VALORAÇÃO DE TECNOLOGIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VALORAÇÃO DE TECNOLOGIA"

Transcrição

1 XII Encontro da Rede Mineira de Propriedade Intelectual VALORAÇÃO DE TECNOLOGIA Engª LOURENÇA F. DA SILVA Belo Horizonte - 05/11/2010 Lourença F. Silva

2 VALORAÇÃO DA TECNOLOGIA PARA VALORAR UMA TECNOLOGIA DEVE-SE PRIMEIRO COMPREENDÊ-LA! Avaliação da TECNOLOGIA Lourença F. Silva

3 VALORAÇÃO DE TECNOLOGIA = Atribuição de valor à tecnologia. Depende : -De uma boa Avaliação da Tecnologia. que depende do processo de geração da tecnologia/inovação tecnológica. Lourença F. Silva

4 - PROCESSO DE GERAÇÃO DE INOVAÇÃO Estado da arte e prospecção tecnológica Mudanças Tecnológicas P&D industrialização Padronização Produção Marketing Analise e Previsão de Mercado Mudança do Mercado Lourença F. Silva

5 Processo de Inovação Tecnológica Comunidade Científica Sociedade Direitos autorais Desenho industrial, marcas, informações estratégicas Patentes Inovação tecnológica Pesquisa Científica (ampliar a base de conhecimento) Desenvolvim. Tecnológico (novos produtos e processos e melhoria dos existentes) Desenvolvim. Industrial Produto ou Serviço Problema Específico Reconhecimento da Comunidade Científica Paper / livros Publicações (Livros / Periódicos) avaliação da tecnologia Recompensas de Vantagens e Interesses Normas Econômicos Técnicas Relatórios Técnicos paper Lourença F. Silva Fonte- Lourença F. Silva L u c r o S O C I E D A D E

6 AVALIAÇÃO DA TECNOLOGIA Questões: 1- Como reconhecer se o resultado da P&D é explorável comercialmente? É melhoramento, complementar ou invenção radical? 2- Qual conhecimento é próprio da ICT? 3- Onde ela está ( unidade da ICT) e de que forma? 4-Pode ser protegida? Potencial da Propriedade Intelectual. 5- Há múltiplos inventores e /ou colaboradores? 6- Houve divulgação pública? 7- É objeto de acordo, convenio ou contrato? Lourença F. Silva

7 Questões (CONT) 8- Há alguma disputa entre os envolvidos? 9 Algum dos envolvidos tem parte nos direitos de exploração? 10 -É uma oportunidade de licenciamento? 11- É uma oportunidade de colaboração? 12- É uma oportunidade da Venture Capital? 13- Como se comporta a indústria? 14 Por que uma empresa se interessaria? 15 Quem são os possíveis parceiros estratégicos? 16 É possível mapear a tecnologia? SER REALISTA O MAIS CEDO POSSÍVEL SOBRE A MATURIDADE E POTENCIAL DA TECNOLOGIA Lourença F. Silva

8 MAPEAMENTO DA TECNOLOGIA permite: -Relacionar a tecnologia com outras família de patentes. -Análise e síntese da tendências tecnológicas, mercados, mudanças e desafios. -Determinar/Estimar como os mercados se comportaram a curto e médio prazo e as necessidades de desenvolvimento tecnológico para adequação da Tecnologia. -Identificar as tecnologias chaves e as competências que cada indústria local tem como vantagem competitiva. Lourença F. Silva

9 MAPEAMENTO DA TECNOLOGIA permite:. -Identificar as barreiras relacionadas a tecnologia na indústria - absorção e comercialização. -Identificar as oportunidades de inovação tecnológica. -Discutir os fatores criticos de sucesso da Tecnologia. -Estimar o potencial comercial da Tecnologia. Lourença F. Silva

10 Avaliação da Tecnologia e a Propriedade Intelectual - Escopo da proteção é fundamental. -A tecnologia deve estar bem protegida e concretizada do ponto de vista da PI. -Ex: patentes - quadro reivindicatório e da própria redação da patente como um todo. - Falha na proteção - perda do valor perda do potencial de comercialização. Lourença F. Silva

11 AVALIAÇÃO DA TECNOLOGIA PARÂMETROS QUE DEVEM SER AVALIADOS: 1- A natureza dos resultados gerados (know how, trade secret, patentes, desenho industrial, marca, software, cultivar, direitos autorais, etc.) 2- A duração da propriedade intelectual gerada. 3- O campo da tecnologia. Lourença F. Silva

12 4- Estágio de desenvolvimento: (escala laboratorial, protótipo testado, escala piloto, testes operacionais, homologação normas técnicas, etc.) 5- Tipo de Inovação (Radical / Incremental)- produto/ processo. 6- Facilidade de cópia ( pirataria). 7- Do estágio no ciclo de vida da tecnologia. Lourença F. Silva

13 8- Normas restritivas ( tecnologia sujeita a regulamentação técnica ) ex: impacto ambiental 9- Do campo de aplicação do resultados. 10- Teste de Validação da Inovação (tecnologia emergente riscos tecnológicos. 11- Estimativa de mercado- demanda e natureza. 12- O montante de investimentos ( $$) necessários para preparação e colocação no mercado ( engenharia do produto e produção) Lourença F. Silva

14 Montante de investimentos ( $$) necessários para preparação e colocação no mercado: - PREPARAÇÃO DO PRODUTO/PROCESSO em ESCALA INDUSTRIAL PARA FABRICAÇÃO - engenharia do produto, linha de produção, - atendimentos a normas técnicas, legislação específica, registro em organismos governamentais - design, peças, componentes, fornecedores, embalagens - testes, adequação, controle de qualidade - homologação - manuais de produção, operação, manutenção - Etc... Lourença F. Silva

15 VALORAÇÃO DA TECNOLOGIA SUBSIDIAR A NEGOCIAÇÃO NA COMERCIALIZAÇÃO DA TECNOLOGIA. Lourença F. Silva

16 MÉTODOS DE VALORAÇÃO. 1- APROPRIAÇÃO DE CUSTOS OU CUSTO DE DESENVOLVIMENTO. 2- PREÇO DE MERCADO OU MÚLTIPLOS. 3- FCD FLUXO DE CAIXA DECONTADO - RECEITA ESPERADA. 4- OPÇÕES REAIS. Lourença F. Silva

