1 Lavouras. 1.1 Produção de cereais, leguminosas e oleaginosas quinta estimativa da safra 2012, em relação à produção obtida em 2011

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1 Lavouras. 1.1 Produção de cereais, leguminosas e oleaginosas quinta estimativa da safra 2012, em relação à produção obtida em 2011"

Transcrição

1 1 Lavouras 1.1 Produção de cereais, leguminosas e oleaginosas quinta estimativa da safra 212, em relação à produção obtida em 211 A quinta avaliação da safra nacional de cereais, leguminosas e oleaginosas é estimada em 16,3 milhões de toneladas 1, superior em,1% à obtida em 211 (16,1 milhões de toneladas) e,6% maior que a estimativa de abril. A área a ser colhida em 212, de 49,9 milhões de hectares, apresenta acréscimo de 2,5% frente à área colhida em 211 e diminuição de,7% frente ao mês anterior. O arroz, o milho e a soja são os três principais produtos deste grupo, que somados representam 91,% da previsão da produção e respondem por 84,6% da área a ser colhida. Em relação ao ano anterior o arroz apresenta uma redução na área de 11,9%, o milho um acréscimo de 12,4% e a soja acréscimo de 3,3%. No que se refere à produção, o arroz apresenta uma redução de 13,5%, o milho um aumento de 21,7% e a soja uma redução de 12,4%. Vale destacar que, considerando apenas os produtos da safra de verão 2, a produção prevista, para esse grupo de grãos, de 116,2 milhões de toneladas é 9,2% inferior à registrada para esse mesmo conjunto em 211 (127,9 milhões de toneladas), decréscimo que pode ser explicado pelos baixos índices pluviométricos observados, principalmente na Região Sul. Apesar da soja ter apresentado crescimento na área o regime de chuvas inadequado afetou o rendimento médio, que decresceu 15,2%, resultando na redução de 12,4% na produção deste grão. O arroz, que apresentou queda de 11,9% na área a ser colhida, também teve seu rendimento médio diminuído em 1,9% o que acarretou uma diminuição de 13,5% na estimativa de produção Cereais, leguminosas e oleaginosas,1 % Área e Produção - Brasil 198 a 212 Produção (t) Área (ha) 2,5 % Em atenção a demandas dos usuários de informação de safra, os levantamentos para Cereais, leguminosas e oleaginosas, ora divulgados, foram realizados em estreita colaboração com a Companhia Nacional de Abastecimento - Conab, órgão do Ministério de Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA, continuando um processo de harmonização das estimativas oficiais de safra, iniciado em outubro de 27, para as principais lavouras brasileiras. 2 Produtos de verão: Algodão herbáceo (caroço de algodão), amendoim 1ª safra (em casca), arroz (em casca), feijão 1ª safra, mamona (baga), milho 1ª safra (em grão) e soja (em grão)

2 Entre as Grandes Regiões, o volume da produção de cereais, leguminosas e oleaginosas apresenta a seguinte distribuição: Região Centro-Oeste, 66,1 milhões de toneladas; Sul, 57, milhões de toneladas; Sudeste, 18,6 milhões de toneladas; Nordeste, 14, milhões de toneladas e Norte, 4,6 milhões de toneladas. Comparativamente à safra passada, são constatados incrementos nas Regiões Norte de 4,6%, Sudeste de 8,2% e Centro-Oeste de 17,8% e decréscimos nas Regiões Sul de 16,% e Nordeste de 3,5%. Nesta quinta avaliação para 212, o Mato Grosso lidera como maior produtor nacional de grãos, com uma participação de 23,6%, seguido pelo Paraná, com 19,5% e Rio Grande do Sul, com 12,3%, estados estes que somados representam 55,4% do total nacional. 2, 1,4 1,2,8,7,5,4,3,1,1,1,1,1 19,5 12,3 11,1 7,5 6,2 4,5 4,1 3,8 23,6 Cereais, leguminosas e oleaginosas Participação na produção nacional Segundo as Grandes Regiões e Unidades da Federação 212 Sul 35,6% Participação % Centro- Oeste 41,2% Norte 2,8% Sudeste 11,6% Nordeste 8,8% MT PR RS GO MG MS BA SP SC MA PI TO PA RO SE DF CE PE PB RR AC AL ES RN AM RJ AP,1 1.2 Produção Agrícola 212 estimativa de maio em relação a abril No Levantamento Sistemático da Produção Agrícola de maio destacamos as variações nas estimativas de produção, comparativamente ao mês de abril, de sete produtos: algodão herbáceo em caroço (+3,%), batata-inglesa 3ª safra (+5,1%), café em grão arábica (-,6%), feijão em grão total (- 2,1%), milho em grão 2ª safra (+4,5%), soja em grão (-1,1%) e trigo em grão (+6,%). Variação percentual da produção - comparação maio / abril BRASIL Trigo Batata-ing. 3ª safra Milho 2ª safra Algodão herbáceo Café arábica Soja Feijão - Total -3, -1, 1, 3, 5, 7, Variação % 2

3 Variação absoluta da produção - comparação maio / abril BRASIL Trigo Batata-ing. 3ª safra Algodão herbáceo Milho 2ª safra Café arábica Soja Feijão - Total Variação absoluta (t) ALGODÃO HERBÁCEO (em caroço) - Em 212, a quinta estimativa da produção nacional da cultura é de toneladas, e representa um acréscimo de 3,% frente ao anunciado no mês anterior. No Mato Grosso, que deve colher mais de 51,% da produção de algodão do país, reavaliações técnicas registram aumento na produção de 5,9%, frente à última publicação. Atribui-se, boa parte desta variação, a um regime de chuvas favorável à cultura na região sudeste do estado, elevando assim a estimativa do rendimento médio em 1,9% no mês. O aumento de área identificado na reavaliação deste mês foi de 3,9%, representando ha em todo o estado. No Estado de Goiás a revisão da área avaliada no último mês indica uma redução de 1,7%. Posto isto, e considerando o aumento de 1,9% no rendimento médio, motivado pela boa condição climática na formação das lavouras, este estado informa uma leve recuperação na produção, em relação ao mês de anterior. Quanto à Região Nordeste, é importante considerar os diversos pólos produtores e suas particularidades. A Bahia, que representa cerca de 3% da produção nacional, apesar do aumento de área de cultivo com a cultura (5,1% frente a 211), espera redução no rendimento médio. Já as regiões do Cerrado maranhense e piauiense, que estão em franca expansão, mas que juntos devem produzir cerca de 2,7% do total nacional, além de aumentarem suas áreas (11,2% e 25,1%, respectivamente) também esperam um maior rendimento médio em relação à 211. No Piauí, em particular, a previsão de aumento da produção, no último mês, é de 4,3%. Outra área produtiva desta região é o agreste, onde a seca castigou severamente a lavoura a ponto de restringir inclusive as informações momentâneas. 3

4 ,9 Algodão herbáceo (em caroço) Produção (t) Variação % Part. Prod. >1% 5.,1 4,3 Abr Mai MT BA GO MS MG PI MA SP BATATA INGLESA - A quinta estimativa de produção de batata-inglesa é de toneladas, sendo 2,8% menor que a safra colhida em 211 ( t). Esta produção é dividida em três safras, sendo que a mais importante é a primeira, cuja estimativa de produção é de t ou 42,8% do total. Nas segunda e terceira safras devem ser colhidas t e t respectivamente, correspondendo a 33,2% e 24,% da produção total. Batata-inglesa 1ª safra 42,8% t Batata-inglesa 2ª safra 33,2% t Batata-inglesa 3ª safra 24,% t Os preços praticados em 211 ficaram abaixo do ano anterior, o que refletiu na redução de 4,6% da área total plantada com a cultura em 212, particularmente nas primeiras e segundas safras, que teve uma redução de 5,4% e 5,%, respectivamente. Contudo, devido ao aumento de 1,9% e de 6,2% nos rendimentos estimados para a segunda e terceira safras, a queda na estimativa de produção não está acompanhando a redução da área plantada. 4

5 Batata-inglesa Produção em toneladas MG PR S P RS GO BA S C DF ES PB 1ª safra 2ª safra 3ª safra Minas Gerais é o maior produtor nacional de batata-inglesa com 31,6% da produção total, sendo seguido por Paraná com 19,6%, São Paulo com 17,8% e Rio Grande do Sul com 1%. Estes estados respondem juntos por 79,% da produção nacional. A variação da produção de batata-inglesa em 212, com relação a 211, vem se comportando de forma diferenciada nos estados, tendo reduzido 6,5% no Paraná, 6,2% em Minas Gerais e 2,7% no Rio Grande do Sul. Em São Paulo esta produção está aumentando 1,3% e, em Santa Catarina, estado que responde por 3,2% da produção nacional, este aumento é de 13,7%. Com relação à informação anterior ( t), a estimativa de produção da batata-inglesa está aumentando 1,9%, sendo isto reflexo do aumento de 44.4 t na estimativa de produção da terceira safra em relação à informação anterior, o que corresponde a um avanço de 5,1% nesta produção. Esta terceira safra está sendo mais influenciada pelo aumento de 18,3% da produção de Minas Gerais em relação à última informação. Neste estado, a batata é uma cultura considerada nômade, ou seja, é cultivada por produtores especializados que frequentemente mudam as lavouras de lugar. No mês passado, ainda não havia a confirmação do plantio desta terceira safra, sendo que neste mês, a confirmação veio com a informação de crescimento de área, principalmente no município de Perdizes e na região de Uberaba. 5

