Uma arquitetura de Agentes BDI para auto-regulação de Trocas Sociais em Sistemas Multiagentes Abertos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Uma arquitetura de Agentes BDI para auto-regulação de Trocas Sociais em Sistemas Multiagentes Abertos"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA Uma arquitetura de Agentes BDI para auto-regulação de Trocas Sociais em Sistemas Multiagentes Abertos por Luciano Vargas Gonçalves Dissertação apresentada como requisito parcial para a obtenção do grau de Mestre em Ciência da Computação Orientadora: Co-orientador: Prof.a. Dra. Graçaliz Pereira Dimuro Prof. Dr. Antônio Carlos da Rocha Costa DM-2009/1-002 Pelotas, Agosto de 2009

2 Dedico à minha Família, Sidnei, Ilka, Isabel e Marcelo e a minha noiva Mônica, pelo apoio e incentivo durante a realização deste trabalho.

3 AGRADECIMENTOS Agradeço a Deus pela oportunidade de crescimento e aprendizado concedido ao longo desta existência. Agradeço à minha família que em todos os momentos me apoiaram com palavras de incentivo e carinho, sendo a minha base de sustentação física e emocional. Agradeço à minha namorada que no transcorrer deste período de estudo e trabalho compreendeu os vários momentos em que estive ausente. Agradeço em especial à minha orientadora Graçaliz Pereira Dimuro, pelo imenso apoio e incentivo dedicado a realização deste trabalho, assim como, a sua compreensão e carinho nos momentos mais difíceis. Agradeço ao co-orientador Antônio Carlos da Rocha Costa pelo apoio técnico dedicado ao longo deste trabalho. Agradeço ao prof. Marilton Aguiar pelas sugestões e contribuições direcionadas a evolução do trabalho. Agradeço a Capes pelo subsídio no desenvolvimento desta dissertação de mestrado. Agradeço aos meus colegas de mestrado André Vinícius e Diego Pereira pelo apoio e companheirismo. E a todos que de maneira direta e indireta contribuíram para a realização deste trabalho.

4 Nenhuma grande descoberta foi feita jamais sem um palpite ousado. ISAAC NEWTON

5 SUMÁRIO LISTA DE FIGURAS LISTA DE TABELAS LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS RESUMO ABSTRACT INTRODUÇÃO Objetivos Metodologia Organização do Texto REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Breve Histórico Teoria Sociológica de Jean Piaget Teoria dos Valores de Trocas Sociais Estrutura das Trocas Sociais Papel das Normas nos Valores de Trocas Considerações Finais Sistema de Valores de Trocas para Suporte às Interações em Sociedades Artificiais Sistema de Valores de Trocas Manipulação dos Valores de Trocas Mecanismo de Raciocínio Social Baseado em Valores de Trocas Elementos Especiais Considerações Finais Sistema de Valores de Trocas como Ferramenta para Organização de Sistemas Multiagentes Sistema de Valores de Trocas Sociais para SMA Modelagem das Trocas Sociais Intervalares para SMA Supervisor de Equilíbrio Centralizado Agentes Baseados em Traço de Personalidade Simulação com a Abordagem Centralizada (QI-MDP) Considerações Finais

6 2.5 Modelo Híbrido BDI-POMDP para SMA Agentes com Processo Supervisor Internalizado Considerações Finais PROCESSO DE AUTO-REGULAÇÃO DE TROCAS SOCIAIS Agentes Baseados em Traços de Personalidade Índices de Recusas dos Agentes Baseados em Traços de Personalidade POMDPs com base em Aceites e Recusas Extração de Planos BDI, a partir de Políticas Ótimas POMDPs Identificação de Novos Traços de Personalidade Reconhecimento de Traços de Personalidade Descoberta de Traços de Personalidade através de HMMs Políticas Ótimas POMDPs geradas com base nos HMMs Processo de Geração de regras BDI através de HMM e POMDP Arquitetura para Agentes Auto-Reguladores de Trocas Sociais Considerações Finais SIMULAÇÕES DE TROCAS SOCIAIS Especificação do Agente Auto-regulador de Trocas Sociais Especificação do Agente Multi-traço de Personalidade Processo de Simulação entre os Agentes Auto-regulador e Multi-traço Simulação entre o Agente Auto-regulador e o Multi-traço (Tolerante) Simulação entre o Agente Auto-regulador e o Multi-traço (Altruísta) Simulação entre o Agente Auto-regulador e o Multi-traço (Egoísta) Simulação entre o Agente Auto-regulador e o Multi-traço (Novo1) Simulação entre o Agente Auto-regulador e o Multi-traço (Novo2) Simulação entre o Agente Auto-regulador e o Multi-traço (Novo3) Simulação entre o Agente Auto-regulador e o Multi-traço (Novo4) Considerações Finais CONCLUSÃO E TRABALHOS FUTUROS Comparação entre os Modelos de Regulação de Trocas Sociais em SMA Trabalhos Futuros ANEXO A: MODELOS POMDP ANEXO B: HMM RE-ESTIMADO PARA TRAÇO NOVO ANEXO C: GRAFOS DE POLÍTICAS ANEXO D: GRAFOS DE POLÍTICAS DESCOBERTOS REFERÊNCIAS

7 LISTA DE FIGURAS Figura 2.1 Estágio de Trocas Sociais Figura 2.2 Trocas baseadas nas Normas Jurídicas do Direito Não Codificado.. 25 Figura 2.3 Trocas baseadas nas Normas Jurídicas do Direito Codificado Figura 2.4 Mecanismo de Regulação de Trocas Sociais Figura 3.1 Arquitetura do Agente Auto-regulador de Trocas Sociais Figura 4.1 Balanço material do Agente Multi-traço (Tolerante) Figura 4.2 Balanço material do Agente Multi-traço (Altruísta) Figura 4.3 Balanço material do Agente Multi-traço (Egoísta) Figura 4.4 Balanço material do Agente Multi-traço (Novo1) Figura 4.5 Balanço material do Agente Multi-traço (Novo2) Figura 4.6 Balanço material do Agente Multi-traço (Novo3) Figura 4.7 Balanço material do Agente Multi-traço (Novo4) Figura 5.1 Definição do P OMDP _AR 0 para o Traço Altruísta Figura 5.2 Definição do P OMDP _AR + para o Traço Altruísta Figura 5.3 Definição do P OMDP _AR para o Traço Altruísta Figura 5.4 Definição do P OMDP _AR 0 para o Traço Egoísta Figura 5.5 Definição do P OMDP _AR + para o Traço Egoísta Figura 5.6 Definição do P OMDP _AR para o Traço Egoísta Figura 5.7 Definição do P OMDP _AR 0 para o Traço Tolerante Figura 5.8 Definição do P OMDP _AR + para o Traço Tolerante Figura 5.9 Definição do P OMDP _AR para o Traço Tolerante Figura 5.10 Definição do P OMDP _AR 0 para o Traço Novo Figura 5.11 Definição do P OMDP _AR + para o Traço Novo Figura 5.12 Definição do P OMDP _AR para o Traço Novo

8 LISTA DE TABELAS Tabela 3.1 Função de Observação para a ação do_service Tabela 3.2 Função de Observação para a ação ask_service Tabela 3.3 Índices de Recusas de Agentes baseados em Traços de Personalidade 46 Tabela 3.4 Função de Transição de um agente β, para ação do_service Tabela 3.5 Função de Transição de um agente β, para ação ask_service Tabela 3.6 Recompensas para os POMDP_AR Tabela 3.7 Índices de Recusas às propostas de Trocas Sociais Tabela 3.8 Função de Observação para o HMM Tabela 3.9 Função de Transição de Estados para o HMM Tabela 3.10 Função de Observação Re-estimada pelo HMM Tabela 3.11 Função de Transição de Estados Re-estimada pelo HMM Tabela 3.12 Função de Transição de Estados do POMDP para a ação do_service. 59 Tabela 3.13 Função de Transição de Estados do POMDP para a ação ask_service 59 Tabela 3.14 Função de Observação do POMDP para ação do_service Tabela 3.15 Função de Observação do POMDP para ação ask_service Tabela 4.1 Índices de Recusas aproximados do Agente Multi-traço(Novo1) Tabela 4.2 Índices de Recusas aproximados do Agente Multi-traço(Novo2) Tabela 4.3 Índices de Recusas aproximados do agente Multi-traço(Novo3) Tabela 4.4 Índices de Recusas aproximados do agente Multi-traço(Novo4) Tabela 5.1 Comparações entre os Modelos de Regulação Tabela 5.2 Função de Transição de Estados para o Traço - Novo Tabela 5.3 Função de Observação para o Traço - Novo Tabela 5.4 Função de Transição de Estados Re-estimada para o Traço - Novo1. 95 Tabela 5.5 Função de Observação Re-estimada para o Traço - Novo Tabela 5.6 Regras do agente Auto-Regulador (E 0 ) operar com o agente Tolerante 96 Tabela 5.7 Regras do agente Auto-Regulador (E + ) operar com o agente Tolerante 96 Tabela 5.8 Regras do agente Auto-Regulador (E ) operar com o agente Tolerante 97 Tabela 5.9 Regras do agente Auto-Regulador (E 0 ) operar com o agente Altruísta 98 Tabela 5.10 Regras do agente Auto-Regulador (E + ) operar com o agente Altruísta 98 Tabela 5.11 Regras do agente Auto-Regulador (E ) operar com o agente Altruísta 99 Tabela 5.12 Regras do agente Auto-Regulador (E 0 ) operar com o agente Egoísta. 99 Tabela 5.13 Regras do agente Auto-Regulador (E + ) operar com o agente Egoísta. 100 Tabela 5.14 Regras do agente Auto-Regulador (E ) operar com o agente Egoísta. 100

