XV COBREAP - CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS - IBAPE/SP 2009

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "XV COBREAP - CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS - IBAPE/SP 2009"

Transcrição

1 XV COBREAP - CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS - IBAPE/SP 2009 ANÁLISE COMPARATIVA NA AVALIAÇÃO DE FLORESTA PLANTADA DE PINUS PELO MÉTODO DO VALOR ECONÔMICO, UTILIZANDO COMO PARÂMETROS A PRODUTIVIDADE MÉDIA REGIONAL, INVENTÁRIO FLORESTAL, PLANTIO EM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE E LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO DO TALHÃO. CYRO JOSÉ MATAVELLI RESUMO Na avaliação de florestas plantadas, para que se possa estimar a produtividade do talhão, faz-se necessário a realização do inventário florestal, cujas amostragens deverão respeitar os parâmetros estatísticos estabelecidos para o levantamento. Muitas vezes, por não se ter dados do inventário, são utilizadas informações referentes à produtividade média da região, projeto técnico de implantação, notas fiscais da compra de mudas e informações obtidas junto aos proprietários de quantos pés ele tem plantado. Além disso, mesmo que se tenham as informações do inventário, é muito importante que se diferenciem as áreas plantadas cuja legislação ambiental foi respeitada, das plantadas em áreas de preservação permanente, já que essa última, conforme Manual de Obtenção de Terras devem ser descritas no laudo, porém não avaliadas. Para isso, é fundamental a utilização de técnicas de geoprocessamento e imagens de alta resolução espacial aliadas aos levantamentos de campo. A proposta deste trabalho é demonstrar a importância de se utilizar como subsídio as informações obtidas através do Inventário Florestal nas avaliações e demonstrar as discrepâncias existentes quando se utiliza metodologias inadequadas. Palavras-chave: Inventário florestal, Produtividade média regional, Avaliação de florestas plantadas, Legislação ambiental, Desapropriação.

2 SUMÁRIO RESUMO... 1 LISTA DE FIGURAS... 3 LISTA DE TABELAS INTRODUÇÃO OBJETIVOS JUSTIFICATIVA METODOLOGIA RESULTADOS... 8 Valores Econômicos... 8 Áreas... 9 Análises das situações CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES REFERÊNCIAS

3 LISTA DE FIGURAS FIGURA 1: Perímetro da fazenda (Imagem Cbers)...5 FIGURA 2: Mapa levantado pelos técnicos...7 FIGURA 3: Mapa fornecido pelo proprietário...8 FIGURA 4: Mapa elaborado pelos técnicos do Instituto (esquerda) e mapa fornecido pelo proprietário (direita)...9 FIGURA 5: Imagem Cbers da área plantada...10 LISTA DE TABELAS TABELA 1: Evolução da produção do Pinus inventariado com 15 anos e perspectiva de corte raso aos 18 anos...6 TABELA 2: Produção do Pinus inventariado com 24 anos e perspectiva de corte raso aos 24 anos.6 TABELA 3: Evolução da produção do Pinus (produtividade média regional) com 15 anos e perspectiva de corte raso aos 18 anos...6 TABELA 4: Produção do Pinus (produtividade média regional) com 24 anos e perspectiva de corte raso aos 24 anos...6 TABELA 5: Sortimento do Pinus dos dados obtidos pelo Inventário Florestal....7 TABELA 6: Sortimento do Pinus dos dados de produtividade média...7 TABELA 7: Valores Econômicos do Pinus com idade de 24 anos e corte raso aos 24 anos...8 TABELA 8: Valores Econômicos do Pinus com idade de 15 anos e corte raso aos 18 anos...9 TABELA 9: Áreas de plantio do Pinus com idade de 24 anos....9 TABELA 10: Áreas de plantio do Pinus com idade de 15 anos TABELA 11: Plantio de Pinus com 24 anos e corte raso aos 24 anos...11 TABELA 12: Plantio de Pinus com 15 anos e corte raso aos 18 anos...11 TABELA 13: Valor econômico do plantio de Pinus na APP...12 TABELA 14: Serviços que poderiam ser executados no imóvel com o valor obtido na venda do Pinus localizado na APP

4 1. INTRODUÇÃO Na avaliação de florestas plantadas, para que se possa estimar a produtividade do talhão, faz-se necessário a realização do Inventário Florestal, cujas amostragens deverão respeitar os parâmetros estatísticos estabelecidos para o levantamento. Muitas vezes, por não se ter dados do inventário, são utilizadas informações referentes à produtividade média da região, projeto técnico de implantação, notas fiscais da compra de mudas e informações obtidas junto aos proprietários de quantos pés ele tem plantado. Porém, essas informações não são plenamente confiáveis, haja vista que utilizando-as na avaliação, não levamos em conta como essa floresta foi conduzida, se ela foi atingida por geada, formiga ou fogo em alguma fase de crescimento, se o projeto técnico foi cumprido à risca, se a nota fiscal da compra das mudas e as informações repassadas pelo proprietário são fidedignas. Além disso, mesmo que se tenham as informações do inventário, é muito importante que se diferenciem as áreas plantadas cuja legislação ambiental foi respeitada das plantadas em áreas de preservação permanente, já que essa última, conforme Manual de Obtenção de Terras devem ser descritas no laudo, porém não avaliadas. Para isso, é importante a utilização de técnicas de geoprocessamento e imagens de alta resolução espacial aliadas aos levantamentos de campo. 2. OBJETIVOS A proposta deste trabalho é informar o quanto é importante obter informações através do Inventário Florestal nas Avaliações e demonstrar as discrepâncias existentes quando se utiliza metodologias inadequadas. 3. JUSTIFICATIVA Esse estudo de caso torna-se de suma importância para orientar os técnicos na realização de Avaliação de Florestas Plantadas, comparando diversas metodologias e demonstrando a mais eficiente e precisa, dando maior confiabilidade ao laudo apresentado, evitando assim, a imperícia. Apresentando-se desta maneira, ocorrem diversos benefícios ao Instituto, sendo uma das principais o decréscimo de contestações judiciais, dando maior agilidade e eficácia aos processos. 4

5 4. METODOLOGIA Os dados foram obtidos na Avaliação do Imóvel Rural denominado Fazenda do Posto Ltda, área registrada de 1.314,1455 ha e ,95 m de perímetro, conforme figura 1, localizado no município de Correia Pinto SC, cujo Inventário Florestal foi realizado em maio de em 39,11 ha de Pinus na idade de 24 anos, manejado inadequadamente, com indícios de fogo e 14,89 ha de Pinus na idade de 15 anos, bem manejado. FIGURA 1: Perímetro da fazenda (Imagem Cbers). A produtividade média dos plantios foi obtida através do Inventário Florestal, seguindo padrões mínimos exigidos, ou seja, erro amostral inferior a 10 %, com intervalo de confiança a 95% de probabilidade. Para o Pinus de 15 anos, através do Software SisPinus, estimou-se a produtividade e corte raso para os 18 anos, conforme tabela 1, 5

6 trazendo para o valor presente os custos e receitas (15 anos) através do Método do Valor Econômico. A taxa de juros utilizada foi de 12 % a.a. e o coeficiente de risco de 5 %. Para o Pinus de 24 anos (tabela 2), foi realizado o inventário com os mesmos critérios e corte raso aos 24 anos. TABELA 1: Evolução da produção do Pinus inventariado com 15 anos e perspectiva de corte raso aos 18 anos. Idade Altura Diâmetro Altura Área Volume Árvores / Dominante Médio Média Basal Total ha (m) (cm) (m) (m²/ha) 15 21, ,0 19,2 36,8 325,4* 16 22, ,8 20,0 38,7 355, , ,5 20,6 40,6 384, , ,2 21,3 42,3 413,4 *Erro amostral de 8,69 % (<10%) TABELA 2: Produção do Pinus inventariado com 24 anos e perspectiva de corte raso aos 24 anos. Altura Diâmetro Altura Área Volume Árvores / Idade Dominante Médio Média Basal (m²/ Total ha (m) (cm) (m) ha) 24 27, ,0 25,0 35,9 412,6** ** Erro amostral de 9,77 % (< 10%) Para a realização do estudo de caso, a produtividade média da região foi gerada através do Software Sispinus, como nos mostra as tabelas 3 e 4 (e confirmada através de informações de produtores da região através do IMA Incremento Médio Anual), cujos dados de entrada eram apenas o número de árvores por hectare, idade do plantio e homogeneidade do povoamento. Os procedimentos seguintes para obtenção dos Valores Econômicos das Florestas seguiram os mesmos critérios descritos no parágrafo anterior. TABELA 3: Evolução da produção do Pinus (produtividade média regional) com 15 anos e perspectiva de corte raso aos 18 anos. Idade Altura Diâmetro Altura Área Volume Árvores / Dominante Médio Média Basal Total ha (m) (cm) (m) (m²/ha) 15 21, ,6 19,2 35,8 316, , ,4 19,9 37,7 345, , ,1 20,6 39,6 374, , ,8 21,2 41,3 402,8 TABELA 4: Produção do Pinus (produtividade média regional) com 24 anos e perspectiva de corte raso aos 24 anos. Altura Diâmetro Altura Área Volume Árvores / Idade Dominante Médio Média Basal (m²/ Total ha (m) (cm) (m) ha) 24 27, ,0 24,4 45,0 505,8 Tanto para a produtividade média dos plantios (tabela 5), quanto para a produtividade média regional (tabela 6), o sortimento foi realizado através do Software SisPinus, cujos preços da madeira diferenciados pelo diâmetro das toras foram obtidos na região, procedendo assim, a avaliação do plantio. 6

