexo II da N o 01 / 2007 do IBAMA, com relação a Avaliação de Danos, tem-se que: 2. A Avaliação de Danos deve ser feita utilizando-se métodos de amostragem capazes de estimar pelo menos o número de árvores danificadas, observando categorias de intensidade de danos em fuste e copas e a mortalidade de árvores devido à exploração Florestal. Dessa forma, o planejamento para a exploração deve contemplar a minimização dos danos ambientais, conservando o potencial futuro da floresta e manter os recursos florestais, deve, ainda, também reduzir os custos operacionais da exploração e reduzir desperdícios (ROTTA, 2006). De acordo com Gomes, et al., (2004) quantificar e ter conhecimento dos impactos ou danos ambientais negativos após as atividades de exploração florestal é uma forma de avaliar os planos de manejo florestal, servindo de base para adoção de medidas mitigadoras, e realmente viabilizar a execução do plano com o menor grau de impacto possível. Como objetivo este trabalho e avaliar cinco variáveis das quais duas quantitativas contínuas: DAP (Diâmetro Altura do Peito) e a altura, e três qualitativas ordinais: Danos no fuste sendo avaliado a causa e tipo, Danos na copa sendo avaliada a causa e o tipo e estado fitossanitário. Para mesurar as variáveis será utilizado métodos estatísticos multivariados da técnica de componentes principais que compreenderá uma novidade nos modelos existem na literatura para esse tipo de avaliação. 2 Material e Métodos A pesquisa foi realizada na Floresta Estadual do Antimary FEA, que é composta pelo seringal Limoeiro e por parte dos seringais Arapixi, Pacatuba e Mapinguari. Está situada no município do Bujari, compreendendo uma faixa de terra que limita de um lado com o Estado do Amazonas e do outro paralelo com a BR-364. Abrange uma área de ha que se divide a Floresta Estadual do Antimary com uma área de ha e as áreas dos Projetos de Assentamento Agroextrativista (PAE s) Canary (8.053 ha) e Limoeiro ( ha), anexadas a área de atuação da FUNTAC, através de convênio firmado com o INCRA por um período de 30 anos. Onde 2

3 atualmente tem o exploração florestal através de licitação todos os anos, o nosso intuito e avaliar o impacto causado pelos mesmos Dessa forma, a presente proposta planeja implantar 33 parcelas, de 0,25 ha, de 25 m por 100 m nos casos das estradas e do arraste, de 50 m X 50 m para avaliar o corte e nos contornos do pátio/amostra. As 33 parcelas serão distribuídas pelas atividades da exploração, sendo que 5 parcelas na atividade de corte, 5 no arraste, 8 na construção de estrada principal, 5 nas estradas secundárias e 7 nos pátios. As áreas relacionadas às atividades serão quantificadas em hectares, logo divididas em partes iguais de metros quadrados, de forma retangular, as quais devem ser numeradas. Já nos pátios, a parcela de impactos ambientais será demarcada no entorno do mesmo. Baseada no Manual de Diretrizes para Avaliação dos Danos da Exploração Florestal na Amazônia, da Fundação Floresta Tropical (FFT, 2002). As anotações em campo são realizadas nas parcelas especificadas por atividade florestal, corte, arraste, construção de estradas principais, secundárias, bem como de pátios.com a utilização do inventário florestal 100%, as árvores danificadas e nãodanificadas são registradas na ficha de campo. O dano é quantificado conforme ilustração grudada à prancheta, separadas pelos compartimentos arbóreos, copa e fuste. A possível causa é diagnosticada e registrada, segundo ilustração e tabela na prancheta. O estado fitossanitário da arvore afetada é diagnosticado e registrado segundo ilustração e tabela na prancheta. O DAP é medido através da utilização da Suta e, ou, o CAP com fita métrica. A linha de DAP é destacada com tinta spray de cor vermelha em torno da circunferência. Nas árvores afetadas são colocadas plaquetas indicando o número do talhão, da parcela e da sequencial numérica da parcela na árvore, em uma posição de 10 cm acima da linha de DAP, de frente para o lado norte da árvore. Esta classificação, apesar de bastante subjetiva, serve de base para a tomada de decisão sobre possíveis práticas silviculturais, bem como possibilita identificar espécies mais sensíveis aos danos da exploração. Na Analise Componentes Principais, espera-se que a maioria das últimas variâncias seja baixa, de modo que grande parte da explicação de variabilidade das 3

4 variáveis originais se concentre em poucos componentes Z i, resumindo assim o espaço dimensão variável. 3 Resultados e Discussão Pode-se afirmar, descritivamente, que a parcela G apresenta maior média para a variável DAP com medida de 24,75 cm, enquanto que a parcela C foi a de menor medida com 17,79 cm. Outra medida descritiva que serve para verificar a homogeneidade dentro das parcelas é o coeficiente de variação que para este estudo foi observado que a parcela E foi a mais homogênea apresentando valor 30,17%, enquanto que a parcela B foi a mais heterogênea com valor 82,87. Já em relação aos autovalores da matriz de correlação foram: 1 2,78 e 2 1,41. As porcentagens da variância total explicadas pelos componentes são respectivamente, 40% para CP 1 e 20% para CP 2.Assim, os dois componentes principais ( CP1 ecp 2 ) utilizados para a avaliação dos danos foram: CP=-0,39.X-0,41.X+0,79.X+0,37.X+0,83.X+0,62.X+0,79.X CP=0,74.X+0,70.X+0,34.X+0,39.X-0,01.X-0,10.X+0,29.X Dessa forma, as duas componentes principais podem ser interpretadas das seguintes formas: 1ª Componente ( CP 1 ): É basicamente um índice do estado fitossanitário (saúde das árvores). O coeficiente de maior grandeza numérica, respectivamente, são os da saúde e o dos danos (copa e fuste) com índices 0,79; 0,79 e 0,83. Mostrando que esse componente está correlacionado com as três variáveis originais: Dano na Copa, Dano no Fuste e Saúde da árvore. Assim, este índice de sanidade das árvores indica quanto elas são atingidas com os danos ocasionados naturalmente ou por via antropicas, sendo que quanto maior este coeficiente, mais afetada foi a árvore em termos sanitários. 2ª Componente ( CP 2 ): Este índice está relacionado com o volume das árvores remanescentes. Pode-se, afirmar, que este índice é um contraste entre volume e o estado de saúde das árvores remanescentes em que os coeficientes de maior grandeza numérica deste componente são 0,74, 0,70 que estão relacionados diretamente ao 4

