Alergia a fármacos Manuel Branco Ferreira

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Alergia a fármacos Manuel Branco Ferreira - 2010"

Transcrição

1 Alergia a fármacos Manuel Branco Ferreira

2 ~ ~... e eu memo tomei este pao cõ suadoiros pera huma çiatica q tinha... ~ ~ ~ ~ ~ ~... e echeose ~ me ~ o corpo đ eresipiula: leiçeços pollo grade esquetameto q me fez no figado, e foime neçesario sangrarme, e beber aguoa como de cevada, e açucare Rofado, e por me ao ~ veto, e asi fui restetuido a Saude... GARCIA D ORTA- COLOQUIOS DOS SIMPLES GOA-1563

3 Reacção Adversa a Medicamentos (RAM) Definição (OMS) Reacção nociva, não pretendida, a um medicamento administrado na dose standard, por via adequada, com objectivo profiláctico, terapêutico ou diagnóstico.

4 Classificação das RAM TIPO A - Reacções frequentes (70-80% das RAM) e previsíveis ( Reacções dependendes dos efeitos intrínsecos do medicamento, podendo ocorrer em qualquer indivíduo ) Sobredosagem medicamentosa Efeitos secundários Interacção medicamentosa Tipo B Reacções raras e imprevísiveis ( Reacções que ocorrem apenas em alguns indivíduos -dependentes do hospedeiro-, aparentemente independente da dose, difíceis de reproduzir em animais, relativamente pouco frequentes ) Intolerância Hipersensibilidade alérgica (Alergia Medicamentosa) Hipersensibilidade não alérgica

5 Hipersensibilidade Medicamentosa ( sintomas e/ou sinais reprodutíveis na reexposição a uma dose tolerada pela maioria dos indivíduos ) Alergia Medicamentosa ( mecanismo imunológico ) Hipersensibilidade Medicamentosa não Alérgica ( mecanismo não imunológico ) Alergia Medicamentosa IgE mediada Alergia Medicamentosa Não IgE mediada Allergy 2001;56:813-24

6 Mecanismos Imunopatológicos Tipo I Tipo II Tipo III Tipo IV

7 Mecanismos Imunopatológicos Tipo I Hipersensibilidade imediata Anafilaxia Ig E mediada (penicilina, derivados de sangue, hormonas polipeptidos, vacinas) Urticária/angioedema Broncoespasmo Tipo II Citotoxidade mediada Ac/Compl. Citopenia (penicilina, quinidina, sulfas, metildopa) Vasculites Tipo III Reacções a complexos imunes Doença do soro Ig G e Ig M mediadas (penicilina, hidralazina, procainamida, isoniazida) Vasculite Tipo IV Reacções mediadas por linfócitos Dermatite (penicilina, sulfas, furadantina...) Hepatite

8 Incidência de RAM/Alérgicas RAM em doentes hospitalizados 9,5 % 10,9 % 15-30% 10-20% R. Alérgicas 2-3 % % das RAM que motiva internamento hospitalar 2,1 % 5,1 %

9 Reacções Alérgicas Graves/Fatais 1 / reacções alérgicas em internamento são fatais Menos freq em internados em unidades cirúrgicas Mais freq em internados em unidades médicas Mortalidade associada à reacção alérgica Choque anafiláctico Necrólise epidérmica tóxica (30%) S. Stevens-Johnson (5%) Vasculite (10%) Pustulose eritematosa grave

10 Incidência de anafilaxia peri-anestesia Ano Autor País Incidência Mort. % 1981 Fisher Austrália 1: , Hatton França 1: Fisher Austrália 1: Laxenaire França 1: / : 2,7/1 a 8/1

11 Anafilaxia Causas mais frequentes Nª de doentes % Fármacos Veneno de himenópteros Alimentos Exercício 10 9 Látex 9 9 Imunoterapia 1 1 Causa desconhecida 8 7 Antibióticos AINEs Contrastes Miorelaxantes (Anest Geral) Anest Locais Outros N= %

12 Antibióticos -lactâmicos: causa mais frequente de reacção alérgica reacções alérgicas 2% dos tratamentos efectuados reacção anafiláctica 0,7-10% das reacções alérgicas -lactâmicos: causa muito frequente de anafilaxia 1 / tratamentos 1 morte / tratamentos EUA B-lactâmicos são responsáveis por 3/4 anafilaxias fatais por fármacos 400 mortes / ano

13 AAS / AINEs Broncoespasmo com AAS Crianças asmáticas 0-28% Adultos asmáticos 9-44 % Asmáticos com r. anterior AAS / AINEs 66-97% Urticária induzida por AAS População em geral 0,2-0,6% Asma e Rinite 1,5 % Urticária crónica % Anafilaxia?

14 Hipersensibilidade a AAS e AINEs Fisiopatologia Fosfolípidos da Membrana PLA2 Ácido Araquidónico 5-LO LTA 4 COX-1 COX-2 AAS/AINEs PGH 2 LTB 4 LTC 4 PGD2 PGF 2 TXA 2 PGE 2 PGI 2 LTD 4 LTE 4 Broncoconstrição Broncoprotecção Teoria da inbição cicloxigenase / maior expressão da Leucotrieno C4 sintetase (LTC4s)

15 Contrastes Iodados Reacção de anafilaxia 0,2-1% dos doentes Osmolaridade MCI Urticária 2-3% 0,5% administrações Anafilácticas 0,22% 0,04% administrações Reacção fatal em 0,009% administrações

16 Anestesia Geral incidência de anafilaxia tem vindo a aumentar França: 1 / doentes 477 doentes Agentes % Relaxantes musculares 69 Látex 12 Antibióticos 8 Hipnóticos 4 Opiáceos 1 Colóides 3 Outros 3 Succinilcolina Rocuronium Vecuronium Pancuronium Atracurium Mivacurium Cisatracurium Galamina %

17 Investigação da alergia medicamentosa

18 Técnicas diagnósticas em alergia medicamentosa História clínica detalhada Testes cutâneos in vivo Testes laboratoriais in vitro Testes provocação

19 CASO CLÍNICO ( AMCB, 48 anos, casada, empresária ) Dezembro 2003: Episódio de angioedema após ingestão de sumo de laranja e camarão; atribuído ao sumo de laranja 10 Outubro 2004: Abcesso dentário medicado com amoxicilina e nimesulide. Sem qualquer reacção adversa aparente 26 Outubro 2004: Tratamento dentário sob anestesia local. Medicada em ambulatório com ácido acetilsalicílico Urticária gigante 1-2 horas após a intervenção dentária, atribuída aos anestésicos locais. Administração em SU HSM: corticóides e antihistamínicos. Em ambulatório mantém ácido acetilsalicílico

20 CASO CLÍNICO ( AMCB, 48 anos, casada, empresária ) 28 Outubro 2004: Agudização da urticária Serviço Urgência HSM: Corticosteróides + antihistamínicos. Medicada: cetirizina em ambulatório. evicção de ácido acetilsalicílico. Etiologia: Anestésicos locais Ácido acetilisalicílico 30 Outubro 98: Urticária gigante e angioedema das mãos após jantar caril de camarão Serviço Urgência HSM: Corticosteróides + antihistamínicos Internamento na Unidade Imunoalergologia HSM

21 CASO CLÍNICO ( AMCB, 48 anos, casada, empresária ) Melhoria progressiva durante o internamento Prednisolona, Hidroxizina, Ranitidina Investigação pormenorizada da História Clínica

22 CASO CLÍNICO - Resumo ( AMCB, 48 anos, casada, empresária ) Dezembro 2003: Angioedema mucosa oral e labial Ingestão camarão (2-3 horas antes) Ingestão sumo laranja (10 min. antes) Ingestão Alka-Seltzer (30 min. antes)! 26 Outubro 2004: Urticária gigante 1,5 horas após xilocaína 30 minutos após AAS (ambulatório) 30 Outubro 2004: Urticária gigante + angioedema das mãos Ingestão de camarão (2 horas antes) Ingestão Alka-Seltzer (30 min. antes)!

