INSPEÇÃO BASEADA EM RISCO SEGUNDO API 581 APLICAÇÃO DO API-RBI SOFTWARE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSPEÇÃO BASEADA EM RISCO SEGUNDO API 581 APLICAÇÃO DO API-RBI SOFTWARE"

Transcrição

1 INSPEÇÃO BASEADA EM RISCO SEGUNDO API 581 APLICAÇÃO DO API-RBI SOFTWARE Carlos Bruno Eckstein PETROBRAS/CENPES/PDEAB/Engenharia Básica de Equipamentos Edneu Jatkoski PETROBRAS/REPLAN/MI/Inspeção de Equipamentos José Ademar Nucci Etter PETROBRAS/REPLAN/MI/Inspeção de Equipamentos Trabalho apresentado na 6ª COTEQ Conferência sobre Tecnologia de Equipamentos IEV Conferência Internacional sobre Avaliação de Integridade e Extensão de Vida dos Equipamentos Industriais Salvador, agosto, 2002 As informações e opiniões contidas neste trabalho são de exclusiva responsabilidade do(s) autor(es).

2 SINÓPSE O objetivo deste trabalho é avaliar os resultados da aplicação do documento API 581, Risk Based Inspection, através do uso do API-RBI Software, e discutir a evolução do risco em função do tempo, e também após aplicação de um plano de inspeção pré-determinado. A metodologia foi aplicada em equipamentos da REPLAN, levando-se em consideração três datas futuras, que foram 10/2005, 10/2009 e 10/2013. Foram consideradas campanhas operacionais contínuas, sem paradas intermediárias até estas datas. As matrizes de risco dos equipamentos foram determinadas, sem inspeção e após inspeção com efetividade D, sendo os resultados analisados. Os resultados permitiram a determinação dos riscos na Unidade, além de identificar os equipamentos prioritários para concentração dos esforços de inspeção. Foi discutido o critério para definição do tempo máximo em que um equipamento pode ficar sem inspeção. Constatou-se que o valor do Sub-Fator do Módulo Técnico era o melhor parâmetro para representar a evolução do risco de cada equipamento e que o seu valor, após aplicação do atual plano de inspeção de cada equipamento pode ser usado como referência para o início da aplicação da gerência de risco dos equipamentos pela técnica da Inspeção Baseada em Risco. Palavra chave: RBI; Inspeção Baseada em Risco; Confiabilidade; Análise de risco. Temário: RBI - Inspeção Baseada em Risco.

3 1. INTRODUÇÃO A Inspeção Baseada em Risco (RBI) tem como princípio a quantificação das conseqüências de uma falha estrutural que cause um vazamento, bem como o cálculo da probabilidade deste evento ocorrer. Com estes parâmetros calculados é possível plotar em uma matriz do tipo Conseqüência versus Probabilidade cada equipamento, e assim determinar o risco que eles representam. De posse dos riscos individuais dos equipamentos, é possível determinar planos de inspeção adequados às características de acumulo de dano que cada um apresenta, permitindo assim administrar o risco em cada planta industrial. O Documento API 581 Risk Based Inspection [1] é, até o momento, a única metodologia publicada em seus detalhes, formando um conjunto de procedimentos de cálculo que permitem a determinação tanto das conseqüências quanto da probabilidade de uma falha estrutural, em função das características de projeto, operação e de inspeção dos equipamentos. É sempre importante ressaltar que as conseqüências são função, principalmente, das condições operacionais e das medidas de prevenção e mitigação de acidentes, não sendo influenciadas pelos planos de inspeção, que são agentes redutores da probabilidade de falha estrutural. Como os procedimentos de cálculo, tanto das conseqüências quanto da probabilidade de falha, são trabalhosos e extensos, é importante que haja uma ferramenta informatizada para realizar de forma ágil a avaliação dos equipamentos. Para tal, American Petroleum Institute (API) desenvolveu um software, o API-RBI, para dar suporte a aplicação de sua metodologia. O uso do software possibilita o acompanhamento da variação das conseqüências sob dois aspectos muito importantes: (1) o da área afetada pelo vazamento; e (2) os custos financeiros do vazamento. Estas duas abordagens são importantes, pois, como a probabilidade de falha é função dos mecanismos de dano e da efetividade dos planos de inspeção atuantes, ela não envolve outro tipo de medição. Mas no caso das conseqüências, elas podem ser mensuradas pela área a ser atingida, que funcionaria como uma forma de apresentação normalizada, ou pelo valor (financeiro) dos custos com os danos causados. Este trabalho tem por objetivo mostrar a aplicação da metodologia do API 581 com o uso de seu software em equipamentos de uma unidade de processo da REPLAN. 2. METODOLOGIA Embora este trabalho não tenha por objetivo discutir a metodologia da RBI, será apresentada de forma resumida a fórmula de cálculo para determinação do Risco dos equipamentos, que é dada por: Risco = Conseqüência PoF (1) Onde PoF, é a probabilidade de falha.

4 As conseqüências são determinadas a partir do cálculo do volume vazamento do fluido contido no equipamento, avaliando-se os danos: materiais (equipamentos); às pessoas (morte ou lesão por explosão, incêndio, ou intoxicação); financeiros (perda de produção); e ao meio ambiente (poluição). A probabilidade de falha é avaliada levando-se em consideração os mecanismos de dano atuantes e suas taxas, conjugados à capacidade dos planos de inspeção de detectá-los e medir corretamente a sua extensão. Para a definição da Probabilidade de Falha PoF, o documento API 581 não considera a probabilidade de falha instantânea mas sim uma freqüência de falha anual, corrigida por dois fatores, um referente ao equipamento, F E, e outro referente a como o gerenciamento do risco é tratado na unidade industrial, F M. Assim, pode-se utilizar uma freqüência de falha genérica, f genérica, que facilita a realização do trabalho pois pode ser obtida diretamente do API 581. No entanto, nada impede que uma freqüência de falha mais característica da sua empresa, unidade ou do equipamento específico seja utilizada. Sendo assim, a Freqüência Ajustada, f ajustada, é calculada por: PoF é substituída na Equação (1) pela f ajustada : f = f F F ajustada genérica E M (2) O Fator de Modificação do Equipamento, F E, leva em consideração vários subfatores, que são: 1. Módulo Técnico, avalia as taxas de acúmulo de dano e a efetividade da inspeção; 2. Universal, avalia os riscos inerentes das condições do meio ambiente; 3. Mecânico, que avalia os riscos inerentes às características de projeto; 4. Processo, avalia as condições operacionais. A matriz é definida a partir de faixas do Sub-fator do Módulo Técnico (probabilidade) e da área atingida pelo vazamento (conseqüências), cujos valores adotados para cada nível estão na Tabela 1. Tabela 1 Definição das Categorias de Conseqüências e Probabilidades de falha para a Matriz de Risco, por área afetada e por custo financeiro. Categoria de Conseqüência Área Afetada ft 2 Categoria de Probabilidade Sub-fator Módulo do Técnico A < < 2 B C D E > > O API 581 padronizou a Categoria de Probabilidade de Falha pelo valor do Módulo do Sub-fator Técnico. Esta escolha é razoável, pois este sub-fator é o único que varia com o tempo, pois é função da taxa de acúmulo de dano no equipamento, e

