FACT-SHEET. Cana-de-Açúcar, Milho e Soja. Programa Agricultura e Meio Ambiente. WWF - Brasil

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FACT-SHEET. Cana-de-Açúcar, Milho e Soja. Programa Agricultura e Meio Ambiente. WWF - Brasil"

Transcrição

1 FACT-SHEET Cana-de-Açúcar, Milho e Soja Programa Agricultura e Meio Ambiente WWF - Brasília Março 28

2 WWF- Secretaria Geral Denise Hamú Superintendência de Conservação de Programas Temáticos Carlos Alberto de Mattos Scaramuzza Coordenação do Programa de Agricultura e Meio Ambiente Luiz Fernando Laranja da Fonseca FICHA TÉCNICA DA PUBLICAÇÃO Coordenação Técnica Luiz Fernando Laranja da Fonseca Pedro Henrique Gratão Assistente de Programa Karlla Christina Lima Cutrim ii

3 INTRODUÇÃO Num cenário de alta demanda global por alimentos, fibras e energia, grande atenção tem sido dedicada à agricultura brasileira por duas razões principais. Primeiro pelo grande potencial de produção agrícola do que pode vir a suprir grande parte dessa crescente demanda global. Em segundo lugar porque há risco de que a maior produção agrícola brasileira possa vir justamente da expansão das culturas nas áreas de fronteira agrícola podendo impactar negativamente importantes biomas brasileiros como o Cerrado, Pantanal e Amazônia. Nesse contexto, para se possa fazer qualquer análise dos riscos e oportunidades do crescimento da produção agrícola brasileira é fundamental que se conheçam as estatísticas e informações básicas sobre esse setor. Desta forma, o Programa Agricultura e Meio Ambiente do WWF- preparou um guia rápido de consulta, na forma de tabelas, gráficos e figuras, sobre as 3 principais culturas agrícolas brasileiras em termos de ocupação de área (Soja, Milho e Cana). Este guia contém inicialmente informações gerais sobre a agricultura no mundo com dados de produção, área e produtividade das 1 principais culturas agrícolas do mundo em termos de ocupação de área. No segundo capítulo são apresentados dados gerais sobre a agricultura brasileira, incluindo balança comercial, principais destinos e origem das exportações e importações respectivamente bem como a contribuição da agricultura para o PIB nacional. Os capítulos 3, 4 e 5 referem-se especificamente às culturas da Cana, Milho e Soja respectivamente e apresentam dados gerais de produção, área ocupada e produtividade no mundo e no. Também apresentam dados de produção regional bem como dados de exportação e importação de cada uma das culturas e seus produtos derivados como açúcar, etanol, farelo e óleo de soja. Com esta publicação o Programa Agricultura e Meio Ambiente do WWF- busca contribuir para o melhor entendimento da ordem de grandeza da agricultura brasileira e a consquente qualificação do debate sobre um tema atual e relevante da agenda ambiental. iii

4 Conteúdo CAP. 1 Dados Gerais sobre a Agricultura Mundial (pág. 1-3) Principais culturas agrícolas, área, produção e produtividade CAP. 2 Agronegócio no (pág. 4-7) Balança comercial Exportações Principais destinos das exportações Produção, preço e valor bruto da produção CAP. 3 Cana-de-Açúcar (pág. 8-2) Dados gerais da cultura no Mundo (Área, produção e produtividade) Dados gerais da cultura no (Área, produção e produtividade) Dados de produção regional Exportações de açúcar e etanol (volumes, valores e principais destinos) CAP. 4 Milho (pág ) Dados gerais da cultura no Mundo (Área, produção e produtividade) Dados gerais da cultura no (Área, produção e produtividade) Dados de produção regional Exportações (volumes, valores e principais destinos) CAP. 5 Soja (pág ) Dados gerais da cultura no Mundo (Área, produção e produtividade) Dados gerais da cultura no (Área, produção e produtividade) Dados de produção regional Exportações de grãos, farelo e óleo (Principais destinos) iv

5 1 DADOS GERAIS SOBRE A AGRICULTURA MUNDIAL: Evolução da área de algumas culturas Milhões de hectares Trigo Arroz Milho Cevada Sorgo Soja Algodão Cana Beterraba Batata Mandioca Fonte dos dados: FAO Figura 1 Evolução da produção de algumas culturas Milhões de toneladas Trigo Arroz Milho Cevada Sorgo Soja Algodão Cana Beterraba Batata Mandioca Fonte dos dados: FAO Figura 2 1

6 Área e produção de algumas culturas no mundo e no em 26 Mundo Participação do Área Colhida (ha) Produção (ton) Produtiv. (kg/ha) Área Colhida (ha) Produção (ton) Produtiv. (kg/ha) Área Produção Cereais Cereais Cereais Trigo , ,71,72%,41% Arroz (com casca) , ,86 1,93% 1,81% Milho , ,78 8,73% 6,13% Cevada , ,5,15%,15% Sorgo , ,41 1,68% 2,75% Oleaginosas Oleaginosas Oleaginosas Soja , ,1 23,67% 23,64% Algodão , ,68 3,58% 4,4% Sucro-alcooleiras Sucro-alcooleiras Sucro-alcooleiras Cana-de-açúcar , ,89 3,16% 32,7% Beterraba ,15,,%,% Outras Outras Outras Batata , ,31,75% 1,% Mandioca , ,95 1,22% 11,8% Fonte dos dados: FAO Tabela 1 2

7 Evolução da área e produção de algumas culturas (FAO) TRIGO ARROZ Milhões de hectares e toneladas Área Produção Milhões de hectares e toneladas Área Produção Figura 3 Figura MILHO CEVADA Milhões de hectares e toneladas Área Produção Figura 5 Figura 6 SORGO Milhões de hectares ou toneladas SOJA Área Produção Milhões de hectares e toneladas Área Produção Milhões de hectares e toneladas Área Produção Figura 7 Figura MANDIOCA ALGODÃO CANA-DE-AÇÚCAR Milhões de Milhões hectares de toneladas Área Produção Área Produção Figura 9 Figura 1 BETERRABA Milhões de hectares Milhões de toneladas BATATA Milhões de hectares Produção Área Milhões de toneladas Milhões de hectares Produção Área Milhões de toneladas Milhões de hectares Produção Área Figura 11 Figura

8 2 AGRONEGÓCIO NO BRASIL De acordo com o Relatório da CNA Agropecuária eira Balanço e Perspectivas 27 / 28 e dados obtidos do MAPA sobre o balanço do agronegócio brasileiro, este setor apresenta uma grande importância para a economia nacional: - Saldo na Balança Comercial de US$ 49,696 bilhões em 27 (16,3% superior a 26). - Crescimento de 18,2 % nas exportações, alcançando US$ 58,416 bilhões. - A participação do Agronegócio nas exportações do país passou de 35,9% (26) para 36,4% (27). - Nos últimos 1 anos ( ) as exportações do agronegócio brasileiro cresceram 23% Balança comercial do Agronegócio: 2 a Export Import Difference Fonte: Balança Comercial 27 MAPA Figura 13 4

9 Fonte: Balança Comercial 27 MAPA Figura 14 Fonte: Balança Comercial MAPA 27 Figura 15 5

10 Ano Total (A) Exportações Importações Saldo Agronegócio (B) ,383 13, ,414 12, ,62 12, ,793 14, ,555 15, ,545 19, ,56 2, ,747 21, ,994 23, ,14 21, ,13 2, ,119 2, ,287 23, ,439 24, ,23 3, ,678 39, ,529 43, ,87 49,424 Part.% (B/A) 4,49 41,35 39,23 4,38 41,34 43,87 44,88 44,29 44,9 42,13 42,68 37,36 4,91 41,8 41,84 4,34 36,77 35,86 Total (C) Agronegócio (D) 18,263 3,81 2,661 3,184 21,41 3,642 2,554 2,962 25,256 4,157 33,79 5,678 49,792 8,613 53,346 8,939 59,747 8,193 57,763 8,41 49,32 5,694 55,851 5,756 55,62 4,81 47,243 4,449 48,326 4,746 62,836 4,831 73,6 5,11 91,351 6, ,649 58,42 12,621 8,719 36,37 Fonte: AgroStat a partir de dados da SECEX/MDIC Gráfico 2 Part.% (D/C) 16,87 15,41 17,31 14,41 16,46 17,16 17,3 16,76 13,71 13,92 11,55 1,31 8,64 9,42 9,82 7,69 6,94 7,33 7,23 Total Agronegócio US$ Bilhões sem o Agronegócio 16,12 1,84 5,28 1,753 9,86,947 1,579 8,761 1,818 15,239 11,492 3,747 13,299 11,783 1,516 1,466 13,427-2,961-3,286 12,258-15,544-5,599 12,26-17,85-6,753 15,173-21,926-6,624 13,55-2,129-1,289 14,8-16,88 -,732 14,836-15,567 2,685 19,45-16,36 13,196 2,377-7,181 24,878 25,881-1,3 33,842 34,172 -,33 44,929 38,479 6,45 46,457 42,728 3,729 4,28 49,71-9,673 Fonte: Balança Comercial 27 MAPA Figura 16 6

