VALORAÇÃO DE PATENTES EM INSTITUIÇÕES CIENTÍFICAS E TECNOLÓGICAS: O CASO IPT

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VALORAÇÃO DE PATENTES EM INSTITUIÇÕES CIENTÍFICAS E TECNOLÓGICAS: O CASO IPT"

Transcrição

1 VALORAÇÃO DE PATENTES EM INSTITUIÇÕES CIENTÍFICAS E TECNOLÓGICAS: O CASO IPT Autoria: Yuri Basile Tukoff Guimarães, Claudia Terezinha Kniess, Katia Yee, Nereide de Oliveira RESUMO A Lei de Inovação Brasileira consistiu em um importante estímulo à aproximação entre universidades e empresas, por meio da instituição dos Núcleos de Inovação Tecnológica (NITs), como forma de promover a transferência de tecnologias e o licenciamento de patentes das ICTs ao setor produtivo. Embora a valoração de tecnologias e patentes seja uma ferramenta de apoio à negociação, ainda é um processo incipiente quando se trata do contexto dos NITs das ICTs brasileiras. O objetivo deste trabalho é analisar como os NITs de ICTs utilizam métodos de valoração no processo de atribuição de valor às suas tecnologias e patentes. A metodologia utilizada foi de estudo exploratório e qualitativo com estratégia de pesquisa de estudo de caso único no NIT do IPT. Foi verificado que o NIT utiliza as três abordagens de valoração contidas na literatura levantada para o trabalho, mas existem problemas no que se refere ao levantamento dos dispêndios envolvendo a concepção de tecnologias e problemas no pós-venda, em casos de tecnologias e patentes negociadas por taxas de royalties. Recomenda-se, para trabalhos futuros, a análise dos fatores que influenciam a gestão do pós-venda no que se refere ao pagamento de royalties por parte dos licenciantes de tecnologias. Palavras-chave: Valoração de Patentes; Relação Universidade-Empresa; Gestão de Tecnologias; Núcleos de Inovação Tecnológica. ABSTRACT The Brazilian Innovation Law consisted of an important incentive in relationship between universities and private sector, through the institution of Technology Transfer Office (TTOs) in order to promote technology transfer and patent licensing from research institutes and universities to the firms. Although the valuation of technologies and patents is a tool to support the negotiation, is still a fledgling process to Brazilian TTOs. The objective of this work is to analyze how the TTOs of research institutes use valuation methods in the process of assignment value to their technology and patents. The research method was qualitative and exploratory research strategy with a single case study in IPT. It was found that TTO has been using the three valuation approaches available in the literature, but the TTO has problems with regard to evaluate of costs involved in research and development and problems in postsales in the case of patents traded by royalty rates. It is recommended for future work, the analysis of the factors that influence the management of post-sales with regard to the payment of royalties by the licensors of technologies. Keywords: Patent Valuation; University-Industry Interactions; Technology Management; Technology Transfer Office. 1/18

2 1. INTRODUÇÃO E OBJETIVOS De acordo com a Organisation for Economic Co-operation and Development (2005), a inovação é uma das formas de se alcançar riqueza, com o intuito de promover o desenvolvimento econômico de regiões, empresas e do público em geral. A inovação depende fortemente do conhecimento e, nesse âmbito, a interação entre empresas e organizações como as Instituições Científicas e Tecnológicas (ICTs) consiste em uma importante fonte de obtenção de conhecimento especializado por parte das empresas junto às ICTs e, no sentido oposto, as ICTs se beneficiam dessa relação ao transferir suas tecnologias ao setor produtivo, que desenvolve e comercializa os resultados das pesquisas acadêmicas. O decreto P.L de 1980, denominado Patent and Trademark Law Amendments Act ou Bayh-Dole Act é conhecido como o grande propulsor da relação entre as ICTs e as empresas (COUNCIL ON GOVERNMENTAL RELATIONS AN ASSOCIATION OF RESEARCH UNIVERSITIES, 1999). No Brasil, a Lei Federal nº de 02/12/2004, buscou criar meios para o incentivo à inovação por meio de uma maior colaboração entre o sistema público de Ciência e Tecnologia e o setor empresarial por meio da transferência das tecnologias concebidas nas ICTs para o setor produtivo (BRASIL, 2004; GARNICA; TORKOMIAN, 2009). O artigo 16 da Lei de Inovação Brasileira prevê que as ICTs possuam um núcleo de inovação tecnológica (NIT), com a finalidade de gerir sua política de inovação (BRASIL, 2004). Conforme Garnica (2007), a gestão de tecnologia nas ICTs abrange atividades relacionadas à política científico-tecnológica, à execução de atividades operacionais de patenteamento de invenções criadas no âmbito acadêmico e ao licenciamento e a transferência das tecnologias (patenteadas ou não) ao setor produtivo. Entretanto, uma das atividades mais complexas na gestão de tecnologias acadêmicas se refere à valoração de tecnologias. Segundo Garnica e Torkomian (2009), os principais fatores de dificuldade nos processos de transferência de tecnologia para os NITs são a valoração de tecnologias e a definição de royalties a serem pagos pelas empresas que utilizam os ativos intangíveis criados pelas ICTs. Com o objetivo de auxiliar os profissionais de gestão de tecnologias na valoração, diversas iniciativas de disseminação dessa atividade vêm sendo trazidas a público nos últimos anos: em 2000, o Japan Patent Office (JPO) lançou uma ferramenta de valoração denominada Patent Evaluation Indexes for Technology Transfer, com o objetivo de criar um padrão de valoração para transferência de tecnologia (KAMIYAMA; SHENNAN; MARTINEZ, 2006). Em 2001, o Danish Patent and Trademark Office criou o IPScore (ENGEL, 2010), ferramenta de avaliação e valoração de tecnologias, que abrange as dimensões quantitativas e qualitativas referentes a uma patente isolada ou um portfólio de tecnologias. Em 2011, o Hungarian Intellectual Property Office lançou um manual de valoração destinado às ICTs, como forma de auxiliá-las nessa atividade de gestão de tecnologias. No Brasil, são encontrados, dentre outros, trabalhos que tratam da aplicação de métodos de valoração (SOUZA, 2009; PITA, 2010), além da indicação de Garnica (2007) para estudos futuros acerca da temática da valoração no âmbito das universidades. Mas os trabalhos nessa área ainda são incipientes. É possível afirmar que as universidades possuem grandes similaridades com institutos de pesquisa: origem acadêmica de seus pesquisadores, realização de pesquisas básicas e aplicadas para atendimento das demandas da indústria, participação 2/18

3 conjunta de NITs de instituições de pesquisas e universidades em projetos de pesquisa financiados por agências de fomento, compartilhamento de metodologias de gestão de tecnologias, dentre outras. Sendo assim, a sugestão de Garnica (2007) se enquadra no propósito desse trabalho, cujo objetivo é identificar como o Núcleo de Inovação Tecnológica da ICT em análise utiliza métodos de valoração de patentes no processo de atribuição de valor às suas tecnologias. A pergunta de pesquisa, portanto, que emerge da literatura é Como os NITs de ICTs utilizam métodos de valoração no processo de atribuição de valor às tecnologias e patentes da instituição?. Adicionalmente, o presente artigo tem como objetivos específicos: (1) identificar os métodos de valoração de tecnologias utilizados pelo NIT; (2) analisar a aplicabilidade dos métodos encontrados na literatura acerca de sua utilização na atribuição de valor às tecnologias da ICT; (3) analisar como a valoração de tecnologias está estruturada no processo de atividades do NIT; (4) analisar a importância da valoração de patentes dentro das atividades do NIT; (5) analisar quais os fatores de apoio e dificuldade na valoração de tecnologias para o NIT. Após a introdução feita no presente item, este artigo apresentará as seguintes seções: (a) fundamentação teórica, com ênfase nas abordagens e métodos de valoração encontrados na literatura levantada para a realização deste trabalho; (b) metodologia da pesquisa, contendo método, estratégia de pesquisa, caso em estudo, procedimento de coleta de dados e técnicas de análise de dados; (c) resultados e discussão dos resultados à luz do referencial teórico deste artigo; (d) conclusão, com o objetivo de discutir as contribuições do estudo para a ciência, suas implicações práticas, limitações e sugestão para trabalhos futuros. 2. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Nesta seção, será abordada a literatura que fundamenta o presente artigo. Serão apresentados conceitos e abordagens usuais sobre valoração de tecnologias e patentes. 2.1 MÉTODOS DE VALORAÇÃO DE TECNOLOGIAS O termo valoração refere-se à tarefa de determinar o valor monetário de um ativo, objeto ou entidade (BOER, 1999). O mesmo raciocínio se aplica às tecnologias (YU; AZEVEDO, 2008). Alguns autores (REITZIG, 2003; SOPLE, 2012) consideram a avaliação dos fatores que influenciam o valor de uma patente como uma forma de valoração de patentes. Tal abordagem, denominada qualitativa, fornece um guia de valor relativo da patente, conforme sua posição no portfólio de tecnologias de uma determinada instituição, a partir da pontuação de critérios que podem influenciar o valor de uma patente (HUNGARIAN INTELLECTUAL PROPERTY OFFICE, 2011). Na verdade, essa abordagem pode ser considerada como avaliação de patentes, que conforme Santos e Santiago (2008a; 2008b) consiste em uma etapa preliminar da valoração propriamente dita. O escopo definido para este trabalho está em conformidade com os conceitos e as abordagens dos métodos de valoração definidos por Parr e Smith (1994) e Boer (1999) e se refere à determinação do valor financeiro de tecnologias e patentes. Em que pese o crescente número de publicações relacionadas à valoração de empresas, incluindo métodos matemáticos sofisticados empregados neste tipo de processo, a valoração de tecnologias ainda consiste, neste contexto, em uma tarefa das mais complexas: a tecnologia 3/18