7 TABELA 5: Sortimento do Pinus dos dados obtidos pelo Inventário Florestal. Idades Volume Laminação total Especial Laminação Serraria Celulose Energia 24 anos 412,6 36,1 193,5 143,7 34,7 4,6 15 anos (Corte Raso aos 18) 413,4 20,7 189,7 160,6 36,5 5,9 TABELA 6: Sortimento do Pinus dos dados de produtividade média. Idades Volume Laminação total Especial Laminação Serraria Celulose Energia 24 anos 505,8 125,8 225,1 127,2 23,3 4,4 15 anos (Corte Raso aos 18) 402,8 16,5 179,1 164,4 36,6 6,2 Para determinação da área de plantio (figura 2), inclusive nas áreas de preservação permanente foram realizadas medições de campo e técnicas de geoprocessamento, através da utilização de imagens de satélite: FIGURA 2: Mapa levantado pelos técnicos. Para um segundo levantamento de áreas, utilizou-se para quantificá-las, um mapa de uso fornecido pelo proprietário que seria entregue para certificação (figura 3), cujas áreas de plantio encontradas no mapa e entrevista com um funcionário que coordenou o plantio na época e responsável pelo manejo, informando o número de pés plantados, foram coincidentes. 7

8 FIGURA 3: Mapa fornecido pelo proprietário. 5. RESULTADOS Valores Econômicos Os Valores Econômicos do plantio de Pinus com idade de 24 anos e corte raso aos 24 anos (tabela 7), utilizando como informações a produtividade da floresta (inventário) e a produtividade média regional, obtidos através do levantamento de preço das toras na época da avaliação foram: TABELA 7: Valores Econômicos do Pinus com idade de 24 anos e corte raso aos 24 anos. Metodologia Produtividade Valor Econômico R$/ha Inventário Florestal 412, ,34 Produtividade Média Regional 505, ,45 Através dos dados de Valores Econômicos obtidos, verificamos que pelo fato do Pinus na idade de 24 anos encontrar-se mal manejado (fato este verificado no Inventário Florestal através da produtividade), existiu uma diferença de 93,2 m³/ha e R$ 8.560,11/ha de uma metodologia para outra. Vale ressaltar que a produtividade média regional estimada já está considerando uma floresta bem heterogênea. Caso comparássemos 8

9 com a média regional de uma floresta bem manejada e homogênea, cuja produção média regional para essa idade é de 542,00 m³/ha, a discrepância seria ainda maior. Os Valores Econômicos do plantio de Pinus com idade de 15 anos e corte raso aos 18 anos (tabela 8), utilizando como informações a produtividade da floresta (inventário) e a produtividade média regional, obtidos através do levantamento de preço das toras na época da avaliação foram: TABELA 8: Valores Econômicos do Pinus com idade de 15 anos e corte raso aos 18 anos. Metodologia Produtividade Valor Econômico R$/ha Inventário Florestal 413, ,20 Produtividade Média Regional 402, ,76 Em relação ao Pinus de 15 anos, por ser um plantio bem conduzido, a diferença de produtividade das duas metodologias foi de apenas 11 m³/ha e R$ 581,44, ou seja, insignificante, levando-se em conta um erro amostral de 9,77 %, com intervalo de confiança a 95% de probabilidade. Áreas A área de plantio obtida pelos técnicos do Instituto para o Pinus com idade de 24 anos, considerando as APP s e a área fornecida pelo proprietário, conforme figura 4 e tabela 9, foram: FIGURA 4: Mapa elaborado pelos técnicos do Instituto (esquerda) e mapa fornecido pelo proprietário (direita). TABELA 9: Áreas de plantio do Pinus com idade de 24 anos. Área Total Metodologia Área na APP Área Avaliada Técnicos do Instituto 39,11 3,97 35,14 Proprietário (Mapa) e Funcionário (Entrevista)

10 A área de plantio obtida pelos técnicos do Instituto para o Pinus com idade de 15 anos, considerando as APP s e a área fornecida pelo proprietário, conforme figura 4 e tabela 10, foram: TABELA 10: Áreas de plantio do Pinus com idade de 15 anos. Área Total Metodologia Área na APP Área Avaliada Técnicos do Instituto 14,89 3,37 11,52 Proprietário (Mapa) e Funcionário (Entrevista) Através dos dados obtidos nas tabelas 9 e 10, observamos que as informações de áreas levantadas junto ao proprietário (através do mapa elaborado para certificação, quanto entrevista com o funcionário que participou do plantio e manejava a floresta) estavam bem diferentes daquelas levantadas pelos técnicos, além de não considerar as áreas plantadas em preservação permanente. Em relação a tabela 9, o talhão de Pinus na idade de 24 anos era de difícil acesso, relevo bem declivoso e fazia divisa com área de floresta nativa. Além disso, havia uma área que foi consumida por fogo. Apesar de toda a área de plantio ter sido medida em campo, inclusive as de preservação permanente, a análise inicial foi feita através da utilização de imagens de satélite Cbers 2B (figura 5), com resolução espacial de 20 m. Caso tivéssemos disponível uma imagem de satélite de alta resolução espacial, por exemplo Ikonos e Quick-Bird, georreferenciada e ortorretificada, os trabalhos de campo seriam facilitados, principalmente na diferenciação dos limites de plantio de Pinus e mata nativa, identificação das áreas queimadas, falhas no interior do talhão e áreas de preservação permanente. FIGURA 5: Imagem Cbers da área plantada. 10

11 Análises das situações Foram analisadas 4 situações, descritas conforme abaixo: Avaliação da Floresta Plantada obtido através do Inventário Florestal e Medição das Áreas pelo Incra IF e ME. (TESTEMUNHA) Avaliação da Floresta Plantada obtido através da Produtividade Média da Região e Medição das Áreas pelo Incra PM e ME. Avaliação da Floresta Plantada obtido através do Inventário Florestal e Área informada pelo proprietário (sem medição) IF e SM. Avaliação da Floresta Plantada obtido através da Produtividade Média da Região e Área informada pelo proprietário (sem medição) IF e SM. A partir desses parâmetros obtivemos os seguintes resultados: TABELA 11: Plantio de Pinus com 24 anos e corte raso aos 24 anos. Situações Produtividade Valor Presente Líquido R$/m³ Valor Econômico R$/ha Área Total Valor Total (R$) Área na APP Valor na APP (R$) Área Avaliada Avaliado Valor Total - Valor na APP (R$) IF e ME 412,6 43, ,34 39, ,80 3, ,74 35, ,06 PM e ME 505,8 50, ,45 39, ,33 3, ,34 35, ,99 IF e SM 412,6 43, , , ,69 PM e SM 505,8 50, , , ,72 Analisando a tabela 11, comparando as situações (IF e ME) com (PM e ME), diferentes apenas na produtividade (IF= 412,6 m³/ha e PM= 505,8 m³/ha), obtivemos uma acréscimo de aproximadamente 51 % na indenização final da floresta. Ao compararmos as situações (IF e ME) com (IF e SM) e (PM e SM), observamos que houve um acréscimo de aproximadamente 71 % e 157 %, respectivamente na indenização final da floresta. TABELA 12: Plantio de Pinus com 15 anos e corte raso aos 18 anos. Situações Produtividade aos 18 anos Valor Presente Líquido R$/m³ Valor Econômico R$/ha Área Total Valor Total (R$) Área na APP Valor na APP (R$) Área Avaliada Avaliado Valor Total - Valor na APP (R$) IF e ME 413,8 40, ,20 14, ,59 3, ,80 11, ,78 PM e ME 402,8 40, ,76 14, ,45 3, ,85 11, ,60 IF e SM 413,8 40, , , ,00 PM e SM 402,8 40, , , ,20 11