5 pode ser administrado através de planos de inspeção projetados para as características dos mecanismos de dano atuantes no equipamento. Os demais subfatores de modificação do equipamento são constantes, não havendo possibilidade de alterá-los, pois são inerentes das condições de projeto do equipamento. A seguir, na Figura 1, está a matriz de risco proposta pelo API 581. P R O B A B I L I D A D E A B C D E CONSEQÜÊNCIAS Risco Alto Risco Médio-Alto Risco Médio-Alto Risco Baixo Figura 1 Matriz de Risco do API 581. Deve-se notar que as conseqüências são muito influenciadas pelo volume vazado, que guarda uma proporcionalidade direta com relação ao volume contido no equipamento. Sendo assim, imaginando unidades de processamento do mesmo tipo mas com capacidade de produção diferente, aquela que processar volumes maiores terá seus equipamentos localizados na matriz de risco tendendo a um deslocamento para a direita, isto é, com maiores conseqüências. No caso da probabilidade de falha, este deslocamento sistêmico não ocorrerá, isto é, considerando-se dois equipamentos com condições operacionais e planos de inspeção iguais, seus posicionamentos quanto à probabilidade de falha serão os mesmos. Para a aplicação da metodologia, com o uso do API-RBI Software, foi definido que seria realizada uma avaliação dos equipamentos para as próximas três paradas de manutenção da unidade, cujas possíveis paradas para manutenção geral são 2005, 2009 e Também foi considerada a não realização de inspeções até a data das paradas, o que possibilita o acompanhamento do aumento do risco dos equipamentos. Para verificar o efeito dos planos de inspeção, foi escolhida a Efetividade de Inspeção D, que é a de menor efetividade nos resultados, para ser aplicada em cada ano de avaliação. O objetivo é avaliar a diferença entre as Matrizes de Risco antes e após a aplicação do plano de Inspeção. Vale destacar que a escolha da Efetividade D se deu por esta ser a mais simples possível de ser aplicada segundo a metodologia do documento API 581. Os cálculos foram efetuados para um conjunto de equipamentos da unidade, sendo mostrado na Tabela 2 a distribuição por tipo de equipamento. É importante ressaltar que a metodologia implementada no software divide os permutadores em lado casco

6 e lado tubos, e as torres em topo e fundo, o que significa que cada equipamento destes é desmembrado em dois. Tabela 2 Número e tipo de equipamentos avaliados. Equipamento Permutador Permutador Torre Torre Vaso Total Tipo Casco Feixe Fundo Topo Quantidade RESULTADOS 3.1. Risco em 2001 A seguir, na Figura 2, estão as matrizes de risco na condição atual dos equipamentos, cuja data de referência é 10/2001. Pode-se notar que, do total de 106 equipamentos avaliados, 26,4% são Risco Baixo, 31,1% são Risco Médio, 40,6% são Risco Médio-Alto e apenas 1,9% são Risco Alto. É importante ressaltar que a caracterização do equipamento como risco alto deve ser analisada com cuidado, já que a forma como foi definida a matriz apresenta alguma subjetividade, pois não há uma definição física de como separar os níveis de risco, sendo esta uma tarefa que depende muito das premissas que levaram ao estabelecimento das faixas de risco adotadas. Figura 2 Matriz de Risco dos equipamentos em 10/2001. Na Figura 2a, pode-se observar que há uma concentração de equipamentos, mais da metade dos analisados, nas coordenadas D2, risco médio, e E2, risco alto. Outro resultado que se pode verificar nesta mesma Figura 2a, é a concentração de equipamentos com baixa probabilidade de falha, onde cerca de 88% deles está na Categoria 2. Por último, nota-se que apenas 4 equipamentos estão com Categorias 3 e 4 de probabilidade de falha, mostrando que este grupo analisado apresenta um risco conjunto de falha estrutural baixo Risco em 2005 Na Figura 3 são mostradas a s matrizes de risco dos equipamentos no caso deles operarem até 10/2005 sem inspeção, Figura 3a, e após inspeção, Figura 3b. A

7 evolução do risco mostra que apenas um equipamento na coordenada D2, risco médio, passou para a coordenada D3, risco médio-alto. A Figura 3b, mostra como fica o risco após a aplicação do plano de inspeção determinado para estes equipamentos. Observa-se que foi possível reduzir o risco de todos os equipamentos para o nível da Categoria 2 de probabilidade de falha. (a) (b) Figura 3 - Matriz de Risco em 10/2005: (a) sem inspeção; e (b) após inspeção. A obtenção dos planos de inspeção que são aplicados se realiza a partir de um módulo no software que permite que sejam definidas as efetividades das inspeções a serem aplicadas, e a partir desta informação, em conjunto com um valor alvo do Subfator do Módulo Técnico que é fornecido pelo avaliador, o software calcula quantas inspeções são necessárias para atingir aquele valor. Vale destacar que nem sempre é possível atingir tal valor, mas neste caso em estudo foi obtido sucesso. Como última observação da Figura 3b, nota-se que o risco residual deste conjunto de equipamentos não mostra elevação na Categoria de Probabilidade de falha, isto é, todos ficam na menor Categoria de Risco encontrada em 10/ Risco em 2009 Na Figura 4 são mostradas a s matrizes de risco dos equipamentos no caso deles operarem até 10/2009 sem inspeção, Figura 4a, e após inspeção, Figura 4b. Pode-se observar que 13 equipamentos a mais da Categoria 2 de probabilidade aumentaram seu risco para a Categoria 3, e que 2 equipamentos da Categoria 2 passaram para a Categoria 4. É evidente que houve um acréscimo considerável do risco do conjunto de equipamentos em 10/2009, mas a ação dos planos de inspeção, vide Figura 4b, ainda é eficaz para retornar o risco de quase todos os equipamentos para a Categoria 2 de probabilidade de falha, exceto dois que não permite redução abaixo da Categoria 3 (coordenada D3 ), mas que se mantêm com Risco Médio- Alto. No que concerne à evolução do risco residual do conjunto de equipamentos, acompanhada pelo número de equipamentos nas Categorias de Probabilidade de Falha, pode-se observar uma pequena alteração, já que dois equipamentos não

