AULA 3: OPERAÇÕES COM MERCADORIAS II

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AULA 3: OPERAÇÕES COM MERCADORIAS II"

Transcrição

1 AULA 3: OPERAÇÕES COM MERCADORIAS II Pessoal, complementando a Aula 2, vamos tratar, agora, das Operações com Mercadorias relativamente às operações de Vendas e Apuração do Resultado dessas Vendas, o chamado Lucro Bruto. Ao final da introdução teórica, que na verdade não é uma introdução, é uma revisão completa, temos 25 questões resolvidas. Se você, amigo e candidato, já conhece a matéria, vá direto aos exercícios e use a parte teórica apenas quando precisar. Porém, se você ainda tem dúvidas, faça uma revisaão inicialmente. Estou revisando e complementando este material para vocês neste final de semana dos dias 15 e 16 de outubro. No dia 14, saiu a delegação de competência da Receita Federal para a Esaf elaborar o concurso. É uma mera formalidade, mas indica que o edital está saindo. Pode até já ter saído quando vocês estiverem acessando este material. Então, mais uma vez, força e disciplina. Vocês verão como esta matéria costuma cair em prova. 3. CONTABILIZAÇÃO DAS OPERAÇÕES DE VENDAS As contabilizações das operações de vendas de mercadorias são efetuadas normalmente a DÉBITO de uma conta que represente recursos disponíveis (Caixa, Bancos c/ Movimento), quando são realizadas à vista ou de uma conta representativa de um direito de crédito (Clientes, Títulos a Receber, Duplicatas a Receber ou outra conta que represente um direito), quando realizadas a prazo. Como contrapartida deve-se efetuar um lançamento a CRÉDITO de uma conta de RECEITA (Receita Bruta de Vendas, Vendas, Vendas de Mercadorias, normalmente). 3.1.IMPOSTOS E CONTRIBUIÇÕIES INCIDENTES SOBRE VENDAS TRIBUTOS SOBRE VENDAS Quando uma empresa realiza uma venda, devemos saber que uma boa parte do valor cobrado dos clientes se refere a Impostos e Contribuições que são devidos em função das diversas legislações tributárias (federal, estaduais e/ou municipais), que estabelecem como Fato Gerador a Circulação das Mercadorias, o Faturamento, entre outros..em tese, esses valores só são cobrados dos clientes porque a empresa foi onerada por estes tributos que deverão ser recolhidos aos cofres públicos nos prazos determinados. Entre os Impostos e Contribuições que incidem sobre as vendas destacam-se: a) Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicações ICMS b) Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza ISSQN c) Imposto de Exportação IE d) Contribuição para o Programa de Integração Social PIS - FATURAMENTO 1

2 e) Contribuição Social sobre o Faturamento COFINS Obs. O Imposto sobre produto Industrializado IPI não integra a Receita Bruta de Vendas, apesar de compor o preço final da nota fiscal. É a legislação do Imposto de Renda da Pessoa Jurídica (Decreto nº 3.000/99, artigo 279, parágrafo único) que assim determina. Os demais impostos e contribuições integram o valor da Receita Bruta de Vendas (exceto se cobrados destacadamente do comprador ou contratante, caso, por exemplo, do ICMS Substituição Tributária, que nunca foi cobrado em provas da área fiscal) e serão dela deduzidos para apuração da Receita Líquida de Vendas. Para um correto entendimento da contabilização das vendas de mercadorias e dos tributos incidentes sobre estas operações, diversos lançamentos serão efetuados, com incidência de ICMS, IPI, PIS e COFINS. As alíquotas do PIS e da COFINS no regime não-cumulativo são 1,65% e 7,6% respectivamente, porém vamos usar 2% e 8%, respectivamente, apenas para facilitar os cálculos. O ICMS e o IPI têm alíquotas diversificadas, e nos nossos exemplos utilizaremos 20% e 10% respectivamente. EXEMPLOS: 1 Revenda de Mercadorias à Vista por $ ,00, sem a incidência do IPI. a) Caixa a Receita Bruta de Vendas $ ,00 Este lançamento é realizado para reconhecer o valor pelo qual as mercadorias foram vendidas b) Impostos e Contribuições Incidentes Sobre Vendas a Diversos a ICMS a Recolher $ ,00 a PIS a Recolher $ 4.000,00 a COFINS a Recolher $ ,00 $ ,00 Repare que estamos reconhecendo o valor dos Impostos e Contribuições que incidiram nas vendas. A conta Impostos e Contribuições Incidentes Sobre Vendas, ou similar, como por exemplo Tributos Sobre Vendas, foi DEBITADA, porque é uma conta que irá reduzir a conta de Receita Bruta de Vendas. A contrapartida foi registrada em contas que representam obrigações da empresa junto às Fazendas Públicas, portanto contas de PASSIVO e por isso creditadas. Do valor de $ ,00 cobrados, somente $ ,00 pertence à empresa. O restante pertence aos cofres públicos ($ ,00). 2

3 2 Vendas de um Produto Fabricado pela empresa, à vista, por $ ,00, com alíquota de IPI de 10%. Nesta transação ocorre a incidência de IPI, calculado em $ ,00.Não se esqueçam que o IPI é calculado por fora, ou seja, não está incluído no valor de $ ,00. Como visto anteriormente, o IPI não integra a Receita Bruta de Vendas. Portanto, para um correto registro da operação pode-se utilizar uma outra conta denominada FATURAMENTO BRUTO. Esta conta tem a função de demonstrar que a operação está sujeita ao IPI. Depois, este valor do IPI incidente na operação será deduzido para se encontrar a Receita Bruta de Vendas. A contabilização pode ser feita da seguinte forma: a) Caixa a Faturamento Bruto $ ,00 Pelo reconhecimento da Venda com incidência de IPI b) IPI Sobre Vendas a IPI a Recolher $ ,00 Pelo reconhecimento do valor do IPI incidente na operação c) Impostos e Contribuições Incidentes Sobre Vendas a Diversos a ICMS a Recolher $ ,00 a PIS a Recolher $ ,00 a COFINS a Recolher $ ,00 $ ,00 Pelo reconhecimento dos impostos e contribuições incidentes sobre vendas, com as alíquotas de 20% para o ICMS, 2% para o PIS e 8% para a COFINS. Pode-se reparar que estes valores incidiram sobre o valor da venda sem considerar o valor do IPI. Isto sempre ocorre com o PIS e com a COFINS, já que na sua base de cálculo não se considera o valor do IPI. Já com relação ao ICMS, este fato depende da destinação do produto, conforme comentado na Aula 2. A operação pode ser visualizada da seguinte forma: $ Faturamento Bruto ,00 - IPI Sobre Vendas- ( ,00) = Receita Bruta de Vendas = ,00 - ICMS Sobre Vendas - ( ,00) - PIS Sobre Vendas - (20.000,00) - COFINS Sobre Vendas - (80.000,00) 3

4 = Receita Líquida de Vendas = ,00 Obs.:1) Para a demonstração, substitui a conta Impostos e Contribuições Incidentes Sobre Vendas por outras três, ICMS SOBRE VENDAS, PIS SOBRE VENDAS e COFINS SOBRE VENDAS, apenas para uma melhor informação. 2) Para a apuração da Receita Líquida de Vendas ainda não foram consideradas as devoluções de vendas, descontos incondicionais (sobre vendas) e abatimentos (sobre vendas), que também reduzem a Receita Bruta de Vendas e serão vistos a seguir. 3.2.FATOS QUE ALTERAM O VALOR DAS COMPRAS E DAS VENDAS Quando as empresas estão realizando seu objetivo social, diversos fatos acontecem, por diversas razões, que ocasionam a alteração das compras e das vendas de mercadorias. Podemos exemplificar os seguintes: 1. Devoluções de Compras 2. Devoluções de Vendas ou Vendas Canceladas 3. Abatimentos Sobre Compras 4. Abatimento Sobre Vendas 5. Descontos Incondicionais ou Comerciais 6. Descontos Condicionais ou Financeiros DEVOLUÇÕES DE COMPRAS Este fato, em si, é auto-explicativo. A questão é: Como contabilizar? O lançamento contábil de Devolução de Compras pode ser feito em conta retificadora daquela que registra as aquisições, quando a empresa adotar o chamado Inventário Periódico. Normalmente utiliza-se a conta conhecida como DEVOLUÇÕES DE COMPRAS. Pode-se, também, registrar a devolução diretamente na conta que registra o estoque de mercadorias. Este modelo é comumente usado pelas empresas que adotam o regime de Inventário Permanente. A conta Devoluções de Compras é movimentada da seguinte forma: a) quando ocorrem as devoluções, a conta é CREDITADA, b) no encerramento do exercício social a conta é DEBITADA para transferência de seu saldo para a conta COMPRAS ou outra que seja utilizada para o registro das aquisições de mercadorias, com a finalidade de se apurar as COMPRAS LÍQUIDAS. A contrapartida será a DÉBITO de uma conta que registre a forma de negociação da aquisição, ou seja, quando se tratar de transação a prazo debita-se uma conta que registre a 4