12 Analisando a tabela 12, comparando as situações (IF e ME) com (PM e ME), como as diferenças de produtividade não foram consideráveis (IF= 413,8 m³/ha e PM= 402,8 m³/ha), a diferença na indenização final da floresta está dentro da margem de erro considerável. Ao compararmos as situações (IF e ME) com (IF e SM) e (PM e SM), observamos que houve um acréscimo de aproximadamente 73% e 65%, respectivamente na indenização final da floresta. 6. CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES Se considerarmos somente o Pinus plantado nas APP s, que deverá ser quantificado, porém não avaliado, conforme Manual de Obtenção de Terras, teremos um valor total de R$ ,52, conforme tabela 13. TABELA 13: Valor econômico do plantio de Pinus na APP. Plantio Área Unidade Valor Total Pinus de 24 anos plantado na APP 3,97 ha R$ ,34 R$ ,72 Pinus de 15 anos plantado na APP 3,37 ha R$ ,20 R$ ,80 R$ ,52 Somente com o valor obtido na venda do Pinus não indenizável, poderíamos, por exemplo, executar o georreferenciamento do imóvel, adquirir imagem de alta resolução espacial (1m) para confecção do mapa de usos do solo, realizar o inventário florestal do plantio de Pinus, averbar reserva legal e cercar mais de 12 km de divisas (tabela 14). TABELA 14: Serviços que poderiam ser executados no imóvel com o valor obtido na venda do Pinus localizado na APP. Serviços Quantidade Unidade Custo Total Georreferenciamento (*) 24,62295 Km de Perímetro R$ 921,26 R$ ,14 Imagens IKONOS (**) 30 km² R$ 48,00 R$ 1.440,00 Planejamento e execução do Inventário Florestal (***) 54 ha R$ 15,00 R$ 810,00 Averbação de Reserva Legal (****) 262,82 ha R$ 30,00 R$ 7.884,60 Cercamento (*****) ,13081 metros lineares R$ 6,00 R$ ,78 R$ ,52 Fontes: (*) Planilhas Incra, SR-10 F; (**) Processo aquisição Incra, SR-10 T; (***)http://www.manejoflorestal.org/index3.cfm?cat_id=58&subcat_id=261 (****)http://www.manejoflorestal.org/index3.cfm?cat_id=58&subcat_id=261 (*****)http://cepa.epagri.sc.gov.br/ Através dos trabalhos realizados, para que o laudo de avaliação possa se tornar confiável, evitando a imperícia, recomenda-se o uso dos dados obtidos no Inventário Florestal e a correta aferição das áreas dos talhões, principalmente as plantadas em desconformidade com a legislação ambiental, através de técnicas de geoprocessamento e sistemas de informações geográficas (SIG). 12

13 7. REFERÊNCIAS INCRA, Manual de Obtenção de Terras e Perícia Judicial, Aprovado pela Norma de Execução Incra/DT nº 52, OLIVEIRA, E. B. Sistema Prognose do Crescimento e Produção de Florestas (SisPinus). Colombo, PR. EMBRAPA FLORESTAS, SCOLFORO, J.R.S. Inventário Florestal. Lavras, MG. UFLA/FAEPE, p. 13

Portaria n.º 172, de 24 de abril de 2014.

Portaria n.º 172, de 24 de abril de 2014. Portaria n.º 172, de 24 de abril de 2014. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE, no uso de suas atribuições constitucionais previstas no Art. 71, inciso IV, da Constituição do Estado de Mato Grosso,

Leia mais

Município de Colíder MT

Município de Colíder MT Diagnóstico da Cobertura e Uso do Solo e das Áreas de Preservação Permanente Município de Colíder MT Paula Bernasconi Ricardo Abad Laurent Micol Julho de 2008 Introdução O município de Colíder está localizado

Leia mais

O SOFTWARE SPP Eucalyptus

O SOFTWARE SPP Eucalyptus Rua Raul Soares, 133/201 - Centro - Lavras MG CEP 37200-000 Fone/Fax: 35 3821 6590 O SOFTWARE SPP Eucalyptus 1/7/2008 Inventar GMB Consultoria Ltda Ivonise Silva Andrade INTRODUÇÃO Um dos grandes problemas

Leia mais

XV COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS IBAPE/SP 2009

XV COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS IBAPE/SP 2009 XV COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS IBAPE/SP 2009 ANÁLISE COMPARATIVA DOS USOS DO SOLO UTILIZANDO IMAGENS ORBITAIS COM DIFERENTES RESOLUÇÕES ESPACIAIS. JUSSARA D'AMBROSIO

Leia mais

VARIAÇÃO DA VIABILIDADE ECONOMICA FLORESTAL CONFORME O CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO

VARIAÇÃO DA VIABILIDADE ECONOMICA FLORESTAL CONFORME O CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO VARIAÇÃO DA VIABILIDADE ECONOMICA FLORESTAL CONFORME O CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO William Tomaz Folmann¹, Maria Laura Quevedo Fernandez² e Gabriel de Magalhães Miranda³. ¹ Doutorando em Economia e Política

Leia mais

MAPEAMENTO FLORESTAL

MAPEAMENTO FLORESTAL MAPEAMENTO FLORESTAL ELISEU ROSSATO TONIOLO Eng. Florestal Especialista em Geoprocessamento OBJETIVO Mapear e caracterizar a vegetação visando subsidiar o diagnóstico florestal FUNDAMENTOS É uma ferramenta

Leia mais

Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT

Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT Paula Bernasconi Ricardo Abad Laurent Micol Maio de 2008 Introdução O município de Alta Floresta está localizado na região norte do estado de Mato

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO COMO FERRAMENTA PARA DELIMITAÇÃO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO MUNICÌPIO DE BRASÓPOLIS MG.

UTILIZAÇÃO DE TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO COMO FERRAMENTA PARA DELIMITAÇÃO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO MUNICÌPIO DE BRASÓPOLIS MG. UTILIZAÇÃO DE TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO COMO FERRAMENTA PARA DELIMITAÇÃO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO MUNICÌPIO DE BRASÓPOLIS MG. PEDRO HENRIQUE BAÊTA ANGELINI 1, ROSÂNGELA ALVES TRISTÃO BORÉM

Leia mais

Treinamento em Cálculos Florestais Diversos Por Meio do Software FlorExcel

Treinamento em Cálculos Florestais Diversos Por Meio do Software FlorExcel Treinamento em Cálculos Florestais Diversos Por Meio do Software FlorExcel Julio Eduardo Arce Professor Adjunto do Departamento de Ciências Florestais Universidade Federal do Paraná Av. Pref. Lothário

Leia mais

VANTAGENS ECOLÓGICAS E ECONÔMICAS DE REFLORESTAMENTOS EM PROPRIEDADES RURAIS NO SUL DO BRASIL RESUMO

VANTAGENS ECOLÓGICAS E ECONÔMICAS DE REFLORESTAMENTOS EM PROPRIEDADES RURAIS NO SUL DO BRASIL RESUMO VANTAGENS ECOLÓGICAS E ECONÔMICAS DE REFLORESTAMENTOS EM PROPRIEDADES RURAIS NO SUL DO BRASIL RESUMO Honorino Roque Rodigheri * Este estudo tem o objetivo de comparar os indicadores ecológicos (uso de

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS LCF-1581

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS LCF-1581 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS LCF-1581 Recursos Florestais em Propriedades Agrícolas Trabalho final: Projeto de adequação

Leia mais

Termo de Referência para Elaboração do Plano de Manejo Florestal Sustentável

Termo de Referência para Elaboração do Plano de Manejo Florestal Sustentável Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos Termo de Referência para Elaboração do Plano Avenida Nascimento de Castro, 2127 Lagoa Nova Natal RN

Leia mais

A AGRICULTURA EM MACHADINHO D OESTE & O CÓDIGO FLORESTAL EVARISTO DE MIRANDA

A AGRICULTURA EM MACHADINHO D OESTE & O CÓDIGO FLORESTAL EVARISTO DE MIRANDA A AGRICULTURA EM MACHADINHO D OESTE & O CÓDIGO FLORESTAL EVARISTO DE MIRANDA Coordenador do Grupo de Inteligência Territorial Estratégica GITE da Embrapa TULIO BARBOSA Mineiro de Guidoval TULIO BARBOSA

Leia mais

ecoturismo ou turismo. As faixas de APP que o proprietário será obrigado a recompor serão definidas de acordo com o tamanho da propriedade.

ecoturismo ou turismo. As faixas de APP que o proprietário será obrigado a recompor serão definidas de acordo com o tamanho da propriedade. São as áreas protegidas da propriedade. Elas não podem ser desmatadas e por isso são consideradas Áreas de Preservação Permanente (APPs). São as faixas nas margens de rios, lagoas, nascentes, encostas

Leia mais

Cyro José Matavelli 1. Rua Jerônimo Coelho, 185, Sala 901, Centro - 88010-030 - Florianópolis - SC, Brasil cyro.matavelli@fns.incra.gov.