8 permitem redução para a Categoria 2 após a aplicação do plano de inspeção com Efetividade D. (a) (b) Figura 4 - Matriz de Risco em 10/2009: (a) sem inspeção; e (b) após inspeção Risco em 2013 Na Figura 5 são mostradas as matrizes de risco dos equipamentos no caso deles operarem até 10/2013 sem inspeção, Figura 5a, e após inspeção, Figura 5b. (a) (b) Figura 5 - Matriz de Risco em 10/2013: (a) sem inspeção; e (b) após inspeção. A Figura 5a mostra que 7 (sete) equipamentos aumentaram de Categoria de Risco, quando comparado com a Figura 4a (risco em 10/2009). Desse total, 5 (cinco) passaram da Categoria 2 para 3, e 2 (dois) da Categoria 3 para 4. Nota-se que em termos do grau de risco, dois equipamentos passaram do Risco Médio-Alto para o Risco Alto, outros dois passaram do Risco Médio para o Risco Médio-Alto, enquanto os três restantes permaneceram com o mesmo grau de risco. No entanto, após aplicação do plano de inspeção com efetividade de inspeção D, ainda foi possível reduzir o grau de risco de todos eles ao máximo de Risco Médio-Alto. Vale destacar que, em comparação com o estado de Risco em 10/2009 após inspeção, a Categoria 3 de Probabilidade de Falha passou de 2 (dois) para 15 equipamentos, indicando que o risco residual está aumentando significativamente nesta data.

9 4. DISCUSSÃO Os resultados nos 106 equipamentos em que foi aplicada a metodologia de RBI segundo API 581, mostram que a Matriz de Risco mostra com clareza a evolução do risco dos equipamentos com o tempo. É possível ser observado o efeito dos planos de inspeção no risco dos equipamentos, o que permite um gerenciamento constante de como e quando estes equipamentos devem ser inspecionados. Os resultados na Matriz de Risco antes e após a aplicação do plano de inspeção, que no caso em estudo teve como escolha a menor efetividade de inspeção, a D, mostram que, conforme o tempo em operação aumenta, esta efetividade não é suficiente para assegurar a redução do risco. É importante relembrar que os planos de inspeção só atuam na redução das Categorias de Probabilidade de Falha, isto é, não têm menor influência na redução das conseqüências de uma falha. Caso seja necessária uma maior redução do risco, deve-se optar por planos de inspeção com melhores atividades. Outro resultado importante é o fato de se poder gerenciar a melhor oportunidade para se aplicar um plano de inspeção em determinado equipamento levando-se em consideração a evolução do seu risco dentro da Matriz. Como exemplo, pode-se escolher como critério para a definição do melhor momento para inspecionar um determinado equipamento ele ter atingido um determinado grau de risco, por exemplo Risco Alto. Caso este critério fosse implementado, considerando-se as Matrizes sem inspeção realizada, os dois equipamentos na Matriz de Risco de 10/2001, Figura 2, já deveriam ser inspecionados naquela data, enquanto que em 10/2009, Figura 4a, oito equipamentos não poderiam deixar de ser inspecionados, e em 10/2013, Figura 5a, este número aumentaria para dez. No entanto, este critério não parece ser o mais adequado para ser adotado. Numa primeira observação, nota-se que os equipamentos nas Categorias de Conseqüências 1, 2 e 3 não atingem o grau de Risco Alto, mesmo que nunca venham a serem inspecionados. Desta forma, pelo critério proposto, não é necessário inspecioná-los. Com base nesta constatação, deve-se procurar um outro critério para a definição do risco que se pode assumir até que o equipamento necessite ser inspecionado. Numa primeira aproximação, é necessário definir um parâmetro que represente a evolução do risco com o tempo, o que naturalmente conduz a escolha da Categoria de Risco de Probabilidade de Falha. Para tornar mais sensível ainda a escolha do parâmetro, basta lembrar que esta Categoria é definida por faixas do Sub-fator do Módulo Técnico, que é um número obtido do somatório dos pontos auferidos após a contabilização do risco referente aos mecanismos de deterioração atuantes. O uso do valor deste parâmetro nas condições atuais do equipamento, levando-se em consideração o plano de inspeção atualmente aplicado e suas condições operacionais e de projeto, para definir o limite inicial para o risco a ser assumido para cada equipamento parece ser uma opção razoável para se iniciar a administração do risco com base no RBI.

10 5. CONCLUSÕES 5.1 A evolução do risco dos equipamentos através da aplicação da técnica de RBI através do software API-RBI, é de fácil observação nas matrizes de risco obtidas. 5.2 O efeito do plano de inspeção aplicado é identificado através das matrizes de risco obtidas. 5.3 O nível de efetividade D das inspeções aplicadas ao conjunto de equipamentos em avaliação, mostrou-se insuficiente para impedir a evolução do risco residual após 12 anos de campanha (10/2013). 5.4 O grau de Risco (baixo, médio, médio-alto e alto) não deve ser utilizado como critério para definição do momento em que um equipamento deve ser inspecionado. 5.5 O valor do sub-fator do módulo técnico de cada equipamento após a aplicação de seu plano de inspeção em vigor, deve ser usado como referência inicial para a administração de seu risco. REFERÊNCIAS [1] API PUBLICATION 581, Risk Based Inspection Base Resource Document, American Petroleum Institute, May, 2000.

Programa de Inspeção Baseada em Risco - tubulação condução Ácido Sulfúrico

Programa de Inspeção Baseada em Risco - tubulação condução Ácido Sulfúrico Programa de Inspeção Baseada em Risco - tubulação condução Ácido Sulfúrico 1 Introdução A Inspeção Baseada em Risco - IBR, implementada em tubulações de Ferro Fundido Nodular, as quais conduzem ácido sulfúrico,

Leia mais

INSPEÇÃO BASEADA EM RISCO APLICADA AO PLANEJAMENTO DE PARADAS DE MANUTENÇÃO

INSPEÇÃO BASEADA EM RISCO APLICADA AO PLANEJAMENTO DE PARADAS DE MANUTENÇÃO INSPEÇÃO BASEADA EM RISCO APLICADA AO PLANEJAMENTO DE PARADAS DE MANUTENÇÃO Joelma Gonçalves Damasceno Mota PETROBRAS, Refinaria Duque de Caxias REDUC. Av Washington Luiz, 114. Campos Elíseos. Duque de

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE GERÊNCIA DE CONTROLE DE TESOURARIA ANÁLISE DE RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 Belo Horizonte

Leia mais

UMA PLANILHA PARA ANÁLISE DE RISCO EM DUTOVIAS APLICANDO O MÉTODO DE MUHLBAUER

UMA PLANILHA PARA ANÁLISE DE RISCO EM DUTOVIAS APLICANDO O MÉTODO DE MUHLBAUER UMA PLANILHA PARA ANÁLISE DE RISCO EM DUTOVIAS APLICANDO O MÉTODO DE MUHLBAUER José Luiz de França Freire DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO Alberto

Leia mais

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS 1. CONTEXTO A Porto Seguro Investimentos é uma Instituição Financeira privada, constituída em 8 de abril de 1991,

Leia mais

5 Análise dos Resultados Seguro de Vida

5 Análise dos Resultados Seguro de Vida Capítulo 5 Análise dos Resultados - Seguro de Vida 5 Análise dos Resultados Seguro de Vida Este capítulo tem como objetivo a análise dos resultados obtidos através da modelagem dos dados de uma seguradora.

