1 Lavouras ,6 % Cereais, leguminosas e oleaginosas. Área e Produção - Brasil 1980 a 2010 Produção (t)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1 Lavouras 160.000.000 +11,6 % Cereais, leguminosas e oleaginosas. Área e Produção - Brasil 1980 a 2010 Produção (t) 60.000."

Transcrição

1 1 Lavouras 1.1 Produção de cereais, leguminosas e oleaginosas A décima segunda estimativa da safra nacional de cereais, leguminosas e oleaginosas, indica uma produção da ordem de 149,5 milhões de toneladas, superior em 11,6% à obtida em 29 (134, milhões de toneladas),,4% maior que a estimativa de novembro 1 e superando em 2,4% a safra recorde de 28 (146, milhões de toneladas). A área colhida em 21, de 46,6 milhões de hectares, apresenta decréscimo de 1,3% frente à área colhida em 29. As três principais culturas, que somadas representam 9,9% da produção de cereais, leguminosas e oleaginosas, o arroz, o milho e a soja, respondem por 83,5% da área colhida e registram, em relação ao ano anterior, variações de 6,3%, -6,5% e +7,1%, respectivamente. No que se refere à produção, o milho e a soja apresentam, nessa ordem, acréscimos de 9,4% e 2,2%, enquanto que o arroz decréscimo de 1,1% ,6 % Cereais, leguminosas e oleaginosas Área e Produção - Brasil 198 a 21 Produção (t) ,3 % 4.. Área (ha) Entre as Grandes Regiões, esse volume da produção de cereais, leguminosas e oleaginosas apresenta a seguinte distribuição: Região Sul, 64,1 milhões de toneladas; Centro-Oeste, 52,5 milhões de toneladas; Sudeste, 17,1 milhões de toneladas; Nordeste, 11,9 milhões de toneladas e Norte, 4, milhões de toneladas. Comparativamente à safra passada, são constatados incrementos nas Regiões Norte, 6,%, Sul, 22,3%, Centro-Oeste, 7,4% Nordeste,,9% e decréscimo na Sudeste,,7%. ¹Em atenção a demandas dos usuários de informação de safra, os levantamentos para Cereais, leguminosas e oleaginosas, ora divulgados, foram realizados em estreita colaboração com a Companhia Nacional de Abastecimento - Conab, órgão do Ministério de Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA, continuando um processo de harmonização das estimativas oficiais de safra, iniciado em outubro de 27, para as principais lavouras brasileiras.

2 Observa-se, na figura a seguir, que o Paraná, nessa avaliação para 21, foi líder na produção nacional de grãos, com uma participação de 21,6%, seguido pelo Mato Grosso, com 19,3% e Rio Grande do Sul, com 16,9%, Estados que somados representam 57,8% do total nacional. 21,6 19,3 Cereais, leguminosas e oleaginosas Grandes Regiões e Unidades da Federação Participação % 16,9 9, Participação da produção Centro-Oeste 35,1% Sul 42,9% Sudeste 11,4% Nordeste 7,9% Norte 2,7% PR MT RS GO MG MS SP SC BA MA TO PI PA RO SE DF CE PE RR ES AC AL PB RN AM RJ AP 1,7 1,2,9,7,6,6,3,2,2,1,1,1 4,5 4,4 4,3 6,8 6,4 1.2 Produção Agrícola 21 estimativa de dezembro em relação a novembro No Levantamento Sistemático da Produção Agrícola de dezembro destacamos as variações nas estimativas de produção, comparativamente ao mês de novembro, de seis produtos: aveia em grão (+11,6%), cevada em grão (+1,3%), feijão em grão total (-1,2%),milho em grão total (+,7%), trigo em grão (+4,2%) e triticale em grão (+5,8%). Variação percentual da produção - comparação dezembro / novembro 21 - BRASIL Aveia Triticale Trigo Ce vada Milho - Total Feijão - Total -4, -2, 2, 4, 6, 8, 1 12, 14, Variação %

3 Variação absoluta da produção - comparação dezembro / novembro 21 - BRASIL Aveia Triticale Trigo Cevada Feijão - Total Milho - Total Variação absoluta (t) 1.3 Comentários específicos Feijão (em grão) Total A produção nacional obtida de feijão, considerando as três safras do produto, está avaliada em toneladas, inferior em 1,2% a do levantamento anterior Feijão (em grão) Produção em toneladas Partic. Produção > 1% 1. PR MG BA SP GO SC MT RS PE CE DF MA PI TO 1ª safra 2ª safra 3ª safra Comparativamente ao mês passado, houve variações negativas na produção do feijão 1ª safra (-1,3%), 2ª safra (-1,9%) e positiva na 3ª safra (+,7%). De uma maneira geral, as modificações registradas nas safras do produto, neste último levantamento do ano, decorrem, notadamente, de reavaliações nos dados finais de colheita do produto.

4 ,1 Feijão (em grão) - Total Produção (t) Variação % ,7 1,2,1 Part. Prod.>1% No v Dez PR MG B A GO S P S C MT RS PE CE DF MA TO PI Milho (em grão) Total - A produção nacional do milho em grão obtida em 21, para ambas as safras, totaliza 56,1 milhões de toneladas mostrando, comparativamente ao levantamento de novembro, um incremento de,7% devido às modificações nos dados finais de colheita do produto na Bahia e Goiás. O Paraná é o principal produtor nacional de milho (24,2%), com volume de produção próximo entre a primeira (6,9 milhões de toneladas) e a segunda safra (6,6 milhões de toneladas). Na sequência, o Mato Grosso, com participação na produção de 14,6% do milho em grão, concentra a produção na segunda safra com 7,8 milhões de toneladas, representando 95,3% do total produzido no Estado Milho (em grão) Produção em toneladas Partic. Produção > 1% PR MT MG RS GO SP MS SC BA SE PA 1ª safra 2ª safra

5 Milho (em grão) - Total Produção (t) Variação % 8.., , ,4 Part. Prod.>1% Nov Dez 2.. PR MT MG RS GO SP MS SC BA SE PA CEREAIS DE INVERNO (em grão) - Para as lavouras de inverno, cujos cultivos concentram-se, predominantemente, nos estados do Sul do País, destacam-se as reavaliações na produção obtida, em nível nacional, para a aveia (+11,6%), a cevada (+1,3%), o trigo (+4,2%) e o triticale (+5,8%). Para o trigo, principal lavoura deste período de plantio, a produção obtida de 6, milhões de toneladas ficou 4,2% superior à informada em novembro. O acréscimo pode ser creditado, principalmente, às novas avaliações dos dados finais de colheita no Rio Grande do Sul. Nesse Estado, a predominância de tempo seco e baixas temperaturas beneficiou as lavouras, o que resultou na revisão positiva de 9,2% no rendimento médio estimado, agora de 2.49 kg/ha contra os 2.28 kg/ha anteriormente previstos.

6 ,4 9,6 Trigo (em grão) Produção (t) Variação % Nov Dez 5. -6, 2,5 PR RS S C S P MG GO MS DF 1.4 Produção Agrícola 21 estimativa de dezembro em relação à safra 29 Dentre os vinte e cinco produtos selecionados, dezesseis apresentam variação positiva na estimativa de produção em relação ao ano anterior: algodão herbáceo em caroço (,1%), aveia em grão (52,9%), batata-inglesa 1ª safra (5,3%), batata-inglesa 2ª safra (,9%), batata-inglesa 3ª safra (6,9%), cacau em amêndoa (3,9%), café em grão (17,6%), cana-de-açúcar (5,7%), cebola (9,6%), cevada em grão (33,5%), feijão em grão 3ª safra (16,9%), laranja (4,1%), mamona em baga (3,%), milho em grão 2ª safra (28,6%), soja em grão (2,2%) e trigo em grão (2,1%). Com variação negativa: amendoim em casca 1ª safra (16,9%), amendoim em casca 2ª safra (4%), arroz em casca (1,1%), feijão em grão 1ª safra (6,5%), feijão em grão 2ª safra (18,%), mandioca (4,6%), milho em grão 1ª safra (,2%), sorgo em grão (18,3%) e triticale em grão (19,1%). Nas figuras a seguir, estão representadas as variações percentuais e absolutas das principais culturas, em comparação com a safra anterior:

7 Amendoim 2ª Triticale Variação percentual da produção - comparação 21 / 29 - BRASIL Sorgo Feijão 2ª Amendoim 1ª Arroz Feijão 1ª Mandioca Milho 1ª Alg. herbáceo Batata-ing. 2ª Mamona Cacau Laranja Batata - ing. 1ª Cana de açúcar Batata-ing. 3ª Cebola Feijão 3ª Café Trigo Soja Milho 2ª Cevada Aveia Cana -de-açúcar - diferença absoluta t Os números finais, para as duas maiores culturas de verão, milho e soja, mostram ganhos na produção de 9,4% e 2,2%,respectivamente. No caso do milho, o destaque ficou para a segunda safra cuja produção cresceu 28,6% como consequência da expansão da área de cultivo, devido à recuperação dos preços, como também às boas condições climáticas nos principais centros produtores. Na primeira safra do produto, em face dos elevados estoques, dos baixos preços praticados na época do plantio e pela incerteza da demanda futura, houve uma expressiva retração na área (15,3%). Porém, com condições climáticas favoráveis, o rendimento cresceu 17,6%, resultando numa queda de produção de apenas,2%. Para a soja, com melhores cotações e liquidez, a área plantada registrou uma expansão de 7,1% em substituição às cultivadas anteriormente com o milho, como também em menor escala, em áreas com algodão e arroz. Aliado a isso, houve acréscimo no rendimento médio, já que as condições climáticas estiveram dentro da normalidade, o que contribuiu para o crescimento de 2,2% na produção.

8 Dos principais grãos, o arroz em casca foi o que teve o pior desempenho com retração de 1,1% na produção, em função das chuvas excessivas que atrasaram a semeadura, determinando a perda de áreas em alguns municípios do Rio Grande do Sul, maior produtor nacional. Quanto ao trigo, verifica-se um expressivo aumento na produção de 2,2%. Os números teriam sido melhores não fosse a diminuição da área cultivada, em todas Unidades da Federação informantes, devido ao desestímulo dos produtores em cultivarem o cereal, em face dos baixos preços praticados no mercado. Salientase, entretanto, que as condições climáticas que prevaleceram durante o ciclo do produto, fizeram com que o rendimento médio obtido de kg/ha superasse em 34,8% o de 29 e sendo o recorde histórico. Por outro lado, a produção obtida de 6, milhões de toneladas foi pouco inferior a de 1987, maior já registrada no país, quando foram colhidas 6,1 milhões de toneladas. Para o café, o acréscimo na produção de 17,6%, em relação à safra colhida em 29, é resultado, principalmente, da particularidade que apresenta o café arábica, espécie predominante no País, de alternar anos de altas e baixas produtividades. 2 Perspectivas para a safra de 211 O IBGE realizou, em dezembro, o terceiro prognóstico de área e produção para a safra de 211, nas Regiões Sudeste, Sul e Centro-Oeste e nos Estados de Rondônia, Maranhão, Piauí e Bahia. Para a estimativa da produção nacional em 211, os números levantados nas regiões e estados onde a pesquisa foi realizada, foram somados às projeções obtidas a partir das informações de anos anteriores para as Unidades da Federação, que por força do calendário agrícola, ainda não dispõem das primeiras estimativas. Assim, neste terceiro prognóstico, a produção de cereais, leguminosas e oleaginosas para 211, é estimada em 145,8 milhões de toneladas, inferior 2,5% à registrada em 21, devido, principalmente, à menor previsão da Região Sul (-8,8%). Quanto à área a ser colhida, de 47,4 milhões de hectares, cresce 1,8%, tendo em vista o seu incremento em praticamente todos os estados, à exceção do Paraná, Santa Catarina e Goiás. Cumpre registrar que as informações da pesquisa do prognóstico representam 75,5% da produção nacional prevista, enquanto as projeções realizadas respondem por 24,5% do total. Dentre os seis produtos analisados nessa safra de verão, três apresentam variação positiva em relação à produção em 21: algodão herbáceo em caroço (37,%), arroz em casca (12,6%) e feijão em grão 1ª safra (28,%). Com variação negativa, amendoim em casca 1ª safra (22,3%), milho em grão 1ª safra (6,%) e soja em grão (,8%).

9 7.. -,8% 6.. Safra 211 / Safra 21 Produção (t) ,% ,6% ,% 37,% Feijão 1ª safra Alg. Herb. Arroz Milho 1ª safra Soja Produção Produção Com relação à área a ser colhida, à exceção do amendoim em casca 1ª safra e do milho 1ª safra que registram decréscimos de,3% e,4%, respectivamente, os demais produtos apresentam variações positivas: algodão herbáceo em caroço (29,%), arroz em casca (1,9%),feijão em grão 1ª safra (12,2%) e soja em grão (1,%). O terceiro prognóstico da produção de algodão em caroço é da ordem de 4, milhões de toneladas, contra 2,9 milhões de toneladas obtidas em 21, indicando um incremento de 37,%. Este novo levantamento amplia a tendência apontada anteriormente, principalmente, em face da expansão da área (28,8%), tendo em vista as melhores cotações para o produto, tanto no mercado interno, como externo. Dentre os principais centros produtores destaca-se o Mato Grosso, maior produtor, que participa com 52,8% da produção nacional, e que manteve os números anteriores que apontavam incrementos de 33,7% na área a ser colhida e de 45,8% na produção esperada. O amendoim, apesar de importantes avanços tecnológicos, no que diz respeito a variedades e mecanização da colheita, ainda não atingiu estágio semelhante ao que aconteceu a outras importantes culturas no País. A utilização de áreas de renovação de cana-de-açúcar para plantio do amendoim é importante e muitas vezes o cultivo da leguminosa fica na dependência da disponibilidade de áreas de cana, erradicadas após 5 anos de colheitas sucessivas, o que pode não acontecer, dependendo de condições de mercado e de custos de produção, principalmente. São Paulo é o maior produtor, com quase 84,% da produção nacional. Neste mês, a área plantada, no conjunto dos estados informantes, é de ha, menor,3% que a área colhida na safra anterior. A produção esperada é de t, 22,3% inferior à quantidade colhida na safra anterior, que totalizou t.

10 Os dados de São Paulo serão permanentemente reavaliados, dada a redução apresentada na produção esperada nesta avaliação da nova safra (-24,2%), em relação a igual período do ano anterior. No caso do arroz, nesta terceira avaliação nacional para 211, a produção esperada de 12,8 milhões de toneladas é superior 12,6% à obtida em 21. Houve, frente à previsão de novembro, aumento de 4,2% já que o Rio Grande do Sul, principal produtor, com 64,4% de participação na produção nacional, aumentou neste prognóstico 4,9% a produção esperada. A área cresceu 1,1%, por conta da retomada de plantios que na safra 21, devido às chuvas intensivas no período da semeadura, não puderam ser instalados. O terceiro prognóstico para a safra nacional de feijão das águas, em 211, aponta para uma produção esperada de 2, milhões de toneladas, superando em 28,% a produção alcançada no ano corrente. Este ganho deve ser creditado, especialmente, à expectativa de que essa safra se desenvolva em condições meteorológicas dentro da normalidade, já que se estima um rendimento médio de 869 kg/ha, 14,% superior ao obtido na safra correspondente de 21. Ressalta-se ainda que as cotações do produto, por ocasião do plantio, estimularam o cultivo e registrou-se uma área plantada de 2,3 milhões de hectares, maior 3,6% que a de 21. Para o milho 1ª safra, espera-se uma produção de 32, milhões de toneladas, inferior em 6,% à observada em 21, devido ao rendimento médio ser inferior em 5,6%, como também à área plantada ou a ser plantada, que decresce 3,4%. Manteve-se, neste terceiro levantamento, o quadro desfavorável decorrente da baixa cotação que o produto apresentou ao longo desse ano, em face dos volumes estocados, e ainda pelo elevado custo de produção. Minas Gerais ampliou a área a ser colhida (1,2%) e a produção (2,9%), superando o Paraná, até então maior produtor dessa safra do produto. Conforme observado anteriormente, os produtores paranaenses, neste primeiro período de plantio, estão optando pelo cultivo de soja e feijão. Por outro lado, aguarda-se, como vem se constando nos últimos anos, aumento na área do cultivo da segunda safra. No que se refere à soja, nesta terceira avaliação para 211, a produção esperada de 68, milhões de toneladas indica uma variação negativa de,8%, em comparação ao volume obtido em 21. A área a ser colhida mostra um acréscimo de 1,%, enquanto o rendimento médio esperado apresenta um decréscimo de 1,8%, sendo respectivamente, 23,5 milhões de hectares e kg/ha. Observa-se que a área a ser cultivada manteve a tendência de crescimento em quase todos os estados produtores. O Mato Grosso, maior produtor nacional com participação na produção de 29,1%, registra aumento de 2,4% na área. De uma maneira geral, a ampliação da área ocorre, notadamente, em áreas anteriormente ocupadas com o milho, como também, em áreas de arroz, tendo em vista as maiores cotações e liquidez da soja. Além dos grãos já mencionados são relatados, a seguir, as ocorrências para os demais produtos que fazem parte do elenco do prognóstico, lembrando que para