5 obrigação da empresa (Fornecedores, Contas a Pagar, ou Similar), ou debita-se Caixa/Bancos quando se referir à transação à vista. Ao ocorrer uma devolução de compras, as legislações tributárias determinam que os valores recuperáveis dos impostos e contribuições que incidiram na operação sejam estornados (diminuídos). Assim, efetua-se, no mesmo lançamento, um CRÉDITO de ICMS a Recuperar, de IPI a Recuperar, de PIS a Recuperar e de COFINS a Recuperar (quando for o caso), uma vez que a empresa perde o direito de compensar estes valores em função da devolução, e efetua-se um DÉBITO na conta Fornecedores (ou Duplicatas a Pagar ou Caixa ou Bancos, ou Conta Similar). Exemplo: 1 Uma empresa do ramo comercial adquire 100 itens de determinada mercadoria para revenda, à vista, com a emissão de um cheque, pelo valor de $ ,00, mais IPI a alíquota de 10%, ICMS a alíquota de 20%, PIS a alíquota de 2% e COFINS a alíquota de 8%. Ao conferir as mercadorias, verificou que 10 itens estavam defeituosos, devolvendo-as, portanto, ao vendedor Os registros contábeis da compra e da devolução das mercadorias são: 1.1 Quando da Aquisição das Mercadorias Nota Fiscal de Aquisição da Mercadoria 100 Itens x $ 1.000,00 IPI 10% x $ ,00 $ ,00 $10.000,00 ICMS (20% x $ ,00) $20.000,00 $ ,00 Memória de Cálculo: $ Valor da Aquisição ,00 IPI s/ compra (10% x $ ,00) cobrado destacadamente ,00 ICMS s/ compra (20% x $ ,00) incluído no preço ,00 PIS s/ compra (2% x $ ,00) incluído no preço 2.200,00 COFINS s/ compra (8% x $ ,00) incluído no preço 8.800,00 Valor total da nota ,00 Valor líquido da mercadoria ,00 Obs. Sendo o adquirente uma empresa comercial, o IPI não é recuperável. Porém, como o produto é destinado ao comércio (comercialização), na base de cálculo do ICMS não é incluído o valor do IPI (artigo 155, 2º, inciso XI da Constituição Federal). Repare que o valor do IPI, todavia, integra a base de cálculo do PIS e da COFINS, conforme disposto nos 5

6 artigos 66, 3º, da Instrução Normativa nº 247/2002 e 8º, 3º d Instrução Normativa nº 404/2004, ambas editadas pela Secretaria da Receita Federal.. Diversos a Bancos Estoque de Mercadorias $ ,00 ICMS a Recuperar $ ,00 PIS a Recuperar $ 2.200,00 COFINS a Recuperar $ 8.800,00 $ , Quando as Mercadorias são Devolvidas Nota Fiscal de Devolução da Mercadoria 10 Itens x $ 1.000,00 IPI 10% x $ ,00 $10.000,00 $1.000,00 ICMS (20% x $10.000,00) $2.000,00 $11.000,00 Memória de Cálculo: $ Valor da devolução ,00 IPI s/ devolução (10% x $10.000,00) 1.000,00 ICMS s/ devolução (20% x $10.000,00) 2.000,00 PIS s/ devolução (2% x $11.000,00) 220,00 COFINS s/ devolução (8% x $11.000,00) 880,00 Valor total da nota ,00 Valor líquido da mercadoria devolvida 7.900,00 O registro da devolução pode ser feito da seguinte forma: Bancos a Diversos a Estoque de Mercadorias/Devolução de Compras $ 7.900,00 a ICMS a Recuperar $2.000,00 a PIS a Recuperar $ 220,00 a COFINS a Recuperar $ 880,00 $11.000, DEVOLUÇÃO DE VENDAS Quando o adquirente de mercadorias devolve parte ou toda a compra efetuada, obviamente este fato irá gerar uma diminuição no resultado da empresa vendedora. Na 6

7 prática o que aconteceu foi que a empresa vendeu menos. Para um correto entendimento da operação, usando o mesmo exemplo do item , registrarei as operações no vendedor. 1.1 Venda da Mercadoria Nota Fiscal da Venda da Mercadoria 100 Itens x $ 1.000,00 IPI 10% x $ ,00 $ ,00 $10.000,00 ICMS (20% x $ ,00) $20.000,00 $ ,00 Memória de Cálculo: $ Valor da venda ,00 IPI s/ venda (10%x $ ,00) cobrado destacadamente ,00 ICMS s/ venda (20% x $ ,00) incluído no preço ,00 PIS s/ venda (2% x $ ,00) incluído no preço 2.000,00 COFINS s/ venda (8% v $ ,00) incluído no preço 8.000,00 Valor total da nota ,00 Obs.: Repare que os valores do PIS e da COFINS no vendedor são diferentes daqueles reconhecidos pelo comprador. Para o vendedor, o IPI nunca entra na base de cálculo do PIS e da COFINS. Apenas para lembrar, este item foi comentado na Como a empresa vendedora é contribuinte do IPI, a contabilização da venda poderia ser realizada da seguinte forma: a) Caixa a Faturamento Bruto $ ,00 Obs.: Repare que apesar do adquirente ter pago com cheque, o vendedor registra a operação na conta Caixa. Depois, se for o caso, deposita no Banco, registrando na conta Bancos. Eu escrevi se for o caso porque a Legislação da CPMF, por exemplo, permite que ocorra um endosso em preto no cheque, e ele seja repassado sem que tenha sido depositado. b) IPI Sobre Vendas a IPI a Recolher $ ,00 c) Diversos a Diversos ICMS Sobre Vendas $ ,00 PIS Sobre Vendas $2.000,00 COFINS Sobre Vendas $ 8.000,00 7

8 a ICMS a Recolher $ ,00 a PIS a Recolher $2.000,00 a COFINS a Recolher $8.000,00 $ , Quando da Devolução Nota Fiscal de Devolução da Mercadoria 10 Itens x $ 1.000,00 IPI 10% x $ ,00 $10.000,00 $1.000,00 ICMS (20% x $10.000,00) $2.000,00 $11.000,00 Memória de Cálculo: $ Valor da devolução sem o IPI ,00 IPI s/ devolução (10%) destacado 1.000,00 ICMS s/ devolução (20%) 2.000,00 PIS s/ devolução (2%) 200,00 COFINS s/ devolução (8%) 800,00 Valor total da nota ,00 Quando da devolução de venda, a contabilização poderia assim ser efetuada: a) Diversos a Caixa Devolução de Vendas $ ,00 Faturamento Bruto $1.000,00 $11.000,00 b) IPI a Recolher a IPI Sobre Vendas $1.000,00 c) Diversos a Diversos ICMS a Recolher $2.000,00 PIS a Recolher $200,00 COFINS a Recolher $800,00 $3.000,00 a ICMS Sobre Vendas $2.000,00 a PIS Sobre Vendas $200,00 a COFINS Sobre Vendas $800,00 $3.000,00 8

9 Obs. A conta Devoluções de Vendas aparecerá na Demonstração do Resultado do Exercício DRE- como parcela redutora da Receita Bruta de Vendas, na apuração da Receita Líquida de Vendas ABATIMENTO SOBRE COMPRAS Nas operações mercantis problemas podem acontecer entre a saída da mercadoria do estabelecimento vendedor e o ingresso no estabelecimento comprador. O manuseio e o transporte podem danificar o produto, ou mesmo ocorrer um erro no processamento do pedido por parte do vendedor, como, por exemplo, o envio de uma mercadoria de cor azul quando o cliente solicitou cor preta. O produto também pode sair fora de determinadas especificações técnicas estabelecidas pelo comprador. Nestas situações descontos podem ser acordados entre o vendedor e o comprador para evitar a devolução da mercadoria. Importante destacar que são negociados após a saída do produto do vendedor e, conseqüentemente, após a emissão da nota fiscal, acabando por reduzir o preço de negociação. Não se confundem com os descontos incondicionais (ou comerciais) que são dados no momento da venda e incluídos nas notas fiscais, nem com os descontos condicionais (ou financeiros) que se referem a pagamentos efetuados antes do vencimento e que são considerados receitas (ou despesas) financeiras. Em função de o ABATIMENTO ser concedido posteriormente à emissão da Nota Fiscal, estes valores não influenciarão os impostos que incidiram na operação, prevalecendo o montante calculado quando da ocorrência do fato gerador. O valor do ABATIMENTO deverá ser registrado em uma conta retificadora da conta COMPRAS (ou similar) que pode ser denominada ABATIMENTO SOBRE COMPRAS, quando é adotado o Inventário Periódico, ou diretamente contra a conta que registre o estoque de mercadorias, no caso de inventário permanente. Exemplo: A empresa Quer Comprar Ltda adquire 1000 itens de determinada mercadoria para revenda por $ ,00, à vista, com alíquotas de 20% de ICMS, 2% de PIS e 8% da COFINS. Ao receber a mercadoria, verifica que 100 itens estão fora das especificações acordadas. Para que não fossem devolvidas as mercadorias, o vendedor concedeu um abatimento de $ 5.000,00 prontamente aceito pelo comprador. Vejamos como se processa a contabilização para o comprador, desde a data de aquisição até o desconto 1.1 Aquisição da Mercadoria Nota Fiscal de Aquisição da Mercadoria 1000 Itens x $ 100,00 $ ,00 9

10 ICMS (20% x $ ,00) $20.000,00 $ ,00 Memória de Cálculo: $ Valor da compra ,00 ICMS s/ compra (20%x $ ,00) incluído no preço ,00 PIS s/ compra (2% x $ ,00) incluído no preço 2.000,00 COFINS s/ compra (8% x $ ,00) incluído no preço 8.000,00 Valor total da nota ,00 Valor líquido da mercadoria ,00 Lançamento contábil Diversos a Caixa Estoque de Mercadorias/Compras $ ,00 ICMS a Recuperar $ ,00 PIS a Recuperar $2.000,00 COFINS a Recuperar $ 8.000,00 $ ,00 Quando da concessão do abatimento ($ 5.000,00) Caixa a Estoque de Mercadorias/Abatimentos Sobre Compras $ 5.000,00 Obs.: Verifica-se que não houve qualquer ajuste sobre o valor dos impostos incidentes na operação, em virtude de ter sido um fato posterior à emissão da Nota Fiscal e que não resultou em devolução de mercadorias.nesta situação, não existe previsão nas diversas legislações tributárias de se abater este valor do abatimento das bases de cálculo dos impostos e das contribuições ABATIMENTO SOBRE VENDAS Para o vendedor, o abatimento concedido reduz o seu resultado e deverá ser registrado como uma conta de resultado, redutora da Receita Bruta de Vendas (ou similar), para apuração da Receita Líquida de Vendas. O exemplo do item será agora contabilizado pela ótica do vendedor. 1 Na operação de venda a) Caixa a Receita Bruta de Vendas $ ,00 10