Leia mais

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP 6. Procedimento de gerenciamento de risco O fabricante ou prestador de serviço deve estabelecer e manter um processo para identificar

Leia mais

Capítulo 1. Extreme Programming: visão geral

Capítulo 1. Extreme Programming: visão geral Capítulo 1 Extreme Programming: visão geral Extreme Programming, ou XP, é um processo de desenvolvimento de software voltado para: Projetos cujos requisitos são vagos e mudam com freqüência; Desenvolvimento

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção Curso de Engenharia de Produção Manutenção dos Sistemas de Produção Introdução: Existe uma grande variedade de denominações das formas de atuação da manutenção, isto provoca certa confusão em relação aos

Leia mais

Teoria da Decisão MÉTODOS QUANTITATIVOS DE GESTÃO

Teoria da Decisão MÉTODOS QUANTITATIVOS DE GESTÃO Teoria da Decisão MÉTODOS QUANTITATIVOS DE GESTÃO INTRODUÇÃO Todo problema de decisão envolve julgamento sobre um conjunto conhecido de alternativas; Informações Disponíveis (Dados) Conhecidos com certeza;

Leia mais

Aula 09 Matemática Financeira. Princípios Fundamentais da Engenharia Econômica

Aula 09 Matemática Financeira. Princípios Fundamentais da Engenharia Econômica Aula 09 Matemática Financeira Princípios Fundamentais da Engenharia Econômica Introdução A partir da absorção do conceito de dinheiro no tempo, estamos aptos a fazer uso da Engenharia Econômica, que se

Leia mais

Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade. Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas

Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade. Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas O que é qualidade? Qualidade é a adequação ao uso. É a conformidade às exigências. (ISO International

Leia mais

Figura 1 Nível de maturidade em gerenciamento de projetos PMI. Fonte: Estudo de Benchmarking do PMI (2013)

Figura 1 Nível de maturidade em gerenciamento de projetos PMI. Fonte: Estudo de Benchmarking do PMI (2013) A elevação da maturidade das organizações em gerenciamento de projetos tem sido muito vagarosa, pois como demonstra a figura 1, 82% das empresas respondentes ao Estudo de Benchmarking do PMI (2013) estão

Leia mais

Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação Procedimentos Possíveis Achados

Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação Procedimentos Possíveis Achados Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação s Possíveis Achados 1 As características da unidade de controle interno atendem aos preceitos normativos e jurisprudenciais? Ato que criou

Leia mais

Manual de Instruções Gerais (MIG) Risco Operacional

Manual de Instruções Gerais (MIG) Risco Operacional 1/74 Título 1 Apresentação... 3 Título 2 Gerenciamento do Risco Operacional... 4 1 Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional 4 1 Considerações Gerais... 4 2 Estrutura Organizacional... 5 3 Responsabilidades...

Leia mais

Política de Gestão de Riscos

Política de Gestão de Riscos Política de Gestão de Riscos 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas

Leia mais

7. Avaliação da Integridade Estrutural de um Guincho Hidráulico Gerenciamento do Risco

7. Avaliação da Integridade Estrutural de um Guincho Hidráulico Gerenciamento do Risco 7. Avaliação da Integridade Estrutural de um Guincho Hidráulico Gerenciamento do Risco A classificação das Probabilidades, consequências e riscos de falha em níveis (classificação qualitativa) permite

Leia mais

Guia de Manutenção de Edificações

Guia de Manutenção de Edificações PROJETO DE PESQUISA TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO DE PESQUISA TÍTULO ENTIDADE Abraman Associação Brasileira de Manutenção COMITÊ DE ESTUDOS Comitê de Manutenção Centrada na Confiabilidade COORDENAÇÃO Eng.

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

Por que sua organização deve implementar a ABR - Auditoria Baseada em Riscos

Por que sua organização deve implementar a ABR - Auditoria Baseada em Riscos Março de 2010 UM NOVO PARADIGMA PARA AS AUDITORIAS INTERNAS Por que sua organização deve implementar a ABR - Auditoria Baseada em Riscos por Francesco De Cicco 1 O foco do trabalho dos auditores internos

Leia mais

5 Sistema americano. 5.1 Forma de Ressuprimento

5 Sistema americano. 5.1 Forma de Ressuprimento 5 Sistema americano O objetivo deste capítulo é descrever o sistema de programação de entregas e previsão de demanda para clientes VMI utilizado pela matriz da Empresa de Gases Alfa nos Estados Unidos.

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto

Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com PMBoK Organização do Projeto Os projetos e o gerenciamento

Leia mais

SUPERVISÃO COOPERATIVA Acompanhamento Indireto, acompanhamento dos planos, auditoria e comunicação

SUPERVISÃO COOPERATIVA Acompanhamento Indireto, acompanhamento dos planos, auditoria e comunicação SUPERVISÃO COOPERATIVA Acompanhamento Indireto, acompanhamento dos planos, auditoria e comunicação 1 Acompanhamento Indireto Tratamento das informações Análise intrínseca, evolutiva e comparativa Processos

Leia mais

DESAFIOS NA GESTÃO DE ATIVOS EM PROJETOS DE MINERAÇÃO DE PEQUENO PORTE: EXEMPLO PRÁTICO

DESAFIOS NA GESTÃO DE ATIVOS EM PROJETOS DE MINERAÇÃO DE PEQUENO PORTE: EXEMPLO PRÁTICO DESAFIOS NA GESTÃO DE ATIVOS EM PROJETOS DE MINERAÇÃO DE PEQUENO PORTE: EXEMPLO PRÁTICO Rodrigo O. Sabino, Richardson V. Agra, Giorgio De Tomi Departamento de Engenharia de Minas e de Petróleo Escola Politécnica

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

Western Asset Management Company Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Limitada. Política de Gerenciamento de Risco Operacional