6 ,3 Batata-inglesa 3ª safra Produção (t) Variação % Abr Mai GO SP MG CAFÉ (em grão) A produção nacional de café, considerando as duas principais espécies cultivadas (arábica e canephora), foi avaliada em 3, milhões de toneladas, neste levantamento de maio, equivalendo a 5,3 milhões de sacas de 6 quilogramas. Na comparação com os valores de abril, a variação da produção é negativa em,3%, influenciada pela avaliação do café arábica, que participa com 75,7% do volume da produção brasileira de café em grão. Arábica 75,7% t 38,1 milhões sacas Canephora 24,3% t 12,2 milhões sacas CAFÉ ARÁBICA (em grão) - Em maio, a safra de café arábica para 212, em nível de Brasil, está estimada em t (38,1 milhões de sacas de 6 kg) e apresenta decréscimo de,6% em relação à estimativa de abril. A área total ocupada com a cultura é de ha, com uma pequena redução em relação ao mês anterior (,1%). A área a ser colhida, de ha, também apresenta queda (,2%). O rendimento médio diminui,3%. De acordo com o levantamento deste mês, o período de estiagem observado no início do ano, principalmente na Zona da Mata de Minas Gerais, não chegou a prejudicar, generalizadamente, o enchimento dos frutos nem as boas perspectivas para a safra, que já começou a ser colhida, embora os números de Minas tenham sofrido pequenos reajustes negativos na produção esperada (,2%) e no 6

7 rendimento previsto (,3%), por conta do veranico. O Paraná, onde a cafeicultura já não tem a importância econômica que teve no passado, também enfrentou problemas de estiagem, com decréscimos de 11,5% na produção esperada e 5,7% no rendimento médio. O ano de 212 é, de acordo com a série histórica, de alta, razão pela qual a previsão está mantida, apesar dos problemas citados. CAFÉ CANEPHORA (em grão) - A produção nacional, estimada em maio, é de t ou 12,2 milhões de sacas de 6 kg,,4% maior que a prevista em abril. As alterações em relação à estimativa anterior devem-se exclusivamente ao Estado de Rondônia, 2º maior produtor brasileiro, que apresenta, em relação a abril, um acréscimo no rendimento de 4,2%, com aumento de 2,9% na produção esperada, apesar da redução na estimativa de área a ser colhida. As condições climáticas favoreceram os bons resultados obtidos no Estado. O Espírito Santo, 1º produtor, mantém em maio a mesma estimativa de abril para a produção (9,3 milhões de sc/6 kg) e os problemas observados no 1º trimestre, como temperaturas excessivas e estiagem no começo do ano, não interferiram significativamente nos números divulgados agora, salvo pequena redução no rendimento esperado (,6%). Desta forma, continuam positivas as perspectivas para a safra, que já começou a ser colhida. FEIJÃO (em grão) A produção nacional de feijão em grão, estimada em t, indica uma redução de 2,1% frente à informação de abril. Reflexo da variação negativa observada nos estados de GO (4,1%), CE (,6%), RS (6,6%), PE (47,2%), MA (1,2%) e PI (13,4%). O decréscimo só não foi maior devido à contribuição positiva nas estimativas de produção do PR (1,4%), MG (3,7%), MT (21,1%) e RO (3,2%). Este volume de produção é distribuído em 42,3% para a 1ª safra ( t), 44,6% da 2ª safra ( t) e 13,1% da 3ª safra de feijão ( t) ,4 3,7 Feijão (em grão) - Total Produção (t) Variação % , ,1 -,6-6,6-47,2 Part. Prod.>1% Abr Mai -1,2 3,2-13,4 PR MG GO BA MT SP CE SC RS PE TO DF PA MA RO PI 7

8 A 1ª safra de feijão, que já teve a maior parte da área colhida, registra uma produção 6,7% menor que o quarto levantamento. Esta safra sofreu redução de área em quase todos os estados produtores. A Região Sul é maior produtora de feijão 1ª safra com uma produção de toneladas, inferior,9% frente ao levantamento anterior, confirmando a tendência de queda na produção registrada nos levantamentos anteriores devido à estiagem. A Região Nordeste, que ainda não concluiu a colheita em todos os estados, prevê uma produção de toneladas, que é 23,% menor que a estimativa de abril. A área plantada foi reduzida devido ao atraso e irregularidade da precipitação pluviométrica. Para o feijão 2ª safra, a produção esperada registra um aumento de 1,% frente à estimativa de abril. Houve aumento de área nas regiões Sul (4,6%), Sudeste (3,2%) e Centro-Oeste (8,7%) motivados pela recuperação dos preços deste grão. A Região Nordeste reduziu a área plantada em 21,3% devido à estiagem durante o período de plantio. No Paraná, maior produtor nacional, participando com 24,7% da produção do grão, as investigações de campo indicam uma área plantada, nesta safra, de ha, que é 5,2% maior que a do mês anterior e uma produção esperada de toneladas do produto também 2,9% superior. O feijão 3ª safra experimenta um acréscimo de 4,% na estimativa de produção em relação ao levantamento de abril. Variação influenciada pelo aumento da área plantada em 5,5%. Contribuíram para esta nova avaliação positiva as informações oriundas de Minas Gerais (1,5%) e Mato Grosso (64,2%), sendo que neste último o acréscimo foi significativo de 7.83 hectares a mais do que o estimado em abril. Com o preço do feijão carioca e preto bastante atrativo, vislumbra-se um incremento na área de feijão irrigado que deve começar a ser plantada durante o mês de junho. Vários produtores relatam que o plantio de feijão sob os pivots serão repicados, ou seja, após a colheita do produto com cerca de 9 dias de clico a cultura terá nova semeadura. Isto deve ocorrer principalmente no município de Sorriso. Feijão 1ª safra 42,3% t Feijão 2ª safra 44,6% t t Feijão 3ª safra 13,1% MILHO (em grão) A produção nacional de milho em grão é de 68,5 milhões de toneladas, melhor 1,9% que a avaliação de abril. O acréscimo está diretamente ligado aos novos dados levantados para o milho 2ª safra, que neste ano ultrapassam pela primeira vez a produção estimada do milho 1ª safra, participando com 5,2% deste volume da produção. O Estado do Mato Grosso é a unidade da federação que influenciou significativamente para a variação positiva 8

9 observada em maio, com acréscimo de 967,9 mil toneladas na expectativa da produção do milho. Milho 1ª safra 49,8% t Milho 2ª safra 5,2% t A produção nacional para a 1ª safra de milho está estimada em toneladas, apresentando uma leve queda (,6%), valor este influenciado principalmente pela área destinada a colheita, que reduziu 3,7% neste mês de maio. Esta redução foi ocasionada pela Região Nordeste, a qual vem enfrentando graves problemas com a seca. Nesta Região, a produção esperada é de toneladas, correspondendo a 1,9% da produção nacional, com queda de 9,4%, comparado com o mês anterior, que corresponde a uma redução de toneladas, reflexo da redução da área plantada (-5,8%) e área colhida (-14,6%). Os estados que apresentaram, este mês, redução de produção nesta Região foram o Piauí (-3,2%), Ceará (-49,9%), Rio Grande do Norte (92,4%), Paraíba (- 14,3%) e Pernambuco (-75,7%). Na Região Sudeste, Minas Gerais apresentou aumento de produção de 1,8%, rendimento de 1,4%, área plantada de,6% e área colhida de,4%, fechando maio em toneladas. Na Região Sul, responsável por 38,8% da produção nacional, o Paraná aumentou a estimativa em 1,2% a produção,,6% o rendimento e áreas plantada e colhida, enquanto que o Rio Grande do Sul reduziu 3,5% a produção, 2,9% o rendimento e,7% a área colhida. A Região Centro Oeste que representa 14,8% ( t.) da 1ª safra de milho brasileira, apresentou aumento de 1,5% para a produção, 1,1% para a área plantada e para a área colhida e,4% para o rendimento médio, referente às produções dos estados do Mato Grosso (4,3%) e Goiás (1,4%). A 2ª safra de milho em grão encontra-se ainda em campo em estágios de desenvolvimento, floração, enchimento de grãos e maturação. A previsão nacional para esta safra é de toneladas, aumento de 4,5%, apresentou também avaliação positiva no rendimento (3,6%) e nas áreas plantada e colhida (,8%) em relação a abril. Devido à seca que castiga a Região Nordeste, esta apresentou redução em todas as variáveis: 5,4% na previsão da produção, 3,% no rendimento e 2,5% na área. 9