11 Segundo o Relatório do MAPA Projeções do Agronegócio Mundial e 26/7 a 217/18: - O PIB do Agronegócio está estimado em R$ 564,36 bilhões com participação no Produto Total da economia de 23,3%. O relatório da CNA, projeta um PIB de R$ 569,9 bilhões (vide gráfico) - A taxa anual média de crescimento da agropecuária em 18 anos foi de 3,9%, enquanto Industria e Serviços, apresentaram respectivamente taxas de 1,79% e 1,78%. Fonte: CNA 27 Figura 17 Produtos Valor bruto da produção brasileira de cana, milho e soja Preços médios reais Produção (base outubro de 27, pelo Valor Bruto da Produção IGP-DI) R$ Unidade Unidade Var. % Cana-de-açúcar mil t t 42,4 41, , ,4 1,6% Milho mil t kg,28, , ,9 49,8% Soja mil t kg,45, ,5 3648,5 24% Gráfico 3 7

12 3 CANA-DE-AÇÚCAR: A área colhida de cana no mundo em 26 foi de 2,4 milhões de ha. (FAO) A produção mundial de cana em 26 foi de milhões de toneladas. (FAO) Os 1 países maiores produtores da cana foram responsáveis em 26 por 8,8% da produção mundial. Os três maiores produtores foram, Índia e China, respectivamente. Somente e Índia foram responsáveis por 52,89% da produção mundial. (FAO) Área colhida de cana no mundo em 26 22,83% 3,16% Índia China Tailândia Paquistão Cuba 1,95% Austrália 2,3% África do Sul 2,6% Colômbia 2,9% México 3,28% Paquistão 4,45% Tailândia 4,59% China 5,98% Índia 2,59% México Colômbia África do Sul Austrália Cuba Fonte dos dados: FAO Figura 18 8

13 Produção de cana no mundo em 26 19,92% Índia 32,7% China México Estados Unidos 1,93% Tailândia Indonésia 2,17% Austrália 2,74% Colômbia 2,86% Paquistão 3,21% Tailândia 3,42% México 3,63% China 7,23% Índia 2,19% Paquistão Colômbia Austrália Indonésia Estados Unidos Fonte dos dados: FAO Figura 19 Entre 1961 e 26 houve um acréscimo na produtividade média mundial, pois enquanto a produção aumentou 211% a área colhida aumentou 129%. (FAO) Evolução da produção e área colhida de cana no Mundo Milhões de toneladas Produção Área (ha) Milhões de ha Fonte dos dados: FAO Figura 2 A produção brasileira de cana no ano de 26 foi de 455 milhões de toneladas e a área colhida neste mesmo ano foi de mil ha. (FAO) 9

14 Já no ano de 27, a produção brasileira de cana foi de 475 milhões de toneladas e a área colhida mil ha. (CONAB) No, no período entre 1961 e 26, enquanto a área colhida aumentou 35%, a produção cresceu 667%. (FAO) Evolução da área colhida de cana X Mundo Milhões de ha Mundo Fonte dos dados: FAO Figura 21 Evolução da produção de cana X Mundo Milhões de toneladas Mundo Fonte dos dados: FAO Figura 22 1

15 Milhões de toneladas Evolução da produção e área colhida de cana no Fonte dos dados: FAO Figura 23 Produção Área ANO Milhões de ha São Paulo é a unidade federativa maior produtora de cana-de-açucar no. Este estado foi responsável por 58,86% da produção nacional em 26, o que corresponde a 269 milhões de toneladas. (PAM IBGE) 6 Unidades Federativas que mais produziram cana em 26 no : (Mil toneladas) (% do total) 1. São Paulo ,86 2. Paraná , Minas Gerais ,45 4. Alagoas , Goiás , Pernambuco ,848 (PAM IBGE) 11

16 Produção de cana por Unidade Federativa em 26 M. Grosso do Sul 3% Demais UFs 5% Mato Grosso 3% Pernambuco 4% Goiás 4% Alagoas 5% Minas Gerais 7% Paraná 7% São Paulo 6% São Paulo Paraná Minas Gerais Alagoas Goiás Pernambuco Mato Grosso M. Grosso do Sul Rio de Janeiro Bahia Demais UFs Fonte dos dados: PAM IBGE Figura 24 Evolução da produção de cana X São Paulo Milhões de toneladas São Paulo Fonte dos dados: PAM IBGE Figura 25 Mudança aproximada da produção nos 6 principais estados produtores no período de 199 a 26 com base nos dados do PAM IBGE. 1. São Paulo aumento de 95%. 2. Paraná aumento de 189%. 3. Minas Gerais aumento de 84%. 4. Alagoas decréscimo de 1%. 5. Goiás aumento de 176%. 6. Pernambuco decréscimo de 23%. 12

17 Evolução da produção de cana em alguns estados (São Paulo excluído) Milhões de toneladas Paraná Minas Gerais Alagoas Goiás Pernambuco Fonte dos dados: PAM IBGE Figura 26 Milhões de toneladas Evolução da produção de cana em alguns estados do centro-sul (São Paulo excluído) Paraná Minas Gerais Goiás Mato Grosso M. Grosso do Sul Fonte dos dados: PAM IBGE Figura 27 13

18 Evolução da produção de cana em alguns estados do Nordeste Milhões de toneladas Alagoas Pernambuco Bahia Paraíba Fonte dos dados: PAM IBGE Figura 28 A produção de açúcar na safra 6/7 foi de 29,68 milhões de toneladas enquanto a de álcool foi de 17,76 milhões de m 3. Entre as safras de 9/91 e 6/7 houve um aumento de aproximadamente 33% e 54% na produção de açúcar e álcool respectivamente. (ÚNICA) Neste mesmo período (entre as safras de 9/91 e 6/7) enquanto a produção de açúcar no Norte-Nordeste aumentou apenas 43% no Centro- Sul o acréscimo foi de 467%. Para o álcool, enquanto a produção no Norte-Nordeste sofreu uma diminuição de 5%, no Centro-Sul o aumento foi de 65%. (ÚNICA) O uso de etanol como combustível no atingiu 13,4 milhões de m3 em 26 (a produção foi de 17,7 milhões m3), cerca de 4% do combustível usado em motores automotivos (ciclo Otto). A agroindústria da cana gerou também 11,3 TWh de energia elétrica e mecânica (acionamentos), na maioria para uso próprio (o que equivale a 3% de toda a energia elétrica consumida no País). O uso do bagaço como combustível foi de 2,2 M tep (toneladas equivalentes de petróleo). (ÚNICA) O balanço energético do etanol de cana ( unidades de energia produzida por unidade de energia consumida ) está em torno de 8,9. Esse valor se mostra bastante superior aos valores para os diversos tipos de biodiesel (que estão entre 2, e 3,); para o álcool de milho dos EUA esse valor está na faixa de 1,3 a 1,8; no caso do álcool de beterraba (Europa) está em torno de 2,; e para o etanol de sorgo ( estimativas, na África ) está em torno de 4,. (ÚNICA) Apenas um terço da produção brasileira de açúcar é vendida no mercado interno, dos quais 5% para consumo direto e os outros 5% para o 14

19 mercado industrial (refrigerantes, balas, sorvetes etc.). A demanda de açúcar tem crescido entre 1,5% a 2% ao ano. Na safra 26/7, o exportou cerca de 19,36 milhões de toneladas de açúcar (dois terços da produção). O volume exportado significa mais de 45% do mercado livre de açúcar. O é o principal produtor e exportador de açúcar do mundo. (ÚNICA e MAPA) Na safra 26/7, 14 bilhões de litros são destinados ao mercado interno e 3,5 bilhões para o mercado externo. O etanol carburante no substitui hoje mais de 4% da gasolina. (ÚNICA) Fonte: MAPA Cadeia Produtiva da Agroenergia Figura 29 A expectativa para a safra 212/213 é de que a indústria processe 7 milhões de toneladas de cana, produzindo 36 bilhões de litros de álcool e 39 milhões de toneladas de açúcar. Esse aumento será proporcionado por meio da implantação de novas unidades, de expansão das unidades já existentes e aumento da produtividade agroindustrial. Atualmente, cerca de 5% da cana é destinada para a produção de etanol. A expectativa é que no ano de 212, como a produção de etanol tende a crescer mais rapidamente, 6% da oferta de cana será usada para a produção de etanol. (ÚNICA) O investimento em uma unidade que processa 2 milhões de toneladas de cana em uma safra é de cerca de 14 milhões de dólares (agrícola e industrial). (ÚNICA) Mercado interno 6/7 Centro-Sul (FONTE: ÚNICA) Açúcar: Consumo per capita de 5kg/ano. Para a safra 7/8 espera-se um crescimento vegetativo (variando com as taxas de crescimento da economia) (ÚNICA) 15

20 Álcool: Veículos flex serviram de mola propulsora para o crescimento do mercado interno do álcool. (ÚNICA) Evolução da produção de açúcar X Norte-Nordeste X Centro-Sul Milhões de toneladas Norte-Nordeste Centro-Sul Fonte dos dados: ÚNICA Figura 3 Evolução da produção de álcool X Norte-Nordeste X Centro-Sul Milhões de m Norte-Nordeste Centro-Sul Fonte dos dados: ÚNICA Figura 31 16

21 Evolução da produção no de Açúcar X Álcool Milhões de toneladas (açucar) ou m3 (álcool) Açucar Álcool 5 Fonte dos dados: ÚNICA Figura No ano de 25 foram exportadas 18,16 milhões de toneladas de açúcar que renderam US$ 3,9 bilhões FOB. No ano de 26 foram 18,87 milhões de toneladas que renderam US$ 6,2 bilhões FOB. Em 27 foram exportadas 19,36 milhões de toneladas de açúcar que equivaleram a US$ 5,1 bilhão FOB. (ÚNICA e MAPA) US$ (FOB) das exportações brasileiras de açúcar Milhões de US$ jan fev mar abr mai jun jul ago set out nov dez Fonte dos dados: ÚNICA Figura 33 17

22 No ano de 25 foram exportados 2,6 milhões de m 3 de álcool que renderam US$ 765,5 milhões FOB. No ano de 26 foram 3,42 milhões de m 3 que renderam US$ 1,6 bilhão FOB. Em 27 foram exportados 3,53 milhões de m 3 de álcool que equivaleram a US$ 1,5 bilhão FOB. (ÚNICA e MAPA) US$ (FOB) das exportações brasileiras de álcool Milhões de US$ jan fev mar abr mai jun jul ago set out nov dez Fonte dos dados: ÚNICA Figura 34 Os principais destinos do açúcar bruto exportado pelo em 26 foram: Mil toneladas 1. Rússia Egito Irã Malásia Nigéria Canadá Argélia Marrocos 551 (FNP AGRIANUAL 28) Esses 8 maiores compradores de açúcar bruto brasileiro totalizam 77,94% do total de açúcar bruto exportado em 26. Os outros 22,6% tem outros destinos. (FNP AGRIANUAL 28) 18

23 Destino das exportações brasileiras de açúcar bruto em 26 22% Marrocos 4% Argélia 5% Canadá 6% Nigéria 7% Malásia 7% Irã 8% Egito 8% Rússia 33% Rússia Egito Irã Malásia Nigéria Canadá Argélia Marrocos Fonte dos dados: FNP - AGRIANUAL 28 Figura 35 Os principais destinos do açúcar refinado brasileiro exportado em 26 foram: Mil toneladas 1. Emirados Árabes Unidos Iêmen Iraque Arábia Saudita Gana Síria Bangladesh Angola 221 (FNP AGRIANUAL 28) Somados, os 8 maiores compradores do açúcar refinado brasileiro totalizam 5,39% da quantidade total exportada no ano de 26. Os outros 49,61% do açúcar refinado exportado pelo tem outros destinos. (FNP AGRIANUAL 28) 19

24 Destinos da exportação brasileira de açúcar refinado em 26 Emirados Árabes Unidos 14% 49% Síria 4% Iemen 9% Iraque 6% Arábia Saudita 5% Emirados Árabes Unidos Iemen Iraque Arábia Saudita Síria Bangladesh Gana Angola Angola 4% Gana 5% Fonte dos dados: FNP AGRIANUAL 28 Figura 36 Bangladesh 4% Os principais destinos do álcool etílico exportado pelo em 26 foram: Mil m 3 1. Estados Unidos Países Baixos Japão Suécia El Salvador Jamaica Venezuela Costa Rica 92 (FNP AGRIANUAL 28) Somados, os 8 maiores compradores de álcool etílico do foram responsáveis por 88,8% das exportações brasileiras de álcool em 26. Os outros 11,2% tem outros destinos. (FNP AGRIANUAL 28) Destinos das exportações brasileiras de álcool em 26 Venezuela 3% Suécia 6% Costa Rica 3% Jamaica 4% El Salvador 5% Japão 7% 11% Países Baixos 1% Estados Unidos 51% Estados Unidos Países Baixos Japão El Salvador Suécia Venezuela Jamaica Costa Rica Fonte dos dados: FNP AGRIANUAL 28 Figura 37 2

25 4 MILHO: A área mundial colhida de milho em 26 foi de 144 milhões de ha. (FAO) A produção mundial de milho em 26 foi de 695 milhões de toneladas. (FAO) Os 1 países maiores produtores de milho foram responsáveis em 26 por 79,14% da produção mundial. Os três maiores produtores foram Estados Unidos, China e, respectivamente. A soma da produção desses 3 países totaliza 65,57% da produção mundial. (FAO) Área colhida de milho no mundo em 26 Estados Unidos 2% Argentina 2% Romênia 2% Filipinas 2% 31% Indonésia 2% Nigéria 3% México 5% Índia 5% 9% China 19% Estados Unidos China Índia México Nigéria Indonésia Filipinas Romênia Argentina Fonte dos dados: FAO Figura 38 21

26 Produção de milho no mundo em 26 21% Canadá 1% Itália 1% Indonésia 2% França 2% Argentina 2% Índia 2% México 3% 6% China 21% Estados Unidos 39% Estados Unidos China México Índia Argentina França Indonésia Itália Canadá Fonte dos dados: FAO Figura 39 Entre 1961 e 26 houve um acréscimo na produtividade média mundial, pois enquanto a produção aumentou 239% a área aumentou apenas 37%. (FAO) Evolução da produção, área e produtividade do milho no mundo Milhões de toneladas ou hectares Mil kg/ha Produção Área Produtividade Fonte dos dados: FAO Figura 4 A produção brasileira de milho no ano de 26 foi de 42,6 milhões de toneladas e a área cultivada neste mesmo ano foi de 12,6 milhões de ha. (FAO) 22

27 No, no período entre 1961 e 26, enquanto a área cultivada aumentou 83%, a produção cresceu 372%. (FAO) Evolução da produção, área e produtividade do milho no Milhões de toneladas ou ha Mil kg/ha Produção Área Produtividade Fonte dos dados: FAO Figura 41 Paraná é a unidade federativa maior produtora de milho no. Este estado foi responsável por 26,35% da produção nacional em 26, o que corresponde a toneladas. (PAM IBGE) 5 Unidades Federativas que mais produziram milho em 26 no : 1. Paraná 11,2 milhões de toneladas (26,35%) 2. Minas Gerais 5,1 milhões de toneladas (12,8%) 3. Rio Grande do Sul 4,5 milhões de toneladas (1,61%) 4. São Paulo 4,4 milhões de toneladas (1.26%) 5. Mato Grosso 4,2 milhões de toneladas (9.91%) (PAM IBGE) 23

28 Produção de milho por Unidade Federativa em 26 Mato Grosso do Sul 5% Santa Catarina 7% Goiás 8% Mato Grosso 1% Ceará 2% Bahia 3% Demais UFs 6% Paraná 26% Minas Gerais 12% Paraná Minas Gerais Rio Grande do Sul São Paulo Mato Grosso Goiás Santa Catarina Mato Grosso do Sul Bahia Ceará Demais UFs São Paulo 1% Rio Grande do Sul 11% Fonte dos dados: PAM IBGE Figura 42 Aumento aproximado da produção nos 5 principais estados produtores no período de 199 a 26 com base nos dados do PAM IBGE. 1. Paraná 118% 2. Minas Gerais 127% 3. Rio Grande do Sul 14% 4. São Paulo 58% 5. Mato Grosso 583% Evolução da produção de milho nas 5 UFs maiores produtoras no ano de 26 Milhões de toneladas Paraná Minas Gerais Rio Grande do Sul São Paulo Mato Grosso Fonte dos dados: PAM IBGE Figura 43 24

29 Dentre as origens do milho importado pelo, o Paraguai se destaca sendo responsável por quase toda a importação deste grão pelo país. Em 26, 96% do milho importado pelo país teve origem do Paraguai. (CONAB Indicadores Agropecuários) Fonte: CONAB Indicadores Agropecuários Figura 44 No caso do destino das exportações brasileiras de milho, no ano de 27 se destacaram o Irã e a Espanha. Juntos eles foram responsáveis por 51,6% do total da quantidade exportada pelo. No total, no ano de 27, as exportações de milho brasileira renderam US$ 1,92 bilhões FOB. Fonte: CONAB Indicadores Agropecuários Figura 45 25

30 5 SOJA: A área mundial colhida de soja em 26 foi de 93 milhões de ha. (FAO) A produção mundial de soja em 26 foi de 221 milhões de toneladas. (FAO) Os 1 países maiores produtores de soja foram responsáveis em 26 por 96,9% da produção mundial. Os três maiores produtores foram os Estados Unidos, o e a Argentina, respectivamente. Estes 3 países somados foram responsáveis por 81,49% da produção mundial em 26. (FAO) Área colhida de soja no mundo em 26 China 9,79% Paraguai 2,37% Índia 8,29% Canadá 1,32% 4,61% Estados Unidos 31,17% Estados Unidos Argentina China Índia Paraguai Canadá Bolívia Rússia Ucrânia Argentina 16,24% 23,67% Fonte dos dados: FAO Figura 46 26

31 Argentina 18,27% China 7,% Paraguai 1,72% Índia 3,73% Produção de soja no mundo em 26 3,1% Estados Unidos 39,58% Estados Unidos Argentina China Índia Paraguai Canadá Bolívia Ucrânia Rússia Fonte dos dados: FAO Figura 47 23,64% Entre 1961 e 26 houve um acréscimo na produtividade média mundial, pois enquanto a produção aumentou 724% a área aumentou 29%. (FAO) Evolução da produção e área de soja no mundo Milhões de toneladas Produção Área (ha) Milhões de ha Fonte dos dados: FAO Figura 48 A produção brasileira de soja no ano de 26 foi de 52 milhões de toneladas e a área cultivada neste mesmo ano foi de 22 milhões de ha. (FAO) 27

32 No, no período entre 1961 e 26, enquanto a área cultivada cresceu a uma taxa média de 1.31% ao ano, a produção cresceu a 12.12% ao ano. (FAO) Evolução da área da soja X Mundo Milhões de toneladas Mundo Fonte dos dados: FAO Figura 49 Evolução da produção de soja X Mundo Milhões de Toneladas Mundo Fonte dos dados: FAO Figura 5 28

33 Milhões de toneladas Evolução da produção e área de soja no Fonte dos dados: FAO Figura 51 Produção Área ANO Milhões de ha Mato Grosso é a unidade federativa maior produtora de soja no. Este estado foi responsável por 29,72% da produção nacional em 26, o que corresponde a 15,6 milhões de toneladas. (PAM IBGE) 5 Unidades Federativas que mais produziram soja em 26 no : 1. Mato Grosso 15,6 milhões de toneladas 2. Paraná 9,4 milhões de toneladas 3. Rio Grande do Sul 7,6 milhões de toneladas 4. Goiás 6, milhões de toneladas 5. Mato Grosso do Sul 4,2 milhões de toneladas (PAM IBGE) 29

34 Produção de soja por Unidade Federativa em 26 São Paulo 3,14% Minas Gerais 4,68% Mato Grosso do Sul 7,92% Bahia 3,8% Goiás 11,47% Rio Grande do Sul 14,41% Paraná 17,85% Mato Grosso 29,72% Mato Grosso Paraná Rio Grande do Sul Goiás Mato Grosso do Sul Minas Gerais Bahia São Paulo Maranhão Santa Catarina Demais UFs Fonte dos dados: PAM IBGE Figura 52 Evolução da produção X Mato Grosso Milhões de toneladas Mato Grosso Fonte dos dados: PAM IBGE Figura 53 Aumento aproximado da produção nos 5 principais estados produtores no período de 199 a 26 com base nos dados do PAM IBGE. 1. Mato Grosso 48,83% 2. Paraná 11,36% 3. Rio Grande do Sul 19,73% 4. Goiás 378,19% 5. Mato Grosso do Sul 13,74% 3

35 Evolução da produção de soja nos 5 principais estados produtores Milhões de toneladas Mato Grosso Paraná Rio Grande do Sul Goiás Mato Grosso do Sul Fonte dos dados: PAM IBGE Figura 54 Evolução da produção em alguns estados das regiões Sul e Sudeste Milhões de toneladas Paraná Rio Grande do Sul Minas Gerais São Paulo Santa Catarina Fonte dos dados: PAM IBGE Figura 55 31

36 Evolução da produção na região Centro-Oeste Milhões de toneladas Mato Grosso Goiás Mato Grosso do Sul Fonte dos dados: PAM IBGE Figura 56 Evolução da produção em alguns estados das regiões Norte e Nordeste Milhares de toneladas Bahia Maranhão Tocantins Piauí Fonte dos dados: PAM IBGE Figura 57 Dentre os fatores que compõem o custo de produção, os fertilizantes e defensivos apresentam grande destaque por serem responsáveis por boa parte dos custos de produção. (CNA) 32

37 Composição dos custos de produção de soja - safra 26/7 1% 9% 8% R$ 99,22 R$ 71,95 R$ 9,7 R$ 68,79 R$ 81,38 R$ 36,61 R$ 29,23 R$ 46,86 R$ 36,1 R$ 33,57 R$ 8,53 R$ 44,29 R$ 4,5 R$ 63,49 R$ 72,24 7% 6% R$ 246,27 R$ 196,92 R$ 31,4 R$ 287,53 R$ 247,85 5% 4% 3% 2% 1% % R$ 112,53 R$ 319,24 R$ 263,97 R$ 238, R$ 13,41 R$ 97,5 R$ 89,7 R$ 26,74 R$ 11, R$ 71, R$ 82,5 R$ 25,63 R$ 27,53 R$ 26,62 R$ 33,24 R$ 185,75 R$ 146,39 R$ 119,34 R$ 133,6 R$ 73,76 Mato Grosso Mato Grosso do Sul Goiás Paraná Rio Grande do Sul Operações Mão de obra Sementes Fertilizantes Defensivos Transporte e armazenagem Seguro Figura 58 Fonte: CNA (Elaborado a partir de dados da CONAB) Demais itens de custo Dos US$ 11 bilhões FOB das exportações brasileiras de soja no ano de 27, 15,1% vieram da exportação de óleos (Bruto, refinado e outros) e 25,97% de farelo de soja. Os outros 58,93% tiveram origem da exportação de soja em grão. (CONAB) Fonte: Balança Comercial 27 MAPA Figura 59 33

38 O maior importador da soja em grão brasileira nos anos de 25, 26 e 27 foi a China. No ano de 27 a exportação para este país foi de 1 milhões de toneladas o que correspondeu a 42% da quantidade total de soja em grão exportada pelo em 27. Os Países Baixos também merecem destaque por ocupar a segunda posição dentre os países importadores de soja em grão do. (CONAB) Exportações brasileiras de grãos de soja por país de destino em 27 24,12% Alemanha 1,71% Países Baixos 14,15% China 42,44% Alemanha China Espanha França Itália Japão Países Baixos Japão 1,64% Itália 4,91% França 1,1% Espanha 9,93% Fonte dos dados: CONAB Figura 6 A França e os Países Baixos são os dois maiores importadores de farelo de soja do. No ano de 25 e 26, os Países Baixos ocuparam o primeiro lugar no ranking das exportações brasileiras de farelo de soja. Porém no ano de 27 a França ocupou essa primeira colocação neste ranking. Somados, os dois foram responsáveis por 41% da quantidade total de farelo de soja exportada pelo em 27. (CONAB) 34

39 Exportação brasileira de farelo de soja por país de destino em 27 Alemanha 8,6% Dinamarca 2,39% 28,49% Espanha 3,11% Alemanha Dinamarca Espanha França 21,24% França Itália Países Baixos Tailândia 6,68% Irã, Rep. 6,23% Países Baixos 2,17% Itália 3,64% Irã, Rep. Tailândia Fonte dos dados: CONAB Figura 61 No caso da exportação de óleos de soja, não observamos nenhum país muito destacado em relação aos demais. Porém podemos destacar o Irã, que foi o maior importador no ano de 25 e 26 e segundo maior em 27, e a China que foi a maior importadora no ano de 27. (CONAB) Exportações brasileiras de óleo de soja bruto, refinado e outros por país de destino em 27 Bangladesh 5,91% 33,45% China 18,52% Índia 11,28% Hong Kong,55% Bangladesh China Hong Kong Índia Irã, Rep. Países Baixos Países Baixos 12,33% Irã, Rep. 17,97% Fonte dos dados: CONAB Figura 62 35

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção e Agroenergia AÇÚCAR E ÁLCOOL NO BRASIL

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção e Agroenergia AÇÚCAR E ÁLCOOL NO BRASIL Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção e Agroenergia AÇÚCAR E ÁLCOOL NO BRASIL Departamento da Cana-de-açúcar e Agroenergia MARÇO 2007 www.agricultura.gov.br daa@agricultura.gov.br

Leia mais

Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária. Novembro 2015 PARANÁ

Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária. Novembro 2015 PARANÁ Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro 2015 PARANÁ A estimativa de área para a safra 2015/16 de soja é recorde no Paraná. Segundo os técnicos de campo serão semeados 5,24 milhões de hectares,

Leia mais

- Corr. de comércio: US$ 38,9 bi, 2º maior valor para meses de abril, (1º abr-13: US$ 42,3 bi);

- Corr. de comércio: US$ 38,9 bi, 2º maior valor para meses de abril, (1º abr-13: US$ 42,3 bi); Abril / 2014 Resultados de Abril de 2014 - Exportação: US$ 19,7 bi em valor e média de US$ 986,2 milhões, 5,2% acima da média de abr-13 (US$ 937,8 milhões); 2ª maior média de exportação para abril (1º

Leia mais

O Agronegócio Mundial e Brasileiro

O Agronegócio Mundial e Brasileiro O Agronegócio Mundial e Brasileiro Eugênio Stefanelo Segundo Porter, você é competitivo quando tem um desempenho em longo prazo acima da média dos concorrentes. O agronegócio, que engloba as operações

Leia mais

AGRONEGÓCIOS TENDÊNCIAS DOS MERCADOS NO BRASIL E NO MUNDO EM 2015/2016. Carlos Cogo Outubro/2015

AGRONEGÓCIOS TENDÊNCIAS DOS MERCADOS NO BRASIL E NO MUNDO EM 2015/2016. Carlos Cogo Outubro/2015 AGRONEGÓCIOS TENDÊNCIAS DOS MERCADOS NO BRASIL E NO MUNDO EM 2015/2016 Carlos Cogo Outubro/2015 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 115 110 105 100 95 90 85 80 75 70 65 60 55 CARNES: EVOLUÇÃO

Leia mais

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14 Soja Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro de 2013 MUNDO A economia mundial cada vez mais globalizada tem sido o principal propulsor responsável pelo aumento da produção de soja. Com o aumento do

Leia mais

Impactos da Adoção da Tecnologia Intacta. Monsanto

Impactos da Adoção da Tecnologia Intacta. Monsanto Impactos da Adoção da Tecnologia Intacta Monsanto 11 de junho de 2013 1 Objetivo do trabalho 2 Objetivo do presente trabalho é demonstrar a importância econômica da utilização da tecnologia no aumento

Leia mais

BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008

BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008 BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008 Mercado Internacional Em 2007, a produção anual de milho atingiu quase 720 milhões de tonelada (Tabela 1), quando os Estados Unidos,

Leia mais

América Latina como Novo Pólo de Produção de Leite

América Latina como Novo Pólo de Produção de Leite Workshop Regional sobre Cooperativismo Lácteo América Latina como Novo Pólo de Produção de Leite Vicente Nogueira Netto Fepale OCB/CBCL Cotrial Curitiba, 08 de julho de 2008 Agenda Mudanças recentes no

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO. PERFIL DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Janeiro/2015

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO. PERFIL DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Janeiro/2015 SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO PERFIL DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Janeiro/2015 2 ÍNDICE 03. Apresentação 04. População Rural 05. Habitantes no

Leia mais

RELATÓRIO DE MERCADO JULHO DE 2015

RELATÓRIO DE MERCADO JULHO DE 2015 RELATÓRIO DE MERCADO JULHO DE 2015 COMMODITIES AGRÍCOLAS RESUMO DOS PRINCIPAIS INDICADORES DO MERCADO DE COMMODITIES AGRÍCOLAS SUMÁRIO OFERTA 4 8 VARIAÇÕES HISTÓRICAS E FORECAST 6 DEMANDA 9 CONSIDERAÇÕES

Leia mais

Biocombustíveis: Estudo de culturas adequadas à sua produção: um panorama da produção agrícola da cana de açúcar e da soja.

Biocombustíveis: Estudo de culturas adequadas à sua produção: um panorama da produção agrícola da cana de açúcar e da soja. Biocombustíveis: Estudo de culturas adequadas à sua produção: um panorama da produção agrícola da cana de açúcar e da soja. Maria Helena M. Rocha Lima Nilo da Silva Teixeira Introdução Quais os fatores

Leia mais

Agosto/2015 Belo Horizonte - MG

Agosto/2015 Belo Horizonte - MG SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO Agosto/2015 Belo Horizonte - MG ÍNDICE 03. Apresentação 04. Dados de Minas Gerais 05. Área, Produção

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR DESEMPENHO DO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO NO PRIMEIRO QUADRIMESTRE DE 2004

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR DESEMPENHO DO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO NO PRIMEIRO QUADRIMESTRE DE 2004 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR DESEMPENHO DO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO NO PRIMEIRO QUADRIMESTRE DE 2004 03 DE MAIO DE 2004 BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA JANEIRO/ABRIL -

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos RORAIMA OUTUBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos RORAIMA OUTUBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos RORAIMA OUTUBRO DE 2015 DADOS GERAIS DO ESTADO DA RORAIMA Total Part % Brasil Part % Região Área Total - km² 224.118 2,64% 5,82% População - mil (1)

Leia mais

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores:

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores: SEGURIDADE ALIMENTARIA: apuesta por la agricultura familiar Seminario: Crisis alimentaria y energética: oportunidades y desafios para América Latina e el Caribe O cenário mundial coloca os preços agrícolas

Leia mais

PIB DO ESTADO DE RONDÔNIA 2007

PIB DO ESTADO DE RONDÔNIA 2007 PIB DO ESTADO DE RONDÔNIA 2007 Para o ano de 2007, o Produto Interno Bruto PIB do Estado de Rondônia apresentou um crescimento de 5,2% em relação ao ano anterior, ficando assim com 16ª a colocação no ranking

Leia mais

Agronegócio Sul-mato-grossense

Agronegócio Sul-mato-grossense Agronegócio Sul-mato-grossense (cenário atual, perspectivas e desafios) Eduardo Riedel Presidente do Sistema Famasul Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Mato Grosso do Sul Sistema Sindical

Leia mais

Questão 25. Questão 27. Questão 26. alternativa B. alternativa C

Questão 25. Questão 27. Questão 26. alternativa B. alternativa C Questão 25 No Brasil, no período 1990-91 a 2003-04, a produção de grãos apresentou crescimento de 125%, enquanto a área plantada aumentou apenas 24%, conforme mostra o gráfico. BRASIL _ ÁREA PLANTADA E

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Junho/2012

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Junho/2012 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Junho/2012 I - Resultados do mês Em junho de 2012 as exportações

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO SOJA. Setembro 2014 Belo Horizonte MG

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO SOJA. Setembro 2014 Belo Horizonte MG SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO SOJA Setembro 2014 Belo Horizonte MG ÍNDICE 03. Apresentação 04. Dados de Minas Gerais 05. Área, Produção e Produtividade

Leia mais

Milho Perspectivas do mercado 2011/12

Milho Perspectivas do mercado 2011/12 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE POLÍTICA AGRÍCOLA Milho Perspectivas do mercado 2011/12 março de 2012 Milho - Oferta e Demanda - Mundo milhões de t. Safras 2008/09 2009/10

Leia mais

Responsáveis Técnicos: SILVIO ISOPO PORTO AROLDO ANTONIO DE OLIVEIRA NETO FRANCISCO OLAVO BATISTA DE SOUSA

Responsáveis Técnicos: SILVIO ISOPO PORTO AROLDO ANTONIO DE OLIVEIRA NETO FRANCISCO OLAVO BATISTA DE SOUSA Safra 2013/2014 Segundo Levantamento Agosto/2013 1 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção e Agroenergia SPAE Departamento de CanadeAçúcar e Agroenergia DCAA Companhia

Leia mais

27 de abril de 2016. Coletiva de imprensa ESTIMATIVA SAFRA 2016/2017

27 de abril de 2016. Coletiva de imprensa ESTIMATIVA SAFRA 2016/2017 27 de abril de 2016 Coletiva de imprensa ESTIMATIVA SAFRA 2016/2017 ROTEIRO I. Considerações sobre a atual situação do setor sucroenergético II. Bioeletricidade III. Condições climáticas e agronômicas

Leia mais

ANÁLISE DO MOVIMENTO FÍSICO DO PORTO DE SANTOS

ANÁLISE DO MOVIMENTO FÍSICO DO PORTO DE SANTOS DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO COMERCIAL SCM / GCE ANÁLISE DO MOVIMENTO FÍSICO DO PORTO DE SANTOS - MAIO DE 2009 Companhia Docas do Estado de São Paulo CODESP Av. Rodrigues Alves, s/ nº - Santos/SP - CEP

Leia mais

IMIGRANTES NO BRASIL: O CASO DA ENFERMAGEM. Ana Luiza Stiebler Vieira Carmen Lúcia Lupi Monteiro Garcia Carmem de Almeida da Silva

IMIGRANTES NO BRASIL: O CASO DA ENFERMAGEM. Ana Luiza Stiebler Vieira Carmen Lúcia Lupi Monteiro Garcia Carmem de Almeida da Silva IMIGRANTES NO BRASIL: O CASO DA ENFERMAGEM Ana Luiza Stiebler Vieira Carmen Lúcia Lupi Monteiro Garcia Carmem de Almeida da Silva Objetivo: analisar os imigrantes da área de no Brasil Justificativa Referencial

Leia mais

Mercado Externo. Preço do milho (ZCN5) Índice Dólar (DXY) Fonte: TradingView, CMEGroup

Mercado Externo. Preço do milho (ZCN5) Índice Dólar (DXY) Fonte: TradingView, CMEGroup Mercado Externo Segundo relatório de abril do U.S Departament of Agriculture USDA, a produção de milho dos EUA será 2,8% maior do que na safra anterior, com uma estimativa de produção total de 361,1 milhões

Leia mais

Evolução da Produção Regional dos Principais Grãos (2010-2015)

Evolução da Produção Regional dos Principais Grãos (2010-2015) Evolução da Produção Regional dos Principais Grãos (2010-2015) Gráfico 1 Evolução da produção de grãos (Em milhões de toneladas) A produção brasileira de cereais, leguminosas e oleaginosas cresceu, em

Leia mais

Intercâmbio Intercâmbio Comercial do Comercial Agronegócio

Intercâmbio Intercâmbio Comercial do Comercial Agronegócio Intercâmbio Intercâmbio Comercial do Comercial Agronegócio do Agronegócio Edição 2010 África do Sul Angola Arábia Saudita Argélia Argentina Bangladesh Canadá China Cingapura Colômbia Coréia do Sul Egito

Leia mais

São Paulo, 16 de julho de 2013.

São Paulo, 16 de julho de 2013. São Paulo, 16 de julho de 2013. Junho 2013 Balança comercial tem resultado inesperado em junho: o resultado da balança comercial brasileira surpreendeu as expectativas para o mês de junho. O superávit

Leia mais

Tabela 1 Evolução da produção mundial de óleos (Mil toneladas)

Tabela 1 Evolução da produção mundial de óleos (Mil toneladas) Preços da mamona se recuperam 1. A produção e o consumo mundial de óleos vegetais se elevam A produção mundial de óleos vegetais aumentou aproximadamente 400 entre 1974/75 e 2006/07, passando de 25,7 hões

Leia mais

Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR

Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS NO AGRONEGÓCIO EM 1. RESULTADO

Leia mais

FERTILIZANTES: PRODUTO E MERCADO. XIII Encontro Nacional de Produção e Abastecimento de Batata ABBA

FERTILIZANTES: PRODUTO E MERCADO. XIII Encontro Nacional de Produção e Abastecimento de Batata ABBA FERTILIZANTES: PRODUTO E MERCADO XIII Encontro Nacional de Produção e Abastecimento de Batata ABBA Holambra, 25 de Outubro de 2007 Fertilizantes: Análise Mercadológica Produto: Insumo Bem homogêneo Bem

Leia mais

DERAL - Departamento de Economia Rural. Cana de açúcar e Sucroalcooleiro - Prognóstico (março de 2013)

DERAL - Departamento de Economia Rural. Cana de açúcar e Sucroalcooleiro - Prognóstico (março de 2013) Cana de açúcar e Sucroalcooleiro - Prognóstico (março de 2013) 1.SINOPSE E ESTIMATIVA Oferta/Demanda: Apenas 7 países produtores de açúcar concentram 70% da oferta mundial, o Brasil, Índia, a soma da União

Leia mais

PRODUÇÃO E ÁREA COLHIDA DE SOJA NO NORDESTE

PRODUÇÃO E ÁREA COLHIDA DE SOJA NO NORDESTE Ano V Agosto de 2011 Nº 13 INFORME RURAL ETENE Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste - ETENE Ambiente de Estudos, Pesquisas e Avaliação - AEPA PRODUÇÃO E ÁREA COLHIDA DE SOJA NO NORDESTE

Leia mais

SUMÁRIO. 1 - Lavouras... 5. 1 - Área, produção e rendimento médio - confronto das estimativas mensais março / fevereiro safra 2012 Brasil...

SUMÁRIO. 1 - Lavouras... 5. 1 - Área, produção e rendimento médio - confronto das estimativas mensais março / fevereiro safra 2012 Brasil... ...... PRODUÇÃO DAS LAVOURAS EM MARÇO DE 2012 SUMÁRIO 1 - Lavouras... 5 TABELAS DE RESULTADOS Safra 2012 1 - Área, produção e rendimento médio - confronto das estimativas mensais março / fevereiro safra

Leia mais

Ano 5 Nº 41 14/Setembro/2015

Ano 5 Nº 41 14/Setembro/2015 Ano 5 Nº 41 14/Setembro/2015 Ano 6, n. 47 - Outubro/2015 Embrapa Gado de Leite Rua Eugênio do Nascimento, 610 - Bairro Dom Bosco 36038-330 Juiz de Fora/MG Telefone: (32) 3311-7400 Fax: (32) 3311-7424 www.embrapa.br

Leia mais

Agropecuária Brasileira: Oportunidades e Desafios

Agropecuária Brasileira: Oportunidades e Desafios Agropecuária Brasileira: Oportunidades e Desafios José Ricardo Severo Superintendência Técnica CNA Março 2010 1 Objetivos: 1. Importância do Agronegócio; 2. Alavanca exportadora como fator de crescimento;

Leia mais

Julho/2015 Belo Horizonte - MG

Julho/2015 Belo Horizonte - MG SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO Julho/2015 Belo Horizonte - MG 03. Apresentação ÍNDICE 04. Dados de Minas Gerais 05. Área, Produção

Leia mais

PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO

PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO Março/2013 2 ÍNDICE 03. Apresentação 04. População Mundial 05. População ocupada 06. PIB Mundial 07. PIB per capita Mundial 08. Exportação Mundial

Leia mais

Agronegócio. Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ. Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze. 41 3379 8719 brandalizze@uol.com.

Agronegócio. Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ. Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze. 41 3379 8719 brandalizze@uol.com. Agronegócio Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze 41 3379 8719 brandalizze@uol.com.br GRÃOS Produção (milhões de T. USDA - Fevereiro de 2014; Projeções

Leia mais

Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária

Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária fevereiro de 2013. 1 - Considerações Iniciais A Suinocultura é uma das atividades da agropecuária mais difundida e produzida no mundo. O porco, espécie

Leia mais

Panorama Econômico - Outubro/08

Panorama Econômico - Outubro/08 Panorama Econômico - Outubro/08 COMÉRCIO INTERNACIONAL BALANÇA COMERCIAL MENSAL (OUTUBRO/2008) - MDIC Fato Em outubro, a Balança Comercial fechou com superavit de US$ 1,21 bilhão, resultado de exportações

Leia mais

Indicadores IBGE. Estatística da Produção Agrícola. Abril de 2012. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE

Indicadores IBGE. Estatística da Produção Agrícola. Abril de 2012. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Indicadores IBGE Estatística da Produção Agrícola Abril de 2012 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Presidenta da República Dilma Rousseff Ministra do Planejamento, Orçamento e Gestão

Leia mais

Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura

Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura A safra de grãos do país totalizou 133,8 milhões de toneladas em 2009, de acordo com o Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA) de dezembro,

Leia mais

Maçã: Balanço mundial (em mil toneladas métricas)

Maçã: Balanço mundial (em mil toneladas métricas) Informativo da Política Agrícola Secretaria de Política Agrícola Secretaria de Política Agrícola Informativo N o 54 Maçã Ano 6 Vol. 54, março de 213 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Leia mais

A SOJA NO BRASIL. Engº Agrº Amélio Dall Agnol Embrapa Soja, Londrina, PR

A SOJA NO BRASIL. Engº Agrº Amélio Dall Agnol Embrapa Soja, Londrina, PR A SOJA NO BRASIL Engº Agrº Amélio Dall Agnol Embrapa Soja, Londrina, PR O que vamos abordar nesta apresentação 1. Desenvolvimento da soja no Brasil. 2. Razões do deu rápido desenvolvimento. 3. Importância

Leia mais

VI SIMPÓSIO BRASILEIRO sobre Pequenas e Médias Centrais Hidrelétricas

VI SIMPÓSIO BRASILEIRO sobre Pequenas e Médias Centrais Hidrelétricas VI SIMPÓSIO BRASILEIRO sobre Pequenas e Médias Centrais Hidrelétricas Mesa Redonda: O Papel das PCH e Fontes Alternativas de Energia na Matriz Energética Brasileira Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos

Leia mais

ROTAS INTERNAS DE PRODUTOS DE EXPORTAÇÃO: O CASO DA SOJA

ROTAS INTERNAS DE PRODUTOS DE EXPORTAÇÃO: O CASO DA SOJA 1 Outubro 2009 ROTAS INTERNAS DE PRODUTOS DE EXPORTAÇÃO: O CASO DA SOJA Fernando Raphael Ferro de Lima * INTRODUÇÃO Este trabalho busca compreender como se modificaram, no período recente, os fluxos internos

Leia mais

[Infográfico] As projeções de produção da cana, açúcar e etanol na safra 2023/2024

[Infográfico] As projeções de produção da cana, açúcar e etanol na safra 2023/2024 As projeções de produção de cana, açúcar e etanol para a safra 2023/24 da Fiesp/MB Agro No Brasil, a cana-de-açúcar experimentou um forte ciclo de crescimento da produção na década passada. A aceleração

Leia mais

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE realizou, em outubro, o primeiro prognóstico para

Leia mais

TECNOLOGIA E PRODUTIVIDADE. Eng. Agr. Irineo da Costa Codrigues Diretor Presidente Cooperativa LAR / COODETEC / COTRIGUAÇU

TECNOLOGIA E PRODUTIVIDADE. Eng. Agr. Irineo da Costa Codrigues Diretor Presidente Cooperativa LAR / COODETEC / COTRIGUAÇU TECNOLOGIA E PRODUTIVIDADE Eng. Agr. Irineo da Costa Codrigues Diretor Presidente Cooperativa LAR / COODETEC / COTRIGUAÇU Área dos principais produtos agrícolas no Mundo (Mi ha) 2010 Cevada 55.1 6% Algodão

Leia mais

em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento

em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento agronegócio brasileiro em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento 2010 ranking Ranking Brasileiro da Produção e Exportação Fonte: USDA e Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Leia mais

Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2013/2014

Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2013/2014 Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2013/2014 São Paulo, 29 de abril de 2013 ROTEIRO I. Safra 2012/2013 na região Centro-Sul: dados finais Moagem e produção Mercados de etanol e de açúcar Preços e

Leia mais

ESCRITÓRIO TÉCNICO DE ESTUDOS ECONÔMICOS DO NORDESTE ETENE INFORME RURAL ETENE PRODUÇÃO E ÁREA COLHIDA DE CANA DE AÇÚCAR NO NORDESTE.

ESCRITÓRIO TÉCNICO DE ESTUDOS ECONÔMICOS DO NORDESTE ETENE INFORME RURAL ETENE PRODUÇÃO E ÁREA COLHIDA DE CANA DE AÇÚCAR NO NORDESTE. O nosso negócio é o desenvolvimento ESCRITÓRIO TÉCNICO DE ESTUDOS ECONÔMICOS DO NORDESTE ETENE INFORME RURAL ETENE PRODUÇÃO E ÁREA COLHIDA DE CANA DE AÇÚCAR NO NORDESTE Ano 4 200 Nº 20 O nosso negócio

Leia mais

BOVINOCULTURA DE CORTE

BOVINOCULTURA DE CORTE ISS 36-9 BOVINOCULTURA DE CORTE Os preços médios da arroba do boi e da vaca, em Mato Grosso do Sul, no mês de fevereiro, foram de R$8,8 e R$,99, respectivamente. Em relação ao mês anterior, houve um avanço

Leia mais

Fapespa Fundação Amazônia de Amparo a Estudos e Pesquisas do Pará INFORME TÉCNICO DO COMÉRCIO EXTERIOR PARAENSE

Fapespa Fundação Amazônia de Amparo a Estudos e Pesquisas do Pará INFORME TÉCNICO DO COMÉRCIO EXTERIOR PARAENSE Fapespa Fundação Amazônia de Amparo a Estudos e Pesquisas do Pará INFORME TÉCNICO DO COMÉRCIO EXTERIOR PARAENSE JULHO 2015 GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ Simão Robison Oliveira Jatene Governador do Estado do

Leia mais

Informativo PIB Trimestral

Informativo PIB Trimestral Informativo PIB Trimestral v. 1 n. 1 abr. jun. 2010 ISSN 2178-8367 Economia baiana cresce 10,4% no segundo trimestre e acumula alta de 10,0% no 1º semestre No segundo trimestre de 2010, a economia baiana

Leia mais

DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PNEUS E BORRACHA MAIO DE 2016

DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PNEUS E BORRACHA MAIO DE 2016 DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PNEUS E BORRACHA MAIO DE 2016 1 PRODUTOS 2 Borracha Natural Consumo Interno 300 mil toneladas/ano 64% Importação 262 mil toneladas/ano 36% Produção

Leia mais

O MERCADO DE SOJA 1. INTRODUÇÃO

O MERCADO DE SOJA 1. INTRODUÇÃO O MERCADO DE SOJA 1. INTRODUÇÃO A soja é a commodity mais importante do Brasil, pelo valor da produção obtida de grão, óleo e farelo, significativa parcela na receita cambial, área plantada, consumo de

Leia mais

Oportunidades para o Fortalecimento da Indústria Brasileira de Fertilizantes

Oportunidades para o Fortalecimento da Indústria Brasileira de Fertilizantes Oportunidades para o Fortalecimento da Indústria Brasileira de Fertilizantes Marcelo Alves Pereira, Bunge Fertilizantes Novembro - 2009 Estimativas da ONU indicam que a população mundial em 2050 será de

Leia mais

IMPORTÂNCIA DO CARVÃO VEGETAL PARA A ECONOMIA BRASILEIRA. Alessandro Albino Fontes

IMPORTÂNCIA DO CARVÃO VEGETAL PARA A ECONOMIA BRASILEIRA. Alessandro Albino Fontes Universidade Federal de Viçosa Departamento de Engenharia Florestal IMPORTÂNCIA DO CARVÃO VEGETAL PARA A ECONOMIA BRASILEIRA Alessandro Albino Fontes 1. INTRODUÇÃO Definição O carvão vegetal é um subproduto

Leia mais

Economia Goiana no Ano de 2014

Economia Goiana no Ano de 2014 Equipe de Conjuntura - IMB * Economia Goiana no Ano de 2014 Diante de um ambiente externo e interno desafiador, o cenário macroeconômico brasileiro recente não se mostra muito favorável a grandes melhorias,

Leia mais

FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO

FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO Por: Carlos Eduardo Cruz Tavares 1 São várias as cadeias produtivas que constituem o complexo agroalimentar, destacando-se entre elas,

Leia mais

Allan Kardec Duailibe Diretor

Allan Kardec Duailibe Diretor Allan Kardec Duailibe Diretor Audiência Pública Câmara dos Deputados Comissão de Minas e Energia 25 de Maio, 2011 A POLÍTICA DOS BIOCOMBUSTÍVEIS NO BRASIL Objetivos definidos na Lei n º 9.478/97: Alargar

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO OUTUBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO OUTUBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO OUTUBRO DE 2015 CALENDÁRIO AGRÍCOLA - FEIJÃO Safra 1ª - Safra das Águas 2ª - Safra da Seca 3ª - Safra de Inverno Principais Regiões Sul, Sudeste,

Leia mais

Agronegócios: momento e perspectivas.

Agronegócios: momento e perspectivas. Agronegócios: momento e perspectivas. Perfil das propriedades rurais brasileiras. Familiares Patronais Região Estabelecimentos Familiares (a) Norte 380.895 Nordeste 2.055.157 Centro-Oeste 162.062 Sudeste

Leia mais

ANÁLISE DO MOVIMENTO FÍSICO DO PORTO DE SANTOS

ANÁLISE DO MOVIMENTO FÍSICO DO PORTO DE SANTOS ANÁLISE DO MOVIMENTO FÍSICO DO PORTO DE SANTOS JULHO DE 2013 DC/SCM/GCE, 02/09/2013 Companhia Docas do Estado de São Paulo CODESP Av. Rodrigues Alves, s/ nº - Santos/SP - CEP 11015-900 Site:http://www.portodesantos.com.br

Leia mais

Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil

Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Plano Agrícola Primeiro e Pecuário Relatório de Avaliação Nacional PAP 2013/2014 sobre Mudanças Climáticas ROSEMEIRE SANTOS Superintendente Técnica Nelson

Leia mais

Edição 40 (Março/2014)

Edição 40 (Março/2014) Edição 40 (Março/2014) Cenário Econômico: Prévia da inflação oficial acelera por alimentos e transportes (Fonte: Terra) O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15) avançou 0,73% em março

Leia mais

A SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E SOCIAL DA PRODUÇÃO DE FRANGOS E SUÍNOS EM SANTA CATARINA E NO BRASIL

A SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E SOCIAL DA PRODUÇÃO DE FRANGOS E SUÍNOS EM SANTA CATARINA E NO BRASIL A SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E SOCIAL DA PRODUÇÃO DE FRANGOS E SUÍNOS EM SANTA CATARINA E NO BRASIL Jonas Irineu dos Santos Filho Pesquisador da Embrapa Suínos e Aves O consumo de proteína animal no mundo

Leia mais

AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ALAVANCA DO MERCADO INTERNO OPORTUNIDADES E DESAFIOS VALOR

AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ALAVANCA DO MERCADO INTERNO OPORTUNIDADES E DESAFIOS VALOR AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ALAVANCA DO MERCADO INTERNO OPORTUNIDADES E DESAFIOS VALOR AVALIAÇÕES TÉCNICAS JUNHO 2013 EVOLUÇÃO DO BRASIL HÁ 50 ANOS = IMPORTADOR HÁ 20 ANOS = VENDEDOR HOJE = FORNECEDOR DISPUTADO

Leia mais

Departamento de Ciências Administrativas, Contábeis, Econômicas e da Comunicação - UNIJUÍ

Departamento de Ciências Administrativas, Contábeis, Econômicas e da Comunicação - UNIJUÍ DACEC Departamento de Ciências Administrativas, Contábeis, Econômicas e da Comunicação - UNIJUÍ Comentários referentes ao período entre 21/06/2013 a 27/06/2013 Prof. Dr. Argemiro Luís Brum 1 Prof. Ms.