Western Asset Management Company Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Limitada. Política de Gerenciamento de Risco Operacional Western Asset Management Company Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Limitada Política de Gerenciamento de Risco Operacional Ratificada pela Reunião de Diretoria de 29 de abril de 2014 1 Introdução

Leia mais

Estratégia de Manutenção em Oficinas utilizando Caminho Critico

Estratégia de Manutenção em Oficinas utilizando Caminho Critico SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Estratégia de Manutenção em Oficinas utilizando Caminho Critico RESUMO Entre as estratégias gerenciais em empresas de médio e grande porte existe o

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

A Utilização de Etiquetas de Detecção de Inconveniências na Manutenção Autônoma do TPM

A Utilização de Etiquetas de Detecção de Inconveniências na Manutenção Autônoma do TPM XIII SIMPEP Bauru, SP, Brasil, 6 a 8 de novembro de 6. A Utilização de Etiquetas de Detecção de Inconveniências na Manutenção Autônoma do TPM Marcos Roberto Bormio (UNESP) mbormio@feb.unesp.br Nilson Damaceno

Leia mais

APLICAÇÃO DA PROTEÇÃO CATÓDICA NA PREVENÇÃO DE CORROSÃO DE ADUTORAS E RESERVATÓRIOS METÁLICOS

APLICAÇÃO DA PROTEÇÃO CATÓDICA NA PREVENÇÃO DE CORROSÃO DE ADUTORAS E RESERVATÓRIOS METÁLICOS Título APLICAÇÃO DA PROTEÇÃO CATÓDICA NA PREVENÇÃO DE CORROSÃO DE ADUTORAS E RESERVATÓRIOS METÁLICOS Autores Eng o. Luiz Rodrigues Leite Jr. - Engenheiro II. Engenheiro Eletricista Eng o. Nilton Franco

Leia mais

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa.

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa. A Liderança Faz a Diferença Guia de Gerenciamento de Riscos Fatais Introdução 2 A prevenção de doenças e acidentes ocupacionais ocorre em duas esferas de controle distintas, mas concomitantes: uma que

Leia mais

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Histórico de Revisões Data Versão Descrição 30/04/2010 1.0 Versão Inicial 2 Sumário 1. Introdução... 5 2. Público-alvo... 5 3. Conceitos básicos...

Leia mais

Gerenciamento de Projeto: Criando o Termo de Abertura II. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Gerenciamento de Projeto: Criando o Termo de Abertura II. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Gerenciamento de Projeto: Criando o Termo de Abertura II Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Priorizando Projetos. Métodos Matemáticos. Métodos de análise de benefícios. Selecionando

Leia mais

GERENCIAMENTO DA TAXA DE CORROSÃO POR CUPONS POR PERDA DE MASSA CUPONNET. Elcione Simor PETRÓLEO BRASILEIRO S.A. - PETROBRAS

GERENCIAMENTO DA TAXA DE CORROSÃO POR CUPONS POR PERDA DE MASSA CUPONNET. Elcione Simor PETRÓLEO BRASILEIRO S.A. - PETROBRAS GERENCIAMENTO DA TAXA DE CORROSÃO POR CUPONS POR PERDA DE MASSA CUPONNET Elcione Simor PETRÓLEO BRASILEIRO S.A. - PETROBRAS André Pereira Novais INFOTEC CONSULTORIA & PLANEJAMENTO 6 COTEQ Conferência sobre

Leia mais

EFICIÊNCIA DE LEITOS CONVENCIONAIS DE ÂNODOS VERSUS LEITOS EM POÇO VERTICAL PROFUNDO PARA PROTEÇÃO CATÓDICA DE TUBULAÇÕES EM PLANTAS PETROQUÍMICAS

EFICIÊNCIA DE LEITOS CONVENCIONAIS DE ÂNODOS VERSUS LEITOS EM POÇO VERTICAL PROFUNDO PARA PROTEÇÃO CATÓDICA DE TUBULAÇÕES EM PLANTAS PETROQUÍMICAS EFICIÊNCIA DE LEITOS CONVENCIONAIS DE ÂNODOS VERSUS LEITOS EM POÇO VERTICAL PROFUNDO PARA PROTEÇÃO CATÓDICA DE TUBULAÇÕES EM PLANTAS PETROQUÍMICAS UMA EXPERIÊNCIA PRÁTICA Luciano Pereira da Silva Francisco

Leia mais

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS Amplitude de Controle Conceito Também denominada amplitude administrativa ou ainda amplitude de supervisão, refere-se ao número de subordinados que um

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional - 2010

Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional - 2010 Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional - 2010 Sumário 1. Introdução:...3 2. Abrangência:...3 3. Estrutura do Gerenciamento de Risco Operacional:...3 3.1. Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional:...4

Leia mais

FORMAÇÃO DE INSPETOR DE EQUIPAMENTOS. Manuel Joaquim de Castro Lourenço Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca CEFET/RJ

FORMAÇÃO DE INSPETOR DE EQUIPAMENTOS. Manuel Joaquim de Castro Lourenço Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca CEFET/RJ FORMAÇÃO DE INSPETOR DE EQUIPAMENTOS Manuel Joaquim de Castro Lourenço Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca CEFET/RJ Marcelo Maciel Pereira Fundação Brasileira de Tecnologia da

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Trata-se de proposta de texto para revisão do Anexo 8 da Norma Regulamentadora n.º 15 (Atividades

Leia mais

ACOMPANHAMENTO GERENCIAL SANKHYA

ACOMPANHAMENTO GERENCIAL SANKHYA MANUAL DE VISITA DE ACOMPANHAMENTO GERENCIAL SANKHYA Material exclusivo para uso interno. O QUE LEVA UMA EMPRESA OU GERENTE A INVESTIR EM UM ERP? Implantar um ERP exige tempo, dinheiro e envolve diversos

Leia mais

PLANOS DE CONTINGÊNCIAS

PLANOS DE CONTINGÊNCIAS PLANOS DE CONTINGÊNCIAS ARAÚJO GOMES Capitão SC PMSC ARAÚJO GOMES defesacivilgomes@yahoo.com.br PLANO DE CONTINGÊNCIA O planejamento para emergências é complexo por suas características intrínsecas. Como

Leia mais

CAPÍTULO I DO OBJETIVO E DAS DEFINIÇÕES

CAPÍTULO I DO OBJETIVO E DAS DEFINIÇÕES RESOLUÇÃO N o 143, DE 10 DE JULHO DE 2012. Estabelece critérios gerais de classificação de barragens por categoria de risco, dano potencial associado e pelo seu volume, em atendimento ao art. 7 da Lei