11 o café trata-se da primeira estimativa da safra 211. Para o 3º prognóstico da batata-inglesa 1ª safra é informada uma área destinada à colheita de hectares, já contabilizando pequena perda de área, devido à estiagem no Rio Grande do Sul. Em nível nacional, neste levantamento, o rendimento médio apresenta uma variação positiva de 6,7% em relação ao obtido em 21, que associado ao acréscimo de 8,1% da área destinada à colheita, promoveu uma produção estimada de toneladas, superando em 15,3% à safra de mesmo período de 21. Isto ocorreu apesar do mercado desfavorável para o produtor rural, devido à acentuada queda de preço do produto no segundo semestre de 21. Minas Gerais é a principal Unidade da Federação produtora desta primeira safra, participando com 33,3% do volume de produção, seguido pelo Paraná (27,8%), Rio Grande do Sul (19,2%) e São Paulo (15,%). Área, produção e rendimento, segundo os principais municípios produtores Município Área (ha) Produção (t) Rendimento (kg/ha) Perdizes Ipuiuna Bueno Brandão Bom Repouso Maria da Fé Fonte: GCEA/MG A principal fase da cultura da batata, no período em estudo, ainda é o de tratos culturais, com predominância dos estágios de desenvolvimento vegetativo (2%), frutificação (45%) e amadurecimento (35%), no Estado do Paraná. As atividades de colheita no Estado deverão ser processadas com maior intensidade nos meses de janeiro e fevereiro. O preço neste levantamento oscilou entre R$ 17, a R$ 26, a saca de 5 quilos da batata lisa. A primeira estimativa de café para a safra nacional a ser colhida em 211 totaliza t, ou 43,3 milhões de sacas de 6kg do produto em grãos beneficiados. O percentual de decréscimo em relação a 21 é de 9,1%. A área destinada à colheita é de ha,,3% inferior ao ano de 21. A área total ocupada com a cultura no País decresce,9%. O decréscimo previsto na produção, em relação à safra colhida em 21, é consequência, principalmente, da particularidade que apresenta o café arábica, espécie predominante no País (7%), que alterna anos de altas e baixas produtividades. O café conilon, por ser mais rústico e cultivado em regiões baixas e quentes, cada vez mais é plantado sob irrigação ou simples molhação, o que faz com que esta característica de alternância passe despercebida. Em 21 ocorreram estiagens nas principais regiões cafeeiras, mas não em período crítico para a espécie, ou seja, entre abril e agosto, condição que até favoreceu a colheita dos frutos de 21. As florações da safra a ser colhida em 211 ocorreram de forma normal e não sofreram com falta de chuvas, o que seria uma situação crítica para o cafeeiro. O que ocorreu foi uma situação de índices

12 pluviométricos satisfatórios a partir da formação dos chumbinhos, o que, em princípio, garante seu pegamento, salvo ocorrências negativas posteriores. O fenômeno La Niña aparentemente não mostrou ainda efeitos negativos, como diminuição significativa de chuvas nas regiões cafeeiras tradicionais do Sudeste, já que a partir de setembro as precipitações voltaram ao normal. Assim, o novo ciclo produtivo se inicia regido principalmente pela condição bianual do cafeeiro. É importante ressaltar que ainda é muito importante que as chuvas e as temperaturas se mantenham dentro da normalidade, em janeiro e fevereiro, e que não haja ocorrência de veranicos, fenômeno que, dependendo da intensidade e duração, pode ser muito prejudicial ao café. Com relação ao fumo a produção brasileira concentra-se na Região Sul, que responde por quase 98% do total nacional, com cerca de 7 municípios produtores. O maior produtor nacional é o Rio Grande do Sul. Nesta região, a produção se caracteriza pelo sistema de integração, pelo qual as indústrias, através de contrato com os produtores, controlam quase totalmente o processo produtivo e a quantidade produzida. As indústrias atuam no sentido de dimensionar a produção dos integrados, dentro de limites planejados de comercialização, que atendam aos compromissos internos e externos. Apesar das campanhas antitabagistas, o fumo brasileiro goza de grande prestígio nos países importadores, conseguindo preços altamente compensadores. No conjunto das Unidades da Federação envolvidas nesta pesquisa, a perspectiva nacional para a cultura é de decréscimo da área plantada ou a plantar (-,1%), em relação à safra passada. Nesta avaliação da nova safra a produção esperada é de t, 13,8% superior à safra passada, sendo o rendimento esperado de kg/ha, 13,8% superior ao obtido na safra anterior. As investigações de campo, do mês de dezembro, indicam para a cultura da mandioca a ser colhida em 211, uma área da ordem de 1,9 milhão de hectares, que é 5,1% maior que a área colhida em 21. A produção nacional de mandioca para 211 é estimada em 27,1 milhões de toneladas, variação positiva de 9,2% em relação à safra de 21, não havendo diferenciação entre o destino da produção de raízes, na coleta de dados, sendo ela para a indústria ou para o consumo doméstico (mandioca de mesa).a produtividade e o preço de ambas é bastante díspar, e o próprio ciclo vegetativo é marcadamente diferente, sendo o ciclo da mandioca de mesa em torno de 8 a 12 meses, ao passo que o da mandioca para indústria é de 16 a 24 meses. O destino da produção é muitas vezes determinado pelo preço, quando a cultivar é considerada do grupo mansa. O preço da mandioca para indústria veio melhorando ao longo do ano de 21, fazendo com que alguns produtores ofertassem mais produção para as indústrias, em detrimento da de mesa. No Mato Grosso do Sul, o preço médio pago ao produtor, nos principais municípios produtores do Estado, estava variando com maior frequência de R$ 2 a R$ 22, a tonelada. No Paraná o preço está sendo considerado excelente, entre R$ 27 e R$ 285, por tonelada de raízes,

13 quando o custo de produção não ultrapasse aos R$ 16/t. Em Santa Catarina, a cultura tem plantio e colheita durante todos os meses do ano e os dados finais de colheita são fornecidos em dezembro de cada ano de referência. No Oeste e Meio-oeste do Estado o plantio é apenas para subsistência e para consumo animal, não tendo importância econômica. No alto vale do Itajaí, a produção da raiz é destinada principalmente para as fecularias e, no Litoral Sul, a produção é destinada para a produção de farinha grossa. Na safra de 21 o preço médio pago ao produtor variou de R$ 23/ton, quando destinada para fécula, a R$ 28/ton quando destinada para farinha. Os preços historicamente praticados para a cultura de mandioca, que ficaram na faixa de R$ 9 a R$ 12/ton por muitos anos, causam certa cautela aos produtores em investir nesta produção; sem garantias. 3 SUPRIMENTO E UTILIZAÇÃO DOS PRINCIPAIS GRÃOS BRASILEIROS Com a divulgação da pesquisa da Produção Agrícola Municipal 29, bem como a partir da publicação dos dados da Pesquisa de Estoques de 29, foi possível construir a tabela de suprimento e utilização dos principais grãos cultivados no país. Estas informações são de significativa relevância, pois indicam a disponibilidade de produtos alimentares primários para consumo, fornecendo também um balanço sobre a questão dos estoques e um panorama sobre o comércio exterior que o país realiza com o arroz, o feijão, o milho, a soja e o trigo. ARROZ (em casca) O arroz é relevante como alimento básico do brasileiro. O produto apresenta um comércio exterior limitado, sendo exportado ou importado, ano a ano, em volumes de expressividade pequena. Em 29, as t importadas pelo Brasil vieram principalmente do Uruguai, Argentina e Paraguai. Este quantitativo representou 8,8% da disponibilidade interna brasileira de 29, que foi de t. A maior parte desta disponibilidade é, de fato, para a nutrição humana, pois o arroz destinado à ração é aquele de qualidade inferior, adequado apenas ao consumo animal. O ano de 29 fechou com um estoque de t, que foi 2,5% maior do que o obtido ao final de 28. FEIJÃO (EM GRÃO) A produção nacional de feijão é fortemente voltada ao consumo interno, o que contribui significativamente para que as exportações brasileiras sejam irrisórias. Nos últimos anos, as quantidades produzidas no País têm se mostrado relativamente bem ajustadas ao consumo, mas, mesmo assim, importações se fazem necessárias. Em 29, as t importadas representaram 3,5% da disponibilidade interna, que totalizou t. Os estoques deste produto