Cyro José Matavelli 1. Rua Jerônimo Coelho, 185, Sala 901, Centro - 88010-030 - Florianópolis - SC, Brasil cyro.matavelli@fns.incra.gov. Anais XV Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto - SBSR, Curitiba, PR, Brasil, 30 de abril a 05 de maio de 2011, INPE p.1660 Planejamento e execução do inventário florestal em reflorestamentos homogêneos

Leia mais

Inventário Florestal Nacional IFN-BR

Inventário Florestal Nacional IFN-BR Seminário de Informação em Biodiversidade no Âmbito do MMA Inventário Florestal Nacional IFN-BR Dr. Joberto Veloso de Freitas SERVIÇO FLORESTAL BRASILEIRO Gerente Executivo Informações Florestais Brasília,

Leia mais

A ARBORIZAÇÃO DO CAMPUS DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA

A ARBORIZAÇÃO DO CAMPUS DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA A ARBORIZAÇÃO DO CAMPUS DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Diogo Luis Kurihara Universidade de Brasília - Departamento de Engenharia Florestal José Imaña-Encinas Universidade de Brasília - Departamento de Engenharia

Leia mais

O QUE É O CAR? Lei 12.651/2012 Novo Código Florestal

O QUE É O CAR? Lei 12.651/2012 Novo Código Florestal 1 MARCO LEGAL MARCO LEGAL O QUE É O CAR? Lei 12.651/2012 Novo Código Florestal Cadastro Ambiental Rural CAR: Âmbito Nacional Natureza declaratória Obrigatório para todas as propriedades e posses Base de

Leia mais

1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS

1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS Secretaria de Estado do Meio SEMA-MT Roteiro Básico de Projeto de Compensação de Área de Reserva Legal (ARL) 1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS I T E M N º. D O C U M E N T O S E X I G I D O S O B S E

Leia mais

MODELO DE LAUDO 14/10/2010 III DO OBJETIVO

MODELO DE LAUDO 14/10/2010 III DO OBJETIVO MODELO DE LAUDO LAUDO TÉCNICO I - PREÂMBULO Aos onze dias do mês de maio do ano de dois mil e seis, em atendimento a solicitação do Comandante da Polícia Militar, deslocamos até o município de Matinho

Leia mais

O QUE É O CAR? Lei 12.651/2012 Novo Código Florestal

O QUE É O CAR? Lei 12.651/2012 Novo Código Florestal 1 MARCO LEGAL MARCO LEGAL O QUE É O CAR? Lei 12.651/2012 Novo Código Florestal Cadastro Ambiental Rural CAR: Âmbito Nacional Natureza declaratória Obrigatório para todas as propriedades e posses Base de

Leia mais

: Transforme seu plantio em um fundo de investimento ativo. The single source for Forest Resource Management

: Transforme seu plantio em um fundo de investimento ativo. The single source for Forest Resource Management : Transforme seu plantio em um fundo de investimento ativo The single source for Forest Resource Management 2 Tecnologia laser aerotransportada LiDAR LiDAR é um sistema ativo de sensoriamento remoto, originalmente

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO À DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS DE RESERVA LEGAL

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO À DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS DE RESERVA LEGAL À DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS DE RESERVA LEGAL Documentação prevista na Lei Federal 12.51 de 25 de maio de 2012: 1 - identificação do proprietário ou possuidor rural; 2 - comprovação

Leia mais

ABNT NBR 14653-3:2004. Propostas de mudança aprovadas pela comissão de estudos

ABNT NBR 14653-3:2004. Propostas de mudança aprovadas pela comissão de estudos ABNT NBR 14653-3:2004 Propostas de mudança aprovadas pela comissão de estudos Definições 3.2 benfeitorias: Resultado de obra ou serviço realizado no imóvel rural, que não pode ser retirado sem destruição,

Leia mais

O USO DO SIG NA ADMINISTRAÇÃO E AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS DA COMPANHIA IMOBILIÁRIA DE BRASÍLIA TERRACAP

O USO DO SIG NA ADMINISTRAÇÃO E AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS DA COMPANHIA IMOBILIÁRIA DE BRASÍLIA TERRACAP O USO DO SIG NA ADMINISTRAÇÃO E AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS DA COMPANHIA IMOBILIÁRIA DE BRASÍLIA TERRACAP Thais Borges Sanches Lima e Bruno Tamm Rabello Setembro/2012 Introdução 1. Experiência de um grupo de

Leia mais

Consumo Aparente, Cotação e Valor da Produção de Madeira de Florestas Plantadas no Estado de São Paulo: uma visão das últimas décadas

Consumo Aparente, Cotação e Valor da Produção de Madeira de Florestas Plantadas no Estado de São Paulo: uma visão das últimas décadas Análises e Indicadores do Agronegócio ISSN 1980-0711 Consumo Aparente, Cotação e Valor da Produção de Madeira de Florestas Plantadas no Estado de São Paulo: uma visão das últimas décadas Uma das características

Leia mais

Ferramentas de sensoriamento remoto e SIG aplicadas ao novo Código Florestal

Ferramentas de sensoriamento remoto e SIG aplicadas ao novo Código Florestal 1/38 Ferramentas de sensoriamento remoto e SIG aplicadas ao novo Código Florestal Cota de Reserva Ambiental (CRA) Eng. Allan Saddi Arnesen Eng. Frederico Genofre Eng. Matheus Ferreira Eng. Marcelo Pedroso

Leia mais

Divisão de. Avaliação e Perícia

Divisão de. Avaliação e Perícia Divisão de Avaliação e Perícia índice 3 5 6 a scot consultoria serviços de avaliação e perícia avaliação de imóveis rurais SUgestão de divisão de propriedades rurais Laudo de comprovação de produtividade

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL SEDAM.

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL SEDAM. GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL SEDAM. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01 DE 30 DE MAIO DE 2011 Normatiza a atividade de silvicultura econômica com espécies nativas

Leia mais

13-05-2015 EUCALIPTO. plantio. Projeção de Receitas e Resultados. Fomento. Como suprir tamanha demanda preservando as florestas nativas?

13-05-2015 EUCALIPTO. plantio. Projeção de Receitas e Resultados. Fomento. Como suprir tamanha demanda preservando as florestas nativas? 13-05-2015 Como suprir tamanha demanda preservando as florestas nativas? Através de florestas plantadas de Eucalipto e Pinus. Cada 1ha destas preservam 10ha de nativas. EUCALIPTO O plantio de Eucalipto

Leia mais

XV COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS IBAPE/SP 2009

XV COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS IBAPE/SP 2009 XV COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS IBAPE/SP 2009 ESTIMATIVA DE CUSTOS PARA RECUPERAÇÃO DA VEGETAÇÃO EM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE E RESERVA LEGAL NO ESTADO DE SANTA

Leia mais

Relatório mensal JULHO/2014. Projeto: Estudo e implantação de floresta para manejo sustentado na Escola Técnica Prof. Dr. Antonio Eufrásio de Toledo.