9 Tabela 5.15 Regras do agente Auto-Regulador (E 0 ) operar com o agente Novo Tabela 5.16 Regras do agente Auto-Regulador (E + ) operar com o agente Novo Tabela 5.17 Regras do agente Auto-Regulador (E ) operar com o agente Novo Tabela 5.18 Regras do agente Auto-Regulador (E 0 ) operar com o agente Novo Tabela 5.19 Regras do agente Auto-Regulador (E + ) operar com o agente Novo Tabela 5.20 Regras do agente Auto-Regulador (E ) operar com o agente Novo Tabela 5.21 Regras do agente Auto-Regulador (E 0 ) operar com o agente Novo Tabela 5.22 Regras do agente Auto-Regulador (E + ) operar com o agente Novo Tabela 5.23 Regras do agente Auto-Regulador (E ) operar com o agente Novo Tabela 5.24 Regras do agente Auto-Regulador (E 0 ) operar com o agente Novo Tabela 5.25 Regras do agente Auto-Regulador (E + ) operar com o agente Novo Tabela 5.26 Regras do agente Auto-Regulador (E ) operar com o agente Novo4. 104

10 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS BDI Belief, Desire, Intention HMM Hidden Markov Model JASON Java-based interpreter for an extended version of AgentSpeak MAS Multi-agent Systems MDP Markov Decision Process POMDP Partially Observable Markov Decision Process QI-MDP Qualitative Interval Markov Decision Process SMA Sistemas Multiagentes

11 RESUMO O estudo e desenvolvimento de sistemas para o controle de interações em sistemas multiagentes é um tema em aberto dentro da Inteligência Artificial. O sistema de valores de trocas sociais de Piaget é uma abordagem social que possibilita fundamentar a modelagem de interações de agentes, onde as interações são vistas como trocas de serviços entre pares de agentes, com a valorização dos serviços realizados e recebidos, ou seja, investimentos e ganhos na troca realizada, e, também os créditos e débitos a serem cobrados ou recebidos, respectivamente, em trocas futuras. Esta avaliação pode ser realizada de maneira diferenciada pelos agentes envolvidos, considerando que estes apresentam traços de personalidade distintos. No decorrer de processo de trocas sociais a forma diferenciada de avaliar os ganhos e perdas nas interações pode causar desequilíbrio nos balanços de trocas dos agentes, onde alguns agentes acumulam ganhos e outros acumulam perdas. Para resolver a questão do equilíbrio das trocas, encontrou-se nos Processos de Decisão de Markov Parcialmente Observáveis (POMDP) uma metodologia capaz de auxiliar a tomada de decisões de cursos de ações na busca do equilíbrio interno dos agentes. Assim, cada agente conta com um mecanismo próprio para avaliar o seu estado interno, e, de posse das observações sobre o comportamento de troca dos parceiros, torna-se apto para deliberar sobre as melhores ações a seguir na busca do equilíbrio interno para o par de agentes. Com objetivo de operar em sistema multiagentes aberto, torna-se necessário um mecanismo para reconhecer os diferentes traços de personalidade, viabilizando o uso de POMDPs nestes ambientes. Esta tarefa de reconhecimento é desempenhada pelos Modelos de Estados Ocultos de Markov (HMM), que, a partir de modelos de traços de personalidade conhecidos, podem inferir os traços aproximados de novos parceiros de interações, através das observações sobre seus comportamentos nas trocas. O objetivo deste trabalho é desenvolver uma arquitetura de agentes híbrida para a auto-regulação de trocas sociais entre agentes baseados em traços de personalidade em sistemas multiagentes abertos. A arquitetura proposta é baseada na arquitetura BDI (Beliefs, Desires, Intentions), onde os planos dos agentes são obtidos através de políticas ótimas de POMDPs, que modelam traços de personalidade reconhecidos através de HMMs. Para avaliar a proposta, foram realizadas simulações envolvendo traços de personalidade conhecidos e novos traços. Palavras-chave: Valores de trocas sociais, auto-regulação de trocas sociais, sistemas multiagentes baseados em personalidades, Processos de Decisão Parcialmente Observáveis, Arquitetura BDI, Modelos Ocultos de Markov.

12 TITLE: SELF-REGULATION OF PERSONALITY-BASED SOCIAL EXCHANGES IN OPEN MULTIAGENT SYSTEMS ABSTRACT The study and development of systems to control interactions in multiagent systems is an open problem in Artificial Intelligence. The system of social exchange values of Piaget is a social approach that allows for the foundations of the modeling of interactions between agents, where the interactions are seen as service exchanges between pairs of agents, with the evaluation of the realized or received services, thats is, the investments and profits in the exchange, and credits and debits to be charged or received, respectively, in future exchanges. This evaluation may be performed in different ways by the agents, considering that they may have different exchange personality traits. In an exchange process along the time, the different ways in the evaluation of profits and losses may cause disequilibrium in the exchange balances, where some agents may accumulate profits and others accumulate losses. To solve the exchange equilibrium problem, we use the Partially Observable Markov Decision Processes (POMDP) to help the agent decision of actions that can lead to the equilibrium of the social exchanges. Then, each agent has its own internal process to evaluate its current balance of the results of the exchange process between the other agents, observing its internal state, and with the observation of its partner s exchange behavior, it is able to deliberate on the best action it should perform in order to get the equilibrium of the exchanges. Considering an open multiagent system, it is necessary a mechanism to recognize the different personality traits, to build the POMDPs to manage the exchanges between the pairs of agents. This recognizing task is done by Hidden Markov Models (HMM), which, from models of known personality traits, can approximate the personality traits of the new partners, just by analyzing observations done on the agent behaviors in exchanges. The aim of this work is to develop an hybrid agent architecture for the self-regulation of social exchanges between personalitybased agents in a open multiagent system, based in the BDI (Beliefs, Desires, Intentions) architecture, where the agent plans are obtained from optimal policies of POMDPs, which model personality traits that are recognized by HMMs. To evaluate the proposed approach some simulations were done considering (known or new) different personality traits. Keywords: social exchange values, self-regulation of social exchanges, personalitybased multiagent systems, Partially Observable Markov Decision Processes, BDI Architecture, Hidden Markov Models.

13 13 1 INTRODUÇÃO A evolução das redes de computadores e o crescente aumento do poder computacional propiciaram o despertar da área de Inteligência Artificial (IA), na qual o desenvolvimento de software com capacidades especiais, tais como, pró-atividade, benevolência, adaptabilidade e outras, tem levado grupos de pesquisas e instituições a direcionarem seus esforços para o desenvolvimento de estruturas e mecanismo que propiciem a sua criação. O desenvolvimento de softwares ditos inteligentes não é uma tarefa fácil, uma vez que a especificação de tais entidades pode se tornar mais complexa que a sua própria construção. Dessa forma, busca-se particionar a tarefa em entidades com capacidades reduzidas e mais simples (agentes), de forma que através da organização dessas entidades emerja uma inteligência superior à soma das capacidades individuais de todos os integrantes. Essa abordagem é tema de estudo e desenvolvimento permanente da área de Inteligência Artificial Distribuída (IAD), mais precisamente da área de Sistemas Multiagentes (SMA) (WOOLDRIDGE, 2002), e sua investigação está direcionada ao desenvolvimento de princípios e modelos computacionais para construir, descrever, implementar e analisar as formas de interação e coordenação de agentes em sociedades de reduzida ou elevada dimensão. A capacidade de um agente interagir com outros agentes é, certamente, uma das principais características a serem consideradas na área de Sistemas Multiagentes. Logo, a modelagem do raciocínio sobre as interações sociais torna-se uma das tarefas mais relevantes e difíceis nesta área. Existem diferentes abordagens que tratam das interações entre agentes e que podem ser divididas em dois grupos: as baseadas na teoria da racionalidade e as inspiradas nas teorias sociais. Estes últimos se baseiam na ideia de que um sistema social deve apresentar dois requisitos básicos: (i) uma visão autônoma do agente, que voluntariamente constrói o seu destino; (ii) uma teoria de sistema social como sistema de ação, sendo responsável pela regulação e restrição dos agentes. Estes requisitos motivaram o desenvolvimento deste trabalho. Esta dissertação de mestrado está centrada na modelagem de interações autoreguladas em sistemas multiagentes abertos baseados em personalidades (DIMURO et al., 2006, 2007, 2008; PEREIRA et al., 2008), através da teoria das trocas sociais de Jean Piaget (PIAGET, 1973). Com base nessa teoria, as interações entre agentes são modeladas como trocas de serviços entre eles, e a avaliação deste serviço dá origem aos chamados valores de trocas sociais, cujos balanços de trocas contínuas determinam o equilíbrio ou não das interações. Os agentes avaliam o investimento na realização de um serviço, assim como a satisfação associada ao recebimento de um serviço. Logo, o sistema está em equilíbrio material se os

