UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC CURSO DE NUTRIÇÃO BÁRBARA FAVARO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC CURSO DE NUTRIÇÃO BÁRBARA FAVARO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC CURSO DE NUTRIÇÃO BÁRBARA FAVARO ATENDIMENTO NUTRICIONAL A PRATICANTES DE EXERCÍCIOS FÍSICOS E ATLETAS: Avaliação dos Indicadores de Adiposidade Corpórea em Praticantes de Exercícios Físicos CRICIÚMA, JULHO DE 2010

2 BÁRBARA FAVARO ATENDIMENTO NUTRICIONAL A PRATICANTES DE EXERCÍCIOS FÍSICOS E ATLETAS: Avaliação dos Indicadores de Adiposidade Corpórea em Praticantes de Exercícios Físicos Trabalho de Conclusão de Curso, apresentado para obtenção do grau de Bacharel no curso de Nutrição da Universidade do Extremo Sul Catarinense, UNESC. Orientadora: Prof. ª MSc. Adriana Soares Lobo CRICIÚMA, JULHO DE 2010

3 2

4 3 DEDICATÓRIA Com imenso amor, dedico este trabalho que representa meu esforço e dedicação na busca pelo conhecimento, AOS MEUS PAIS, que muito fizeram e fazem para que eu me torne cada dia mais realizada e feliz.

5 4 AGRADECIMENTOS Agradeço primeiramente a Deus que iluminou o meu caminho e me deu forças para chegar ao final dessa jornada, não somente nesses anos como universitária mais em toda a minha vida. A você meu DEUS, muito obrigada, meu maior mestre. Aos meus pais Moacir Favaro e Maria Cladir Dal Pont Favaro, por acreditarem em mim. Vocês são responsáveis por todo sucesso obtido e cada degrau avançado em minha vida. Durante todos esses anos vocês foram pra mim um grande exemplo de força, coragem, perseverança e energia infinita para nunca desistir diante do primeiro obstáculo encontrado. Vocês são o meu maior porto seguro aqui embaixo, meu maior exemplo de vitória, meus heróis e simplesmente aqueles que mais amo. Obrigada por estarem sempre comigo e me ajudar durante essa caminhada a construir os alicerces de um futuro que começa agora. Obrigada Mãe por me fazer entender que o futuro é feito a partir da constante dedicação no presente. Obrigada pelos sacrifícios que você fez em razão da minha educação nos quais eu sei que não foram poucos, mas saiba que a tua história de superação me deu força e motivação para que hoje nós comemorássemos essa vitória. Obrigada novamente mãe, essa conquista é sua também! Agradeço a minha irmã Gabriela, pelo carinho e apoio. Pelos momentos compartilhados, tanto os bons quanto os ruins. Por me alegrar nos momentos de tristeza e simplesmente por existir. A orientadora professora Adriana Soares Lobo, pela paciência e dedicação na construção deste trabalho. Agradeço a todos os professores, por contribuirem ao longo do curso para minha formação acadêmica, aos quais, sem nomear, terão meu eterno agradecimento. A todos os colegas e amigos, que tive o prazer de conhecer, destacando minha amiga de infância Rafaela Angeloni pelo companheirismo, amizade, carinho e a todos que de alguma maneira me ajudaram a escrever esta pequena parte de minha história. A todos o meu MUITO OBRIGADA!

6 5 Que os vossos esforços desafiem as impossibilidades, lembrai-vos de que as grandes coisas do homem foram conquistadas do que parecia impossível. Charles Chaplin

7 6 RESUMO Diante da influência da quantidade de gordura corporal no estado de saúde e no desempenho esportivo dos praticantes de exercícios físicos é de suma importância a avaliação da composição corporal juntamente da classificação dos indicadores de adiposidade corpórea. Este estudo teve como objetivo avaliar indicadores de adiposidade corporal em praticantes de exercício físico atendidos por um projeto de extensão. O projeto de extensão denominado Atendimento nutricional a praticantes de exercícios físicos e atletas tem por finalidade prestar atendimento nutricional individual e em grupos a praticantes de exercícios físicos e atletas de diferentes modalidades e faixas etárias de Criciúma e região. Participaram do estudo 44 indivíduos adultos de ambos os sexos (23 homens e 21 mulheres com idades entre 18 e 60 anos) atendidos entre os períodos de outubro de 2008 a outubro de Para coleta dos dados utilizou-se uma ficha de anamnese com dados pessoais, antropométricos (peso, estatura, circunferência da cintura (CC)), percentual de gordura corporal (%GC), recordatório alimentar de 24 horas, dentre outros. Para análise dos dados foram realizados procedimentos de estatística descritiva (média, desvio padrão, valores máximos e mínimos), seguidos de teste de comparação de médias (teste T de Student para amostras independentes) e de associação (Qui- Quadrado), adotando-se como significância o valor de p<0,05. As modalidades mais praticadas foram musculação e atividades de academia (ginástica). Os dados foram tabulados em planilha do programa Excel. Para análise dos dados utilizou-se o pacote estatístico Statistical Package of Social Science - SPSS for Windows, versão Foram adotados procedimentos de estatística descritiva e realizados o teste T de Student (para comparação das variáveis entre os sexos) e o de Qui-quadrado (χ 2 ) e de Exato de Fisher (para verificar associação entre variáveis qualitativas). Adotouse como significância estatística o valor de p<0,05. Os indivíduos do sexo masculino apresentaram valores médios de peso, estatura, IMC e CC significativamente superiores aos encontrados no sexo feminino. Por sua vez, os valores médios de %GC mostram-se significativamente superiores no sexo feminino. A maioria dos avaliados (72,7%) encontra-se eutrófica quando avaliada pelo IMC. A maior parte dos praticantes de exercício físico (54,5%) apresentou %GC abaixo da média, quando se consideram os valores médios de 15% e 23% como ponto de corte para homens e mulheres. Também se observou que a maior parte da amostra (75%) foi classificada como tendo valores de CC adequados. Mais da metade da amostra (59,1%) dos avaliados apresentaram pelo menos um indicador de adiposidade corpórea elevado, sendo que o indicador mais frequente foi o %GC que se mostrou elevado em 45,5% dos avaliados, seguido do IMC que se apresentou elevado em 27,3% da amostra. Alguns apresentaram a combinação de dois ou mais indicadores elevados, sendo mais prevalente a combinação do IMC com %GC (22,7%). Observou-se uma associação estatisticamente significativa (p=0,006) entre IMC e %GC e entre IMC e CC (p=0,045).apesar de serem praticantes de exercícios físicos, os indivíduos avaliados apresentaram indicadores de adiposidade corporal elevados. Palavras-chave: Adiposidade corporal. Composição corporal. Exercício físico

8 7 LISTA DE TABELAS Tabela 1 - Pontos de corte e classificação do Índice de Massa Corporal (IMC) para adultos...22 Tabela 2 - Classificação do Percentual de Gordura Corporal (%GC) para adultos...25 Tabela 3 - Classificação dos valores de Circunferência da Cintura (CC) para adultos...26 Tabela 4 - Valores médios, de desvio padrão, mínimo e máximo da variável idade dos praticantes de exercício físico de Criciúma- SC...33 Tabela 5 - Modalidades esportivas praticadas pelos praticantes de exercício físico de Criciúma-SC...33 Tabela 6 - Valores médios, de desvio padrão, mínimo e máximo das variáveis antropométricas dos praticantes de exercício físico de Criciúma-SC...34 Tabela 7 - Classificação do Índice de Massa Corporal dos praticantes de exercício físico de Criciúma-SC...35 Tabela 8 - Classificação do Percentual de Gordura Corporal dos praticantes de exercício físico de Criciúma-SC...36 Tabela 9 - Classificação da Circunferência da Cintura dos praticantes de exercício físico de Criciúma-SC...38 Tabela 10 - Associação entre os indicadores IMC e %GC dos praticantes de exercício físico de Criciúma-SC...41 Tabela 11 - Associação entre os indicadores IMC e CC dos praticantes de exercícios físico de Criciúma-SC...41 Tabela 12 - Associação entre os indicadores %GC e CC dos praticantes de exercício físico de Criciúma-SC...42

9 8 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO PROBLEMA OBJETIVOS Objetivo Geral Objetivos Específicos JUSTIFICATIVA FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA EXERCÍCIO FÍSICO COMPOSIÇÃO CORPORAL Avaliação da Composição Corporal Indicadores de Adiposidade Corporal Indice de Massa Corporal (IMC) Percentual de Gordura Corporal (%GC) Circunferência da Cintura (CC) Projeto Programa de Atendimento a Praticantes de Exercícios Físicos e Atletas ASPÉCTOS METODOLÓGICOS ÂMBITO DO ESTUDO TIPO DO ESTUDO SUJEITOS ASPECTOS ÉTICOS MATERIAIS E MÉTODOS Instrumentos de coleta de dados Indicadores de adiposidade corpórea Índice de Massa Corporal (IMC) Percentual de Gordura Corporal (%GC) Circunferência da Cintura (CC) COLETA DE DADOS TRATAMENTO ESTATÍSTICO RESULTADOS E DISCUSSÃO CONCLUSÃO...43

10 9 REFERÊNCIAS...44 ANEXOS...50

11 10 1 INTRODUÇÃO 1.1 PROBLEMA A determinação da composição corporal tem grande importância na prática clínica e na avaliação de populações devido, principalmente, à associação da gordura corporal com diversas alterações metabólicas (REZENDE, 2006). Essa relação entre os diferentes componentes corporais com o estado de saúde das pessoas tem sido uma constante para profissionais de diversas áreas (HEYWARD; STOLARCZYK, 2000). Vários estudos demonstram que a quantidade de tecido adiposo e sua distribuição estão associadas a elevados valores de pressão arterial, dislipidemias, com concentrações elevadas de triglicerídeos e reduzidas de colesterol de alta densidade (HDL), intolerância à glicose e resistência insulínica, os quais contribuem para a elevação do risco cardiovascular (REZENDE, 2000). A monitorização da quantidade de gordura corporal e da prática da atividade física tem recebido grande notoriedade em aspectos relacionados à promoção da saúde, não apenas por suas ações isoladas na prevenção e no controle das doenças cardiovasculares, mas também, por induzirem alterações desejáveis em outros fatores de risco (GUEDES; GUEDES, 2006). Além disso, na pratica esportiva sabe-se que uma composição corporal favorável relaciona-se com o desempenho do atleta contribuindo para uma ótima performance, afetando na força, na agilidade e na aparência dos mesmos (AMERICAN COLLEGE OD SPORTS MEDICINE, 2000 apud CANDIA, 2007). Os níveis de gordura corporal ótimos variam de acordo com o esporte e até mesmo com a posição ou eventos específicos no mesmo esporte (MAUGHAN; BURKE, 2004). A avaliação da composição corporal e da quantidade de gordura pode ser realizada por meio de métodos diretos, indiretos e duplamente indiretos. O método direto é o único que mede as quantidades dos componentes corporais, e só é possível a partir da dissecação de cadáveres. Os métodos indiretos utilizam-se de princípios físicos ou químicos para a estimativa de um ou mais componentes corporais (COSTA, 2002).