10 A Região Centro Oeste, maior produtora do milho na 2ª safra, com 62,1% da produção nacional, apresentou variação média positiva de 6,4% na previsão de produção, e de 5,5% no rendimento médio. Os estados responsáveis por este aumento foram o Mato Grosso e Goiás, com aumentos de produção (8,3% e 8,1%), rendimento (7,9% e 4,2%) e área (,4% e 3,7%) respectivamente. Na Região Sul, o Paraná, segundo maior produtor, com 29,7% da produção nacional, estimou aumento da produção de 2,6% e de 1,9% em relação à área. Houve grande investimento em tecnologia (semente, fertilizante, insumos), que reflete estes aumentos, além disso, as condições climáticas estão favoráveis, gerando boas expectativas de produção ,3 2,6 8,1 Milho (em grão) 2ª safra Produção (t) Variação % -8,8 Abr MT PR MS GO SP SE BA MG DF -,9 Mai SOJA (em grão) - O quinto levantamento da safra estima a redução na produção nacional de soja em 1,1%, frente ao mês anterior. A redução comparada à safra anterior é de 12,4%. Motivada principalmente pela seca, a queda na produção foi mais intensa na Região Sul do país, onde determinou uma perda estimada em toneladas. No Rio Grande do Sul o rendimento médio variou de para Kg/ha, no último ano, resultando na redução de 48,4% na produção do Estado. As novas reavaliações ainda registram queda de 8,% no rendimento médio. Na produção a redução é de 8,2%. O segundo maior produtor, o Paraná deve participar somente com 16,6% do grão do país ( t), neste ano, contra 2,6% de participação na produção de 211. Vale ressaltar a progressão do preço da soja que já atingiu R$ 56,/sc de 6 kg neste Estado, representando uma forma de compensação ao produtor que teve o seu volume de produção reduzido pela estiagem. O Mato Grosso lidera a produção nacional de soja participando com 33,2% da safra de 212. Sem maiores problemas com o regime de chuvas, a supervisão estadual informa que não há variação significativa na produção da leguminosa neste levantamento de abril. O destaque anunciado pela unidade estadual são os preços praticados, que variaram entre R$ 53, em Lucas do Rio Verde, e R$ 58,3/sc 6 kg em Rondonópolis, entre 2 e 25 de março. As produtividades foram menores em relação ao ano anterior devido ao plantio antecipado da soja, o momento mais favorável do plantio para a cultura no Estado é entre a segunda quinzena de outubro e a primeira de novembro. Isto ocorreu devido ao início das chuvas em outubro. Esta época de plantio não propiciou que as variedades 1

11 utilizadas demonstrassem toda a capacidade produtiva. O excesso de chuvas durante o período produtivo, principalmente no médio norte e norte do Estado originou muitos focos de ferrugem asiática que também tiveram efeito sobre a produtividade. Nas outras regiões do Estado as condições climáticas foram satisfatórias nesta safra. Com o encerramento da colheita em Goiás, terceiro no ranking nacional, verificou-se um decréscimo de,8% no rendimento médio estimado no mês anterior. O motivo foi a incidência de pragas, mosca branca, e a escassez de chuva em algumas regiões do Estado. Nas demais regiões produtoras as ocorrências são caracterizadas pela redução no rendimento médio, que por sua vez foram causadas pela seca que ocorreu nestas regiões Soja (em grão) Produção (t) Variação % , ,3-8,2 1,8-6,9-9,1 Abr Mai MT PR GO RS MS BA MG MA SP PI TO SC RO PA DF TRIGO (em grão) - A segunda estimativa da produção nacional de trigo para 212, com base nos levantamentos de campo realizados no mês de maio, é de toneladas, em relação ao mês de abril, apresenta variação positiva de 6,%, devida ao acréscimo de 2,7% na área plantada ou a ser plantada e uma expectativa de acréscimo de 3,2% no rendimento médio. Estes acréscimos são creditados aos estados do Paraná e, principalmente, ao Rio Grande do Sul, onde a produção esperada está 12,6% maior que a estimada no mês anterior, devido, não só ao reajuste de 4,7% na área prevista para a cultura, como na melhor expectativa de rendimento médio (7,6%). Deve-se ressaltar, entretanto, que os números atuais continuam inferiores aos resultados obtidos com a cultura em 211, significando apenas uma recuperação em relação à estimativa de abril. 11

12 ,6,9 Trigo (em grão) Produção (t) Variação % Abr Mai 5. -1,5 73,9 RS PR SC MG SP GO MS DF Produção Agrícola 212 estimativa de maio de 212, em nível nacional, em relação à produção obtida em 211 Dentre os vinte e seis produtos selecionados, treze apresentam variação positiva na estimativa de produção em relação ao ano anterior: algodão herbáceo em caroço (4,6%), aveia em grão (1,7%), batata-inglesa 3ª safra (3,9%), café em grão - arábica (16,3%), café em grão - canephora (6,1%), cana-de-açúcar (4,2%), cebola (1,5%), cevada em grão (11,2%), feijão em grão 2ª safra (26,1%), laranja (,1%),mandioca (1,2%), milho em grão 2ª safra (55,7%) e triticale em grão (5,6%). Com variação negativa são treze produtos: amendoim em casca 1ª safra (4,6%), amendoim em casca 2ª safra (6,%), arroz em casca (13,5%), batata-inglesa 1ª safra (5,9%), batata-inglesa 2ª safra (3,2%), cacau em amêndoa (2,2%), feijão em grão 1ª safra (31,9%), feijão em grão 3ª safra (5,4%), mamona em baga (57,9%), milho em grão 1ª safra (,2%), soja em grão (12,4%), sorgo em grão (7,2%) e trigo em grão (1,9%). Nas figuras a seguir estão representadas as variações percentuais e absolutas das principais culturas levantadas em comparação com a safra anterior: 12

13 CAFÉ ARÁBICA (em grão)- As chuvas foram regulares durante todo o período pós-florada e a frutificação foi normal, com bom desenvolvimento dos frutos até meados de janeiro, quando se instalou um período de estiagem e temperaturas acima da média na Zona da Mata de Minas Gerais, maior estado produtor, com 67,9% de participação na produção do País. No Paraná a estiagem também afetou o rendimento em -5,6%, o que aliado à progressiva redução da área a ser colhida, fez a produção esperada diminuir em 12,4%. Apesar dos problemas, no levantamento atual, foi observado que não houve danos que pudessem alterar as perspectivas para 212. Desta forma, a safra nacional de café arábica que começou a ser colhida, está estimada em 38,1 milhões de sacas de 6 kg, equivalentes a t, 16,3% a mais que em 211. A área a ser colhida registra crescimento de,7% em relação à safra passada, totalizando ha. A área total ocupada com esta espécie é de ha,,7% maior que

14 O acréscimo estimado no rendimento médio (15,4%) é creditado à particularidade que apresenta o arábica de alternar anos de altos e baixos rendimentos ,8 Café arábica (em grão) Produção (t) Variação % ,8 5,4 9,6-12,4 9,4,8-1,5-5,9 5, MG SP ES BA PR GO RJ CE MS AC PE DF MT -13,7-1,5-17,2 CAFÉ CANEPHORA (em grão) - Para o café canephora, que já começou a ser colhido, a produção nacional esperada de t (12,2 milhões de sacas) em 212, representa aumento de 6,1%, creditado às boas perspectivas da safra a ser colhida no Espírito Santo, 1º produtor nacional de desta espécie (75,8% de participação), embora as áreas não irrigadas tenham limitado as possibilidades da safra capixaba. No norte do Estado, onde se planta o conilon, é imperativo o emprego da irrigação e é grande o potencial produtivo dos clones selecionados, de até 12 sc/ha. No entanto são muitas as dificuldades que os produtores enfrentam para irrigar seus cafezais, seja pelos entraves em conseguir outorga para uso da água, seja pelo alto custo inicial de máquinas e equipamentos. Muitos produtores praticam a simples molhação, prática de suprimento de água sem critérios técnicos, usada como último recurso, muitas vezes para evitar que o teor de umidade no solo atinja níveis críticos. Apesar dos problemas, o Espírito Santo, além de ser o maior produtor nacional da espécie concentra também os maiores rendimentos do País (média de 31,2 sc/ha). Outros estados onde a espécie é cultivada, são, em ordem decrescente: Rondônia, Bahia, Minas Gerais, Pará, Mato Grosso e Ceará, cujos números constam em tabela anexa a esta publicação FEIJÃO (em grão) - A expectativa para a produção de feijão total é de toneladas que é 1,2% menor que a de 211. Essa variação não segue as variações individuais das duas primeiras safras, onde a 1ª safra ( t) teve uma variação negativa de 31,9% e a 2ª safra ( t) tem uma previsão de aumento de 26,1%. A redução de 19,2% na área plantada da 1ª safra se deve principalmente ao fato dos produtores terem recebido um preço considerado muito baixo, no segundo semestre de 211, desestimulando o plantio na região centro-sul do País. A redução de 2,8% na previsão de área plantada para a 2ª safra é consequência da diminuição de 21,3% na área plantada na Região Nordeste que não efetivou o plantio esperado devido à estiagem prolongada ocorrida na região. 14