Relatório mensal JULHO/2014. Projeto: Estudo e implantação de floresta para manejo sustentado na Escola Técnica Prof. Dr. Antonio Eufrásio de Toledo. Relatório mensal JULHO/2014 Projeto: Estudo e implantação de floresta para manejo sustentado na Escola Técnica Prof. Dr. Antonio Eufrásio de Toledo. Atividades desenvolvidas no mês: Estudo das espécies

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DO MERCADO DA MADEIRA DE REFLORESTAMENTO NO BRASIL. Sebastião Renato Valverde 1

CARACTERÍSTICAS DO MERCADO DA MADEIRA DE REFLORESTAMENTO NO BRASIL. Sebastião Renato Valverde 1 CARACTERÍSTICAS DO MERCADO DA MADEIRA DE REFLORESTAMENTO NO BRASIL Sebastião Renato Valverde 1 A economia do setor florestal brasileiro até o ano de 1965 era pouco expressiva, tanto que as atividades de

Leia mais

A importância da gestão para o pequeno e médio produtor florestal

A importância da gestão para o pequeno e médio produtor florestal A importância da gestão para o pequeno e médio produtor florestal Richard Respondovesk ESALQ - 20/08/2014 Tópicos A Empresa Áreas de atuação Cadeia produtiva florestal Planejamento e mercado Uso de tecnologias

Leia mais

CAPITULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPITULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02/2014, DE 26 DE FEVEREIRO DE 2014. PUBLICADA NO DOE/PA Nº 32594, DE 28/02/2014, CADERNO 5 PÁGINAS 6-8 Data: 26 de fevereiro de 2014. Define procedimentos administrativos para a

Leia mais

XVI COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS IBAPE/AM 2011

XVI COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS IBAPE/AM 2011 XVI COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS IBAPE/AM 2011 TRABALHO DE AVALIAÇÃO Imóveis semelhantes e o passivo/ativo ambiental na engenharia de avaliações aplicada em imóveis

Leia mais

INVENTÁRIO FLORESTAL (Floresta Plantada) Propriedade: Fazenda Alto Limoeiro 4 Timóteo - MG

INVENTÁRIO FLORESTAL (Floresta Plantada) Propriedade: Fazenda Alto Limoeiro 4 Timóteo - MG INVENTÁRIO FLORESTAL (Floresta Plantada) Propriedade: Fazenda Alto Limoeiro 4 Timóteo - MG Julho / 2008 INVENTÁRIO FLORESTAL 1 ) INFORMAÇÕES GERAIS 1.1 IDENTIFICAÇÃO DA PROPRIEDADE Denominação: Fazenda

Leia mais

ANÁLISE DA TRANSFORMAÇÃO DA PAISAGEM NA REGIÃO DE MACHADO (MG) POR MEIO DE COMPOSIÇÕES COLORIDAS MULTITEMPORAIS

ANÁLISE DA TRANSFORMAÇÃO DA PAISAGEM NA REGIÃO DE MACHADO (MG) POR MEIO DE COMPOSIÇÕES COLORIDAS MULTITEMPORAIS ANÁLISE DA TRANSFORMAÇÃO DA PAISAGEM NA REGIÃO DE MACHADO (MG) POR MEIO DE COMPOSIÇÕES COLORIDAS MULTITEMPORAIS ALENCAR SANTOS PAIXÃO 1 ; ÉLIDA LOPES SOUZA ROCHA2 e FERNANDO SHINJI KAWAKUBO 3 alencarspgeo@gmail.com,

Leia mais

Módulo fiscal em Hectares 20 10 16 12

Módulo fiscal em Hectares 20 10 16 12 CÓDIGO FLORESTAL COMO SE REGULARIZAR O QUE É CÓDIGO FLORESTAL? O Código é uma lei que estabelece limites e obrigações no uso da propriedade,, que deve respeitar a vegetação existente na terra, considerada

Leia mais

1. Para o levantamento Georrreferenciado, será adotado o padrão INCRA?

1. Para o levantamento Georrreferenciado, será adotado o padrão INCRA? 1. Para o levantamento Georrreferenciado, será adotado o padrão INCRA? Sim 2. Qual precisão poderemos adotar para o levantamento das coordenadas horizontais e das coordenadas verticais? Submétrica para

Leia mais

VIII Simpósio Técnicas de Plantio e Manejo de Eucalipto Para Usos Múltiplos SEGURO FLORESTAL. Gabriel Prata MSc. Eng. Florestal

VIII Simpósio Técnicas de Plantio e Manejo de Eucalipto Para Usos Múltiplos SEGURO FLORESTAL. Gabriel Prata MSc. Eng. Florestal VIII Simpósio Técnicas de Plantio e Manejo de Eucalipto Para Usos Múltiplos SEGURO FLORESTAL Gabriel Prata MSc. Eng. Florestal Piracicaba, 20/08/2014 Florestas no Brasil Cerca de 520 milhões de hectares

Leia mais

A RENTABILIDADE ECONÔMICA DA CULTURA DO EUCALIPTO E SUA CONTRIBUIÇÃO AO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

A RENTABILIDADE ECONÔMICA DA CULTURA DO EUCALIPTO E SUA CONTRIBUIÇÃO AO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ARTIGO A RENTABILIDADE ECONÔMICA DA CULTURA DO EUCALIPTO E SUA CONTRIBUIÇÃO AO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Eliseu de Souza Baena Engenheiro e Economista Florestal Pesquisador Científico I do Instituto Florestal

Leia mais

cio-econômicos e ambientais dos SISTEMAS AGROSSILVIPASTORIS: Helton Damin da Silva Chefe Geral da Embrapa Florestas Chgeral@cnpf.embrapa.

cio-econômicos e ambientais dos SISTEMAS AGROSSILVIPASTORIS: Helton Damin da Silva Chefe Geral da Embrapa Florestas Chgeral@cnpf.embrapa. Benefícios sócios cio-econômicos e ambientais dos SISTEMAS AGRSSILVIPASTRIS: Helton Damin da Silva Chefe Geral da Embrapa Florestas Chgeral@cnpf.embrapa.br PREMISSAS DE MANEJ DE FLRESTAS, APPS E RL Reflorestamentos

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS HÍDRICOS CONSELHO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE. RESOLUÇÃO n. 008/ 2010

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS HÍDRICOS CONSELHO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE. RESOLUÇÃO n. 008/ 2010 ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS HÍDRICOS CONSELHO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO n. 008/ 2010 Dispõe sobre a exploração de florestas energéticas e comerciais originárias

Leia mais

CONSIDERAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DE NASCENTES

CONSIDERAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DE NASCENTES CONSIDERAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DE NASCENTES Este modelo foi desenvolvido visando à recuperação de Áreas de Preservação Permanente de Nascentes

Leia mais

8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura. Adequação Legal da Propriedade Rural

8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura. Adequação Legal da Propriedade Rural 8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura Adequação Legal da Propriedade Rural Eng o. F tal. Msc. João Carlos Teixeira Mendes jctmende@esalq.usp.br Departamento de Ciências Florestais Estação Experimental

Leia mais

FORMULÁRIOS PARA AUTORIZAÇÃO DE RECUPERAÇÃO OU RESTAURAÇÃO DE ÁREAS PROTEGIDAS COM SUPRESSÃO DE ESPÉCIES EXÓTICAS

FORMULÁRIOS PARA AUTORIZAÇÃO DE RECUPERAÇÃO OU RESTAURAÇÃO DE ÁREAS PROTEGIDAS COM SUPRESSÃO DE ESPÉCIES EXÓTICAS CONDIÇÃO OBRIGATÓRIA EXECUÇÃO DE PROJETO DE RECUPERAÇÃO DAS ÁREAS CONSIDERADAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE ATINGIDAS COM PLANTIOS E MANUTENÇÃO DE ÁRVORES NATIVAS DA REGIÃO E/OU CONDUÇÃO DA REGENERAÇÃO NATURAL,

Leia mais

SENRORIAMENTO REMOTO E SIG. Aula 1. Prof. Guttemberg Silvino Prof. Francisco das Chagas

SENRORIAMENTO REMOTO E SIG. Aula 1. Prof. Guttemberg Silvino Prof. Francisco das Chagas SENRORIAMENTO REMOTO E SIG Aula 1 Programa da Disciplina 1 CONCEITOS, HISTÓRICO E FUNDAMENTOS (8 aulas) 2 Sensoriamento remoto. Histórico e definições 3 Domínios do Sensoriamento Remoto 4 Níveis de Coleta

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS DE RESERVA LEGAL

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS DE RESERVA LEGAL DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS DE RESERVA LEGAL Atenção: Esta lista de documentos tem vigência até que o Cadastro Ambiental Rural (CAR) seja efetivamente implantado por ato da Ministra

Leia mais

MODELAGEM DA PRODUÇÃO DE SEDIMENTOS USANDO CENÁRIO AMBIENTAL ALTERNATIVO NA REGIÃO NO NOROESTE DO RIO DE JANEIRO - BRAZIL

