PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÂO PAULO ACÓRDÃO. AGRAVO DE INSTRUMENTO n" /4-00, da Comarca de

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÂO PAULO ACÓRDÃO. AGRAVO DE INSTRUMENTO n" 568.648-4/4-00, da Comarca de"

Transcrição

1 TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÂO PAULO ACÓRDÃO TRiRi IMAI DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO T KDÂ07DEcfsÃ0 MONOCRÁTICA REGISTRADO(A) SOB N Vistos,- relatados e discutidos estes autos de' AGRAVO DE INSTRUMENTO n" /4-00, da Comarca de JUNDIAÍ, em que é agravante MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO - PAULO sendo agravados ROSENILDA BATISTA DE LIMA (INVENTARIANTE)-(E OUTRO) (ESPÓLIO):-- ACORDAM, em Quinta Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, proferir a- seguinte decisão: "NEGARAM' PROVIMENTO AO RECURSO, V.U. ACÓRDÃO COM O 3 o JUIZ, " DES. OSCARLINO MOELLER.", de conformidade com o voto do Relator, que integra este acórdão. O julgamento teve a participação >dos Desembargadores ^OLDEMAR AZEVEDO (Presidente, sem voto),, DIMAS 'CARNEIRO e SILVERIO RIBEIRO. ' São" Paulo, 26 de novembro de ' i-" N OSCARLINO MOELLER Relator Designado

2 * VOTO N : AGRV. N : /4-00 COMARCA: JUNDIAI AGTE. : MINISTÉRIO PÚBLICO AGDO. : ROSENILDA BATISTA DE LIMA (INVTE) UNIÃO ESTÁVEL - PARTILHA - DIREITO À HERANÇA PELA COMPANHEIRA DE UNIÃO ESTÁVEL - ÚNICO BEM IMÓVEL ADQUIRIDO ONEROSAMENTE NO CURSO DA UNIÃO ESTÁVEL - COMPANHEIRA DO "DE CUJUS" E HERDEIROS FILHOS COMUNS - APLICAÇÃO DO ART , I, DO CÓDIGO CIVIL - ADMISSIBILIDADE - RESPEITO AOS DIREITOS CONSTITUCIONAIS DA GARANTIA DA HERANÇA, DO RESPEITO À UNIÃO ESTÁVEL E DA IGUALDADE ENTRE OS FILHOS - RESPEITO AO ART. 5, XXX, PARÁGRAFO 3 o DO ART. 226 E PARÁGRAFO 6 o DO ART. 227, TODOS DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL - MEAÇÃO PREVISTA NO ART DO CÓDIGO"A CIVIL IGUALMENTE RESPEITADX"^ DE ) FORMA COERENTE, DENTRO DO/SISTEMA CIVIL - DECISÃO DE PARTI^LHA^NOS TERMOS DO ART. 1790, I, DO CÓDIGO CIVIL - AGRAVO DE INSTRUMENTO IMPROVIDO. I / Trata-se de agravo de instrumento contra a r. decisão de fls. 42/44

3 2 A G (40/42 dos autos principais), nos autos do inventário dos bens deixados pelo falecimento de Edson Adelino Guizzi, que deliberou a partilha pela herança em equivalência de direitos entre a companheira supérstite e os dois filhos comuns, um terço (1/3) para cada um, separando para pagamento o direito à meação da companheira, em metade do patrimônio formado pelo único bem imóvel adquirido com esforço comum no curso da união estável desenvolvida por quinze anos, aceita pelos interessados e já declarada em decisão anterior. Pretende o Ministério Público em seu inconformismo que não coexista a meação e o direito à herança para a companheira, assim que aquele afastaria este, dentro de uma posiçã-osistemática coerente com a previsão do inciso I do art do Código Civil, estabete-cendo^o direito de herança ao cônjuge apé-rías_/na-s' hipóteses em que não haja o direito A-^me*a?çã.ol A... ^-y/ coexistência entre meaçao e herança, (grevista para a união estável, mas excluída no casamento, revelaria inconstitucionalidade a ser dirimida. Pretende, assim, ver reconhecida à companheira apenas o direito â meação (50% do Al \" / JUMDIAI - 5 a C. D. PRIVADO - TJSP - VOTO N" 18851

4 ^ PODER JUDICIÁRIO imóvel) e aos filhos o direito à totalidade da herança (50% do imóvel). O agravo veio acompanhado de documentos (fls. 08/44), recebido só no efeito devolutivo, à falta de reclamo de suspensividade (fls. 46). O JUÍZO "a quo" prestou informações, reforçando a não visualização de inconstitucionalidade à luz do aplicado art , I, do Código Civil (fls. 54), acompanhando o ato com documentos do processo (fls. 55/63). Não houve contra-minuta. A Procuradoria Geral da Justiça requer o provimento do recurso (fls. 65/66). É O RELATÓRIO. II DECIDO O inconformismo não prospera. A meação é o direito reconhecido ao participante de vínculo societário, Al N" /4-00 -JUNDIAÍ - 5 C. D. PRIVADO - TJSP - VOTO N 18851

5 4 / $ J correspondente à metade dos direitos vinculados patrimonialmente. Assim se divisa a meação no direito societário civil ou comercial, assim se divisa o direito no âmbito da família nas integrações das entidades familiares formadas pelo casamento ou pela união estável, constituídas a partir dos parágrafos I o a 3 o do art. 226 da Constituição Federal. No casamento o direito a meação se adstringe ao tipo de regime de bens adotado voluntariamente (por decorrência de pacto antenupcial) ou estabelecido diretamente por comando legal (regimes legais da comunhão parcial e da separação legal obrigatória).^tudo J nos termos dos artigos e d Códigp' Civil C). Na união estável, respe^üados direitos eventualmente reconhecidos^^m Qpntrato escrito, é estabelecida a meação diretamente por comando legal, consubstanciada em metade dos bens onerosos adquiridos durante o convívio, na aplicação do regime da comunhão Art Não havendo convenção, ou sendo ela nula ou ineficaz, vigorará, quanto aos bens entre os cônjuges, o regime da comunhão parcial. Art É obrigatório o regime da separação de bens no casamento:... Al N / JUMDIAI - 5 C. D. PRIVADO - TJSP - VOTO N 18851

6 ápê^t* PODER JUDICIÁRIO 5 parcial de bens, por Código Civil ( 2 ). força do art do A herança, inconfundível com o direito à meação, se cristaliza a partir da abertura da sucessão, nos termos do art do Código Civil, atingindo os herdeiros legítimos e testamentários ( 3 ). A herança, outrossim, passou a ter garantia constitucional, nos termos do inciso XXX do art 5 o da Constituição Federal ( 4 ). O direito à herança passou â qualidade de direito constitucional, devendo a lei infra-constitucional aplicá-lo e respeita-/ Io. Daí a previsão do novo-^çódigo - ^ / Civil inserindo o direito à^^heran^a /aos ( ^ ' companheiros da união estável, bem N^omo aos cônjuges, isolada e concorrentemente com os demais herdeiros (artigos 1790 e 1829 e seguintes do Código Civil). Na específica consideração da união estável, hipótese vertente, a regra Art Na união estável, salvo contrato escrito entre os companheiros, aplica-se às relações patrimoniais, no que couber, o regime da comunhão parcial de bens. Art Aberta a sucessão, a herança transmite-se, desde logo, aos herdeiros legítimos e testamentários Art. 5" - Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e estrangeiros residentes no País...:... XXX - é garantido o direito à herança. y Al N / JUN Dl Al - 5 a C. D. PRIVADO - TJSP - VOTO N" 18851