17 1- APROPRIAÇÃO DE CUSTO Consiste no levantamento de todos os custos ( desde o desenvolvimento até os atuais investimentos realizados etc). USADOS PARA BENS INTANGÍVEIS E TECNOLOGIAS EMERGENTES/FRONTEIRAS, ONDE EXISTE MERCADO POTENCIAL, -Não leva em consideração o valor futuro do negócio, só o valor investido. Lourença F. Silva

18 2- PREÇO DE MERCADO OU MÚLTIPLOS -COMPARAÇÃO DA TECNOLOGIA COM SIMILAR LANÇADO NO MERCADO -Preço de venda de tecnologias ( produtos ) semelhantes. -Estimar a demanda com as tendências do mercado prospecção. DIFICULDADES : - Difícil de aplicar para novas tecnologias. -Poucas transações com tecnologia similar. -Dados financeiros geralmente não disponíveis. Lourença F. Silva

19 3- FCD FLUXO DE CAIXA DESCONTADO. VALOR PRESENTE DOS BENEFÍCIOS ECONÔMICOS FUTUROS- - Receita esperada. Somatório do fluxo de caixa ao longo de um determinado tempo, descontado uma taxa (% )- riscos. APESAR DE SER O MAIS USADO o FCD TEM DESVANTAGENS: Não leva em consideração as oportunidades e opções de negócio ao longo do tempo. Lourença F. Silva

20 3- FCD FLUXO DE CAIXA DESCONTADO. Taxa de desconto = riscos VPL = FC - Io (1 + r)n VPL Valor Presente Líquido Io Investimento inicial FC Fluxo de caixa (livre de tributos e do custo de produção) r taxa de desconto apropriada (proporcional ao risco) n tempo VPL > 0 vale apena investir. Lourença F. Silva

21 4- OPÇÕES REAIS OR Atualmente usado para avaliação empresas e usado para avaliar tecnologias. Permite avaliar o valor das flexibilidades gerenciais. o melhor momento para exercer as Opções Reais e testar diferentes modalidades de negócio com diferentes opções de crescimento. Lógica do mercado financeiro - caso tenha uma opção não há obrigatoriedade de usufruir desta somente o faz apenas quando o resultado for favorável. Análise que se aproxima mais das condições reais do negócio - muitas variáveis portanto mais complexa. Lourença F. Silva

22 4- OPÇÕES REAIS - cont -Emprega ferramentas matemáticas mais sofisticadas. Ex: como simulações de Monte Carlo ( cenários), os modelos binomiais, as árvores quidrinomiais ou equações diferenciais parciais. Fórmula: Valor OR = Valor FCD + Valor flex Valor da OR é o valor da tecnologia pelo FCD mais o valor da flexibilidade gerencial opções reais. -Baseado em árvore de eventos do ativo/objeto (tecnologia) pode assumir ao longo do tempo. Árvore de decisão. Lourença F. Silva

23 VALORAÇÃO DA TECNOLOGIA TODOS OS MÉTODOS NECESSITAM DE DADOS ESTRATÉGICOS DAS EMPRESAS: -Investimentos realizados (o quanto gastou ou irá gastar -centros de custos). -Taxa de retorno, - lucros, -Capacidade de produção -Colocação no mercado, etc. -PARA AS ICTs tais informações são difíceis de se obter! -Ex: Quanto custa o desenvolvimento de uma criação intelectual? Lourença F. Silva

24 RISCOS TECNOLÓGICOS SEMPRE DEVEM SER LEVADOS EM CONSIDERAÇÃO. falha na estágio de laboratório para fabricação em escala engenharia de produto. falha no custo efetivo de fabricação investimentos em linha de produção. tecnologia nova com forte potencial de competição. efeitos não desejados ( remédios). Lourença F. Silva

25 Efetividade dos Investimentos em novos produtos Unsuccessful 46% 30 Development Successful 54% Commercialization Exploration & Screening Business Analysis 18,5 Testing (10) 4 (11) 15% 2 (3) 5% (18.5) (6) (7) 17% 25% (20) 37% (30) Successful Projects Unsuccessful (canceled; commercial failures) Based on the NewProd Studies* Lourença of almost F. Silva new product launches in 400+ firms 25 *Studies conducted by Robert G. Cooper

26 ANÁLISE PRELIMINAR DOS RISCOS Falha no valor de mercado atratividade dos parceiros e investidores. Falha na estimativa de mercado. Falha no mapeamento do ciclo de vida da tecnologia. Falha para completar o desenvolvimento. Falha no estabelecimento de metas. Insuficiência de Recursos. Falha na determinação dos padrões de qualidade requeridos. Falha no atendimento a requisitos legais, normas técnicas. Falha no tempo de colocação no mercado. Lourença F. Silva

27 RECOMENDAÇÕES AOS NITs - Lourença F. Silva

28 VALORAÇÃO DA TECNOLOGIA TODOS OS MÉTODOS NECESSITAM DE DADOS ESTRATÉGICOS DAS EMPRESAS: -Investimentos realizados (o quanto gastou ou irá gastar -centros de custos). Taxa de retorno, - lucros, -Capacidade de produção -Colocação no mercado, etc. -Ex: Quanto custa o desenvolvimento de uma criação intelectual? -Comercialização de Tecnologia não é o negócio da ICT! Lourença F. Silva

29 IMPORTÂNCIA DA AVALIAÇÃO DA TECNOLOGIA -Principal subsídio para comercialização da tecnologia instrumento de definição para estratégia de negociação. -Avalia os riscos de investimentos. - Auxilia na priorização das ações de P&D e de comercialização.- -quais os projetos que devem ser priorizados e - quais tecnologias devem ser comercializadas primeiro. -Fundamental para a transferência de tecnologia. Lourença F. Silva

30 DESAFIOS DOS NITs: CAPACITAÇÃO E COMPETÊNCIA PARA MAPEAR A TECNOLOGIA Mecanismo de identificação da oportunidade de transferência de tecnologia. Habilidades da equipe (pessoas) em planejar o ciclo de vida da tecnologia e mapeamento do mercado. Avaliação da tecnologia. Estrutura financeira. Visão comercial. Recrutamento e gerenciamento de pessoas. Negociação, vendas, preço e marketing. Gerenciamento e Auditagem. - PREPARAR O NIT PARA A NEGOCIAÇÃO! Lourença F. Silva

