SUMÁRIO. Avaliação da Safra Agrícola 2007/20087 Segundo Levantamento de Intenção de Plantio Novembro/2007 1

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SUMÁRIO. Avaliação da Safra Agrícola 2007/20087 Segundo Levantamento de Intenção de Plantio Novembro/2007 1"

Transcrição

1 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2 2. METODOLOGIA 2 3. ESTIMATIVA DA ÁREA PLANTADA 3 4. ESTIMATIVA DA PRODUÇÃO 4 5. AVALIAÇÃO DAS CULTURAS 6 6. ESTIMATIVAS DE ÁREA, PRODUÇÃO E PRODUTIVIDADE BALANÇO DE OFERTA E DEMANDA 26 Avaliação da Safra Agrícola 2007/20087 Segundo Levantamento de Intenção de Plantio Novembro/2007 1

2 1. INTRODUÇÃO O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - MAPA, por meio da Companhia Nacional de Abastecimento Conab, realiza levantamentos das safras agrícolas para quantificar e acompanhar a produção brasileira. Para a realização do presente levantamento, técnicos da Conab visitaram municípios produtores do País, no período de 22 a 26 de outubro de 2007, onde entrevistaram produtores rurais, agrônomos e técnicos de Cooperativas, Secretarias de Agricultura, Órgãos de Assistência Técnica e Extensão Rural (oficiais e privados) e Agentes Financeiros. Em atenção a demandas dos usuários de informação de safra, os levantamentos do prognóstico ora divulgados, foram realizados em estreita colaboração com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE, órgão do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, iniciando um processo de harmonização das estimativas oficiais de safra para as principais lavouras brasileiras. Nesse processo, as duas instituições somam seus recursos e seus melhores esforços visando assegurar as mais acuradas e fidedignas informações de acompanhamento de safra ao alcance do Estado brasileiro, coordenando progressivamente métodos, fontes, período de apuração, datas e horários de divulgação. Para tanto, seguem contando com a inestimável e permanente contribuição dos órgãos públicos federais, estaduais e municipais, e demais instituições geradoras de informação agropecuária. deste trabalho. A Conab agradece a todos aqueles que, direta ou indiretamente, participaram 2. METODOLOGIA As estimativas de área e produção aqui apresentadas, foram desenvolvidas dentro dos seguintes critérios: a) Safra de Verão 2007/2008: Para as culturas de algodão, amendoim 1ª safra, arroz, feijão 1ª safra, milho 1ª safra e soja, nos Estados da Região Centro-Sul, sul do Maranhão, sul do Piauí, oeste da Bahia, Tocantins e Rondônia foram utilizados os dados Avaliação da Safra Agrícola 2007/20087 Segundo Levantamento de Intenção de Plantio Novembro/2007 2

3 da pesquisa. Nos Estados e regiões onde não foi efetuada a pesquisa, em razão do calendário agrícola, foram mantidos os dados de área da safra anterior. Para a estimativa de produtividade, foram utilizadas as médias dos últimos cinco anos, descartando-se os anos atípicos e agregando o ganho tecnológico. b) Culturas de Inverno: Para trigo, triticale, aveia, centeio e cevada foram utilizados os dados da pesquisa de campo. c) Safra da Região Norte/Nordeste, 2ª e 3ª Safra de Verão, mamona, sorgo e girassol: Foram feita alguns ajuste na área e para a produtividade foram utilizadas as médias dos últimos cinco anos, descartando-se os anos atípicos e agregando o ganho tecnológico. 3. ESTIMATIVA DA ÁREA PLANTADA A área a ser plantada na safra 2007/08 é superior à safra passada em 1,2% (569,4 mil hectares), passando de 46,2 para 46,8 milhões de hectares. Nessa segunda pesquisa de intenção de plantio, observa-se que os produtores ainda têm uma certa indefinição quanto a área a ser cultivada, haja vista o atraso das chuvas na Região Centro-Sul, que vem retardando o plantio das principais culturas de verão ( soja, milho 1ª safra, arroz, feijão 1ª safra e algodão), foi postergado. A cultura do feijão 1ª safra, cujo plantio tem inicio no final do mês de agosto, principalmente nos estados de São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, com preços bastante remuneradores, apresenta-se com redução de área em função das poucas chuvas e das baixas temperaturas nas Regiões produtoras daqueles Estados. O plantio do milho 1ª safra e da soja, também encontram-se atrasado. O calendário de plantio dessas culturas se estende até o mês de dezembro, portanto, a área plantada poderá apresentar resultado diferente até o final da implantação das mesmas. Estimulados pelos bons preços de mercado, as principais culturas de verão ( algodão, arroz, milho 1ª safra e soja) apresentam crescimento de área, com destaque para a soja com acréscimo de 2,5% (514,4 mil hectares). A exceção é para o feijão 1ª safra, que apesar do bom preço, teve sua área reduzida em 8,1% (126,0 mil hectares), em função das chuvas escassas e da baixa temperatura. Avaliação da Safra Agrícola 2007/20087 Segundo Levantamento de Intenção de Plantio Novembro/2007 3

4 BRASIL ESTIMATIVA DE ÁREA PLANTADA (Em 1000 ha) PRODUTO SAFRA VARIAÇÃO 06/07 07/08 Percentual Absoluta (a) (b) (b/a) (b-a) ALGODÃO 1.096, ,5 5,0 54,7 ARROZ 2.967, ,6 1,0 29,2 FEIJÃO TOTAL 4.087, ,9 (3,2) (132,5) FEIJÃO 1ª SAFRA 1.559, ,6 (8,1) (126,0) FEIJÃO 2ª SAFRA 1.703, ,9 - - FEIJÃO 3ª SAFRA 823,9 817,4 (0,8) (6,5) MILHO TOTAL , ,8 1,4 195,9 MILHO 1ª SAFRA 9.493, ,9 2,8 262,0 MILHO 2ª SAFRA 4.561, ,9 (1,4) (66,1) SOJA , ,2 2,5 514,4 TRIGO 1.757, ,2 3,0 52,7 DEMAIS PRODUTOS 1.561, ,7 (9,3) (145,0) BRASIL , ,9 1,2 569,4 4. ESTIMATIVA DA PRODUÇÃO Confirmando a área a ser cultivada em 46,8 milhões de hectares, e a regularidade climática durante os ciclos das culturas, a produção de grãos no País poderá atingir 135,5 milhões de toneladas, representando um acréscimo 2,9% (3,8 milhões de toneladas) sobre a produção obtida na safra 2006/07. Este resultado deve-se, principalmente, aos acréscimos verificados nas culturas de arroz, milho 1ª safra e soja, que juntas representam cerca de 80% da produção nacional de grãos. A produção da soja cresce 1,7% (980,5 mil toneladas), a de milho 1ª safra 2,0% (724,0 mil toneladas) e a de arroz, 5,8% (660,0 mil toneladas). É importante ressaltar que a produtividade considerada foi baseada na média dos 5 últimos anos, excetuados os anos atípicos e acrescentado o nível tecnológico, tendo em Avaliação da Safra Agrícola 2007/20087 Segundo Levantamento de Intenção de Plantio Novembro/2007 4

5 vista que as lavouras se encontram em fase inicial de plantio. Alterações na produtividade poderão ocorrer ao longo do desenvolvimento das culturas, em função das condições climáticas e fitossanitárias que se apresentarem. BRASIL ESTIMATIVA DA PRODUÇÃO DE GRÃOS (Em 1000 t) SAFRA VARIAÇÃO PRODUTO 06/07 07/08 Percentual Absoluta (a) (b) (b/a) (b-a) ALGODÃO - CAROÇO (1) 2.383, ,4 5,5 130,8 ALGODÃO - PLUMA 1.524, ,9 5,6 84,9 ARROZ , ,9 5,8 660,0 FEIJÃO TOTAL 3.338, ,8 (2,5) (83,0) FEIJÃO 1ª SAFRA 1.568, ,9 (6,0) (94,1) FEIJÃO 2ª SAFRA 996, ,3 2,6 25,7 FEIJÃO 3ª SAFRA 774,2 759,6 (1,9) (14,6) MILHO TOTAL , ,7 0,9 456,0 MILHO 1ª SAFRA , ,7 2,0 724,0 MILHO 2ª SAFRA , ,0 (1,8) (268,0) SOJA , ,3 1,7 980,5 TRIGO 2.233, ,3 70, ,6 DEMAIS PRODUTOS 2.716, ,1 2,6 70,5 BRASIL (2) , ,5 2, ,4 (1) Produção de caroço de algodão. (2) Exclui a produção de algodão em pluma. Avaliação da Safra Agrícola 2007/20087 Segundo Levantamento de Intenção de Plantio Novembro/2007 5

6 5 - AVALIAÇÃO DAS CULTURAS 6.1. ALGODÃO A área a ser plantada com algodão no País, na safra 2007/08, é de 1,15 milhão de hectares, superior em 5,0% à cultivada na temporada 2006/07, ou seja serão plantados 54,7 mil hectares a mais (Quadro 4). Esses dados ainda não são definitivos, podendo ser alterados, uma vez que o plantio, na grande maioria dos estados não teve início. Os principais incrementos de área ocorreram no Estado da Bahia, (38,2 mil hectares) e no Mato Grosso, (24,4 mil hectares). Nos Estados do Maranhão e do Piauí, mais precisamente na região Sul desses Estados, devido ao regime de chuvas mais definido, o valor da terra mais acessível e uma maior proximidade do mercado consumidor, tem atraído produtores de outras regiões do País que plantam algodão com alta tecnologia. O Distrito Federal, por sua vez, registra considerável redução de área, devido a transferência de produtores para o Estado da Bahia. A região Centro-Oeste continua em destaque cultivando cerca de 60,0% da área total do País, tendo como o maior produtor da Região, o Estado do Mato Grosso, que cultiva 81,6% da mesma. Na safra 2006/07, a produção brasileira de algodão em pluma e de caroço de algodão totalizaram, respectivamente, 1,52 e 2,38 milhões de toneladas. Para a temporada 2007/08, a previsão de incremento, tanto de pluma quanto de caroço de algodão, é da ordem de 5,6%. Dessa forma, estima-se que serão disponibilizados para o mercado consumidor, cerca de 1,6 milhão de toneladas de pluma. Caso as condições climáticas sejam normais ao longo de todo o ciclo da cultura, e os produtores, como de hábito, apliquem tecnologias adequadas no processo produtivo, fica a expectativa de um ligeiro incremento na produtividade, que poderá atingir cerca de kg/ha de algodão em caroço ARROZ O segundo levantamento de intenção de plantio indica um pequeno aumento de 1,0% (29,2 mil hectares) na área a ser cultivada, passando de 2,97 milhões de hectares Avaliação da Safra Agrícola 2007/20087 Segundo Levantamento de Intenção de Plantio Novembro/2007 6

7 em 2006/07, para 2,99 milhões de hectares na safra 2007/08 (Quadro 10). A produção nacional está estimada em 11,98 milhões de toneladas, superior a da safra anterior em 5,8% ( 660,0 mil toneladas). Na região Sul, a pesquisa indica um crescimento de 6,6% na área. Esse resultado deve-se exclusivamente ao acréscimo de 9,1% na área plantada no Estado do Rio Grande do Sul, maior produtor nacional (com cerca de 58,9% da produção nacional). Nos meses precedentes ao preparo do solo e plantio, o bom volume de chuvas elevou os níveis dos reservatórios e mananciais hídricos, fator essencial para a irrigação dos arrozais gaúchos. Até o período do levantamento, a intensidade das chuvas estava causando atraso nos trabalhos de plantio, mas não deverá causar perdas, pois o calendário permite o plantio até final de dezembro. Em Santa Catarina, a área praticamente é a mesma da safra anterior, ou seja de 154,3 mil hectares. No Paraná, os produtores se dedicam mais às culturas de milho e de soja. O cultivo do arroz é de pouca expressão e as lavoura de sequeiro são predominantes. O Paraná cultivará uma área inferior à da safra anterior em 14,7%, ou seja serão cultivados 48,9 mil hectares. No Centro-Oeste, observa-se uma redução na área de plantio, 11,0% ( 48,5 mil hectares). Essa redução deve-se à substituição do arroz por outras culturas com maior rentabilidade. A qualidade das variedades e o baixo rendimento do arroz de sequeiro, em relação ao arroz irrigado, impedem uma produção mais competitiva para a ocupação de áreas. A diminuição e a dificuldade de aberturas de novas áreas quase sempre cultivadas com arroz também tem contribuído para o declínio das áreas de arroz na região Centro- Oeste. Na região Sudeste, observa-se uma redução na área de cultivo de 4,4% ( 5,1 mil hectares). O cultivo na Região é basicamente de sequeiro, o que faz com que o arroz tenha rentabilidade inferior e de culturas como de milho e de soja. O balanço de oferta e demanda brasileiro mostra que o ano comercial 2008/09 deverá iniciar, em fevereiro de 2008, com um estoque de 505,0 mil toneladas, volume três vezes menor do que o estimado para 2007/08, que foi de 1,54 milhão de toneladas. Este montante, somado à produção apurada no segundo levantamento, indica que seria necessária a importação de 1,2 milhão de toneladas, a fim de abastecer o mercado doméstico e manter um nível razoável de estoque, resultando numa disponibilidade interna de 13,68 milhão de toneladas de arroz. Do lado da demanda, não existem Avaliação da Safra Agrícola 2007/20087 Segundo Levantamento de Intenção de Plantio Novembro/2007 7