5 volume das árvores (variável diâmetro a altura do peito e a altura). Constata-se, ainda, uma relação alométrica das árvores, observando que quanto maior o valor deste componente maior será o tamanho em volume das árvores remanescentes. 4 Conclusão As componentes principais explicaram 60% da variância total. Mas isto não e suficiente para ser indicada como um método a ser utilizado para este fim. No entanto os danos se mostraram dentro do esperado denotando que o manejo que ocorre na Floresta Estadual do Antimary é não ocasiona danos fora do estimado em pesquisas anteriores, de outras regiões. 5 Referencias [1] BRASIL. IBAMA. Instrução Normativa 05 de 12 de dezembro de [2] BRASIL. IBAMA Normas Florestais Federais para a Amazônia Brasília: / Diretoria de Uso Sustentável da Biodiversidade e Florestas 176 p. ISBN Legislação Federal Ambiental I. Título. CDD ed., [3] FUNDAÇÃO FLORESTA TROPICAL, FFT. Manual e diretrizes para avaliação de danos da exploração florestal. Belém: p [4] GOMES, A.P.C; SOUZA, A.L.S; MEIRA NETO, J.A.A. Alteração estrutural de uma área florestal explorada convencionalmente na bacia do Paraíba do Sul, Minas Gerais, nos domínios de floresta atlântica. Rev. Árvore, Viçosa-MG, v.28, n.3, p , [5] ROTTA, G. W.; MICOL, L.SANTOS dos, N.B. Manejo sustentável no portal da Amazônia: um benefício econômico, social e ambiental / Ilustrações cedidas por IFT e IMAZON. -- Alta Floresta-MT : ICV, p.: Il. 23 cm -- (Cartilha) 5

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS. Parcela permanente (quando houver), tamanho e localização.

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS. Parcela permanente (quando houver), tamanho e localização. TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE PLANO OPERACIONAL DE EXPLORAÇÃO - POE CATEGORIA: MENOR E MAIOR IMPACTO DE EXPLORAÇÃO 1. Informações Gerais 1.1 Identificação Processo Administrativo; Número do Processo;

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIASFLORESTAIS VIII SIMPÓSIO DE TÉCNICAS DE PLANTIO E MANEJO DE EUCALIPTO PARA USOS MÚLTIPLOS INVENTÁRIO FLORESTAL

Leia mais

INVENTÁRIO FLORESTAL (Floresta Plantada) Propriedade: Fazenda Alto Limoeiro 4 Timóteo - MG

INVENTÁRIO FLORESTAL (Floresta Plantada) Propriedade: Fazenda Alto Limoeiro 4 Timóteo - MG INVENTÁRIO FLORESTAL (Floresta Plantada) Propriedade: Fazenda Alto Limoeiro 4 Timóteo - MG Julho / 2008 INVENTÁRIO FLORESTAL 1 ) INFORMAÇÕES GERAIS 1.1 IDENTIFICAÇÃO DA PROPRIEDADE Denominação: Fazenda

Leia mais

DEMARCAÇÃO DA EXPLORAÇÃO FLORESTAL

DEMARCAÇÃO DA EXPLORAÇÃO FLORESTAL CAPÍTULO 5 DEMARCAÇÃO DA EXPLORAÇÃO FLORESTAL Demarcação da Exploração Florestal 53 APRESENTAÇÃO A demarcação das estradas, ramais de arraste, pátios de estocagem e a indicação da direção de queda das

Leia mais

Inventário Florestal Nacional IFN-BR

Inventário Florestal Nacional IFN-BR Seminário de Informação em Biodiversidade no Âmbito do MMA Inventário Florestal Nacional IFN-BR Dr. Joberto Veloso de Freitas SERVIÇO FLORESTAL BRASILEIRO Gerente Executivo Informações Florestais Brasília,

Leia mais

Termo de Referência para Elaboração do Plano de Manejo Florestal Sustentável

Termo de Referência para Elaboração do Plano de Manejo Florestal Sustentável Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos Termo de Referência para Elaboração do Plano Avenida Nascimento de Castro, 2127 Lagoa Nova Natal RN

Leia mais

A ARBORIZAÇÃO DO CAMPUS DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA

A ARBORIZAÇÃO DO CAMPUS DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA A ARBORIZAÇÃO DO CAMPUS DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Diogo Luis Kurihara Universidade de Brasília - Departamento de Engenharia Florestal José Imaña-Encinas Universidade de Brasília - Departamento de Engenharia

Leia mais

PRÁTICAS SILVICULTURAIS

PRÁTICAS SILVICULTURAIS CAPÍTULO 10 PRÁTICAS SILVICULTURAIS 94 Manual para Produção de Madeira na Amazônia APRESENTAÇÃO Um dos objetivos do manejo florestal é garantir a continuidade da produção madeireira através do estímulo

Leia mais

ESTUDOS EM MANEJO FLORESTAL Série Técnica n. 1

ESTUDOS EM MANEJO FLORESTAL Série Técnica n. 1 Instituto de Conservação e Desenvolvimento Sustentável do Amazonas ESTUDOS EM MANEJO FLORESTAL Série Técnica n. 1 Análise técnica da alteração no critério de seleção de árvores para corte em Planos de

Leia mais

PLANO DE MANEJO FLORESTAL SUSTENTÁVEL. Resumo Público

PLANO DE MANEJO FLORESTAL SUSTENTÁVEL. Resumo Público PLANO DE MANEJO FLORESTAL SUSTENTÁVEL Resumo Público RIO CAPIM PA / 2011 2 EMPRESA CIKEL BRASIL VERDE MADEIRAS LTDA - COMPLEXO RIO CAPIM Fazenda Rio Capim, Rod. BR 010, Km 1564, Zona Rural Paragominas-PA

Leia mais

NORMA DE EXECUÇÃO N.º 2, DE 26 DE ABRIL DE 2007

NORMA DE EXECUÇÃO N.º 2, DE 26 DE ABRIL DE 2007 INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS DIRETORIA DE FLORESTAS NORMA DE EXECUÇÃO N.º 2, DE 26 DE ABRIL DE 2007 Institui, no âmbito desta Autarquia, o Manual Simplificado

Leia mais

1.2.1.Nome: Narcizo Lievore 1.2.2.Endereço: Rua 143, nº. 167, Bairro Eldorado, Timóteo-MG. CEP: 35.181-210.