31 É PRECISO TER FEELING E SUBSIDIOS PARA : Verificar se do ponto de vista da técnica atual, se a tecnologia atende o mercado, é capaz de dar retorno para aqueles que a produzem, de maneira satisfatória. Se o custo de implantação de uma nova tecnologia é muito elevado, mesmo havendo claras vantagens para o cliente ou usuário final dessa melhoria, Se a tecnologia encontrará dificuldade para entrar no mercado, porque exigirá a mudança de toda a forma (linha) de produção, levando a uma ruptura entre o estado da técnica e a nova tecnologia. Lourença F. Silva

32 BIBLIOGRAFIA RECOMENDADA 1- Commercializing New T echnologies getting from mind to market Vijay K Jolly Harvard Business School Press Gestão da Inovação a economia da tecnologia no Brasil Paulo Tigre Editora Campus Innovation Economics & Evolution theorical perspectives on changing technology in economics systems Peter Hall Harvester Wheatsheaf Valuation of Technology Using Real Options. F. Peter Boer 5- Teoria das Opções Reais: Aplicação em Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) - Santos, E & e Pamplona, Métodos de Valoração de Tecnologias Daniel T. Elói Santos e Leonardo P. Santiago Lourença F. Silva

33 BIBLIOGRAFIA RECOMENDADA 7- Opções Reais Existentes em Empreendimentos de Tecnologia- Mariana dos reis Paixão e Andrea Maria Accioly Fonseca Minardi 2008, 8- Avaliação de Ativos Intangíveis- Algumas Técnicas para Valorar Tecnologia Antônio Luiz Vianna de Souza e Sandro Paes Barreto Valoração de Ativos Intangíveis: seu papel na transferência de tecnologias e na promoção da inovação tecnológica Rodrigo de Oliveira e Souza- tese de mestrado UFRJ Lourença F. Silva

34 OBRIGADA! Lourença F. Silva

GESTÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE TECNOLOGIA INPI/DIRTEC/CGTEC

GESTÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE TECNOLOGIA INPI/DIRTEC/CGTEC GESTÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE TECNOLOGIA INPI/DIRTEC/CGTEC 1 INTRODUÇÃO APRESENTAÇÃO Contexto do módulo Gestão e Comercialização de Tecnologia Serviços de apoio da DIRTEC/CGTEC Perspectivas de análise da

Leia mais

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS II Seminário de Propriedade Intelectual e Empreendedorismo Tecnológico e IV Workshop de Propriedade Intelectual e Inovação Tecnológica ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS Engª LOURENÇA F. SILVA

Leia mais

Propriedade Intelectual em Incubadoras e Parques Tecnológicos

Propriedade Intelectual em Incubadoras e Parques Tecnológicos II Workshop de Propriedade Intelectual ANPROTEC Propriedade Intelectual em Incubadoras e Parques Tecnológicos Ricardo Amaral Remer Rio de Janeiro, Julho de 2004 Capitalizar as Inovações: Um desafio à cultura

Leia mais

PRIS Apresentação Institucional. Alfenas, Novembro de 2011

PRIS Apresentação Institucional. Alfenas, Novembro de 2011 PRIS Apresentação Institucional Alfenas, Novembro de 2011 Agenda A Empresa Valoração de Tecnologias Oportunidades com a RMPI Contato A PRIS consegue levar ao mercado conhecimentos inovadores desenvolvidos

Leia mais

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS OFICINA DE PROJETOS ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS LOURENÇA F. SILVA Cascavel-PR 23 de agosto -2010 1 SUMÁRIO A- ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS B- GERENCIAMENTO DE PROJETOS

Leia mais

Parceria ANPEI e REDETEC

Parceria ANPEI e REDETEC Parceria ANPEI e REDETEC Mecanismos de Apoio para Obtenção de Financiamento para o Desenvolvimento da Propriedade Intelectual no Brasil: Recursos para Inovação Apresentação na REPICT 2013. A Origem do

Leia mais

ENCONTRO RMPI e FIEMG DE INOVAÇÃO Belo Horizonte, 4 de novembro de 2013

ENCONTRO RMPI e FIEMG DE INOVAÇÃO Belo Horizonte, 4 de novembro de 2013 ENCONTRO RMPI e FIEMG DE INOVAÇÃO Belo Horizonte, 4 de novembro de 2013 Agilidade Relacionamento O panorama da inovação no Brasil e no mundo Relações entre das Instituições de Ciência e Tecnologia (ICTs)

Leia mais

2.1 - Proponente. Grupo Econômico CNAE principal Faturamento / Rec. Oper. Bruta de 2014. Endereço Telefone Geral Endereço Eletrônico Institucional

2.1 - Proponente. Grupo Econômico CNAE principal Faturamento / Rec. Oper. Bruta de 2014. Endereço Telefone Geral Endereço Eletrônico Institucional SUMÁRIO EXECUTIVO Linha Temática PN solicita Recursos Não - Reembolsáveis 1 1 - Título do Plano de Negócio 2 - Cadastramento: 2.1 - Proponente Razão Social CNPJ Grupo Econômico CNAE principal Faturamento

Leia mais

Tecnologia e Inovação

Tecnologia e Inovação Painel 1 Tecnologia e Inovação Tadeu Pissinati Sant Anna Rio de Janeiro, 24 de agosto de 2010 Sumário I. Conceitos de Tecnologia e Inovação II. A inovação tecnológica no Brasil I. Conceitos 1) Tecnologia

Leia mais

VII Encontro de Propriedade Intelectual e Comercialização de Tecnologia. Angela Uller

VII Encontro de Propriedade Intelectual e Comercialização de Tecnologia. Angela Uller VII Encontro de Propriedade Intelectual e Comercialização de Tecnologia Angela Uller P&D Invenção Saber C&T Descoberta Conhecimento Um dos maiores problemas para se tratar da Inovação, seja para o estabelecimento

Leia mais

1. INTRODUÇÃO... 3 2. AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 3. 2.1. Objetivos... 3. 2.2. Escopo... 4 3. VALORAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 5. 3.1. Objetivo...