7 6 concorrente se instaurou no art. 1790, I a III, do Código Civil, incluindo também a forma isolada em seu inciso IV, o que, entretanto, nesta última espécie, já fora previsto no inciso III do art. 2 o da lei 8.971, de ( 5 ). A existência da união estável no exame do inventário presente se torna inconcussa, não só pela direta aceitação no plano de partilha apresentado pela companheira (inventariante) e herdeiros (fls. 08/13; fls. 02/07 - autos principais), como pelas declarações juntadas nos autos de inventário (fls. 60/62; fls. 56/58 - autos principais), como pela decisão do Juizo, de , reconhecendo sua existência (fls. 63; fls. 62_- autos principais), matéria tornada preclusa/ Além disso, aqui não é a mesma questionada Dessa peroração, duas-- conclusões básicas: a) inconfundíveis os direitos^à meação e à herança, aquele vinculado, na união estável, a aplicação direta do regime da comunhão parcial de bens, a teor do art Art. 2" - As pessoas referidas no artigo anterior participarão da sucessão do (a) companheiro (a) nas seguintes condições:... III - na falta de descendentes e de ascendentes, o Al N / JLND1AI - 5 C. D. PRIVADO - TJSP - VOTO N 18851

8 t jy do Código Civil, cabível na hipótese pela inexistência de contrato firmado entre as partes, este vinculado, segundo a natureza do vínculo de direito de família da união estável presente, à previsão constitucional (art. 5 o, XXX, da CF.) e reconhecimento no Código Civil (art ); b) incabível a pretensão comparativa excludente de herança diante da presença da meação, eis que direitos absolutamente diversos e compatíveis. Pela meação se efetiva um pagamento na sucessão, resguardando esse direito à companheira, "in casu", na correspondência ao equivalente a metade ou-v cincoenta por cento (50%) do patrimônio deixado pelo "de cujus". Deduzida a meação, como di-re^íj companheiro supérstite (ou mesmo do /.cônjuge sobrevivo, se fosse o caso), o mais do patrimônio corresponderá à herança, cujos destinatários são os herdeiros. Nesta fase, identificam-se os herdeiros, pela presença de dois filhos do casal (filhos comuns, companheiro supérstite e "de cujus") e a (a) companheiro (a) sobrevivente terá direito à totalidade da herança. Al in / JUNDIAÍ - 5 a C. D. PRIVADO - TJSP - VOTO N 18851

9 8 & companheira pela concorrência estabelecida no art , I, do Código Civil. Assim, o direito a meação deriva da aplicação do regime da comunhão parcial de bens à espécie (art do Código Civil), o direito a herança como decorrência da abertura da sucessão e concorrência estabelecida (artigos e 1790, I, do Código Civil). Os direitos são inconfundíveis e compatíveis, repita-se, não podendo ser considerados excludentes reciprocamente. Se a exclusão fosse prevista (o que se poderia cogitar de análise se fosse -v hipótese de aplicação do inciso I do art.(^ ; do Código Civil, aqui inaplicável) por cer^ó estaríamos diante de uma ilegalidade previsão do art é exatamentg^coi^rária, há respeito aos direitos descritos ^" Esse artigo trata exclusivamente da sucessão "causa mortis" do companheiro, nenhuma referência fazendo, direta ou indiretamente, de forma comparativa, à meação; esta, continua existindo a partir da norma do art do Código Civil, como direito próprio do companheiro sobrevivente. Al N / JUN Dl Al - 5" C. D. PRIVADO - TJSP - VOTO N" 18851

10 --/>- PODER JUDICIÁRIO # Assim, os bens onerosamente adquiridos na vigência da união estável pertencem, como direito de meação, ao cônjuge sobrevivo, conforme artigos 1725 e 1658 o Código Civil ( 6 ), e, como herança, em concorrência com os filhos comuns, uma quota equivalente ao que aqueles receberem ( 7 ). Incabível a comparação aqui pretendida com o inciso I do art do Código Civil que se refere ao cônjuge concorrente, aqui inaplicável pela tratativa de união estável, e, nesta, pela perfeita sintonia, do art do Código Civil às^normas constitucionais (direito à herança) l^_e -Jrega~rsj) existentes (respeito ao direito de meação). Finalmente, isonomia e igualdade de direitos se estabelece aos f<±íh s,; não havendo qualquer critério discriminatória ou de desigualdade, respeitando-se o parágrafo 6 do art. 227 da Constituição Federal ( 8 ). Todos os Art Na união estável, salvo contrato escrito entre os companheiros, aplica-se às relações patrimoniais, no que couber, o regime da comunhão parcial de bens. Art No regime da comunhão parcial, comunicam-se os bens que sobrevierem ao casal, na constância do casamento, com as exceções do artigos seguintes 7 Art A companheira ou o companheiro participará da sucessão do outro, quanto aos bens adquiridos onerosamente na vigência da união estável, nas condições seguintes: I - se concorrer com filhos comuns, terá direito a uma quota equivalente à que por lei for atribuída ao filho;... 8 Art É dever da família, da sociedade e do Estado assergurar à criança e ao adolescente,...: parágrafo 6 o - Os filhos, havidos ou não da relação do casamento, ou por Al N / JUNDIAI - 5 C. D. PRIVADO - TJSP - VOTO N 18851

11 ^ filhos recebem, na hipótese vertente, um terço (1/3) da herança. Divagações em torno do que receberiam se não houvesse a participação do companheiro se tornam incompatíveis com a atual situação legal e social da espécie. A constituição reconheceu a existência da união estável como entidade familiar, o que a jurisprudência já o fizera anteriormente, embora sob a nomenclatura de concubinato à falta de denominação adequada, devendo ser respeitada sua existência na legislação infraconstitucional, como já fizeram as leis núme-rott 8.971/1994 e 9.278/96, como concretizado atual Código nos artigos e seguintes e Respeitados se encont,.rajn^c em síntese, os artigos 5 o, XXX, e^2-2'7, ybar-áqrafo 6 o, ambos da Constituição Federal, naüa havendo de inconstitucionalidade. Finalísticamente, o que não pode ser desconsiderado, à luz da pretensão desenvolvida de alegada inconstitucionalidade, ainda que fosse o caso de aqui ser declarada, adoção, terão os mesmos direitos e qiialifícações, proibidas quaisquer discriminatóris relativas à filiação designações Al IN / JUN Dl Al - 5 a C. D. PRIVADO - TJSP - VOTO N 18851

12 perante esta Corte de Justiça, descaberia competência para este órgão fracionário do Tribunal de Justiça fazê-lo, impondo-se sua apreciação pelo Órgão Especial, "ex vi" do art. 9 7 da Constituição Federal ( 9 ), o que se acha consolidado pela Súmula Vinculante n. 10 do Supremo Tribunal Federal, "in verbis": "Viola a cláusula de reserva de plenário (CF, artigo 97) a decisão de órgão fracionário de tribunal que, embora não declare expressamente a inconstitucionalidade de lei ou ato normativo do poder público, afasta sua incidência, no todo ou em parte" (publ. no DJe n. 172/2008, de , pg. 33). III Conclusivamenfee, por meu voto, C ~\ nego provimento, nos term s_,da fundamentação. OSÇARLINO MOELL-ER REtATOR D'ÉSIGNA~DO\ Art Somente pelo voto da maioria absoluta de seus membros ou dos membros do respectivo órgão especial poderão os Tribunais declarar a inconstitucionalidade de lei ou ato normativo do Poder Público. Al in" / JUN Dl Al - 5 a C. D. PRIVADO - TJSP - VOTO N 18851

