ESTUDOS EM MANEJO FLORESTAL Série Técnica n. 1

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTUDOS EM MANEJO FLORESTAL Série Técnica n. 1"

Transcrição

1 Instituto de Conservação e Desenvolvimento Sustentável do Amazonas ESTUDOS EM MANEJO FLORESTAL Série Técnica n. 1 Análise técnica da alteração no critério de seleção de árvores para corte em Planos de Manejo Florestal Sustentável de Pequena Escala 1. Carlos Gabriel Koury1; André Luiz Menezes Vianna2; Eduardo Rizzo³ 1- Especialista em Silvicultura Tropical, Idesam Instituto de Conservação e Desenvolvimento Sustentável do Amazonas, Manaus, AM. 2- Me. Manejo Florestal, Idesam Instituto de Conservação e Desenvolvimento Sustentável do Amazonas, Manaus, AM. 3- Engenheiro florestal, Idesam Instituto de Conservação e Desenvolvimento Sustentável do Amazonas, Manaus, AM. Resumo A categoria de plano de manejo florestal do Amazonas, Plano de Manejo Florestal Sustentável de Pequena Escala (PMFSPE), para pequenos produtores foi regulamentada pela Resolução N 007 de 21 de junho de 2011, até então essa categoria era regulamentada pela Instrução Normativa SDS N 02/2008. Uma das alterações trazidas por esta resolução foi a alteração da quantidade de árvores remanescentes necessárias, de 2 para 3, para possibilitar o corte de uma árvore. O objetivo desse estudo foi o de verificar se a alteração do número de árvores remanescentes exigido influenciará a colheita florestal, por meio de: quantificação da alteração no volume licenciado; alteração no número necessário de árvores remanescentes por espécie para manter volume licenciado; alterações nos custos e receitas do inventário florestal. O estudo foi realizado na Reserva de Desenvolvimento Sustentável do Uatumã, Amazonas. Foram utilizados os dados de cinco inventários 100% de cinco planos de manejo. Foi registrado em média redução de 9,34 m³ de madeira licenciável (5,07%) para o critério da resolução em comparação ao critério anteriormente definido pela Instrução Normativa SDS N 02/2008. Estatisticamente a redução de volume licenciável não foi significativa, fato que mostra que a identificação no campo de mais árvores remanescentes não altera estatisticamente o volume de madeira retirada no campo. No entanto, na prática, diante da necessidade de encontrar mais árvores remanescentes, a atividade de inventário pode ter um aumento nos custos de exploração em 4,5%. Palavras-chave: Exploração Florestal, Legislação Florestal, Licenciamento, População Tradicional, Amazonas. 1 Publicado em setembro de 2011.

2 Introdução A categoria de plano de manejo florestal Plano de Manejo Florestal Sustentável de Pequena Escala (PMFSPE) tem como objetivo regularizar a atividade madeireira de pequenos produtores no Amazonas e era regulamentada, até junho de 2011, por Instrução Normativa (IN SDS 002 de 2008). Esta categoria de plano de manejo compõe 85% dos planos de manejo licenciados no Amazonas na safra 2009/2010 (SDS, 2010) e vem sendo debatida para melhor se enquadrar à realidade dos pequenos manejadores. Em 2011, foi aprovada, no Conselho Estadual de Meio Ambiente (CEMAAM), uma proposta de resolução para regulamentar as alterações em debate. A Resolução n 007 de 21 de junho de 2011 estabelece normas e procedimentos que disciplinam a apresentação, tramitação, acompanhamento e condução das atividades de PMFSPE. Em seu Capítulo IV, 9º artigo, é estabelecido que: para cada árvore selecionada para corte deverá ser apresentada no inventário pelo menos três árvores com CAP (Circunferência à altura do peito) entre 60 e 157 cm da mesma espécie. Até então os PMFSPE eram orientados sob as normas da Instrução Normativa SDS n 002 de 11 de fevereiro de 2008, que exigia duas árvores como remanescentes para a seleção de uma árvore para corte. Objetivo Verificar se a alteração do número de árvores remanescentes exigido influenciará a colheita florestal. Objetivos Específicos i) Quantificar alteração no volume licenciado. ii) Quantificar o número necessário de árvores remanescentes por espécie para manter o volume licenciado. iii) Quantificar alterações nos custos e receitas do inventário florestal. Material e Métodos Área de estudo O estudo foi realizado na Reserva de Desenvolvimento Sustentável (RDS) do Uatumã, criada em junho de 2004, com ha. A RDS está localizada a 250 km ao nordeste da cidade de Manaus, entre as coordenadas 59º 10` a 58º 4` Sul e 2º 27` a 2º 4` Oeste, nos municípios de Itapiranga e São Sebastião do Uatumã. O clima da região é do tipo Amw (Köppen, 1948), com temperatura uniforme ao longo do ano, variando de 20º C a 38º C e precipitação anual média da região de mm (Idesam, 2008). A tipologia florestal estudada foi Floresta Ombrófila Densa em Terra Firme. Localização da Reserva de Desenvolvimento Sustentável do Uatumã. Alteração no volume licenciado Foram utilizados os dados dos inventários florestais de cinco PMFSPE existentes na RDS do Uatumã, os quais o Idesam é o responsável técnico e foram elaborados de acordo com os critérios da IN SDS 002/2008. Os inventários foram realizados em área de 10 hectares cada, onde foram inventariados todos os indivíduos comerciais com CAP superior a 90 cm. Cada indivíduo inventariado foi mensurado seu CAP e identificado por parabotânico. 2/6

3 A partir dos dados do inventário foi realizada a seleção de árvores para corte utilizando os critérios da Resolução e da Instrução Normativa para as cinco áreas de manejo florestal. Nos dois métodos de seleção foi utilizado, também, o critério de seleção de 50% de árvores com CAP superior 157 cm para corte quando não encontrado o número de árvores remanescentes, presente nos dois instrumentos normativos. Número de árvores remanescentes Após seleção de árvores para corte para os dois critérios avaliados, foi contabilizado por espécie o número de árvores remanescentes necessário para se manter, de acordo com os critérios da Resolução, o volume que seria licenciado pela Instrução Normativa. Análise econômica Comunitário realizando controle de árvore explorada em Área de Manejo Florestal na RDS do Uatumã. Para verificar as alterações econômicas foram utilizados: o fator de 45% de aproveitamento do volume licenciado, de acordo com os resultados das atividades pré exploratórias realizadas nas áreas de manejo da RDS do Uatumã; preço de venda da madeira de R$ 410 por m³ (Idesam, 2011); o fator de 34% para conversão de madeira em tora para madeira em prancha (Koury, 2007); custo de elaboração do POE dos planos de manejo da RDS do Uatumã de R$ 1.100,00 por hectare, contabilizando atividades de campo e de escritório. Resultados e Discussão Alteração no volume licenciado Foi registrado em média redução de 9,34 m³ de madeira licenciável (5,07%) quando são exigidas três árvores remanescentes, critério da Resolução, em comparação quando são exigidas duas árvores remanescentes, critério da Instrução Normativa. A tabela 1 resume os resultados da seleção de árvores para corte utilizando os dois critérios. Tabela 1. Resumo dos resultados da análise de critérios de seleção de árvores para corte. PMF SPE Critério IN 2 árv. remanes_ centes Vol. licenciável (m³) Critério Resolução 3 árv. remanes_ centes Vol. licenciável (m³) Diferença entre critérios (IN Resolução) (m³) Redução de volume licenciá vel (%) I 152,43 148,02 4,41 2,89 II 231,11 203,47 27,64 11,96 III 167,17 167,17 0,00 0,00 IV 243,48 236,90 6,58 2,70 V 126,57 118,50 8,07 6,38 Mé dia 184,15 174,81 9,34 5,07 Por meio do teste estatístico não paramétrico Qui-quadrado foi verificado que a diferença registrada não é estatisticamente significativa. O x² calculado de 4,13 foi inferior ao valor tabelado de 9,49 para um nível de significância de 95%. Portanto, a alteração no número de árvores remanescentes exigidas não reduziu o volume licenciável do dos PMFSPE da RDS do Uatumã com 95% de probabilidade. Número de árvores remanescentes A tabela 2 demonstra o número necessário de árvores remanescentes para possibilitar a colheita de árvores, que de acordo com os critérios da Instrução Normativa, eram aptas à exploração. 3/6

