UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIASFLORESTAIS VIII SIMPÓSIO DE TÉCNICAS DE PLANTIO E MANEJO DE EUCALIPTO PARA USOS MÚLTIPLOS INVENTÁRIO FLORESTAL MINICURSO ANDRÉA BITTENCOURT MOREIRA EIMI ARIKAWA TITO NUNES DE CASTRO PIRACICABA SP AGOSTO 2014

2 INVENTÁRIO FLORESTAL Objetivo Quantificar o volume ou biomassa de madeira existente em uma determinada d ÁREA com adequada d PRECISÃO e a CUSTOS compatíveis

3 CONCEITOS CENSO X AMOSTRAGEM Medição de todos os indivíduos de uma população Sem erro amostral Medição de uma amostra representativa de uma população (parcelas) Sujeito ao erro amostral Amostra Porção da população que é estudada permitindo que se façam inferências sobre a população como um todo Unidade de amostra = parcela ou área que se medem as feições

4 AMOSTRAGEM SIMPLES AO ACASO

5 AMOSTRAGEM SISTEMÁTICA

6 AMOSTRAGEM ESTRATIFICADA ALEATÓRIA EXTRATO A EXTRATO B EXTRATO C EXTRATO D

7 PARCELAS Unidade amostral mais utilizada em levantamentos florestais Forma e tamanho variam em função do tipo de floresta - levantamentos visando estimar o volume/biomassa de madeira utilizam um grande número de pequenas parcelas. Florestas plantadas: se usa parcelas de 400 a 600 m² Formato: Retangular ou Circular

8

9

10 Como alocar corretamente as parcelas? 2m 3m

11 6 m 4 m a) Locação incorreta de parcelas 2m 3 m 9 m 6 m b) Locação correta de parcelas 2 m 3 m

12 O QUE MEDIR? DAP (diâmetro à altura do peito): 1,30 m de altura Fita métrica: medição da circunferência (CAP) Fita dendrométrica: a medida já representa o diâmetro Suta: grande paquímetro

13

14 O QUE MEDIR? Altura

15 Hipsômetros: instrumentos de medição de altura de árvores BLUME LEISS HAGA SUUNTO VERTEX PRANCHETA DENDROMÉTRICA

16 Prancheta Dendrométrica

17

18 PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO DA PRANCHETA DENDROMÉTRICA Triângulos semelhantes ABC e A B C B C = l 1 Visada de topo Altura de topo (h1) hp = Altura da prancheta

19 PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO DA PRANCHETA DENDROMÉTRICA Visada de Base Altura Total (h)=

20 EXEMPLO 10 m

21

22 Efeito da declividade na medição de altura

23

24 VOLUME

25 Determinação do volume da árvore Forma dos fustes : Cone Parabolóide Neilóide Cilindro

26 Fatores que influenciam a forma: Espécie Idade Espaçamento Qualidade do local

27 Determinação do volume do fuste Xilômetro Cubagem rigorosa

28 Cubagem rigorosa Sucessivas medições de diâmetro ao longo do fuste da árvore para a determinação do volume de cada secção

29 Cubagem rigorosa Fórmulas de determinação de volume de cada secção: Smalian Newton Huber

30 Como e com o que medir?

31 Suta Trena Hipsômetro (prancheta dendrométrica)

32 V V V V V V V d0 d1 d2 d3 d4 d5 d6 d7 V1 = (g0 + g1)/2 x L g = (π d²)/4

33 Exemplo: d0 = 40 e d1 = 35 g0 = (40²x π)/4 = 1256,64 cm² = 0, m² g1 = 0, m² V1 = (g0 + g1)/ 2 x L = 0, / 2 x 1 = 0, m²

34 V1 + V2 + V3 + V4 + V5 + V6 + V7 = VOLUME DA ÁRVORE

35 Volume de um pequeno conjunto de árvores Como calcular l o volume das outras árvores??? ESTIMAÇÃO

36 Estimação do volume das árvores Fator de forma Modelos volumétricos Volume de Pinus elliottii var. elliotti SP VS (m³) = (DAP²H) DAP e H em metros Volume de Eucalyptus grandis SP VS (m³) = exp [ ln(dap²h)] DAP em cm e H em m

37 Fator de forma

38

39 f = V real / V cilíndrico i -> fator de forma Volume cilíndrico = área da base x altura V real = V cilíndrico x f Fator de forma da população: Médias dos fatores de formas calculados

40

41

42 OBRIGADO Andréa Eimii i il Tito

43 Bibliografia Machado, S. A. M e Figueiredo, i A. Dendrometria. Editora Unicentro, p. Soares, C. P. B. et al. Dendrometria e Inventário Florestal. Editora UFV, p. Silva, J. A. A. e Paula Neto, F. Princípios básicos de dendrometria. UFPE, p. Do Couto, H. T. Z. et al. Mensuração e Gerenciamento de pequenas florestas. Documentos florestais, n 5, p.

AT073 INTRODUÇÃO EIM

AT073 INTRODUÇÃO EIM Engenharia Industrial Madeireira AT073 INTRODUÇÃO EIM MEDIÇÃO DA MADEIRA Prof. Dr. Umberto Klock Objetivo: Os acadêmicos de EIM devem estar aptos a determinar o volume de troncos, pilhas de lenha, de árvores

Leia mais

O SOFTWARE SPP Eucalyptus

O SOFTWARE SPP Eucalyptus Rua Raul Soares, 133/201 - Centro - Lavras MG CEP 37200-000 Fone/Fax: 35 3821 6590 O SOFTWARE SPP Eucalyptus 1/7/2008 Inventar GMB Consultoria Ltda Ivonise Silva Andrade INTRODUÇÃO Um dos grandes problemas

Leia mais

QUANTIFICAÇÃO DE BIOMASSA FLORESTAL DE PINUS ELLIOTTII COM SEIS ANOS DE IDADE, EM AUGUSTO PESTANA/RS 1

QUANTIFICAÇÃO DE BIOMASSA FLORESTAL DE PINUS ELLIOTTII COM SEIS ANOS DE IDADE, EM AUGUSTO PESTANA/RS 1 QUANTIFICAÇÃO DE BIOMASSA FLORESTAL DE PINUS ELLIOTTII COM SEIS ANOS DE IDADE, EM AUGUSTO PESTANA/RS 1 Jéssica Smaniotto 2, Osorio Antônio Lucchese 3, Cleusa Adriane Menegassi Bianchi 4, Rafael Pettenon

Leia mais

RESUMO. João Luiz Dal Ponte Filho Orientadores: Prof. Ms. Jozébio Esteves Gomes Prof. Dr. José Luiz Stape Eng. Florestal Rildo Moreira e Moreira

RESUMO. João Luiz Dal Ponte Filho Orientadores: Prof. Ms. Jozébio Esteves Gomes Prof. Dr. José Luiz Stape Eng. Florestal Rildo Moreira e Moreira REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE ENGENHARIA FLORESTAL - ISSN 1678-3867 PUBLICAÇÃO CI ENTÍFICA DA FACULDADE DE AGRONOMIA E ENGENHARIA FLORESTAL DE GARÇA/FAEF ANO IV, NÚMERO, 08, AGOSTO DE 2006. PERIODICIDADE:

Leia mais

INVENTÁRIO FLORESTAL (Floresta Plantada) Propriedade: Fazenda Alto Limoeiro 4 Timóteo - MG

INVENTÁRIO FLORESTAL (Floresta Plantada) Propriedade: Fazenda Alto Limoeiro 4 Timóteo - MG INVENTÁRIO FLORESTAL (Floresta Plantada) Propriedade: Fazenda Alto Limoeiro 4 Timóteo - MG Julho / 2008 INVENTÁRIO FLORESTAL 1 ) INFORMAÇÕES GERAIS 1.1 IDENTIFICAÇÃO DA PROPRIEDADE Denominação: Fazenda

Leia mais

INVENTÁRIO FLORESTAL E RECOMENDAÇÕES DE MANEJO PARA A FLORESTA ESTADUAL DE ASSIS INSTITUTO FLORESTAL, SP. GAROSI, Vagner Aparecido

INVENTÁRIO FLORESTAL E RECOMENDAÇÕES DE MANEJO PARA A FLORESTA ESTADUAL DE ASSIS INSTITUTO FLORESTAL, SP. GAROSI, Vagner Aparecido INVENTÁRIO FLORESTAL E RECOMENDAÇÕES DE MANEJO PARA A FLORESTA ESTADUAL DE ASSIS INSTITUTO FLORESTAL, SP GAROSI, Vagner Aparecido Engenheiro Florestal- FAEF Faculdade de Agronomia e Engenharia Florestal

Leia mais

Diretor-Geral do Serviço Florestal Brasileiro Antônio Carlos Hummel

Diretor-Geral do Serviço Florestal Brasileiro Antônio Carlos Hummel Diretor-Geral do Serviço Florestal Brasileiro Antônio Carlos Hummel Conselho Diretor do Serviço Florestal Brasileiro Antônio Carlos Hummel Cláudia de Barros e Azevedo Ramos Joberto Veloso de Freitas Marcus

Leia mais

UM MÉTODO PARA A REALIZAÇÃO DO INVENTÁRIO FLORESTAL SUPRIMINDO A CUBAGEM RIGOROSA CHRISTIAN DIAS CABACINHA

UM MÉTODO PARA A REALIZAÇÃO DO INVENTÁRIO FLORESTAL SUPRIMINDO A CUBAGEM RIGOROSA CHRISTIAN DIAS CABACINHA UM MÉTODO PARA A REALIZAÇÃO DO INVENTÁRIO FLORESTAL SUPRIMINDO A CUBAGEM RIGOROSA CHRISTIAN DIAS CABACINHA 003 CHRISTIAN DIAS CABACINHA UM MÉTODO PARA A REALIZAÇÃO DO INVENTÁRIO FLORESTAL SUPRIMINDO A

Leia mais

INVENTÁRIO FLORESTAL EM FLORESTA DE EUCALIPTO EM POMPEIA - SP

INVENTÁRIO FLORESTAL EM FLORESTA DE EUCALIPTO EM POMPEIA - SP FACULDADE DE TECNOLOGIA DE POMPEIA CURSO TECNOLOGIA EM MECANIZAÇÃO EM AGRICULTURA DE PRECISÃO Patrícia de Jesus Dutra Robson de Aguiar INVENTÁRIO FLORESTAL EM FLORESTA DE EUCALIPTO EM POMPEIA - SP Pompeia

Leia mais

Inventário Florestal Nacional IFN-BR

Inventário Florestal Nacional IFN-BR Seminário de Informação em Biodiversidade no Âmbito do MMA Inventário Florestal Nacional IFN-BR Dr. Joberto Veloso de Freitas SERVIÇO FLORESTAL BRASILEIRO Gerente Executivo Informações Florestais Brasília,

Leia mais

Biometria Roberval Monteiro Bezerra de Lima (roberval.lima@embrapa.br) Sumaia Vasconcelos (sumaia.vasconcelos@inpa.gov.br)

Biometria Roberval Monteiro Bezerra de Lima (roberval.lima@embrapa.br) Sumaia Vasconcelos (sumaia.vasconcelos@inpa.gov.br) PÓS GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DE FLORESTAS TROPICAIS-PG-CFT INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA-INPA Biometria Roberval Monteiro Bezerra de Lima (roberval.lima@embrapa.br) Sumaia Vasconcelos (sumaia.vasconcelos@inpa.gov.br)

Leia mais

Termo de Referência para Elaboração do Plano de Manejo Florestal Sustentável

Termo de Referência para Elaboração do Plano de Manejo Florestal Sustentável Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos Termo de Referência para Elaboração do Plano Avenida Nascimento de Castro, 2127 Lagoa Nova Natal RN

Leia mais

Avaliação de Danos Utilizando Técnica de Estatística Multivariada na Floresta

Avaliação de Danos Utilizando Técnica de Estatística Multivariada na Floresta Avaliação de Danos Utilizando Técnica de Estatística Multivariada na Floresta RESUMO Estadual do Antimary Cristiano Corrêa da Silva 1 Altemir da Silva Braga 2 A Avaliação de Danos deve ser parte integrante

Leia mais

Treinamento em Cálculos Florestais Diversos Por Meio do Software FlorExcel

Treinamento em Cálculos Florestais Diversos Por Meio do Software FlorExcel Treinamento em Cálculos Florestais Diversos Por Meio do Software FlorExcel Julio Eduardo Arce Professor Adjunto do Departamento de Ciências Florestais Universidade Federal do Paraná Av. Pref. Lothário

Leia mais

Modelos Hipsométricos Para Genipa americana L. Em Plantio Homogêneo No Estado Da Bahia

Modelos Hipsométricos Para Genipa americana L. Em Plantio Homogêneo No Estado Da Bahia Modelos Hipsométricos Para Genipa americana L. Em Plantio Homogêneo No Estado Da Bahia Celsiane Manfredi (1) ; Thaiana Ferreira Alves (2) ; Patrícia Anjos Bittencourt Barreto (3) (1) Engenheira Florestal,

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE MÉTODOS ESTATÍSTICOS EM INVENTÁRIO FLORESTAL

UTILIZAÇÃO DE MÉTODOS ESTATÍSTICOS EM INVENTÁRIO FLORESTAL UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA "LUIZ DE QUEIROZ" DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS UTILIZAÇÃO DE MÉTODOS ESTATÍSTICOS EM INVENTÁRIO FLORESTAL Seminário apresentado à disciplina

Leia mais

PROPOSIÇÃO DE UM SISTEMA DE INVENTÁRIO FLORESTAL CONTÍNUO MEDIANTE COMPARAÇÃO COM SISTEMA UTILIZADO EM PLANTIOS DE

PROPOSIÇÃO DE UM SISTEMA DE INVENTÁRIO FLORESTAL CONTÍNUO MEDIANTE COMPARAÇÃO COM SISTEMA UTILIZADO EM PLANTIOS DE 0 ALOIS ZATOR FILHO PROPOSIÇÃO DE UM SISTEMA DE INVENTÁRIO FLORESTAL CONTÍNUO MEDIANTE COMPARAÇÃO COM SISTEMA UTILIZADO EM PLANTIOS DE Pinus taeda NO PLANALTO NORTE CATARINENSE Dissertação apresentada

Leia mais

COMPARAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DE MODELO HIPSOMÉTRICO COM O CENSO DAS ALTURAS OBTIDAS COM HIPSOMETROS.

COMPARAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DE MODELO HIPSOMÉTRICO COM O CENSO DAS ALTURAS OBTIDAS COM HIPSOMETROS. REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE ENGENHARIA FLORESTAL - ISSN 1678-3867 PERIODICIDADE SEMESTRAL EDIÇÃO NÚMERO 11 FEVEREIRO DE 2008 ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA ACEG FACULDADE DE AGRONOMIA

Leia mais

XV COBREAP - CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS - IBAPE/SP 2009

XV COBREAP - CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS - IBAPE/SP 2009 XV COBREAP - CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS - IBAPE/SP 2009 ANÁLISE COMPARATIVA NA AVALIAÇÃO DE FLORESTA PLANTADA DE PINUS PELO MÉTODO DO VALOR ECONÔMICO, UTILIZANDO COMO PARÂMETROS

Leia mais

TOR (TERMO DE REFERÊNCIA)

TOR (TERMO DE REFERÊNCIA) TOR (TERMO DE REFERÊNCIA) 1. Objetivo Coleta de dados para o sistema de inventário florestal contínuo (IFC) do Projeto Dinâmica do carbono da floresta amazônica - CADAF nos municípios de Atalaia do Norte

Leia mais

RESUMO SUMMARY 1. INTRODUÇÃO

RESUMO SUMMARY 1. INTRODUÇÃO COMPARAÇÃO DA PRECISÃO DE MODELOS HIPSOMÉTRICOS AJUSTADOS COM DADOS OBTIDOS POR MEIO DO USO DE PRANCHETA DENDROMÉTRICA E FITA MÉTRICA EM POVOAMENTOS FLORESTAIS DO GÊNERO EUCALYPTUS NA REGIÃO DO OESTE DO

Leia mais

Avaliação Quantitativa de Biomassa Florestal Queimada

Avaliação Quantitativa de Biomassa Florestal Queimada A Multifuncionalidade da Floresta através da Exploração dos Recursos Florestais, Silvopastorícia, Lazer e Turismo Avaliação Quantitativa de Biomassa Florestal Queimada L o u s ã 1 0 A b r i l 2 0 0 8 Medida

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE FRAGMENTOS FLORESTAIS EM PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS NA REGIÃO CENTRO-SUL DO PARANÁ RESULTADOS PARCIAIS.

CARACTERIZAÇÃO DE FRAGMENTOS FLORESTAIS EM PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS NA REGIÃO CENTRO-SUL DO PARANÁ RESULTADOS PARCIAIS. CARACTERIZAÇÃO DE FRAGMENTOS FLORESTAIS EM PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS NA REGIÃO CENTRO-SUL DO PARANÁ RESULTADOS PARCIAIS. Regiane Aparecida Ferreira (USF-UNICENTRO), Lúcio de Paula Amaral (Fundação Araucária/Mestrado

Leia mais

Manual para Análise de Inventário Florestal e Equação de Volume em Projetos de Manejo Florestal Sustentável - PMFS

Manual para Análise de Inventário Florestal e Equação de Volume em Projetos de Manejo Florestal Sustentável - PMFS GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE DIRETORIA DE GESTÃO FLORESTAL Manual para Análise de Inventário Florestal e Equação de Volume em Projetos de Manejo Florestal Sustentável

Leia mais

1.2.1.Nome: Narcizo Lievore 1.2.2.Endereço: Rua 143, nº. 167, Bairro Eldorado, Timóteo-MG. CEP: 35.181-210.

1.2.1.Nome: Narcizo Lievore 1.2.2.Endereço: Rua 143, nº. 167, Bairro Eldorado, Timóteo-MG. CEP: 35.181-210. ANÁLISE QUANTITATIVA DA VEGETAÇÃO ARBÓREA DE UM REMANESCENTE DE FLORESTA ESTACIONAL SEMIDECÍDUA NA FAZENDA ARATACA TIMÓTEO/MG 1 - Informações Gerais 1.1 - Identificação da Propriedade 1.1.1 Denominação:

Leia mais

Ricardo Viani LASPEF - UFSCar/Araras. Foto: Ricardo Viani - APP em restauração Conservador das Águas, Extrema-MG

Ricardo Viani LASPEF - UFSCar/Araras. Foto: Ricardo Viani - APP em restauração Conservador das Águas, Extrema-MG Ricardo Viani LASPEF - UFSCar/Araras Foto: Ricardo Viani - APP em restauração Conservador das Águas, Extrema-MG OBJETIVOS: Conceitos e definições gerais; Principais indicadores para monitoramento; Amostragem

Leia mais

Metodologia para Cálculo de Estoque de Carbono

Metodologia para Cálculo de Estoque de Carbono MIDIAGEO TECNOLOGIA LTDA Metodologia para Cálculo de Estoque de Carbono Projeto Xingu Mata Viva Movimento Brasil Mata Viva 27/1/2010 I. INFORMAÇÕES GERAIS LOCALIZAÇÃO DO PROJETO: País: Brasil Cidade: O

Leia mais

MODELAGEM HIPSOMÉTRICA EM POVOAMENTO CLONAL DE Eucalyptus urophylla x Eucalyptus grandis NO DISTRITO FEDERAL

MODELAGEM HIPSOMÉTRICA EM POVOAMENTO CLONAL DE Eucalyptus urophylla x Eucalyptus grandis NO DISTRITO FEDERAL MODELAGEM HIPSOMÉTRICA EM POVOAMENTO CLONAL DE Eucalyptus urophylla x Eucalyptus grandis NO DISTRITO FEDERAL Caroline Maiara de Jesus¹; Eder Pereira Miguel²; Gileno Brito de Azevedo³; Glauce Taís de Oliveira

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DENDROMÉTRICA NOS LEVANTAMENTOS FITOSSOCIOLÓGICOS

CONTRIBUIÇÃO DENDROMÉTRICA NOS LEVANTAMENTOS FITOSSOCIOLÓGICOS UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA FLORESTAL CONTRIBUIÇÃO DENDROMÉTRICA NOS LEVANTAMENTOS FITOSSOCIOLÓGICOS José Imaña-Encinas Alba Valeria Rezende Christian Rainier

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA FLORESTAL HASSAN CAMIL DAVID

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA FLORESTAL HASSAN CAMIL DAVID UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA FLORESTAL HASSAN CAMIL DAVID MÉTODOS DE MEDIÇÃO DE ALTURA DE ÁRVORES EM UMA FLORESTA NATIVA DO SUL DO ESPÍRITO