4 pode existir como capital intelectual, deixando de ser captada pelas planilhas de cálculo das organizações; ou, pode estar embutida em ativos que valorados tendo por base um histórico de valores, mas não refletir, de forma realista, o potencial de criação de valor futuro desta tecnologia (BOER, 1999). Conforme Reitzig (2005), a valoração de patentes possuem os seguintes desafios sob o ponto de vista teórico: definição do valor de uma patente; estimativa dos fluxos de caixa futuros, dada a exploração comercial de uma patente; estimativa da volatilidade dos ativos intangíveis. Sob o ponto de vista de portfólio de patentes, todos os desafios anteriores são listados, com a adição de mais um item: a sinergia entre as patentes de uma dada carteira de tecnologias (REITZIG, 2005). Normalmente, as patentes são valoradas para licenciamentos, fusões e aquisições de empresas, transferência de tecnologias, litígios jurídicos, dentre outros motivos. No entanto, a principal razão para valorar uma patente é maximizar seu valor e, por consequência, aumentar o valor da empresa detentora da patente. Para as universidades, a atribuição de valor às suas patentes pode representar uma fonte de receita adicional para ser reinvestida em pesquisa. Ademais, com a Lei nº os criadores da invenção adquiriram o direito de participação mínima de 5% e máxima de 1/3 nos ganhos econômicos do licenciamento e da exploração comercial de suas criações (BRASIL, 2004). Portanto, a valoração de tecnologias representa uma possibilidade de remuneração extra aos autores de patentes exploradas comercialmente. Pitkethly (1997) categoriza os principais métodos de forma crescente, conforme o grau de sofisticação presente em cada forma de valorar uma patente: (1) custo: métodos baseados no custo de desenvolvimento da patente; (2) mercado: métodos baseados em comparativos com tecnologias similares no mercado; (3) receita: métodos baseados nos fluxos de caixa esperados; (4) Fluxo de Caixa Descontado (FCD) ao longo do tempo: métodos baseados no FCD, levando em consideração o valor do dinheiro no tempo; (5) FCD baseado na incerteza: métodos baseados no FCD, conforme os riscos envolvidos ao longo dos fluxos de caixa; (6) FCD com flexibilidade: métodos baseados no FCD, combinados com a Análise de Árvore de Decisão; (7) Teoria das Opções Reais (TOR): podem ser baseados no Modelo Binomial (B- M) ou no Modelo Black-Scholes (B-S). De maneira geral, os métodos de valoração de ativos intangíveis buscam calcular o valor monetário de uma determinada patente e estão baseados em três principais abordagens: custo, mercado e renda (PARR; SMITH, 1994). O Quadro 01 resume os métodos de valoração levantados para este artigo. Abordagem Pontos fortes Pontos fracos Custo Baixa exigência de premissas e estimativas; Aplicável quando os valores benefícios futuros da tecnologia não Desconsidera o valor futuro da tecnologia; Não relaciona diretamente custo de desenvolvimento de uma tecnologia com os possíveis ganhos futuros; O método pode incentivar gastos adicionais em P&D. Principais métodos Métodos Contábeis; Valoração do custo de substituição ou reprodução da PI; Sunk Cost Autores Pitkethly (1997); World Intellectual Property Organization (2003); Santos e Santiago (2008a; 2008b); Hungarian Intellectual Property Office (2011) 4/18

5 Abordagem Pontos fortes Pontos fracos são evidentes Principais métodos Autores Mercado Renda Valora a tecnologia de forma direta; Útil no caso de ativos comparáveis; Útil para checar a validade de outros métodos. No caso do FCD, o conceito é relativamente simples; No caso modelo de opções reais, considera incertezas e decisões gerenciais. Dificuldade de se encontrar ativos similares para novas tecnologias; Poucos mercados estabelecidos para a aplicação de tecnologias altamente inovadoras; Quanto maior a especificidade da PI, maior a dificuldade em comparar diretamente com outras tecnologias. Por estimar os fluxos de caixa futuros, os métodos podem ser subjetivos e trazer uma grande quantidade de incertezas; Quanto maior o número de períodos do modelo, maior a incerteza na estimativa dos riscos e dos fluxos de caixa. Quadro 01 - visão geral das abordagens de valoração. Fonte: elaborado pelo autor a partir de dados da pesquisa Valor de mercado do patrimônio; Preço/ Lucro; Preço/ EBITDA; Preço/Vendas; Royalty Rates Fluxo de Caixa Projetado; Fluxo de Caixa Descontado (tempo); Fluxo de Caixa Descontado (incerteza); Fluxo de Caixa Descontado (flexibilidade); Precificação de Opções (Modelo Binomial, Modelo de Black Scholes: opções financeiras e opções reais); Pitkethly (1997); Parr (2007); Goldscheider, Jarosz e Mulhern (2007); Santos e Santiago (2008a; 2008b); Fernandes, Silva e Barros Junior (2011); Hungarian Intellectual Property Office (2011) Black e Scholes (1973); Dixit e Pindyck (1995); Trigeorgis (1995); Pitkethly (1997); Copeland e Antirakov (2001) Meirelles, Rebelato e Matias (2003); Santos e Santiago (2008a; 2008b); Fernandes, Silva e Barros Junior (2011); Hungarian Intellectual Property Office (2011); Erbas e Memis (2012) Para este trabalho, foram levantados métodos de valoração, derivados das abordagens listadas no Quadro 01. De acordo com Santos (2011), as principais aplicações da valoração de tecnologias são: (a) interesse de aquisição ou venda de uma tecnologia; (b) interesse em 5/18

6 licenciar uma tecnologia; (c) decisão de investimento em projetos de P&D; (d) priorização de projetos em um portfólio de alternativas; (e) divulgação de resultados financeiros para ativos intangíveis. 3. METODOLOGIA DA PESQUISA Conforme Martins e Theóphilo (2007), o termo metodologia é empregado com significados diversos e pode ser utilizada para fazer referência a uma disciplina e ao seu objeto, identificando tanto o estudo dos métodos, quanto o método ou métodos empregados por uma dada ciência. Segundo os autores, o termo metodologia costuma ser a acepção mais aceita e seu objetivo é o aperfeiçoamento dos procedimentos e critérios utilizados na pesquisa. A metodologia tem a preocupação instrumental de como alcançar a realidade que a ciência busca captar. 3.1 MÉTODO Conforme definição de Marconi e Lakatos (2010), método é o conjunto das atividades sistemáticas e racionais que permitem alcançar o objetivo, a partir de conhecimentos válidos e verdadeiros. Para Martins e Theóphilo (2007), método é o caminho para se chegar a um determinado fim ou objetivo. De acordo com Vieira (2004), a pesquisa qualitativa é aquela que se distingue pela não utilização de métodos ou ferramentas estatísticas para a análise de dados, não sendo, contudo uma mera especulação subjetiva, uma vez que este tipo de análise tem por base sólidos conhecimentos teórico-empíricos que fundamentam sua cientificidade. O presente artigo utilizará o método qualitativo de pesquisa, com o objetivo compreender fatos em profundidade, além de tomar maior conhecimento de um assunto pouco explorado no contexto apresentado no presente estudo. 3.2 ESTRATÉGIA DE PESQUISA Este artigo analisou como o NIT de uma ICT utiliza métodos de valoração na atribuição de valor de suas tecnologias, a fim de aprofundar os conhecimentos acerca dos desafios que permeiam a temática da valoração em ICTs. Diante do contexto exposto, este trabalho utilizou a estratégia de estudo de caso, em um NIT de uma ICT do Estado de São Paulo. Conforme Eisenhardt (1989), o estudo de caso consiste em uma estratégia de pesquisa que busca o entendimento das dinâmicas presentes em determinado contexto. No presente trabalho, o delineamento da pesquisa é de caso único. Creswell (1998) define que um estudo de caso explora um sistema delimitado acerca de um caso dentro de um período de tempo específico para a coleta de dados em profundidade envolvendo múltiplas fontes de evidência. O presente trabalho utilizou as seguintes fontes de evidência para validação do estudo (CESAR, 2006): (a) entrevista com gestores e analistas do NIT da ICT selecionada; (b) análise documental, decorrente da análise dos estudos de valoração de patentes e de dados quantitativos e qualitativos das últimas tecnologias 6/18

7 transferidas pela ICT; (c) observação direta, a partir do contato pessoal com entrevistados do NIT. Desta forma, será adotada neste trabalho a triangulação de fonte de dados, a alternativa mais comum de utilização de várias fontes de evidências, conforme Martins e Theóphilo (2007). A análise dos dados foi feita por meio de Análise de Conteúdo em três etapas: pré-análise, descrição analítica e interpretação inferencial (BARDIN, 1997; MARTINS; THEÓPHILO, 2007). 3.3 CONSTRUCTO DA PESQUISA A presente seção deste artigo apresenta o constructo do trabalho. De acordo com Martins e Theóphilo (2007) o constructo é uma variável (conjunto de termos, de conceitos e de variáveis), uma definição operacional que objetiva representar empiricamente um conceito dentro de um quadro teórico específico. Yin (2001), por sua vez, indica que a validade do constructo passa pelo cumprimento de três táticas: (1) uso de múltiplas fontes de evidências; (2) estabelecimento de cadeia de evidências; (3) revisão do rascunho do relatório de estudo de caso pelos informantes-chave. A Figura 01 representa a conexão existente entre as proposições orientadoras da pesquisa, as questões da pesquisa e a base teórica utilizada para cada proposição. Os itens relacionados foram os guias do roteiro de entrevista utilizado para a coleta de dados por meio de entrevista. 7/18

