ESTRUTURA FITOSSOCIOLÓGICA DO COMPONENTE ÁRBOREO DE UMA FLORESTA OMBRÓFILA EM PORTO VELHO, RONDÔNIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTRUTURA FITOSSOCIOLÓGICA DO COMPONENTE ÁRBOREO DE UMA FLORESTA OMBRÓFILA EM PORTO VELHO, RONDÔNIA"

Transcrição

1 ESTRUTURA FITOSSOCIOLÓGICA DO COMPONENTE ÁRBOREO DE UMA FLORESTA OMBRÓFILA EM PORTO VELHO, RONDÔNIA Priscilla Menezes Andrade Antônio Laffayete Pires da Silveira RESUMO: O presente estudo foi realizado em uma área de Floresta Ombrófila Aberta Primária, localizada no Parque Natural Municipal de Porto Velho, Rondônia. O levantamento foi realizado através de 14 parcelas contíguas de 10x10m. Todos os indivíduos com circunferência a 1,30m do solo, maior ou igual a 30cm, foram medidos e identificados. Parâmetros de densidade, freqüência, dominância e valor de importância foram calculados. Na área estudada ocorreram 67 espécies distribuídas em 16 famílias. Sapotaceae, Fabaceae, Lecythidaceae e Moraceae apresentaram a maior riqueza específica. Um total de 106 indivíduos foram amostrados, com uma área basal total de m². Moraceae apresentou maior valor de importância para famílias. Protium sp., Licania micrantha, Morfoespécie 11, Morfoespécie 17, Morfoespécie 1 e Brosimum rubescens apresentaram os maiores valores de importância para espécies. PALAVRAS-CHAVE: Floresta Ombrófila Aberta, Fitossociologia, Rondônia. 1 INTRODUÇÃO A Floresta Amazônica é a maior floresta tropical do mundo, representando cerca de 40% das florestas tropicais do planeta, sendo constituída por uma floresta ombrófila de grande biomassa. Em território brasileiro cobre uma área de 3,7 milhões de km 2, representa aproximadamente 70% da Amazônia Continental e 50% do nosso território (BDT, 1998). A diversidade florística aqui observada é reconhecidamente grande, observando-se de 150 a 300 espécies arbóreas por hectare, caracterizando-se assim, pela grande mistura de espécies por unidade de área, sem que haja a predominância de uma ou algumas delas quanto ao número de indivíduos ou quanto à biomassa (PIRES, 1973). Para o estado de Rondônia fator determinante também para a diversidade florística é a ocorrência das diferentes fitofisionomias na formação da sua cobertura vegetal (SALOMÃO & LISBOA, 1988).

2 Em Rondônia, dentre as famílias botânicas presentes, Salomão et al. (1988) destacaram Fabaceae, Moraceae, Sapotaceae, Lecythidaceae, Burseraceae e Arecaceae, como aquelas que apresentam maior riqueza de espécies florestais. Assim sendo, o presente trabalho vem somar-se a tantos outros nos levantamentos de biodiversidade florística em áreas de florestas tropicais, visando contribuir com subsídios para as tomadas de decisão no que se refere a políticas públicas de conservação e manejo. 2 OBJETIVOS Caracterizar a flora arbórea do Parque Natural Municipal de Porto Velho, fornecendo subsídios que auxiliam no processo de conservação daquela unidade de conservação. 3 MATERIAL E MÉTODOS 3.1 Área de Estudo: O Parque Natural Municipal de Porto Velho, foi criado em 27 de dezembro de 1989 através do Decreto Municipal nº Possui uma área de 200 hectares localizados ao norte da cidade de Porto Velho. Sua cobertura vegetal é formada por uma vegetação correspondente Floresta Ombrófila Aberta com palmeiras, desenvolvendo-se em região de terras baixas firmes onde são encontradas árvores com até 6m de circunferência e 35m de altura. 3.2 Metodologia do Levantamento de Campo Para o levantamento fitossociológico foi adotado o método de parcelas com a instalação de 14 unidades amostrais contíguas de 10m x 10m (100m 2 ) totalizando 1400 m². Dentro de cada unidade amostral foram medidos todos os indivíduos arbóreos cuja CAP fosse igual ou maior que 30cm. Além da CAP, em centímetros, foi tomado o nome da espécie. Foi coletado material testemunho, vegetativo ou fértil e posteriormente herborizado. Aqueles espécimes que não foram determinados a campo, foram determinados com base em bibliografia pertinente. 3.3 Análise dos Dados

3 Com base nos dados coletados a campo, foi determinada a composição florística da porção de floresta estudada e foram ainda estimados os seguintes parâmetros fitossociológicos: densidade, freqüência e dominância absolutas e relativas (MUELLER- DOMBOIS & ELLENBERG, 1974), além dos valores de importância para espécie e família (MORI et al., 1990). 4 RESULTADOS E DISCUSSÃO No levantamento realizado foram encontrados 106 indivíduos com CAP 30cm, sendo um total de 67 espécies pertencentes a 16 famílias. Protium sp. apresenta o maior valor de importância para espécies, destacando-se em sua composição a densidade e dominância relativas. Para Morfoespécie 17 (VI 3,77), destacou-se a dominância relativa (9,32), caracterizando a presença de um indivíduo de grande porte. Na área amostrada, 46 espécies (68,66%) apresentaram apenas um indivíduo (espécies raras), sendo responsáveis por uma parcela considerável da diversidade da área estudada. Tabela 1- Parâmetros fitossociológicos estimados das principais espécies arbóreas de uma Floresta Ombrófila Aberta Primária em Porto Velho, Rondônia em ordem decrescente de VI. Espécie DR FR DoR VI Protium sp. 5,66 4,21 6,03 5,30 Licania micrantha 2,83 3,15 5,93 3,97 Morfoespécie 11 3,77 3,15 4,43 3,79 Morfoespécie 17 0,94 1,05 9,32 3,77 Morfoespécie 1 2,83 2,10 6,15 3,69 Brosimum rubescens 2,83 3,16 4,52 3,50 Licania sp. 3,77 3,16 2,97 3,30 Peltogyne catingae 2,83 3,16 3,19 3,05

4 A Tabela 2 relaciona as famílias de acordo com os índices de valor de importância (VIF). Na composição VIF destacaram-se a diversidade de espécies (DiR) para Sapotaceae e Fabaceae, com oito e sete espécies respectivamente. A família Moraceae mostrou-se com indivíduos notadamente de grande porte (DoR 14,70). Tabela 2 Relação das principais famílias de acordo com os índices de valor de importância em ordem decrescente. Família DR DoR DiR VIF Moraceae 8,49 14,70 7,46 10,22 Sapotaceae 10,38 6,64 11,94 9,65 Chrysobalanaceae 10,38 12,29 5,97 9,55 Fabaceae 8,49 6,14 10,45 8,36 Burseraceae 9,43 6,86 5,97 7,42 Lecythidaceae 6,60 3,59 7,46 5,89 A curva cumulativa do aparecimento de novas espécies (Fig. 1) até o presente momento da amostragem não estabilizou-se, concluindo-se que há necessidade da continuação dos estudos. 80 Nº de espécies y = 22,5Ln(x) + 1,5852 R 2 = 0, Área (m2x100) Figura 1 Curva cumulativa de espécies para uma área de Floresta Ombrófila Aberta Primária, Porto Velho, Rondônia