23 ALKA-SELTZER Ácido acetilsalicílico (324 mg) Bicarbonato de sódio (1625 mg) Ácido citrico (965 mg)

24 Técnicas diagnósticas em alergia medicamentosa História clínica detalhada Testes cutâneos in vivo Testes laboratoriais in vitro Testes provocação

25 História clínica de reacção hipersensibilidade Reacção não grave Reacção grave Imediata Não imediata Precauções antes realizar os testes T. em prick T. intradérmicos T. de contacto T. intradérmicos

26 Indicação clínica para testes cutâneos no diagnóstico de alergia medicamentosa Testes cutâneos em picada e intradérmicos Anafilaxia (cuidados) Broncoespasmo Conjuntivite, rinite Urticária e/ou angioedema

27 Indicação Clínica para Testes Epicutâneos no Diagnóstico de Alergia Medicamentosa Testes contacto podem ser utilizados na investigação de Exantema pustuloso agudo generalizado Dermatite contacto Eritema multiforme Exantema medicamentoso Eritema fixo medicamentoso Reacções fotoalérgicas Vasculite leucocitoclástica Síndrome Stevens-Johnson Necrose epidérmica tóxica

28 Penicilinas e outros -lactâmicos Testes Cutâneos Tipo de reagente Tipo de teste PPL Alergopen Peniciloil polilisina T. em picada T. intradérmico MDM Mistura de determinantes minor T. em picada T. intradérmico Penicilina G potássica U/ml T. em picada T. intradérmico Outro -lactâmico 0,005; 0,1; 0,5; 1mg/ml T. em picada T. intradérmico Risco de sensibilização! /Perda de sensibilidade com o tempo! Diluições /1º PPL;2º MDM

29 Valor predictivo dos testes cutâneos à penicilina História de alergia à penicilina + - Testes cutâneos à penicilina Frequência de R. alérgicas à penicilina 50-70% 1-3% (P.Prov) 10% (P.Prov??) 0,5% Reacção de anafilaxia/testes negativos => Prova de Provocação oral

30 Testes cutâneos no diagnóstico de alergia à penicilina ,1% Atópicos 63,9% Não atópicos Distribuição Positividade Testes / Atopia Teste 2 p 0,5 Não atópicos % 38,4 61,6 Atópicos% 31,8 68, Testes positivos Testes negativos

31 Testes cutâneos no diagnóstico de alergia à penicilina Positividade testes / Tempo ocorrência reacção 27,30% Reacção recente 72,70% Reacção antiga Reacção recente 5 anos Reacção antiga > 5 anos

32 Relaxantes Musculares - Testes cutâneos Screening na população geral T. Cutâneos não estão indicados Testes cutâneos positivos/baixo valor predictivo História de anafilaxia operatória T. cutâneos positivos Não administrar o relaxante muscular T cutâneos negativos Administrar o relaxante muscular Testes cutâneos negativos/alto valor predictivo

33 Técnicas diagnósticas em alergia medicamentosa História clínica detalhada Testes cutâneos in vivo Testes laboratoriais in vitro Testes provocação

34 ALERGIA MEDICAMENTOSA Diagnóstico Determinação de IgE específicas RAST IgE específicas do medicamento Testes: penicilina cefalosporinas insulina amoxicilina toxina do tétano suxametónio < sensível e < específica que t. cutâneos e p. provocação

35 ALERGIA MEDICAMENTOSA Diagnóstico Doseamento da Triptase Mediador libertado após activação dos mastocitos IgE mediada não IgE mediada choque anafilático Doseada após o teste de provocação com o medicamento, com controlo da cinética de libertação durante algumas horas Mais específica que a técnica da libertação de histamina

36 ALERGIA MEDICAMENTOSA Diagnóstico Teste de activação dos basófilos humanos por citometria de fluxo B marcador directo de activação celular CD 63 / CD 203c marcador indirecto de libertação de histamina Razoável sensibilidade e especificidade

37 ALERGIA MEDICAMENTOSA Diagnóstico Teste celular de estimulação antigénica (CAST e Flow-CAST) São quantificados os sulfidoleucotrienos: LTC4, LTD4 e LTE4 nos leucócitos após contacto destes com o alergénio (medicamento) A libertação destes mediadores pode ser devida a mecanismo IgE dependente ou IgE não dependente.

38 Técnicas diagnósticas em alergia medicamentosa História clínica detalhada Testes cutâneos in vivo Testes laboratoriais in vitro Testes provocação

39 Provas de Provocação Medicamentosa Administração controlada de doses progressivas do medicamento. Dose inicial 0.1% a 1% da dose terapêutica. Reacções IgE-mediadas de 30 / 30 min. Reacções tardias de 24 a 48 horas. Contra-indicações S. Stevens-Johnson, necrólise epidérmica tóxica e reacções muito graves.

40 Provas de Provocação Medicamentosa Internamento em Hospital Dia Imunoalergologia Estabilização clínica ( 1 mês ) Interrupção / manutenção da terapêutica ( Anti-H1, -bloqueantes, IECA e outros ) Interrupção das provas com critérios positivos Tratamento das reacções

41 Hospital de Dia de Imunoalergologia Total de sessões % AINEs, Analgésicos, Anestésicos locais, Antibióticos Imunogl.ev. P.Prov.Med. I.E.Veneno Ultra-Rush I.E.Latex Dess.Med. Ciclofosfamida Metilpred. Espirometria Testes medic. Consulta

42 Abordagem da Reacção Alérgica Tratamento imediato da reacção alérgica. Reacção ligeira: afastamento fármaco; medicação não necessária Reacções moderadas a graves (urticária, angioedema, asma e anafilaxia): afastamento fármaco, tratamento sintomático

43 Abordagem da Reacção Alérgica ( medidas ulteriores ) Informação da reacção e do fármaco envolvido, medidas de evicção do fármaco, possibilidades de reacção cruzada. Educar o doente para informar os clínicos em prescrições futuras. Fornecer informação escrita sob a forma de cartão : Fármaco envolvido na reacção Reacções cruzadas Alternativas terapêuticas seguras Alertar para o uso de bracelete identificadora nos casos de reacções anafilácticas Eventual dessensibilização / indução de tolerância

44 DESSENSIBILIZAÇÃO OU INDUÇÃO DE TOLERÂNCIA A FÁRMACOS

45 ALERGIA A FÁRMACOS Suspeita Comprovada Suspeita MAS Não Comprovada Dessensibilização ou Evicção Indução de tolerância Curto Prazo Longo Prazo

46 Princípios práticos da indução de tolerância Administração de doses progressivamente crescentes, iniciando-se em doses mínimas e atingindo as doses terapêuticas Via oral vs. parentérica Doses iniciais e ritmo de progressão ajustáveis caso a caso Se necessário, forçar a progressão das doses com terapêutica anti-histamínica ou corticóides ou fazer pré-medicação Vigilância e monitorização de todo o processo Se interrupção terapêutica, recomeçar tudo de novo

47 Mecanismos de acção imunológica da indução de tolerância Anticorpos bloqueantes Células T reguladoras Períodos refractários Mecanismos de tolerância específicos celulares (mastócitos) Outros.