14 têm sido baixos há muitos anos, o que é explicado em parte pelo custo do armazenamento e também porque o feijão, depois de certo tempo de estocagem, necessita de maior tempo de cozimento, o que o leva a ser rejeitado pelo consumidor. No entanto é relevante assinalar que, ao final de 29, contabilizou-se t em estoque, que é o maior patamar da década. Este volume armazenado acompanhou a elevada produção obtida, que também consistiu no maior quantitativo dos últimos dez anos. MILHO (EM GRÃO) O milho apresentou a maior disponibilidade interna dentre os produtos investigados, o que é decorrente da grande demanda nacional pelo grão, com destaque para a alimentação de animais, seja do produto in natura ou compondo rações. A avicultura e a suinocultura são as atividades de criação que mais consomem milho. Ao final de 29, com t, a estocagem do cereal atingiu o maior volume da história, captado pela pesquisa. Isto aconteceu porque em 28 ocorreu a produção recorde do grão, e, na época, não se exportou a quantidade esperada. Esta frustração de expectativa já havia resultado num elevado estoque final em 28, e, em 29, havendo também uma grande produção ( t a terceira maior registrada), acarretou no citado carregamento dos armazéns, mesmo tendo havido uma expressiva exportação do grão neste ano ( t a segunda maior de todos os tempos). SOJA (EM GRÃO) A maior parte da soja produzida no País é destinada ao processamento industrial, pois o consumo nacional in natura é irrisório. Parcela significativa da soja brasileira é vendida ao mercado externo, tendo-se exportado t em 29, um montante recorde, que representou 49,8% do total colhido. É relevante lembrar que, no presente trabalho, não se contabiliza os produtos da agroindústria da soja dentre os itens de exportação e importação. Desta forma, a disponibilidade interna é uma estimativa de quanto de soja em grão o complexo agroindustrial brasileiro necessita, para produzir derivados (principalmente óleo e farelo). Um outro fator a se destacar foi o estoque final de 29 ( t), o mais baixo desde 23, sendo inferior em 42,9% ao que havia armazenado no fim de 28. Isto se deveu ao recorde nas exportações de 29, já mencionado, associado a um intenso esmagamento nas indústrias. TRIGO (EM GRÃO) O balanço de suprimentos e utilização do trigo revela que o Brasil não é autossuficiente neste produto. O cereal possui a particularidade das importações quase sempre serem superiores às produções nacionais, como no caso de 29. Portanto, a disponibilidade interna é bastante dependente do trigo importado, e,

15 em 29, as importações representaram 61,7% do que estava disponível para consumo. Este fato ocorre devido ao menor custo de produção deste grão em outros países, além da existência de subsídios. O trigo produzido no Brasil normalmente não é de elevada qualidade para uso em panificação, e, desta maneira, mistura-se a farinha de trigo nacional à farinha do grão importado, para esta finalidade. Como a produção de 29 foi expressiva ( t) e importou-se t, manteve-se um estoque final elevado ( t) para este ano. Tabela de Suprimento e Utilização dos principais grãos brasileiros em 29. Produto Estoque inicial Suprimento (t) Produção Importação Exportação Perdas pós-colheita Utilização (t) Disponibilidade interna Semeadura Estoque final Arroz em casca Feijão em grão Milho em grão Soja em grão Trigo em grão Fontes: Produção Agrícola Municipal (IBGE/DPE/COAGRO), disponível em acesso em dezembro de 21; Pesquisa de Estoques (IBGE/DPE/COAGRO), disponível em acesso em novembro de 21; Sistema de Análise das Informações de Comércio Exterior Via Internet - ALICE Web, disponível em acesso em fevereiro de 21.

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE realizou, em outubro, o primeiro prognóstico para

Leia mais

1 Lavouras. 1.1 Produção de cereais, leguminosas e oleaginosas quinta estimativa da safra 2012, em relação à produção obtida em 2011

1 Lavouras. 1.1 Produção de cereais, leguminosas e oleaginosas quinta estimativa da safra 2012, em relação à produção obtida em 2011 1 Lavouras 1.1 Produção de cereais, leguminosas e oleaginosas quinta estimativa da safra 212, em relação à produção obtida em 211 A quinta avaliação da safra nacional de cereais, leguminosas e oleaginosas

Leia mais

SUMÁRIO. 1 - Lavouras... 5. 1 - Área, produção e rendimento médio - confronto das estimativas mensais março / fevereiro safra 2012 Brasil...

SUMÁRIO. 1 - Lavouras... 5. 1 - Área, produção e rendimento médio - confronto das estimativas mensais março / fevereiro safra 2012 Brasil... ...... PRODUÇÃO DAS LAVOURAS EM MARÇO DE 2012 SUMÁRIO 1 - Lavouras... 5 TABELAS DE RESULTADOS Safra 2012 1 - Área, produção e rendimento médio - confronto das estimativas mensais março / fevereiro safra

Leia mais

Indicadores IBGE. Estatística da Produção Agrícola. Abril de 2012. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE

Indicadores IBGE. Estatística da Produção Agrícola. Abril de 2012. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Indicadores IBGE Estatística da Produção Agrícola Abril de 2012 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Presidenta da República Dilma Rousseff Ministra do Planejamento, Orçamento e Gestão

Leia mais

SUMÁRIO. Avaliação da Safra Agrícola 2007/20087 Segundo Levantamento de Intenção de Plantio Novembro/2007 1

SUMÁRIO. Avaliação da Safra Agrícola 2007/20087 Segundo Levantamento de Intenção de Plantio Novembro/2007 1 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2 2. METODOLOGIA 2 3. ESTIMATIVA DA ÁREA PLANTADA 3 4. ESTIMATIVA DA PRODUÇÃO 4 5. AVALIAÇÃO DAS CULTURAS 6 6. ESTIMATIVAS DE ÁREA, PRODUÇÃO E PRODUTIVIDADE 13 7. BALANÇO DE OFERTA

Leia mais

Indicadores IBGE. Estatística da Produção Agrícola. julho de 2015. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE

Indicadores IBGE. Estatística da Produção Agrícola. julho de 2015. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Indicadores IBGE Estatística da Produção Agrícola julho de 2015 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Presidenta da República Dilma Rousseff Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão

Leia mais

Indicadores IBGE. Estatística da Produção Agrícola. Setembro de 2013. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE

Indicadores IBGE. Estatística da Produção Agrícola. Setembro de 2013. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Indicadores IBGE Estatística da Produção Agrícola Setembro de 2013 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Presidenta da República Dilma Rousseff Ministra do Planejamento, Orçamento e Gestão

Leia mais

PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS

PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL D E R A L PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS 20/03/06 O levantamento de campo realizado pelo DERAL, no

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEAPA SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEAPA SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEAPA SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO (VBP) AGROPECUÁRIO Julho/2015 R$ milhões VBP PRINCIPAIS PRODUTOS AGRÍCOLAS LAVOURAS

Leia mais

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 5 2. METODOLOGIA 6

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 5 2. METODOLOGIA 6 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 5 2. METODOLOGIA 6 3. ESTIMATIVA DA ÁREA PLANTADA 6 4. ESTIMATIVA DA PRODUÇÃO 7 5. INFLUÊNCIAS CLIMÁTICAS 8 6. AVALIAÇÃO DAS CULTURAS 9 6.1 Algodão 9 6.2 Arroz 10 6.3 - Canola 11

Leia mais

Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura

Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura A safra de grãos do país totalizou 133,8 milhões de toneladas em 2009, de acordo com o Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA) de dezembro,

Leia mais

LSPA LEVANTAMENTO SISTEMÁTICO DA PRODUÇÃO AGRÍCOLA PESQUISA MENSAL DE PREVISÃO E ACOMPANHAMENTO DAS SAFRAS AGRÍCOLAS NO ANO CIVIL