MODELAGEM DA PRODUÇÃO DE SEDIMENTOS USANDO CENÁRIO AMBIENTAL ALTERNATIVO NA REGIÃO NO NOROESTE DO RIO DE JANEIRO - BRAZIL MODELAGEM DA PRODUÇÃO DE SEDIMENTOS USANDO CENÁRIO AMBIENTAL ALTERNATIVO NA REGIÃO NO NOROESTE DO RIO DE JANEIRO - BRAZIL SEDIMENT YIELD MODELING USING AN ALTERNATIVE ENVIRONMENTAL SCENARIO IN NORTHWESTERN

Leia mais

PRÁTICAS SILVICULTURAIS

PRÁTICAS SILVICULTURAIS CAPÍTULO 10 PRÁTICAS SILVICULTURAIS 94 Manual para Produção de Madeira na Amazônia APRESENTAÇÃO Um dos objetivos do manejo florestal é garantir a continuidade da produção madeireira através do estímulo

Leia mais

Anais do Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto - GEONORDESTE 2014 Aracaju, Brasil, 18-21 novembro 2014

Anais do Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto - GEONORDESTE 2014 Aracaju, Brasil, 18-21 novembro 2014 O USO DO GEOPROCESSAMENTO COMO APOIO AO DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DA BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO BOM RETIRO, JAÚ SP Fábio César Martins 1, Rafael Aleixo Braga 2, José Carlos Toledo Veniziani Junior 3 1 Tecnólogo

Leia mais

EXPANSÃO DA SOJA PARA A PORÇÃO NORTE DO BIOMA CERRADO NO ESTADO DO PIAUÍ

EXPANSÃO DA SOJA PARA A PORÇÃO NORTE DO BIOMA CERRADO NO ESTADO DO PIAUÍ EXPANSÃO DA SOJA PARA A PORÇÃO NORTE DO BIOMA CERRADO NO ESTADO DO PIAUÍ Resumo Patrícia Ladeira Pinheiro¹ Gabriel Pereira² (patricia.ladeira@gmail.com; pereira@ufsj.edu.br) Graduanda em Geografia - UFSJ

Leia mais

Uso de Imagens de Satélite e VANT como Ferramenta de Gestão na Cultura da Cana de Açúcar

Uso de Imagens de Satélite e VANT como Ferramenta de Gestão na Cultura da Cana de Açúcar Uso de Imagens de Satélite e VANT como Ferramenta de Gestão na Cultura da Cana de Açúcar Luciano Rosolem Gerente Regional de Vendas luciano.rosolem@geoagri.com.br (65) 9683-9102 Julho de 2015 Necessidade

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL. Conselho do Patrimônio Imobiliário. Imóvel rural localizado no Bairro Anta Magra Barra do Chapéu-SP

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL. Conselho do Patrimônio Imobiliário. Imóvel rural localizado no Bairro Anta Magra Barra do Chapéu-SP LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL Imóvel rural localizado no Bairro Anta Magra Barra do Chapéu-SP Conselho do Patrimônio Imobiliário 2 FICHA CADASTRAL DO IMÓVEL 1. VALOR TOTAL DO IMÓVEL (R$): VALOR

Leia mais

Glossário das Camadas do SISTEMA CADEF

Glossário das Camadas do SISTEMA CADEF Glossário das Camadas do SISTEMA CADEF Imagem dos Corredores Ecológicos: Exibe a imagem de satélite baixa resolução de SPOT-5, adquirida em 2005. Esta imagem está como padrão defaut ao iniciar o sistema,

Leia mais

DE CARVÃO VEGETAL EM MS. Pedro Mendes Neto Ass. Jurídico Diretoria de Desenvolvimento Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul - IMASUL

DE CARVÃO VEGETAL EM MS. Pedro Mendes Neto Ass. Jurídico Diretoria de Desenvolvimento Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul - IMASUL POLÍTICA E LEGISLAÇÃO DA PRODUÇÃO DE CARVÃO VEGETAL EM MS Pedro Mendes Neto Ass. Jurídico Diretoria de Desenvolvimento Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul - IMASUL Política e Legislação até

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS. Parcela permanente (quando houver), tamanho e localização.

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS. Parcela permanente (quando houver), tamanho e localização. TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE PLANO OPERACIONAL DE EXPLORAÇÃO - POE CATEGORIA: MENOR E MAIOR IMPACTO DE EXPLORAÇÃO 1. Informações Gerais 1.1 Identificação Processo Administrativo; Número do Processo;

Leia mais

53 ISSN 1517-5030 Colombo, PR Novembro, 2001

53 ISSN 1517-5030 Colombo, PR Novembro, 2001 53 ISSN 1517-5030 Colombo, PR Novembro, 2001 Um Estudo de Caso: Produção e Mercado do Pinus * Derli Dossa 1 Luciano Javier Montoya 2 Marcos Ludwig 3 1. Introdução No início do século XX, a madeira cortada

Leia mais

Projeto Geoimagem Introduzindo Diferencial Estratégico e Técnico aos Sistemas Corporativos de Informações Georreferenciadas da CEMIG

Projeto Geoimagem Introduzindo Diferencial Estratégico e Técnico aos Sistemas Corporativos de Informações Georreferenciadas da CEMIG 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG Projeto Geoimagem Introduzindo Diferencial Estratégico e Técnico aos Sistemas Corporativos de Informações Georreferenciadas da CEMIG Carlos Alberto Moura CEMIG

Leia mais

TABELA MÍNIMA DE HONORÁRIOS FLORESTAIS

TABELA MÍNIMA DE HONORÁRIOS FLORESTAIS TABELA MÍNIMA DE HONORÁRIOS FLORESTAIS ESPECIFICAÇAO DOS SERVIÇOS HONORÁRIOS 1-Projeto Básico de Licenciamento Ambiental- Lau Até 150 há. De 151 a 500 há De 501 a 1.000 há De 1.001 a 3.000 há De 3.001

Leia mais

XV COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS IBAPE/SP - 2009

XV COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS IBAPE/SP - 2009 XV COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS IBAPE/SP - 2009 TRABALHO DE AVALIAÇÃO Resumo Este artigo tem como objetivo apresentar uma análise da avaliação de áreas de imóveis

Leia mais

1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS

1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS Secretaria de Estado do Meio SEMA-MT Roteiro Básico de Projeto de Desoneração de Área de Reserva Legal (ARL) 1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS I T E M N º. D O C U M E N T O S E X I G I D O S O B S E

Leia mais

Desafios e oportunidades associadas ao Cadastro Ambiental Rural (CAR) 7ª CONSEGURO setembro 2015

Desafios e oportunidades associadas ao Cadastro Ambiental Rural (CAR) 7ª CONSEGURO setembro 2015 Desafios e oportunidades associadas ao Cadastro Ambiental Rural (CAR) 7ª CONSEGURO setembro 2015 Meta brasileira de redução das emissões até 2020 36,1% a 38,9% das 3.236 MM de tonco2eq de emissões projetadas

Leia mais

Sumário. 1 Características da propriedade 2 1.1 - Cobertura vegetal 2. 1.2 Hidrografia 2. 1.3 Topografia 2. 1.4 - Área de reserva florestal legal 3

Sumário. 1 Características da propriedade 2 1.1 - Cobertura vegetal 2. 1.2 Hidrografia 2. 1.3 Topografia 2. 1.4 - Área de reserva florestal legal 3 Sumário Pág. 1 Características da propriedade 2 1.1 - Cobertura vegetal 2 1.2 Hidrografia 2 1.3 Topografia 2 1.4 - Área de reserva florestal legal 3 1.5 Acesso 3 2 Objetivo Geral 4 3 Metodologia 5 3.1

Leia mais

RELATÓRIO FINAL. AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA

RELATÓRIO FINAL. AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA RELATÓRIO FINAL AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA Empresa solicitante: FOLLY FERTIL Técnicos responsáveis: Fabio Kempim Pittelkow¹ Rodrigo

Leia mais

Saiba mais sobre o Novo Código Florestal Brasileiro e o CAR COLADO NA CAPA

Saiba mais sobre o Novo Código Florestal Brasileiro e o CAR COLADO NA CAPA Saiba mais sobre o Novo Código Florestal Brasileiro e o CAR COLADO NA CAPA Índice O que o agricultor brasileiro deve saber sobre o Novo Código Florestal?...1 Começando a regularizar o imóvel rural...2

Leia mais

A Ibá e o Setor de Florestas Plantadas

A Ibá e o Setor de Florestas Plantadas A Ibá e o Setor de Florestas Plantadas Beatriz P. Milliet Câmara Temática de Infraestrutura e Logística do Agronegócio Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento 30 de setembro- 2015 1 1 A Ibá