15 Mesmo com a melhoria dos preços pago ao produtor, ao longo de 212, as estimativas da 3ª safra de feijão ainda são aquém da colhida em 211. Diferença negativa de 3,% na área plantada, 5,4% na produção e 3,4% no rendimento médio. MILHO (em grão) - Para a safra nacional é esperada uma produção de toneladas, considerando as duas safras do produto, superando em 21,7% ao total produzido em 211. Neste comparativo a área plantada é 13,% maior em 212. Estes números refletem os bons preços que o produto vem encontrando no mercado, o que faz com que os produtores optem pela cultura, assim como o uso de melhores tecnologias, como o plantio de sementes com maior capacidade produtiva, insumos e defensivos. Para a 1ª safra é prevista uma diminuição de,2% em produção quando comparada com a safra de 211, isto representa uma perda de 7.77 toneladas. A área plantada aumentou 2,9% e a área colhida diminuiu 2,%, porém o rendimento aumentou 1,8%, estes números refletem os danos causados pela seca no Sul e Nordeste para a safra de verão. A Região Sul diminuiu o rendimento em 22,3%, e a produção em 14,8%, que representa uma perda de toneladas em relação ao produzido em 211 nesta Região. O Rio Grande Do Sul, estado mais afetado, diminuiu a produção em 44,3% e o rendimento em 39,1%, passando de kg/ha em 211 para 3.25 kg/ha em 212. O Paraná aumentou a área plantada em 24,7%, porém obteve um rendimento 15,1% menor que o da safra passada, aumentando a produção em apenas 5,9%. Na Região Nordeste, o milho foi muito afetado pela seca, refletindo em grandes reduções de área plantada (15,1%), da área colhida (26,6%) e da produção (12,6%) na maior parte dos estados, exceto os estados do Maranhão e Piauí que aumentaram a produção em 15,1% e 14,7% respectivamente, e ainda Alagoas (19,5%) e Bahia (4,9%). Os Estados que apresentaram maiores reduções de produção foram o Rio Grande do Norte (- 92,9%), Ceará (-76,8%) e Pernambuco (-75,7%). Minas Gerais, maior produtor de milho 1ª safra, aumentou a produção passando de t. obtidas em 211 para t. em 212, variação de 15,4%. Goiás também aumentou a produção atual em 43,3%, a área plantada em 27,4% e 12,5% no rendimento, refletindo a boa fase que atravessa a cultura. Na 2ª safra de milho, há previsão de aumento de 55,7% na produção nacional ( t.), o que corresponde a toneladas a mais em 212, em uma área plantada de ha. Neste ano a previsão de produção da 2ª safra de milho ultrapassou a produção prevista para a 1ª safra em toneladas. Este aumento se deve principalmente aos estados da Região Centro Oeste e ao Paraná. O Mato Grosso é o maior produtor deste segundo período de plantio, com previsão de toneladas em uma área a ser colhida de hectares com um rendimento médio de kg/ha, que corresponde a um aumento de 7,3%, 41,9% e 2% em produção, área e rendimento médio respectivamente, quando comparadas com o ano anterior. O Estado do Paraná, segundo produtor nacional, aumentou a produção em 61,7%, a área a ser colhida em 23,6% e o rendimento em 3,8%. Vale também destacar os estados de Mato Grosso do Sul e Goiás que irão produzir 34,5% e 36,8% a mais que na safra de 211. SOJA (em grão) Para a soja em 212 a área plantada ultrapassou a da safra recorde de 211 em 3,6%, com o plantio de hectares a mais. A estiagem prejudicou a cultura, principalmente 15

16 na Região Sul, não possibilitando com que a produção ultrapassasse a do ano anterior, ficando 12,4% abaixo da última safra. Neste levantamento estima-se uma perda de área da safra atual plantada equivalente a hectares, sendo colhida uma área menor 3,3% que a de 211, com redução do rendimento médio em 15,2%, quando comparado à safra precedente. Ocorreram variações negativas na estimativa da produção para a Região Sudeste (,9%) e Sul (37,%), sendo a principal Unidade da Federação afetada pela estiagem o Rio Grande do Sul, decréscimo da produção de 48,4%. As variações positivas na estimativa da produção ocorreram nas Regiões: Norte (3,7%), Nordeste (2,8%) e Centro-Oeste (3,2%), destaque para o Mato Grosso que aumentou a produção em 1, milhão de toneladas, 4,8% a mais que o produzido em 211. TRIGO (em grão) Em nível nacional, a atual estimativa da produção de trigo para 212, apresenta um decréscimo de 1,9% em comparação à produção obtida no ano anterior ( t). A Região Sul atualmente é responsável por 95,1% da produção nacional deste cereal. Com relação à área cultivada, verifica-se o decréscimo de 11,21%, estando estimada em ha. Com exceção do Rio Grande do Sul e Santa Catarina, todos os estados produtores registram menor área de cultivo, desmotivados pelos baixos preços de comercialização do trigo. Estes números poderão apresentar alterações uma vez que o período de plantio estende-se até meados de julho em alguns estados produtores. Em Minas Gerais, o levantamento de campo deste mês registrou uma estimativa da área cultivada de ha, menor em 7,3%, quando comparada aos dados da safra anterior. A produção mineira deverá atingir toneladas, cerca de 5,1% inferior à obtida em 211. As incertezas do mercado e a falta de contratos firmados com os moinhos desestimularam os produtores. O Estado do Paraná, maior produtor, responsável por 44,9% da produção nacional no levantamento de campo realizado este mês, indica uma área a ser cultivada de ha, inferior em 24,8% à plantada em 211. Estima-se que cerca de 6% desta área prevista já foi semeada. As lavouras se encontram em sua maioria nos estágios de germinação (15%) e de desenvolvimento vegetativo (85%). As condições climáticas até o momento estão favoráveis ao desenvolvimento da cultura. A produção paranaense deverá situar-se em t, menor 6,1% que a obtida na safra anterior. O baixo preço do produto obtido na safra anterior, a dificuldade de comercialização da safra passada e a entrada de trigo de outros países, com preço menor, são os responsáveis pelo quadro atual do produto. No Rio Grande do Sul, a atual estimativa da área a ser cultivada de 976. ha, está 4,7% superior a da safra passada. Já a produção esperada de t e o rendimento médio de 2.41 kg/ha encontram-se menores respectivamente em 14,5% e 18,4%. O aumento previsto na área de plantio, em relação ao ano anterior, foi uma das maneiras dos produtores tentarem recuperar as perdas com a safra de verão. No entanto, a falta de chuva nos últimos dias de maio tem retardado o plantio neste inicio de safra, além de prejudicar o desenvolvimento da cultura já implantada. Outro fator limitante ao crescimento do plantio, pode ser o preço baixo do produto que permaneceu praticamente estagnado, remunerando muito pouco o agricultor e tornando difícil a comercialização, segundo informações da EMATER/RS. 16

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE realizou, em outubro, o primeiro prognóstico para

Leia mais

SUMÁRIO. 1 - Lavouras... 5. 1 - Área, produção e rendimento médio - confronto das estimativas mensais março / fevereiro safra 2012 Brasil...

SUMÁRIO. 1 - Lavouras... 5. 1 - Área, produção e rendimento médio - confronto das estimativas mensais março / fevereiro safra 2012 Brasil... ...... PRODUÇÃO DAS LAVOURAS EM MARÇO DE 2012 SUMÁRIO 1 - Lavouras... 5 TABELAS DE RESULTADOS Safra 2012 1 - Área, produção e rendimento médio - confronto das estimativas mensais março / fevereiro safra

Leia mais

Indicadores IBGE. Estatística da Produção Agrícola. Abril de 2012. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE

Indicadores IBGE. Estatística da Produção Agrícola. Abril de 2012. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Indicadores IBGE Estatística da Produção Agrícola Abril de 2012 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Presidenta da República Dilma Rousseff Ministra do Planejamento, Orçamento e Gestão

Leia mais

1 Lavouras 160.000.000 +11,6 % Cereais, leguminosas e oleaginosas. Área e Produção - Brasil 1980 a 2010 Produção (t) 60.000.