8 indícios de que haja aumento no consumo, que deverá se manter nos patamares atuais (13 milhões de toneladas). A significativa redução dos estoques de passagem e o pequeno dinamismo das exportações, indica que as vendas externas devem se manter em níveis próximos aos estimados para 2006/07, ao redor de 200 mil toneladas. A respeito dos dados contidos no quadro de oferta e demanda, é fundamental ressaltar que a indicação de 1,2 milhões de toneladas de importação para a safra 2007/08 não se confirmará, pois, ao que tudo indica, as compras externas deverão se manter inferiores a 1,0 milhão de toneladas, como registrado nas últimas três safras. Entretanto, tal estimativa se fez necessária em face do valor do estoque de passagem estar subestimado, já que hoje apenas o Governo possui em seus estoques cerca de 1,4 milhões de toneladas, com a possibilidade de ampliá-los ainda mais, em razão do exercício dos contratos de opção. As distorções podem estar nos valores estimados para a produção e/ou consumo, que são as variáveis de mais difícil mensuração. Sem dúvida, a divulgação dos dados do censo agropecuário do IBGE trará elementos importantes, que possibilitarão a reavaliação do quadro e os ajustes necessários, de modo a traduzir mais fielmente a realidade FEIJÃO 1ª SAFRA Para a safra 2007/08, a área cultivada com feijão 1ª safra, está estimada em 1,43 milhão de hectares, inferior à safra passada em 8,1% (126,0 mil hectares). Os principais motivos da redução foram as baixas precipitações pluviométricas, seguidas de estiagens prolongadas e as baixas temperaturas verificadas em final de agosto e setembro nos estados produtores (Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Minas Gerais). Mesmo com os preços em alta, os produtores optaram pelo o plantio das culturas mais rentáveis e de menor risco como o milho e a soja. O plantio do feijão 1ª safra ocorre do final do mês de agosto até meados de dezembro, portanto, temos hoje, início de novembro, lavouras em fase de implantação até próximo a colher (Quadro 11). Avaliação da Safra Agrícola 2007/20087 Segundo Levantamento de Intenção de Plantio Novembro/2007 8

9 5.4. MILHO 1ª SAFRA O segundo levantamento de intenção de plantio da safra 2007/08 confirmou o comportamento observado na pesquisa anterior, ou seja, um crescimento de 2,8% (262,0 mil hectares) na área a ser cultivada, comparativamente ao plantio da safra 2006/07. (Quadro 17). A produção, por sua vez, terá uma aumento de 2,0% (724,0 mil toneladas), totalizando 37,3 milhões de toneladas. Na safra anterior, o volume produzido atingiu 36,6 milhões de toneladas. Apesar do incremento de área, estima-se uma redução na produtividade de 5,5% na Região Sul que é responsável por 49,0% da produção nacional. A referida retração é motivada pelos efeito do La Niña. Na região Centro-Sul, a área de plantio do milho 1ª safra, em 2007/08, em que pese aos bons preços apresentados para a cultura, não registrou aumento muito significativo 3,2% (206,1 mil hectares), passando de 6,4 milhões de hectares plantados na safra anterior, para 6,6 milhões de hectares na atual safra. Os bons preços do milho, face ao forte crescimento da avicultura/suinocultura e das exportações do cereal, constituíram-se nos principais fatores para o produtor aumentar a área de plantio. Este crescimento foi limitado pelos excelentes preços do principal produto concorrente, a soja, que também apresenta crescimento de área. No Centro-Sul, onde a cultura encontra-se na fase de implantação, verifica-se expansão de área em quase todos os Estados, exceção de São Paulo, do Mato Grosso do Sul, onde os produtores tradicionalmente optam pelo cultivo da soja e após a colheita, cultivam o milho 2ª safra (safrinha), que tem uma área bem superior ao da 1ª safra. O clima já começa a dar sinais de normalidade, principalmente nos Estados do Centro-Oeste, São Paulo e no Paraná MILHO 2ª SAFRA Estima-se que na safra 2007/08, a área a ser cultivada com milho 2ª safra será inferior à safra anterior em 1,4% (66,1 mil hectares). A mencionada redução ocorre em função do atraso das chuvas que postergou o plantio da soja, pois o milho 2ª safra é plantado após a colheita da mesma (Quadro 18). Avaliação da Safra Agrícola 2007/20087 Segundo Levantamento de Intenção de Plantio Novembro/2007 9

10 5.5. SOJA Os bons preços de mercado e a expectativa do aumento da demanda no mercados interno e externo são os principais fatores que tem impulsionado o crescimento na área a ser plantada com soja na safra 2007/08. Comparando à safra anterior, estimase um crescimento de 2,5% (514,4 mil hectares) na área plantada e uma aumento de 1,7% (980,5 mil toneladas) na produção (Quadro 20). Esse crescimento de área está ocorrendo, basicamente, sobre as áreas que deixaram de ser plantadas na safra 2006/07, pois naquela ocasião, os preços eram pouco atrativos e os produtores abandonaram essas áreas. O plantio desta leguminosa ocorre de outubro à primeira quinzena de dezembro, mas nessa safra, o plantio atrasou em função do retardamento do período chuvoso. No Estado de Mato Grosso, mais precisamente na região de Lucas do Rio Verde, Nova Mutum e Sorriso, Região que se planta mais cedo, o plantio de soja atrasou até 30(trinta) dias, fato esse, que pode comprometer o milho safrinha, cujo plantio ocorre a partir de janeiro, após a colheita da soja. Com esta estimativa de safra, foram processados novos ajustes no quadro de oferta e demanda da soja para a temporada 2007/08. O consumo total de grão (esmagamento, semente e outros) deve ser 3,3% superior ao do ano anterior, com aumento mais expressivo no grão destinado ao esmagamento, que se estima atingir 30,9 milhões de toneladas em 2008 contra 29,9 milhões de toneladas em As exportações de grãos em 2008 deverão alcançar 27,0 milhões de toneladas contra 25,7 milhões de toneladas da estimativa de Este volume deve tornar o Brasil o maior exportador mundial de grãos, superando os Estados Unidos. Com relação ao farelo, devido ao aumento no esmagamento, o suprimento total deve crescer 3,4% dando tranqüilidade para o abastecimento interno, em especial a demanda crescente do setor de carnes. Para o óleo o número previsto também dará suporte aumento consumo do interno e praticamente manutenção das exportações. Avaliação da Safra Agrícola 2007/20087 Segundo Levantamento de Intenção de Plantio Novembro/

11 Com relação a estoque final de grãos, este, mesmo com projeção de redução, não deverá apresentar problemas para o abastecimento interno e continuidade nos aumentos das exportações de grãos TRIGO A produção de trigo será de 3,8 milhões de toneladas, superior à safra anterior em 70,2% (1,6 milhão de toneladas). O referido incremento deve-se a recuperação da produtividade, pois na safra anterior, essa cultura foi bastante castigada com a estiagem, com a geada e o excesso de chuva na colheita (Quadro 25). No Rio Grande do Sul, a partir da Segunda quinzena de setembro ocorreu chuva em excesso acompanhada de ventos fortes e granizo em algumas localidades, perdurando esse quadro durante todo o mês de outubro, essa situação ocasionou o aparecimento de doenças fungicas em largas escalas afetando a produtividade e a qualidade do grão que se encontravam no estádio de maturação e colheita. A colheita já teve inicio com previsão de termino na primeira quinzena de dezembro. No Paraná a área cultivada reduziu 6,7% em relação a safra anterior, atingindo 821,6 mil hectares. Isto foi devido ao efeito clima adverso sobre a produção (seca no plantio, geadas em agosto e setembro de 2006 e excesso de chuvas na colheita) e a margem negativa na comercialização do cereal pelos produtores em 2006/07. A expectativa de produção, no entanto, é de 1,85 milhão de toneladas, 64,5% (727,2 mil toneladas) superior àquela produzida em 2006/07 e 48,8% da produção nacional. O clima foi normal, sem a formação de geadas e com a ocorrência de precipitações abaixo da média, mas nas épocas necessárias, o que favoreceu a produtividade e a qualidade do produto colhido, registrando ph superior a 80. A colheita se verificou em 78% das lavoura, restando apenas aquelas situadas na região sul do Estado, onde tanto o plantio quanto a colheita são realizados mais tarde do que nas regiões norte e oeste. A operação será concluída neste mês. Em torno de 50% do produto colhido já foi comercializado pelos produtores, principalmente durante o mês de setembro e no primeiro decênio de outubro. Depois os Avaliação da Safra Agrícola 2007/20087 Segundo Levantamento de Intenção de Plantio Novembro/

12 moinhos se retiraram do mercado, aguardando o inicio da colheita no Rio Grande do Sul e na Argentina e a conseqüente queda das cotações. Os preços recebidos pelos produtores se situam acima do custo operacional, embora registrando queda na medida do avanço da colheita, como mostram as médias de R$34,1/sc em setembro, R$32,12 em outubro. Os produtores e as cooperativas têm manifestado a intenção de colocar parcela da produção no mercado internacional, a exemplo do que já ocorreu no Rio Grande do Sul, caso os moinhos continuem comprando apenas suas necessidades imediatas. As expectativas favoráveis de produção e de mercado vão repercutir no aumento da área plantada em 2008/2009. Avaliação da Safra Agrícola 2007/20087 Segundo Levantamento de Intenção de Plantio Novembro/

13 6. ESTIMATIVAS DE ÁREA, PRODUÇÃO E PRODUTIVIDADE Q u a d r o 1 B R A S I L E S T I M A T I V A D E Á R E A P L A N T A D A S A F R A S / E / ( E m h a ) S A F R A V A R I A Ç Ã O P R O D U T O 0 6 / / 0 8 P e r c e n t u a l A b s o l u t a ( a ) ( b ) ( b / a ) ( b - a ) A L G O D Ã O , , 5 5, 0 5 4, 7 A M E N D O I M T O T A L 1 0 2, , 2 3, 2 3, 3 A M E N D O I M 1 ª S A F R A 7 5, 5 7 7, 7 2, 9 2, 2 A M E N D O I M 2 ª S A F R A 2 7, 4 2 8, 5 4, 0 1, 1 A R R O Z , , 6 1, 0 2 9, 2 A V E I A 3 2 1, , 5 ( 6 1, 0 ) ( 1 9 5, 9 ) C E N T E I O 4, 3 3, 6 ( 1 6, 3 ) ( 0, 7 ) C E V A D A 9 0, , 9 1 2, 1 1 0, 9 F E I J Ã O T O T A L , , 9 ( 3, 2 ) ( 1 3 2, 5 ) F E I J Ã O 1 ª S A F R A , , 6 ( 8, 1 ) ( 1 2 6, 0 ) F E I J Ã O 2 ª S A F R A , , F E I J Ã O 3 ª S A F R A 8 2 3, , 4 ( 0, 8 ) ( 6, 5 ) G I R A S S O L 7 5, , 8 4 6, 9 3 5, 4 M A M O N A 1 5 5, , 7 1 9, 3 3 0, 1 M I L H O T O T A L , , 8 1, , 9 M I L H O 1 ª S A F R A , , 9 2, , 0 M I L H O 2 ª S A F R A , , 9 ( 1, 4 ) ( 6 6, 1 ) S O J A , , 2 2, , 4 S O R G O 7 0 4, , 0 ( 1, 3 ) ( 9, 4 ) T R I G O , , 2 3, 0 5 2, 7 T R I T I C A L E 1 0 7, 7 8 9, 0 ( 1 7, 4 ) ( 1 8, 7 ) B R A S I L , , 9 1, , 4 F O N T E : C O N A B - L e v a n t a m e n t o : N o v / Q u a d r o 2 B R A S I L E S T I M A T I V A D A P R O D U Ç Ã O D E G R Ã O S S A F R A S / E / ( E m t ) S A F R A V A R I A Ç Ã O P R O D U T O 0 6 / / 0 8 P e r c e n t u a l A b s o l u t a ( a ) ( b ) ( b / a ) ( b - a ) A L G O D Ã O - C A R O Ç O ( 1 ) , , 4 5, , 8 A L G O D Ã O - P L U M A , , 9 5, 6 8 4, 9 A M E N D O I M T O T A L 2 2 6, , 3 3, 6 8, 1 A M E N D O I M 1 ª S A F R A 1 8 2, , 2 4, 0 7, 2 A M E N D O I M 2 ª S A F R A 4 4, 2 4 5, 1 2, 0 0, 9 A R R O Z , , 9 5, , 0 A V E I A 3 7 8, , 1 ( 3 5, 7 ) ( 1 3 4, 9 ) C E N T E I O 5, 9 4, 6 ( 2 2, 0 ) ( 1, 3 ) C E V A D A 2 0 5, , 4 2 8, 0 5 7, 6 F E I J Ã O T O T A L , , 8 ( 2, 5 ) ( 8 3, 0 ) F E I J Ã O 1 ª S A F R A , , 9 ( 6, 0 ) ( 9 4, 1 ) F E I J Ã O 2 ª S A F R A 9 9 6, , 3 2, 6 2 5, 7 F E I J Ã O 3 ª S A F R A 7 7 4, , 6 ( 1, 9 ) ( 1 4, 6 ) G I R A S S O L 1 0 6, , 4 5 3, 1 5 6, 3 M A M O N A 9 3, , 7 6 5, 1 6 1, 0 M I L H O T O T A L , , 7 0, , 0 M I L H O 1 ª S A F R A , , 7 2, , 0 M I L H O 2 ª S A F R A , , 0 ( 1, 8 ) ( 2 6 8, 0 ) S O J A , , 3 1, , 5 S O R G O , , 5 0, 8 1 2, 4 T R I G O , , 3 7 0, , 6 T R I T I C A L E 2 0 3, , 1 5, 5 1 1, 3 B R A S I L ( 2 ) , , 5 2, , 4 F O N T E : C O N A B - L e v a n t a m e n t o : N o v / ( 1 ) P r o d u ç ã o d e c a r o ç o d e a l g o d ã o. ( 2 ) E x c l u i a p r o d u ç ã o d e a l g o d ã o e m p l u m a. Avaliação da Safra Agrícola 2007/20087 Segundo Levantamento de Intenção de Plantio Novembro/