Leia mais

OPORTUNIDADES PARA FLORESTAS ENERGÉTICAS NA GERAÇÃO DE ENERGIA NO BRASIL

OPORTUNIDADES PARA FLORESTAS ENERGÉTICAS NA GERAÇÃO DE ENERGIA NO BRASIL APRESENTAÇÃO OPORTUNIDADES PARA FLORESTAS ENERGÉTICAS NA GERAÇÃO DE ENERGIA NO BRASIL AGROICONE JULHO 2015 TEMA CÓDIGO FLORESTAL PROJETO OPORTUNIDADES PARA FLORESTAS ENERGÉTICAS NA GERAÇÃO DE BIOENERGIA

Leia mais

DELIMITAÇÃO E PLANEJAMENTO DE DEMARCAÇÃO DO PARQUE ESTADUAL DA SERRA DO TABULEIRO

DELIMITAÇÃO E PLANEJAMENTO DE DEMARCAÇÃO DO PARQUE ESTADUAL DA SERRA DO TABULEIRO PROJETO DE PROTEÇÃO DA MATA ATLÂNTICA EM SANTA CATARINA (PPMA/SC) DELIMITAÇÃO E PLANEJAMENTO DE DEMARCAÇÃO DO PARQUE ESTADUAL DA SERRA DO TABULEIRO RELATÓRIO TÉCNICO DE DELIMITAÇÃO 03FAT0206R00 CURITIBA

Leia mais

Universidade do Vale do Rio dos Sinos Programa de Pós-Graduação em Geologia Laboratório de Sensoriamento Remoto e Cartografia Digital

Universidade do Vale do Rio dos Sinos Programa de Pós-Graduação em Geologia Laboratório de Sensoriamento Remoto e Cartografia Digital Universidade do Vale do Rio dos Sinos Programa de Pós-Graduação em Geologia Laboratório de Sensoriamento Remoto e Cartografia Digital Diagnóstico Ambiental do Município de São Leopoldo (Relatório da Implantação

Leia mais

NOTA TÉCNICAlINCRAlDFG/N 01/2010, DE 22 DE FEVEREIRO DE 2010. CONSIDERANDO, a necessidade de modernização no processo de certificação de

NOTA TÉCNICAlINCRAlDFG/N 01/2010, DE 22 DE FEVEREIRO DE 2010. CONSIDERANDO, a necessidade de modernização no processo de certificação de - PUBLICAÇÃO NOTA TÉCNICAlINCRAlDFG/N 01/2010, DE 22 DE FEVEREIRO DE 2010 l.~~~~~-.-:~~ Estabelece a nova metodologia de análise de processos de Certificação de Imóveis Rurais no INCRA Cuiabá, 22 de Fevereiro

Leia mais

1º RELATÓRIO DE LIMPEZA DO RESERVATÓRIO FOZ DO RIO CLARO

1º RELATÓRIO DE LIMPEZA DO RESERVATÓRIO FOZ DO RIO CLARO 1º RELATÓRIO DE LIMPEZA DO RESERVATÓRIO FOZ DO RIO CLARO Mobilização inicial até 30 de janeiro 2009 CAÇU E SÃO SIMÃO JANEIRO DE 2009 Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. IDENTIFICAÇÃO... 3 2.1. EMPREENDEDOR...

Leia mais

GEOPROCESSAMENTO COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE NOS IMPACTOS AMBIENTAIS: MINERADORA CAMPO GRANDE TERENOS/MS.

GEOPROCESSAMENTO COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE NOS IMPACTOS AMBIENTAIS: MINERADORA CAMPO GRANDE TERENOS/MS. GEOPROCESSAMENTO COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE NOS IMPACTOS AMBIENTAIS: MINERADORA CAMPO GRANDE TERENOS/MS. CÁSSIO SILVEIRA BARUFFI(1) Acadêmico de Engenharia Sanitária e Ambiental, Universidade Católica

Leia mais

Uso múltiplo de eucalipto em propriedades rurais

Uso múltiplo de eucalipto em propriedades rurais Uso múltiplo de eucalipto em propriedades rurais Paulo Sérgio dos Santos Leles Prof. Instituto de Florestas / UFRRJ 02 a 04 de setembro de 2015, Vitória - ES O que é uso múltiplo / multiproduto do eucalipto?

Leia mais

AS COOPERATIVAS FLORESTAL. Magno Botelho Castelo Branco

AS COOPERATIVAS FLORESTAL. Magno Botelho Castelo Branco AS COOPERATIVAS AGROPECUÁRIAS E O MDL FLORESTAL Guia de Orientação Magno Botelho Castelo Branco Objetivos Gi Guia de orientação sobre o MDL florestal tl para cooperativas agropecuárias; Conceitua o MDL

Leia mais

QUANTIFICAÇÃO DE BIOMASSA FLORESTAL DE PINUS ELLIOTTII COM SEIS ANOS DE IDADE, EM AUGUSTO PESTANA/RS 1

QUANTIFICAÇÃO DE BIOMASSA FLORESTAL DE PINUS ELLIOTTII COM SEIS ANOS DE IDADE, EM AUGUSTO PESTANA/RS 1 QUANTIFICAÇÃO DE BIOMASSA FLORESTAL DE PINUS ELLIOTTII COM SEIS ANOS DE IDADE, EM AUGUSTO PESTANA/RS 1 Jéssica Smaniotto 2, Osorio Antônio Lucchese 3, Cleusa Adriane Menegassi Bianchi 4, Rafael Pettenon

Leia mais

Associação de Florestas de Produção e Florestas Nativas

Associação de Florestas de Produção e Florestas Nativas Associação de Florestas de Produção e Florestas Nativas Proteção e Conservação Ivone Satsuki Namikawa Fier Coordenadora P&D, Qualidade e Ambiência Florestal Novembro/2008 Klabin Klabin: uma empresa líder

Leia mais

MANEJO FLORESTAL E FLUXO LICENCIATÓRIO

MANEJO FLORESTAL E FLUXO LICENCIATÓRIO 04/10/2010 MANEJO FLORESTAL E FLUXO LICENCIATÓRIO CÓDIGO FLORESTAL ESTADUAL LEI 9.519/92 Art. 1º - As florestas nativas e as Art. demais formas de vegetação natural existente no território estadual, reconhecidas

Leia mais

NORMA DE EXECUÇÃO N.º 2, DE 26 DE ABRIL DE 2007

NORMA DE EXECUÇÃO N.º 2, DE 26 DE ABRIL DE 2007 INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS DIRETORIA DE FLORESTAS NORMA DE EXECUÇÃO N.º 2, DE 26 DE ABRIL DE 2007 Institui, no âmbito desta Autarquia, o Manual Simplificado

Leia mais

PORTARIA Nº 98 DE 11/06/2010 (Estadual - Minas Gerais) Data D.O.: 12/06/2010

PORTARIA Nº 98 DE 11/06/2010 (Estadual - Minas Gerais) Data D.O.: 12/06/2010 PORTARIA Nº 98 DE 11/06/2010 (Estadual - Minas Gerais) Data D.O.: 12/06/2010 Dispõe sobre a autorização para recebimento e homologação de laudos técnico-ambientais e plantas georreferenciadas, elaborados

Leia mais

2010-2014 NUVEM TECNOLOGIA LTDA. WWW.NUVEM.NET

2010-2014 NUVEM TECNOLOGIA LTDA. WWW.NUVEM.NET Sediada em Cuiabá, Mato Grosso, a Nuvem Tecnologia Ltda desenvolve softwares para empresas de médio e grande porte no centro-oeste do país. A partir do know-how adquirido sobre rastreabilidade, lançou

Leia mais

AMC AUTORIZAÇÃO DE MANEJO DA CABRUCA. Hermann Rehem Rosa da Silva Eng. Agrônomo - Especialista em Meio Ambiente e Recursos Hídricos INEMA/IOS

AMC AUTORIZAÇÃO DE MANEJO DA CABRUCA. Hermann Rehem Rosa da Silva Eng. Agrônomo - Especialista em Meio Ambiente e Recursos Hídricos INEMA/IOS AMC AUTORIZAÇÃO DE MANEJO DA CABRUCA Hermann Rehem Rosa da Silva Eng. Agrônomo - Especialista em Meio Ambiente e Recursos Hídricos INEMA/IOS Decreto Estadual Nº 15180 DE 02/06/2014 Regulamenta a gestão