5 5 CONCLUSÕES A composição florística da área amostrada é rica apresentando 16 famílias e 67 espécies com CAP 30cm. Moraceae e Sapotaceae são as famílias com maiores índices de valor de importância comprovando os estudos feitos por Takeuchi (1960). Já quanto ao índice de valor de importância para espécies destacaram-se Protium sp. e Licania micrantha. A composição do valor de importância mostrou-se particularizada para as diferentes espécies. Protium sp. é uma espécie bem representada numericamente, enquanto Morfoespécie 17 destacou-se pelo porte do único indivíduo presente. Verificou-se a presença expressiva de espécies raras (68,66%). Tendo a floresta Amazônia composição florística variada de local para local e percentagem de espécies raras elevada, para se ter um melhor conhecimento de sua estrutura fitossociológica, deve-se proceder amostragens num maior grau de intensidade na área de estudo. 6 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BDT, Relatório da Base de Dados Tropicais. MORI, S.A Diversificação e conservação das Lecythidaceae neotropicais. Acta Bot. Brasílica, 4(1): MUELLER-DOMBOIS, D. & ELLENBERG, H Aims and methods of vegetation ecology. New York, John Willey and Sons. PIRES, J. M Tipos de vegetação da Amazônia. Publ. Avulsa Mus. Para. Emílio Goeldi, Belém, 20: SALOMÃO, R.P. & LISBOA, P.L.B Análise ecológica da vegetação de uma floresta pluvial tropical de terra firme, Rondônia. Bol. Mus. Para. Emílio Goeldi, sér. Bot., 4(2):

6 SALOMÃO, R.P., SILVA, M.F. & ROSA, N.A Inventário ecológico em floresta pluvial tropical de terra firme, Serra Norte, Carajás, Pará. Bol. Mus. Para. Emílio Goeldi, ser. Bot.4:1-46. TAKEUCHI, M A estrutura da vegetação na Amazônia I A mata pluvial tropical. Bol Mus. Para. Emilio Goeldi, nova ser. Bot., Belém (6):1-38.

PROJETO DE PESQUISA ESTUDO DOS COMPONENTES LENHOSOS NA COBERTURA VEGETAL DA ENCOSTA DA FACULDADE MACHADO SOBRINHO, JUIZ DE FORA, MINAS GERAIS, BRASIL

PROJETO DE PESQUISA ESTUDO DOS COMPONENTES LENHOSOS NA COBERTURA VEGETAL DA ENCOSTA DA FACULDADE MACHADO SOBRINHO, JUIZ DE FORA, MINAS GERAIS, BRASIL PROJETO DE PESQUISA Professor Flávio José Soares Júnior Biólogo graduado pela Universidade Federal de Juiz de Fora; Mestre em Biologia Vegetal pela Universidade Federal de Viçosa; Doutorando em Botânica

Leia mais

FLORÍSTICA E SIMILARIDADE DE TRÊS PARCELAS PERMANENTES DO PROJETO TEAM NA AMAZÔNIA CENTRAL

FLORÍSTICA E SIMILARIDADE DE TRÊS PARCELAS PERMANENTES DO PROJETO TEAM NA AMAZÔNIA CENTRAL FLORÍSTICA E SIMILARIDADE DE TRÊS PARCELAS PERMANENTES DO PROJETO TEAM NA AMAZÔNIA CENTRAL Maikel Lamego Guimarães Mari, Engenheiro Florestal, orquidofilodaamazonia@hotmail.com, 55 92 8162-4656, Brasil,

Leia mais

Inventário Florestal Nacional IFN-BR

Inventário Florestal Nacional IFN-BR Seminário de Informação em Biodiversidade no Âmbito do MMA Inventário Florestal Nacional IFN-BR Dr. Joberto Veloso de Freitas SERVIÇO FLORESTAL BRASILEIRO Gerente Executivo Informações Florestais Brasília,

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

Projeto Básico Ambiental (PBA) UHE Teles Pires

Projeto Básico Ambiental (PBA) UHE Teles Pires UHE Teles Pires P.15 - Programa de Monitoramento de Flora Equipe Responsável pela Elaboração do Programa Responsável Registro Cadastro Técnico Profissional Federal IBAMA Cristiane Villaça Teixeira CRBio

Leia mais

Membros. Financiadores

Membros. Financiadores Projeto de Pesquisa: CARACTERIZAÇÃO FITOGEOGRÁFICA, DISTRIBUIÇÃO DAS ESPECIES LENHOSAS E DETERMINANTES VEGETACIONAIS NA TRANSIÇÃO CERRADO/AMAZÔNIA Descrição: Serão feitos levantamentos de solos e vegetação

Leia mais

INVENTÁRIO FLORESTAL (Floresta Plantada) Propriedade: Fazenda Alto Limoeiro 4 Timóteo - MG

INVENTÁRIO FLORESTAL (Floresta Plantada) Propriedade: Fazenda Alto Limoeiro 4 Timóteo - MG INVENTÁRIO FLORESTAL (Floresta Plantada) Propriedade: Fazenda Alto Limoeiro 4 Timóteo - MG Julho / 2008 INVENTÁRIO FLORESTAL 1 ) INFORMAÇÕES GERAIS 1.1 IDENTIFICAÇÃO DA PROPRIEDADE Denominação: Fazenda

Leia mais

Relação entre variáveis de fertilidade do solo e o tipo de vegetação no Estado de São Paulo, utilizando técnicas de geoestatística e SIG.

Relação entre variáveis de fertilidade do solo e o tipo de vegetação no Estado de São Paulo, utilizando técnicas de geoestatística e SIG. Relação entre variáveis de fertilidade do solo e o tipo de vegetação no Estado de São Paulo, utilizando técnicas de geoestatística e SIG. Tiago Brochado Pires Introdução: Estudos voltados para a interpretação

Leia mais

Keywords: Floristics analysis, phytosociological analysis, diversity.

Keywords: Floristics analysis, phytosociological analysis, diversity. COMPOSIÇÃO FLORÍSTICA E FITOSSOCIOLÓGICA NUM FRAGAMENTO DE FLORESTA PRIMÁRIA EM SANTA BÁRBARA (ZONA BRAGANTINA), PA. Dayse Natasha Barbosa Pastana 1 ;Kênia Samara Mourão Santos 2 ; Denison Henrique Lima

Leia mais

Resolução SMA nº 70 DE 02/09/2014 Norma Estadual - São Paulo Publicado no DOE em 03 set 2014

Resolução SMA nº 70 DE 02/09/2014 Norma Estadual - São Paulo Publicado no DOE em 03 set 2014 Resolução SMA nº 70 DE 02/09/2014 Norma Estadual - São Paulo Publicado no DOE em 03 set 2014 Define a metodologia a ser adotada em caráter experimental para a conversão das obrigações de reposição florestal

Leia mais

Figura 1: Bosque de Casal do Rei, alguns meses após o incêndio que ocorreu no Verão de 2005.