14 R EG IÃO /U F Q uadro 3 B R ASIL C O M PAR AT IVO D E ÁR EA, P R O D U T IV ID AD E E PR O D U Ç ÃO D E G R ÃO S - PR O D U T O S SELEC IO N AD O S(*) ÁR EA (Em m il ha) M ÉD IA (Em kg/ha) P R O D U Ç ÃO (Em m il t) Safra 06/07 Safra 07/08 VAR. % Safra 06/07 Safra 07/08 VAR. % Safra 06/07 Safra 07/08 VAR. % (a) (b ) (b/a) (c) (d) (d/c) (e) (f) (f/e) NO RTE 1.662, ,9 2, , , ,5 3,2 R R 41,0 41, ,6 154,2 155,2 0,6 R O 360,0 367,3 2, ,2 767,6 792,8 3,3 AC 74,1 73,8 (0,4) ,2 93,4 93,1 (0,3) AM 39,8 40,1 0, ,9 70,4 72,3 2,7 AP 6,4 6, ,2 5,2 6,2 19,2 PA 604,5 606,0 0, , , ,9 2,5 T O 536,2 565,3 5, (1,1) 1.368, ,0 4,2 NO RDESTE 8.027, ,3 3, , , ,3 15,9 M A 1.357, ,4 0, , , ,7 2,7 PI 917,2 987,4 7, ,1 867, ,9 83,0 C E 1.293, ,6 0, ,4 548,9 744,4 35,6 R N 190,2 189,0 (0,6) ,5 102,2 119,2 16,6 PB 423,3 422,5 (0,2) ,0 127,7 195,2 52,9 PE 632,1 631, ,2 276,0 298,6 8,2 AL 197,5 197,1 (0,2) ,6 110,6 115,5 4,4 SE 204,4 204,9 0, (1,5) 281,8 278,2 (1,3) BA 2.813, ,5 6, , , ,6 9,1 CENTRO -O ESTE , ,9 2, , , ,0 2,8 M T 7.712, ,4 3, (0,3) , ,7 3,1 M S 2.815, ,3 0, (1,7) 8.410, ,9 (1,2) G O 3.577, ,6 2, , , ,8 5,1 D F 123,5 129,6 4, (0,1) 503,3 527,6 4,8 SU D ES T E 4.995, ,3 (1,0) , , ,6 0,2 M G 2.950, ,0 (0,5) , , ,3 1,2 ES 62,2 60,5 (2,7) ,3 115,5 114,9 (0,5) R J 20,1 19,7 (2,0) ,0 38,1 38,1 - SP 1.963, ,1 (1,5) , , ,3 (1,2) SU L , ,5 (0,3) , , ,1 1,4 PR 8.611, ,8 (4,3) , , ,6 0,2 SC 1.457, ,8 0, , , ,2 1,3 R S 7.229, ,9 4, (1,3) , ,3 3,0 NO RTE/NO RDESTE 9.689, ,2 3, , , ,8 12,5 CENTRO -SUL , ,7 0, , , ,7 1,8 B R ASIL , ,9 1, , , ,5 2,9 FONTE : CONAB - Levantam ento: Nov/2007. (*) Produtos selecionados: Caroço de algodão, am endoim (1ª e 2ª safras), arroz, aveia, centeio, cevada, feijão (1ª, 2ª e 3ª safras), girassol, m am ona, m ilho (1ª e 2ª safras), soja, sorgo, trigo e triticale. Q u a d ro 4 A L G O D Ã O E M C A R O Ç O C O M P A R A T IV O D E Á R E A, P R O D U T IV ID A D E E P R O D U Ç Ã O S A F R A S / E / Á R E A (E m m il h a ) P R O D U T IV ID A D E (E m k g /h a ) P R O D U Ç Ã O (E m m il t) R E G IÃ O /U F S a fra 0 6 /0 7 S a fra 0 7 /0 8 V A R. % S a fra 0 6 /0 7 S a fra 0 7 /0 8 V A R. % S a fra 0 6 /0 7 S a fra 0 7 /0 8 V A R. % (a ) (b ) (b /a ) (c ) (d ) (d /c ) (e ) (f) (f/e ) N O R T E 0,7 0, ,6 2,6 - T O 0,7 0, ,6 2,6 - N O R D E S T E 353,0 399,9 13, , , ,8 16,2 M A 7,3 11,3 55, ,4 42,4 54,7 P I 13,2 17,9 35, ,3 25,1 57,9 130,7 C E 7,3 7, ,7 3,7 - R N 12,7 12, ,4 8,4 - P B 5,1 5, ,9 1,9 - P E 2,9 2, ,4 1,4 - A L 11,0 11, ,5 4,5 - B A 293,5 331,7 13, , ,6 13,0 C E N T R O -O E S T E 665,9 693,9 4, (0,7 ) 2.464, ,1 3,4 M T 542,0 566,4 4, (0,9 ) 2.008, ,7 3,5 M S 45,6 49,0 7, ,2 192,6 7,5 G O 76,7 78,0 1, ,5 276,1 1,7 D F 1,6 0,5 (70,0 ) ,4 1,7 (68,5 ) S U D E S T E 64,5 50,0 (22,5 ) (6,3 ) 195,9 142,3 (27,4 ) M G 32,5 28,0 (13,8 ) ,9 86,9 (13,9 ) S P 32,0 22,0 (31,3 ) (15,2 ) 95,0 55,4 (41,7 ) S U L 12,7 7,0 (44,9 ) ,4 27,8 15,5 (44,2 ) P R 12,7 7,0 (44,9 ) ,4 27,8 15,5 (44,2 ) N O R T E /N O R D E S T E 3 5 3, ,6 1 3, , , ,4 1 6,1 C E N T R O -S U L 743,1 750,9 1, (0,3 ) 2.687, ,9 0,7 B R AS IL 1.096, ,5 5, , , ,3 5,5 F O N T E : C O N A B - L e v a n ta m e n to : N o v / Avaliação da Safra Agrícola 2007/20087 Segundo Levantamento de Intenção de Plantio Novembro/

15 Quadro 5 ALGODÃO EM PLUMA ÁREA (Em mil ha) PRODUTIVIDADE (Em kg/ha) PRODUÇÃO (Em mil t) NORTE 0,7 0, ,0 1,0 - TO 0,7 0, ,0 1,0 - NORDESTE 353,0 399,9 13, ,4 478,6 555,2 16,0 MA 7,3 11,3 55, ,5 16,3 55,2 PI 13,2 17,9 35, ,3 9,0 20,9 132,2 CE 7,3 7, ,3 1,3 - RN 12,7 12, ,0 3,0 - PB 5,1 5, ,7 0,7 - PE 2,9 2, ,5 0,5 - AL 11,0 11, ,5 1,5 - BA 293,5 331,7 13, ,1 511,0 13,0 CENTRO-OESTE 665,9 693,9 4, (0,7) 960,2 993,2 3,4 MT 542,0 566,4 4, (1,0) 783,2 810,7 3,5 MS 45,6 49,0 7, ,0 74,1 7,4 GO 76,7 78,0 1, ,9 107,7 1,7 DF 1,6 0,5 (70,0) ,1 0,7 (66,7) SUDESTE 64,5 50,0 (22,5) (6,4) 73,9 53,7 (27,3) MG 32,5 28,0 (13,8) ,8 32,6 (13,8) SP 32,0 22,0 (31,3) (15,1) 36,1 21,1 (41,6) SUL 12,7 7,0 (44,9) ,4 10,3 5,8 (43,7) PR 12,7 7,0 (44,9) ,5 10,3 5,8 (43,7) NORTE/NORDESTE 353,7 400,6 13, ,4 479,6 556,2 16,0 CENTRO-SUL 743,1 750,9 1, (0,3) 1.044, ,7 0,8 BRASIL 1.096, ,5 5, , , ,9 5,6 Quadro 6 CAROÇO DE ALGODÃO NORTE 0,7 0, ,6 1,6 - TO 0,7 0, ,6 1,6 - NORDESTE 353,0 399,9 13, ,7 738,5 858,6 16,3 MA 7,3 11,3 55, ,9 26,1 54,4 PI 13,2 17,9 35, ,3 16,1 37,0 129,8 CE 7,3 7, ,4 2,4 - RN 12,7 12, ,4 5,4 - PB 5,1 5, ,2 1,2 - PE 2,9 2, ,9 0,9 - AL 11,0 11, ,0 3,0 - BA 293,5 331,7 13, ,6 782,6 13,0 CENTRO-OESTE 665,9 693,9 4, (0,7) 1.504, ,9 3,5 MT 542,0 566,4 4, (0,9) 1.224, ,0 3,5 MS 45,6 49,0 7, ,2 118,5 7,5 GO 76,7 78,0 1, ,6 168,4 1,7 DF 1,6 0,5 (70,0) ,3 1,0 (69,7) SUDESTE 64,5 50,0 (22,5) (6,2) 122,0 88,6 (27,4) MG 32,5 28,0 (13,8) ,1 54,3 (13,9) SP 32,0 22,0 (31,3) (15,2) 58,9 34,3 (41,8) SUL 12,7 7,0 (44,9) ,4 17,5 9,7 (44,6) PR 12,7 7,0 (44,9) ,4 17,5 9,7 (44,6) NORTE/NORDESTE 353,7 400,6 13, ,7 740,1 860,2 16,2 CENTRO-SUL 743,1 750,9 1, (0,4) 1.643, ,2 0,7 BRASIL 1.096, ,5 5, , , ,4 5,5 Avaliação da Safra Agrícola 2007/20087 Segundo Levantamento de Intenção de Plantio Novembro/