1.2.1.Nome: Narcizo Lievore 1.2.2.Endereço: Rua 143, nº. 167, Bairro Eldorado, Timóteo-MG. CEP: 35.181-210. ANÁLISE QUANTITATIVA DA VEGETAÇÃO ARBÓREA DE UM REMANESCENTE DE FLORESTA ESTACIONAL SEMIDECÍDUA NA FAZENDA ARATACA TIMÓTEO/MG 1 - Informações Gerais 1.1 - Identificação da Propriedade 1.1.1 Denominação:

Leia mais

Regularização Fundiária de Unidades de Conservação Federais

Regularização Fundiária de Unidades de Conservação Federais Programa 0499 Parques do Brasil Objetivo Ampliar a conservação, no local, dos recursos genéticos e o manejo sustentável dos parques e áreas de proteção ambiental. Indicador(es) Taxa de proteção integral

Leia mais

Estrutura de projeto de Serviços Ambientais

Estrutura de projeto de Serviços Ambientais Estrutura de projeto de Serviços Ambientais 1 Definição do escopo NOME: PAE SERINGAL MATA GRANDE - BEIRA DA BR, ESTADO DO ACRE OBJETIVOS: CONTER O DESMATAMENTO DENTRO DO PAE ATRAVÉS DE ATIVIDADES EXTRATIVISTAS

Leia mais

Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT

Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT Paula Bernasconi Ricardo Abad Laurent Micol Maio de 2008 Introdução O município de Alta Floresta está localizado na região norte do estado de Mato

Leia mais

GREEN NATION FEST. Design e Sustentável Consumo Consciente

GREEN NATION FEST. Design e Sustentável Consumo Consciente GREEN NATION FEST Design e Sustentável Consumo Consciente O trabalho do designer Pedro Petry sempre foi pautado pela busca de alternativas que fomentam a sustentabilidade: Das experiências com objetos

Leia mais

03 de Dezembro de 2015

03 de Dezembro de 2015 Página 1 de 9 Marco Legal pertinente à área florestal no Brasil (1965 ao presente) Data de publicação Ato ou Lei Função 1 1965 Código Florestal Brasileiro Define diretrizes gerais para o uso e conservação

Leia mais

Manejo Florestal. Sustentável. no Portal da Amazônia. Gheorges Wilians Rotta Laurent Micol Norival Batista dos Santos

Manejo Florestal. Sustentável. no Portal da Amazônia. Gheorges Wilians Rotta Laurent Micol Norival Batista dos Santos Manejo Florestal Sustentável no Portal da Amazônia um benefício econômico, social e ambiental Gheorges Wilians Rotta Laurent Micol Norival Batista dos Santos Ficha técnica Esta publicação é resultado do

Leia mais

Resolução SMA nº 70 DE 02/09/2014 Norma Estadual - São Paulo Publicado no DOE em 03 set 2014

Resolução SMA nº 70 DE 02/09/2014 Norma Estadual - São Paulo Publicado no DOE em 03 set 2014 Resolução SMA nº 70 DE 02/09/2014 Norma Estadual - São Paulo Publicado no DOE em 03 set 2014 Define a metodologia a ser adotada em caráter experimental para a conversão das obrigações de reposição florestal

Leia mais

A Questão Florestal e o Desenvolvimento

A Questão Florestal e o Desenvolvimento Alcir Ribeiro Carneiro de Almeida, Eng. Ftal., MSc.,Dr. Gerente Florestal A Questão Florestal e o Desenvolvimento BNDES, Rio de Janeiro, 09 de julho de 2003 Grupo CIKEL CIKEL BRASIL VERDE S.A. - atua na

Leia mais

Utilização do Lidar para o planejamento e monitoramento de operações de exploração e estimativas de biomassa em florestas tropicais

Utilização do Lidar para o planejamento e monitoramento de operações de exploração e estimativas de biomassa em florestas tropicais Utilização do Lidar para o planejamento e monitoramento de operações de exploração e estimativas de biomassa em florestas tropicais Marcus Vinicio Neves d Oliveira Marcus.oliveira@embrapa.br Daniel de

Leia mais

Descrição e Análise da Vegetação Arbórea

Descrição e Análise da Vegetação Arbórea Descrição e Análise da Vegetação Arbórea Prof. Israel Marinho Pereira Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri UFVJM Laboratório de Dendrologia e Ecologia Florestal-LDEF imarinhopereira@gmail.com

Leia mais

Segurança da Informação e Proteção ao Conhecimento. Douglas Farias Cordeiro

Segurança da Informação e Proteção ao Conhecimento. Douglas Farias Cordeiro Segurança da Informação e Proteção ao Conhecimento Douglas Farias Cordeiro Risco O risco é medido por sua probabilidade de ocorrência e suas consequências; Pode se realizar uma análise qualitativa ou quantitativa;

Leia mais

XV COBREAP - CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS - IBAPE/SP 2009

XV COBREAP - CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS - IBAPE/SP 2009 XV COBREAP - CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS - IBAPE/SP 2009 ANÁLISE COMPARATIVA NA AVALIAÇÃO DE FLORESTA PLANTADA DE PINUS PELO MÉTODO DO VALOR ECONÔMICO, UTILIZANDO COMO PARÂMETROS

Leia mais

FUNDAÇÃO FLORESTA TROPICAL

FUNDAÇÃO FLORESTA TROPICAL FUNDAÇÃO FLORESTA TROPICAL MANUAL DE PROCEDIMENTOS TÉCNICOS PARA CONDUÇÃO DE MANEJO FLORESTAL E EXPLORAÇÃO DE IMPACTO REDUZIDO Versão preliminar 4.0 Belém, outubro de 2002 MANUAL DE PROCEDIMENTOS TÉCNICOS

Leia mais

RESUMO SUMMARY 1. INTRODUÇÃO

RESUMO SUMMARY 1. INTRODUÇÃO COMPARAÇÃO DA PRECISÃO DE MODELOS HIPSOMÉTRICOS AJUSTADOS COM DADOS OBTIDOS POR MEIO DO USO DE PRANCHETA DENDROMÉTRICA E FITA MÉTRICA EM POVOAMENTOS FLORESTAIS DO GÊNERO EUCALYPTUS NA REGIÃO DO OESTE DO

Leia mais

AT073 INTRODUÇÃO EIM

AT073 INTRODUÇÃO EIM Engenharia Industrial Madeireira AT073 INTRODUÇÃO EIM MEDIÇÃO DA MADEIRA Prof. Dr. Umberto Klock Objetivo: Os acadêmicos de EIM devem estar aptos a determinar o volume de troncos, pilhas de lenha, de árvores

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

C:\Documents and Settings\DISCO_F\MEUS-DOCS\LIVRO_ENF_344\enf344_PDF\CAP_VII_SIST. COLHEITA.doc 109 SISTEMA DE COLHEITA

