Espaço Ciber n ét ico: Nov os desaf ios su r gem

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Espaço Ciber n ét ico: Nov os desaf ios su r gem"

Transcrição

1 &<%(5648$77,1*352%/(0$*/2%$/62/8d (6/2&$,6 Rodney de Castro Peixoto Espaço Ciber n ét ico: Nov os desaf ios su r gem Devido ao fato da I nternet ter tornado a palavra com unicação um a FRPPRGLW\ m ultinacional, tem os presenciado um grande núm ero de desafios surgindo neste novo estado de coisas digital. O aspecto internacional da :HE não caracteriza, por si só, a rede m undial de com putadores. Nos dias de hoje, som os todos atores interagindo em um sítio im aterial, com posto dhelwv e E\WHV, o cham ado Espaço Cibernético. Este Espaço possui seu próprio conjunto de regras, e algum as delas correm em direção contrária daquelas estabelecidas no m undo dos átom os. Assim, a intangibilidade é o fator m ais m arcante do Espaço Cibernético. Neste esteio de idéias, podem os evidenciar os dois elem entos principais que caracterizam a prim eira im pressão sobre o Espaço Cibernético: Sua LQWHUQDFLRQDOLGDGHum a vez que a I nternet não encontra obstáculos físicos, e LQWDQJLELOLGDGH, dado a volatilidade da inform ação digitalizada. Para lançar luzes sobre um a das principais questões acerca do Espaço Cibernético e seus lados global e intangível, devem os nos voltar ao título deste artigo, o fenôm eno do F\EHUVTXDWWLQJ Nosso ponto de discussão inicia-se na capacidade adquirida por qualquer pessoa de efetuar um registro, no Espaço Cibernético, de um nom e potencialm ente relevante para um terceiro, seja pessoa física ou jurídica, suas conseqüências legais e soluções previstas por algum as jurisdições. Pr oblem a Global A I nternet trabalha por m eio de núm eros. Em um a rede de com putadores, cada unidade é parte de um todo. Por interm édio dos cham ados 1HWZRUN$FFHVV3RLQWV(1, roteadores e EDFNERQHV, a inform ação trafega através de cabos, fios ou ondas, e os usuários da I nternet são identificados por núm eros, vale dizer, cada ponto da rede recebe um endereço individualizado, o,qwhuqhw3urwrfro$gguhvv,3) ( 2). O endereço,3 t orna a :HE possível, e é form ado por um conjunto de núm eros ordenados (exem plo: xxx.xx.xx.xxx). Um a vez que cada ponto único na Grande Rede precisa ser identificado, é verdadeiram ente im possível a lem brança de todos os núm eros referentes ao,3 quando do acesso a um determ inado ZHEVLWH. Da m esm a m aneira que necessitam os encontrar um a rua ou avenida ao nos locom ovem os em espaço físico, a m esm a necessidade se presencia no Espaço Cibernético. Sob essa necessidade, tivem os a criação do 'RPDLQ1DPH6\VWHP ('1S) (3), originado na Universidade de Wisconsin, Estados Unidos, por volta de O '16 traduz os núm eros dos endereços,3 em nom es com preensíveis, os nom es de dom ínio, providenciando um a m aneira fácil de lem brança e registro dos endereços representativos de entidades na I nternet. Assim, os m ilhões de sítios da :HE restam facilm ente encontráveis, pois seus endereços,3 estão convertidos em nom es de im ediata com preensão e registro.

2 Ao m esm o tem po em que a :HE se popularizou e tornou-se um fenôm eno de m assa, sua inclinação com ercial veio à tona. Deste m odo, corporações e pequenos negócios m igraram para a I nternet, e novos m odelos com erciais apareceram no Espaço Cibernético. Tem -se, então, um panoram a onde um a sim ples com binação alfanum érica recebe um a im portância ím par para estes em preendedores, tanto EULFNDQGPRUWDUV com o SXUHSOD\HUV, e podem determ inar o sucesso de suas m ovim entações em presariais. Um a verdadeira doutrina surge deste novo conceito, o Com ércio Eletrônico, com im plicações e reflexos em vários ram os de atividade. Deparam os, então, com o term o F\EHUVTXDWWLQJ. De acordo com um a legislação federal norte-am ericana, a $QWL&\EHUVTXDWWLQJ&RQVXPHU 3URWHFW $FW, o F\EHUVTXDWWLQJ é o UHJLVWURWUiIHJRRXXVRGHXPQRPHGHGRPtQLR FRPPiIpHLQWHQomRGHREWHUOXFURDSDUWLUGDERDIpGHWHUFHLURGHWHQWRUGH PDUFDUHJLVWUDGD (trad.do autor). Esta definição alinha o nom e de dom ínio com a m arca registrada. A palavra é derivada da língua inglesa, VTXDWWLQJ, o ato de invadir ou fazer m oradia na propriedade de outra pessoa, sem perm issão. Entre nós brasileiros, é com um a expressão posseiros digitais para caracterizar a prática. Um a vez que o nom e de dom ínio é guiado pelo princípio da anterioridade, não há óbice ao registro de um nom e originalm ente revestido de proteção m arcária por iniciativa de terceiro. Em contrapartida, o nom e de dom ínio recebe um a proteção equiparada à m arca de alto renom e, por seu registro ser considerado legítim o pelo prim eiro solicitante, até prova em contrário. Então, o significado crucial de um nom e distintivo na prática de negócios de qualquer natureza estende-se à I nternet, e tem os visto um grande núm ero de questões legais originando-se de F\EHUVTXDWWLQJ. Um registro prévio de um a m arca conhecida, feito de m aneira literal ou sim ilar, e o sucesso de um negócio pode estar com prom etido. O significado do term o, visto por olhos jurídicos, é um a infração. Para esta infração se configurar, é necessária a presença de dois elem entos: ƒ ƒ Má-fé no ato do registro; Clara intenção de obtenção de lucro com o registro do nom e de dom ínio. Na presença destes dois fatores, tem os um caso de F\EHUVTXDWWLQJ. Com o a m aioria das questões envolvidas no Espaço Cibernético, esta prática não conhece fronteiras ou lim itação geográfica. Daí a conclusão de que o F\EHUVTXDWWLQJ é, sem dúvida, um problem a global.