16 Quadro 7 AMENDOIM 1ª SAFRA CENTRO-OESTE 2,7 1,5 (44,4) ,3 6,3 3,6 (42,9) MS 0,6 0,5 (16,7) ,5 1,2 1,1 (8,3) GO 2,1 1,0 (52,4) ,1 2,5 (51,0) SUDESTE 62,4 66,5 6, ,2 156,3 166,8 6,7 MG 3,0 2,9 (3,3) ,1 6,0 5,9 (1,7) SP 59,4 63,6 7, ,3 160,9 7,1 SUL 10,4 9,7 (6,7) ,1 19,4 18,8 (3,1) PR 5,8 5,2 (10,3) ,3 12,5 11,9 (4,8) RS 4,6 4,5 (2,2) ,6 6,9 6,9 - CENTRO-SUL 75,5 77,7 2, ,0 182,0 189,2 4,0 BRASIL 75,5 77,7 2, ,0 182,0 189,2 4,0 Quadro 8 AMENDOIM 2ª SAFRA ÁREA (Em mil ha) PRODUTIVIDADE (Em kg/ha) PRODUÇÃO (Em mil t) NORTE 0,3 0, ,5 0,5 - TO 0,3 0, ,5 0,5 - NORDESTE 10,5 11,2 6, ,9 10,9 12,3 12,8 CE 0,7 0, ,3 0,5 0,8 60,0 PB 1,9 1,8 (5,3) (3,4) 1,6 1,5 (6,3) SE 1,4 1, ,9 1,6 1,7 6,3 BA 6,5 7,3 12, ,5 7,2 8,3 15,3 CENTRO-OESTE 4,0 4,4 10, (13,8) 9,7 9,2 (5,2) MT 4,0 4,4 10, (13,8) 9,7 9,2 (5,2) SUDESTE 12,6 12, ,1 23,1 23,1 - SP 12,6 12, ,1 23,1 23,1 - NORTE/NORDESTE 10,8 11,5 6, ,6 11,4 12,8 12,3 CENTRO-SUL 16,6 17,0 2, (3,8) 32,8 32,3 (1,5) BRASIL 27,4 28,5 4, (2,1) 44,2 45,1 2,0 Q uadro 9 AM EN D O IM TOTAL (1ª e 2ª SAFR A) C O M PARATIVO D E ÁR EA, PRO DU TIVID AD E E PR O D UÇ ÃO ÁREA (Em m il ha) PRODUTIVIDADE (Em kg/ha) PRO DU Ç ÃO (Em m il t) REGIÃO /UF Safra 06/07 Safra 07/08 VAR. % Safra 06/07 Safra 07/08 VAR. % Safra 06/07 Safra 07/08 VAR. % N O R TE 0,3 0, ,5 0,5 - TO 0,3 0, ,5 0,5 - N O R DESTE 10,5 11,2 6, ,9 10,9 12,3 12,8 C E 0,7 0, ,3 0,5 0,8 60,0 PB 1,9 1,8 (5,3) (3,4) 1,6 1,5 (6,3) SE 1,4 1, ,9 1,6 1,7 6,3 BA 6,5 7,3 12, ,5 7,2 8,3 15,3 C ENTRO-O ESTE 6,7 5,9 (11,9) (9,9) 16,0 12,8 (20,0) M T 4,0 4,4 10, (13,8) 9,7 9,2 (5,2) M S 0,6 0,5 (16,7) ,5 1,2 1,1 (8,3) G O 2,1 1,0 (52,4) ,1 2,5 (51,0) SU DESTE 75,0 79,1 5, ,4 179,4 189,9 5,9 M G 3,0 2,9 (3,3) ,1 6,0 5,9 (1,7) SP 72,0 76,2 5, ,3 173,4 184,0 6,1 SU L 10,4 9,7 (6,7) ,1 19,4 18,8 (3,1) PR 5,8 5,2 (10,3) ,3 12,5 11,9 (4,8) R S 4,6 4,5 (2,2) ,6 6,9 6,9 - N O R TE/N O R D ESTE 10,8 11,5 6, ,6 11,4 12,8 12,3 C ENTRO-SUL 92,1 94,7 2, ,3 214,8 221,5 3,1 B RASIL 102,9 106,2 3, ,3 226,2 234,3 3,6 FO NTE : CONAB - Levantam ento: Nov/2007. Avaliação da Safra Agrícola 2007/20087 Segundo Levantamento de Intenção de Plantio Novembro/

17 Quadro 10 ARROZ ÁREA (Em mil ha) PRODUTIVIDADE (Em kg/ha) PRODUÇÃO (Em mil t) NORTE 495,9 495, , , ,6 2,5 RR 22,3 22, ,8 113,7 114,7 0,9 RO 71,1 70,6 (0,7) ,2 146,5 147,1 0,4 AC 22,1 22, ,2 29,0 29,3 1,0 AM 13,4 13,6 1, ,1 20,1 23,7 17,9 AP 2,9 2, ,2 2,3 3,4 47,8 PA 207,4 205,1 (1,1) ,9 396,8 411,6 3,7 TO 156,7 159,2 1, (0,1) 407,6 413,8 1,5 NORDESTE 746,3 752,3 0, , , ,8 14,6 MA 511,4 511,9 0, (2,3) 710,8 695,2 (2,2) PI 153,4 160,1 4, ,6 135,6 286,7 111,4 CE 32,5 32, ,8 71,0 83,7 17,9 RN 1,5 1,7 13, ,1 3,6 4,5 25,0 PB 6,9 7,0 1, ,1 4,8 9,1 89,6 PE 5,0 4,7 (6,0) (1,3) 25,5 23,7 (7,1) AL 3,2 3, (2,7) 14,0 13,6 (2,9) SE 11,5 11, (1,7) 53,2 52,3 (1,7) BA 20,9 19,7 (5,7) ,1 28,8 31,0 7,6 CENTRO-OESTE 442,6 394,1 (11,0) , , ,3 (10,3) MT 280,3 250,0 (10,8) ,3 734,4 657,0 (10,5) MS 42,1 38,0 (9,7) (0,8) 211,3 189,2 (10,5) GO 120,0 106,0 (11,7) ,6 234,0 212,0 (9,4) DF 0,2 0,1 (50,0) (64,4) 0,7 0,1 (85,7) SUDESTE 115,0 109,9 (4,4) (0,7) 274,5 260,5 (5,1) MG 85,0 82,8 (2,6) (0,9) 187,0 180,6 (3,4) ES 2,8 2,5 (10,7) ,1 7,3 (9,9) RJ 2,6 2,5 (3,8) ,8 8,5 (3,4) SP 24,6 22,1 (10,2) ,0 70,6 64,1 (9,2) SUL 1.167, ,5 6, , , ,7 8,0 PR 57,3 48,9 (14,7) ,5 179,3 164,5 (8,3) SC 155,9 154,3 (1,0) , , ,6 - RS 954, ,3 9, , , ,6 9,8 NORTE/NORDESTE 1.242, ,1 0, , , ,4 8,3 CENTRO-SUL 1.725, ,5 1, , , ,5 5,2 BRASIL 2.967, ,6 1, , , ,9 5,8 Avaliação da Safra Agrícola 2007/20087 Segundo Levantamento de Intenção de Plantio Novembro/

18 Quadro 11 FEIJÃO 1ª SAFRA NORTE 7,1 8,0 12, ,7 4,9 6,9 40,8 TO 7,1 8,0 12, ,7 4,9 6,9 40,8 NORDESTE 553,3 589,8 6, ,1 182,5 256,8 40,7 MA 40,5 39,1 (3,5) ,9 15,4 16,0 3,9 PI 209,3 229,6 9, ,9 37,5 107,2 185,9 BA 303,5 321,1 5, (2,6) 129,6 133,6 3,1 CENTRO-OESTE 79,8 72,5 (9,1) ,0 141,1 139,7 (1,0) MT 8,2 5,5 (32,9) (27,9) 9,8 4,7 (52,0) MS 5,8 3,5 (39,7) ,4 8,4 5,3 (36,9) GO 52,5 50,0 (4,8) ,9 91,4 100,0 9,4 DF 13,3 13,5 1, (7,3) 31,5 29,7 (5,7) SUDESTE 320,4 286,6 (10,5) ,9 387,2 352,7 (8,9) MG 219,3 204,6 (6,7) ,0 216,0 237,7 10,0 ES 8,7 8,3 (4,6) (1,3) 6,6 6,2 (6,1) RJ 3,0 2,7 (10,0) ,6 2,3 (11,5) SP 89,4 71,0 (20,6) (17,2) 162,0 106,5 (34,3) SUL 599,0 476,7 (20,4) ,8 852,3 717,8 (15,8) PR 401,5 310,4 (22,7) ,4 558,1 476,2 (14,7) SC 100,6 82,5 (18,0) (0,6) 174,0 141,9 (18,4) RS 96,9 83,8 (13,5) (4,0) 120,2 99,7 (17,1) NORTE/NORDESTE 560,4 597,8 6, ,0 187,4 263,7 40,7 CENTRO-SUL 999,2 835,8 (16,4) , , ,2 (12,3) BRASIL 1.559, ,6 (8,1) , , ,9 (6,0) Quadro 12 FEIJÃO 2ª SAFRA NORTE 170,9 173,6 1, (0,7) 131,7 133,0 1,0 RR 1,0 1, ,6 0,7 0,7 - RO 61,1 61,7 1, ,8 41,2 42,8 3,9 AC 15,0 14,7 (2,0) (1,8) 8,2 7,9 (3,7) AM 6,7 6,9 3, ,1 6,0 6,5 8,3 AP 1,4 1, (10,2) 1,1 1,0 (9,1) PA 79,9 81,3 1, (0,5) 67,5 68,4 1,3 TO 5,8 6,6 13, (28,9) 7,0 5,7 (18,6) NORDESTE 1.071, ,8 (0,1) ,8 265,7 304,7 14,7 MA 46,3 46, ,4 24,1 24,2 0,4 PI 4,4 7,0 59, ,0 2,3 4,8 108,7 CE 548,8 548,3 (0,1) ,0 109,8 128,3 16,8 RN 80,1 77,2 (3,6) ,5 32,1 32,7 1,9 PB 214,3 214,9 0, ,3 49,3 66,4 34,7 PE 178,0 177,1 (0,5) ,1 48,1 48,3 0,4 CENTRO-OESTE 56,9 56, ,1 71,1 - MT 21,2 21, ,4 24,4 - MS 15,5 15, ,0 18,0 - GO 20,0 20, ,2 28,2 - DF 0,2 0, ,5 0,5 - SUDESTE 204,4 202,2 (1,1) (1,2) 238,9 233,3 (2,3) MG 143,9 142,0 (1,3) (2,1) 169,1 163,3 (3,4) ES 12,9 12,6 (2,3) (0,5) 10,1 9,8 (3,0) RJ 3,8 3, ,0 3,2 3,2 - SP 43,8 43, ,9 56,5 57,0 0,9 SUL 199,8 200,4 0, (3,4) 289,2 280,2 (3,1) PR 150,3 150,9 0, (3,2) 228,3 222,0 (2,8) SC 26,8 26, (7,0) 34,8 32,4 (6,9) RS 22,7 22, (1,1) 26,1 25,8 (1,1) NORTE/NORDESTE 1.242, ,4 0, ,0 397,4 437,7 10,1 CENTRO-SUL 461,1 459,5 (0,3) (2,1) 599,2 584,6 (2,4) BRASIL 1.703, , ,6 996, ,3 2,6 Avaliação da Safra Agrícola 2007/20087 Segundo Levantamento de Intenção de Plantio Novembro/

19 Quadro 13 FEIJÃO 3ª SAFRA NORDESTE 629,8 629,2 (0,1) ,8 353,3 363,0 2,7 PI 4,4 4, ,9 2,3 3,1 34,8 CE 14,4 14, (3,9) 14,8 14,2 (4,1) PE 132,8 133,6 0, ,8 66,1 67,1 1,5 AL 99,6 99,5 (0,1) ,7 47,6 48,4 1,7 SE 46,9 47,3 0, (4,0) 29,5 28,6 (3,1) BA 331,7 330,0 (0,5) ,0 193,0 201,6 4,5 CENTRO-OESTE 73,1 66,3 (9,3) (3,0) 198,2 174,2 (12,1) MT 11,0 11, (20,2) 33,0 26,3 (20,3) MS 0,2 0,4 100, ,3 0,2 0,6 200,0 GO 57,5 50,5 (12,2) ,8 151,8 134,3 (11,5) DF 4,4 4, (1,4) 13,2 13,0 (1,5) SUDESTE 109,5 110,4 0, (1,0) 213,8 213,5 (0,1) MG 50,4 51,1 1, (2,0) 118,4 117,6 (0,7) SP 59,1 59,3 0, ,2 95,4 95,9 0,5 SUL 11,5 11, ,9 8,9 - PR 11,5 11, ,9 8,9 - NORTE/NORDESTE 629,8 629,2 (0,1) ,8 353,3 363,0 2,7 CENTRO-SUL 194,1 188,2 (3,0) (2,8) 420,9 396,6 (5,8) BRASIL 823,9 817,4 (0,8) (1,1) 774,2 759,6 (1,9) Quadro 14 FEIJÃO TOTAL (1ª, 2ª e 3ª SAFRA) NORTE 178,0 181,6 2, ,3 136,6 139,9 2,4 RR 1,0 1, ,6 0,7 0,7 - RO 61,1 61,7 1, ,8 41,2 42,8 3,9 AC 15,0 14,7 (2,0) (1,8) 8,2 7,9 (3,7) AM 6,7 6,9 3, ,1 6,0 6,5 8,3 AP 1,4 1, (10,2) 1,1 1,0 (9,1) PA 79,9 81,3 1, (0,5) 67,5 68,4 1,3 TO 12,9 14,6 13, (6,6) 11,9 12,6 5,9 NORDESTE 2.255, ,8 1, ,6 801,4 924,5 15,4 MA 86,8 85,4 (1,6) ,5 39,5 40,2 1,8 PI 218,1 241,0 10, ,0 42,0 115,1 174,0 CE 563,2 562,7 (0,1) ,5 124,6 142,5 14,4 RN 80,1 77,2 (3,6) ,5 32,1 32,7 1,9 PB 214,3 214,9 0, ,3 49,3 66,4 34,7 PE 310,8 310, ,1 114,2 115,4 1,1 AL 99,6 99,5 (0,1) ,7 47,6 48,4 1,7 SE 46,9 47,3 0, (4,0) 29,5 28,6 (3,1) BA 635,2 651,1 2, ,4 322,6 335,2 3,9 CENTRO-OESTE 209,8 195,7 (6,7) ,6 410,4 384,9 (6,2) MT 40,4 37,7 (6,7) (11,5) 67,1 55,4 (17,4) MS 21,5 19,4 (9,8) (0,7) 26,6 23,8 (10,5) GO 130,0 120,5 (7,3) ,4 271,4 262,5 (3,3) DF 17,9 18,1 1, (5,5) 45,3 43,2 (4,6) SUDESTE 634,3 599,2 (5,5) ,8 839,8 799,8 (4,8) MG 413,6 397,7 (3,8) ,1 503,5 518,7 3,0 ES 21,6 20,9 (3,2) (0,8) 16,7 16,1 (3,6) RJ 6,8 6,5 (4,4) ,1 5,7 5,5 (3,5) SP 192,3 174,1 (9,5) (8,7) 313,9 259,5 (17,3) SUL 810,3 688,6 (15,0) , , ,8 (12,5) PR 563,3 472,8 (16,1) ,9 795,3 707,0 (11,1) SC 127,4 109,3 (14,2) (2,7) 208,9 174,3 (16,6) RS 119,6 106,5 (11,0) (3,6) 146,3 125,5 (14,2) NORTE/NORDESTE 2.433, ,4 1, ,7 938, ,4 13,5 CENTRO-SUL 1.654, ,5 (10,3) , , ,5 (8,7) BRASIL 4.087, ,9 (3,2) , , ,9 (2,5) Avaliação da Safra Agrícola 2007/20087 Segundo Levantamento de Intenção de Plantio Novembro/