C:\Documents and Settings\DISCO_F\MEUS-DOCS\LIVRO_ENF_344\enf344_PDF\CAP_VII_SIST. COLHEITA.doc 109 SISTEMA DE COLHEITA C:\Documents and Settings\DISCO_F\MEUS-DOCS\LIVRO_ENF_344\enf344_PDF\CAP_VII_SIST. COLHEITA.doc 109 SISTEMA DE COLHEITA Um plano de manejo florestal envolve, entre outras, atividades relacionadas com os

Leia mais

Aumento da produtividade da segunda rotação de eucalipto em função do método de desbrota

Aumento da produtividade da segunda rotação de eucalipto em função do método de desbrota S ÉRIE TÉCNICA IPEF v. 11, n. 0, p. 5-1, mai., 1997 Aumento da produtividade da segunda rotação de eucalipto em função do método de desbrota Hélder Bolognani Andrade; Vanderlei Benedetti José Carlos Madaschi;

Leia mais

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS BÁSICOS PARA A ATIVIDADE DE MANEJO FLORESTAL SUSTENTÁVEL DO PROJETO

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS BÁSICOS PARA A ATIVIDADE DE MANEJO FLORESTAL SUSTENTÁVEL DO PROJETO RELAÇÃO DE DOCUMENTOS BÁSICOS PARA A ATIVIDADE DE MANEJO FLORESTAL SUSTENTÁVEL DO PROJETO Requerimento Padrão de Atividade Florestal - RPAF; Cópia de CPF e RG do requerente; Cópia do Certificado da Área

Leia mais

PLANEJAMENTO DA EXPLORAÇÃO

PLANEJAMENTO DA EXPLORAÇÃO CAPÍTULO 4 PLANEJAMENTO DA EXPLORAÇÃO Planejamento da Exploração 43 APRESENTAÇÃO A localização e o tamanho dos pátios de estocagem, a posição dos ramais de arraste e a direção de queda das árvores são

Leia mais

Informativo Técnico 1. Manejo Florestal e Exploração de Impacto Reduzido em Florestas Naturais de Produção da Amazônia

Informativo Técnico 1. Manejo Florestal e Exploração de Impacto Reduzido em Florestas Naturais de Produção da Amazônia Informativo Técnico 1 Manejo Florestal e Exploração de Impacto Reduzido em Florestas Naturais de Produção da Amazônia Ficha Técnica Equipe Técnica Responsável Ana Luiza Violato Espada Engenheira de Projetos

Leia mais

Avaliação Quantitativa de Biomassa Florestal Queimada

Avaliação Quantitativa de Biomassa Florestal Queimada A Multifuncionalidade da Floresta através da Exploração dos Recursos Florestais, Silvopastorícia, Lazer e Turismo Avaliação Quantitativa de Biomassa Florestal Queimada L o u s ã 1 0 A b r i l 2 0 0 8 Medida

Leia mais

PORTARIA MMA Nº 43, DE 31 DE JANEIRO DE 2014

PORTARIA MMA Nº 43, DE 31 DE JANEIRO DE 2014 PORTARIA MMA Nº 43, DE 31 DE JANEIRO DE 2014 A MINISTRA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE, no uso de suas atribuições, e tendo em vista o disposto na Lei nº 10.683, de 28 de maio de 2003, e no Decreto nº 6.101,

Leia mais

CAPÍTULO 1 PLANO DE MANEJO FLORESTAL

CAPÍTULO 1 PLANO DE MANEJO FLORESTAL CAPÍTULO 1 PLANO DE MANEJO FLORESTAL 2 Manual para Produção de Madeira na Amazônia APRESENTAÇÃO O plano de manejo pode ser organizado em três etapas. 1 Na primeira, faz-se o zoneamento ou divisão da propriedade

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Da Sra. Thelma de Oliveira) Art. 1º Ficam suspensas, pelo período de três anos, as autorizações para

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Da Sra. Thelma de Oliveira) Art. 1º Ficam suspensas, pelo período de três anos, as autorizações para PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Da Sra. Thelma de Oliveira) Suspende as autorizações para queimadas e desmatamentos ou, supressão de vegetação na Amazônia Legal. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Ficam

Leia mais

ANAIS DA 66ª REUNIÃO ANUAL DA SBPC - RIO BRANCO, AC - JULHO/2014

ANAIS DA 66ª REUNIÃO ANUAL DA SBPC - RIO BRANCO, AC - JULHO/2014 ANAIS DA 66ª REUNIÃO ANUAL DA SBPC - RIO BRANCO, AC - JULHO/2014 Hidrelétricas planejadas e desmatamento na Amazônia Elis Araújo Pesquisadora do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia - Imazon

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ ESTRATÉGIAS PARA REDD NO AMAPÁ

GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ ESTRATÉGIAS PARA REDD NO AMAPÁ GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ ESTRATÉGIAS PARA REDD NO AMAPÁ INDICADORES Fronteira: Pará, Guiana Francesa e Suriname Municípios: 16 Área: 143.453,71 km 98% de cobertura florestal conservada População: 613.164

Leia mais

Cálculo de amostra para monitoria de qualidade em Call Center

Cálculo de amostra para monitoria de qualidade em Call Center Cálculo de amostra para monitoria de qualidade em Call Center Esta metodologia tem como objetivo definir o tamanho mínimo ideal da amostra, garantindo a representatividade da população de chamadas em um

Leia mais

PROGRAMAS AMBIENTAIS COMO MEDIDAS MITIGADORAS E COMPENSATÓRIAS NO PROCESSO DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

PROGRAMAS AMBIENTAIS COMO MEDIDAS MITIGADORAS E COMPENSATÓRIAS NO PROCESSO DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL PROGRAMAS AMBIENTAIS COMO MEDIDAS MITIGADORAS E COMPENSATÓRIAS NO PROCESSO DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL Sarah Rachel Oliveira do Amparo Furtado*, Alexandra Helena Lisboa Boldrin** * Acadêmica da Faculdade

Leia mais

Resumo público do Plano de Manejo Florestal Sustentável Comunitário

Resumo público do Plano de Manejo Florestal Sustentável Comunitário Resumo público do Plano de Manejo Florestal Sustentável Comunitário Nome do empreendimento: Associação Seringueira Porto Dias CNPJ: 01.444.236/0001-80 Presidente: Raimundo Ferreira da Silva Código FSC:

Leia mais

ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO FLORESTAL NA AVALIAÇÃO DE IMPACTOS AMBIENTAIS. Paulo Rogério Soares de OLIVEIRA Universidade Federal de Viçosa

ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO FLORESTAL NA AVALIAÇÃO DE IMPACTOS AMBIENTAIS. Paulo Rogério Soares de OLIVEIRA Universidade Federal de Viçosa REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE ENGENHARIA FLORESTAL - ISSN 1678-3867 P UBLICAÇÃO C IENTÍFICA DA F ACULDADE DE A GRONOMIA E E NGENHARIA F LORESTAL DE G ARÇA/FAEF A NO IV, NÚMERO, 07, FEVEREIRO DE 2006.