11 b) Diversos a Diversos ICMS Sobre Vendas $20.000,00 PIS Sobre Vendas $2.000,00 COFINS Sobre Vendas $8.000,00 $30.000,00 a ICMS a Recolher $ ,00 a PIS a Recolher $ 2.000,00 a COFINS a Recolher $ 8.000,00 $ ,00 2 No momento da concessão do abatimento a) Abatimentos Sobre Vendas a Caixa $ 5.000, DESCONTOS INCONDICIONAIS ou COMERCIAIS Os DESCONTOS INCONDICIONAIS são aqueles concedidos na fiscal ou fatura de serviços e que independem das condições de pagamento, ou seja, independem de evento posterior à emissão do documento. São normalmente concedidos em virtude do volume de vendas, da qualidade do comprador, para lançamento de novos produtos, etc. Os Tributos Sobre Vendas são calculados após a dedução dos descontos incondicionais concedidos, exceto no caso do IPI, em que é calculado sobre o valor bruto da operação, em virtude da legislação de regência (Regulamento do IPI RIPI artigo 118, 3º) DESCONTO INCONDICIONAL OBTIDO O lançamento contábil do Desconto Incondicional Obtido, regra geral não é contabilizado no comprador. A mercadoria é registrada pelo valor líquido negociado, ou seja, já reduzido do desconto obtido. Nada impede, todavia, que a empresa, se assim o desejar, contabilize o desconto através de uma conta retificadora da conta Compras, que pode ser denominada DESCONTO COMERCIAL OBTIDO (ou similar). Exemplo. A empresa Quer Comprar Comercial adquire 500 unidades de um produto diretamente da empresa que o fabricou, pelo preço unitário de tabela, que é de $ 1.000,00 mais o IPI a alíquota de 30%. Como o comprador é um cliente habitual, que não atrasa no pagamento, o vendedor concede um desconto de 20% no ato da venda. Sobre a operação incide, ainda, ICMS a 20%, PIS a 2% e COFINS a 8%. A operação é contratada à vista. 1.1 Aquisição da Mercadoria Nota Fiscal de Aquisição da Mercadoria 500 Itens x $ 1.000,00 $ ,00 11

12 Desconto (20% x $ ,00) IPI 30% x $ ,00 $( ,00) $ ,00 ICMS (20% x $ ,00) $ , ,00 Memória de Cálculo: $ Valor da compra ,00 Desconto Incondicional (20% x $ ,00) ( ,00) IPI s/ compra (30% x $ ,00) cobrado destacadamente ,00 ICMS s/ compra (20% x $ ,00) incluído no preço ,00 PIS s/ compra (2% x $ ,00) incluído no preço ,00 COFINS s/ compra (8% x ,00) incluído no preço ,00 Valor total da nota ,00 Valor líquido da mercadoria ,00 Obs. Como neste exemplo o IPI não é recuperável, porém o produto é destinado a comercialização pelo adquirente, seu valor não entra na base de cálculo do ICMS (artigo 155, 2º, inciso XI da Constituição Federal). Porém, integra a base de cálculo do PIS e da COFINS, conforme já comentado anteriormente. Lançamento contábil Diversos a Caixa Mercadorias $ ,00 ICMS a Recuperar $ ,00 PIS a Recuperar $ ,00 COFINS a Recuperar $ ,00 $ ,00 Obs.: Pode-se notar que os DECONTOS COMERCIAIS OBTIDOS não foram contabilizados pelo comprador, sendo esta a forma mais usual de contabilização DESCONTO INCONDICIONAL CONCEDIDO Na empresa vendedora, os DESCONTOS COMERCIAIS CONCEDIDOS devem ser contabilizados em conta apropriada de resultado, redutora da Receita Bruta de Vendas para apuração da Receita Líquida de Vendas. Utilizando-se do exemplo do item , a contabilização no vendedor seria a seguinte. 1.1 Venda da Mercadoria 12

13 Nota Fiscal de Venda da Mercadoria 500 Itens x $ 1.000,00 Desconto (20% x $ ,00) IPI 30% x $ ,00 $ ,00 $( ,00) $ ,00 ICMS (20% x $ ,00) $ , ,00 Memória de Cálculo: $ Valor da venda ,00 Desconto Incondicional (20% x $ ,00) ( ,00) IPI s/ venda (30% x $ ,00) cobrado destacadamente ,00 ICMS s/ venda (20% x $ ,00) incluído no preço ,00 PIS s/ venda (2% x $ ,00) incluído no preço 8.000,00 COFINS s/ venda (8% x $ ,00) incluído no preço ,00 Valor total da nota ,00 Obs. Como o IPI não é recuperável neste exemplo, porém o produto é destinado a comercialização, seu valor não entra na base de cálculo do ICMS (artigo 155, 2º, inciso XI da Constituição Federal). Também não integra a base de cálculo (no vendedor) do PIS e da COFINS a) Diversos a Faturamento Bruto Caixa $ ,00 Descontos Incondicionais Concedidos $ ,00 $ ,00 b) IPI Sobre Vendas a IPI a REcolher $ ,00,00 c) Diversos a Diversos ICMS Sobre Vendas $ ,00 PIS Sobre Vendas $ 8.000,00 COFINS Sobre Vendas $ ,00 $ ,00 a ICMS a Recolher $ ,00 a PIS a Recolher $ 8.000,00 a COFINS a Recolher $ ,00 $ ,00 13

14 Obs.: É importante observar que o valor do PIS e da COFINS para o vendedor é diferente do valor para o comprador. Este fato decorre da legislação que rege estas contribuições e que já citamos anteriormente. Na Demonstração do Resultado do Exercício, estas informações apareceriam da seguinte forma: Faturamento Bruto ,00 IPI Sobre Vendas ( ,00) Receita Bruta de Vendas ,00 Descontos Incondicionais Concedidos ( ,00) ICMS Sobre Vendas (80.000,00) PIS Sobre Vendas (8.000,00) COFINS Sobre Vendas (32.000,00) Receita Líquida de Vendas , DESCONTOS CONDICIONAIS ou FINANCEIROS Os DESCONTOS CONDICIONAIS ou FINANCEIROS são aqueles que dependem do implemento de uma condição futura e incerta. Como exemplo podemos citar uma venda a prazo, em que o vendedor estabelece uma cláusula de que o pagamento deverá ser realizado em 30 dias, porém, se efetuado em até 10 dias, será concedido um desconto de 10%. Por que o evento é incerto? Porque depende do comprado pagar em até 10 dias, o que só saberemos quando o prazo vencer. Para o adquirente representa um ganho pela diminuição antecipada de uma obrigação assumida, no caso das operações a prazo. Significam, portanto uma RECEITA considerada FINANCEIRA. No caso da concedente, representa uma DESPESA FINANCEIRA, normalmente concedida para estimular o devedor a antecipar o pagamento de suas obrigações, gerando um ingresso antecipado de recursos para a empresa. Sendo despesa ou receita financeira, não afetam o resultado com mercadorias, influenciando apenas na apuração do RESULTADO OPERACIONAL DESCONTO CONDICIONAL OBTIDO Como o DESCONTO CONDICIONAL OBTIDO é considerado uma RECEITA FINANCEIRA, seu valor não afeta o valor dos tributos incidentes sobre vendas e conseqüentemente sobre os tributos recuperáveis. Exemplo. 14

15 A empresa Quer Comprar Ltda adquire 1000 itens de uma mercadoria, a prazo, pelo valor total de $ ,00, com incidência de ICMS a 20%, PIS a 2% e COFINS a 8%. O pagamento foi acordado para 90 dias, com uma cláusula que concede um desconto de 10% se o pagamento for efetuado em até 30 dias. Considerando que o comprador quita sua duplicata no trigésimo dia, a contabilização seria a seguinte: 1 Aquisição da Mercadoria Nota Fiscal de Aquisição da Mercadoria 1000 Unidades x $ 150,00 $ ,00 ICMS (20% x $ ,00) ,00 $ ,00 Memória de Cálculo: $ Valor da compra ,00 ICMS s/ compra (20% x $ ,00) incluído no preço ,00 PIS s/ compra (2% x $ ,00) incluído no preço 3.000,00 COFINS s/ compra (8% x $ ,00) incluído no preço ,00 Valor total da nota ,00 Valor líquido da mercadoria , Pela registro da aquisição das mercadorias Diversos a Fornecedores Mercadorias $ ,00 ICMS a Recuperar $ ,00 PIS a Recuperar $ 3.000,00 COFINS a Recuperar $ ,00 $ , Pela contabilização do pagamento de sua obrigação e reconhecimento do desconto obtido (receita financeira) Fornecedores a Diversos a Caixa $ ,00 a Descontos Financeiros Obtidos $ ,00 $ , DESCONTO CONDICIONAL CONCEDIDO 15