LSPA LEVANTAMENTO SISTEMÁTICO DA PRODUÇÃO AGRÍCOLA PESQUISA MENSAL DE PREVISÃO E ACOMPANHAMENTO DAS SAFRAS AGRÍCOLAS NO ANO CIVIL LSPA LEVANTAMENTO SISTEMÁTICO DA PRODUÇÃO AGRÍCOLA PESQUISA MENSAL DE PREVISÃO E ACOMPANHAMENTO DAS SAFRAS AGRÍCOLAS NO ANO CIVIL Fevereiro 2012 Presidenta da República Dilma Rousseff Ministra do Planejamento,

Leia mais

LSPA LEVANTAMENTO SISTEMÁTICO DA PRODUÇÃO AGRÍCOLA PESQUISA MENSAL DE PREVISÃO E ACOMPANHAMENTO DAS SAFRAS AGRÍCOLAS NO ANO CIVIL

LSPA LEVANTAMENTO SISTEMÁTICO DA PRODUÇÃO AGRÍCOLA PESQUISA MENSAL DE PREVISÃO E ACOMPANHAMENTO DAS SAFRAS AGRÍCOLAS NO ANO CIVIL LSPA LEVANTAMENTO SISTEMÁTICO DA PRODUÇÃO AGRÍCOLA PESQUISA MENSAL DE PREVISÃO E ACOMPANHAMENTO DAS SAFRAS AGRÍCOLAS NO ANO CIVIL janeiro 2013 Presidenta da República Dilma Rousseff Ministra do Planejamento,

Leia mais

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado AGROSSÍNTESE Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado Edilson de Oliveira Santos 1 1 Mestre em Economia, Gestor Governamental da SEAGRI; e-mail: edilsonsantos@seagri.ba.gov.br

Leia mais

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Outubro de 2012. MUNDO O milho é o cereal mais produzido no mundo. De acordo com o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), a produção média do

Leia mais

Safra 2011/2012. Décimo Levantamento. Julho/2012

Safra 2011/2012. Décimo Levantamento. Julho/2012 Safra 2011/2012 Décimo Levantamento Julho/2012 1 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) Companhia Nacional Abastecimento (Conab) Safra de2011/2012 Diretoria de Política Agrícola e Informações

Leia mais

Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social

Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social COMENTÁRIOS ACERCA DOS NÚMEROS FINAIS DO PIB DO RS E DAS DEMAIS UNIDADES DA FEDERAÇÃO EM 2010 Equipe

Leia mais

Evolução da Produção Regional dos Principais Grãos (2010-2015)

Evolução da Produção Regional dos Principais Grãos (2010-2015) Evolução da Produção Regional dos Principais Grãos (2010-2015) Gráfico 1 Evolução da produção de grãos (Em milhões de toneladas) A produção brasileira de cereais, leguminosas e oleaginosas cresceu, em

Leia mais

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 1. INTRODUÇÃO O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), por meio da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), realiza sistematicamente

Leia mais

Indicadores IBGE. Estatística da Produção Agrícola. Maio de 2013. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE

Indicadores IBGE. Estatística da Produção Agrícola. Maio de 2013. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Indicadores IBGE Estatística da Produção Agrícola Maio de 2013 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Presidenta da República Dilma Rousseff Ministra do Planejamento, Orçamento e Gestão Miriam

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento C o m p an h i a N ac io n a l d e Abastecimento D i r e t o r i a d e Opercações e A b a stecimento S u p erintedência de O p erações Comerciais G e r ên c i a d e Formação e Controle de Estoques P o

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO OUTUBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO OUTUBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos FEIJÃO OUTUBRO DE 2015 CALENDÁRIO AGRÍCOLA - FEIJÃO Safra 1ª - Safra das Águas 2ª - Safra da Seca 3ª - Safra de Inverno Principais Regiões Sul, Sudeste,

Leia mais

Agronegócio. Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ. Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze. 41 3379 8719 brandalizze@uol.com.

Agronegócio. Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ. Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze. 41 3379 8719 brandalizze@uol.com. Agronegócio Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze 41 3379 8719 brandalizze@uol.com.br GRÃOS Produção (milhões de T. USDA - Fevereiro de 2014; Projeções

Leia mais

PA02 IBGE Área plantada nas regiões do Brasil com lavouras anuais.

PA02 IBGE Área plantada nas regiões do Brasil com lavouras anuais. PA2 IBGE Área plantada nas regiões do Brasil com lavouras anuais. Abacaxi 8 7 6 5 4 3 2 1 199 1995 2 25 21 A produção nacional de abacaxi que vinha crescendo até 22 sofreu uma inflexão, voltou a subir

Leia mais

CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO

CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO O Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio brasileiro estimado pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e pelo Centro de Estudos Avançados

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA

MINISTÉRIO DA FAZENDA MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Política Econômica CMN 29.07.2009 Votos Agrícolas Brasília-DF, 29 de julho de 2009. RESUMO DOS VOTOS DA ÁREA AGRÍCOLA REUNIÃO DO CMN JULHO 2009 1 ESTABELECE NOVO PRAZO

Leia mais

AJUSTE E FIXAÇÃO DE ÍNDICES DE RENDIMENTO

AJUSTE E FIXAÇÃO DE ÍNDICES DE RENDIMENTO AJUSTE E FIXAÇÃO DE ÍNDICES DE RENDIMENTO QUE INFORMAM O CONCEITO DE PRODUTIVIDADE Março 2005 APLICAÇÃO DOS ÍNDICES Função Social da Propriedade exige níveis satisfatórios de produtividade Vistoria do

Leia mais

TRIGO Período de 02 a 06/11/2015

TRIGO Período de 02 a 06/11/2015 TRIGO Período de 02 a 06//205 Tabela I - PREÇO PAGO AO PRODUTOR (em R$/60 kg) Centro de Produção Unid. 2 meses Períodos anteriores mês (*) semana Preço Atual PR 60 kg 29,56 35,87 36,75 36,96 Semana Atual

Leia mais

GUSTAVO ROBERTO CORRÊA DA COSTA SOBRINHO E JOSÉ MACIEL DOS SANTOS EFEITOS DA CRISE FINANCEIRA GLOBAL SOBRE A AGRICULTURA BRASILEIRA.

GUSTAVO ROBERTO CORRÊA DA COSTA SOBRINHO E JOSÉ MACIEL DOS SANTOS EFEITOS DA CRISE FINANCEIRA GLOBAL SOBRE A AGRICULTURA BRASILEIRA. EFEITOS DA CRISE FINANCEIRA GLOBAL SOBRE A AGRICULTURA BRASILEIRA. GUSTAVO ROBERTO CORRÊA DA COSTA SOBRINHO E JOSÉ MACIEL DOS SANTOS Consultores Legislativos da Área X Agricultura e Política Rural MARÇO/2009

Leia mais

BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008

BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008 BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008 Mercado Internacional Em 2007, a produção anual de milho atingiu quase 720 milhões de tonelada (Tabela 1), quando os Estados Unidos,

Leia mais

MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO

MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO Paulo Magno Rabelo (1) A análise de desempenho da produção de trigo no mundo desperta apreensões fundamentadas quanto aos indicadores de área

Leia mais

Número 24. Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no Brasil

Número 24. Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no Brasil Número 24 Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no 29 de julho de 2009 COMUNICADO DA PRESIDÊNCIA Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no 2 1. Apresentação Este

Leia mais

2.2 - SÃO PAULO, PARANÁ, ESPÍRITO SANTO, BAHIA E RONDÔNIA.