20 Quadro 15 GIRASSOL ÁREA (Em mil ha) PRODUTIVIDADE (Em kg/ha) PRODUÇÃO (Em mil t) NORDESTE 0,8 0, ,9 0,9 - RN 0,8 0, ,9 0,9 - CENTRO-OESTE 49,1 85,6 74, ,5 69,0 123,0 78,3 MT 22,0 60,0 172, ,7 29,2 86,4 195,9 MS 8,9 7,8 (12,4) (4,1) 10,9 9,1 (16,5) GO 17,9 17,5 (2,2) (2,5) 28,5 27,1 (4,9) DF 0,3 0, ,4 0,4 - SUDESTE 2,2 2, ,3 3,3 - SP 2,2 2, ,3 3,3 - SUL 23,3 22,2 (4,7) ,4 32,9 35,2 7,0 PR 2,1 2, ,6 3,6 - RS 21,2 20,1 (5,2) ,8 29,3 31,6 7,8 NORTE/NORDESTE 0,8 0, ,9 0,9 - CENTRO-SUL 74,6 110,0 47, ,3 105,2 161,5 53,5 BRASIL 75,4 110,8 46, ,4 106,1 162,4 53,1 Quadro 16 MAMONA ÁREA (Em mil ha) PRODUTIVIDADE (Em kg/ha) PRODUÇÃO (Em mil t) NORDESTE 151,2 181,4 20, ,7 86,9 147,7 70,0 PI 13,4 14,5 6, ,6 4,5 10,8 140,0 CE 9,6 10,2 6, ,6 5,9 6,9 16,9 RN 0,7 0,6 (14,3) ,6 0,4 0,4 - PE 6,4 6,7 4, (1,1) 3,4 3,5 2,9 BA 121,1 149,4 23, ,7 72,7 126,1 73,5 SUDESTE 4,3 4,2 (2,3) ,9 6,6 6,8 3,0 MG 2,4 2,3 (4,2) ,3 3,6 3,8 5,6 SP 1,9 1, (0,3) 3,0 3,0 - SUL 0,1 0, ,2 0,2 - PR 0,1 0, ,2 0,2 - NORTE/NORDESTE 151,2 181,4 20, ,7 86,9 147,7 70,0 CENTRO-SUL 4,4 4,3 (2,3) ,8 6,8 7,0 2,9 BRASIL 155,6 185,7 19, ,4 93,7 154,7 65,1 Avaliação da Safra Agrícola 2007/20087 Segundo Levantamento de Intenção de Plantio Novembro/

21 Quadro 17 MILHO 1ª SAFRA NORTE 535,3 546,3 2, (3,2) 1.149, ,5 (1,2) RR 12,2 12, ,4 24,4 - RO 118,1 123,5 4, ,6 240,0 257,4 7,3 AC 37,0 37, (0,6) 56,2 55,9 (0,5) AM 19,7 19,6 (0,5) (4,5) 44,3 42,1 (5,0) AP 2,1 2, (2,8) 1,8 1,8 - PA 270,2 272,1 0, ,5 532,3 543,9 2,2 TO 76,0 79,8 5, (20,0) 250,0 210,0 (16,0) NORDESTE 2.575, ,9 1, , , ,9 28,3 MA 367,1 358,7 (2,3) ,7 447,1 492,5 10,2 PI 295,3 309,2 4, ,5 179,0 469,4 162,2 CE 673,9 677,3 0, ,4 335,6 497,1 48,1 RN 82,6 82,2 (0,5) ,6 37,9 47,8 26,1 PB 195,1 193,7 (0,7) ,4 70,8 117,0 65,3 PE 286,2 286, ,7 95,6 125,9 31,7 AL 83,7 83,4 (0,4) ,0 46,0 50,5 9,8 SE 144,6 144,7 0, (1,0) 197,5 195,6 (1,0) BA 446,5 484,5 8, , , ,1 12,8 CENTRO-OESTE 845,8 915,5 8, (1,4) 4.583, ,5 6,7 MT 171,0 182,6 6, (14,3) 790,9 724,0 (8,5) MS 98,0 92,0 (6,1) (0,3) 560,6 524,4 (6,5) GO 540,3 603,0 11, , , ,8 13,8 DF 36,5 37,9 3, (3,8) 265,7 265,3 (0,2) SUDESTE 2.127, ,2 0, , , ,3 0,4 MG 1.368, ,4 0, , , ,1 1,2 ES 37,8 37,1 (1,9) ,9 90,7 91,6 1,0 RJ 10,7 10, ,3 23,5 24,1 2,6 SP 710,7 710,0 (0,1) (1,1) 3.340, ,5 (1,2) SUL 3.410, ,0 3, (5,5) , ,5 (1,9) PR 1.318, ,7 4, (6,0) 8.804, ,1 (1,9) SC 706,3 735,3 4, , , ,8 4,5 RS 1.385, ,0 3, (8,8) 5.958, ,6 (5,9) NORTE/NORDESTE 3.110, ,2 1, , , ,4 19,3 CENTRO-SUL 6.383, ,7 3, (3,1) , ,3 - BRASIL 9.493, ,9 2, (0,8) , ,7 2,0 Quadro 18 MILHO 2ª SAFRA NORTE 29,2 29, ,0 94,0 - RO 19,3 19, ,4 62,4 - TO 9,9 9, ,6 31,6 - NORDESTE 386,6 385,1 (0,4) (10,6) 481,3 428,6 (10,9) BA 386,6 385,1 (0,4) (10,6) 481,3 428,6 (10,9) CENTRO-OESTE 2.413, ,3 (1,5) (0,3) 8.410, ,5 (1,7) MT 1.421, ,4 (4,0) (0,3) 5.074, ,6 (4,2) MS 740,2 764,6 3, (3,1) 2.390, ,2 0,1 GO 244,7 241,5 (1,3) ,3 921,3 984,4 6,8 DF 7,7 7,8 1, ,0 24,5 29,3 19,6 SUDESTE 276,8 276, ,1 740,0 770,8 4,2 MG 29,9 30,0 0, ,8 98,1 107,1 9,2 SP 246,9 246, ,4 641,9 663,7 3,4 SUL 1.454, ,4 (2,0) , ,1 (2,0) PR 1.454, ,4 (2,0) , ,1 (2,0) NORTE/NORDESTE 415,8 414,3 (0,4) (8,8) 575,3 522,6 (9,2) CENTRO-SUL 4.145, ,6 (1,6) , ,4 (1,5) BRASIL 4.561, ,9 (1,4) (0,4) , ,0 (1,8) Avaliação da Safra Agrícola 2007/20087 Segundo Levantamento de Intenção de Plantio Novembro/

22 Quadro 19 MILHO TOTAL (1ª e 2ª SAFRA) NORTE 564,5 575,5 1, (3,0) 1.243, ,4 (1,1) RR 12,2 12, ,4 24,4 - RO 137,4 142,8 3, ,8 302,4 319,8 5,8 AC 37,0 37, (0,6) 56,2 55,9 (0,5) AM 19,7 19,6 (0,5) (4,5) 44,3 42,1 (5,0) AP 2,1 2, (2,8) 1,8 1,8 - PA 270,2 272,1 0, ,5 532,3 543,9 2,2 TO 85,9 89,7 4, (17,9) 281,6 241,5 (14,2) NORDESTE 2.961, ,0 1, , , ,6 22,2 MA 367,1 358,7 (2,3) ,7 447,1 492,5 10,2 PI 295,3 309,2 4, ,5 179,0 469,4 162,2 CE 673,9 677,3 0, ,4 335,6 497,1 48,1 RN 82,6 82,2 (0,5) ,6 37,9 47,8 26,1 PB 195,1 193,7 (0,7) ,4 70,8 117,0 65,3 PE 286,2 286, ,7 95,6 125,9 31,7 AL 83,7 83,4 (0,4) ,0 46,0 50,5 9,8 SE 144,6 144,7 0, (1,0) 197,5 195,6 (1,0) BA 833,1 869,6 4, , , ,8 6,1 CENTRO-OESTE 3.259, ,8 1, , , ,0 1,2 MT 1.592, ,0 (2,8) (2,0) 5.864, ,6 (4,8) MS 838,2 856,6 2, (3,3) 2.951, ,6 (1,1) GO 785,0 844,5 7, , , ,2 12,2 DF 44,2 45,7 3, (1,8) 290,3 294,6 1,5 SUDESTE 2.404, ,1 0, , , ,1 0,7 MG 1.398, ,4 0, , , ,2 1,4 ES 37,8 37,1 (1,9) ,9 90,7 91,6 1,0 RJ 10,7 10, ,3 23,5 24,1 2,6 SP 957,6 956,9 (0,1) (0,4) 3.982, ,2 (0,4) SUL 4.864, ,4 2, (3,9) , ,7 (1,9) PR 2.772, ,1 1, (2,9) , ,3 (2,0) SC 706,3 735,3 4, , , ,8 4,5 RS 1.385, ,0 3, (8,8) 5.958, ,6 (5,9) NORTE/NORDESTE 3.526, ,5 1, , , ,0 15,5 CENTRO-SUL , ,3 1, (1,8) , ,8 (0,5) BRASIL , ,8 1, (0,5) , ,8 0,9 Avaliação da Safra Agrícola 2007/20087 Segundo Levantamento de Intenção de Plantio Novembro/

23 Quadro 20 SOJA NORTE 410,6 434,0 5, , , ,1 9,1 RR 5,5 5, ,4 15,4 - RO 90,4 92,2 2, ,5 283,1 2,0 PA 47,0 47,5 1, ,5 142,0 1,1 TO 267,7 288,8 7, ,8 646,5 737,6 14,1 NORDESTE 1.454, ,9 6, , , ,3 9,9 MA 384,4 392,1 2, , ,7 2,0 PI 219,7 240,6 9, ,8 486,0 664,1 36,6 BA 850,8 911,2 7, , , ,5 7,9 CENTRO-OESTE 9.105, ,3 4, , , ,8 4,4 MT 5.124, ,8 5, , , ,5 6,7 MS 1.737, ,5 1, (2,1) 4.881, ,9 (1,2) GO 2.191, ,1 3, , ,3 3,0 DF 51,8 55,9 8, ,6 140,5 157,1 11,8 SUDESTE 1.468, , , , ,9 0,7 MG 930,4 930, , , ,1 1,4 SP 538,4 538, (0,7) 1.437, ,8 (0,7) SUL 8.247, ,2 0, (3,3) , ,2 (3,0) PR 3.978, ,7 (1,0) (0,3) , ,0 (1,3) SC 376,9 366,7 (2,7) (6,1) 1.104, ,4 (8,7) RS 3.892, ,8 2, (6,3) 9.924, ,8 (4,4) NORTE/NORDESTE 1.865, ,9 6, (18,9) 4.947, ,4 9,7 CENTRO-SUL , ,3 2, (1,2) , ,9 0,9 BRASIL , ,2 2, (0,8) , ,3 1,7 Quadro 21 SORGO ÁREA (Em mil ha) PRODUTIVIDADE (Em kg/ha) PRODUÇÃO (Em mil t) NORTE 12,0 12, ,3 18,3 - TO 12,0 12, ,3 18,3 - NORDESTE 94,6 112,0 18, (0,2) 169,0 199,7 18,2 PI 4,1 4, ,8 3,8 - CE 5,9 5, ,5 8,9 11,0 23,6 RN 11,8 13,8 16, ,2 21,9 27,5 25,6 PE 20,8 20,7 (0,5) (19,3) 36,4 29,2 (19,8) BA 52,0 67,5 29, ,8 98,0 128,2 30,8 CENTRO-OESTE 428,0 397,8 (7,1) ,1 915,0 885,5 (3,2) MT 106,6 100,1 (6,1) (1,6) 206,3 190,6 (7,6) MS 70,7 70, ,2 155,2 183,5 18,2 GO 244,4 220,7 (9,7) ,1 536,5 494,4 (7,8) DF 6,3 6, ,0 17,0 - SUDESTE 140,8 140, ,6 321,6 - MG 72,2 72, ,2 155,2 - SP 68,6 68, ,4 166,4 - SUL 29,0 32,4 11, ,1 73,2 84,4 15,3 PR 3,4 3,5 2, ,2 11,8 12,4 5,1 RS 25,6 28,9 12, ,8 61,4 72,0 17,3 NORTE/NORDESTE 106,6 124,0 16, ,1 187,3 218,0 16,4 CENTRO-SUL 597,8 571,0 (4,5) , , ,5 (1,4) BRASIL 704,4 695,0 (1,3) , , ,5 0,8 Avaliação da Safra Agrícola 2007/20087 Segundo Levantamento de Intenção de Plantio Novembro/

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE realizou, em outubro, o primeiro prognóstico para

Leia mais

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 1. INTRODUÇÃO O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), por meio da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), realiza sistematicamente

Leia mais

SUMÁRIO. 1 - Lavouras... 5. 1 - Área, produção e rendimento médio - confronto das estimativas mensais março / fevereiro safra 2012 Brasil...

SUMÁRIO. 1 - Lavouras... 5. 1 - Área, produção e rendimento médio - confronto das estimativas mensais março / fevereiro safra 2012 Brasil... ...... PRODUÇÃO DAS LAVOURAS EM MARÇO DE 2012 SUMÁRIO 1 - Lavouras... 5 TABELAS DE RESULTADOS Safra 2012 1 - Área, produção e rendimento médio - confronto das estimativas mensais março / fevereiro safra

Leia mais

PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS

PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL D E R A L PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS 20/03/06 O levantamento de campo realizado pelo DERAL, no

Leia mais

Responsáveis Técnicos: SILVIO ISOPO PORTO AROLDO ANTONIO DE OLIVEIRA NETO FRANCISCO OLAVO BATISTA DE SOUSA

Responsáveis Técnicos: SILVIO ISOPO PORTO AROLDO ANTONIO DE OLIVEIRA NETO FRANCISCO OLAVO BATISTA DE SOUSA Safra 2013/2014 Segundo Levantamento Agosto/2013 1 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção e Agroenergia SPAE Departamento de CanadeAçúcar e Agroenergia DCAA Companhia

Leia mais

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 5 2. METODOLOGIA 6

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 5 2. METODOLOGIA 6 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 5 2. METODOLOGIA 6 3. ESTIMATIVA DA ÁREA PLANTADA 6 4. ESTIMATIVA DA PRODUÇÃO 7 5. INFLUÊNCIAS CLIMÁTICAS 8 6. AVALIAÇÃO DAS CULTURAS 9 6.1 Algodão 9 6.2 Arroz 10 6.3 - Canola 11

Leia mais

1 Lavouras. 1.1 Produção de cereais, leguminosas e oleaginosas quinta estimativa da safra 2012, em relação à produção obtida em 2011

1 Lavouras. 1.1 Produção de cereais, leguminosas e oleaginosas quinta estimativa da safra 2012, em relação à produção obtida em 2011 1 Lavouras 1.1 Produção de cereais, leguminosas e oleaginosas quinta estimativa da safra 212, em relação à produção obtida em 211 A quinta avaliação da safra nacional de cereais, leguminosas e oleaginosas

Leia mais

Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura

Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura A safra de grãos do país totalizou 133,8 milhões de toneladas em 2009, de acordo com o Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA) de dezembro,

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO OUTUBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO OUTUBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO OUTUBRO DE 2015 CALENDÁRIO AGRÍCOLA - FEIJÃO Safra 1ª - Safra das Águas 2ª - Safra da Seca 3ª - Safra de Inverno Principais Regiões Sul, Sudeste,

Leia mais

Evolução da Produção Regional dos Principais Grãos (2010-2015)

Evolução da Produção Regional dos Principais Grãos (2010-2015) Evolução da Produção Regional dos Principais Grãos (2010-2015) Gráfico 1 Evolução da produção de grãos (Em milhões de toneladas) A produção brasileira de cereais, leguminosas e oleaginosas cresceu, em

Leia mais

Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana

Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana Super-safra norte-americana Em seu boletim de oferta e demanda mundial de setembro o Usda reestimou para cima suas projeções para a safra 2007/08.

Leia mais

Indicadores IBGE. Estatística da Produção Agrícola. Abril de 2012. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE

Indicadores IBGE. Estatística da Produção Agrícola. Abril de 2012. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Indicadores IBGE Estatística da Produção Agrícola Abril de 2012 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Presidenta da República Dilma Rousseff Ministra do Planejamento, Orçamento e Gestão

Leia mais

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Outubro de 2012. MUNDO O milho é o cereal mais produzido no mundo. De acordo com o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), a produção média do

Leia mais

1 Lavouras 160.000.000 +11,6 % Cereais, leguminosas e oleaginosas. Área e Produção - Brasil 1980 a 2010 Produção (t) 60.000.

1 Lavouras 160.000.000 +11,6 % Cereais, leguminosas e oleaginosas. Área e Produção - Brasil 1980 a 2010 Produção (t) 60.000. 1 Lavouras 1.1 Produção de cereais, leguminosas e oleaginosas A décima segunda estimativa da safra nacional de cereais, leguminosas e oleaginosas, indica uma produção da ordem de 149,5 milhões de toneladas,

Leia mais

2.2 - SÃO PAULO, PARANÁ, ESPÍRITO SANTO, BAHIA E RONDÔNIA.

2.2 - SÃO PAULO, PARANÁ, ESPÍRITO SANTO, BAHIA E RONDÔNIA. 1 - INTRODUÇÃO No período de 01 a 14 de abril de 2007, os técnicos da CONAB e das instituições com as quais mantém parceria visitaram municípios produtores de café em Minas Gerais, Espírito Santo, São

Leia mais

Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social

Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social COMENTÁRIOS ACERCA DOS NÚMEROS FINAIS DO PIB DO RS E DAS DEMAIS UNIDADES DA FEDERAÇÃO EM 2010 Equipe

Leia mais

Indicadores IBGE. Estatística da Produção Agrícola. julho de 2015. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE

Indicadores IBGE. Estatística da Produção Agrícola. julho de 2015. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Indicadores IBGE Estatística da Produção Agrícola julho de 2015 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Presidenta da República Dilma Rousseff Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão

Leia mais

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado AGROSSÍNTESE Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado Edilson de Oliveira Santos 1 1 Mestre em Economia, Gestor Governamental da SEAGRI; e-mail: edilsonsantos@seagri.ba.gov.br

Leia mais

REGIONAL CENTRO-OESTE

REGIONAL CENTRO-OESTE REGIONAL CENTRO-OESTE SOJA DESPONTA NO CENTRO-OESTE, REDUZINDO ÁREAS DE MILHO VERÃO E ALGODÃO A produção de soja despontou no Centro-Oeste brasileiro nesta safra verão 2012/13, ocupando áreas antes destinadas

Leia mais

1 - INTRODUÇÃO 2 - METODOLOGIA

1 - INTRODUÇÃO 2 - METODOLOGIA SUMÁRIO 1. Introdução... 2 2. Metodologia... 2 3. Estimativa da Área Plantada... 3 4. Estimativa da Produção... 3 5. Avaliação das Culturas... 4 5.1 Algodão... 4 5.2 Arroz... 4 5.3 Feijão... 5 5.4 Milho...

Leia mais

RELATÓRIO DA GERÊNCIA DE MONITORAMENTO PANORAMA DO COOPERATIVISMO BRASILEIRO - ANO 2011

RELATÓRIO DA GERÊNCIA DE MONITORAMENTO PANORAMA DO COOPERATIVISMO BRASILEIRO - ANO 2011 RELATÓRIO DA GERÊNCIA DE MONITORAMENTO PANORAMA DO COOPERATIVISMO BRASILEIRO - ANO 2011 Março 2012 SUMÁRIO I - EVOLUÇÃO DO NÚMERO DE COOPERATIVAS, COOPERADOS E EMPREGADOS, 3 II - ANÁLISE POR RAMO, 8 2.1

Leia mais

Janeiro de 2013 Volume 01

Janeiro de 2013 Volume 01 Janeiro de 2013 Volume 01 Janeiro de 2013 Volume 01 2 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Companhia Nacional de Abastecimento - Conab Dipai - Diretoria de Política Agrícola e Informações

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEAPA SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEAPA SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEAPA SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO (VBP) AGROPECUÁRIO Julho/2015 R$ milhões VBP PRINCIPAIS PRODUTOS AGRÍCOLAS LAVOURAS

Leia mais

Acesso à Internet e à televisão e posse de telefone móvel celular para uso pessoal

Acesso à Internet e à televisão e posse de telefone móvel celular para uso pessoal Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Ministério das Comunicações Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD Suplementar 2013 Acesso à Internet e à televisão e posse de telefone móvel celular

Leia mais

Levantamento Sistemático da Produção Agrícola

Levantamento Sistemático da Produção Agrícola Diretoria de Pesquisas COAGRO/GEAGRI LSPA Junho de 217 Levantamento Sistemático da Produção Agrícola Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas no ano civil Diretoria de Pesquisas

Leia mais

Número 24. Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no Brasil

Número 24. Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no Brasil Número 24 Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no 29 de julho de 2009 COMUNICADO DA PRESIDÊNCIA Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no 2 1. Apresentação Este

Leia mais

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14 Soja Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro de 2013 MUNDO A economia mundial cada vez mais globalizada tem sido o principal propulsor responsável pelo aumento da produção de soja. Com o aumento do

Leia mais

LSPA LEVANTAMENTO SISTEMÁTICO DA PRODUÇÃO AGRÍCOLA PESQUISA MENSAL DE PREVISÃO E ACOMPANHAMENTO DAS SAFRAS AGRÍCOLAS NO ANO CIVIL

LSPA LEVANTAMENTO SISTEMÁTICO DA PRODUÇÃO AGRÍCOLA PESQUISA MENSAL DE PREVISÃO E ACOMPANHAMENTO DAS SAFRAS AGRÍCOLAS NO ANO CIVIL LSPA LEVANTAMENTO SISTEMÁTICO DA PRODUÇÃO AGRÍCOLA PESQUISA MENSAL DE PREVISÃO E ACOMPANHAMENTO DAS SAFRAS AGRÍCOLAS NO ANO CIVIL Fevereiro 2012 Presidenta da República Dilma Rousseff Ministra do Planejamento,

Leia mais

Novas tecnologias para o desenvolvimento produtivo baseado na experiência do desenvolvimento do Cerrado Brasileiro

Novas tecnologias para o desenvolvimento produtivo baseado na experiência do desenvolvimento do Cerrado Brasileiro Novas tecnologias para o desenvolvimento produtivo baseado na experiência do desenvolvimento do Cerrado Brasileiro Cláudio Takao Karia Chefe Adjunto de P&D Embrapa Cerrados VI Foro por el desarrollo de

Leia mais

INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA

INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA TEL +55 34 3229 1313 FAX +55 34 3229 4949 celeres@celeres.com.br celeres.com.br IB13.02 16 de dezembro de 2013 INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA Conteúdo Análise Geral... 2 Tabelas... 5 Figuras Figura 1. Adoção

Leia mais

Soja: elevação dos preços da convencional/transgênica deve dificultar incremento da orgânica

Soja: elevação dos preços da convencional/transgênica deve dificultar incremento da orgânica Soja: elevação dos preços da convencional/transgênica deve dificultar incremento da orgânica Produção mundial deve recuar em 2007/08 Segundo o relatório de oferta e demanda divulgado pelo Usda em setembro