Figura 1: Bosque de Casal do Rei, alguns meses após o incêndio que ocorreu no Verão de 2005. Estudo da vegetação 1. Introdução A intensa actividade humana desenvolvida na região Centro ao longo dos últimos milénios conduziu ao desaparecimento gradual de extensas áreas de floresta autóctone, que

Leia mais

CURSOS PRÁTICAS EM BOTÂNICA PRÁTICAS EM BOTÂNICA NA MATA ATLÂNTICA CATARINENSE

CURSOS PRÁTICAS EM BOTÂNICA PRÁTICAS EM BOTÂNICA NA MATA ATLÂNTICA CATARINENSE CURSOS PRÁTICAS EM BOTÂNICA PRÁTICAS EM BOTÂNICA NA MATA ATLÂNTICA CATARINENSE 17 a 20 de dezembro de 2011 (sábado a terça-feira) 1. Local: RPPN Reserva Volta Velha, município de Itapoá, SC (área total:

Leia mais

PRÁTICAS EM BOTÂNICA NA MATA COM ARAUCÁRIA. 21 e 22 de abril de 2012 (sábado e domingo) NOVA PETRÓPOLIS, RS

PRÁTICAS EM BOTÂNICA NA MATA COM ARAUCÁRIA. 21 e 22 de abril de 2012 (sábado e domingo) NOVA PETRÓPOLIS, RS PRÁTICAS EM BOTÂNICA NA MATA COM ARAUCÁRIA 21 e 22 de abril de 2012 (sábado e domingo) NOVA PETRÓPOLIS, RS 1. LOCAL Estadia, alimentação, laboratório e sala de aula Hospedaria Bom Pastor Linha Brasil Nova

Leia mais

DESCRIÇÕES BASEADAS EM CARACTERES VEGETATIVOS E SUA APLICABILIDADE NO ENSINO

DESCRIÇÕES BASEADAS EM CARACTERES VEGETATIVOS E SUA APLICABILIDADE NO ENSINO DESCRIÇÕES BASEADAS EM CARACTERES VEGETATIVOS E SUA APLICABILIDADE NO ENSINO Santos, J.P.Q. (1) ; Tabelini, H.M. (1) ; Hollunder, R.K. (1) ; Pereira, M.C.A. (1) jaqueline_pego@hotmail.com (1) Graduanda

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 ESTRUTURA FITOSSOCIOLÓGICA DA COMUNIDADE ARBÓREA DE UMA FLORESTA OMBRÓFILA DENSA ALTOMONTANA A 1900 METROS DE ALTITUDE, NA SERRA DA MANTIQUEIRA, EM ITAMONTE, MINAS GERAIS* PATRÍCIA VIEIRA POMPEU 1, MARCO

Leia mais

ECOSSISTEMA INDIVÍDUO

ECOSSISTEMA INDIVÍDUO Biodiversidade O diversidade biológica - descreve a riqueza e a variedade do mundo natural. As plantas, os animais e os microrganismos fornecem alimentos, remédios e boa parte da matéria-prima industrial

Leia mais

AMC AUTORIZAÇÃO DE MANEJO DA CABRUCA. Hermann Rehem Rosa da Silva Eng. Agrônomo - Especialista em Meio Ambiente e Recursos Hídricos INEMA/IOS

AMC AUTORIZAÇÃO DE MANEJO DA CABRUCA. Hermann Rehem Rosa da Silva Eng. Agrônomo - Especialista em Meio Ambiente e Recursos Hídricos INEMA/IOS AMC AUTORIZAÇÃO DE MANEJO DA CABRUCA Hermann Rehem Rosa da Silva Eng. Agrônomo - Especialista em Meio Ambiente e Recursos Hídricos INEMA/IOS Decreto Estadual Nº 15180 DE 02/06/2014 Regulamenta a gestão

Leia mais

Palavras-chave: campo rupestre, síndromes de dispersão, Serra dos Pireneus.

Palavras-chave: campo rupestre, síndromes de dispersão, Serra dos Pireneus. 1 TIPOLOGIA DE FRUTOS E SÍNDROMES DE DISPERSÃO DE UMA COMUNIDADE DE CAMPO RUPESTRE NO PARQUE ESTADUAL DA SERRA DOS PIRENEUS, GOIÁS. Sabrina do Couto de Miranda 1,4 ; Marineide Abreu Batista 1,4 ; Jair

Leia mais

Universidade Federal do Paraná

Universidade Federal do Paraná * Universidade Federal do Paraná * *O que são Biomas? *Bioma é uma unidade biológica ou espaço geográfico caracterizado de acordo com o macroclima, a fitofisionomia (aspecto da vegetação de um lugar),

Leia mais

www.tiberioge.tibe o.c rioge om.br o.c A Ge G og o r g afi f a Le L va v da d a Sério

www.tiberioge.tibe o.c rioge om.br o.c A Ge G og o r g afi f a Le L va v da d a Sério 1 FLORESTA AMAZÔNICA 2 Características Localiza-se: Região Norte; parte do norte do Mato Grosso e Goiás; e parte oeste do Maranhão; O maior bioma brasileiro ocupa, praticamente, um terço da área do País.

Leia mais

Mudanças na estrutura diamétrica em uma comunidade no Cerrado de Itirapina, São Paulo

Mudanças na estrutura diamétrica em uma comunidade no Cerrado de Itirapina, São Paulo Mudanças na estrutura diamétrica em uma comunidade no Cerrado de Itirapina, São Paulo ANA GABRIELA FARACO 1, EDER DASDORIANO PORFIRIO JUNIOR 2, TÂNIA MARIA DE MOURA 1, VANESSA PESSANHA TUNHOLI 3 & VIVIAN

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia FENOLOGIA DE UMA COMUNIDADE ARBÓREA NA AMAZÔNIA CENTRAL COMO FERRAMENTA PARA CONSERVAÇÃO Suiane Claro Saraiva;

Leia mais

ESTUDOS EM MANEJO FLORESTAL Série Técnica n. 1

ESTUDOS EM MANEJO FLORESTAL Série Técnica n. 1 Instituto de Conservação e Desenvolvimento Sustentável do Amazonas ESTUDOS EM MANEJO FLORESTAL Série Técnica n. 1 Análise técnica da alteração no critério de seleção de árvores para corte em Planos de

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A BIOMAS BRASILEIROS 2011 Aula VII BRASIL E VARIABILIDADE FITOGEOGRÁFICA O Brasil possui um território de dimensões continentais com uma área de 8.547.403 quilômetros quadrados. 4.320

Leia mais

CONCEPÇÕES SOBRE CERRADO 1 LEICHTWEIS, Kamila Souto 2 TIRADENTES, Cibele Pimenta 3 INTRODUÇÃO

CONCEPÇÕES SOBRE CERRADO 1 LEICHTWEIS, Kamila Souto 2 TIRADENTES, Cibele Pimenta 3 INTRODUÇÃO CONCEPÇÕES SOBRE CERRADO 1 LEICHTWEIS, Kamila Souto 2 TIRADENTES, Cibele Pimenta 3 INTRODUÇÃO A educação ambiental envolve atividades educativas que visam informar sobre o meio ambiente e suas relações.