2.2 - SÃO PAULO, PARANÁ, ESPÍRITO SANTO, BAHIA E RONDÔNIA. 1 - INTRODUÇÃO No período de 01 a 14 de abril de 2007, os técnicos da CONAB e das instituições com as quais mantém parceria visitaram municípios produtores de café em Minas Gerais, Espírito Santo, São

Leia mais

Indústria avícola paranaense

Indústria avícola paranaense Indústria avícola paranaense Evoluçã o do consumo de fãrelo de sojã e milho pãrã criãçã o de frãngos no Pãrãnã Ana Luiza Lodi analuiza.lodi@intlfcstone.com Thadeu Silva thadeu.silva@intlfcstone.com Natália

Leia mais

Milho Perspectivas do mercado 2011/12

Milho Perspectivas do mercado 2011/12 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE POLÍTICA AGRÍCOLA Milho Perspectivas do mercado 2011/12 março de 2012 Milho - Oferta e Demanda - Mundo milhões de t. Safras 2008/09 2009/10

Leia mais

FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO

FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO Por: Carlos Eduardo Cruz Tavares 1 São várias as cadeias produtivas que constituem o complexo agroalimentar, destacando-se entre elas,

Leia mais

ÁREA DE MILHO CRESCEU 4,9% NA SAFRA 2012/2013, A MAIOR DESDE 1937, INDICANDO QUE O PAÍS COLHERIA UMA SAFRA RECORDE ESTE ANO

ÁREA DE MILHO CRESCEU 4,9% NA SAFRA 2012/2013, A MAIOR DESDE 1937, INDICANDO QUE O PAÍS COLHERIA UMA SAFRA RECORDE ESTE ANO GRÃOS: SOJA, MILHO, TRIGO e ARROZ TENDÊNCIAS DOS MERCADOS PARA 2012/2013 NO BRASIL E NO MUNDO Carlos Cogo Setembro/2012 PRODUÇÃO MUNDIAL DEVE RECUAR 4,1% NA SAFRA 2012/2013 ESTOQUES FINAIS MUNDIAIS DEVEM

Leia mais

Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana

Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana Super-safra norte-americana Em seu boletim de oferta e demanda mundial de setembro o Usda reestimou para cima suas projeções para a safra 2007/08.

Leia mais

VALOR DA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA DO BRASIL EM 2003, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO 1

VALOR DA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA DO BRASIL EM 2003, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO 1 VALOR DA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA DO BRASIL EM 2003, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO 1 Alfredo Tsunechiro 2 Vagner Azarias Martins 3 1 - INTRODUÇÃO 1 2 3 Qual a verdadeira magnitude do valor da produção agropecuária

Leia mais

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de Desempenho da Agroindústria No fechamento do primeiro semestre de 2005, a agroindústria registrou crescimento de 0,3%, taxa bastante inferior à assinalada pela média da indústria brasileira (5,0%) no mesmo

Leia mais

Responsáveis Técnicos: SILVIO ISOPO PORTO AROLDO ANTONIO DE OLIVEIRA NETO FRANCISCO OLAVO BATISTA DE SOUSA

Responsáveis Técnicos: SILVIO ISOPO PORTO AROLDO ANTONIO DE OLIVEIRA NETO FRANCISCO OLAVO BATISTA DE SOUSA Safra 2013/2014 Segundo Levantamento Agosto/2013 1 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção e Agroenergia SPAE Departamento de CanadeAçúcar e Agroenergia DCAA Companhia

Leia mais

Novas tecnologias para o desenvolvimento produtivo baseado na experiência do desenvolvimento do Cerrado Brasileiro

Novas tecnologias para o desenvolvimento produtivo baseado na experiência do desenvolvimento do Cerrado Brasileiro Novas tecnologias para o desenvolvimento produtivo baseado na experiência do desenvolvimento do Cerrado Brasileiro Cláudio Takao Karia Chefe Adjunto de P&D Embrapa Cerrados VI Foro por el desarrollo de

Leia mais

ZONEAMENTO AGRÍCOLA DE RISCO CLIMÁTICO SPA/MAPA

ZONEAMENTO AGRÍCOLA DE RISCO CLIMÁTICO SPA/MAPA ZONEAMENTO AGRÍCOLA DE RISCO CLIMÁTICO SPA/MAPA III Reunião Técnica do CEMADEN Tema: Extremos Climáticos e Colapso de Produção Agrícola Fortaleza/CE 02 e 03 de abril de 2012 Antecedentes Altos índices

Leia mais

Departamento de Ciências Administrativas, Contábeis, Econômicas e da Comunicação - UNIJUÍ

Departamento de Ciências Administrativas, Contábeis, Econômicas e da Comunicação - UNIJUÍ DACEC Departamento de Ciências Administrativas, Contábeis, Econômicas e da Comunicação - UNIJUÍ Comentários referentes ao período entre 21/06/2013 a 27/06/2013 Prof. Dr. Argemiro Luís Brum 1 Prof. Ms.

Leia mais

LSPA. Levantamento Sistemático da Produção Agrícola. Setembro de 2013. Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas no ano civil

LSPA. Levantamento Sistemático da Produção Agrícola. Setembro de 2013. Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas no ano civil Diretoria de Pesquisas Coordenação de Agropecuária Gerência de Agricultura LSPA Setembro de 213 Levantamento Sistemático da Agrícola Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas no

Leia mais

Janeiro de 2013 Volume 01

Janeiro de 2013 Volume 01 Janeiro de 2013 Volume 01 Janeiro de 2013 Volume 01 2 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Companhia Nacional de Abastecimento - Conab Dipai - Diretoria de Política Agrícola e Informações

Leia mais

Safra 2008 Primeira Estimativa Janeiro/2008

Safra 2008 Primeira Estimativa Janeiro/2008 Safra 2008 Primeira Estimativa Janeiro/2008 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção e Agroenergia SPAE Departamento do Café DCAF Companhia Nacional de Abastecimento CONAB

Leia mais

O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO E O SETOR DE MÁQUINAS AGRÍCOLAS TENDÊNCIAS DOS MERCADOS PARA 2012/2013 E OS CENÁRIOS DE LONGO PRAZO Carlos Cogo Agosto/2012 LA NIÑA PROVOCA FORTES QUEBRAS EM SAFRAS DE GRÃOS O

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE CAFÉ NO ESPÍRITO SANTO HISTÓRICO:

INFORMAÇÕES SOBRE CAFÉ NO ESPÍRITO SANTO HISTÓRICO: INFORMAÇÕES SOBRE CAFÉ NO ESPÍRITO SANTO HISTÓRICO: O Estado do Espírito Santo encontra-se como o segundo maior produtor nacional de café, destacando-se o plantio das espécies Arábica e Conilon, sendo

Leia mais

Tabela 1 Evolução da produção mundial de óleos (Mil toneladas)

Tabela 1 Evolução da produção mundial de óleos (Mil toneladas) Preços da mamona se recuperam 1. A produção e o consumo mundial de óleos vegetais se elevam A produção mundial de óleos vegetais aumentou aproximadamente 400 entre 1974/75 e 2006/07, passando de 25,7 hões

Leia mais

INFORME SARGSUS. Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde

INFORME SARGSUS. Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde INFORME SARGSUS Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde 1 ESFERA MUNICIPAL 1.1 Relatório de Gestão Ano 2013 Até a presente data,

Leia mais

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14 Soja Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro de 2013 MUNDO A economia mundial cada vez mais globalizada tem sido o principal propulsor responsável pelo aumento da produção de soja. Com o aumento do

Leia mais

Programa de Aquisição de Alimentos - Conab

Programa de Aquisição de Alimentos - Conab Programa de Aquisição de Alimentos - Conab Exercício 2004 Sumário Executivo O presente documento procura sintetizar as ações desenvolvidas pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) através do Programa

Leia mais

RELATÓRIO DA GERÊNCIA DE MONITORAMENTO PANORAMA DO COOPERATIVISMO BRASILEIRO - ANO 2011

RELATÓRIO DA GERÊNCIA DE MONITORAMENTO PANORAMA DO COOPERATIVISMO BRASILEIRO - ANO 2011 RELATÓRIO DA GERÊNCIA DE MONITORAMENTO PANORAMA DO COOPERATIVISMO BRASILEIRO - ANO 2011 Março 2012 SUMÁRIO I - EVOLUÇÃO DO NÚMERO DE COOPERATIVAS, COOPERADOS E EMPREGADOS, 3 II - ANÁLISE POR RAMO, 8 2.1

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3235. I - os prazos estabelecidos nos quadros previstos no MCR 4-1- 28 e 29 são máximos, admitidos prazos inferiores;

RESOLUÇÃO Nº 3235. I - os prazos estabelecidos nos quadros previstos no MCR 4-1- 28 e 29 são máximos, admitidos prazos inferiores; RESOLUÇÃO Nº 3235 Promove ajustes complementares na regulamentação sobre Empréstimos do Governo Federal (EGF) para atender a financiamentos da safra 2004/2005. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art.