Leia mais

TRATAMENTO MULTIVARIADO DE DADOS POR ANÁLISE DE CORRESPONDÊNCIA E ANÁLISE DE AGRUPAMENTOS

TRATAMENTO MULTIVARIADO DE DADOS POR ANÁLISE DE CORRESPONDÊNCIA E ANÁLISE DE AGRUPAMENTOS TRATAMENTO MULTIVARIADO DE DADOS POR ANÁLISE DE CORRESPONDÊNCIA E ANÁLISE DE AGRUPAMENTOS Luciene Bianca Alves ITA Instituto Tecnológico de Aeronáutica Praça Marechal Eduardo Gomes, 50 Vila das Acácias

Leia mais

ESTRUTURA FITOSSOCIOLÓGICA DO COMPONENTE ÁRBOREO DE UMA FLORESTA OMBRÓFILA EM PORTO VELHO, RONDÔNIA

ESTRUTURA FITOSSOCIOLÓGICA DO COMPONENTE ÁRBOREO DE UMA FLORESTA OMBRÓFILA EM PORTO VELHO, RONDÔNIA ESTRUTURA FITOSSOCIOLÓGICA DO COMPONENTE ÁRBOREO DE UMA FLORESTA OMBRÓFILA EM PORTO VELHO, RONDÔNIA Priscilla Menezes Andrade Antônio Laffayete Pires da Silveira RESUMO: O presente estudo foi realizado

Leia mais

Licenciamento Ambiental Manejo Arbóreo na cidade de São Paulo

Licenciamento Ambiental Manejo Arbóreo na cidade de São Paulo Licenciamento Ambiental Manejo Arbóreo na cidade de São Paulo Engº Agrº José Daniel Barbosa de Barros Conceitos e Definições Meio Ambiente: conjunto de condições, leis, influências e interações de ordem

Leia mais

REVISÃO DO LEVANTAMENTO FLORÍSTICO DA ANTIGA FAZENDA CONCEIÇÃO

REVISÃO DO LEVANTAMENTO FLORÍSTICO DA ANTIGA FAZENDA CONCEIÇÃO REVISÃO DO LEVANTAMENTO FLORÍSTICO DA ANTIGA FAZENDA CONCEIÇÃO Relatório de atividades de estágio apresentado ao Instituto Oikos de Agroecologia BRUNO NATALI DE ALMEIDA Graduando em Biologia - FATEA (brunonatali1987@hotmail.com)

Leia mais

Ricardo Viani LASPEF - UFSCar/Araras. Foto: Ricardo Viani - APP em restauração Conservador das Águas, Extrema-MG

Ricardo Viani LASPEF - UFSCar/Araras. Foto: Ricardo Viani - APP em restauração Conservador das Águas, Extrema-MG Ricardo Viani LASPEF - UFSCar/Araras Foto: Ricardo Viani - APP em restauração Conservador das Águas, Extrema-MG OBJETIVOS: Conceitos e definições gerais; Principais indicadores para monitoramento; Amostragem

Leia mais

Biometria Roberval Monteiro Bezerra de Lima (roberval.lima@embrapa.br) Sumaia Vasconcelos (sumaia.vasconcelos@inpa.gov.br)

Biometria Roberval Monteiro Bezerra de Lima (roberval.lima@embrapa.br) Sumaia Vasconcelos (sumaia.vasconcelos@inpa.gov.br) PÓS GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DE FLORESTAS TROPICAIS-PG-CFT INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA-INPA Biometria Roberval Monteiro Bezerra de Lima (roberval.lima@embrapa.br) Sumaia Vasconcelos (sumaia.vasconcelos@inpa.gov.br)

Leia mais

Considerando os termos da Resolução CONAMA nº 13, de 06 de dezembro de 1990; e

Considerando os termos da Resolução CONAMA nº 13, de 06 de dezembro de 1990; e INSTRUÇÃO NORMATIVA IBAMA Nº 152, de 17/01/2007 "Estabelece procedimentos para a obtenção de Autorização de Supressão de Vegetação para fins de pesquisa e lavra mineral nas Florestas Nacionais que especifica

Leia mais

Marco Legal e Engenharia Institucional PSA São José dos Campos

Marco Legal e Engenharia Institucional PSA São José dos Campos São José dos Campos Marco Legal e Engenharia Institucional PSA São José dos Campos Lei Municipal 8703/12 - Institui Programa Municipal de Pagamento por Serviços Ambientais; Lei nº 8905/13 Cria o Fundo

Leia mais

PÓS GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DE FLORESTAS TROPICAIS-PG-CFT INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA-INPA. 09/abril de 2014

PÓS GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DE FLORESTAS TROPICAIS-PG-CFT INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA-INPA. 09/abril de 2014 PÓS GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DE FLORESTAS TROPICAIS-PG-CFT INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA-INPA 09/abril de 2014 Considerações Estatísticas para Planejamento e Publicação 1 Circularidade do Método

Leia mais

EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável

EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável 1. Objetivos da Chamada de Projetos para esta Linha de Ação Temática O objetivo da chamada

Leia mais

Zoneamento e regularização ambiental Marcelândia MT

Zoneamento e regularização ambiental Marcelândia MT V Zoneamento e regularização ambiental Marcelândia MT Paula Bernasconi Ricardo Abad Laurent Micol Agosto de 2008 Sumário Introdução... 4 Contexto... 4 Oportunidades... 5 O que já está acontecendo... 6

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE. Reserva Extrativista Chico Mendes

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE. Reserva Extrativista Chico Mendes MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE Reserva Extrativista Chico Mendes Termo de Referência nº 2013.0930.00022-3 1 - Identificação Contratação de Serviço de

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO SÍSMICO

TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO SÍSMICO Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO

Leia mais

ANÁLISE MULTIVARIADA: IMPORTÂNCIA DA TÉCNICA DE COMPONENTES PRINCIPAIS NA ANÁLISE FITOSSOCIOLÓGICA

ANÁLISE MULTIVARIADA: IMPORTÂNCIA DA TÉCNICA DE COMPONENTES PRINCIPAIS NA ANÁLISE FITOSSOCIOLÓGICA ANÁLISE MULTIVARIADA: IMPORTÂNCIA DA TÉCNICA DE COMPONENTES PRINCIPAIS NA ANÁLISE FITOSSOCIOLÓGICA Vitor Hugo Zanette 1, Sonia Maria Kurchaidt 2, João Vitor Zanette 3, Henrique Soares Koehler 4. 1. Doutorando