Leia mais

PLANEJAMENTO DE CAPACIDADE EM INFRA-ESTRUTURAS SUPORTADAS POR SERVIÇOS TERCEIRIZADOS DE REDE DE COMUNICAÇÃO DE DADOS

PLANEJAMENTO DE CAPACIDADE EM INFRA-ESTRUTURAS SUPORTADAS POR SERVIÇOS TERCEIRIZADOS DE REDE DE COMUNICAÇÃO DE DADOS PLANEJAMENTO DE CAPACIDADE EM INFRA-ESTRUTURAS SUPORTADAS POR SERVIÇOS TERCEIRIZADOS DE REDE DE COMUNICAÇÃO DE DADOS Roosevelt Belchior Lima Neste artigo será apresentada uma proposta de acompanhamento

Leia mais

Gestão da Manutenção: Um estudo de caso em um laticínio no Centro-Oeste de Minas Gerais

Gestão da Manutenção: Um estudo de caso em um laticínio no Centro-Oeste de Minas Gerais Gestão da Manutenção: Um estudo de caso em um laticínio no Centro-Oeste de Minas Gerais Maria Helena da Silva Miranda 1 ; Marina Ferreira Mendes Bernardes 1 ; Pedro Henrique Silva 1 ; Lucas Pimenta Silva

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL: RECURSOS HUMANOS E FINANÇAS MÓDULO 16

PLANEJAMENTO OPERACIONAL: RECURSOS HUMANOS E FINANÇAS MÓDULO 16 PLANEJAMENTO OPERACIONAL: RECURSOS HUMANOS E FINANÇAS MÓDULO 16 Índice 1. Orçamento Empresarial...3 2. Conceitos gerais e elementos...3 3. Sistema de orçamentos...4 4. Horizonte de planejamento e frequência

Leia mais

7 Discussão dos Resultados do API 581 BRD e do IAP

7 Discussão dos Resultados do API 581 BRD e do IAP 7 Discussão dos Resultados do API 581 BRD e do IAP 7.1 Informações sobre os Oleodutos Avaliados Foram avaliados pela metodologia do API 581 BRD, quatro oleodutos reais de transferência de petróleo entre

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE GERÊNCIA DE CONTROLE DE TESOURARIA ANÁLISE DE RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG Belo Horizonte 01 de Julho de 2008 1 SUMÁRIO 1. Introdução...02

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE A METODOLOGIA DE CÁLCULO DOS CUSTOS OPERACIONAIS. Audiência Pública 040 2ª Etapa Nota técnica 101/2011 SER/ANEEL

CONSIDERAÇÕES SOBRE A METODOLOGIA DE CÁLCULO DOS CUSTOS OPERACIONAIS. Audiência Pública 040 2ª Etapa Nota técnica 101/2011 SER/ANEEL CONSIDERAÇÕES SOBRE A METODOLOGIA DE CÁLCULO DOS CUSTOS OPERACIONAIS Audiência Pública 040 2ª Etapa Nota técnica 101/2011 SER/ANEEL Adriano Provezano Gomes Professor Associado do Departamento de Economia

Leia mais

Soma. Paulo Roberto Guimarães Junior

Soma. Paulo Roberto Guimarães Junior Soma Paulo Roberto Guimarães Junior Observatório Nacional de Segurança Viária. Rua 9 de Julho, 1953 - Vila Georgina - Cep: 13.333-070 - Indaiatuba SP Telefone: (19) 3801.4500 E-mail: onsv@onsv.org.br SÍNTESE

Leia mais

ESTRATÉGIA PARA AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL SEGUNDO A

ESTRATÉGIA PARA AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL SEGUNDO A ESTRATÉGIA PARA AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL SEGUNDO A AIHA (AMERICAN INDUSTRIAL HYGIENE ASSOCIATION) O problema básico na avaliação da exposição ocupacional é reconhecer todas as exposições, avaliar

Leia mais

Unidade VI. Validação e Verificação de Software Teste de Software. Conteúdo. Técnicas de Teste. Estratégias de Teste

Unidade VI. Validação e Verificação de Software Teste de Software. Conteúdo. Técnicas de Teste. Estratégias de Teste Unidade VI Validação e Verificação de Software Teste de Software Profa. Dra. Sandra Fabbri Conteúdo Técnicas de Teste Funcional Estrutural Baseada em Erros Estratégias de Teste Teste de Unidade Teste de

Leia mais

A metodologia proposta pela WEG para realizar este tipo de ação será apresentada a seguir.

A metodologia proposta pela WEG para realizar este tipo de ação será apresentada a seguir. Eficiência Energética Buaiz Alimentos 1 CARACTERÍSTICAS DA EMPRESA Nome fantasia: Buaiz Alimentos Ramo de atividade: Alimentício Localização: Vitória / ES Estrutura tarifária: Horo-sazonal Azul A4 Demanda

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI da Revista Construção e Mercado Pini Junho 2013. Prof. Dr. Sérgio Alfredo Rosa da Silva

Texto para Coluna do NRE-POLI da Revista Construção e Mercado Pini Junho 2013. Prof. Dr. Sérgio Alfredo Rosa da Silva Texto para Coluna do NRE-POLI da Revista Construção e Mercado Pini Junho 2013 Gerenciamento de riscos na implantação de empreendimentos imobiliários residenciais no atual cenário de desvios de prazos e

Leia mais

2.1. Risco de Crédito De acordo com resolução 3721 - CMN-, define-se o risco de crédito como:

2.1. Risco de Crédito De acordo com resolução 3721 - CMN-, define-se o risco de crédito como: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO 1. Introdução A Diretoria da Grazziotin em atendimento ã Resolução 3721 de abril/2009, divulga sua Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito alinhada

Leia mais

METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES?

METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES? METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES? Os indicadores permitem avaliação do desempenho da instituição, segundo três aspectos relevantes: controle, comunicação e melhoria. (MARTINS & MARINI, 2010,

Leia mais

MELHORIA DA QUALIDADE e MASP (Prof. José Carlos de Toledo GEPEQ/DEP-UFSCar) 1. Introdução

MELHORIA DA QUALIDADE e MASP (Prof. José Carlos de Toledo GEPEQ/DEP-UFSCar) 1. Introdução MELHORIA DA QUALIDADE e MASP (Prof. José Carlos de Toledo GEPEQ/DEP-UFSCar) 1. Introdução A Melhoria da Qualidade é uma atividade que deve estar presente nas rotinas de toda a empresa. Isto significa que

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO A Um Investimentos S/A CTVM, conforme definição da Resolução nº 3.721/09, demonstra através deste relatório a sua estrutura do gerenciamento de risco de crédito.