14 14 balanços entre os valores de investimento e satisfação estão equilibrados para cada agente, após uma sucessão de trocas realizadas no tempo. As trocas também geram valores de débito e crédito que garantem a continuidade das interações. A modelagem de interações de agentes com base na teoria de trocas sociais de Piaget foi proposta inicialmente em (DIMURO; COSTA; PALAZZO, 2005). Já o mecanismo de regulação de trocas sociais, baseado no conceito de supervisor de equilíbrio centralizado com um Processo de Decisão de Markov Qualitativo Intervalar associado, foi introduzido em (DIMURO; COSTA, 2005a). Este mecanismo foi estendido para SMA baseados em personalidades em (DIMURO et al., 2006, 2007, 2008). Com o trabalho de Pereira (PEREIRA, 2008; PEREIRA et al., 2008), foi possível dar o primeiro passo na direção de descentralizar o mecanismo de regulação de interações e internalizá-lo nos agentes. Para isso, foi necessário trabalhar com Processos de Decisão de Markov Parcialmente Observáveis (POMDP - Partially Observable Markov Decision Processes) (KAELBLING; LITTMAN; CASSANDRA, 1998; LOVEJOY, 1991), visto que os agentes não tinham acesso aos estados internos de outros agentes. Assim, em (PEREIRA, 2008), foi apresentado um método para extrair planos BDI (Beliefs, Desires, Intentions) (WOOLDRIDGE, 2000; RAO, 1996; BORDINI; HÜBNER; WOOLDRIGE, 2007) a partir de políticas ótimas de POMDPs, o qual possibilitou a extensão do simulador de trocas com mecanismo de regulação centralizado (GONÇALVES, 2006) para este novo contexto (PEREIRA et al., 2008). Observa-se, entretanto, que naquela proposta, para cada par de agentes, um sempre é o agente regulador (o que tem o mecanismo de regulação internalizado), e o outro, o agente regulado. Além disso, os traços de personalidade dos agentes são fixos e conhecidos por todos os agentes, não sendo permitido o ingresso na sociedade de agentes com traços de personalidade diferentes dos pré-estabelecidos, ou que possam sofrer modificações em seu comportamento, alterando sua personalidade no decorrer das interações. Assim, o foco desta dissertação está no desenvolvimento de uma arquitetura de agentes híbrida, baseada na arquitetura BDI, nos POMDPs e nos Modelos de Ocultos de Markov (HMM - Hidden Markov Model) (MACDONALD; ZUCCHINI, 1997; RA- BINER; JUANG, 1989; RABINER, 1989), onde o agente seja auto-gerenciador de suas trocas sociais (baseadas em personalidades) as quais executa com outros agentes (sejam estes de personalidade conhecida ou não por ele), negociando dependências e resolvendo conflitos de forma a alcançar e manter o equilíbrio social. Considera-se também que o conjunto de traços de personalidade não é delimitado, e que o agente possa reconhecer, construir e atualizar modelos de traços de personalidade desconhecidos, mantendo uma biblioteca de planos BDI extensível que lhe permita lidar com novos traços de personalidade apresentados pelos agentes. Nas seções a seguir, especifica-se o objetivo desta dissertação (Seção 1.1), resume-se a metodologia (Seção 1.2) e descreve-se a organização do texto (Seção 1.3). 1.1 Objetivos O objetivo geral desta dissertação de mestrado é o desenvolvimento de uma arquitetura de agentes híbrida, baseada na arquitetura BDI, nos modelos POMDP e HMM, para a auto-regulação de trocas sociais baseadas em personalidades, em sistemas multiagentes abertos. Mais especificamente, pretende-se:

15 15 (i) Redefinir os modelos POMDPs introduzidos em (PEREIRA, 2008), de tal forma que as funções de observação reflitam observações sobre os comportamentos de trocas dos agentes baseados em personalidades, através de aceites e recusas; (ii) Automatizar a extração de planos BDI a partir de políticas ótimas POMDPs, realizada pelo algoritmo PolicyToBDIPlans introduzido em (PEREIRA, 2008); 1 (iii) Construir uma biblioteca de planos BDI para os traços de personalidade já conhecidos, com novos planos extraídos das políticas ótimas dos POMDPs baseados em aceites e recusas; (iv) Desenvolver um modelo de aprendizagem e descoberta de novos traços de personalidade baseado em HMM; (v) Definir uma metodologia para especificar POMDPs a partir dos novos modelos de traços de personalidade obtidos com HMMs; (vi) Desenvolver um mecanismo para atualização da biblioteca de planos para novos traços de personalidade descobertos; (vii) Realizar simulações com a comparação dos resultados obtidos considerando as abordagens anteriormente propostas para o problema. 1.2 Metodologia Na base do trabalho encontra-se o sistema de valores de trocas, como mecanismo para a modelagem das interações entre pares de agentes, propiciando a valorização e a conservação das interações realizadas pelos agentes, através dos seus balanços de trocas materiais e virtuais. A metodologia empregada, utiliza uma abordagem híbrida BDI-POMDP para a análise e gerenciamento das interações entre pares de agentes, na qual a arquitetura BDI é aplicada para o desenvolvimento do raciocínio interno dos agentes e os POMDPs são aplicados para a tomada de decisões de cursos de ações, através do mapeamento de suas políticas em planos para os agentes. No processo de reconhecimento de traços de personalidade, utilizou-se uma abordagem baseada nos índices de recusas que os agentes emitem ao logo do processo de interação. Estes índices são comparados com os dos agentes que possuem traços de personalidade conhecidos e políticas ótimas especificadas. Caso o agente não se enquadre nas faixas pré-estabelecidas dos índices de recusas, dá-se início a um processo de descoberta e especificação de um novo conjunto de políticas POMDPs própria para o agente. Com a possibilidade de que existam traços de personalidade diferentes dos previstos inicialmente, outro módulo torna-se necessário para descobrir novos traços de personalidade presentes no sistema. Assim, será adicionado à arquitetura do agente um mecanismo de identificação de personalidade, baseado no HMM. Este modelo utiliza uma especificação de comportamento aproximado e um conjunto de observações recebidas de agentes parceiros para re-estimar seus parâmetros, a fim de representar da melhor forma 1 Em (PEREIRA, 2008), a extração de planos foi realizada de forma off-line ; o agente supervisor foi implementado com uma biblioteca de planos fixa, onde os planos foram construídos através do algoritmo PolicyToBDIPlans;

16 16 o comportamento observado do novo agente, tal comportamento é traduzido em matrizes de transição e observação próprias para a especificação dos POMDPs. Logo, a cada nova personalidade identificada, novos planos são gerados e a biblioteca de planos é atualizada, para que o agente tenha o conjunto de regras adequado para gerenciar o processo de trocas sociais. A integração da abordagem híbrida BDI-POMDP para a geração de novos planos BDI, com o processo de descoberta de personalidade baseado em HMM, é a base para a formalização de uma arquitetura interna para agentes BDI, capazes de tornar o processo de auto-regulação de trocas sociais operacional. 1.3 Organização do Texto O Capítulo 2 introduz a teoria sociológica de Jean Piaget (PIAGET, 1973) para modelagem de interações em sociedades. Além disso, apresenta dois trabalhos que utilizam esta teoria em sua formalização para a modelagem de interações em sistemas multiagentes (RODRIGUES, 2003) e (DIMURO; COSTA; PALAZZO, 2005). Por fim, discorre sobre o estudo de caso desenvolvido no trabalho de (PEREIRA, 2008) sobre a regulação de interações sociais em SMA, sendo esta uma abordagem de controle descentralizada. O Capítulo 3 trata da nova proposta para o processo de auto-regulação das trocas sociais, que une os modelos híbridos BDI-POMDP com os HMM, dando origem a uma arquitetura para agentes auto-reguladores de trocas sociais. O Capítulo 4 discorre sobre o processo de simulação social adotado e a análise dos seus resultados obtidos nas diferentes simulações realizadas. O Capítulo 5 apresenta-se comparações com os trabalhos anteriores, assim como, as conclusões e os trabalhos futuros.

17 17 2 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA O objetivo deste capítulo é apresentar uma revisão dos trabalhos relacionados com a modelagem de interações em sistema multiagentes, mais precisamente os sistemas inspirados na teoria das trocas sociais de Piaget. Discorre-se inicialmente sobre um breve histórico dos trabalhos relacionados, seguindo para apresentação dos conceitos da teoria de trocas sociais de Piaget, e, por fim, discutem-se duas abordagens que utilizam tal metodologia. 2.1 Breve Histórico A primeira abordagem conhecida que fez menção aos conceitos psicológicos de Jean Piaget aplicados à análise e a modelagem em sistemas computacionais inteligentes foi (COSTA, 1993), que adotou os trabalhos de Piaget como quadro conceitual de referência, e definiu a inteligência de máquina como o termo final do desenvolvimento da estrutura de regulação das interações funcionais da máquina com o ambiente. Já o primeiro trabalho que relacionou a modelagem de interações em ambientes multiagentes com a sociologia de pequenos grupos esboçada por Jean Piaget em seu livro Estudos Sociológicos (PIAGET, 1973) foram (DIMURO; COSTA, 2002), no trabalho em titulado Uma Estrutura Formal Normativa para Sistemas Computacionais. A proposta tem na base a análise estrutural de valores e regras extraídas da sociologia de pequenos grupos, para modelagem das interações (trocas) que surgem entre os participantes de um sistema composto de usuários e agentes. Em (DIMURO; COSTA, 2002), analisaram-se dois processos de interação bem conhecidos na comunidade científica, as interações do tipo produtor-consumidor e cliente-servidor, sob a ótica da teoria das trocas sociais e os valores de trocas envolvidos. Também observaram as regras morais (normas e leis) da teoria sociológica de Piaget, que são regras operatórias, direcionadas para garantir o equilíbrio dos valores negociados pelos agentes enquanto interagem. Com base no trabalho (DIMURO; COSTA, 2002), e já delineando uma abordagem mais aprofundada, (RODRIGUES, 2003) definiu um sistema de valores de troca para modelar as trocas sociais em sociedades artificiais, no qual desenvolveu uma álgebra de valores de troca própria para representar e manipular tais estruturas. Também comparou a teoria das trocas sociais com outros modelos de interação aplicados em sociedades artificiais (Redes de Contrato e o Modelo de Coalizões Baseados em Dependência), e analisou a união de tais abordagens, com o sistema de valores de trocas proposto. Este trabalho será descrito em maior profundidade na Seção 2.3.