I miii mil mil um um um mu um mi m

I miii mil mil um um um mu um mi m ACÓRDÃO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRÁTICA REGISTRADO(A) SOB N I miii mil mil um um um mu um mi m *03071141* Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação n 994.08.058146-0, da Comarca de São Paulo,

Leia mais

A UNIÃO ESTÁVEL NO NOVO CÓDIGO CIVIL

A UNIÃO ESTÁVEL NO NOVO CÓDIGO CIVIL 76 A UNIÃO ESTÁVEL NO NOVO CÓDIGO CIVIL CLAUDIA NASCIMENTO VIEIRA¹ O artigo 226 da Constituição Federal equiparou a união estável entre homem e mulher ao casamento, dispondo em seu parágrafo 3º que é reconhecida

Leia mais

Grupo de Estudos de Empresas Familiares GVlaw/ Direito GV. Reflexos Familiares e Sucessórios na Empresa Familiar. Apresentação 10.08.

Grupo de Estudos de Empresas Familiares GVlaw/ Direito GV. Reflexos Familiares e Sucessórios na Empresa Familiar. Apresentação 10.08. Grupo de Estudos de Empresas Familiares GVlaw/ Direito GV Reflexos Familiares e Sucessórios na Empresa Familiar Apresentação 10.08.10 Luiz Kignel Karime Costalunga F 1 F 2 F 3 F 1 F 2 F 3 F 4 Fundador

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO Registro: 2015.0000122590 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Agravo de Instrumento nº 2196688-13.2014.8.26.0000, da Comarca de São Paulo, em que são agravantes CARLOS ROBERTO DE ARO

Leia mais

HERDEIROS, LEGATÁRIOS E CÔNJUGE

HERDEIROS, LEGATÁRIOS E CÔNJUGE HERDEIROS, LEGATÁRIOS E CÔNJUGE Luiz Alberto Rossi (*) SUMÁRIO DISTINÇÃO ENTRE HERDEIROS E LEGATÁRIOS. SAISINE. CÔNJUGE: HERDEIRO NECESSÁRIO. QUINHÃO DO CÔNJUGE. TIPOS DE CONCORRÊNCIA. BENS PARTICULARES.

Leia mais

Professora Alessandra Vieira

Professora Alessandra Vieira Sucessão Legítima Conceito: A sucessão legítima ou ab intestato, é a que se opera por força de lei e ocorre quando o de cujus tem herdeiros necessários que, de pleno direito, fazem jus a recolher a cota

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SAO PAULO - SEÇÃO DE DIREITO PRIVADO. 30 a Câmara

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SAO PAULO - SEÇÃO DE DIREITO PRIVADO. 30 a Câmara DO ESTADO DE SAO PAULO - SEÇÃO DE DIREITO PRIVADO 30 a Câmara AGRAVO DE INSTRUMENTO No.1204235-0/4 Comarca cie SÃO CAETANO DO SUL Processo 2789/08 3.V.CÍVEL DE SÃO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRATICA REGISTRADO(A)

Leia mais

União estável e a separação obrigatória de bens

União estável e a separação obrigatória de bens União estável e a separação obrigatória de bens Quando um casal desenvolve uma relação afetiva contínua e duradoura, conhecida publicamente e estabelece a vontade de constituir uma família, essa relação

Leia mais

CONTRATO DE CONVIVÊNCIA E SUAS REPERCUSSÕES NO DIREITO SUCESSÓRIO

CONTRATO DE CONVIVÊNCIA E SUAS REPERCUSSÕES NO DIREITO SUCESSÓRIO CONTRATO DE CONVIVÊNCIA E SUAS REPERCUSSÕES NO DIREITO SUCESSÓRIO Edgard Borba Fróes Neto 1 Resumo A possibilidade dos companheiros livremente estipularem regras de cunho patrimonial, mediante celebração

Leia mais

Direito Civil VI - Sucessões. Prof. Marcos Alves da Silva

Direito Civil VI - Sucessões. Prof. Marcos Alves da Silva Direito Civil VI - Sucessões Prof. Marcos Alves da Silva SUCESSÃO DO CÔNJUGE Herdeiro necessário e concorrente ( concorrente, conforme o regime de bens) Os regimes de matrimoniais de bens e suas implicações

Leia mais

Professora: Vera Linda Lemos Disciplina: Direito das Sucessões 7º Período

Professora: Vera Linda Lemos Disciplina: Direito das Sucessões 7º Período Professora: Vera Linda Lemos Disciplina: Direito das Sucessões 7º Período Toda a sucessão legítima observará uma ordem de vocação hereditária que, no Código Civil, está prevista no artigo 1.829. Art. 1.829.

Leia mais

Inovações e desacertos no novo Direito Sucessório

Inovações e desacertos no novo Direito Sucessório Inovações e desacertos no novo Direito Sucessório Giselda Maria Fernandes Novaes Hironaka Doutora e Livre Docente em Direito pela Faculdade de Direito da USP Professora Associada ao Departamento de Direito

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE ESTADO DA TRIBUTAÇÃO CONSELHO DE RECURSOS FISCAIS

ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE ESTADO DA TRIBUTAÇÃO CONSELHO DE RECURSOS FISCAIS ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE ESTADO DA TRIBUTAÇÃO CONSELHO DE RECURSOS FISCAIS PROCESSO Nº 539432/2012-3 Nº DE ORDEM 0095/2013-CRF ITCD OS 2307/2012 1ª URT RECURSO EX OFFICIO RECORRENTE

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE ESTADO DA TRIBUTAÇÃO CONSELHO DE RECURSOS FISCAIS MAGALI COSTA CONS. HILTON PAIVA DE MACÊDO RELATÓRIO

ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE ESTADO DA TRIBUTAÇÃO CONSELHO DE RECURSOS FISCAIS MAGALI COSTA CONS. HILTON PAIVA DE MACÊDO RELATÓRIO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE CONSELHO DE RECURSOS FISCAIS Nº DE ORDEM I T C D O. S. RECURSO RECORRENTE RECORRIDO RELATOR 0099/2013-CRF 2342/2012-1ª URT EX OFFICIO MAGALI COSTA CONS. HILTON PAIVA DE MACÊDO

Leia mais

Vistos, relatados e discutidos estes autos de. AGRAVO DE INSTRUMENTO n 501.512-4/4-00, da Comarca de SÃO

Vistos, relatados e discutidos estes autos de. AGRAVO DE INSTRUMENTO n 501.512-4/4-00, da Comarca de SÃO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRATICA REGISTRADO(A) SOB N *01319002* Vistos, relatados e discutidos estes autos de AGRAVO DE INSTRUMENTO

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR ACÓRDÃO. Instrumento nº 0099725-45.2012.8.26.0000, da Comarca de São Paulo,