Leia mais

A importância da gestão para o pequeno e médio produtor florestal

A importância da gestão para o pequeno e médio produtor florestal A importância da gestão para o pequeno e médio produtor florestal Richard Respondovesk ESALQ - 20/08/2014 Tópicos A Empresa Áreas de atuação Cadeia produtiva florestal Planejamento e mercado Uso de tecnologias

Leia mais

Material e Métodos. Schumacher e Hall linearizado Schumacher e Hallnão-linear

Material e Métodos. Schumacher e Hall linearizado Schumacher e Hallnão-linear DIFERENTES MÉTODOS DE AJUSTE DO MODELO VOLUMÉTRICO DE SCHUMACHER E HALL SintiaValerio Kohler 1, Fabiane Aparecida de Souza Retslaff 2, Rômulo Môra 3, Afonso Figueiredo Filho 4, Neumar Irineu Wolff II 5

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NA ACAF EM BOA VISTA DO RAMOS - AM

RELATÓRIO DE ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NA ACAF EM BOA VISTA DO RAMOS - AM RELATÓRIO DE ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NA ACAF EM BOA VISTA DO RAMOS - AM PROJETO FLORESTA VIVA / EAFM / GRET. Período: 05 a 12 de JULHO de 2008 Bolsista: M. Sc. Carlos Matheus Silva Paixão 1. Introdução

Leia mais

VARIAÇÃO DA VIABILIDADE ECONOMICA FLORESTAL CONFORME O CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO

VARIAÇÃO DA VIABILIDADE ECONOMICA FLORESTAL CONFORME O CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO VARIAÇÃO DA VIABILIDADE ECONOMICA FLORESTAL CONFORME O CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO William Tomaz Folmann¹, Maria Laura Quevedo Fernandez² e Gabriel de Magalhães Miranda³. ¹ Doutorando em Economia e Política

Leia mais

Manual para Medição e Marcação de Árvores em grades e módulos RAPELD do PPBio

Manual para Medição e Marcação de Árvores em grades e módulos RAPELD do PPBio Texto: Carolina Castilho, Juliana Schietti, Maria Aparecida de Freitas, Maria Carmozina de Araújo, Fernanda Coelho, William Magnusson e Flávia Costa Por que monitorar árvores? Árvores são os elementos

Leia mais

INVENTÁRIO DE RESÍDUOS FLORESTAIS

INVENTÁRIO DE RESÍDUOS FLORESTAIS INVENTÁRIO DE RESÍDUOS FLORESTAIS Hilton Thadeu Z. do Couto * José Otávio Brito * 1. INTRODUÇÃO Os altos preços e a instabilidade de fornecimento de energia proveniente de fontes tradicionais aumentaram

Leia mais

Aumento da produtividade da segunda rotação de eucalipto em função do método de desbrota

Aumento da produtividade da segunda rotação de eucalipto em função do método de desbrota S ÉRIE TÉCNICA IPEF v. 11, n. 0, p. 5-1, mai., 1997 Aumento da produtividade da segunda rotação de eucalipto em função do método de desbrota Hélder Bolognani Andrade; Vanderlei Benedetti José Carlos Madaschi;

Leia mais

TOR (TERMO DE REFERÊNCIA)

TOR (TERMO DE REFERÊNCIA) TOR (TERMO DE REFERÊNCIA) 1. Objetivo Coleta de dados para o sistema de inventário florestal contínuo (IFC) do Projeto Dinâmica do Carbono da Floresta Amazônica - CADAF nos seguintes sítios: Resex Lago

Leia mais

INVENTÁRIO DE RECURSOS FLORESTAIS Conceitos básicos

INVENTÁRIO DE RECURSOS FLORESTAIS Conceitos básicos INVENTÁRIO DE RECURSOS FLORESTAIS Conceitos básicos Introdução Introdução Silvicultura (Forestry) Silvicultura é a ciência, a arte, o negócio, a prática, de conservar e gerir florestas e áreas florestais

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS. Parcela permanente (quando houver), tamanho e localização.

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS. Parcela permanente (quando houver), tamanho e localização. TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE PLANO OPERACIONAL DE EXPLORAÇÃO - POE CATEGORIA: MENOR E MAIOR IMPACTO DE EXPLORAÇÃO 1. Informações Gerais 1.1 Identificação Processo Administrativo; Número do Processo;

Leia mais

EQUAÇÕES PARA ESTIMAR A QUANTIDADE DE CARBONO NA PARTE AÉREA DE ÁRVORES DE EUCALIPTO EM VIÇOSA, MINAS GERAIS 1

EQUAÇÕES PARA ESTIMAR A QUANTIDADE DE CARBONO NA PARTE AÉREA DE ÁRVORES DE EUCALIPTO EM VIÇOSA, MINAS GERAIS 1 533 EQUAÇÕES PARA ESTIMAR A QUANTIDADE DE CARBONO NA PARTE AÉREA DE ÁRVORES DE EUCALIPTO EM VIÇOSA, MINAS GERAIS 1 Carlos Pedro Boechat Soares 2 e Marcio Leles Romarco de Oliveira 3 RESUMO - Este trabalho

Leia mais

CIRCULAR TÉCNICA N o 13 PROGRAMA DE MELHORAMENTO FLORESTAL DA C.A.F.M.A. *

CIRCULAR TÉCNICA N o 13 PROGRAMA DE MELHORAMENTO FLORESTAL DA C.A.F.M.A. * CIRCULAR TÉCNICA N o 13 PBP/2.A3 (Arquivar nesta pasta) PROGRAMA DE MELHORAMENTO FLORESTAL DA C.A.F.M.A. * 1 INTRODUÇÃO Iniciando os seus plantios em 1958, na região de Agudos (SP), a Companhia Agro Florestal

Leia mais

CÍRCULO, CIRCUNFERÊNCIA E OUTROS BICHOS. Reconhecer a figura de uma circunferência e seus elementos em diversos objetos de formato circular.

CÍRCULO, CIRCUNFERÊNCIA E OUTROS BICHOS. Reconhecer a figura de uma circunferência e seus elementos em diversos objetos de formato circular. CÍRCULO, CIRCUNFERÊNCIA E OUTROS BICHOS "Um homem pode imaginar coisas que são falsas, mas ele pode somente compreender coisas que são verdadeiras, pois se as coisas forem falsas, a noção delas não é compreensível."