3 Soluções locais Ao tentarm os registrar um nom e de dom ínio, prim eiram ente precisam os definir qual o tipo de nom e é o sujeito de nosso interesse. Os dois elem entos inicialm ente invocados neste texto (internacionalidade e intangibilidade) determ inam a im portância de um a presença global em um negócio na :HE. Desta m aneira, o registro de um *HQHUDO7RS/HYHO'RPDLQ ( J7/') (4) deve ser apreciado por aqueles que pretendem expandir sua presença no Espaço Cibernético. Este nível de nom e de dom ínio possui um interesse global, por suas variações (.com,.net,.org,.info,.biz,.m useum,.aero,.nam e,.coop,.pro) serem em buídas de um valor que transpõe fronteiras, sendo capazes de obterem reconhecim ento em m uitos idiom as ao redor do planeta. Ao surgir um conflito envolvendo um J7/', há um a política estabelecida pela,&$11 (5) para resolver disputas concernentes ao F\EHUVTXDWWLQJ e qualquer outra m odalidade de registro abusivo. Esta política é cham ada de 8QLIRUP1DPH'LVSXWH5HVROXWLRQ (8'1'5), e suas diretrizes devem ser observadas por todos os registradores de nom es de dom ínio habilitados. Outros órgãos tam bém estão aptos a verificar reclam ações desta natureza, autorizadas pela,&$11, e a m aioria dos casos é levada à apreciação da :,32 (6). Até o presente m om ento do texto, estam os nos m ovendo no território da problem ática global recebendo um a solução tam bém global, em ocorrências específicas envolvendo registros de J7/'. Um a vez que o registro de um J7/' pode ser efetuado a partir de qualquer jurisdição, as políticas da,&$11 e os procedim entos adotados na resolução de disputas são indispensáveis para unificar o entendim ento sobre a legitim idade e legalidade dos registros efetuados. E quando um abuso for alegado em vista de um &RXQWU\&RGH7RS/HYHO'RPDLQ (FF7/') (7)? Estes nom es de dom ínio são seguidos do código do país de origem, e possuem m ais relevância entre os lim ites dos m esm os territórios. A política de resolução de conflitos da,&$11 não representa força legal nestes casos, e a Justiça interna é acionada para dirim ir este tipo de lide, nem sem pre fornecendo a resposta legal correta em vista do caso concreto. I m plicações com o tem po, custos, entendim entos divergentes e procedim entos estão levando alguns países a procurar um a solução própria para os problem as de registro neste nível de nom es de dom ínio. Agora, adentram os no território das soluções locais. Dias atrás, o Ministério de I nform ação e Com unicação da Coréia se m oveu neste sentido, estabelecendo um Com itê de Resolução de Disputas de Nom e de Dom ínio. Este Com itê providenciará assistência específica em casos envolvendo nom es de dom ínio daquele país, cuja term inação é.kr, e os procedim entos são baseados na 8'1'5 da,&$11. Esta m edida foi tom ada visto o crescente núm ero de casos de F\EHUVTXDWWLQJ no território coreano. Com isto, estim a-se em 2 m eses o período total entre o ajuizam ento do pedido e a decisão final sobre o nom e de dom ínio levado ao conhecim ento do Com itê de Resolução de Disputas de Nom e de Dom ínio.

4 Para evidenciar as iniciativas sem elhantes ao redor do m undo, apresentam os um painel dem onstrativo contendo as soluções locais m ais relevantes providenciadas por diversos países: PAÍ S PROCEDI MENTO ADOTADO/ ENTI DADE Chile Mediação, na falta de acordo escrito, Arbitragem NI C Chile República Tcheca Arbitragem CZ NI C Dinam arca Procedim entos adm inistrativos Dansk I nternet Forum Guernsey Mediação Channelnam es.com Croácia Arbitragem Hungria Arbitragem I srael Procedim entos adm inistrativos I SOC-I I I ndia Procedim entos adm inistrativos NI C-I N I tália Arbitragem e variações da UDNDR- NI C I T Jersey Mediação Channelnam es.com Kazaquistão Procedim entos adm inistrativos KAZ-NI C Portugal Arbitragem Uruguai Arbitragem Centro de Conciliación y Arbitraje De acordo com as estatísticas da :,32, há um total de 243 FF7/' diferentes, e em 56 destas jurisdições são adotados procedim entos internos na resolução de conflitos, sendo a m aioria variações do conteúdo da 8'1'5. Os 13 países constantes no painel acim a representam um cam inho alternativo a este entendim ento, com a adoção de soluções locais próprias dentro das jurisdições m encionadas. Estes fatos representam a im portância da observação de m edidas coerentes na tentativa de providenciar resoluções com patíveis com o problem a crescente (e insistente) de registro abusivo de nom es de dom ínio na I nternet. Enquanto um a infração inerente ao Espaço Cibernético, com seu lado intangível e m ultinacional, o F\EHUVTXDWWLQJ m erece a busca de novas form as de resolução de disputas na configuração de sua ocorrência, com o tem os visto nas inteligentes iniciativas nos países m encionados. O Com itê Gestor da I nternet no Brasil, órgão responsável pelo regram ento interno sobre os nom es de dom ínio, não apresenta nenhum sinal de adoção de procedim ento alternativo sobre as lides pertinentes à m atéria, cabendo ao lesado o ingresso em juízo para obter resposta para sua pretenção resistida. É notório os fatores custos e tem po que a atividade judicial dem anda, e a adoção de m eios alternativos com o os procedim entos adm inistrativos em face de dirim ir um a disputa local parece um a atitude saudável de entregar a cada um o que é seu, vale dizer, prom over eficazm ente o direito no m undo digital.

5 Notas de rodapé: 1. Pontos de Acesso à Rede 2. Endereço de Protocolo de I nternet 3. Sistem a de Nom es de Dom ínio 4. Dom ínio Genérico de Prim eiro Nível 5.,QWHUQHW&RUSRUDWLRQIRU$VVLJQHG1DPHVDQG1XPEHUV, entidade responsável pela alocação dos endereços I P, gerenciam ento do Sistem a de Nom es de Dom ínio, e dem ais atividades inerentes ao sistem a de protocolos da I nternet. 6. :RUOG,QWHOOHFWXDO3URSHUW\2UJDQL]DWLRQ, Organização Mundial de Propriedade I ntelectual. 7. Dom ínio de Prim eiro Nível de Código de País Rodney de Castro Peixoto é advogado especialista em tecnologia, consultor de em presas de I nternet, autor do livro O Com ércio Eletrônico e os Contratos. Ed. Forense, 2001, e professor do I nstituto de Pós-Graduação Avançada em Tecnologia e Negócios I PGA, São Paulo.

Para: SGE MEMO/CVM/SRE/Nº 65/2014 De: SRE Data: 08.10.2014

Para: SGE MEMO/CVM/SRE/Nº 65/2014 De: SRE Data: 08.10.2014 Para: SGE MEMO/CVM/SRE/Nº 65/2014 De: SRE Data: 08.10.2014 Assunto: Processo CVM Nº RJ 2014/6202. Pedido de Dispensa de Registro de Oferta Pública de Distribuição de Valores Mobiliários. Artigo 4º da Instrução

Leia mais

PARA: GEA-3 RA/CVM/SEP/GEA-3/Nº 40/14 DE: RAPHAEL SOUZA DATA: 07.05.14

PARA: GEA-3 RA/CVM/SEP/GEA-3/Nº 40/14 DE: RAPHAEL SOUZA DATA: 07.05.14 PARA: GEA-3 RA/CVM/SEP/GEA-3/Nº 40/14 DE: RAPHAEL SOUZA DATA: 07.05.14 ASSUNTO: GPC Participações S.A. Recurso adm inistrativo Processo CVM RJ-2014-4201 Senhor Gerente, I. Síntese 1. Trata-se de recurso

Leia mais

Consultas e Serviços Especiais, com 0 (zero) dispositivos de segurança (Token) Agência: 3943 Conta Corrente: 13 001897-8 Titularidade: Cliente