16 Conforme já comentado anteriormente, o DESCONTO CONDICIONAL CONCEDIDO é considerada uma DESPESA FINANCEIRA e, portanto, seu valor não afeta o valor dos tributos incidentes sobre vendas. Utilizando-se do exemplo do item , a contabilização deve ser efetuada pelo vendedor da seguinte forme: Pelo reconhecimento da receita de venda Cliente a Receita Bruta de Vendas $ , Pelo reconhecimento dos impostos e contribuições incidentes sobre vendas Diversos a Diversos ICMS Sobre Vendas $ ,00 PIS Sobre Vendas $ 3.000,00 COFINS Sobre Vendas $ ,00 $ ,00 a ICMS a Recolher $ ,00 A PIS a Recolher $ 3.000,00 A COFINS a Recolher $ ,00 $ , Pelo recebimento da duplicata com o desconto concedido (despesa financeira) Diversos a Clientes Caixa $ ,00 Descontos Financeiros Concedidos $ ,00 $ , RESULTADO COM MERCADORIAS Quando adquirimos mercadorias para revenda, inicialmente o seu custo de aquisição será registrado em uma conta de ATIVO, por representar um bem para a empresa, indicando o valor dos estoques disponíveis para venda. Ao efetuar-se a venda destas mercadorias registra-se o valor correspondente como uma Receita de Vendas (RBV), pelo valor da operação. Necessário, também, registrar o valor do Custo destas vendas, o Custo das Mercadorias Vendidas (CMV) para que se possa apurar o resultado obtido. O Lucro Bruto é a diferença entre o valor da Receita Líquida de Vendas (Receita Bruta menos deduções) e o Custo das Mercadorias Vendidas. Também pode ser chamado de Resultado com Mercadorias (RCM). 16

17 Ao vender Mercadorias, o preço de venda é certo. Porém, a empresa precisa apurar o preço de custo dessas mercadorias vendidas. Geralmente as empresas adquirem mercadorias de diversos fornecedores e por diferentes preços. Como determinar que a mercadoria vendida veio deste ou daquele fornecedor? Quando a empresa é de pequeno porte, não podendo levantar o custo das mercadorias a cada venda, o CMV, então, é calculado apenas no final do período quando é feito um levantamento físico (INVENTÁRIO) das mercadorias em estoque. O inventário, nesse caso, é denominado INVENTÁRIO PERIÓDICO e a apuração do Lucro Bruto pode ser feita de duas formas: a) Através da utilização da CONTA MISTA MERCADORIAS, ou b) Através da utilização da CONTA MERCADORIAS COM FUNÇÃO DESDOBRADA Já empresas maiores e mais organizadas procuram controlar os custos de cada venda, mantendo uma ficha de estoque para cada mercadoria, na qual são anotados as entradas e seu respectivo preço e as saídas, com seu custo determinado por um dos três métodos seguintes: a) PEPS (Primeiro que Entra. Primeiro que Sai) b) UEPS (Último que Entra. Primeiro que Sai) c) PMPM (Preço Médio Ponderado Móvel) Neste caso, trata-se do INVENTÁRIO PERMANENTE INVENTÁRIO PERIÓDICO Ocorre quando os estoques existentes são avaliados na data do balanço, através de contagem física. Neste caso a empresa não controla seus estoques, não consegue determinar a quantidade disponível para vendas. Só o consegue quando efetua a contagem física, de períodos em períodos. O estoque, assim avaliado, é denominado ESTOQUE FINAL. O preço utilizado para sua avaliação é o de CUSTO ou de mercado, dos dois o menor. Aqui será utilizado sempre o preço de custo UTILIZAÇÃO DA CONTA MISTA MERCADORIAS Nesta forma de apuração, todas as operações envolvendo mercadorias, ocorridas durante o período, estão concentradas numa só conta, no Livro Razão ou Razonete. Esta conta é denominada mista, pois mescla, em seu interior contas PATRIMONIAIS e de RESULTADO. Assim, no final do período, a DÉBITO da conta MERCADORIAS encontra-se registrado o valor do ESTOQUE INICIAL, as COMPRAS e as DEVOLUÇÕES DE VENDAS, além dos ABATIMENTOS SOBRE VENDAS e dos DESCONTOS COMERCIAIS CONCEDIDOS. No CRÉDITO, estão registrados os 17

18 valores correspondentes às VENDAS e às DEVOLUÇÕES DE COMPRAS, além dos ABATIMENTOS SOBRE COMPRAS 1. Para se apurar o resultado, é preciso inicialmente conhecer o saldo da conta MERCADORIAS e, em seguida, efetuar o levantamento das mercadorias existentes em estoque no último dia do período, ou seja, o ESTOQUE FINAL. Ficaremos, então, diante de dois valores: Saldo da conta MERCADORIAS (que poderá ser DEVEDOR ou CREDOR, uma vez que é uma conta MISTA e recebe valores tanto de contas PATRIMONIAIS como valores de contas de RESULTADO); Valor do ESTOQUE FINAL. A partir desses dois valores, pode-se proceder de duas formas para apurar o RESULTADO COM MERCADORIAS. Na primeira utiliza-se a CONTA MISTA MERCADORIAS como CONTA PATRIMONIAL devendo refletir o valor do estoque de mercadorias, e devemos assim proceder: 1. Transferir o saldo da conta MERCADORIAS para a conta RESULTADO COM MERCADORIAS; 2. Registrar o valor do ESTOQUE FINAL a DÉBITO da conta MERCADORIAS e a CRÉDITO DA CONTA resultado com mercadorias; 3. Apurar no razonete o saldo da conta RESULTADO COM MERCADORIAS, sendo DEVEDOR será igual a PREJUÍZO SOBRE VENDAS; sendo CREDOR, será igual a LUCRO SOBRE VENDAS ou LUCRO BRUTO. Na segunda forma utiliza-se a CONTA MISTA MERCADORIAS como conta de RESULTADO, indicando o valor do RESULTADO COM MERCADORIAS, devendo o valor do estoque final ser refletido em uma outra conta, que podemos denominar ESTOQUE DE MERCADORIAS. Exemplo: Dado o valor do ESTOQUE INICIAL de $ 500,00, contabilize o valor das COMPRAS ($2.500,00) e das VENDAS ($2.500,00), ambas as operações a prazo. Sabendo-se que o ESTOQUE FINAL importou em $1.200,00, calcule o RESULTADO COM MERCADORIAS utilizando-se a CONTA MISTA MERCADORIAS. REGISTROS NO LIVRO DIÁRIO 1. Transferência do ESTOQUE INICIAL para CONTA MISTA MERCADORIAS CONTA MISTA MERCADORIAS a ESTOQUE DE MERCADORIAS (EI) $ 500,00 1 Note que os Descontos Comerciais Obtidos não foram lançados a crédito da conta mista de mercadorias, pois eles não são usualmente contabilizados pelo adquirente, conforme já observado anteriormente 18

19 2. Compras a prazo CONTA MISTA MERCADORIAS a FORNECEDORES $ 2.500,00 3. Vendas a prazo DUPLICATAS A RECEBER a CONTA MISTA MERCADORIAS $2.500,00 Para apurar o RESULTADO COM MERCADORIAS, podemos proceder de duas formas, conforme relatado anteriormente. Faremos o lançamento n 4 duas vezes, uma para cada tipo de procedimento: === FUNÇÃO RESULTADO === 4. Registro do ESTOQUE FINAL inventariado, utilizando a CONTA MISTA MERCADORIAS como conta de RESULTADO. ESTOQUE DE MERCADORIAS a CONTA MISTA MERCADORIAS $ 1.200,00 OU === FUNÇÃO PATRIMONIAL === 4. Transferência do saldo da CONTA MISTA MERCADORIAS para a conta RESULTADO COM MERCADORIAS RESULTADO COM MERCADORIAS a CONTA MISTA MERCADORIAS $ 500,00 5. Registro do ESTOQUE FINAL de mercadorias na CONTA MISTA MERCADORIAS, refletindo o valor do estoque inventariado. CONTA MISTA MERCADORIAS a RESULTADO COM MERCADORIAS $ 1.200, UTILIZAÇÃO DA CONTA DE MERCADORIAS COM FUNÇÃO DESDOBRADA O lançamento, nessa hipótese, deverá ser efetuado na conta que melhor representar o fato ocorrido, assim, pode-se ter as seguintes contas: 19

20 Mercadorias em Estoque Compras Vendas Resultado com Mercadorias RCM Custo das Mercadorias Vendidas CMV Caso haja fatos que modifiquem compras e vendas, haverá também lançamentos nas seguintes contas: Devolução de Compras Abatimentos sobre Compras Descontos Incondicionais Concedidos Devoluções de Vendas Abatimento sobre Vendas Durante o período-base, a conta de MERCADORIAS EM ESTOQUE representará o ESTOQUE INICIAL, pois as mercadorias adquiridas durante o período, neste caso, foram contabilizadas na conta de COMPRAS. CMV. No final do período-base, o ESTOQUE INICIAL será encerrado a DÉBITO do Para apurar o RESULTADO COM MERCADORIAS, podemos utilizar as seguintes fórmulas: RCM = V CMV CMV = EI + C EF RCM = RESULTADO COM MERCADORIAS V = VENDAS CMV = CUSTO DAS MERCADORIAS VENDIDAS EI = ESTOQUE INCIAL C = COMPRAS EF = ESTOQUE FINAL Obs.: No caso de ocorrerem eventos que afetem as compras e as vendas, como devoluções e descontos, estes devem ser diminuídos do seu grupo de contas INVENTÁRIO PERMANENTE 20

1. INVENTÁRIOS 1.2 INVENTÁRIO PERIÓDICO. AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Corrêa. 1..

1. INVENTÁRIOS 1.2 INVENTÁRIO PERIÓDICO. AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Corrêa. 1.. 1. INVENTÁRIOS 1..1 Periódico Ocorre quando os estoques existentes são avaliados na data de encerramento do balanço, através da contagem física. Optando pelo inventário periódico, a contabilização das