8 1) Abordagem pelo custo: métodos contábeis, valor de mercado do patrimônio e sunk cost. 2) Abordagem pelo mercado: preço/ lucro, preço/ EBITDA; preço/ vendas; Royalty Rates. 3) Abordagem pela renda: Fluxos de Caixa Projetado e Descontado (tempo, incerteza e flexibilidade); Precificação de Opções (Modelo Binomial, Modelo de Black Scholes: opções financeiras e opções reais). Base teórica: Black e Scholes (1973) - 3; Meirelles, Rebelato e Matias (2003) - 3; Parr (2007) - 2; Santos e Santiago (2008a; 2008b) 1, 2 e 3; Hungarian Intellectual Property Office (2011) 1 e 2; Erbas e Memis (2012) - 3 1) Pontos fortes e fracos dos métodos baseados nas abordagens de custo, mercado e renda; 2) Dificuldades na mensuração de aspectos financeiros envolvidos com a remuneração no contexto da parceria e definição de royalties; 2) Dificuldades na fixação de percentual de royalties a serem pagos pela empresa e definição consensual do percentual de royalties a ser pago pela empresa para exploração da tecnologia. 3) A atribuição de valor monetário a uma dada tecnologia, ou valoração tecnológica representa uma tarefa altamente complexa, qual seja a de buscar parâmetros corretos para toda e qualquer decisão a ser tomada acerca da propriedade intelectual e negócios oriundos dela 3) No âmbito da cooperação universidade-empresa existem conflitos entre os propósitos da pesquisa acadêmica e a pesquisa de interesse para a empresa Base teórica: Dixit e Pindyck (1995) - 1; Trigeorgis (1995) - 1; Pitkethly (1997) - 1; Fujino; Stal e Ploski (1999) - 3; Copeland e Antirakov (2001) - 1; Meirelles, Rebelato e Matias (2003) - 1; Garnica (2007) 2 e 3; Santos e Santiago (2008a; 2008b) - 1; Métodos de valoração utilizados Como o NIT utiliza métodos de valoração de patentes no processo de atribuição de valor às suas tecnologias? Fatores que facilitam e dificultam a valoração das patentes da ICT Aplicabilidade dos métodos encontrados na literatura para valorar as patentes da ICT Estruturação da valoração de patentes está no processo de atividades do NIT Importância da valoração de patentes dentro das atividades do NIT 1) Diferença entre tecnologias em função do estágio de desenvolvimento e do setor industrial de aplicação. 2) Graus de complexidade variáveis conforme o método utilizado e o nível de informações necessárias para a valoração 3) Custo-benefício da valoração de acordo com a complexidade e o valor potencial de uma patente. Base teórica: Pitkethly (1997) - 2; Santos e Solleiro (2004) - 1; Santos e Santiago (2008a; 2008b) - 3 Um dos objetivos do Pró-NIT foi capacitar os NITs no que se refere a técnicas e métodos de valoração de tecnologias. Base teórica: Inova São Paulo (2013) 1) Ferramenta de apoio à tomada de decisão 1) Mensuração de investimentos e expectativas de retorno cabíveis a cada parte envolvida no desenvolvimento de inovações. 2) Decisão entre licenciar tecnologias ou desenvolvê-las. 2) Concessão de licenças; compra e venda de ativos de propriedade intelectual, elemento de apoio em caso de litígio, redução de custos de patentes com baixas expectativas de retorno e atração de investidores e acionistas. 3) A Lei nº assegura ao criador da invenção participação mínima de 5% e máxima de 1/3 nos ganhos econômicos da exploração da patente. 4) Aumento em receitas de licenciamento para apoio à pesquisa e educação futuras. Base teórica: World Intellectual Property Organization (2003) 1; BRASIL (2004) 3; Garnica (2007) 2; Association of University Technology Managers (2012) - 4 Figura 01 Constructo da pesquisa Fonte: elaborado pelos autores a partir de dados da pesquisa O constructo mostrado na Figura 01 demonstra a relação entre os objetivos específicos e o objetivo geral da pesquisa. Definido o constructo da pesquisa a seção seguinte do trabalho mostrará informações sobre o caso em estudo. 3.4 CASO EM ESTUDO A ICT escolhida para o presente artigo foi o Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo S/A (IPT) que, devido às suas características de desenvolvimento de tecnologias para oferta ao setor produtivo, possui possibilidade de prover o estudo com casos representativos acerca de transferência de tecnologias e licenciamento de patentes. O IPT é um instituto vinculado à Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia do Estado de São Paulo com atuação consolidada há mais de cem anos. A Instituição possui mais de 40 laboratórios, distribuídos por doze Centros Tecnológicos (CT) e 8/18

9 dois Núcleos Tecnológicos. Atua em quatro grandes áreas: (1) inovação, pesquisa e desenvolvimento; (2) serviços tecnológicos; (3) desenvolvimento e apoio metrológico; (4) informação e educação em tecnologia (INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO, 2013). Conforme informações dos entrevistados e análise de documentos, o NIT do IPT foi instituído em A Coordenadoria de Planejamento e Negócios (CPN) foi reconhecida pela FAPESP em 2011 como o equivalente a um NIT. A valoração de tecnologias é uma das atividades realizadas pela área, no contexto da gestão de tecnologias. 4. RESULTADOS E DISCUSSÃO Nesta seção do artigo são apresentados os resultados e a discussão dos resultados à luz do referencial teórico levantado para este artigo. 4.1 ABORDAGENS E MÉTODOS DE VALORAÇÃO UTILIZADOS E CONHECIDOS PELO NIT DO IPT A CPN, NIT do IPT, conhece e utiliza todas as três abordagens presentes na literatura (PARR; SMITH, 1994). A mediana da taxa de royalties cobrada por setor (PARR, 2007) é a base para a negociação, combinada com as abordagens de renda (FCD e Método Expedito IPT ) para a determinação do valor considerado justo para as negociações de licenciamento de patentes ao setor produtivo. O método de taxa de royalties com base em Parr (2007) é, historicamente, o método mais utilizado. Com a criação da Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial - Embrapii, o modelo matemático desenvolvido internamente por pesquisadores da CPN/ IPT ( Método Expedito IPT ), passou a ser o método mais empregado para apoio às negociações dos Direitos de Propriedade Industrial da Instituição. O método FCD é aplicado eventualmente pelo NIT do IPT. Para a aplicação do Método Expedito IPT e FCD, são levantados os custos de desenvolvimento da tecnologia de maneira parcial. Esporadicamente, a Teoria das Opções Reais é utilizada, predominantemente em avaliações de viabilidade técnica e econômica de projetos de P&D. 4.2 APLICABILIDADE DOS MÉTODOS DE VALORAÇÃO PARA O NIT DO IPT Os métodos de valoração encontrados na literatura são aplicáveis no NIT do IPT em função dos seguintes fatores: estágio de desenvolvimento de uma tecnologia (SANTOS; SOLLEIRO, 2004), setor industrial de aplicação de uma tecnologia (SANTOS; SOLLEIRO, 2004; PARR, 2007). Em relação ao estágio de desenvolvimento de uma tecnologia, projetos de P&D em fase inicial de desenvolvimento são os que mais demandam a valoração por meio da Teoria das Opções Reais, devido ao alto grau de incerteza intrínseco a esse tipo de projeto. Desta maneira, a afirmação de Erbas e Memis (2012) de que o método de opções reais é complexo, mas leva em consideração a flexibilidade gerencial, sendo de grande utilidade na valoração de projetos de P&D de grandes duração e custos elevados é congruente com aplicação do 9/18

10 método pelo IPT. Cabe ressaltar que, projetos de P&D no IPT envolvem diversas áreas da instituição para a realização da valoração, não sendo uma atividade exclusiva da CPN. O setor de aplicação da tecnologia é considerado em função da publicação Royalty Rates for Licensing Intellectual Property (PARR, 2007), utilizada para a valoração por meio de taxas de royalties. O Método Expedito IPT foi criado para apoio às negociações de licenciamento de patentes e transferência de tecnologias no contexto Embrapii, mais ágil do que os processos de negociação usuais da instituição. Desta maneira, ele leva em consideração o porte (faturamento bruto ou líquido anual) da empresa parceira, taxa de crescimento anual da empresa, participação da tecnologia no faturamento da empresa, período (em anos) estimado de crescimento da tecnologia dentro do faturamento da empresa, prazo para inserção da tecnologia no mercado, impostos (quando aplicável) e taxa de retração da tecnologia no faturamento da empresa. Todas as variáveis são consideradas em função da probabilidade de ocorrência de três cenários (pessimista, esperado e otimista). Embora levante uma série de variáveis, algumas de difícil estimativa (ex: participação da tecnologia no faturamento da empresa ), o método vem sendo aplicado com a participação de pesquisadores e de representantes das empresas parceiras, permitindo, na maior parte dos casos, negociações satisfatórias para a instituição e as empresas parceiras. Conforme os entrevistados, uma das principais razões para o êxito na aplicação dos métodos deriva da redução do gap de informações existentes entre empresas, pesquisadores e a instituição. Em relação à complexidade contida nas abordagens e métodos, conforme proposição de Pitkethly (1997), a CPN acredita que o levantamento de custos, principalmente os que envolvem o background da equipe de pesquisadores (ex: mestrados, doutorados e cursos complementares realizados pelos colaboradores envolvidos na pesquisa) e previstos pela Lei de Inovação brasileira (BRASIL, 2004), são complexos. Desta forma, a instituição acredita que o levantamento do valor mínimo considerado justo a ser cobrado é prejudicado, já que o dispêndio no background seria útil para a cobrança de taxas de sucesso para repasse ao licenciado, principalmente em projetos de P&D. Ademais, os entrevistados relataram que o cenário ideal para a aplicação correta desses custos envolveria uma porcentagem adicional na margem de contribuição cobrada pelo IPT em função das seguintes variáveis: nível acadêmico dos pesquisadores envolvidos, cursos complementares relacionados ao desenvolvimento da tecnologia, uso da marca IPT, dentre outros. No entanto, outros custos como insumos investidos na pesquisa, homem-hora do pesquisador, redação de patentes são levantados com relativa facilidade pela equipe de valoração e são úteis como base para a determinação dos valores a serem pagos pelo licenciamento de tecnologias. O método baseado na aplicação de taxas de royalties é considerado de fácil aplicação e compatível com as demandas da instituição. Entretanto, os entrevistados relataram que o pósvenda, representado pela efetiva cobrança dos valores negociados, consiste em um dos grandes desafios na remuneração pela transferência de tecnologias ao setor produtivo. Embora a auditoria dos valores negociados seja prevista em instrumento contratual específico, a instituição tem dificuldades em exercer seus direitos. Foi feito um esforço na avaliação de métodos de valoração em função do custo benefício, mas não foi aplicado na prática. Conforme os entrevistados, tecnologias com maior potencial de 10/18