48 Vitamina B12 2 doentes com Anemia Megalobástica e com Urticária / Angioedema e Hipotensão após Vit. B12 i.m. (6ª e 19ª administração) Testes cutâneos positivos 4 formas (cianocobalamina,hidroxicobalamina, mecobalamina e cobamamida) com alergenicidades diferentes, embora com reactividade cruzada

49 Protocolo de dessensibilização # Escolha da forma menos alergénica com base nos resultados de testes cutâneos em picada e ID # Início com 1 a 10 mg, dependendo da positividade dos testes cutâneos # Progressão # Até atingir dose terapêutica

50 Penicilinas e derivados Dessensibilização aguda por via oral foi iniciada em 1946 por O Donovan e Klorfajn Normalmente protocolos de indução rápida de tolerância para permitir instituição imediata de terapêutica com altas doses Neuro-Sífilis Sífilis em doentes VIH +

51 Administração ev 15/15 minutos até à dose de 2 M. Após esta dose, esperar 4 h e administrar 2 a Concentração (U) Dose cumulativa Dessensibilização Penicilina G Outros protocolos 0 min 100U p.o s.c s.c s.c i.m.

52 N H N N ALOPURINOL HN O O Alopurinol é o fármaco mais frequentemente prescrito no tratamento da hiperuricémia 1978 National Prescription Audit: alopurinol como o 6º fármaco mais vendido nas farmácias comunidade 1970 Descrição 1ª morte relacionada com alopurinol

53 Doentes com Alergia Alopurinol Sem alternativa terapêutica Doentes Idade Sexo Diagnóstico Reacção adversa Duração terapêutica 1 65 M Litíase renal Rash 15 dias 2 41 H Tofos gotosos HIV H Tofos gotosos Hipers. AINE 4 49 H Litíase renal Hipers. AINE Rash Rash Rash 7 dias 2 meses 5 dias

54 Protocolo de dessensibilização Dessensibilização oral em 16 dias Erupções eritemato- papulares e erupções fixas Dia Dose g g g g g +1mg mg mg 8 50 mg Dia Dose 9 75 mg mg mg mg mg mg mg mg

55 AINEs Protocolos para os doentes com queixas respiratórias crónicas e agudizadas pelo fármaco (contribuição de pequenas doses na alimentação) Protocolos para doentes que necessitam de AINEs Reumatológicos Cardiológicos Síndrome antifosfolípidos Tríade de Widal (rinosinusite com polipose nasal, asma, hipersensibilidade a AINEs)

56 Alergia às platinas Terapêutica de 1ª linha em diversas patologias oncológicas Esquemas de perfusão Frascos A, B e C (1/100) Ritmos de infusão progressivamente crescentes, dentro de cada diluição Duração 6-8 horas Bons resultados; cada ciclo = protocolo de dessensibilização

57 Outros fármacos Sempre possível MAS devem sempre ser ponderadas as alternativas e o quociente risco / benefício

58 Alergia a fármacos Maioria das reacções medicamentosas não são imunologicamente mediadas. Várias características clínicas ajudam a distinguir as reacções alérgicas das reacções adversas. É fundamental um diagnóstico exacto e fundamentado por vezes em outros métodos que não só a Hist. Clínica. Medicamentos ocultos ou esquecidos!!!!!!!!!

59 Alergia a fármacos Quando um fármaco é necessário para o tratamento após uma reacção alérgica, a melhor opção é um fármaco quimicamente não relacionado se disponível. Os testes complementares podem servir para afirmar a causalidade ou para tentar encontrar alternativas. Protocolos de dessensibilização podem ser úteis quando é necessário administrar o mesmo ou fármacos quimicamente similares, após uma reacção alérgica.

60 Prevenção da Alergia Medicamentosa Prescrição terapêutica sob indicação formal. 30 anafilaxias fatais apenas 12 doentes com indicação para efectuar penicilina JAMA 1999;167: doentes com síndrome de hipersensibilidade ao alopurinol (17 mortes) apenas 14 doentes com indicação terapêutica Arthritis Rheumatol 1986;29:82. A irregularidade terapêutica favorece fenómenos de alergia!!!

61

PROVA ESPECÍFICA Cargo 48. Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos?

PROVA ESPECÍFICA Cargo 48. Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos? 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 48 QUESTÃO 26 Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos? a) Heparina. b) Histamina. c) Fator ativador de plaquetas

Leia mais

Recomendações a doentes para evitar Fotodermatite

Recomendações a doentes para evitar Fotodermatite Recomendações a doentes para evitar Fotodermatite 1. Contra-indicação Antes de prescrever produtos tópicos contendo cetoprofeno, reveja o diagrama no Anexo-1 com o doente. Os produtos contendo cetoprofeno

Leia mais

TRATAMENTO DE ALERGIA RESPIRATÓRIA 2/3

TRATAMENTO DE ALERGIA RESPIRATÓRIA 2/3 TRATAMENTO DE ALERGIA RESPIRATÓRIA 2/3 SISTEMA IMUNE E ALERGIA Por alergia, entendem-se as repostas imunes indesejadas contra substâncias que venceram as barreiras como, os epitélios, as mucosas e as enzimas.

Leia mais

EFEITOS ADVERSOS A MEDICAMENTOS

EFEITOS ADVERSOS A MEDICAMENTOS EFEITOS ADVERSOS A MEDICAMENTOS INTRODUÇÃO As informações contidas neste folheto têm a finalidade de orientar as pessoas que passaram ou que podem passar pela experiência não-desejada dos efeitos adversos

Leia mais

Alérgenos de origem alimentar: eles são preocupantes? Flavio Finardi Filho FCF USP ffinardi@usp.br

Alérgenos de origem alimentar: eles são preocupantes? Flavio Finardi Filho FCF USP ffinardi@usp.br Alérgenos de origem alimentar: eles são preocupantes? Flavio Finardi Filho FCF USP ffinardi@usp.br Alérgenos de origem alimentar Características gerais glicoproteínas resistência térmica resistente à proteólise

Leia mais

PROGRAMA DE RESIDÊNCIA EM ALERGIA E IMUNOLOGIA HCFMRP-USP

PROGRAMA DE RESIDÊNCIA EM ALERGIA E IMUNOLOGIA HCFMRP-USP PROGRAMA DE RESIDÊNCIA EM ALERGIA E IMUNOLOGIA HCFMRP-USP Introducao Doenças alérgicas afetam atualmente mais que 20% da população brasileira, e são causa importante de doença crônica no mundo inteiro.