1. INTRODUÇÃO... 3 2. AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 3. 2.1. Objetivos... 3. 2.2. Escopo... 4 3. VALORAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 5. 3.1. Objetivo... 1 ÍNDICE ANALÍTICO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 3 2.1. Objetivos... 3 2.2. Escopo... 4 3. VALORAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 5 3.1. Objetivo... 5 3.1.1. Negociação para comercialização e

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ESTEVÃO FREIRE estevao@eq.ufrj.br DEPARTAMENTO DE PROCESSOS ORGÂNICOS ESCOLA DE QUÍMICA - UFRJ Tópicos: Ciência, tecnologia e inovação; Transferência de tecnologia; Sistemas

Leia mais

Avaliação de Investimentos em Tecnologia da Informação - TI

Avaliação de Investimentos em Tecnologia da Informação - TI Avaliação de Investimentos em Tecnologia da Informação - TI Ubiratam de Nazareth Costa Pereira (UNIFEI) upereira@sp.senac.br João Batista Turrioni (UNIFEI) turrioni@unifei.edu.br Edson de Oliveira Pamplona

Leia mais

Inovação e Empreendedorismo A experiência da Inova Unicamp

Inovação e Empreendedorismo A experiência da Inova Unicamp Inovação e Empreendedorismo A experiência da Inova Unicamp Bastiaan Philip Reydon Inova Unicamp Seminário: Pesquisa e Inovação para melhores condições de trabalho e emprego 18 de Outubro de 2012, Brasilia

Leia mais

CONCEITOS DE INOVAÇÃO. Título da Apresentação

CONCEITOS DE INOVAÇÃO. Título da Apresentação CONCEITOS DE INOVAÇÃO Título da Apresentação Novo Marco Legal para Fomento à P,D&I Lei de Inovação. Nº 10.973 (02.12.04) Apresenta um conjunto de medidas de incentivos à inovação científica e tecnológica,

Leia mais

Avaliação de Intangíveis. Avaliação de intangíveis Osório Gatto Seminário de avaliações IBAPE

Avaliação de Intangíveis. Avaliação de intangíveis Osório Gatto Seminário de avaliações IBAPE Avaliação de Intangíveis Avaliação de intangíveis Osório Gatto Seminário de avaliações IBAPE Brasília 2014 Conceitos básicos em Combinação de negócios (CPC 15 / IFRS 13) A definição de ativo intangível

Leia mais

Da Ciência ao Mercado: Melhores práticas no processo de transferência de tecnologia para geração de inovação. 18 de agosto de 09

Da Ciência ao Mercado: Melhores práticas no processo de transferência de tecnologia para geração de inovação. 18 de agosto de 09 Da Ciência ao Mercado: Melhores práticas no processo de transferência de tecnologia para geração de inovação 18 de agosto de 09 Quem Somos O Grande Vale O Instituto Inovação surgiu com o objetivo de promover

Leia mais

Políticas de Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia: modelos institucionais da Fiocruz

Políticas de Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia: modelos institucionais da Fiocruz Políticas de Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia: modelos institucionais da Fiocruz Seminário: Um decênio de história na gestão de propriedade intelectual e transferência de tecnologia

Leia mais

Workshop de Valoração de Tecnologias e Startups Parte I - Introdução. Belo Horizonte, 10 de Setembro de 2009

Workshop de Valoração de Tecnologias e Startups Parte I - Introdução. Belo Horizonte, 10 de Setembro de 2009 Workshop de Valoração de Tecnologias e Startups Parte I - Introdução Belo Horizonte, 10 de Setembro de 2009 Daniel Teixeira Eloi Santos Qualificações Gerais Graduação (2005) e Mestrado (2009) em Engenharia

Leia mais

Guia de incentivos fiscais à inovação tecnológica

Guia de incentivos fiscais à inovação tecnológica recursos para inovação Centro de Conhecimento recursos para inovação Guia de incentivos fiscais à inovação tecnológica Lei 11.196/05 (Lei do Bem) Estratégia Incentivos Fiscais e Recursos Educação e Cultura

Leia mais

Gestão de Propriedade Intelectual aplicada ao Desenvolvimento de Inovações e Aceleração de Empresas de Base Tecnológica

Gestão de Propriedade Intelectual aplicada ao Desenvolvimento de Inovações e Aceleração de Empresas de Base Tecnológica Gestão de Propriedade Intelectual aplicada ao Desenvolvimento de Inovações e Aceleração de Empresas de Base Tecnológica Resumo As experiências vivenciadas pela equipe da Accelera IP evidenciam a dificuldade

Leia mais

Da ideia ao mercado Um caminho de percalços

Da ideia ao mercado Um caminho de percalços Da ideia ao mercado Um caminho de percalços CONTEXTO REGULATÓRIO % da ROL a ser investido em P&D Investimento Recolhimento SEGMENTO P&D Light FNDCT MME Light SESA 0,2% 0,2% 0,1% Light Energia 0,4% 0,4%

Leia mais

Introdução as Opções Reais

Introdução as Opções Reais Introdução as Opções Reais Capitulo 1 - Uma nova visão de investimento A economia define investimento como ato de incorrer em custo imediato na expectativa de recompensas futuras. Firmas que constroem

Leia mais

REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Capítulo 12 REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 12.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS De que forma o desenvolvimento de um novo sistema poderia mudar a maneira de uma organização trabalhar?

Leia mais

5ª EDIÇÃO. Agenda. 08 de Outubro 2015. Hotel Green Place Flat São Paulo, SP. Realização: www.corpbusiness.com.br

5ª EDIÇÃO. Agenda. 08 de Outubro 2015. Hotel Green Place Flat São Paulo, SP. Realização: www.corpbusiness.com.br Agenda 5ª EDIÇÃO 08 de Outubro 2015 Hotel Green Place Flat São Paulo, SP Realização: www.corpbusiness.com.br Patrocínio Gold Patrocínio Bronze Apoio Realização: APRESENTAÇÃO COMO ESTABELECER UM PROGRAMA

Leia mais

Modelo de Plano de Negócios

Modelo de Plano de Negócios EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA CONJUNTA ANEEL / BNDES / FINEP DE APOIO À INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NO SETOR ELÉTRICO INOVA ENERGIA 01/2013 Modelo de Plano de Negócios Junho - 2013-1 - Introdução Este documento tem

Leia mais

CAPÍTULO II DO ESTÍMULO À CONSTRUÇÃO DE AMBIENTES ESPECIALIZADOS E COOPERATIVOS DE INOVAÇÃO

CAPÍTULO II DO ESTÍMULO À CONSTRUÇÃO DE AMBIENTES ESPECIALIZADOS E COOPERATIVOS DE INOVAÇÃO LEI Nº 3095, de 17 de Novembro de 2006 DISPÕE sobre incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo no âmbito do Estado do Amazonas, e dá outras providências O GOVERNADOR