18 18 Dando continuidade ao seu trabalho, (DIMURO; COSTA, 2002) desenvolveram uma abordagem baseada na matemática intervalar, na qual representaram os valores de trocas por meio de intervalos, com objetivo de capturar a natureza qualitativa dos valores de trocas de Piaget, tornando-os operacionais em sistemas numéricos. Assim, deram mais um passo para a modelagem de interações em ambientes artificiais (DIMURO; COSTA, 2005b; DIMURO; COSTA; PALAZZO, 2005; DIMURO; COSTA, 2005c). Mas a formalização mais completa de tal processo encontra-se em (DIMURO; COSTA; PALAZZO, 2005; DIMURO; COSTA, 2005a), que será o tema da Seção 2.4. Nos trabalhos (DIMURO; COSTA, 2002; RODRIGUES, 2003), a análise e o controle das interações realizadas pelos agentes, em sociedades artificiais, era somente regida pelas regras morais e jurídicas, não existia nada que os direcionassem a manter ou a buscar o estado de equilíbrio para as trocas. Já os trabalhos seguintes do grupo, como em (DIMURO; COSTA; PALAZZO, 2005; DIMURO; COSTA, 2005a), descrevem a figura do agente supervisor de equilíbrio para analisar e recomendar processos de trocas para os agentes, de forma a alcançarem o equilíbrio do sistema. Tal processo é modelado através de um Processo de Decisão Markov Qualitativo Intervalar (QI-MDP), onde o mecanismo de regulação das trocas é centralizado e dependente do agente supervisor. No entanto, essa proposta centralizada foi expandida para uma abordagem descentralizada em (PEREIRA et al., 2008), que se baseia nos POMDPs, no qual os agentes têm internalizado regras de ações definidas pela política ótima, para a busca do estado de equilíbrio. Esta abordagem é parte do estudo e desenvolvimento deste trabalho. Uma linha paralela de estudo com base nos valores de trocas trata da modelagem da interação de agentes baseados em traços de personalidade, no qual o supervisor de equilíbrio interage com agentes que controlam o acesso do supervisor aos seus estados internos. Assim, em (DIMURO et al., 2006) apresenta-se a modelagem de agentes de comportamento transparente (agentes que permitam o pleno acesso externo a seus estados internos) 1 e em (DIMURO et al., 2008) para agentes não-transparentes (agentes que restringem o acesso externo a seus estados internos). Em (DIMURO et al., 2006, 2008), para ser capaz de raciocinar sobre as interações entre agentes não-transparentes, foi introduzido um supervisor equilíbrio, com um HMM associado para reconhecer os diferentes traços de personalidade dos agentes, e também o estado interno dos balanços de trocas. Seguindo a linha dos trabalhos de (DIMURO; COSTA, 2002; DIMURO et al., 2006), uma nova proposta para o controle interações de agentes baseados em personalidade foi apresentada por (PALAZZO, 2006), que propõem uma abordagem alternativa para o equilíbrio social entre agentes, removendo a figura do supervisor de equilíbrio do sistema. Para isso, adicionou dois novos valores, além dos valores definidos por Piaget, que representam a avaliação de cada um dos envolvidos na troca efetuada, também adotou uma avaliação do histórico de trocas passadas para a determinação de valores adequados em trocas futuras. Estas avaliações também estão sujeitas aos diferentes traços de personalidade dos agentes. Estes trabalhos servirão de base para a arquitetura proposta nesta dissertação. A seção que se segue baseia-se principalmente no trabalho (RODRIGUES, 2003). 1 Por estado interno, entende-se os resultados e balanços de trocas materiais.

19 Teoria Sociológica de Jean Piaget A teoria sociológica de Piaget se baseia na visão sobre a coletividade expressa na passagem (PIAGET, 1973): O todo coletivo não é idêntico à soma dos indivíduos que o compõem, pois este todo exerce sobre as consciências uma coação que as modifica. Neste caso, o todo não é equivalente à soma dos indivíduos, mas à soma das relações entre os indivíduos. A partir de dois indivíduos, uma interação que acarreta modificações duráveis pode ser considerada como fato social, e a sociedade seria a expressão do conjunto destas interações entre n indivíduos." Piaget adota uma aproximação relacional, em que na estrutura da sociedade os relacionamentos entre os indivíduos são estabelecidos por trocas sociais entre eles. Assim, as interações são compreendidas como trocas de serviços entre indivíduos, envolvendo não somente a realização de serviços por alguns indivíduos em nome de outros, mas também a avaliação de tais serviços. As trocas podem ser entendidas sob dois pontos de vista distintos. De um lado, as trocas seguem algum propósito relacionado aos objetivos dos indivíduos e / ou da própria sociedade. De outro, as trocas envolvem investimentos, ganhos e perdas de tempo, dinheiro, energia, emoções, expectativas e muitos outros elementos motivacionais e energéticos. Um serviço executado por um indivíduo não é uma ação ou uma interferência simples. Para ser contado como uma troca social, uma ação executada por um indivíduo tem que ser compreendida por todos os indivíduos envolvidos, como uma ação intencional e dirigida, assim permitindo sua avaliação como benéfica ou prejudicial. Na teoria de Piaget, durante o processo de troca social ocorrem avaliações sobre as interações, gerando assim os chamados valores de trocas, cujo conceito pode ser definido de duas maneiras: um valor de troca é definido como sendo tudo que pode dar vez a uma troca. Ao definir dessa forma, os valores envolvidos em uma troca não são apenas objetos materiais, mas também ideias, emoções, hábitos sociais etc. um valor de troca é o resultado de uma avaliação mental qualitativa dos elementos envolvidos na interação (ações, emoções, objetivos etc.), sendo que cada valor é resultado de uma avaliação mental associada a um desses elementos e pode, dessa forma, influenciar os comportamentos dos indivíduos com relação às interações. Os serviços que um indivíduo presta ou dos quais se beneficia constituem valores de trocas ou resultam deles. Estes valores podem ser vistos com valores morais, relativos a dívidas morais (obrigação de realizar novos serviços em troca de serviços recebidos) ou créditos morais (direitos de exigir a realização de um novo serviço em troca de serviços previamente executados). A avaliação de um serviço por um indivíduo (o usuário do serviço ou seu cliente) é feita com base em uma escala de valores de trocas sociais, que na teoria de Piaget, é de uma natureza qualitativa (p.ex., ótimo, bom, regular, ruim). Assim, existe somente uma relação de ordem entre os valores de trocas, de forma que podem ser comparados, mas não operados algebricamente da mesma forma que valores quantitativos. Em (RODRIGUES, 2003) apresenta-se a formalização da escala de valores de trocas qualitativos.

20 Teoria dos Valores de Trocas Sociais O modelo descrito por Piaget não utiliza esquemas matemáticos, pois trata de valores que não caracterizam trocas econômicas, mas uma axiomática de ordem logística (das classes e das relações, não dos números), com a função de dar suporte ao mecanismo de valores de trocas qualitativos. Os valores de trocas na teoria de Piaget são de natureza qualitativa, nessa concepção, a teoria tem um caráter abstrato, de forma a ser base para novos instrumentos de análise e de comparação de valores. Para isso, duas condições básicas existenciais são necessárias para a concepção do sistema de valores de trocas: Condição 1 Que exista entre dois indivíduos α e β uma escala comum de valores, de forma a tornar compatíveis as avaliações de α e as avaliações de β. Para esse fim, a escala comum deve conter dois aspectos complementares: uma linguagem comum de comunicação (sistema de sinais ou símbolos) que exprima os valores qualitativos nas trocas. um sistema de noções definidas que permita aos indivíduos traduzir as noções de um no sistema do outro. Condição 2 Deve haver reconhecimento das proposições assumidas como válidas e a conservação dos valores da troca. Essa conservação é obtida por meio de um sistema de regras, que podem ser de dois tipos: regras de ordem moral e de ordem jurídica. Segundo Piaget, se forem satisfeitas essas duas condições pode se dizer que o sistema é um mecanismo de regulação (coordenação) de interações entre indivíduos de uma sociedade, garantindo a sua continuidade Estrutura das Trocas Sociais O conceito de troca social se refere às trocas de serviços entre indivíduos em sociedade, na qual toda ação de um indivíduo repercute sobre os demais envolvidos, podendo alterar seus valores, positivamente, negativamente ou de forma nula. Além disso, cada ação pode provocar uma reação, a qual pode ser material ou virtual. Durante o processo de troca, Piaget distingue quatro momentos básicos entre dois indivíduos, que são gerados das avaliações das ações prestadas ou recebidas pelos indivíduos: valor de renuncia ou investimento (r), valor de satisfação (s), valor de reconhecimento ou débito (t) e valor de crédito (v). Estas avaliações no processo de troca podem ser de dois tipos: ações materiais (r e s) ou efetivas e ações virtuais (t e v) ou postergadas: valores reais (ou materiais) dizem respeito às ações concretas (p.ex., em um ambiente de bar, onde um garçom pede para outro levar a conta para o cliente). É importante ressaltar que os valores que os indivíduos negociam nessa interação dizem respeito ao investimento (tempo gasto e perda de energia pelo garçom que se deslocou para realizar a tarefa) e a satisfação (com ganho de tempo e energia do garçom que estava alocado em outra tarefa). valores virtuais corresponde a créditos e débitos adquiridos no processo de troca e são representações mentais, e não são implicações de uma ação efetiva. Retomando