Leia mais

MÉTODOS DIAGNÓSTICOS EM ALERGIA

MÉTODOS DIAGNÓSTICOS EM ALERGIA MÉTODOS DIAGNÓSTICOS EM ALERGIA INTRODUÇÃO HISTÓRIA CLÍNICA; ANTECEDENTES FAMILIARES E PESSOAIS; AVALIAÇÃO CLÍNICA; REPERCUSSÃO DA ALERGIA; FATORES DESENCADEANTES; A história e a avaliação clínica de uma

Leia mais

Protocolo de Atendimento de Reação Adversa a Medicações

Protocolo de Atendimento de Reação Adversa a Medicações Protocolo de Atendimento de Reação Adversa a Medicações Unidade de Anestesia Versão eletrônica atualizada em Março 2009 Protocolo de Atendimento de Reação Adversa a Medicações Definições OMS Uma resposta

Leia mais

Alergia a picada de Insetos

Alergia a picada de Insetos Alergia a picada de Insetos A alergia a insetos e conhecida desde a antiguidade, na Europa mais de 95% das reações alérgicas provocadas por insetos são resultantes da picada de abelhas e vespídeos. Os

Leia mais

ALERGIA E IMUNOLOGIA PROGRAMA DE RESIDÊNCIA EM HCFMRP-USP

ALERGIA E IMUNOLOGIA PROGRAMA DE RESIDÊNCIA EM HCFMRP-USP 1 PROGRAMA DE RESIDÊNCIA EM ALERGIA E IMUNOLOGIA HCFMRP-USP 2 Introdução Doenças alérgicas afetam atualmente mais que 20% da população brasileira, e são causa importante de doença crônica no mundo inteiro.

Leia mais

Declaração de Conflitos de Interesse. Nada a declarar.

Declaração de Conflitos de Interesse. Nada a declarar. Declaração de Conflitos de Interesse Nada a declarar. Avaliação clínico-laboratorial do paciente alérgico RAST Silvia Daher Apoio: Phadia Diagnósticos Ltda HISTÓRIA TESTE CUTÂNEO RAST SD Diagnóstico de

Leia mais

TEMAS LIVRES DO XXXI CONGRESSO BRASILEIRO DE ALERGIA APRESENTAÇÃO: ORAL DATA.: 06/11/2004 SALA BRUM NEGREIROS

TEMAS LIVRES DO XXXI CONGRESSO BRASILEIRO DE ALERGIA APRESENTAÇÃO: ORAL DATA.: 06/11/2004 SALA BRUM NEGREIROS APRESENTAÇÃO: ORAL DATA.: 06/11/2004 SALA BRUM NEGREIROS NÚMERO TEMA LIVRE TÍTULO LEPTINA PARTICIPA DO CONTROLE DA APOPTOSE EM TIMO ATRAVÉS DE MECANISMO DE SINALIZAÇÃO DEPENDENTE DA VIA 001 IRS-1/PI 3-QUINASE

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP 048/2013 CT PRCI n 100.485 e Ticket n 283.106, 283.519, 286.500, 294.112, 296.718, 300.098, 300.484, 318.752, 318.960. Ementa: Administração de Penicilina por Enfermeiros, Técnicos e Auxiliares

Leia mais

Uso correcto dos medicamentos

Uso correcto dos medicamentos Uso correcto dos medicamentos CAPÍTULO 6 Curar sem medicamentos Para curar a maioria das doenças, não é necessário utilizar medicamentos. O organismo tem as suas defesas próprias, ou maneiras de resistir

Leia mais

Anotadas do 5º Ano 2008/09 Data: 17/12/2008. Tema da Aula Teórica: Alergia a Fármacos Autor: Filipa Alçada Equipa Revisora:

Anotadas do 5º Ano 2008/09 Data: 17/12/2008. Tema da Aula Teórica: Alergia a Fármacos Autor: Filipa Alçada Equipa Revisora: Anotadas do 5º Ano 2008/09 Data: 17/12/2008 Disciplina: Imunologia Clínica Prof.: Dra. Joana Caiado Tema da Aula Teórica: Alergia a Fármacos Autor: Filipa Alçada Equipa Revisora: Temas da Aula - Diferenças

Leia mais

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 223 DOE de 28/11/07. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 223 DOE de 28/11/07. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Diário Oficial Estado de São Paulo Poder Executivo Seção I Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 223 DOE de 28/11/07 Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Resolução

Leia mais

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1. NOME DO MEDICAMENTO CROMABAK 20 mg/ml, colírio, solução 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Para 100 ml de solução: Cromoglicato de sódio...2,00 g Lista

Leia mais

REAÇÃO ALÉRGICA AO CONTRASTE IODADO

REAÇÃO ALÉRGICA AO CONTRASTE IODADO 1 de 7 PROTOCOLO Data de Emissão: Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 1.00 Proposta inicial RN, IA 1 Objetivo: Identificar, qualificar e principalmente evitar qualquer tipo

Leia mais

Concurso Público. Exames laboratoriais: Com base nesses dados, responda às questões a seguir:

Concurso Público. Exames laboratoriais: Com base nesses dados, responda às questões a seguir: 01 Concurso Público Menina de sete anos de idade apresentou imagem radiológica de pneumatoceles em ambos os pulmões. História pregressa de rash neonatal, atraso da dentição e fraturas recorrentes devido

Leia mais

Gerência de Riscos no HUWC. Tatiana Campos Gerente de Riscos

Gerência de Riscos no HUWC. Tatiana Campos Gerente de Riscos Gerência de Riscos no HUWC Tatiana Campos Gerente de Riscos Comissão de Riscos Hospitalares Criada em Janeiro de 2002 Composição multidisciplinar Membros: Eugenie (farmacêutica) Magno (engenheiro) Tatiana

Leia mais

Algoritmo de investigação Alterações do leucograma

Algoritmo de investigação Alterações do leucograma 2013 26 de Abril Sexta-feira Algoritmo de investigação Lígia Peixoto Manuel Ferreira Gomes Teste simples e barato. Consiste no estudo da série branca, efectuando-se uma contagem total Intervalos dos leucócitos

Leia mais

Consenso Internacional (ICON) em Alergia Medicamentosa)

Consenso Internacional (ICON) em Alergia Medicamentosa) Consenso Internacional (ICON) em Alergia Medicamentosa SUMÁRIO Consenso Internacional (ICON) em Alergia Medicamentosa) Allergy 2014; 69: 420 437 Pascal Demoly, N. Franklin Adkinson, Knut Brockow, Mariana

Leia mais

Profissional. de Saúde. Guia contendo. questões. frequentes

Profissional. de Saúde. Guia contendo. questões. frequentes Este medicamento está sujeito a monitorização adicional. Pede-se aos profi ssionais de saúde que notifi quem quaisquer suspeitas de reações adversas através do sistema nacional de notifi cação. concentrado

Leia mais

Reconhecimento da formação de farmacêuticos. Administração de vacinas e medicamentos injectáveis em farmácia comunitária

Reconhecimento da formação de farmacêuticos. Administração de vacinas e medicamentos injectáveis em farmácia comunitária Reconhecimento da formação de farmacêuticos Administração de vacinas e medicamentos injectáveis em farmácia comunitária 1 Reconhecimento da formação de farmacêuticos Administração de vacinas e medicamentos

Leia mais

APRESENTAÇÃO Comprimidos: embalagem contendo 30 comprimidos de 25 mg. Xarope: embalagem contendo 1 frasco de 120 ml de 2 mg/ml.