Leia mais

EXPANSÃO DA SOJA PARA A PORÇÃO NORTE DO BIOMA CERRADO NO ESTADO DO PIAUÍ

EXPANSÃO DA SOJA PARA A PORÇÃO NORTE DO BIOMA CERRADO NO ESTADO DO PIAUÍ EXPANSÃO DA SOJA PARA A PORÇÃO NORTE DO BIOMA CERRADO NO ESTADO DO PIAUÍ Resumo Patrícia Ladeira Pinheiro¹ Gabriel Pereira² (patricia.ladeira@gmail.com; pereira@ufsj.edu.br) Graduanda em Geografia - UFSJ

Leia mais

Descrição e Análise da Vegetação Arbórea

Descrição e Análise da Vegetação Arbórea Descrição e Análise da Vegetação Arbórea Prof. Israel Marinho Pereira Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri UFVJM Laboratório de Dendrologia e Ecologia Florestal-LDEF imarinhopereira@gmail.com

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 10, DE 1º DE OUTUBRO DE 1993. IV - existência, diversidade e quantidade de epífitas;

RESOLUÇÃO Nº 10, DE 1º DE OUTUBRO DE 1993. IV - existência, diversidade e quantidade de epífitas; RESOLUÇÃO Nº 10, DE 1º DE OUTUBRO DE 1993 Legislação O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE - CONAMA, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981, com as alterações

Leia mais

LEVANTAMENTO FLORÍSTICO DE FLORESTA TROPICAL SECUNDÁRIA NA ÁREA DO PARQUE AMBIENTAL DO UTINGA, BELÉM-PA

LEVANTAMENTO FLORÍSTICO DE FLORESTA TROPICAL SECUNDÁRIA NA ÁREA DO PARQUE AMBIENTAL DO UTINGA, BELÉM-PA LEVANTAMENTO FLORÍSTICO DE FLORESTA TROPICAL SECUNDÁRIA NA ÁREA DO PARQUE AMBIENTAL DO UTINGA, BELÉM-PA Nívia Cristina Vieira Rocha 1, Márcia de Nazaré de Castro Brabo Alves 1, Quêzia Leandro Moura 2,

Leia mais

Principais ameaças às Briófitas da Região Amazônica brasileira e estudos de casos

Principais ameaças às Briófitas da Região Amazônica brasileira e estudos de casos 1 Principais ameaças às Briófitas da Região Amazônica brasileira e estudos de casos REGINA CÉLIA LOBATO LISBOA - MUSEU PARAENSE EMÍLIO GOELDI regina@museu-goeldi.br 1. PRINCIPAIS AMEAÇAS ÀS BRIÓFITAS NA

Leia mais

REVISÃO DO LEVANTAMENTO FLORÍSTICO DA ANTIGA FAZENDA CONCEIÇÃO

REVISÃO DO LEVANTAMENTO FLORÍSTICO DA ANTIGA FAZENDA CONCEIÇÃO REVISÃO DO LEVANTAMENTO FLORÍSTICO DA ANTIGA FAZENDA CONCEIÇÃO Relatório de atividades de estágio apresentado ao Instituto Oikos de Agroecologia BRUNO NATALI DE ALMEIDA Graduando em Biologia - FATEA (brunonatali1987@hotmail.com)

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A FLORESTA AMAZÔNICA 2011 Aula XII O bioma Amazônia representa aproximadamente 30% de todas as florestas tropicais remanescentes do mundo e nele se concentra a maioria das florestas

Leia mais

REGIÃO NORTE: MAIOR REGIÃO BRASILIERA EM EXTENSÃO. 45% do território nacional

REGIÃO NORTE: MAIOR REGIÃO BRASILIERA EM EXTENSÃO. 45% do território nacional REGIÃO NORTE REGIÃO NORTE: MAIOR REGIÃO BRASILIERA EM EXTENSÃO. 45% do território nacional GRANDE ÁREA COM PEQUENA POPULAÇÃO, O QUE RESULTA EM UMA BAIXA DENSIDADE DEMOGRÁFICA (habitantes por quilômetro

Leia mais

VEGETAÇÃO BRASILEIRA: visão fitogeográfica geral

VEGETAÇÃO BRASILEIRA: visão fitogeográfica geral VEGETAÇÃO BRASILEIRA: visão fitogeográfica geral PEDRO EISENLOHR pedrov.eisenlohr@gmail.com Ao final da aula, vocês deverão ser capazes de: 1. Conceituar e diferenciar termos essenciais para o estudo da

Leia mais

01. (FUVEST) Dentre os vários aspectos que justificam a diversidade biológica da Mata Atlântica, encontram-se:

01. (FUVEST) Dentre os vários aspectos que justificam a diversidade biológica da Mata Atlântica, encontram-se: 01. (FUVEST) Dentre os vários aspectos que justificam a diversidade biológica da Mata Atlântica, encontram-se: I. Concentração nas baixas latitudes, associadas a elevadas precipitações. II. Distribuição

Leia mais

Mineração e Biodiversidade: lições aprendidas por uma mineradora global

Mineração e Biodiversidade: lições aprendidas por uma mineradora global II Congresso de Mineração da Amazônia Mineração e Biodiversidade: lições aprendidas por uma mineradora global Vânia Somavilla Vale - Diretora de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável Novembro de

Leia mais

Licenciamento Ambiental Manejo Arbóreo na cidade de São Paulo

Licenciamento Ambiental Manejo Arbóreo na cidade de São Paulo Licenciamento Ambiental Manejo Arbóreo na cidade de São Paulo Engº Agrº José Daniel Barbosa de Barros Conceitos e Definições Meio Ambiente: conjunto de condições, leis, influências e interações de ordem

Leia mais

COMPOSIÇÃO DE ESPÉCIES DE FORMIGAS NO SOLO E DOSSEL NA SERRA DO TEIMOSO, BAHIA

COMPOSIÇÃO DE ESPÉCIES DE FORMIGAS NO SOLO E DOSSEL NA SERRA DO TEIMOSO, BAHIA COMPOSIÇÃO DE ESPÉCIES DE FORMIGAS NO SOLO E DOSSEL NA SERRA DO TEIMOSO, BAHIA Breier, T.B.; 1, Andrade, M. A. R. 1 ;Valle, V. 2 ; & Silva, O. V. 3 RESUMO Investigamos a similaridade na composição de espécies

