Nota Técnica n o 101/2005 SRC/ANEEL. Em 16 de setembro de 2005.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Nota Técnica n o 101/2005 SRC/ANEEL. Em 16 de setembro de 2005."

Transcrição

1 Nota Técnica n o 101/2005 SRC/ANEEL Em 16 de setembro de Processo: /04-97 Assunto: Análise da 2 a parte do Plano de Universalização de Energia Elétricas da Companhia de Eletricidade do Acre - ELETROACRE. I. DO OBJETIVO Apresentar o resultado final do processo de análise da 2 a parte do Plano de Universalização de Energia Elétrica da Companhia de Eletricidade do Acre ELETROACRE. 2. Esta Nota Técnica NT traz, ainda, a consolidação das alterações que devem ser feitas de modo a garantir a aprovação, pela ANEEL, do mencionado Plano. II. DOS FATOS 3. Em 27 de setembro de 2004, por meio da transmissão eletrônica n o 2.811, a ELETROACRE encaminhou a esta Agência sua proposta para a 2 a parte do Plano de Universalização de Energia Elétrica, contemplando as metas para o período Esta proposta foi objeto de avaliação por esta SRC, cujos resultados são consolidados na forma desta Nota Técnica. III. DA ANÁLISE III.A CENÁRIO ATUAL 5. A área de concessão da ELETROACRE é composta por todos os 22 municípios do Estado do Acre. A ELETROACRE possui consumidores, sendo em sua maior parte, consumidores da classe residencial, que representam 82,3% do total, seguidos por consumidores comerciais, com 9,6%, e por consumidores da classe rural, que representam 6,2%. 6. A população rural do Estado é significativa, cerca de habitantes, ou 33,6% do total, atualmente. Parte desta encontra-se dispersa nas matas e margens dos rios. São seringueiros, povos indígenas e pequenos produtores rurais, que sobrevivem do extrativismo florestal. Alguns mapas apresentados pela ELETROACRE mostram, por um lado, a dispersão dos seringais, núcleos rurais, aldeias indígenas e fazendas. Por outro, que a rede de distribuição de energia elétrica concentra-se em duas regiões - Baixo Acre e Vale do Juruá onde estão localizados a maioria dos municípios.

2 (Fl.2 da Nota Técnica n 101/SRC/ANEEL, de 16/09/05). 7. O sistema de geração de energia elétrica do Acre é composto por 14 subsistemas isolados, que utilizam como combustível o óleo diesel. As centrais geradoras pertencem às empresas Centrais Elétricas do Norte do Brasil S/A ELETRONORTE e Guascor do Brasil Ltda GUASCOR, sendo a ELETROACRE responsável pelo processo de transporte e distribuição de combustível para as unidades da GUASCOR. 8. Ressalta-se, ainda, que, existem experiências importantes com a utilização de fontes não - convencionais de energia sendo executadas pela ELETRONORTE e pelo Governo do Estado, inseridas no Programa de Desenvolvimento Energético dos Estados e Municípios PRODEEM. 9. Segundo a Resolução ANEEL n o 223, de 2003, a universalização deve ser alcançada em 1 município em 2006, 1 em 2010, 3 municípios em 2012, 8 em 2014 e 9 em A concessionária propôs na 1 a Parte do Plano de Universalização a manutenção dos prazos para todos os municípios. 10. A 1 a parte do Plano de Universalização da ELETROACRE foi aprovada pela ANEEL, condicionada apenas ao ajuste das metas de atendimentos, de forma a que incorporassem o crescimento vegetativo de mercado, conforme documentado na Nota Técnica n o 098/2004-SRC/ANEEL de 05/08/2004. TABELA 1- LIGAÇÕES ELÉTRICAS EXECUTADAS EM 2004 Plano ELETROACRE (1 a parte) Plano ELETROACRE (2 a parte) Não atendidos em 2003 Meta de Liagções para 2004 Ligações Executadas em 2004 Urbano Rural Art. 3 o Art. 4 o Urbano Rural Total Em 2004, a ELETROACRE efetuou atendimentos em sua área de concessão (8.197 em domicílios urbanos e em domicílios rurais), número superior aos previstos na 1 a parte de seu Plano. Presume -se que em 2004, foram incluídas as ligações decorrentes do crescimento vegetativo de mercado, não consideradas na 1 a parte do Plano, o que explica, ao menos em parte, o número maior de atendimentos verificados em III.B Metodologia para estimativa do número de domicílios não atendidos 12. Para determinar o número de domicílios não atendidos em jan/2004, a concessionária afirmou que foi desenvolvido um banco de dados geográfico, para o qual utilizou-se de informações do IBGE, INCRA, ELETROACRE, Zoneamento Ecológico-Econômico do Estado do Acre e imagens de satélite.

3 (Fl.3 da Nota Técnica n 101/SRC/ANEEL, de 16/09/05). TABELA 3 DOMICÍLIOS NÃO ATENDIDOS EM JAN/2005 ELETROACRE Municípios da Área de Concessão da ELETROACRE Domicílios não atendidos em Jan/2005 (estimativa ELETROACRE) Domicílios não atendidos em Jan/2005 (estimativa ANEEL) Urbanos Rural Total Urbanos Rural Total A Tabela 3 (acima) mostra o número de domicílios não atendidos (estimativa) ELETROACRE e ANEEL para o ano de O número de Domicílios não Atendidos em jan/2005, apresentado pela ELETROACRE, indica surpreendente aumento entre : no ano 2000, o Censo IBGE, registrou domicílios não iluminados dentre o total de domicílios existentes no Estado. 15. A ELETROACRE estimou em os domicílios rurais não atendidos, como pode ser eliminada a hipótese de ter ocorrido, recentemente, um surto de crescimento populacional expressivo nas áreas rurais do Estado do Acre, os resultados conflitantes podem ter parte de sua explicação, na existência de áreas povoadas da região, porém isoladas e de difícil acesso: segundo o Zoneamento Ecológico - Econômico do Estado ZEE/AC, existe uma grande população distribuída em áreas de difícil acesso normal, como seringais, núcleos rurais, escolas e aldeias indígenas. Estas áreas constituem o maior desafio que o plano de universalização enfrentará, principalmente em função do difícil acesso à estas comunidades (Plano ELETROACRE, item 2.2). A dispersão da população em florestas da região e em comunidades ribeirinhas, pode ter dificultado sua contagem pelos pesquisadores do IBGE, à época do Censo/2000, resultando em sub enumeração de habitantes e respectivos domicílios. 16. A Tabela 4, abaixo, reproduz a localização dos Domicílios Rurais a serem Atendidos, apresentada como resultado dos trabalhos de levantamento da Concessionária: TABELA 4 - LOCALIZAÇÃO DOS DOMICÍLIOS NÃO ILUMINADOS EM JAN/2005 Localização Quantidade de domicílios Pólos e Assentamentos Agroflorestais Dispersos no Entorno dos Pólos e Ramais Rurais Dispersos na Floresta/Comunidades Ribeirrinhas * Resultados obtidos pelo sistema de informações da ELETROACRE 17. A estimativa de domicílios não iluminados cujos moradores são os habitantes da floresta e das comunidades ribeirinhas fornece a base numérica de apoio à hipótese levantada. Parte destes domicílios, que não teria sido registrada no Censo/2000, pode representar o diferencial observado entre as duas estimativas.