APRESENTAÇÃO Comprimidos: embalagem contendo 30 comprimidos de 25 mg. Xarope: embalagem contendo 1 frasco de 120 ml de 2 mg/ml. Hixizine cloridrato de hidroxizina Uso adulto e pediátrico Uso oral APRESENTAÇÃO Comprimidos: embalagem contendo 30 comprimidos de 25 mg. Xarope: embalagem contendo 1 frasco de 120 ml de 2 mg/ml. COMPOSIÇÃO

Leia mais

SISTEMAS E TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

SISTEMAS E TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO SISTEMAS E TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Da Prescrição à Administração do Medicamento Sofia Valongo Serviços Farmacêuticos 26-09-2015 OBJETIVO 2 Descrever o papel do Farmacêutico na implementação

Leia mais

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1. NOME DO MEDICAMENTO REUMON Creme 100 mg/g creme 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Substância activa: Etofenamato, 100 mg por grama de creme. Lista completa

Leia mais

ALERGIA A INSETOS PICADORES (CHOQUE ANAFILÁTICO)

ALERGIA A INSETOS PICADORES (CHOQUE ANAFILÁTICO) ALERGIA A INSETOS PICADORES (CHOQUE ANAFILÁTICO) As abelhas do gênero Apis (abelha-europa ou abelha-africana), as vespas (marimbondos) e as formigas lava-pés são insetos do gênero dos himenópteros que

Leia mais

Bula com informações ao Paciente soro anticrotálico

Bula com informações ao Paciente soro anticrotálico soro anticrotálico solução injetável IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO soro anticrotálico APRESENTAÇÃO O soro anticrotálico, heterólogo e hiperimune, é apresentado em ampolas contendo 10 ml de solução injetável

Leia mais

Teórica 15 - Imunologia Clínica 2 13.11.2007

Teórica 15 - Imunologia Clínica 2 13.11.2007 DISCIPLINA MEDICINA II Teórica 15 - Imunologia Clínica 2 13.11.2007 DOENÇA RESPIRATÓRIA ALÉRGICA DOCENTE que leccionou: Prof. Dr. Manuel Barbosa DISCENTE que realizou: Ana Isabel Gomes da Silva FISCALIZADOR:

Leia mais

Voltaren Emulgelex é utilizado para aliviar a dor e reduzir a inflamação e o inchaço em numerosas condições dolorosas articulares e musculares.

Voltaren Emulgelex é utilizado para aliviar a dor e reduzir a inflamação e o inchaço em numerosas condições dolorosas articulares e musculares. FOLHETO INFORMATIVO: Informação para o utilizador Voltaren Emulgelex, 23,2 mg/g, gel Diclofenac dietilamónio Este folheto contém informações importantes para si. Leia-o atentamente. Utilize sempre Voltaren

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DO PORTO HOSPITAL DE SÃO JOÃO, E.P.E.

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DO PORTO HOSPITAL DE SÃO JOÃO, E.P.E. GUIAS, E.P.E. GUIAS LUÍS DELGADO Guias de Saúde Vol. 11 - Alergias Copyright 2011 QuidNovi Colecção coordenada pela Prof.ª Doutora Maria Amélia Ferreira e pela Dra. Sofia Gramaxo, Centro de Educação Médica

Leia mais

DESLORATADINA. Antialérgico

DESLORATADINA. Antialérgico DESLORATADINA Antialérgico Vantagens: Não provoca sonolência, que é um dos efeitos colaterais mais desagradáveis causados por medicamentos desse tipo. Age mais rápido, combate a obstrução nasal e praticamente

Leia mais

Nos últimos anos temos assistido a uma frequência

Nos últimos anos temos assistido a uma frequência Rev Port Imunoalergologia 2014; 22 (1): 63-68 Estágio de alergia medicamentosa em idade pediátrica Allergy Division of Allergy / Immunology and Rheumatology, Children s Hospital, Boston, Estados Unidos

Leia mais

PRURIDO VULVAR DIFÍCIL ABORDAGEM

PRURIDO VULVAR DIFÍCIL ABORDAGEM PRURIDO VULVAR DE DE DIFÍCIL DIFÍCIL ABORDAGEM ABORDAGEM Diretora Administrativa da Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO) Conselheira do Conselho Regional de Medicina

Leia mais

Catálogo Português de Alergias e outras Reações Adversas Catalog of Allergies and Other Adverse Reactions

Catálogo Português de Alergias e outras Reações Adversas Catalog of Allergies and Other Adverse Reactions Catálogo Português de Alergias e Catalog of Allergies and Other Adverse Reactions CPARA v 1.0 Julho, 2012 Nome Documento CPARA Catálogo Português de Alergias e Nome Curto Versão do Documento CPARA V 1.0

Leia mais

Sífilis Passado e o Presente

Sífilis Passado e o Presente Passado e o Presente Passado Etiologia/Epidemiologia Infecção crónica generalizada cujo agente etiológico é o Treponema Pallidum Exclusiva dos seres humanos e não possui outros hospedeiros naturais. Utilização

Leia mais

Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico

Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico Gripe Perguntas Frequentes Perguntas frequentes sobre a gripe sazonal O que é a

Leia mais

DOENTE DE RISCO EM CIRURGIA ORAL

DOENTE DE RISCO EM CIRURGIA ORAL DOENTE DE RISCO EM CIRURGIA ORAL I AVALIAÇÃO PRÉVIA DO DOENTE Uma boa metodologia para avaliação de um doente candidato a cirurgia oral é tentar enquadrá-lo na classificação da American Society of Anesthesiologists

Leia mais

Sumário. Data: 23/05/2013 NOTA TÉCNICA 75/2013. Medicamento/ x dieta Material Procedimento Cobertura. Solicitante. Processo Número 0024 13 023060-0

Sumário. Data: 23/05/2013 NOTA TÉCNICA 75/2013. Medicamento/ x dieta Material Procedimento Cobertura. Solicitante. Processo Número 0024 13 023060-0 NOTA TÉCNICA 75/2013 Solicitante Juiz de Direito Dr.Alexsander Antenor Penna Silva Comarca de João Monlevade Processo Número 0024 13 023060-0 Data: 23/05/2013 Medicamento/ x dieta Material Procedimento

Leia mais

Alergia a Medicamentos

Alergia a Medicamentos 05/28-03/125 Rev. bras. alerg. imunopatol. Copyright 2005 by ASBAI ARTIGO DE REVISÃO Alergia a Medicamentos Alergic reactions to drugs Prof. Dr. Luiz Antonio Guerra Bernd* Resumo Reações alérgicas e pseudo-alérgicas

Leia mais

1. O que é o Nurofen 200 mg cápsulas moles e para que é utilizado

1. O que é o Nurofen 200 mg cápsulas moles e para que é utilizado FOLHETO INFORMATIVO Nurofen Ibuprofeno 200 mg Cápsulas moles Informação para o Utilizador Este folheto contém informações importantes para si. Leia-o atentamente. Este medicamento pode ser adquirido sem