1 Lavouras 160.000.000 +11,6 % Cereais, leguminosas e oleaginosas. Área e Produção - Brasil 1980 a 2010 Produção (t) 60.000. 1 Lavouras 1.1 Produção de cereais, leguminosas e oleaginosas A décima segunda estimativa da safra nacional de cereais, leguminosas e oleaginosas, indica uma produção da ordem de 149,5 milhões de toneladas,

Leia mais

Indicadores IBGE. Estatística da Produção Agrícola. julho de 2015. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE

Indicadores IBGE. Estatística da Produção Agrícola. julho de 2015. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Indicadores IBGE Estatística da Produção Agrícola julho de 2015 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Presidenta da República Dilma Rousseff Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão

Leia mais

SUMÁRIO. Avaliação da Safra Agrícola 2007/20087 Segundo Levantamento de Intenção de Plantio Novembro/2007 1

SUMÁRIO. Avaliação da Safra Agrícola 2007/20087 Segundo Levantamento de Intenção de Plantio Novembro/2007 1 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2 2. METODOLOGIA 2 3. ESTIMATIVA DA ÁREA PLANTADA 3 4. ESTIMATIVA DA PRODUÇÃO 4 5. AVALIAÇÃO DAS CULTURAS 6 6. ESTIMATIVAS DE ÁREA, PRODUÇÃO E PRODUTIVIDADE 13 7. BALANÇO DE OFERTA

Leia mais

Indicadores IBGE. Estatística da Produção Agrícola. Setembro de 2013. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE

Indicadores IBGE. Estatística da Produção Agrícola. Setembro de 2013. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Indicadores IBGE Estatística da Produção Agrícola Setembro de 2013 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Presidenta da República Dilma Rousseff Ministra do Planejamento, Orçamento e Gestão

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEAPA SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEAPA SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEAPA SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO (VBP) AGROPECUÁRIO Julho/2015 R$ milhões VBP PRINCIPAIS PRODUTOS AGRÍCOLAS LAVOURAS

Leia mais

LSPA LEVANTAMENTO SISTEMÁTICO DA PRODUÇÃO AGRÍCOLA PESQUISA MENSAL DE PREVISÃO E ACOMPANHAMENTO DAS SAFRAS AGRÍCOLAS NO ANO CIVIL

LSPA LEVANTAMENTO SISTEMÁTICO DA PRODUÇÃO AGRÍCOLA PESQUISA MENSAL DE PREVISÃO E ACOMPANHAMENTO DAS SAFRAS AGRÍCOLAS NO ANO CIVIL LSPA LEVANTAMENTO SISTEMÁTICO DA PRODUÇÃO AGRÍCOLA PESQUISA MENSAL DE PREVISÃO E ACOMPANHAMENTO DAS SAFRAS AGRÍCOLAS NO ANO CIVIL Fevereiro 2012 Presidenta da República Dilma Rousseff Ministra do Planejamento,

Leia mais

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 5 2. METODOLOGIA 6

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 5 2. METODOLOGIA 6 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 5 2. METODOLOGIA 6 3. ESTIMATIVA DA ÁREA PLANTADA 6 4. ESTIMATIVA DA PRODUÇÃO 7 5. INFLUÊNCIAS CLIMÁTICAS 8 6. AVALIAÇÃO DAS CULTURAS 9 6.1 Algodão 9 6.2 Arroz 10 6.3 - Canola 11

Leia mais

Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura

Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura A safra de grãos do país totalizou 133,8 milhões de toneladas em 2009, de acordo com o Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA) de dezembro,

Leia mais

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado AGROSSÍNTESE Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado Edilson de Oliveira Santos 1 1 Mestre em Economia, Gestor Governamental da SEAGRI; e-mail: edilsonsantos@seagri.ba.gov.br

Leia mais

PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS

PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL D E R A L PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS 20/03/06 O levantamento de campo realizado pelo DERAL, no

Leia mais

Indicadores IBGE. Estatística da Produção Agrícola. Maio de 2013. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE

Indicadores IBGE. Estatística da Produção Agrícola. Maio de 2013. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Indicadores IBGE Estatística da Produção Agrícola Maio de 2013 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Presidenta da República Dilma Rousseff Ministra do Planejamento, Orçamento e Gestão Miriam

Leia mais

Safra 2011/2012. Décimo Levantamento. Julho/2012

Safra 2011/2012. Décimo Levantamento. Julho/2012 Safra 2011/2012 Décimo Levantamento Julho/2012 1 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) Companhia Nacional Abastecimento (Conab) Safra de2011/2012 Diretoria de Política Agrícola e Informações

Leia mais

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Outubro de 2012. MUNDO O milho é o cereal mais produzido no mundo. De acordo com o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), a produção média do

Leia mais

LSPA LEVANTAMENTO SISTEMÁTICO DA PRODUÇÃO AGRÍCOLA PESQUISA MENSAL DE PREVISÃO E ACOMPANHAMENTO DAS SAFRAS AGRÍCOLAS NO ANO CIVIL

LSPA LEVANTAMENTO SISTEMÁTICO DA PRODUÇÃO AGRÍCOLA PESQUISA MENSAL DE PREVISÃO E ACOMPANHAMENTO DAS SAFRAS AGRÍCOLAS NO ANO CIVIL LSPA LEVANTAMENTO SISTEMÁTICO DA PRODUÇÃO AGRÍCOLA PESQUISA MENSAL DE PREVISÃO E ACOMPANHAMENTO DAS SAFRAS AGRÍCOLAS NO ANO CIVIL janeiro 2013 Presidenta da República Dilma Rousseff Ministra do Planejamento,

Leia mais

Responsáveis Técnicos: SILVIO ISOPO PORTO AROLDO ANTONIO DE OLIVEIRA NETO FRANCISCO OLAVO BATISTA DE SOUSA

Responsáveis Técnicos: SILVIO ISOPO PORTO AROLDO ANTONIO DE OLIVEIRA NETO FRANCISCO OLAVO BATISTA DE SOUSA Safra 2013/2014 Segundo Levantamento Agosto/2013 1 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção e Agroenergia SPAE Departamento de CanadeAçúcar e Agroenergia DCAA Companhia

Leia mais

2.2 - SÃO PAULO, PARANÁ, ESPÍRITO SANTO, BAHIA E RONDÔNIA.

2.2 - SÃO PAULO, PARANÁ, ESPÍRITO SANTO, BAHIA E RONDÔNIA. 1 - INTRODUÇÃO No período de 01 a 14 de abril de 2007, os técnicos da CONAB e das instituições com as quais mantém parceria visitaram municípios produtores de café em Minas Gerais, Espírito Santo, São

Leia mais

AJUSTE E FIXAÇÃO DE ÍNDICES DE RENDIMENTO

AJUSTE E FIXAÇÃO DE ÍNDICES DE RENDIMENTO AJUSTE E FIXAÇÃO DE ÍNDICES DE RENDIMENTO QUE INFORMAM O CONCEITO DE PRODUTIVIDADE Março 2005 APLICAÇÃO DOS ÍNDICES Função Social da Propriedade exige níveis satisfatórios de produtividade Vistoria do

Leia mais

Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social

Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social COMENTÁRIOS ACERCA DOS NÚMEROS FINAIS DO PIB DO RS E DAS DEMAIS UNIDADES DA FEDERAÇÃO EM 2010 Equipe

Leia mais

Evolução da Produção Regional dos Principais Grãos (2010-2015)

Evolução da Produção Regional dos Principais Grãos (2010-2015) Evolução da Produção Regional dos Principais Grãos (2010-2015) Gráfico 1 Evolução da produção de grãos (Em milhões de toneladas) A produção brasileira de cereais, leguminosas e oleaginosas cresceu, em

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO OUTUBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO OUTUBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO OUTUBRO DE 2015 CALENDÁRIO AGRÍCOLA - FEIJÃO Safra 1ª - Safra das Águas 2ª - Safra da Seca 3ª - Safra de Inverno Principais Regiões Sul, Sudeste,

Leia mais

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 1. INTRODUÇÃO O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), por meio da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), realiza sistematicamente

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento C o m p an h i a N ac io n a l d e Abastecimento D i r e t o r i a d e Opercações e A b a stecimento S u p erintedência de O p erações Comerciais G e r ên c i a d e Formação e Controle de Estoques P o

Leia mais

Safra 2008 Primeira Estimativa Janeiro/2008

Safra 2008 Primeira Estimativa Janeiro/2008 Safra 2008 Primeira Estimativa Janeiro/2008 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção e Agroenergia SPAE Departamento do Café DCAF Companhia Nacional de Abastecimento CONAB

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA

MINISTÉRIO DA FAZENDA MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Política Econômica CMN 29.07.2009 Votos Agrícolas Brasília-DF, 29 de julho de 2009. RESUMO DOS VOTOS DA ÁREA AGRÍCOLA REUNIÃO DO CMN JULHO 2009 1 ESTABELECE NOVO PRAZO

Leia mais

Janeiro de 2013 Volume 01

Janeiro de 2013 Volume 01 Janeiro de 2013 Volume 01 Janeiro de 2013 Volume 01 2 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Companhia Nacional de Abastecimento - Conab Dipai - Diretoria de Política Agrícola e Informações

Leia mais

CAMARA SETORIAL DA BORRACHA CARLOS ALFREDO B GUEDES BRASILIA JULHO 2015

CAMARA SETORIAL DA BORRACHA CARLOS ALFREDO B GUEDES BRASILIA JULHO 2015 CAMARA SETORIAL DA BORRACHA A CARLOS ALFREDO B GUEDES BRASILIA JULHO 2015 LEGISLAÇÃO Decreto nº 68.678, de 25 de maio de 1971 cria a Comissão Especial de Planejamento, Controle e Avaliação das Estatísticas

Leia mais

BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014

BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014 BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014 Milho: Os preços no mercado brasileiro ficaram estáveis e até mesmo um pouco mais baixos em algumas praças. A incerteza dos produtores quanto à produtividade do milho