12 11 Os métodos duplamente indiretos são os mais utilizados devido à maior acessibilidade para o dia-a-dia dos profissionais. Dentro desse podem ser citados a Antropometria (utilizando-se de medidas antropométricas) e a Impedância Bioelétrica (BIA) (utilizando-se da condutividade elétrica) (HEYWARD; STOLARCZYK, 2000). Dentro da Antropométricos pode-se citar o Índice de Massa Corporal (IMC), é um índice simples que relaciona peso e estatura e é amplamente utilizado para classificação do estado nutricional por de fácil acesso. O IMC analisa apenas a quantidade de massa corporal e não seus constituintes, por isso indivíduos com grande quantidade de massa muscular, comum em atletas, podem apresentam IMC acima da faixa de normalidade. Entretanto, estudos demonstram que excesso de massa corporal para determinada estatura associa-se com excesso de gordura corporal. Portanto, não se pode diagnosticar o estado nutricional e mensurar a quantidade de gordura corporal apenas pelo IMC (FONTANIVE; PAULA; PERES, 2007). O percentual de gordura corporal (%GC) representa a adiposidade corporal e deve ser sempre avaliado em uma avaliação do estado nutricional (NACIF; VIEBIG, 2008). Um dos métodos utilizados para a análise do %GC é a BIA que se trata de um método rápido e não invasivo (FONTANIVE; PAULA; PERES, 2007). A circunferência da cintura (CC) permite avaliar a distribuição central da gordura corporal, sendo uma medida qualitativa e não quantitativa. Atualmente, esta medida tem recebido importante atenção na avaliação do risco cardiovascular pelo fato de ser forte preditora da quantidade de gordura visceral, a principal responsável pelo aparecimento de alterações metabólicas e de doenças cardiovasculares (REZENDE, 2006). Sabendo da importância de bons indicadores de adiposidade corpórea para o desempenho físico e a saúde dos atletas, o curso de Nutrição da UNESC, que faz parte da Unidade Acadêmica da Saúde (UNASAU), desenvolveu de outubro de 2008 a dezembro de 2009 o projeto de extensão denominado Atendimento nutricional a praticantes de exercícios físicos e atletas. O projeto teve por objetivo prestar atendimento nutricional individual e em grupos à praticantes de exercícios físicos e atletas de diferentes modalidades e faixas etárias de Criciúma e de regiões vizinhas. As atividades do programa eram desenvolvidas no ambulatório de nutrição

13 12 da UNESC, contando com a participação de três bolsistas, dois voluntários e um professor do curso de Nutrição da instituição. A consulta ambulatorial incluía a aplicação de anamnese, avaliação do consumo alimentar e de suplementos alimentares, avaliação da composição corporal, orientação nutricional e prescrição nutricional com base nos objetivos dos praticantes de exercício físico. 1.2 OBJETIVOS Objetivo Geral Avaliar indicadores de adiposidade corporal em praticantes de exercício físico do projeto de extensão Atendimento nutricional a praticantes de exercícios físicos e atletas Objetivos Específicos Avaliar valores de Índice de Massa Corporal, percentual de gordura corporal e circunferência da cintura dos praticantes de exercício físico atendidos no projeto de extensão; Verificar a prevalência de indicadores de adiposidade corpórea elevados e verificar a associação com o sexo; Verificar se há associação entre os indicadores.

14 JUSTIFICATIVA É notável o interesse dos atletas em saber o tamanho, os constituintes corporais ideais e o que devem fazer para alcançar esse modelo, principalmente em esportes nos quais o peso corporal, a massa muscular e o nível de gordura corporal do atleta exercem efeito sobre o desempenho. Outros atletas estão motivados em melhorar a aparência, perdendo gordura corporal, ganhando massa muscular ou até mesmo preocupando-se com sua saúde (MAUGHAN; BURKE, 2004). Indicadores de adiposidade corporal como IMC, %GC, CC são importantes na avaliação da composição corporal de um indivíduo. O excesso de adiposidade é um indicador prejudicial e associa-se a uma maior suscetibilidade de uma variedade de disfunções crônico-degenerativas sendo que níveis elevados de gordura corporal associam-se fortemente com aumento do risco de desenvolver doenças cardiovasculares, diabetes mellitos, entre outras (GUEDES; GUEDES, 2003a). A avaliação da quantidade de gordura é valiosa também para a monitoração das características que promovem uma boa performance em determinados esportes (FONTANIVE; PAULA; PERES, 2007), sendo que algumas modalidades esportivas exigem percentuais de gordura relativamente baixos para potencializar o desempenho dos mesmos (GUEDES; GUEDES, 2006b). Entretanto, cabe ressaltar que níveis abaixo do limite de gordura corporal estão relacionados a distúrbios hormonais e metabólicos (NACIF; VIEBIG, 2008). A massa corporal total isolada não é um bom indicador do estado nutricional, principalmente para atletas, visto que o exercício físico proporciona modificações na composição corporal. Ao classificar um praticante de exercício físico apenas com a quantidade de massa corporal este pode ser classificado de forma errônea como tendo sobrepeso devido à grande quantidade de músculo (PEDROSA et al., 2005). Assim, constata-se a necessidade de associação entre os indicadores de adiposidade corporal em praticantes de exercícios físicos. Vale ressaltar a importância da quantificação e a manutenção dos constituintes que compõem a massa corporal, para que se possa identificar o verdadeiro estado nutricional desta população (HEYWARD; STOLARCZYK, 2000; PEDROSA et al., 2005).

15 14 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA 2.1 EXERCÍCIO FÍSICO Com o desenvolvimento científico e tecnológico advindo da revolução industrial e da revolução tecnológica nos deparamos com um elevado nível de estresse, ansiedade e principalmente o sedentarismo que compromete boa parte da população. Em função disso, o exercício físico passou a ser uma necessidade absoluta para o homem (MELLO et al., 2006). Mesmo apresentando alguns elementos em comum, a expressão exercício físico não deve ser utilizada com conotação idêntica a atividade física. Atividade física é qualquer movimento corporal produzido pela musculatura esquelética, que resulte em um gasto energético maior do que os níveis de repouso, enquanto que exercício físico é toda atividade física planejada, estruturada e repetitiva que tem por objetivo a melhoria e a manutenção da aptidão física, sendo considerado uma subcategoria da atividade física. Não obstante, em determinadas situações outras categorias da atividade física de nosso cotidiano podem, eventualmente, provocar adaptações positivas nos índices de aptidão física. No entanto, mesmo assim não devem se constituir como exercício físico. É o caso de algumas ocupações profissionais, de tarefas domésticas específicas ou outras atividades do dia a dia (DOMINGUES; ARAÚJO; GIGANTE, 2004). Conforme Maughan e Burke (2004), o programa de prescrição de exercício físico contempla três importantes componentes; intensidade, duração e freqüência. Este programa de deve possuir pelo menos três componentes; aeróbio, sobrecarga muscular e flexibilidade, a parte aeróbia do exercício deve ser feita, se possível, todos os dias, com duração mínima de 30 a 40 minutos, exercícios de sobrecarga muscular e flexibilidade devem ser realizados pelo menos duas a três vezes por semana, contemplando os principais grupos musculares e articulações, sendo que, se deve conciliar um máximo de benefício comum mínimo de risco de lesões ou complicações (CARVALHO et al., 1996). A saúde e a qualidade de vida podem ser aprimoradas e preservadas pela prática regular de atividade física. O sedentarismo é uma condição indesejável e representa alto risco para a saúde. A prática de exercício físico apresenta

16 15 interessantíssima relação custo/benefício onde os malefícios do sedentarismo superam em muito as eventuais complicações decorrentes da prática de exercício físico (CARVALHO et al., 1996). Atualmente muito se sabe sobre os benefícios do exercício físico, mas ainda existem muitas razões que levam à inatividade física, um dos possíveis fatores é o desconhecimento sobre as finalidades de cada exercício, como se exercitar, limitações de alguns grupos populacionais e percepções distorcidas ou insuficientes em relação aos benefícios do movimento (DOMINGUES; ARAÚJO; GIGANTE, 2004). Segundo Domingues, Araújo e Gigante (2004), o exercício físico pode ser um fator protetor para uma série de males, dentre os quais pode ser citado como principal a obesidade, onde a perda de peso se da em maior quantidade quando associada ao exercício físico. A inatividade física da vida moderna parece ser o maior fator etiológico do crescimento dessa doença nas sociedades industrializadas, afirmam Ciolac e Guimarães (2004). Estudos transversais e de intervenção têm demonstrado relação direta entre atividade física e sensibilidade à insulina, apontando que atletas possuem menores níveis de insulina e maior sensibilidade à insulina quando comparados aos seus congêneres sedentários (CIOLAC; GUIMARÃES, 2004). A prática regular de atividade física tem demonstrado eficácia para a prevenção e controle do diabetes tipo 2, assim como diminuição da incidência de diabetes tipo 2 em indivíduos com intolerância à glicose. Programas de exercício físico têm demonstrado ser eficientes no controle glicêmico de diabéticos, melhorando a sensibilidade à insulina e tolerância à glicose e diminuindo a glicemia sanguínea desses indivíduos (MANSON, 1999). A realização de exercícios físicos diários tem demonstrado efeitos benéficos sobre a pressão arterial em indivíduos de todas as idades, estudos revelam que praticantes de exercício físico apontam menores níveis de pressão arterial em repouso (CIOLAC; GUIMARÃES, 2004). Conforme Leandro (2002), o exercício físico provoca algumas alterações no sistema imune. Estudos têm evidenciado mudanças na concentração e na função de alguns componentes do sistema, evidências disponíveis demonstram que o exercício físico tem efeitos importantes na modulação sobre as células imunes e sua função.

17 16 Há evidências científicas consistentes nas quais comprovam que a prática regular de exercício físico traz amplos benefícios para a saúde física e mental. Apesar do reconhecimento dos benefícios da prática de exercício físico estar cada vez maior, um dos motivos que mais leva a pratica é o fato de que este pode influenciar de maneira positiva na composição corporal por meio de vários mecanismos, promovendo o aumento do gasto energético total, equilíbrio na oxidação dos macronutrientes e preservação da massa magra (MONTEIRO; RIETHER; BURINI, 2004). A associação entre exercícios físicos e redução do peso corporal é clara, afirmam Guedes e Guedes (2003c). Exercícios físicos regulares constituem-se no componente central dos programas de redução de peso corporal, induzindo adaptações favoráveis no controle de peso, uma vez que reduz a quantidade de gordura corporal e preserva a massa isenta de gordura. O grau de alteração da composição corporal depende do tipo de exercício, freqüência intensidade e duração do treinamento (HEYWARD; STOLARCZYK, 2000a). Dados de Fiatore (1998 apud Ferreira et al, 2003) apontam que sujeitos que se classificam como mais ativos apresentam valores mais baixos de índice de massa corporal, percentual de gordura e relação cintura/quadril que indivíduos sedentários pertencentes à mesma faixa etária. Estudos indicam que indivíduos fisicamente ativos têm também maior conteúdo mineral ósseo, massa muscular esquelética e densidade óssea comparados com seus correspondentes sedentários (HEYWARD; STOLARCZYK, 2000d). Segundo Kamel e Kamel (2003), os exercícios físicos exercem uma atuação global no organismo, principalmente ao nível metabólico, cardiovascular e psicológico. 2.2 COMPOSIÇÃO CORPORAL De acordo com Guedes e Guedes (2006b), a composição corporal referese ao fracionamento de peso corporal em seus diferentes componentes. Estes podem oferecer valiosas informações sobre o comportamento de indicadores