4 (Fl.4 da Nota Técnica n 101/SRC/ANEEL, de 16/09/05). III.C Metas para o período Em seu Plano de Universalização - 2 a parte a ELETROACRE dimensionou as metas de novas ligações a serem feitas no período , considerando o crescimento vegetativo do sistema e o Programa Anual de Perdas pelo lado da Oferta (aprovado pela Eletrobrás) e as informações levantadas pela concessionária para domicílios rurais. TABELA 5 METAS DE LIGAÇÕES ELÉTRICAS PARA Municípios da Área de Concessão da ELETROACRE Metas para Artigo 3 o Artigo 4 o Urbano Rural Urbano Rural Para o período , a Concessionária planejou o atendimento de unidades consumidoras, sendo ligações na área urbana e ligações elétricas na área rural. A concessionária considera que apenas a Capital Rio Branco terá sua universalização alcançada no período (2006), permanecendo os demais municípios com o prazo de cobertura total previsto na Resolução n o 223, de 2003 (2010 a 2015). Não foram incorporadas ao Plano, as metas de atendimento compromissadas com o Ministério das Minas e Energia, no âmbito do Programa LUZ PARA TODOS. 20. O Programa LUZ PARA TODOS, tem como objetivo propiciar, até o ano de 2008, o atendimento em energia elétrica à parcela da população do meio rural brasileiro que ainda não tem acesso a esse serviço público, tornando possível a antecipação das metas inicialmente previstas para a universalização. Essa antecipação é decorrente do aporte de recursos setoriais Conta de Desenvolvimento Energético (CDE) e Reserva Global de Reversão (RGR), além de recursos estaduais, eventualmente municipais e do agente executor (concessionária). 21. Com a assinatura de Termo de Compromisso estabelecido entre a União Federal, por intermédio do Ministério de Minas e Energia - MME, o Estado do Acre e a ELETROACRE, com a interveniência da ANEEL e ELETROBRÁS, foram estabelecidas as seguintes metas de atendimento no meio rural: TABELA 6 - LUZ PARA TODOS Ano Metas Total

5 (Fl.5 da Nota Técnica n 101/SRC/ANEEL, de 16/09/05). 22. Na 2 a parte do Plano de Universalização identifica-se significativa diferença entre as estimativas de domicílios rurais sem energia, realizadas por esta ANEEL e pela ELETROACRE. Essa diferença pode ser justificada pela hipótese de que a dificuldade de acesso à determinadas áreas do Estado, poderia ter dificultado o trabalho de pesquisadores do IBGE, resultando em sub enumeração da população que ali habita. Conseqüentemente, a estimativa realizada pela Agência, com base nos dados do IBGE, teria subestimado o número dos respectivos domicílios. 23. Ressaltamos que o Ministério da Minas e Energia, ao firmar Termo de Compromisso com a Concessionária, dentro do Programa Luz para Todos reconheceu a estimativa da ELETROACRE, estabelecendo a meta de realização de atendimentos aos domicílios rurais entre 2004 e 2008, antecipando, pois, a universalização de todos os municípios, no entanto, a concessionária não incorporou as metas do Programa Luz para Todos, no presente Plano, das quais, ligações elétricas rurais já deveriam ter sido executadas em IV. DA CONCLUSÃO 24. O Plano de Universalização - 2ª etapa, apresentado pela ELETROACRE, atende às diretrizes estabelecidas pela Resolução ANEEL n o 223, de No entanto, solicitamos que esse Plano seja revisado de modo a atender também às diretrizes da nova Resolução da ANEEL que estabelecerá as condições dos Planos de Universalização de energia elétrica, visando a antecipação de metas em face dos objetivos definidos nos Termos de Compromisso firmados com o Ministério de Minas e Energia MME, no âmbito do Programa LUZ PARA TODOS. 26. Esclarecemos que os prazos para reenvio dos Planos de Universalização à ANEEL serão os estabelecidos na Resolução em comento, após sua publicação. SANDRA A. M. LEITÃO De acordo: RICARDO VIDINICH Superintendente de Regulação da Comercialização da Eletricidade

Apresentar o resultado final do processo de análise da 2 a parte do Plano de Universalização de Energia Elétrica da Boa Vista Energia S/A BOA VISTA.

Apresentar o resultado final do processo de análise da 2 a parte do Plano de Universalização de Energia Elétrica da Boa Vista Energia S/A BOA VISTA. Nota Técnica n o 103/2005 SRC/ANEEL Em 15 de setembro de 2005. Processo: 48500.003258/03-33 Assunto: Análise da 2 a parte do Plano de Universalização de Energia Elétrica da Boa Vista Energia S/A BOA VISTA.

Leia mais

O QUE É. Uma política de governo para redução da pobreza e da fome utilizando a energia como vetor de desenvolvimento. Eletrobrás

O QUE É. Uma política de governo para redução da pobreza e da fome utilizando a energia como vetor de desenvolvimento. Eletrobrás O QUE É Uma política de governo para redução da pobreza e da fome utilizando a energia como vetor de desenvolvimento 1 QUEM SÃO Total de Pessoas: 12.023.703 84% Rural 16% Urbano Total: 10.091.409 Total:

Leia mais

FUNDOS DO SETOR ELÉTRICO ADMINISTRADOS PELA ELETROBRÁS 2009

FUNDOS DO SETOR ELÉTRICO ADMINISTRADOS PELA ELETROBRÁS 2009 4.7 - FUNDOS DO SETOR ELÉTRICO A Centrais Elétricas Brasileiras S.A. - Eletrobrás é a responsável pela gestão de recursos setoriais que atendem às diversas áreas do Setor Elétrico, representados pelos

Leia mais

Nota Técnica n o 094/2005 SRC/ANEEL. Em 16 de setembro de 2005.