Uma Estrutura Formal Normativa para Sistemas Computacionais

Uma Estrutura Formal Normativa para Sistemas Computacionais Uma Estrutura Formal Normativa para Sistemas Computacionais Antônio Carlos da Rocha Costa 1 Graçaliz Pereira Dimuro 1 1 ESIN/UCPel Escola de Informática Universidade Católica de Pelotas {rocha,liz}@atlas.ucpel.tche.br

Leia mais

Maíra Ribeiro Rodrigues

Maíra Ribeiro Rodrigues Seminário PPGINF - UCPel Maíra Ribeiro Rodrigues maira.r.rodrigues@gmail.com University of Southampton, UK Formação Bacharelado em Ciência da Computação UCPel, 2000. Tópico: Agentes Improvisacionais de

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS ESCOLA DE INFORMÁTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS ESCOLA DE INFORMÁTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS ESCOLA DE INFORMÁTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA Construção de Planos BDI a partir de Políticas Ótimas de POMDPs, com Aplicação na Auto-Regulação de Trocas

Leia mais

Avaliação Fuzzy de Trocas Sociais entre Agentes com Personalidades

Avaliação Fuzzy de Trocas Sociais entre Agentes com Personalidades Avaliação Fuzzy de Trocas Sociais entre Agentes com Personalidades André V. dos Santos, Graçaliz P. Dimuro Programa de Pós-Graduação em Informática, UCPel, Rua Felix da Cunha 412, 96010-000 Pelotas, Brasil

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS

ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS RESUMO Este artigo apresenta a especificação de um sistema gerenciador de workflow, o ExPSEE, de acordo com a abordagem de desenvolvimento baseado

Leia mais

2 Auto-sintonia de Bancos de Dados e Agentes de Software

2 Auto-sintonia de Bancos de Dados e Agentes de Software 2 Auto-sintonia de Bancos de Dados e Agentes de Software A uso da abordagem de agentes de software 1 pode trazer benefícios a áreas de aplicação em que é necessário construir sistemas autônomos, ou seja,

Leia mais

Como a atividade construtiva de elaborar e desenvolver projetos pode se tornar uma metodologia?

Como a atividade construtiva de elaborar e desenvolver projetos pode se tornar uma metodologia? PROJETO? O QUE É? COMO SE FAZ? Fagundes, Léa da Cruz Co-Autoras Luciane Sayuri Sato/ Débora Laurino Maçada A CULTURA DO PROJETO Como a atividade construtiva de elaborar e desenvolver projetos pode se tornar

Leia mais

tipos de métodos, técnicas de inteligência artificial e técnicas de otimização. Por fim, concluise com as considerações finais.

tipos de métodos, técnicas de inteligência artificial e técnicas de otimização. Por fim, concluise com as considerações finais. 1. Introdução A previsão de vendas é fundamental para as organizações uma vez que permite melhorar o planejamento e a tomada de decisão sobre o futuro da empresa. Contudo toda previsão carrega consigo

Leia mais

SMA para posicionamento de jogadores Voleibol via AgentSpeak e Jason

SMA para posicionamento de jogadores Voleibol via AgentSpeak e Jason SMA para posicionamento de jogadores Voleibol via AgentSpeak e Jason Vanessa Menegotto 1, Renan Spencer Trindade 2, Alexandre de O. Zamberlam 2 1 Universidade Feevale Novo Hamburgo RS Brasil 2 Centro Universitário

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Centro Universitário de Volta Redonda - UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

Expressive Talking Heads: Um Estudo de Fala e Expressão Facial em Personagens Virtuais

Expressive Talking Heads: Um Estudo de Fala e Expressão Facial em Personagens Virtuais Expressive Talking Heads: Um Estudo de Fala e Expressão Facial em Personagens Virtuais Paula Salgado Lucena, Marcelo Gattass, Luiz Velho Departamento de Informática Pontifícia Universidade Católica do

Leia mais

CURSO TECNOLÓGICO 2008/01 1º SEMESTRE. Programação e Estruturas de Dados Fundamentais

CURSO TECNOLÓGICO 2008/01 1º SEMESTRE. Programação e Estruturas de Dados Fundamentais 1º SEMESTRE Programação e Estruturas de Dados Fundamentais 8 Créditos Desenvolver a lógica de programação através da construção de algoritmos utilizando português estruturado Representar a solução de problemas

Leia mais

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral 9.1 Programa do Módulo 2 Orientação a Objetos Conceitos Básicos Análise Orientada a Objetos (UML) O Processo Unificado (RUP) Processo Unificado: Visão Geral 9.2 Encaixa-se na definição geral de processo:

Leia mais

Departamento de Engenharia Informática DISTRIBUTED PROBLEM SOLVING

Departamento de Engenharia Informática DISTRIBUTED PROBLEM SOLVING Departamento de Engenharia Informática DISTRIBUTED PROBLEM SOLVING 1000833 Henrique de Meireles Morais Maio de 2008 Disciplina: Sistemas Baseados em Agentes Professor: António Pinto de Sousa e Silva Mestrado

Leia mais

Geração automática de suíte de teste para GUI a partir de Rede de Petri

Geração automática de suíte de teste para GUI a partir de Rede de Petri Raquel Jauffret Guilhon Geração automática de suíte de teste para GUI a partir de Rede de Petri Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do grau de Mestre pelo

Leia mais

DISSERTAÇÃO DE MESTRADO

DISSERTAÇÃO DE MESTRADO Otavio Rezende da Silva Uma Arquitetura para Sistemas Multi- Agentes Baseada em Espaços de Tuplas Reflexivos DISSERTAÇÃO DE MESTRADO Programa de Pós-Graduação em Informática Rio de Janeiro, dezembro de

Leia mais

Sistema Tutor Inteligente baseado em Agentes. Pedagógicas da Universidade Aberta do Piauí. Prof. Dr. Vinicius Ponte Machado

Sistema Tutor Inteligente baseado em Agentes. Pedagógicas da Universidade Aberta do Piauí. Prof. Dr. Vinicius Ponte Machado Sistema Tutor Inteligente baseado em Agentes na Plataforma MOODLE para Apoio às Atividades Pedagógicas da Universidade Aberta do Piauí Prof. Dr. Vinicius Ponte Machado Parnaíba, 14 de Novembro de 2012

Leia mais

Identificação de Modelos GARCH Usando Inteligência Computacional

Identificação de Modelos GARCH Usando Inteligência Computacional André Machado Caldeira Identificação de Modelos GARCH Usando Inteligência Computacional Tese de Doutorado Tese apresentada ao Programa de Pós-graduação em Engenharia Elétrica do Departamento de Engenharia

Leia mais

Projeto de Arquitetura

Projeto de Arquitetura Projeto de Arquitetura Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 11 Slide 1 Objetivos Apresentar projeto de arquitetura e discutir sua importância Explicar as decisões de projeto

Leia mais

Utilizando Lógica Fuzzy para Avaliar a Qualidade de uma Compra Via Internet

Utilizando Lógica Fuzzy para Avaliar a Qualidade de uma Compra Via Internet Utilizando Lógica Fuzzy para Avaliar a Qualidade de uma Compra Via Internet Leonardo Martins Rodrigues 1 e Graçaliz Pereira Dimuro 1 1 Programa de Pós-Graduação em Modelagem Computacional Universidade

Leia mais

CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1 CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2011.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 ARQUITETURA DE COMPUTADORES... 4 02 FILOSOFIA... 4 03 FUNDAMENTOS MATEMÁTICOS PARA COMPUTAÇÃO...

Leia mais

Workflow Genético para Planejamento e Gerenciamento de Currículo em EAD

Workflow Genético para Planejamento e Gerenciamento de Currículo em EAD Workflow Genético para Planejamento e Gerenciamento de Currículo em EAD Autor: Robson da Silva Lopes 1, Orientadora: Prof a. Dr a. Márcia Aparecida Fernandes 1 1 Programa de Pós-Graduação em Ciência da

Leia mais

4. Exemplo de Levantamento de Classes...26. 3. Levantamento das Classes...24. 1. Conceito de Classe e Objeto... 15. 1. Modelo de Casos de Uso...

4. Exemplo de Levantamento de Classes...26. 3. Levantamento das Classes...24. 1. Conceito de Classe e Objeto... 15. 1. Modelo de Casos de Uso... Projeto de Software usando UML Sumário Capítulo I : Casos de Uso...3 1. Modelo de Casos de Uso... 3 2. Diagramas de Casos de Uso... 3 3. Exemplo... 9 4. Conclusão... 13 Capítulo II : Levantamento de Classes...15

Leia mais

Projeto de Serviços: proposta de modelo teórico para sites de compras coletivas

Projeto de Serviços: proposta de modelo teórico para sites de compras coletivas Iris Campos Martins Projeto de Serviços: proposta de modelo teórico para sites de compras coletivas Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do grau de Mestre

Leia mais

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior MRP II Introdução A lógica de cálculo das necessidades é conhecida há muito tempo Porém só pode ser utilizada na prática em situações mais complexas a partir dos anos 60 A partir de meados da década de

Leia mais

Computação Afetiva: Uma ferramenta para avaliar aspectos afetivos em aplicações computacionais.