Leia mais

INVENTÁRIO FLORESTAL

INVENTÁRIO FLORESTAL Universidade de Lisboa - Instituto Superior de Agronomia INVENTÁRIO FLORESTAL PROGRAMA DA DISCIPLINA bibliografia aconselhada métodos de avaliação de conhecimentos Margarida Tomé Ano lectivo de 2013/2014

Leia mais

C:\Documents and Settings\DISCO_F\MEUS-DOCS\LIVRO_ENF_344\enf344_PDF\CAP_VII_SIST. COLHEITA.doc 109 SISTEMA DE COLHEITA

C:\Documents and Settings\DISCO_F\MEUS-DOCS\LIVRO_ENF_344\enf344_PDF\CAP_VII_SIST. COLHEITA.doc 109 SISTEMA DE COLHEITA C:\Documents and Settings\DISCO_F\MEUS-DOCS\LIVRO_ENF_344\enf344_PDF\CAP_VII_SIST. COLHEITA.doc 109 SISTEMA DE COLHEITA Um plano de manejo florestal envolve, entre outras, atividades relacionadas com os

Leia mais

AMOSTRAGEM DE ÁRVORES PARA ESTUDOS TECNOLÓGICOS DA MADEIRA PARA PRODUÇÃO DE CELULOSE:

AMOSTRAGEM DE ÁRVORES PARA ESTUDOS TECNOLÓGICOS DA MADEIRA PARA PRODUÇÃO DE CELULOSE: AMOSTRAGEM DE ÁRVORES PARA ESTUDOS TECNOLÓGICOS DA MADEIRA PARA PRODUÇÃO DE CELULOSE: Tamanho da amostra, número mínimo de repetições e variabilidade das propriedades para um clone de Eucalyptus saligna

Leia mais

Domínio do Cerrado em Minas Gerais. José Roberto Scolforo Universidade Federal de Lavras

Domínio do Cerrado em Minas Gerais. José Roberto Scolforo Universidade Federal de Lavras Domínio do Cerrado em Minas Gerais José Roberto Scolforo Universidade Federal de Lavras Cerrado Brasileiro INTRODUÇÃO - Extensão de 204,7 milhões de ha, - Flora com mais de 10.000 espécies de plantas,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE, UNICENTRO CAMPUS DE IRATI, PARANÁ

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE, UNICENTRO CAMPUS DE IRATI, PARANÁ UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE, UNICENTRO CAMPUS DE IRATI, PARANÁ DETERMINAÇÃO DE VARIÁVEIS DENDROMÉTRICAS A PARTIR DE FOTOGRAFIAS TERRESTRES EM FLORESTAS URBANAS DISSERTAÇÃO DE MESTRADO JULIANA

Leia mais

Potencialidade de uso de biomassa de florestas nativas sob manejo sustentável para a geração de energia

Potencialidade de uso de biomassa de florestas nativas sob manejo sustentável para a geração de energia Potencialidade de uso de biomassa de florestas nativas sob manejo sustentável para a geração de energia Martha A. Brand; Luciane C. de Oliveira; Sabrina A. Martins; Stephenson R. Lacerda; Levi Souto Junior

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE APLICADA AO INVENTÁRIO DE FLORESTAS PLANTADAS REGIS MENDONÇA PEREIRA

GESTÃO DA QUALIDADE APLICADA AO INVENTÁRIO DE FLORESTAS PLANTADAS REGIS MENDONÇA PEREIRA GESTÃO DA QUALIDADE APLICADA AO INVENTÁRIO DE FLORESTAS PLANTADAS REGIS MENDONÇA PEREIRA 2009 REGIS MENDONÇA PEREIRA GESTÃO DA QUALIDADE APLICADA AO INVENTÁRIO DE FLORESTAS PLANTADAS Dissertação apresentada

Leia mais

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS BÁSICOS PARA A ATIVIDADE DE MANEJO FLORESTAL SUSTENTÁVEL DO PROJETO

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS BÁSICOS PARA A ATIVIDADE DE MANEJO FLORESTAL SUSTENTÁVEL DO PROJETO RELAÇÃO DE DOCUMENTOS BÁSICOS PARA A ATIVIDADE DE MANEJO FLORESTAL SUSTENTÁVEL DO PROJETO Requerimento Padrão de Atividade Florestal - RPAF; Cópia de CPF e RG do requerente; Cópia do Certificado da Área

Leia mais

Descrição e Análise da Vegetação Arbórea

Descrição e Análise da Vegetação Arbórea Descrição e Análise da Vegetação Arbórea Prof. Israel Marinho Pereira Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri UFVJM Laboratório de Dendrologia e Ecologia Florestal-LDEF imarinhopereira@gmail.com

Leia mais

MODELOS HIPSOMÉTRICOS PARA Genipa americana L. EM PLANTIO HOMOGÊNEO NO MUNICÍPIO DE VITÓRIA DA CONQUISTA, BAHIA

MODELOS HIPSOMÉTRICOS PARA Genipa americana L. EM PLANTIO HOMOGÊNEO NO MUNICÍPIO DE VITÓRIA DA CONQUISTA, BAHIA MODELOS HIPSOMÉTRICOS PARA Genipa americana L. EM PLANTIO HOMOGÊNEO NO MUNICÍPIO DE VITÓRIA DA CONQUISTA, BAHIA Celsiane Manfredi¹, Thaiana Ferreira Alves¹, Patrícia Anjos Bittencourt Barreto² ¹Engenheira

Leia mais

Mudanças climáticas e projetos de créditos de carbono -REFLORESTAMENTO-

Mudanças climáticas e projetos de créditos de carbono -REFLORESTAMENTO- Mudanças climáticas e projetos de créditos de carbono -REFLORESTAMENTO- Magno Castelo Branco magno@iniciativaverde.org.br As florestas no âmbito do MDL -Definição das Modalidades e Procedimentos relacionados

Leia mais

AVALIAÇÃO DA VARREDURA LASER TERRESTRE EM DIFERENTES DISTÂNCIAS DA ÁRVORE PARA MENSURAR VARIÁVEIS DENDROMÉTRICAS

AVALIAÇÃO DA VARREDURA LASER TERRESTRE EM DIFERENTES DISTÂNCIAS DA ÁRVORE PARA MENSURAR VARIÁVEIS DENDROMÉTRICAS BCG - Boletim de Ciências Geodésicas - On-Line version, ISSN 1982-2170 http://dx.doi.org/10.1590/s1982-21702013000300005 AVALIAÇÃO DA VARREDURA LASER TERRESTRE EM DIFERENTES DISTÂNCIAS DA ÁRVORE PARA MENSURAR

Leia mais

NORMA DE EXECUÇÃO N.º 2, DE 26 DE ABRIL DE 2007

NORMA DE EXECUÇÃO N.º 2, DE 26 DE ABRIL DE 2007 INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS DIRETORIA DE FLORESTAS NORMA DE EXECUÇÃO N.º 2, DE 26 DE ABRIL DE 2007 Institui, no âmbito desta Autarquia, o Manual Simplificado

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA JULHO, 2014.