18 17 associados aos programas de controle de peso corporal e ao crescimento físico mediante intervenções de prática de exercícios físicos e dietéticas. Portanto, existe a necessidade de fracionar o peso corporal e seus diferentes componentes a fim de analisar, em detalhes, as adaptações ocorridas nas constituições de cada um deles. Considerando que os valores como um todo dependem de um aglomerado de componentes como ossos, músculos, gorduras, água e outros tecidos e elementos bioquímicos que, dependendo do tipo de atividade física e/ou da dieta alimentar desenvolvida, sofrem diferentes variações em suas constituições que não podem ser mensuradas unicamente através da medida de peso corporal (MONTEIRO; FILHO, 2002). Heyward e Stolarczyk (2000d) apontam que o uso de normas de pesoaltura pode levar a uma conclusão equivocada sobre os componentes corporais de um indivíduo, pois nesses casos pode ser que altos valores de peso corporal sejam resultantes de maior desenvolvimento muscular associados a uma sólida consistência óssea e não relacionado à excessiva quantidade de gordura. Em contrapartida nem sempre pode ser que um peso corporal adequado esteja sendo compensado por excessiva quantidade de gordura. Todavia, estudos evidenciam uma forte correlação entre o IMC e indicadores de quantidade de gordura corporal em indivíduos não-obesos, em indivíduos com quantidade consideravelmente maior de gordura o IMC é uma informação altamente associada à gordura corporal. Em vista disso, na falta de indicadores que indiquem a quantidade de gordura corporal, apesar de suas limitações metodológicas e conceituais, muitos profissionais têm preferência à utilizar o índice de massa corporal no diagnóstico e tratamento da obesidade (GUEDES; GUEDES, 2003a). A importância das medidas relacionadas à composição corporal acentuase ainda mais ao se levar em conta a significativa interação analisada entre a proporção de cada um dos componentes do peso corporal e a relação suprimentodemanda energética. Por isso, tanto em avaliados na fase adulta como na fase de crescimento físico e de maturação biológica, os métodos de avaliação mais recentes tendem a desconsiderar as medidas de peso corpóreo tratado de forma isolada, recorrendo-se invariavelmente às informações provenientes da composição corporal (GUEDES; GUEDES, 2006a).

19 18 Avaliar a composição corporal possui inúmeras utilidades, segundo Heyward e Stolarczyk (2000a). Com o conhecimento dos constituintes da composição corporal de um indivíduo podem ser identificados riscos à saúde associados a níveis altos ou baixos de gordura corporal, ao acúmulo de gordura intra-abdominal, monitorar mudanças na composição corporal associadas ao crescimento, desenvolvimento, maturação, idade e certas doenças, avaliar a eficiência de intervenções nutricionais e de exercícios físicos na alteração da composição corporal, estimar o peso corporal de atletas e não atletas, formular recomendações dietéticas e prescrição de exercícios físicos, entre outras. Desse modo, acredita-se que estudos sobre a composição corporal vão mais além do que simplesmente satisfazer a curiosidade de profissionais e pacientes, tornando-se um procedimento de enorme utilidade na avaliação e acompanhamento dos programas de atividade física, no aconselhamento dietético e nutricional, e também no diagnóstico dos índices de obesidade de um indivíduo (GUEDES; GUEDES, 2006b). Com objetivo de oferecer maior precisão à análise e interpretação dos diferentes componentes e suas implicações, considera-se a composição corporal sob um sistema de dois componentes: componente isento gordura (massa gorda) e componente isento de gordura (massa magra) ou massa livre de gordura (GUEDES; GUEDES, 2003b). O conceito relacionado à massa gorda consiste em todos os lipídeos corporais que possam ser extraídos do organismo, são representados pela gordura na qual está estocada no tecido adiposo, mais precisamente nos adipócitos na maior parte sob forma de triglicerídeos. (NACIF; VIEBIG, 2008a). Outras formas de lipídeos compreendem menos de 10% de toda a gordura corporal existente, entre elas os fosfolipídeos, esteróis e o colesterol (GUEDES; GUEDES, 2003a). Considerando a quantidade de lipídeos corporais entre homens e mulheres, observa-se que, nas mulheres adultas a quantidade de lipídeos aparece em maior proporção, aproximadamente quatro vezes maior em relação aos homens, em razão da necessidade de uma quantidade adicional de gordura caracterizada pelo próprio sexo feminino que vem a ser de grande importância biológica no processo de gestação e de outras funções hormonais típicas do sexo feminino (GUEDES; GUEDES, 2003a).

20 19 Conforme Nacif e Viebig (2008a), a massa livre de gordura é a parte do peso corporal formado pelos músculos, ossos, água, órgãos, e todos os tecidos não gordurosos, refere-se ao peso corporal, extraindo-se todo o seu conteúdo lipídico, inclusive os lipídeos essenciais. Sendo que a massa magra constitui-se por água, minerais e matéria orgânica, incluindo-se os lipídeos essenciais, ao se referir ao componente isento de gordura tudo indica que a massa magra seja a mais indicada. A quantidade de gordura corporal está associada à diversas alterações metabólicas, sendo confirmada a importância da determinação da composição corporal na parte clínica e na avaliação de populações. Vários estudos demonstram que a quantidade de tecido adiposo e sua distribuição estão associadas a elevados valores de pressão arterial, dislipidemias, triglicerídeos, valores reduzidos de colesterol de alta densidade (HDL), intolerância à glicose e resistência à insulina, os quais contribuem para a elevação do risco cardiovascular (REZENDE et al., 2006) Avaliação da Composição Corporal Diante da importância da avaliação da composição corporal e da influência da quantidade de gordura corporal no estado de saúde dos indivíduos, são necessários métodos capazes de avaliar de forma precisa e confiável a composição corpórea e a quantidade de gordura corporal em relação à massa total. Além disso, é de extrema importância a capacidade do avaliador de reproduzir as medidas, a padronização das técnicas e a utilização de instrumentos calibrados e precisos são fatores determinantes para a obtenção de dados confiáveis (REZENDE et al., 2006). Atualmente estão disponíveis variadas técnicas e métodos para a análise da composição corpórea, com diferentes níveis de precisão, custo e dificuldade de aplicação. Podem se empregar técnicas com procedimentos de determinação direta, indireta e duplamente indireta (GUEDES; GUEDES, 2006b). Os métodos diretos são considerados os mais precisos para a identificação dos componentes corporais, por avaliar tanto sua estrutura química (água, lipídeos, minerais, proteínas), quanto sua estrutura anatômica (tecido adiposo, massa muscular, ossos). Os métodos diretos envolvem a dissecação de cadáveres ou extração lipídica. Apesar da elevada precisão, a aplicação desse tipo

21 20 de método é completamente inviável, pois implica em incisões no corpo o que limita sua aplicação em laboratórios e cadáveres de humanos (NACIF; VIEBIG, 2008a). Conforme Guedes e Guedes (2006b), os métodos diretos são importantes por oferecerem suporte às demais técnicas de medida, mas são os procedimentos indiretos e duplamente indiretos que possibilitam analisar os componentes de gordura e de massa isenta de gordura. Os métodos indiretos são bastante empregados em estudos científicos envolvendo a análise da composição corporal e a validação de outros métodos. Os procedimentos indiretos são rigorosos e precisos, nestes são obtidas informações sobre as variáveis de domínio físico e químico, após essas análises desenvolvem-se estimativas dos componentes de gordura e de massa magra. Os recursos indiretos, embora mais rigorosos e precisos, apresentam limitações que impedem que sejam utilizados rotineiramente pelos profissionais que avaliam a composição corporal devido ao elevado custo dos equipamentos, bem como sua limitada aplicação prática (NACIF; VIEBIG, 2008b). As técnicas duplamente indiretas são as que apresentam maior aplicação prática devido à maior facilidade e viabilidade, por sua vez são menos rigorosas e precisas. Apesar da menor rigorosidade os métodos duplamente indiretos apresentam elevada relação com os recursos indiretos e quando levados em consideração determinados cuidados, produzem erros de estimativa em proporções aceitáveis (GUEDES; GUEDES, 2003b). Os métodos duplamente indiretos compreendem a antropometria e a impedância bioelétrica e são considerados os mais utilizados para a estimiativa dos componentes corporais (NACIF; VIEBIG, 2008b). A antropometria é um dos métodos de avaliação da composição corporal mais utilizado em estudos epidemiológicos, principalmente por ser uma técnica não invasiva, de fácil aplicação, baixo custo e aceitação universal (NAGAHAMA et al. apud NASCIMENTO; ALENCAR, 2007). Ela avalia a medida de tamanho e proporção do corpo humano, utilizando medidas de estatura, massa corpórea, espessura de dobras cutâneas, circunferências, largura dos ossos e comprimento de segmentos. Para avaliar o tamanho e as proporções do corpo a antropometria utiliza circunferências, espessura de dobras cutâneas, diâmetros ósseos além de avaliar a composição corporal total e regional de um indivíduo (HEYWARD; STOLARCZYK, 2000c).

22 21 Os índices antropométricos como Índice de Massa Corporal (IMC) e a relação entre a circunferência da cintura e do quadril, assim como a medida da circunferência abdominal, podem ser utilizados para identificar indivíduos susceptíveis a doenças que envolvem a composição corporal (HEYWARD; STOLARCZYK, 2000c). Dentre as medidas descritas anteriormente, a espessura de dobras cutâneas é a mais utilizada principalmente quando o objetivo é mensurar a densidade corporal e o percentual de gordura corpórea, por meio de fórmulas preditivas. (COSTA, 2002; GUEDES; GUEDES, 2000). A análise da composição corporal pelo método de impedância bioelétrica (BIA) baseia-se no princípio de que o tecido magro contém grande quantidade de água, em torno de 73% e eletrólitos, sendo assim, um bom condutor de corrente elétrica. A gordura, que possui pequena quantidade de água é um mal condutor (COSTA, 2002). Portanto, indivíduos com grande quantidade de tecido magro têm menos resistência ao fluxo de corrente elétrica em comparação aos que têm maior quantidade de gordura, confirmam Heyward e Stolarczyk (2000b). Dessa forma, um sistema tetrapolar que utiliza dois eletrodos, destes, dois na região dorsal da mão direita e dois na região dorsal do pé direito do avaliado farão com que uma corrente elétrica passe pelo corpo do indivíduo identificando os níveis de resistência à passagem da corrente. Com os valores obtidos é possível por meio de equações de regressão, estimar a quantidade de água corporal total e, por sua vez identificar a quantidade de gordura corporal do avaliado (COSTA, 2002). As equações utilizadas para predição de BIA são selecionadas baseadas em indicadores como: idade, sexo, nível de atividade física e nível de gordura corporal do avaliado (COSTA, 2002). A BIA é um método rápido, não invasivo, seguro e relativamente barato utilizado para avaliar a composição corporal em situações de campo e clínicas, sendo que o método de BIA pode ser mais adequado para mensurar a composição corporal em obesos do que o método de dobras cutâneas (COSTA, 2002; HEYWARD; STOLARCZYK, 2000b).