Nota Técnica n o 094/2005 SRC/ANEEL. Em 16 de setembro de 2005. Nota Técnica n o 094/2005 SRC/ANEEL Em 16 de setembro de 2005. Processo: 48500.003255/03-45 Assunto: Análise da 2 a parte do Plano de Universalização de Energia Elétricas da Centrais Elétricas de Santa

Leia mais

Incorporação do efeito da deseconomia de escala do Programa Luz para Todos. Cristine Juste cristine@cataguazes.com.br

Incorporação do efeito da deseconomia de escala do Programa Luz para Todos. Cristine Juste cristine@cataguazes.com.br Incorporação do efeito da deseconomia de escala do Programa Luz para Todos no cálculo c do fator Xe Cristine Juste cristine@cataguazes.com.br Universalização/Programa Luz para Todos Lei nº 10.438/2002:

Leia mais

II Workshop Inovação para o Estabelecimento do Setor de Energia Solar Fotovoltaica no Brasil INOVA FV

II Workshop Inovação para o Estabelecimento do Setor de Energia Solar Fotovoltaica no Brasil INOVA FV II Workshop Inovação para o Estabelecimento do Setor de Energia Solar Fotovoltaica no Brasil INOVA FV Análise Financeira de Sistemas Fotovoltaicos em Regiões Remotas no Âmbito da Universalização 14 de

Leia mais

Ricardo Vidinich Superintendente de Regulação da Comercialização da Eletricidade SRC. 22 de setembro de 2008 Brasília DF

Ricardo Vidinich Superintendente de Regulação da Comercialização da Eletricidade SRC. 22 de setembro de 2008 Brasília DF Ricardo Vidinich Superintendente de Regulação da Comercialização da Eletricidade SRC 22 de setembro de 2008 Brasília DF Agentes setoriais SETOR GERAÇÃO concessão (serviço público e uso do bem público -

Leia mais

Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura

Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura Termo de Referência para Contratação de Consultoria - TR Modalidade Pessoa Física Vaga Código TR/PF/IICA-005/2010 PCT BRA/09/001 - Acesso e uso da energia elétrica como fator de desenvolvimento de comunidades

Leia mais

Energia e Desenvolvimento na Amazônia

Energia e Desenvolvimento na Amazônia UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS CENTRO DE DESENVOLVIMENTO ENERGÉTICO AMAZÔNICO V FEIRA INTERNACIONAL DA AMAZÔNIA Energia e Desenvolvimento na Amazônia Prof. Dr. Rubem Cesar Rodrigues Souza CONQUISTAS

Leia mais

O QUE É O CAR? Lei 12.651/2012 Novo Código Florestal

O QUE É O CAR? Lei 12.651/2012 Novo Código Florestal 1 MARCO LEGAL MARCO LEGAL O QUE É O CAR? Lei 12.651/2012 Novo Código Florestal Cadastro Ambiental Rural CAR: Âmbito Nacional Natureza declaratória Obrigatório para todas as propriedades e posses Base de

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DO GRUPO CMS (CPEE, CSPE, CJE E CLFM) PARA A AUDIÊNCIA PÚBLICA ANEEL No 019/2005

CONTRIBUIÇÃO DO GRUPO CMS (CPEE, CSPE, CJE E CLFM) PARA A AUDIÊNCIA PÚBLICA ANEEL No 019/2005 CONTRIBUIÇÃO DO GRUPO CMS (CPEE, CSPE, CJE E CLFM) PARA A AUDIÊNCIA PÚBLICA ANEEL No 019/2005 Abaixo apresentamos nossas contribuições para a Audiência Pública ANEEL N 019/2005, de 30/08/2005. Destacamos

Leia mais

Nota Técnica n o 062/2012-SRG/ANEEL. Em 28 de agosto de 2012.

Nota Técnica n o 062/2012-SRG/ANEEL. Em 28 de agosto de 2012. Nota Técnica n o 062/2012-SRG/ANEEL Em 28 de agosto de 2012. Processo: 48500.004046/2012-35 Assunto: Conta CCC - Equalização de estoques e consumo específico, nos períodos: 1999 a 2005 e 2006 a 2011. I.

Leia mais

O QUE É O CAR? Lei 12.651/2012 Novo Código Florestal

O QUE É O CAR? Lei 12.651/2012 Novo Código Florestal 1 MARCO LEGAL MARCO LEGAL O QUE É O CAR? Lei 12.651/2012 Novo Código Florestal Cadastro Ambiental Rural CAR: Âmbito Nacional Natureza declaratória Obrigatório para todas as propriedades e posses Base de

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica LEI N o 5.899, DE 5 DE JULHO DE 1973. Dispõe sobre a aquisição dos serviços de eletricidade da ITAIPU e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA,

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA N o 365 DE 19 DE MAIO DE 2009 Estabelece as metas de universalização das concessionárias e permissionárias de distribuição de energia elétrica,

Leia mais

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS ASPECTOS 11 SOCIOECONÔMICOS 11.1. INFORMAÇÕES GERAIS O suprimento de energia elétrica tem-se tornado fator indispensável ao bem-estar social e ao crescimento econômico do Brasil. Contudo, é ainda muito

Leia mais

Empresa o Entidad COELBA Companhia de Eletricidade do Estado da Bahia

Empresa o Entidad COELBA Companhia de Eletricidade do Estado da Bahia Título Sistema de Gerenciamento da Universalização do Serviço Público de Energia Elétrica na COELBA Nº de Registro (Resumen) 13 Empresa o Entidad COELBA Companhia de Eletricidade do Estado da Bahia Autores

Leia mais

Instruções para o Encaminhamento do Planejamento do Atendimento aos Sistemas Isolados e Apresentação de Projetos de Referência

Instruções para o Encaminhamento do Planejamento do Atendimento aos Sistemas Isolados e Apresentação de Projetos de Referência Relatório do Consultor: Instruções para o Encaminhamento do Planejamento do Atendimento aos Sistemas Isolados e Apresentação de Projetos de Referência Elaborado por: Danilo de Brito Lima Para: Agência

Leia mais

A Política de Meio Ambiente do Acre tendo como base o Zoneamento Ecológico. gico-econômico

A Política de Meio Ambiente do Acre tendo como base o Zoneamento Ecológico. gico-econômico A Política de Meio Ambiente do Acre tendo como base o Zoneamento Ecológico gico-econômico Diversidade Biológica www.animalzoom.org Diversidade Biológica www.animalzoom.org Diversidade Étnica Stuckert Cardeal,

Leia mais

Estrutura de projeto de Serviços Ambientais

Estrutura de projeto de Serviços Ambientais Estrutura de projeto de Serviços Ambientais 1 Definição do escopo NOME: PAE SERINGAL MATA GRANDE - BEIRA DA BR, ESTADO DO ACRE OBJETIVOS: CONTER O DESMATAMENTO DENTRO DO PAE ATRAVÉS DE ATIVIDADES EXTRATIVISTAS

