Imobiliário COM APOIO:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Imobiliário COM APOIO:"

Transcrição

1 O mercado residencial de primeira habitação em Leiria continua com muitas casas em stock, em consequência do boom de construção da década de Perante esta realidade, o sector está a adaptar-se, construindo casas com qualidade superior e renovando o mercado de usados. Neste caderno, há ainda lugar a uma reportagem sobre o Casa Pronta e a uma análise sobre o mercado imobiliário do distrito de Leiria, onde se conclui que os preços das casas permanecem mais baixos que a nível nacional. COM APOIO: DR Este suplemento faz parte integrante da edição 1239 do JORNAL DE LEIRIA, de 10 de Abril de 2008 e não pode ser vendido separadamente

2 Mário Matos, presidente da APEMIP na região Centro MERCADO DE USADOS GANHA EXPRESSÃO NA REGIÃO O mercado residencial de primeira habitação na região continua com muitas casas em stock, em consequência do boom de construção da década de Mário Matos confirma esta realidade, considerando que os construtores já estão a adaptar-se às mudanças que o mercado exigiu, construindo com mais qualidade. O mercado dos usados será o futuro da construção, facilitado com a nova legislação sobre licenciamentos. O presidente da Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal da Região Centro alerta as famílias para não contraírem dívidas acima das suas capacidades. E pede às Câmaras Municipais para abolirem o IMT, um imposto que dificulta a mobilidade das famílias sobreendividadas. Como sente, actualmente, o panorama do mercado habitacional de primeira habitação na região? O mercado residencial de primeira habitação, preencheu e até excedeu a oferta. Este é o facto actual! Só que isso não significa que vamos parar, porque o mercado é dinâmico e há outras exigências. O que é que isto significa? Que a procura vai continuar a existir, embora mais moderada e mais selectiva. Estamos pois a assistir a uma mudança, pelo que temos que ver a forma de nos podermos posicionar no mercado. E quem vai oferecer produtos novos, tem que pensar o que vai e onde vai fazer, os preços que vai praticar e que tipo de cliente pretende atingir. Os novos padrões de qualidade já não aceitam um tipo de produto como aquele que até aqui existiu e cuja oferta excedeu até a capacidade de escoamento. Logo, os construtores têm que colocar no mercado produtos com grande qualidade e definir novas estratégias. Produtos com mais qualidade, também significa produtos mais caros. Não. Essa qualidade não pode ser sinónimo de aumento desmesurado dos preços. O que nós temos é uma população que tem os seus níveis de endividamento e as suas capacidades económicas próprias e não podemos impor um produto para alguém que não existe. A nossa batalha tem que passar pela procura dos nossos clientes. Temos de ter consciência que os salários em Portugal são baixos e que, embora estejamos numa zona potencialmente rica, a nossa região não é uma excepção. Neste momento, apesar de tudo, os produtos novos que estão a surgir e construídos de raiz devem ser bem ponderados e trarão seguramente uma modificação e uma alteração substancial e positiva, que se prende com maior qualidade e maior nível de exigência. As novas regras de eficiência energética também vão obrigar a que haja um maior profissionalismo e um maior rigor na construção. E tem que haver um maior rigor na forma de negociar com quem constrói, conseguindo margens cada vez mais apertadas para que o cliente beneficie de produtos de maior qualidade e a preços não exageradamente elevados. Mas continuarão a existir stocks de casas de qualidade inferior e com os preços a não baixarem. Temos hoje os mesmos preços que se praticavam em 2000 e até em O que há, de facto, é um excesso de oferta, com muitas casas em stock, mas a população na nossa região também não aumentou assim tanto que permitisse escoar o que está em excesso. No fundo, podemos admitir que esse stock até tem algumas vantagens porque permite regular melhor o mercado, fazendo baixar os preços. Portanto, os preços que se praticam neste momento são relativamente baixos e com margens de lucro muito pequenas. Quem compra nesta fase, numa altura de crise do imobiliário, é porque está numa situação financeira mais confortável. Porque a nossa região tem níveis de venda muito abaixo daquilo que seria de esperar. Mesmo que os preços baixassem mais, as pessoas não podiam comprar. Há casos em que só a manutenção dos imóveis traz custos insuportáveis para muitas pessoas. Isto leva-nos a outra situação, que é a fiscalidade, demasiado violenta para este sector. De que forma a fiscalidade influencia o preço das casas? As pessoas que viram as actualizações das suas habitações e deixaram de ter os benefícios das isenções de primeira habitação, já pagam o famoso IMI (Imposto Municipal sobre Imóveis). Mas o IMT (Imposto de Imposto Municipal sobre a Transmissão Onerosa de Imóveis), é um imposto injusto e que não promove a mobilidade. Por exemplo: se uma casa for vendida cinco vezes em dez anos, o que acontece hoje em dia, só por via do IMT, ela vai ter uma inflação exageradíssima. O mercado não subiu, mas a componente fiscal fez com que os preços das casas disparassem. Ora, isto não é saudável para o mercado. O IMI é algo que deve ser equilibrado, mas deve ser o único imposto a persistir. O IMT (antiga Sisa) devia ser eliminado. O primeiro-ministro já disse que era o imposto mais estúpido do Mundo e ele sabia o que estava a dizer. Mas as câmaras não abdicam dele. Penso que já o podiam fazer, porque com a actualização das matrizes, o encaixe financeiro em termos de IMI é de tal ordem, que já podem ir buscar mais ou menos receita, dependendo das pessoas que querem ou não atrair para os seus concelhos. As autarquias deviam começar a favorecer a mobilidade das pessoas e darem mais verdade aos preços de mercado. A fiscalidade é muito cara, é preciso ver o que é que há por trás disto. Penso que no futuro os governantes vão ter que analisar estas situações com muita atenção. E simplificar. Se há um imposto que vai tributar o património edificado, esse imposto é o IMI. Contrapondo à habitação nova, existe o mercado de usados. Como está a evoluir essa situação na região? Vai ser o mercado do futuro na região e mesmo a nível nacional. A partir do momento em que o que está edificado é suficiente para a população, o que restará são construções de maior qualidade e situações pontuais. Aquele boom de novas construções que se registou no passado acabou. As pessoas têm que voltar a sua actividade para outras áreas. Isto quer dizer que o mercado de usados está a ganhar cada vez mais expressão na região. Os construtores já estão a adaptar-se a essa realidade e já não estão a construir exageradamente porque sabem que o mercado não escoa. O que está aqui em causa é o mercado de usados que está edificado e que, no fundo, está consolidado. Entre essa malha urbana que está consolidada, há movimentações de pessoas que têm casas pequenas e depois vão para grandes e o contrário. Mas não vão comprar novo, porque querem determinada zona e ali não há novo. Logo, há um mercado de reabilitação permanente que está a ser facilitado pela nova legislação sobre os licenciamentos, publicada em É um decreto-lei que não veio liberalizar, mas veio desburocratizar. Ou seja, as pessoas podem começar a pensar em remodelar a sua casa e passados dias iniciar as obras. Antes era obrigatório meter projecto de alterações e demorava anos. Depois as casas degradavam-se. Esta lei permite que as pessoas dentro das suas casas façam adaptações. No exterior também o podem fazer, desde que não alterem as fachadas e estruturas. Desde que o façam no sentido da manutenção e dos melhoramentos. Não considera que na região se faz pouca manutenção aos edifícios? Os pré- FICHA TÉCNICA EDIÇÃO: JORLIS - EDIÇÕES E PUBLICAÇÕES, LDA. Director: José Ribeiro Vieira / Coordenação: Rui Pereira / Redacção: Lurdes Trindade / Fotografias: Lurdes Trindade e DR / Serviços Comerciais: Élia Ramalho e Rui Botas / Paginação: Isilda Trindade e Rita Carlos / Impressão: Mirandela, SA / Tiragem: exemplares / Nº de registo: / Depósito legal nº: 5628/84 / JORNAL DE LEIRIA, Edição n.º 1239, 10 de Abril de Jornal de Leiria 10 de Abril de 2008

3 dios estão sujos, sem pintura, as casas com rebocos a cair... É uma situação que acontece a nível nacional e pode estar relacionada com todos os condicionalismos que foram criados aos licenciamentos e às remodelações. Podemos falar do antes, durante e o que vai ser depois desta nova legislação de Numa época não muito distante, a maioria das pessoas, por altura da Páscoa, pintava ou caiava as suas casas de branco. A partir do momento em que surgiram as limitações e em que passou a ser obrigatório ir à Câmara, as casas deixaram de ser caiadas e começaram a degradar-se. Foram criadas leis que vieram dificultar. Pensou-se que vinham normalizar, mas vieram criar dificuldades e dar azo a muitas situações complexas, algumas até de corrupção. Agora, a nova legislação veio de novo tirar esses muros. Não veio retirar a responsabilidade. Pelo contrário. As pessoas vão sentir, de forma diferente, o seu bem e preserválo. Antes, as pessoas não podiam mexer nas suas casas. Se fossem ao telhado para mudar uma telha, corriam o risco de ter lá o fiscal da Câmara no dia seguinte. Hoje basta apenas participar e em alguns casos nem é necessário. Por essa via vamos ter condições para preservar o património para as gerações futuras. Não somos ricos para desperdiçarmos o que está feito. Uma construção demora muito tempo a fazer e é cara. Tem é que ter manutenção. Leiria vai construir o mega centro comercial, o Continente prepara-se para ser ampliado e Caldas vai receber um grande shopping. São apenas alguns exemplos de empreendimentos na região. O desenvolvimento deste mercado de retalho pode equilibrar a recessão do mercado residencial na região? Em termos macro-económicos, vamos admitir que sim. O volume de negócios de ferro, de cimento e até a mão-de-obra envolvida nas construções vai trazer um grande dinamismo à região. Mas no que respeita à promoção de vendas, não acredito que o mercado sofra grandes alterações. Para os construtores normais o problema mantém-se. A não ser que haja uma evolução grande no negócio, com criação de mais emprego, mais atracção de pessoas à região e, consequentemente, mais habitação. Mas será uma fase pontual, porque rapidamente as coisas entrarão na normalidade. Quer dizer que, em termos de crise na construção, vamos falar nela sem estarmos com eufemismos, porque há muita oferta e a procura é diminuta - a situação só vai melhorar com a alteração da própria economia, quando os portugueses tiverem mais dinheiro no bolso e deixarem de apertar o cinto. A crise subprime sente-se nos negócios imobiliários em Portugal, nomeadamente, na hora da contracção de financiamento bancário. Como está neste momento a situação? Quando se desenrolou esta situação, nós estávamos numa situação parada em termos de preços. Portugal tem vindo a reduzir o seu caudal de transacções de há três anos para cá, enquanto os outros faziam exactamente o inverso. Estamos a sofrer porque é uma crise global que também nos afecta, mas é ao nível do crédito e não em termos dos activos. Porque eles já estão em níveis baixos. E ao longo deste tempo, eles acabaram por se acomodar a uma realidade que é, de facto, a de um preço justo. No aspecto do crédito é de facto uma bola de neve que vai para as economias todas e aí sim pode arrefecer as novas transações, já que as pessoas têm mais cuidado e mais receio. Há, de facto, algumas áreas em que temos que estar mais atentos. Não direi pessimistas porque conseguimos normalizar o mercado imobiliário em Portugal nestes últimos anos, acomodando-o à realidade. Devemos ser um dos poucos países do mundo em que isso aconteceu. Temos essa vantagem neste momento. Não estamos imunes ao subprime As famílias sobreendividadas não podem pensar que estão num beco sem saída, mas têm que ter consciência que têm que alterar os seus hábitos e cortar nas despesas. pelo mercado financeiro, pelo mercado de capitais, pelas taxas de juro... Não fora isso e não teríamos absolutamente nenhum problema e teríamos aqui uma espécie de um oásis imobiliário. Não esqueçamos que já houve o inverso. Os nossos preços subiram há uns anos, desde 1997 até 1999, em que as pessoas compravam em planta e vendiam no ano seguinte já mais caro. Esse período passou. Desde 2000, deixou de acontecer. Há oito anos, o mercado imobiliário entrou numa situação de normalização enquanto, pelo contrário, ainda há dois anos, em muito apartamentos de Nova Iorque, eles eram vendidos três vezes no mesmo dia. Exactamente pela especulação que existia no imobiliário. Foi por aí que a grande crise surgiu. Mas o mercado de Portugal, na globalidade, disciplinou estas situações e estamos numa situação mais cómoda. Qual é a solução que aponta para as famílias sobreendividadas? Já referi o aspecto fiscal sobre o imobiliário e a necessidade de ser revisto rapidamente para que haja uma maior mobilidade das pessoas e, ao mesmo tempo, uma maior rotação do negócio. As pessoas que não podem ter um T3 podem e devem mudar para um T2. Mas, com o IMT, o simples facto de fazerem a mudança, já representa um custo muito alto para uma família sobreendividada. Se a pessoa tem uma casa que está acima das suas capacidades actuais, ela só tem que se ajustar. Tem que vestir a roupa conforme o frio, ou tem que a tirar conforme o calor. Isto é uma situação de bom senso. E qualquer mediadora que esteja no mercado, desde que tenha bons profissionais, oferece soluções para todas as pessoas que queiram enquadrar-se numa situação de equilíbrio das suas finanças. Hoje, as mediadoras estão cada vez estão sensibilizadas no sentido de serem as primeiras conselheiras dos seus clientes. São elas que estão à frente do problema e mais cedo. É bom que haja também uma sensibilização grande junto das famílias. Muitas vezes as pessoas pensam que estão num beco sem saída e não estão. Há sempre possibilidade de resolver o seu problema. Quando têm um problema muito difícil, as pessoas não podem pensar que é o fim. Procurem pessoas legalmente habilitadas para que lhes possam apresentar soluções. Há uma função social que cada operadora tem que assumir. E há uma ética profissional que deve cumprir. Um operador não pode ver alguém com dificuldades e sentir aí mais uma oportunidade para um negócio. A função social tem que estar em primeiro lugar. Mas deixo um alerta: as famílias não podem pensar que estão num beco sem saída, mas têm que ter consciência que têm que alterar os seus hábitos e têm que cortar nas suas despesas. É o primeiro passo, porque se o não fizerem, podem até mudar para uma casa mais pequena, mas amanhã estão outra vez cheias de dívidas. Têm que ter consciência que não há milagres. Se fizerem uma viagem que lhes custa meio ano de ordenado, isso pode reflectir-se amargamente no futuro. Tem que haver sempre uma área de segurança e de protecção à família. Três certames este fim-de-semana Imobiliário, construção e cozinhas na Exposalão A Exposalão promove, de 9 a 13 de Abril, a 2.ª edição da Imosalão, com o apoio da Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal (APEMIP). O salão de imobiliário decorrerá a par da Expoconstrói e da Expocozinha - três certames distintos, de sectores complementares entre si, numa só data, de modo a que expositores e visitantes possam usufruir das sinergias criadas pelo evento. Na óptica dos particulares, o sector imobiliário continua a ser sinónimo de investimentos seguros e é nesse sentido que muitos procuram estar atentos às ofertas do mercado, comparando e avaliando propostas, localizações e a futura rentabilidade dos imóveis adquiridos, explicam os responsáveis pela organização dos eventos. Para quem pretende investir e concretizar negócios, o Imosalão apresenta-se como uma janela panorâmica para o actual mercado imobiliário, num espaço onde estarão presentes investidores, construtores, arquitectos, urbanistas, engenheiros, responsáveis de áreas financeiras e seguros. Neste salão, os compradores particulares e o público em geral poderão contactar directamente com promotores, mediadores e consultores imobiliários, bancos, seguradoras, autarquias, gabinetes de arquitectura, estudos e projectos, empresas de construção e obras públicas, empresas de serviço para o imobiliário, de gestão e administração de condomínios e associações sectoriais, além de imprensa especializada. Além da Imosalão, a Expoconstrói também marca presença com a sua 16ª edição. Trata-se de uma Feira de Equipamentos e Materiais para a Construção Civil que, numa época em que o sector da construção está a reestruturar-se em função da oferta e procura, se afirma como o fio-de-prumo das empresas que operam nos mais diversos ramos da actividade, sendo um espaço de encontro entre todos os segmentos, de apresentação de novidades e cimentação de bons negócios.estarão presentes neste evento fabricantes, importadores, distribuidores, armazenistas de máquinas, equipamentos, materiais para a indústria da construção civil e serviços de apoio diversos apresentam as mais recentes novidades em caixilharia de alumínio, PVC, hinos e madeira, correagens, escadas em madeira e hinos, pedra natural, sistemas de fixação e canalização, material eléctrico, pavimentos e revestimentos, portas, sanas, sapas, climatização e energias alternativas. No âmbito das novidades, haverá ainda lugar para os isolamentos térmicos, acústicos e de impermeabilização, portões e automatismo, redes e vedações, ferramentas manuais e eléctricas, aspiração central, sistemas de alarme e segurança, demótica, piscinas, acessórios e coberturas, mobiliário urbano, casas de madeira, software e hardware, entre muitos outros materiais e equipamentos.a par destes dois certames, haverá lugar ainda para a quarta edição da Expocozinha, que reúne cozinhas, mobiliário de casa de banho e electrodomésticos. 10 de Abril de 2008 Jornal de Leiria 3

4 Processo de transmissão de imóveis divide opiniões CASA PRONTA FACILITA CELEBRAÇÃO DE ESCRITURAS O Casa Pronta funciona em três balcões únicos no distrito. Começou nas duas Conservatórias do Registo Predial de Leiria e, recentemente, foi alargado a Pedrógão Grande. É um serviço que facilita a transmissão de imóveis, evitando, pelo menos, 17 viagens pelos vários organismos públicos até à celebração de uma escritura. Uma medida, no âmbito do Simplex, que ainda divide opiniões A funcionar apenas em 30 municípios do país, o Casa Pronta continua a dividir opiniões, embora a sua eficácia não seja posta em causa. Quem frequenta aquele serviço criado pelo Governo no âmbito do Simplex para facilitar a transmissão de imóveis considera que foi um passo importante a caminho da desburocratização e da modernidade. Embora haja quem defenda que se trata de uma situação que oferece ainda pouca segurança, principalmente a alguns bancos, que continuam a preferir as escrituras à antiga às que são feitas na hora, uma vez que querem mais tempo para poder garantir o imóvel sobre o qual vão conceder financiamento. No distrito, o balcão único começou por funcionar experimentalmente nas 1ª e 2ª conservatórias do Registo Predial de Leiria, tendo aberto mais recentemente também em Pedrógão Grande. Segundo afirmou ao JORNAL DE LEI- RIA uma fonte ligada a uma entidade bancária, grande parte dos bancos exige que seja feito o registo provisório, para poder garantir prioridade em relação a eventuais hipotecas que venham a ser constituídas sobre o prédio. Hoje em dia acontece que, tendo em conta o contexto sócio-económico do país, a maioria das pessoas adquire uma casa com recurso ao crédito bancário. Só em casos excepcionais é que se faz uma transmissão de imóveis sem empréstimo e aí, sim, o Casa Pronta é uma boa solução, diz a mesma fonte, lembrando que as tabelas são bastante mais baratas que nos notários. Mas, o solicitador ressalva que os notários só cobram mais caro, porque as tabelas que o Estado lhes impõe são fixas. Eles não podem fazer menos que aqueles valores que lhes são impostos, o que é injusto, porque a conservatória faz um preço mais baixo para o mesmo serviço. Existem, pois, diferenças para quem compra um imóvel com e sem recurso ao crédito. Quem adquirir uma casa, recorrendo a um empréstimo bancário, gasta, em média, 650 euros mais impostos, porque se trata de um valor que inclui a compra, todos os actos inerentes e também a hipoteca. Com o Casa Pronta, sem recurso ao crédito, despende apenas 350 euros. Com o Casa Pronta, a celeridade também não é tanta como se tem feito crer. Como explicou um solicitador de Leiria que recorre algumas vezes ao Casa Pronta para acompanhar os seus clientes, evitam-se, de facto, muitos dos 17 passos que envolviam a transmissão de um imóvel. As pessoas já não têm que andar quilómetros, das Finanças para a Câmara, da Câmara para a Segurança Social, da Segurança Social para a Conservatória e da Conservatória para o Cartório Notarial e do Cartório de novo para a Conservatória. É tudo feito num balcão único. Mas, não se pense que é chegar e fazer. Nunca é tão rápido como se diz. As pessoas esperam mais do que aquilo que estavam a contar, porque tudo o que depende de computadores também está sujeito a eventuais falhas que não tem a ver com as pessoas. O contacto com as Câmaras Municipais, para a obtenção de licenças de utilização e de outros documentos necessários à escritura, até nem está a correr mal. O mesmo solicitador concorda com o Casa Pronta, mas não compreende que se faça uma concorrência desleal aos notários, tendo em conta que se trata de um serviço que pratica preços completamente diferentes, com a agravante de os notários não poderem baixar as suas tabelas. Aliás, Mário Matos, presidente da Apemip na Região Centro, partilha da mesma opinião, defendendo que a seu tempo o Governo terá que alargar o Casa Pronta aos notários, através de protocolos com o Estado. Se vamos colocar tudo nas conservatórias, andamos para trás. Estes serviços podem servir de base como reguladores, mas depois podem ser explorados também por privados. Desde que cumpram as regras. Para Mário Matos, o Casa Pronta surge como uma ferramenta para facilitar e dar mais segurança nas transações. É, na sua opinião, um avanço extraordinário, que traz mais comodidade, mais celeridade, mais economia, obrigando a que todos os organismos que estão interligados respondam num período mínimo os serviços públicos têm que ser mais eficazes - se não responderem ficará uma anotação dessa situação. Por outro lado, o balcão único permite que após a escritura se faça de imediato o registo. Isto veio acabar com uma lacuna importante que é na hora as pessoas ficarem com tudo resolvido. O negócio torna-se mais seguro. O que mudou na compra de casa? Com o Casa Ponta, a transmissão de imóveis, que envolvia 17 passos de repartição em repartição, passou a estar concentrada num único balcão nas conservatórias do registo predial. O Estado recorre às bases de dados e à via informática e põe os organismos públicos a comunicar entre si. Passou a ser possível celebrar o contrato de compra e venda na conservatória, dispensando-se a escritura pública e a deslocação ao cartório notarial, já que o negócio é celebrado perante o conservador que realiza o registo. Deixa de ser necessário o envio separado de informação a diversas entidades para efeito de exercício do direito de preferência. Deixam de ser exigidas certidões de registo civil e comercial junto de outras conservatórias. Desaparece a necessidade de certidões de não dívida à Segurança Social e Finanças e outras certidões relativas às licenças de habitação e outros actos camarários. No balcão Casa Pronta, o comprador pode ainda pedir a isenção de pagamento do Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI), alterar a morada fiscal e liquidar o Imposto Municipal sobre Transmissões Onerosas de Imóveis (IMT).Até agora, quem compra casa a crédito gasta em média 947,83 euros mais impostos. Com o programa Casa Pronta pagará 650 euros mais impostos. Ou seja, menos 31,4 por cento. A redução é maior se quem adquire o imóvel recorrer a uma conta poupança-habitação (menos 53%). Se a compra não for feita com recurso a crédito bancário, os custos também são menores. Dos actuais 557,18 euros mais impostos passa- -se para 350 euros mais impostos ou, com conta poupança-habitação, para 230 euros mais impostos. O Casa Pronta pode abranger contratos de compra e venda; mútuo e demais contratos de crédito e de financiamento celebrados por instituições de crédito, com hipoteca, com ou sem fiança; hipoteca; sub-rogação nos direitos e garantias do credor hipotecário; e outros negócios jurídicos, a definir por portaria do membro do Governo responsável pela área da justiça. 4 Jornal de Leiria 10 de Abril de 2008

5 Empreendimento Green Valley Village propõe moradias em banda VIVER NA CIDADE EM AMBIENTE RURAL Green Valley Village é mesmo ali ao lado, no Telheiro. Um conjunto de 20 moradias em banda, num ambiente de tranquilidade e harmonia. Um condomínio fechado, onde a luz do sol é uma das mais-valias. Localizado numa zona de expansão no limite do perímetro urbano de Leiria, numa zona de bons acessos ao centro da cidade, o Green Valley Village é um condomínio fechado que veio diversificar a oferta habitacional no concelho. Concluído em Julho de 2007, é constituído por 20 moradias em banda, representando um conjunto harmonioso, onde os moradores sentirão o ambiente tranquilo de uma zona com características rurais, mas dentro da cidade. Não foi por acaso que escolhemos o Telheiro para construir este empreendimento, explica Armindo Carreira Melro, um dos responsáveis pela empresa promotora da obra, a Leirimemória Investimentos Imobiliários. Aliás, o empresário tem um apartamento num edifício também construído por ele, a poucos metros das moradias. Vivia no centro da cidade e troquei-o por esta zona, exactamente porque estou próximo de tudo, das escolas, do hospital, das repartições públicas. Ou seja, estou igualmente dentro da cidade, mas num local onde se respira tranquilidade. A grande aposta do promotor do empreendimento passou pelos acabamentos e pelos materiais aplicados. Armindo Melro explica que foram seleccionados, tendo em vista a sua durabilidade, no sentido de continuarem novos dentro de 20 anos. As casas querem-se com qualidade e é essa garantia que dou aos meus clientes. Aliás, o empresário diz que outra coisa não poderia fazer, até porque convive diariamente com os clientes. Se moro aqui a dois passos, não poderia arriscar a colocar equipamentos e materiais sem qualidade. Com uma área bruta de construção de 7.2 mil metros quadrados, a urbanização é constituída exclusivamente por moradias T3, divididas por quatro conjuntos de cinco habitações, possuindo cada um garagem e arrumos na cave e estacionamento exterior. Doze das 20 fracções possuem grandes terraços, com logradouros. As casas, com dois pisos e cave, possuem estrutura em betão armado e alvenarias exteriores em parede dupla, isolamento em lã de rocha e isolamento acústico entre os pisos em betão celular. Armindo Melro explica que para a caixilharia optou pelo PVC, porque em relação ao alumínio apresenta uma qualidade superior, sendo mais isolante e resistindo mais à humidade. São, segundo diz, pequenos pormenores que marcam a diferença e que, apesar de terem um preço diferente, valem a pena. No que se refere a equipamento, as moradias possuem aquecimento e aspiração central, vídeo porteiro, estores eléctricos, cabine, ou banheira de hidromassagem, lareira, porta de entrada com seis pontos de segurança em PVC e inox, gradeamento das escadas interiores em inox, televisão por cabo e rede de gás natural. Armindo Melro admite que a grande mais-valia desta urbanização é, também, a sua localização ao nível solar, já que existe sol a entrar pelas janelas de todas das casas. Por outro lado, a sua localização geográfica numa zona que, acredita, será, dentro de pouco tempo, uma das zonas mais nobres de Leiria. Nas proximidades da Green Valley Village existem bancos, restaurantes, pastelaria/café, CTT, supermercado, pavilhão polidesportivo e vários estabelecimentos de ensino, desde o pré-escolar ao universitário. Os preços médios das moradias variam entre os 190 e os 220 mil euros. O projecto de arquitectura foi concebido pelo gabinete Engur Estudos e Projectos, encomendado pela Cerâmica do Lis, empresa promotora originária. A Leirimemória adquiriu o terreno em 2004, já com o projecto aprovado pela Câmara de Leiria. 10 de Abril de 2008 Jornal de Leiria 5

6 BREVE ANÁLISE DO MERCADO IMOBILIÁRIO DO DISTRITO DE LEIRIA O mercado imobiliário de Leiria, no que se refere a estrutura de oferta, não possui uma elevada aderência com a realidade nacional, na medida em que a preponderância de tipologias maiores faz-se sentir de uma forma inequívoca, quando comparada com um maior equilíbrio verificado em termos globais, quando se analisa a distribuição da oferta imobiliária em Portugal. Já no que respeita a preços por metro quadrado, o distrito de Leiria exibe um comportamento muito diverso, ostentando nos concelhos de Alcobaça, Nazaré e Óbidos, uma estrutura de preços muito semelhante à da média nacional, e nos restantes uma amplitude de preços sempre inferior à que se verifica em termos agregados em Portugal. Tendo em consideração Estrutura da Oferta no Distrito de Leiria e a nível Nacional que o distrito de Leiria será um dos mais beneficiados com a implementação do PENT (Plano Estratégico Nacional para o Turismo), é seguro afirmar que existe uma margem de progressão potencial a médio prazo que, em termos de investimento, deve ser, por isso, devidamente equacionada e aproveitada. Por último, desagregando o preço por metro quadrado, por tipologia, é possível constatar que este, no distrito de Leiria é sempre inferior à média nacional (muito influenciada pelo peso relativo das áreas metropolitanas de Lisboa e Porto e do Algarve), aproximandose, no entanto, deste valor de referência, sobretudo, nos imóveis com dois quartos, o que pode indiciar uma maior pressão da procura a este respeito, dada a estrutura de oferta que já se enunciou. Os dados aqui apresentado resultam de uma parceria entre o JORNAL DE LEIRIA e a APEMIP, uma associação que norteia toda a sua actividade pela exigência e pelo rigor. Por esta razão, o documento e os valores disponibilizados tiveram de ser construídos, confirmados e minimamente enquadrados, de modo a que as dúvidas dos leitores fossem reduzidas ao mínimo.os dados foram pois construídos tendo por base mais de Estrutura da Oferta no Distrito de Leiria e a nível Nacional ocorrências para os dados nacionais e cerca de 9200 só para o distrito de Leiria e o concelho de Ourém. Por limitação dos dados disponíveis, e de modo a não induzir os leitores em erro, optou-se por não desagregar a análise do mercado residencial, por apartamentos e moradias, esclarecendo-se, no entanto, que, no distrito de Leiria, a distribuição da oferta disponível entre estas categorias é de 49.8% para apartamentos e de 50.2% para moradias, o que difere substancialmente da realidade nacional, onde este indicador apresenta, respectivamente os seguintes pesos: 74.2% e 25.8%. PUB Estrutura de preços por metro quadrado, por tipologia Estrutura de preços por metro quadrado 6 Jornal de Leiria 10 de Abril de 2008

7 Um bom planeamento evita erros e ajuda a reduzir custos CONSTRUIR SEM DERRAPAGENS ORÇAMENTAIS Se se pretender construir, remodelar, ampliar uma habitação, ou fazer qualquer outra operação urbanística, quais os passos que devem ser seguidos? Fica um pequeno guião, construído com a colaboração de Jorge T. Clemente, arquitecto. Um técnico que diariamente trabalha com projectos, com processos, com custos e taxas de juros. Enfim, com tudo o que implica a construção de um edifício, seja ele de habitação, de comércio ou de serviços.para já, deve começar por saber como pode evitar as derrapagens, responsáveis pelos aumentos dos custos num processo de construção? Partindo do princípio que se pretende uma construção com qualidade e única. Afinal é a sua construção e, para muitos, o maior investimento que alguma vez farão na vida. A consulta de profissionais credenciados para a concepção do projecto, para o aconselhamento é imprescindível, havendo sempre um acompanhamento por parte de quem contrata estes técnicos no sentido do cumprimento do que foi acordado. Os interesses do cliente devem ser acautelados em todas as fases do projecto. Para que nada falhe, o arquitecto a contratar deve estar inscrito na Ordem dos Arquitectos. É o único profissional habilitado para os actos próprios da profissão e é o único que graças à sua formação tem o talento e visão para a criação do seu projecto, explica Jorge T. Clemente, adiantando que estes profissionais assimilam os desejos e ideais dos clientes, tornando-os reais da melhor forma possível, tendo em atenção a adequação do terreno e envolvente urbana. Em caso de dúvidas sobre a veracidade profissional, os clientes podem e devem contactar a Ordem dos Arquitectos, sabendo previamente o número de inscrição do arquitecto na mesma. E porquê um arquitecto? Porque é um técnico que o fará poupar recursos económicos, já que projectos bem elaborados resultam em edifícios construídos sem derrapagens orçamentais e energeticamente eficientes, garantindo a sua eficácia graças ao seu acompanhamento durante a construção e certificando-se de que todo o trabalho planeado foi executado. O engenheiro civil, também uma peça importante, entra já na fase de concepção da obra, mas apenas na sua especialidade, para o que são especialmente aptos e são sempre coordenados pelo arquitecto que elabora o projecto desde o seu início. O trabalho do arquitecto não termina com o licenciamento do projecto. Aliás, o principal passo começa aí, tendo como base um desenho licenciado. Este técnico coordena todas as especialidades que restam e que já colaboraram na fase inicial, mas é com o projecto de execução que se detalha toda a obra. Desta forma, consegue elaborar o caderno de encargos e mapas de medição, que irão regulamentar e ajudar toda a construção do edifício, começando com a fase de escolha do empreiteiro. Os empreiteiros, por seu lado, darão os orçamentos regendo-se pela mesma base. Não fazem previsões dos custos desadequados e irreais para obter orçamentos mais baixos e que de futuro irão dar origem às famosas derrapagens orçamentais. Toda a obra será acompanhada pelo arquitecto e director da obra, escolhido pelo dono, que pode ser o próprio arquitecto, ou outro elemento habilitado para o efeito. O custo do arquitecto não deve ser encarado como algo desnecessário ou desajustado, mas sim como um trabalho de planeamento que um técnico executa e pode ajudar a reduzir custos na construção. Quantas vezes ouvimos falar do custo de O JORNAL DE LEIRIA experimentou a mais recente versão da Škoda Fabia Break, no seguimento do lançamento nacional do modelo. A versão colocada à disposição pela Lubrigaz, concessionário Škoda no distrito, esteve, na passada semana, em exposição nas Galerias Jardins do Lis, em Leiria, e foi gentilmente cedida para um ensaio dinâmico. Este é, sem dúvida, um veículo que apresenta uma das melhores relações preço-produto do mercado, alcançando um valor de venda a partir dos euros, no âmbito de uma campanha de lançamento destinada a um público muito amplo. A nova Fabia Break é sete milímetros mais comprida e 46 mais alta que a versão anterior. Já o comprimento atinge os 4.2 metros por 1.6 de largura. No ponto mais alto do habitáculo, chega aos 1.5 metros. Construída com materiais sólidos e de boa qualidade, a Fabia Break é um automóvel destinado às famílias, sem esquecer as bagagens e os animais de estimação. A mala, 54 litros maior do que a da berlina, oferece um espaço para arrumações que varia entre os 480 e os 1460 litros. Em termos de motorizações, a versão 1.4 Tdi, com 80 cv, é uma das mais interessantes apostas para o mercado nacional. No campo da gasolina, o protagonismo vai para o propulsor 1.2, 12V HTP, de 70 cv. No total, fazem parte da lista sete motorizações diferentes. Em circuito urbano, a Fabia Break é um veículo que faz jus à sua caixa de cinco velocidades e mostra uma agilidade a toda a prova. Mas é na estrada aberta que se nota o verdadeiro espírito desta Break checa. Com um consumo verdadeiramente económico para este segmento automóvel e um conforto acima da média, a Fabia é um sério candidato a carrinha familiar do ano. uma obra que ultrapassou o orçamento inicial, quando essas obras foram alvo de estudos completos realizados por arquitectos, questiona Jorge T. Clemente, considerando que, muitas vezes, o cliente fica só quando decide construir, ficando vulnerável a terceiros. E observa ainda: quando está doente e Lubrigaz apresenta as estrelas da marca checa Škoda Fabia Break em ensaio dinâmico ŠKODA OCTAVIA TDI AMBIENTE A Lubrigaz está igualmente a apostar no modelo Octavia, destinada a um público mais específico e conhecedor. O concessionário está a comercializar a versão Octavia Tdi Ambiente a partir de euros. Trata-se de um veículo familiar compacto com 1.9 cc e 105 cv de potência construído tendo por base a mesma plataforma utilizada no Audi A3 e Volkswagen Golf. Trata-se de um automóvel que, na versão Elegance, vem equipado com ar condicionado Climatronic de duas zonas, faróis de nevoeiro, ESP e computador de bordo com todas as mais funcionais opções. Do controlo ambiental ao do áudio. ŠKODA OCTAVIA BREAK SCOUT 4X4 Uma das mais curiosas e divertidas versões do Škoda Octavia é o Scout com tracção integral. É um automóvel que prova que um familiar compacto pode desempenhar as mesmas funções tão bem ou melhor que um todo-o-terreno puro, sem que isso interfira nas sua estrutura e vocação original. A Lubrigaz, recentemente, esteve envolvida num ensaio dinâmico que levou para lá dos limites a Octavia Break. Colocada em planos inclinados e pisos próprios para cabras, a carrinha não vai a um hospital, recorre ao enfermeiro ou ao médico?. Logo, lembra, a arquitectura é também feita exclusivamente por arquitectos. desdenhou subir, descer e ultrapassar todos os desafios que lhe foram colocados, incluindo ribeiras com alguma profundidade. ŠKODA ROOMSTER Voltada para um público mais irreverente ou que prefere soluções dinâmicas, a Lubrigaz está a comercializar o Škoda Roomster, um minimonovolume jovem, atraente, de linhas fluídas que, até 31 de Abril está abrangido por uma campanha de venda que o coloca no mercado com um valor equivalente ao do Škoda Fabia Break. Especialmente atractiva é a versão 1.4 TDI Sport. Para quem gosta de aventura, a Lubrigaz aconselha o irreverente Škoda Roomster Scout com um aspecto marcadamente fora-de-estrada. Programa veículos em fim de vida A Škoda está a praticar descontos que vão dos 2500 euros, na compra de um Fabia ou Roomster, até aos 3500, na aquisição de um Octavia ou Superb, mediante a entrega para abate do carro antigo. Basta contactar o concessionário Skoda Lubrigaz que a marca trata da documentação e entrega do veículo em fim de vida num centro de desmantelamento. Mais informações através do número PUB 10 de Abril de 2008 Jornal de Leiria 7

8 Isolamentos acústico e térmico: a aposta mais forte da Saemeg EDIFÍCIO HALTON COMERCIALIZA APARTAMENTOS EM MAIO Muita luz natural e uma forte aposta no isolamento térmico e acústico e na qualidade dos materiais. O Edifício Halton está, já aí, pronto para ser comercializado. Para conhecer mais pormenores, a Saemeg convida-o a uma viagem virtual ao apartamento modelo, através do site A Saemeg, Sociedade de Investimentos Imobiliários, Ldª, prepara-se para comercializar, no início de Maio, o Edifício Halton, localizado na Quinta do Seixal, em Leiria. Sob o lema uma pérola na cidade, este novo empreendimento encontra-se ainda em construção, sendo, na opinião de Jorge Gameiro, gerente da empresa promotora, a melhor fase para os clientes se aperceberem da qualidade dos materiais utilizados desde a fundação aos acabamentos. O isolamento acústico e térmico é a aposta mais forte que faço nos meus edifícios, afirma Jorge Gameiro, lembrando a sua preocupação com todos os ruídos que possam provocar incómodos aos moradores, ao mesmo tempo que cumpre as regras de eficiência energética impostas por directiva comunitária e pelo governo. Em termos de isolamento, não há ninguém no mercado que consiga fazer melhor que eu, diz, convicto da qualidade do trabalho que executa e dos materiais que aplica. É que o promotor e construtor, além do isolamento nas paredes, tectos, chão, alumínios, vidros, tem a preocupação de isolar tudo o que é canalização, redes de água, gás, electricidade e outras. É no isolamento, na colocação das lâmpadas, na escolha dos materiais e dos equipamentos que os clientes podem poupar. Vale a pena investirem mais dinheiro numa casa bem construída, porque acabam por recuperar o investimento nas facturas da energia que pagam mensalmente. Jorge Gameiro refere, ainda, como exemplo, que em nenhuma casa que vendeu houve necessidade de instalar ar condicionado. Isso significa que houve cuidado, que as coisas foram pensadas e que nada foi feito ao acaso. INVESTIMENTO DE 2.5 MILHÕES O Edifício Halton, a quarta obra com a marca da empresa Saemeg, representa um investimento de 2.5 milhões de euros, estando localizado numa das zonas mais nobres da cidade de Leiria. Com quatro pisos, além de um rés-dochão, o edifício é constituído maioritariamente por T3, tendo, ao nível do último piso, dois T5, que se assemelham as duas verdadeiras moradias, com duas suites, um terraço enorme, uma churrasqueira que se esconde quando não está a ser utilizada e outros pormenores que podem ser apreciados no próprio andar modelo, numa viagem virtual através do site na internet Prefiro que os clientes visitem primeiro o site e só depois venham à obra, diz Jorge Gameiro, que vê no portal da internet uma das meninas dos seus olhos. Fez questão de colocar on-line, além do andar modelo, fotografias com os materiais que usa nos isolamentos, as várias fases das obras, os equipamentos que vai aplicar no interior e exterior, comuns e gerais e as características do edifício. Não são apartamentos de luxo, porque não gosto desse termo. São, sim, apartamentos cuidados, a pensar nas pessoas que os vão habitar, explica, recordando que, habitualmente, quem procura os seus espaços são clientes que já têm casa e não estão satisfeitos com o que têm ou que por qualquer outro motivo os querem trocar. Vêm até aqui e querem a sua casa e à sua medida. Logo, não podemos descurar os mais pequenos pormenores. Temos que estar atentos. Para que nada falhe, Jorge Gameiro tem a trabalhar na sua empresa uma equipa quase multidiciplinar, desde arquitectos, para a concepção do projecto do edifício e para os interiores, a engenheiros e consultores de marketing. Um construtor não é um arquitecto, nem um consultor de interiores, afirma o promotor do edifício Halton, lembrando que só com uma equipa de bons profissionais e coesa é possível ir ao encontro dos desejos e necessidades dos clientes. Além disso, diz, nunca podemos esquecer que não estamos a fazer casas para nós, mas para vender a terceiros. Logo, quem projecta tem que ser isento, até na escolha de materiais. No mercado desde 2000, a Saemeg já tem um estilo próprio nos edifícios que constrói. Mas Jorge Gameiro quer apurar mais ainda a sua marca. Pretendo que os clientes olhem para os meus prédios e os reconheçam como meus. Pela sobriedade, pela luz natural, pela tijoleira, pela dimensão das varandas e pela qualidade. Quem visitar o Halton, vai constatar que as varandas, por exemplo, principalmente as que acompanham as zonas onde as crianças permanecem mais tempo, não têm grades. Ali foi privilegiado o vidro. A segurança é uma das nossas prioridades, porque pretendemos que os nossos clientes estejam em casa, sem reservas. O revestimento exterior, com aplicação de tijoleira, foi também programado a pensar na futura manutenção do edifício, sem necessidade de pintura, assim como a escolha de um elevador e a colocação das lâmpadas nos espaços comuns, que só acenderão com a presença das pessoas. Temos que pensar em redução de custos para o condomínio. Tenho exemplos de condomínios de 50 euros mensais e outros de 30 euros mensais, geridos pela mesma empresa. A diferença está na selecção dos materiais. E na própria localização do edifício. Nunca precisei de dizer aos meus clientes que se vê o castelo. Eles sabem que eu me preocupo com esses pormenores, com a luz, com o sol. As casas que construo têm sempre muita luz natural. Setembro é o prazo previsto para a conclusão desta obra. Segue-se o edifício Kubic, mais um projecto para o Aldeamento de Santa Clara, e o Edifício Amoreiras, no Centro Histórico de Leiria. Este último será um projecto diferente e que visa contribuir para a reabilitação daquela zona também nobre da cidade. 8 Jornal de Leiria 10 de Abril de 2008

CASA PRONTA. Perguntas & Respostas

CASA PRONTA. Perguntas & Respostas CASA PRONTA Perguntas & Respostas 1. O que é o balcão Casa Pronta? O Casa Pronta é um balcão único onde é possível realizar todas as operações relativas à compra e venda de casa (prédios urbanos). Neste

Leia mais

Desformalização, eliminação e simplificação de actos

Desformalização, eliminação e simplificação de actos Desformalização, eliminação e simplificação de actos Em 5 de Julho de 2005, o Senhor Primeiro-Ministro apresentou o Programa de Investimentos em Infraestruturas Prioritárias. O projecto de Desmaterialização,

Leia mais

Comprar: Deixe-se guiar!

Comprar: Deixe-se guiar! Está prestes a comprar um imóvel e tem numerosas perguntas bem legítimas. Quais as diferentes etapas e as formalidades a efetuar, antes, durante e após a compra? Siga o guia! Antes da compra Se está a

Leia mais

Dossier Promocional. Moradia em Abrantes Santarém

Dossier Promocional. Moradia em Abrantes Santarém Dossier Promocional Moradia em Abrantes Santarém 1 1. Contexto e a Oportunidade 2. Localização do Imóvel 3. Características Gerais do Imóvel 4. Descrição Detalhada 5. Condições de Comercialização 6. Contactos

Leia mais

ANEXO. Casa Pronta. 13 de Maio de 2008

ANEXO. Casa Pronta. 13 de Maio de 2008 GABINETE DO SECRETÁRIO DE ESTADO DA JUSTIÇA ANEXO Casa Pronta 13 de Maio de 2008 1. O que é o balcão Casa Pronta? O Casa Pronta é um balcão único onde é possível realizar todas as operações relativas à

Leia mais

Desformalização, eliminação e simplificação de actos

Desformalização, eliminação e simplificação de actos Desformalização, eliminação e simplificação de actos Em 5 de Julho de 2005, o Senhor Primeiro-Ministro apresentou o Programa de Investimentos em Infraestruturas Prioritárias. O projecto de Desmaterialização,

Leia mais

PREÇOS MAIS BARATOS E TRANSPARENTES NA COMPRA DE CASA

PREÇOS MAIS BARATOS E TRANSPARENTES NA COMPRA DE CASA PREÇOS MAIS BARATOS E TRANSPARENTES NA COMPRA DE CASA 31 de Julho de 2008 O Ministério da Justiça esclarece o seguinte: 1. Na generalidade das situações, os preços do registo predial diminuíram em comparação

Leia mais

CASAS DO CASTELO. LEÇA DA PALMEIRA 18 Dezembro 2012

CASAS DO CASTELO. LEÇA DA PALMEIRA 18 Dezembro 2012 CASAS DO CASTELO LEÇA DA PALMEIRA 18 Dezembro 2012 Índice 1 Localização 3 2 Descrição 5 3 Fotografias 7 4 Acabamentos e Equipamentos 10 5 Áreas e Preços 13 6 Plantas 15 Fracção C 16 Fracção D 17 Fracção

Leia mais

1. ANALISAR O MERCADO E A PROCURA

1. ANALISAR O MERCADO E A PROCURA Investimento ito regras para investir no Brasil Vários especialistas explicam, em oito passos, o que tem de fazer para financiar e avançar com um projecto imobiliário no Brasil. Brasil tornou-se numa das

Leia mais

Perguntas & Respostas

Perguntas & Respostas Perguntas & Respostas 1. O que é a Casa Simples - Casa Segura? A Casa Segura consiste num atendimento personalizado e altamente qualificado, sem balcões, com boas instalações e adequada tecnologia de ponta,

Leia mais

A aquisição de qualquer imóvel pressupõe o pagamento de IMT, IMI e imposto de selo.

A aquisição de qualquer imóvel pressupõe o pagamento de IMT, IMI e imposto de selo. Impostos A aquisição de qualquer imóvel pressupõe o pagamento de IMT, IMI e imposto de selo. IMT (Imposto sobre Transmissões Onerosas de Imóveis) Imposto sobre as transmissões onerosas do direito de propriedade

Leia mais

Moradia semi-nova T3 grande em zona calma - 962

Moradia semi-nova T3 grande em zona calma - 962 Moradia semi-nova T3 grande em zona calma - 962 Preço 500,00 Tipologia T3 Área útil 200 m² 1 Tipo de anúncio: Arrendamento Condição: Usado Características: Acessibilidade a pessoas com mobilidade condicionada.

Leia mais

Dossier Promocional. Moradia em Caminha Viana do Castelo

Dossier Promocional. Moradia em Caminha Viana do Castelo Dossier Promocional Moradia em Caminha Viana do Castelo 1 1. Contexto e Oportunidade 2. Localização do Imóvel 3. Características Gerais do Imóvel 4. Descrição Detalhada 5. Condições de Comercialização

Leia mais

Medidas intersectoriais 2010/11

Medidas intersectoriais 2010/11 Medidas intersectoriais 2010/11 IS01 BALCÃO DO EMPREENDEDOR DISPONIBILIZAÇÃO DE SERVIÇOS Objectivos: Inventariar, introduzir e manter permanentemente actualizados no Balcão do Empreendedor vários serviços,

Leia mais

QUEM FAZ A AVALIAÇÃO ENERGÉTICA E EMITE O CERTIFICADO?

QUEM FAZ A AVALIAÇÃO ENERGÉTICA E EMITE O CERTIFICADO? O QUE É UM CERTIFICADO ENERGÉTICO? Um Certificado Energético (CE) de um edifício ou fracção autónoma é o documento emitido no âmbito do Sistema Nacional de Certificação Energética e Qualidade do Ar Interior

Leia mais

Desempenho energético dos edifícios o impacto dos regulamentos na construção e as oportunidades de melhoria do parque habitacional

Desempenho energético dos edifícios o impacto dos regulamentos na construção e as oportunidades de melhoria do parque habitacional Desempenho energético dos edifícios o impacto dos regulamentos na construção e as oportunidades de melhoria do parque habitacional Paulo Santos ADENE Agência para a Energia Nuno Baptista ADENE Agência

Leia mais

Dossier Promocional. Moradia em Tarouca Viseu

Dossier Promocional. Moradia em Tarouca Viseu Dossier Promocional Moradia em Tarouca Viseu 1 1. Contexto e a Oportunidade 2. Localização do Imóvel 3. Características Gerais do Imóvel 4. Descrição Detalhada 5. Condições de Comercialização 6. Contactos

Leia mais

As matérias objecto do exame são definidas por despacho do ministro que tutela o IMOPPI, nos termos do n.º 3 do número 7.º do mesmo diploma.

As matérias objecto do exame são definidas por despacho do ministro que tutela o IMOPPI, nos termos do n.º 3 do número 7.º do mesmo diploma. Legislação Despacho conjunto n.º 707/2004, de 3 de Dezembro Publicado no D.R. n.º 283, II Série, de 3 de Dezembro de 2004 SUMÁRIO: Determina as matérias sobre as quais incidem os exames a realizar para

Leia mais

JARDIM DAS JAPONEIRAS. RUA CIDADE DA BEIRA Aldoar Porto N/Refª 2786-H

JARDIM DAS JAPONEIRAS. RUA CIDADE DA BEIRA Aldoar Porto N/Refª 2786-H JARDIM DAS JAPONEIRAS RUA CIDADE DA BEIRA Aldoar Porto N/Refª 2786-H Índice 1 Apresentação 3 2 Localização 5 3 Imagens 7 4 Plantas 12 Implantação 13 Alçados 14 Casa H2 16 5 Acabamentos 18 6 Quadro de Áreas

Leia mais

Gimob.Net. Exportação para portais imobiliários. Documento de suporte. Versão: 2.0. Actualizado em: 18.01.20133

Gimob.Net. Exportação para portais imobiliários. Documento de suporte. Versão: 2.0. Actualizado em: 18.01.20133 Gimob.Net Exportação para portais imobiliários Versão: 2.0 Actualizado em: 18.01.20133 Copyright by Improxy 2013 Geral Telefone: 223 749 100 Fax: 223 749 109 Email: geral@improxy.pt Departamento Comercial

Leia mais

FICHA TÉCNICA DA HABITAÇÃO

FICHA TÉCNICA DA HABITAÇÃO FICHA TÉCNICA DA HABITAÇÃO provisória definitiva 1. Prédio urbano / fracção autónoma Morada Código Postal - Inscrito na matriz predial da freguesia de art.º n.º Registado na Conservatória do Registo Predial

Leia mais

Dossier Promocional. Empreendimento Vila Sol Quarteira Loulé Algarve

Dossier Promocional. Empreendimento Vila Sol Quarteira Loulé Algarve Dossier Promocional Empreendimento Vila Sol Quarteira Loulé Algarve 1 1. Contexto e a Oportunidade 2. Localização do Imóvel 3. Características Gerais do Imóvel 4. Descrição Detalhada 5. Condições de Comercialização

Leia mais

VAI PERMUTAR A SUA CASA? PRESTE ATENÇÃO AO SEGUINTE!

VAI PERMUTAR A SUA CASA? PRESTE ATENÇÃO AO SEGUINTE! VAI PERMUTAR A SUA CASA? PRESTE ATENÇÃO AO SEGUINTE! As normas da compra e venda são aplicáveis aos outros contratos onerosos pelos quais se alienam bens ou se estabeleçam encargos sobre eles, na medida

Leia mais

QUAL O NOSSO OBJECTIVO ESSENCIAL? O

QUAL O NOSSO OBJECTIVO ESSENCIAL? O QUEM SOMOS NÓS?! Somos Portugueses que, no passado, viveram no estrangeiro, como Emigrantes. Hoje, alguns de nós, ainda possuem familiares nessas condições... Ao longo dos anos sentimos grandes dificuldades,

Leia mais

Regulamento do Plano de Pormenor da Área de Desenvolvimento Turístico das Fontainhas. (alteração) Artigo 1.º

Regulamento do Plano de Pormenor da Área de Desenvolvimento Turístico das Fontainhas. (alteração) Artigo 1.º Regulamento do Plano de Pormenor da Área de Desenvolvimento Turístico das Fontainhas (alteração) Artigo 1.º 1 [...]. 2 [...]. 4 Os limites da ADT da UNOR 4 estão definidos na planta de implantação à escala

Leia mais

Apresentação Requisitos O Processo Localização Recursos Humanos Legislação Investimento Inicial Prestações mensais

Apresentação Requisitos O Processo Localização Recursos Humanos Legislação Investimento Inicial Prestações mensais Apresentação Requisitos O Processo Localização Recursos Humanos Legislação Investimento Inicial Prestações mensais Para criar este negócio vai precisar de em primeiro lugar criar a sua própria empresa

Leia mais

VAI COMPRAR CASA? PRESTE ATENÇÃO AO SEGUINTE!

VAI COMPRAR CASA? PRESTE ATENÇÃO AO SEGUINTE! VAI COMPRAR CASA? PRESTE ATENÇÃO AO SEGUINTE! Compra e venda é o contrato pelo qual se transmite a propriedade de uma coisa ou outro direito, mediante um preço Art.º 874.º do Código Civil 1. Legislação

Leia mais

A Exchange é uma marca da empresa Changebiz Rede de Consultores Financeiros, SA.

A Exchange é uma marca da empresa Changebiz Rede de Consultores Financeiros, SA. Exchange A EXCHANGE Quem somos A Exchange é uma marca da empresa Changebiz Rede de Consultores Financeiros, SA. Resulta de uma Parceria de Sucesso entre o Grupo Onebiz, referência no desenvolvimento de

Leia mais

EDITAL PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA ACTIVIDADE IMOBILIÁRIA. (1.ª Edição - 2011)

EDITAL PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA ACTIVIDADE IMOBILIÁRIA. (1.ª Edição - 2011) EDITAL PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA ACTIVIDADE IMOBILIÁRIA (1.ª Edição - ) Nos termos do disposto no artigo 8.º, n.º 1, a), do Regime Jurídico das Instituições do Ensino Superior, aprovado pela Lei n.º 62/2007,

Leia mais

Contribuir para o desenvolvimento da região em que se inserem;

Contribuir para o desenvolvimento da região em que se inserem; SIPIE SISTEMA DE INCENTIVOS A PEQUENAS INICIATIVAS EMPRESARIAIS FICHA DE MEDIDA Apoia projectos com investimento mínimo elegível de 15.000 e a um máximo elegível de 150.000, que visem a criação ou desenvolvimento

Leia mais

NOTA JUSTIFICATIVA. a) Revestimento de fachadas

NOTA JUSTIFICATIVA. a) Revestimento de fachadas Proposta de Regulamento do programa de incentivos à recuperação de fachadas, coberturas e vãos de imóveis degradados nos aglomerados urbano nos Concelho de Penamacor NOTA JUSTIFICATIVA Pretende-se com

Leia mais

Sciesp. Clipping 17.06. A s s e s s o r i a d e I m p r e n s a i m p r e n s a @ s c i e s p. c o m. b r ( 1 1 ) 3 8 8 9-5 8 9 9 Página 1

Sciesp. Clipping 17.06. A s s e s s o r i a d e I m p r e n s a i m p r e n s a @ s c i e s p. c o m. b r ( 1 1 ) 3 8 8 9-5 8 9 9 Página 1 Sciesp Clipping 17.06 A s s e s s o r i a d e I m p r e n s a i m p r e n s a @ s c i e s p. c o m. b r ( 1 1 ) 3 8 8 9-5 8 9 9 Página 1 DESTAK FGTS amplia teto da renda para imóvel com juro menor Famílias

Leia mais

DOSSIER FRANCHISING 3iNFOR

DOSSIER FRANCHISING 3iNFOR DOSSIER FRANCHISING 3iNFOR Rua Henrique Bravo, 6929 e 6967 4465-167 S. Mamede de Infesta Portugal 1 Filosofia/Historial A 3infor é uma empresa especializada em software profissional, com um produto inovador

Leia mais

Dossier Promocional. Empreendimento Varandas da Venezuela 2 - Porto

Dossier Promocional. Empreendimento Varandas da Venezuela 2 - Porto Dossier Promocional Empreendimento Varandas da Venezuela 2 - Porto 1. Contexto e a Oportunidade 2. Localização do Imóvel 3. Características Gerais do Imóvel 4. Características Detalhadas do Imóvel 2 1.

Leia mais

PROGRAMA HABITACIONAL NOVO PRODUTO

PROGRAMA HABITACIONAL NOVO PRODUTO PROGRAMA HABITACIONAL NOVO PRODUTO Produto Aquisição de empreendimentos habitacionais na planta Sem custos de comercialização para o construtor Recursos do Fundo do Novo Programa Habitacional Público Alvo:

Leia mais

Simplificar as operações de reestruturação empresarial: ajudar as empresas a ultrapassar a crise internacional e a manter postos de trabalho

Simplificar as operações de reestruturação empresarial: ajudar as empresas a ultrapassar a crise internacional e a manter postos de trabalho Simplificar as operações de reestruturação empresarial: ajudar as empresas a ultrapassar a crise internacional e a manter postos de trabalho 14 de Maio de 2009 Perguntas e respostas 1. Quais os objectivos

Leia mais

Reabilitação Urbana Sustentabilidade Caso Coimbra

Reabilitação Urbana Sustentabilidade Caso Coimbra Reabilitação Urbana Sustentabilidade Caso Coimbra Sustentabilidade (visões): -Económica -Ambiental -Social Reabilitação Urbana (Dec.-Lei nº307/2009): Intervenção integrada sobre o tecido urbano existente,

Leia mais

Localizado junto à estrada de Eiras, na zona natural de expansão da cidade, o Coimbra Retail Park começou a

Localizado junto à estrada de Eiras, na zona natural de expansão da cidade, o Coimbra Retail Park começou a Informação à Imprensa - 10 de Novembro de 2003 Parceria entre a Sonae Imobiliária e a Miller Developments Coimbra Retail Park abre ao público com oferta de 15 novas lojas - Investimento de 13 milhões -

Leia mais

O DINHEIRO NÃO CAI DO CÉU E PARECE QUE VOA DO BOLSO *

O DINHEIRO NÃO CAI DO CÉU E PARECE QUE VOA DO BOLSO * PUBLICADO NA EDIÇÃO IMPRESSA SEGUNDA-FEIRA, 10 DE DEZEMBRO DE 2012 POR O DINHEIRO NÃO CAI DO CÉU E PARECE QUE VOA DO BOLSO * Elaborar o orçamento familiar é muito importante porque permite controlar melhor

Leia mais

Decreto n.º 63/99, de 2 de Novembro

Decreto n.º 63/99, de 2 de Novembro Decreto n.º 63/99, de 2 de Novembro Cria um instrumento financeiro denominado obrigações hipotecárias. B.O. n.º 40 - I Série Decreto n.º 63/99 de 2 de Novembro O presente diploma, dando sequência à reforma

Leia mais

Entrevista com GVA-Consultimo. Maria Inácia Reynolds Oliveira. Diretora Geral. Com quality media press para LA VANGUARDIA & Expresso

Entrevista com GVA-Consultimo. Maria Inácia Reynolds Oliveira. Diretora Geral. Com quality media press para LA VANGUARDIA & Expresso Entrevista com GVA-Consultimo Maria Inácia Reynolds Oliveira Diretora Geral Com quality media press para LA VANGUARDIA & Expresso O sector imobiliário em Portugal: análise evolução recente O sector Imobiliário

Leia mais

Iniciativa JESSICA. Perguntas Frequentes

Iniciativa JESSICA. Perguntas Frequentes 1 - Como nasceu a iniciativa JESSICA? A iniciativa JESSICA (Joint European Support for Sustainable Investment in City Areas) é um instrumento financeiro promovido pela Comissão Europeia e desenvolvido

Leia mais

SIMPLIFICAÇÃO DO REGISTO PREDIAL e ACTOS CONEXOS para o MERCADO IMOBILIÁRIO. Perguntas & Respostas

SIMPLIFICAÇÃO DO REGISTO PREDIAL e ACTOS CONEXOS para o MERCADO IMOBILIÁRIO. Perguntas & Respostas SIMPLIFICAÇÃO DO REGISTO PREDIAL e ACTOS CONEXOS para o MERCADO IMOBILIÁRIO Perguntas & Respostas 31 de Julho de 2008 1. Quais os objectivos das medidas de simplificação do registo predial e actos conexos

Leia mais

Iniciativa JESSICA. Perguntas Frequentes

Iniciativa JESSICA. Perguntas Frequentes Iniciativa JESSICA Perguntas Frequentes Iniciativa JESSICA: Perguntas Frequentes 1 - Como nasceu a iniciativa JESSICA? A iniciativa JESSICA (Joint European Support for Sustainable Investment in City Areas)

Leia mais

VAI ARRENDAR CASA? PRESTE ATENÇÃO AO SEGUINTE!

VAI ARRENDAR CASA? PRESTE ATENÇÃO AO SEGUINTE! VAI ARRENDAR CASA? PRESTE ATENÇÃO AO SEGUINTE! Locação é o contrato pelo qual uma das partes se obriga a proporcionar à outra o gozo temporário de uma coisa, mediante retribuição Art.º 1022.º do Código

Leia mais

Dossier Promocional. Hotel Vista Real Castro Marim - Algarve

Dossier Promocional. Hotel Vista Real Castro Marim - Algarve Dossier Promocional Hotel Vista Real Castro Marim - Algarve 1 1. Contexto e Oportunidade 2. Localização do Imóvel 3. Características Gerais do Imóvel 4. Descrição Detalhada 5. Condições de Comercialização

Leia mais

O artigo 3.º do Decreto-Lei n.º 78/2006, de 4 de Abril, estabelece como estando abrangidos pelo SCE os seguintes edifícios:

O artigo 3.º do Decreto-Lei n.º 78/2006, de 4 de Abril, estabelece como estando abrangidos pelo SCE os seguintes edifícios: Regime Jurídico da Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Departamento de Imobiliário 12 de Janeiro de 2009 O Decreto-Lei n.º 78/2006 de 4 de Abril aprovou o Sistema

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A FASE 2 DA JANELA II DO PROGRAMA FINAGRO

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A FASE 2 DA JANELA II DO PROGRAMA FINAGRO PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A FASE 2 DA JANELA II DO PROGRAMA FINAGRO 1. A nossa empresa localiza-se dentro da área jurisdição do Município de Nampula. Sendo os SDAE, uma estrutura do Governo do Distrito

Leia mais

Consórcio. Imobiliário. na prática. Por que o consórcio é muito mais interessante do que o financiamento? Livre-se dos Juros!

Consórcio. Imobiliário. na prática. Por que o consórcio é muito mais interessante do que o financiamento? Livre-se dos Juros! Consórcio Imobiliário na prática Por que o consórcio é muito mais interessante do que o financiamento? Livre-se dos Juros! 1 Sobre a empresa A A+ Consórcios iniciou suas atividades com o objetivo de gerir

Leia mais

VAI PERMUTAR A SUA CASA? PRESTE ATENÇÃO AO SEGUINTE!

VAI PERMUTAR A SUA CASA? PRESTE ATENÇÃO AO SEGUINTE! 1 VAI PERMUTAR A SUA CASA? PRESTE ATENÇÃO AO SEGUINTE! As normas da compra e venda são aplicáveis aos outros contratos onerosos pelos quais se alienam bens ou se estabeleçam encargos sobre eles, na medida

Leia mais

Programa Janela Eficiente tem potencial de negócio de 500 milhões 08/03/11, 18:31

Programa Janela Eficiente tem potencial de negócio de 500 milhões 08/03/11, 18:31 1 de 9 Programa Janela Eficiente tem potencial de negócio de 500 milhões 08/03/11, 18:31 NOTÍCIAS A substituição de janelas antigas por janelas eficientes pode gerar na indústria, um potencial de negócio

Leia mais

Seminário Integrado sobre Direito do Urbanismo Centro de Estudos Judiciários 26-01-2012

Seminário Integrado sobre Direito do Urbanismo Centro de Estudos Judiciários 26-01-2012 Seminário Integrado sobre Direito do Urbanismo Centro de Estudos Judiciários 26-01-2012 Construção civil Execução de obras, tais como moradias, edifícios, pontes, barragens, estradas, aeroportos e outras

Leia mais

1. (PT) - Diário Económico - Finanças Pessoais, 30/11/2012, Portugueses sonham comprar casa 1

1. (PT) - Diário Económico - Finanças Pessoais, 30/11/2012, Portugueses sonham comprar casa 1 Tema de Pesquisa: Construção 30 de Novembro de 2012 Revista de Imprensa 30-11-2012 1. (PT) - Diário Económico - Finanças Pessoais, 30/11/2012, Portugueses sonham comprar casa 1 2. (PT) - Jornal de Negócios,

Leia mais

TIMBER ENGINEERING EUROPE

TIMBER ENGINEERING EUROPE TIMBER ENGINEERING EUROPE Tecnologia de construção no seu melhor Desenhado, fabricado e montado segundo as necessidades do cliente www.timberengineeringeurope.com Bem-vindos a Timber Engineering Europe

Leia mais

envolvente Excepcional localização, a 500 mt do Largo do Chiado Dentro do Bairro Histórico de Santa Catarina, o mais emblemático de Lisboa

envolvente Excepcional localização, a 500 mt do Largo do Chiado Dentro do Bairro Histórico de Santa Catarina, o mais emblemático de Lisboa santa catarina, 3 Excepcional localização, a 500 mt do Largo do Chiado Dentro do Bairro Histórico de Santa Catarina, o mais emblemático de Lisboa Integrado no conjunto edificado do Pátio do Lencastre,

Leia mais

STC 6 Modelos de Urbanismo e mobilidade

STC 6 Modelos de Urbanismo e mobilidade STC 6 Modelos de Urbanismo e mobilidade Certificação energética da minha habitação Descrição da minha habitação de Sonho 1 Introduça o Simulação da certificação energética da casa Situação Atual classe

Leia mais

Deixe-se envolver por um ambiente. saudável. Premium

Deixe-se envolver por um ambiente. saudável. Premium Deixe-se envolver por um ambiente saudável. O LOCAL Deslumbre-se com a soberba vista para a Serra de Sintra, um excepcional local de contemplação do qual poderá desfrutar todos os dias. Uma vista única

Leia mais

Repare nestes pontos ao escolher seu imóvel.

Repare nestes pontos ao escolher seu imóvel. Repare nestes pontos ao escolher seu imóvel. Existem muitos ítens importantes a considerar antes de fechar a compra de um novo imóvel. O Itaú vai ajudar você a ficar alerta à eles e se preparar para evitar

Leia mais

Decreto-Lei n.º 165/93 de 7 de Maio

Decreto-Lei n.º 165/93 de 7 de Maio Decreto-Lei n.º 165/93 de 7 de Maio O Decreto-Lei n.º 39/89, de 2 de Fevereiro, constituiu uma das várias medidas implementadas tendo em vista a criação das condições institucionais e técnico-financeiras

Leia mais

Vender uma habitação: tudo o que deve saber Ou quase

Vender uma habitação: tudo o que deve saber Ou quase Quais são as diferentes etapas do processo de venda e as suas obrigações como proprietário? O Que mudou na mais valia? Como beneficiar do acompanhamento de um profissional sem pagar uma comissão de intermediário

Leia mais

Pra que serve tudo isso?

Pra que serve tudo isso? Capítulo 1 Pra que serve tudo isso? Parabéns! Você tem em mãos a base para o início de um bom planejamento financeiro. O conhecimento para começar a ver o dinheiro de outro ponto de vista, que nunca foi

Leia mais

T4 Duplex Jardins do Palacete

T4 Duplex Jardins do Palacete T4 Duplex Jardins do Palacete Boavista/ Porto Nª/Refª 3818 Índice 1 Localização 3 2 Informação Geral 5 3 Disponibilidades 8 4 Acabamentos 10 5 Plantas 13 Implantação 14 T4 Duplex 15 6 Contactos 17 T4 Duplex

Leia mais

Overview pela fiscalidade no sector imobiliário

Overview pela fiscalidade no sector imobiliário Overview pela fiscalidade no sector imobiliário A perspectiva do pequeno investidor II Semana da Reabilitação Urbana de Lisboa Sociedade de Geografia 16 de Abril de 2015 ÍNDICE DE CONTEÚDOS I INCENTIVOS

Leia mais

PROJETO DE REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO. Preâmbulo

PROJETO DE REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO. Preâmbulo PROJETO DE REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO Preâmbulo A elaboração do presente Regulamento tem como objetivo criar um conjunto de regras e princípios que permitam dotar o Município

Leia mais

Investir em Moçambique Aspectos jurídicos do Investimento Imobiliário. Manuel Camarate de Campos

Investir em Moçambique Aspectos jurídicos do Investimento Imobiliário. Manuel Camarate de Campos Manuel Camarate de Campos logo_rsalp Investir em Moçambique Coimbra, 3 de Novembro de 2014 Investimento imobiliário? Habitação (condomínios, moradias, habitação social) Centros comerciais/retail Parks

Leia mais

Projeto de Alteração ao Regulamento do Programa de Apoio ao Investimento Nota Justificativa

Projeto de Alteração ao Regulamento do Programa de Apoio ao Investimento Nota Justificativa Projeto de Alteração ao Regulamento do Programa de Apoio ao Investimento Nota Justificativa O Regulamento do Programa de Apoio ao Investimento entrou em vigor a 15/01/2015, após aprovação pela Câmara Municipal

Leia mais

FICHA DE INVENTÁRIO 2.CARACTERIZAÇÃO

FICHA DE INVENTÁRIO 2.CARACTERIZAÇÃO FICHA DE INVENTÁRIO 1.IDENTIFICAÇÃO Designação- Imóvel Local/Endereço- Largo da Sé velha, nº4 a 8 Freguesia- Sé Nova Concelho- Coimbra Distrito- Coimbra 2.CARACTERIZAÇÃO Função Origem Habitação. Função

Leia mais

IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE IMÓVEIS. O que é. A que tipo de prédios se aplica

IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE IMÓVEIS. O que é. A que tipo de prédios se aplica IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE IMÓVEIS O que é A que tipo de prédios se aplica Quem tem de pagar IMI Prédios isentos Reconhecimento Tipo de isenção Prédios classificados como monumentos nacionais ou património

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE APOIO AO INVESTIMENTO ESTRATÉGICO

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE APOIO AO INVESTIMENTO ESTRATÉGICO REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE APOIO AO INVESTIMENTO ESTRATÉGICO Nota Justificativa A elaboração do presente regulamento tem como objectivo criar um conjunto de princípios e normas gerais e abstractas que

Leia mais

INSTITUTO ADM&TEC SELEÇÃO PÚBLICA SIMPLIFICADA PARA O CURSO SUPERIOR SEQUENCIAL DE FORMAÇÃO ESPECÍFICA EM GESTÃO IMOBILIÁRIA 2015

INSTITUTO ADM&TEC SELEÇÃO PÚBLICA SIMPLIFICADA PARA O CURSO SUPERIOR SEQUENCIAL DE FORMAÇÃO ESPECÍFICA EM GESTÃO IMOBILIÁRIA 2015 INSTITUTO ADM&TEC SELEÇÃO PÚBLICA SIMPLIFICADA PARA O CURSO SUPERIOR SEQUENCIAL DE FORMAÇÃO ESPECÍFICA EM GESTÃO IMOBILIÁRIA 2015 DISCIPLINA: PORTUGUÊS PROVA DE 2ª FASE FUNDOS IMOBILIÁRIOS Os Fundos de

Leia mais

SERVIÇO DA MERCAL CONSULTING GROUP PARA VENDA OU ASSOCIAÇÃO ( JOINT VENTURE OU MERGER ) DA SUA EMPRESA

SERVIÇO DA MERCAL CONSULTING GROUP PARA VENDA OU ASSOCIAÇÃO ( JOINT VENTURE OU MERGER ) DA SUA EMPRESA SERVIÇO DA MERCAL CONSULTING GROUP PARA VENDA OU ASSOCIAÇÃO ( JOINT VENTURE OU MERGER ) DA SUA EMPRESA O primeiro requisito para venda de uma empresa, total ou parcialmente, é apresentá-la de forma atraente,

Leia mais

CONJUNTO COMERCIAL CENTRO COMERCIAL DE PORTIMÃO

CONJUNTO COMERCIAL CENTRO COMERCIAL DE PORTIMÃO CONJUNTO COMERCIAL CENTRO COMERCIAL DE PORTIMÃO RELATÓRIO DE CONFORMIDADE AMBIENTAL DO PROJECTO DE EXECUÇÃO (RECAPE) SUMÁRIO EXECUTIVO JULHO DE 2008 Inovação e Projectos em Ambiente 1 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...