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM CONTABILIDADE CONTABILIDADE SOCIETÁRIA

CURSO TÉCNICO EM CONTABILIDADE CONTABILIDADE SOCIETÁRIA 1 CURSO TÉCNICO EM CONTABILIDADE CONTABILIDADE SOCIETÁRIA Prof. Carmem Haab Lutte Cavalcante 2012 2 CONTABILIDADE SOCIETARIA 2 3 1 CONTABILIDADE Conceito de contabilidade, campo de atuação, usuários, objetivos

Leia mais

13. Operações com mercadoria

13. Operações com mercadoria MATERIAL DE APOIO - ENVIADO PELO PROFESSOR 13. Operações com mercadoria Na comercialização de mercadoria (principal objeto de empresa comercial) existirão os tributos; entre eles o ICMS que será estudado

Leia mais

CURSOS ON-LINE CONTABILIDADE EM EXERCÍCIOS PROFESSOR ANTÔNIO CÉSAR

CURSOS ON-LINE CONTABILIDADE EM EXERCÍCIOS PROFESSOR ANTÔNIO CÉSAR AULA:2 OPERAÇÕES COM MERCADORIAS Nesta aula vamos tratar das OPERAÇÕES COM MERCADORIAS. Tendo em vista a relevância deste assunto, vou dividi-lo em duas etapas. Nesta Aula 2, vamos trabalhar com as operações

Leia mais

2.2 Resultado com mercadorias 2.3 Impostos que afetam as mercadorias 2.4 Critérios de avaliação do estoque

2.2 Resultado com mercadorias 2.3 Impostos que afetam as mercadorias 2.4 Critérios de avaliação do estoque Disciplina: Contabilidade Comercial I Período: 2º Tipo: I Professor: Evaldo Modesto de Ávila Curso: Ciências Contábeis Assunto: Texto Semestre: 2º Nome: Nº: Apostila : Turma: ÚNICA Turno: NOITE Data: 002

Leia mais

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I).

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I). Comentários à nova legislação do P IS/ Cofins Ricardo J. Ferreira w w w.editoraferreira.com.br O PIS e a Cofins talvez tenham sido os tributos que mais sofreram modificações legislativas nos últimos 5

Leia mais

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente,

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente, Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Exercícios de Contabilidade Professora Niuza Adriane da Silva 1º A empresa XYZ adquire mercadorias para revenda, com promessa de pagamento em 3 parcelas iguais, sendo

Leia mais

CURSOS ON-LINE CONTABILIDADE EM EXERCÍCIOS ESAF PROFESSOR ANTONIO CÉSAR

CURSOS ON-LINE CONTABILIDADE EM EXERCÍCIOS ESAF PROFESSOR ANTONIO CÉSAR Amigos concursandos, É provável que alguns de vocês não me conheçam, pois normalmente não escrevo em sites. A pedido de meu amigo Vicente, resolvi participar deste projeto que acho muito interessante,

Leia mais

AULA 9 - OPERAÇÕES COM MERCADORIAS

AULA 9 - OPERAÇÕES COM MERCADORIAS AS EMPRESAS COMERCIAIS SÃO AQUELAS CUJO OBJETO SOCIAL É A COMPRA E A REVENDA DE COM OBJETIVO DE LUCRO. O LUCRO OU PREJUÍZO OBTIDO NESSAS OPERAÇÕES É DENOMINADO RESULTADO COM. 21/11/2009 PROF. PAULO VICECONTI

Leia mais

LEITURA COMPLEMENTAR UNIDADE II

LEITURA COMPLEMENTAR UNIDADE II LEITURA COMPLEMENTAR UNIDADE II A leitura complementar tem como objetivo reforçar os conteúdos estudados e esclarecer alguns assuntos que facilitem a compreensão e auxiliem na elaboração da atividade.

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL I

CONTABILIDADE GERAL I CONTABILIDADE GERAL I Operações com Mercadorias Prof. Martin Airton Wissmann P r o f. M a r t i n A i r t o n W i s s m a n n Página 1 SUMÁRIO 1. CONTABILIDADE GERAL I OPERAÇÕES COM MERCADORIAS... 3 1.1

Leia mais

http://www.itcnet.com.br/materias/printable.php

http://www.itcnet.com.br/materias/printable.php Página 1 de 5 1 de Setembro, 2011 Impresso por ANDERSON JACKSON TOASSI DEVOLUÇÃO DE MERCADORIAS COMPRADAS NAS OPERAÇÕES COMERCIAIS 1 - Introdução Nas relações comerciais as operações de devolução e retorno

Leia mais

CAPÍTULO 5 DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS - DLPA LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS

CAPÍTULO 5 DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS - DLPA LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO CAPÍTULOS 5,6,7 e 8 CAPÍTULO 5 DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS - DLPA LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS DESTINAÇÕES 1. Ajustes (-) Exerc. Anteriores 2. Transf. P/

Leia mais

Contabilidade Comercial

Contabilidade Comercial Contabilidade Comercial Professor conteudista: Hildebrando Oliveira Revisora: Divane A. Silva Sumário Contabilidade Comercial Unidade I 1 OPERAÇÕES COM MERCADORIAS...1 2 RESULTADO BRUTO COM MERCADORIAS

Leia mais

DEVOLUÇÃO DE VENDAS DOS PERÍODOS ATUAL E ANTERIOR

DEVOLUÇÃO DE VENDAS DOS PERÍODOS ATUAL E ANTERIOR DEVOLUÇÃO DE VENDAS - DOS PERÍODOS ATUAL E ANTERIOR 745 DEVOLUÇÃO DE VENDAS DOS PERÍODOS ATUAL E ANTERIOR 1 - DEFINIÇÕES: (*) por Silvério das Neves 1.1 - RECEITA BRUTA A receita bruta das vendas e serviços

Leia mais

Teoria e Exercícios Parte 03

Teoria e Exercícios Parte 03 PF Turmas Todas Teoria e Exercícios Parte 03 Prof. Anderson Data de impressão: 08/04/11 ELABORAÇÃO E PRODUÇÃO: UMA PARCERIA Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.BR/CURITIBA MATERIAL

Leia mais

Unidade II CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA. Profa. Divane Silva

Unidade II CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA. Profa. Divane Silva Unidade II CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA Profa. Divane Silva Contabilidade tributária A disciplina está dividida em 02 Unidades: Unidade I 1. Introdução 2. Impostos Incidentes sobre o Valor Agregado 3. Impostos

Leia mais

BANCO DE QUESTÕES - CONTABILIDADE DE CUSTOS PARTE I (25 QUESTÕES) PESQUISA: EXAME DE SUFICIÊNCIA ENADE -

BANCO DE QUESTÕES - CONTABILIDADE DE CUSTOS PARTE I (25 QUESTÕES) PESQUISA: EXAME DE SUFICIÊNCIA ENADE - BANCO DE QUESTÕES - CONTABILIDADE DE CUSTOS PARTE I (25 QUESTÕES) PESQUISA: EXAME DE SUFICIÊNCIA ENADE - 1. Uma empresa produziu, no mesmo período, 100 unidades de um produto A, 200 unidades de um produto

Leia mais

CONTABILIDADE BÁSICA Aula: Operações com Mercadorias

CONTABILIDADE BÁSICA Aula: Operações com Mercadorias CONTABILIDADE BÁSICA Aula: Operações com Mercadorias Professora M. Sc. (Mestre) Crísley do Carmo Dalto Mestre em Ciências Contábeis- Contabilidade Gerencial Especialista em Contabilidade Gerencial Resultado

Leia mais

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade. Aula: 04 Prof.: Adelino Corrêa DATA: 26/10/2008. 13. Operações com mercadoria

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade. Aula: 04 Prof.: Adelino Corrêa DATA: 26/10/2008. 13. Operações com mercadoria 13. Operações com mercadoria Na comercialização de mercadoria (principal objeto de empresa comercial) existirão os tributos; entre eles o ICMS que será estudado na compra e venda da mercadoria. Impostos

Leia mais

No prazo de 11 (onze) meses, no caso de aquisições ocorridas em agosto de 2011;

No prazo de 11 (onze) meses, no caso de aquisições ocorridas em agosto de 2011; Créditos sobre ativo imobilizado novas regras: A MP 540 artigo 4, de 2 de agosto de 2011 introduz novas regras para a tomada de crédito sobre itens do ativo imobilizado, conforme destacamos a seguir: O

Leia mais

Unidade III CONTABILIDADE COMERCIAL. Profa. Divane Silva

Unidade III CONTABILIDADE COMERCIAL. Profa. Divane Silva Unidade III CONTABILIDADE COMERCIAL Profa. Divane Silva A disciplina está dividida em 04 Unidades: Unidade I 1. Operações com Mercadorias 2. Resultado Bruto com Mercadorias (RCM) 3. Custo das Mercadorias

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

OPERAÇÕES COM MERCADORIAS: INVENTÁRIO PERMANENTE INTRODUÇÃO

OPERAÇÕES COM MERCADORIAS: INVENTÁRIO PERMANENTE INTRODUÇÃO OPERAÇÕES COM MERCADORIAS: INVENTÁRIO PERMANENTE INTRODUÇÃO Se tiver dúvidas sobre um dos assuntos estudados até aqui, procure o professor, o colega, qualquer contador que conheça, Não fique pra trás!!!!