Leia mais

Desenvolvimento e Oportunidades da Agricultura Familiar. Marco Antonio Viana Leite Diretor PAC e Mais Alimentos

Desenvolvimento e Oportunidades da Agricultura Familiar. Marco Antonio Viana Leite Diretor PAC e Mais Alimentos Desenvolvimento e Oportunidades da Agricultura Familiar Marco Antonio Viana Leite Diretor PAC e Mais Alimentos Agricultura Familiar no Mundo São 500 milhões de estabelecimentos da agricultura familiar

Leia mais

Departamento de Ciências Administrativas, Contábeis, Econômicas e da Comunicação - UNIJUÍ

Departamento de Ciências Administrativas, Contábeis, Econômicas e da Comunicação - UNIJUÍ DACEC Departamento de Ciências Administrativas, Contábeis, Econômicas e da Comunicação - UNIJUÍ Comentários referentes ao período entre 03/05/2013 a 09/05/2013 Prof. Dr. Argemiro Luís Brum 1 Prof. Ms.

Leia mais

CADERNO DE DIAGNÓSTICO

CADERNO DE DIAGNÓSTICO CADERNO DE DIAGNÓSTICO Resíduos Agrosilvopastoris I Resíduos Orgânicos Vania Elisabete Schneider Denise Peresin Andréia Cristina Trentin Taison Anderson Bortolin Regina Helena Rosa Sambuichi Documento

Leia mais

CAMARA SETORIAL DA BORRACHA CARLOS ALFREDO B GUEDES BRASILIA JULHO 2015

CAMARA SETORIAL DA BORRACHA CARLOS ALFREDO B GUEDES BRASILIA JULHO 2015 CAMARA SETORIAL DA BORRACHA A CARLOS ALFREDO B GUEDES BRASILIA JULHO 2015 LEGISLAÇÃO Decreto nº 68.678, de 25 de maio de 1971 cria a Comissão Especial de Planejamento, Controle e Avaliação das Estatísticas

Leia mais

Valor da Cesta Básica aumenta em 12 cidades

Valor da Cesta Básica aumenta em 12 cidades 1 São Paulo, 06 de novembro de 2014. NOTA À IMPRENSA Valor da Cesta Básica aumenta em 12 cidades Em outubro, houve aumento dos preços do conjunto de bens alimentícios essenciais em 12 das 18 cidades onde

Leia mais

Apresentação AGRIANUAL 2015

Apresentação AGRIANUAL 2015 Apresentação Em anos de eleições, os empresários costumam ficar apreensivos quanto às posições dos candidatos em relação ao segmento em que operam. Mas quem está no agronegócio não precisa ter grandes

Leia mais

FACULDADE BOA VIAGEM (FBV) Gestão de Marketing

FACULDADE BOA VIAGEM (FBV) Gestão de Marketing FACULDADE BOA VIAGEM (FBV) Gestão de Marketing Edson José de Lemos Júnior Ermeson Gomes da Silva Jardson Prado Coriolano da Silva Marcos Antonio Santos Marinho Rosinaldo Ferreira da Cunha RELATÓRIO GERENCIAL

Leia mais

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Índice 1 - Conceito de Agronegócio e a atuação do Imea 2 - Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso 2.1 Agronegócio Soja 2.2 Agronegócio Milho 2.3 Agronegócio Algodão

Leia mais

Geração de Emprego Formal no NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, JULHO DE 2011

Geração de Emprego Formal no NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, JULHO DE 2011 Geração de Emprego Formal no RIO DE JANEIRO NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, JULHO DE 211 1 211 O crescimento da economia fluminense nos últimos

Leia mais

Safra 2013. Segunda Estimativa Maio/2013. Safra 2010/2011 Terceiro Levantamento Janeiro/2011

Safra 2013. Segunda Estimativa Maio/2013. Safra 2010/2011 Terceiro Levantamento Janeiro/2011 Safra 2013 Segunda Estimativa Maio/2013 Safra 2010/2011 Terceiro Levantamento Janeiro/2011 Avaliação da Safra Agrícola Cafeeira 2013 Segunda Estimativa Maio/2013 1 Ministério da Agricultura, Pecuária e

Leia mais

A crise atual da agricultura brasileira e da gaúcha* Este texto faz uma análise da evolução recente da agricultura brasileira e da gaúcha, baseada

A crise atual da agricultura brasileira e da gaúcha* Este texto faz uma análise da evolução recente da agricultura brasileira e da gaúcha, baseada Análise setorial Agropecuária A crise atual da agricultura brasileira e da gaúcha* Vivian Fürstenau** Economista da FEE Introdução Este texto faz uma análise da evolução recente da agricultura brasileira

Leia mais

Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária. Novembro 2015 PARANÁ

Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária. Novembro 2015 PARANÁ Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro 2015 PARANÁ A estimativa de área para a safra 2015/16 de soja é recorde no Paraná. Segundo os técnicos de campo serão semeados 5,24 milhões de hectares,

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

Departamento de Ciências Administrativas, Contábeis, Econômicas e da Comunicação - UNIJUÍ

Departamento de Ciências Administrativas, Contábeis, Econômicas e da Comunicação - UNIJUÍ DACEC Departamento de Ciências Administrativas, Contábeis, Econômicas e da Comunicação - UNIJUÍ Comentários referentes ao período entre 20/07/2012 a 02/08/2012 Prof. Dr. Argemiro Luís Brum 1 Emerson Juliano

Leia mais

07. CEREAIS, FIBRAS E OLEAGINOSAS

07. CEREAIS, FIBRAS E OLEAGINOSAS 07. CEREAIS, FIBRAS E OLEAGINOSAS Algodão PERSPECTIVAS 2016 DESVALORIZAÇÃO DO REAL FRENTE AO DÓLAR AUMENTA OS CUSTOS DE PRODUÇÃO A PRODUÇÃO MUNDIAL DE ALGODÃO DEVE CAIR PELO QUARTO ANO CONSECUTIVO E OS

Leia mais

O MERCADO DE CAFÉ 1. INTRODUÇÃO

O MERCADO DE CAFÉ 1. INTRODUÇÃO O MERCADO DE CAFÉ 1. INTRODUÇÃO O presente boletim tem o objetivo de apresentar a situação atual do mercado, por meio dos dados disponibilizados pelo USDA, CONAB e MAPA. Apresenta-se, posteriormente, a

Leia mais

Milho Período: 11 a 15/05/2015

Milho Período: 11 a 15/05/2015 Milho Período: 11 a 15/05/2015 Câmbio: Média da semana: U$ 1,00 = R$ 3,0203 Nota: A paridade de exportação refere-se ao valor/sc desestivado sobre rodas, o que é abaixo do valor FOB Paranaguá. *Os preços

Leia mais

O Agronegócio Mundial e Brasileiro

O Agronegócio Mundial e Brasileiro O Agronegócio Mundial e Brasileiro Eugênio Stefanelo Segundo Porter, você é competitivo quando tem um desempenho em longo prazo acima da média dos concorrentes. O agronegócio, que engloba as operações

Leia mais

INDÚSTRIA DE ALIMENTOS

INDÚSTRIA DE ALIMENTOS DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INDÚSTRIA DE ALIMENTOS OUTUBRO DE 2015 PRODUTOS INDÚSTRIA DE ALIMENTOS NO BRASIL 2012 EXPORTAÇÕES US$ 43 Bilhões (23%) 23% Ásia 22% União Europeia FATURAMENTO

Leia mais

CONJUNTURA 24.05.2010 FEIJÃO. João Ruas Gerência de Alimentos Básicos Superintendência de Gestão da Oferta

CONJUNTURA 24.05.2010 FEIJÃO. João Ruas Gerência de Alimentos Básicos Superintendência de Gestão da Oferta CONJUNTURA 24.05.2010 FEIJÃO João Ruas Gerência de Alimentos Básicos Superintendência de Gestão da Oferta MERCADO -Comportamento das principais cultivares plantadas no Brasil; -Situação da Safra 2009/2010;

Leia mais

Capacidade dos Portos Brasileiros Soja e Milho

Capacidade dos Portos Brasileiros Soja e Milho CAPACIDADE DOS PORTOS BRASILEIROS Capacidade dos Portos Brasileiros Soja e Milho 1 Novembro 2012 Esse estudo pretende chegar a um volume máximo de soja, milho e derivados, que pode ser exportado, por meio

Leia mais

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Organização Internacional do Café - OIC Londres, 21 de setembro de 2010. O Sistema Agroindustrial do Café no Brasil - Overview 1 Cafés

Leia mais

Departamento de Ciências Administrativas, Contábeis, Econômicas e da Comunicação - UNIJUÍ

Departamento de Ciências Administrativas, Contábeis, Econômicas e da Comunicação - UNIJUÍ DACEC Departamento de Ciências Administrativas, Contábeis, Econômicas e da Comunicação - UNIJUÍ Comentários referentes ao período entre 05/07/2013 a 11/07/2013 Prof. Dr. Argemiro Luís Brum 1 Prof. Ms.