Leia mais

TRATAMENTO DE ALERGIA RESPIRATÓRIA 3/3

TRATAMENTO DE ALERGIA RESPIRATÓRIA 3/3 TRATAMENTO DE ALERGIA RESPIRATÓRIA 3/3 VACINA ANTIALÉRGICA UM TRATAMENTO DE EXCELÊNCIA A imunoterapia é o tratamento preventivo para impedir as reações alérgicas provocadas por substâncias como ácaros

Leia mais

Carboplatina_150_01 1

Carboplatina_150_01 1 Carboplatina DCB 01754 Medicamento genérico Lei nº. 9.787, de 1999 I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO FORMAS FARMACÊUTICAS, VIAS DE ADMINISTRAÇÃO E APRESENTAÇÕES COMERCIALIZADAS Carboplatina é um pó liófilo

Leia mais

Os anticorpos são proteínas específicas (imunoglobulinas) capazes de se combinarem quimicamente com os antigénios específicos.

Os anticorpos são proteínas específicas (imunoglobulinas) capazes de se combinarem quimicamente com os antigénios específicos. Os anticorpos são proteínas específicas (imunoglobulinas) capazes de se combinarem quimicamente com os antigénios específicos. Ä Os anticorpos apenas reconhecem algumas regiões da membrana do antigénio

Leia mais

Zina. (dicloridrato de levocetirizina)

Zina. (dicloridrato de levocetirizina) Zina (dicloridrato de levocetirizina) Bula para paciente Comprimido revestido 5 mg Zina (dicloridrato de levocetirizina) MEDICAMENTO SIMILAR EQUIVALENTE AO MEDICAMENTO DE REFERÊNCIA Comprimido revestido

Leia mais

DA IH À IACS: A NOMENCLATURA MUDOU ALGUMA COISA? Elaine Pina

DA IH À IACS: A NOMENCLATURA MUDOU ALGUMA COISA? Elaine Pina DA IH À IACS: A NOMENCLATURA MUDOU ALGUMA COISA? Hospitais Públicos P e Privados Elaine Pina O NOME DAS COISAS What s s there in a name? A rose by any other name would smell as sweet William Shakespeare

Leia mais

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Migraspirina 500 mg comprimidos efervescentes APROVADO EM Leia atentamente este folheto pois contém informações importantes para si. Este medicamento pode

Leia mais

Corticóides na Reumatologia

Corticóides na Reumatologia Corticóides na Reumatologia Corticóides (CE) são hormônios esteróides produzidos no córtex (área mais externa) das glândulas suprarrenais que são dois pequenos órgãos localizados acima dos rins. São produzidos

Leia mais

Antiinflamatórios Não Esteroidais (AINEs)

Antiinflamatórios Não Esteroidais (AINEs) Universidade Federal Fluminense Departamento de Fisiologia e Farmacologia Disciplina de farmacologia Analgésicos, Antipiréticos ticos e Antiinflamatórios Não Esteroidais (AINEs) Profa. Elisabeth Maróstica

Leia mais

Vacina Pentavalente. Nomenclatura. Proteção. Forma Farmacêutica Apresentação

Vacina Pentavalente. Nomenclatura. Proteção. Forma Farmacêutica Apresentação Vacina Pentavalente Nomenclatura Proteção Forma Farmacêutica Apresentação Lab. Produtor Composição Indicação Precauções Contra Indicações - Vacina adsorvida difteria, tétano, pertussis, hepatite B (recombinante)

Leia mais

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1. DENOMINAÇÃO DO MEDICAMENTO Acetilcisteína Sandoz 600 mg Comprimidos efervescentes 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Cada comprimido efervescente contém

Leia mais

Glossário. Caso Pendente de Intoxicação: aquele que não passou por avaliação médica.(oms)

Glossário. Caso Pendente de Intoxicação: aquele que não passou por avaliação médica.(oms) Toxicovigilância Glossário Agente Tóxico (Toxicante): é qualquer substância, ou seus metabólitos, capaz de produzir um efeito tóxico (nocivo, danoso) num organismo vivo, ocasionando desde alterações bioquímicas,

Leia mais

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR. INALGIN, 50 mg/g, Gel INALGIN, 100 mg/ml, Emulsão cutânea

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR. INALGIN, 50 mg/g, Gel INALGIN, 100 mg/ml, Emulsão cutânea FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Etofenamato Este folheto contém informações importantes para si. Leia-o atentamente. - Este medicamento pode ser adquirido sem receita médica. No entanto,

Leia mais

Adultos e crianças com mais de 12 anos: 10 ml (2 colheres de chá), 2 vezes por dia.

Adultos e crianças com mais de 12 anos: 10 ml (2 colheres de chá), 2 vezes por dia. RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1. NOME DO MEDICAMENTO Ambroxol Azevedos 6 mg/ml, Xarope 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Cada 5 ml de xarope contêm 30 mg de cloridrato de trans-4-[(2-amino-3,5-dibromobenzil)amino]ciclohexanol

Leia mais

CETIRIZINA HISTACET 10 mg COMPRIMIDOS REVESTIDOS

CETIRIZINA HISTACET 10 mg COMPRIMIDOS REVESTIDOS FOLHETO INFORMATIVO Leia atentamente este folheto antes de tomar o medicamento -Conserve este folheto: Pode ter necessidade de o reler. -Caso tenha dúvidas, consulte o seu médico ou farmacêutico. -Este

Leia mais

Informação para o paciente

Informação para o paciente Informação para o paciente Introdução Viramune é um medicamento para tratar as infecções de VIH (HIV). Este folheto é apenas uma informação básica sobre o Viramune. Esta publicação oferece-lhe informações

Leia mais

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR. Betamox Plus 875 mg + 125 mg Comprimidos revestidos (Amoxicilina + Ácido clavulânico)

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR. Betamox Plus 875 mg + 125 mg Comprimidos revestidos (Amoxicilina + Ácido clavulânico) FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Betamox Plus 875 mg + 125 mg Comprimidos revestidos (Amoxicilina + Ácido clavulânico) Leia atentamente este folheto antes de tomar este medicamento. -

Leia mais

Catálogo Português de Alergias e Reações Adversas

Catálogo Português de Alergias e Reações Adversas Catálogo Português de Alergias e Reações Adversas Catalog of Allergies and Other Adverse Reactions CPARA 0.1 Fevereiro, 2012 Nome Documento CPARA Catálogo Português de Alergias e Reacções Adversas Nome

Leia mais

Alimentos. O que é? Papel da IgE sérica específica no diagnóstico da alergia alimentar. IgE Específico

Alimentos. O que é? Papel da IgE sérica específica no diagnóstico da alergia alimentar. IgE Específico IgE Específico Alimentos O que é? IgEs específicos para alimentos são testes que avaliam a presença, na amostra testada, de anticorpos IgE contra alérgenos derivados de um alimento específico. Papel da

Leia mais

Anexo I. Titular da autorização de introdução no mercado. Estado Membro. Via de administra ção. Forma farmacêutica. Dosagem