Leia mais

BIOMAS DO BRASIL. Ecologia Geral

BIOMAS DO BRASIL. Ecologia Geral BIOMAS DO BRASIL Ecologia Geral Biomas do Brasil segundo classificação do IBGE Segundo a classificação do IBGE, são seis os biomas do Brasil: Mata Atlântica Cerrado Amazônia Caatinga Pantanal Pampa O

Leia mais

EXPLORAÇÃO FLORESTAL E A PRESERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE Paulo Kageyama. DCBio. SBF. MMA

EXPLORAÇÃO FLORESTAL E A PRESERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE Paulo Kageyama. DCBio. SBF. MMA EXPLORAÇÃO FLORESTAL E A PRESERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE Paulo Kageyama. DCBio. SBF. MMA INTRODUÇÃO BRASIL É O CAMPEÃO DE BIODIVERSIDADE - E DAÍ? MANEJO DA FLORESTA: MADEIRA E NÃO MADEIRA PLANTAÇÕES FLORESTAIS:

Leia mais

Análise de Viabilidade

Análise de Viabilidade Análise de Viabilidade 1. Identificação Município: Itaúna Localização: Região de Tabuões Bacia Hidrográfica: Rio São Francisco 2. Resultados: Considerando as especulações que estão sendo levantadas com

Leia mais

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25. Profº André Tomasini

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25. Profº André Tomasini TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25 Profº André Tomasini Localizado na Região Centro-Oeste. Campos inundados na estação das chuvas (verão) áreas de florestas equatorial e tropical. Nas áreas mais

Leia mais

Mapeamento da Cobertura Vegetal do Município do Rio de Janeiro, 2010 Autores:

Mapeamento da Cobertura Vegetal do Município do Rio de Janeiro, 2010 Autores: Mapeamento da Cobertura Vegetal do Município do Rio de Janeiro, 2010 Desafios Uma cidade com a natureza exuberante e diferenciada merece um levantamento a sua altura: Inédito Único no Brasil Multidisciplinar

Leia mais

Ricardo Viani LASPEF - UFSCar/Araras. Foto: Ricardo Viani - APP em restauração Conservador das Águas, Extrema-MG

Ricardo Viani LASPEF - UFSCar/Araras. Foto: Ricardo Viani - APP em restauração Conservador das Águas, Extrema-MG Ricardo Viani LASPEF - UFSCar/Araras Foto: Ricardo Viani - APP em restauração Conservador das Águas, Extrema-MG OBJETIVOS: Conceitos e definições gerais; Principais indicadores para monitoramento; Amostragem

Leia mais

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Professor: Josiane Vill Disciplina: Geografia Série: 1ª Ano Tema da aula: Dinâmica Climática e Formações Vegetais no Brasil Objetivo da aula: conhecer a diversidade

Leia mais

COMO FAZER UM RESUMO? Gabriela Atique Programa de Pós Graduação em Biologia Vegetal

COMO FAZER UM RESUMO? Gabriela Atique Programa de Pós Graduação em Biologia Vegetal COMO FAZER UM RESUMO? Gabriela Atique Programa de Pós Graduação em Biologia Vegetal O QUE DEVE CONTER EM UM RESUMO? Informações mais importantes do trabalho Conciso Claro Objetivo ESTRUTURA DE UM RESUMO

Leia mais

Vegetação de Mato Grosso

Vegetação de Mato Grosso Vegetação de Mato Grosso Prof. Pedro Eisenlohr pedrov.eisenlohr@gmail.com Objetivos desta aula Fornecer as bases para o estudo da vegetação de Mato Grosso. Contextualizar historicamente os estudos da vegetação

Leia mais

FITOSSOCIOLOGIA ARBÓREA DO MÓDULO IV DA FLORESTA ESTADUAL DO AMAPÁ, BRASIL

FITOSSOCIOLOGIA ARBÓREA DO MÓDULO IV DA FLORESTA ESTADUAL DO AMAPÁ, BRASIL FITOSSOCIOLOGIA ARBÓREA DO MÓDULO IV DA FLORESTA ESTADUAL DO AMAPÁ, BRASIL ARBOREAL PHYTOSOCIOLOGY OF MODULE IV IN AMAPÁ STATE FOREST, BRAZIL FITOSOCIOLOGÍA ARBÓREA DEL MÓDULO IV DE LA FORESTA DEL ESTADO

Leia mais

Unidade I Geografia física mundial e do Brasil.

Unidade I Geografia física mundial e do Brasil. Unidade I Geografia física mundial e do Brasil. 2 2.2 Conteúdo: Os Grandes Biomas no Brasil. 3 2.2 Habilidade: Comparar as formações vegetais existentes no Brasil e seus diferentes biomas. 4 Biomas da

Leia mais

A origem, evolução e diversidade da vegetação do Bioma Amazônia

A origem, evolução e diversidade da vegetação do Bioma Amazônia A origem, evolução e diversidade da vegetação do Bioma Amazônia Maria Lúcia Absy Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia http://www.panoramio.com/photo/508179 Bioma Amazônia O Bioma Amazônia é um dos

Leia mais

UNIVERSIDADE IGUAÇU Faculdade de Ciências Biológicas e da Saúde TÍTULO. Roney Rodrigues Guimarães Professor Orientador

UNIVERSIDADE IGUAÇU Faculdade de Ciências Biológicas e da Saúde TÍTULO. Roney Rodrigues Guimarães Professor Orientador UNIVERSIDADE IGUAÇU Faculdade de Ciências Biológicas e da Saúde PROJETO DE PESQUISA TÍTULO COMPOSIÇÃO E ESTRUTURA DA ICTIOFAUNA DO PARQUE MUNICIPAL DE NOVA IGUAÇU, ESTADO DO RIO DE JANEIRO, BRASIL. Roney

Leia mais

Eixo Temático ET-06-002 - Recuperação de Áreas Degradadas

Eixo Temático ET-06-002 - Recuperação de Áreas Degradadas 312 Anais do Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental e Sustentabilidade - Vol. 1: Congestas 2013 Eixo Temático ET-06-002 - Recuperação de Áreas Degradadas FITOSSOCIOLOGIA DO SUB-BOSQUE DE RESTINGA COMO

Leia mais

Atlas ambiental do município de Itanhaém 2012. Capítulo 6 - Conservação ambiental

Atlas ambiental do município de Itanhaém 2012. Capítulo 6 - Conservação ambiental Capítulo 6 - Conservação ambiental 71 72 6.1 Unidades de Conservação As Unidades de Conservação da Natureza (UCs) constituem espaços territoriais e mari- 46 55' 46 50' 46 45' nhos detentores de atributos

Leia mais

Região Norte P1 4 Bimestre. Geografia 7 ano manhã e tarde

Região Norte P1 4 Bimestre. Geografia 7 ano manhã e tarde Região Norte P1 4 Bimestre Geografia 7 ano manhã e tarde A Região Norte é a maior região brasileira em área. Apresenta população relativamente pequena, é a região com a menor densidade demográfica. Um

Leia mais

COMPARAÇÃO ENTRE PROCEDIMENTOS DE AMOSTRAGEM PARA AVALIAÇÃO ESTRUTURAL DE UM REMANESCENTE DE FLORESTA ESTACIONAL SEMIDECIDUAL MONTANA