Leia mais

LSPA. Levantamento Sistemático da Produção Agrícola. Dezembro de Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas no ano civil

LSPA. Levantamento Sistemático da Produção Agrícola. Dezembro de Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas no ano civil Diretoria de Pesquisas Coordenação de Agropecuária Gerência de Agricultura LSPA Dezembro de 2013 Levantamento Sistemático da Produção Agrícola Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas

Leia mais

INFORME SARGSUS. Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde

INFORME SARGSUS. Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde INFORME SARGSUS Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde 1 ESFERA MUNICIPAL 1.1 Relatório de Gestão Ano 2013 Até a presente data,

Leia mais

Geração de Emprego Formal no NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, JULHO DE 2011

Geração de Emprego Formal no NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, JULHO DE 2011 Geração de Emprego Formal no RIO DE JANEIRO NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, JULHO DE 211 1 211 O crescimento da economia fluminense nos últimos

Leia mais

Contas Regionais do Brasil 2010

Contas Regionais do Brasil 2010 Diretoria de Pesquisas Contas Regionais do Brasil 2010 Coordenação de Contas Nacionais frederico.cunha@ibge.gov.br alessandra.poca@ibge.gov.br Rio, 23/11/2012 Contas Regionais do Brasil Projeto de Contas

Leia mais

CONJUNTURA 24.05.2010 FEIJÃO. João Ruas Gerência de Alimentos Básicos Superintendência de Gestão da Oferta

CONJUNTURA 24.05.2010 FEIJÃO. João Ruas Gerência de Alimentos Básicos Superintendência de Gestão da Oferta CONJUNTURA 24.05.2010 FEIJÃO João Ruas Gerência de Alimentos Básicos Superintendência de Gestão da Oferta MERCADO -Comportamento das principais cultivares plantadas no Brasil; -Situação da Safra 2009/2010;

Leia mais

FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO

FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO Por: Carlos Eduardo Cruz Tavares 1 São várias as cadeias produtivas que constituem o complexo agroalimentar, destacando-se entre elas,

Leia mais

PA02 IBGE Área plantada nas regiões do Brasil com lavouras anuais.

PA02 IBGE Área plantada nas regiões do Brasil com lavouras anuais. PA2 IBGE Área plantada nas regiões do Brasil com lavouras anuais. Abacaxi 8 7 6 5 4 3 2 1 199 1995 2 25 21 A produção nacional de abacaxi que vinha crescendo até 22 sofreu uma inflexão, voltou a subir

Leia mais

Milho Período: 16 a 20/03/2015

Milho Período: 16 a 20/03/2015 Milho Período: 16 a 20/03/2015 Câmbio: Média da semana: U$ 1,00 = R$ 3,2434 Nota: A paridade de exportação refere-se ao valor/sc desestivado sobre rodas, o que é abaixo do valor FOB Paranaguá. *Os preços

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento C o m p an h i a N ac io n a l d e Abastecimento D i r e t o r i a d e Opercações e A b a stecimento S u p erintedência de O p erações Comerciais G e r ên c i a d e Formação e Controle de Estoques P o

Leia mais

Capacidade dos Portos Brasileiros Soja e Milho

Capacidade dos Portos Brasileiros Soja e Milho CAPACIDADE DOS PORTOS BRASILEIROS Capacidade dos Portos Brasileiros Soja e Milho 1 Novembro 2012 Esse estudo pretende chegar a um volume máximo de soja, milho e derivados, que pode ser exportado, por meio

Leia mais

PROGNÓSTICO DE ESTAÇÃO PARA A PRIMAVERA DE 2001. TRIMESTRE Outubro-Novembro-Dezembro.

PROGNÓSTICO DE ESTAÇÃO PARA A PRIMAVERA DE 2001. TRIMESTRE Outubro-Novembro-Dezembro. 1 PROGNÓSTICO DE ESTAÇÃO PARA A PRIMAVERA DE 2001 TRIMESTRE Outubro-Novembro-Dezembro. A Primavera começa este ano às 22h04min (hora de Brasília), no dia 22 de setembro e termina às 17h20min (horário de

Leia mais

Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra

Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra Ano 8 Edição 15 - Setembro de 2015 Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra A forte valorização do dólar frente ao Real no decorrer deste ano apenas no período de

Leia mais

1 Lavouras. Cereais, leguminosas e oleaginosas. Área e Produção - Brasil 1980 a 2008

1 Lavouras. Cereais, leguminosas e oleaginosas. Área e Produção - Brasil 1980 a 2008 1 Lavouras 1.1 Produção de cereais, leguminosas e oleaginosas A quinta estimativa da safra nacional de cereais, leguminosas e oleaginosas 1, indica uma produção da ordem de 144,3 milhões de toneladas,

Leia mais

Desenvolvimento e Oportunidades da Agricultura Familiar. Marco Antonio Viana Leite Diretor PAC e Mais Alimentos

Desenvolvimento e Oportunidades da Agricultura Familiar. Marco Antonio Viana Leite Diretor PAC e Mais Alimentos Desenvolvimento e Oportunidades da Agricultura Familiar Marco Antonio Viana Leite Diretor PAC e Mais Alimentos Agricultura Familiar no Mundo São 500 milhões de estabelecimentos da agricultura familiar

Leia mais

GeoSafras - Geotecnologias aplicadas ao Monitoramento Agrícola. Diretor de Política Agrícola e Informações

GeoSafras - Geotecnologias aplicadas ao Monitoramento Agrícola. Diretor de Política Agrícola e Informações GeoSafras - Geotecnologias aplicadas ao Monitoramento Agrícola Diretor de Política Agrícola e Informações Mandato Legal Empresa pública, vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Leia mais

Camara Temática de Seguros Rurais

Camara Temática de Seguros Rurais Camara Temática de Seguros Rurais Ministério da Agricultura,Pecuária e Abastecimento 07.06.2011 Camara Temática Seguro Rural Agenda 1 - Legislação O seguro rural: setor, abrangência e legislação 2 - Modelo

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008 Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008 Brasília DF 2009 SUMÁRIO LISTA DE TABELAS... 3 APRESENTAÇÃO...

Leia mais

Apresentação do IDConselho Municipal. Apresentação elaborada pela Coordenação Geral de Vigilância Socioassistencial CGVIS Brasília

Apresentação do IDConselho Municipal. Apresentação elaborada pela Coordenação Geral de Vigilância Socioassistencial CGVIS Brasília Apresentação do IDConselho Municipal Apresentação elaborada pela Coordenação Geral de Vigilância Socioassistencial CGVIS Brasília 5.366 Conselhos Municipais que preencheram o Censo SUAS 2014 Dinâmica de

Leia mais

Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária. Novembro 2015 PARANÁ

Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária. Novembro 2015 PARANÁ Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro 2015 PARANÁ A estimativa de área para a safra 2015/16 de soja é recorde no Paraná. Segundo os técnicos de campo serão semeados 5,24 milhões de hectares,

Leia mais

MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO

MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO Paulo Magno Rabelo (1) A análise de desempenho da produção de trigo no mundo desperta apreensões fundamentadas quanto aos indicadores de área

Leia mais

AJUSTE E FIXAÇÃO DE ÍNDICES DE RENDIMENTO

AJUSTE E FIXAÇÃO DE ÍNDICES DE RENDIMENTO AJUSTE E FIXAÇÃO DE ÍNDICES DE RENDIMENTO QUE INFORMAM O CONCEITO DE PRODUTIVIDADE Março 2005 APLICAÇÃO DOS ÍNDICES Função Social da Propriedade exige níveis satisfatórios de produtividade Vistoria do

Leia mais

Levantamento Nacional do Transporte Escolar Dados por Região: NORTE

Levantamento Nacional do Transporte Escolar Dados por Região: NORTE Levantamento Nacional do Transporte Escolar Dados por Região: NORTE Um total de 131 municípios da região Norte participou do Levantamento Nacional do Transporte Escolar. No Acre, 36% dos municípios responderam

Leia mais

INDICAÇÃO N o, DE 2015

INDICAÇÃO N o, DE 2015 55ª Legislatura 1ª Sessão Legislativa Ordinária INDICAÇÃO N o, DE 2015 Sugere a criação de um programa de irrigação nas regiões afetadas por estiagens, em estados brasileiros. Agricultura, Pecuária e Abastecimento:

Leia mais

FACULDADE BOA VIAGEM (FBV) Gestão de Marketing

FACULDADE BOA VIAGEM (FBV) Gestão de Marketing FACULDADE BOA VIAGEM (FBV) Gestão de Marketing Edson José de Lemos Júnior Ermeson Gomes da Silva Jardson Prado Coriolano da Silva Marcos Antonio Santos Marinho Rosinaldo Ferreira da Cunha RELATÓRIO GERENCIAL

Leia mais

Indicadores IBGE. Estatística da Produção Agrícola. Setembro de 2013. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE

Indicadores IBGE. Estatística da Produção Agrícola. Setembro de 2013. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Indicadores IBGE Estatística da Produção Agrícola Setembro de 2013 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Presidenta da República Dilma Rousseff Ministra do Planejamento, Orçamento e Gestão

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA Instituto Nacional de Meteorologia INMET Coordenação Geral de Agrometeorologia

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA Instituto Nacional de Meteorologia INMET Coordenação Geral de Agrometeorologia 1 PROGNÓSTICO DE ESTAÇÃO PARA A PRIMAVERA DE 2003 TRIMESTRE Outubro-Novembro-Dezembro. A primavera começa neste ano às 07:47h do dia 23 de setembro e vai até 05:04h (horário de Verão) de Brasília, do dia

Leia mais

PROGRAMA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA PECUÁRIA DE LEITE EM JARU. Prefeitura Municipal de Jaru Embrapa Rondônia

PROGRAMA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA PECUÁRIA DE LEITE EM JARU. Prefeitura Municipal de Jaru Embrapa Rondônia PROGRAMA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA PECUÁRIA DE LEITE EM JARU Prefeitura Municipal de Jaru Embrapa Rondônia 81 81 83 72 88 68 Figura 1. Percentual de estabelecimentos de agricultura familiar nas regiões

Leia mais

3,8 milhões de hectares de lavouras ruins nos EUA

3,8 milhões de hectares de lavouras ruins nos EUA BOLSA DE CHICAGO 3,8 milhões de hectares de lavouras ruins nos EUA Chuvas diminuíram nesta semana, mas ainda acumularam grandes volumes em pontos já muitos úmidos do Meio-Oeste 3 EUA Lavouras De Soja Ruins

Leia mais

Indicadores IBGE. Estatística da Produção Agrícola. Maio de 2013. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE

Indicadores IBGE. Estatística da Produção Agrícola. Maio de 2013. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Indicadores IBGE Estatística da Produção Agrícola Maio de 2013 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Presidenta da República Dilma Rousseff Ministra do Planejamento, Orçamento e Gestão Miriam

Leia mais

TRIGO Período de 02 a 06/11/2015

TRIGO Período de 02 a 06/11/2015 TRIGO Período de 02 a 06//205 Tabela I - PREÇO PAGO AO PRODUTOR (em R$/60 kg) Centro de Produção Unid. 2 meses Períodos anteriores mês (*) semana Preço Atual PR 60 kg 29,56 35,87 36,75 36,96 Semana Atual

Leia mais

Agronegócio. Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ. Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze. 41 3379 8719 brandalizze@uol.com.

Agronegócio. Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ. Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze. 41 3379 8719 brandalizze@uol.com. Agronegócio Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze 41 3379 8719 brandalizze@uol.com.br GRÃOS Produção (milhões de T. USDA - Fevereiro de 2014; Projeções

Leia mais

População residente, por situação do domicílio Brasil, 2000 Fonte: IBGE, Censo Demográfico 2000 Resultados do Universo

População residente, por situação do domicílio Brasil, 2000 Fonte: IBGE, Censo Demográfico 2000 Resultados do Universo Material elaborado pelo Ético Sistema de Ensino Ensino fundamental Publicado em 2012 Prova bimestral 3o Bimestre 5o ano Geografia Data: / / Nível: Escola: Nome: 1. Leia os dados e o gráfico do censo do

Leia mais

PROGNÓSTICO TRIMESTRAL (Setembro Outubro e Novembro de- 2003).

PROGNÓSTICO TRIMESTRAL (Setembro Outubro e Novembro de- 2003). 1 PROGNÓSTICO TRIMESTRAL (Setembro Outubro e Novembro de- 2003). O prognóstico climático do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), órgão do Ministério da Agricultura, Pecuária e do Abastecimento,

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA SALARIAL 11/1/2010

ANÁLISE COMPARATIVA SALARIAL 11/1/2010 ANÁLISE COMPARATIVA SALARIAL PROFESSORES DAS REDES ESTADUAIS NO BRASIL A PRESENTE PESQUISA ESTÁ ENQUADRADA NA ESTRATÉGIA DO SINDICATO APEOC DE CONSTRUIR A ADEQUAÇÃO DO PLANO DE CARREIRA DOS TRABALHADORES

Leia mais

O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO E O SETOR DE MÁQUINAS AGRÍCOLAS TENDÊNCIAS DOS MERCADOS PARA 2012/2013 E OS CENÁRIOS DE LONGO PRAZO Carlos Cogo Agosto/2012 LA NIÑA PROVOCA FORTES QUEBRAS EM SAFRAS DE GRÃOS O

Leia mais

PROGNÓSTICO CLIMÁTICO. (Fevereiro, Março e Abril de 2002).