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX

POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX Março de 2009 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...4 1.1 Objetivos...4 1.2 Público alvo deste documento...4 2 GLOSSÁRIO...5 3 POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX...7 3.1 Em relação aos ambientes

Leia mais

Modelo de Plano de Negócios

Modelo de Plano de Negócios EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA CONJUNTA BNDES/FINEP/MS DE APOIO À INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NO SETOR DE EQUIPAMENTOS MÉDICOS E TECNOLOGIAS PARA A SAÚDE INOVA SAÚDE EQUIPAMENTOS MÉDICOS - 02/2013 Modelo de Plano

Leia mais

Avaliação e Mensuração no contexto de Private Equity e Venture Capital

Avaliação e Mensuração no contexto de Private Equity e Venture Capital ATIVOS INTANGÍVEIS Avaliação e Mensuração no contexto de Private Equity e Venture Capital Leonardo L. Ribeiro Luis Fernando Tironi XIII REPICT Set/2010 Esta apresentação é um sumário executivo do Texto

Leia mais

INOVAÇÃO SE FAZ COM APOIO:

INOVAÇÃO SE FAZ COM APOIO: WORKSHOP Oportunidades para empresas do setor ambiental INOVAÇÃO SE FAZ COM APOIO: Empresas Tecnológicas e os NITs Rodrigo Gava rgava@ufv.br propriedadeintelectual@ufv.br coordenacao@redemineirapi.com

Leia mais

Transferência de conhecimento, instituições e tradução: experiências recentes no Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia - Inmetro

Transferência de conhecimento, instituições e tradução: experiências recentes no Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia - Inmetro Transferência de conhecimento, instituições e tradução: experiências recentes no Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia - Inmetro André Tortato Rauen, Dr. Pesquisador Tecnologista Objetivo:

Leia mais

PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO

PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO 1 Paulo Bastos Tigre Professor titular Instituto de Economia da UFRJ Seminário Implementando uma cultura de inovação em P&D. São Paulo, 8 julho 2010 PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO Conceitos de inovação

Leia mais

CONQUISTANDO A EXCELÊNCIA

CONQUISTANDO A EXCELÊNCIA O FRANCHISE COLLEGE é um centro de referência em educação e geração de conhecimento em franchising. Valorizamos a pesquisa fundamentada em soluções reais que contribuam para o aprimoramento do franchising

Leia mais

Stage-Gate, aumente as chances de sucesso de seus produtos

Stage-Gate, aumente as chances de sucesso de seus produtos Stage-Gate, aumente as chances de sucesso de seus produtos A importância da aplicação de um processo de desenvolvimento de produtos André L. C. Silveira, PMP Não importa o segmento em que sua empresa atue,

Leia mais

Sessão Técnica C 3 : Monitoramento, Prospecção Tecnológica e Inteligência Competitiva de Medicamentos

Sessão Técnica C 3 : Monitoramento, Prospecção Tecnológica e Inteligência Competitiva de Medicamentos Sessão Técnica C 3 : Monitoramento, Prospecção Tecnológica e Inteligência Competitiva de Medicamentos Aspectos sobre inteligência tecnológica no desenvolvimento de medicamentos 16 de setembro de 2009 Estratégias

Leia mais

O entendimento e os benefícios de aplicação da Lei Federal de Inovação Tecnol. Florianópolis

O entendimento e os benefícios de aplicação da Lei Federal de Inovação Tecnol. Florianópolis O entendimento e os benefícios de aplicação da Lei Federal de Inovação Tecnol ológica Florianópolis polis,, 02 de abril de 2008. 1 CRONOLOGIA OS TRABALHOS: 1. Indicativos do quadro brasileiro de inovação;

Leia mais

Dr. Hilton Oliveira dos Santos Filho, PhD

Dr. Hilton Oliveira dos Santos Filho, PhD Dr. Hilton Oliveira dos Santos Filho, PhD Gestão integrada de portfólio através de estratégias inovadoras Panorama Geral Gestão de portfólio como forma de enfrentar a competitividade PI&D como instrumento

Leia mais

Classificação dos Sistemas de Informação

Classificação dos Sistemas de Informação Sistemas de Informação Classificação dos Sistemas de Informação O que veremos? Estaremos examinando o tipo de sistema de informação Gerencial. Veremos também, outras classificações dos sistemas de informação.

Leia mais

Proteção de Ativos Intangíveis num ambiente de Inovação Aberta. Bruno Rondani

Proteção de Ativos Intangíveis num ambiente de Inovação Aberta. Bruno Rondani Proteção de Ativos Intangíveis num ambiente de Inovação Aberta Bruno Rondani Junho 2013 Bruno Rondani Fundador da Allagi Open Innovation Services Fundador do Wenovate Conselheiro: FIESPe EMS Professor

Leia mais

As informações contidas neste documento são de propriedade da EMBRAER e não deverão ser utilizadas ou reproduzidas, exceto com autorização desta.

As informações contidas neste documento são de propriedade da EMBRAER e não deverão ser utilizadas ou reproduzidas, exceto com autorização desta. As informações contidas neste documento são de propriedade da EMBRAER e não deverão ser utilizadas ou reproduzidas, exceto com autorização desta. This information is EMBRAER property and cannot be used

Leia mais

BIOTECNOLOGIA: A CORRIDA PELA INOVAÇÃO

BIOTECNOLOGIA: A CORRIDA PELA INOVAÇÃO BIOTECNOLOGIA: A CORRIDA PELA INOVAÇÃO Parte 2 Periódico: Inteligência Empresarial (UFRJ), 20, p. 13-18, 2004. Autor: CARVALHO, Rodrigo S. (Hélice Consultoria) E-mail: rcarvalho@heliceconsultoria.com.br

Leia mais

GESTÃO DE DESIGN PARA O DESENVOLVIMENTO DE NOVOS PRODUTOS

GESTÃO DE DESIGN PARA O DESENVOLVIMENTO DE NOVOS PRODUTOS GESTÃO DE DESIGN PARA O DESENVOLVIMENTO DE NOVOS PRODUTOS Diogo de Hercule Analista de Negócios em Design SENAI Edson Augusto Lopes Analista de Negócios - SENAI Atualmente, as indústrias de móveis e estofados