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR ACÓRDÃO. Instrumento nº 0099725-45.2012.8.26.0000, da Comarca de São Paulo, Registro: 2012.0000257965 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Agravo de Instrumento nº 0099725-45.2012.8.26.0000, da Comarca de São Paulo, em que é agravante FAZENDA DO ESTADO DE SÃO

Leia mais

SUCESSÃO DO COMPANHEIRO (CC, ART. 1790)

SUCESSÃO DO COMPANHEIRO (CC, ART. 1790) SUCESSÃO DO COMPANHEIRO (CC, ART. 1790) Abril de 2013. José Fernando Simão Companheiros: São aqueles que vivem em união estável. É reconhecida como entidade familiar a união estável entre homem e mulher,

Leia mais

Regime de bens e divisão da herança

Regime de bens e divisão da herança Regime de bens e divisão da herança Antes da celebração do casamento, os noivos têm a possibilidade de escolher o regime de bens a ser adotado, que determinará se haverá ou não a comunicação (compartilhamento)

Leia mais

Marcos Puglisi de Assumpção 4. A SUCESSÃO NO CASAMENTO, NA UNIÃO ESTÁVEL E NO CONCUBINATO

Marcos Puglisi de Assumpção 4. A SUCESSÃO NO CASAMENTO, NA UNIÃO ESTÁVEL E NO CONCUBINATO Marcos Puglisi de Assumpção 4. A SUCESSÃO NO CASAMENTO, NA UNIÃO ESTÁVEL E NO CONCUBINATO 2010 A SUCESSÃO NO CASAMENTO, NA UNIÃO ESTÁVEL E NO CONCUBINATO Para se obter um bom entendimento como se processa

Leia mais

Nº 70021504923 COMARCA DE PELOTAS ESTELA MARIA CIRNE MAGALHAES NOEMIA MARIA PINHEIRO CIRNE

Nº 70021504923 COMARCA DE PELOTAS ESTELA MARIA CIRNE MAGALHAES NOEMIA MARIA PINHEIRO CIRNE AGRAVO DE INSTRUMENTO. PARTILHA. REGIME DE BENS. INEXISTÊNCIA DE MEAÇÃO SOBRE BEM CLAUSULADO. REGIME DE SEPARAÇÃO TOTAL DE BENS. HERANÇA. CONCORRÊNCIA SUCESSÓRIA DO CÔNJUGE VIVO COM OS DESCENDENTES DO

Leia mais

Vistos, relatados e discutidos estes autos de. AGRAVO DE INSTRUMENTO n 44 9.7 64-4/5-00, da Comarca de

Vistos, relatados e discutidos estes autos de. AGRAVO DE INSTRUMENTO n 44 9.7 64-4/5-00, da Comarca de TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ^ ~ ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRATICA ACÓRDÃO REGISTRADO(A) SOB N *01148888* Vistos, relatados e discutidos estes autos de AGRAVO DE INSTRUMENTO

Leia mais

P O D E R J U D I C I Á R I O

P O D E R J U D I C I Á R I O Registro: 2013.0000791055 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0024907-79.2012.8.26.0564, da Comarca de São Bernardo do Campo, em que é apelante CRIA SIM PRODUTOS DE HIGIENE

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GAB. DO DES. GENÉSIO GOMES PEREIRA FILHO

ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GAB. DO DES. GENÉSIO GOMES PEREIRA FILHO l ; ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GAB. DO DES. GENÉSIO GOMES PEREIRA FILHO ACÓRDÃO APELAÇÃO CÍVEL N 025.2009.006.912-8/001 3a Vara da Comarca de Patos RELATOR: Dr. Aluizio Bezerra

Leia mais

A COLAÇÃO DOS BENS DOADOS A HERDEIROS: ANÁLISE DO ACÓRDÃO Nº 70050981836 JULGADO PELO TJRS

A COLAÇÃO DOS BENS DOADOS A HERDEIROS: ANÁLISE DO ACÓRDÃO Nº 70050981836 JULGADO PELO TJRS 23 A COLAÇÃO DOS BENS DOADOS A HERDEIROS: ANÁLISE DO ACÓRDÃO Nº 70050981836 JULGADO PELO TJRS Adrieli Aline Frias 1 Daniele Garcia 2 Niagara Sabrina 3 Ynaia Medina Long 4 Orientadora: Profª. Mª. Ana Cleusa

Leia mais

AULA 10 CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE NO BRASIL

AULA 10 CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE NO BRASIL Faculdade do Vale do Ipojuca - FAVIP Bacharelado em Direito Autorizado pela Portaria nº 4.018 de 23.12.2003 publicada no D.O.U. no dia 24.12.2003 Curso reconhecido pela Portaria Normativa do MEC nº 40,

Leia mais

6 ^ ^ J- > SILVERIO RIBEIRO Relator

6 ^ ^ J- > SILVERIO RIBEIRO Relator SíP PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRATICA ACÓRDÃO REGISTRADO(A) SOB N *02166579* Vistos, relatados e discutidos estes autos de APELAÇÃO

Leia mais

AGRAVANTES: ESPÓLIO DE OSENIO JOSÉ KROMANN E OUTROS

AGRAVANTES: ESPÓLIO DE OSENIO JOSÉ KROMANN E OUTROS AGRAVO DE INSTRUMENTO N.º 852.937-1, DA PRIMEIRA VARA CÍVEL DA COMARCA DE TOLEDO AGRAVANTES: ESPÓLIO DE OSENIO JOSÉ KROMANN E OUTROS AGRAVADA: RELATORA: FAZENDA PÚBLICA DO ESTADO DO PARANÁ DES.ª VILMA

Leia mais

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores MARCOS RAMOS (Presidente), ANDRADE NETO E ORLANDO PISTORESI.

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores MARCOS RAMOS (Presidente), ANDRADE NETO E ORLANDO PISTORESI. Registro: 2011.0000252337 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Agravo de Instrumento nº 0200229-93.2011.8.26.0000, da Comarca de, em que é agravante CONDOMÍNIO EDIFÍCIO SAINT PAUL DE VENCE

Leia mais

PONTO 1: Sucessões. SUCESSÃO TESTAMENTÁRIA art. 1845 do CC. A dispensa tem que ser no ato da liberalidade ou no testamento.

