TRATAMENTO DE ALERGIA RESPIRATÓRIA 2/3

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TRATAMENTO DE ALERGIA RESPIRATÓRIA 2/3"

Transcrição

1 TRATAMENTO DE ALERGIA RESPIRATÓRIA 2/3 SISTEMA IMUNE E ALERGIA Por alergia, entendem-se as repostas imunes indesejadas contra substâncias que venceram as barreiras como, os epitélios, as mucosas e as enzimas. A resposta imune pode levar a diferentes quadros patológicos, sendo, portanto, nocivas aos organismos acometidos. HIPERSENSIBILIDADE e ALERGIA O esquema acima mostra como uma pessoa vai aumentando sua alergia até se tornar hipersensível. Quanto maior for o estímulo natural numa pessoa sensível, mais IgE (anticorpos da alergia) ela produz. A figura mostra a exposição ao alérgeno, pode ocorrer três possibilidades. a) Pessoa normal (não sensível); b) Pessoa sensível (sintomas discretos); c) Pessoa hipersensível (sintomas exagerados). REAÇÕES DE INCOMPATIBILIDADE Alergia o conceito de alergia foi empregado pela primeira vez em 1906 por Clemens von Pirquet, para distinguir reações imunes úteis das nocivas. Hoje, define-se alergia como uma reação imune específica, provocadora de doença contra substâncias exógenas (alérgenos).

2 O quadro colorido mostra a incidência dos polens das diferentes espécies vegetais que provocam alergias respiratórias durante o ano. Os médicos por meio do gráfico sabem quais os polens prevalentes durante os meses do ano e que podem desencadear crises de asma e de rinite alérgica. Esta é uma importante contribuição, que o estado do Texas (USA) presta aos seus moradores. O sistema imune adquirido específico é importante no desencadeamento de uma reação alérgica. Pelo contato com um alérgeno, produz-se a sensibilização do organismo. Formam-se em seguida linfócitos alérgeno-específico e anticorpos da alergia (IgE específico). No caso de uma nova exposição ao alérgeno, manifestase, então, a reação alérgica. Coombs e Gell, em 1963, classificaram as alergias em quatro tipos. O conceito de atopia foi introduzido por Coca e Cooke em 1923, e refere a uma tendência hereditária de desenvolver alergias do tipo I contra alérgenos inalados ou absorvidos por eczemas. A atopia inclui as seguintes alergias, o eczema atópico, a rinite alérgica e a asma brônquica (alérgica).

3 Tipo de reação Tipo I reação alérgica Tipo II reação citotóxica Tipo III reação por complexo imune Tipo IV reação imune celular Mecanismo Reação alérgica mediada por anticorpos IgE específicos, quando em presença do respectivo alérgeno liberam os mediadores químicos responsáveis pelos sintomas. O antígeno liga-se a membrana celular e esta é destruída por anticorpos circulantes (classe IgG e/ou IgM). Os complexos imunes (antígenoanticorpo) circulantes provocam inflamações no sistema circulatório. São reações tardias e os sintomas surgem entre horas após a exposição ao alérgeno. Exemplos asma, rinite alérgica, choque anafilático. anemia hemolítica por Fator Rh+. reações medicamentosas glomerulonefrites. Dermatite de contato e Pseudo-alergia As reações pseudo-alérgicas apresentam evoluções clinicamente idênticas às alérgicas. Todavia, elas são provocadas por mecanismos patológicos diferentes dos imunes. As pseudo-alergias geralmente são provocadas por medicamentos e alimentos, a manifestação clínica é dose dependente e ocorrem no primeiro contato com o agente desencadeante. São bem conhecidos os quadros pseudo-alérgicos provocados por antiinflamatórios não-hormonais (diclofenaco), pelos derivados do ácido acetilsalisílico (AAS), dos inibidores da ECA (captopril), os relaxantes musculares e vários antibióticos. Alguns alimentos podem igualmente desencadear reações psedoalérgicas, sobretudo quando contêm aminas biologicamente ativas (histamina, serotonina, tiramina). A esse grupo de alimentos pertencem, por exemplo, o queijo curado, o vinho tinto e as nozes. Também alguns aditivos alimentares e estímulos físicos (calor, frio) podem desencadear reações pseudo-alérgicas. Idiossincrasia, intolerância a idiossincrasia congênita ocorre diante de substâncias exógenas e a causa geralmente é um defeito enzimático. Os sintomas clínicos dependem da dose e manifestam-se

4 no primeiro contato com o agente desencadeante. Clinicamente, o quadro patológico pode assemelhar-se a algumas alergias. A carência congênita de lactase (intolerância ao leite de vaca) é um bom exemplo. Toxicidade É dose dependente. Toxidade é o efeito prejudicial à saúde provocado por uma substância química ou fatores físicos. Um exemplo de uma reação da pele semelhante à alergia é a dermatite causada pelo ácido muriático. FREQÜÊNCIAS DAS ALERGIAS Segundo exames epidemiológicos, 20-30% da população de países industrializados manifestam sintomas alérgicos. Os dados abaixo variam de autor para autor e da época em que foi feito o levantamento/estimativa. Veja o quadro a seguir: Alergia Prevalência na população Rinite alérgica 15-25% Dermatite atópica 10% Urticária 10-20% Asma brônquica 5-10% Alergia a alimentos 2% A distribuição da freqüência das doenças alérgicas varia com a idade. Na infância predominam as dermatites atópicas e intolerância a alimentos. Na adolescência e no adulto, encontra-se principalmente a asma e a rinite alérgica. Na terceira idade, diminui a prevalência das doenças atópicas. As alergias são mais freqüentes entre os moradores das cidades do que da zona rural. A população dos países industrializados é mais acometida do que a população de países em desenvolvimento. Na infância, as alergias afetam mais os meninos e na vida adulta mais as mulheres. Atualmente está ocorrendo aumento das alergias em escala mundial. CAUSAS DE ALERGIA A causa de uma alergia é multifatorial, três fatores são significativos:

5 Predisposição genética. Existe o fator hereditário no desenvolvimento de alergias. Veja a tabela: Pais Risco de alergias - filhos Pais saudáveis % Um dos pais atópico (alérgico) % Ambos o pais atópicos (alérgicos) 75 % Exposição a alérgenos. A exposição precoce a alérgenos parece associar-se ao aumento do risco de doenças atópicas. As crianças alimentadas nos primeiros seis anos de vida com leite de vaca adoecem mais freqüentemente em decorrência de alergias gastrintestinais ou dermatite atópica. Exposição adjuvante. O significado de diferentes fatores adjuvantes no desenvolvimento de alergias ainda não está bem esclarecido. Observa-se correlação entre elevada poluição do ar (Oxido sulfuroso (SO2), ozônio (O3), fuligem de óleo diesel, fumaça de cigarro) a freqüente ocorrência de doenças respiratórias. As infecções respiratórias virais e bacterianas parecem exercer um papel protetor na infância. O desenvolvimento das crianças num meio rico em alérgenos (vida rural) diminui a sensibilização, por outro lado, as infecções gastrintestinais aumentam a freqüência de intolerância ao leite de vaca nas crianças. AS DÚVIDAS E PERGUNTAS DEVERÃO SER LEVADAS AO SEU ALERGISTA PARA ESCLARECIMENTO. IMPORTANTE As informações disponíveis no site possui caráter informativo e educativo. No caso de consulta procurar seu médico de confiança para diagnóstico e tratamento. Dr. Luiz Carlos Bertoni Alergista - Associação Brasileira de Alergia e Imunopatologia (ASBAI) Membro - World Allergy Organization (WAO) CRM-PR 5779

EFEITOS ADVERSOS A MEDICAMENTOS

EFEITOS ADVERSOS A MEDICAMENTOS EFEITOS ADVERSOS A MEDICAMENTOS INTRODUÇÃO As informações contidas neste folheto têm a finalidade de orientar as pessoas que passaram ou que podem passar pela experiência não-desejada dos efeitos adversos

Leia mais

PLANEJAMENTO DO TRATAMENTO DA ASMA BRÔNQUICA

PLANEJAMENTO DO TRATAMENTO DA ASMA BRÔNQUICA PLANEJAMENTO DO TRATAMENTO DA ASMA BRÔNQUICA O estudo do sistema imune (proteção) surgiu no início do século 20, com futuro muito promissor, mas isto não se confirmou de imediato. Os fenômenos imunológicos

Leia mais

TRATAMENTO DE ALERGIA RESPIRATÓRIA 3/3

TRATAMENTO DE ALERGIA RESPIRATÓRIA 3/3 TRATAMENTO DE ALERGIA RESPIRATÓRIA 3/3 VACINA ANTIALÉRGICA UM TRATAMENTO DE EXCELÊNCIA A imunoterapia é o tratamento preventivo para impedir as reações alérgicas provocadas por substâncias como ácaros

Leia mais

ÁCAROS FONTES DE ALERGIZAÇÃO

ÁCAROS FONTES DE ALERGIZAÇÃO ÁCAROS FONTES DE ALERGIZAÇÃO Os alérgenos mais freqüentemente encontrados em nosso meio são os ácaros e eles são responsáveis pelas crises de asma e rinite alérgica. Os ácaros têm uma intima relação conosco,

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 48. Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos?

PROVA ESPECÍFICA Cargo 48. Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos? 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 48 QUESTÃO 26 Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos? a) Heparina. b) Histamina. c) Fator ativador de plaquetas

Leia mais

ALERGIA ALIMENTAR: UMA VISÃO PANORÂMICA

ALERGIA ALIMENTAR: UMA VISÃO PANORÂMICA ALERGIA ALIMENTAR: UMA VISÃO PANORÂMICA No dia-a-dia de um consultório de alergia é muito comum o cliente chegar achando que seu problema alérgico está relacionado à alergia alimentar, principalmente quando

Leia mais

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 223 DOE de 28/11/07. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 223 DOE de 28/11/07. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Diário Oficial Estado de São Paulo Poder Executivo Seção I Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 223 DOE de 28/11/07 Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Resolução

Leia mais

ALERGIAS AO LÁTEX...

ALERGIAS AO LÁTEX... ALERGIAS AO LÁTEX... UM PROBLEMA CADA VEZ MAIS PREOCUPANTE O látex, um componente da borracha natural produzido pela seringueira, é um produto com características especiais, por isso muito utilizadas em

Leia mais

RINITE ALÉRGICA: ALÉRGENOS E POLUIÇÃO

RINITE ALÉRGICA: ALÉRGENOS E POLUIÇÃO RINITE ALÉRGICA: ALÉRGENOS E POLUIÇÃO O tratamento das rinites é considerado um desafio, pois além do processo alérgico existe as causas não-alérgicas. A rinite tem uma morbidade significativa, custo financeiro

Leia mais

Alérgenos de origem alimentar: eles são preocupantes? Flavio Finardi Filho FCF USP ffinardi@usp.br

Alérgenos de origem alimentar: eles são preocupantes? Flavio Finardi Filho FCF USP ffinardi@usp.br Alérgenos de origem alimentar: eles são preocupantes? Flavio Finardi Filho FCF USP ffinardi@usp.br Alérgenos de origem alimentar Características gerais glicoproteínas resistência térmica resistente à proteólise

Leia mais

Alergia e Emoções. Existem 4 tipos básicos de reações alérgicas ou mecanismos imunológicos causadores de hipersensibilidade e doença:

Alergia e Emoções. Existem 4 tipos básicos de reações alérgicas ou mecanismos imunológicos causadores de hipersensibilidade e doença: Alergia e Emoções Alergia é a intolerância do Sujeito ao Objeto, ou a algum Objeto, ou da pessoa para com determinados produtos físicos, químicos ou biológicos, aos quais ela reage de forma exagerada.

Leia mais

PROGRAMA PARA CONTROLAR A ASMA PRIMEIRA PARTE

PROGRAMA PARA CONTROLAR A ASMA PRIMEIRA PARTE PROGRAMA PARA CONTROLAR A ASMA PRIMEIRA PARTE O cuidado apropriado com a asma pode ajudar o paciente a prevenir a maior parte das crises, a ficar livre de sintomas problemáticos diurnos e noturnos e a

Leia mais

MÉTODOS DIAGNÓSTICOS EM ALERGIA

MÉTODOS DIAGNÓSTICOS EM ALERGIA MÉTODOS DIAGNÓSTICOS EM ALERGIA INTRODUÇÃO HISTÓRIA CLÍNICA; ANTECEDENTES FAMILIARES E PESSOAIS; AVALIAÇÃO CLÍNICA; REPERCUSSÃO DA ALERGIA; FATORES DESENCADEANTES; A história e a avaliação clínica de uma

Leia mais

TEMAS LIVRES DO XXXI CONGRESSO BRASILEIRO DE ALERGIA APRESENTAÇÃO: ORAL DATA.: 06/11/2004 SALA BRUM NEGREIROS

TEMAS LIVRES DO XXXI CONGRESSO BRASILEIRO DE ALERGIA APRESENTAÇÃO: ORAL DATA.: 06/11/2004 SALA BRUM NEGREIROS APRESENTAÇÃO: ORAL DATA.: 06/11/2004 SALA BRUM NEGREIROS NÚMERO TEMA LIVRE TÍTULO LEPTINA PARTICIPA DO CONTROLE DA APOPTOSE EM TIMO ATRAVÉS DE MECANISMO DE SINALIZAÇÃO DEPENDENTE DA VIA 001 IRS-1/PI 3-QUINASE

Leia mais

ALERGIA A INSETOS PICADORES (CHOQUE ANAFILÁTICO)

ALERGIA A INSETOS PICADORES (CHOQUE ANAFILÁTICO) ALERGIA A INSETOS PICADORES (CHOQUE ANAFILÁTICO) As abelhas do gênero Apis (abelha-europa ou abelha-africana), as vespas (marimbondos) e as formigas lava-pés são insetos do gênero dos himenópteros que

Leia mais

Intolerâncias Alimentares Distúrbios da Deglutição

Intolerâncias Alimentares Distúrbios da Deglutição Intolerâncias Alimentares Distúrbios da Deglutição Intolerâncias Alimentares Alergias alimentares Intolerâncias metabólicas Reações farmacológicas Erros congênitos do metabolismo Alergia alimentar Mediada

Leia mais

Newsletter do Grupo 4Work Nº 63 Dezembro de 2014

Newsletter do Grupo 4Work Nº 63 Dezembro de 2014 EU-OSHA LANÇA GUIA ELETRÓNICO SOBRE GESTÃO DE STRESSE E RISCOS PSICOSSOCIAIS O stresse e os problemas de saúde mental constituem o problema de saúde mais grave no local de trabalho para cerca de um quinto

Leia mais

Os anticorpos são proteínas específicas (imunoglobulinas) capazes de se combinarem quimicamente com os antigénios específicos.

Os anticorpos são proteínas específicas (imunoglobulinas) capazes de se combinarem quimicamente com os antigénios específicos. Os anticorpos são proteínas específicas (imunoglobulinas) capazes de se combinarem quimicamente com os antigénios específicos. Ä Os anticorpos apenas reconhecem algumas regiões da membrana do antigénio

Leia mais

Glossário. Caso Pendente de Intoxicação: aquele que não passou por avaliação médica.(oms)

Glossário. Caso Pendente de Intoxicação: aquele que não passou por avaliação médica.(oms) Toxicovigilância Glossário Agente Tóxico (Toxicante): é qualquer substância, ou seus metabólitos, capaz de produzir um efeito tóxico (nocivo, danoso) num organismo vivo, ocasionando desde alterações bioquímicas,

Leia mais

Propilenoglicol e potencial alergênico em cosméticos

Propilenoglicol e potencial alergênico em cosméticos Propilenoglicol e potencial alergênico em cosméticos Os cuidados com a aparência física e a busca incessante pelo ideal de beleza levam as pessoas a se submeterem aos mais variados tratamentos estéticos

Leia mais

Declaração de Conflitos de Interesse. Nada a declarar.

Declaração de Conflitos de Interesse. Nada a declarar. Declaração de Conflitos de Interesse Nada a declarar. Avaliação clínico-laboratorial do paciente alérgico RAST Silvia Daher Apoio: Phadia Diagnósticos Ltda HISTÓRIA TESTE CUTÂNEO RAST SD Diagnóstico de

Leia mais

PROGRAMA DE RESIDÊNCIA EM ALERGIA E IMUNOLOGIA HCFMRP-USP

PROGRAMA DE RESIDÊNCIA EM ALERGIA E IMUNOLOGIA HCFMRP-USP PROGRAMA DE RESIDÊNCIA EM ALERGIA E IMUNOLOGIA HCFMRP-USP Introducao Doenças alérgicas afetam atualmente mais que 20% da população brasileira, e são causa importante de doença crônica no mundo inteiro.

Leia mais

Circulação sanguínea Intrapulmonar. V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração.

Circulação sanguínea Intrapulmonar. V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração. DOENÇAS PULMONARES Árvore Brônquica Circulação sanguínea Intrapulmonar V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração. A. Pulmonar traz sangue venoso do coração para o pulmão. Trocas Histologia

Leia mais

Se é verdade que se morre pela boca, o leite de vaca é a maior prova.

Se é verdade que se morre pela boca, o leite de vaca é a maior prova. CLÍNICA INFANTIL INDIANÓPOLIS CENTRO DE PREVENÇÃO DA ASMA E DOENÇAS CRÔNICAS NA INFÂNCIA * Alergia - Asma - Bronquite - Dermatite Atópica - Eczema - Estrófulo (picada de insetos) - Rinite - Urticária *

Leia mais

Métodos para detecção de alérgenos em alimentos. Gerlinde Teixeira Departamento de Imunobiologia Universidade Federal Fluminense

Métodos para detecção de alérgenos em alimentos. Gerlinde Teixeira Departamento de Imunobiologia Universidade Federal Fluminense Métodos para detecção de alérgenos em alimentos Gerlinde Teixeira Departamento de Imunobiologia Universidade Federal Fluminense Antigenos vs Alérgenos Antigeno Imunógeno Qualquer substância capaz de estimular

Leia mais

ALERGIAS NA INFÂNCIA

ALERGIAS NA INFÂNCIA ALERGIAS NA INFÂNCIA Tema: Alergias na Infância Objetivos Conceituar alergia, classificar os principais tipos e indutores das doenças alérgicas. Identificar e relacionar os fatores de risco associados

Leia mais

INCIDÊNCIA DE ALERGIA ALIMENTAR EM ESCOLA DA REDE PÚBLICA E PRIVADA DO MUNICÍPIO DE CATAGUASES/MG

INCIDÊNCIA DE ALERGIA ALIMENTAR EM ESCOLA DA REDE PÚBLICA E PRIVADA DO MUNICÍPIO DE CATAGUASES/MG INCIDÊNCIA DE ALERGIA ALIMENTAR EM ESCOLA DA REDE PÚBLICA E PRIVADA DO MUNICÍPIO DE CATAGUASES/MG INCIDENCE OF FOOD ALLERGIES IN SCHOOL OF PUBLIC AND PRIVATE NETWORK OF THE MUNICIPALITY OF CATAGUASES/MG

Leia mais

Alergia as proteínas do leite de vaca

Alergia as proteínas do leite de vaca Universidade Federal de Santa Catarina Programa de Pós-graduação em Ciência dos Alimentos Centro de Ciências Agrárias Alergia as proteínas do leite de vaca Profa Marilde T. Bordignon Luiz bordign@cca.ufsc.br

Leia mais

Alergia e Pneumologia Pediátrica Hospital Infantil João Paulo II Hospital Felício Rocho www.alergopneumoped.com.br. Wilson Rocha Filho

Alergia e Pneumologia Pediátrica Hospital Infantil João Paulo II Hospital Felício Rocho www.alergopneumoped.com.br. Wilson Rocha Filho Alergia e Pneumologia Pediátrica Hospital Infantil João Paulo II Hospital Felício Rocho www.alergopneumoped.com.br Wilson Rocha Filho De acordo com as normas n o 1.595/2000 do Conselho Federal de Medicina

Leia mais

ALERGIA E IMUNOLOGIA PROGRAMA DE RESIDÊNCIA EM HCFMRP-USP

ALERGIA E IMUNOLOGIA PROGRAMA DE RESIDÊNCIA EM HCFMRP-USP 1 PROGRAMA DE RESIDÊNCIA EM ALERGIA E IMUNOLOGIA HCFMRP-USP 2 Introdução Doenças alérgicas afetam atualmente mais que 20% da população brasileira, e são causa importante de doença crônica no mundo inteiro.

Leia mais

ANTICORPOS. CURSO: Farmácia DISCIPLINA: Microbiologia e Imunologia Clínica PROFESSORES: Guilherme Dias Patto Silvia Maria Rodrigues Querido

ANTICORPOS. CURSO: Farmácia DISCIPLINA: Microbiologia e Imunologia Clínica PROFESSORES: Guilherme Dias Patto Silvia Maria Rodrigues Querido CURSO: Farmácia DISCIPLINA: Microbiologia e Imunologia Clínica PROFESSORES: Guilherme Dias Patto Silvia Maria Rodrigues Querido ANTICORPOS Anticorpo é uma globulina sintetizada por linfócitos B e principalmente

Leia mais

FABA ALERGIA ALIMENTAR

FABA ALERGIA ALIMENTAR FABA ALERGIA ALIMENTAR Intolerância Alimentar Aversão Alimentar Reações Imediatas e Tardias ALERGIA ALIMENTAR FABA ALERGIA ALIMENTAR - Reação adversa ao componente protéico do alimento e envolve mecanismo

Leia mais

DERMATITE (ECZEMA) DE CONTATO

DERMATITE (ECZEMA) DE CONTATO DERMATITE (ECZEMA) DE CONTATO A pele exerce a função principal de revestimento e proteção do corpo humano contra fatores físicos e químicos do ambiente. A pele também tem papel importante na regulação

Leia mais

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Texto elaborado pelos Drs Pérsio Roxo Júnior e Tatiana Lawrence 1. O que é imunodeficiência? 2. Estas alterações do sistema imunológico são hereditárias?

Leia mais

Doenças Respiratórias Crônicas. Caderno de Atenção Básica 25

Doenças Respiratórias Crônicas. Caderno de Atenção Básica 25 Doenças Respiratórias Crônicas Caderno de Atenção Básica 25 PREVALÊNCIA O Asma (acomete cerca de 300 milhões de indivíduos no mundo) O Rinite Alérgica (afeta cerca de 20 25% da população) O DPOC (afeta

Leia mais

Entenda tudo sobre a Síndrome do Intestino Irritável

Entenda tudo sobre a Síndrome do Intestino Irritável Entenda tudo sobre a Síndrome do Intestino Irritável Apesar de ainda não existir cura definitiva para esse problema de saúde crônico, uma diferenciação entre essa patologia e a sensibilidade ao glúten

Leia mais

BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE

BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE Cláudio Martin Jonsson Vera Lúcia Castro Jaguariúna, outubro 2005. O modelo de agricultura utilizado atualmente visa

Leia mais

Catálogo Português de Alergias e outras Reações Adversas Catalog of Allergies and Other Adverse Reactions

Catálogo Português de Alergias e outras Reações Adversas Catalog of Allergies and Other Adverse Reactions Catálogo Português de Alergias e Catalog of Allergies and Other Adverse Reactions CPARA v 1.0 Julho, 2012 Nome Documento CPARA Catálogo Português de Alergias e Nome Curto Versão do Documento CPARA V 1.0

Leia mais

Sumário. Data: 23/05/2013 NOTA TÉCNICA 75/2013. Medicamento/ x dieta Material Procedimento Cobertura. Solicitante. Processo Número 0024 13 023060-0

Sumário. Data: 23/05/2013 NOTA TÉCNICA 75/2013. Medicamento/ x dieta Material Procedimento Cobertura. Solicitante. Processo Número 0024 13 023060-0 NOTA TÉCNICA 75/2013 Solicitante Juiz de Direito Dr.Alexsander Antenor Penna Silva Comarca de João Monlevade Processo Número 0024 13 023060-0 Data: 23/05/2013 Medicamento/ x dieta Material Procedimento

Leia mais

Importância da Nutrição na Qualidade de Vida. Aline T. Carrera CRN3 21498 Nutricionista Clinica Funcional

Importância da Nutrição na Qualidade de Vida. Aline T. Carrera CRN3 21498 Nutricionista Clinica Funcional Importância da Nutrição na Qualidade de Vida Aline T. Carrera CRN3 21498 Nutricionista Clinica Funcional Repensar Mudanças (constante); Adaptações (necessárias); Escolhas (depende de você) o que você

Leia mais

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR. INALGIN, 50 mg/g, Gel INALGIN, 100 mg/ml, Emulsão cutânea

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR. INALGIN, 50 mg/g, Gel INALGIN, 100 mg/ml, Emulsão cutânea FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Etofenamato Este folheto contém informações importantes para si. Leia-o atentamente. - Este medicamento pode ser adquirido sem receita médica. No entanto,

Leia mais

Febre Reumática Sociedade Brasileira de Reumatologia

Febre Reumática Sociedade Brasileira de Reumatologia Febre Reumática CRIAÇÃO E DESENVOLVIMENTO: CREDITO IMAGEM DA CAPA: http://www.guildford.gov.uk/play EDITORAÇÃO: Rian Narcizo Mariano PRODUÇÃO: www.letracapital.com.br Copyright SBR-, 2011 O conteúdo desta

Leia mais

PATOLOGIAS DO SISTEMA RESPIRATÓRIO

PATOLOGIAS DO SISTEMA RESPIRATÓRIO PATOLOGIAS DO SISTEMA RESPIRATÓRIO Como prevenir? Como evitar? Como tratar? PATOLOGIAS DO SISTEMA RESPIRATÓRIO (cont.) Anatomia das vias aéreas superiores e dos seios paranasais Seio frontal Cavidade nasal

Leia mais

ALERGIA A INSETOS SUGADORES (ESTRÓFULO)

ALERGIA A INSETOS SUGADORES (ESTRÓFULO) ALERGIA A INSETOS SUGADORES (ESTRÓFULO) A maioria das pessoas não-alérgicas a picadas de insetos geralmente apresentam uma reação papulosa no local da picada do inseto. A pápula surge em 5 a 20 minutos

Leia mais

Escola Secundária de Camões

Escola Secundária de Camões Escola Secundária de Camões INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA BIOLOGIA Código 302 Curso Científico-Humanístico de Ciências e Tecnologias- 12ºano Duração da prova escrita: 90 min Duração da

Leia mais

Padrão ABIA para o Atendimento ao Consumidor pelas Indústrias de Alimentos

Padrão ABIA para o Atendimento ao Consumidor pelas Indústrias de Alimentos Padrão ABIA para o Atendimento ao Consumidor pelas Indústrias de Alimentos Recomendação da Comissão de Atendimento ao Consumidor ABIA ANEXO I ATENDIMENTO AOS CONSUMIDORES COM HIPERSENSIBILIDADE E SEUS

Leia mais

MATRIZ DA PROVA DE EXAME A NÍVEL DE ESCOLA AO ABRIGO DO DECRETO-LEI Nº 357/2007 DE 29 DE OUTUBRO BIOLOGIA 12º ANO

MATRIZ DA PROVA DE EXAME A NÍVEL DE ESCOLA AO ABRIGO DO DECRETO-LEI Nº 357/2007 DE 29 DE OUTUBRO BIOLOGIA 12º ANO MATRIZ DA PROVA DE EXAME A NÍVEL DE ESCOLA AO ABRIGO DO DECRETO-LEI Nº 357/2007 DE 29 DE OUTUBRO Duração da Prova 90 minutos + 30 minutos de tolerância BIOLOGIA 12º ANO (Cursos Científico-Humanísticos

Leia mais

ALÉRGENOS EM ALIMENTOS Estratégia Para o Controle de Alérgenos Pela Indústria de Alimentos. Edmilson Rezende - Nestlé Brasil Ltda.

ALÉRGENOS EM ALIMENTOS Estratégia Para o Controle de Alérgenos Pela Indústria de Alimentos. Edmilson Rezende - Nestlé Brasil Ltda. ALÉRGENOS EM ALIMENTOS Estratégia Para o Controle de Alérgenos Pela Indústria de Alimentos V Simpósio Internacional da ABRAPA III Seminário ITAL de Segurança Alimentar IX Simpósio Brasileiro de Microbiologia

Leia mais

Não utilize POLARAMINE Creme se você já teve alguma reação incomum a qualquer um dos componentes da fórmula do produto.

Não utilize POLARAMINE Creme se você já teve alguma reação incomum a qualquer um dos componentes da fórmula do produto. POLARAMINE Creme maleato de dexclorfeniramina FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES POLARAMINE Creme é indicado para uso na pele. POLARAMINE Creme apresenta-se em bisnagas de 30 g. USO ADULTO E PEDIÁTRICO

Leia mais

Nestas últimas aulas irei abordar acerca das vitaminas. Acompanhe!

Nestas últimas aulas irei abordar acerca das vitaminas. Acompanhe! Aula: 31 Temática: Vitaminas parte I Nestas últimas aulas irei abordar acerca das vitaminas. Acompanhe! Introdução O termo vitamina refere-se a um fator dietético essencial requerido por um organismo em

Leia mais

Ass. de Comunicação www.ptexto.com.br. Veículo: Correio Braziliense Data: 17/04/2011 Seção: Trabalho Pág.: 3 Assunto: Great Place to Work

Ass. de Comunicação www.ptexto.com.br. Veículo: Correio Braziliense Data: 17/04/2011 Seção: Trabalho Pág.: 3 Assunto: Great Place to Work Veículo: Correio Braziliense Data: 17/04/2011 Seção: Trabalho Pág.: 3 Assunto: Great Place to Work Veículo: Correio Braziliense Data: 17/04/2011 Seção: Saúde Pág.: 27 Assunto: Amados mas perigosos Veículo:

Leia mais

Alimentos. O que é? Papel da IgE sérica específica no diagnóstico da alergia alimentar. IgE Específico

Alimentos. O que é? Papel da IgE sérica específica no diagnóstico da alergia alimentar. IgE Específico IgE Específico Alimentos O que é? IgEs específicos para alimentos são testes que avaliam a presença, na amostra testada, de anticorpos IgE contra alérgenos derivados de um alimento específico. Papel da

Leia mais

Fique atento ao abuso de antibióticos na pediatria

Fique atento ao abuso de antibióticos na pediatria Fique atento ao abuso de antibióticos na pediatria Criado em 22/04/15 10h50 e atualizado em 22/04/15 11h27 Por Sociedade Brasileira de Pediatria Para se ter sucesso no tratamento da criança alérgica ou

Leia mais

12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS ALERGISTA. Com relação à corticoterapia sistêmica na dermatite atópica grave, assinale a resposta CORRETA:

12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS ALERGISTA. Com relação à corticoterapia sistêmica na dermatite atópica grave, assinale a resposta CORRETA: 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS ALERGISTA QUESTÃO 21 Com relação à corticoterapia sistêmica na dermatite atópica grave, assinale a resposta CORRETA: a) não há estudos sistematizados que avaliem a

Leia mais

Tralen 28% tioconazol. Tralen 28% solução para unhas em embalagem contendo 1 frasco com 12 ml.

Tralen 28% tioconazol. Tralen 28% solução para unhas em embalagem contendo 1 frasco com 12 ml. Tralen 28% tioconazol I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome comercial: Tralen Nome genérico: tioconazol APRESENTAÇÕES Tralen 28% solução para unhas em embalagem contendo 1 frasco com 12 ml. VIA DE ADMINISTRAÇÃO:

Leia mais

Lista de Genética 2º EM Colégio São José - 2013

Lista de Genética 2º EM Colégio São José - 2013 1. (Fuvest 92) Nos anos 40, o famoso cineasta Charlie ChapIin foi acusado de ser o pai de uma criança, fato que ele não admitia. Os exames de sangue revelaram que a mãe era do grupo A, a criança do grupo

Leia mais

A Deficiência de Vitamina A

A Deficiência de Vitamina A Oficina de trabalho: Carências Nutricionais: Desafios para a Saúde Pública A Deficiência de Vitamina A O QUE É VITAMINA A A vitamina A é um micronutriente que pode ser encontrado no leite materno, alimentos

Leia mais

EpiCor FORTALECIMENTO IMUNOLÓGICO COM COMPROVADA AÇÃO ANTIALÉRGICA

EpiCor FORTALECIMENTO IMUNOLÓGICO COM COMPROVADA AÇÃO ANTIALÉRGICA EpiCor FORTALECIMENTO IMUNOLÓGICO COM COMPROVADA AÇÃO ANTIALÉRGICA EpiCor é um alimento funcional que aumenta expressivamente a resistência imunológica, previne gripes e resfriados, reduz riscos de doenças

Leia mais

LITERATURA EPICOR FORTALECIMENTO IMUNOLÓGICO COM COMPROVADA AÇÃO ANTIALÉRGICA

LITERATURA EPICOR FORTALECIMENTO IMUNOLÓGICO COM COMPROVADA AÇÃO ANTIALÉRGICA EPICOR FORTALECIMENTO IMUNOLÓGICO COM COMPROVADA AÇÃO ANTIALÉRGICA O sistema imunológico, é extremamente importante no combate a microrganismos invasores como bactérias, vírus, protozoários e fungos, além

Leia mais

Folheto informativo: Informação para o utilizador Finacea, 150 mg/g, gel Ácido azelaico

Folheto informativo: Informação para o utilizador Finacea, 150 mg/g, gel Ácido azelaico Folheto informativo: Informação para o utilizador Finacea, 150 mg/g, gel Ácido azelaico Leia com atenção todo este folheto antes de começar a utilizar este medicamento pois contém informação importante

Leia mais

Catálogo Português de Alergias e Reações Adversas

Catálogo Português de Alergias e Reações Adversas Catálogo Português de Alergias e Reações Adversas Catalog of Allergies and Other Adverse Reactions CPARA 0.1 Fevereiro, 2012 Nome Documento CPARA Catálogo Português de Alergias e Reacções Adversas Nome

Leia mais

APRESENTAÇÕES Cada 1 g de pomada contém 0,30 mg ou 1,00 mg de tacrolimo em bisnagas com 10 g ou com 30 g.

APRESENTAÇÕES Cada 1 g de pomada contém 0,30 mg ou 1,00 mg de tacrolimo em bisnagas com 10 g ou com 30 g. TARFIC tacrolimo monoidratado Pomada dermatológica 0,03% ou 0,1% APRESENTAÇÕES Cada 1 g de pomada contém 0,30 mg ou 1,00 mg de tacrolimo em bisnagas com 10 g ou com 30 g. TARFIC 0,03% - USO ADULTO E PEDIÁTRICO

Leia mais

Corticóides na Reumatologia

Corticóides na Reumatologia Corticóides na Reumatologia Corticóides (CE) são hormônios esteróides produzidos no córtex (área mais externa) das glândulas suprarrenais que são dois pequenos órgãos localizados acima dos rins. São produzidos

Leia mais

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1. DENOMINAÇÃO DO MEDICAMENTO Acetilcisteína Sandoz 600 mg Comprimidos efervescentes 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Cada comprimido efervescente contém

Leia mais

A minha criança tem eczema?

A minha criança tem eczema? FONDATION A minha criança tem eczema? Informações para os pais e úteis para os docentes Doutor Jacques ROBERT Pediatra - Alergologista REALIZADO PELA FUNDAÇÃO PARA A DERMATITE ATÓPICA Compreender o eczema

Leia mais

Vacinas contra o pneumococo

Vacinas contra o pneumococo .... Simpósio Nacional de Doença Pneumocócica e Influenza São Paulo, 20 e 21 de Setembro de Vacinas contra o pneumococo Lúcia Helena de Oliveira Assessora Regional para Novas Vacinas Unidade de Imunizações

Leia mais

Alelos múltiplos na determinação de um caráter

Alelos múltiplos na determinação de um caráter Alelos múltiplos na determinação de um caráter Determinados gene pode sofrer ao longo do tempo diversas mutações e originar vários alelos esse fenômeno é chamado de polialelia. São bastante frequentes

Leia mais

SANDRA BERTELLI RIBEIRO DE CASTRO LABORATÓRIO DE IMUNOLOGIA. Aviso: Início das aulas práticas

SANDRA BERTELLI RIBEIRO DE CASTRO LABORATÓRIO DE IMUNOLOGIA. Aviso: Início das aulas práticas ANTÍGENO E ANTICORPO SANDRA BERTELLI RIBEIRO DE CASTRO LABORATÓRIO DE IMUNOLOGIA Aviso: Início das aulas práticas Laboratório de Imunologia, Departamento de Parasitologia, Microbiologia e Imunologia, Instituto

Leia mais

PRURIDO VULVAR DIFÍCIL ABORDAGEM

PRURIDO VULVAR DIFÍCIL ABORDAGEM PRURIDO VULVAR DE DE DIFÍCIL DIFÍCIL ABORDAGEM ABORDAGEM Diretora Administrativa da Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO) Conselheira do Conselho Regional de Medicina

Leia mais

Capilarema. Laboratórios Baldacci Ltda. Comprimidos. 75 mg

Capilarema. Laboratórios Baldacci Ltda. Comprimidos. 75 mg Capilarema Laboratórios Baldacci Ltda. Comprimidos 75 mg CAPILAREMA aminaftona APRESENTAÇÕES Comprimidos simples de 75 mg cartucho contendo 30 ou 60 comprimidos. VIA ORAL - USO ADULTO COMPOSIÇÃO Cada comprimido

Leia mais

Tralen 1% tioconazol. Tralen 1% pó dermatológico em embalagem contendo 1 frasco plástico com 30 gramas.

Tralen 1% tioconazol. Tralen 1% pó dermatológico em embalagem contendo 1 frasco plástico com 30 gramas. Tralen 1% tioconazol I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome comercial: Tralen Nome genérico: tioconazol APRESENTAÇÕES Tralen 1% pó dermatológico em embalagem contendo 1 frasco plástico com 30 gramas. VIA

Leia mais

Barreira Cutânea Junções

Barreira Cutânea Junções Estrutura da Pele Barreira Cutânea da Pele Manifestações Alérgicas na Pele Substâncias Alergênicas Importância das Bases Biocompatíveis Dra Loraine Landgraf Médica Especialista em Alergia e Imunologia

Leia mais

Departamento de Biologia Imunologia

Departamento de Biologia Imunologia (2002/03), Prof. Carlos Sinogas Autores: Dalila Ferreira, Selma Ferreira e Ana Belém Garcia Departamento de Biologia Dalila Ferreira nº 16252 Selma Ferreira nº 16132 Ana B. Garcia Ensino de Biologia e

Leia mais

Excipientes: hietelose, sorbitol, glicerol, ácido benzóico, aroma de framboesa, propilenoglicol, ácido tartárico, água purificada.

Excipientes: hietelose, sorbitol, glicerol, ácido benzóico, aroma de framboesa, propilenoglicol, ácido tartárico, água purificada. IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Mucosolvan cloridrato de ambroxol abcd FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES Xarope adulto: frascos com 120 ml, acompanhados de copo-medida graduado em 2,5; 5; 7,5 e 10 ml.

Leia mais

TEMA: NEOCATE NA ALERGIA A LEITE DE VACA (APLV)

TEMA: NEOCATE NA ALERGIA A LEITE DE VACA (APLV) NOTA TÉCNICA 24/2014 Solicitante Regina Célia Silva Neves Juizado Fazenda Pública de Itaúna Processo Número 0338.13.012.595-2 Data: 07/02/2014 Medicamento/ dieta x Material Procedimento Cobertura TEMA:

Leia mais

Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico

Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico Gripe Perguntas Frequentes Perguntas frequentes sobre a gripe sazonal O que é a

Leia mais

Escola Secundária de Forte da Casa

Escola Secundária de Forte da Casa Escola Secundária de Forte da Casa Informação - Prova de Equivalência à Frequência / 2012 2013 (Decreto Lei nº 139/2012, de 5 de Julho e Portaria nº 243/2012, de 10 de agosto) 12ºAno Cursos Científico-Humanísticos

Leia mais

CONTROLE DE QUALIDADE NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS

CONTROLE DE QUALIDADE NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS CONTROLE DE QUALIDADE NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS Alergêneos e Contaminantes em Carnes Isa Beatriz Noll ICTA/UFRGS ALERGÊNEOS E CONTAMINANTES Objetivos: Reações adversas a alimentos Podem ocorrer em todos

Leia mais

Primeira droga em cápsula foi lançada agora no país e outras estão em teste.

Primeira droga em cápsula foi lançada agora no país e outras estão em teste. ESCLEROSE MÚLTIPLA GANHA NOVAS OPÇÕES DE TRATAMENTO. (extraído de http://www.orkut.com.br/main#commmsgs?cmm=17111880&tid=5682929915348274548, em 09/05/2012) Primeira droga em cápsula foi lançada agora

Leia mais

Concurso Público. Exames laboratoriais: Com base nesses dados, responda às questões a seguir:

Concurso Público. Exames laboratoriais: Com base nesses dados, responda às questões a seguir: 01 Concurso Público Menina de sete anos de idade apresentou imagem radiológica de pneumatoceles em ambos os pulmões. História pregressa de rash neonatal, atraso da dentição e fraturas recorrentes devido

Leia mais

SEGREDOS DO MUNDO DA QUÍMICA: OS MISTERIOSOS RADICAIS LIVRES

SEGREDOS DO MUNDO DA QUÍMICA: OS MISTERIOSOS RADICAIS LIVRES Universidade de Évora Departamento de Química Vânia Pais Aluna do Curso de Mestrado em Química Aplicada SEGREDOS DO MUNDO DA QUÍMICA: OS MISTERIOSOS RADICAIS LIVRES Com o passar dos anos, o aumento da

Leia mais

MODELO DE TEXTO DE BULA. FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO FUNED Dexclorfeniramina comprimido de 2 mg - blister com 10 comprimidos.

MODELO DE TEXTO DE BULA. FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO FUNED Dexclorfeniramina comprimido de 2 mg - blister com 10 comprimidos. MODELO DE TEXTO DE BULA FUNED Dexclorfeniramina maleato de dexclorfeniramina FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO FUNED Dexclorfeniramina comprimido de 2 mg - blister com 10 comprimidos. USO ORAL USO ADULTO

Leia mais

DESLORATADINA. Antialérgico

DESLORATADINA. Antialérgico DESLORATADINA Antialérgico Vantagens: Não provoca sonolência, que é um dos efeitos colaterais mais desagradáveis causados por medicamentos desse tipo. Age mais rápido, combate a obstrução nasal e praticamente

Leia mais

1.1 Poluentes atmosféricos. 1.2 Principais Poluentes Atmosféricos

1.1 Poluentes atmosféricos. 1.2 Principais Poluentes Atmosféricos 18 1. Introdução Nos últimos anos, o crescimento econômico dos países desenvolvidos provocou o aumento da demanda mundial por energia. Com esta também veio um forte aumento da dependência do petróleo e

Leia mais

Enzimas. Reações baratas e seguras; São altamente eficientes, acelerando a velocidade das reações (10 8 a 10 11 + rápida);

Enzimas. Reações baratas e seguras; São altamente eficientes, acelerando a velocidade das reações (10 8 a 10 11 + rápida); Enzimas Enzimas Enzimas - são proteínas de alta massa molecular (MM > 15000 Da) produzidas por células vivas e que têm a capacidade de aumentar a velocidade das reações biológicas por ativação específica