11 valor utilizariam métodos mais complexos que exigiriam um maior grau de complexidade metodológica e maior zelo no levantamento de informações, em conformidade com o proposto por Santos e Santiago (2008a; 2008b). 4.3 ESTRUTURAÇÃO DA ATIVIDADE DE VALORAÇÃO NO PROCESSO DE ATIVIDADES DO NIT DO IPT A valoração de patentes é estruturada formalmente no NIT do IPT por meio da Instrução Normativa/ IPT AD-18, que regulamenta as políticas de propriedade intelectual e de estímulo à valorização do conhecimento tecnológico da instituição (INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS, 2013). Sendo assim, o processo de valoração é reconhecido junto ao departamento de gestão da qualidade como uma atividade de apoio à negociação dos Direitos de Propriedade Industrial da Instituição. A avaliação de tecnologias é feita em uma etapa anterior à valoração e fornece subsídios para a valoração de patentes. Os responsáveis pela valoração de patentes na CPN são dois pesquisadores de carreira do IPT. Os colaboradores são bacharéis em economia e administração, respectivamente. Um dos pesquisadores tem 32 anos de experiência na atividade e atua na valoração de tecnologias e patentes e na avaliação da viabilidade técnica-econômica de projetos de P&D. 4.4 IMPORTÂNCIA DA VALORAÇÃO DENTRE AS ATIVIDADES DO NIT DO IPT A CPN considera a valoração uma atividade que apoia os licenciamentos de patentes, sendo útil para negociações do tipo ganha-ganha. Esse aspecto tem relação com a afirmação de que a valoração, embora importante, não é determinante para os valores de uma negociação. Neste contexto, as expectativas das partes devem ser conciliadas para o acordo de um valor considerado justo : para o IPT, consiste na recuperação dos investimentos feitos na pesquisa, cobrindo a taxa interna de retorno da instituição (determinada pela taxa de desconto baseada nos juros básicos da economia brasileira), ao mesmo tempo em que os valores estejam em conformidade com a realidade da empresa parceira e da tecnologia a ser licenciada. Outra função da valoração para o NIT consiste tanto na recuperação dos dispêndios em pesquisas para reinvestimento em novas pesquisas, quanto como forma de agregar valor às negociações, em consonância com o preconizado pela Association of University Technology Managers (2012). Em conformidade com a Lei nº (BRASIL, 2004), o NIT possui política de premiação ao pesquisador, mas a valoração não é feita com esse propósito. O pesquisador, por sua vez, valoriza não só a sua premiação, mas a da equipe. Adicionalmente, os pesquisadores valorizam o NIT por sua atuação junto às políticas de premiação aos pesquisadores em função da exploração comercial das tecnologias do IPT. Alguns Centros Tecnológicos da Instituição conhecem métodos de valoração de tecnologias. São os casos do Laboratório de Biotecnologia Industrial (LBI), vinculado ao Núcleo de Bionanomanufatura (BIONANO), que aplica a Teoria de Opções Reais para a valoração de projetos de P&D com o apoio de pesquisadores da CPN e da Diretoria de Inovação do IPT; pesquisadores do Centro de Tecnologia em Metalurgia e Materiais (CTMM), possuem 11/18

12 conhecimentos em Fluxo de Caixa. Entretanto, a valoração efetuada pelos pesquisadores do CTMM é compatível com a abordagem de receita em função dos fluxos de caixa esperados, mas não leva em consideração o conceito do valor do dinheiro no tempo, importante para a valoração por FCD (PITKETHLY, 1997). Embora o NIT do IPT considere a valoração um dos aspectos mais importantes no licenciamento de patentes, existiram casos de patentes não valoradas. As principais razões que explicam a ocorrência desse fato residem na falta de gestão de projetos e na ausência de pósvenda, principalmente em casos em que a discussão acerca da remuneração pela exploração comercial da PI foi postergada. Tal fato ocorreu em quatro casos, onde a definição contratual dos termos de pagamento pelo uso da PI não foi definida de maneira antecipada. Dentre as razões para se valorar uma patente, listadas por Garnica (2007), a atividade é executada para a concessão de licenças de exploração comercial por parte do setor produtivo. A motivação atração de investidores e acionistas, listada pelo autor, não é razão para a valoração das patentes do IPT, mas os entrevistados afirmam que a patente é uma importante fonte de atração de clientes para a instituição. 4.5 FATORES DE APOIO E DIFICULDADE NA VALORAÇÃO DE TECNOLOGIAS E PATENTES Uma vez que, para a CPN, não existem as dificuldades relatadas por Fujino, Stal e Plonski (1999) no âmbito da cooperação universidade-empresa, já que a missão do instituto é criar e aplicar soluções tecnológicas para aumentar a competitividade das empresas e promover a qualidade de vida (INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO, 2013) e, portanto, antagônico à proposição de que existem conflitos entre os propósitos da pesquisa acadêmica e a pesquisa de interesse para a empresa (FUJINO; STAL; PLONSKI, 1999), os fatores de apoio e dificuldade (no caso IPT) podem ser resumidos aos métodos, conforme o Quadro 02. Abordagem Método Pontos fortes Pontos fracos Custo Mercado Sunk Cost Royalty Rates O IPT possui ferramentas gerenciais que permitem o levantamento dos dispêndios diretos com pesquisa e desenvolvimento. Quando a taxa de sucesso é negociada com a remuneração básica, o IPT recebe o valor investido no projeto. Reflete o mercado, dentro do escopo proposto por Parr (2007) Facilita a negociação, uma vez que o licenciado entende que os valores negociados estão dentro da média do mercado Confiável, pois está embasado na literatura (PARR, 2007) Levantamento de background da equipe de pesquisa e do valor da marca IPT Levantamento insuficiente de setores para aplicação das tecnologias Dados contidos em Parr (2007) não refletem a realidade do NIT Pós-venda deficiente por parte da instituição Renda Fluxo de Caixa Utilização da taxa SELIC como base Estimativa de demanda 12/18

13 Abordagem Método Pontos fortes Pontos fracos Descontado para o cálculo da taxa de desconto Falta de confiabilidade nos inputs para a valoração Modelo IPT Teoria das Opções Reais Ajuste de curvas de participação da tecnologia no faturamento da empresa Ajuste do time to market Aplicação simplificada quando a empresa parceira para exploração comercial da tecnologia é conhecida Flexibilidade Quadro 02 Pontos fortes e fracos das abordagens e métodos utilizados pelo IPT Fonte: elaborado pelos autores Previsão dos fluxos de caixa futuros Estimativa da participação da tecnologia no faturamento da empresa Demanda um número alto de variáveis de entrada Demanda abordagem aprofundada com os técnicos para estimativa dos fatores de risco e incerteza do modelo Em relação ao Quadro 02, face às afirmações obtidas a partir da entrevista, pode-se inferir que: (a) o método de sunk cost, embora consiga captar os custos diretos, não é suficiente para igualar o valor investido em uma tecnologia, conforme percepção do NIT; (b) o método de royalty rates facilita o embasamento e a justificativa dos valores a serem cobrados perante os clientes, mas pode inviabilizar o recebimento de royalties em função do pós-venda (auditoria, por exemplo) deficiente por parte da instituição; (c) o método de FCD consegue atenuar o problema da determinação da taxa de desconto (PITKETHLY, 1997), utilizando uma taxa de desconto baseada nos juros básicos da economia brasileira. Por outro lado, existem dificuldades no levantamento de informações, principalmente no que se refere aos fluxos de caixa esperados ao longo do tempo. Essas dificuldades ocorrem, principalmente, por consequência da dificuldade na estimativa de demanda dos produtos com tecnologia IPT; (d) o modelo criado pelo IPT possui pontos fortes quando o parceiro é definido. Por esse motivo, é amplamente aplicado nas negociações no contexto Embrapii. Entretanto, a variável Participação da tecnologia no faturamento da empresa é altamente sensível e demanda cautela nas estimativas por parte dos analistas da CPN; (e) a Teoria das Opções Reais consegue captar a flexibilidade de projetos de P&D, conforme já relatado na literatura (TRIGEORGIS, 1995; COPELAND; ANTIKAROV, 2001; MEIRELLES; REBELATTO; MATIAS, 2003; SANTOS; SANTIAGO, 2008a; 2008b; SOPLE, 2012), mas é complexo e demanda demasiado aprofundamento na inserção dos valores requeridos pelas variáveis do modelo, sendo pouco aplicável ao licenciamento de patentes, principalmente em negociações céleres. 5. CONCLUSÕES A CPN, NIT do IPT, possui amplo conhecimento de métodos de valoração de tecnologias e patentes. A instituição possui estruturação formal da atividade como apoio à negociação de 13/18

14 direitos de propriedade industrial ao setor produtivo e profissionais ligados à atividade. Embora seja previsto, desde 2004, por meio da Lei de Inovação (BRASIL, 2004), a instituição de NITs em ICTs, o IPT possui NIT estruturado desde 1981, sendo este um dos fatores que explicam o desenvolvimento da atividade na instituição. Em relação aos objetivos específicos deste trabalho podem ser destacados os seguintes aspectos: a) Abordagens e métodos de valoração utilizados e conhecidos pelo NIT do IPT: a CPN utiliza métodos de valoração das três abordagens contidas na literatura pesquisada para este trabalho. Os custos para a concepção são a base para a valoração no Modelo Expedito IPT e no método de FCD e as taxas de royalties da literatura (PARR, 2007) fornecem parâmetros para os valores calculados por meio de métodos baseados na renda. Para projetos de P&D, a instituição eventualmente com o apoio do NIT - utiliza a Teoria das Opções Reais. b) Aplicabilidade dos métodos de valoração para o NIT do IPT: a CPN considera a utilização de diferentes métodos de valoração em função do estágio de desenvolvimento das tecnologias e conforme o setor de aplicação de uma tecnologia. Para tecnologias com parceiro comercial definido, a instituição desenvolveu um método próprio de valoração ( Modelo Expedito IPT ), baseado nas abordagens de renda, para atender principalmente às especificidades contidas nas negociações inseridas no contexto dos projetos oriundos das parcerias entre IPT, setor produtivo e Embrapii. c) Estruturação da atividade de valoração no processo de atividades do NIT do IPT: a atividade de valoração é formalmente estruturada dentre os processos de Gestão de Tecnologias da CPN por meio da Instrução Normativa IPT AD-18 que, de acordo com Instituto de Pesquisas Tecnológicas (2013), visa estabelecer regras para proteção, negociação, transferência de tecnologia e/ou licenciamento de patentes e programas de computador, dos direitos de propriedade intelectual, inerentes ou vinculados à criação da produção científica ou da inovação tecnológica geradas pelos projetos internos e externos do IPT. Ademais, a instituição possui pesquisadores ligados à atividade, com formação e cursos complementares ligados à área. d) Importância da valoração dentre as atividades do NIT do IPT: a valoração é ferramenta de apoio à tomada de decisão em negociações para licenciamento de patentes/ transferência de tecnologias ao setor produtivo, embora o valor negociado seja calculado em função das expectativas das partes interessadas. A valoração ainda apoia a instituição no que se refere à recuperação dos investimentos em pesquisa. Embora a valoração seja considerada importante pela CPN, existem casos de tecnologias e patentes não valoradas, por motivos que vão desde a falta de gestão de projetos até a deficiência em atividades de pós-venda, como auditoria dos valores a serem recebidos junto às empresas licenciadas. e) Fatores de e dificuldade na valoração de tecnologias e patentes: a missão da instituição envolve a criação e o desenvolvimento de soluções tecnológicas para as empresas. Sendo assim, não existem impeditivos culturais para a atividade de valoração dentro da instituição. Em relação aos métodos, o sunk cost possui como vantagens o levantamento de custos envolvidos diretamente na produção, mas os dispêndios envolvidos na capacitação da equipe, bem como o conhecimento do valor 14/18

15 da marca IPT, são impeditivos para um levantamento mais apurado das informações requeridas para este método. Deve ser destacado, ainda, que não levantadas informações acerca da depreciação de equipamentos para contabilização junto à metodologia de valoração aplicada em cada caso. Sendo assim, é possível afirmar que os métodos baseados em custo, embora considerados os mais simples por Pitkethly (1997) só são menos complexos para a instituição do que a Teoria das Opções Reais. E, levando em consideração que a instituição utiliza o custo como base para valorações baseadas nas abordagens de renda, o levantamento inadequado de custos poderá prejudicar a negociação no que se refere ao cálculo de um valor considerado justo para a instituição. Portanto a pergunta de pesquisa do artigo Como os NITs de ICTs utilizam métodos de valoração no processo de atribuição de valor às suas tecnologias e patentes? pode ser respondida da seguinte maneira: O NIT do IPT valora suas tecnologias em função do estágio de desenvolvimento, do setor de aplicação das tecnologias e do contexto no qual a negociação está envolvida, por meio de métodos baseados nas abordagens de renda, com o apoio do método de sunk cost para determinação do valor-base das negociações e do livro Royalty rates for licensing intellectual property (PARR, 2007) como benchmarking das taxas de royalties praticadas no mercado.. A limitação do presente estudo reside na impossibilidade de divulgação do Método Expedito IPT, que por razões de sigilo (artigo no prelo), não pode ser divulgado. A análise de alguns aspectos do modelo poderia ser útil na revelação de informações para discussão do método à luz do referencial teórico existente na temática da valoração. Como sugestão para trabalhos futuros, é recomendado que o método criado pela instituição seja avaliado no que se refere às suas funcionalidades perante as demandas específicas de ICTs e empresas. Adicionalmente, podem ser verificados os fatores que influenciam a gestão do pós-venda - aspecto problemático para a instituição - no que se refere ao recebimento de royalties por parte dos licenciantes de tecnologias e sua relação com empresas licenciadas. 15/18

16 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ASSOCIATION OF UNIVERSITY TECHNOLOGY MANAGERS - AUTM. Consulta geral a homepage oficial. Disponível em: <http://www.autm.net>. Acesso em: 13 nov BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, BLACK, F.; SCHOLES, M. The pricing of options and corporate liabilities. Journal of Political Economy, v.81, n.3, p , May/June, BOER, F. P. The valuation of technology: business and financial issues in R&D. New York: John Wiley & Sons, p. BRASIL. Lei nº , de 02 de dezembro de Dispõe sobre incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 03 dez CESAR, A. M. R. V. C. Método do estudo de caso (case studies) ou método do caso (teaching cases)? Uma análise dos dois métodos no Ensino e Pesquisa em Administração. São Paulo: Mackenzie, 2006 (Material Didático). COPELAND, T. E.; ANTIKAROV, V. Opções reais: um novo paradigma para reinventar a avaliação de investimentos. Rio de Janeiro: Campus, COUNCIL ON GOVERNAMENTAL RELATIONS AN ASSOCIATION OF RESEARCH UNIVERSITIES. The Bayh-Dole Act: a guide to the law and implementing regulations. Washington D.C.: COGR, out p. CRESWELL, J. W. Five qualitative traditions of inquiry. In: CRESWELL, J. W. Qualitative inquiry and research design: choosing among five traditions. Thousand Oaks: Sage p DIXIT, A. K.; PINDYCK, R. T. S. Investment under uncertainty. Princeton, New Jersey: Princeton University, EISENHARDT, K. M. Building theories from case study research. Academy of Management Review, v.14, n.4, p , ENGEL, A. IPScore: a new standart for open innovation. [S.l.: s.n.], Disponível em: <http://www.slideshare.net/alanengel/ipscore-2-1>. Acesso em: 31 mar ERBAS, B. C.; MEMIS, S. A. An economic valuation of a biotechnology R&D Project in a developing economy. Electronic Journal of Biotechnology, v.15, n.3, FERNANDES, L. H. S.; SILVA, A. S.; BARROS JÚNIOR, J. P. Aplicação de opções reais na valoração de uma patente para diagnosticar a dengue. Revista Gestão Industrial, Ponta Grossa, v.7, n.2, p , FUJINO, A.; STAL, E.; PLONSKI, G. A. A proteção do conhecimento na universidade. Revista de Administração, São Paulo, v.34, n.4, p.46-55, out./dez GARNICA, L. A. Transferência de tecnologia e gestão da propriedade intelectual em universidades públicas no Estado de São Paulo f. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, GARNICA, L. A.; TORKOMIAN, A. L. V. Gestão de tecnologia em universidades: uma análise do patenteamento e dos fatores de dificuldade e de apoio à transferência de tecnologia no Estado de São Paulo. Gestão & Produção, São Carlos, v.16, n.4, p , out./dez GOLDSCHEIDER, R.; JAROSZ, J.; MULHERN, C. Use of the twenty-five percent rule in valuing intellectual property. In: PARR, R. Royalty rates for licensing intellectual property. Hoboken: John Wiley & Sons, p. 16/18

17 HUNGARIAN INTELLECTUAL PROPERTY OFFICE. IP Valuation at Research Institutes: an essential tool for technology transfer. Budapest: HIPO, INOVA SÃO PAULO. Consulta geral a homepage oficial. Disponível em: <http://www.inovasaopaulo.com/>. Acesso em: 31 mar INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO. Consulta geral a homepage. Disponível em: <http://www.ipt.br>. Acesso em: 29 jul KAMIYAMA, S.; SHEEHAN, J.; MARTINEZ, C. Valuation and exploitation of intellectual property. Paris: OECD, p. (Science, Technology and Industry Working Papers). MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Fundamentos de metodologia científica. 7. ed. São Paulo: Atlas, p. MARTINS, G. A.; THEÓPHILO, C. R. Metodologia da investigação científica para ciências sociais aplicadas. São Paulo: Editora Atlas, MEIRELLES, J. L. F.; REBELATTO, D. A. N.; MATIAS, A. B. A teoria de opções e sua aplicação na avaliação de investimentos. In: SEMINÁRIO DE ADMINISTRAÇÃO, 6., 2003, São Paulo. Anais... São Paulo: USP/FEA, ORGANISATION FOR ECONOMIC CO-OPERATION AND DEVELOPMENT. Manual de Oslo. 3. ed. Paris: Eurostat, PARR, R. Royalty rates for licensing intellectual property. Hoboken: John Wiley & Sons, p. PARR, R.; SMITH, G. V. Quantitative Methods of Valuing Intellectual Property. In: SIMENSKY, M.; BRYER, L. G. The new role of intellectual property in commercial transactions. New York: John Wiley, p PITA, A. C. Análise do valor e valoração de patentes: método e aplicação no setor petroquímico brasileiro. São Paulo: Escola Politécnica, Universidade de São Paulo, PITKETHLY, R. H. The valuation of patents: a review of patent valuation methods with consideration of option based methods and the potential for further research. Cambridge: The Judge Institute of Management Studies, (Judge Institute Working Paper WP 21/97) REITZIG, M. Methods for patent portfolio valuations: challenges for and responses by academia. Presentation at OECD/EPO Meeting. Berlin p. REITZIG, M. What determines patent value? Insights from semiconductor industry. Research Policy, Stockholm, v.32, p.13-26, SANTOS, D. T. E.; SANTIAGO, L. P. Avaliar x valorar novas tecnologias: desmistificando conceitos. Belo Horizonte: Laboratório de Apoio à Decisão e Confiabilidade, Departamento de Engenharia de Produção, Universidade Federal de Minas Gerais, 2008a. 8 p. SANTOS, D. T. E.; SANTIAGO, L. P. Métodos de valoração de tecnologias. Belo Horizonte: Laboratório de Apoio à Decisão e Confiabilidade, Departamento de Engenharia de Produção, Universidade Federal de Minas Gerais, 2008b. 11 p. SANTOS, M. E. R.; SOLLEIRO, J. L. Boas práticas de gestão em escritórios de transferência de tecnologia. In: SIMPÓSIO DE GESTÃO DA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA, 23., 2004, Curitiba. Anais... São Paulo: USP/PGT, p SOPLE, V. V. Valuation of intellectual property. In: SOPLE, V. V. Managing intellectual property: the strategic imperative. 3 ed. New Dehli: Asoke K. Ghosh, PHI Learning Private, p. 17/18

18 SOUZA, R. O. Valoração de ativos intangíveis: seu papel na transferência de tecnologias e na promoção da inovação tecnológica Dissertação (Mestrado) - Escola de Química. Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, TRIGEORGIS, L. Real options in capital investment: models, strategies and applications. Westport: Praeger, VIEIRA, M. M. F. Por uma boa pesquisa (qualitativa) em Administração. In: VIEIRA, M. M. F.; ZOUAIN, D. M. (Ed.). Pesquisa qualitativa em administração. Rio de Janeiro: FGV, p WORLD INTELLECTUAL PROPERTY ORGANIZATION. Valuation of intellectual property: what, why and how. Wipo Magazine, Sept./Oct YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 2 ed. Porto Alegre: Bookman, YU, A. S. O.; AZEVEDO, P. B. M. Valoração de tecnologias: questões chave para aplicação. Revista Conecta, São Paulo, p.64-66, /18

Valoração de patentes: O caso do núcleo de inovação tecnológica de uma instituição de pesquisa brasileira

Valoração de patentes: O caso do núcleo de inovação tecnológica de uma instituição de pesquisa brasileira See discussions, stats, and author profiles for this publication at: http://www.researchgate.net/publication/269994069 Valoração de patentes: O caso do núcleo de inovação tecnológica de uma instituição

Leia mais

ADAPTAÇÃO DA CURVA DE GOMPERTZ PARA NOVO MÉTODO DE VALORAÇÃO DE TECNOLOGIAS

ADAPTAÇÃO DA CURVA DE GOMPERTZ PARA NOVO MÉTODO DE VALORAÇÃO DE TECNOLOGIAS ADAPTAÇÃO DA CURVA DE GOMPERTZ PARA NOVO MÉTODO DE VALORAÇÃO DE TECNOLOGIAS RESUMO A avaliação do potencial econômico de projetos de inovação tecnológica e a valoração de tecnologias são aspectos decisivos

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ESTEVÃO FREIRE estevao@eq.ufrj.br DEPARTAMENTO DE PROCESSOS ORGÂNICOS ESCOLA DE QUÍMICA - UFRJ Tópicos: Ciência, tecnologia e inovação; Transferência de tecnologia; Sistemas

Leia mais

1. INTRODUÇÃO... 3 2. AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 3. 2.1. Objetivos... 3. 2.2. Escopo... 4 3. VALORAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 5. 3.1. Objetivo...

1. INTRODUÇÃO... 3 2. AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 3. 2.1. Objetivos... 3. 2.2. Escopo... 4 3. VALORAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 5. 3.1. Objetivo... 1 ÍNDICE ANALÍTICO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 3 2.1. Objetivos... 3 2.2. Escopo... 4 3. VALORAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 5 3.1. Objetivo... 5 3.1.1. Negociação para comercialização e

Leia mais

Visão Geral da Lei de Inovação: Avanços e Desafios após 10 anos.

Visão Geral da Lei de Inovação: Avanços e Desafios após 10 anos. Visão Geral da Lei de Inovação: Avanços e Desafios após 10 anos. 12.08.2015 Henrique Frizzo 2015 Trench, Rossi e Watanabe Advogados 1 Conceitos Gerais da Lei de Inovação Conceitos Gerais da Lei de Inovação

Leia mais

VALORAÇÃO DE TECNOLOGIA

VALORAÇÃO DE TECNOLOGIA XII Encontro da Rede Mineira de Propriedade Intelectual VALORAÇÃO DE TECNOLOGIA Engª LOURENÇA F. DA SILVA Belo Horizonte - 05/11/2010 Lourença F. Silva - 05-11-2010 1 VALORAÇÃO DA TECNOLOGIA PARA VALORAR

Leia mais

PRIS Apresentação Institucional. Alfenas, Novembro de 2011

PRIS Apresentação Institucional. Alfenas, Novembro de 2011 PRIS Apresentação Institucional Alfenas, Novembro de 2011 Agenda A Empresa Valoração de Tecnologias Oportunidades com a RMPI Contato A PRIS consegue levar ao mercado conhecimentos inovadores desenvolvidos

Leia mais

REGULAMENTO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UTFPR CAPÍTULO I DA FINALIDADE E LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA

REGULAMENTO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UTFPR CAPÍTULO I DA FINALIDADE E LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA REGULAMENTO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UTFPR CAPÍTULO I DA FINALIDADE E LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA Art. 1º O presente Regulamento tem por finalidade regulamentar as atividades de propriedade intelectual

Leia mais

UNIVERSIDADE NOVE DE JULHO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO - PPGA

UNIVERSIDADE NOVE DE JULHO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO - PPGA UNIVERSIDADE NOVE DE JULHO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO - PPGA VALORAÇÃO DE PATENTES EM UNIVERSIDADES PÚBLICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO Yuri Basile Tukoff Guimarães São Paulo 2013 YURI BASILE

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Conselho de Administração Diretoria Geral Gerenciamento de Capital Diretoria de Controladoria, Operações, Jurídico, Ouvidoria e Cobrança Diretoria de Tesouraria, Produtos e Novos Negócios Operações Bancárias

Leia mais

Da Ciência ao Mercado: Melhores práticas no processo de transferência de tecnologia para geração de inovação. 18 de agosto de 09

Da Ciência ao Mercado: Melhores práticas no processo de transferência de tecnologia para geração de inovação. 18 de agosto de 09 Da Ciência ao Mercado: Melhores práticas no processo de transferência de tecnologia para geração de inovação 18 de agosto de 09 Quem Somos O Grande Vale O Instituto Inovação surgiu com o objetivo de promover

Leia mais

GESTÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE TECNOLOGIA INPI/DIRTEC/CGTEC

GESTÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE TECNOLOGIA INPI/DIRTEC/CGTEC GESTÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE TECNOLOGIA INPI/DIRTEC/CGTEC 1 INTRODUÇÃO APRESENTAÇÃO Contexto do módulo Gestão e Comercialização de Tecnologia Serviços de apoio da DIRTEC/CGTEC Perspectivas de análise da

Leia mais

Visão Geral da Lei de Inovação: Avanços e Desafios após 10 anos.

Visão Geral da Lei de Inovação: Avanços e Desafios após 10 anos. Visão Geral da Lei de Inovação: Avanços e Desafios após 10 anos. 10.09.2014 Henrique Frizzo 1 Conceitos Gerais da Lei de Inovação Conceitos Gerais da Lei de Inovação Lei 10.973/2004 - Lei de Inovação:

Leia mais

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui. Complexidade das tecnologias critério de avaliação que

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui. Complexidade das tecnologias critério de avaliação que ANEXO II Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui registro em base de patentes brasileira. Também serão considerados caráter inovador para este Edital os registros de patente de domínio público

Leia mais

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 109 GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Claudinei Higino da Silva,

Leia mais

ÊNFASE EM GESTÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA

ÊNFASE EM GESTÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA MBA DESENVOLVIMENTO AVANÇADO DE EXECUTIVOS ÊNFASE EM GESTÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA O MBA Desenvolvimento Avançado de Executivos possui como característica atender a um mercado altamente dinâmico e competitivo

Leia mais

Inovação e Empreendedorismo A experiência da Inova Unicamp

Inovação e Empreendedorismo A experiência da Inova Unicamp Inovação e Empreendedorismo A experiência da Inova Unicamp Bastiaan Philip Reydon Inova Unicamp Seminário: Pesquisa e Inovação para melhores condições de trabalho e emprego 18 de Outubro de 2012, Brasilia

Leia mais

2013 Inventta Todos os direitos reservados.

2013 Inventta Todos os direitos reservados. Agenda Quem Somos Gerindo a Inovação nas Empresas Estímulos Governamentais à Inovação Resultados da pesquisa FDC/Inventta Conclusões O GRUPO A Inventta é uma consultoria especializada em gestão da inovação,

Leia mais

ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL

ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL 1. Introdução Uma empresa é administrada para satisfazer os interesses e objetivos de seus proprietários. Em particular, a organização de atividades econômicas em

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Valoração de Patentes: o Caso de uma Universidade Pública do Estado de São Paulo

Valoração de Patentes: o Caso de uma Universidade Pública do Estado de São Paulo Valoração de Patentes: o Caso de uma Universidade Pública do Estado de São Paulo Autoria: Yuri Basile Tukoff Guimarães, Cláudia Terezinha Kniess Resumo Devido à sua complexidade, a valoração de patentes

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

FEBRABAN Auditoria Contínua em Tesouraria. Indicadores Chaves de Risco na Função de Tesouraria: Abordagem World-Class

FEBRABAN Auditoria Contínua em Tesouraria. Indicadores Chaves de Risco na Função de Tesouraria: Abordagem World-Class RISK MANAGEMENT & REGULATORY SERVICES FEBRABAN Auditoria Contínua em Tesouraria Indicadores Chaves de Risco na Função de Tesouraria: Abordagem World-Class Novembro 2003 Risk Management & Regulatory Services

Leia mais

Finanças para Executivos Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva

Finanças para Executivos Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

Capítulo 1. Avaliando Empresas Uma Introdução

Capítulo 1. Avaliando Empresas Uma Introdução Capítulo 1 Avaliando Empresas Uma Introdução A expressão avaliação de empresas é a tradução para a língua portuguesa do termo valuation, sendo sinônimo de valoração de empresas. A recente onda de fusões

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

O entendimento e os benefícios de aplicação da Lei Federal de Inovação Tecnol. Florianópolis

O entendimento e os benefícios de aplicação da Lei Federal de Inovação Tecnol. Florianópolis O entendimento e os benefícios de aplicação da Lei Federal de Inovação Tecnol ológica Florianópolis polis,, 02 de abril de 2008. 1 CRONOLOGIA OS TRABALHOS: 1. Indicativos do quadro brasileiro de inovação;

Leia mais

Avenida Jamaris, 100, 10º e 3º andar, Moema São Paulo SP 04078-000 55 (11) 5051-8880

Avenida Jamaris, 100, 10º e 3º andar, Moema São Paulo SP 04078-000 55 (11) 5051-8880 APRESENTAÇÃO DA EMPRESA E DOS SERVIÇOS AUDITORIA CONSULTORIA EMPRESARIAL CORPORATE FINANCE EXPANSÃO DE NEGÓCIOS CONTABILIDADE INTRODUÇÃO A FATORA tem mais de 10 anos de experiência em auditoria e consultoria

Leia mais

Unidade I FINANÇAS EM PROJETOS DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade I FINANÇAS EM PROJETOS DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade I FINANÇAS EM PROJETOS DE TI Prof. Fernando Rodrigues Nas empresas atuais, a Tecnologia de Informação (TI) existe como uma ferramenta utilizada pelas organizações para atingirem seus objetivos.