23 Indicadores de adiposidade corporal Índice de Massa Corporal (IMC) O IMC é um dos indicadores antropométricos mais utilizados na identificação de indivíduos em risco nutricional. Isso ocorre devido ao seu baixo custo, pequena variação intermedidor e em virtude da sua facilidade de aplicação (SAMPAIO; FIGUEIREDO, 2005). O IMC é uma estratégia proposta no século XIX por Quetelet para relacionar, matematicamente, o peso e a altura de um indivíduo. Para a obtenção deste índice, divide-se o peso corporal pela estatura em metros ao quadrado, em que o resultado é expresso em quilos por metro quadrado, ou seja, dá um indicativo da distribuição da massa corporal por área (RICARDO; ARAÚJO, 2002 apud SILVA; AÑEZ, 2006). A classificação do IMC é apresentada na Tabela 1. Tabela 1: Pontos de corte e classificação do Índice de Massa Corporal (IMC) para adultos. IMC Classificação Até 18,5 Baixo peso 18,5 24,9 Eutrofia 25-29,9 Sobrepeso 30 34,9 Obesidade Grau I 35 39,9 Obesidade Grau II 40 ou mais Obesidade Grau III Fonte: World Health Organization OMS (1997) É de extrema importância a diferenciação entre os termos sobrepeso e obesidade, embora relacionados, são termos distintos. Sobrepeso é considerado o aumento excessivo do peso corporal total, no qual pode ocorrer em conseqüência de modificações em seus constituintes (gordura, músculo, osso e água). A Obesidade refere-se especialmente ao aumento na quantidade de gordura em relação ao peso corporal, associado a elevados riscos à saúde (GUEDES; GUEDES, 2003a). Como o IMC não mede a composição corporal, conseqüentemente não expressa a quantidade de gordura corporal, fator importante na determinação de

24 23 risco de doenças cardiovasculares, hipertensão, diabetes e acidentes vasculares cerebrais. De qualquer forma, a relação entre o risco relativo de mortalidade total e o IMC tem sido identificada como uma curva em "U", assimétrico, sendo que o menor risco (a parte horizontal do U) fica aproximadamente no intervalo de IMC de 20 a 30 kg/m². Ou seja, os dois extremos de IMC estão associados com maior risco de morbidade e mortalidade (ANJOS, 1992). Vasconcelos (2007) ressalta a importância de se relacionar valores de IMC com outras medidas independentes de composição corporal, como a massa de gordura corporal (MGC) ou o percentual de gordura corporal (% GC). O IMC parece válido como indicador do estado nutricional em grupos de indivíduos, exceto os extremos da magreza e excesso de corpulência, observados em alguns seguimentos da população (atletas e/ou trabalhadores que desenvolvem grande massa muscular) que não podem considerá-lo como indicador do estado nutricional. Portanto, a utilização do IMC como forma de avaliar o estado nutricional e a composição corporal de praticantes de exercício físico deve ser feita de forma criteriosa, pois um atleta pode ser classificado de forma errônea como obeso, já que o IMC não considera separadamente o peso de ossos, músculos que estão aumentados em indivíduos treinados, por isso é importante que o IMC seja combinado com outros índices de medidas nos quais expressam as proporções dos componentes corporais (NACIF; VIEBIG, 2008c). Segundo Anjos (1992), apesar de não indicar a composição corporal, a facilidade de sua mensuração e a grande disponibilidade de dados de massa corporal e estatura, além da sua relação com morbi-mortalidade, são motivos suficientes para a utilização do como indicador do estado nutricional Percentual de gordura corporal - %GC A identificação da quantidade de gordura corporal é importante por diversos motivos, pode-se citar sua importância para identificar os riscos de saúde associados com o excesso ou falta de gordura corporal, com a quantidade de gordura corporal é possível analisar as mudanças na composição corporal associadas ao efeito de uma intervenção nutricional e de um programa de exercícios

25 24 físicos, estimar o peso ideal, acompanhar o crescimento, desenvolvimento, maturação e idade relacionando com mudanças na composição corporal assim como formular recomendações dietéticas e prescrição de exercícios (PETROSKI, 2007). A determinação da quantidade de gordura corporal, conforme descrita anteriormente, pode ser feita de diversas maneiras, destacando-se os métodos duplamente indiretos de antropometria e bioimpedância. Para a estimativa do %GC em adultos podem ser utilizadas diversas equações e fórmulas, essas generalizadas e constituídas a partir da somatória de dobras cutâneas (NACIF; VIEBIG, 2008b). O acúmulo excessivo de gordura corporal para determinada massa é considerado um fator de risco para diversas patologias como, diabetes, hipertensão e doença coronariana (RODRIGUES et al., 2001). Segundo Nacif e Viebig (2008b), mulheres apresentam maiores depósitos de gordura intramuscular e intermuscular e nos órgãos internos quando comparadas aos homens. Indivíduos de mais idade apresentam menores quantidades de gordura subcutânea em relação aos mais jovens. A mensuração de dobras cutâneas não é indicada para indivíduos obesos devido à dificuldade de aferição de medidas precisas e confiáveis. A gordura corporal, segundo Heyward e Stolarczyk (2000a), pode ser classificada no organismo humano sob duas formas. Primeiro: "gordura essencial", que consiste na gordura armazenada internamente nos principais órgãos, intestinos, músculos e nos tecidos ricos em lipídeos presentes no sistema nervoso central. Este tipo de gordura é indispensável para o funcionamento fisiológico satisfatório do organismo. Segundo: "gordura armazenada", a qual consiste na gordura estocada no tecido adiposo, internamente revestindo vários órgãos e em grande volume na camada de gordura subcutânea. Considera-se risco para a saúde homens e mulheres com percentual de gordura corporal igual ou acima da média recomendável. A gordura corporal tem papel importante na manutenção da saúde, por isso, valores abaixo do que é considerado mínimo também trazem riscos para a saúde do indivíduo, considerando particularmente que alguns atletas pelas exigências específicas e alto desempenho normalmente têm percentuais de gordura abaixo das recomendações da população em geral (homens: 5 a 13%; mulheres: 12 a 22%) (NAHAS, 2003).

26 25 A classificação dos valores de %GC foi feita segundo Lohman (1992 apud HEYWARD; STOLARCZYK, 2000d) é apresentada na Tabela 2: Tabela 2: Classificação do Percentual de Gordura Corporal (%GC) para adultos. Classificação Homens Mulheres Risco¹ <_5% <_ 8% Abaixo da Média 6-14% 9-22% Média 15% 23% Acima da média 16-24% 24-31% Risco² >_25% >_32% ¹ Risco de doenças e desordens associadas à desnutrição. ² Risco de doenças e associadas à obesidade. Fonte: Lohman (1992 apud HEYWARD; STOLARCZYK, 2000) A monitorização da quantidade de gordura corporal e da prática de exercícios físicos tem recebido grande notoriedade quando relacionados a aspectos de promoção à saúde, não apenas por suas ações isoladas na prevenção e controle de doenças cardiovasculares, mas também por participarem na alteração de outros fatores de risco assim como nos níveis de lipídeos plasmáticos e de pressão arterial (GUEDES; GUEDES, 1998) Circunferência da Cintura (CC) Medidas de circunferência corporal têm sido bastante utilizadas na antropometria de indivíduos. A partir dessas medidas é possível classificar os indivíduos de acordo com padrões populacionais, dentro de grupos etários e de gêneros além de servirem para mensurar a distribuição de gordura corporal (NACIF; VIEBIG, 2008b). Uma das circunferências ou perímetros mais avaliada é a circunferência da cintura, na qual serve como importante indicador de adiposidade subcutânea e visceral. A relação dessa circunferência com o perímetro do quadril trás importantes resultados, nos quais podem ser fortemente relacionados com predisposição individual a doenças como diabetes e doenças cardiovasculares (PETROSKI, 2007).

27 26 Segundo Petroski (2007), o propósito para a medição da circunferência da cintura (CC) é fornecer parâmetros para a indústria da moda e acompanhar variações na distribuição da gordura corporal em programas de treinamento. Para medir a CC, é necessário o emprego de uma fita antropométrica flexível que permita aplicar pressão constante sobre a superfície da pele durante toda a medição (GUEDES; GUEDES, 2003b). A reprodução das medidas da circunferência da cintura, em qualquer sitio, depende da habilidade do avaliador. Uma fonte bastante errônea é o posicionamento incorreto da fita antropométrica no corpo do avaliado, podendo superestimar a medida (MARTINS 2008). Contudo, a medição deve ser determinada paralelamente ao eixo longitudinal do corpo, aproximadamente dois cm acima da cicatriz umbilical (DUARTE, 2007). A classificação da circunferência da cintura segundo a OMS (1997) é apresentada na Tabela 3: Tabela 3: Classificação dos valores de Circunferência da Cintura (CC) para adultos. Circunferência da cintura Risco moderado Alto risco Homens 94cm 102cm Mulheres 80cm 88cm Fonte: OMS, PROJETO PROGRAMA DE ATENDIMENTO A PRATICANTES DE EXERCÍCIOS FÍSICOS E ATLETAS O projeto Programa de Atendimento a Praticantes de Exercícios físicos e Atletas pertence à UNESC - Universidade do Extremo Sul Catarinense. O mesmo surgiu como uma proposta referente ao oferecimento de atendimento nutricional a praticantes de exercícios físicos e atletas da região de Criciúma (SC). A divulgação do mesmo começou a ser realizada no mês de setembro de 2008, através de panfletos informativos, da mídia e do rádio (PEREIRA, 2009). Em outubro de 2008, o projeto começou a funcionar, neste ano participaram do programa uma média de 25 pessoas, em sua maioria homens (desde adolescente até adultos). As consultas do projeto eram contínuas, ou seja,

28 27 ilimitadas, quem tivesse interesse em participar só precisava agendar a consulta. Em fevereiro de 2009, o projeto retomou suas atividades atendendo novos participantes e algumas equipes de diferentes modalidades, entre elas: futebol, natação e futsal (PEREIRA, 2009). Conforme Pereira (209), o programa funcionava durante um dia da semana no período matutino, com algumas exceções atendendo no período noturno, onde os participantes tiveram a oportunidade de realizar consultas no ambulatório de nutrição, os quais eram atendidos por acadêmicos da própria universidade, as consultas eram realizadas da seguinte forma: Primeira consulta: era realizada uma anamnese com o paciente, onde eram obtidos dados de identificação, dados antropométricos, alguns dados sobre consumo alimentar, história pessoal e história familiar de doenças, e também realizado um inquérito alimentar. Por fim, o paciente recebia algumas orientações conforme os erros alimentares citados no inquérito e algumas dicas de alimentação saudável. O retorno era marcado para uma semana após a primeira consulta para a entrega da proposta de plano alimentar; Primeiro Retorno: nesta consulta o paciente recebia seu plano alimentar e orientações específicas da atividade física praticada. Neste primeiro retorno apenas peso e altura eram mensurados. E era marcada junto ao paciente a data do seu segundo retorno após um mês; Segundo Retorno: neste dia o paciente era novamente pesado, eram coletadas todas as suas medidas antropométricas e realizado um recordatório alimentar com o objetivo de saber se o mesmo estava ou não seguindo a dieta. Também eram reforçadas algumas orientações alimentares junto ao paciente, que poderia continuar com a dieta prescrita ou retornar ao ambulatório para receber uma nova dieta.

29 28 3 ASPECTOS METODOLÓGICOS 3.1 ÂMBITO DO ESTUDO O estudo faz parte das atividades do Projeto de Extensão intitulado Atendimento Nutricional á Praticantes de Exercícios Físicos e Atletas, que tem por objetivo prestar atendimento nutricional individual e em grupos à praticantes de exercícios físicos e atletas de diferentes modalidades e faixas etárias de Criciúma e região. No presente estudo são apresentados dados referentes aos indicadores de adiposidade de participantes engajados em programas de exercícios físicos. Os dados foram levantados das anamneses e avaliações realizadas durante os atendimentos ambulatoriais pelos estagiários do último ano do curso de Nutrição, com supervisão do professor (nutricionista). 3.2 TIPO DE ESTUDO O estudo caracterizou-se por ser do tipo descritivo documental, de corte transversal e abordagem quantitativa. Em uma pesquisa descritiva, os fatos são observados, registrados, analisados, classificados e interpretados, sem que o pesquisador interfira neles (ANDRADE, 2007). Portanto, o estudo descritivo pretende escrever com exatidão os fatos ou fenômenos de determinada realidade e exige do pesquisador uma série de informações sobre o que se deseja estudar (SANTOS, 1999 apud LEOPARDI, 2002). Quanto ao período de tempo, a pesquisa classifica-se como transversal, por possuir uma grande vantagem o tempo de realização ser extremamente curto, embora os dados coletados não apresentem o mesmo grau de fidedignidade da pesquisa longitudinal (APPOLINARIO, 2006).