Anexo I. Titular da autorização de introdução no mercado. Estado Membro. Via de administra ção. Forma farmacêutica. Dosagem Anexo I Estado Membro (no EEE) Titular da autorização de introdução no mercado Contacto local DCI Nome de fantasia Dosagem Forma farmacêutica Via de administra ção Fresenius Medical Care Nephrologica Deutschland

Leia mais

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Clavepen Forte, pó para suspensão oral Amoxicilina 250 mg /5 ml + Ácido clavulânico 62,5 mg/5 ml Leia atentamente este folheto antes de dar este medicamento

Leia mais

Artigo de Revisão Revision Article

Artigo de Revisão Revision Article Artigo de Revisão Revision Article Bárbara Seabra 1 Raquel Duarte 2 Raul César Sá 3 Asma, polipose nasal e intolerância à aspirina Uma tríade a recordar Asthma, nasal polyposis and aspirin intolerance

Leia mais

Diabetes Tipo 1 e Cirurgia em Idade Pediátrica

Diabetes Tipo 1 e Cirurgia em Idade Pediátrica Diabetes Tipo 1 e Cirurgia em Idade Pediátrica Protocolo de atuação Importância do tema Cirurgia / pós-operatório -- risco de descompensação DM1: Hiperglicemia Causas: hormonas contra-reguladoras, fármacos,

Leia mais

A INTRODUÇÃO DA VACINA DPT - HEPATITE B

A INTRODUÇÃO DA VACINA DPT - HEPATITE B A INTRODUÇÃO DA VACINA DPT - HEPATITE B INFORMAÇÃO AO PESSOAL DE SAÚDE MAIO - 2001 Ministério da Saúde Departamento de Saúde da Comunidade 1 INFORMAÇÃO AO PESSOAL DE SAÚDE No mês de Julho de 2001, o Programa

Leia mais

Recomendações para o diagnóstico das reações de hipersensibilidade imediatas aos antibióticos beta-lactâmicos

Recomendações para o diagnóstico das reações de hipersensibilidade imediatas aos antibióticos beta-lactâmicos 0103-2259/11/34-06/257 Rev. bras. alerg. imunopatol. Copyright 2011 by ASBAI Artigo Especial Recomendações para o diagnóstico das reações de hipersensibilidade imediatas aos antibióticos beta-lactâmicos

Leia mais

ALERGIAS NA INFÂNCIA

ALERGIAS NA INFÂNCIA ALERGIAS NA INFÂNCIA Tema: Alergias na Infância Objetivos Conceituar alergia, classificar os principais tipos e indutores das doenças alérgicas. Identificar e relacionar os fatores de risco associados

Leia mais

cloridrato de ambroxol Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999

cloridrato de ambroxol Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999 cloridrato de ambroxol Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999 Cristália Produtos Químicos Farmacêuticos Ltda. Xarope Pediátrico 3 mg/ml Xarope Adulto 6 mg/ml Modelo de Bula para Paciente IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

URTICÁRIA NA INFÂNCIA. Helena Maria Correa de Sousa Vieira. Departamento de Alergia e Imunologia.

URTICÁRIA NA INFÂNCIA. Helena Maria Correa de Sousa Vieira. Departamento de Alergia e Imunologia. URTICÁRIA NA INFÂNCIA Helena Maria Correa de Sousa Vieira. Departamento de Alergia e Imunologia. Sociedade Brasileira de Pediatria CONCEITO Condição multifatorial, complexa, com grande impacto na qualidade

Leia mais

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR. Broncoliber 50 mg/ml solução oral 10 mg/pulverização (0,2 ml) Cloridrato de ambroxol

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR. Broncoliber 50 mg/ml solução oral 10 mg/pulverização (0,2 ml) Cloridrato de ambroxol FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Broncoliber 50 mg/ml solução oral 10 mg/pulverização (0,2 ml) Cloridrato de ambroxol Este folheto contém informações importantes para si. Leia-o atentamente.

Leia mais

Elotin. Laboratório Farmacêutico Elofar Ltda. Solução otológica

Elotin. Laboratório Farmacêutico Elofar Ltda. Solução otológica Elotin Laboratório Farmacêutico Elofar Ltda. Solução otológica 0,275 mg/ml de fluocinolona acetonida 3,85 mg/ml de sulfato de neomicina 11.000 UI/ml de sulfato de polimixina B 20 mg/ml de cloridrato de

Leia mais

Gripe A. Dr. Basil Ribeiro. Prof. Doutor Manuel Teixeira Veríssimo. Faculdade de Medicina de Coimbra Medicina Interna e Medicina Desportiva

Gripe A. Dr. Basil Ribeiro. Prof. Doutor Manuel Teixeira Veríssimo. Faculdade de Medicina de Coimbra Medicina Interna e Medicina Desportiva Gripe A Dr. Basil Ribeiro Medicina Desportiva Prof. Doutor Manuel Teixeira Veríssimo Faculdade de Medicina de Coimbra Medicina Interna e Medicina Desportiva Vírus H1N1 - Introdução Gripe dos porcos altamente

Leia mais

APRESENTAÇÕES Zimicina (azitromicina di-hidratada) 500 mg. Embalagem contendo 2, 3 ou 5 comprimidos revestidos.

APRESENTAÇÕES Zimicina (azitromicina di-hidratada) 500 mg. Embalagem contendo 2, 3 ou 5 comprimidos revestidos. I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Zimicina azitromicina di-hidratada APRESENTAÇÕES Zimicina (azitromicina di-hidratada) 500 mg. Embalagem contendo 2, 3 ou 5 comprimidos revestidos. USO ORAL USO ADULTO USO

Leia mais

Condutas Médicas. Anafilaxia. Ingrid Kellen/Nov. 2011 PET-Medicina

Condutas Médicas. Anafilaxia. Ingrid Kellen/Nov. 2011 PET-Medicina Condutas Médicas Anafilaxia Ingrid Kellen/Nov. 2011 PET-Medicina Caso Clínico A.A.M, sexo masculino, 45 anos, estava trabalhando em sua casa quando foi atacado por abelhas. Ele foi picado duas vezes e,

Leia mais

Folheto informativo: Informação para o utilizador Finacea, 150 mg/g, gel Ácido azelaico

Folheto informativo: Informação para o utilizador Finacea, 150 mg/g, gel Ácido azelaico Folheto informativo: Informação para o utilizador Finacea, 150 mg/g, gel Ácido azelaico Leia com atenção todo este folheto antes de começar a utilizar este medicamento pois contém informação importante

Leia mais

Ponstan ácido mefenâmico

Ponstan ácido mefenâmico Ponstan ácido mefenâmico I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome comercial: Ponstan Nome genérico: ácido mefenâmico APRESENTAÇÕES: Ponstan 500 mg em embalagens contendo 24 comprimidos. USO ADULTO E PEDIÁTRICO

Leia mais

Informação para o paciente

Informação para o paciente Informação para o paciente Viramune - nevirapina 18355 BI Viramune brochure POR_V2.indd 1 14-12-11 14:19 Introdução Viramune é um medicamento para o tratamento do HIV. Este prospecto contém informação

Leia mais

HIDROCLOROTIAZIDA Brainfarma Indústria Química e Farmacêutica S.A. Comprimido Simples 50mg