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

TIRANDO DÚVIDAS E SOLUCIONANDO PROBLEMAS

TIRANDO DÚVIDAS E SOLUCIONANDO PROBLEMAS CONTABILIZAÇÃO DO PIS E DA COFINS 729 TIRANDO DÚVIDAS E SOLUCIONANDO PROBLEMAS Plantão Tributário Fisco e Contribuinte (*) por Silvério das Neves CONTABILIZAÇÃO DAS CONTRIBUIÇÕES NÃO-CUMULATIVAS AO PIS

Leia mais

1 Regime de Inventário Permanente

1 Regime de Inventário Permanente 1 Regime de Inventário Permanente... 1 1.1 Primeiro que entra primeiro que sai (PEPS FIFO)... 5 1.2 Média ponderada móvel (Média)... 6 1.3 Último que entra último que sai (UEPS LIFO)... 9 1 Regime de Inventário

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Nas questões de 31 a 60, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a folha de respostas, único documento válido para a correção das

Leia mais

WWW.aplicms.com.br Aula de Apuração do Resultado (ARE) Prof. Pedro A. Silva (67) 3382-9772

WWW.aplicms.com.br Aula de Apuração do Resultado (ARE) Prof. Pedro A. Silva (67) 3382-9772 WWW.aplicms.com.br Aula de Apuração do Resultado (ARE) Prof. Pedro A. Silva (67) 3382-9772 Receitas x Despesas Podemos conceituar receitas como todos os recursos, em princípio, provenientes da venda de

Leia mais

Professor Gabriel Rabelo Contabilidade 03. Simulado de Contabilidade para o ISS RJ!

Professor Gabriel Rabelo Contabilidade 03. Simulado de Contabilidade para o ISS RJ! Professor Gabriel Rabelo Contabilidade 03 Simulado de Contabilidade para o ISS RJ! Olá colegas! Realizaremos hoje um pequeno simulado para o concurso do ISS RJ. Lembrando que quaisquer dúvidas podem ser

Leia mais

Devolução de mercadoria vendida - Contabilização - Roteiro de Procedimentos

Devolução de mercadoria vendida - Contabilização - Roteiro de Procedimentos Devolução de mercadoria vendida - Contabilização - Roteiro de Procedimentos Neste Roteiro trataremos sobre a contabilização das mercadorias recebidas em devolução. O texto encontra-se atualizado à Resolução

Leia mais

Cada prova possuirá 20 (vinte) questões objetivas e 1 (uma) questão discursiva. A prova terá duração de 2 (duas) horas, com início às 9h.

Cada prova possuirá 20 (vinte) questões objetivas e 1 (uma) questão discursiva. A prova terá duração de 2 (duas) horas, com início às 9h. O Exame de Suficiência em Contabilidade aplicado aos alunos ingressantes nos cursos de pós graduação lato sensu da FECAP, abaixo listados, é requisito para a obtenção do certificado de conclusão de curso

Leia mais

Contabilidade Geral Correção da Prova APO 2010 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL

Contabilidade Geral Correção da Prova APO 2010 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL CONTABILIDADE GERAL 61- De acordo com a 750/93, do Conselho Federal de Contabilidade, foram aprovados os seguintes Princípios Fundamentais de Contabilidade: da Competência; da Prudência; do Denominador

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS/GERENCIAL PARA CONTÁBEIS/ADMINISTRAÇÃO REVISÃO: CUSTO DE MERCADORIAS E PRODUTOS VENDIDOS.

CONTABILIDADE DE CUSTOS/GERENCIAL PARA CONTÁBEIS/ADMINISTRAÇÃO REVISÃO: CUSTO DE MERCADORIAS E PRODUTOS VENDIDOS. CONTABILIDADE DE CUSTOS/GERENCIAL PARA CONTÁBEIS/ADMINISTRAÇÃO REVISÃO: CUSTO DE MERCADORIAS E PRODUTOS VENDIDOS. AVALIAÇÃO DE ESTOQUES Matérias-Primas e Mercadorias 1. CUSTO DE AQUISIÇÃO DE MERCADORIAS

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL. Adquira esta e outras aulas em www.acheiconcursos.com.br CONCURSO PÚBLICO PARA TÉCNICO DA RECEITA FEDERAL

CONTABILIDADE GERAL. Adquira esta e outras aulas em www.acheiconcursos.com.br CONCURSO PÚBLICO PARA TÉCNICO DA RECEITA FEDERAL CONTABILIDADE GERAL Adquira esta e outras aulas em www.acheiconcursos.com.br AULA Nº 1: Resolução da prova de Contabilidade Geral do TRF-2000 CONTABILIDADE GERAL CONCURSO PÚBLICO PARA TÉCNICO DA RECEITA

Leia mais

Durante o mês de dezembro a Companhia efetuou as seguintes transações:

Durante o mês de dezembro a Companhia efetuou as seguintes transações: Durante o mês de dezembro a Companhia efetuou as seguintes transações: 1) Antecipação do pagamento de uma duplicata de $ 140.000 a um de seus fornecedores, com 2% de desconto. i 2) Efetuou os seguintes

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP 5º CCN 2012.1 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP 5º CCN 2012.1 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO O artigo 187 da Lei nº 6.404, de 15 de dezembro de 1976 (Lei das Sociedades por Ações), instituiu a Demonstração do Resultado do Exercício. A Demonstração do Resultado

Leia mais

1 Apresentação do Problema

1 Apresentação do Problema 1 Apresentação do Problema... 1 2 Proposta de Solução Regra Didática... 2 3 Adaptação da Solução Proposta à Critérios Internacionais de Elaboração de Demonstrações Contábeis.... 4 1 Apresentação do Problema

Leia mais

FACAPE 2008.2 - CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 3.º PERÍODO PROF. WALDENIR S. F. BRITTO - CONTABIILIDADE BÁSICA

FACAPE 2008.2 - CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 3.º PERÍODO PROF. WALDENIR S. F. BRITTO - CONTABIILIDADE BÁSICA FACAPE 2008.2 - CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 3.º PERÍODO PROF. WALDENIR S. F. BRITTO - CONTABIILIDADE BÁSICA 1 - RESPONDA TODOS OS EXERCICIOS UTILIZANDO OS TRÊS MÉTODOS DE CONTROLE DO ESTOQUE INVENTARIO PERMANENTE.

Leia mais

2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais

2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais Conteúdo 1 Introdução... 1 2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais... 1 3 Questão 32 Natureza das contas... 3 4 Questão 33 Lançamentos - Operações de captação de recursos... 4 5 Questão

Leia mais

Vamos, então, à nossa aula de hoje! Demonstração de Fluxo de Caixa (2.ª parte) Método Indireto

Vamos, então, à nossa aula de hoje! Demonstração de Fluxo de Caixa (2.ª parte) Método Indireto Olá, pessoal! Aqui estou eu de novo, para continuar o assunto da aula passada: Fluxo de Caixa e Demonstração do Fluxo de Caixa. Assunto da maior importância, que está sendo cobrado nos atuais concursos

Leia mais

Contabilidade Parte II

Contabilidade Parte II Contabilidade Parte II Módulo I - Operações com mercadorias, preço e lucro adaptado por Sylvia Culhari Lucro pelo inventário periódico Apurar o lucro utilizando-se do inventário periódico, ou seja: Sendo:

Leia mais

4 Fatos Contábeis que Afetam a Situação Líquida: Receitas, Custos, Despesas, Encargos, Perdas e Provisões, 66

4 Fatos Contábeis que Afetam a Situação Líquida: Receitas, Custos, Despesas, Encargos, Perdas e Provisões, 66 Apresentação Parte I - CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE CONTABILIDADE, 1 1 Introdução ao Estudo da Ciência Contábil, 3 1 Conceito, 3 2 Objeto, 3 3 Finalidade, 4 4 Técnicas contábeis, 4 5 Campo de aplicação, 5

Leia mais

Fundamentos da NF-e Exercícios Práticos. Luiz Campos

Fundamentos da NF-e Exercícios Práticos. Luiz Campos Fundamentos da NF-e Exercícios Práticos Luiz Campos 1 Livro de Apuração do IPI - CFOP CFOP DESCRIÇÃO 1.000 ENTRADAS OU AQUISIÇÕES DE SERVIÇOS DO ESTADO 1.100 COMPRAS PARA INDUSTRIALIZAÇÃO, PRODUÇÃO RURAL,

Leia mais

AULA 10 - PIS E COFINS

AULA 10 - PIS E COFINS AULA 10 - PIS E COFINS O PIS É A CONTRIBUIÇÃO PARA O PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO SOCIAL. A COFINS ÉA CONTRIBUIÇÃO PARA O FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL. FATO DO PIS E DA COFINS SÃO OS MESMOS: a)a RECEITA

Leia mais

CADERNO DE QUESTÕES PROCESSO SELETIVO TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA (TRV) 2ª ETAPA EDITAL 02/2015-COPESE DATA: 08/02/2015. HORÁRIO: das 09 às 12 horas

CADERNO DE QUESTÕES PROCESSO SELETIVO TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA (TRV) 2ª ETAPA EDITAL 02/2015-COPESE DATA: 08/02/2015. HORÁRIO: das 09 às 12 horas Realização: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CADERNO DE QUESTÕES PROCESSO SELETIVO TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA (TRV) 2ª ETAPA EDITAL 02/2015-COPESE CURSO: BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS

Leia mais

Unidade IV CONTABILIDADE COMERCIAL. Profa. Divane Silva

Unidade IV CONTABILIDADE COMERCIAL. Profa. Divane Silva Unidade IV CONTABILIDADE COMERCIAL Profa. Divane Silva A disciplina está dividida em 04 Unidades: Unidade I 1. Operações com Mercadorias 2. Resultado Bruto com Mercadorias (RCM) 3. Custo das Mercadorias

Leia mais

Neste artigo comentarei 06 (seis) questões da ESAF, para que vocês, que estão estudando para a Receita Federal, façam uma rápida revisão!!