30 29 A pesquisa preponderantemente quantitativa pressupõe a mensuração de variáveis predeterminadas, buscando verificar a explicar sua influência sobre outras variáveis. Centraliza sua busca em dados calculáveis, não se preocupando com exceções, mas com generalizações (APPOLINARIO, 2006). 3.3 SUJEITOS Para realização do estudo foram analisadas as fichas de anamnese dos 68 indivíduos adultos atendidos entre os períodos de outubro de 2008 a outubro de Como critérios de inclusão para participação na pesquisa foram considerados: idade entre 18 e 60 anos; não ser atleta competitivo e apresentar valores de IMC, CC e %GC na anamnese. Até outubro de 2009, havia participado do programa 68 indivíduos, dos quais 44 se enquadravam nos critérios de inclusão estabelecidos. 3.4 ASPECTOS ÉTICOS O projeto de extensão foi devidamente submetido ao Comitê de Ética em Pesquisa dessa Universidade, e incluía a realização de estudos com os dados levantados. A carta de aprovação se encontra em anexo (Anexo 2).

31 MATERIAIS E MÉTODOS Instrumento de coleta de dados Para coleta de dados foi utilizado uma ficha de anamnese (Anexo 1) aplicada pelo estagiário de nutrição, onde havia espaço para preenchimento de dados pessoais, história pessoal e familiar de doenças, dados antropométricos, preferências alimentares, aversões e intolerâncias aos alimentos, consumo de alimentos específicos (diet/light, frituras, doces...), consumo de suplementos, consumo de líquidos, local das refeições, exames bioquímicos e também havia espaço para preenchimento de um recordatório de 24 horas Indicadores de adiposidade corpórea Índice de Massa Corporal (IMC) Para obtenção do IMC todos os indivíduos participantes no projeto foram pesados e medidos. Na coleta do peso corporal foi utilizada uma balança antropométrica mecânica da marca Techline com capacidade de 180 kg, precisão de 100g. Os avaliados estavam sem calçados, apenas com roupas leves no corpo, sem adereços como: relógio, bolsa, casacos, chaves, carteiras entre outros acessórios. Na balança os pés se mantiveram dentro de toda área da balança, não podendo ter nenhuma parte para fora. Os avaliados encontravam-se em pé, na posição ereta, com os pés afastados à largura do quadril, com o peso dividido em ambos os pés, ombros descontraídos e braços soltos lateralmente. Quanto à estatura, a mesma foi aferida em metros, com auxílio de um estadiômetro da marca Sanny. Os praticantes de exercícios físicos estavam descalços, em posição ortostática, com as costas e a parte posterior dos joelhos encostados a parede e olhando para frente, o peso distribuído entre os dois pés e

32 31 com os braços soltos do lado do corpo, as mãos ficavam voltadas para a coxa. Os calcanhares estavam juntos tocando a haste vertical do estadiômetro. Para o cálculo do IMC dos praticantes de exercício físico foi considerado o peso em quilogramas e a estatura convertida de centímetros para metros (cm/100). O IMC foi calculado dividindo-se a massa corporal (peso) pela estatura ao quadrado. De posse dos valores de IMC, o mesmo foi classificado de acordo com a OMS (1997) Percentual de Gordura Corporal (%GC) O %GC dos indivíduos foi avaliado pelo método de bioimpedância, no mesmo dia dos dados antropométricos. Para tal, utilizou-se o aparelho de impedância bioelétrica Maltron, modelo BF900, para a quantificação do percentual d0 %GC de cada atleta. Cada participante do projeto foi instruído a seguir o protocolo para a realização da bioimpedância, a saber: não comer ou beber a menos de quatro horas do teste; não fazer exercícios a menos de doze horas do teste; urinar a menos de trinta minutos do teste; não consumir álcool a menos de 48 horas do teste; não tomar medicamentos diuréticos a menos de sete dias do teste; no caso das mulheres, não realizar o teste se perceberem retenção hídrica durante o período menstrual (HEYWARD; STOLARCZYK, 2002) Circunferência da Cintura (CC) A CC foi medida em centímetros, com auxílio de uma fita antropométrica flexível. Os avaliados estavam em posição ortostática, sem nenhuma roupa cobrindo a cintura, certificando que a fita esteja justa, mas não a ponto de comprimir sua pele, e esteja paralela ao solo. O ponto medido foi entre a ultima costela e a borda da crista ilíaca.

RESUMOS SIMPLES...156

RESUMOS SIMPLES...156 155 RESUMOS SIMPLES...156 156 RESUMOS SIMPLES CARNEIRO, NELSON HILÁRIO... 159 CARNEIRO, NELSON HILÁRIO... 157 CORTE, MARIANA ZANGIROLAME... 159 CORTE, MARIANA ZANGIROLAME... 157 GARCIA JUNIOR, JAIR RODRIGUES...

Leia mais

Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht. SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015

Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht. SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015 Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015 REDUÇÃO DE PESO E CIRCUNFERÊNCIA ABDOMINAL EM TRABALHADORES DA INDÚSTRIA

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA DE IDOSAS PARTICIPANTES DE GRUPOS DE ATIVIDADES FÍSICAS PARA A TERCEIRA IDADE Liziane da Silva de Vargas;

Leia mais

AVALIAÇÃO FÍSICA O QUE PODEMOS MEDIR? PRAZOS PARA REAVALIAÇÃO.

AVALIAÇÃO FÍSICA O QUE PODEMOS MEDIR? PRAZOS PARA REAVALIAÇÃO. AVALIAÇÃO FÍSICA Antes de iniciarmos qualquer atividade física é necessário realizar uma avaliação Física. Somente através de uma avaliação podemos : - Identificar a nossa condição inicial (check-up) -

Leia mais

INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS

INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS Ciliane Valerio

Leia mais

O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima

O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima Saúde mais próxima. Por causa de quem mais precisa. Saúde mais Próxima é um programa da

Leia mais

AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL

AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL NECESSIDADE DO MELHOR CONHECIMENTO EM ÁREAS COMO: CRESCIMENTO NORMAL, DESENVOLVIMENTO, EFEITOS DO EXERCÍCIO EM CRIANÇAS

Leia mais

Avaliaç o antropométrica de idosas participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade

Avaliaç o antropométrica de idosas participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade Vargas, Liziane da Silva de; Benetti, Chane Basso; Santos, Daniela Lopes dos Avaliaç o antropométrica de idosas participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade 10mo Congreso Argentino

Leia mais

INGESTÃO DIETÉTICA E COMPOSIÇÃO CORPORAL DE DANÇARINAS DA UFPA (BELÉM PA).

INGESTÃO DIETÉTICA E COMPOSIÇÃO CORPORAL DE DANÇARINAS DA UFPA (BELÉM PA). INGESTÃO DIETÉTICA E COMPOSIÇÃO CORPORAL DE DANÇARINAS DA UFPA (BELÉM PA). GLEICIANE MARTINS GOMES ADRIANA MOURA DOS SANTOS JOSEANA MOREIRA ASSIS RIBEIRO FERNANDO VINÍCIUS FARO REIS JÚLIO ALVES PIRES FILHO

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS DIABETES MELLITUS Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS Segundo a Organização Mundial da Saúde, existem atualmente cerca de 171 milhões de indivíduos diabéticos no mundo.

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE A COMPOSIÇÃO CORPORAL DE HOMENS TREINADOS E DESTREINADOS Aristófanes Lino Pinto de Sousa David Marcos Emérito de Araújo

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE A COMPOSIÇÃO CORPORAL DE HOMENS TREINADOS E DESTREINADOS Aristófanes Lino Pinto de Sousa David Marcos Emérito de Araújo ESTUDO COMPARATIVO ENTRE A COMPOSIÇÃO CORPORAL DE HOMENS TREINADOS E DESTREINADOS Aristófanes Lino Pinto de Sousa David Marcos Emérito de Araújo RESUMO: O presente estudo compara a composição corporal

Leia mais

Prescrição Dietética

Prescrição Dietética Prescrição Dietética Quantitativo Cálculo de Dietas Cálculo de dietas estimar as necessidades energéticas de um indivíduo (atividade física, estágio da vida e composição corporal) Necessidades energéticas

Leia mais

Projeto Ação Social. Relatório equipe de Nutrição Responsável pelos resultados: Vanessa de Almeida Pereira, Graduanda em Nutrição.

Projeto Ação Social. Relatório equipe de Nutrição Responsável pelos resultados: Vanessa de Almeida Pereira, Graduanda em Nutrição. Projeto Ação Social Relatório equipe de Nutrição Responsável pelos resultados: Vanessa de Almeida Pereira, Graduanda em Nutrição. Objetivo Geral: A equipe de Nutrição teve por objetivo atender aos pacientes

Leia mais

A SAÚDE DO OBESO Equipe CETOM

A SAÚDE DO OBESO Equipe CETOM A SAÚDE DO OBESO Dr. Izidoro de Hiroki Flumignan Médico endocrinologista e sanitarista Equipe CETOM Centro de Estudos e Tratamento para a Obesidade Mórbida. Diretor do Instituto Flumignano de Medicina

Leia mais

AÇÕES EDUCATIVAS COM UNIVERSITÁRIOS SOBRE FATORES DE RISCO PARA SÍNDROME METABÓLICA

AÇÕES EDUCATIVAS COM UNIVERSITÁRIOS SOBRE FATORES DE RISCO PARA SÍNDROME METABÓLICA AÇÕES EDUCATIVAS COM UNIVERSITÁRIOS SOBRE FATORES DE RISCO PARA SÍNDROME METABÓLICA Reângela Cíntia Rodrigues de Oliveira Lima UFPI/cynthiast_89@hotmail.com Gislany da Rocha Brito - UFPI/gislanyrochasj@hotmail.com

Leia mais

19/08/2014 AVALIAÇÃO DA COMPOSIÇÃO CORPORAL: PRINCÍPIOS, MÉTODOS E APLICAÇÕES

19/08/2014 AVALIAÇÃO DA COMPOSIÇÃO CORPORAL: PRINCÍPIOS, MÉTODOS E APLICAÇÕES AVALIAÇÃO DA COMPOSIÇÃO CORPORAL: PRINCÍPIOS, MÉTODOS E APLICAÇÕES 1 FRACIONAMENTO DA COMPOSIÇÃO CORPORAL (04 COMPONENTES) GORDURA CORPORAL MASSA ÓSSEA MASSA MUSCULAR RESÍDUOS FRACIONAMENTO DA COMPOSIÇÃO

Leia mais

EXERCÍCIO E DIABETES

EXERCÍCIO E DIABETES EXERCÍCIO E DIABETES Todos os dias ouvimos falar dos benefícios que os exercícios físicos proporcionam, de um modo geral, à nossa saúde. Pois bem, aproveitando a oportunidade, hoje falaremos sobre a Diabetes,

Leia mais

VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA LIGA DE DIABETES ÂNGELA MENDONÇA

VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA LIGA DE DIABETES ÂNGELA MENDONÇA VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA ÂNGELA MENDONÇA LIGA DE DIABETES A intervenção nutricional pode melhorar o controle glicêmico. Redução de 1.0 a 2.0% nos níveis de hemoglobina

Leia mais

Reeducação Alimentar na prevenção da Obesidade Professores: Ivo André Polônio; Edi Carlos Iacida; Ângela Cesira Maran Pilquevitch; Silvia Trevisan;

Reeducação Alimentar na prevenção da Obesidade Professores: Ivo André Polônio; Edi Carlos Iacida; Ângela Cesira Maran Pilquevitch; Silvia Trevisan; 1 Reeducação Alimentar na prevenção da Obesidade Professores: Ivo André Polônio; Edi Carlos Iacida; Ângela Cesira Maran Pilquevitch; Silvia Trevisan; Janaina Lopes; Eveline Batista Rodrigues; Cristiane

Leia mais

Saúde: Possivelmente, se perguntarmos a todos os nossos amigos e familiares quais são seus desejos para uma vida satisfatória...