Leia mais

Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa

Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa MME Secretaria de Planejamento Energético Brasília Março de 2010 Roteiro 1. Cenário da Expansão 2. Características 3. Políticas Energéticas 4. Leilões

Leia mais

Concessões de Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica: Perguntas e Respostas

Concessões de Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica: Perguntas e Respostas Concessões de Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica: Perguntas e Respostas Perguntas mais frequentes sobre o marco institucional das Concessões Vincendas de Energia Elétrica Setembro

Leia mais

MANUAL DE OPERACIONALIZAÇÃO

MANUAL DE OPERACIONALIZAÇÃO 1 ANEXO À PORTARIA N o 628, DE 3 DE NOVEMBRO DE 2011 PROGRAMA NACIONAL DE UNIVERSALIZAÇÃO DO ACESSO E USO DA ENERGIA ELÉTRICA MANUAL DE OPERACIONALIZAÇÃO PARA O PERÍODO DE 2011 A 2014 (Decreto nº 7.520,

Leia mais

Em resumo, tarifa de energia elétrica dos consumidores cativos é, de forma um pouco mais detalhada, constituída por:

Em resumo, tarifa de energia elétrica dos consumidores cativos é, de forma um pouco mais detalhada, constituída por: A Tarifa de Energia O que é a tarifa de energia? Simplificadamente, a tarifa de energia é o preço cobrado por unidade de energia (R$/kWh). Em essência, é de se esperar que o preço da energia elétrica seja

Leia mais

Proposta para que o PAA possa apoiar a regularização ambiental

Proposta para que o PAA possa apoiar a regularização ambiental Proposta para que o PAA possa apoiar a regularização ambiental Considerando a Diretriz 2 do Plano Nacional de Segurança Alimentar: Promoção do abastecimento e estruturação de sistemas descentralizados,

Leia mais

REGULAMENTO TERRA FORTE - 1ª EDIÇÃO ANEXO 3

REGULAMENTO TERRA FORTE - 1ª EDIÇÃO ANEXO 3 1. Critérios Eliminatórios E1 E2 E3 E4 E E6 Critérios Eliminatórios Projeto não foi selecionado por meio do Edital INCRA/DD/DDA Nº 01/2013 para compor a carteira de projetos do INCRA Entidade está enquadrada

Leia mais

PNPCT Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais

PNPCT Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais Políticas Públicas PNPCT Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais A PNPCT reafirma a importância do conhecimento, da valorização e do respeito à diversidade

Leia mais

Agenda Regulatória ANEEL 2014/2015 - Destaques

Agenda Regulatória ANEEL 2014/2015 - Destaques Agenda Regulatória ANEEL 2014/2015 - Destaques Carlos Alberto Mattar Superintendente - SRD 13 de março de 2014 Rio de Janeiro - RJ Sumário I. Balanço 2013 II. Pautas para GTDC - 2014 III. Principais audiências

Leia mais

FAQ (FREQUENTLY ASKED QUESTIONS)

FAQ (FREQUENTLY ASKED QUESTIONS) FAQ (FREQUENTLY ASKED QUESTIONS) PRIMEIRA CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS PARA O A Light publicou no dia 31/07/2014 seu Edital para a 1ª Chamada Pública de Projetos de Eficiência Energética que promove o uso

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 12/2015

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 12/2015 MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 12/2015 NOME DA INSTITUIÇÃO: INEE Instituto Nacional de Eficiência Energética AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL Portaria n o

Leia mais

FICHA PROJETO - nº 066-C

FICHA PROJETO - nº 066-C FICHA PROJETO - nº 066-C CONSOLIDAÇÃO Grande Projeto LOGO Instituição Parceira 1) TÍTULO: Frutos do Cerrado - Fortalecimento Organizacional e Produção Sustentável de Agricultores Extrativistas do Tocantins

Leia mais

Diretrizes do Fundo Solar: Apoio a microgeração fotovoltaica. Promovido por

Diretrizes do Fundo Solar: Apoio a microgeração fotovoltaica. Promovido por Diretrizes do Fundo Solar: Apoio a microgeração fotovoltaica Promovido por Texto atualizado em 22 de Maio de 2013 Índice 1. Contextualização... 3 2. Objetivo... 3 3. Público-Alvo... 3 4. Entidades promotoras...

Leia mais

05) Um mesmo assinante poderá ter em casa o acesso normal do STFC e o AICE? - O assinante poderá ter somente um AICE e poderá ter outro plano.

05) Um mesmo assinante poderá ter em casa o acesso normal do STFC e o AICE? - O assinante poderá ter somente um AICE e poderá ter outro plano. 01) O que é AICE? Significa Acesso Individual Classe Especial. É um Plano básico e com regulamentação própria (Regulamentado pela Resolução Nº 586, da ANATEL, de 05 de abril de 2012). Modalidade de telefonia

Leia mais

MANUAL DE OPERACIONALIZAÇÃO

MANUAL DE OPERACIONALIZAÇÃO ANEXO À PORTARIA n o 110, DE 26 DE MARÇO DE 2013 PROGRAMA NACIONAL DE UNIVERSALIZAÇÃO DO ACESSO E USO DA ENERGIA ELÉTRICA MANUAL DE OPERACIONALIZAÇÃO PARA O PERÍODO DE 2011 A 2014 (Decreto n o 7.520, de

Leia mais

EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável

EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável 1. Objetivos da Chamada de Projetos para esta Linha de Ação Temática O objetivo da chamada

Leia mais

Mapeamento Participativo em Sete Unidades de Conservação no Extrativismo Não Madeireiro

Mapeamento Participativo em Sete Unidades de Conservação no Extrativismo Não Madeireiro Mapeamento Participativo em Sete Unidades de Conservação no Extrativismo Não Madeireiro Mônica Suani Barbosa da Costa 1 Karina de Oliveira Milhomem 2 Therezinha de Jesus Pinto Fraxe 3 Suellen Amorim da

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº050/2008 NOME DA INSTITUIÇÃO: GUASCOR DO BRASIL LTDA

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº050/2008 NOME DA INSTITUIÇÃO: GUASCOR DO BRASIL LTDA MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº050/2008 NOME DA INSTITUIÇÃO: GUASCOR DO BRASIL LTDA AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: NOTA TÉCNICA 045/2008

Leia mais

Plano de Expansão e Melhorias do Setor Elétrico do Estado do Amazonas MME. Ministério de Minas e Energia. Ministro Eduardo Braga 10 de Abril de 2015