PONTO 1: Sucessões. SUCESSÃO TESTAMENTÁRIA art. 1845 do CC. A dispensa tem que ser no ato da liberalidade ou no testamento. 1 DIREITO CIVIL DIREITO CIVIL PONTO 1: Sucessões SUCESSÃO LEGÍTIMA SUCESSÃO TESTAMENTÁRIA art. 1845 do CC. A dispensa tem que ser no ato da liberalidade ou no testamento. Colação não significa devolução

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.080.614 - SP (2008/0176494-3) RELATORA : MINISTRA NANCY ANDRIGHI EMENTA Direito de família e das sucessões. Ação de reconhecimento de sociedade de fato, proposta por ex-companheiro

Leia mais

Direito das Sucessões

Direito das Sucessões Direito das Sucessões OBJETIVO Compreender as consequências da ordem de vocação hereditária. ROTEIRO! Da ordem de vocação hereditária! Ordem de vocação hereditária no Código de 1916! Nova ordem de vocação

Leia mais

(I) O CADASTRO PARA BLOQUEIO DE RECEBIMENTO DE LIGAÇÕES DE TELEMARKETING E O DIREITO DO CONSUMIDOR

(I) O CADASTRO PARA BLOQUEIO DE RECEBIMENTO DE LIGAÇÕES DE TELEMARKETING E O DIREITO DO CONSUMIDOR Ano III nº 12 (I) O CADASTRO PARA BLOQUEIO DE RECEBIMENTO DE LIGAÇÕES DE TELEMARKETING E O DIREITO DO CONSUMIDOR Barbara Brentani Lameirão Roncolatto Luiz Henrique Cruz Azevedo 01. Em 7 de outubro de 2008,

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ' v ACÓRDÃO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRÁTICA REGISTRADO(A) SOB N lllllllllllllllllllllllllllllllllllllllllllll *02796912* Vistos,-

Leia mais

OAB 139º - 1ª Fase Regular Modulo II Disciplina: Direito Civil Professor João Aguirre Data: 24/07/2009

OAB 139º - 1ª Fase Regular Modulo II Disciplina: Direito Civil Professor João Aguirre Data: 24/07/2009 TEMAS ABORDADOS EM AULA 9ª Aula: Sucessão SUCESSÃO 1. Tipos 1.1. Sucessão Legítima: surgiu pela lei (legislador deu a lei) 1.2. Sucessão Testamentária: Surgiu o testamento Em regra vale a legítima quando

Leia mais

A SUCESSÃO DO CÔNJUGE SOBREVIVENTE EM CONCORRÊNCIA COM OS DESCENDENTES OCORRENDO A HIBRIDEZ FAMILIAR RESUMO

A SUCESSÃO DO CÔNJUGE SOBREVIVENTE EM CONCORRÊNCIA COM OS DESCENDENTES OCORRENDO A HIBRIDEZ FAMILIAR RESUMO A SUCESSÃO DO CÔNJUGE SOBREVIVENTE EM CONCORRÊNCIA COM OS DESCENDENTES OCORRENDO A HIBRIDEZ FAMILIAR Rodrigo Schenckel da Silva 1 Rachel Marques da Silva 2 RESUMO Com a entrada em vigor do Código Civil

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AI no RECURSO ESPECIAL Nº 1.135.354 - PB (2009/0160051-5) RELATOR RECORRENTE RECORRIDO : MINISTRO LUIS FELIPE SALOMÃO : MARIA JAYDETH MIRANDA : ROBERTO COSTA DE LUNA FREIRE E OUTRO(S) : ONALDO LINS DE

Leia mais

SUCESSÃO LEGÍTIMA DO CÔNJUGE E DO COMPANHEIRO NO NOVO CÓDIGO CIVIL

SUCESSÃO LEGÍTIMA DO CÔNJUGE E DO COMPANHEIRO NO NOVO CÓDIGO CIVIL DIMAS MESSIAS DE CARVALHO Promotor de Justiça no Estado de Minas Gerais. Autor do Livro Direito de Família, publicado em 2005, pela Editora Atenas. Professor de Direito de Família e Sucessões na Unifenas,

Leia mais

HERANÇA. Danilo Santana

HERANÇA. Danilo Santana A RELAÇÃO HERANÇA Danilo Santana HOMOSSEXUAL PODE GERAR SOCIEDADE E NÃO A RELAÇÃO HOMOSSEXUAL PODE GERAR SOCIEDADE E NÃO HERANÇA Danilo Santana Advogado, graduado em Direito pela PUC-MG, membro efetivo

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº Dados Básicos Fonte: 70039973367 Tipo: Acórdão TJRS Data de Julgamento: 08/06/2011 Data de Aprovação Data não disponível Data de Publicação:14/06/2011 Estado: Rio Grande do Sul Cidade: Porto Alegre Relator:

Leia mais

decisão: "DERAM PROVIMENTO AO RECURSO. V. U.", de conformidade com o voto do Relator, que integra este acórdão. O julgamento teve a participação dos

decisão: DERAM PROVIMENTO AO RECURSO. V. U., de conformidade com o voto do Relator, que integra este acórdão. O julgamento teve a participação dos PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRÁTICA REGISTRADO(A) SOB N I mil um mi mi um mu mi mu m m *03040802* Vistos, relatados e

Leia mais

*00741706* Vistos, relatados e discutidos estes autos de. APELAÇÃO CÍVEL n 200.7 61-5/9-00, da Comarca de GUARULHOS, em

*00741706* Vistos, relatados e discutidos estes autos de. APELAÇÃO CÍVEL n 200.7 61-5/9-00, da Comarca de GUARULHOS, em / TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO h ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRÁTICA REGISTRADO(A) SOB N *00741706* Vistos, relatados e discutidos estes autos de APELAÇÃO CÍVEL n 200.7 61-5/9-00, da Comarca de GUARULHOS,

Leia mais

DECISÃO AGRAVO DE INSTRUMENTO EMENTA PROCESSO: 012.2002.000179-3/002

DECISÃO AGRAVO DE INSTRUMENTO EMENTA PROCESSO: 012.2002.000179-3/002 Poder Judiciário Tribunal de Justiça da Paraíba Gabinete do Des. Romero Marcelo da Fonseca Oliveira AGRAVO DE INSTRUMENTO PROCESSO: 012.2002.000179-3/002 ORIGEM: Comarca de Caiçara. RELATOR: Des. Romero

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RELATÓRIO O EXMO. SR. MINISTRO RICARDO VILLAS BÔAS CUEVA (Relator): Trata-se de recurso especial interposto contra acórdão proferido pelo Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo assim ementado: "Exceção

Leia mais

DECISÃO. Relatório. Tem-se do voto condutor do julgado recorrido:

DECISÃO. Relatório. Tem-se do voto condutor do julgado recorrido: DECISÃO RECURSO EXTRAORDINÁRIO. CONSTITUCIONAL. DESAPROPRIAÇÃO POR INTERESSE SOCIAL PARA FINS DE REFORMA AGRÁRIA. CLASSIFICAÇÃO DA PROPRIEDADE RURAL. INCLUSÃO DE ÁREAS NÃO APROVEITÁVEIS. PRECEDENTE DO

Leia mais

CARLOS JORGE SAMPAIO ADVOGADO PARECER

CARLOS JORGE SAMPAIO ADVOGADO PARECER CARLOS JORGE SAMPAIO ADVOGADO COSTA PARECER Direito das Sucessões. Situação jurídica do companheiro ou companheira comparada com o status jurídico dos cônjuges. Constitucionalidade da distinção entre os

Leia mais

ACÓRDÃO. Vistos, relatados e discutidos estes autos de. APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO n 180.011-4/0-00, da Comarca de

ACÓRDÃO. Vistos, relatados e discutidos estes autos de. APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO n 180.011-4/0-00, da Comarca de TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRATICA REGISTRADO(A) SOB N... mu um um mu mu mu um mi mi Vistos, relatados e discutidos estes autos de APELAÇÃO

Leia mais

PROF. MS. FABIO TRUBILHANO

PROF. MS. FABIO TRUBILHANO 3 PROF. MS. FABIO TRUBILHANO ASPECTOS POLÊMICOS DA SUCESSÃO DO CÔNJUGE E DO COMPANHEIRO A primeira questão polêmica sobre a qual nos debruçaremos envolve os arts. 1.641, 1.687 e 1.829 do Código Civil brasileiro.