Leia mais

TDR N O 11/2011 Diagnóstico Socioeconômico e Ambiental da região do Projeto REDD+ Jari/Amapá Módulo Regulamentações, Programas e Projetos

TDR N O 11/2011 Diagnóstico Socioeconômico e Ambiental da região do Projeto REDD+ Jari/Amapá Módulo Regulamentações, Programas e Projetos São Paulo, 11 de abril de 2011. Ref.: Termo de referência para realização de proposta técnica e financeira para diagnóstico socioeconômico e ambiental módulo regulamentações, programas e projetos da região

Leia mais

MANEJO DO PALMITEIRO Euterpe edulis NO ESTADO DE SANTA CATARINA

MANEJO DO PALMITEIRO Euterpe edulis NO ESTADO DE SANTA CATARINA MANEJO DO PALMITEIRO Euterpe edulis NO ESTADO DE SANTA CATARINA IN-35 INSTRUÇÕES GERAIS: A Exploração do Palmiteiro (Euterpe edulis) no estado de Santa Catarina, deverá obedecer os critérios estabelecidos

Leia mais

: Transforme seu plantio em um fundo de investimento ativo. The single source for Forest Resource Management

: Transforme seu plantio em um fundo de investimento ativo. The single source for Forest Resource Management : Transforme seu plantio em um fundo de investimento ativo The single source for Forest Resource Management 2 Tecnologia laser aerotransportada LiDAR LiDAR é um sistema ativo de sensoriamento remoto, originalmente

Leia mais

1. Manejo Florestal Sustentável

1. Manejo Florestal Sustentável Plano de Manejo Florestal Sustentável - PMFS - Serviços - IBAMA - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente 1. Manejo Florestal Sustentável 1.1. Introdução 1.2. Conceitos O inciso IX do Art. 2º da {phocadownload

Leia mais

CORRELAÇÃO DO USO DO SOLO E QUALIDADE DE ÁGUA UTILIZANDO FERRAMENTAS DE GEOPROCESSAMENTO E TÉCNICA DE ANÁLISE ESTATÍSTICA MULTIVARIADA

CORRELAÇÃO DO USO DO SOLO E QUALIDADE DE ÁGUA UTILIZANDO FERRAMENTAS DE GEOPROCESSAMENTO E TÉCNICA DE ANÁLISE ESTATÍSTICA MULTIVARIADA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO TECNOLÓGICO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AMBIENTAL CORRELAÇÃO DO USO DO SOLO E QUALIDADE DE ÁGUA UTILIZANDO FERRAMENTAS DE GEOPROCESSAMENTO E TÉCNICA

Leia mais

Estabelece critérios e procedimentos para as atividades de Manejo Florestal Sustentável em Projetos de Assentamento

Estabelece critérios e procedimentos para as atividades de Manejo Florestal Sustentável em Projetos de Assentamento INSTRUÇÃO NORMATIVA INCRA Nº 61, DE 7 DE ABRIL DE 2010 Estabelece critérios e procedimentos para as atividades de Manejo Florestal Sustentável em Projetos de Assentamento O PRESIDENTE DO INSTITUTO NACIONAL

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE FRAGMENTOS FLORESTAIS EM PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS NA REGIÃO CENTRO-SUL DO PARANÁ RESULTADOS PARCIAIS.

CARACTERIZAÇÃO DE FRAGMENTOS FLORESTAIS EM PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS NA REGIÃO CENTRO-SUL DO PARANÁ RESULTADOS PARCIAIS. CARACTERIZAÇÃO DE FRAGMENTOS FLORESTAIS EM PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS NA REGIÃO CENTRO-SUL DO PARANÁ RESULTADOS PARCIAIS. Regiane Aparecida Ferreira (USF-UNICENTRO), Lúcio de Paula Amaral (Fundação Araucária/Mestrado

Leia mais

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES NO ESTADO DE SÃO PAULO. Programa Operacional do GEF: OP#15 (sustainable land management)

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES NO ESTADO DE SÃO PAULO. Programa Operacional do GEF: OP#15 (sustainable land management) PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES NO ESTADO DE SÃO PAULO Proposta para obtenção de recursos do GEF (doação sem encargos de US$7,05 milhões) Programa Operacional do GEF: OP#15 (sustainable land management)

Leia mais

ÍNDICE DE ÁREA VERDE POR HABITANTE PARA O MUNICÍPIO DE TIMBURI SP

ÍNDICE DE ÁREA VERDE POR HABITANTE PARA O MUNICÍPIO DE TIMBURI SP ÍNDICE DE ÁREA VERDE POR HABITANTE PARA O MUNICÍPIO DE TIMBURI SP Douglas Ambiel Barros Gil Duarte Universidade Estadual de Londrina douglasambiel@gmail.com Valter Luiz Ziantonio Filho Engenheiro Florestal

Leia mais

RESUMO DO PLANO DE MANEJO FLORESTAL

RESUMO DO PLANO DE MANEJO FLORESTAL RESUMO DO PLANO DE MANEJO FLORESTAL Introdução Este documento é um resumo dos programas e procedimentos da International Paper para a gestão do seu processo florestal, sendo revisado anualmente. I N T

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 CAMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. Ricardo Izar) Dispõe sobre a adoção de medidas que assegurem a circulação segura de animais silvestres no território nacional, com a redução de acidentes

Leia mais

Universidade Federal de Pernambuco Mestrado em Estatística

Universidade Federal de Pernambuco Mestrado em Estatística Universidade Federal de Pernambuco Mestrado em Estatística Lista 4 de Exercícios de Amostragem Prof. Cristiano Ferraz 1. Em relação ao plano amostral de Bernoulli: a) Explique como retirar uma amostra

Leia mais

PROJETO DE LEI N o 1.847, DE 2003

PROJETO DE LEI N o 1.847, DE 2003 COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PROJETO DE LEI N o 1.847, DE 2003 Institui o Programa Nacional de Apoio aos Produtos Nativos do Cerrado e dá outras providências. Autor: Deputado

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA JULHO, 2014.