TERMO DE REFERÊNCIA JULHO, 2014. TERMO DE REFERÊNCIA Para a orientação na elaboração do Inventário Florestal nas áreas em que haverá supressão de vegetação, por conseqüência da implantação da rodovia federal BR- 135/BA, entre os Km 207,0

Leia mais

Ambiente & Água - An Interdisciplinary Journal of Applied Science ISSN: 1980-993X ambi-agua@agro.unitau.br Universidade de Taubaté Brasil

Ambiente & Água - An Interdisciplinary Journal of Applied Science ISSN: 1980-993X ambi-agua@agro.unitau.br Universidade de Taubaté Brasil Ambiente & Água - An Interdisciplinary Journal of Applied Science ISSN: 1980-993X ambi-agua@agro.unitau.br Universidade de Taubaté Brasil Figueiredo Alves, Rafael; Teixeira Dias, Herly Carlos; de Oliveira

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SINTIA VALERIO KOHLER

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SINTIA VALERIO KOHLER UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SINTIA VALERIO KOHLER EVOLUÇÃO DO AFILAMENTO DO TRONCO E DO SORTIMENTO EM PLANTIOS DE Pinus taeda NOS ESTADOS DO PARANÁ E SANTA CATARINA CURITIBA 2013 SINTIA VALERIO KOHLER

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA INVENTÁRIOS FLORESTAIS POR LINHAS DE AMOSTRAGEM EM REFLORESTAMENTOS COMERCIAIS GUSTAVO SILVA RIBEIRO DISSERTAÇÃO DE MESTRADO EM CIÊNCIAS FLORESTAIS FACULDADE DE TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA UNIVERSIDADE

Leia mais

ÍNDICE DE ÁREA VERDE POR HABITANTE PARA O MUNICÍPIO DE TIMBURI SP

ÍNDICE DE ÁREA VERDE POR HABITANTE PARA O MUNICÍPIO DE TIMBURI SP ÍNDICE DE ÁREA VERDE POR HABITANTE PARA O MUNICÍPIO DE TIMBURI SP Douglas Ambiel Barros Gil Duarte Universidade Estadual de Londrina douglasambiel@gmail.com Valter Luiz Ziantonio Filho Engenheiro Florestal

Leia mais

ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 832

ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 832 831 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 832 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS) 832 ESPÉCIES FLORESTAIS UTILIZADAS EM UM REFLORESTAMENTO PARA COMPOSIÇÃO DE RESERVA LEGAL PARA MANEJO SUSTENTADO. PRESIDENTE PRUDENTE

Leia mais

Genética e Nutrição Florestal MDS

Genética e Nutrição Florestal MDS Melhoramento Genético e Manejo Florestal na Duratex MDS A DURATEX É UMA EMPRESA DO GRUPO ITAÚSA MDS PRODUTOS DA DIVISÃO MADEIRA PAINÉIS DE MADEIRA RECONSTITUIDA: - MDF/HDF - MDP - CHAPA DURA DE FIBRA -

Leia mais

GREEN NATION FEST. Design e Sustentável Consumo Consciente

GREEN NATION FEST. Design e Sustentável Consumo Consciente GREEN NATION FEST Design e Sustentável Consumo Consciente O trabalho do designer Pedro Petry sempre foi pautado pela busca de alternativas que fomentam a sustentabilidade: Das experiências com objetos

Leia mais

INVENTÁRIO FLORESTAL QUANTITATIVO DE PLANTIOS DE TECA (TECTONA GRANDIS L.F.) E PINHO-CUIABANO (SCHIZOLOBIUM AMAZONICUM HUB.)

INVENTÁRIO FLORESTAL QUANTITATIVO DE PLANTIOS DE TECA (TECTONA GRANDIS L.F.) E PINHO-CUIABANO (SCHIZOLOBIUM AMAZONICUM HUB.) REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE ENGENHARIA FLORESTAL - ISSN 1678-3867 P UBLICAÇÃO C IENTÍFICA DA F ACULDADE DE A GRONOMIA E E NGENHARIA F LORESTAL DE G ARÇA/FAEF A NO IV, NÚMERO, 07, FEVEREIRO DE 2006.

Leia mais

: Transforme seu plantio em um fundo de investimento ativo. The single source for Forest Resource Management

: Transforme seu plantio em um fundo de investimento ativo. The single source for Forest Resource Management : Transforme seu plantio em um fundo de investimento ativo The single source for Forest Resource Management 2 Tecnologia laser aerotransportada LiDAR LiDAR é um sistema ativo de sensoriamento remoto, originalmente

Leia mais

DENDROMETRIA E INVENTÁRIO FLORESTAL

DENDROMETRIA E INVENTÁRIO FLORESTAL FLORESTAL SÉRIE TÉCNICA ADAPTADA PARA ATENDER AO MÓDULO DE DENDROMETRIA E INVENTÁRIO NO CURSO TÉCNICO EM MANEJO FLORESTAL. ESCOLA AGROTÉCNICA FEDERAL DE MANAUS. ULISSES SILVA DA CUNHA MANAUS 4 SUMÁRIO

Leia mais

ESTUDO DO TAMANHO E DA FORMA DE UNIDADES DE AMOSTRA, UTILIZANDO A AMOSTRAGEM CASUAL SIMPLES PARA INVENTARIAR A ARBORIZAÇÃO URBANA VIÁRIA 1

ESTUDO DO TAMANHO E DA FORMA DE UNIDADES DE AMOSTRA, UTILIZANDO A AMOSTRAGEM CASUAL SIMPLES PARA INVENTARIAR A ARBORIZAÇÃO URBANA VIÁRIA 1 Estudo do tamanho e da forma de unidades de amostra... 59 ESTUDO DO TAMANHO E DA FORMA DE UNIDADES DE AMOSTRA, UTILIZANDO A AMOSTRAGEM CASUAL SIMPLES PARA INVENTARIAR A ARBORIZAÇÃO URBANA VIÁRIA 1 Study

Leia mais

Ciência Florestal, Santa Maria, v.8, n.1, p. 77-92 77 ISSN 0103-9954

Ciência Florestal, Santa Maria, v.8, n.1, p. 77-92 77 ISSN 0103-9954 Ciência Florestal, Santa Maria, v.8, n.1, p. 77-9 77 ISSN 0103-9954 EFICIÊNCIA NA ESTIMATIVA DO PESO SECO PARA ÁRVORES INDIVIDUAIS E DEFINIÇÃO DO PONTO ÓTIMO DE AMOSTRAGEM PARA DETERMINAÇÃO DA DENSIDADE

Leia mais

PRINCIPIOS BÁSICOS DE DENDROMETRIA

PRINCIPIOS BÁSICOS DE DENDROMETRIA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA FLORESTAL PRINCIPIOS BÁSICOS DE DENDROMETRIA JOSÉ ANTÔNIO ALEIXO DA SILVA FRANCISCO DE PAULA NETO Imprensa Universitária da UFRPE 1979 Universidade Federal Rural de Pernambuco Departamento

Leia mais

Custos de inventário florestal com amostragem de Bitterlich (PNA) e conglomerado em cruz (CC) em plantação de Pinus taeda L.