Consultas e Serviços Especiais, com 0 (zero) dispositivos de segurança (Token) Agência: 3943 Conta Corrente: 13 001897-8 Titularidade: Cliente Termo de Adesão aos Serviços do Internet Banking Empresarial São partes neste Instrum ento: BANCO SANTANDER (BRASIL) S.A., instituição financeira com sede no Município de São Paulo, Estado de São Paulo,

Leia mais

$FRPXQLFDomRLQWHUQDQDVHPSUHVDVVypYDOLGDGDTXDQGRDWLQJHWRGRVRVQtYHLVKLHUiUTXLFRVHWHP DVErQomRVGRVSULQFLSDLVH[HFXWLYRV

$FRPXQLFDomRLQWHUQDQDVHPSUHVDVVypYDOLGDGDTXDQGRDWLQJHWRGRVRVQtYHLVKLHUiUTXLFRVHWHP DVErQomRVGRVSULQFLSDLVH[HFXWLYRV Page 1 of 5 %RDFRPXQLFDomRLQWHUQDpYDQWDJHPFRPSHWLWLYD $FRPXQLFDomRLQWHUQDQDVHPSUHVDVVypYDOLGDGDTXDQGRDWLQJHWRGRVRVQtYHLVKLHUiUTXLFRVHWHP DVErQomRVGRVSULQFLSDLVH[HFXWLYRV 1DUD'DPDQWH Do presidente para

Leia mais

n d ice : n d i c e :Í Apresentação Capítulo I - Introdução Capítulo II - O que são os Genéricos Capítulo III - Genéricos no Mundo

n d ice : n d i c e :Í Apresentação Capítulo I - Introdução Capítulo II - O que são os Genéricos Capítulo III - Genéricos no Mundo n d ice : n d i c e :Í Apresentação Capítulo I - Introdução Capítulo II - O que são os Genéricos Capítulo III - Genéricos no Mundo Capítulo IV - Genéricos no Brasil Capítulo V - Bioequivalência e Equivalência

Leia mais

&XUVRGH$QiOLVH7pFQLFDH(VWUDWpJLDQR0HUFDGR

&XUVRGH$QiOLVH7pFQLFDH(VWUDWpJLDQR0HUFDGR &XUVRGH$QiOLVH7pFQLFDH(VWUDWpJLDQR0HUFDGR GH$o}HV 'HVFULomR Em um m undo globalizado, com o o que vivem os atualm ente, a econom ia brasileira sofre influência direta de acontecim entos externos, que nem

Leia mais

Processo CVM nº RJ2013/11017

Processo CVM nº RJ2013/11017 Processo CVM nº RJ2013/11017 Interessados: Assunto: Diretora Relatora: Citibank DTVM S.A. Pedidos de dispensa de requisitos da Instrução CVM nº 356, de 2001, com alterações introduzidas pela Instrução

Leia mais

APOSTILA EXCEL AIM - 2010. Prof. Helio Canavesi Filho

APOSTILA EXCEL AIM - 2010. Prof. Helio Canavesi Filho APOSTILA EXCEL AIM - 2010 Prof. Helio Canavesi Filho &DStWXOR$SUHVHQWDomRGR([FHO 6XPiULR &DStWXOR,QLFLDQGRR0LFURVRIW([FHO &DStWXOR/LQKDV&ROXQDVH&pOXODV &DStWXOR3DVWDGHWUDEDOKRH3ODQLOKDV &DStWXOR&RPRFULDULQVHULUH[FOXLUHPRYHUSODQLOKDV

Leia mais

Pe n sa n do e m V u ln e r a bilida de s, Am e a ça s e Riscos

Pe n sa n do e m V u ln e r a bilida de s, Am e a ça s e Riscos Pensando em Vulnerabilidades, Am eaças e Riscos Objetivos Avaliar am eaças e riscos à segurança de redes. Após concluir este capítulo, você estará preparado para executar as seguint es t arefas: Tarefas

Leia mais

Processo Administrativo CVM n RJ2013/2422. Relatório

Processo Administrativo CVM n RJ2013/2422. Relatório Processo Administrativo CVM n RJ2013/2422 Reg. Col. nº 8980/2014 Interessados: Marcos Cordeiro Fernandes XP Investim entos CCTVM S/A Assunto: Recurso em Processo de Mecanism os de Ressarcim ento de Prejuízos

Leia mais

MDS Versão 2.2 - Outubro/2006

MDS Versão 2.2 - Outubro/2006 MDS - Outubro/2006 Manual elaborado com base na versão 3.14. ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 5 2 INSTALANDO O SISTEMA... 6 3 ATUALIZANDO O SISTEMA...10 4 IDENTIFICAÇÃO NO SISTEMA / MANUTENÇÃO...12 4.1 IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE MODERNIZAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO. pronamp

PROGRAMA NACIONAL DE MODERNIZAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO. pronamp PROGRAMA NACIONAL pronamp PROGRAMA NACIONAL A modernização e o fortalecimento do Ministério Público é ação necessária ao progresso da segurança jurídica e da igualdade de todos os cidadãos (Documentos

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO Informações gerais da avaliação: Protocolo: 200910861 Código MEC: 361064 Código da Avaliação: 84943 Ato Regulatório: Reconhecim ento de Curso Categoria Módulo: Curso Status: Finalizada Intrumento: RELATÓRIO

Leia mais

Marcelo Albuquerque de Oliveira. MMS Engenharia de Manutenção e Sistemas

Marcelo Albuquerque de Oliveira. MMS Engenharia de Manutenção e Sistemas 2010 O conteúdo deste documento tem por objetivo orientar sobre as atividades que entendemos serem necessárias para atender aos requisitos solicitados pelo cliente. Marcelo Albuquerque de Oliveira. MMS

Leia mais

Contrato Particular de Cessão de Prom essa de Com pra e Venda de Unidade Autônom a Condom inial com Cláusula Suspensiva e Outras Avenças;

Contrato Particular de Cessão de Prom essa de Com pra e Venda de Unidade Autônom a Condom inial com Cláusula Suspensiva e Outras Avenças; Para: SGE MEMO/CVM/SRE/Nº 49/2014 De: SRE Data: 06.08.2014 Assunto: Processo CVM RJ2014/6342. Pedido de Dispensa de Registro de Oferta Pública de Distribuição de Valores Mobiliários. Artigo 4º da Instrução

Leia mais

Para: SGE MEMO/CVM/SRE/Nº 73/2014 De: SRE Data: 19.11.2014

Para: SGE MEMO/CVM/SRE/Nº 73/2014 De: SRE Data: 19.11.2014 Para: SGE MEMO/CVM/SRE/Nº 73/2014 De: SRE Data: 19.11.2014 Assunto: Processo nº CVM RJ 2014/10139. Pedido de Dispensa de Registro de Oferta Pública de Distribuição de Valores Mobiliários. Artigo 4º da

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 2/8/201 e-mec - Funcionário MEC Informações gerais da avaliação: Protocolo: 20120377 Código MEC: 83997 Código da Avaliação: 1080 Ato Regulatório: Reconhecim ento de Curso EAD Categoria Módulo: Curso Status:

Leia mais

PARECER DO COMITÊ DE TERMO DE COMPROMISSO PROCESSO ADMINISTRATIVO SANCIONADOR CVM Nº RJ 2013/10172 RELATÓRIO

PARECER DO COMITÊ DE TERMO DE COMPROMISSO PROCESSO ADMINISTRATIVO SANCIONADOR CVM Nº RJ 2013/10172 RELATÓRIO PARECER DO COMITÊ DE TERMO DE COMPROMISSO PROCESSO ADMINISTRATIVO SANCIONADOR CVM Nº RJ 2013/10172 RELATÓRIO 1. Trata-se de proposta de Termo de Compromisso apresentada por KPMG Auditores Independentes

Leia mais

,&(7±,QVWLWXWRGH&LrQFLDH7HFQRORJLD

,&(7±,QVWLWXWRGH&LrQFLDH7HFQRORJLD 3ULPHLUD$XOD :. Apresentação :. Frase :. Avisos :. Sistem a de Avaliação :. Bibliografias (Básica e Com plem entar) :. Em enta :. Objetivos Gerais :. Objetivos Específicos :. Conteúdo Program ático $SUHVHQWDomR

Leia mais

Câmara Municipal de Porto Alegre

Câmara Municipal de Porto Alegre Câmara Municipal de Porto Alegre ATA DA SESSÃO DO PREGÃO ELETRÔNICO - para Registro de Preço EDITAL: 09/2014-SRP PROCESSO: 2615/13 Em, às 10:01 horas, na CÂMARA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE - CMPA, sito à

Leia mais

1.4. A idade m ínim a para participar do evento é de 16 (dezesseis) anos com pletos.

1.4. A idade m ínim a para participar do evento é de 16 (dezesseis) anos com pletos. &21)('(5$d 2%5$6,/(,5$'($87202%,/,602&%$ &216(/+27e&1,&2'(63257,921$&,21$/ )('(5$d 2&($5(16('($87202%,/,602±)&$ $662&,$d 2'(3,/2726'(785,602'2(67$'2'2&($5È$37 &$03(21$72&($5(16('(683(5785,602 5(*8/$0(172'(63257,92±

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO Informações gerais da avaliação: Protocolo: 011065 Código MEC: 59694 Código da Avaliação: 91590 Ato Regulatório: Reconhecim ento de Curso Categoria Módulo: Curso Status: Finalizada Intrumento: RELATÓRIO

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO Informações gerais da avaliação: Protocolo: 0110777 Código MEC: 611 Código da Avaliação: 917 Ato Regulatório: Reconhecim ento de Curso EAD Categoria Módulo: Curso Status: Finalizada Instrumento: RELATÓRIO

Leia mais

Processo Administrativo CVM n RJ2013/7943 Reg. Col. 8970/2014

Processo Administrativo CVM n RJ2013/7943 Reg. Col. 8970/2014 Processo Administrativo CVM n RJ2013/7943 Reg. Col. 8970/2014 Interessada: Sul Am érica S.A. Assunto: Trata-se de recurso interposto pela Sul Am érica S.A. contra decisão da SEP/SNC que decidiu pela inaplicabilidade

Leia mais

$VSDUWHVTXHFRPS}HR)RUP. 2%RWmR2. %RWmR&DQFHODU. 9DOLGDomRGH&DPSRV &KDPDQGRXP)250VHPXVDUXP%URZVH &ULDQGRXPSURFHGLPHQWR6285&( (GLWDQGRR)250

$VSDUWHVTXHFRPS}HR)RUP. 2%RWmR2. %RWmR&DQFHODU. 9DOLGDomRGH&DPSRV &KDPDQGRXP)250VHPXVDUXP%URZVH &ULDQGRXPSURFHGLPHQWR6285&( (GLWDQGRR)250 Este é o nosso prim eiro trabalho para 2008, espero que este ano seja m arcado por um a m aior participação com unitária à nossa tentativa de expor m ais trabalhos técnicos de todos os níveis. Vam os nos

Leia mais

Edital de Credenciamento de Consultores Nº 01/ 2009 Rev 01 05/ 01/ 2009

Edital de Credenciamento de Consultores Nº 01/ 2009 Rev 01 05/ 01/ 2009 Edital de Credenciamento de Consultores Nº 01/ 2009 Rev 01 05/ 01/ 2009 (',7$/'(&5('(1&,$0(172'2029,0(172&$7$5,1(16(3$5$(;&(/Ç1&,$ 1ž &5('(1&,$0(172'(3(662$6)Ë6,&$6(-85Ë',&$63$5$&203252&$'$6752 '(&2168/725(6'2029,0(172&$7$5,1(16(3$5$(;&(/Ç1&,$

Leia mais

5º FESTIVAL ESTUDANTIL DE DANÇA

5º FESTIVAL ESTUDANTIL DE DANÇA 1 5º FESTIVAL ESTUDANTIL DE DANÇA O 5º FESTI VAL ESTUDANTI L DE DANÇA visa dar continuidade ao m ovim ento já estabelecido - 4 anos - e propiciar as crianças e jovens da com unidade rondonopolitana, o

Leia mais

Marketing dos clubes de futebol- Europa e Brasil

Marketing dos clubes de futebol- Europa e Brasil Marketing dos clubes de futebol- Europa e Brasil Outubro de 2012 Destaques do Estudo O esporte global em 2011 m ovim entou U S$ 56 bilhões em receitas de m arketing. Os EU A e Europa representam m ais

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 0/09/12 e-mec - IES Informações gerais da avaliação: Protocolo: 201107377 Código MEC: 62312 Código da Avaliação: 9128 Ato Regulatório: Reconhecim ento de Curso EAD Categoria Módulo: Curso Status: Finalizada

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO Informações gerais da avaliação: Protocolo: 200710559 Código MEC: 170552 Código da Avaliação: 60151 Ato Regulatório: Autorização Categoria Módulo: Curso Status: Finalizada RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO Intrumento:

Leia mais

Parte 3 : Gravação de CDs

Parte 3 : Gravação de CDs Parte 3 : Gravação de CDs Durante vários anos, os CDs foram m ídias som ente para leitura. Você podia com prar um program a em CD, m as se por algum m otivo precisasse copiá-lo teria que usar disquetes,

Leia mais

CRA/AM. Editorial BOLETIM ELETRÔNICO PROJETO CRA/AM NA ESTRADA

CRA/AM. Editorial BOLETIM ELETRÔNICO PROJETO CRA/AM NA ESTRADA PROJETO NA ESTRADA Presidente do recebe moção da Câmara de vereadores O Vereador Hom ero de Miranda Leão encam inhou u m a M o ç ã o d e Parabenização ao Adm. Nelson Aniceto Fonseca Rodrigues, pela posse

Leia mais

RELATÓRIO. a) quando o Manual de Auditoria fosse revisado/alterado, então seria incluído o novo program a form alizado para os exames do ambiente PED;

RELATÓRIO. a) quando o Manual de Auditoria fosse revisado/alterado, então seria incluído o novo program a form alizado para os exames do ambiente PED; PARECER DO COMITÊ DE TERMO DE COMPROMISSO PROCESSO ADMINISTRATIVO SANCIONADOR CVM N.º RJ 2013/13355 PROCESSO DE TERMO DE COMPROMISSO CVM N.º RJ 2014/6913 RELATÓRIO 1. Trata-se de proposta de Termo de Compromisso

Leia mais

ATA DA SESSÃO DO PREGÃO ELETRÔNICO EDITAL: 026/2014 PROCESSO: 910-04.96/14-1

ATA DA SESSÃO DO PREGÃO ELETRÔNICO EDITAL: 026/2014 PROCESSO: 910-04.96/14-1 ATA DA SESSÃO DO PREGÃO ELETRÔNICO EDITAL: 026/2014 PROCESSO: 910-04.96/14-1 Em, às 09:00 horas, na EMPRESA GAUCHA DE RODOVIAS S/A - EGR, sito à AV. BORGES DE MEDEIROS, 261-3ºANDAR - PORTO ALEGRE - RS,

Leia mais

Seu Recibo do Bilhete Eletronico 1 message

Seu Recibo do Bilhete Eletronico 1 message Leonardo Menezes Vaz Seu Recibo do Bilhete Eletronico 1 message nao responda@tam.com.br Reply To: NAO RESPONDA@tam.com.br To: LEONARDO.VAZ@gmail.com Sat,

Leia mais

Direitos reservados - Epora e Actcon Direitos reservados - Epora e Actcon

Direitos reservados - Epora e Actcon Direitos reservados - Epora e Actcon VIRTUS Letramento - Módulo Matemática Caderno de Orientações ao Professor Maria Virgínia Ferrara de Carvalho Barbosa Luciana Maria Tenuta de Freitas Rosa Maria Pires Bueno Denise Alves de Araujo Valéria

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO Informações gerais da avaliação: Protocolo: 20106079 Código MEC: 78694 Código da Avaliação: 102126 Ato Regulatório: Reconhecim ento de Curso Categoria Módulo: Curso Status: Finalizada Instrumento: RELATÓRIO

Leia mais

158516.232014.9575.4450.55798132.269

158516.232014.9575.4450.55798132.269 158516.232014.9575.4450.55798132.269 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Santa Catarina Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Ata de Realização do Pregão Eletrônico

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 6CCSDFPMT04 O ENSINO DA HOMEOPATIA COMO INSTRUMENTO DE CONSOLIDAÇÃO DA POLÍTICA NACIONAL DE PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES NO SUS Tattiane Ribeiro de Sousa (2). Euler Albuquerque (1), Flávia Pessoa

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 11/12/201 e-mec/inep = Docentes / Avaliadores Informações gerais da avaliação: Protocolo: 20081152 Código MEC: 415702 Código da Avaliação: 92891 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO Ato Regulatório: Renovação de Reconhecim

Leia mais

Para: SGE MEMO/CVM/SRE/Nº 74/2014 De: SRE Data: 19.11.2014

Para: SGE MEMO/CVM/SRE/Nº 74/2014 De: SRE Data: 19.11.2014 Para: SGE MEMO/CVM/SRE/Nº 74/2014 De: SRE Data: 19.11.2014 Assunto: Processo nº CVM RJ 2014/10135. Pedido de Dispensa de Registro de Oferta Pública de Distribuição de Valores Mobiliários. Artigo 4º da

Leia mais

Documento(s) de Origem

Documento(s) de Origem PARECER AGU : AC-55 Advogado-Geral da União: Alvaro Augusto Ribeiro Costa Data do Adoto: 17/11/2006 Data do Aprovo: 20/11/2006 Documento(s) de Origem Processo Número Interessado 00552.001601/2004-25 Ministério

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DO AMAZONAS

CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DO AMAZONAS 8 de março O Conselho Regional de do Amazonas parabeniza todas as mulheres CRA/AM realiza Cerimônia de Posse Solene dos Conselheiros e apresenta nova Diretoria Executiva No dia 27 de m arço, no Morada

Leia mais

Câmara Municipal de Porto Alegre

Câmara Municipal de Porto Alegre Câmara Municipal de Porto Alegre ATA DA SESSÃO DO PREGÃO ELETRÔNICO EDITAL: 14/2013 PROCESSO: 0994/13 e outros Em, às 13:10 horas, na CÂMARA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE - CMPA, sito à AV. LOUREIRO DA SILVA,

Leia mais

Para a Avaliação da Pós-Graduação em Ciências Sociais *

Para a Avaliação da Pós-Graduação em Ciências Sociais * Para a Avaliação da Pós-Graduação em Ciências Sociais * Fábio Wanderley Reis E ste texto não pretende ser nem um relato factual n em um depoim ento pessoal a respeito da pós-graduação. Além disso, não

Leia mais

AMAZONAS DISTRIBUIDORA DE ENERGIA S.A. - AMAZONAS ENERGIA ESTATUTO SOCIAL. Capítulo I. Da Denominação, Organização, Sede e Objeto

AMAZONAS DISTRIBUIDORA DE ENERGIA S.A. - AMAZONAS ENERGIA ESTATUTO SOCIAL. Capítulo I. Da Denominação, Organização, Sede e Objeto AMAZONAS DISTRIBUIDORA DE ENERGIA S.A. - AMAZONAS ENERGIA ESTATUTO SOCIAL Capítulo I Da Denominação, Organização, Sede e Objeto Art. 1º. A Am azonas Distribuidora de Energia S.A., que usará a abreviatura

Leia mais

Nosso sonho não é ganhar dinheiro com o grupo, mas formar músicos profissionais a partir do talento natural que não está sendo desenvolvido no

Nosso sonho não é ganhar dinheiro com o grupo, mas formar músicos profissionais a partir do talento natural que não está sendo desenvolvido no Nosso sonho não é ganhar dinheiro com o grupo, mas formar músicos profissionais a partir do talento natural que não está sendo desenvolvido no Brasil. Tudo que essa juventude precisa é de uma chance. (John

Leia mais

Uma metodologia com enfoque estratégico-situacional/com unicativo

Uma metodologia com enfoque estratégico-situacional/com unicativo PLANEJAMENTO EM UNIDADES DE APS/SUS Uma metodologia com enfoque estratégico-situacional/com unicativo Momentos do processo de planejamento Finalidades, m etodologias, instrum entos e técnicas Construindo

Leia mais

PARA: SGE MEMO/CVM/SRE/Nº 60/2014 DE: SRE DATA: 03/09/2014

PARA: SGE MEMO/CVM/SRE/Nº 60/2014 DE: SRE DATA: 03/09/2014 PARA: SGE MEMO/CVM/SRE/Nº 60/2014 DE: SRE DATA: 03/09/2014 Assunto: Oferta Irregular de Valores Mobiliários Processos CVM nº RJ 2013-12207 Senhor Superintendente Geral, 1. Trata-se de oferta irregular

Leia mais

PARECER DO COMITÊ DE TERMO DE COMPROMISSO PROCESSO ADMINISTRATIVO SANCIONADOR CVM Nº 11/2012 PROCESSO DE TERMO DE COMPROMISSO CVM Nº RJ 2014/27

PARECER DO COMITÊ DE TERMO DE COMPROMISSO PROCESSO ADMINISTRATIVO SANCIONADOR CVM Nº 11/2012 PROCESSO DE TERMO DE COMPROMISSO CVM Nº RJ 2014/27 PARECER DO COMITÊ DE TERMO DE COMPROMISSO PROCESSO ADMINISTRATIVO SANCIONADOR CVM Nº 11/2012 PROCESSO DE TERMO DE COMPROMISSO CVM Nº RJ 2014/27 RELATÓRIO 1. Trata-se de propostas de celebração de Term

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DO AMAZONAS. Conselho firma parceria com Unimed Seguros

CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DO AMAZONAS. Conselho firma parceria com Unimed Seguros BOLETIM ELETRÔNICO realiza solenidade de apresentação da nova Diretoria Novo convênio: PRODIMAGEM Consultas médicas Espirometria Audiometria Ecodoppler Eletroencafalograma Raio X Digital, entre outros.

Leia mais

O processo de criação

O processo de criação O processo de criação 1 Mônica Leoni Esta exposição não tem a pretensão de ser a conclusão de algo, m as sim a de explorar um tem a. O tem a a ser explorado é o processo criativo, em dois m om entos diferentes,

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 16/09/1 e-mec/inep = Docentes / Avaliadores Informações gerais da avaliação: Protocolo: 2007469 Código MEC: 11621 Código da Avaliação: 80058 Ato Regulatório: Recredenciam ento Categoria Módulo: Instituição

Leia mais

As Fo r ça s Ar m ad as n a se g u r a n ça in t er n a. O ca so esp e cíf ico d o d o m ín io m ar ít im o 1

As Fo r ça s Ar m ad as n a se g u r a n ça in t er n a. O ca so esp e cíf ico d o d o m ín io m ar ít im o 1 2015/ 10/ 28 As Fo r ça s Ar m ad as n a se g u r a n ça in t er n a. O ca so esp e cíf ico d o d o m ín io m ar ít im o 1 Alexandre Reis Rodrigues I n t r o d u ção O envolvim ento das Forças Arm adas

Leia mais

925153.492015.6737.4783.561021642.477

925153.492015.6737.4783.561021642.477 925153.492015.6737.4783.561021642.477 Ata de Realização do Pregão Eletrônico Nº 00049/2015 Às 14:23 horas do dia 24 de julho de 2015, reuniram-se o Pregoeiro Oficial deste Órgão e respectivos membros da

Leia mais

ÍN DICE GERAL. das sociedades (artigo 64.! 1 do CSC)... 19

ÍN DICE GERAL. das sociedades (artigo 64.! 1 do CSC)... 19 ÍN DICE GERAL P ro g ra m a d a s J o rn a d a s so b re a R e fo rm a d o C ó d ig o d a s S o c ie d a d e s C o m e r c ia is... 5 A p re s e n ta ç ã o... 9 D isc u rso d o M in istro d e E sta d o

Leia mais

1.1 Introdução: a defesa com ercial na O M C... 3 1.2 Discussão de precedentes... 7. Malleable Cast Iron Tube or Pipe Fittings from Brazil

1.1 Introdução: a defesa com ercial na O M C... 3 1.2 Discussão de precedentes... 7. Malleable Cast Iron Tube or Pipe Fittings from Brazil SUM Apresentação... Prefácio... VII IX P artev I 1 A DEFESA COMERCIAL NA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL D O COMÉRCIO Carolina Saldanha 1.1 Introdução: a defesa com ercial na O M C... 3 1.2 Discussão de precedentes...

Leia mais

925153.162015.2272.4314.1290952833.179

925153.162015.2272.4314.1290952833.179 925153.162015.2272.4314.1290952833.179 Ata de Realização do Pregão Eletrônico Nº 00016/2015 Às 14:02 horas do dia 15 de abril de 2015, reuniram-se o Pregoeiro Oficial deste Órgão e respectivos membros

Leia mais

&8562'(0$*,$ http://mortesubita.ifrance.com/mortesubita/bibliotheque/cursomag4.htm . &$3Ë78/2,,, Outros assuntos que podem ser do seu interesse agora:

&8562'(0$*,$ http://mortesubita.ifrance.com/mortesubita/bibliotheque/cursomag4.htm . &$3Ë78/2,,, Outros assuntos que podem ser do seu interesse agora: Página 1 de 5 &8562'(0$*,$. &$3Ë78/2,,, '(),1,d (6%È6,&$6'$6(17,'$'(6(63,5,78$,6 48(0e48(0 Todas as entidades espirituais em anam da Divina Providência. Portanto, toda entidade espiritual é sem elhante.

Leia mais

I ntrodução a I luminação para vídeo e TV

I ntrodução a I luminação para vídeo e TV I ntrodução a I luminação para vídeo e TV 7tWXOR Introdução à Iluminação para Vídeo e TV (PHQWD Estudo teórico dos procedim entos básicos para criação e execução de ilum inação para captação de im agens

Leia mais

PARECER DO COMITÊ DE TERMO DE COMPROMISSO PROCESSO ADMINISTRATIVO SANCIONADOR CVM Nº RJ 2012/3110 RELATÓRIO

PARECER DO COMITÊ DE TERMO DE COMPROMISSO PROCESSO ADMINISTRATIVO SANCIONADOR CVM Nº RJ 2012/3110 RELATÓRIO PARECER DO COMITÊ DE TERMO DE COMPROMISSO PROCESSO ADMINISTRATIVO SANCIONADOR CVM Nº RJ 2012/3110 RELATÓRIO 1. Trata-se de nova proposta de Termo de Compromisso apresentada em conjunto por Paulo Sérgio

Leia mais

Bloco I Características de Controle da Empresa 12. Bloco II Valores e visões da empresa sobre RSE 16. Bloco III Relacionamento com Empregados 36

Bloco I Características de Controle da Empresa 12. Bloco II Valores e visões da empresa sobre RSE 16. Bloco III Relacionamento com Empregados 36 Ë1',&( 3iJ $SUHVHQWDomRGRUHODWyULR 3URFHGLPHQWRV0HWRGROyJLFRV $SUHVHQWDomRGRV5HVXOWDGRV $QH[RV Bloco I Características de Controle da Empresa 12 Bloco II Valores e visões da empresa sobre RSE 16 Bloco

Leia mais

ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA HP SOURCE DATA GATHERING

ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA HP SOURCE DATA GATHERING autor: Sofia Alexandra de Andrade Rio Tinto (nome completo) ; e_mail1 (da insitituição de ensino ou trabalho) sofiariotinto@clix.pt supervisão: Luís Saboga Nunes e_mail1: saboga@ensp.unl.pt e_mail2: saboga@hotmail.com;

Leia mais

CNPJ nº 02.724.994/ 0001-14

CNPJ nº 02.724.994/ 0001-14 6 23$8/2-$1(,52'( 68/$0e5,&$,1'(; )81'2'(,19(67,0(172(0$d (6 CNPJ nº 02.724.994/ 0001-14 $YLVRVLPSRUWDQWHVDR,QYHVWLGRU ESTE PROSPECTO FOI PREPARADO COM AS INFORMAÇÕES NECESSÁRI AS AO ATENDIMENTO DAS DISPOSIÇÕES

Leia mais

DIRETORES DE SOCIEDADES ANÔNIMAS E A PARTICIPAÇÃO EM LUCROS OU RESULTADOS DA LEI N 10.101/00

DIRETORES DE SOCIEDADES ANÔNIMAS E A PARTICIPAÇÃO EM LUCROS OU RESULTADOS DA LEI N 10.101/00 DIRETORES DE SOCIEDADES ANÔNIMAS E A PARTICIPAÇÃO EM LUCROS OU RESULTADOS DA LEI N 10.101/00 Ricardo Peake Braga* SUMÁRIO: 1 Conceito de empregado; 2 O diretor de sociedade anônima; 3 Participação nos

Leia mais

21º Prêmio Expressão de Ecologia

21º Prêmio Expressão de Ecologia 21º Prêmio Expressão de Ecologia Edição 2013-2014 Gráfico comparativo da evolução no consumo de papel antes e após a implementação do novo SIL. A fase 1 representa a etapa do projeto de automoação de processos

Leia mais

PERGUNTAS QUE VOCÊ DEVERIA FAZER A SI MESMO MAIS IMPORTANTES. Planeta

PERGUNTAS QUE VOCÊ DEVERIA FAZER A SI MESMO MAIS IMPORTANTES. Planeta AS 1000 PERGUNTAS MAIS IMPORTANTES QUE VOCÊ DEVERIA FAZER A SI MESMO * Planeta E ste livro vai ajudá-lo a ajudar a si mesmo. Você entenderá alguns sentimentos - como autossabotagem, estresse, ansiedade,

Leia mais

PARECER DO COMITÊ DE TERMO DE COMPROMISSO PROCESSO ADMINISTRATIVO SANCIONADOR CVM Nº RJ 2012/8369 RELATÓRIO

PARECER DO COMITÊ DE TERMO DE COMPROMISSO PROCESSO ADMINISTRATIVO SANCIONADOR CVM Nº RJ 2012/8369 RELATÓRIO PARECER DO COMITÊ DE TERMO DE COMPROMISSO PROCESSO ADMINISTRATIVO SANCIONADOR CVM Nº RJ 2012/8369 RELATÓRIO 1. Trata-se de proposta de Term o de Com prom isso apresentada em conjunto por Manoel Felix Cintra

Leia mais

A LEGITIMAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO NA DEFESA DOS INTERESSES INDIVIDUAIS HOMOGÊNEOS

A LEGITIMAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO NA DEFESA DOS INTERESSES INDIVIDUAIS HOMOGÊNEOS A LEGITIMAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO NA DEFESA DOS INTERESSES INDIVIDUAIS HOMOGÊNEOS Carlos H enrique Bezerra Leite* O problema fundamental cm relação aos direitos do homem, hoje, não é tanto

Leia mais

0RUWH $FLGHQWDO garant e aos Beneficiários o pagam ent o do capit al segurado individual cont rat ado para est a

0RUWH $FLGHQWDO garant e aos Beneficiários o pagam ent o do capit al segurado individual cont rat ado para est a &21',d (6(63(&,$,6'26(*852'($&,'(17(63(662$,635(0,È9(/,17(51(7 &2%(5785$'26(*852 0RUWH $FLGHQWDO garant e aos Beneficiários o pagam ent o do capit al segurado individual cont rat ado para est a cobert

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO Informações gerais da avaliação: Protocolo: 2010928 Código MEC: 77906 Código da Avaliação: 101272 Ato Regulatório: Reconhecim ento de Curso Categoria Módulo: Curso Status: Finalizada Instrumento: RELATÓRIO

Leia mais

21º Prêmio Expressão de Ecologia

21º Prêmio Expressão de Ecologia 21º Prêmio Expressão de Ecologia Edição 2013-2014 Abertura com a orquestra municipal Feira de produtos veganos Projeto Ser Graça e seus produtos orgânicos Exposição e comércio de flores Apresentação da

Leia mais

21º Prêmio Expressão de Ecologia

21º Prêmio Expressão de Ecologia 21º Prêmio Expressão de Ecologia Edição 2013-2014 Folha laudo grupo ghanem laboratório Projeto: Laudos de Exames Laboratoriais com Impressão em frente e verso Organização: Mob Laboratório de Análises Clônicas

Leia mais

9R]VREUH,35HJXODomRDFDPLQKR

9R]VREUH,35HJXODomRDFDPLQKR Š%XVFD/HJLVFFMXIVFEU 9R]VREUH,35HJXODomRDFDPLQKR 5RGQH\GH&DVWUR3HL[RWR A comunicação na Internet se estabelece a partir de um SURWRFROR. O termo deriva do grego SURWRFROORQ ( uma folha de papel colada

Leia mais

21º Prêmio Expressão de Ecologia

21º Prêmio Expressão de Ecologia 21º Prêmio Expressão de Ecologia Edição 2013-2014 A tosa do animal é algo importante dentro da higiene Lhasa Apso de 2 meses recebe alguns treinamentos O banho - essa é a parte principal da higiene animal

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EXERCÍCIO FINDO EM 31.12.2011

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EXERCÍCIO FINDO EM 31.12.2011 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EXERCÍCIO FINDO EM 31.12.2011 1. BALANÇOS PATRIMONIAIS 2. DEMONSTRAÇÕES DO RESULTADO 3. DEMONSTRAÇÕES DO RESULTADO ABRANGENTE 4. DEMONSTRAÇÕES DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO

Leia mais

ATA DA SESSÃO DO PREGÃO ELETRÔNICO - para Registro de Preço EDITAL: 015/2014 PROCESSO: 1457-0496/13-6

ATA DA SESSÃO DO PREGÃO ELETRÔNICO - para Registro de Preço EDITAL: 015/2014 PROCESSO: 1457-0496/13-6 ATA DA SESSÃO DO PREGÃO ELETRÔNICO - para Registro de Preço EDITAL: 015/2014 PROCESSO: 1457-0496/13-6 Em, às 10:00 horas, na EMPRESA GAUCHA DE RODOVIAS S/A - EGR, sito à AV. BORGES DE MEDEIROS, 261-3ºANDAR

Leia mais

21º Prêmio Expressão de Ecologia

21º Prêmio Expressão de Ecologia 21º Prêmio Expressão de Ecologia Edição 2013-2014 Projeto: Propagação de espécies nativas entre fronteiras Organização: Bioma Brasil - UMRAS Página: 1/1 PÁGINA 1: Inform ações cadastrais: P1: Título do

Leia mais

21º Prêmio Expressão de Ecologia

21º Prêmio Expressão de Ecologia 21º Prêmio Expressão de Ecologia Edição 2013-2014 Projeto: Redução do Consumo de Água Captada do Rio Canoas Organização: Klabin Página: 1/1 PÁGINA 1: Inform ações cadastrais: P1: Título do projeto am biental

Leia mais

Meditação sobre Mateus 25.31-46*

Meditação sobre Mateus 25.31-46* Meditação sobre Mateus 25.31-46* Werner Fuchs luta. O Deus rico em m isericórdia nos conceda paz para a ve rdadeira Q ueridas irmãs e irmãos! Eu venho de um país do hem isfério Sul que exporta arm as para

Leia mais

158009.532014.7640.4300.20286245778.358

158009.532014.7640.4300.20286245778.358 158009.532014.7640.4300.20286245778.358 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria Executiva Subsecretaria de Planejamento e Orçamento INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ Ata de Realização do Pregão Eletrônico Nº 00053/2014