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro Anexo 3 PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro 1. Capa 2. Sumário 3. Sumário executivo 4. Descrição da empresa 5. Planejamento Estratégico do negócio 6. Produtos e Serviços 7. Análise de Mercado 8. Plano de Marketing

Leia mais

eletrônica: Parceria Inmetro com o desenvolvimento

eletrônica: Parceria Inmetro com o desenvolvimento Novos padrões para a medição eletrônica: Parceria Inmetro com o desenvolvimento Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial Inmetro Ditec Cgint - Incubadora Samuel Valle - Eng.º

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA CAPÍTULO I DA FINALIDADE E DOS OBJETIVOS Art. 1 - O presente regulamento tem por finalidade regulamentar as atividades do Núcleo de Inovação Tecnológica (NIT)

Leia mais

POLITICA DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

POLITICA DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ POLITICA DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ O REITOR da Universidade Estadual do Ceará, no uso das atribuições que lhe são conferidas, Resolve, Regulamentar a atribuição de direitos

Leia mais

UNICAMP Fórum de Inovação. Natura Campus Inovação aberta. Sonia Tuccori. Gestão de Parcerias & Inovação Tecnológica

UNICAMP Fórum de Inovação. Natura Campus Inovação aberta. Sonia Tuccori. Gestão de Parcerias & Inovação Tecnológica UNICAMP Fórum de Inovação Natura Campus Inovação aberta Sonia Tuccori Gestão de Parcerias & Inovação Tecnológica agenda Natura história e estratégia de negócios Inovação em produtos e estratégia tecnológica

Leia mais

MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu

MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu Coordenação Acadêmica: Prof. José Carlos Abreu, Dr. 1 OBJETIVO: Objetivos Gerais: Atualizar e aprofundar

Leia mais

Prêmio Nacional P. Inovação. Caderno de Avaliação. Categoria. Inovação Tecnológica

Prêmio Nacional P. Inovação. Caderno de Avaliação. Categoria. Inovação Tecnológica Prêmio Nacional de Inovação P 0 Caderno de Avaliação Categoria Projeto: Inovação Tecnológica Inovação MPE Solução: Esta dimensão avalia as características qualitativas do solução proposta o entendimento

Leia mais

Inovação aberta na Engenharia de Powertrain da FIAT

Inovação aberta na Engenharia de Powertrain da FIAT Inovação aberta na Engenharia de Powertrain da FIAT Saulo Soares saulo.soares@fiat.com.br Instituto Tecnológico de Aeronáutica ITA Centro de Competência em Manufatura CCM Fiat Chrysler VIII WORKSHOP DE

Leia mais

As oportunidades e ameaças da Lei de Inovação para Institutos de Pesquisa

As oportunidades e ameaças da Lei de Inovação para Institutos de Pesquisa As oportunidades e ameaças da Lei de Inovação para Institutos de Pesquisa Marcelo Nakagawa Coordenador - PROTEU Programa de Treinamento para Capacitar Gestores da Cooperação Empresa - Universidade & Institutos

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

PARCERIA COM FAPESP PARA CRIAÇÃO DO CAT-CEPID

PARCERIA COM FAPESP PARA CRIAÇÃO DO CAT-CEPID O QUE É O COINFAR? É uma ação coordenada entre as empresas Biolab Sanus, Biosintética (Aché) e União Química para investimentos em projetos tecnológicos, principalmente aqueles derivados das universidades

Leia mais

VII ENCAD - Seminário de Relações Trabalhistas

VII ENCAD - Seminário de Relações Trabalhistas VII ENCAD - Seminário de Relações Trabalhistas Painel Organizações e Inteligência competitiva: a ampliação de oportunidades no cenário global Tema "Inteligência competitiva: sua contribuição para a prospecção

Leia mais

REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1 OBJETIVOS 1. De que forma o desenvolvimento de um novo sistema poderia mudar a maneira de uma organização trabalhar? 2. Como uma empresa pode certificar-se

Leia mais

PROGRAMA DE PROTEÇÃO DE PI

PROGRAMA DE PROTEÇÃO DE PI GUIA PARA MELHORAR O SEU Principais Práticas para a Proteção de PI PROGRAMA DE PROTEÇÃO DE PI 2013 Centro para Empreendimento e Comércio Responsáveis TABELA DE CONTEÚDO CAPÍTULO 1: Introdução à Proteção

Leia mais

Critérios para Seleção e Avaliação de Investimentos Versão 1.0

Critérios para Seleção e Avaliação de Investimentos Versão 1.0 Material preparado para uso interno, não pode ser usado sem o consentimento por escrito da CODEMIG. Critérios para Seleção e Avaliação de Investimentos Versão 1.0 Roteiro Estratégia de Investimento Políticas

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP

Pós-Graduação Lato Sensu Especialização em Gestão por Processos SAP Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP Inscrições Abertas: Início das aulas: 24/08/2015 Término das aulas: Agosto de 2016 Dias e horários das aulas: Segunda-Feira 18h30 às

Leia mais

Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP

Pós-Graduação Lato Sensu Especialização em Gestão por Processos SAP Pós-Graduação "Lato Sensu" Especialização em Gestão por Processos SAP Inscrições Abertas: Início das aulas: 25/05/2015 Término das aulas: Maio de 2016 Dias e horários das aulas: Segunda-Feira 18h30 às

Leia mais

OS NÚCLEOS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E A PÓS- GRADUAÇÃO DO NORDESTE

OS NÚCLEOS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E A PÓS- GRADUAÇÃO DO NORDESTE OS NÚCLEOS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E A PÓS- GRADUAÇÃO DO NORDESTE Maria Rita de Morais Chaves Santos (UFPI) Coordenação Regional FORTEC NE Coordenação NIT UFPI REDE NIT - NE Mrita/ufpi/2008 PERFIL Maria

Leia mais

Orientações para elaboração do Plano de Negócios

Orientações para elaboração do Plano de Negócios Equipamentos Médicos e Tecnologias para a Saúde Orientações para elaboração do Plano de Negócios São Paulo, 19 de agosto de 2013 Agenda Introdução Resultados das Cartas de Manifestação de Interesse Plano

Leia mais

Curso de Estruturação de NITs. Procedimentos. Marli Elizabeth Ritter dos Santos Coordenadora do ETT/PUCRS ENDEREÇO E-MAIL TELEFONE

Curso de Estruturação de NITs. Procedimentos. Marli Elizabeth Ritter dos Santos Coordenadora do ETT/PUCRS ENDEREÇO E-MAIL TELEFONE Curso de Estruturação de NITs Procedimentos Marli Elizabeth Ritter dos Santos Coordenadora do ETT/PUCRS Fortaleza, 29 a 31 de agosto de 2007 Ferramentas Manuais para disseminar junto à comunidade universitária

Leia mais

Proteção do Conhecimento da Embrapa Milho e Sorgo por meio da Propriedade Intelectual

Proteção do Conhecimento da Embrapa Milho e Sorgo por meio da Propriedade Intelectual O que é a Propriedade Intelectual A Propriedade Intelectual é o mecanismo que visa proteger a propriedade sobre o conhecimento, fruto da inteligência e do talento humano. Divide-se tradicionalmente em

Leia mais

Processos de Inovação e Desenvolvimento de Novos Produtos. Daniel F. Arcoverde

Processos de Inovação e Desenvolvimento de Novos Produtos. Daniel F. Arcoverde Processos de Inovação e Desenvolvimento de Novos Produtos Daniel F. Arcoverde Agenda Definição de inovação Motivação Processos de Desenvolvimento de Novos Produtos (NPD) Classes de Modelos de NPD Problemas

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO GESTÃO ESTRATÉGICA NO APL

ESTUDO DIRIGIDO GESTÃO ESTRATÉGICA NO APL Curso de Capacitação de Agentes Gestores em APLs ESTUDO DIRIGIDO GESTÃO ESTRATÉGICA NO APL Prof. Gustavo Martins Porto Alegre, abril 2012 Estudo Dirigido Estratégia Competitiva A partir dos conceitos e

Leia mais

Desenvolvimento de ferramentas de suporte à transferência de tecnologia e inovação: Estruturação das Práticas de Gestão da Agência UFRJ.

Desenvolvimento de ferramentas de suporte à transferência de tecnologia e inovação: Estruturação das Práticas de Gestão da Agência UFRJ. Desenvolvimento de ferramentas de suporte à transferência de tecnologia e inovação: Estruturação das Práticas de Gestão da Agência UFRJ. a) Identificação da Proposta 1. Inovação para o bem estar da sociedade

Leia mais

Inovação nas pequenas, médias e grandes empresas: vantagens e desvantagens

Inovação nas pequenas, médias e grandes empresas: vantagens e desvantagens Inovação nas pequenas, médias e grandes empresas: vantagens e desvantagens Armando Paulo da Silva (CEFET-PR/CP) armando@cp.cefetpr.br Eurico Pedroso de Almeida Júnior (CEFET-PR/CP) eurico@cp.cefetpr.br

Leia mais

Quanto vale FINANÇAS. Miguel A. Eiranova é diretor da área de corporate finance da Price Waterhouse, firma que integra a PricewaterhouseCoopers.

Quanto vale FINANÇAS. Miguel A. Eiranova é diretor da área de corporate finance da Price Waterhouse, firma que integra a PricewaterhouseCoopers. Quanto vale O preço de uma empresa, referência fundamental nas negociações de qualquer tentativa de fusão ou aquisição, nunca é aleatório. Ao contrário, sua determinação exige a combinação da análise estratégica

Leia mais

Principais Modelos de Negócios entre Startups e Grandes Empresas

Principais Modelos de Negócios entre Startups e Grandes Empresas Conexão entre Startups e Grandes Empresas Principais Modelos de Negócios entre Startups e Grandes Empresas Setembro 2015 NOSSA FIRMA ATUAMOS EM TRÊS ÁREAS Entregamos tudo o que uma empresa precisa para

Leia mais

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br POR QUE ESCREVEMOS ESTE E-BOOK? Nosso objetivo com este e-book é mostrar como a Gestão de Processos

Leia mais

3. Qual dos seguintes sectores será o seu alvo de negócio, se houver?

3. Qual dos seguintes sectores será o seu alvo de negócio, se houver? 1. Informações Geral Primeiro Nome: Ultimo Nome: Email: N. Telefone: Género: Idade: Nacionalidade: Local de Nascimento: Nome da Companhia: Website da Companhia: 2. Pré-selecção O seu negocio no sector

Leia mais

Laudon & Laudon MIS, 7th Edition. Pg. 1.1

Laudon & Laudon MIS, 7th Edition. Pg. 1.1 Laudon & Laudon MIS, 7th Edition. Pg. 1.1 12 OBJETIVOS OBJETIVOS REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 12.1 De que forma o desenvolvimento de um novo sistema poderia mudar a maneira de uma

Leia mais

Fundo Criatec Setembro de 2012

Fundo Criatec Setembro de 2012 Fundo Criatec Setembro de 2012 O Grande Vale Onde precisamos melhorar Existe espaço para trabalhos na relação conhecimento/mercado, gerando oportunidades de negócios. Availability of capital Core activities

Leia mais

Conceito de Plano de Negócios

Conceito de Plano de Negócios Conceito de Plano de Negócios O Plano de Negócio é um documento escrito e organizado que permite ao empreendedor analisar a viabilidade do seu projeto. 4 Conceito de Plano de Negócios Descreve o modelo

Leia mais

Tecnologias e Sistemas de Informação

Tecnologias e Sistemas de Informação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 02 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

INFORMAÇÕES DO FORMULÁRIO ON-LINE

INFORMAÇÕES DO FORMULÁRIO ON-LINE Núcleo de Inovação Tecnológica REPITTec INFORMAÇÕES DO FORMULÁRIO ON-LINE Pedido Nº 5272/2005 1. INSTITUIÇÃO PROPONENTE DE VINCULO DO COORDENADOR DA PROPOSTA Instituição: UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA

Leia mais

Modelo de Plano de Negócios

Modelo de Plano de Negócios EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA CONJUNTA BNDES/FINEP DE APOIO À INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NO SETOR DE AGRONEGÓCIO INOVA AGRO INOVA AGRO 2013 Modelo de Plano de Negócios Outubro de 2013 1 Introdução Este documento

Leia mais

Plano de Ação e Programa de Formação de Recursos Humanos para PD&I

Plano de Ação e Programa de Formação de Recursos Humanos para PD&I Plano de Ação e Programa de Formação de Recursos Humanos para PD&I 1. Plano de Ação A seguir apresenta-se uma estrutura geral de Plano de Ação a ser adotado pelo Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