Plano de Expansão e Melhorias do Setor Elétrico do Estado do Amazonas MME. Ministério de Minas e Energia. Ministro Eduardo Braga 10 de Abril de 2015 MME Ministério de Minas e Energia Plano de Expansão e Melhorias do Setor Elétrico do Estado do Amazonas Ministro Eduardo Braga 10 de Abril de 2015 Objetivo do Plano 1 1 2 3 Melhorar o suprimento de energia

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL GE Distributed Power Jose Renato Bruzadin Sales Manager Brazil T +55 11 2504-8829 M+55 11 99196-4809 Jose.bruzadini@ge.com São Paulo, 11 de Julho de 2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: GE Distributed Power AGÊNCIA

Leia mais

MANUAL DE PESQUISA & DESENVOLVIMENTO Eletrobras Distribuição Alagoas

MANUAL DE PESQUISA & DESENVOLVIMENTO Eletrobras Distribuição Alagoas MANUAL DE PESQUISA & DESENVOLVIMENTO Eletrobras Distribuição Alagoas Versão 4.0 MARÇO/2011 1. INTRODUÇÃO A ELETROBRAS DISTRIBUIÇÃO ALAGOAS deve aplicar anualmente 0,2% (zero vírgula dois por cento) de

Leia mais

VPAR/762/2008 ANEXO III COMPANHIA FORÇA E LUZ DO OESTE - CFLO Manifestação Formal à NT 356/2008-SRE/ANEEL Consulta Pública 018/2008 DETERMINAÇÃO DO VALOR DA PARCELA A PERDAS Guarapuava, Dezembro de 2.008.

Leia mais

OBSTÁCULOS À UNIVERSALIZAÇÃO DO ACESSO AO SERVIÇO PÚBLICO DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO MEIO RURAL BRASILEIRO

OBSTÁCULOS À UNIVERSALIZAÇÃO DO ACESSO AO SERVIÇO PÚBLICO DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO MEIO RURAL BRASILEIRO Tribunal de Contas da União (TCU) ESPECIALIZAÇÃO EM CONTROLE DA REGULAÇÃO OBSTÁCULOS À UNIVERSALIZAÇÃO DO ACESSO AO SERVIÇO PÚBLICO DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO MEIO RURAL BRASILEIRO Aluno: Daniel

Leia mais

CADASTRO DE LOCALIDADES SELECIONADAS

CADASTRO DE LOCALIDADES SELECIONADAS 1- Introdução CADASTRO DE LOCALIDADES SELECIONADAS As demandas por informações georreferenciadas são cada vez mais freqüentes nos projetos em desenvolvimento no IBGE. A Base Territorial como um projeto

Leia mais

Responsabilidade Social, Preservação Ambiental e Compromisso com a Vida: -Sustentabilidade - Energia Renovável e Limpa!

Responsabilidade Social, Preservação Ambiental e Compromisso com a Vida: -Sustentabilidade - Energia Renovável e Limpa! Responsabilidade Social, Preservação Ambiental e Compromisso com a Vida: -Sustentabilidade - Energia Renovável e Limpa! Programa de Comunicação Social e Educação Ambiental Sonora-MS Outubro/2012 ONDE ESTAMOS?

Leia mais

Ações para o turismo de base comunitária na contenção da degradação do Pantanal

Ações para o turismo de base comunitária na contenção da degradação do Pantanal Ações para o turismo de base comunitária na contenção da degradação do Pantanal TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA EM COMUNICAÇÃO - IMAGENS Abril de 2011 DETALHAMENTO DO TERMO DE REFERÊNCIA

Leia mais

ANEEL: 13 anos de atuação no mercado elétrico brasileiro

ANEEL: 13 anos de atuação no mercado elétrico brasileiro Seminário - ABDIB ANEEL: 13 anos de atuação no mercado elétrico brasileiro Romeu Donizete Rufino Diretor da ANEEL 8 de dezembro de 2010 São Paulo - SP 1997 1998 1999 2000 2001 2002 Início das atividades,

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

Pesquisa e Desenvolvimento que geram avanços

Pesquisa e Desenvolvimento que geram avanços P&D O compromisso das empresas com o desenvolvimento sustentável por meio da energia limpa e renovável será demonstrado nesta seção do relatório. Nela são disponibilizados dados sobre a Pesquisa, Desenvolvimento

Leia mais

Audiência Pública ANEEL nº 001/2013. 3ª Revisão Tarifária Periódica 01/03/2013

Audiência Pública ANEEL nº 001/2013. 3ª Revisão Tarifária Periódica 01/03/2013 Centrais Elétricas Matogrossenses S.A. Audiência Pública ANEEL nº 001/2013 3ª Revisão Tarifária Periódica 01/03/2013 A Concessão 903.358 km 2 Área da Concessão 05 Dez 1997 Privatização 11 Dez 2027 Prazo

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS LCF-1581

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS LCF-1581 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FLORESTAIS LCF-1581 Recursos Florestais em Propriedades Agrícolas Trabalho final: Projeto de adequação

Leia mais

Relatório. Consulta à Agricultura Familiar para construção da Minuta Estadual de REDD+

Relatório. Consulta à Agricultura Familiar para construção da Minuta Estadual de REDD+ Relatório Consulta à Agricultura Familiar para construção da Minuta Estadual de REDD+ Cuiabá, 18 e 19 de Agosto de 2011 Grupo de Trabalho de REDD do Fórum Mato-grossense de Mudanças Climáticas (GT REDD

Leia mais

CHAMADA N O 002/2008 PROJETO ESTRATÉGICO: METODOLOGIA

CHAMADA N O 002/2008 PROJETO ESTRATÉGICO: METODOLOGIA Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Superintendência de Pesquisa e Desenvolvimento e Eficiência Energética SPE CHAMADA N O 002/2008 PROJETO ESTRATÉGICO: METODOLOGIA DE ELABORAÇÃO DA FUNÇÃO DE CUSTO

Leia mais

Medidas divulgadas pelo Governo Federal para o fortalecimento do setor elétrico nacional

Medidas divulgadas pelo Governo Federal para o fortalecimento do setor elétrico nacional Medidas divulgadas pelo Governo Federal para o fortalecimento do setor elétrico nacional Perguntas e Respostas Perguntas mais frequentes sobre as medidas divulgadas pelo Governo Federal Março 2014 Apresentação

Leia mais

COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR

COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR PROJETO DE LEI N o 1.103, DE 2007 Dispõe sobre a desvinculação nas faturas de energia elétrica, dos valores relativos ao consumo mensal de energia e à contribuição de iluminação

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL RESOLUÇÃO Nº 21 DE 10 DE OUTUBRO DE 2001

CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL RESOLUÇÃO Nº 21 DE 10 DE OUTUBRO DE 2001 Publicada no D.O.U. de 20/12/2001, Seção 1, Página 36 CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL RESOLUÇÃO Nº 21 DE 10 DE OUTUBRO DE 2001 Dispõe sobre a aprovação do Programa Jovem Agricultor

Leia mais

BOLETIM DE ACOMPANHAMENTO DA EXPANSÃO DA OFERTA

BOLETIM DE ACOMPANHAMENTO DA EXPANSÃO DA OFERTA Este boletim aborda o acompanhamento da expansão da oferta de energia elétrica no Brasil, realizado pela equipe de fiscalização dos serviços de geração da ANEEL, e apresenta os principais resultados observados

Leia mais

O Pacote do Governo e o Impacto para o Mercado Livre de Energia Elétrica. Cristopher Alexander Vlavianos, Presidente Comerc Energia

O Pacote do Governo e o Impacto para o Mercado Livre de Energia Elétrica. Cristopher Alexander Vlavianos, Presidente Comerc Energia O Pacote do Governo e o Impacto para o Mercado Livre de Energia Elétrica Cristopher Alexander Vlavianos, Presidente Comerc Energia 10 de Dezembro de 2012 Linha do Tempo do Mercado Livre no Brasil 1995

Leia mais

FICHA PROJETO - nº 172 MA

FICHA PROJETO - nº 172 MA FICHA PROJETO - nº 172 MA Mata Atlântica Pequeno Projeto 1) TÍTULO: Morro do Caçador Uma Proposta de Unidade de Conservação. 2) MUNICÍPIOS DE ATUAÇÃO DO PROJETO: Florianópolis, Ilha de Santa Catarina.

Leia mais

PROJETO DE COMBATE À POBREZA RURAL

PROJETO DE COMBATE À POBREZA RURAL PROJETO DE COMBATE À POBREZA RURAL GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO COORDENAÇÃO ESTADUAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA - COECT INSTITUTO DE APOIO À PESQUISA E AO DESENVOLVIMENTO JONES DOS SANTOS NEVES - IPES

Leia mais

Plano Geral de Metas para a Universalização PGMU III

Plano Geral de Metas para a Universalização PGMU III Novo Plano Geral de Metas para a Universalização 2011 a 2015 Reunião com o Conselho Consultivo da Anatel 10 de junho de 2011 Telefonia em Área Rural Plano Geral de Metas para a Universalização PGMU III

Leia mais

EDITAL 008/2010 - PROJETO BRA/06/032 CÓDIGO: TRANSFERÊNCIA TECNOLOGIA

EDITAL 008/2010 - PROJETO BRA/06/032 CÓDIGO: TRANSFERÊNCIA TECNOLOGIA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO EDITAL 008/2010 - PROJETO BRA/06/032 CÓDIGO: TRANSFERÊNCIA TECNOLOGIA O Projeto BRA/06/032

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À CONSULTA PÚBLICA Nº 012/2010 NOME DA INSTITUIÇÃO:

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À CONSULTA PÚBLICA Nº 012/2010 NOME DA INSTITUIÇÃO: CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À CONSULTA PÚBLICA Nº 012/2010 NOME DA INSTITUIÇÃO: ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE GRANDES CONSUMIDORES INDUSTRIAIS DE ENERGIA E DE CONSUMIDORES LIVRES ABRACE AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA

Leia mais

Light Serviços de Eletricidade S.A. Demonstrações contábeis regulatórias referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2013

Light Serviços de Eletricidade S.A. Demonstrações contábeis regulatórias referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2013 Light Serviços de Eletricidade S.A. Demonstrações contábeis regulatórias referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2013 Balanços Patrimoniais Regulatório e Societário Nota Societário Ajustes CPCs

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA 1. TÍTULO DO PROJETO

TERMO DE REFERÊNCIA 1. TÍTULO DO PROJETO 1. TÍTULO DO PROJETO TERMO DE REFERÊNCIA Elaboração de estudo de viabilidade técnica e econômica da implantação da logística reversa para resíduos de equipamentos eletroeletrônicos (REEE) 2. JUSTIFICATIVA

Leia mais

EDITAL 03/2012/COMUNICAÇÃO BOLSA VERDE TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATO POR PRODUTO

EDITAL 03/2012/COMUNICAÇÃO BOLSA VERDE TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATO POR PRODUTO EDITAL 03/2012/COMUNICAÇÃO BOLSA VERDE TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATO POR PRODUTO I. IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO PROJETO BRA/11/021 - PROGRAMA DE PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS COM INCLUSÃO SOCIAL (PSA)

Leia mais

Oportunidades no Financiamento do Setor Florestal. Oduval Lobato Neto Gerente Executivo de Gestão de Programas Governamentais

Oportunidades no Financiamento do Setor Florestal. Oduval Lobato Neto Gerente Executivo de Gestão de Programas Governamentais Oportunidades no Financiamento do Setor Florestal Oduval Lobato Neto Gerente Executivo de Gestão de Programas Governamentais Seminário: Políticas ambientais como fonte de novos negócios para Instituições

Leia mais

Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR

Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR O QUE ÉO CAR O Cadastro Ambiental Rural - CAR, é o registro público eletrônico de âmbito nacional, obrigatório para todos os imóveis rurais, com a finalidade

Leia mais

Capítulo I Das Disposições Gerais

Capítulo I Das Disposições Gerais PLANO GERAL DE METAS DA QUALIDADE PARA O SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO Capítulo I Das Disposições Gerais Art. 1º Este Plano estabelece as metas de qualidade a serem cumpridas pelas prestadoras do Serviço

Leia mais

VOTO. RESPONSÁVEL: Superintendência de Concessões e Autorizações de Geração SCG. 1. A UHE Cachoeira da Fumaça foi outorgada em 22/04/1975.

VOTO. RESPONSÁVEL: Superintendência de Concessões e Autorizações de Geração SCG. 1. A UHE Cachoeira da Fumaça foi outorgada em 22/04/1975. VOTO PROCESSO: 00000.703597/1973-68. INTERESSADOS: Porto Seguro Negócios Imobiliários S.A.. RELATOR: Diretor Reive Barros dos Santos RESPONSÁVEL: Superintendência de Concessões e Autorizações de Geração

Leia mais

PROJETO: CONSOLIDAÇÃO DA MODELAGEM PREVISÃO NUMÉRICA DO TEMPO NO INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA (INMET) BRA/OMM/011/001 TERMO DE REFERÊNCIA

PROJETO: CONSOLIDAÇÃO DA MODELAGEM PREVISÃO NUMÉRICA DO TEMPO NO INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA (INMET) BRA/OMM/011/001 TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO: CONSOLIDAÇÃO DA MODELAGEM PREVISÃO NUMÉRICA DO TEMPO NO INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA (INMET) BRA/OMM/011/001 TERMO DE REFERÊNCIA Perfil: Especialista em TI para atuar no aprimoramento do

Leia mais

Programa de Eficiência Energética AUDIÊNCIA PÚBLICA

Programa de Eficiência Energética AUDIÊNCIA PÚBLICA Programa de Eficiência Energética AUDIÊNCIA PÚBLICA A Espírito Santo Centrais Elétricas SA, em conformidade com seu Contrato de Concessão de Distribuição, n 001/05 ANEEL e o que dispõe a Lei nº 9.991 de

Leia mais

COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS CEMIG PROGRAMA LUZ PARA TODOS

COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS CEMIG PROGRAMA LUZ PARA TODOS COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS CEMIG PROGRAMA LUZ PARA TODOS 1 Agenda A Distribuição de energia elétrica na Cemig Universalização Programa Luz Para Todos Descrição Metas Cronograma Orçamento e estrutura

Leia mais

CENTRAIS ELÉTRICAS DO NORTE DO BRASIL S.A. COMPETÊNCIAS ATRIBUIÇÕES ORGANIZACIONAIS DIRETORIA DE OPERAÇÃO

CENTRAIS ELÉTRICAS DO NORTE DO BRASIL S.A. COMPETÊNCIAS ATRIBUIÇÕES ORGANIZACIONAIS DIRETORIA DE OPERAÇÃO CENTRAIS ELÉTRICAS DO NORTE DO BRASIL S.A. COMPETÊNCIAS ATRIBUIÇÕES ORGANIZACIONAIS DIRETORIA DE OPERAÇÃO DIRETORIA DE OPERAÇÃO Cabe à Diretoria de Operação a gestão dos negócios geração, transmissão e

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Do Sr. Penna) Dispõe sobre a criação do Plano de Desenvolvimento Energético Integrado e do Fundo de Energia Alternativa. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Ficam instituídos

Leia mais

Definições e Premissas Aplicáveis ao Edital e Contrato

Definições e Premissas Aplicáveis ao Edital e Contrato ANEXO III AO EDITAL PÚBLICO DE AQUISIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO AMBIENTE DE CONTRATAÇÃO LIVRE ACL 5-1-2014 Definições e Premissas Aplicáveis ao Edital e Contrato a) Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO À CONSULTA PÚBLICA 11/201. Nota Técnica 494/2013 SRE/ANEEL

CONTRIBUIÇÃO À CONSULTA PÚBLICA 11/201. Nota Técnica 494/2013 SRE/ANEEL CONTRIBUIÇÃO À CONSULTA PÚBLICA 11/201 Nota Técnica 494/2013 SRE/ANEEL Dezembro/2013 1. SEGREGAÇÃO DO KM DE REDE EM RURAL E URBANO Sugere-se a segregação do Km de rede utilizado para o cálculo da variação

Leia mais

Painel: Implicações técnicas da regulação do fornecimento de energia elétrica para edificações residenciais e comerciais.

Painel: Implicações técnicas da regulação do fornecimento de energia elétrica para edificações residenciais e comerciais. Painel: Implicações técnicas da regulação do fornecimento de energia elétrica para edificações residenciais e comerciais. Daniel José Justi Bego Especialista em Regulação Superintendência de Regulação

Leia mais

ESPECIALISTA PARA ELABORAÇÃO DE CARTILHA SOBRE USO EFICIENTE E SEGURO DE ENERGIA ELÉTRICA NAS LÍNGUAS INDÍGENAS KADIWÉU E KINIKINAU

ESPECIALISTA PARA ELABORAÇÃO DE CARTILHA SOBRE USO EFICIENTE E SEGURO DE ENERGIA ELÉTRICA NAS LÍNGUAS INDÍGENAS KADIWÉU E KINIKINAU MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERACAO PARA A AGRICULTURA IICA PROJETO ESTRATÉGIAS DE ATENDIMENTO POR ENERGIA ELÉTRICA A COMUNIDADES RURAIS NO ÂMBITO DO PROGRAMA LUZ PARA

Leia mais

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 1. Introdução Em 31 de dezembro de 2014 a SANEAGO operava os sistemas de abastecimento de água e coleta e/ou tratamento de esgoto de 225 dos 246 municípios do Estado de Goiás,

Leia mais

Edital de Concorrência Pública Nacional (SQC) nº 40.10756/2006

Edital de Concorrência Pública Nacional (SQC) nº 40.10756/2006 Edital de Concorrência Pública Nacional (SQC) nº 40.10756/2006 Serviços de Consultoria Pessoa Jurídica para a elaboração de metodologia que permita mensurar, verificar e avaliar os resultados decorrentes

Leia mais

MENSAGEM PREGÃO ELETRÔNICO N. 61/2008 ESCLARECIMENTO 2

MENSAGEM PREGÃO ELETRÔNICO N. 61/2008 ESCLARECIMENTO 2 MENSAGEM Assunto: Esclarecimento 2 Referência: Pregão Eletrônico n. 61/2008 Data: 17/12/2008 Objeto: Contratação de empresa especializada para fornecimento de solução informatizada e integrada para o acompanhamento

Leia mais

CEMIG VERDE MINAS Ferramenta Ambiental para Compatibilização com as Redes de Distribuição

CEMIG VERDE MINAS Ferramenta Ambiental para Compatibilização com as Redes de Distribuição 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG CEMIG VERDE MINAS Ferramenta Ambiental para Compatibilização com as Redes de Distribuição Eng. Patrícia Maria Mafra Macedo CEMIG Distribuição S.A pmafra@cemig.com.br

Leia mais

Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT

Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT Setembro/2013 PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A CRIAÇÃO DE UNIDADE DE CONSERVAÇÃO 1. O que são unidades de conservação (UC)?