Computação Afetiva: Uma ferramenta para avaliar aspectos afetivos em aplicações computacionais. 286 Computação Afetiva: Uma ferramenta para avaliar aspectos afetivos em aplicações computacionais. Saulo William S. Costa, Ailton Lopes de Sousa, Yomara Pires Laboratório de Desenvolvimento de Sistemas

Leia mais

2. Energia Eólica em uma Empresa e sua Viabilização

2. Energia Eólica em uma Empresa e sua Viabilização 2. Energia Eólica em uma Empresa e sua Viabilização 2.1. Definições Para utilização de conversores de energia eólica numa empresa, a avaliação exata da vida útil de seus componentes estruturais e de todo

Leia mais

Marcelo Novaes Coutinho. Um Processo de Gerência de Estratégia de Rastreabilidade: Um Caso em Ambiente Oracle. Dissertação de Mestrado

Marcelo Novaes Coutinho. Um Processo de Gerência de Estratégia de Rastreabilidade: Um Caso em Ambiente Oracle. Dissertação de Mestrado Marcelo Novaes Coutinho Um Processo de Gerência de Estratégia de Rastreabilidade: Um Caso em Ambiente Oracle Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do grau

Leia mais

Luiz Fernando Fernandes de Albuquerque. Avaliação de algoritmos online para seleção de links patrocinados. Dissertação de Mestrado

Luiz Fernando Fernandes de Albuquerque. Avaliação de algoritmos online para seleção de links patrocinados. Dissertação de Mestrado Luiz Fernando Fernandes de Albuquerque Avaliação de algoritmos online para seleção de links patrocinados Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do grau de

Leia mais

Educação a distância: os ambientes virtuais e algumas possibilidades pedagógicas

Educação a distância: os ambientes virtuais e algumas possibilidades pedagógicas Educação a distância: os ambientes virtuais e algumas possibilidades pedagógicas Maria Elisabette Brisola Brito Prado 1 Nos últimos anos, a educação a distância via telemática ganhou uma nova dimensão,

Leia mais

Administração de Banco de Dados

Administração de Banco de Dados Administração de Banco de Dados Professora conteudista: Cida Atum Sumário Administração de Banco de Dados Unidade I 1 INTRODUÇÃO A BANCO DE DADOS...1 1.1 Histórico...1 1.2 Definições...2 1.3 Importância

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Introdução Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software Os modelos de processos de desenvolvimento de software surgiram pela necessidade de dar resposta às

Leia mais

Projeto Estruturado de Sistema

Projeto Estruturado de Sistema Projeto Estruturado de Sistema Sumário 1. FASES NO DESENVOLVIMENTO E MANUTENÇÃO DO SOFTWARE... 2 1.1 Síntese das Fases... 2 1.2 Controle de Qualidade... 3 2. ATIVIDADES DAS FASES... 3 2.1 Fase 0 - Anteprojeto...

Leia mais

Balanceamento de Carga

Balanceamento de Carga 40 4. Balanceamento de Carga Pode-se entender por balanceamento de carga uma política a ser adotada para minimizar tanto a ociosidade de utilização de alguns equipamentos quanto a super utilização de outros,

Leia mais

Avaliação do Processo de atendimento de demandas de produtos de software da Embrapa

Avaliação do Processo de atendimento de demandas de produtos de software da Embrapa Avaliação do Processo de atendimento de demandas de produtos de software da Embrapa Edméia Leonor Pereira de Andrade Embrapa edmeia.andrade@embrapa.br AngélicaToffano Seidel Calazans Caixa Econômica Federal

Leia mais

Unioeste Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Unioeste Universidade Estadual do Oeste do Paraná Unioeste Universidade Estadual do Oeste do Paraná CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Colegiado de Informática Curso de Bacharelado em Informática Especificação de Requisitos e Modelagem Orientada

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CTS DE REDES DE COMPUTADORES INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 68 A disciplina estuda a área da informática como um todo e os conceitos fundamentais, abrangendo desde a história e a evolução

Leia mais

LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE

LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE RESUMO Fazer um bom levantamento e especificação de requisitos é algo primordial para quem trabalha com desenvolvimento de sistemas. Esse levantamento

Leia mais

APLICAÇÃO DE MINERAÇÃO DE DADOS PARA O LEVANTAMENTO DE PERFIS: ESTUDO DE CASO EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR PRIVADA

APLICAÇÃO DE MINERAÇÃO DE DADOS PARA O LEVANTAMENTO DE PERFIS: ESTUDO DE CASO EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR PRIVADA APLICAÇÃO DE MINERAÇÃO DE DADOS PARA O LEVANTAMENTO DE PERFIS: ESTUDO DE CASO EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR PRIVADA Lizianne Priscila Marques SOUTO 1 1 Faculdade de Ciências Sociais e Aplicadas

Leia mais

PEER DATA MANAGEMENT SYSTEM

PEER DATA MANAGEMENT SYSTEM PEER DATA MANAGEMENT SYSTEM INTRODUÇÃO, INFRA-ESTRUTURA E MAPEAMENTO DE ESQUEMAS AGENDA Data Management System Peer Data Management System P2P Infra-estrutura Funcionamento do PDMS Mapeamento de Esquemas

Leia mais

Na medida em que se cria um produto, o sistema de software, que será usado e mantido, nos aproximamos da engenharia.

Na medida em que se cria um produto, o sistema de software, que será usado e mantido, nos aproximamos da engenharia. 1 Introdução aos Sistemas de Informação 2002 Aula 4 - Desenvolvimento de software e seus paradigmas Paradigmas de Desenvolvimento de Software Pode-se considerar 3 tipos de paradigmas que norteiam a atividade

Leia mais

Uma arquitetura baseada em agentes de software para a automação de processos de gerênciadefalhasemredesde telecomunicações

Uma arquitetura baseada em agentes de software para a automação de processos de gerênciadefalhasemredesde telecomunicações Adolfo Guilherme Silva Correia Uma arquitetura baseada em agentes de software para a automação de processos de gerênciadefalhasemredesde telecomunicações Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada

Leia mais

Um Modelo de Componentes de Software com Suporte a Múltiplas Versões

Um Modelo de Componentes de Software com Suporte a Múltiplas Versões Hugo Roenick Um Modelo de Componentes de Software com Suporte a Múltiplas Versões Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pós graduação em Informática do Departamento de Informática

Leia mais

Projeto Pedagógico do Curso

Projeto Pedagógico do Curso Projeto Pedagógico do Curso Fundamentação Diretrizes curriculares do MEC Diretrizes curriculares da SBC Carta de Princípios da UNICAP Projeto Pedagógico Institucional da UNICAP Diretrizes Curriculares

Leia mais

Uma Experiência com Agentes Inteligentes e Jogos de Cartas

Uma Experiência com Agentes Inteligentes e Jogos de Cartas 1 Uma Experiência com Agentes Inteligentes e Jogos de Cartas Anita Maria da R. Fernandes Daniel de Oliveira Helton Machado Kraus Universidade do Vale do Itajaí Universidade do Vale do Itajaí Universidade

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CAMPUS CENTRAL NATAL DIRETORIA DE ENSINO E TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO CIVIL

INSTITUTO FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CAMPUS CENTRAL NATAL DIRETORIA DE ENSINO E TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO CIVIL INSTITUTO FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CAMPUS CENTRAL NATAL DIRETORIA DE ENSINO E TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO CIVIL NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE UM RELATÓRIO TÉCNICO Eurípedes de Medeiros Junior 1 Mara Matos

Leia mais

44 Summit Road, Suite 101 Riverside, CT 06878 (800) 573-4756 (203) 698-9323

44 Summit Road, Suite 101 Riverside, CT 06878 (800) 573-4756 (203) 698-9323 oferece consistência de suporte entre grupos de desenvolvimento Michel Vrinat, Diretor de Programa, PLM, CAE/Europa; Don Brown, Presidente Medição do desafio confrontando o desenvolvimento do produto A

Leia mais

SELEÇÃO DE SITES, SOFTWARES E JOGOS DE MATEMÁTICA A PARTIR DA TEORIA CONSTRUTIVISTA

SELEÇÃO DE SITES, SOFTWARES E JOGOS DE MATEMÁTICA A PARTIR DA TEORIA CONSTRUTIVISTA SELEÇÃO DE SITES, SOFTWARES E JOGOS DE MATEMÁTICA A PARTIR DA TEORIA CONSTRUTIVISTA Andrea Polena Universidade Federal do Paraná - UFPR andrea.ufpr@yahoo.com.br Tania T. Bruns Zimer Universidade Federal

Leia mais

Modelagem e Simulação

Modelagem e Simulação AULA 11 EPR-201 Modelagem e Simulação Modelagem Processo de construção de um modelo; Capacitar o pesquisador para prever o efeito de mudanças no sistema; Deve ser próximo da realidade; Não deve ser complexo.

Leia mais

Automação do Processo de Instalação de Softwares

Automação do Processo de Instalação de Softwares Automação do Processo de Instalação de Softwares Aislan Nogueira Diogo Avelino João Rafael Azevedo Milene Moreira Companhia Siderúrgica Nacional - CSN RESUMO Este artigo tem como finalidade apresentar

Leia mais

Fonte: www.cantocidadao.org.br/.../blog/criancas.jpg

Fonte: www.cantocidadao.org.br/.../blog/criancas.jpg 5. Estágio pré-operatório (2 a 6 anos) Fonte: www.cantocidadao.org.br/.../blog/criancas.jpg Esse período é marcado pela passagem da inteligência sensório-motora para a inteligência representativa. A criança

Leia mais

Palavras-chave: Sistema neuro-fuzzy, Sistemas de avaliação, Sistemas Adaptativos.