Custos de inventário florestal com amostragem de Bitterlich (PNA) e conglomerado em cruz (CC) em plantação de Pinus taeda L. Sci e n t i a For e s t a l i s Custos de inventário florestal com amostragem de Bitterlich (PNA) e conglomerado em cruz (CC) em plantação de Pinus taeda L. Forest inventory costs with bitterlich sampling

Leia mais

PROGRAMAS AMBIENTAIS COMO MEDIDAS MITIGADORAS E COMPENSATÓRIAS NO PROCESSO DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

PROGRAMAS AMBIENTAIS COMO MEDIDAS MITIGADORAS E COMPENSATÓRIAS NO PROCESSO DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL PROGRAMAS AMBIENTAIS COMO MEDIDAS MITIGADORAS E COMPENSATÓRIAS NO PROCESSO DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL Sarah Rachel Oliveira do Amparo Furtado*, Alexandra Helena Lisboa Boldrin** * Acadêmica da Faculdade

Leia mais

MÉTODO AUTOMÁTICO DE MEDIÇÃO DE DIÂMETROS DA BASE DE EUCALIPTOS:

MÉTODO AUTOMÁTICO DE MEDIÇÃO DE DIÂMETROS DA BASE DE EUCALIPTOS: UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE INFORMÁTICA RAFAEL TOMAZ PARREIRA MÉTODO AUTOMÁTICO DE MEDIÇÃO DE DIÂMETROS DA BASE DE EUCALIPTOS: UMA ABORDAGEM COM CÂMERAS DE PROFUNDIDADE Goiânia 2015 TERMO

Leia mais

QEMM QUADRO DE EQUIPAMENTO DE MONITORAMENTO E MEDIÇÃO

QEMM QUADRO DE EQUIPAMENTO DE MONITORAMENTO E MEDIÇÃO QEMM QUADRO DE EQUIPAMENTO DE MONITORAMENTO E PÁGINA 01 DE 07 Dispositivo: Trena Padrão (30 m) Periodicidade de calibração: A cada dois anos Uso Método de calibração Tolerância Servir de padrão de referência

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE INVENTÁRIO FLORESTAL NA CADEIA PRODUTIVA DO EUCALIPTO: UM ESTUDO DE CASO DA EMPRESA CHECON & PAIVA

TERCEIRIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE INVENTÁRIO FLORESTAL NA CADEIA PRODUTIVA DO EUCALIPTO: UM ESTUDO DE CASO DA EMPRESA CHECON & PAIVA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS SCA DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL E EXTENSÃO DERE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO FLORESTAL EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA HELTON PEREIRA PAIVA DA

Leia mais

ESTUDOS EM MANEJO FLORESTAL Série Técnica n. 1

ESTUDOS EM MANEJO FLORESTAL Série Técnica n. 1 Instituto de Conservação e Desenvolvimento Sustentável do Amazonas ESTUDOS EM MANEJO FLORESTAL Série Técnica n. 1 Análise técnica da alteração no critério de seleção de árvores para corte em Planos de

Leia mais

VIII Simpósio Técnicas de Plantio e Manejo de Eucalipto Para Usos Múltiplos SEGURO FLORESTAL. Gabriel Prata MSc. Eng. Florestal

VIII Simpósio Técnicas de Plantio e Manejo de Eucalipto Para Usos Múltiplos SEGURO FLORESTAL. Gabriel Prata MSc. Eng. Florestal VIII Simpósio Técnicas de Plantio e Manejo de Eucalipto Para Usos Múltiplos SEGURO FLORESTAL Gabriel Prata MSc. Eng. Florestal Piracicaba, 20/08/2014 Florestas no Brasil Cerca de 520 milhões de hectares

Leia mais

Sci. For., Piracicaba, v. 43, n. 105, p. 83-90, mar. 2015 MATERIAL E MÉTODOS

Sci. For., Piracicaba, v. 43, n. 105, p. 83-90, mar. 2015 MATERIAL E MÉTODOS Scientia Forestalis Modelagem do crescimento e produção para um povoamento de Eucalyptus utilizando dois métodos para quantificação do índice de local Growth and production modeling for a Eucalyptus population

Leia mais

A FUNÇÃO WEIBULL NO ESTUDO DE DISTRIBUIÇÕES DIAMÉTRICAS EM POVOAMENTO DE Pinus elliottii NA ESTAÇÃO EXPERIMENTAL DE ITAPEVA

A FUNÇÃO WEIBULL NO ESTUDO DE DISTRIBUIÇÕES DIAMÉTRICAS EM POVOAMENTO DE Pinus elliottii NA ESTAÇÃO EXPERIMENTAL DE ITAPEVA IPEF, n.43/44, p.54-60, jan./dez.1990 A FUNÇÃO WEIBULL NO ESTUDO DE DISTRIBUIÇÕES DIAMÉTRICAS EM POVOAMENTO DE Pinus elliottii NA ESTAÇÃO EXPERIMENTAL DE ITAPEVA LUIZ ALBERTO BLANCO JORGE RICARDO ANTONIO

Leia mais

UNIDADES DE MANEJO: UMA OPÇÃO DESAFIADORA E MAIS INTELIGENTE

UNIDADES DE MANEJO: UMA OPÇÃO DESAFIADORA E MAIS INTELIGENTE Departamento de Engenharia de Biossistemas ESALQ/USP UNIDADES DE MANEJO: UMA OPÇÃO DESAFIADORA E MAIS INTELIGENTE V Seminário de Agricultura de Precisão Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz 9

Leia mais

Problemas de volumes

Problemas de volumes Problemas de volumes A UUL AL A Nesta aula, vamos resolver problemas de volumes. Com isso, teremos oportunidade de recordar os principais sólidos: o prisma, o cilindro, a pirâmide, o cone e a esfera. Introdução

Leia mais

Instrumentos para Biometria e Inventário Florestal

Instrumentos para Biometria e Inventário Florestal Instrumentos para Hipsómetro Vertex III O Hipsómetro Vertex III é o instrumento número um para o cálculo de alturas de árvores e distâncias na floresta. Com um sistema de medida utilizando ultrasons e

Leia mais

41º CAFÉ COM SUSTENTABILIDADE 2015

41º CAFÉ COM SUSTENTABILIDADE 2015 41º CAFÉ COM SUSTENTABILIDADE 2015 CENÁRIO MUNDIAL SETOR FLORESTAL PRESSÃO PARA PRESERVAÇÃO DAS FLORESTAS PRESSÃO PARA ABERTURA DE NOVAS FRONTEIRAS FLORESTA RISCO DE ESCASSEZ VALORIZAÇÃO 2 O BRASIL FLORESTAL

Leia mais

Uso múltiplo de eucalipto em propriedades rurais

Uso múltiplo de eucalipto em propriedades rurais Uso múltiplo de eucalipto em propriedades rurais Paulo Sérgio dos Santos Leles Prof. Instituto de Florestas / UFRRJ 02 a 04 de setembro de 2015, Vitória - ES O que é uso múltiplo / multiproduto do eucalipto?

Leia mais

Variabilidade espacial da resistência à penetração de um LATOSSOLO VERMELHO Distroférrico típico e sua relação com a produção do cafeeiro.