Leia mais

BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008

BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008 BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008 Mercado Internacional Em 2007, a produção anual de milho atingiu quase 720 milhões de tonelada (Tabela 1), quando os Estados Unidos,

Leia mais

Geração de Emprego Formal no NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, JULHO DE 2011

Geração de Emprego Formal no NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, JULHO DE 2011 Geração de Emprego Formal no RIO DE JANEIRO NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, JULHO DE 211 1 211 O crescimento da economia fluminense nos últimos

Leia mais

Safra 2013. Segunda Estimativa Maio/2013. Safra 2010/2011 Terceiro Levantamento Janeiro/2011

Safra 2013. Segunda Estimativa Maio/2013. Safra 2010/2011 Terceiro Levantamento Janeiro/2011 Safra 2013 Segunda Estimativa Maio/2013 Safra 2010/2011 Terceiro Levantamento Janeiro/2011 Avaliação da Safra Agrícola Cafeeira 2013 Segunda Estimativa Maio/2013 1 Ministério da Agricultura, Pecuária e

Leia mais

VALOR DA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA DO BRASIL EM 2003, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO 1

VALOR DA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA DO BRASIL EM 2003, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO 1 VALOR DA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA DO BRASIL EM 2003, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO 1 Alfredo Tsunechiro 2 Vagner Azarias Martins 3 1 - INTRODUÇÃO 1 2 3 Qual a verdadeira magnitude do valor da produção agropecuária

Leia mais

LEVANTAMENTO FISCAL SITE KADOX

LEVANTAMENTO FISCAL SITE KADOX LEVANTAMENTO FISCAL SITE KADOX SUMÁRIO 1 ICMS 1.1 CONTRIBUINTE 1.2 FATO GERADOR DO IMPOSTO 1.3 BASE DE CÁLCULO DO IMPOSTO 1.4 REDUÇÃO DA BASE DE CÁLCULO 1.5 CARTA DE CORREÇÃO 1.6 CÓDIGO DA SITUAÇÃO TRIBUTÁRIA

Leia mais

Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra

Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra Ano 8 Edição 15 - Setembro de 2015 Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra A forte valorização do dólar frente ao Real no decorrer deste ano apenas no período de

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE CAFÉ NO ESPÍRITO SANTO HISTÓRICO:

INFORMAÇÕES SOBRE CAFÉ NO ESPÍRITO SANTO HISTÓRICO: INFORMAÇÕES SOBRE CAFÉ NO ESPÍRITO SANTO HISTÓRICO: O Estado do Espírito Santo encontra-se como o segundo maior produtor nacional de café, destacando-se o plantio das espécies Arábica e Conilon, sendo

Leia mais

Contas Regionais do Brasil 2010

Contas Regionais do Brasil 2010 Diretoria de Pesquisas Contas Regionais do Brasil 2010 Coordenação de Contas Nacionais frederico.cunha@ibge.gov.br alessandra.poca@ibge.gov.br Rio, 23/11/2012 Contas Regionais do Brasil Projeto de Contas

Leia mais

INFORME SARGSUS. Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde

INFORME SARGSUS. Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde INFORME SARGSUS Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde 1 ESFERA MUNICIPAL 1.1 Relatório de Gestão Ano 2013 Até a presente data,

Leia mais

Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana

Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana Super-safra norte-americana Em seu boletim de oferta e demanda mundial de setembro o Usda reestimou para cima suas projeções para a safra 2007/08.

Leia mais

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de Desempenho da Agroindústria No fechamento do primeiro semestre de 2005, a agroindústria registrou crescimento de 0,3%, taxa bastante inferior à assinalada pela média da indústria brasileira (5,0%) no mesmo

Leia mais

CONJUNTURA 24.05.2010 FEIJÃO. João Ruas Gerência de Alimentos Básicos Superintendência de Gestão da Oferta

CONJUNTURA 24.05.2010 FEIJÃO. João Ruas Gerência de Alimentos Básicos Superintendência de Gestão da Oferta CONJUNTURA 24.05.2010 FEIJÃO João Ruas Gerência de Alimentos Básicos Superintendência de Gestão da Oferta MERCADO -Comportamento das principais cultivares plantadas no Brasil; -Situação da Safra 2009/2010;

Leia mais

FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO

FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO Por: Carlos Eduardo Cruz Tavares 1 São várias as cadeias produtivas que constituem o complexo agroalimentar, destacando-se entre elas,

Leia mais

TRIGO Período de 02 a 06/11/2015

TRIGO Período de 02 a 06/11/2015 TRIGO Período de 02 a 06//205 Tabela I - PREÇO PAGO AO PRODUTOR (em R$/60 kg) Centro de Produção Unid. 2 meses Períodos anteriores mês (*) semana Preço Atual PR 60 kg 29,56 35,87 36,75 36,96 Semana Atual

Leia mais

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 A economia piauiense, em 2008, apresentou expansão em volume do Produto Interno Bruto (PIB) de 8,8% em relação ao ano anterior. Foi a maior taxa de crescimento

Leia mais

07. CEREAIS, FIBRAS E OLEAGINOSAS

07. CEREAIS, FIBRAS E OLEAGINOSAS 07. CEREAIS, FIBRAS E OLEAGINOSAS Algodão PERSPECTIVAS 2016 DESVALORIZAÇÃO DO REAL FRENTE AO DÓLAR AUMENTA OS CUSTOS DE PRODUÇÃO A PRODUÇÃO MUNDIAL DE ALGODÃO DEVE CAIR PELO QUARTO ANO CONSECUTIVO E OS

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA SALARIAL 11/1/2010

ANÁLISE COMPARATIVA SALARIAL 11/1/2010 ANÁLISE COMPARATIVA SALARIAL PROFESSORES DAS REDES ESTADUAIS NO BRASIL A PRESENTE PESQUISA ESTÁ ENQUADRADA NA ESTRATÉGIA DO SINDICATO APEOC DE CONSTRUIR A ADEQUAÇÃO DO PLANO DE CARREIRA DOS TRABALHADORES

Leia mais

Número 24. Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no Brasil

Número 24. Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no Brasil Número 24 Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no 29 de julho de 2009 COMUNICADO DA PRESIDÊNCIA Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no 2 1. Apresentação Este

Leia mais

Novas tecnologias para o desenvolvimento produtivo baseado na experiência do desenvolvimento do Cerrado Brasileiro

Novas tecnologias para o desenvolvimento produtivo baseado na experiência do desenvolvimento do Cerrado Brasileiro Novas tecnologias para o desenvolvimento produtivo baseado na experiência do desenvolvimento do Cerrado Brasileiro Cláudio Takao Karia Chefe Adjunto de P&D Embrapa Cerrados VI Foro por el desarrollo de

Leia mais

Desenvolvimento e Oportunidades da Agricultura Familiar. Marco Antonio Viana Leite Diretor PAC e Mais Alimentos

Desenvolvimento e Oportunidades da Agricultura Familiar. Marco Antonio Viana Leite Diretor PAC e Mais Alimentos Desenvolvimento e Oportunidades da Agricultura Familiar Marco Antonio Viana Leite Diretor PAC e Mais Alimentos Agricultura Familiar no Mundo São 500 milhões de estabelecimentos da agricultura familiar

Leia mais

LSPA. Levantamento Sistemático da Produção Agrícola. Setembro de 2013. Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas no ano civil

LSPA. Levantamento Sistemático da Produção Agrícola. Setembro de 2013. Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas no ano civil Diretoria de Pesquisas Coordenação de Agropecuária Gerência de Agricultura LSPA Setembro de 213 Levantamento Sistemático da Agrícola Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas no

Leia mais

PA02 IBGE Área plantada nas regiões do Brasil com lavouras anuais.

PA02 IBGE Área plantada nas regiões do Brasil com lavouras anuais. PA2 IBGE Área plantada nas regiões do Brasil com lavouras anuais. Abacaxi 8 7 6 5 4 3 2 1 199 1995 2 25 21 A produção nacional de abacaxi que vinha crescendo até 22 sofreu uma inflexão, voltou a subir

Leia mais

Jurandir Zullo Junior * Hilton Silveira Pinto Ana Maria H. de Ávila. Eduardo Delgado Assad Giampaolo Queiroz Pellegrino Fábio Ricardo Marin

Jurandir Zullo Junior * Hilton Silveira Pinto Ana Maria H. de Ávila. Eduardo Delgado Assad Giampaolo Queiroz Pellegrino Fábio Ricardo Marin Mudanças as Climáticas e Agricultura Jurandir Zullo Junior * Hilton Silveira Pinto Ana Maria H. de Ávila Eduardo Delgado Assad Giampaolo Queiroz Pellegrino Fábio Ricardo Marin Alerta Global 87% dos brasileiros

Leia mais

REGIONAL CENTRO-OESTE

REGIONAL CENTRO-OESTE REGIONAL CENTRO-OESTE SOJA DESPONTA NO CENTRO-OESTE, REDUZINDO ÁREAS DE MILHO VERÃO E ALGODÃO A produção de soja despontou no Centro-Oeste brasileiro nesta safra verão 2012/13, ocupando áreas antes destinadas

Leia mais

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1)

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) ANEXO I BICICLETA ESCOLAR Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) Assunto: Adesão à ata de registro de preços nº 70/2010 do pregão eletrônico nº 40/2010. 1 2 BICICLETA 20 - AC,

Leia mais

GUSTAVO ROBERTO CORRÊA DA COSTA SOBRINHO E JOSÉ MACIEL DOS SANTOS EFEITOS DA CRISE FINANCEIRA GLOBAL SOBRE A AGRICULTURA BRASILEIRA.