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo Registro: 2011.0000073868 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 9141018-46.2006.8.26.0000, da Comarca de Campinas, em que é apelante UNIMED CAMPINAS COOPERATIVA DE TRABALHO

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gab. Des. Saulo Henriques de Sá e Benevides. Vistos, etc.

ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gab. Des. Saulo Henriques de Sá e Benevides. Vistos, etc. ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gab. Des. Saulo Henriques de Sá e Benevides APELAÇÃO CÍVEL n 2 073.2003.012900-8/001 Comarca de Cabedelo RELATOR: João Benedito da Silva Juiz Convocado

Leia mais

ESTADO DO RIO DE JANEIRO PODER JUDICIÁRIO. NONA CÂMARA CÍVEL Agravo de Instrumento nº 0047746-68.2014.8.19.0000 Desembargador GILBERTO DUTRA MOREIRA

ESTADO DO RIO DE JANEIRO PODER JUDICIÁRIO. NONA CÂMARA CÍVEL Agravo de Instrumento nº 0047746-68.2014.8.19.0000 Desembargador GILBERTO DUTRA MOREIRA 1 Agravo de instrumento. Mandado de segurança. Suspensão de exigibilidade de tributo. ICMS. Desembaraço aduaneiro. Contrato de afretamento de embarcação em regime de admissão temporária. REPETRO. Decisão

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Decisão sobre Repercussão Geral Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 10 29/11/2012 PLENÁRIO REPERCUSSÃO GERAL NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO 692.186 PARAÍBA RELATOR RECTE.(S) RECTE.(S) RECTE.(S)

Leia mais

CARTILHA UNIÃO ESTÁVEL SEXO

CARTILHA UNIÃO ESTÁVEL SEXO CARTILHA UNIÃO ESTÁVEL DE CASAIS DO MESMO SEXO Prefácio: A recente decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), reconhecendo a união de casais do mesmo sexo e ofertando a esses o mesmo grau de legalidade

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO DECISAUW ^ N0 ACÓRDÃO \\ll\w "»"»'" lo3046968* Vistos, relatados e discutidos estes autos de Agravo de Instrumento n 990.10.048613-6, da Comarca de São Paulo, em

Leia mais

Com a citada modificação, o artigo 544, do CPC, passa a vigorar com a seguinte redação:

Com a citada modificação, o artigo 544, do CPC, passa a vigorar com a seguinte redação: O NOVO AGRAVO CONTRA DESPACHO DENEGATÓRIO DE RECURSO EXTRAORDINÁRIO E ESPECIAL 2011-06-15 Alexandre Poletti A Lei nº 12.322/2010, que alterou os artigos 544 e 545 do CPC, acabou com o tão conhecido e utilizado

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO fls. 5 ACÓRDÃO Registro: 2014.0000429851 Vistos, relatados e discutidos estes autos do Mandado de Segurança nº 0226204-83.2012.8.26.0000, da Comarca de São Paulo, em que é impetrante EDEMAR CID FERREIRA,

Leia mais

Processo nº: 0000018-42.2014.8.26.0968 ACÓRDÃO

Processo nº: 0000018-42.2014.8.26.0968 ACÓRDÃO fls. 1 Registro: 2014.0000019861 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Pedido de Uniformização de Interpretação de Lei nº 0000018-42.2014.8.26.0968, da Comarca de São Carlos, em que é MICHELLE

Leia mais

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores MOREIRA VIEGAS (Presidente) e JAMES SIANO. São Paulo, 6 de março de 2013.

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores MOREIRA VIEGAS (Presidente) e JAMES SIANO. São Paulo, 6 de março de 2013. Registro: 2013.0000126203 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 0029997-39.2011.8.26.0100, da Comarca de São Paulo, em que é apelante ANNA SPALLICCI, é apelado MARIO RENATO

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo Registro: 2014.0000422XXX ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº XXXXXX- XX.2008.8.26.0000, da Comarca de, em que são apelantes GUILHERME (Omitido) e outras, são apelados KLASELL

Leia mais

REGIME DE BENS NO NOVO CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO

REGIME DE BENS NO NOVO CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO 1 REGIME DE BENS NO NOVO CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO Cleiton Graciano dos Santos 1 RESUMO: Este artigo trata sobre o Regime de Bens no novo Código Civil brasileiro, apresentando os principais aspectos do assunto,

Leia mais

CONSULTA Nº 19/2010 PROTOCOLO 0068726/2010 CONSULENTE: ILMO. SR. ANTÔNIO DE SOUZA SOBRINHO OFICIAL DO CARTÓRIO DE PAZ E NOTAS DE GUIRATINGA/MT

CONSULTA Nº 19/2010 PROTOCOLO 0068726/2010 CONSULENTE: ILMO. SR. ANTÔNIO DE SOUZA SOBRINHO OFICIAL DO CARTÓRIO DE PAZ E NOTAS DE GUIRATINGA/MT CONSULTA Nº 19/2010 PROTOCOLO 0068726/2010 CONSULENTE: ILMO. SR. ANTÔNIO DE SOUZA SOBRINHO OFICIAL DO CARTÓRIO DE PAZ E NOTAS DE GUIRATINGA/MT PARECER Nº 416/2010 SENHOR CORREGEDOR: ANTÔNIO DE SOUZA SOBRINHO

Leia mais

1 I SABE LA GAMA DE MAGALHÃES Relatora

1 I SABE LA GAMA DE MAGALHÃES Relatora PODER ^JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRATICA REGISTRADO(A) SOB N *01849269* Vistos, relatados e ciscutidos estes autos de APELAÇÃO

Leia mais

Dados Básicos. Ementa. Íntegra

Dados Básicos. Ementa. Íntegra Dados Básicos Fonte: 1.196.992 Tipo: Acórdão STJ Data de Julgamento: 06/08/2013 Data de Aprovação Data não disponível Data de Publicação:22/08/2013 Estado: Mato Grosso do Sul Cidade: Relator: Nancy Andrighi

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR ACÓRDÃO

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR ACÓRDÃO Registro: 2013.0000227069 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Agravo de Instrumento nº 0051818-40.2013.8.26.0000, da Comarca de Barueri, em que é agravante ITAU UNIBANCO S/A, são agravados

Leia mais

Regime de Bens no Casamento. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Regime de Bens no Casamento. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Regime de Bens no Casamento Regime de Bens no Casamento Regime de bens é o conjunto de determinações legais ou convencionais, obrigatórios e alteráveis, que regem as relações patrimoniais entre o casal,

Leia mais

O DIREITO SUCESSÓRIO DO CÔNJUGE SEPARADO DE FATO

O DIREITO SUCESSÓRIO DO CÔNJUGE SEPARADO DE FATO O DIREITO SUCESSÓRIO DO CÔNJUGE SEPARADO DE FATO Valéria Edith Carvalho de Oliveira 1 Sumário: 1 Introdução. 2 O direito sucessório do cônjuge separado de fato. 3. O direito sucessório do cônjuge separado

Leia mais

SEÇÃO III DIREITO CIVIL E PROCESSUAL CIVIL SUBSEÇÃO I DIREITO CIVIL 1. ARTIGOS 1.1 SUCESSÃO LEGÍTIMA DO CÔNJUGE E DO COMPANHEIRO NO NOVO CÓDIGO CIVIL