Saúde: Possivelmente, se perguntarmos a todos os nossos amigos e familiares quais são seus desejos para uma vida satisfatória... Atualmente, verificamos em programas de TV, nas revistas e jornais e em sites diversos na internet, uma grande quantidade de informações para que as pessoas cuidem da sua saúde. Uma das recomendações mais

Leia mais

TRANSPLANTE DE CÉLULAS TRONCO HEMATOPOÉTICAS AVALIAÇÃO NUTRICIONAL POR MEIO DE ANÁLISE DE BIOIMPEDÂNCIA ELÉTRICA. Kátia Baluz

TRANSPLANTE DE CÉLULAS TRONCO HEMATOPOÉTICAS AVALIAÇÃO NUTRICIONAL POR MEIO DE ANÁLISE DE BIOIMPEDÂNCIA ELÉTRICA. Kátia Baluz TRANSPLANTE DE CÉLULAS TRONCO HEMATOPOÉTICAS AVALIAÇÃO NUTRICIONAL POR MEIO DE ANÁLISE DE BIOIMPEDÂNCIA ELÉTRICA Kátia Baluz Transplantes realizados no CEMO/INCA Fonte: Ministério da Saúde - INCA. TRANSPLANTE

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ATLETAS DA SELEÇÃO GOIANA DE JUDÔ: ATIVIDADE DO ATENDIMENTO NUTRICIONAL 1

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ATLETAS DA SELEÇÃO GOIANA DE JUDÔ: ATIVIDADE DO ATENDIMENTO NUTRICIONAL 1 AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ATLETAS DA SELEÇÃO GOIANA DE JUDÔ: ATIVIDADE DO ATENDIMENTO NUTRICIONAL 1 LEITE, Raíssa Moraes 1 ; FRANCO, Lana Pacheco 2 ; SOUZA, Isabela Mesquita 3 ; ALVES, Ana Gabriella Pereira

Leia mais

Programa de Controle de Peso Corporal

Programa de Controle de Peso Corporal 15 Programa de Controle de Peso Corporal Denis Marcelo Modeneze Mestre em Educação Física na Área de Atividade Física, Adaptação e Saúde na UNICAMP principal objetivo de desenvolver este tema com os alunos

Leia mais

CAUSAS E CONSEQUÊNCIAS DA OBESIDADE

CAUSAS E CONSEQUÊNCIAS DA OBESIDADE 01 CAUSAS E CONSEQUÊNCIAS DA OBESIDADE A obesidade é uma doença crónica que se caracteriza pelo excesso de gordura corporal e que atinge homens, mulheres e crianças de todas as etnias e idades. A sua prevalência

Leia mais

ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA

ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA Obesidade 300 mil mortes / ano; 100 bi dólares / ano; O excesso de peso (IMC >25) acomete de 15% a 60% da população de todos os países civilizados. EUA...

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES DOS FREQUENTADORES DE PARQUES DA CIDADE DE SÃO PAULO

AVALIAÇÃO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES DOS FREQUENTADORES DE PARQUES DA CIDADE DE SÃO PAULO Ciências da Vida - Nutrição AVALIAÇÃO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES DOS FREQUENTADORES DE PARQUES DA CIDADE DE SÃO PAULO Fernanda Cristina Guevara 1 Camila Maria Melo 2 Tatiane Vanessa

Leia mais

Sistema de Avaliação, Motivação e Prescrição de Treinamento

Sistema de Avaliação, Motivação e Prescrição de Treinamento Sistema de Avaliação, Motivação e Prescrição de Treinamento Nome: WALMAR DE HOLANDA CORREA DE ANDRADE Matrícula: 004905 Sexo: Masculino Data Avaliação Funcional: Idade: 31 anos Professor: Email: EURIMAR

Leia mais

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Evolução dos Fatores de Risco para Doenças Crônicas e da prevalência do Diabete Melito e Hipertensão Arterial na população brasileira: Resultados do VIGITEL 2006-2009 Luiz Augusto Carneiro Superintendente

Leia mais

SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO...

SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO... 2 SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO...12 OUTROS HÁBITOS SAUDÁVEIS...14 ATIVIDADE FÍSICA...14 CUIDADOS

Leia mais

Health Care & Human Care

Health Care & Human Care Health Care & Human Care O sistema ideal para cuidar da saúde e bem-estar A tecnologia BIA criou um novo standard Liderar a nova tecnologia proporciona resultados precisos em que pode confiar - Composição

Leia mais

saúde Sedentarismo Os riscos do Saiba as causas e consequências de ficar parado e mexa-se!

saúde Sedentarismo Os riscos do Saiba as causas e consequências de ficar parado e mexa-se! saúde Sinal Canal de Comunicação da Sistel para os Usuários de Saúde Ano I - Nº 4 - Dezembro 2014 Os riscos do Sedentarismo Saiba as causas e consequências de ficar parado e mexa-se! O sedentarismo é resultado

Leia mais

Jorge Storniolo. Henrique Bianchi. Reunião Locomotion 18/03/2013

Jorge Storniolo. Henrique Bianchi. Reunião Locomotion 18/03/2013 Jorge Storniolo Henrique Bianchi Reunião Locomotion 18/03/2013 Histórico Conceito Cuidados Protocolos Prática Antiguidade: Gregos e egípcios estudavam e observavam as relações de medidas entre diversas

Leia mais

4.6 Análise estatística

4.6 Análise estatística 36 4.6 Análise estatística Na análise dos dados, foi utilizado o programa estatístico SPSS, versão 11.5 (Windows). Inicialmente, apresentou-se o resultado geral do grupo dos adolescentes obesos e de eutróficos,

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINAS DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Uyeda, Mari*

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINAS DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Uyeda, Mari* AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINAS DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Uyeda, Mari* Resumo: Vasconcellos, Jorge** As mudanças ocorridas em nosso pais, principalmente a crescente modernização e urbanização,

Leia mais

Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013)

Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013) CHAMADA MCTI-CNPq/MDS-SAGI Nº 24/2013 DESENVOLVIMENTO SOCIAL Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013) TEMA 4: SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL

Leia mais

A criança, o adolescente e a prática de atividades físicas

A criança, o adolescente e a prática de atividades físicas Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira A criança, o adolescente e a prática de atividades físicas A juventude americana não participa de

Leia mais

1 Aluno Curso de Educação Física,UFPB 2 Professor Departamento de Educação Física, UFPB 3 Professor Departamento de Biofísica e Fisiologia, UFPI

1 Aluno Curso de Educação Física,UFPB 2 Professor Departamento de Educação Física, UFPB 3 Professor Departamento de Biofísica e Fisiologia, UFPI ATUALIZAÇÃO DE CARGAS EM TREINAMENTO DE HIPERTROFIA DE MULHERES PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO Pablo Rebouças Marcelino 1 Filipe Antonio de Barros Sousa 1 Anielle Chaves de Araujo 1 Alexandre Sérgio Silva 2

Leia mais

Ginástica Laboral como Meio de Promoção da Qualidade de Vida no Trabalho

Ginástica Laboral como Meio de Promoção da Qualidade de Vida no Trabalho 6 Ginástica Laboral como Meio de Promoção da Qualidade de Vida no Trabalho José Cicero Mangabeira Da Silva Gestor Em Recursos Humanos - Anhanguera Educacional - Campinas-SP Especialista Em Gestão Da Qualidade

Leia mais

INDICE ANTROPOMÉTRICO-NUTRICIONAL DE CRIANÇAS DE BAIXA RENDA INCLUSAS EM PROGRAMAS GOVERNAMENTAIS

INDICE ANTROPOMÉTRICO-NUTRICIONAL DE CRIANÇAS DE BAIXA RENDA INCLUSAS EM PROGRAMAS GOVERNAMENTAIS INDICE ANTROPOMÉTRICO-NUTRICIONAL DE CRIANÇAS DE BAIXA RENDA INCLUSAS EM PROGRAMAS GOVERNAMENTAIS Carla Andréa Metzner 1 Ana Paula Falcão 2 RESUMO No presente trabalho coletou-se dados referente ao Indicador

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DA GORDURA CORPORAL EM HOMENS E MULHERES QUE FREQUENTAM ACADEMIAS EM TERESINA PI Francisco Avelar Lopes

DISTRIBUIÇÃO DA GORDURA CORPORAL EM HOMENS E MULHERES QUE FREQUENTAM ACADEMIAS EM TERESINA PI Francisco Avelar Lopes DISTRIBUIÇÃO DA GORDURA CORPORAL EM HOMENS E MULHERES QUE FREQUENTAM ACADEMIAS EM TERESINA PI Francisco Avelar Lopes RESUMO: Esta pesquisa teve como objetivo a análise da distribuição de gordura em homens

Leia mais

O IMPACTO DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NO AUMENTO DA FLEXIBILIDADE

O IMPACTO DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NO AUMENTO DA FLEXIBILIDADE O IMPACTO DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NO AUMENTO DA FLEXIBILIDADE UM ESTUDO QUANTO À APLICABILLIDADE DO PROGRAMA PARA COLETORES DE LIXO DO MUNICÍPIO DE NITERÓI ALESSANDRA ABREU LOUBACK, RAFAEL GRIFFO

Leia mais

Disciplina: FISIOLOGIA CELULAR CONTROLE DA HOMEOSTASE, COMUNICAÇÃO E INTEGRAÇÃO DO CORPO HUMANO (10h)

Disciplina: FISIOLOGIA CELULAR CONTROLE DA HOMEOSTASE, COMUNICAÇÃO E INTEGRAÇÃO DO CORPO HUMANO (10h) Ementário: Disciplina: FISIOLOGIA CELULAR CONTROLE DA HOMEOSTASE, COMUNICAÇÃO E INTEGRAÇÃO DO CORPO HUMANO (10h) Ementa: Organização Celular. Funcionamento. Homeostasia. Diferenciação celular. Fisiologia

Leia mais

Atividade Física e Saúde na Escola

Atividade Física e Saúde na Escola Atividade Física e Saúde na Escola *Eduardo Cardoso Ferreira ** Luciano Leal Loureiro Resumo: Atividade física pode ser trabalhada em todas as idades em benefício da saúde. O objetivo do artigo é conscientizar

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias EFEITO DE UM PROTOCOLO DE EXERCÍCIOS FÍSICOS SOBRE O ÍNDICE DE MASSA CORPORAL E CIRCUNFERÊNCIA DA CINTURA EM ADULTOS COM SÍNDROME

Leia mais

Comportamento Da Pressão Arterial De Jovens Normotensos Após Realização Dos Testes De 1rm E 10rm