Neste artigo comentarei 06 (seis) questões da ESAF, para que vocês, que estão estudando para a Receita Federal, façam uma rápida revisão!! Olá concurseiros (as)! Neste artigo comentarei 06 (seis) questões da ESAF, para que vocês, que estão estudando para a Receita Federal, façam uma rápida revisão!! Vamos lá!!! 01. (ESAF Analista da Receita

Leia mais

Contabilidade Básica PRINCÍPIOS CONTÁBEIS E OPERAÇÕES COM MERCADORIAS. Prof. Me. Antonio Luiz Santos

Contabilidade Básica PRINCÍPIOS CONTÁBEIS E OPERAÇÕES COM MERCADORIAS. Prof. Me. Antonio Luiz Santos Contabilidade Básica PRINCÍPIOS CONTÁBEIS E OPERAÇÕES COM MERCADORIAS Contabilidade Básica Controle de Estoque Inventário Permanente: Nesse sistema, o custo das mercadorias vendidas é apurado no momento

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Soma do IPI ao total da NF

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Soma do IPI ao total da NF Soma do 13/12/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1. Base de cálculo... 4 3.2. Emissão da Nota Fiscal com IPI... 5

Leia mais

Contabilidade Geral Correção da Prova 2 Analista Técnico Controle e Fiscalização - Susep 2010 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL

Contabilidade Geral Correção da Prova 2 Analista Técnico Controle e Fiscalização - Susep 2010 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL CONTABILIDADE GERAL 1 - A legislação vigente sobre as sociedades anônimas estabelece o que deve ser computado na determinação do resultado do exercício. Diz a lei que devem ser incluídas as receitas e

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral

Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral Maratona Fiscal ISS Contabilidade geral 1. Em relação ao princípio contábil da Competência, é correto afirmar que (A) o reconhecimento de despesas deve ser efetuado quando houver o efetivo desembolso financeiro

Leia mais

Operações com Mercadorias Sem Impostos

Operações com Mercadorias Sem Impostos Contabilidade Empresarial Operações com Mercadorias Sem Impostos Profa. Vanda Aparecida Oliveira Dalfior Vanda.oliveira@pitagoras.com.br Curso de Ciências Contábeis - 2º. Período (2º. Semestre/2012) Operações

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.418/12 -MODELO CONTÁBIL SIMPLIFICADO PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ITG 1000

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.418/12 -MODELO CONTÁBIL SIMPLIFICADO PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ITG 1000 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.418/12 -MODELO CONTÁBIL SIMPLIFICADO PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ALCANCE 1.... estabelece critérios e procedimentos específicos a serem observados pelas entidades

Leia mais

CONTABILIDADE NA PRÁTICA, RÁPIDA E FÁCIL

CONTABILIDADE NA PRÁTICA, RÁPIDA E FÁCIL 1 CONTABILIDADE NA PRÁTICA, RÁPIDA E FÁCIL 2 SUMÁRIO CONTABILIDADE, INFORMAÇÃO CONTÁBIL...3 PATRIMÔNIO...3 METODOS DAS PARTIDAS DOBRADAS...7 BALANÇO PATRIMONIAL...7 FÓRUMULAS DE LANÇAMENTOS...7 RETIFICAÇÃO

Leia mais

Imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre a prestação de serviços de transportes interestadual e intermunicipal e de

Imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre a prestação de serviços de transportes interestadual e intermunicipal e de Imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre a prestação de serviços de transportes interestadual e intermunicipal e de comunicação - ICMS BASE CONSTITUCIONAL E LEGAL Artigo 155,

Leia mais

Contabilidade Básica Prof. Jackson Luis Oshiro joshiro@ibest.com.br Conceito Conta Nome dado aos componentes patrimoniais (bens, direitos, obrigações e Patrimônio Líquido) e aos elementos de resultado

Leia mais

BACEN Técnico 2010 Fundamentos de Contabilidade Resolução Comentada da Prova

BACEN Técnico 2010 Fundamentos de Contabilidade Resolução Comentada da Prova Conteúdo 1 Questões Propostas... 1 2 Comentários e Gabarito... 1 2.1 Questão 41 Depreciação/Amortização/Exaustão/Impairment... 1 2.2 Questão 42 fatos contábeis e regime de competência x caixa... 2 2.3

Leia mais

CONTABILIDADE COMERCIAL I PROFESSOR Salomão Dantas Soares APOSTILA 3 Operações Típicas de Empresas Comerciais : Contabilização de Impostos e Taxas

CONTABILIDADE COMERCIAL I PROFESSOR Salomão Dantas Soares APOSTILA 3 Operações Típicas de Empresas Comerciais : Contabilização de Impostos e Taxas CONTABILIDADE COMERCIAL I PROFESSOR Salomão Dantas Soares APOSTILA 3 Operações Típicas de Empresas Comerciais : Contabilização de Impostos e Taxas TURMA: PECC Você estudará, nesta unidade, os principais

Leia mais

Contabilidade Geral - Teoria e Exercícios Curso Regular Prof. Moraes Junior Aula 10 Demonstração do Fluxo de Caixa. Conteúdo

Contabilidade Geral - Teoria e Exercícios Curso Regular Prof. Moraes Junior Aula 10 Demonstração do Fluxo de Caixa. Conteúdo Aula 10 Demonstração do Fluxo de Caixa. Conteúdo 12. Demonstração do Fluxo de Caixa 2 12.1. Introdução 2 12.2. Conceitos Importantes 2 12.3. Atividades Operacionais 5 12.4. Atividades de Investimento 7

Leia mais

FICHA DE CONTROLE DE ESTOQUE CRITÉRIO PEPS ENTRADA SAÍDA SALDO DATA Quanti Valor Total. Total ade Unitário

FICHA DE CONTROLE DE ESTOQUE CRITÉRIO PEPS ENTRADA SAÍDA SALDO DATA Quanti Valor Total. Total ade Unitário CURSO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS DISCIPLINA: CONTABILIDADE GERAL PROFESSOR: JÚLIO CÉSAR PEREIRA MARTINS 1. AVALIAÇÃO DE ESTOQUES 1.1 INVENTÁRIO PERMANENTE É um sistema de controle de estoque onde controlamos

Leia mais

Vamos à prova: Analista Administrativo ANEEL 2006 ESAF

Vamos à prova: Analista Administrativo ANEEL 2006 ESAF Pessoal, hoje trago a prova que a ESAF realizou recentemente para o concurso de Analista da ANEEL. A prova é interessante, pois houve várias questões mal formuladas, mas que não foram anuladas pela Banca.

Leia mais

1) Elabore os lançamentos contábeis em razonetes e em seguida elabore a DRE e o BP:

1) Elabore os lançamentos contábeis em razonetes e em seguida elabore a DRE e o BP: 1) Elabore os lançamentos contábeis em razonetes e em seguida elabore a DRE e o BP: a) Constituição de uma sociedade com capital totalmente integralizado de R$ 30.000 b) Compra à vista de mercadorias para

Leia mais

Dividendos a Receber A Ações de Controladas Cia B 100.000,00

Dividendos a Receber A Ações de Controladas Cia B 100.000,00 Bom dia, caros colegas! Mais uma vez é um enorme prazer conversar com vocês sobre contabilidade avançada. Desta vez trago as questões de contabilidade avançada do concurso de Auditor Fiscal de Tributos

Leia mais

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte TEORIA DA CONTABILIDADE 1. CONTA: Conta é o nome técnico que identifica cada componente patrimonial (bem, direito ou obrigação), bem como identifica um componente de resultado (receita ou despesas). As

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO - DVA

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO - DVA DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO - DVA Sumário 1. Considerações Iniciais 2. Estrutura da Demonstração do Valor Adicionado 2.1 - Grupo de Receita Bruta - Outras Receitas 2.2 - Grupo de Insumos Adquiridos

Leia mais

e) 50.000.000,00. a) 66.000.000,00. c) 0,00 (zero).

e) 50.000.000,00. a) 66.000.000,00. c) 0,00 (zero). 1. (SEFAZ-PI-2015) Uma empresa, sociedade de capital aberto, apurou lucro líquido de R$ 80.000.000,00 referente ao ano de 2013 e a seguinte distribuição foi realizada no final daquele ano: valor correspondente

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «21. A respeito das funções da Contabilidade, tem-se a administrativa e a econômica. Qual das alternativas abaixo apresenta uma função econômica? a) Evitar erros

Leia mais

Atividade de Contabilidade Gerencial

Atividade de Contabilidade Gerencial FAULAE E TENOLOGIA SENA GOIÁS ontabilidade Gerencial IV PERÍOO Gestão da Tecnologia da Informação Noturno Atividade de ontabilidade Gerencial Professora: Niuza Adriane da Silva Aluno: Thiago hagas astilho

Leia mais

Naquele artigo, de maneira elucidativa, como de costume, o Vale ministrou que:

Naquele artigo, de maneira elucidativa, como de costume, o Vale ministrou que: Olá, meus amigos. Como estão? Sejam bem-vindos ao Estratégia Concursos. Hoje, aproveitaremos o gancho do artigo postado pelo mestre Ricardo Vale (link a seguir), e falaremos sobre a incidência do IPI sobre

Leia mais

ICMS ANTECIPADO ESPECIAL - NÃO OPTANTES DO SIMPLES NACIONAL

ICMS ANTECIPADO ESPECIAL - NÃO OPTANTES DO SIMPLES NACIONAL ICMS ANTECIPADO ESPECIAL - NÃO OPTANTES DO SIMPLES NACIONAL PERGUNTAS E RESPOSTAS 1. Em que se constitui o ICMS ANTECIPADO ESPECIAL? R= Em valor correspondente à diferença entre a alíquota interna e a

Leia mais

Prof. Carlos Barretto

Prof. Carlos Barretto Unidade IV CONTABILIDADE FINANCEIRA Prof. Carlos Barretto Objetivos gerais Capacitar os estudantes a adquirir conhecimentos necessários para o desenvolvimento das seguintes competências: consciência ética

Leia mais

Contabilidade Empresarial e Comercial 27-08-2012 - ETEC GUARACY. Prof. Procópio 2º CONTAB Aula - 8