Variabilidade espacial da resistência à penetração de um LATOSSOLO VERMELHO Distroférrico típico e sua relação com a produção do cafeeiro. Variabilidade espacial da resistência à penetração de um LATOSSOLO VERMELHO Distroférrico típico e sua relação com a produção do Taylor Lima de SOUZA 1 ; Diogo Santos CAMPOS 2 ; Adriano André LUIZ 3, Gustavo

Leia mais

Dinâmica de Crescimento e Distribuição Diamétrica de Fragmentos de Florestas Nativa e Plantada na Amazônia Sul Ocidental

Dinâmica de Crescimento e Distribuição Diamétrica de Fragmentos de Florestas Nativa e Plantada na Amazônia Sul Ocidental Floresta e Ambiente 2013 jan./mar.; 20(1):70-79 http://dx.doi.org/10.4322/floram.2012.065 ISSN 1415-0980 (impresso) ISSN 2179-8087 (online) Artigo Original Dinâmica de Crescimento e Distribuição Diamétrica

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DE INDIVÍDUOS DA FLORESTA SEMIDECÍDUA EM CLASSES DE DIÂMETRO E ALTURA, PRÓXIMA A ENCOSTA DA SERRA DE MARACAJU, AQUIDAUANA - MS

CLASSIFICAÇÃO DE INDIVÍDUOS DA FLORESTA SEMIDECÍDUA EM CLASSES DE DIÂMETRO E ALTURA, PRÓXIMA A ENCOSTA DA SERRA DE MARACAJU, AQUIDAUANA - MS Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 CLASSIFICAÇÃO DE INDIVÍDUOS DA FLORESTA SEMIDECÍDUA EM CLASSES DE DIÂMETRO E ALTURA, PRÓXIMA A ENCOSTA DA SERRA DE MARACAJU, AQUIDAUANA - MS Kelvin Rosalvo Melgar Brito

Leia mais

I. A probabilidade de, sorteando-se 1 bola desta caixa, encontrarmos 1 bola par ou vermelha é

I. A probabilidade de, sorteando-se 1 bola desta caixa, encontrarmos 1 bola par ou vermelha é 1 a AVALIAÇÃO DE MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS COLÉGIO ANCHIETA-BA - UNIDADE III-013 ELABORAÇÃO: PROF. ADRIANO CARIBÉ e WALTER PORTO. PROFA, MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA Questão 01. Foram colocadas numa caia

Leia mais

Monitoramento de plantios de eucalipto utilizando técnicas de sensoriamento remoto aplicadas em imagens obtidas por VANT

Monitoramento de plantios de eucalipto utilizando técnicas de sensoriamento remoto aplicadas em imagens obtidas por VANT Monitoramento de plantios de eucalipto utilizando técnicas de sensoriamento remoto aplicadas em imagens obtidas por VANT Guilherme Rodrigues de Pontes 1 Thiago Ubiratan de Freitas 2 1 International Paper

Leia mais

A ARBORIZAÇÃO DO CAMPUS DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA

A ARBORIZAÇÃO DO CAMPUS DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA A ARBORIZAÇÃO DO CAMPUS DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Diogo Luis Kurihara Universidade de Brasília - Departamento de Engenharia Florestal José Imaña-Encinas Universidade de Brasília - Departamento de Engenharia

Leia mais

PRÁTICAS SILVICULTURAIS

PRÁTICAS SILVICULTURAIS CAPÍTULO 10 PRÁTICAS SILVICULTURAIS 94 Manual para Produção de Madeira na Amazônia APRESENTAÇÃO Um dos objetivos do manejo florestal é garantir a continuidade da produção madeireira através do estímulo

Leia mais

SISTEMA CR CAMPEIRO 7

SISTEMA CR CAMPEIRO 7 SISTEMA CR CAMPEIRO 7 Tópico 1 Instalação e Configurações 1. Introdução: Os procedimentos de instalação e de configurações iniciais, do Sistema CR- Campeiro 7, são apresentados neste tópico, e é fundamental

Leia mais

Estoques em Biomassa e Carbono Acima do Solo em um Cerrado sensu stricto no Distrito Federal

Estoques em Biomassa e Carbono Acima do Solo em um Cerrado sensu stricto no Distrito Federal Estoques em Biomassa e Carbono Acima do Solo em um Cerrado sensu stricto no Distrito Federal Gileno Brito de Azevedo (1) ; Alba Valéria Rezende (2) ; Glauce Taís de Oliveira Sousa (3) ; João Felipe Nunes

Leia mais

CEPF RELATÓRIO FINAL DO PROJETO PEQUENO

CEPF RELATÓRIO FINAL DO PROJETO PEQUENO CEPF RELATÓRIO FINAL DO PROJETO PEQUENO I. DADOS BÁSICOS Nome da organização: Associação Mico-Leão-Dourado Título do projeto: Management Plan for Eucalyptus Trees in the União Biológical Reserve Parceiros

Leia mais

FLORESTAS PLANTADAS E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NO BRASIL

FLORESTAS PLANTADAS E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NO BRASIL FLORESTAS PLANTADAS E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NO BRASIL Uma posição institucional conjunta de: Instituto de Pesquisas e Estudos Florestais Sociedade Brasileira de Silvicultura Departamento de Ciências

Leia mais

RESUMO. Palavras-chave: Anatomia da madeira, Densidade básica, Qualificação econômica INTRODUÇÃO

RESUMO. Palavras-chave: Anatomia da madeira, Densidade básica, Qualificação econômica INTRODUÇÃO Características das fibras e densidade básica da madeira de quatro espécies de Mata Atlântica (Serra da Jibóia, Elísio Medrado, Bahia, Brasil): qualificação para uso e preservação Marcelo dos Santos Silva

Leia mais

AVALIAÇÃO COMPARATIVA ENTRE MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DE VAZÃO PARA FINS AQUÍCOLAS. Santos Junior, H. dos; Marques, F. de S.; Ferrari, J. L.

AVALIAÇÃO COMPARATIVA ENTRE MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DE VAZÃO PARA FINS AQUÍCOLAS. Santos Junior, H. dos; Marques, F. de S.; Ferrari, J. L. AVALIAÇÃO COMPARATIVA ENTRE MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DE VAZÃO PARA FINS AQUÍCOLAS Santos Junior, H. dos; Marques, F. de S.; Ferrari, J. L. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Espírito

Leia mais

MANEJO DO PALMITEIRO Euterpe edulis NO ESTADO DE SANTA CATARINA

MANEJO DO PALMITEIRO Euterpe edulis NO ESTADO DE SANTA CATARINA MANEJO DO PALMITEIRO Euterpe edulis NO ESTADO DE SANTA CATARINA IN-35 INSTRUÇÕES GERAIS: A Exploração do Palmiteiro (Euterpe edulis) no estado de Santa Catarina, deverá obedecer os critérios estabelecidos

Leia mais

Régua graduada. metro e trena

Régua graduada. metro e trena A U A UL LA Régua graduada, metro e trena Um problema Silva verificou, contrariado, que os instrumentos de medição, há pouco adquiridos pela empresa, não estavam sendo bem cuidados pelos funcionários.

Leia mais