GUSTAVO ROBERTO CORRÊA DA COSTA SOBRINHO E JOSÉ MACIEL DOS SANTOS EFEITOS DA CRISE FINANCEIRA GLOBAL SOBRE A AGRICULTURA BRASILEIRA. EFEITOS DA CRISE FINANCEIRA GLOBAL SOBRE A AGRICULTURA BRASILEIRA. GUSTAVO ROBERTO CORRÊA DA COSTA SOBRINHO E JOSÉ MACIEL DOS SANTOS Consultores Legislativos da Área X Agricultura e Política Rural MARÇO/2009

Leia mais

ZONEAMENTO AGRÍCOLA DE RISCO CLIMÁTICO SPA/MAPA

ZONEAMENTO AGRÍCOLA DE RISCO CLIMÁTICO SPA/MAPA ZONEAMENTO AGRÍCOLA DE RISCO CLIMÁTICO SPA/MAPA III Reunião Técnica do CEMADEN Tema: Extremos Climáticos e Colapso de Produção Agrícola Fortaleza/CE 02 e 03 de abril de 2012 Antecedentes Altos índices

Leia mais

FACULDADE BOA VIAGEM (FBV) Gestão de Marketing

FACULDADE BOA VIAGEM (FBV) Gestão de Marketing FACULDADE BOA VIAGEM (FBV) Gestão de Marketing Edson José de Lemos Júnior Ermeson Gomes da Silva Jardson Prado Coriolano da Silva Marcos Antonio Santos Marinho Rosinaldo Ferreira da Cunha RELATÓRIO GERENCIAL

Leia mais

Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015. Perspectivas da economia / Comprometimento de renda. Novembro/2015. Copyright Boa Vista SCPC 1

Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015. Perspectivas da economia / Comprometimento de renda. Novembro/2015. Copyright Boa Vista SCPC 1 Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015 Perspectivas da economia / Comprometimento de renda Novembro/2015 Copyright Boa Vista SCPC 1 Objetivo, metodologia e amostra o Objetivo: Pesquisa para

Leia mais

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR 8 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR Secretaria de Vigilância em Saúde/MS 435 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA/COR MORTALIDADE POR CAUSAS EXTERNAS Evolução da mortalidade por causas externas

Leia mais

Assunto: falta de recursos do governo federal para agricultura do Paraná

Assunto: falta de recursos do governo federal para agricultura do Paraná Assunto: falta de recursos do governo federal para agricultura do Paraná A FAEP tem solicitado ao governo federal que libere os recursos anunciados de R$ 5,6 bilhões na Política de Garantia de Preços Mínimos

Leia mais

PROGNÓSTICO DE ESTAÇÃO PARA A PRIMAVERA DE 2001. TRIMESTRE Outubro-Novembro-Dezembro.

PROGNÓSTICO DE ESTAÇÃO PARA A PRIMAVERA DE 2001. TRIMESTRE Outubro-Novembro-Dezembro. 1 PROGNÓSTICO DE ESTAÇÃO PARA A PRIMAVERA DE 2001 TRIMESTRE Outubro-Novembro-Dezembro. A Primavera começa este ano às 22h04min (hora de Brasília), no dia 22 de setembro e termina às 17h20min (horário de

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção e Agroenergia AÇÚCAR E ÁLCOOL NO BRASIL

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção e Agroenergia AÇÚCAR E ÁLCOOL NO BRASIL Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção e Agroenergia AÇÚCAR E ÁLCOOL NO BRASIL Departamento da Cana-de-açúcar e Agroenergia MARÇO 2007 www.agricultura.gov.br daa@agricultura.gov.br

Leia mais

A crise atual da agricultura brasileira e da gaúcha* Este texto faz uma análise da evolução recente da agricultura brasileira e da gaúcha, baseada

A crise atual da agricultura brasileira e da gaúcha* Este texto faz uma análise da evolução recente da agricultura brasileira e da gaúcha, baseada Análise setorial Agropecuária A crise atual da agricultura brasileira e da gaúcha* Vivian Fürstenau** Economista da FEE Introdução Este texto faz uma análise da evolução recente da agricultura brasileira

Leia mais

Valor da Cesta Básica aumenta em 12 cidades

Valor da Cesta Básica aumenta em 12 cidades 1 São Paulo, 06 de novembro de 2014. NOTA À IMPRENSA Valor da Cesta Básica aumenta em 12 cidades Em outubro, houve aumento dos preços do conjunto de bens alimentícios essenciais em 12 das 18 cidades onde

Leia mais

Milho Perspectivas do mercado 2011/12

Milho Perspectivas do mercado 2011/12 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE POLÍTICA AGRÍCOLA Milho Perspectivas do mercado 2011/12 março de 2012 Milho - Oferta e Demanda - Mundo milhões de t. Safras 2008/09 2009/10

Leia mais

PROGNÓSTICO TRIMESTRAL (Setembro Outubro e Novembro de- 2003).

PROGNÓSTICO TRIMESTRAL (Setembro Outubro e Novembro de- 2003). 1 PROGNÓSTICO TRIMESTRAL (Setembro Outubro e Novembro de- 2003). O prognóstico climático do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), órgão do Ministério da Agricultura, Pecuária e do Abastecimento,

Leia mais

EVOLUÇÃO DA PRODUÇÃO DE FEIJÃO NO BRASIL DE 1976-2009 Paulo Roberto Vieira de ALMEIDA¹; Alcido Elenor WANDER² INTRODUÇÃO

EVOLUÇÃO DA PRODUÇÃO DE FEIJÃO NO BRASIL DE 1976-2009 Paulo Roberto Vieira de ALMEIDA¹; Alcido Elenor WANDER² INTRODUÇÃO EVOLUÇÃO DA PRODUÇÃO DE FEIJÃO NO BRASIL DE 1976-2009 Paulo Roberto Vieira de ALMEIDA¹; Alcido Elenor WANDER² ¹ Mestrando do Programa de Pós Graduação em Agronegócio na Escola de Agronomia e Engenharia

Leia mais

Inventar com a diferenca,

Inventar com a diferenca, Inventar com a diferenca, cinema e direitos humanos PATROCÍNIO APOIO REALIZAÇÃO Fundação Euclides da Cunha O que é Inventar com a diferença: cinema e direitos humanos O projeto visa oferecer formação e

Leia mais

Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015 Novembro/2015

Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015 Novembro/2015 Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015 Novembro/2015 Copyright Boa Vista SCPC 1 Objetivo, metodologia e amostra o Objetivo: Pesquisa para mapear os hábitos de consumo e compras para época

Leia mais

Produtos e período monitorado:

Produtos e período monitorado: ISSN: 2318-3764 Produtos e período monitorado: Cultivos de Segunda Safra e de inverno (Safra 2014/ 2015) 28 de julho a 15 de agosto/15 Volume 04 Número 08 Agosto 2015 Observatório Agrícola Presidente da

Leia mais

Análise Demográfica das Empresas da IBSS

Análise Demográfica das Empresas da IBSS CAPÍTULO 4 Análise Demográfica das Empresas da IBSS Apresentação A demografia de empresas investiga a estrutura do estoque de empresas em dado momento e a sua evolução, como os movimentos de crescimento,

Leia mais

INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA

INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA TEL +55 34 3229 1313 FAX +55 34 3229 4949 celeres@celeres.com.br celeres.com.br IB13.02 16 de dezembro de 2013 INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA Conteúdo Análise Geral... 2 Tabelas... 5 Figuras Figura 1. Adoção

Leia mais

Relatório Geral. Safra 2014/2015 Sexto Levantamento Março/2015. ACOMPANHAMENTO DA SAFRA BRASILEIRA Rio Grande do Sul GRÃOS CLIMA

Relatório Geral. Safra 2014/2015 Sexto Levantamento Março/2015. ACOMPANHAMENTO DA SAFRA BRASILEIRA Rio Grande do Sul GRÃOS CLIMA COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO CONAB SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DO RIO GRANDE DO SUL GERÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO E SUPORTE ESTRATÉGICO SETOR DE APOIO A LOGÍSTICA E GESTÃO DE OFERTA ACOMPANHAMENTO DA

Leia mais

GeoSafras - Geotecnologias aplicadas ao Monitoramento Agrícola. Diretor de Política Agrícola e Informações

GeoSafras - Geotecnologias aplicadas ao Monitoramento Agrícola. Diretor de Política Agrícola e Informações GeoSafras - Geotecnologias aplicadas ao Monitoramento Agrícola Diretor de Política Agrícola e Informações Mandato Legal Empresa pública, vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Leia mais

INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA

INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA TEL +55 34 3229 1313 FAX +55 34 3229 4949 celeres@celeres.com.br celeres.com.br IB14.01 9 de abril de 2014 INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA Conteúdo Análise Geral... 2 Tabelas... 6 Figuras Figura 1. Adoção da

Leia mais

ARRECADAÇÃO TRIBUTÁRIA SOBRE PRODUTOS AGRÍCOLAS BRASILEIROS

ARRECADAÇÃO TRIBUTÁRIA SOBRE PRODUTOS AGRÍCOLAS BRASILEIROS ARRECADAÇÃO TRIBUTÁRIA SOBRE PRODUTOS AGRÍCOLAS BRASILEIROS Joelsio José Lazzarotto 1 Antônio Carlos Roessing 2 RESUMO O setor agroindustrial brasileiro tem grande relevância para o desenvolvimento do

Leia mais

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14 Soja Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro de 2013 MUNDO A economia mundial cada vez mais globalizada tem sido o principal propulsor responsável pelo aumento da produção de soja. Com o aumento do

Leia mais

Relatório Gerencial TECNOVA

Relatório Gerencial TECNOVA Relatório Gerencial TECNOVA Departamento de Produtos Financeiros Descentralizados - DPDE Área de Apoio à Ciência, Inovação, Infraestrutura e Tecnologia - ACIT Fevereiro de 2015 Marcelo Nicolas Camargo

Leia mais

Acompanhamento da Safra 2012/13 no MS

Acompanhamento da Safra 2012/13 no MS Acompanhamento da Safra 2012/13 no MS Circular Técnico nº 20 No acompanhamento da cultura do milho 2ª safra de Mato Grosso do Sul foram visitadas 52 propriedades entre os dias 22 e 25 de abril de 2013

Leia mais

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA)

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Relatório com as principais notícias divulgadas pela mídia

Leia mais

Milho Período: 11 a 15/05/2015

Milho Período: 11 a 15/05/2015 Milho Período: 11 a 15/05/2015 Câmbio: Média da semana: U$ 1,00 = R$ 3,0203 Nota: A paridade de exportação refere-se ao valor/sc desestivado sobre rodas, o que é abaixo do valor FOB Paranaguá. *Os preços

Leia mais

Sublimites estaduais de enquadramento para. Nacional 2012/2013. Vamos acabar com essa ideia

Sublimites estaduais de enquadramento para. Nacional 2012/2013. Vamos acabar com essa ideia Sublimites estaduais de enquadramento para o ICMS no Simples Nacional 2012/2013 Vamos acabar com essa ideia 4 CNI APRESENTAÇÃO Os benefícios do Simples Nacional precisam alcançar todas as micro e pequenas

Leia mais

Agronegócio. Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ. Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze. 41 3379 8719 brandalizze@uol.com.

Agronegócio. Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ. Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze. 41 3379 8719 brandalizze@uol.com. Agronegócio Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze 41 3379 8719 brandalizze@uol.com.br GRÃOS Produção (milhões de T. USDA - Fevereiro de 2014; Projeções

Leia mais

2014 DEZEMBRO. Caderno de Informação da Saúde Suplementar. Beneficiários, Operadoras e Planos

2014 DEZEMBRO. Caderno de Informação da Saúde Suplementar. Beneficiários, Operadoras e Planos 2014 DEZEMBRO Caderno de Informação da Saúde Suplementar Beneficiários, Operadoras e Planos Elaboração, distribuição e informações: MINISTÉRIO DA SAÚDE Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) Diretoria

Leia mais

Programa de Aquisição de Alimentos - Conab

Programa de Aquisição de Alimentos - Conab Programa de Aquisição de Alimentos - Conab Exercício 2004 Sumário Executivo O presente documento procura sintetizar as ações desenvolvidas pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) através do Programa

Leia mais

INDICAÇÃO N o, DE 2015

INDICAÇÃO N o, DE 2015 55ª Legislatura 1ª Sessão Legislativa Ordinária INDICAÇÃO N o, DE 2015 Sugere a criação de um programa de irrigação nas regiões afetadas por estiagens, em estados brasileiros. Agricultura, Pecuária e Abastecimento:

Leia mais

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade Agência Nacional de Telecomunicações Entidade Aferidora da Qualidade Qualidade da Banda Larga Publicação de Indicadores (Setembro/14) Medição Banda Larga Fixa (SCM) Para a medição da banda larga fixa (SCM)

Leia mais

CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO

CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO O Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio brasileiro estimado pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e pelo Centro de Estudos Avançados

Leia mais

José Geraldo Eugênio de França Diretor-Executivo Brasília - DF Junho/2008

José Geraldo Eugênio de França Diretor-Executivo Brasília - DF Junho/2008 UMA AGENDA PARA O DESENVOLVIMENTO DA AGRICULTURA José Geraldo Eugênio de França Diretor-Executivo Brasília - DF Junho/2008 ALGUMAS CONSEQÜÊNCIAS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS GLOBAIS RECURSOS HÍDRICOS: A MODIFICAÇÃO

Leia mais

Departamento de Ciências Administrativas, Contábeis, Econômicas e da Comunicação - UNIJUÍ

Departamento de Ciências Administrativas, Contábeis, Econômicas e da Comunicação - UNIJUÍ DACEC Departamento de Ciências Administrativas, Contábeis, Econômicas e da Comunicação - UNIJUÍ Comentários referentes ao período entre 21/06/2013 a 27/06/2013 Prof. Dr. Argemiro Luís Brum 1 Prof. Ms.

Leia mais

PROGNÓSTICO TRIMESTRAL Agosto-Setembro-Outubro de 2003. Prognóstico Trimestral (Agosto-Setembro-Outubro de 2003).

PROGNÓSTICO TRIMESTRAL Agosto-Setembro-Outubro de 2003. Prognóstico Trimestral (Agosto-Setembro-Outubro de 2003). 1 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA Instituto Nacional de Meteorologia INMET Endereço: Eixo Monumental VIA S1 Telefone: + 55 61 344.3333/ Fax:+ 55 61 344.0700 BRASÍLIA / DF - CEP:

Leia mais

CADERNO DE DIAGNÓSTICO

CADERNO DE DIAGNÓSTICO CADERNO DE DIAGNÓSTICO Resíduos Agrosilvopastoris I Resíduos Orgânicos Vania Elisabete Schneider Denise Peresin Andréia Cristina Trentin Taison Anderson Bortolin Regina Helena Rosa Sambuichi Documento

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Produção e Agroenergia. Anuário Estatístico da. Agroenergia

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Produção e Agroenergia. Anuário Estatístico da. Agroenergia MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Produção e Agroenergia Anuário Estatístico da Agroenergia Brasília/DF 2009 2009 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Todos

Leia mais

Tabela 1 Evolução da produção mundial de óleos (Mil toneladas)

Tabela 1 Evolução da produção mundial de óleos (Mil toneladas) Preços da mamona se recuperam 1. A produção e o consumo mundial de óleos vegetais se elevam A produção mundial de óleos vegetais aumentou aproximadamente 400 entre 1974/75 e 2006/07, passando de 25,7 hões

Leia mais

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Resultados incluem primeiro ano de cultivo de milho geneticamente modificado, além das já tradicionais

Leia mais

Monitoramento de agrotóxicos em água para consumo humano

Monitoramento de agrotóxicos em água para consumo humano Seminário de Vigilância em Saúde de Populações Expostas a Agrotóxicos Mesa Redonda I Exposição humana a agrotóxicos: ações em desenvolvimento Monitoramento de agrotóxicos em água para consumo humano Coordenação

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA SOBRE AS Micro e pequenas empresas RANKING DOS ESTADOS 2012

CARGA TRIBUTÁRIA SOBRE AS Micro e pequenas empresas RANKING DOS ESTADOS 2012 CARGA TRIBUTÁRIA SOBRE AS Micro e pequenas empresas RANKING DOS ESTADOS 2012 Tributos incluídos no Simples Nacional Brasília 19 de setembro de 2013 ROTEIRO 1 2 3 4 O PROJETO RESULTADOS DIFERENÇA NAS ALÍQUOTAS

Leia mais

CONJUNTURA DE SAFRAS, OU MAIS DO MESMO: EXPANSÃO DA FRONTEIRA AGRÍCOLA COM SOJA EM 2015/16

CONJUNTURA DE SAFRAS, OU MAIS DO MESMO: EXPANSÃO DA FRONTEIRA AGRÍCOLA COM SOJA EM 2015/16 CONJUNTURA DE SAFRAS, OU MAIS DO MESMO: EXPANSÃO DA FRONTEIRA AGRÍCOLA COM SOJA EM 2015/16 A Companhia Nacional do Abastecimento (Conab), divulgou recentemente sua primeira estimativa para a safra brasileira

Leia mais

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade Agência Nacional de Telecomunicações Entidade Aferidora da Qualidade Qualidade da Banda Larga Publicação de Indicadores (Junho/14) Medição Banda Larga Fixa (SCM) Para a medição da banda larga fixa (SCM)

Leia mais