SEÇÃO III DIREITO CIVIL E PROCESSUAL CIVIL SUBSEÇÃO I DIREITO CIVIL 1. ARTIGOS 1.1 SUCESSÃO LEGÍTIMA DO CÔNJUGE E DO COMPANHEIRO NO NOVO CÓDIGO CIVIL SEÇÃO III DIREITO CIVIL E PROCESSUAL CIVIL SUBSEÇÃO I DIREITO CIVIL 1. ARTIGOS 1.1 SUCESSÃO LEGÍTIMA DO CÔNJUGE E DO COMPANHEIRO NO NOVO CÓDIGO CIVIL DIMAS MESSIAS DE CARVALHO Promotor de Justiça no Estado

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Decisão sobre Repercussão Geral Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 9 19/09/2013 PLENÁRIO REPERCUSSÃO GERAL NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO 759.244 SÃO PAULO RELATOR RECTE.(S) ADV.(A/S) RECDO.(A/S) PROC.(A/S)(ES)

Leia mais

É a primeira classe a herdar. Não há limitação de grau para herdar. Regra do grau mais próximo exclui o mais remoto (art. 1833, CC) Filho 1 Filho 2

É a primeira classe a herdar. Não há limitação de grau para herdar. Regra do grau mais próximo exclui o mais remoto (art. 1833, CC) Filho 1 Filho 2 Sucessão dos Descendentes (art. 1833, CC) É a primeira classe a herdar. Não há limitação de grau para herdar. Regra do grau mais próximo exclui o mais remoto (art. 1833, CC) Filho 1 Filho 2 Neto 1 Neto

Leia mais

EMB. DECL. EM AC 333.188-CE (2002.81.00.013652-2/01). RELATÓRIO

EMB. DECL. EM AC 333.188-CE (2002.81.00.013652-2/01). RELATÓRIO RELATÓRIO 1. Trata-se de Embargos Declaratórios interpostos pela FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO VALE DO ACARAÚ- UVA, contra Acórdão da Segunda Turma deste TRF de fls. 526/528, nos autos de AC 333.188-CE,

Leia mais

O julgamento teve a participação dos Desembargadores BORIS KAUFFMANN (Presidente) e ELLIOT AKEL. São Paulo, 01 de junho de 2010.

O julgamento teve a participação dos Desembargadores BORIS KAUFFMANN (Presidente) e ELLIOT AKEL. São Paulo, 01 de junho de 2010. th.-,; V. pjúk-^i ** "i' ''" >*.. > ' * ' PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACORDAO/DECISÃO MONOCRÁTICA REGISTRADO(A) SOB N ACÓRDÃO I llllll MU llfll lllli

Leia mais

"** AGRAVO DE INSTRUMENTO n 685.328-5/1-00, da Cornar ca de SÃO. PAULO-FAZ PUBLICA, em que é agravante PREFEITURA MUNICIPAL DE

** AGRAVO DE INSTRUMENTO n 685.328-5/1-00, da Cornar ca de SÃO. PAULO-FAZ PUBLICA, em que é agravante PREFEITURA MUNICIPAL DE TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO 55 ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRATICA '2 ACÓRDÃO REGISTRADO(A) SOB N s mu *01385999* 2 Vistos, relatados e dlscutidos estes autos de "** AGRAVO

Leia mais

Vistos, relatados e discutidos estes autos de. APELAÇÃO CÍVEL SEM REVISÃO n 264.352-4/7-00, da Comarca de

Vistos, relatados e discutidos estes autos de. APELAÇÃO CÍVEL SEM REVISÃO n 264.352-4/7-00, da Comarca de PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRATICA ACÓRDÃO REGISTRADO(A) SOB N Vistos, relatados e discutidos estes autos de APELAÇÃO CÍVEL SEM

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.377.084 - MG (2013/0083914-0) RECORRENTE REPR. POR ADVOGADOS INTERES. : GERALDO SEBASTIÃO DA SILVA - ESPÓLIO : APARECIDA JOANA DA SILVA PAIVA - INVENTARIANTE : PAULO EDUARDO ALMEIDA

Leia mais

Faculdade de Direito da Alta Paulista

Faculdade de Direito da Alta Paulista PLANO DE ENSINO DISCIPLINA SÉRIE PERÍODO LETIVO CARGA HORÁRIA DIREITO CIVIL V (Direitos de família e das sucessões) QUINTA 2015 136 I EMENTA Direito de Família. Casamento. Efeitos jurídicos do casamento.

Leia mais

v.slpy PODER JUDICIÁRIO ACÓRDÃO "03080593*

v.slpy PODER JUDICIÁRIO ACÓRDÃO 03080593* XM7 v.slpy PODER JUDICIÁRIO DE ACÓRDÃO DE ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRÁTICA REGISTRADO(A) SOB N "03080593* Vistos, relatados e discutidos estes autos de Agravo de Instrumento n 994.09.259211-0, da Comarca de

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA E PROCURADORIAS NOTURNO Direito Civil Professor Murilo Sechieri Data: 02/10/2012 Aula 07 RESUMO. SUMÁRIO (continuação)

DEFENSORIA PÚBLICA E PROCURADORIAS NOTURNO Direito Civil Professor Murilo Sechieri Data: 02/10/2012 Aula 07 RESUMO. SUMÁRIO (continuação) Direito Civil Professor Murilo Sechieri Data: 02/10/2012 Aula 07 RESUMO SUMÁRIO (continuação) I. DIREITO DE FAMÍLIA 5. FILIAÇÃO 5.2. Tipos de reconhecimento 5.3. Ação investigatória de paternidade 5.3.1.

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO *02893136*

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO *02893136* ~\ PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRATICA REGISTRADO(A) SOB N *02893136* Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação

Leia mais

ACÓRDÃO. Salles Rossi RELATOR Assinatura Eletrônica

ACÓRDÃO. Salles Rossi RELATOR Assinatura Eletrônica fls. 1 ACÓRDÃO Registro: 2012.0000382774 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 0001561-08.2012.8.26.0562, da Comarca de Santos, em que é apelante PLANO DE SAÚDE ANA COSTA LTDA, é apelado

Leia mais

PONTO 1: Sucessões. I descendentes concorrendo com o cônjuge;

PONTO 1: Sucessões. I descendentes concorrendo com o cônjuge; 1 DIREITO CIVIL PONTO 1: Sucessões CONCORRÊNCIA NO NCC herdeiros. Art. 1829 do CC É a primeira vez que o código enfrenta a concorrência entre I descendentes concorrendo com o cônjuge; Indignidade: art.