Leia mais

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil Patricia Viero Minussi Aes Sul Distribuidora Gaúcha de Energia patricia.minussi@aes.com

Leia mais

Sistema de avaliação da tarefa 47 da fase 5

Sistema de avaliação da tarefa 47 da fase 5 Sistema de avaliação da tarefa 47 da fase 5 A Fase 5 da nossa Olimpíada mantém a forma de avaliação de 2014. O processo de avaliação será realizado por duas correções concomitantes: a já conhecida e consolidada

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Instrutora: Aneliese Nascimento

ELABORAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Instrutora: Aneliese Nascimento Instrutora: Aneliese Nascimento O QUE É UM PROJETO? 4 Instrumento de comunicação. 4 Instrumento de intervenção em um ambiente ou situação para mudanças. 4 Instrumento para fazer algo inovador. O QUE DEVE

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1. INTRODUÇÃO O Scotiabank Brasil (SBB), em atendimento à Resolução CMN 3.464 e alinhado a política global do grupo, implementou estrutura de Gerenciamento

Leia mais

Eficiência Energética Chocolates Garoto

Eficiência Energética Chocolates Garoto Eficiência Energética Chocolates Garoto 1 CARACTERÍSTICAS DA EMPRESA Nome fantasia: Chocolates Garoto Ramo de atividade: Alimentício Localização: Vila Velha / ES Estrutura tarifária: Horo-sazonal Azul

Leia mais

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Objetivos da Aula: Nesta aula, iremos conhecer os diversos papéis e responsabilidades das pessoas ou grupos de pessoas envolvidas na realização de

Leia mais

ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA. Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva

ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA. Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva Joel Alves da Silva, Diretor Técnico JAS-METRO Soluções e Treinamentos

Leia mais

ANEXO I NÍVEIS MÍNIMOS DE SERVIÇO EXIGIDOS (NMSE) PARA CONTRATO DE APOIO

ANEXO I NÍVEIS MÍNIMOS DE SERVIÇO EXIGIDOS (NMSE) PARA CONTRATO DE APOIO ANEXO I NÍVEIS MÍNIMOS DE SERVIÇO EXIGIDOS (NMSE) PARA CONTRATO DE APOIO 1. Introdução 1.1. Descrição do serviço Este documento disciplina a cessão de uso permanente da solução de software para Gestão

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 193

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 193 Página 193 SISTEMAS INSTRUMENTADOS DE SEGURANÇA PARA UMA UNIDADE DE PRODUÇÃO DE BIODIESEL Amaro Miguel da Silva Filho 1 ; Rafaela Ferreira Batista 2 ; James Correia de Melo 2 ; José Geraldo de Andrade

Leia mais

OBSERVAÇÃO DE TAREFAS BASEADA NA SEGURANÇA COMPORTAMENTAL

OBSERVAÇÃO DE TAREFAS BASEADA NA SEGURANÇA COMPORTAMENTAL OBSERVAÇÃO DE TAREFAS BASEADA NA SEGURANÇA COMPORTAMENTAL Autores Gerson Luiz Chaves Vandro Luiz Pezzin RGE - RIO GRANDE ENERGIA S.A. RESUMO Os riscos presentes nas atividades que envolvem a distribuição

Leia mais

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação O artigo fala sobre os vários aspectos e desafios que devem ser levados em consideração quando se deseja transformar ou fortalecer uma cultura organizacional, visando a implementação de uma cultura duradoura

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) A CONCERT Technologies S.A. prioriza a segurança de seus Colaboradores, Fornecedores,

Leia mais

POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1. INTRODUÇÃO A política de Risco de Mercado do Scotiabank Brasil ( Scotiabank ) é baseada na política do grupo de Risk Management Global do Scotiabank

Leia mais

TOP CIDADANIA ABRH-RS 2016 Categoria Conhecimento. 1 APRESENTAÇÃO peso 2 20 1.1 Apresentação do trabalho 20

TOP CIDADANIA ABRH-RS 2016 Categoria Conhecimento. 1 APRESENTAÇÃO peso 2 20 1.1 Apresentação do trabalho 20 TOP CIDADANIA ABRH-RS 2016 Categoria Conhecimento TABELA DE AVALIAÇÃO 2ª Etapa Apresentação do Trabalho Critérios e Itens de Avaliação máxima 1 APRESENTAÇÃO peso 2 20 1.1 Apresentação do trabalho 20 2

Leia mais

Nota Técnica Atuarial de Carteira

Nota Técnica Atuarial de Carteira Nota Técnica Atuarial de Carteira Circular SUSEP 362/2008 Resolução CNSP 163/2007 Quadros Estatísticos 270, 271 e 272 Carlos Augusto Pinto César da Rocha Neves Eduardo Fraga Lima de Melo São Paulo 29 de

Leia mais

2- FUNDAMENTOS DO CONTROLE 2.1 - CONCEITO DE CONTROLE:

2- FUNDAMENTOS DO CONTROLE 2.1 - CONCEITO DE CONTROLE: 1 - INTRODUÇÃO Neste trabalho iremos enfocar a função do controle na administração. Trataremos do controle como a quarta função administrativa, a qual depende do planejamento, da Organização e da Direção

Leia mais

UM CONCEITO FUNDAMENTAL: PATRIMÔNIO LÍQUIDO FINANCEIRO. Prof. Alvaro Guimarães de Oliveira Rio, 07/09/2014.

UM CONCEITO FUNDAMENTAL: PATRIMÔNIO LÍQUIDO FINANCEIRO. Prof. Alvaro Guimarães de Oliveira Rio, 07/09/2014. UM CONCEITO FUNDAMENTAL: PATRIMÔNIO LÍQUIDO FINANCEIRO Prof. Alvaro Guimarães de Oliveira Rio, 07/09/2014. Tanto as pessoas físicas quanto as jurídicas têm patrimônio, que nada mais é do que o conjunto

Leia mais

CAPÍTULO 7 - ÁRVORES DE DECISÃO

CAPÍTULO 7 - ÁRVORES DE DECISÃO CAPÍTULO 7 - ÁRVORES DE DECISÃO 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS A árvore de decisão é uma maneira gráfica de visualizar as consequências de decisões atuais e futuras bem como os eventos aleatórios relacionados.