PROGNÓSTICO CLIMÁTICO. (Fevereiro, Março e Abril de 2002). 1 PROGNÓSTICO CLIMÁTICO (Fevereiro, Março e Abril de 2002). O Instituto Nacional de Meteorologia, órgão do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, com base nas informações de análise e prognósticos

Leia mais

Milho Perspectivas do mercado 2011/12

Milho Perspectivas do mercado 2011/12 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE POLÍTICA AGRÍCOLA Milho Perspectivas do mercado 2011/12 março de 2012 Milho - Oferta e Demanda - Mundo milhões de t. Safras 2008/09 2009/10

Leia mais

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Índice 1 - Conceito de Agronegócio e a atuação do Imea 2 - Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso 2.1 Agronegócio Soja 2.2 Agronegócio Milho 2.3 Agronegócio Algodão

Leia mais

Evolução demográfica 1950-2010

Evolução demográfica 1950-2010 Evolução demográfica 195-1 37 A estrutura etária da população brasileira em 1 reflete as mudanças ocorridas nos parâmetros demográficos a partir da segunda metade do século XX. Houve declínio rápido dos

Leia mais

PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20

PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20 PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20 AGE - ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA Chefe da AGE: Derli Dossa. E-mail: derli.dossa@agricultura.gov.br Equipe Técnica: José Garcia Gasques. E-mail: jose.gasques@agricultura.gov.br

Leia mais

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1)

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) ANEXO I BICICLETA ESCOLAR Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) Assunto: Adesão à ata de registro de preços nº 70/2010 do pregão eletrônico nº 40/2010. 1 2 BICICLETA 20 - AC,

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção e Agroenergia AÇÚCAR E ÁLCOOL NO BRASIL

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção e Agroenergia AÇÚCAR E ÁLCOOL NO BRASIL Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção e Agroenergia AÇÚCAR E ÁLCOOL NO BRASIL Departamento da Cana-de-açúcar e Agroenergia MARÇO 2007 www.agricultura.gov.br daa@agricultura.gov.br

Leia mais

Análise Demográfica das Empresas da IBSS

Análise Demográfica das Empresas da IBSS CAPÍTULO 4 Análise Demográfica das Empresas da IBSS Apresentação A demografia de empresas investiga a estrutura do estoque de empresas em dado momento e a sua evolução, como os movimentos de crescimento,

Leia mais

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Resultados incluem primeiro ano de cultivo de milho geneticamente modificado, além das já tradicionais

Leia mais

A RECUPERAÇÃO DA PRODUÇÃO DO ALGODÃO NO BRASIL. Joffre Kouri (Embrapa Algodão / joffre@cnpa.embrapa.br), Robério F. dos Santos (Embrapa Algodão)

A RECUPERAÇÃO DA PRODUÇÃO DO ALGODÃO NO BRASIL. Joffre Kouri (Embrapa Algodão / joffre@cnpa.embrapa.br), Robério F. dos Santos (Embrapa Algodão) A RECUPERAÇÃO DA PRODUÇÃO DO ALGODÃO NO BRASIL Joffre Kouri (Embrapa Algodão / joffre@cnpa.embrapa.br), Robério F. dos Santos (Embrapa Algodão) RESUMO - Graças a incentivos fiscais, ao profissionalismo

Leia mais

Soja-Comercialização Safra 2011/12 e Cenario 2012/13. NILVA CLARO COSTA nilva.claro@conab.gov.br

Soja-Comercialização Safra 2011/12 e Cenario 2012/13. NILVA CLARO COSTA nilva.claro@conab.gov.br Soja-Comercialização Safra 2011/12 e Cenario 2012/13 NILVA CLARO COSTA nilva.claro@conab.gov.br Comercialização Safra-2011/12 60,00 55,00 50,00 45,00 40,00 35,00 30,00 25,00 20,00 S oja Grã o P re ços

Leia mais

Milho Período: 19 a 23/10/2015

Milho Período: 19 a 23/10/2015 Milho Período: 19 a 23/10/2015 Nota: A paridade de exportação refere-se ao valor/sc desestivado sobre rodas, o que é abaixo do valor FOB Paranaguá. *Os preços médios semanais apresentados nas praças de

Leia mais

BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008

BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008 BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008 Mercado Internacional Em 2007, a produção anual de milho atingiu quase 720 milhões de tonelada (Tabela 1), quando os Estados Unidos,

Leia mais

LEVANTAMENTO FISCAL SITE KADOX

LEVANTAMENTO FISCAL SITE KADOX LEVANTAMENTO FISCAL SITE KADOX SUMÁRIO 1 ICMS 1.1 CONTRIBUINTE 1.2 FATO GERADOR DO IMPOSTO 1.3 BASE DE CÁLCULO DO IMPOSTO 1.4 REDUÇÃO DA BASE DE CÁLCULO 1.5 CARTA DE CORREÇÃO 1.6 CÓDIGO DA SITUAÇÃO TRIBUTÁRIA

Leia mais

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado Mês de referência: ABRIL/2011 CEPEA - SOJA I - Análise Conjuntural II - Séries Estatísticas 1. Diferenciais de preços 2. Estimativa do valor das alternativas

Leia mais

PESQUISA DE SATISFAÇÃO PARTICIPANTES

PESQUISA DE SATISFAÇÃO PARTICIPANTES PESQUISA DE SATISFAÇÃO PARTICIPANTES Brasília, janeiro/2011 Objetivos específicos da pesquisa 2 Avaliar a quantidade e a qualidade da rede credenciada. Avaliar os serviços oferecidos: o Plano CASSI Família

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos RORAIMA OUTUBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos RORAIMA OUTUBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos RORAIMA OUTUBRO DE 2015 DADOS GERAIS DO ESTADO DA RORAIMA Total Part % Brasil Part % Região Área Total - km² 224.118 2,64% 5,82% População - mil (1)

Leia mais

PROGNÓSTICO TRIMESTRAL Agosto-Setembro-Outubro de 2003. Prognóstico Trimestral (Agosto-Setembro-Outubro de 2003).

PROGNÓSTICO TRIMESTRAL Agosto-Setembro-Outubro de 2003. Prognóstico Trimestral (Agosto-Setembro-Outubro de 2003). 1 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA Instituto Nacional de Meteorologia INMET Endereço: Eixo Monumental VIA S1 Telefone: + 55 61 344.3333/ Fax:+ 55 61 344.0700 BRASÍLIA / DF - CEP:

Leia mais

LSPA LEVANTAMENTO SISTEMÁTICO DA PRODUÇÃO AGRÍCOLA PESQUISA MENSAL DE PREVISÃO E ACOMPANHAMENTO DAS SAFRAS AGRÍCOLAS NO ANO CIVIL

LSPA LEVANTAMENTO SISTEMÁTICO DA PRODUÇÃO AGRÍCOLA PESQUISA MENSAL DE PREVISÃO E ACOMPANHAMENTO DAS SAFRAS AGRÍCOLAS NO ANO CIVIL LSPA LEVANTAMENTO SISTEMÁTICO DA PRODUÇÃO AGRÍCOLA PESQUISA MENSAL DE PREVISÃO E ACOMPANHAMENTO DAS SAFRAS AGRÍCOLAS NO ANO CIVIL janeiro 2013 Presidenta da República Dilma Rousseff Ministra do Planejamento,

Leia mais

Milho Período: 11 a 15/05/2015

Milho Período: 11 a 15/05/2015 Milho Período: 11 a 15/05/2015 Câmbio: Média da semana: U$ 1,00 = R$ 3,0203 Nota: A paridade de exportação refere-se ao valor/sc desestivado sobre rodas, o que é abaixo do valor FOB Paranaguá. *Os preços

Leia mais

EVOLUÇÃO DA PRODUÇÃO DE FEIJÃO NO BRASIL DE 1976-2009 Paulo Roberto Vieira de ALMEIDA¹; Alcido Elenor WANDER² INTRODUÇÃO

EVOLUÇÃO DA PRODUÇÃO DE FEIJÃO NO BRASIL DE 1976-2009 Paulo Roberto Vieira de ALMEIDA¹; Alcido Elenor WANDER² INTRODUÇÃO EVOLUÇÃO DA PRODUÇÃO DE FEIJÃO NO BRASIL DE 1976-2009 Paulo Roberto Vieira de ALMEIDA¹; Alcido Elenor WANDER² ¹ Mestrando do Programa de Pós Graduação em Agronegócio na Escola de Agronomia e Engenharia

Leia mais

Sublimites estaduais de enquadramento para. Nacional 2012/2013. Vamos acabar com essa ideia

Sublimites estaduais de enquadramento para. Nacional 2012/2013. Vamos acabar com essa ideia Sublimites estaduais de enquadramento para o ICMS no Simples Nacional 2012/2013 Vamos acabar com essa ideia 4 CNI APRESENTAÇÃO Os benefícios do Simples Nacional precisam alcançar todas as micro e pequenas

Leia mais

O Desempenho do Investimento Público do Ceará, 2007 2012, uma análise comparativa entre os Estados.

O Desempenho do Investimento Público do Ceará, 2007 2012, uma análise comparativa entre os Estados. Enfoque Econômico é uma publicação do IPECE que tem por objetivo fornecer informações de forma imediata sobre políticas econômicas, estudos e pesquisas de interesse da população cearense. Por esse instrumento

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA SOBRE AS Micro e pequenas empresas RANKING DOS ESTADOS 2012

CARGA TRIBUTÁRIA SOBRE AS Micro e pequenas empresas RANKING DOS ESTADOS 2012 CARGA TRIBUTÁRIA SOBRE AS Micro e pequenas empresas RANKING DOS ESTADOS 2012 Tributos incluídos no Simples Nacional Brasília 19 de setembro de 2013 ROTEIRO 1 2 3 4 O PROJETO RESULTADOS DIFERENÇA NAS ALÍQUOTAS

Leia mais

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Índice 1 - Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso 1.1 Agronegócio Soja 1.2 Agronegócio Milho 1.3 Agronegócio Algodão 1.4 Agronegócio Boi 2 Competitividade 2.1 Logística

Leia mais

Indenizações Pagas Quantidades

Indenizações Pagas Quantidades Natureza da Indenização Jan a Dez 2011 % Jan a Dez 2012 % Jan a Dez 2012 x Jan a Dez 2011 Morte 58.134 16% 60.752 12% 5% Invalidez Permanente 239.738 65% 352.495 69% 47% Despesas Médicas (DAMS) 68.484

Leia mais

Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012

Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012 Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012 Informações Básicas Recursos Humanos Foram pesquisadas as pessoas que trabalhavam na administração direta e indireta por vínculo empregatício e escolaridade;

Leia mais

Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015. Perspectivas da economia / Comprometimento de renda. Novembro/2015. Copyright Boa Vista SCPC 1

Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015. Perspectivas da economia / Comprometimento de renda. Novembro/2015. Copyright Boa Vista SCPC 1 Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015 Perspectivas da economia / Comprometimento de renda Novembro/2015 Copyright Boa Vista SCPC 1 Objetivo, metodologia e amostra o Objetivo: Pesquisa para

Leia mais

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado Mês de referência: JULHO/2011 CEPEA - SOJA I - Análise Conjuntural II - Séries Estatísticas 1. Diferenciais de preços 2. Estimativa do valor das alternativas

Leia mais

Trimestre 2008: outubro, novembro e dezembro

Trimestre 2008: outubro, novembro e dezembro Trimestre 2008: outubro, novembro e dezembro Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Companhia Nacional de Abastecimento CONAB Diretoria de Logística e Gestão Empresarial DIGEM Superintendência

Leia mais

Resultados do 2T09. Teleconferência de Resultados

Resultados do 2T09. Teleconferência de Resultados Resultados do 2T09 Teleconferência de Resultados Destaques do 2T09 2 Destaques do 2T09 em linha com a estratégia geral da Companhia Nossas conquistas do 2T09 são refletidas nos resultados da Companhia

Leia mais

Boletim Informativo. Junho de 2015

Boletim Informativo. Junho de 2015 Boletim Informativo Junho de 2015 Extrato Geral Brasil 1 EXTRATO BRASIL ÁREA ** 397.562.970 ha 227.679.854 ha 57,27% Número de Imóveis cadastrados: 1.727.660 Observações: Dados obtidos do Sistema de Cadastro

Leia mais