TERMO DE REFERÊNCIA JULHO, 2014. TERMO DE REFERÊNCIA Para a orientação na elaboração do Inventário Florestal nas áreas em que haverá supressão de vegetação, por conseqüência da implantação da rodovia federal BR- 135/BA, entre os Km 207,0

Leia mais

LEVANTAMENTO DAS ÁRVORES LENHOSAS NA RESERVA DO CEAGRO NO MUNICÍPIO DE CONCEIÇÃO DO ARAGUAIA

LEVANTAMENTO DAS ÁRVORES LENHOSAS NA RESERVA DO CEAGRO NO MUNICÍPIO DE CONCEIÇÃO DO ARAGUAIA III Congresso Brasileiro Gestão Ambiental LEVANTAMENTO DAS ÁRVORES LENHOSAS NA RESERVA DO CEAGRO NO MUNICÍPIO DE CONCEIÇÃO DO ARAGUAIA Kacieny Sousa Oliveira Intituto Feral do Pará Campos Conceição do

Leia mais

EMENDA AO PLDO/2003 - PL Nº 009/2002-CN ANEXO DE METAS E PRIORIDADES

EMENDA AO PLDO/2003 - PL Nº 009/2002-CN ANEXO DE METAS E PRIORIDADES Emenda Nº: 656 0468 CIENCIA E TECNOLOGIA PARA A GESTÃO DE ECOSSISTEMAS 4134 DESENVOLVIMENTO DE PESQUISAS SOBRE FRAGMENTAÇÃO NA MATA ATLANTICA PESQUISAS REALIZADAS 20 Para conservar biodiversidade precisamos,

Leia mais

Capítulo 7 Medidas de dispersão

Capítulo 7 Medidas de dispersão Capítulo 7 Medidas de dispersão Introdução Para a compreensão deste capítulo, é necessário que você tenha entendido os conceitos apresentados nos capítulos 4 (ponto médio, classes e frequência) e 6 (média).

Leia mais

RELATÓRIO DE PLANTIO E VISTORIA

RELATÓRIO DE PLANTIO E VISTORIA Propriedade: Parque Ecológico Rio Formoso Código: 03/2011 Número de mudas plantadas: 150 (Cento e cinquenta) Data do plantio: 22/03/ 2011 Data da vistoria 01: 15/05/ 2011 Patrocinadores: Agência Ar - Hotel

Leia mais

Protocolo de Instalação de Parcelas Terrestres

Protocolo de Instalação de Parcelas Terrestres MATERIAL NECESSÁRIO GPS Clinômetro Barbante plástico Vara para suporte do clinômetro e vara alvo (Figura 1) Cano para apoiar bússola Jogo de marcador alfa-numérico Trena de 10 metros Tubos de PVC ½ marrom

Leia mais

ÍNDICE. Fotos: Greenpeace Designer Gráfico: Carol Patitucci

ÍNDICE. Fotos: Greenpeace Designer Gráfico: Carol Patitucci FSC - SECR - 0030 ÍNDICE 3 4 6 8 9 10 11 12 13 14 15 Sua empresa vai ficar fora do mercado O que é manejo florestal Resumo das Etapas do Manejo Florestal O que é Certificação Florestal Como funciona O

Leia mais

Floresta Estadual do Antimary FEA Secretaria de Floresta

Floresta Estadual do Antimary FEA Secretaria de Floresta Floresta Estadual do Antimary FEA Secretaria de Floresta Desenvolvimento Florestal Sustentável na Amazônia Brasileira Projeto PD 94/90 - ITTO Ministério do Meio Ambiente Floresta Estadual do Antimary FEA

Leia mais

www.florestalsantamaria.com.br Resumo Público do Plano de Manejo Florestal

www.florestalsantamaria.com.br Resumo Público do Plano de Manejo Florestal www.florestalsantamaria.com.br Resumo Público do Plano de Manejo Florestal Agosto 2012 Sumário 1. DADOS TÉCNICOS... 4 1.1 DADOS TÉCNICOS DA PROPRIEDADE... 4 1.2 DADOS TÉCNICOS DO PMFS... 4 2. HISTÓRICO...

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS ESTRUTURAS DE UMA ÁREA DE MANEJO FLORESTAL SUSTENTÁVEL

AVALIAÇÃO DAS ESTRUTURAS DE UMA ÁREA DE MANEJO FLORESTAL SUSTENTÁVEL AVALIAÇÃO DAS ESTRUTURAS DE UMA ÁREA DE MANEJO FLORESTAL SUSTENTÁVEL Josinara Galdino Garcia 1, Daiani Oliveira Caires, Jéssica de Araújo Campos¹, Pricylla Jorge Lucena¹, Marlon Costa de Menezes 2 ¹Discentes

Leia mais

CONTRATAÇÃO DE INSTRUTORES NA ÁREA AMBIENTAL PARA SERVIÇOS DE CONSULTORIA.

CONTRATAÇÃO DE INSTRUTORES NA ÁREA AMBIENTAL PARA SERVIÇOS DE CONSULTORIA. CONTRATAÇÃO DE INSTRUTORES NA ÁREA AMBIENTAL PARA SERVIÇOS DE CONSULTORIA. 1. OBJETIVO Contratação de profissionais com formação nas áreas de ciências biológicas, florestais, agronômicas, econômicas e

Leia mais

Política Ambiental das Empresas Eletrobras

Política Ambiental das Empresas Eletrobras Política Ambiental das Empresas Eletrobras Versão 2.0 16/05/2013 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Princípios... 3 3 Diretrizes... 3 3.1 Diretrizes Gerais... 3 3.1.1 Articulação Interna... 3 3.1.2 Articulação

Leia mais

SEMIPRESENCIAL DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA MATERIAL COMPLEMENTAR UNIDADE I PROFESSOR: EDUARDO PACHECO

SEMIPRESENCIAL DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA MATERIAL COMPLEMENTAR UNIDADE I PROFESSOR: EDUARDO PACHECO SEMIPRESENCIAL DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA MATERIAL COMPLEMENTAR UNIDADE I PROFESSOR: EDUARDO PACHECO 2 - Marco político, normativo e de contexto nacional 2.1 - Marco político atual para

Leia mais

Roteiro para apresentação de documentos administrativos de Planos de Manejo Florestal Sustentável - PMFS

Roteiro para apresentação de documentos administrativos de Planos de Manejo Florestal Sustentável - PMFS Roteiro para apresentação de documentos administrativos de Planos de Manejo Florestal Sustentável - PMFS I t e m Nº. D o c u m e n t o s E x i g i d o s O b s e r v a ç õ e s OK 01 Requerimento padrão

Leia mais

EXPLORAÇÃO FLORESTAL E A PRESERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE Paulo Kageyama. DCBio. SBF. MMA

EXPLORAÇÃO FLORESTAL E A PRESERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE Paulo Kageyama. DCBio. SBF. MMA EXPLORAÇÃO FLORESTAL E A PRESERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE Paulo Kageyama. DCBio. SBF. MMA INTRODUÇÃO BRASIL É O CAMPEÃO DE BIODIVERSIDADE - E DAÍ? MANEJO DA FLORESTA: MADEIRA E NÃO MADEIRA PLANTAÇÕES FLORESTAIS:

Leia mais

Num cilindro as bases são círculos. O perímetro do círculo é igual ao comprimento da circunferência que limita o círculo.