Palavras-chave: Sistema neuro-fuzzy, Sistemas de avaliação, Sistemas Adaptativos. ANÁLISE DO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA NA UERJ A PARTIR DE INDICADORES CONSTRUÍDOS BASEADOS NO EXAME NACIONAL DE CURSOS: UM SISTEMA NEBULOSO DE AVALIAÇÃO Maria Luiza F. Velloso mlfv@centroin.com.br Universidade

Leia mais

FURB - Universidade Regional de Blumenau TCC - Trabalho de Conclusão de Curso Acadêmico: Fernando Antonio de Lima Orientador: Oscar Dalfovo

FURB - Universidade Regional de Blumenau TCC - Trabalho de Conclusão de Curso Acadêmico: Fernando Antonio de Lima Orientador: Oscar Dalfovo FURB - Universidade Regional de Blumenau TCC - Trabalho de Conclusão de Curso Acadêmico: Fernando Antonio de Lima Orientador: Oscar Dalfovo Roteiro Introdução Sistemas de Informação - SI Executive Information

Leia mais

Normas para Apresentação de Monografias

Normas para Apresentação de Monografias UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE DEPARTAMENTO DE SISTEMAS E COMPUTAÇÃO COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Normas para Apresentação de Monografias Campina Grande, dezembro 2010

Leia mais

Etapa Descrição Atividades

Etapa Descrição Atividades 1 Introdução A auditoria e o monitoramento contínuo visam melhorar a eficiência das operações na empresa, identificando e avaliando riscos de maneira tempestiva e provendo rapidamente informações críticas

Leia mais

A avaliação de um modelo de comprometimento do consumidor com livrarias virtuais

A avaliação de um modelo de comprometimento do consumidor com livrarias virtuais Augusto César Ferreira Lima A avaliação de um modelo de comprometimento do consumidor com livrarias virtuais Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação em Administração

Leia mais

Dimensionando uma Frota Heterogênea de Veículos Ótima em Tamanho e Composição

Dimensionando uma Frota Heterogênea de Veículos Ótima em Tamanho e Composição Manuela Coelho dos Passos Dimensionando uma Frota Heterogênea de Veículos Ótima em Tamanho e Composição Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do grau de Mestre

Leia mais

A importância da Informática na Educação

A importância da Informática na Educação A importância da Informática na Educação AGUIAR, Juliana Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais FAEG - Rua das Flores, 740 Bairro Labienópolis - CEP 17400-000 Garça (SP) Brasil Telefone

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES DO MAGISTÉRIO SUPERIOR Edital nº 1, de 1 de março de

Leia mais

JOSÉ AUGUSTO FABRI. Uma Proposta de Modelo para a Criação e a Organização de Processos de Produção em um Contexto de Fábrica de Software

JOSÉ AUGUSTO FABRI. Uma Proposta de Modelo para a Criação e a Organização de Processos de Produção em um Contexto de Fábrica de Software JOSÉ AUGUSTO FABRI Uma Proposta de Modelo para a Criação e a Organização de Processos de Produção em um Contexto de Fábrica de Software São Paulo 2007 JOSÉ AUGUSTO FABRI Uma Proposta de Modelo para a Criação

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO (PROENG) ASSESSORIA DE DESENVOLVIMENTO ASSESSORIA JURÍDICA

PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO (PROENG) ASSESSORIA DE DESENVOLVIMENTO ASSESSORIA JURÍDICA FORMULÁRIO DE ALTERAÇÃO DE EMENTAS CURSO: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO MATRIZ(ES) CURRICULAR(ES): 2015 ALTERAÇÕES PASSAM A VIGORAR A PARTIR DO SEMESTRE: 1 Arquitetura de Computadores Arquitetura de Computadores

Leia mais

Automação de Bancada Pneumática

Automação de Bancada Pneumática Instituto Federal Sul-rio-grandense Campus Pelotas - Curso de Engenharia Elétrica Automação de Bancada Pneumática Disciplina: Projeto Integrador III Professor: Renato Allemand Equipe: Vinicius Obadowski,

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA MANUAL DO TCC ARUJÁ SP

CURSO DE PEDAGOGIA MANUAL DO TCC ARUJÁ SP CURSO DE PEDAGOGIA MANUAL DO TCC ARUJÁ SP 2011 ESTRUTURA 1 ELEMENTOS DE PRÉ-TEXTO 1.1 Capa 1.2 Lombada descendente 1.3 Folha de rosto 1.4 Folha de aprovação 1.5 Dedicatória 1.6 Agradecimentos 1.7 Epígrafe

Leia mais

Um sistema é constituído de um conjunto de processos que executam seus respectivos códigos do sistema operacional e processos e códigos de usuários.

Um sistema é constituído de um conjunto de processos que executam seus respectivos códigos do sistema operacional e processos e códigos de usuários. Os sistemas computacionais atuais permitem que diversos programas sejam carregados na memória e executados simultaneamente. Essa evolução tornou necessário um controle maior na divisão de tarefas entre

Leia mais

Oportunidades e Desafios para a Comunicação em Mídias Sociais Virtuais: Um estudo sobre as empresas operadoras de telefonia celular

Oportunidades e Desafios para a Comunicação em Mídias Sociais Virtuais: Um estudo sobre as empresas operadoras de telefonia celular Renata de Sousa-Aguiar Máximo Oportunidades e Desafios para a Comunicação em Mídias Sociais Virtuais: Um estudo sobre as empresas operadoras de telefonia celular Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada

Leia mais

A pesquisa de campo foi realizada com questões para os núcleos administrativo, pessoal e acadêmico e procura explorar duas situações distintas:

A pesquisa de campo foi realizada com questões para os núcleos administrativo, pessoal e acadêmico e procura explorar duas situações distintas: 4 Pesquisa de campo Neste capitulo será apresentado o resultado dos questionários da pesquisa de campo que serviu para o estudo de caso. A coleta de dados será dividida em: Núcleo administrativo Núcleo

Leia mais

PEDAGOGIA DO ESPORTE: A IMPORTÂNCIA DA UTILIZAÇÃO DA SITUAÇÃO PROBLEMA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DOS JOGOS ESPORTIVOS COLETIVOS

PEDAGOGIA DO ESPORTE: A IMPORTÂNCIA DA UTILIZAÇÃO DA SITUAÇÃO PROBLEMA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DOS JOGOS ESPORTIVOS COLETIVOS PEDAGOGIA DO ESPORTE: A IMPORTÂNCIA DA UTILIZAÇÃO DA SITUAÇÃO PROBLEMA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DOS JOGOS ESPORTIVOS COLETIVOS Prof. Ms.Camila Corrêa Moura Prof. Ms. Larissa Rafaela Galatti

Leia mais

Instituto de Computação, Universidade Federal do Amazonas (UFAM) Manaus-AM, Brasil

Instituto de Computação, Universidade Federal do Amazonas (UFAM) Manaus-AM, Brasil Elicitação de Requisitos a partir de Modelos de Processos de Negócio e Modelos Organizacionais: Uma pesquisa para definição de técnicas baseadas em heurísticas Marcos A. B. de Oliveira 1, Sérgio R. C.

Leia mais

Agendamento de Atividades e Tarefas Apoiado por Sistemas Multiagente em Ambientes Virtuais de Aprendizagem

Agendamento de Atividades e Tarefas Apoiado por Sistemas Multiagente em Ambientes Virtuais de Aprendizagem Agendamento de Atividades e Tarefas Apoiado por Sistemas Multiagente em Ambientes Virtuais de Aprendizagem Márcia da C. Pimenta 1, José Francisco M. Netto 1 1 Programa de Pós-Graduação em Informática (PPGI)

Leia mais

A Computação e as Classificações da Ciência

A Computação e as Classificações da Ciência A Computação e as Classificações da Ciência Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Classificações da Ciência A Computação

Leia mais

BANCO DE DADOS E BUSINESS INTELIGENCE. C/H: 20 horas (20/02, 25/02, 27/02, 04/03, 06/03)

BANCO DE DADOS E BUSINESS INTELIGENCE. C/H: 20 horas (20/02, 25/02, 27/02, 04/03, 06/03) MBA em Gestão de TI MÓDULO: BANCO DE DADOS E BUSINESS INTELIGENCE C/H: 20 horas (20/02, 25/02, 27/02, 04/03, 06/03) PROFESSOR: Edison Andrade Martins Morais prof@edison.eti.br http://www.edison.eti.br

Leia mais

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA Habilidades Computacionais 32 h/a Oferece ao administrador uma visão sobre as potencialidades da tecnologia

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

Heloisa Iara Colchete Provenzano. Personalidade e Risco: Um estudo em Finanças Comportamentais. Dissertação de Mestrado

Heloisa Iara Colchete Provenzano. Personalidade e Risco: Um estudo em Finanças Comportamentais. Dissertação de Mestrado Heloisa Iara Colchete Provenzano Personalidade e Risco: Um estudo em Finanças Comportamentais Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação em Administração de Empresas da

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO CST ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 68 A disciplina estuda a área da informática como um todo e os conceitos fundamentais, abrangendo desde a

Leia mais

Objetivos. Processos de Software. Tópicos abordados. O processo de software. Modelos genéricos de modelos de processo de software.