Leia mais

V u ln e r a bilida de s, Am e a ça s, Riscos

V u ln e r a bilida de s, Am e a ça s, Riscos Vulnerabilidades, Am eaças, Riscos Vulnerabilidades, Am eaças e Riscos Capítulo 2: Pensando em Am eaças e Riscos Capítulo 3: Preparação para Ataques: Footprint e Fingerprint Pensando em Am eaças e Riscos

Leia mais

21º Prêmio Expressão de Ecologia

21º Prêmio Expressão de Ecologia 21º Prêmio Expressão de Ecologia Edição 2013-2014 Projeto: Unimed no Parque Organização: Unimed Regional Maringá Página: 1/1 PÁGINA 1: Inform ações cadastrais: P1: Título do projeto am biental participante:

Leia mais

Regulamentação da Internet e seus impactos nos modelos de negócio

Regulamentação da Internet e seus impactos nos modelos de negócio Regulamentação da Internet e seus impactos nos modelos de negócio Virgilio Almeida Secretário de Política de Informática Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação Brasilia Setembro de 2015 Elementos

Leia mais

20080 Diário da República, 2.ª série N.º 148 4 de agosto de 2014

20080 Diário da República, 2.ª série N.º 148 4 de agosto de 2014 20080 Diário da República, 2.ª série N.º 148 4 de agosto de 2014 Artigo 16.º Cessação da bolsa Para além do disposto no artigo anterior, são ainda causas da cessação da bolsa: a) A inexatidão das declarações

Leia mais

Projeto: Sala de Descanso de Paletes Organização: Conexão Marítima Serviços Logísticos S/A. Imagens: 1/1. Sala de Descanso de Paletes

Projeto: Sala de Descanso de Paletes Organização: Conexão Marítima Serviços Logísticos S/A. Imagens: 1/1. Sala de Descanso de Paletes 2 21º Prêmio Expressão de Ecologia Edição 2013-2014 2013-2014 Sala de Descanso de Paletes Espaço Na Sala de Paletes Pneus Reutilizados Como Floreiras Biombo Reutilizável/imagens dos Colaboradores Coffe

Leia mais

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 3ª REGIÃO Edição nº 112/2013 - São Paulo, quinta-feira, 20 de junho de 2013

DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 3ª REGIÃO Edição nº 112/2013 - São Paulo, quinta-feira, 20 de junho de 2013 DIÁRIO ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL DA 3ª REGIÃO Edição nº 112/2013 - São Paulo, quinta-feira, 20 de junho de 2013 TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 3ª REGIÃO PUBLICAÇÕES ADMINISTRATIVAS Escola de Magistrados

Leia mais

SERVIÇO VOLUNTÁRIO. Sergio Pinto Martins* 1 HISTÓRICO

SERVIÇO VOLUNTÁRIO. Sergio Pinto Martins* 1 HISTÓRICO SERVIÇO VOLUNTÁRIO Sergio Pinto Martins* SUMÁRIO: 1 Histórico; 2 Conceito; 3 Distinção; 4 Natureza jurídica; 5 Características; 6 Termo de adesão; 7 Tomador dos serviços; 8 Atividades; 9 Ajuda de custo;

Leia mais

Aplicações Estatísticas em EXCEL Básico

Aplicações Estatísticas em EXCEL Básico Curso de Extensão Aplicações Estatísticas em EXCEL Básico Objetivos: Este curso deverá possibilitar ao participante: Dominar os recursos básicos da planilha eletrônica (EXCEL). Relembrar conceitos básicos

Leia mais

21º Prêmio Expressão de Ecologia

21º Prêmio Expressão de Ecologia 21º Prêmio Expressão de Ecologia Edição 2013-2014 Conscientização: Banners com informações direcionadas para as diversas áreas. Máquina injetora antes da instalação da manta térmica Máquina injetora após

Leia mais

Imagens: 1/1. Oficinas, Brinquedos Materiais Reciclaveis, realizadas por Geovany rodrigues. Conscientizando meio Ambiente em todas idades

Imagens: 1/1. Oficinas, Brinquedos Materiais Reciclaveis, realizadas por Geovany rodrigues. Conscientizando meio Ambiente em todas idades 2 21º Prêmio Expressão de Ecologia Edição 2013-2014 2013-2014 Oficinas, Brinquedos Materiais Reciclaveis, realizadas por Geovany rodrigues Conscientizando meio Ambiente em todas idades Evento corrida rústica

Leia mais

21º Prêmio Expressão de Ecologia

21º Prêmio Expressão de Ecologia 21º Prêmio Expressão de Ecologia Edição 2013-2014 Implantação do programa Adequação e melhorias no Aterro Sanitário durante a implantação do programa Implantação do civeiro municipal. Valorização do Material

Leia mais

Uma Crise no horizonte

Uma Crise no horizonte Sofware Uma Crise no horizonte A industria de Sof w are tem t do crise um a que a acom panha há quase 30 anos. Problem as não se lim itam ao sof w are que não funciona adequadam ente, m as abran desenvolvim

Leia mais

Prof. Mat eus Andrade

Prof. Mat eus Andrade A Term oquím ic a t em c om o objet ivo o est udo das variaç ões de energia que ac om panham as reaç ões quím ic as. Não há reaç ão quím ic a que oc orra sem variaç ão de energia! A energia é c onservat

Leia mais

Os participantes da Seção IV do XIX Congresso Internacional de Direito Penal, com sede no Rio de Janeiro, de 31 de agosto a 6 de setembro de 2014;

Os participantes da Seção IV do XIX Congresso Internacional de Direito Penal, com sede no Rio de Janeiro, de 31 de agosto a 6 de setembro de 2014; Projeto de resolução da Seção IV Preâmbulo: Os participantes da Seção IV do XIX Congresso Internacional de Direito Penal, com sede no Rio de Janeiro, de 31 de agosto a 6 de setembro de 2014; Baseados no

Leia mais

Edição 2013-2014 2013-2014. Projeto: Eu também posso ajudar com pequenos gestos Organização: CMEI Pinheirinho. Imagens: 1/1

Edição 2013-2014 2013-2014. Projeto: Eu também posso ajudar com pequenos gestos Organização: CMEI Pinheirinho. Imagens: 1/1 2 21º Prêmio Expressão de Ecologia Edição 2013-2014 2013-2014 Projeto: Eu também posso ajudar com pequenos gestos Organização: CMEI Pinheirinho Imagens: 1/1 PÁGINA 1: Inform ações cadastrais: P1: Título

Leia mais

DI CAS DE I LUMI NAÇÃO CÊNI CA VALMI R PEREZ

DI CAS DE I LUMI NAÇÃO CÊNI CA VALMI R PEREZ DI CAS DE I LUMI NAÇÃO CÊNI CA VALMI R PEREZ (48,3$0(1726 O objetivo dessa dica é fazer você conhecer os equipam entos m ais utilizados na ilum inação teatral e em estúdios; e os efeitos produzidos por

Leia mais

Câmara Municipal de Porto Alegre

Câmara Municipal de Porto Alegre Câmara Municipal de Porto Alegre ATA DA SESSÃO DO PREGÃO ELETRÔNICO EDITAL: 42/2014 PROCESSO: 1698/13 Em, às 10:01 horas, na CÂMARA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE - CMPA, sito à AV. LOUREIRO DA SILVA, 255 -

Leia mais