4 Tabela 2. Número de árvores remanescentes necessário (R) para possibilitar a colheita do número de árvores aptas a exploração (A). PMFSPE Espécie I II III IV V Total Chrysophyllum sanguinolentum Eschweilera coreaceae Eschweilera micrantha Eschweilera truncata R A R A R A R A R A R A Lecythis prancei Lecythis zabucajo Licaria martiniana Mezilaurus itauba Ocotea sp Pouteria guianensis Scleronema micranthum Tachigali mymercophyla Total A necessidade de se inventariar mais árvores ou o impedimento de se explorar uma árvore foi verificado em espécies de diferentes padrões de distribuição. Desde espécies como a Eschweilera coreaceae e Scleronema micranthum, espécies com alta densidade de indivíduos, até espécies como Mezilaurus itauba, que além de ter densidade de indivíduos menor (Oliveira e Amaral, 2004; Amaral et al., 2000), sofreu grande pressão de exploração na região por possuir alto valor de mercado. Scleronema micranthum foi a espécie em que foi verificado maior alteração no número de árvores aptas a exploração ou necessidade de maior número de árvores remanescentes. Isso por ser uma espécie de alta densidade de indivíduos e por ser a espécie madeireira mais frequente nos planos II e IV. Em espécies localmente raras e de alto valor de mercado, a exigência de mais um indivíduo remanescente torna mais difícil a exploração, como Mezilaurus itauba. Análise econômica A análise econômica foi realizada considerando o custo de elaboração do Plano Operacional de Exploração (POE) de R$ 1.100,00 por hectare, uma vez que, foram inventariadas em média 11,2 árvores por hectare, para os cinco planos de manejo, o custo em média por árvore é de R$ 111,27. A exigência de mais uma árvore remanescente reduzirá em média 4,8% a receita dos planos de manejo. Para se viabilizar a exploração do mesmo volume de madeira, quando se exige uma árvore remanescente a mais, os custos de inventário em média aumentariam em 4%. 4/6

5 Tabela 3. Resultados da análise econômica. PMSPE Receita 2 árv. remanesc (R$) Receita 3 árv. remanesc (R$) Redução de receita Aumento de custo (R$) (%) (R$) (%) I 9.561, ,29-276,64-2,89 222,54 2,33 II , , ,86-11, ,26 9,21 III , , IV , ,74-412,76-2, ,71 7,29 V 7.939, ,51-506,23-6,38 111,27 1,40 Média (erro padrão da média) ,85 (±1.426,00) ,96 (±1.302,57) -585,90 (±299,42) -4,79 556,36 (±277,06) 4,04 Considerações Em todos os planos estudados, o volume licenciável, quando utilizadas duas árvores remanescentes, não excede o limite de exploração por hectare, 25 m³.ha -1, nem o limite de exploração anual para a área de efetivo manejo, 0,86 m³. ha -1.ano -1, determinados pela Resolução 007/2011. Na colheita florestal das áreas de manejo da RDS do Uatumã, em média oito árvores são danificas por árvore colhida e 10% desses danos são danos letais (Vianna, 2011). Mensuração de árvore em Área de Manejo Florestal na RDS do Uatumã. No Plano de Manejo II ocorreram as maiores alterações em função da exigência de mais uma árvore remanescente. 5/6 Nessa área deixaram de serem licenciados 27,64 m³ de madeira, que representaria um total de 12,44 m³ de madeira explorada, considerando o aproveitamento de 45% do volume licenciado, valor médio de aproveitamento de acordo com dados das atividades pré exploratórias das áreas de manejo florestal da RDS do Uatumã. Esse volume de madeira poderia ser obtido na exploração de no máximo quatro árvores, que danificariam 32 árvores com DAP (Diâmetro à altura do peito) superior a 5 cm, sendo que quatro destas seriam mortas. Para essa área de manejo a exigência de mais uma árvore remanescente por árvore explorada resultaria em cerca de R$1.700,00 de redução na receita. Ao se comparar o manejo florestal a outras alternativas de uso do solo, como por exemplo a agropecuária, para se obter os R$1.700,00 reduzidos da receita o manejo florestal causaria danos inferiores aos gerados pela agropecuária. Conclusão A alteração no número de árvores remanescentes prevista na Resolução n 007 de 21 de junho de 2011, não resultou em alterações significativas no volume explorável. No entanto, pode gerar redução

6 da receita obtida pelos manejadores e/ou aumentar os gastos na elaboração do POE. Bibliografia Amaral, I.L.; Matos, F.D.A.; Lima, J Composição florística e estrutural de um hectare de floresta densa de terra firme no Rio Uatumã, Amazônia, Brasil. Acta Amazonica, 30: Idesam I Rodada de negócios da madeira manejada da RDS do Uatumã. Relatório técnico. 9 p. Koury, C.G Manejo Florestal Comunitário em Terra-firme no Baixo Amazonas: Custos e Entraves da Produção Madeireira. Dissertação de mestrado INPA/UFAM. Manaus, AM. 129 p. Oliveira, A.N.; Amaral, I.L Florística e fitossociologia de uma floresta de vertente na Amazônia Central, Amazonas, Brasil. Acta Amazonica, 34(1): SDS, A Situação Atual e Perspectivas para a Governança Florestal no Amazonas. Apresentação. Seminário de Governança Florestal do Amazonas: Cenários para a Consolidação do Manejo Florestal do Amazonas. 18 e 19 de novembro de Vianna, A.L.M Impacto do manejo florestal comunitário no estoque de carbono da vegetação da RDS do Uatumã. Dissertação de mestrado INPA/UFAM. No prelo. Manaus, AM. 32 p. 6/6

NORMA DE EXECUÇÃO N.º 2, DE 26 DE ABRIL DE 2007

NORMA DE EXECUÇÃO N.º 2, DE 26 DE ABRIL DE 2007 INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS DIRETORIA DE FLORESTAS NORMA DE EXECUÇÃO N.º 2, DE 26 DE ABRIL DE 2007 Institui, no âmbito desta Autarquia, o Manual Simplificado

Leia mais

FLORÍSTICA E SIMILARIDADE DE TRÊS PARCELAS PERMANENTES DO PROJETO TEAM NA AMAZÔNIA CENTRAL

FLORÍSTICA E SIMILARIDADE DE TRÊS PARCELAS PERMANENTES DO PROJETO TEAM NA AMAZÔNIA CENTRAL FLORÍSTICA E SIMILARIDADE DE TRÊS PARCELAS PERMANENTES DO PROJETO TEAM NA AMAZÔNIA CENTRAL Maikel Lamego Guimarães Mari, Engenheiro Florestal, orquidofilodaamazonia@hotmail.com, 55 92 8162-4656, Brasil,