Leia mais

Equilíbrio econômico de uma seguradora Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV)

Equilíbrio econômico de uma seguradora Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) Equilíbrio econômico de uma seguradora Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) O objetivo deste trabalho é estudar um modelo simples de comportamento e equilíbrio das seguradoras. Nesta discussão, são

Leia mais

Gerenciamento de software como ativo de automação industrial

Gerenciamento de software como ativo de automação industrial Gerenciamento de software como ativo de automação industrial INTRODUÇÃO Quando falamos em gerenciamento de ativos na área de automação industrial, fica evidente a intenção de cuidar e manter bens materiais

Leia mais

Decidir como medir cada característica. Definir as características de qualidade. Estabelecer padrões de qualidade

Decidir como medir cada característica. Definir as características de qualidade. Estabelecer padrões de qualidade Escola de Engenharia de Lorena - EEL Controle Estatístico de Processos CEP Prof. MSc. Fabrício Maciel Gomes Objetivo de um Processo Produzir um produto que satisfaça totalmente ao cliente. Conceito de

Leia mais

Atualmente, as organizações de uma

Atualmente, as organizações de uma Uma estratégia competitiva para laboratórios de calibração e ensaios no cenário atual Conheça um modelo gerencial para laboratórios de calibração e ensaios, alinhando a qualidade necessária à realização

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Estrutura de um Sistema de Informação Vimos

Leia mais

Um estudo da correlação dos resultados patrimoniais e operacionais das seguradoras Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV)

Um estudo da correlação dos resultados patrimoniais e operacionais das seguradoras Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) Um estudo da correlação dos resultados patrimoniais e operacionais das seguradoras Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) Este estudo aborda a correlação entre os resultados operacionais e patrimoniais

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO CONSULTA PÚBLICA do ANEXO 8 da NR-15 PROPOSTA DE TEXTO NORMATIVO NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Nome do Sistema DESARM- Sistema De Guarda E Rastreabilidade de Armas de Fogo. Equipe Dr. ERNESTO ANSELMO QUEIROZ CHÍXARO Juiz Auxiliar da Corregedoria

Nome do Sistema DESARM- Sistema De Guarda E Rastreabilidade de Armas de Fogo. Equipe Dr. ERNESTO ANSELMO QUEIROZ CHÍXARO Juiz Auxiliar da Corregedoria Órgão Tribunal de Justiça do Amazonas Email para contato sidney.brito@tjam.jus.br Nome do Sistema DESARM- Sistema De Guarda E Rastreabilidade de Armas de Fogo Equipe Dr. ERNESTO ANSELMO QUEIROZ CHÍXARO

Leia mais

4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes

4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes 4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes Neste capítulo é apresentado o desenvolvimento de um dispositivo analisador de redes e de elementos de redes, utilizando tecnologia FPGA. Conforme

Leia mais

Engenharia de Manutenção em Sistemas Eletroeletrônicos.

Engenharia de Manutenção em Sistemas Eletroeletrônicos. Engenharia de Manutenção em Sistemas Eletroeletrônicos. Superintendência de Engenharia de Manutenção Departamento de Equipamentos Eletroeletrônicos Cenário Grande empresa com atividade-fim muito específica.

Leia mais

Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação

Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação QP Informe Reservado Nº 70 Maio/2007 Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação Tradução para o português especialmente preparada para os Associados ao QP. Este guindance paper

Leia mais

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004 Sistemas de Gestão O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 Material especialmente preparado para os Associados ao QSP. QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004

Leia mais

Avenida Presidente Wilson, 231 11 andar 20030-905 Rio de Janeiro- RJ ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL

Avenida Presidente Wilson, 231 11 andar 20030-905 Rio de Janeiro- RJ ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL MARÇO, 2015 ÍNDICE OBJETIVO 3 ESCOPO 3 DEFINIÇÕES Risco Inerente 4 DEFINIÇÕES Risco Operacional 4 DEFINIÇÕES Evento de Risco Operacional 4 FUNÇÕES E RESPONSABILIDADES

Leia mais

Tópico: Plano e Estratégia. Controle interno e risco de auditoria

Tópico: Plano e Estratégia. Controle interno e risco de auditoria Tópico: Plano e Estratégia. Controle interno e risco de auditoria i Professor Marcelo Aragão Trabalhos de outros auditores ou especialistas Complexidade das transações Volume das transações Áreas importantes

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA MANUTENÇÃO (PCM) Parte 2

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA MANUTENÇÃO (PCM) Parte 2 PLANEJAMENTO E CONTROLE DA MANUTENÇÃO (PCM) Parte 2 4 - ATRIBUIÇÕES DO PCM Luiz Carlos Dorigo As quatro funções fundamentais do PCM, quais sejam, Planejamento, Programação, Coordenação e Controle devem

Leia mais

MODELAGEM E SIMULAÇÃO

MODELAGEM E SIMULAÇÃO MODELAGEM E SIMULAÇÃO Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Como Funciona a Simulação Introdução Assim como qualquer programa de computador,

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Banco John Deere S.A No Banco John Deere S.A., a Gestão de Riscos é atribuição do Departamento de Gestão de Riscos e Compliance (DPRC), que se reporta diretamente ao

Leia mais

Vasos de Pressão. Ruy Alexandre Generoso

Vasos de Pressão. Ruy Alexandre Generoso Vasos de Pressão Ruy Alexandre Generoso VASOS DE PRESSÃO DEFINIÇÃO: São equipamentos que contêm fluidos sob pressão, cujo produto P x V seja superior a 8. Em que: Pressão (Kpa) Volume (m 3 ) VASOS DE PRESSÃO

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A qualidade de software é responsabilidade de todos os participantes envolvidos no desenvolvimento de software.

Leia mais

TOP SER HUMANO ABRH-RS 2015 Categoria Estudante TABELA DE AVALIAÇÃO. 1 APRESENTAÇÃO peso 2 20 1.1 Estruturação geral do trabalho 20

TOP SER HUMANO ABRH-RS 2015 Categoria Estudante TABELA DE AVALIAÇÃO. 1 APRESENTAÇÃO peso 2 20 1.1 Estruturação geral do trabalho 20 TOP SER HUMANO ABRH-RS 2015 Categoria Estudante TABELA DE AVALIAÇÃO Critérios e Itens de Avaliação máxima 1 APRESENTAÇÃO peso 2 20 1.1 Estruturação geral do trabalho 20 2 APLICABILIDADE peso 3 60 2.1 Atingimento

Leia mais

Responsável pelo projeto: Gustavo Adolpho Castilho Freire - Assessor E-mail: gustavo@ibge.gov.br

Responsável pelo projeto: Gustavo Adolpho Castilho Freire - Assessor E-mail: gustavo@ibge.gov.br 1 Experiência: Sistema de Suprimento de Fundos Instituição: Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Coordenação de Orçamento e Finanças Coordenador: Reinaldo Silva Pereira E-mail:

Leia mais

Limite de Retenção Orientações da Susep ao Mercado

Limite de Retenção Orientações da Susep ao Mercado Limite de Retenção Orientações da Susep ao Mercado JUNHO/2013 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 2 1.1. Área Responsável... 2 1.2. Base Legal... 2 1.3. Abrangência... 2 1.4. Contextualização... 2 2. LIMITE DE RETENÇÃO...

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais