CAPÍTULO 2 ANDAMENTO DO PROJETO BÁSICO AMBIENTAL DO COMPONENTE INDÍGENA. Anexo 5 27 Projeto revitalização cultura Arara

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CAPÍTULO 2 ANDAMENTO DO PROJETO BÁSICO AMBIENTAL DO COMPONENTE INDÍGENA. Anexo 5 27 Projeto revitalização cultura Arara"

Transcrição

1 CAPÍTULO 2 ANDAMENTO DO PROJETO BÁSICO AMBIENTAL DO COMPONENTE INDÍGENA Anexo 5 27 Projeto revitalização cultura Arara

2 Projeto Resgate do Artesanato Arara do Laranjal Consultor responsável: Francisco Fortes Colaborador: Marcus Schmidt CONTEXTO O Projeto Resgate do Artesanato Arara é resultado da demanda das comunidades da TI Arara do Laranjal (aldeias Laranjal, Arumbi e Mangarapi). A proposta inicial apresentada pelas comunidades Arara da TI Laranjal previa o apoio à produção de artesanatos que estariam sendo priorizados para que tivessem continuidade no processo produtivo local, visando principalmente incentivar o envolvimento dos mais jovens que, segundo eles, estariam mais distantes atualmente, como resultado de tantas interferências em seus modos de vida. Durante a oficina para a construção do projeto, realizada em dezembro de 2014, na aldeia Laranjal, a questão do artesanato foi discutida entre representantes das três aldeias da TI Arara incluindo a participação das mulheres, anciãos, anciãs, lideranças e jovens. Durante o desenvolvimento destas atividades o objeto do projeto foi concebido de forma mais ampla, considerando questões da transmissão de conhecimento no sistema tradicional, objetivos e usos dos materiais a ser produzidos, além da importância para o fortalecimento cultural Arara. Partindo de questões manifestadas pelos participantes da oficina, declarando que o projeto deveria resgatar as formas tradicionais de organização do jeito que os próprios Arara produziam o seu artesanato, o projeto passou a considerar também que a manifestação cultural está relacionada a um processo maior de mobilização para o fazer, isto é, a produção de objetos utilitários e rituais num contexto mais abrangente, resgatando a forma tradicional de produção de tais artefatos durante festas e rituais do Povo Arara. Os Arara consideraram a importância da construção do projeto como forma de resgate e valorização do conhecimento tradicional de seu povo, por meio da realização da festa Ieipari, onde toda a arte seria manifestada na forma de como este processo é concebido no âmbito de sua cultura, onde toda e qualquer produção artística e cultural se inter-relaciona justamente na forma do fazer. Um fazer em conjunto, para um uso determinado 1 Um compromisso deste projeto, de regatar os costumes e tradições traduzidas por sua arte. Durante as reuniões para a elaboração do Projeto foi realizado o levantamento dos artefatos que são produzidos ancestralmente pelo Povo Arara e que foi lembrado pelos anciãos e anciãs, em conjunto com toda a comunidade das aldeias Laranjal, Arumbi e Mangarapi, conforme demonstrado abaixo. 1 Neste caso, a arte é produzida para a realização da festa Ieipari

3 ARTE ARARA ARTEFATO MASCULINO FEMININO DE QUE É FEITO? PARA O QUE SERVE? Flauta X Taboquinha Instrumento pequena musical Flauta X Taboca Instrumento Grande grande musical Arco e X Flecha Caçar e flecha taboquinha; pescar. Arco Ipê; Corda karana. Sacola X Karana Carregar (mye) em frutas e caças. dois modelos aberta e fechada e nos tamanhos P, M e G. Rede nos tamanhos P, M e G. X Karana Descansar e dormir. Tipiti X Arumã Espremer a mandioca Peneira X Arumã Peneirar açaí, (tamanhos mandioca e variados) amuru. Pulseira, X X Dente de Adorno para colares e macaco, enfeitar braceletes. rabo de durante as arraia e festas e karana. demais atividades. Tipoia (wanñetep) Cocar pena peito mutum. Cocar masculino da do do X Kanara Carregar bebê. X X Karana e pena de mutum. X Penas de ara e Adorno para enfeitar durante as festas e demais atividades. Adorno para enfeitar OBS Arte ritualística Arte ritualística Arte utilitária - Antes era utilizado também para a guerra. Arte utilitária - Atualmente também produzem para a comercialização. Arte utilitária. Atualmente também produzem para a comercialização. Arte utilitária Arte utilitária Arte ritualística. Declararam que estão, há pouco tempo, produzindo com miçangas também. Arte utilitária. Declararam que estão, há pouco tempo, produzindo com linhas compradas do karei (não índio) Informaram que este é o único modelo que é feito tanto pelos homens, quanto pelas mulheres. Arte ritualística

4 mutum, karana embira. Maraka X X Caroço de pequi e cabaça pequena. e durante as festas e demais atividades. Uso em festas. Cuia X X Cabaça Usam para tomar amuru e para uso geral como utensílio da alimentação. Colfo (porido) Cesto (odumu) X Arumã e palha do babaçu. Esteira (aga) X Palha do babaçu. Abano (adomon) Cinturão masculino X Palha do babaçu. X Pena de pássaros e karana. Modelo de paneiro usado para carregar castanha, caças, peixe e mandioca. Usado para sentar e descansar. Serve principalmente para abanar o fogo. Uso festas. em Arte ritualística. As mulheres informaram que hoje em dia também usam para as crianças brincarem. Arte utilitária e Ritualística. Arte utilitária. Arte utilitária. Arte utilitária. Arte ritualística. Partindo da análise quanto às ações intrínsecas do projeto, consideradas em sua amplitude e complexidade para os indígenas, é mister garantir o acompanhamento técnico para as ações relacionadas às expedições de pesquisa e coleta de recursos naturais e para as ações de planejamento e execução de todas as etapas como processo de construção do conhecimento e garantia de autonomia para os donos do Projeto de Resgate do Artesanato Arara. Alguns artesanatos não são mais produzidos em maiores quantidades porque as matérias primas não existem na TI, provavelmente na área de onde foram transferidos (checar) Existe um tipo de cocar que só é utilizado em situações especiais OBJETIVO GERAL Resgatar e valorizar o artesanato e arte Arara a partir da realização e registro da festa Ieipari.

5 OBJETIVOS ESPECÍFICOS (etapas do projeto) 1- Primeira reunião de planejamento Primeiras combinações para a organização das oficinas, identificação e coleta de recursos naturais para a produção do artesanato e organização da festa Ieipari; Escolher os chefes da identificação e coleta de recursos naturais e definir quando irão buscar os recursos do mato e quais artesanatos serão produzidos. Discutir e definir quem será o chefe da caçada, o chefe da organização da festa na aldeia (alimentos, materiais, musica, instrumentos) e o chefe do projeto (apoiar comunidade, coordenar, administrar e acompanhar todas as ações do projeto, oficinas, registros audiovisuais do projeto e da festa, relatório e prestação de contas). Escolher a equipe de mestres do projeto e quais suas responsabilidades, tais como, ministrar as oficinas de acordo com o modo tradicional, produzindo o artesanato a ser usado durante a festa, exposto e comercializado. 2- Pesquisa e mapeamento dos recursos naturais 2 O que tem de recursos naturais disponíveis; Em que locais serão feitas as coletas de recursos naturais; Quem serão os responsáveis. 3- Realização de três identificações e coletas de recursos naturais Materiais: sementes, fibras, penas, taboca, osso, cera, casca de pau, dentes, ponta de flecha, pau d arco para arco. Expedição da aldeia Laranjal; Expedição da aldeia Arumbi; Expedição da aldeia Mangarapi; 4- Segunda reunião de planejamento Planejamento das oficinas Quem vai ensinar / quem vai aprender / o que vai precisar (organização e separação do material) / quando será realizada a oficina, como deverá acontecer e onde será realizada; Acertos entre a participação por gênero (homens e mulheres); faixa etária (jovens, conhecedores); Definir atividades e responsabilidades para a adequação de espaço físico e espaço de exposição; Definir atividades e responsabilidades para gestão da arte Arara; Definir atividades e responsabilidades para a montagem e organização da festa, exposição e comercialização da arte Arara. 2 Neste contexto recursos naturais são a matéria prima par a produção da arte arara.

6 5- Oficinas de resgate do artesanato Arara Realização de três oficinas para produzir artesanato para a festa e para a exposição. 6- Terceira reunião de planejamento Preparação da festa: Combinar a colheita, quem prepara, quem tem roça? Produção do amuru 3 - Combinar a data para iniciar a produção do amuru; Pinturas corporais para a festa - Combinar quando vai iniciar o preparo da tinta e as pinturas e quem são os responsáveis; Buscar o Ieipari no mato - Escolher quem são os responsáveis e quando será feito; Cantos e danças Caçada - Combinar e organizar a caçada (quem vai e o que irá precisar). 7- Realização da festa Ieipari e exposição da arte arara: Festa na aldeia - Durante a festa todos os que ficaram na aldeia dançam, bebem o amuru e conversam com o Ieipari; Chegada da caçada Este é o ponto alto da festa, todos que foram para a caçada avisam que estão chegando por meio de comunicação própria e quando chegam com a comida são recebidos com alegria e muito amuru; Exposição da arte arara Todos os artefatos produzidos nas oficinas serão para uso dos participantes indígenas e montagem de uma grande exposição durante a festa. Finalização da festa - A festa só termina quando acaba o amuru. *2 dias antes de chegar os caçadores, 3 dias após a chegada dos caçadores, 5 dias até acabar o amuru 10 dias ao todo. 8- Registro do Projeto: Esta etapa ocorre desde o início das ações do projeto, objetivando construir a sua memória por meio de registros ou documentos audiovisuais, a serem expostos durante a realização da festa Ieipari. Os registros incluem a caracterização do artesanato produzido, os tipos de recursos identificados, fotografias e desenhos, mapas de localização dos recursos, audiovisual. Para apoio ao registro das ações do Projeto é necessário que o Povo Arara do Laranjal tenha suporte técnico e acompanhamento dos parentes Arara da Cachoeira Seca que já possuem experiência em registros audiovisuais e edição de vídeos. 3 Bebida tradicional similar ao Caxiri, produzida de macaxeira, banana, milho, cará, inajá e abóbora).

7 CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO Em arquivo anexo. ORÇAMENTO Em fase de pesquisa de preço. REGISTROS FOTOGRÁFICOS Oficina de construção do Projeto Tradução para os anciãos e anciãs - por Tada Arara / Foto: Francisco Fortes Apresentação das musicas de flauta / Foto: Francisco Fortes

8 Arte Arara / Foto: Francisco Fortes Arte Arara / Foto: Francisco Fortes

9 Arte Arara / Foto: Francisco Fortes Oficina de construção do projeto com Francisco Fortes e Marcos Schmidt / Foto: Professor Rinaldo.

10 Demonstração do beneficiamento do karana / Foto: Francisco Fortes Finalização da oficina / Foto: Francisco Fortes

11

12 Oficinas de resgate do artesanato arara Segunda reunião de planejamento Realização de 3 identificações e coleta de recursos naturais Pesquisa dos recursos naturais Primeira reunião de planejamento Mês 1 Mês 2 Mês 3 Mês 4 Mês 5 Mês 6 Semanas Semanas Semanas Semanas Semanas Semanas Etapas

13 Registro do Projeto Realização da festa Ybari e exposição da arte arara. Terceira reunião de planejamento

INCENTIVO A PRODUÇÃO DE ARTESANATO NA COMUNIDADE TABA LASCADA, CANTÁ, RR

INCENTIVO A PRODUÇÃO DE ARTESANATO NA COMUNIDADE TABA LASCADA, CANTÁ, RR INCENTIVO A PRODUÇÃO DE ARTESANATO NA COMUNIDADE TABA LASCADA, CANTÁ, RR Valdélia Cruz Cadete Acadêmica do Curso de Gestão Territorial Indígena Instituto Insikiran de Formação Superior Indígena Universidade

Leia mais

organização social wajãpi

organização social wajãpi JANE REKO MOKASIA organização social wajãpi Ministério da Cultura JANE YVY nossa terra Antes de fazer contato com a Funai e com outros não-índios, nosso território era muito maior. Nós não ficávamos preocupados

Leia mais

Aula 10.2 Conteúdo: Os esportes indígenas na cultura não indígena. DINÂMICA LOCAL INTERATIVA APRENDER A APRENDER APRENDER A APRENDER EDUCAÇÃO FÍSICA

Aula 10.2 Conteúdo: Os esportes indígenas na cultura não indígena. DINÂMICA LOCAL INTERATIVA APRENDER A APRENDER APRENDER A APRENDER EDUCAÇÃO FÍSICA A A Aula 10.2 Conteúdo: Os esportes indígenas na cultura não indígena. 2 A A Habilidades: Reconhecer os jogos com heranças indígenas. 3 A A O esporte indígena na cultura não indígena: A cultura brasileira

Leia mais

A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Palavras-Chaves: Território Sustentabilidade- Bem Viver.

A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Palavras-Chaves: Território Sustentabilidade- Bem Viver. A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Este trabalho tem o objetivo de discutir a sustentabilidade do território A uwe- Marãiwatsédé, mediada pelas relações econômicas,

Leia mais

Programa de Patrimônio Cultural Material e Imaterial. Anexos. Anexo 11.9.1: Inventário da cultura material Asuriní

Programa de Patrimônio Cultural Material e Imaterial. Anexos. Anexo 11.9.1: Inventário da cultura material Asuriní Programa de Patrimônio Cultural Material e Imaterial Anexos Anexo 11.9.1: Inventário da cultura material Asuriní Kujy (Mulheres) Kujemae (Homens) 1. Maepapyra 1. Tenawa (tupepire) 2. Tupawa 2. Ywyrypara

Leia mais

Colégio Pedro II Departamento de Desenho e Artes Visuais

Colégio Pedro II Departamento de Desenho e Artes Visuais Campus São Cristóvão II Coordenador Pedagógico de Disciplina: Shannon Botelho 6º ano. TURMA: NOME: nº ARTE INDÍGENA Enquanto a América ainda não tinha sido ocupada pelos europeus, aqui no Brasil já existia

Leia mais

ATIVIDADES PARA O DIA DO ÍNDIO 19 DE ABRIL

ATIVIDADES PARA O DIA DO ÍNDIO 19 DE ABRIL ATIVIDADES PARA O DIA DO ÍNDIO 19 DE ABRIL Pintura facial pg. 02 Saia indígena pg. 02 Dança indígena pg. 02 Passeio pela floresta pg. 02 Modelo de cocar para o do livro Natureza e Sociedade 5 anos pg.

Leia mais

Projeto de formação superior indígena, interdisciplinar e multicultural no rio Negro

Projeto de formação superior indígena, interdisciplinar e multicultural no rio Negro Projeto de formação superior indígena, interdisciplinar e multicultural no rio Negro (versão de 27/07/09, sujeita a alterações) apoio: São Gabriel da Cachoeira (AM), agosto de 2009 2 Projeto de formação

Leia mais

ÍNDICE. Apresentação. Participantes da Oficina. Aldeias Guaranis do Litoral Norte. Programação da Oficina

ÍNDICE. Apresentação. Participantes da Oficina. Aldeias Guaranis do Litoral Norte. Programação da Oficina ÍNDICE Encontro de Mulheres Guarani do Litoral Norte do Estado de São Paulo Organização: Selma A. Gomes Projeto gráfico: Irmãs de Criação Fotos: Carlos Penteado Publicado com o apoio da CAFOD Novembro

Leia mais

EDUCAÇÃO INDÍGENA INTRODUÇÃO

EDUCAÇÃO INDÍGENA INTRODUÇÃO EDUCAÇÃO INDÍGENA Gonçalves,Emily 1 Mello,Fernanda 2 RESUMO: Falar da educação dos índios nos dias atuais requer uma breve análise histórica deste povo. Precisamos reconhecer que nesses 508 anos, os povos

Leia mais

42ª Semana do Índio de Tupã De 22 a 26/4/2014

42ª Semana do Índio de Tupã De 22 a 26/4/2014 42ª Semana do Índio de Tupã De 22 a 26/4/2014 Trata-se de um evento para aproximar as culturas indígenas das não indígenas, demonstrando que tanto o Brasil, quanto a região oeste de São Paulo e a cidade

Leia mais

Formulário 01 - Roteiro para Elaboração de Projeto de Extensão e Cultura

Formulário 01 - Roteiro para Elaboração de Projeto de Extensão e Cultura Formulário 01 - Roteiro para Elaboração de Projeto de Extensão e Cultura Título do projeto: IAMANA Coordenador do projeto: POLLYANA CARDOSO PEREIRA Colaboradores: GOVERNO FEDERAL-FUNARTE-MINISTERIO DA

Leia mais

PROGRAMA MAIS CULTURA - EDITAL MICROPROJETOS TERRITÓRIOS DE PAZ ANEXO 3 FORMULÁRIO PESSOA JURÍDICA 1. IDENTIFICAÇÃO DA PROPOSTA TÍTULO: ÁREA

PROGRAMA MAIS CULTURA - EDITAL MICROPROJETOS TERRITÓRIOS DE PAZ ANEXO 3 FORMULÁRIO PESSOA JURÍDICA 1. IDENTIFICAÇÃO DA PROPOSTA TÍTULO: ÁREA 1 PROGRAMA MAIS CULTURA - EDITAL MICROPROJETOS TERRITÓRIOS DE PAZ ANEXO 3 FORMULÁRIO PESSOA JURÍDICA 1. IDENTIFICAÇÃO DA PROPOSTA TÍTULO: ÁREA: ÁREA Artes Visuais Artes Cênicas Música Literatura Audiovisual

Leia mais

Fortalecimento Institucional de Associações Indígenas Parceiras do ISA no Parque Indígena do Xingu e TI Panará

Fortalecimento Institucional de Associações Indígenas Parceiras do ISA no Parque Indígena do Xingu e TI Panará Fortalecimento Institucional de Associações Indígenas Parceiras do ISA no Parque Indígena do Xingu e TI Panará O Projeto de fortalecimento institucional das Associações Parceiras do ISA é uma das iniciativas

Leia mais

BRINQUEDOS INDÍGENAS NA AMAZÔNIA. Texto Maria das Graças Santana da Silva. Ilustrações Rosilda F. Vasco Guilherme Henriques de A.

BRINQUEDOS INDÍGENAS NA AMAZÔNIA. Texto Maria das Graças Santana da Silva. Ilustrações Rosilda F. Vasco Guilherme Henriques de A. BRINQUEDOS INDÍGENAS NA AMAZÔNIA Texto Maria das Graças Santana da Silva Ilustrações Rosilda F. Vasco Guilherme Henriques de A. Nogueira FICHA TÉCNICA Governo do Brasil Presidente da República Luiz Inácio

Leia mais

MUSEU DO ÍNDIO/FUNAI NORMAS E DIRETRIZES PARA SELEÇÃO PÚBLICA DE PROJETOS ANO 2010

MUSEU DO ÍNDIO/FUNAI NORMAS E DIRETRIZES PARA SELEÇÃO PÚBLICA DE PROJETOS ANO 2010 MUSEU DO ÍNDIO/FUNAI AÇÃO DE PROMOÇÃO DAS CULTURAS INDÍGENAS NORMAS E DIRETRIZES PARA SELEÇÃO PÚBLICA DE PROJETOS ANO 2010 A Fundação Nacional do Índio - FUNAI, através do Museu do Índio, torna público

Leia mais

PRÁTICAS CORPORAIS E MANIFESTAÇÕES CULTURAIS INDÍGENAS E SUAS RELAÇÕES COM OS JOGOS DOS POVOS INDÍGENAS DO BRASIL

PRÁTICAS CORPORAIS E MANIFESTAÇÕES CULTURAIS INDÍGENAS E SUAS RELAÇÕES COM OS JOGOS DOS POVOS INDÍGENAS DO BRASIL PRÁTICAS CORPORAIS E MANIFESTAÇÕES CULTURAIS INDÍGENAS E SUAS RELAÇÕES COM OS JOGOS DOS POVOS INDÍGENAS DO BRASIL Bruna Maria de Oliveira (¹) ; Elcione Trojan de Aguiar (2) ;Beleni Salete Grando (3) 1.Acadêmica

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DA TERRA INDIGENA SETE DE SETEMBRO EM CACOAL-RONDÔNIA-BRASIL. PAITER X PROJETO REDD+

PLANO DE GESTÃO DA TERRA INDIGENA SETE DE SETEMBRO EM CACOAL-RONDÔNIA-BRASIL. PAITER X PROJETO REDD+ PLANO DE GESTÃO DA TERRA INDIGENA SETE DE SETEMBRO EM CACOAL-RONDÔNIA-BRASIL. PAITER X PROJETO REDD+ GASODÁ SURUI TURISMOLOGO E COORDENADOR DE CULTURA PAITER NA ASSOCIAÇÃO METAREILA DO POVO INDIGENA SURUI.

Leia mais

SIMULADO DE ARTES FUNDAMENTAL

SIMULADO DE ARTES FUNDAMENTAL NOME: DATA DE ENTREGA: / / SIMULADO DE ARTES FUNDAMENTAL 1) Há algum tempo atrás, os livros, as revistas, os jornais, as fotografias, o cinema e a televisão eram em preto e branco. Hoje as cores fazem

Leia mais

00:00:05:15 00:01:22:09 00:01:26:13 00:01:29:17 00:01:45:19 00:0152:22. Copyright 2006 TV Ciência 1/6

00:00:05:15 00:01:22:09 00:01:26:13 00:01:29:17 00:01:45:19 00:0152:22. Copyright 2006 TV Ciência 1/6 Processo nº 24 Titulo: Imagens de Timor Data: Realizador: Prof. Dr. António de Almeida Produtor: Local: Timor Imagem: Locução: Montagem: Sem montagem Filmagem: Prof. Dr. António de Almeida Tradução: Som

Leia mais

Mulheres Periféricas

Mulheres Periféricas PROGRAMA PARA A VALORIZAÇÃO DE INICIATIVAS CULTURAIS VAI SECRETARIA MUNICIPAL DA CULTURA São Paulo, fevereiro de 2011 Mulheres Periféricas Proponente RG: CPF: Rua Fone: E-mail: 1 Índice Dados do Projeto

Leia mais

/ / JEITOS DE APRENDER. Índios Yanomami, Roraima

/ / JEITOS DE APRENDER. Índios Yanomami, Roraima / / JEITOS DE APRENDER Índios Yanomami, Roraima Ao longo de toda vida as pessoas passam por muitos aprendizados. Aprende-se dos mais diferentes jeitos e em vários momentos. O que se aprende e com quem

Leia mais

Estruturas institucionais esfera federal

Estruturas institucionais esfera federal Estruturas institucionais esfera federal Departamento do Patrimônio Imaterial Princípio de atuação: respeito à diversidade cultural e valorização da diferença são os princípios organizadores da atuação

Leia mais

Manejo de recursos naturais e desenvolvimento de alternativas econômicas sustentáveis.

Manejo de recursos naturais e desenvolvimento de alternativas econômicas sustentáveis. Manejo de recursos naturais e desenvolvimento de alternativas econômicas sustentáveis. O projeto de manejo de recursos naturais desenvolve conceitos e técnicas que permitem a identificação e o manejo dos

Leia mais

Mais Cultura nas Escolas

Mais Cultura nas Escolas Mais Cultura nas Escolas O que é o Programa Mais Cultura nas Escolas? Projeto Andarilha das Letras, Circulação Literária/ FUNARTE É o encontro de projetos pedagógicos de escolas da rede pública com experiências

Leia mais

FUNK CONSCIENTIZA. VAI 1 - música

FUNK CONSCIENTIZA. VAI 1 - música PROGRAMA PARA A VALORIZAÇÃO DE INICIATIVAS CULTURAIS VAI SECRETARIA MUNICIPAL DA CULTURA São Paulo, fevereiro de 2010 FUNK CONSCIENTIZA VAI 1 - música Proponente Nome RG: CPF: Endereço Fone: E-mail: DADOS

Leia mais

Cover Page. The handle http://hdl.handle.net/1887/32581 holds various files of this Leiden University dissertation

Cover Page. The handle http://hdl.handle.net/1887/32581 holds various files of this Leiden University dissertation Cover Page The handle http://hdl.handle.net/1887/32581 holds various files of this Leiden University dissertation Author: Rodrigues, Walace Title: O processo de ensino-aprendizagem Apinayé através da confecção

Leia mais

MANUAL DO PDPI - SUPLEMENTO DE INFORMAÇÕES

MANUAL DO PDPI - SUPLEMENTO DE INFORMAÇÕES MANUAL DO PDPI - SUPLEMENTO DE INFORMAÇÕES Conteúdo Introdução I. Assuntos importantes II. Esclarecimentos sobre o que o PDPI pode apoiar ou não III. Esclarecimentos e mudanças do formulário Anexos MANUAL

Leia mais

Lista de Projetos Contemplados no Programa Integração Petrobras Comunidade

Lista de Projetos Contemplados no Programa Integração Petrobras Comunidade Lista de Projetos Contemplados no Programa Integração Petrobras Comunidade ITABORAÍ Projeto: Fábrica de Sonhos Nome da instituição: Liga Independente das Escolas de Samba e Blocos Carnavalescos de Itaboraí

Leia mais

VALORES CULTURAIS (INDÍGENAS) KAINGANG

VALORES CULTURAIS (INDÍGENAS) KAINGANG VALORES CULTURAIS (INDÍGENAS) KAINGANG Um cacique kaingang, meu amigo, me escreveu pedindo sugestões para desenvolver, no Dia do Índio, o seguinte tema em uma palestra: "Os Valores Culturais da Etnia Kaingáng".

Leia mais

II MOSTRA CULTURAL E CIENTÍFICA: LÉO KOHLER 50 ANOS CONSTRUINDO HISTÓRIA

II MOSTRA CULTURAL E CIENTÍFICA: LÉO KOHLER 50 ANOS CONSTRUINDO HISTÓRIA ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR LÉO KOHLER ENSINO FUNDAMENTAL II MOSTRA CULTURAL E CIENTÍFICA: LÉO KOHLER 50 ANOS CONSTRUINDO HISTÓRIA PROJETO: Arte Popular Professora Orientadora: Graciele Moreira Turma: 7ª

Leia mais

Kaingang: uma criança que cresce em tempo record...

Kaingang: uma criança que cresce em tempo record... Kaingang: uma criança que cresce em tempo record... Nossa infância,cada kaingang ao nascer já estará predestinado a vivenciar um mundo que tem dois fatores lados: primeiro, nascer dentro de uma comunidade

Leia mais

Inverno 17, 18 e 19 de julho Primavera 03 e 04 de outubro Verão 11, 12 e 13 de dezembro

Inverno 17, 18 e 19 de julho Primavera 03 e 04 de outubro Verão 11, 12 e 13 de dezembro Apresentação Para incentivar e promover o trabalho das mães empreendedoras de Curitiba, a Maternarum realiza a 9ª edição da Feira Maternarum. A novidade este ano é que teremos 20% das vagas destinadas

Leia mais

Atitudes pela Educação Novembro de 2014

Atitudes pela Educação Novembro de 2014 Atitudes pela Educação Novembro de 2014 Realização: Instituto Paulo Montenegro IBOPE Inteligência Parceiros da pesquisa: Todos Pela Educação Fundação Itaú Social Fundação Maria Cecília Souto Vidigal Fundação

Leia mais

CAPÍTULO 2 ANDAMENTO DO PROJETO BÁSICO AMBIENTAL DO COMPONENTE INDÍGENA. 8.3-1 Identificação e Seleção de Espécies Chaves e Prioritárias

CAPÍTULO 2 ANDAMENTO DO PROJETO BÁSICO AMBIENTAL DO COMPONENTE INDÍGENA. 8.3-1 Identificação e Seleção de Espécies Chaves e Prioritárias CAPÍTULO 2 ANDAMENTO DO PROJETO BÁSICO AMBIENTAL DO COMPONENTE INDÍGENA 8.3-1 Identificação e Seleção de Espécies Chaves e Prioritárias 1. Introdução Este anexo apresenta os dados consolidados referentes

Leia mais

INPA. Mudanças climáticas e malária: o que muda na Amazônia. Ciência para todos. Inpa faz 56 anos gerando conhecimento na Amazônia

INPA. Mudanças climáticas e malária: o que muda na Amazônia. Ciência para todos. Inpa faz 56 anos gerando conhecimento na Amazônia Revista de divulgação científica do INPA Ciência para todos Agosto de 2010 nº 05, ano 2 (Distribuição Gratuita) ISSN 19847653 Mudanças climáticas e malária: o que muda na Amazônia Inpa faz 56 anos gerando

Leia mais

Escola Básica do 1º Ciclo com Pré-Escolar de São Vicente Plano Anual de Actividades 2007/2008

Escola Básica do 1º Ciclo com Pré-Escolar de São Vicente Plano Anual de Actividades 2007/2008 Escola Básica do 1º Ciclo com Pré-Escolar de São Vicente Plano Anual de Actividades 2007/2008 Objectivos gerais: - Proporcionar o diálogo e o respeito pelas pessoas mais velhas. - Desenvolver o espírito

Leia mais

PROJETO PONTO DE CULTURA FAZENDO ARTE 1

PROJETO PONTO DE CULTURA FAZENDO ARTE 1 PROJETO PONTO DE CULTURA FAZENDO ARTE 1 MENDONÇA, Marcelo Rodrigues OLIVEIRA, João Manoel Borges RESUMO: O Ponto de Cultura Fazendo Arte é uma ação da Associação dos Moradores do Bairro Santa Terezinha

Leia mais

UNIÃO DOS ESCOTEIROS DO BRASIL V JAMBOREE NACIONAL ESCOTEIRO. 15 a 20 de julho de 2012. Rio de Janeiro RJ Brasil BOLETIM 3

UNIÃO DOS ESCOTEIROS DO BRASIL V JAMBOREE NACIONAL ESCOTEIRO. 15 a 20 de julho de 2012. Rio de Janeiro RJ Brasil BOLETIM 3 UNIÃO DOS ESCOTEIROS DO BRASIL V JAMBOREE NACIONAL ESCOTEIRO 15 a 20 de julho de 2012 Rio de Janeiro RJ Brasil BOLETIM 3 EQUIPE DE SERVIÇO, PROGRAMA e TRANSLADO 1. EQUIPE DE SERVIÇO Programa de Turismo

Leia mais

Projeto dia dos Pais 2015 Comemoração dia 15/08/15

Projeto dia dos Pais 2015 Comemoração dia 15/08/15 Projeto dia dos Pais 2015 Comemoração dia 15/08/15 Objetivo:Promover a interação entre pais e filhos, de maneira divertida, prazerosa e colaborativa, dentro do contexto escolar de convivência e socialização.

Leia mais

Design Popular do Jalapão. Manejo comunitário sustentável

Design Popular do Jalapão. Manejo comunitário sustentável Design Popular do Jalapão Manejo comunitário sustentável pôr-do-sol no Jalapão dunas da Serra do Espírito Santo - Parque Estadual do Jalapão Rio Formiga artesanato de capim dourado chegou ao Jalapão em

Leia mais

REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE III

REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE III REVISÃO 1 REVISÃO 2 REVISÃO 3 Aula 12 REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE III 2 Brincadeira Ação de brincar, de entreter, de distrair. Utilizam uma variedade de movimentos corporais e capacidades físicas Caráter

Leia mais

EXPRESSÕES DA ARTE GUARANI NO RIO DE JANEIRO

EXPRESSÕES DA ARTE GUARANI NO RIO DE JANEIRO EXPRESSÕES DA ARTE GUARANI NO RIO DE JANEIRO Beatriz Viana Furtado Bolsista de extensão/programa de Estudos dos Povos Indígenas/UERJ. Graduanda de Pedagogia da UERJ. vianafurtado@gmail.com Resumo Esta

Leia mais

Kabá Darebu. Texto de Daniel Munduruku e ilustrações de Maté. Projeto: leitura e produção de texto. Indicação: Fundamental 1

Kabá Darebu. Texto de Daniel Munduruku e ilustrações de Maté. Projeto: leitura e produção de texto. Indicação: Fundamental 1 Kabá Darebu Texto de Daniel Munduruku e ilustrações de Maté Projeto: leitura e produção de texto Indicação: Fundamental 1 Elaborado por: Ana Lúcia Maestrello Tema transversal: Pluralidade cultural. 1 o

Leia mais

Kit de Apoio à Gestão Pública 1

Kit de Apoio à Gestão Pública 1 Kit de Apoio à Gestão Pública 1 Índice CADERNO 3: Kit de Apoio à Gestão Pública 3.1. Orientações para a reunião de Apoio à Gestão Pública... 03 3.1.1. O tema do Ciclo 4... 03 3.1.2. Objetivo, ações básicas

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO DOCE CNPJ: 18.316.265/0001-69 CEP: 35442-000 ESTADO DE MINAS GERAIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO DOCE CNPJ: 18.316.265/0001-69 CEP: 35442-000 ESTADO DE MINAS GERAIS I FEIRA GASTRO-CULTURAL DE RIO DOCE MG De 24/09 à 01/10/2011, o município de Rio Doce abrigará a I Feira Gastro-Cultural que movimentará a cultura, a arte e a culinária no interior na zona da mata mineira.

Leia mais

Decupagem do filme Epopéia da Comissão Rondon :

Decupagem do filme Epopéia da Comissão Rondon : Decupagem do filme Epopéia da Comissão Rondon : Acervo Audiovisual Museu do Índio FUNAI Apoio: CGAE FUNAI Título do filme Epopéia da Comissão Rondon (0 Acervo Audiovisual Museu do Índio FUNAI - Apoio CGAE

Leia mais

PODER FEMININO KANAMARI NO RITUAL DO KOHANAN 1

PODER FEMININO KANAMARI NO RITUAL DO KOHANAN 1 PODER FEMININO KANAMARI NO RITUAL DO KOHANAN 1 Por Ana Claudia Figueroa, julho de 2006. Deste trabalho se vestem a maior parte das índias, não só da Vila de Santarém, mas também as da Vila Franca e Alter

Leia mais

Educação Patrimonial: Conhecer, Resgatar e Fortalecer a Cultura Guarani através do Estudo da Cerâmica Arqueológica

Educação Patrimonial: Conhecer, Resgatar e Fortalecer a Cultura Guarani através do Estudo da Cerâmica Arqueológica Educação Patrimonial: Conhecer, Resgatar e Fortalecer a Cultura Guarani através do Estudo da Cerâmica Arqueológica Marcia Andreia Facio Silva 1 Lidiane Robalo Barboza Ribas 2 INTRODUÇÃO, Entendemos que

Leia mais

Plano de Trabalho com Projetos

Plano de Trabalho com Projetos PREFEITURA DE JARAGUÁ DO SUL SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ENSINO FUNDAMENTAL Plano de Trabalho com Projetos 1. Identificação: Escola Municipal de Ensino Fundamental Renato Pradi Professora:

Leia mais

ATIVIDADE DE ESTUDOS SOCIAIS 3ª S SÉRIES A-B-C-D

ATIVIDADE DE ESTUDOS SOCIAIS 3ª S SÉRIES A-B-C-D Nome: n.º 3ª série Barueri, / / 2009 Disciplina: ESTUDOS SOCIAIS 1ª POSTAGEM ATIVIDADE DE ESTUDOS SOCIAIS 3ª S SÉRIES A-B-C-D Querido aluno, segue a orientação para esta atividade. - Ler com atenção, responder

Leia mais

Plano de Trabalho com Projetos - Professor

Plano de Trabalho com Projetos - Professor PREFEITURA DE JARAGUÁ DO SUL SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ENSINO FUNDAMENTAL Plano de Trabalho com Projetos - Professor 1. Identificação Escola Municipal de Ensino Fundamental Anna Töwe

Leia mais

Carta do Lago Caracaranã Fórum Permanente Binacional Yanomami Ye kwana Brasil/Venezuela

Carta do Lago Caracaranã Fórum Permanente Binacional Yanomami Ye kwana Brasil/Venezuela Carta do Lago Caracaranã Fórum Permanente Binacional Yanomami Ye kwana Brasil/Venezuela 02 de novembro de 2014 Durante o II Encontro Binacional Yanomami Ye kwana foi criado o Fórum Permanente Binacional

Leia mais

Educação escolar indígena

Educação escolar indígena Educação escolar indígena O principal objetivo desta apresentação é fazer uma reflexão sobre a cultura indígena kaingang, sobre as políticas educacionais integracionistas e sobre a política atual, que

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE SECRETARIA MUNICIPAL DE CULTURA

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE SECRETARIA MUNICIPAL DE CULTURA PROGRAMA Nº- 042 PALCO SOBRE RODAS Projeto inspirado no clássico modelo de teatro itinerante, através da montagem de um palco móvel que percorre os bairros da cidade, levando cultura. Levar o Palco sobre

Leia mais

B3-208 Capacitação e formação de grupos artesanais para produtoras da agricultura agroecológica do Agreste Paraibano

B3-208 Capacitação e formação de grupos artesanais para produtoras da agricultura agroecológica do Agreste Paraibano B3-208 Capacitação e formação de grupos artesanais para produtoras da agricultura agroecológica do Agreste Paraibano Josilda de França Xavier 1; Maria José Santos 2 ; Maria da Conceição Jerônimo 3 1 Bióloga,

Leia mais

EDITAL PRÊMIO GUNGA IDENTIDADE E CULTURA

EDITAL PRÊMIO GUNGA IDENTIDADE E CULTURA EDITAL PRÊMIO GUNGA IDENTIDADE E CULTURA 1. APRESENTAÇÃO Com base nos valores da economia solidária e da cultura livre, o Estúdio Gunga empresa de comunicação focada na criação de sites, editoração gráfica,

Leia mais

Conteúdos. Diversidade Cultural Ginástica Rítmica

Conteúdos. Diversidade Cultural Ginástica Rítmica Conteúdos Diversidade Cultural Ginástica Rítmica Habilidades Reconhecer os conceitos trabalhados na Unidade III Aplicar teoricamente os conteúdos estudados na unidade III PAUTA DO DO DIA DIA Acolhida Revisão

Leia mais

PROJETO: OUVIR CANTAR E DANÇAR OUVIR MÚSICA É SEMPRE BOM. Eixos temáticos: Objetivos: Faixa etária: De um a cinco anos (educação Infantil)

PROJETO: OUVIR CANTAR E DANÇAR OUVIR MÚSICA É SEMPRE BOM. Eixos temáticos: Objetivos: Faixa etária: De um a cinco anos (educação Infantil) PROJETO: OUVIR MÚSICA É SEMPRE BOM OUVIR Eixos temáticos: Diferentes linguagens Artes visuais Movimento CANTAR Linguagem Oral; Natureza e Sociedade Objetivos: E DANÇAR Interagir com músicas e movimentos

Leia mais

Usos e Costumes. Nos Dias Atuais TIAGO SANTOS

Usos e Costumes. Nos Dias Atuais TIAGO SANTOS Usos e Costumes Nos Dias Atuais TIAGO SANTOS [ 2 ] Prefácio Nos dias atuais temos visto muitas mudanças de paradigmas nos regulamentos internos de nossas instituições. Isso tem ocorrido pela demanda de

Leia mais

REPERTÓRIO DE ATIVIDADES ARTESANAIS

REPERTÓRIO DE ATIVIDADES ARTESANAIS REPERTÓRIO DE ATIVIDADES ARTESANAIS 01.01 Preparação e Fiação de Fibras Têxteis 01.02 Tecelagem Grupo 01 - Artes e Ofícios Têxteis 13101 13102 13103 13105 13201 13202 13203 01.03 Arte de Estampar 13302

Leia mais

caderno de atividades

caderno de atividades caderno de atividades A sociedade brasileira Índios, nossos primeiros habitantes Página 10 Para atender à causa desses povos, existem leis que garantem o direito à terra, delimitando espaços para reservas

Leia mais

Identificação do projeto

Identificação do projeto Seção 1 Identificação do projeto ESTUDO BÍBLICO Respondendo a uma necessidade Leia Neemias 1 Neemias era um judeu exilado em uma terra alheia. Alguns dos judeus haviam regressado para Judá depois que os

Leia mais

MODOS DE FAZER. Viola de Cocho

MODOS DE FAZER. Viola de Cocho MODOS DE FAZER Viola de Cocho A Viola de Cocho, é um instrumento musical já reconhecido como patrimônio imaterial, típico do Pantanal mato-grossense nos estados de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, intrinsecamente

Leia mais

FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS. Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília

FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS. Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília Nome do Evento: Fórum Mundial de Direitos Humanos Tema central: Diálogo e Respeito às Diferenças Objetivo: Promover um

Leia mais

COSTUMES INDÍGENAS 7

COSTUMES INDÍGENAS 7 COSTUMES INDÍGENAS 7 Silva, Wanderlúcia Araújo. Aluna da Universidade Federal do Pará Curso de História Bacharelado/Licenciatura RESUMO - Este artigo implica na reflexão a cerca dos costumes indígenas,

Leia mais

Capacitação para Elaboração de Projetos Culturais - 2013

Capacitação para Elaboração de Projetos Culturais - 2013 Capacitação para Elaboração de Projetos Culturais - 2013 FUNDAÇÃO CULTURAL DE BALNEÁRIO CAMBORIÚ Andréa Wolff Maikon Dias O que é um projeto? Um projeto é um conjunto de ações integradas, que levam a um

Leia mais

PROGRAMA PETROBRAS SOCIOAMBIENTAL: Desenvolvimento Sustentável e Promoção de Direitos

PROGRAMA PETROBRAS SOCIOAMBIENTAL: Desenvolvimento Sustentável e Promoção de Direitos PROGRAMA PETROBRAS SOCIOAMBIENTAL: Desenvolvimento Sustentável e Promoção de Direitos Pra começo de conversa, um video... NOVO PROGRAMA Programa Petrobras SOCIOAMBIENTAL 2014-2018 3 ELABORAÇÃO DO NOVO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PARANAGUA FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE CULTURA DE PARANAGUÁ "NELSON DE FREITAS BARBOSA"

PREFEITURA MUNICIPAL DE PARANAGUA FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE CULTURA DE PARANAGUÁ NELSON DE FREITAS BARBOSA "" APÊNDICE 1 Requisitos e demandas dos segmentos culturais para a proposição de projetos. Os projetos culturais propostos deverão respeitar e se enquadrar nas seguintes determinações dos seus respectivos

Leia mais

Autores: Luis Alberto Pereira 1 Andréia Naique Taukane 2

Autores: Luis Alberto Pereira 1 Andréia Naique Taukane 2 Kãdãkerã Revitalização do plantio do algodão nativo para a confecção de redes tradicionais com mulheres indígenas do Povo Bakairi. Autores: Luis Alberto Pereira 1 Andréia Naique Taukane 2 Resumo Com a

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

Tripulação do Maternal A e as viagens com os piratas.

Tripulação do Maternal A e as viagens com os piratas. RELATÓRIO DE GRUPO MATERNAL A 2º SEMESTRE DE 2014 Professora: Jéssica Oliveira Professora auxiliar: Elizabeth Fontes Coordenação: Lucy Ramos Torres Tripulação do Maternal A e as viagens com os piratas.

Leia mais

OInstitutoMusiva. O Instituto Musiva trabalha para promover o desenvolvimento econômico e social de comunidades em risco social do Brasil.

OInstitutoMusiva. O Instituto Musiva trabalha para promover o desenvolvimento econômico e social de comunidades em risco social do Brasil. OInstitutoMusiva O Instituto Musiva trabalha para promover o desenvolvimento econômico e social de comunidades em risco social do Brasil. Desde 2009, promove cursos, oficinas de capacitação artística,

Leia mais

Livros Grátis. http://www.livrosgratis.com.br. Milhares de livros grátis para download.

Livros Grátis. http://www.livrosgratis.com.br. Milhares de livros grátis para download. Livros Grátis http://www.livrosgratis.com.br Milhares de livros grátis para download. Presidente da República: Fernando Henrique Cardoso Ministro de Estado da Educação e do Desporto: Paulo Renato Souza

Leia mais

MOSAICO DE ÁREAS PROTEGIDAS DO EXTREMO SUL DA BAHIA - MAPES

MOSAICO DE ÁREAS PROTEGIDAS DO EXTREMO SUL DA BAHIA - MAPES MOSAICO DE ÁREAS PROTEGIDAS DO EXTREMO SUL DA BAHIA - MAPES ACADEBIO Agosto de 2012 Suiane Benevides Marinho Brasil /RVS Rio dos Frades / Sec. Executiva do COMAPES EXTEMO SUL DA BAHIA CORREDOR CENTRAL

Leia mais

Valorização da Identidade Territorial e da Agrobiodiversidade no Mosaico Baixo Rio Negro.

Valorização da Identidade Territorial e da Agrobiodiversidade no Mosaico Baixo Rio Negro. 2 0 Curso Sobre Gestão em Mosaico de Áreas Protegidas (ACADEBio) Valorização da Identidade Territorial e da Agrobiodiversidade no Mosaico Baixo Rio Negro. Leonardo Kurihara (IPÊ Instituto de Pesquisas

Leia mais

Willian Nicolas Varella Graduado em Geografia, Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP E-mail:wnvarella@hotmail.com.

Willian Nicolas Varella Graduado em Geografia, Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP E-mail:wnvarella@hotmail.com. Valorização e resgate cultural, uma experiência no projeto Rondon: a importância das pessoas responsáveis pela perpetuação da cultura local da cidade de Palmeirina-PE Willian Nicolas Varella Graduado em

Leia mais

Empreendedorismo e Tradição

Empreendedorismo e Tradição Plano de Promoção de Empreendedorismo nas Escolas do Baixo Alentejo Empreendedorismo e Tradição Proposta de Projeto Agrupamento de Escolas de Cuba OBJETIVOS Desenvolver ações que contribuam para preparar

Leia mais

Cultura Oficina Litoral Sustentável

Cultura Oficina Litoral Sustentável Cultura Oficina Litoral Sustentável 1 ESTRUTURA DA AGENDA REGIONAL E MUNICIPAIS 1. Princípios 2. Eixos 3. Diretrizes 4. Ações 4.1 Natureza das ações (planos, projetos, avaliação) 4.2 Mapeamento de Atores

Leia mais

Realização de rodas de conversa e de troca de conhecimento para intercâmbio do que foi desenvolvido e produzido.

Realização de rodas de conversa e de troca de conhecimento para intercâmbio do que foi desenvolvido e produzido. Realização de rodas de conversa e de troca de conhecimento para intercâmbio do que foi desenvolvido e produzido. Criar novos mecanismos de intercâmbio e fortalecer os programas de intercâmbio já existentes,

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO Chamada para seleção de empreendimentos e/ou redes de empreendimentos para participação na Bio Brazil Fair 010 VI Feira Internacional de Produtos Orgânicos e Agroecologia

Leia mais

Programa Latino-americano de Advocacy em Saúde Liderança para Terceiro Setor

Programa Latino-americano de Advocacy em Saúde Liderança para Terceiro Setor Programa Latino-americano de Advocacy em Saúde Liderança para Terceiro Setor Setembro/2010 Uma organização vista em duas dimensões Vista em sua dimensão interna: Uma organização é um conjunto de pessoas

Leia mais

ESCOLA MUNICIPAL DE PERÍODO INTEGRAL IRMÃ MARIA TAMBOSI

ESCOLA MUNICIPAL DE PERÍODO INTEGRAL IRMÃ MARIA TAMBOSI PREFEITURA MUNICIPAL DE LONTRAS SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO, CULTURA E ESPORTE ESCOLA MUNICIPAL DE PERÍODO INTEGRAL IRMÃ MARIA TAMBOSI DESPERTANDO AÇÕES SUSTENTÁVEIS LONTRAS 2013 1.TEMA A preservação

Leia mais

Setembro/2015. Novas Doações do Prof. Charles Bicalho!

Setembro/2015. Novas Doações do Prof. Charles Bicalho! Setembro/2015 Novas Doações do Prof. Charles Bicalho! PRÊMIO Culturas Indígenas. Brasília: Ministério da Cultura; São Paulo: Sesc SP, 2007- v. MÕGMÕKA yõgkutex. Belo Horizonte: INCTI (Instituto de Inclusão

Leia mais

INSTITUTO LOJAS RENNER

INSTITUTO LOJAS RENNER 2011 RELATÓRIO DE ATIVIDADES INSTITUTO LOJAS RENNER Instituto Lojas Renner Inserção de mulheres no mercado de trabalho, formação de jovens e desenvolvimento da comunidade fazem parte da essência do Instituto.

Leia mais

Carnaval 2016 na Terra Indígena do Rio Gregório Aldeias Yawanawás, Acre - 7 dias

Carnaval 2016 na Terra Indígena do Rio Gregório Aldeias Yawanawás, Acre - 7 dias Pagé, uma importante liderança espiritual dos Yawanawas. Que tal ter uma vivência nas aldeias indígenas do povo Yawanawa neste carnaval? Mais do que uma viagem, a proposta da Turismo Consciente neste itinerário

Leia mais

REGULAMENTO. Artigo 1 - Objetivo

REGULAMENTO. Artigo 1 - Objetivo A CASA museu do objeto brasileiro organiza a 4 a edição do Prêmio Objeto Brasileiro, que vai destacar e premiar o melhor da produção artesanal contemporânea no Brasil. Mais do que um abrangente concurso

Leia mais

REDUZINDO O RISCO DE DESASTRES EM NOSSAS COMUNIDADES

REDUZINDO O RISCO DE DESASTRES EM NOSSAS COMUNIDADES PASSO 1 Preparação Antes de começar o processo de Avaliação, a equipe de facilitação deverá fazer o seguinte: 1 Reunir-se com os líderes comunitários e das igrejas 2 Preparar-se para o trabalho de campo

Leia mais

ARTE NA PRÉ-HISTÓRIA HISTÓRIA DA ARTE. Colégio Einstein. A evolução do conhecimento. Aluno (a): 9º ano: A [ ] B [ ] Professor: Lucas Salomão

ARTE NA PRÉ-HISTÓRIA HISTÓRIA DA ARTE. Colégio Einstein. A evolução do conhecimento. Aluno (a): 9º ano: A [ ] B [ ] Professor: Lucas Salomão HISTÓRIA DA ARTE Aluno (a): Professor: Lucas Salomão Data: / /2015 9º ano: A [ ] B [ ] ARTE NA PRÉ-HISTÓRIA Há milhares de anos os povos antigos já se manifestavam artisticamente. Embora ainda não conhecessem

Leia mais

Uma vez completa a matriz, podem ser anotados, eventualmente, os horários das. Receba ajuda de: Marido Os Meninos As Meninas

Uma vez completa a matriz, podem ser anotados, eventualmente, os horários das. Receba ajuda de: Marido Os Meninos As Meninas Como é feito: pode-se trabalhar com um grupo de mulheres ou repetir o exercício com várias mulheres. Ao início se explica o objetivo do exercício. Depois vão sendo anotadas na primeira coluna, cronologicamente,

Leia mais

Mobilizar para a saúde ambiental... 12 A mudança leva tempo... 13 Actividades para aprender e mobilizar... 14 As mulheres precisam de uma voz...

Mobilizar para a saúde ambiental... 12 A mudança leva tempo... 13 Actividades para aprender e mobilizar... 14 As mulheres precisam de uma voz... Mobilizar para a saúde ambiental........................... 12 A mudança leva tempo................................... 13 Actividades para aprender e mobilizar........................ 14 As mulheres precisam

Leia mais

PROJETO CIRANDA DAS ARTES

PROJETO CIRANDA DAS ARTES Prefeitura Municipal de Petrópolis Conselho Municipal de Cultura Fundação de Cultura e Turismo PROJETO CIRANDA DAS ARTES APRESENTAÇÃO A arte é uma forma de expressão produzida pelo homem para manifestar

Leia mais

EDITAL Nº 01/2015 SECRETARIA DE CULTURA, TURISMO E MEIO AMBIENTE EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA DE APOIO AOS FESTEJOS JUNINOS DE SÃO MIGUEL DO TAPUIO

EDITAL Nº 01/2015 SECRETARIA DE CULTURA, TURISMO E MEIO AMBIENTE EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA DE APOIO AOS FESTEJOS JUNINOS DE SÃO MIGUEL DO TAPUIO EDITAL Nº 01/2015 SECRETARIA DE CULTURA, TURISMO E MEIO AMBIENTE EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA DE APOIO AOS FESTEJOS JUNINOS DE SÃO MIGUEL DO TAPUIO 2015 O Secretário Municipal de Cultura de São Miguel do

Leia mais

ARTES INDÍGENAS ROTEIROS VISUAIS NO BRASIL. alberto martins e glória kok GUIA DO PROFESSOR ROTEIRO DE ATIVIDADES

ARTES INDÍGENAS ROTEIROS VISUAIS NO BRASIL. alberto martins e glória kok GUIA DO PROFESSOR ROTEIRO DE ATIVIDADES Ver nunca é um ato inocente. Ver é sempre um aprendizado. Diante de um quadro, uma foto, uma escultura ou um edifício, nosso corpo e nosso olhar informam a cena, isto é, tomam parte nela e leem cada um

Leia mais

REGULAMENTO PARA EXPOSIÇÃO CASARIOS DO PORTO, CORUMBÁ- MS

REGULAMENTO PARA EXPOSIÇÃO CASARIOS DO PORTO, CORUMBÁ- MS REGULAMENTO PARA EXPOSIÇÃO CASARIOS DO PORTO, CORUMBÁ- MS O SESC no Mato Grosso do Sul, torna público o regulamento para exposição Casarios do Porto, Corumbá-MS com a finalidade de estimular a produção

Leia mais

PDF hosted at the Radboud Repository of the Radboud University Nijmegen

PDF hosted at the Radboud Repository of the Radboud University Nijmegen PDF hosted at the Radboud Repository of the Radboud University Nijmegen The following full text is a publisher's version. For additional information about this publication click this link. http://hdl.handle.net/2066/79141

Leia mais

TRABALHANDO A CULTURA ALAGOANA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA EXPERIÊNCIA DO PIBID DE PEDAGOGIA

TRABALHANDO A CULTURA ALAGOANA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA EXPERIÊNCIA DO PIBID DE PEDAGOGIA TRABALHANDO A CULTURA ALAGOANA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA EXPERIÊNCIA DO PIBID DE PEDAGOGIA Pedro Henrique Santos da Silva - Bianca dos Santos Cristovão - Luciana Maria da Silva* - RESUMO O Programa Institucional

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS SOBRE AS PRÓXIMAS ETAPAS DA VIRADA EDUCAÇÃO MINAS GERAIS

ORIENTAÇÕES GERAIS SOBRE AS PRÓXIMAS ETAPAS DA VIRADA EDUCAÇÃO MINAS GERAIS ORIENTAÇÕES GERAIS SOBRE AS PRÓXIMAS ETAPAS DA VIRADA EDUCAÇÃO MINAS GERAIS >>> Rodas de Conversa A SEE, em parceria com o Fundo das Nações Unidas para a Infância (unicef) e com a colaboração de ONGs,

Leia mais

RELATÓRIOS DAS OFICINAS: CUIDANDO DO CUIDADOR: CPPT CUNIÃ. Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz

RELATÓRIOS DAS OFICINAS: CUIDANDO DO CUIDADOR: CPPT CUNIÃ. Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz 1 RELATÓRIOS DAS OFICINAS: CUIDANDO DO CUIDADOR: CPPT CUNIÃ Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz Empresa: SENSOTECH ASSESSORAMENTO E REPRESENTAÇÕES LTDA 4ª Oficina Data: 31/07/2012

Leia mais

Método PHAST TABELA DE CONTEUDOS METODOLOGIA PHAST... 2

Método PHAST TABELA DE CONTEUDOS METODOLOGIA PHAST... 2 Método PHAST TABELA DE CONTEUDOS METODOLOGIA PHAST... 2 Fases do método PHAST... 3 1. Técnica: Historias Comunitárias... 4 2. Técnica: Enfermeira Felicidade... 5 3. Técnica: Mapeamento comunitário... 6

Leia mais