Leia mais

Rede Biomassa Florestal: Foco de PD&I no Manejo de Florestas Naturais para mais 30 anos

Rede Biomassa Florestal: Foco de PD&I no Manejo de Florestas Naturais para mais 30 anos I Simpósio de Manejo Florestal da Amazônia e Seminário de Comemoração dos 30 Anos de Pesquisa florestal na FLONA Tapajós km 67 Santarém, maio/2010 Rede Biomassa Florestal: Foco de PD&I no Manejo de Florestas

Leia mais

PORTARIA INTERSETORIAL SDM/FATMA Nº 01, de 05/11/2002

PORTARIA INTERSETORIAL SDM/FATMA Nº 01, de 05/11/2002 PORTARIA INTERSETORIAL SDM/FATMA Nº 01, de 05/11/2002 "Estabelece que a exploração e a supressão de produtos florestais nativos em qualquer modalidade, no Estado de Santa Catarina, dependem da emissão,

Leia mais

MANEJO DO PALMITEIRO Euterpe edulis NO ESTADO DE SANTA CATARINA

MANEJO DO PALMITEIRO Euterpe edulis NO ESTADO DE SANTA CATARINA MANEJO DO PALMITEIRO Euterpe edulis NO ESTADO DE SANTA CATARINA IN-35 INSTRUÇÕES GERAIS: A Exploração do Palmiteiro (Euterpe edulis) no estado de Santa Catarina, deverá obedecer os critérios estabelecidos

Leia mais

PLANO DE MANEJO FLORESTAL SUSTENTÁVEL. Resumo Público

PLANO DE MANEJO FLORESTAL SUSTENTÁVEL. Resumo Público PLANO DE MANEJO FLORESTAL SUSTENTÁVEL Resumo Público RIO CAPIM PA / 2011 2 EMPRESA CIKEL BRASIL VERDE MADEIRAS LTDA - COMPLEXO RIO CAPIM Fazenda Rio Capim, Rod. BR 010, Km 1564, Zona Rural Paragominas-PA

Leia mais

AMC AUTORIZAÇÃO DE MANEJO DA CABRUCA. Hermann Rehem Rosa da Silva Eng. Agrônomo - Especialista em Meio Ambiente e Recursos Hídricos INEMA/IOS

AMC AUTORIZAÇÃO DE MANEJO DA CABRUCA. Hermann Rehem Rosa da Silva Eng. Agrônomo - Especialista em Meio Ambiente e Recursos Hídricos INEMA/IOS AMC AUTORIZAÇÃO DE MANEJO DA CABRUCA Hermann Rehem Rosa da Silva Eng. Agrônomo - Especialista em Meio Ambiente e Recursos Hídricos INEMA/IOS Decreto Estadual Nº 15180 DE 02/06/2014 Regulamenta a gestão

Leia mais

Portaria n.º 172, de 24 de abril de 2014.

Portaria n.º 172, de 24 de abril de 2014. Portaria n.º 172, de 24 de abril de 2014. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE, no uso de suas atribuições constitucionais previstas no Art. 71, inciso IV, da Constituição do Estado de Mato Grosso,

Leia mais

Regulamentação das serrarias portátis. proposta de Instrução Normativa elaborada pelo Projeto Floresta Viva

Regulamentação das serrarias portátis. proposta de Instrução Normativa elaborada pelo Projeto Floresta Viva Regulamentação das serrarias portátis proposta de Instrução Normativa elaborada pelo Projeto Floresta Viva Projeto Floresta Viva - Dezembro de 2006 INDICE Contexto 3 Objetivos perseguidos 3 Dois pontos

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NA ACAF EM BOA VISTA DO RAMOS - AM

RELATÓRIO DE ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NA ACAF EM BOA VISTA DO RAMOS - AM RELATÓRIO DE ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NA ACAF EM BOA VISTA DO RAMOS - AM PROJETO FLORESTA VIVA / EAFM / GRET. Período: 05 a 12 de JULHO de 2008 Bolsista: M. Sc. Carlos Matheus Silva Paixão 1. Introdução

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS. Parcela permanente (quando houver), tamanho e localização.

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS. Parcela permanente (quando houver), tamanho e localização. TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE PLANO OPERACIONAL DE EXPLORAÇÃO - POE CATEGORIA: MENOR E MAIOR IMPACTO DE EXPLORAÇÃO 1. Informações Gerais 1.1 Identificação Processo Administrativo; Número do Processo;

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO. Curso técnico em manejo florestal

RELATÓRIO DE ESTÁGIO. Curso técnico em manejo florestal RELATÓRIO DE ESTÁGIO Curso técnico em manejo florestal DANIEL DE PAULA GONDIM Manaus dezembro 2007 PROJETO FLORESTA VIVA DANIEL DE PAULA GONDIM RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURSO TÉCNICO EM MANEJO FLORESTAL MANAUS

Leia mais

Termo de Referência para Elaboração do Plano de Manejo Florestal Sustentável

Termo de Referência para Elaboração do Plano de Manejo Florestal Sustentável Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos Termo de Referência para Elaboração do Plano Avenida Nascimento de Castro, 2127 Lagoa Nova Natal RN

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE FRAGMENTOS FLORESTAIS EM PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS NA REGIÃO CENTRO-SUL DO PARANÁ RESULTADOS PARCIAIS.

CARACTERIZAÇÃO DE FRAGMENTOS FLORESTAIS EM PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS NA REGIÃO CENTRO-SUL DO PARANÁ RESULTADOS PARCIAIS. CARACTERIZAÇÃO DE FRAGMENTOS FLORESTAIS EM PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS NA REGIÃO CENTRO-SUL DO PARANÁ RESULTADOS PARCIAIS. Regiane Aparecida Ferreira (USF-UNICENTRO), Lúcio de Paula Amaral (Fundação Araucária/Mestrado

Leia mais

CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO AMAZONAS

CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO AMAZONAS RESOLUÇÃO/CEMAAM/Nº01/08 Estabelece normas e procedimentos para regularização ambiental de TANQUES, VIVEIROS, BARRAGENS, PEQUENOS RESERVATÓRIOS, CANAIS DE IGARAPÉS E TANQUES REDE DESTINADOS PARA A AQÜICULTURA

Leia mais

Planejamento Turístico para Promoção do Turismo de Base Comunitária: experiências no Amazonas e no Pará

Planejamento Turístico para Promoção do Turismo de Base Comunitária: experiências no Amazonas e no Pará Capítulo do Livro: Série Integração, Transformação e Desenvolvimento: Áreas Protegidas e Biodiversidade Fundo Vale para o Desenvolvimento Sustentável. Rio de Janeiro. 2012. Planejamento Turístico para

Leia mais

CAPÍTULO 1 PLANO DE MANEJO FLORESTAL

CAPÍTULO 1 PLANO DE MANEJO FLORESTAL CAPÍTULO 1 PLANO DE MANEJO FLORESTAL 2 Manual para Produção de Madeira na Amazônia APRESENTAÇÃO O plano de manejo pode ser organizado em três etapas. 1 Na primeira, faz-se o zoneamento ou divisão da propriedade

Leia mais

Normatização estadual do manejo florestal madeireiro no Amazonas

Normatização estadual do manejo florestal madeireiro no Amazonas Normatização estadual do manejo florestal madeireiro no Amazonas Plano de manejo florestal sustentável em pequena escala Plano de manejo florestal sustentável acima de 500ha Prestação de serviço Produtos

Leia mais

PRÁTICAS SILVICULTURAIS

PRÁTICAS SILVICULTURAIS CAPÍTULO 10 PRÁTICAS SILVICULTURAIS 94 Manual para Produção de Madeira na Amazônia APRESENTAÇÃO Um dos objetivos do manejo florestal é garantir a continuidade da produção madeireira através do estímulo

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 149 DE 16 DE OUTUBRO DE 2009.

LEI COMPLEMENTAR Nº 149 DE 16 DE OUTUBRO DE 2009. LEI COMPLEMENTAR Nº 149 DE 16 DE OUTUBRO DE 2009. Cria o Programa Roraimense de Regularização Ambiental Rural RR SUSTENTÁVEL, disciplina as etapas do Processo de Licenciamento Ambiental de Imóveis Rurais

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA - INPA PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DE FLORESTAS TROPICAIS

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA - INPA PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DE FLORESTAS TROPICAIS 1 INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA - INPA PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DE FLORESTAS TROPICAIS IMPACTO DO MANEJO FLORESTAL COMUNITÁRIO NO ESTOQUE DE CARBONO DA VEGETAÇÃO DA RESERVA DE

Leia mais

MANEJO DE FLORESTAS PARA SERRARIA NAS EMPRESAS NACIONAIS: ALGUMAS EXPERIÊNCIAS DE MANEJO DE EUCALIPTO PARA SERRARIA

MANEJO DE FLORESTAS PARA SERRARIA NAS EMPRESAS NACIONAIS: ALGUMAS EXPERIÊNCIAS DE MANEJO DE EUCALIPTO PARA SERRARIA SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE UTILIZAÇÃO DA MADEIRA DE EUCALIPTO PARA SERRARIA MANEJO DE FLORESTAS PARA SERRARIA NAS EMPRESAS NACIONAIS: ALGUMAS EXPERIÊNCIAS DE MANEJO DE EUCALIPTO PARA SERRARIA Cláudio Renck

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO. Curso técnico em manejo florestal

RELATÓRIO DE ESTÁGIO. Curso técnico em manejo florestal RELATÓRIO DE ESTÁGIO Curso técnico em manejo florestal CLAUDEMIR FONSECA GONÇALVES Manaus dezembro 2007 RELATORIO DO CURSO TÉCNICO EM MANEJO FLORESTAL CLAUDEMIR FONSECA GONÇALVES MATRICULA: 07196 ENDEREÇO:

Leia mais

Estudo de caso Ministério Público do Estado de Minas Gerais

Estudo de caso Ministério Público do Estado de Minas Gerais Valoração Ambiental Estudo de caso Ministério Público do Estado de Minas Gerais Analistas Ambientais: Nivaldo Caetano da Cunha (Engenheiro Florestal) nicclaudo@yahoo.com.br Almir Lopes Loures (Engenheiro

Leia mais

Um portal de promoção dos PMFSPE

Um portal de promoção dos PMFSPE Um portal de promoção dos PMFSPE Prestações de serviço n 4 Termos de Referência JF Kibler Floresta Viva / GRET Outubro de 2006 1. UM PORTAL DE PROMOCÃO DOS PMFSPE... 3 1.1. Objetivos do portal... 3 1.2.

Leia mais

ISS 2316-1019 I N F O R M AT I VO Casa Rural. edição outubro 2012. Agricultura. Soja - Milho - Insumos Agrícolas

ISS 2316-1019 I N F O R M AT I VO Casa Rural. edição outubro 2012. Agricultura. Soja - Milho - Insumos Agrícolas ISS 2316-119 I N F O R M AT I VO Casa Rural edição outubro 212 Agricultura Soja - Milho - Insumos Agrícolas SOJA Comportamento dos Preços Internos de Mato Grosso do Sul (R$/SC) 75, 74, 73, 72, 71, 7, 69,

Leia mais

Reserva da Biosfera da Amazônia Central

Reserva da Biosfera da Amazônia Central Reserva da Biosfera da Amazônia Central Estudo de caso da Reserva de Desenvolvimento Sustentável do Uatumã Seminário Internacional sobre Mineração e Sustentabilidade Socioambiental em Reservas da Biosfera

Leia mais

EXPLORAÇÃO FLORESTAL E A PRESERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE Paulo Kageyama. DCBio. SBF. MMA

EXPLORAÇÃO FLORESTAL E A PRESERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE Paulo Kageyama. DCBio. SBF. MMA EXPLORAÇÃO FLORESTAL E A PRESERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE Paulo Kageyama. DCBio. SBF. MMA INTRODUÇÃO BRASIL É O CAMPEÃO DE BIODIVERSIDADE - E DAÍ? MANEJO DA FLORESTA: MADEIRA E NÃO MADEIRA PLANTAÇÕES FLORESTAIS:

Leia mais

13-05-2015 EUCALIPTO. plantio. Projeção de Receitas e Resultados. Fomento. Como suprir tamanha demanda preservando as florestas nativas?

13-05-2015 EUCALIPTO. plantio. Projeção de Receitas e Resultados. Fomento. Como suprir tamanha demanda preservando as florestas nativas? 13-05-2015 Como suprir tamanha demanda preservando as florestas nativas? Através de florestas plantadas de Eucalipto e Pinus. Cada 1ha destas preservam 10ha de nativas. EUCALIPTO O plantio de Eucalipto

Leia mais

ORIZICULTURA. A FATMA coloca-se a disposição dos interessados para dirimir possíveis dúvidas sobre esta instrução normativa;

ORIZICULTURA. A FATMA coloca-se a disposição dos interessados para dirimir possíveis dúvidas sobre esta instrução normativa; ORIZICULTURA IN-12 INSTRUÇÕES GERAIS A FATMA coloca-se a disposição dos interessados para dirimir possíveis dúvidas sobre esta instrução normativa; Sempre que julgar necessário a FATMA solicitará informações,

Leia mais

Projeto de Recuperação de Matas Ciliares

Projeto de Recuperação de Matas Ciliares PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA DA AGRICULTURA E ABASTECIMENTO 120 mil km de cursos d água desprotegidos 13,7% de vegetação

Leia mais

PLANEJAMENTO DA EXPLORAÇÃO

PLANEJAMENTO DA EXPLORAÇÃO CAPÍTULO 4 PLANEJAMENTO DA EXPLORAÇÃO Planejamento da Exploração 43 APRESENTAÇÃO A localização e o tamanho dos pátios de estocagem, a posição dos ramais de arraste e a direção de queda das árvores são

Leia mais

XV COBREAP - CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS - IBAPE/SP 2009

XV COBREAP - CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS - IBAPE/SP 2009 XV COBREAP - CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS - IBAPE/SP 2009 ANÁLISE COMPARATIVA NA AVALIAÇÃO DE FLORESTA PLANTADA DE PINUS PELO MÉTODO DO VALOR ECONÔMICO, UTILIZANDO COMO PARÂMETROS

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO. Curso técnico em manejo florestal

RELATÓRIO DE ESTÁGIO. Curso técnico em manejo florestal RELATÓRIO DE ESTÁGIO Curso técnico em manejo florestal JARBAS ALESSANDRO DA SILVA ANDRADE Manaus dezembro 2006 MINISTERIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFICIONAL E TECNOLOGIA ESCOLA AGROTECNICA

Leia mais

DECRETO Nº 6.660, DE 21 DE NOVEMBRO DE

DECRETO Nº 6.660, DE 21 DE NOVEMBRO DE DECRETO Nº 6.660, DE 21 DE NOVEMBRO DE 2008: Regulamenta dispositivos da Lei no 11.428, de 22 de dezembro de 2006, que dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Mata Atlântica.

Leia mais

Há sempre resposta à adubação de manutenção do eucalipto? Um estudo de caso em Porto Velho (RO)

Há sempre resposta à adubação de manutenção do eucalipto? Um estudo de caso em Porto Velho (RO) Há sempre resposta à adubação de manutenção do eucalipto? Um estudo de caso em Porto Velho (RO) Henrique Nery Ciprian*; Abadio Hermes Vieira** ; Angelo Mansur Mendes***; Alaerto Luiz Marcolan**** A exportação

Leia mais

Prof. Pedro Brancalion

Prof. Pedro Brancalion Prof. Pedro Brancalion Reserva Legal: área localizada no interior de uma propriedade ou posse rural, delimitada nos termos do art. 12, com a função de assegurar o uso econômico de modo sustentável dos

Leia mais

Aproveitamento dos grãos da vagem verde de soja

Aproveitamento dos grãos da vagem verde de soja Aproveitamento dos grãos da vagem verde de soja 53 Marcos César Colacino 1 ; Carolina Maria Gaspar de Oliveira 2 RESUMO A antecipação da colheita da soja resulta em uma grande quantidade de vagens verdes

Leia mais

Um portal de promoção dos PMFSPE

Um portal de promoção dos PMFSPE Um portal de promoção dos PMFSPE Prestações de serviço n 3 Termos de Referência JF Kibler Floresta Viva / GRET setembro de 2006 1. UM PORTAL DE PROMOCÃO DOS PMFSPE... 3 1.1. Objetivos do portal... 3 1.2.

Leia mais

ESTRUTURA FITOSSOCIOLÓGICA DO COMPONENTE ÁRBOREO DE UMA FLORESTA OMBRÓFILA EM PORTO VELHO, RONDÔNIA

ESTRUTURA FITOSSOCIOLÓGICA DO COMPONENTE ÁRBOREO DE UMA FLORESTA OMBRÓFILA EM PORTO VELHO, RONDÔNIA ESTRUTURA FITOSSOCIOLÓGICA DO COMPONENTE ÁRBOREO DE UMA FLORESTA OMBRÓFILA EM PORTO VELHO, RONDÔNIA Priscilla Menezes Andrade Antônio Laffayete Pires da Silveira RESUMO: O presente estudo foi realizado

Leia mais

2º Congresso Florestal no Cerrado 4º Simpósio sobre Eucaliptocultura

2º Congresso Florestal no Cerrado 4º Simpósio sobre Eucaliptocultura 2º Congresso Florestal no Cerrado 4º Simpósio sobre Eucaliptocultura 10-12/06/2015 Goiânia/GO Silvicultura para Serrarias e outros Produtos de Valor Agregado de Eucalipto, e seus Mercados Uma Visão de

Leia mais

MANEJO FLORESTAL E FLUXO LICENCIATÓRIO

MANEJO FLORESTAL E FLUXO LICENCIATÓRIO 04/10/2010 MANEJO FLORESTAL E FLUXO LICENCIATÓRIO CÓDIGO FLORESTAL ESTADUAL LEI 9.519/92 Art. 1º - As florestas nativas e as Art. demais formas de vegetação natural existente no território estadual, reconhecidas

Leia mais

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO NA AMAZÔNIA COMO FERRAMENTA. PARA PRESERVAÇÃO DE SÍTIOS ARQUEOLÓGICOS Estudo de caso:

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO NA AMAZÔNIA COMO FERRAMENTA. PARA PRESERVAÇÃO DE SÍTIOS ARQUEOLÓGICOS Estudo de caso: UNIDADES DE CONSERVAÇÃO NA AMAZÔNIA COMO FERRAMENTA PARA PRESERVAÇÃO DE SÍTIOS ARQUEOLÓGICOS Estudo de caso: Reserva de Desenvolvimento Sustentável do Uatumã Carlos Gabriel Koury 1,. Eduardo Rizzo Guimarães

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia FENOLOGIA DE UMA COMUNIDADE ARBÓREA NA AMAZÔNIA CENTRAL COMO FERRAMENTA PARA CONSERVAÇÃO Suiane Claro Saraiva;

Leia mais

ANEXO. Laudo de Vistoria Técnica

ANEXO. Laudo de Vistoria Técnica ANEXO Laudo de Vistoria Técnica 1. CARACTERIZAÇÃO GERAL 1.1. Cadastro Processo AIA/SMA nº: Interessado: Proprietário/Investigado: Assunto: Data de protocolo: Coordenadas UTM Vertical (m): Horizontal (m):

Leia mais

INCRA. Apresentação Carlos Eduardo Portella Sturm. Ministério do Desenvolvimento Agrário

INCRA. Apresentação Carlos Eduardo Portella Sturm. Ministério do Desenvolvimento Agrário INCRA Apresentação Carlos Eduardo Portella Sturm Bases Legais e o Manejo Florestal no INCRA As reservas florestais dos Projetos de Assentamento de Reforma Agrária bem como sua própria estrutura encontram-se

Leia mais

LEVANTAMENTO DA QUANTIDADE DE RESÍDUOS DA INDÚSTRIA MADEREIRA NO MUNICÍPIO DE GURUPI-TO

LEVANTAMENTO DA QUANTIDADE DE RESÍDUOS DA INDÚSTRIA MADEREIRA NO MUNICÍPIO DE GURUPI-TO LEVANTAMENTO DA QUANTIDADE DE RESÍDUOS DA INDÚSTRIA MADEREIRA NO MUNICÍPIO DE GURUPI-TO Adriana Cavalcante Conceição 1 ; Renato da Silva Vieira 2 ; Edy Eime Pereira Baraúna 3 ; Cândida Pereira da Silva

Leia mais

CONQUISTAS AOS AGRICULTORES NO CÓDIGO FLORESTAL

CONQUISTAS AOS AGRICULTORES NO CÓDIGO FLORESTAL CONQUISTAS AOS AGRICULTORES NO CÓDIGO FLORESTAL 1. DISPENSA AOS PROPRIETÁRIOS DE ÁREAS CONSOLIDADAS DE RECOMPOSIÇÃO DA RESERVA LEGAL Art. 61 a. Área rural consolidada: é a área de imóvel rural com ocupação

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO. Curso técnico em manejo florestal

RELATÓRIO DE ESTÁGIO. Curso técnico em manejo florestal RELATÓRIO DE ESTÁGIO Curso técnico em manejo florestal ANDRESSA FERREIRA DE OLIVEIRA Manaus dezembro 2008 MEC/CIEC ESCOLA AGROTÉCNICA FEDERAL DE MANAUS CURSO TECNICO EM MANEJO FLORESTAL RELATÓRIO DE ESTÁGIO

Leia mais

O controle do solo sobre a estrutura da floresta e estoques de carbono na Amazônia Central

O controle do solo sobre a estrutura da floresta e estoques de carbono na Amazônia Central O controle do solo sobre a estrutura da floresta e estoques de carbono na Amazônia Central Demétrius Martins Flávio Luizão Let me bring you songs from the wood (Ian Anderson)) Carlos Alberto Quesada Ted

Leia mais

A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA

A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA Entende-se por biomassa florestal primaria (BFP) a fração biodegradável dos produtos gerados e que são processados com fins energéticos. Nos casos dos reflorestamentos, a

Leia mais

Mogno africano K. senegalensis

Mogno africano K. senegalensis Mogno africano K. senegalensis O mogno africano (Khaya senegalensis) é uma espécie florestal madeirável, que foi introduzida recentemente na América do Sul e em outras partes do mundo. As maiores plantações

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA EDITAL DE RECRUTAMENTO Nº 001/2016 PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº 012/2016

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA EDITAL DE RECRUTAMENTO Nº 001/2016 PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº 012/2016 ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA EDITAL DE RECRUTAMENTO Nº 001/2016 PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº 012/2016 I. DO OBJETO DA CONTRATAÇÃO Contratação de TÉCNICO DE CAMPO para o Projeto Produção Sustentável em Áreas

Leia mais

MANIFESTAÇÃO TÉCNICA - CORTE DE ÁRVORES NATIVAS ISOLADAS

MANIFESTAÇÃO TÉCNICA - CORTE DE ÁRVORES NATIVAS ISOLADAS MANIFESTAÇÃO TÉCNICA - CORTE DE ÁRVORES NATIVAS ISOLADAS INTRODUÇÃO Um dos fatores que concorreram para a redução da cobertura vegetal nativa no Estado de São Paulo foi a implantação de pastagens, que,

Leia mais

PLANEJAMENTO DA PROPRIEDADE RURAL FAMILIAR Proposta de Treinamento Prático/ Teórica Roteiro para o instrutor

PLANEJAMENTO DA PROPRIEDADE RURAL FAMILIAR Proposta de Treinamento Prático/ Teórica Roteiro para o instrutor PLANEJAMENTO DA PROPRIEDADE RURAL FAMILIAR Proposta de Treinamento Prático/ Teórica Roteiro para o instrutor CURITIBA, SETEMBRO DE 2004 2 PLANEJAMENTO DA PROPRIEDADE RURAL Proposta de Treinamento Prático/

Leia mais

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL - MI AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DA AMAZÔNIA - ADA

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL - MI AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DA AMAZÔNIA - ADA MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL - MI AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DA AMAZÔNIA - ADA BIOCOMBUSTÍVEIS: ATRAÇÃO DE INVESIMENTOS PARA O ESTADO DO PARÁ CONTEXTO: A Agência de Desenvolvimento da Amazônia, deseja

Leia mais

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES NO ESTADO DE SÃO PAULO. Programa Operacional do GEF: OP#15 (sustainable land management)

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES NO ESTADO DE SÃO PAULO. Programa Operacional do GEF: OP#15 (sustainable land management) PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES NO ESTADO DE SÃO PAULO Proposta para obtenção de recursos do GEF (doação sem encargos de US$7,05 milhões) Programa Operacional do GEF: OP#15 (sustainable land management)

Leia mais

Oportunidades no Financiamento do Setor Florestal. Oduval Lobato Neto Gerente Executivo de Gestão de Programas Governamentais

Oportunidades no Financiamento do Setor Florestal. Oduval Lobato Neto Gerente Executivo de Gestão de Programas Governamentais Oportunidades no Financiamento do Setor Florestal Oduval Lobato Neto Gerente Executivo de Gestão de Programas Governamentais Seminário: Políticas ambientais como fonte de novos negócios para Instituições

Leia mais

INDÚSTRIA DE MADEIRA QUE SE ABASTEÇA DE FLORESTA PLANTADA

INDÚSTRIA DE MADEIRA QUE SE ABASTEÇA DE FLORESTA PLANTADA Perguntas e Respostas 1 - O que é a Reposição Florestal? A Reposição Florestal caracteriza-se pelo plantio obrigatório de árvores de espécies adequadas ou compatíveis, exigido de pessoas físicas ou jurídicas

Leia mais

DISPOSIÇÕES PERMANENTES

DISPOSIÇÕES PERMANENTES Revista RG Móvel - Edição 31 DISPOSIÇÕES PERMANENTES CADASTRO AMBIENTAL RURAL (CAR): O novo Código Florestal determina a criação do CAR (Cadastro Ambiental Rural) e torna obrigatório o registro para todos

Leia mais

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA No Brasil, as leis voltadas para a conservação ambiental começaram a partir de 1981, com a lei que criou a Política Nacional do Meio Ambiente. Posteriormente, novas leis

Leia mais

INVENTÁRIO FLORESTAL (Floresta Plantada) Propriedade: Fazenda Alto Limoeiro 4 Timóteo - MG

INVENTÁRIO FLORESTAL (Floresta Plantada) Propriedade: Fazenda Alto Limoeiro 4 Timóteo - MG INVENTÁRIO FLORESTAL (Floresta Plantada) Propriedade: Fazenda Alto Limoeiro 4 Timóteo - MG Julho / 2008 INVENTÁRIO FLORESTAL 1 ) INFORMAÇÕES GERAIS 1.1 IDENTIFICAÇÃO DA PROPRIEDADE Denominação: Fazenda

Leia mais

Avaliação de Danos Utilizando Técnica de Estatística Multivariada na Floresta

Avaliação de Danos Utilizando Técnica de Estatística Multivariada na Floresta Avaliação de Danos Utilizando Técnica de Estatística Multivariada na Floresta RESUMO Estadual do Antimary Cristiano Corrêa da Silva 1 Altemir da Silva Braga 2 A Avaliação de Danos deve ser parte integrante

Leia mais

Metodologia para Cálculo de Estoque de Carbono

Metodologia para Cálculo de Estoque de Carbono MIDIAGEO TECNOLOGIA LTDA Metodologia para Cálculo de Estoque de Carbono Projeto Xingu Mata Viva Movimento Brasil Mata Viva 27/1/2010 I. INFORMAÇÕES GERAIS LOCALIZAÇÃO DO PROJETO: País: Brasil Cidade: O

Leia mais

1. A biomassa como energia complementar à hidroeletricidade

1. A biomassa como energia complementar à hidroeletricidade Artigo por: Suani T Coelho, Javier Escobar Como implementar a Biomassa na Matriz Energética Brasileira? 1. A biomassa como energia complementar à hidroeletricidade O tema das energias renováveis na matriz

Leia mais

Plano ABC vai financiar 265 mil hectares

Plano ABC vai financiar 265 mil hectares Plano ABC vai financiar 265 mil hectares Uma linha de crédito com dinheiro farto, juro abaixo da inflação e prazo atraente, além de carência longa. Tudo isso para financiar a adoção de práticas sustentáveis

Leia mais

Silvicultura & Meio Ambiente Celso Foelkel

Silvicultura & Meio Ambiente Celso Foelkel Silvicultura & Meio Ambiente Celso Foelkel www.celso-foelkel.com.br www.eucalyptus.com.br Porquê precisamos plantar florestas? O ser humano sempre amou as coisas de madeira e as florestas Afinal, a floresta

Leia mais

Contrato de Prestação de serviço Termos de Referência e Termo de aceitação

Contrato de Prestação de serviço Termos de Referência e Termo de aceitação Atualização da base de dados da Gerência de Controle Florestal e Agropecuário GCFA IPAAM, sobre planos de manejo florestal, serrarias e movelarias do Amazonas Contrato de Prestação de serviço Termos de

Leia mais

Instrução Normativa nº 001, de 27 de janeiro de 2014

Instrução Normativa nº 001, de 27 de janeiro de 2014 Instrução Normativa nº 001, de 27 de janeiro de 2014 O diretor-presidente do Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal do Espírito Santo IDAF, usando das atribuições que lhe confere o artigo 48 do regulamento

Leia mais

Ciclo BIOTA-Educação SP, setembro de 2013. QUEIROZ, Helder L. Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá - IDSM

Ciclo BIOTA-Educação SP, setembro de 2013. QUEIROZ, Helder L. Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá - IDSM As Principais Ameaças a Conservação do Ecossistema de Várzea Amazônica, e a Experiência do Instituto Mamirauá (IDSM-OS) Ciclo BIOTA-Educação SP, setembro de 2013 QUEIROZ, Helder L. Instituto de Desenvolvimento

Leia mais

A Suzano e o Fomento na Bahia

A Suzano e o Fomento na Bahia A Suzano e o Fomento na Bahia Como é a atuação da Suzano na região? Fundada há 85 anos, a Suzano começou a produzir papel em 1940 e celulose em 1950 sempre abastecendo o mercado brasileiro e os de diversos

Leia mais

Manejo Sustentável da Floresta

Manejo Sustentável da Floresta Manejo Sustentável da Floresta 1) Objetivo Geral Mudança de paradigmas quanto ao uso da madeira da floresta, assim como a percepção dos prejuízos advindos das queimadas e do extrativismo vegetal. 2) Objetivo

Leia mais

ANEXO 12 FICHAS DE PARAMETRIZAÇÃO DE INDICADORES PARA FINS DE

ANEXO 12 FICHAS DE PARAMETRIZAÇÃO DE INDICADORES PARA FINS DE ANEXO 12 FICHAS DE PARAMETRIZAÇÃO DE INDICADORES PARA FINS DE CLASSIFICAÇÃO E BONIFICAÇÃO DO EDITAL DE CONCESSÃO FLORESTAL DA FLONA DE CAXIUANÃ Tabela 1 s indicadores. es A1 Implantação e manutenção de

Leia mais

MARCOS REGULATÓRIOS DE FLORESTAS PLANTADAS. Seminário PDFS/MT 2015

MARCOS REGULATÓRIOS DE FLORESTAS PLANTADAS. Seminário PDFS/MT 2015 MARCOS REGULATÓRIOS DE FLORESTAS PLANTADAS Seminário PDFS/MT 2015 É referência em questões e atividades que interferem na cadeia de florestas plantadas, sugerindo e opinando em políticas públicas de pesquisa,

Leia mais

GEOGRAFIA Professores: Ronaldo e Marcus

GEOGRAFIA Professores: Ronaldo e Marcus GEOGRAFIA Professores: Ronaldo e Marcus Comentário Geral Prova com estruturação clássica com divisão entre questões de geografia física, econômica e humana com maior peso para os conceitos envolvendo o

Leia mais

Sistema de Cadastro Ambiental Rural

Sistema de Cadastro Ambiental Rural Sistema de Cadastro Ambiental Rural XX Simpósio Jurídico ABCE ÂNGELO RAMALHO ASSESSOR MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SERVIÇO FLORESTAL BRASILEIRO DIRETORIA DE FOMENTO E INCLUSÃO FLORESTAL São Paulo, Outubro/2014

Leia mais

Instrução Normativa nº 5 de 11/12/2006 / MMA - Ministério do Meio Ambiente (D.O.U. 13/12/2006)

Instrução Normativa nº 5 de 11/12/2006 / MMA - Ministério do Meio Ambiente (D.O.U. 13/12/2006) Instrução Normativa nº 5 de 11/12/2006 / MMA - Ministério do Meio Ambiente (D.O.U. 13/12/2006) Procedimentos técnicos para elaboração, apresentação, execução e avaliação técnica de Planos de Manejo Florestal

Leia mais

Projeto de Recuperação de Matas Ciliares do Estado de São Paulo

Projeto de Recuperação de Matas Ciliares do Estado de São Paulo Projeto de Recuperação de Matas Ciliares do Estado de São Paulo novembro de 2007 Uso do solo pela agropecuária Produzir! Preservar!? Produzir ou Preservar? Novo Paradigma PRODUZIR E PRESERVAR RESTAURAR

Leia mais

ecoturismo ou turismo. As faixas de APP que o proprietário será obrigado a recompor serão definidas de acordo com o tamanho da propriedade.

ecoturismo ou turismo. As faixas de APP que o proprietário será obrigado a recompor serão definidas de acordo com o tamanho da propriedade. São as áreas protegidas da propriedade. Elas não podem ser desmatadas e por isso são consideradas Áreas de Preservação Permanente (APPs). São as faixas nas margens de rios, lagoas, nascentes, encostas

Leia mais

Potencial de Geração de Energia Utilizando Biomassa de Resíduos no Estado do Pará

Potencial de Geração de Energia Utilizando Biomassa de Resíduos no Estado do Pará 1 Potencial de Geração de Energia Utilizando Biomassa de Resíduos no Estado do Pará G. Pinheiro, CELPA e G. Rendeiro, UFPA Resumo - Este trabalho apresenta dados referentes ao potencial de geração de energia

Leia mais

QUANTIFICAÇÃO DE BIOMASSA FLORESTAL DE PINUS ELLIOTTII COM SEIS ANOS DE IDADE, EM AUGUSTO PESTANA/RS 1

QUANTIFICAÇÃO DE BIOMASSA FLORESTAL DE PINUS ELLIOTTII COM SEIS ANOS DE IDADE, EM AUGUSTO PESTANA/RS 1 QUANTIFICAÇÃO DE BIOMASSA FLORESTAL DE PINUS ELLIOTTII COM SEIS ANOS DE IDADE, EM AUGUSTO PESTANA/RS 1 Jéssica Smaniotto 2, Osorio Antônio Lucchese 3, Cleusa Adriane Menegassi Bianchi 4, Rafael Pettenon

Leia mais

Mogno o ouro verde da destruição da Amazônia

Mogno o ouro verde da destruição da Amazônia Mogno o ouro verde da destruição da Amazônia Nos últimos 30 anos, 15% da Amazônia Brasileira, foi completamente destruída. A área, maior do que o território da França, corresponde a mais de 590 mil quilômetros

Leia mais

DOCUMENTO DE INFORMAÇÃO DE PROJETO (DIP) ESTÁGIO CONCEITUAL Relatório n o : PIDC859

DOCUMENTO DE INFORMAÇÃO DE PROJETO (DIP) ESTÁGIO CONCEITUAL Relatório n o : PIDC859 DOCUMENTO DE INFORMAÇÃO DE PROJETO (DIP) ESTÁGIO CONCEITUAL Relatório n o : PIDC859 Nome do Projeto Região País Setor(es) Tema(s) Instrumento de Empréstimo ID do Projeto Mutuário(s) Agência Implementadora

Leia mais

2. Desenvolver Pesquisa de Campo sobre uma pequena empresa conforme modelo de pesquisa anexo.

2. Desenvolver Pesquisa de Campo sobre uma pequena empresa conforme modelo de pesquisa anexo. 1 1. ESTÁGIO SUPERVISIONADO 2. OBJETIVO Resolução nº 01 de 02/02/2004 do Conselho Nacional de Educação CNEC/CN/MEC. Proporcionar ao estudante oportunidade de desenvolver suas habilidades, analisar situações

Leia mais

ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE SERVIÇOS LEGISLATIVOS

ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE SERVIÇOS LEGISLATIVOS Autor: Poder Executivo LEI COMPLEMENTAR Nº 343, DE 24 DE DEZEMBRO DE 2008 - D.O. 24.12.08. Cria o Programa Mato-grossense de Regularização Ambiental Rural MT LEGAL, disciplina as etapas do Processo de

Leia mais

NOVO CÓDIGO FLORESTAL: ASPECTOS LEGAIS AMBIENTAIS RELEVANTES

NOVO CÓDIGO FLORESTAL: ASPECTOS LEGAIS AMBIENTAIS RELEVANTES NOVO CÓDIGO FLORESTAL: ASPECTOS LEGAIS AMBIENTAIS RELEVANTES 25 de Setembro de 2012 ESPAÇOS TERRITORIAIS ESPECIALMENTE PROTEGIDOS Cabe ao Poder Público definir, em todas as unidades da Federação, espaços

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PARA A REALIZAÇÃO DE ESTUDOS SOBRE FINANCIAMENTOS PARA PROJETOS DE PLANTIO DE FLORESTA NATIVA EM RESERVAS LEGAIS 1. IDENTIFICAÇÃO DO TERMO DE REFERÊNCIA 1.1.

Leia mais

GEOGRAFIA LISTA DE RECUPERAÇÃO - 7º ANO RECUPERAÇÃO FINAL 2015 1. Objetivas:

GEOGRAFIA LISTA DE RECUPERAÇÃO - 7º ANO RECUPERAÇÃO FINAL 2015 1. Objetivas: GEOGRAFIA Objetivas: 01 No último século, o Brasil deixou de ser um país essencialmente rural e se tornou um país urbano-industrial. Nesse processo, foram muitas as mudanças em seu espaço geográfico, especialmente

Leia mais

Estudo 4- Oportunidades de Negócios em Segmentos Produtivos Nacionais. Estudo - Potencial de Negócios para o País na Área de Mercado de Carbono

Estudo 4- Oportunidades de Negócios em Segmentos Produtivos Nacionais. Estudo - Potencial de Negócios para o País na Área de Mercado de Carbono Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Ciência, Tecnologia e Inovação Mudança do Clima Estudo 4- Oportunidades de Negócios em Segmentos Produtivos Nacionais Estudo - Potencial de Negócios para o País

Leia mais

RAQUEL ÁLVARES LEÃO MANEJO FLORESTAL E PLANEJAMENTO OTIMIZADO EM PEQUENAS PROPRIEDADES DA AMAZÔNIA CURITIBA

RAQUEL ÁLVARES LEÃO MANEJO FLORESTAL E PLANEJAMENTO OTIMIZADO EM PEQUENAS PROPRIEDADES DA AMAZÔNIA CURITIBA RAQUEL ÁLVARES LEÃO MANEJO FLORESTAL E PLANEJAMENTO OTIMIZADO EM PEQUENAS PROPRIEDADES DA AMAZÔNIA CURITIBA 2010 RAQUEL ÁLVARES LEÃO MANEJO FLORESTAL E PLANEJAMENTO OTIMIZADO EM PEQUENAS PROPRIEDADES DA

Leia mais

14 de maio de 2013 Belo Horizonte (MG)

14 de maio de 2013 Belo Horizonte (MG) 14 de maio de 2013 Belo Horizonte (MG) Empresa: Mineração Maracá Indústria e Comércio Trabalho premiado: Avaliação do uso de correntes em caminhões fora de estrada Categoria: Lavra Autores: Bolívar Augusto

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO AMAZONAS: política para produtos não madeireiros

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO AMAZONAS: política para produtos não madeireiros DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO AMAZONAS: política para produtos não madeireiros ESTADO DO AMAZONAS 1.5 milhões/km2. 3.341 milhões/habitantes 1,4 milhões/km2 Reserva de floresta tropical 98% Cobertura florestal

Leia mais

AS RESERVAS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMO ALTERNATIVA PARA A CONSERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE E MANUTENÇÃO DA CULTURA CAIÇARA.

AS RESERVAS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMO ALTERNATIVA PARA A CONSERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE E MANUTENÇÃO DA CULTURA CAIÇARA. AS RESERVAS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMO ALTERNATIVA PARA A CONSERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE E MANUTENÇÃO DA CULTURA CAIÇARA. Ana Carolina de Campos Honora 1 Presentes na região costeira dos Estados

Leia mais

Disciplina procedimento para autorização de supressão de exemplares arbóreos nativos isolados.

Disciplina procedimento para autorização de supressão de exemplares arbóreos nativos isolados. DELIBERAÇÃO COPAM Nº 304, DE 27 DE JULHO DE 2007. Disciplina procedimento para autorização de supressão de exemplares arbóreos nativos isolados. O Secretário-Adjunto, no exercício do cargo de Secretário

Leia mais

blico-privada ( PPP ): Sinergia de sucesso no Fomento Florestal em Minas Gerais.

blico-privada ( PPP ): Sinergia de sucesso no Fomento Florestal em Minas Gerais. Parceria PúblicoP blico-privada ( PPP ): Sinergia de sucesso no Fomento Florestal em Minas Gerais. João Cancio de Andrade Araújo Superintendente Florestal ASIFLOR BRASÍLIA MARÇO/2010 ASSOCIAÇÃO DAS SIDERÚRGICAS

Leia mais

Estrutura de projeto de Serviços Ambientais

Estrutura de projeto de Serviços Ambientais Estrutura de projeto de Serviços Ambientais 1 Definição do escopo NOME: PAE SERINGAL MATA GRANDE - BEIRA DA BR, ESTADO DO ACRE OBJETIVOS: CONTER O DESMATAMENTO DENTRO DO PAE ATRAVÉS DE ATIVIDADES EXTRATIVISTAS

Leia mais

Edição 38 (Março/2014)

Edição 38 (Março/2014) Edição 38 (Março/2014) Cenário Econômico: A atividade do comércio varejista registrou crescimento de 6,1% em fevereiro ante o mesmo período do ano anterior, na terceira aceleração consecutiva do resultado

Leia mais

ÍNDICE. 8.2.3 - Unidades de Conservação e Áreas Prioritárias para Conservação... 1/4. 8.2.3.1 - Áreas Prioritárias para Conservação...

ÍNDICE. 8.2.3 - Unidades de Conservação e Áreas Prioritárias para Conservação... 1/4. 8.2.3.1 - Áreas Prioritárias para Conservação... 2324-00-EIA-RL-0001-01 UHE SANTO ANTÔNIO DO JARI ÍNDICE 8.2.3 - Unidades de Conservação e Áreas Prioritárias para Conservação... 1/4 8.2.3.1 - Áreas Prioritárias para Conservação... 3/4 agosto de 2009

Leia mais

Critérios Socioambientais para Concessão de Crédito na CAIXA Ação Madeira Legal. Juan Carlo Silva Abad GN Meio Ambiente SUDES / VIGOV

Critérios Socioambientais para Concessão de Crédito na CAIXA Ação Madeira Legal. Juan Carlo Silva Abad GN Meio Ambiente SUDES / VIGOV Critérios Socioambientais para Concessão de Crédito na CAIXA Ação Madeira Legal Juan Carlo Silva Abad GN Meio Ambiente SUDES / VIGOV ESTRATÉGIA AMBIENTAL CAIXA Portifólio de Produtos Socioambientais Risco

Leia mais

Plantio de eucalipto na pequena propriedade rural

Plantio de eucalipto na pequena propriedade rural Plantio de eucalipto na pequena propriedade rural Imbatíveis em seu crescimento rápido, os eucaliptos são fonte de matériaprima para uma série de produtos de primeira necessidade, presentes em todas as

Leia mais