Comportamento Da Pressão Arterial De Jovens Normotensos Após Realização Dos Testes De 1rm E 10rm Comportamento Da Pressão Arterial De Jovens Normotensos Após Realização Dos Testes De 1rm E 10rm Siomara F. M. de Araújo; Dyego F. Facundes; Erika M. Costa; Lauane L. Inês; Raphael Cunha. siomarafma@hotmail.com

Leia mais

Saúde da mulher em idade fértil e de crianças com até 5 anos de idade dados da PNDS 2006

Saúde da mulher em idade fértil e de crianças com até 5 anos de idade dados da PNDS 2006 Saúde da mulher em idade fértil e de crianças com até 5 anos de idade dados da PNDS 2006 José Cechin Superintendente Executivo Francine Leite Carina Burri Martins Esse texto compara as morbidades referidas

Leia mais

ANALISE COMPARATIVA DA COMPOSIÇÃO CORPORAL DE POLICIAIS MILITARES RECÉM-ADMITIDOS COM MILITARES COM MAIS DE 10 ANOS DE CARREIRA DO 2º BPM DA PARAÍBA

ANALISE COMPARATIVA DA COMPOSIÇÃO CORPORAL DE POLICIAIS MILITARES RECÉM-ADMITIDOS COM MILITARES COM MAIS DE 10 ANOS DE CARREIRA DO 2º BPM DA PARAÍBA ANALISE COMPARATIVA DA COMPOSIÇÃO CORPORAL DE POLICIAIS MILITARES RECÉM-ADMITIDOS COM MILITARES COM MAIS DE 10 ANOS DE CARREIRA DO 2º BPM DA PARAÍBA Analisando o estilo de vida de algumas pessoas, constatou-se

Leia mais

TÍTULO: A GINÁSTICA LABORAL RELACIONADA À QUALIDADE DE VIDA NO AMBIENTE DE TRABALHO

TÍTULO: A GINÁSTICA LABORAL RELACIONADA À QUALIDADE DE VIDA NO AMBIENTE DE TRABALHO TÍTULO: A GINÁSTICA LABORAL RELACIONADA À QUALIDADE DE VIDA NO AMBIENTE DE TRABALHO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: EDUCAÇÃO FÍSICA INSTITUIÇÃO: FACULDADES INTEGRADAS PADRE

Leia mais

AT I. ACADEMIA DA TERCEIRA IDADE Melhor, só se inventarem o elixir da juventude. Uma revolução no conceito de promoção da saúde.

AT I. ACADEMIA DA TERCEIRA IDADE Melhor, só se inventarem o elixir da juventude. Uma revolução no conceito de promoção da saúde. AT I ACADEMIA DA TERCEIRA IDADE Melhor, só se inventarem o elixir da juventude. Uma revolução no conceito de promoção da saúde. Maringá é integrante da Rede de Municípios Potencialmente Saudáveis e não

Leia mais

EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt

EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt Resumo O objetivo deste estudo foi analisar a realização de dois treinamentos

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA, APTIDÃO FÍSICA, SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA

ATIVIDADE FÍSICA, APTIDÃO FÍSICA, SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA ATIVIDADE FÍSICA, APTIDÃO FÍSICA, SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA Revolução industrial Antes da revolução industrial as pessoas eram mais ativas porque viviam constantemente se movimentando no trabalho na escola,

Leia mais

PALAVRAS CHAVE Diabetes mellitus tipo 2, IMC. Obesidade. Hemoglobina glicada.

PALAVRAS CHAVE Diabetes mellitus tipo 2, IMC. Obesidade. Hemoglobina glicada. 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA AVALIAÇÃO

Leia mais

Em pleno novo milênio nossa sociedade aparece com uma

Em pleno novo milênio nossa sociedade aparece com uma 8 Epidemiologia da Atividade Física & Doenças Crônicas: Diabetes Dênis Marcelo Modeneze Graduado em Educação Física Mestre em Educação Física na Área de Atividade Física, Adaptação e Saúde-UNICAMP Em pleno

Leia mais

SESI Apresenta. Atendimento Clínico Nutricional. Um case de sucesso do Programa Alimentação Saudável na Indústria

SESI Apresenta. Atendimento Clínico Nutricional. Um case de sucesso do Programa Alimentação Saudável na Indústria SESI Apresenta Atendimento Clínico Nutricional Um case de sucesso do Programa Alimentação Saudável na Indústria Alimentação Saudável na Indústria Hipertensão, diabetes e obesidade são fatores que interferem

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS PARATLETAS FREQUENTADORES DE UMA ASSOCIAÇÃO PARADESPORTIVA DE MARINGÁ, PARANÁ

CARACTERIZAÇÃO NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS PARATLETAS FREQUENTADORES DE UMA ASSOCIAÇÃO PARADESPORTIVA DE MARINGÁ, PARANÁ CARACTERIZAÇÃO NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS PARATLETAS FREQUENTADORES DE UMA ASSOCIAÇÃO PARADESPORTIVA DE MARINGÁ, PARANÁ Débora de Moura¹; Débora Augusto Sampaio²; Geziane Deldoto 2 ; Sonia Maria Marques

Leia mais

CORRELAÇÃO DA INSUFICIÊNCIA RENAL E ANEMIA EM PACIENTES NORMOGLICEMICOS E HIPERGLICEMICOS EM UM LABORATÓRIO DA CIDADE DE JUAZEIRO DO NORTE, CE

CORRELAÇÃO DA INSUFICIÊNCIA RENAL E ANEMIA EM PACIENTES NORMOGLICEMICOS E HIPERGLICEMICOS EM UM LABORATÓRIO DA CIDADE DE JUAZEIRO DO NORTE, CE CORRELAÇÃO DA INSUFICIÊNCIA RENAL E ANEMIA EM PACIENTES NORMOGLICEMICOS E HIPERGLICEMICOS EM UM LABORATÓRIO DA CIDADE DE JUAZEIRO DO NORTE, CE Janaína Esmeraldo Rocha, Faculdade Leão Sampaio, janainaesmeraldo@gmail.com

Leia mais

Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança

Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança Projecto Mexa-se em Bragança Organização: Pedro Miguel Queirós Pimenta Magalhães E-mail: mexaseembraganca@ipb.pt Web: http://www.mexaseembraganca.ipb.pt

Leia mais

Entendendo a lipodistrofia

Entendendo a lipodistrofia dicas POSITHIVAS Entendendo a lipodistrofia O que é a lipodistrofia? Lipodistrofia é quando o corpo passa a absorver e a distribuir as gorduras de maneira diferente. Diminui a gordura nas pernas, braços,

Leia mais

PALAVRAS CHAVES: Perfil antropométrico. Crianças. Ginástica Artística. INTRODUÇÃO

PALAVRAS CHAVES: Perfil antropométrico. Crianças. Ginástica Artística. INTRODUÇÃO PERFIL ANTROPOMÉTRICO DAS CRIANÇAS DE 07 A 10 ANOS DE IDADE QUE FREQUENTAM O PROJETO, APRIMORAMENTO DAS AÇÕES MOTORAS ATRAVÉS DA GINÁSTICA ARTÍSTICA NO MEPROVI PEQUENINOS. França, Bruna S.* Silva, Janaina

Leia mais

A importância da anamn m ese s......

A importância da anamn m ese s...... Importância da Anamnese Dobras Cutâneas BIOTIPOS COMPOSIÇÃO CORPORAL PERIMETRIA A importância da anamnese... Conceito A anamnese (do grego anamnesis significa recordação) consiste na história clínica do

Leia mais

24 motivos. academia. para entrar na

24 motivos. academia. para entrar na para entrar na academia Mais um ano se inicia e com ele chegam novas perspectivas e objetivos. Uma das principais promessas feitas é deixar o sedentarismo de lado e entrar na academia! Nesta época é comum

Leia mais

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível.

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível. VALÊNCIAS FÍSICAS RESISTÊNCIA AERÓBICA: Qualidade física que permite ao organismo executar uma atividade de baixa para média intensidade por um longo período de tempo. Depende basicamente do estado geral

Leia mais

OBESIDADE INFANTIL ESCOLAR

OBESIDADE INFANTIL ESCOLAR Pró-Reitoria de Graduação Educação Física Trabalho de Conclusão de Curso II OBESIDADE INFANTIL ESCOLAR Autora: Damielle J. Costa Orientador: Prof. Dr. Ricardo Bernardo Mayolino Brasília - DF 2011 OBESIDADE

Leia mais

ANTROPOMETRIA MEDIDAS ANTROPOMÉTRICAS PESO CORPORAL (EM KG):

ANTROPOMETRIA MEDIDAS ANTROPOMÉTRICAS PESO CORPORAL (EM KG): ANTROPOMETRIA O método mais utilizado para avaliação da composição corporal é a Antropometria, devido à sua facilidade de aplicação, tanto no laboratório como no campo, na área clínica e em estudos populacionais.

Leia mais

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS Características socioeconômicas, demográficas, nutricionais, controle glicêmico e atividade física de adolescentes portadores de diabetes melito tipo 1 Izabela Zibetti de ALBUQUERQUE 1 ; Maria Raquel Hidalgo

Leia mais

Qual a melhor técnica de avaliação da composição corporal?

Qual a melhor técnica de avaliação da composição corporal? Qual a melhor técnica de avaliação da composição corporal? Roberto Fernandes da Costa Mestrando em Educação Física da Escola de Educação Física e Esporte da USP E-mail: costa2001@fitmail.com.br Esta é

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 6CCSDEFPLIC02 CORRELAÇÃO ENTRE OBESIDADE ABDOMINAL IMC E RISCO CARDIOVASCULAR Lizianny Leite Damascena (1), Nelson Pereira Neto (2), Valter Azevedo Pereira (3) Centro de Ciências da Saúde/ Departamento

Leia mais

Programa Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) Campanha de Prevenção e Controle de Hipertensão e Diabetes

Programa Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) Campanha de Prevenção e Controle de Hipertensão e Diabetes Programa Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) Campanha de Prevenção e Controle de Hipertensão e Diabetes Objetivos: - Desenvolver uma visão biopsicossocial integrada ao ambiente de trabalho, considerando

Leia mais

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NA GRAVIDEZ

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NA GRAVIDEZ ALTERAÇÕES METABÓLICAS NA GRAVIDEZ CUSTO ENERGÉTICO DA GRAVIDEZ CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO FETAL SÍNTESE DE TECIDO MATERNO 80.000 kcal ou 300 Kcal por dia 2/4 médios 390 Kcal depósito de gordura- fase

Leia mais

Autor: Francisco das Chagas Cavalcante da Rocha Orientador: prof. MSc. David Marcos Emérito de Araújo

Autor: Francisco das Chagas Cavalcante da Rocha Orientador: prof. MSc. David Marcos Emérito de Araújo 1 Análise da Relação Cintura/Quadril e Índice de Massa Corporal em professores praticantes de futebol da Associação de Docentes da Universidade Federal do Piauí - ADUFPI como meio de predição para o risco

Leia mais

Adaptações Cardiovasculares da Gestante ao Exercício

Adaptações Cardiovasculares da Gestante ao Exercício Desde as décadas de 60 e 70 o exercício promove Aumento do volume sanguíneo Aumento do volume cardíaco e suas câmaras Aumento do volume sistólico Aumento do débito cardíaco que pode ser alcançado Aumento

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE PRÉ - ESCOLARES E ESCOLARES DE UMA INSTITUIÇÃO FILANTRÓPICA DA CIDADE DE MARINGÁ, PR

PERFIL NUTRICIONAL DE PRÉ - ESCOLARES E ESCOLARES DE UMA INSTITUIÇÃO FILANTRÓPICA DA CIDADE DE MARINGÁ, PR ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 PERFIL NUTRICIONAL DE PRÉ - ESCOLARES E ESCOLARES DE UMA INSTITUIÇÃO FILANTRÓPICA DA CIDADE DE MARINGÁ,

Leia mais

REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE

REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE Adolescência 11 aos 20 anos Mudanças: Amadurecimento biológico Sexual Psicológico Social Características Adolescência Mudança de interesses Conflitos com a família Maior

Leia mais

Saúde e Desporto. Manuel Teixeira Veríssimo Hospitais da Universidade de Coimbra. Relação do Desporto com a Saúde

Saúde e Desporto. Manuel Teixeira Veríssimo Hospitais da Universidade de Coimbra. Relação do Desporto com a Saúde Saúde e Desporto Manuel Teixeira Veríssimo Hospitais da Universidade de Coimbra Relação do Desporto com a Saúde Dum modo geral aceita-se que o desporto dá saúde Contudo, o desporto também comporta malefícios

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA O PROFESSOR PRESENCIAL

ORIENTAÇÕES PARA O PROFESSOR PRESENCIAL ORIENTAÇÕES PARA O PROFESSOR PRESENCIAL Componente Curriculares Educação Física Professores Ministrantes: Kim Raone e Marcus Marins Série/ Ano letivo: 2º ano/ 2014 Data: 26/03/2014 AULA 5.1 Conteúdo: Doenças

Leia mais

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004.