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal RECURSO EXTRAORDINÁRIO 747.706 SANTA CATARINA RELATORA RECTE.(S) ADV.(A/S) RECDO.(A/S) PROC.(A/S)(ES) : MIN. CÁRMEN LÚCIA :VIGANDO SCHULZ : VITÓRIO ALTAIR LAZZARIS E OUTRO(A/S) :INSTITUTO NACIONAL DE SEGURO

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO Registro: 2016.0000028181 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Agravo de Instrumento nº 2231820-97.2015.8.26.0000, da Comarca de São Paulo, em que é agravante FACEBOOK SERVIÇOS ONLINE

Leia mais

ACORDAM NO TRIBUNAL DE ÚLTIMA INSTÂNCIA DA REGIÃO. A, casada no regime de comunhão geral de bens com B, requereu inventário

ACORDAM NO TRIBUNAL DE ÚLTIMA INSTÂNCIA DA REGIÃO. A, casada no regime de comunhão geral de bens com B, requereu inventário ACORDAM NO TRIBUNAL DE ÚLTIMA INSTÂNCIA DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU: I Relatório e factos provados A, casada no regime de comunhão geral de bens com B, requereu inventário facultativo por

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO Seção de Direito Privado 31ª CÂMARA ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO Seção de Direito Privado 31ª CÂMARA ACÓRDÃO Registro: 2011.0000128338 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 9091312-94.2006.8.26.0000, da Comarca de Nova Odessa, em que é apelante BANCO BMC S/A sendo apelado MASSA FALIDA

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SAO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRATICA REGISTRADO(A) SOB N

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SAO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRATICA REGISTRADO(A) SOB N TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SAO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRATICA REGISTRADO(A) SOB N PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação n 994.02.056078-1,

Leia mais

DIREITO CIVIL EXERCÍCIOS SUCESSÕES DISCURSIVAS:

DIREITO CIVIL EXERCÍCIOS SUCESSÕES DISCURSIVAS: DIREITO CIVIL EXERCÍCIOS SUCESSÕES DISCURSIVAS: 1. Capacidade para suceder é a aptidão da pessoa para receber os bens deixados pelo de cujus no tempo da abertura da sucessão. Considerando tal afirmação

Leia mais

CÍVEL Nº 70046905287 COMARCA DE PORTO ALEGRE EURO PARTICIPACOES LTDA. MUNICIPIO DE PORTO ALEGRE

CÍVEL Nº 70046905287 COMARCA DE PORTO ALEGRE EURO PARTICIPACOES LTDA. MUNICIPIO DE PORTO ALEGRE APELAÇÃO. DIREITO TRIBUTÁRIO. ITBI. LEI MUNICIPAL N. 197/1989. ALÍQUOTAS DIFERENCIADAS EM RAZÃO DE BENEFÍCIO FISCAL. AUSÊNCIA DE PROGRESSIVIDADE. A previsão contida na lei municipal de alíquotas diferenciadas

Leia mais

ACÓRDÃO li ii ii uni uni mu mii um um nu m

ACÓRDÃO li ii ii uni uni mu mii um um nu m TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRÁTICA 7 0 REGISTRADO(A) SOB N ACÓRDÃO li ii ii uni uni mu mii um um nu m Vistos, relatados e discutidos estes autos

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Os Negócios Jurídicos Da União Estável E Terceiros De Boa-fé Maíta Ponciano Os Casais que vivem união estável DOS NEGÓCIOS JURÍDICOS DA UNIÃO ESTÁVEL E TERCEIROS DE BOA-FÉ. Desde

Leia mais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais Número do 1.0024.14.148142-4/001 Númeração 0807534- Relator: Relator do Acordão: Data do Julgamento: Data da Publicação: Des.(a) Mariângela Meyer Des.(a) Mariângela Meyer 24/02/2015 06/03/2015 EMENTA:

Leia mais

CONSIDERAÇÕES ACERCA DO REGIME DE BENS E DO DIREITO DE CONCORRÊNCIA DO CÔNJUGE

CONSIDERAÇÕES ACERCA DO REGIME DE BENS E DO DIREITO DE CONCORRÊNCIA DO CÔNJUGE CONSIDERAÇÕES ACERCA DO REGIME DE BENS E DO DIREITO DE CONCORRÊNCIA DO CÔNJUGE Fernanda Garcia Escane Mestranda em Direito Civil comparado pela PUC/SP. Palestrante na Ordem dos Advogados do Brasil de Santo

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo ACÓRDÃO Registro: 2012.0000122121 Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 9074862-42.2007.8.26.0000, da Comarca de São José do Rio Preto, em que são apelantes PREFEITURA MUNICIPAL DE

Leia mais

Processos de Regularização de Imóveis

Processos de Regularização de Imóveis Processos de Regularização de Imóveis Prof. Weliton Martins Rodrigues ensinar@me.com www.vivadireito.net 5 5.1. Copyright 2013. Todos os direitos reservados. 1 2 A aquisição da propriedade é forma pela

Leia mais

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Paraná 2ª TURMA RECURSAL JUÍZO C

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Paraná 2ª TURMA RECURSAL JUÍZO C JUIZADO ESPECIAL (PROCESSO ELETRÔNICO) Nº201070500166981/PR RELATORA : Juíza Ana Carine Busato Daros RECORRENTE : WALDEMAR FIDELIS DE OLIVEIRA RECORRIDA : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL DECLARAÇÃO

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO DE SÃO PAULO DE SÃO PA) li o ACORDAO/DECISÃO MONOCRÁÍCA REGISTRADO(A) SOB N ACÓRDÃO llllll Illll lllll lllll lllll llin um um,.., Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação n 0138629-96.2010.8.26.0100,

Leia mais

PODER JUDICIáRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL FRANCISCO WILDO

PODER JUDICIáRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL FRANCISCO WILDO AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 116320/PB (0008159-67.2011.4.05.0000) AGRTE : MÁRIO CÉSAR CALIMAN ADV/PROC : LUCIANA PEREIRA ALMEIDA DINIZ AGRDO : CEF - CAIXA ECONÔMICA FEDERAL ADV/PROC : AURÉLIO HENRIQUE FERREIRA

Leia mais

1620874-40.2011.8.19.0004 RENATO LIMA DOS SANTOS

1620874-40.2011.8.19.0004 RENATO LIMA DOS SANTOS TRIBUNAL DE JUSTIÇA SEGUNDA CÂMARA CÍVEL Apelação Cível nº: 1620874-40.2011.8.19.0004 Apelante: RENATO LIMA DOS SANTOS Apelado: ESPÓLIO DE CARLOS ALBERTO DUTRA MARQUES REP/P/S/INV MAGDA IDALINA LIMA DOS

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRATICA "2 ACÓRDÃO REGISTRADO(A) SOB N

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRATICA 2 ACÓRDÃO REGISTRADO(A) SOB N TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO Q ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRATICA "2 ACÓRDÃO REGISTRADO(A) SOB N I IIIII *02261545*»»..52 Vistos, relatados e discutidos estes autos de *»

Leia mais

Sobre o regime de comunhão parcial de bens e o regime de separação convencional de bens e suas repercussões na sucessão do cônjuge supérstite

Sobre o regime de comunhão parcial de bens e o regime de separação convencional de bens e suas repercussões na sucessão do cônjuge supérstite Sobre o regime de comunhão parcial de bens e o regime de separação convencional de bens e suas repercussões na sucessão do cônjuge supérstite A predominância de uma posição mais solidária entre os membros

Leia mais

Sucessão que segue as regras da lei quando: DIREITO DAS SUCESSÕES

Sucessão que segue as regras da lei quando: DIREITO DAS SUCESSÕES DIREITO DAS SUCESSÕES I. SUCESSÃO EM GERAL II. SUCESSÃO LEGÍTIMA III. SUCESSÃO TESTAMENTÁRIA IV. INVENTÁRIO E PARTILHA SUCESSÃO LEGÍTIMA 1. Conceito 2. Parentesco 3. Sucessão por direito próprio e por

Leia mais