Leia mais

Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR Câmara temática de Insumos Agropecuários Brasília, 27 de maio de 2014

Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR Câmara temática de Insumos Agropecuários Brasília, 27 de maio de 2014 Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR Câmara temática de Insumos Agropecuários Brasília, 27 de maio de 2014 O QUE É O CAR O Cadastro Ambiental Rural - CAR, é o registro público eletrônico de âmbito

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERENCIA PROCESSO LICITATÓRIO Nº 010/2011- FAO/GCP/BRA/070/EC

ANEXO I TERMO DE REFERENCIA PROCESSO LICITATÓRIO Nº 010/2011- FAO/GCP/BRA/070/EC FOOD AND AGRICULTURE ORGANIZATION OF THE UNITED NATIONS ORGANISATION DES NATIONS UNIES POUR L ALIMENTATION ET L AGRICULTURE ORGANIZACION DE LAS NACIONES UNIDAS PARA LA AGRICULTURA Y LA ALIMENTACION ORGANIZAÇÃO

Leia mais

PLANO DIRETOR DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

PLANO DIRETOR DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA PLANO DIRETOR DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA 2013 Superintendência de Gestão da Inovação Tecnológica e Eficiência Energética OIE Abril/2013 1 1. Introdução A Superintendência de Gestão da Inovação Tecnológica

Leia mais

Povos Tradicionais e Indígenas da Amazônia Brasileira

Povos Tradicionais e Indígenas da Amazônia Brasileira Povos Tradicionais e Indígenas da Amazônia Brasileira Beneficiários dos Pagamentos por Serviços Ambientais Mary Helena Allegretti Katoomba Group GVces Outubro 2006 Populações tradicionais e indígenas protegem

Leia mais

Qualidade dos Serviços Situação Atual e Perspectivas COELCE 30/06/2011

Qualidade dos Serviços Situação Atual e Perspectivas COELCE 30/06/2011 Qualidade dos Serviços Situação Atual e Perspectivas COELCE 30/06/2011 Agenda O grupo Endesa 1 Características da COELCE e do estado do Ceará 2 Qualidade dos Serviços Técnicos e Comerciais 3 Investimentos

Leia mais

O Programa de Aquisição de Alimentos da Agricultura Familiar

O Programa de Aquisição de Alimentos da Agricultura Familiar O Programa de Aquisição de Alimentos da Agricultura Familiar A IDENTIFICAÇÃO DO PROBLEMA - DIAGNÓSTICO Prevalência de situação de segurança alimentar em domicílios particulares, por situação do domicílio

Leia mais

CONQUISTAS AOS AGRICULTORES NO CÓDIGO FLORESTAL

CONQUISTAS AOS AGRICULTORES NO CÓDIGO FLORESTAL CONQUISTAS AOS AGRICULTORES NO CÓDIGO FLORESTAL 1. DISPENSA AOS PROPRIETÁRIOS DE ÁREAS CONSOLIDADAS DE RECOMPOSIÇÃO DA RESERVA LEGAL Art. 61 a. Área rural consolidada: é a área de imóvel rural com ocupação

Leia mais

ANEXO III. Nota Técnica nº 250/2007-SRE/ANEEL Brasília, 21 de agosto de 2007 METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X

ANEXO III. Nota Técnica nº 250/2007-SRE/ANEEL Brasília, 21 de agosto de 2007 METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X ANEXO III Nota Técnica nº 250/2007-SRE/ANEEL Brasília, 2 de agosto de 2007 METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X ANEXO III Nota Técnica n o 250/2007 SRE/ANEEL Em 2 de agosto de 2007. Processo nº 48500.004295/2006-48

Leia mais

Tarifas de Fornecimento de Energia Elétrica

Tarifas de Fornecimento de Energia Elétrica Tarifas de Fornecimento de Energia Elétrica Conceitos Básicos: Os consumidores de energia elétrica pagam um valor correspondente à quantidade de energia elétrica consumida, no mês anterior, estabelecida

Leia mais

Impactos da MP nº 579

Impactos da MP nº 579 Impactos da MP nº 579 José Rosenblatt jrosenb@psr-inc.com Agência Dinheiro Vivo São Paulo, 10 de dezembro de 2012 1 Sumário Resumo das medidas e questões Geração Transmissão Encargos Impactos da MP Tarifas

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL TEMAS VOLUME DE RECURSOS Do aporte nacional, garantir para o RS no mínimo 20% (vinte por cento) dos recursos para financiamento agropecuário de forma oportuna, tempestiva e suficiente. Aumentar os limites

Leia mais

MINHA CASA, MINHA VIDA 2 Novas metas, maiores desafios

MINHA CASA, MINHA VIDA 2 Novas metas, maiores desafios MINHA CASA, MINHA VIDA 2 Novas metas, maiores desafios Desafios do PMCMV Sustentabilidade, Perenidade e Imagem O sucesso do PMCMV depende da produção de moradias bem localizadas, servidas de infraestrutura,

Leia mais

1ª Fase da Audiência Pública ANEEL 019/2011

1ª Fase da Audiência Pública ANEEL 019/2011 1ª Fase da Audiência Pública ANEEL 019/2011 Dr. Marcelo Aparecido Pelegrini Junho/2011 ANÁLISE ESTATÍSTICA - Conforme mostrado, as regressões lineares múltiplas propostas pela ANEEL, que utilizam dados

Leia mais

PORTARIA SERLA N 591, de 14 de agosto de 2007

PORTARIA SERLA N 591, de 14 de agosto de 2007 PORTARIA SERLA N 591, de 14 de agosto de 2007 ESTABELECE OS PROCEDIMENTOS TÉCNICOS E ADMINISTRATIVOS PARA EMISSÃO DA DECLARAÇÃO DE RESERVA DE DISPONIBILIDADE HÍDRICA E DE OUTORGA PARA USO DE POTENCIAL

Leia mais

Inserção da Geração Solar na Matriz Elétrica Brasileira. Palestrante: Eng. Marcelo Vinicius

Inserção da Geração Solar na Matriz Elétrica Brasileira. Palestrante: Eng. Marcelo Vinicius Inserção da Geração Solar na Matriz Elétrica Brasileira Palestrante: Eng. Marcelo Vinicius Temas a serem abordados: 1. Matriz de energia elétrica 2. Distintas tecnologias 3. Combustível solar 4. Motivação

Leia mais

Projeto de Assistência Técnica para a Agenda da Sustentabilidade Ambiental TAL Ambiental

Projeto de Assistência Técnica para a Agenda da Sustentabilidade Ambiental TAL Ambiental Ministério do Meio Ambiente Secretaria Executiva Projeto de Assistência Técnica para a Agenda da Sustentabilidade Ambiental TAL Ambiental Março de 2010 TAL Ambiental (Technical Assistance to the Environmental

Leia mais

CC76F66102 COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA. PROJETO DE LEI N o 2.318, DE 2007 I - RELATÓRIO

CC76F66102 COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA. PROJETO DE LEI N o 2.318, DE 2007 I - RELATÓRIO COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA PROJETO DE LEI N o 2.318, DE 2007 Altera o art. 11 da Lei nº 9.648, de 27 de maio de 1998, estabelecendo nova hipótese para sub-rogação de recursos da sistemática de rateio

Leia mais