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Artigo comentado por: Dr. Carlos Alberto Machado Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Kwok Leung Ong, Bernard M. Y. Cheung, Yu Bun

Leia mais

Análise dos resultados

Análise dos resultados Análise dos resultados Antropometria O objetivo desta seção é apresentar a mediana das medidas de peso e altura aferidas no contexto da Pesquisa de Orçamentos Familiares - POF 2008-2009, e analisá-las

Leia mais

Palavras-chave: Aptidão Física. Saúde. Projeto Esporte Brasil.

Palavras-chave: Aptidão Física. Saúde. Projeto Esporte Brasil. APTIDÃO FÍSICA RELACIONADA Á SAÚDE DE CRIANÇAS E JOVENS DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL EM APODI/RN Jorge Alexandre Maia de Oliveira Maria Lúcia Lira de Andrade Maikon Moisés de Oliveira

Leia mais

UMA VIDA MAIS SAUDÁVEL PEDE AUTOCONHECIMENTO. PAINEL GENÔMICO DE NUTRIÇÃO E RESPOSTA AO EXERCÍCIO

UMA VIDA MAIS SAUDÁVEL PEDE AUTOCONHECIMENTO. PAINEL GENÔMICO DE NUTRIÇÃO E RESPOSTA AO EXERCÍCIO UMA VIDA MAIS SAUDÁVEL PEDE AUTOCONHECIMENTO. PAINEL GENÔMICO DE NUTRIÇÃO E RESPOSTA AO EXERCÍCIO A maioria da população quer conquistar uma vida mais saudável, ter mais energia, melhorar o desempenho

Leia mais

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres 2 Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres Ana Paula Bueno de Moraes Oliveira Graduada em Serviço Social Pontifícia Universidade Católica de Campinas - PUC Campinas Especialista

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO COLESTEROL TOTAL EM SANGUE CAPILAR E ORIENTAÇÃO SOBRE HIPERCOLESTEROLEMIA

DETERMINAÇÃO DO COLESTEROL TOTAL EM SANGUE CAPILAR E ORIENTAÇÃO SOBRE HIPERCOLESTEROLEMIA 110. ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA DETERMINAÇÃO DO COLESTEROL TOTAL

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA, ESTADO NUTRICIONAL E PREOCUPAÇÕES COM A IMAGEM CORPORAL EM ADOLESCENTES

ATIVIDADE FÍSICA, ESTADO NUTRICIONAL E PREOCUPAÇÕES COM A IMAGEM CORPORAL EM ADOLESCENTES ATIVIDADE FÍSICA, ESTADO NUTRICIONAL E PREOCUPAÇÕES COM A IMAGEM CORPORAL EM ADOLESCENTES Maria Fernanda Laus; Diana Cândida Lacerda Mota; Rita de Cássia Margarido Moreira;Telma Maria Braga Costa; Sebastião

Leia mais

Analisando a construção e a interpretação de gráficos e tabelas por estudantes do Ensino Médio Regular e EJA

Analisando a construção e a interpretação de gráficos e tabelas por estudantes do Ensino Médio Regular e EJA Analisando a construção e a interpretação de gráficos e tabelas por estudantes do Ensino Fabiano Fialho Lôbo Universidade Federal de Pernambuco fabiano_lobo@yahoo.com.br Luciana Rufino de Alcântara Universidade

Leia mais

Preferências alimentares individuais; Disponibilidade dos alimentos no mercado; Influência das propagandas no mercado, na televisão.

Preferências alimentares individuais; Disponibilidade dos alimentos no mercado; Influência das propagandas no mercado, na televisão. Nutrição na Infância e Adolescência A alimentação e a nutrição constituem requisitos básicos para a promoção e a proteção da saúde, possibilitando a afirmação plena do potencial de crescimento e desenvolvimento

Leia mais

ANÁLISE DO NÍVEL DE OBESIDADE DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES COM SINDROME DE DOWN

ANÁLISE DO NÍVEL DE OBESIDADE DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES COM SINDROME DE DOWN ANÁLISE DO NÍVEL DE OBESIDADE DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES COM SINDROME DE DOWN Resumo: A obesidade é reconhecida como um dos maiores problemas de saúde pública no mundo, sabe-se que na população com SD

Leia mais

A Segurança consiste na responsabilidade de saber e agir da maneira correta.

A Segurança consiste na responsabilidade de saber e agir da maneira correta. Segurança do Trabalho É o conjunto de medidas que versam sobre condições específicas de instalações do estabelecimento e de suas máquinas visando à garantia do trabalhador contra riscos ambientais e de

Leia mais

M E D I D A D O P E S O. _ Identificar as gestantes com déficit nutricional ou sobrepeso, no início da gestação;

M E D I D A D O P E S O. _ Identificar as gestantes com déficit nutricional ou sobrepeso, no início da gestação; M E D I D A D O P E S O OBJETIVO: Avaliar o aumento do peso durante a gestação Para: _ Identificar as gestantes com déficit nutricional ou sobrepeso, no início da gestação; _ Detectar as gestantes com

Leia mais

CRS Leste/ST Guaianases UBS Jd. Aurora

CRS Leste/ST Guaianases UBS Jd. Aurora CRS Leste/ST Guaianases UBS Jd. Aurora Estudo do Controle da HA Hipertensão Arterial e Perfil Farmacológico pacientes cadastrados no PRC Programa Remédio em Casa UBS Jd. Aurora Subprefeitura de Guaianases

Leia mais

VIGITEL 2014 Periodicidade Parceria: População monitorada 40.853 entrevistas

VIGITEL 2014 Periodicidade Parceria: População monitorada 40.853 entrevistas Ministério da Saúde Abril de 2014 VIGITEL 2014 Medir a prevalência de fatores de risco e proteção para doenças não transmissíveis na população brasileira Subsidiar ações de promoção da saúde e prevenção

Leia mais

Nutrição. tica (SND) Disciplina:Nutrição para Enfermagem Curso: Enfermagem Semestre: 4º. Profa. Dra. Andréia Madruga de Oliveira Nutricionista

Nutrição. tica (SND) Disciplina:Nutrição para Enfermagem Curso: Enfermagem Semestre: 4º. Profa. Dra. Andréia Madruga de Oliveira Nutricionista A Enfermagem e o Serviço de Nutrição e Dietética tica (SND) Disciplina:Nutrição para Enfermagem Curso: Enfermagem Semestre: 4º Profa. Dra. Andréia Madruga de Oliveira Nutricionista 1 A enfermagem e o Serviço

Leia mais

PROGRAMA DE VIGILÂNCIA ALIMENTAR E NUTRICIONAL NAS ESCOLAS DE EDUCAÇÃO INFANTIL DO MUNICÍPIO DE ARARUNA PB

PROGRAMA DE VIGILÂNCIA ALIMENTAR E NUTRICIONAL NAS ESCOLAS DE EDUCAÇÃO INFANTIL DO MUNICÍPIO DE ARARUNA PB PROGRAMA DE VIGILÂNCIA ALIMENTAR E NUTRICIONAL NAS ESCOLAS DE EDUCAÇÃO INFANTIL DO MUNICÍPIO DE ARARUNA PB MELO, Calionara Waleska Barbosa de 1 ; AUGOSTINHO, Ana Kelis de Sousa 2 ; BARBOSA, Francilayne

Leia mais

ATENÇÃO PRIMÁRIA (SAÚDE COLETIVA, PROMOÇÃO DA SAÚDE E SEMELHANTES)

ATENÇÃO PRIMÁRIA (SAÚDE COLETIVA, PROMOÇÃO DA SAÚDE E SEMELHANTES) ATENÇÃO PRIMÁRIA (SAÚDE COLETIVA, PROMOÇÃO DA SAÚDE E SEMELHANTES) ID: 103 A IMPORTÂNCIA DA CONSULTA DE ENFERMAGEM NO PRÉ-NATAL, NA PERSPECTIVA DO ENFERMEIRO Enfa. Aryhadne Michelle Chimicoviacki Machado

Leia mais

PERCEPÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DOS IDOSOS DO PONTO DE VISTA FÍSICO E NUTRICIONAL

PERCEPÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DOS IDOSOS DO PONTO DE VISTA FÍSICO E NUTRICIONAL PERCEPÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DOS IDOSOS DO PONTO DE VISTA FÍSICO E NUTRICIONAL Nilza Matias Oliver Cruz Faculdade Maurício de Nassau/CG nilzamoc31@hotmail.com Débora de Araújo Targino Faculdade Maurício

Leia mais

CAPITULO III METODOLOGIA

CAPITULO III METODOLOGIA CAPITULO III METODOLOGIA A metodologia seguida neste trabalho é referente a um estudo descritivo e quantitativo. Isto porque a natureza do trabalho desenvolve-se na correlação e comparação entre as diferentes

Leia mais

PREVALÊNCIA DE SOBREPESO E DE OBESIDADE EM ESCOLARES DO ENSINO FUNDAMENTAL I DA ESCOLA ESTADUAL ANTONIA DE FARIAS RANGEL

PREVALÊNCIA DE SOBREPESO E DE OBESIDADE EM ESCOLARES DO ENSINO FUNDAMENTAL I DA ESCOLA ESTADUAL ANTONIA DE FARIAS RANGEL ARTIGO PREVALÊNCIA DE SOBREPESO E DE OBESIDADE EM ESCOLARES DO ENSINO FUNDAMENTAL I DA ESCOLA ESTADUAL ANTONIA DE FARIAS RANGEL Flávio Petrônio Cabral de Castro Docente da Escola Estadual Antonia Rangel

Leia mais

Diretoria de Pesquisas. Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009. crianças, adolescentes e adultos no Brasil

Diretoria de Pesquisas. Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009. crianças, adolescentes e adultos no Brasil Diretoria de Pesquisas Coordenação de Trabalho e Rendimento Gerência da Pesquisa de Orçamentos Familiares Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009 Antropometria e estado nutricional de crianças, adolescentes

Leia mais