HIDROCLOROTIAZIDA Brainfarma Indústria Química e Farmacêutica S.A. Comprimido Simples 50mg HIDROCLOROTIAZIDA Brainfarma Indústria Química e Farmacêutica S.A. Comprimido Simples 50mg I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: HIDROCLOROTIAZIDA Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999 APRESENTAÇÃO Comprimido

Leia mais

Alergia à penicilina: conduta alergológica

Alergia à penicilina: conduta alergológica 06/29-05/194 Rev. bras. alerg. imunopatol. Copyright 2006 by ASBAI ARTIGO DE REVISÃO Alergia à penicilina: conduta alergológica Penicillin allergy: practice parameters Mario Geller, Maria Fernanda Malaman,

Leia mais

DOENÇAS DA TIRÓIDE. Figura nº1 Localização da Tiróide e da Hipófise

DOENÇAS DA TIRÓIDE. Figura nº1 Localização da Tiróide e da Hipófise DOENÇAS DA TIRÓIDE O que é a Tiróide? A Tiróide é uma glândula situada na base do pescoço imediatamente abaixo da maçã de Adão (fig.nº1) e é constituída por dois lobos unidos por uma parte central chamada

Leia mais

O que é a asma? A asma é uma doença crónica do pulmão que, embora não tenha cura, pode ser controlada.

O que é a asma? A asma é uma doença crónica do pulmão que, embora não tenha cura, pode ser controlada. FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Lukair 10 mg comprimido revestido por película Montelucaste Leia com atenção todo este folheto antes de começar a tomar este medicamento pois contém informação

Leia mais

ALERGIAS AO LÁTEX...

ALERGIAS AO LÁTEX... ALERGIAS AO LÁTEX... UM PROBLEMA CADA VEZ MAIS PREOCUPANTE O látex, um componente da borracha natural produzido pela seringueira, é um produto com características especiais, por isso muito utilizadas em

Leia mais

AZITROMICINA Brainfarma Indústria Química e Farmacêutica S.A. Comprimido Revestido 500mg

AZITROMICINA Brainfarma Indústria Química e Farmacêutica S.A. Comprimido Revestido 500mg AZITROMICINA Brainfarma Indústria Química e Farmacêutica S.A. Comprimido Revestido 500mg I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: AZITROMICINA Medicamento genérico Lei n 9.787, 1999 APRESENTAÇÕES Comprimido revestido

Leia mais

ANADOR. (dipirona monoidratada) Boehringer Ingelheim do Brasil Química e Farmacêutica Ltda. Solução Oral 500 mg/ml

ANADOR. (dipirona monoidratada) Boehringer Ingelheim do Brasil Química e Farmacêutica Ltda. Solução Oral 500 mg/ml ANADOR (dipirona monoidratada) Boehringer Ingelheim do Brasil Química e Farmacêutica Ltda. Solução Oral 500 mg/ml Anador dipirona monoidratada Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua

Leia mais

Diretrizes Assistenciais PREVENÇÃO DA DOENÇA ESTREPTOCÓCICA NEONATAL

Diretrizes Assistenciais PREVENÇÃO DA DOENÇA ESTREPTOCÓCICA NEONATAL Diretrizes Assistenciais PREVENÇÃO DA DOENÇA ESTREPTOCÓCICA NEONATAL Versão eletrônica atualizada em fev/2012 O agente etiológico e seu habitat A doença estreptocócica neonatal é causada por uma bactéria,

Leia mais

PROFILAXIA CIRÚRGICA. Valquíria Alves

PROFILAXIA CIRÚRGICA. Valquíria Alves PROFILAXIA CIRÚRGICA Valquíria Alves INFECÇÃO DO LOCAL CIRÚRGICO (ILC) Placeholder for your own subheadline A infecção do local cirúrgico (ILC) é uma complicação comum da cirurgia, com taxas de incidência

Leia mais

Ass. de Comunicação www.ptexto.com.br. Veículo: Correio Braziliense Data: 17/04/2011 Seção: Trabalho Pág.: 3 Assunto: Great Place to Work

Ass. de Comunicação www.ptexto.com.br. Veículo: Correio Braziliense Data: 17/04/2011 Seção: Trabalho Pág.: 3 Assunto: Great Place to Work Veículo: Correio Braziliense Data: 17/04/2011 Seção: Trabalho Pág.: 3 Assunto: Great Place to Work Veículo: Correio Braziliense Data: 17/04/2011 Seção: Saúde Pág.: 27 Assunto: Amados mas perigosos Veículo:

Leia mais

Flextoss. Xarope Adulto 3mg/mL, Xarope Pediátrico 1,5mg/mL e Solução oral/gotas 30mg/mL

Flextoss. Xarope Adulto 3mg/mL, Xarope Pediátrico 1,5mg/mL e Solução oral/gotas 30mg/mL Flextoss Xarope Adulto 3mg/mL, Xarope Pediátrico 1,5mg/mL e Solução oral/gotas 30mg/mL MODELO DE BULA COM INFORMAÇÕES TÉCNICAS AOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE Flextoss dropropizina APRESENTAÇÕES Xarope Adulto

Leia mais

Alergia e Emoções. Existem 4 tipos básicos de reações alérgicas ou mecanismos imunológicos causadores de hipersensibilidade e doença:

Alergia e Emoções. Existem 4 tipos básicos de reações alérgicas ou mecanismos imunológicos causadores de hipersensibilidade e doença: Alergia e Emoções Alergia é a intolerância do Sujeito ao Objeto, ou a algum Objeto, ou da pessoa para com determinados produtos físicos, químicos ou biológicos, aos quais ela reage de forma exagerada.

Leia mais

TRIAGEM PEDIÁTRICA O QUE APRENDEMOS?

TRIAGEM PEDIÁTRICA O QUE APRENDEMOS? TRIAGEM PEDIÁTRICA O QUE APRENDEMOS? Rita Carneiro, Cláudio Alves Unidade Funcional Urgência/UCIEP. Chefe de Serviço: Helena Almeida Departamento de Pediatria. Directora: Helena Carreiro TRIAGEM PEDIÁTRICA

Leia mais

BULA PARA PACIENTE PARAPLATIN (carboplatina) 50 mg ou 150 mg ou 450 mg solução injetável

BULA PARA PACIENTE PARAPLATIN (carboplatina) 50 mg ou 150 mg ou 450 mg solução injetável BULA PARA PACIENTE PARAPLATIN (carboplatina) 50 mg ou 150 mg ou 450 mg solução injetável BRISTOL-MYERS SQUIBB PARAPLATIN carboplatina Uso intravenoso somente APRESENTAÇÃO PARAPLATIN 50 mg, 150 mg e 450

Leia mais

MONTELUCASTE DE SÓDIO. Biosintética Farmacêutica Ltda. Comprimidos revestidos 10mg

MONTELUCASTE DE SÓDIO. Biosintética Farmacêutica Ltda. Comprimidos revestidos 10mg MONTELUCASTE DE SÓDIO Biosintética Farmacêutica Ltda. Comprimidos revestidos 10mg BULA PARA PACIENTE Bula de acordo com a Resolução-RDC nº 47/2009 montelucaste de sódio Medicamento genérico Lei nº 9.787,

Leia mais