Leia mais

Fiscalidade no Sector da Construção

Fiscalidade no Sector da Construção Fiscalidade no Sector da Construção Conferência AICCOPN Os Fundos de Investimento Imobiliário para Arrendamento Habitacional Lisboa, 26 de Março de 2009 Paulo Alexandre de Sousa Director de Financiamento

Leia mais

Visita a Portugal do Importador C & C Casa & Construção

Visita a Portugal do Importador C & C Casa & Construção Visita a Portugal do Importador C & C Casa & Construção Sector da Construção Brasil 21 a 25 de Outubro de 2013 Enquadramento Com uma extensão territorial de aproximadamente 8,5 milhões km 2, vastos recursos

Leia mais

Overview pela fiscalidade no sector imobiliário

Overview pela fiscalidade no sector imobiliário Overview pela fiscalidade no sector imobiliário A perspectiva do pequeno investidor II Semana da Reabilitação Urbana de Lisboa Sociedade de Geografia 16 de Abril de 2015 ÍNDICE DE CONTEÚDOS I INCENTIVOS

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO TERRENOS TRAVESSA DA IGREJA DE NEVOGILDE NEVOGILDE. PORTO

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO TERRENOS TRAVESSA DA IGREJA DE NEVOGILDE NEVOGILDE. PORTO Introdução O presente relatório de avaliação diz respeito a dois prédios, um com armazém e outro com moradia, na Travessa da Igreja de Nevogilde, na cidade do Porto. A avaliação do terreno e/ou edifícios

Leia mais

Dossier Promocional. Moradia em Travassô Águeda - Aveiro

Dossier Promocional. Moradia em Travassô Águeda - Aveiro Dossier Promocional Moradia em Travassô Águeda - Aveiro 1 1. Contexto e a Oportunidade 2. Localização do Imóvel 3. Características Gerais do Imóvel 4. Descrição Detalhada 5. Condições de Comercialização

Leia mais

Proposta de Alteração de Delimitação das Áreas de Reabilitação Urbana

Proposta de Alteração de Delimitação das Áreas de Reabilitação Urbana Proposta de Alteração de Delimitação das Áreas de Reabilitação Urbana Núcleo Histórico da Vila da Lousã Fundo de Vila Área Urbana Central Nascente da Vila da Lousã Área Urbana Central Poente da Vila da

Leia mais

Benefícios Fiscais. Incentivos em regime contratual

Benefícios Fiscais. Incentivos em regime contratual Benefícios Fiscais O Estatuto dos Benefícios Fiscais consagra um conjunto de medidas de isenção e redução da carga fiscal para diversos tipos de projectos e investimentos. Os incentivos e benefícios fiscais

Leia mais

Regulamento do Prémio Municipal de Recuperação do Património de Montemor-o-Velho (1ª alteração)

Regulamento do Prémio Municipal de Recuperação do Património de Montemor-o-Velho (1ª alteração) Regulamento do Prémio Municipal de Recuperação do Património de Montemor-o-Velho () PREÂMBULO A Câmara Municipal de Montemor-o-Velho tem vindo a desenvolver esforços consideráveis na requalificação dos

Leia mais

Questionário Preliminar de Risco

Questionário Preliminar de Risco Questionário Preliminar de Risco MULTIRISCOS PME Identificação interna Sucursal Comercial Técnico Agente / Corretor Data da visita Referência Proponente Nome Morada Ocupação do risco Código Postal DESCRIÇÃO

Leia mais

CORRENTES CAPITAL TOTAL RECEITAS 17 526 004 7 283 896 24 809 900 DESPESAS 12 372 900 12 437 000 24 809 900

CORRENTES CAPITAL TOTAL RECEITAS 17 526 004 7 283 896 24 809 900 DESPESAS 12 372 900 12 437 000 24 809 900 ANÁLISE DO ORÇAMENTO: RECEITA E DESPESA O orçamento para 2014 volta a ser mais contido que o anterior, situando-se em 24.809.900, ou seja menos 4,3% que o de 2013. Como se verá mais à frente, o plano de

Leia mais

Como comprar o seu imóvel. Um jeito único de vender.

Como comprar o seu imóvel. Um jeito único de vender. Como comprar o seu imóvel Um jeito único de vender. NOSSA MISSÃO A Impacto Engenharia investe constantemente em um relacionamento mais estreito com seus clientes e assim oferece um jeito único de servir,

Leia mais

Imobiliário: estudo conclui que é preciso apostar em novos segmentos

Imobiliário: estudo conclui que é preciso apostar em novos segmentos Re-Search Angola Imobiliário: estudo conclui que é preciso apostar em novos segmentos Está a emergir em Angola uma classe média, com maior poder de compra e interesse em adquirir casa própria. Esta é uma

Leia mais

DECRETO Nº 1627 DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

DECRETO Nº 1627 DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 DECRETO Nº 1627 DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Dispõe sobre a atualização do artigo 1º, da Lei da Lei Complementar nº 241 de 24 de Fevereiro de 2015, onde trata da Tabela nº 05, Anexo II - Planta Genérica

Leia mais

Decreto-Lei n.º 27/2001, de 3 de Fevereiro, Regula o novo regime das contas poupançahabitação

Decreto-Lei n.º 27/2001, de 3 de Fevereiro, Regula o novo regime das contas poupançahabitação 1/7 Decreto-Lei n.º 27/2001, de 3 de Fevereiro, Regula o novo regime das contas poupançahabitação JusNet 259/2001 Link para o texto original no Jornal Oficial (DR N.º 29, Série I-A, 3 Fevereiro 2001; Data

Leia mais

Serviço Garantido o que vou fazer por si e pelo seu imóvel

Serviço Garantido o que vou fazer por si e pelo seu imóvel A VENDA DO SEU IMOVEL Tudo o que precisa de saber Serviço Garantido o que vou fazer por si e pelo seu imóvel ANTÓNIO TRINDADE Consultor Imobiliário atrindade@remax.pt Wellcome Home Mediação Imob., Lda

Leia mais

Plano de Pormenor da Frente Ribeirinha de Alhandra

Plano de Pormenor da Frente Ribeirinha de Alhandra Plano de Pormenor da Frente Ribeirinha de Alhandra O Plano de Pormenor da Frente Ribeirinha de Alhandra estabelece a concepção do espaço urbano, para a área de intervenção do Plano, dispondo, designadamente,

Leia mais

INTRODUÇÃO O QUE É O PLANO «SALATIA»?

INTRODUÇÃO O QUE É O PLANO «SALATIA»? INTRODUÇÃO O QUE É O PLANO «SALATIA»? No actual cenário económico-financeiro do Mundo e do País, é obrigação de todas as entidades públicas, à sua escala, promoverem medidas de apoio às empresas e às famílias

Leia mais

Lei n. o 7/2013. Regime jurídico da promessa de transmissão. de edifícios em construção. Breve introdução

Lei n. o 7/2013. Regime jurídico da promessa de transmissão. de edifícios em construção. Breve introdução Lei n. o 7/2013 Regime jurídico da promessa de transmissão de edifícios em construção Breve introdução 1. O que regula essencialmente o Regime jurídico da promessa de transmissão de edifícios em construção?

Leia mais

Assunto: Consulta Pública nº1/2010. Exmos. Senhores,

Assunto: Consulta Pública nº1/2010. Exmos. Senhores, Assunto: Consulta Pública nº1/2010 Exmos. Senhores, Fundada em 13 de Outubro de 1994 por diversas empresas de Rádio e Televisão e Associações de Imprensa e de Rádio, a Confederação Portuguesa dos Meios

Leia mais

Oportunidade: Condomínio Privado- MAIA

Oportunidade: Condomínio Privado- MAIA Oportunidade: Condomínio Privado- MAIA Rua das Lousinhas 10 Moradias T4 2 Localização O imóvel localiza-se no distrito do Porto, concelho da Maia e freguesia da Folgosa, numa zona residencial de grande

Leia mais

BENEFÍCIOS FISCAIS PARA A REABILITAÇÃO URBANA ENQUADRAMENTO LEGAL

BENEFÍCIOS FISCAIS PARA A REABILITAÇÃO URBANA ENQUADRAMENTO LEGAL BENEFÍCIOS FISCAIS PARA A REABILITAÇÃO URBANA ENQUADRAMENTO LEGAL Refere o Decreto-Lei nº 307/2009 de 23 de Outubro No artigo 2º Definições i) «Reabilitação de edifícios» a forma de intervenção destinada

Leia mais

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais

Abr. Mai. Mar. separata. Projecto. Empresa UNIÃO EUROPEIA. Fundo Social Europeu

Abr. Mai. Mar. separata. Projecto. Empresa UNIÃO EUROPEIA. Fundo Social Europeu 106 Abr. Mai. Mar. 09 Projecto Empresa UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu Abr. Mai. Jun. 2009 Projecto Empresa Por: J. M. Marques Apolinário - Economista; Membro do Conselho Editorial da Dirigir Hoje

Leia mais

NORMA DE PROCEDIMENTOS

NORMA DE PROCEDIMENTOS Emissor: GRATER Entrada em vigor: 12-10-2009 Associação de Desenvolvimento Regional Assunto: Norma de Procedimentos n.º 5/2008 Âmbito: Estratégia Local de Desenvolvimento Abordagem LEADER NORMA DE PROCEDIMENTOS

Leia mais

PROGRAMA MODELAR MANUAL DE APOIO AO PROCESSO DE CANDIDATURA

PROGRAMA MODELAR MANUAL DE APOIO AO PROCESSO DE CANDIDATURA PROGRAMA MODELAR MANUAL DE APOIO AO PROCESSO DE CANDIDATURA Junho de 2009 1 MANUAL DE APOIO AO PROCESSO DE CANDIDATURA AO PROGRAMA MODELAR O Programa MODELAR tem como objectivo a atribuição de apoio financeiro

Leia mais