COMPARAÇÃO ENTRE PROCEDIMENTOS DE AMOSTRAGEM PARA AVALIAÇÃO ESTRUTURAL DE UM REMANESCENTE DE FLORESTA ESTACIONAL SEMIDECIDUAL MONTANA COMPARAÇÃO ENTRE PROCEDIMENTOS DE AMOSTRAGEM PARA AVALIAÇÃO ESTRUTURAL DE UM REMANESCENTE DE FLORESTA ESTACIONAL SEMIDECIDUAL MONTANA José Marcio de Mello 1 Ary Teixeira de Oliveira-Filho 1 José Roberto

Leia mais

HERBÁRIO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA: Catálogo de Árvores e Arbustos do Campus

HERBÁRIO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA: Catálogo de Árvores e Arbustos do Campus 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO (X ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE A FLORÍSTICA DE FLORESTAS TROPICAIS E SUB- TROPICAIS DO BRASIL

CONSIDERAÇÕES SOBRE A FLORÍSTICA DE FLORESTAS TROPICAIS E SUB- TROPICAIS DO BRASIL IPEF, n.35, p.41-46, abr.1987 CONSIDERAÇÕES SOBRE A FLORÍSTICA DE FLORESTAS TROPICAIS E SUB- TROPICAIS DO BRASIL HERMÓGENES DE FREITAS LEITÃO FILHO UNICAMP, Departamento de Botânica Instituto de Biologia

Leia mais

Influência da estrutura arbórea na ocorrência de térmitas arborícolas na RPPN da Serra do Teimoso, Jussari, Bahia, Brasil.

Influência da estrutura arbórea na ocorrência de térmitas arborícolas na RPPN da Serra do Teimoso, Jussari, Bahia, Brasil. Influência da estrutura arbórea na ocorrência de térmitas arborícolas na RPPN da Serra do Teimoso, Jussari, Bahia, Brasil. Antonio José Dias Vieira 1, Camila Righetto Cassano 2, Joice Rodrigues de Mendonça

Leia mais

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia Bioma Conjunto de vida, vegetal e animal, constituído pelo agrupamento de tipos de vegetação, condições

Leia mais

Centro de Conhecimento em Biodiversidade Tropical - Ecotropical

Centro de Conhecimento em Biodiversidade Tropical - Ecotropical Centro de Conhecimento em Biodiversidade Tropical - Ecotropical Realização: Instituto Energias do Brasil Endereço: Rua Bandeira Paulista, 530 11º andar CEP: 04532-001 São Paulo São Paulo, Brasil. Responsável:

Leia mais

A FLORESTA HOJE Cobertura Vegetal Natural do Estado de São Paulo

A FLORESTA HOJE Cobertura Vegetal Natural do Estado de São Paulo A FLORESTA HOJE Cobertura Vegetal Natural do Estado de São Paulo Importância da Floresta Proteção e conservação do solo e da água; Produção de madeira (casas, barcos, carvão; etc); Produção de alimentos

Leia mais

Programa de Pesquisa em Biodiversidade Sítio Pernambuco (PEDI) Ana Carolina Lins e Silva anacarol@db.ufrpe.br

Programa de Pesquisa em Biodiversidade Sítio Pernambuco (PEDI) Ana Carolina Lins e Silva anacarol@db.ufrpe.br Programa de Pesquisa em Biodiversidade Sítio Pernambuco (PEDI) Ana Carolina Lins e Silva anacarol@db.ufrpe.br Rede PPBio Mata Atlântica Projeto de Coordenação de Rede Projeto Associado Nordeste BAHIA PERNAMBUCO

Leia mais

RIQUEZA DE FORMIGAS CULTIVADORAS DE FUNGO (FOMICIDAE: ATTINI) ASSOCIADAS A CULTURAS FLORESTAL E AGRÍCOLA NA REGIÃO DE IPAMERI, GO

RIQUEZA DE FORMIGAS CULTIVADORAS DE FUNGO (FOMICIDAE: ATTINI) ASSOCIADAS A CULTURAS FLORESTAL E AGRÍCOLA NA REGIÃO DE IPAMERI, GO RIQUEZA DE FORMIGAS CULTIVADORAS DE FUNGO (FOMICIDAE: ATTINI) ASSOCIADAS A CULTURAS FLORESTAL E AGRÍCOLA NA REGIÃO DE IPAMERI, GO Raiane Lima 1, Pedro Ivo Decurcio Cabral 2, José Rosa Paim Neto 3, Márcio

Leia mais

Universidade Estadual do Norte do Paraná UENP. Campus Luiz Meneghel

Universidade Estadual do Norte do Paraná UENP. Campus Luiz Meneghel Universidade Estadual do Norte do Paraná UENP Campus Luiz Meneghel Projeto de pesquisa LEVANTAMENTO FLORÍSTICO DE PTERIDÓFITAS NO PARQUE ESTADUAL MATA SÃO FRANCISCO Ricardo Vinícius Zandonadi Bandeirantes

Leia mais

XV COBREAP - CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS - IBAPE/SP 2009

XV COBREAP - CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS - IBAPE/SP 2009 XV COBREAP - CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS - IBAPE/SP 2009 ANÁLISE COMPARATIVA NA AVALIAÇÃO DE FLORESTA PLANTADA DE PINUS PELO MÉTODO DO VALOR ECONÔMICO, UTILIZANDO COMO PARÂMETROS

Leia mais

Nosso Território: Ecossistemas

Nosso Território: Ecossistemas Nosso Território: Ecossistemas - O Brasil no Mundo - Divisão Territorial - Relevo e Clima - Fauna e Flora - Ecossistemas - Recursos Minerais Um ecossistema é um conjunto de regiões com características

Leia mais

Paisagens Climatobotânicas do Brasil

Paisagens Climatobotânicas do Brasil Paisagens Climatobotânicas do Brasil 1. Observe a figura abaixo. Utilizando seus conhecimentos e as informações da figura, assinale a alternativa correta. a) A tundra constitui o bioma mais devastado do

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIASFLORESTAIS VIII SIMPÓSIO DE TÉCNICAS DE PLANTIO E MANEJO DE EUCALIPTO PARA USOS MÚLTIPLOS INVENTÁRIO FLORESTAL

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ ESTRATÉGIAS PARA REDD NO AMAPÁ

GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ ESTRATÉGIAS PARA REDD NO AMAPÁ GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ ESTRATÉGIAS PARA REDD NO AMAPÁ INDICADORES Fronteira: Pará, Guiana Francesa e Suriname Municípios: 16 Área: 143.453,71 km 98% de cobertura florestal conservada População: 613.164

Leia mais

CAPÍTULO 1 PLANO DE MANEJO FLORESTAL

CAPÍTULO 1 PLANO DE MANEJO FLORESTAL CAPÍTULO 1 PLANO DE MANEJO FLORESTAL 2 Manual para Produção de Madeira na Amazônia APRESENTAÇÃO O plano de manejo pode ser organizado em três etapas. 1 Na primeira, faz-se o zoneamento ou divisão da propriedade