Leia mais

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Outubro de 2012. MUNDO O milho é o cereal mais produzido no mundo. De acordo com o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), a produção média do

Leia mais

APRESENTAÇÃO SUMÁRIO BOLETIM MENSAL DOS COMBUSTÍVEIS RENOVÁVEIS

APRESENTAÇÃO SUMÁRIO BOLETIM MENSAL DOS COMBUSTÍVEIS RENOVÁVEIS Ministério de Minas e Energia Secretaria de Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis Departamento de Combustíveis Renováveis EDIÇÃO N o 91 Agosto/2015 BOLETIM MENSAL DOS COMBUSTÍVEIS RENOVÁVEIS

Leia mais

A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento

A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento Duarte Vilela chgeral@cnpgl.embrapa.br Audiência Pública - 18/05/2010 Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento

Leia mais

Panorama do Comércio Exterior de Minas Gerais 2015

Panorama do Comércio Exterior de Minas Gerais 2015 Panorama do Comércio Exterior de Minas Gerais 2015 APRESENTAÇÃO Minas Gerais se consolida como um dos mais importantes estados exportadores do Brasil, pela grande produção de commodities e pelos esforços

Leia mais

Estatísticas básicas de turismo. Brasil

Estatísticas básicas de turismo. Brasil Estatísticas básicas de turismo Brasil Brasília, outubro de 2010 Estatísticas básicas de turismo Índice Páginas I - Turismo no mundo 1. Fluxo receptivo internacional 1.1 - Chegadas de turistas internacionais

Leia mais

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 A economia piauiense, em 2008, apresentou expansão em volume do Produto Interno Bruto (PIB) de 8,8% em relação ao ano anterior. Foi a maior taxa de crescimento

Leia mais

Custo da Cesta Básica aumenta em todas as cidades

Custo da Cesta Básica aumenta em todas as cidades 1 São Paulo, 16 de fevereiro de 2016 NOTA à IMPRENSA Custo da Cesta Básica aumenta em todas as cidades A partir de janeiro de 2016, o DIEESE (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos)

Leia mais

03/10/2014. Roteiro da Apresentação FINANCEIRIZAÇÃO DO MERCADO ANÁLISE TÉCNICA E DE CICLOS OFERTA E DEMANDA

03/10/2014. Roteiro da Apresentação FINANCEIRIZAÇÃO DO MERCADO ANÁLISE TÉCNICA E DE CICLOS OFERTA E DEMANDA OS MERCADOS DE SOJA, MILHO E TRIGO EM 2015 FERNANDO MURARO JR. Engenheiro agrônomo e analista de mercado da AgRural Commodities Agrícolas OCEPAR Curitiba (PR), 02/out/14 www.agrural.com.br A INFORMAÇÃO

Leia mais

ÁLCOOL, AÇÚCAR E ENERGIA PERSPECTIVAS PARA O BRASIL E O MUNDO LUIZ CARLOS CORRÊA CARVALHO ABAG FÓRUM NACIONAL DE AGRONEGÓCIOS CBN, MARINGÁ,PR,

ÁLCOOL, AÇÚCAR E ENERGIA PERSPECTIVAS PARA O BRASIL E O MUNDO LUIZ CARLOS CORRÊA CARVALHO ABAG FÓRUM NACIONAL DE AGRONEGÓCIOS CBN, MARINGÁ,PR, ÁLCOOL, AÇÚCAR E ENERGIA PERSPECTIVAS PARA O BRASIL E O MUNDO LUIZ CARLOS CORRÊA CARVALHO ABAG FÓRUM NACIONAL DE AGRONEGÓCIOS CBN, MARINGÁ,PR, 30/09/13 UM NOVO E COMPLEXO MUNDO PROCESSO GLOBAL COM INTENSA

Leia mais

A VISÃO O ATUALIZADA DA QUESTÃO O ETANOL. Maurílio Biagi Filho

A VISÃO O ATUALIZADA DA QUESTÃO O ETANOL. Maurílio Biagi Filho A VISÃO O ATUALIZADA DA QUESTÃO O ETANOL Maurílio Biagi Filho Roteiro Evolução e perspectivas da indústria sucroalcooleira no Brasil. Brasil: potencial para aumento da produção e produtividade. Expansão

Leia mais

ALGODÃO EM MATO GROSSO JULHO/15

ALGODÃO EM MATO GROSSO JULHO/15 ALGODÃO EM MATO GROSSO JULHO/15 CONJUNTURA MENSAL ANO 1. Nº 3 O 11º Levantamento de Grãos da Conab, divulgado em 11 de agosto de 2015, manteve suas estimativas para a safra 2014/15, de algodão em pluma

Leia mais

O Mercado Mundial de Commodities. Palestrante: André Pessôa (Agroconsult) Debatedor: André Nassar (Icone)

O Mercado Mundial de Commodities. Palestrante: André Pessôa (Agroconsult) Debatedor: André Nassar (Icone) O Mercado Mundial de Commodities Palestrante: André Pessôa (Agroconsult) Debatedor: André Nassar (Icone) Um mercado em desequilíbrio: choque de demanda Relação Estoque/Uso (soja, milho, trigo e arroz)

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão Paulo Bernardo Silva INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidente Eduardo Pereira Nunes

Leia mais

BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: SOJA Safra 2010/11 e Expectativas 2011/12

BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: SOJA Safra 2010/11 e Expectativas 2011/12 Safra 2010/11 e Expectativas 2011/12 BOLETIM ANUAL DO Safra 2010/11 e Expectativas 2011/12 1. Mercado Internacional A produção mundial de soja mantém a sua tendência de crescimento, porém, a taxas variáveis.

Leia mais

Reunião Pública Dezembro de 2015

Reunião Pública Dezembro de 2015 Reunião Pública Dezembro de 2015 Cenário Macroeconômico Arlindo de Azevedo Moura CEO 2 Cenário Macroeconômico 3 COMMODITIES Pressão de queda nos preços Menor preço dos últimos 16 anos TAXA DE CÂMBIO RESTRIÇÃO

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Assessoria de Gestão estratégica Brasília, novembro de 2007

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Assessoria de Gestão estratégica Brasília, novembro de 2007 PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO MUNDO E BRASIL 26/7 a 217/18 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Assessoria de Gestão estratégica Brasília, novembro de 27 1 SISTEMA AGROINDUSTRIAL AMBIENTE INSTITUCIONAL

Leia mais

BOLETIM SEMANAL R$ 68,70 R$ 67,90 R$ 430,00 R$ 400,00

BOLETIM SEMANAL R$ 68,70 R$ 67,90 R$ 430,00 R$ 400,00 13/2 15/2 17/2 19/2 21/2 23/2 25/2 27/2 1/3 3/3 5/3 7/3 9/3 11/3 13/3 15/3 Contratos Negociados (x 1000) Cents de US$/bu Análise Estatística de Algodão Algodão PREÇOS CAEM: Assim como no cenário de âmbito

Leia mais

Departamento de Ciências Administrativas, Contábeis, Econômicas e da Comunicação - UNIJUÍ

Departamento de Ciências Administrativas, Contábeis, Econômicas e da Comunicação - UNIJUÍ DACEC Departamento de Ciências Administrativas, Contábeis, Econômicas e da Comunicação - UNIJUÍ Comentários referentes ao período entre 05/07/2013 a 11/07/2013 Prof. Dr. Argemiro Luís Brum 1 Prof. Ms.

Leia mais

Soluções estratégicas em economia

Soluções estratégicas em economia Soluções estratégicas em economia Cenário macroeconômico e perspectivas para 2014/2018 maio de 2014 Perspectivas para a economia mundial Perspectivas para a economia brasileira Perspectivas para os Pequenos

Leia mais

PRODUÇÃO, ÁREA COLHIDA E EFETIVO DE UVA NO NORDESTE

PRODUÇÃO, ÁREA COLHIDA E EFETIVO DE UVA NO NORDESTE Ano V Abril de 2011 Nº 05 INFORME RURAL ETENE Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste - ETENE Ambiente de Estudos, Pesquisas e Avaliação - AEPA PRODUÇÃO, ÁREA COLHIDA E EFETIVO DE UVA NO NORDESTE

Leia mais

EXPORTAÇÕES E IMPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE ALGODÃO RELATÓRIO ABRIL 2015

EXPORTAÇÕES E IMPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE ALGODÃO RELATÓRIO ABRIL 2015 EXPORTAÇÕES E IMPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE ALGODÃO RELATÓRIO ABRIL 2015 BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA DO ALGODÃO Abril/15 Abril/14 VARIAÇÃO RELATIVA ALGODÃO VALOR QUANT. VALOR QUANT. US$ Mil t US$ Mil t VALOR

Leia mais

20. Agricultura: sempre uma safra de boas notícias Supersafra de grãos bate recorde

20. Agricultura: sempre uma safra de boas notícias Supersafra de grãos bate recorde 20. Agricultura: sempre uma safra de boas notícias Supersafra de grãos bate recorde A produção brasileira de grãos 2000-2001 bateu o recorde nacional superando a marca das 100,3 milhões de toneladas. De

Leia mais

Federação Nacional dos Portuários. Boletim Econômico. (Agosto 2015)

Federação Nacional dos Portuários. Boletim Econômico. (Agosto 2015) Boletim Econômico (Agosto 2015) I. Movimentação Portuária As estatísticas de movimentação portuária, publicada pela ANTAQ, referente ao primeiro trimestre de 2015 mostram que os portos organizados e os

Leia mais

Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Abril de 2012 Expectativa de expansão da safra 2012/13 do complexo sucroalcooleiro no Brasil poderá ser afetada pelo clima seco Regina Helena Couto Silva Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Leia mais

Exportação e importação

Exportação e importação 17 Exportação e importação Este capítulo, com 12 tabelas, possui informações sobre uma série histórica da Balança Comercial de Mato Grosso no período de 1995 a 2004. Para o ano de 2004 são apresentadas

Leia mais