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE PARA INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR: O

INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE PARA INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR: O IV Simpósio sobre Gestão Empresarial e Sustentabilidade: Negócios Sociais e seus Desafios 24 e 25 de novembro de 2015 Campo Grande-MS Universidade Federal do Mato Grosso do Sul INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE

Leia mais

2.1 - Proponente. Grupo Econômico CNAE principal Faturamento / Rec. Oper. Bruta de 2014. Endereço Telefone Geral Endereço Eletrônico Institucional

2.1 - Proponente. Grupo Econômico CNAE principal Faturamento / Rec. Oper. Bruta de 2014. Endereço Telefone Geral Endereço Eletrônico Institucional SUMÁRIO EXECUTIVO Linha Temática PN solicita Recursos Não - Reembolsáveis 1 1 - Título do Plano de Negócio 2 - Cadastramento: 2.1 - Proponente Razão Social CNPJ Grupo Econômico CNAE principal Faturamento

Leia mais

Administração Financeira II

Administração Financeira II Administração Financeira II Introdução as Finanças Corporativas Professor: Roberto César INTRODUÇÃO AS FINANÇAS CORPORATIVAS Administrar é um processo de tomada de decisões. A continuidade das organizações

Leia mais

VII Encontro de Propriedade Intelectual e Comercialização de Tecnologia. Angela Uller

VII Encontro de Propriedade Intelectual e Comercialização de Tecnologia. Angela Uller VII Encontro de Propriedade Intelectual e Comercialização de Tecnologia Angela Uller P&D Invenção Saber C&T Descoberta Conhecimento Um dos maiores problemas para se tratar da Inovação, seja para o estabelecimento

Leia mais

Plano de Ação e Programa de Formação de Recursos Humanos para PD&I

Plano de Ação e Programa de Formação de Recursos Humanos para PD&I Plano de Ação e Programa de Formação de Recursos Humanos para PD&I 1. Plano de Ação A seguir apresenta-se uma estrutura geral de Plano de Ação a ser adotado pelo Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

Agência USP de Inovação A visão da Universidade sobre a importância da parceria com o setor empresarial

Agência USP de Inovação A visão da Universidade sobre a importância da parceria com o setor empresarial Agência USP de Inovação A visão da Universidade sobre a importância da parceria com o setor empresarial Prof. Dr. Vanderlei Salvador Bagnato Coordenador Missão Promover a utilização do conhecimento científico,

Leia mais

2010 Incapital Finance - 3

2010 Incapital Finance - 3 METODOLOGIAS PARA AVALIAÇÃO DE EMPRESAS BELO HORIZONTE - MG Apresentação: Palestra Fusões e Aquisições Cenários e Perspectivas Valuation Metodologias e Aplicações Desenvolvimento: Índice: 1. Introdução

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE GERÊNCIA DE CONTROLE DE TESOURARIA ANÁLISE DE RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG Belo Horizonte 01 de Julho de 2008 1 SUMÁRIO 1. Introdução...02

Leia mais

Busca do equilíbrio ACADEMIA

Busca do equilíbrio ACADEMIA Busca do equilíbrio Conquistar sustentabilidade financeira e qualificar recursos humanos são alguns dos principais objetivos dos Núcleos de Inovação Tecnológica (NITs) no Brasil POR CAMILA AUGUSTO Ilustrações:

Leia mais

FATORES CONDICIONANTES AO ACESSO DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS A RECURSOS PÚBLICOS PARA INOVAÇÃO: ESTUDO DE CASOS MÚLTIPLOS NO ESTADO DO PARANÁ

FATORES CONDICIONANTES AO ACESSO DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS A RECURSOS PÚBLICOS PARA INOVAÇÃO: ESTUDO DE CASOS MÚLTIPLOS NO ESTADO DO PARANÁ FATORES CONDICIONANTES AO ACESSO DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS A RECURSOS PÚBLICOS PARA INOVAÇÃO: ESTUDO DE CASOS MÚLTIPLOS NO ESTADO DO PARANÁ Marlete Beatriz Maçaneiro (Professora do Departamento de Secretariado

Leia mais

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 INTRODUÇÃO Sobre o Relatório O relatório anual é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas

Leia mais

ANEXO: OUTROS FATOS RELEVANTES

ANEXO: OUTROS FATOS RELEVANTES ANEXO: OUTROS FATOS RELEVANTES Em atendimento à Decisão Normativa TCU no. 96 de 04/03/2009, especificamente quanto ao conteúdo expresso em seu Anexo II, letra A, item 16, cabe registrar as seguintes atividades:

Leia mais

Relatório de Análise dos Investimentos. da OABPREV SP. Julho de 2015

Relatório de Análise dos Investimentos. da OABPREV SP. Julho de 2015 Relatório de Análise dos Investimentos da OABPREV SP Julho de 2015 1. Introdução O presente Relatório de Análise dos Investimentos visa fornecer algumas análises quantitativas do mercado (indicadores financeiros),

Leia mais

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa 3 Metodologia Neste capítulo é descrita a metodologia da presente pesquisa, abordandose o tipo de pesquisa realizada, os critérios para a seleção dos sujeitos, os procedimentos para a coleta, o tratamento

Leia mais

Avaliação de Empresas Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração

Avaliação de Empresas Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo atual exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE GERÊNCIA DE CONTROLE DE TESOURARIA ANÁLISE DE RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 Belo Horizonte

Leia mais

Contabilidade financeira e orçamentária I

Contabilidade financeira e orçamentária I Contabilidade financeira e orçamentária I Curso de Ciências Contábeis - 6º Período Professora: Edenise Aparecida dos Anjos INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS Finanças Corporativas: incorporaram em seu

Leia mais

5 Conclusão e Considerações Finais

5 Conclusão e Considerações Finais 5 Conclusão e Considerações Finais Neste capítulo são apresentadas a conclusão e as considerações finais do estudo, bem como, um breve resumo do que foi apresentado e discutido nos capítulos anteriores,

Leia mais

SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS RESOLUÇÃO Nº 06/2010

SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS RESOLUÇÃO Nº 06/2010 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS Campus Universitário Viçosa, MG 36570-000 Telefone: (31) 3899-2127 - Fax: (31) 3899-1229 - E-mail: soc@ufv.br RESOLUÇÃO

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão Estratégica de Negócios tem por objetivo desenvolver a

Leia mais

PRÊMIO FINEP DE INOVAÇÃO

PRÊMIO FINEP DE INOVAÇÃO PRÊMIO FINEP DE INOVAÇÃO Objetivo: O Prêmio FINEP de Inovação foi criado para reconhecer e divulgar esforços inovadores realizados por empresas, Instituições Científicas e Tecnológicas - ICTs e inventores

Leia mais

NÚCLEOS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

NÚCLEOS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA SERVIÇOS TÉCNICOS ESPECIALIZADOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DOS NÚCLEOS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NOS INSTITUTOS QUE OPERAM NO ÂMBITO DA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE CONTRATO 189-01/2012 RELATÓRIO 1 30.09.2012

Leia mais

PESQUISA E DESENVOLVIMENTO

PESQUISA E DESENVOLVIMENTO MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA PESQUISA E DESENVOLVIMENTO ICA 80-10 PROPRIEDADE INTELECTUAL E INOVAÇÃO 2013 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA

Leia mais

Gestão Financeira Empresarial Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração

Gestão Financeira Empresarial Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo atual exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

Análise exploratória da Inovação Tecnológica nos Estados, Regiões e. no Brasil com base na Pesquisa de Inovação Tecnológica PINTEC

Análise exploratória da Inovação Tecnológica nos Estados, Regiões e. no Brasil com base na Pesquisa de Inovação Tecnológica PINTEC USCS UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Guilherme Yukihiro Dallaido Shibata Análise exploratória da Inovação Tecnológica nos Estados, Regiões e no Brasil com

Leia mais

MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu

MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu Coordenação Acadêmica: Prof. José Carlos Abreu, Dr. 1 OBJETIVO: Objetivos Gerais: Atualizar e aprofundar

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012.

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012. RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012. Dispõe sobre concessão de incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no âmbito do Estado do Rio Grande do Norte.

Leia mais

PRÊMIO FINEP DE INOVAÇÃO 15ª EDIÇÃO REGULAMENTO

PRÊMIO FINEP DE INOVAÇÃO 15ª EDIÇÃO REGULAMENTO PRÊMIO FINEP DE INOVAÇÃO 15ª EDIÇÃO REGULAMENTO 1. Objetivo O Prêmio FINEP de Inovação foi criado para reconhecer e divulgar esforços inovadores realizados por empresas, instituições sem fins lucrativos

Leia mais

INT VIDEO INSTITUCIONAL

INT VIDEO INSTITUCIONAL INT VIDEO INSTITUCIONAL Carlos Alberto Teixeira 16 de Fevereiro de 2011 Investimentos e Incentivos Fiscais - Projetos de Inovação em Ciência e Tecnologia Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha

Leia mais

COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE ENSINO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de maio de 2012

COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE ENSINO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de maio de 2012 COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE ENSINO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de maio de 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: Ensino PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO DE PUBLICAÇÃO DESTE DOCUMENTO:

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias Coordenação Acadêmica: Maria Elizabeth Pupe Johann 1 OBJETIVOS: Objetivo Geral: - Promover o desenvolvimento

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA PROJETO INTEGRADOR. Suzano

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA PROJETO INTEGRADOR. Suzano CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA PROJETO INTEGRADOR Suzano PROJETO INTEGRADOR 1. Introdução O mercado atual de trabalho exige dos profissionais a capacidade de aplicar os conhecimentos

Leia mais

MÉTODOS DE ANÁLISE DE INVESTIMENTO COM A UTILIZAÇÃO PRÁTICA DA CALCULADORA HP12C E PLANILHA ELETRÔNICA

MÉTODOS DE ANÁLISE DE INVESTIMENTO COM A UTILIZAÇÃO PRÁTICA DA CALCULADORA HP12C E PLANILHA ELETRÔNICA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 MÉTODOS DE ANÁLISE DE INVESTIMENTO COM A UTILIZAÇÃO PRÁTICA DA CALCULADORA HP12C E PLANILHA ELETRÔNICA Amanda de Campos Diniz 1, Pedro José Raymundo 2

Leia mais

AULA 11 Desenhos, recursos e obstáculos

AULA 11 Desenhos, recursos e obstáculos 1 AULA 11 Desenhos, recursos e obstáculos Ernesto F. L. Amaral 15 de abril de 2010 Metodologia (DCP 033) Fonte: Flick, Uwe. 2009. Desenho da pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Artmed. pp.57-73 & 75-85.