Leia mais

EMENDA AO PLDO/2003 - PL Nº 009/2002-CN ANEXO DE METAS E PRIORIDADES

EMENDA AO PLDO/2003 - PL Nº 009/2002-CN ANEXO DE METAS E PRIORIDADES Emenda Nº: 656 0468 CIENCIA E TECNOLOGIA PARA A GESTÃO DE ECOSSISTEMAS 4134 DESENVOLVIMENTO DE PESQUISAS SOBRE FRAGMENTAÇÃO NA MATA ATLANTICA PESQUISAS REALIZADAS 20 Para conservar biodiversidade precisamos,

Leia mais

DENDROLOGIA Histórico, Conceitos e Importância da Dendrologia

DENDROLOGIA Histórico, Conceitos e Importância da Dendrologia DENDROLOGIA Histórico, Conceitos e Importância da Dendrologia Prof. Dr. Israel Marinho Pereira imarinhopereira@gmail.com Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri UFVJM e Ecologia Florestal-LDEF

Leia mais

PRÁTICAS SILVICULTURAIS

PRÁTICAS SILVICULTURAIS CAPÍTULO 10 PRÁTICAS SILVICULTURAIS 94 Manual para Produção de Madeira na Amazônia APRESENTAÇÃO Um dos objetivos do manejo florestal é garantir a continuidade da produção madeireira através do estímulo

Leia mais

PROGRAMA DE SALVAMENTO DE GERMOPLASMA DURANTE A IMPLANTAÇÃO DE UM EMPREENDIMENTO NO BIOMA MATA ATLÂNTICA SP.

PROGRAMA DE SALVAMENTO DE GERMOPLASMA DURANTE A IMPLANTAÇÃO DE UM EMPREENDIMENTO NO BIOMA MATA ATLÂNTICA SP. PROGRAMA DE SALVAMENTO DE GERMOPLASMA DURANTE A IMPLANTAÇÃO DE UM EMPREENDIMENTO NO BIOMA MATA ATLÂNTICA SP. Autores: Rogério Alves 1, Bruno Flávio Ernst Mimura¹, Edmundo Roiz Júnior 2 Resumo O Programa

Leia mais

AS FORMAÇÕES VEGETAIS DO GLOBO E DO BRASIL

AS FORMAÇÕES VEGETAIS DO GLOBO E DO BRASIL AS FORMAÇÕES VEGETAIS DO GLOBO E DO BRASIL AS FORMAÇÕES VEGETAIS DO GLOBO Formações vegetais do globo AS FORMAÇÕES VEGETAIS DO GLOBO As Grandes Formações Vegetais da Superfície da Terra Tundra Vegetação

Leia mais

INVENTÁRIO FLORESTAL DA FLONA DE SARACÁ-TAQUERA RELATÓRIO FINAL

INVENTÁRIO FLORESTAL DA FLONA DE SARACÁ-TAQUERA RELATÓRIO FINAL INVENTÁRIO FLORESTAL DA FLONA DE SARACÁ-TAQUERA RELATÓRIO FINAL BELÉM-PA DEZEMBRO DE 2008 ECO FLORESTAL LTDA. Relatório Final do Inventário Florestal Diagnóstico da FLONA de Saracá-Taquera, Estado do Pará

Leia mais

A ARBORIZAÇÃO DO CAMPUS DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA

A ARBORIZAÇÃO DO CAMPUS DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA A ARBORIZAÇÃO DO CAMPUS DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Diogo Luis Kurihara Universidade de Brasília - Departamento de Engenharia Florestal José Imaña-Encinas Universidade de Brasília - Departamento de Engenharia

Leia mais

Estimativa do Custo Econômico do Desmatamento na Amazônia. Ronaldo Seroa da Motta Rio, julho 2002

Estimativa do Custo Econômico do Desmatamento na Amazônia. Ronaldo Seroa da Motta Rio, julho 2002 Estimativa do Custo Econômico do Desmatamento na Amazônia Ronaldo Seroa da Motta Rio, julho 2002 QUADRO 1 Exemplos de Valores Econômicos dos Recursos Florestais Valor de uso Valor passivo ou de não-uso

Leia mais

Bem-vindo!?!? República de cupins

Bem-vindo!?!? República de cupins Bem-vindo!?!? República de cupins Aelton Giroldo, Ana Carolina Ramalho, Claudinei Santos, Degho Ramon, Mariana Caixeta, Renan Janke Introdução Os cupins são insetos de tamanho pequeno a médio (0.4 a 4

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PIAUÍ Parecer nº 12/2010

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PIAUÍ Parecer nº 12/2010 MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PIAUÍ Parecer nº 12/2010 Teresina, 16 de Setembro de 2010. PARECER TÉCNICO N 12 / 2010 OBJETO: Vistoria e Análise do Relatório de Controle Ambiental (RCA) do Loteamento

Leia mais

(Natureza e Conservação, no prelo)

(Natureza e Conservação, no prelo) (Natureza e Conservação, no prelo) 4 Perguntas para ecologia 1. Qual a extensão mínima das Áreas de Preservação Permanente ao longo de rios? 2. Qual a quantidade mínima de RL em termos de conservação de

Leia mais

INFORMAÇÕES GERAIS EDIÇÃO 1 2º TRIMESTRE ANO 2014

INFORMAÇÕES GERAIS EDIÇÃO 1 2º TRIMESTRE ANO 2014 EDIÇÃO 1 2º TRIMESTRE ANO 2014 INFORMAÇÕES GERAIS A Estação Ecológica de Corumbá é uma unidade de conservação de proteção integral situada no Centro-Oeste de MG, região do Alto São Francisco, na porção

Leia mais

BIOMA. dominante. http://www.brazadv.com/passeios_ecol %C3%B3gicos_mapas/biomas.asp

BIOMA. dominante. http://www.brazadv.com/passeios_ecol %C3%B3gicos_mapas/biomas.asp BIOMAS DO BRASIL BIOMA Definição: Bioma, ou formação planta - animal, deve ser entendido como a unidade biótica de maior extensão geográfica, compreendendo varias comunidades em diferentes estágios de

Leia mais

PLANO DE MANEJO FLORESTAL SUSTENTÁVEL. Resumo Público

PLANO DE MANEJO FLORESTAL SUSTENTÁVEL. Resumo Público PLANO DE MANEJO FLORESTAL SUSTENTÁVEL Resumo Público RIO CAPIM PA / 2011 2 EMPRESA CIKEL BRASIL VERDE MADEIRAS LTDA - COMPLEXO RIO CAPIM Fazenda Rio Capim, Rod. BR 010, Km 1564, Zona Rural Paragominas-PA

Leia mais

A Biodiversidade é uma das propriedades fundamentais da natureza, responsável pelo equilíbrio e estabilidade dos ecossistemas, e fonte de imenso