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA PARCELAMENTO DE SOLO: CODRAM 3414,40; CODRAM 3414,50; CODRAM 3414,60; CODRAM 3414,70; CODRAM 3415,10

TERMO DE REFERÊNCIA PARA PARCELAMENTO DE SOLO: CODRAM 3414,40; CODRAM 3414,50; CODRAM 3414,60; CODRAM 3414,70; CODRAM 3415,10 TERMO DE REFERÊNCIA PARA PARCELAMENTO DE SOLO: CODRAM 3414,40; CODRAM 3414,50; CODRAM 3414,60; CODRAM 3414,70; CODRAM 3415,10 O processo administrativo para aprovação e licenciamento de parcelamentos de

Leia mais

TAXA DE RENDA. Instituto de Engenharia. 1º Seminário Nacional sobre Determinação de Valores de Locação set/2012

TAXA DE RENDA. Instituto de Engenharia. 1º Seminário Nacional sobre Determinação de Valores de Locação set/2012 1 TAXA DE RENDA Instituto de Engenharia 1º Seminário Nacional sobre Determinação de Valores de Locação set/2012 No Método da Renda, calcula-se primeiro o valor do imóvel (o Capital Imóvel) e depois, para

Leia mais

LCF Recursos Florestais em Propriedades Agrícolas. DENDROMETRIA e INVENTÁRIO

LCF Recursos Florestais em Propriedades Agrícolas. DENDROMETRIA e INVENTÁRIO LCF1581-2010 Recursos Florestais em Propriedades Agrícolas DENDROMETRIA e INVENTÁRIO Tópico 10 Inventário de pequenas florestas Topografia Planta Planialtimétrica da floresta Atividades de campo Atividades

Leia mais

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 1. INTRODUÇÃO O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), por meio da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), realiza sistematicamente

Leia mais

ArcPlan S/S Ltda. Fone: 3262-3055 Al. Joaquim Eugênio de Lima, 696 cj 73.

ArcPlan S/S Ltda. Fone: 3262-3055 Al. Joaquim Eugênio de Lima, 696 cj 73. 1 de 27 GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA PROJETO: GERENCIAMENTO INTEGRADO DE AGROECOSSISTEMAS EM MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS DO NORTE-NOROESTE FLUMINENSE - RIO RURAL/GEF

Leia mais

ATA DA REUNIÃO DE AUDIÊNCIA PRÉVIA SOLICITAÇÃO DE PROPOSTAS N.º 9420/2010

ATA DA REUNIÃO DE AUDIÊNCIA PRÉVIA SOLICITAÇÃO DE PROPOSTAS N.º 9420/2010 Às nove horas e quarenta minutos do dia dezenove de abril de dois mil e dez reuniram-se, na sede do PNUD Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento em Brasília (DF), representantes do PNUD, do Ministério

Leia mais

DINHEIRO DÁ EM ÁRVORE SIM!

DINHEIRO DÁ EM ÁRVORE SIM! ESPECIAL DINHEIRO DÁ EM ÁRVORE SIM! INVESTIMENTOS EM EMPREENDIMENTOS FLORESTAIS SÃO SEGUROS E COM BOA RENTABILIDADE, MAS É PRECISO SABER O QUE ESTÁ FAZENDO 58 www.referenciaflorestal.com.br C olocar dinheiro

Leia mais

Sérgio Antão Paiva. Porto Alegre 20 de maio de 2011

Sérgio Antão Paiva. Porto Alegre 20 de maio de 2011 Revisão da NBR 14.653-2 Imóveis Urbanos: Inovações da Versão 2011 Sérgio Antão Paiva Porto Alegre 20 de maio de 2011 Principais alterações na NBR 14.653-2 Especificação de características qualitativas

Leia mais

USO DO GEOPROCESSAMENTO NO MONITORAMENTO DO SETOR AGRÍCOLA PARA FINS TRIBUTÁRIOS NA SEFAZ-GO. Geoprocessamento

USO DO GEOPROCESSAMENTO NO MONITORAMENTO DO SETOR AGRÍCOLA PARA FINS TRIBUTÁRIOS NA SEFAZ-GO. Geoprocessamento USO DO GEOPROCESSAMENTO NO MONITORAMENTO DO SETOR AGRÍCOLA PARA FINS TRIBUTÁRIOS NA SEFAZ-GO Geog.Ms. Maria G. da Silva Barbalho maria-gsb@sefaz.go.gov.br Conceito Disciplina do conhecimento que utiliza

Leia mais

Você atingiu o estágio: Recomendações. NOME: MUNICIPIO: Ipiranga Data de preenchimento do guia: 2012-02-14 Data de devolução do relatório:

Você atingiu o estágio: Recomendações. NOME: MUNICIPIO: Ipiranga Data de preenchimento do guia: 2012-02-14 Data de devolução do relatório: Guia de sustentabilidade na produção de soja na Agricultura Familiar Relatório individual NOME: Prezado senhor (a), Em primeiro lugar, no nome dacoopafi, da Gebana e da Fundação Solidaridad,gostaríamos

Leia mais

LEVANTAMENTO E MONITORAMENTO DOS RECURSOS FLORESTAIS DOS TABULEIROS COSTEIROS DO NORDESTE DO BRASIL*

LEVANTAMENTO E MONITORAMENTO DOS RECURSOS FLORESTAIS DOS TABULEIROS COSTEIROS DO NORDESTE DO BRASIL* LEVANTAMENTO E MONITORAMENTO DOS RECURSOS FLORESTAIS DOS TABULEIROS COSTEIROS DO NORDESTE DO BRASIL* BOLFE, É. L. 1 I. INTRODUÇÃO A necessidade de conhecer os modelos atuais de uso da terra e as modificações

Leia mais

ETAPAS PARA O PLANEJAMENTO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROJETO DE RAD

ETAPAS PARA O PLANEJAMENTO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROJETO DE RAD ETAPAS PARA O PLANEJAMENTO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROJETO DE RAD Departamento de Engenharia Florestal/DEFl/DEF Lab. de Conservação de Ecossistemas e Recuperação de Áreas Prof. Israel Marinho Pereira imarinhopereira@gmail.com

Leia mais

Linhas de Crédito do BNDES

Linhas de Crédito do BNDES Linhas de Crédito do BNDES UFV-DEF-SIF Belo Horizonte 5 de setembro de 2005 Historico do Apoio do BNDES Florestas Plantadas pelas Empresas de P & C Floresta da Copener Projeto Norcell Florestas de Empresas

Leia mais

Mapeando Agricultura Melhorando Resultados no Campo

Mapeando Agricultura Melhorando Resultados no Campo Mapeando Agricultura Melhorando Resultados no Campo Introdução Poucas atividades comerciais apresentam tantos riscos quanto a atividade agrícola. Pragas Clima Mercado Introdução Os serviços de análise

Leia mais

ESTIMATIVA DE VARIÁVEIS FLORESTAIS COM DADOS DO PERFILAMENTO A LASER (LiDAR)

ESTIMATIVA DE VARIÁVEIS FLORESTAIS COM DADOS DO PERFILAMENTO A LASER (LiDAR) ESTIMATIVA DE VARIÁVEIS FLORESTAIS COM DADOS DO PERFILAMENTO A LASER (LiDAR) Patrick dos Santos Bastos 1 ; Jessica Nepomuceno Patriota 2 ; Marcos Giongo 3 1 Aluno do Curso de Engenharia Florestal; PIBIC/CNPq,

Leia mais

NOVO CÓDIGO FLORESTAL: IMPLICAÇÕES E MUDANÇAS PARA A REALIDADE DO PRODUTOR DE LEITE BRASILEIRO

NOVO CÓDIGO FLORESTAL: IMPLICAÇÕES E MUDANÇAS PARA A REALIDADE DO PRODUTOR DE LEITE BRASILEIRO NOVO CÓDIGO FLORESTAL: IMPLICAÇÕES E MUDANÇAS PARA A REALIDADE DO PRODUTOR DE LEITE BRASILEIRO Enio Resende de Souza Eng. Agr. M.Sc. Manejo Ambiental / Coordenador Técnico / Meio Ambiente Gestão do Produto

Leia mais

A importância do Cerrado

A importância do Cerrado A importância do Cerrado Quem vive no Cerrado mora em uma das regiões mais ricas em espécies de plantas e animais do mundo, muitas delas ainda desconhecidas pela ciência e que só existem ali. É ainda nas

Leia mais