Objetivos. Processos de Software. Tópicos abordados. O processo de software. Modelos genéricos de modelos de processo de software. Processos de Software Objetivos Apresentar os modelos de processo de software Conjunto coerente de atividades para especificar, projetar, implementar e testar s de software Descrever os diferentes modelos

Leia mais

Identidade e Identificação nas Organizações: Um Estudo de Caso sobre a Gestão destes Conceitos em uma Empresa de Consultoria e Outsourcing

Identidade e Identificação nas Organizações: Um Estudo de Caso sobre a Gestão destes Conceitos em uma Empresa de Consultoria e Outsourcing Thiago Toneli Chagas Identidade e Identificação nas Organizações: Um Estudo de Caso sobre a Gestão destes Conceitos em uma Empresa de Consultoria e Outsourcing Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada

Leia mais

Pré-texto. Texto. Pós-texto. Estrutura do Trabalho Final de Curso. A estrutura do Trabalho Final de Curso compreende: pré-texto, texto e pós-texto.

Pré-texto. Texto. Pós-texto. Estrutura do Trabalho Final de Curso. A estrutura do Trabalho Final de Curso compreende: pré-texto, texto e pós-texto. Estrutura do Trabalho Final de Curso A estrutura do Trabalho Final de Curso compreende: pré-texto, texto e pós-texto. Pré-texto Capa Folha de Rosto Dedicatória Agradecimentos Epígrafe Resumo Sumário Texto

Leia mais

O JOGO EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Valéria Cristina Giacometti 1, Rosiclaire Barcelos 1, Carmen Lúcia Dias 2

O JOGO EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Valéria Cristina Giacometti 1, Rosiclaire Barcelos 1, Carmen Lúcia Dias 2 1099 O JOGO EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Valéria Cristina Giacometti 1, Rosiclaire Barcelos 1, Carmen Lúcia Dias 2 1 Discente do Mestrado em Educação da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. 2 Docente

Leia mais

2 Jogos Educacionais. 2.1.Visão Geral de Jogos Educacionais

2 Jogos Educacionais. 2.1.Visão Geral de Jogos Educacionais 2 Jogos Educacionais Jogos estão presentes como uma prática habitual, eles tem sido concebidos como uma atividade lúdica que é bastante motivadora no processo de ensinoaprendizado. É assim que jogos educacionais

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

EMENTÁRIO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1/5 ANEXO II RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 31/2005 EMENTÁRIO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO I SEMESTRE Algoritmos e Estruturas de Dados I Fundamentos da Computação Fundamentos Matemáticos para a Computação

Leia mais

METODOLOGIAS ESTATÍSTICAS APLICADAS A DADOS DE ANÁLISES QUÍMICAS DA ÁGUA PRODUZIDA EM UM CAMPO MADURO DE PETRÓLEO

METODOLOGIAS ESTATÍSTICAS APLICADAS A DADOS DE ANÁLISES QUÍMICAS DA ÁGUA PRODUZIDA EM UM CAMPO MADURO DE PETRÓLEO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA CT CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA CCET PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E ENGENHARIA DE PETRÓLEO - PPGCEP DISSERTAÇÃO DE MESTRADO

Leia mais

AGENTES INTELIGENTES. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com

AGENTES INTELIGENTES. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com AGENTES INTELIGENTES Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com Agentes Inteligentes Um agente é tudo o que pode ser considerado capaz de perceber seu ambiente por meio de sensores e de agir sobre

Leia mais

Um estudo sobre a geração e narração automática de estórias. Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção

Um estudo sobre a geração e narração automática de estórias. Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção Fabio Wanderley Guerra Engenharia de Estórias Um estudo sobre a geração e narração automática de estórias Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do grau de

Leia mais

Sistema de Recomendação Baseado na Arquitetura Multiagente

Sistema de Recomendação Baseado na Arquitetura Multiagente Sistema de Recomendação Baseado na Arquitetura Multiagente Paulo Burin 1 Orientadora: Fabiana Lorenzi 2 Resumo. Este artigo propõe a construção de uma ferramenta de software baseada na arquitetura multiagente

Leia mais

Garantia de Processo Leis de Lehman Manutenção de Softwares

Garantia de Processo Leis de Lehman Manutenção de Softwares Garantia de Processo Leis de Lehman Manutenção de Softwares Garantia de Processo Acidentes são eventos raros em sistemas críticos e pode ser impossível simulá-los durante testes de um sistema. Requisitos

Leia mais

Algumas propriedades dos objetos:

Algumas propriedades dos objetos: Orientação a Objetos Vivemos num mundo de objetos. Esses objetos existem na natureza, nas entidades feitas pelo homem, nos negócios e nos produtos que usamos. Eles podem ser categorizados, descritos, organizados,

Leia mais

Evolução dos sistemas ERP nas empresas

Evolução dos sistemas ERP nas empresas Evolução dos sistemas ERP nas empresas Aloísio André dos Santos (ITA) aloisio@mec.ita.br João Murta Alves (ITA) murta@mec.ita.br Resumo Os sistemas ERP são considerados uma evolução dos sistemas de administração

Leia mais

INF 1771 Inteligência Artificial

INF 1771 Inteligência Artificial INF 1771 Inteligência Artificial Aula 02 Agentes Inteligentes Edirlei Soares de Lima Agentes Inteligentes Um agente é algo capaz de perceber seu ambiente por meio de sensores e de

Leia mais

ASPECTOS DE SISTEMAS GERENCIAIS NO CONTEXTO EMPRESARIAL

ASPECTOS DE SISTEMAS GERENCIAIS NO CONTEXTO EMPRESARIAL ASPECTOS DE SISTEMAS GERENCIAIS NO CONTEXTO EMPRESARIAL ASPECTS OF MANAGEMENT SYSTEMS IN ENTERPRISE CONTEXT Gabriela Concolin Schimidt Centro Universitário Filadélfia UniFil Prof. Rodrigo Duarte Seabra

Leia mais

Modelagem de Campos Vetoriais Utilizando Autômatos Celulares e Elementos Finitos

Modelagem de Campos Vetoriais Utilizando Autômatos Celulares e Elementos Finitos Modelagem de Campos Vetoriais Utilizando Autômatos Celulares e Elementos Finitos Renata Vieira Palazzo 1,2, Antônio Carlos da Rocha Costa 1, Graçaliz Pereira Dimuro 1 1 Escola de Informática Universidade

Leia mais

Professor X Software Educativo: a difícil tarefa de escolher

Professor X Software Educativo: a difícil tarefa de escolher Professor X Software Educativo: a difícil tarefa de escolher Maria de Fátima Costa de Souza 1,*, Mauro C. Pequeno 1, José Aires C. Filho 2 1 Departamento de Computação Universidade Federal do Ceará (UFC)

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS JOGOS NO DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL DA CRIANÇA RESUMO

A IMPORTÂNCIA DOS JOGOS NO DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL DA CRIANÇA RESUMO A IMPORTÂNCIA DOS JOGOS NO DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL DA CRIANÇA *Sandra Rejane Silva Vargas **Luiz Fernandes Pavelacki RESUMO O presente trabalho tem como principal objetivo identificar qual a importância

Leia mais

Capítulo 1. Introdução. 1.1 Linguagens. OBJETIVOS DO CAPÍTULO Ao final deste capítulo você deverá ser capaz de:

Capítulo 1. Introdução. 1.1 Linguagens. OBJETIVOS DO CAPÍTULO Ao final deste capítulo você deverá ser capaz de: i Sumário 1 Introdução 1 1.1 Linguagens....................................... 1 1.2 O que é um Compilador?................................ 2 1.3 Processadores de Programas: Compiladores, Interpretadores

Leia mais

4 Computação Paralela 4.1. Introdução

4 Computação Paralela 4.1. Introdução 4 Computação Paralela 4.1. Introdução Nos últimos anos observa-se uma tendência cada vez maior do aumento da demanda computacional na resolução de grandes problemas. Exemplos de aplicações que exigem alto

Leia mais

TEORIAS DE CONTÉUDO DA MOTIVAÇÃO:

TEORIAS DE CONTÉUDO DA MOTIVAÇÃO: Fichamento / /2011 MOTIVAÇÃO Carga horária 2 HORAS CONCEITO: É o desejo de exercer um alto nível de esforço direcionado a objetivos organizacionais, condicionados pela habilidade do esforço em satisfazer

Leia mais

Fábio da Silva Abrate

Fábio da Silva Abrate Fábio da Silva Abrate Elaboração de um Questionário para Avaliar as Variáveis Determinantes do Endividamento de Estudantes Universitários no Cartão de Crédito: Um Estudo Piloto Adaptado para o Mercado

Leia mais

Apresenta-se a seguir, a conclusão referente aos objetivos específicos e, em seguida, ao objetivo geral:

Apresenta-se a seguir, a conclusão referente aos objetivos específicos e, em seguida, ao objetivo geral: 7. Conclusão A conclusão do trabalho de pesquisa, exposto através desta dissertação, perpassa por duas vertentes. A primeira está relacionada aos objetivos traçados no início do desenvolvimento da pesquisa,

Leia mais

SUMÁRIO LISTA DE FIGURAS... 15 LISTA DE TABELAS...17 LISTA DE SÍMBOLOS... 19. 1.1 - Introdução...21 1.2 - Revisão Bibliográfica...

SUMÁRIO LISTA DE FIGURAS... 15 LISTA DE TABELAS...17 LISTA DE SÍMBOLOS... 19. 1.1 - Introdução...21 1.2 - Revisão Bibliográfica... SUMÁRIO Pág. LISTA DE FIGURAS... 15 LISTA DE TABELAS...17 LISTA DE SÍMBOLOS... 19 CAPÍTULO 1 - INTRODUÇÃO... 21 1.1 - Introdução...21 1.2 - Revisão Bibliográfica...25 CAPÍTULO 2 - MODELAGEM ESTOCÁSTICA

Leia mais