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO EMENTAS DISCIPLINAS MATRIZ 3 1º AO 3º PERÍODO 1 º Período C.H. Teórica: 90 C.H. Prática: 90 C.H. Total: 180 Créditos: 10

Leia mais

Sumário Detalhado Elementos do sistema imune e suas funções na defesa Resumo do Capítulo 1 Questões 28 Imunidade inata Resumo do Capítulo 2

Sumário Detalhado Elementos do sistema imune e suas funções na defesa Resumo do Capítulo 1 Questões 28 Imunidade inata Resumo do Capítulo 2 Sumário Detalhado Capítulo 1 Elementos do sistema imune e suas funções na defesa 1 1-1 Numerosos micro-organismos comensais habitam os corpos humanos saudáveis 2 1-2 Patógenos são organismos infecciosos

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO TRATAMENTO DE DESSENSIBILIZAÇÃO NA ALERGIA ÀS PROTEÍNAS DO LEITE DE VACA (APLV)

A IMPORTÂNCIA DO TRATAMENTO DE DESSENSIBILIZAÇÃO NA ALERGIA ÀS PROTEÍNAS DO LEITE DE VACA (APLV) A IMPORTÂNCIA DO TRATAMENTO DE DESSENSIBILIZAÇÃO NA ALERGIA ÀS PROTEÍNAS DO LEITE DE VACA (APLV) Barbara Cavenaghi¹, Mariana Regina Azanha Sanches¹, Prof.Dra Susana Nogueira Diniz² 1. Graduadas em Biomedicina

Leia mais

Estado do Espírito Santo CÂMARA MUNICIPAL DE VILA VELHA "Deus seja Louvado"

Estado do Espírito Santo CÂMARA MUNICIPAL DE VILA VELHA Deus seja Louvado PROJETO DE LEI Nº /2015 EMENTA: DISPÕE SOBRE CRIAÇÃO DE UM PROGRAMA DE ALIMENTAÇÃO DIFERENCIADA PARA ALUNOS ALÉRGICOS NA REDE DE ENSINO MUNICIPAL DE VILA VELHA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A Câmara Municipal

Leia mais

COMPOSIÇÃO Cada 1 g de pó contém: benzocaína... 0,006 g bicarbonato de sódio... 0,884 g clorato de potássio... 0,11g

COMPOSIÇÃO Cada 1 g de pó contém: benzocaína... 0,006 g bicarbonato de sódio... 0,884 g clorato de potássio... 0,11g IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: Albicon benzocaína, bicarbonato de sódio, clorato de potássio APRESENTAÇÕES Pó para uso tópico. Cada grama contém 0,006 g de benzocaína, 0,884 g de bicarbonato de sódio e

Leia mais

COMPOSIÇÃO Cada 100 ml de solução contém: fusafungina (DCB 04367)...500 mg excipientes q.s.p...100 ml de solução

COMPOSIÇÃO Cada 100 ml de solução contém: fusafungina (DCB 04367)...500 mg excipientes q.s.p...100 ml de solução IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: LOCABIOTAL fusafungina 5,0 mg/ml APRESENTAÇÕES: Aerossol contendo 5,0 mg/ml de fusafungina. Embalagem contendo gerador portátil dosificador de 10 ml de solução e dois inaladores

Leia mais

AAS Infantil ácido acetilsalicílico. APRESENTAÇÕES Comprimidos de 100 mg: embalagem contendo 30, 120 ou 200 comprimidos. USO ORAL USO PEDIÁTRICO

AAS Infantil ácido acetilsalicílico. APRESENTAÇÕES Comprimidos de 100 mg: embalagem contendo 30, 120 ou 200 comprimidos. USO ORAL USO PEDIÁTRICO Esta bula sofreu aumento de tamanho para adequação a legislação vigente da ANVISA. Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar o medicamento. AAS Infantil ácido

Leia mais

2) Qual a importância da vacina conter as duas linhagens de vírus B?

2) Qual a importância da vacina conter as duas linhagens de vírus B? VACINAS INFLUENZA NO BRASIL EM 2015 Renato Kfouri Vice-presidente da SBIm Juarez Cunha Diretor da SBIm 1) Como são as novas vacinas quadrivalentes? As vacinas influenza utilizadas em nosso país até o ano

Leia mais

NAXOGIN COMPRIMIDOS. 500 mg

NAXOGIN COMPRIMIDOS. 500 mg NAXOGIN COMPRIMIDOS 500 mg Naxogin nimorazol I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome comercial: Naxogin Nome genérico: nimorazol APRESENTAÇÕES Naxogin comprimidos de 500 mg em embalagens contendo 8 comprimidos.

Leia mais

Profa. Susana M.I. Saad Faculdade de Ciências Farmacêuticas Universidade de São Paulo

Profa. Susana M.I. Saad Faculdade de Ciências Farmacêuticas Universidade de São Paulo XIV Congresso Brasileiro de Nutrologia Simpósio ILSI Brasil Probióticos e Saúde Profa. Dra. Susana Marta Isay Saad Departamento de Tecnologia Bioquímico-Farmacêutica USP e-mail susaad@usp.br Alimentos

Leia mais

INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO ENSINO SECUNDÁRIO - 2015

INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO ENSINO SECUNDÁRIO - 2015 Prova de Biologia Prova 302 1. INTRODUÇÃO O presente documento visa divulgar as características da prova de equivalência à frequência do ensino secundário, a realizar em 2015 pelos alunos que se encontram

Leia mais

Hipersensibilidade celular Monitor: Bruno de Bezerril Andrade.

Hipersensibilidade celular Monitor: Bruno de Bezerril Andrade. Universidade Federal da Bahia Faculdade de Medicina Departamento de Anatomia Patológica e Medicina Legal Disciplina de Imunologia MED 194 Hipersensibilidade celular Monitor: Bruno de Bezerril Andrade.

Leia mais

TABELA DE EQUIVALÊNCIA Curso de Odontologia

TABELA DE EQUIVALÊNCIA Curso de Odontologia TABELA DE EQUIVALÊNCIA Curso de Odontologia Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 64823 MICROBIOLOGIA GERAL 17/34 ODONTOLOGIA MICROBIOLOGIA

Leia mais