Contabilidade Empresarial e Comercial 27-08-2012 - ETEC GUARACY. Prof. Procópio 2º CONTAB Aula - 8 AULA 8 Sistema para Controle de Estoques o Inventário Periódico o Contabilização Fórmula do CMV/RCM Sistema para Controle de Estoques Devemos observar o método de avaliação escolhido, pois ele afetará

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE RESOLUÇÃO CFC N.º 1.418/12 Aprova a ITG 1000 Modelo Contábil para Microempresa e Empresa de Pequeno Porte. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais e com

Leia mais

RECEITAS E SUBVENÇÕES

RECEITAS E SUBVENÇÕES III CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO TRIBUTÁRIO ATUAL IBDT/AJUFE/FDUSP-DEF RECEITAS E SUBVENÇÕES CONCEITOS ANTES E DEPOIS DA LEI 12973 RICARDO MARIZ DE OLIVEIRA RECEITAS E INGRESSOS NEM TODO INGRESSO É

Leia mais

Fornecedores. Fornecedores de Serviços (passivo. circulante) Salários e ordenados a pagar. Pró-labore (resultado) Caixa

Fornecedores. Fornecedores de Serviços (passivo. circulante) Salários e ordenados a pagar. Pró-labore (resultado) Caixa V Pagamento de fornecedores Retenção de IRF sobre serviços Retenção de IRF sobre salários Pró-labore Integralização de capital em dinheiro Integralização de capital em bens Depreciação ICMS sobre vendas

Leia mais

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA TRIBUTOS CARGA TRIBUTÁRIA FLS. Nº 1 O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 1. - INTRODUÇÃO A fixação do preço de venda das mercadorias ou produtos é uma tarefa complexa, onde diversos fatores

Leia mais

EXERCÍCIOS DE AVALIAÇÃO

EXERCÍCIOS DE AVALIAÇÃO EXERCÍCIOS DE AVALIAÇÃO Planejamento Tributário Setembro de 2011 QUESTÃO 1 - RESPONDA AS QUESTÕES APRESENTADAS A SEGUIR: I - Cite algumas situações em que a pessoa jurídica estará obrigada à tributação

Leia mais

Contabilidade Financeira e Gerencial. Conceitos Básicos: bens, direitos e balanço patrimonial

Contabilidade Financeira e Gerencial. Conceitos Básicos: bens, direitos e balanço patrimonial Contabilidade Financeira e Gerencial Conceitos Básicos: bens, direitos e balanço patrimonial Demonstração de Resultados A DRE é a apresentação, em forma resumida, das operações realizadas pela empresa,

Leia mais

Contabilidade Geral - Teoria e Exercícios Curso Regular Prof. Moraes Junior Aula 5

Contabilidade Geral - Teoria e Exercícios Curso Regular Prof. Moraes Junior Aula 5 Aula 5 Provisões. Depreciação, Amortização e Exaustão. Conteúdo 6. Provisões; 2 6.1. Provisões em Geral 2 6.2. Provisões do Ativo 3 6.2.1. Provisão para Ajuste ao Valor de Mercado 4 6.2.1.1. Instrumentos

Leia mais

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS.

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. I. BALANÇO ATIVO 111 Clientes: duplicatas a receber provenientes das vendas a prazo da empresa no curso de suas operações

Leia mais

IMPOSTOS SOBRE VENDAS! ICMS, PIS/COFINS, ISS e IPI! O que fazer com a CPMF?! As alterações da legislação tributária no cálculo da COFINS ASSOCIADOS

IMPOSTOS SOBRE VENDAS! ICMS, PIS/COFINS, ISS e IPI! O que fazer com a CPMF?! As alterações da legislação tributária no cálculo da COFINS ASSOCIADOS UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 46 IMPOSTOS SOBRE VENDAS! ICMS, PIS/COFINS, ISS e IPI! O que fazer com a CPMF?! As alterações da legislação tributária no cálculo da COFINS Dr. João Inácio Correia (advcor@mandic.com.br)

Leia mais

DVA Demonstração do Valor Adicionado

DVA Demonstração do Valor Adicionado DVA Demonstração do Valor Adicionado A DVA foi inserida pela Lei nº 11.638/2007, (artigo 176, inciso V), no conjunto de demonstrações financeiras que as companhias abertas devem apresentar ao final de

Leia mais

Contabilidade Geral e Pública MPOG/2010

Contabilidade Geral e Pública MPOG/2010 Elias Cruz Toque de Mestre www.editoraferreira.com.br Curso de Contabilidade Básica com Prof Elias Cruz: maio/2010 (Manaus/AM); julho/2010 (Natal/RN);... Aguardem!!! Prova de (Prova elaborada pela ESAF

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com relação a conceitos, objetivos e finalidades da contabilidade, julgue os itens que se seguem. 51 Auxiliar um governo no processo de fiscalização tributária é uma das finalidades

Leia mais

Noções de comércio e entidades mercantis; constituição de empresas mercantis; forma jurídica, registro de empresas nos Órgãos Competentes;

Noções de comércio e entidades mercantis; constituição de empresas mercantis; forma jurídica, registro de empresas nos Órgãos Competentes; CONTABILIDADE II Conteúdo Programático Noções de comércio e entidades mercantis; constituição de empresas mercantis; forma jurídica, registro de empresas nos Órgãos Competentes; Operações Mercantis com

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos MP627 Alterações Fiscais sobre o Ajuste a Valor Presente

Parecer Consultoria Tributária Segmentos MP627 Alterações Fiscais sobre o Ajuste a Valor Presente 11/03/2014 Título do documento Sumário Sumário... 2 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas Pelo Cliente... 4 3. Análise da Legislação... 5 a. Ajuste a Valor Presente no Contas a Receber... 5 b. Ajuste

Leia mais

CONTABILIDADE COMERCIAL MÓDULO 15

CONTABILIDADE COMERCIAL MÓDULO 15 CONTABILIDADE COMERCIAL MÓDULO 15 Índice 1. Abatimentos e descontos comerciais...3 2 1. ABATIMENTOS E DESCONTOS COMERCIAIS Abatimentos Nos casos de Compras: São registrados, os abatimentos e descontos

Leia mais

AUDITORIA DE AVALIAÇÃO DE ESTOQUES

AUDITORIA DE AVALIAÇÃO DE ESTOQUES AUDITORIA DE AVALIAÇÃO DE ESTOQUES 1.0 - CONCEITO A auditoria de Avaliação de Estoques consiste na conferência e análise da avaliação monetária dos estoques de mercadorias destinadas à comercialização

Leia mais

Prezado(a) Concurseiro(a),

Prezado(a) Concurseiro(a), Prezado(a) Concurseiro(a), A prova do TCM/RJ foi realizada no último final de semana e vou aproveitar para resolver as questões de Contabilidade Geral de forma simplificada e objetiva (nos cursos online,

Leia mais

DICAS PARA EXAME DE SUFICIÊNCIA CUSTOS

DICAS PARA EXAME DE SUFICIÊNCIA CUSTOS 1 DICAS PARA EXAME DE SUFICIÊNCIA CUSTOS CUSTODIO ROCHA Você bem preparado para o futuro da 2profissão. 1 OBJETIVOS Identificação do Conteúdo de Custos Aplicado nas Provas de Suficiência Breve Revisão

Leia mais

- 45.000 Testes e exercícios. - 5.600 Provas de concursos anteriores. Por R$ 24,90

- 45.000 Testes e exercícios. - 5.600 Provas de concursos anteriores. Por R$ 24,90 CD-ROM APOSTILAS PARA CONCURSOS - 400 Apostilas específicas e genéricas. (PDF e Word) - 45.000 Testes e exercícios. - 5.600 Provas de concursos anteriores. Por R$ 24,90 Pague quando receber o CD-ROM! Saiba

Leia mais

Contabilidade Geral Questões da FCC

Contabilidade Geral Questões da FCC Olá pessoal!!! Contabilidade Geral Questões da FCC Abaixo seguem duas questões comentadas da FCC cobradas no concurso do TRF da 2ª e 3ª região, ambos para o cargo de Analista Contador. Bons estudos, Roberto

Leia mais

ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. Prof. Mário Leitão

ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. Prof. Mário Leitão ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Mário Leitão Estrutura das Demonstrações Financeiras A análise das demonstrações financeiras exige conhecimento do que representa cada conta que nela figura. Há

Leia mais

expert PDF Trial Estoques (Métodos de Avaliação do Estoque pelas Normas Contábeis e Fiscais)

expert PDF Trial Estoques (Métodos de Avaliação do Estoque pelas Normas Contábeis e Fiscais) Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400 - ramal 1529 (núcleo de relacionamento) Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva, 60 Higienópolis

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL AULA 03: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS TÓPICO 03: ORIGEM E EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA QUALIDADE A DRE tem por objetivo evidenciar a situação econômica de uma empresa,

Leia mais

O mecanismo de débito x crédito.

O mecanismo de débito x crédito. O mecanismo de débito x crédito. Represente os fatos abaixo, utilizando os balanços sucessivos. 1- Os sócios integralizaram capital social, no valor de R$ 1.000.000, em dinheiro. 2- Compra de veículos,

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CAPÍTULO 33 Este Capítulo é parte integrante do Livro Contabilidade Básica - Finalmente Você Vai Entender a Contabilidade. 33.1 CONCEITOS A demonstração dos fluxos de caixa evidencia as modificações ocorridas

Leia mais

WWW.CARREIRAFISCAL.COM.BR

WWW.CARREIRAFISCAL.COM.BR Classifique as contas que geralmente caem em concursos e, muitas vezes, geram dúvidas. Banco c/ Movimento Banco conta Empréstimo Empréstimos a Diretores ou Acionistas Numerários em Trânsito Adiantamento

Leia mais