Num cilindro as bases são círculos. O perímetro do círculo é igual ao comprimento da circunferência que limita o círculo. 1. Círculos e cilindros 1.1. Planificação da superfície de um cilindro Num cilindro as bases são círculos. O perímetro do círculo é igual ao comprimento da circunferência que limita o círculo. A planificação

Leia mais

VARIABILIDADE ESPACIAL DE ATRIBUTOS FÍSICOS EM SOLOS SOB PLANTIO DIRETO. Bolsista PBIC/UEG, graduando do Curso de Engenharia Agrícola, UnU Cet - UEG.

VARIABILIDADE ESPACIAL DE ATRIBUTOS FÍSICOS EM SOLOS SOB PLANTIO DIRETO. Bolsista PBIC/UEG, graduando do Curso de Engenharia Agrícola, UnU Cet - UEG. VARIABILIDADE ESPACIAL DE ATRIBUTOS FÍSICOS EM SOLOS SOB PLANTIO DIRETO Ródney Ferreira Couto 1 ; Cássio Rodrigues Moreira 1 ; Elton Fialho dos Reis 2 1 Bolsista PBIC/UEG, graduando do Curso de Engenharia

Leia mais

1.1. Fonte: Elaborado por STCP Engenharia de Projetos Ltda., 2011.

1.1. Fonte: Elaborado por STCP Engenharia de Projetos Ltda., 2011. 1 - APRESENTAÇÃO A Área de Proteção Ambiental (APA) Serra Dona Francisca, localizada no município de Joinville/SC, com área mapeada de 40.177,71 ha, foi criada através do Decreto n 8.055 de 15 de março

Leia mais

Programa Mato-grossense de Municípios Sustentáveis Registro de Experiências municipais 1

Programa Mato-grossense de Municípios Sustentáveis Registro de Experiências municipais 1 Programa Mato-grossense de Municípios Sustentáveis Registro de Experiências municipais 1 Conceito de Tecnologia Social aplicada a Municípios Sustentáveis: "Compreende técnicas, metodologias e experiências

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL Conteúdo Programático 1) Gestão Ambiental e Desenvolvimento Sustentável: Conceitos Básicos (12 h) - Principais questões ambientais no Brasil e no mundo. - Conceitos

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 22 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 22-07/07/2006 1 Ementa Processos de desenvolvimento de software Estratégias e técnicas de teste de software Métricas para software

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO ACRE - SEMA / IMAC DESMATAMENTO NO ACRE AVANÇOS E DIFICULDADES NO CONTROLE

GOVERNO DO ESTADO DO ACRE - SEMA / IMAC DESMATAMENTO NO ACRE AVANÇOS E DIFICULDADES NO CONTROLE DESMATAMENTO NO ACRE AVANÇOS E DIFICULDADES NO CONTROLE V SEMINÁRIO TÉCNICO CIENTÍFICO DE ANÁLISE DE DADOS REFERENTES AO DESMATAMENTO NA AMAZÔNIA LEGAL 15/08/07 ROTEIRO I. DESMATAMENTO NO ACRE E NA AMAZÔNIA

Leia mais

A necessidade do profissional em projetos de recuperação de áreas degradadas

A necessidade do profissional em projetos de recuperação de áreas degradadas A necessidade do profissional em projetos de recuperação de áreas degradadas Moacyr Bernardino Dias-Filho Engenheiro Agrônomo, pesquisador da Embrapa Amazônia Oriental, Belém, PA www.diasfilho.com.br Conceito

Leia mais

Manejo Florestal Sustentável e Exploração de Impacto Reduzido na Amazônia Brasileira

Manejo Florestal Sustentável e Exploração de Impacto Reduzido na Amazônia Brasileira Manejo Florestal Sustentável e Exploração de Impacto Reduzido na Amazônia Brasileira 1 A Amazônia 2 A Amazônia possui a maior floresta do mundo, o maior sistema fluvial da Terra e uma estonteante diversidade

Leia mais

Custos e Benefícios Financeiros da Exploração Florestal de Impacto Reduzido em Comparação à Exploração Florestal Convencional na Amazônia Oriental

Custos e Benefícios Financeiros da Exploração Florestal de Impacto Reduzido em Comparação à Exploração Florestal Convencional na Amazônia Oriental Thomas P. Holmes, Geoffrey M. Blate, Johan C. Zweede, Rodrigo Pereira Junior, Paulo Barreto, Frederick Boltz Custos e Benefícios Financeiros da Exploração Florestal de Impacto Reduzido em Comparação à

Leia mais

Anais do Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto - GEONORDESTE 2014 Aracaju, Brasil, 18-21 novembro 2014

Anais do Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto - GEONORDESTE 2014 Aracaju, Brasil, 18-21 novembro 2014 O USO DO GEOPROCESSAMENTO COMO APOIO AO DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DA BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO BOM RETIRO, JAÚ SP Fábio César Martins 1, Rafael Aleixo Braga 2, José Carlos Toledo Veniziani Junior 3 1 Tecnólogo

Leia mais

Glossário das Camadas do SISTEMA CADEF

Glossário das Camadas do SISTEMA CADEF Glossário das Camadas do SISTEMA CADEF Imagem dos Corredores Ecológicos: Exibe a imagem de satélite baixa resolução de SPOT-5, adquirida em 2005. Esta imagem está como padrão defaut ao iniciar o sistema,

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA - INPA PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DE FLORESTAS TROPICAIS

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA - INPA PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DE FLORESTAS TROPICAIS 1 INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA - INPA PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DE FLORESTAS TROPICAIS IMPACTO DO MANEJO FLORESTAL COMUNITÁRIO NO ESTOQUE DE CARBONO DA VEGETAÇÃO DA RESERVA DE

Leia mais

MONITORAMENTO AMBIENTAL E O MONITORAMENTO DA AMBIÊNCIA

MONITORAMENTO AMBIENTAL E O MONITORAMENTO DA AMBIÊNCIA Universidade Federal do Ceará Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Agrícola Programa de Pós-Graduação em Engenharia Agrícola MONITORAMENTO AMBIENTAL E O MONITORAMENTO DA AMBIÊNCIA Mariana

Leia mais

RESUMO DO PLANO DE MANEJO FLORESTAL

RESUMO DO PLANO DE MANEJO FLORESTAL RESUMO DO PLANO DE MANEJO FLORESTAL Introdução Este documento é um resumo dos programas e procedimentos da International Paper para a gestão do seu processo florestal, sendo revisado anualmente. I N T

Leia mais