Leia mais

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1)

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) ANEXO I BICICLETA ESCOLAR Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) Assunto: Adesão à ata de registro de preços nº 70/2010 do pregão eletrônico nº 40/2010. 1 2 BICICLETA 20 - AC,

Leia mais

PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20

PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20 PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20 AGE - ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA Chefe da AGE: Derli Dossa. E-mail: derli.dossa@agricultura.gov.br Equipe Técnica: José Garcia Gasques. E-mail: jose.gasques@agricultura.gov.br

Leia mais

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR 8 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR Secretaria de Vigilância em Saúde/MS 435 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA/COR MORTALIDADE POR CAUSAS EXTERNAS Evolução da mortalidade por causas externas

Leia mais

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA)

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Relatório com as principais notícias divulgadas pela mídia

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL ANÁLISE DA CONJUNTURA AGROPECUÁRIA SAFRA 2011/12

ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL ANÁLISE DA CONJUNTURA AGROPECUÁRIA SAFRA 2011/12 ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL ANÁLISE DA CONJUNTURA AGROPECUÁRIA SAFRA 2011/12 MANDIOCULTURA Economista Methodio Groxko Outubro de 2011 ASPECTOS

Leia mais

EVOLUÇÃO DA PRODUÇÃO DE FEIJÃO NO BRASIL DE 1976-2009 Paulo Roberto Vieira de ALMEIDA¹; Alcido Elenor WANDER² INTRODUÇÃO

EVOLUÇÃO DA PRODUÇÃO DE FEIJÃO NO BRASIL DE 1976-2009 Paulo Roberto Vieira de ALMEIDA¹; Alcido Elenor WANDER² INTRODUÇÃO EVOLUÇÃO DA PRODUÇÃO DE FEIJÃO NO BRASIL DE 1976-2009 Paulo Roberto Vieira de ALMEIDA¹; Alcido Elenor WANDER² ¹ Mestrando do Programa de Pós Graduação em Agronegócio na Escola de Agronomia e Engenharia

Leia mais

C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA

C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA HENRIQUE MARINHO MAIO DE 2013 Economia Internacional Atividade Econômica A divulgação dos resultados do crescimento econômico dos

Leia mais

Conjuntura Anual do Sorgo em 2008 e um possível cenário para 2009.

Conjuntura Anual do Sorgo em 2008 e um possível cenário para 2009. Conjuntura Anual do Sorgo em 2008 e um possível cenário para 2009. Para os produtores de sorgo o ano de 2008 pode ser considerado como bom. As condições climatológicas foram favoráveis durante todo o ciclo

Leia mais

Análise Demográfica das Empresas da IBSS

Análise Demográfica das Empresas da IBSS CAPÍTULO 4 Análise Demográfica das Empresas da IBSS Apresentação A demografia de empresas investiga a estrutura do estoque de empresas em dado momento e a sua evolução, como os movimentos de crescimento,

Leia mais

Contas Regionais do Brasil 2010

Contas Regionais do Brasil 2010 Diretoria de Pesquisas Contas Regionais do Brasil 2010 Coordenação de Contas Nacionais frederico.cunha@ibge.gov.br alessandra.poca@ibge.gov.br Rio, 23/11/2012 Contas Regionais do Brasil Projeto de Contas

Leia mais

INDICAÇÃO N o, DE 2015

INDICAÇÃO N o, DE 2015 55ª Legislatura 1ª Sessão Legislativa Ordinária INDICAÇÃO N o, DE 2015 Sugere a criação de um programa de irrigação nas regiões afetadas por estiagens, em estados brasileiros. Agricultura, Pecuária e Abastecimento:

Leia mais

O MERCADO DE TRIGO. O balanço mundial de trigo, ao longo das safras analisadas, é visualizado na

O MERCADO DE TRIGO. O balanço mundial de trigo, ao longo das safras analisadas, é visualizado na O MERCADO DE TRIGO 1. INTRODUÇÃO O Brasil é o maior importador mundial de trigo e a sua dependência se torna acentuada à medida que os estoques públicos e privados se reduzem. A safra 2007/08 apresenta-se

Leia mais

Assunto: falta de recursos do governo federal para agricultura do Paraná

Assunto: falta de recursos do governo federal para agricultura do Paraná Assunto: falta de recursos do governo federal para agricultura do Paraná A FAEP tem solicitado ao governo federal que libere os recursos anunciados de R$ 5,6 bilhões na Política de Garantia de Preços Mínimos

Leia mais

chave para a sustentabilidade do escoamento da produção agrícola

chave para a sustentabilidade do escoamento da produção agrícola Infra-estrutura como fator chave para a sustentabilidade do escoamento da produção agrícola Ieda Kanashiro Makiya Rogério Carlos Traballi UNIP BRASIL: 10º PIB mundial (FMI, 2005) x PIB per capita abaixo

Leia mais

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 A economia piauiense, em 2008, apresentou expansão em volume do Produto Interno Bruto (PIB) de 8,8% em relação ao ano anterior. Foi a maior taxa de crescimento

Leia mais

Jurandir Zullo Junior * Hilton Silveira Pinto Ana Maria H. de Ávila. Eduardo Delgado Assad Giampaolo Queiroz Pellegrino Fábio Ricardo Marin

Jurandir Zullo Junior * Hilton Silveira Pinto Ana Maria H. de Ávila. Eduardo Delgado Assad Giampaolo Queiroz Pellegrino Fábio Ricardo Marin Mudanças as Climáticas e Agricultura Jurandir Zullo Junior * Hilton Silveira Pinto Ana Maria H. de Ávila Eduardo Delgado Assad Giampaolo Queiroz Pellegrino Fábio Ricardo Marin Alerta Global 87% dos brasileiros

Leia mais

Situação da Armazenagem no Brasil 2006

Situação da Armazenagem no Brasil 2006 Situação da Armazenagem no Brasil 2006 1. Estática de Armazenagem A capacidade estática das estruturas armazenadoras existentes no Brasil, registrada em dezembro de 2006 é de até o mês de novembro de 2006

Leia mais

O SULCO COMO O BRASIL VAI INVESTIR NO ARMAZENAMENTO DE SUA SUPERSAFRA. PRIMAVERA 2013. JohnDeere.com.br

O SULCO COMO O BRASIL VAI INVESTIR NO ARMAZENAMENTO DE SUA SUPERSAFRA. PRIMAVERA 2013. JohnDeere.com.br 10 - Precisão na pecuária 14 - Trigo com tecnologia 18 - Turistas no pomar 10 14 18 PRIMAVERA 2013 O SULCO JohnDeere.com.br COMO O BRASIL VAI INVESTIR NO ARMAZENAMENTO DE SUA SUPERSAFRA. capa 1 2 RICARDO

Leia mais

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 ROSEMEIRE SANTOS Superintendente Técnica Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária

Leia mais

POLÍTICA de GARANTIA de PREÇOS MÍNIMOS - PGPM

POLÍTICA de GARANTIA de PREÇOS MÍNIMOS - PGPM Diretoria de Política Agrícola e Informações - Dipai Superintendencia de Gestão da Oferta - Sugof POLÍTICA de GARANTIA de PREÇOS MÍNIMOS - PGPM Por: Carlos Eduardo Tavares Maio de 2012 RAZÃO DA POLÍTICA

Leia mais

Tabela 1. Raiz de mandioca Área colhida e quantidade produzida - Brasil e principais estados Safras 2005/06 a 2007/08

Tabela 1. Raiz de mandioca Área colhida e quantidade produzida - Brasil e principais estados Safras 2005/06 a 2007/08 Mandioca outubro de 2008 Safra nacional 2006/07 Na safra brasileira 2006/07 foram plantados 2,425 milhões de hectares e colhidos 26,920 milhões de toneladas - representando um crescimento de 0,87% e de

Leia mais

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Índice 1 - Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso 1.1 Agronegócio Soja 1.2 Agronegócio Milho 1.3 Agronegócio Algodão 1.4 Agronegócio Boi 2 Competitividade 2.1 Logística

Leia mais