A Biodiversidade é uma das propriedades fundamentais da natureza, responsável pelo equilíbrio e estabilidade dos ecossistemas, e fonte de imenso Biodiversidade Pode ser definida como a variedade e a variabilidade existente entre os organismos vivos e as complexidades ecológicas nas quais elas ocorrem. Pode ser entendida como uma associação de vários

Leia mais

Efeitos da mudança do uso da terra sobre a biodiversidade local. Marlúcia B. Martins Museu Paraense Emílio Goeldi (MPEG)

Efeitos da mudança do uso da terra sobre a biodiversidade local. Marlúcia B. Martins Museu Paraense Emílio Goeldi (MPEG) Efeitos da mudança do uso da terra sobre a biodiversidade local Marlúcia B. Martins Museu Paraense Emílio Goeldi (MPEG) Atualmente maioria dos ecossistemas mundiais vêm sendo rapidamente destruídos dos

Leia mais

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA No Brasil, as leis voltadas para a conservação ambiental começaram a partir de 1981, com a lei que criou a Política Nacional do Meio Ambiente. Posteriormente, novas leis

Leia mais

ÁRVORES DA FLORESTA ESTACIONAL SEMIDECIDUAL: GUIA DE IDENTIFICAÇÃO

ÁRVORES DA FLORESTA ESTACIONAL SEMIDECIDUAL: GUIA DE IDENTIFICAÇÃO ÁRVORES DA FLORESTA ESTACIONAL SEMIDECIDUAL: GUIA DE IDENTIFICAÇÃO Viviane Soares RAMOS Giselda DURIGAN Geraldo Antônio Daher Corrêa FRANCO Marinez Ferreira de SIQUEIRA Ricardo Ribeiro RODRIGUES 1 2 3

Leia mais

Fitossociologia em Campo de Murundu antropizado no município de Jataí, GO

Fitossociologia em Campo de Murundu antropizado no município de Jataí, GO Fitossociologia em Campo de Murundu antropizado no município de Jataí, GO Hortência Soardi MARICATO hortenciabio12@yahoo.com.br Pós Graduação em Geografia, Universidade Federal de Goiás/Campus Jataí UFG

Leia mais

Domínio do Cerrado em Minas Gerais. José Roberto Scolforo Universidade Federal de Lavras

Domínio do Cerrado em Minas Gerais. José Roberto Scolforo Universidade Federal de Lavras Domínio do Cerrado em Minas Gerais José Roberto Scolforo Universidade Federal de Lavras Cerrado Brasileiro INTRODUÇÃO - Extensão de 204,7 milhões de ha, - Flora com mais de 10.000 espécies de plantas,

Leia mais

Resolução SMA - 44, de 30-6-2008 Define critérios e procedimentos para a implantação de Sistemas Agroflorestais

Resolução SMA - 44, de 30-6-2008 Define critérios e procedimentos para a implantação de Sistemas Agroflorestais Resolução SMA - 44, de 30-6-2008 Define critérios e procedimentos para a implantação de Sistemas Agroflorestais O Secretário do Meio Ambiente, considerando: A necessidade de regulamentação da utilização

Leia mais

Estudo de caso Ministério Público do Estado de Minas Gerais

Estudo de caso Ministério Público do Estado de Minas Gerais Valoração Ambiental Estudo de caso Ministério Público do Estado de Minas Gerais Analistas Ambientais: Nivaldo Caetano da Cunha (Engenheiro Florestal) nicclaudo@yahoo.com.br Almir Lopes Loures (Engenheiro

Leia mais

Palavras-chave: Arborização; inventário ambiental; manejo; patrimônio arbóreo; radiofreqüência

Palavras-chave: Arborização; inventário ambiental; manejo; patrimônio arbóreo; radiofreqüência Projeto de Gestão da Arborização no Campus da Universidade de São Paulo baseado em um Modelo de Inventário Ambiental utilizando Identificação por Radiofrequência Brenda Bogatzky Ribeiro Corrêa * Márcia

Leia mais

É o estudo do processo de produção, distribuição, circulação e consumo dos bens e serviços (riqueza).

É o estudo do processo de produção, distribuição, circulação e consumo dos bens e serviços (riqueza). GEOGRAFIA 7ª Série/Turma 75 Ensino Fundamental Prof. José Gusmão Nome: MATERIAL DE ESTUDOS PARA O EXAME FINAL A GEOGRAFIA DO MUNDO SUBDESENVOLVIDO A diferença entre os países que mais chama a atenção é

Leia mais

Metodologias para Levantamentos da Biodiversidade Brasileira 1.

Metodologias para Levantamentos da Biodiversidade Brasileira 1. Universidade Federal de Juiz de Fora Metodologias para Levantamentos da Biodiversidade Brasileira 1. Paulo Oswaldo Garcia 2 & Patrícia Carneiro Lobo-Faria 3. 1 Texto apresentado ao programa de pós-graduação

Leia mais

Biomassa Epígea e Estoque de Carbono de Agroflorestas em Tomé-Açu, PA

Biomassa Epígea e Estoque de Carbono de Agroflorestas em Tomé-Açu, PA Biomassa Epígea e Estoque de Carbono de Agroflorestas em Tomé-Açu, PA Aboveground Biomass and the Carbon Storage the Agroforestry in the Tomé-Açu, PA Bolfe, Edson Luis. Embrapa/CPATC - Unicamp/IG, bolfe@cpatc.embrapa.br;

Leia mais

MODELAGEM AMBIENTAL DE Goupia glabra Aubl. (GOUPIACEAE) EM ÁREAS DE MANEJO FLORESTAL NO ESTADO DO PARÁ 1.

MODELAGEM AMBIENTAL DE Goupia glabra Aubl. (GOUPIACEAE) EM ÁREAS DE MANEJO FLORESTAL NO ESTADO DO PARÁ 1. MODELAGEM AMBIENTAL DE Goupia glabra Aubl. (GOUPIACEAE) EM ÁREAS DE MANEJO FLORESTAL NO ESTADO DO PARÁ 1. Susany Ferreira de SOUSA 2 ; Gracialda Costa FERREIRA 3. Resumo Informação científica e suportes

Leia mais

NÚCLEO REGIONAL SÃO GABRIEL DA CACHOEIRA-AM

NÚCLEO REGIONAL SÃO GABRIEL DA CACHOEIRA-AM NRSGC NÚCLEO REGIONAL SÃO GABRIEL DA CACHOEIRA-AM Local: Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia INPA V8 Data: 25 a 27 de novembro de 2013 APRESENTAÇÃO DO NÚCLEO Moisés Luiz da Silva (Baniwa); Comunidade

Leia mais

Corte seletivo e fogo fazem Floresta Amazônica perder 54 milhões de toneladas de carbono por ano

Corte seletivo e fogo fazem Floresta Amazônica perder 54 milhões de toneladas de carbono por ano Corte seletivo e fogo fazem Floresta Amazônica perder 54 milhões de toneladas de carbono por ano Perda equivale a 40% da produzida pelo desmatamento total. Pesquisa cruzou dados de satélites e de pesquisas

Leia mais