Leia mais

Aula 09 Matemática Financeira. Princípios Fundamentais da Engenharia Econômica

Aula 09 Matemática Financeira. Princípios Fundamentais da Engenharia Econômica Aula 09 Matemática Financeira Princípios Fundamentais da Engenharia Econômica Introdução A partir da absorção do conceito de dinheiro no tempo, estamos aptos a fazer uso da Engenharia Econômica, que se

Leia mais

Apoiamos grandes empresas a otimizar os investimentos em P,D&I e reduzir os riscos de inovar

Apoiamos grandes empresas a otimizar os investimentos em P,D&I e reduzir os riscos de inovar Apoiamos grandes empresas a otimizar os investimentos em P,D&I e reduzir os riscos de inovar Com quase 10 anos de atuação no Brasil, é uma das empresas pioneiras especializadas em mecanismos financeiros

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES Maria Helena Machado de Moraes - FURG 1 Danilo Giroldo - FURG 2 Resumo: É visível a necessidade de expansão da Pós-Graduação no Brasil, assim

Leia mais

Metodologia do Trabalho Científico

Metodologia do Trabalho Científico Metodologia do Trabalho Científico Diretrizes para elaboração de projetos de pesquisa, monografias, dissertações, teses Cassandra Ribeiro O. Silva, Dr.Eng. METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA Porque escrever

Leia mais

Programas de Pesquisa para Inovação Tecnológica e de apoio à Propriedade Intelectual da FAPESP

Programas de Pesquisa para Inovação Tecnológica e de apoio à Propriedade Intelectual da FAPESP Programas de Pesquisa para Inovação Tecnológica e de apoio à Propriedade Intelectual da FAPESP GT de PD&I do IPD Eletron 15/5/12 Sérgio Queiroz Professor Associado DPCT/IG/Unicamp Coordenador Adjunto de

Leia mais

VISÃO SISTÊMICA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS PARA WEB

VISÃO SISTÊMICA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS PARA WEB VISÃO SISTÊMICA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS PARA WEB Rogério Fernandes da Costa Professor especialista Faculdade Sumaré rogerio.fernandes@sumare.edu.br Resumo: O presente estudo tem como objetivo abordar

Leia mais

A SUPERIORIDADE DO MÉTODO DO FLUXO DE CAIXA DESCONTADO NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS

A SUPERIORIDADE DO MÉTODO DO FLUXO DE CAIXA DESCONTADO NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS A SUPERIORIDADE DO MÉTODO DO FLUXO DE CAIXA DESCONTADO NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Prof. Alexandre Assaf Neto O artigo está direcionado essencialmente aos aspectos técnicos e metodológicos do

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA AGÊNCIA BRASILEIRA DE COOPERAÇÃO - ABC INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA - IICA INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

Quanto vale FINANÇAS. Miguel A. Eiranova é diretor da área de corporate finance da Price Waterhouse, firma que integra a PricewaterhouseCoopers.

Quanto vale FINANÇAS. Miguel A. Eiranova é diretor da área de corporate finance da Price Waterhouse, firma que integra a PricewaterhouseCoopers. Quanto vale O preço de uma empresa, referência fundamental nas negociações de qualquer tentativa de fusão ou aquisição, nunca é aleatório. Ao contrário, sua determinação exige a combinação da análise estratégica

Leia mais

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014.

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. APROVAÇÃO

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. APROVAÇÃO 05/IN01/DSIC/GSIPR 00 14/AGO/09 1/7 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação e Comunicações CRIAÇÃO DE EQUIPES DE TRATAMENTO E RESPOSTA A INCIDENTES

Leia mais

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br C1 Introdução Este guia traz noções essenciais sobre inovação e foi baseado no Manual de Oslo, editado pela Organização para a Cooperação

Leia mais

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio Capítulo 12 Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente Acadêmica: Talita Pires Inácio Empresa ABC Crescimento atribuído a aquisições de empresas de menor porte; Esforços de alianças estratégicas e joint-ventures

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias 15ª Turma

MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias 15ª Turma MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias 15ª Turma Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você

Leia mais

CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO PROGRAMA PÓS-FLEX 2016

CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO PROGRAMA PÓS-FLEX 2016 CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO PROGRAMA PÓS-FLE 2016 CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO PROGRAMA PÓS-FLE 2016 ÁREAS DE NEGÓCIOS E ENGENHARIA O Programa Pós-Flex da Universidade Positivo possui 15 cursos voltados para

Leia mais

PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ

PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ AREA TEMÁTICA: TRABALHO LAIS SILVA SANTOS 1 CARLOS VINICIUS RODRIGUES 2 MARCELO FARID PEREIRA 3 NEUZA CORTE DE OLIVEIRA

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Apoiar a empregabilidade pela melhora da qualidade do ensino profissionalizante UK Skills Seminar Series 2014 15 British Council UK Skills Seminar

Leia mais

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos 3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos Este capítulo tem como objetivo a apresentação das principais ferramentas e metodologias de gerenciamento de riscos em projetos, as etapas do projeto onde o processo

Leia mais

Um Modelo de Sistema de Gestão da Segurança da Informação Baseado nas Normas ABNT NBR ISO/IEC 27001:2006, 27002:2005 e 27005:2008

Um Modelo de Sistema de Gestão da Segurança da Informação Baseado nas Normas ABNT NBR ISO/IEC 27001:2006, 27002:2005 e 27005:2008 REVISTA TELECOMUNICAÇÕES, VOL. 15, Nº01, JUNHO DE 2013 1 Um Modelo de Sistema de Gestão da Segurança da Baseado nas Normas ABNT NBR ISO/IEC 27001:2006, 27002:2005 e 27005:2008 Valdeci Otacilio dos Santos

Leia mais

Avaliação Econômica Valuation

Avaliação Econômica Valuation Avaliação Econômica Valuation Wikipedia The process of determining the current worth of an asset or company. There are many techniques that can be used to determine value, some are subjective and others

Leia mais

Auditoria Interna Como assessoria das entidades

Auditoria Interna Como assessoria das entidades Auditoria Interna Como assessoria das entidades Francieli Hobus 1 Resumo A auditoria interna vem se tornando a cada dia, uma ferramenta indispensável para as entidades. Isso está ocorrendo devido à preocupação

Leia mais

NBC TG 46: Mensuração a Valor Justo

NBC TG 46: Mensuração a Valor Justo NBC TG 46: Mensuração a Valor Justo Professor Associado da Fucape Business School / Diretor de Educação e Pesquisa da FBC/ Membro do Consultative Advisory Group do IAESB fabio@fucape.br IX Encontro de

Leia mais

MBA. Controladoria PÚBLICO-ALVO COMPLEMENTAÇÃO ACADÊMICA MATERIAL DIDÁTICO. Controladoria

MBA. Controladoria PÚBLICO-ALVO COMPLEMENTAÇÃO ACADÊMICA MATERIAL DIDÁTICO. Controladoria MBA Controladoria Controladoria O MBA Controladoria une a tradição do Ibmec em pesquisas avançadas em Administração, Economia e Finanças com a Controladoria. Com este embasamento, propõe-se desenvolver

Leia mais

REQUISITOS PARA A CRIAÇÃO DE CURSOS NOVOS MESTRADO PROFISSIONAL

REQUISITOS PARA A CRIAÇÃO DE CURSOS NOVOS MESTRADO PROFISSIONAL Ministério da Educação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Diretoria de Avaliação 22.scol@capes.gov.br REQUISITOS PARA A CRIAÇÃO DE CURSOS NOVOS MESTRADO PROFISSIONAL IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Formação do Engenheiro de Produção: Competências Acadêmicas e Profissionais

Formação do Engenheiro de Produção: Competências Acadêmicas e Profissionais Formação do Engenheiro de Produção: Competências Acadêmicas e Profissionais Propriedade Intelectual e seu impacto nos programas de pós-graduação XVI ENCEP Encontro Nacional de Coordenadores de Cursos de

Leia mais

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e DECRETO Nº, DE DE DE. Aprova a Política Nacional da Indústria de Defesa (PNID). A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e Considerando

Leia mais

O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG

O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG Caroline Passatore¹, Dayvid de Oliveira¹, Gustavo Nunes Bolina¹, Gabriela Ribeiro¹, Júlio César Benfenatti Ferreira² 1

Leia mais

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E ATIVIDADES DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E ATIVIDADES DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E ATIVIDADES DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS Max Naytan Rinaldi dos Santos Faculdade de Administração CEA Centro de Economia e Administração max_naytan_n10@hotmail.com

Leia mais

Agência USP de Inovação Arcabouço Legal, Marco Regulatório e Incentivos à Inovação. Prof. Dr. Vanderlei Salvador Bagnato Coordenador

Agência USP de Inovação Arcabouço Legal, Marco Regulatório e Incentivos à Inovação. Prof. Dr. Vanderlei Salvador Bagnato Coordenador Agência USP de Inovação Arcabouço Legal, Marco Regulatório e Incentivos à Inovação Prof. Dr. Vanderlei Salvador Bagnato Coordenador Missão Promover a utilização do conhecimento científico, tecnológico

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária I. Introdução à Administração Financeira

Administração Financeira e Orçamentária I. Introdução à Administração Financeira Administração Financeira e Orçamentária I Introdução à Administração Financeira Conteúdo O Campo das Finanças A Função Financeira na Empresa As Funções do Administrador Financeiro O Objetivo da Empresa

Leia mais

GESTÃO ORÇAMENTÁRIA. João Milan Júnior Tel.: 011 9897 8665 joao@planis.com.br

GESTÃO ORÇAMENTÁRIA. João Milan Júnior Tel.: 011 9897 8665 joao@planis.com.br GESTÃO ORÇAMENTÁRIA João Milan Júnior Tel.: 011 9897 8665 joao@planis.com.br EMPRESAS OBJETIVOS INDIVIDUAIS em instituições de Saúde devido as corporações profissionais, que detém graus de autonomia diferenciados,

Leia mais