GRUPO XV GRUPO DE ESTUDO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA, PESQUISA E DESENVOLVIMENTO - GPD

GRUPO XV GRUPO DE ESTUDO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA, PESQUISA E DESENVOLVIMENTO - GPD SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GPD - 06 16 a 21 Outubro de 2005 Curitiba - Paraná GRUPO XV GRUPO DE ESTUDO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA, PESQUISA E DESENVOLVIMENTO -

Leia mais

Empreendedorismo inovador O caminho do sucesso

Empreendedorismo inovador O caminho do sucesso Empreendedorismo inovador O caminho do sucesso Agende Guarulhos, 1 de Dezembro Michel Brunet INOVA TOOLS O Plano ❶O O modelo da fileira da Inovação 5 min ❷Os atores da fileira da Inovação 15 min ❸ A criação

Leia mais

MÓDULO IX - CUSTOS. A gestão de custos como ferramenta de apoio a tomada de decisão

MÓDULO IX - CUSTOS. A gestão de custos como ferramenta de apoio a tomada de decisão MÓDULO IX - CUSTOS A gestão de custos como ferramenta de apoio a tomada de decisão 1 Conteúdo Objetivo do custeio Conceito de valor Gestão de Custos versus Gestão Estratégica Componentes básicos de custos

Leia mais

O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques

O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques Seguindo a estrutura proposta em Dornelas (2005), apresentada a seguir, podemos montar um plano de negócios de forma eficaz. É importante frisar

Leia mais

A Contribuição da Informação Tecnológica de Patentes para a Plataforma itec

A Contribuição da Informação Tecnológica de Patentes para a Plataforma itec Atribuição-Sem Derivações-Sem Derivados CC BY-NC-ND A Contribuição da Informação Tecnológica de Patentes para a Plataforma itec Encontro de Negócios em Inovação e Tecnologia itec 2015 São Paulo, SP 28

Leia mais

Título da Apresentação

Título da Apresentação Título da Apresentação FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil 1º Workshop Platec E&P Onshore Sondeas de Perfuração Onshore Equipamentos

Leia mais

Gestão da Inovação SEMINÁRIO Strategic Management of Technology and Innovation Maidique, Burguelman e Wheelwright

Gestão da Inovação SEMINÁRIO Strategic Management of Technology and Innovation Maidique, Burguelman e Wheelwright Gestão da Inovação SEMINÁRIO Strategic Management of Technology and Innovation Maidique, Burguelman e Wheelwright Ambiente Organizacional voltado a inovação As 6 chaves para o Sucesso Foco Flexibilidade

Leia mais

Quanto mais o Conhecimento é Dividido... Mais o Conhecimento é Multiplicado!

Quanto mais o Conhecimento é Dividido... Mais o Conhecimento é Multiplicado! Quanto mais o Conhecimento é Dividido... Mais o Conhecimento é Multiplicado! 1 Inovação: o Imperativo para Competitividade com Sustentabilidade Filipe Cassapo, Sistema FIEP Federação das Industrias do

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSU 018/2014

RESOLUÇÃO CONSU 018/2014 RESOLUÇÃO CONSU 018/2014 Estabelece as diretrizes da Política Institucional de Propriedade Intelectual, Transferência de Tecnologia e Inovação da UEFS e dá outras providências. O Reitor da Universidade

Leia mais

Tenho uma invenção e agora? Erros a evitar..:: Braga, 28 de Novembro 2014 ::. João Marcelino INPI

Tenho uma invenção e agora? Erros a evitar..:: Braga, 28 de Novembro 2014 ::. João Marcelino INPI Tenho uma invenção e agora? Erros a evitar.:: Braga, 28 de Novembro 2014 ::. João Marcelino INPI Alinhamento de estratégias INVENÇÃO, COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL E I&D+I PORQUÊ INVENTAR E INOVAR, PORQUÊ

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

Faculdade Pitágoras de Uberlândia. Administração

Faculdade Pitágoras de Uberlândia. Administração Faculdade Pitágoras de Uberlândia Apostila de Administração Prof. Walteno Martins Parreira Júnior www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2014 SUMÁRIO 1 O PLANO DE NEGÓCIOS...2 1.1 SUMÁRIO EXECUTIVO...5

Leia mais

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social Programa 0465 SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO - INTERNET II Objetivo Incrementar o grau de inserção do País na sociedade de informação e conhecimento globalizados. Público Alvo Empresas, usuários e comunidade

Leia mais

Avenida Jamaris, 100, 10º e 3º andar, Moema São Paulo SP 04078-000 55 (11) 5051-8880

Avenida Jamaris, 100, 10º e 3º andar, Moema São Paulo SP 04078-000 55 (11) 5051-8880 APRESENTAÇÃO DA EMPRESA E DOS SERVIÇOS AUDITORIA CONSULTORIA EMPRESARIAL CORPORATE FINANCE EXPANSÃO DE NEGÓCIOS CONTABILIDADE INTRODUÇÃO A FATORA tem mais de 10 anos de experiência em auditoria e consultoria

Leia mais

Oportunidades do Sistema de Patentes para Startups de Base Tecnológica

Oportunidades do Sistema de Patentes para Startups de Base Tecnológica Oportunidades do Sistema de Patentes para Startups de Base Tecnológica São Paulo, agosto de 2012. 1 Temas: XXXII CONGRESSO INTERNACIONAL DA 1. As Startups de Tecnologia e a Propriedade Intelectual; 2.

Leia mais

Inovação na IBSS CAPÍTULO 6. Apresentação

Inovação na IBSS CAPÍTULO 6. Apresentação CAPÍTULO 6 Inovação na IBSS Apresentação Pesquisa realizada pelo Boston Consulting Group, envolvendo 1.070 executivos de 63 países, mostra uma ascensão considerável da inovação como prioridade estratégica

Leia mais

METODOLOGIA DE IMPLANTAÇÃO INFOECIA. Introdução

METODOLOGIA DE IMPLANTAÇÃO INFOECIA. Introdução Introdução O objetivo deste documento é descrever de uma forma simplificada, o processo implantação de sistemas corporativos da Infoecia. Neste documento é apresentado o ciclo de vida padrão dos projetos

Leia mais

Open Innovation Conceitos

Open Innovation Conceitos Open Innovation Conceitos Conceitos Modelo Fechado de Inovação Modelo Fechado Características Pesquisa Desenvolvimento tempo O modelo fechado de inovação foi o que prevaleceu durante quase todo o século

Leia mais