DETERMINAÇÃO DA CONFIABILIDADE DE DIFERENTES TESTES DE VELOCIDADE/AGILIDADE APLICADOS NA MODALIDADE FUTSAL 1

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DETERMINAÇÃO DA CONFIABILIDADE DE DIFERENTES TESTES DE VELOCIDADE/AGILIDADE APLICADOS NA MODALIDADE FUTSAL 1"

Transcrição

1 ARTIGO DETERMINAÇÃO DA CONFIABILIDADE DE DIFERENTES TESTES DE VELOCIDADE/AGILIDADE APLICADOS NA MODALIDADE FUTSAL 1 Eloi Ferreira Filho* Hans - Joachim Menzel* Mauro Heleno Chagas* RESUMO Uma das características das modalidades esportivas é a alta exigência na realização de ações sucessivas em velocidade. O futsal como modalidade coletiva possui uma grande exigência da capacidade de velocidade, embora o perfil dessa solicitação não esteja devidamente caracterizado. Além disso, no futsal, ela está relacionada com os pequenos deslocamentos envolvendo arrancadas, acelerações e desacelerações, movimentos cíclicos e acíclicos com mudanças de direção e de ritmo. Por todas essas exigências, podemos caracterizar no futsal a capacidade de velocidade associada à agilidade, formando o binômio velocidade/agilidade. Estudos científicos que comprovam as características do perfil motor no futsal, no que diz respeito ao binômio velocidade/agilidade ainda são escassos. A aplicação de uma bateria de testes de velocidade/agilidade, poderia fornecer informações sobre o perfil motor dessa modalidade no que diz respeito a estas capacidades, e a reaplicação dessa mesma bateria possibilitaria a determinação do seu nível de confiabilidade. O objetivo deste estudo foi determinar a confiabilidade de uma bateria de testes que avalie as capacidades de velocidade/agilidade de forma mais específica. Participaram deste estudo, como voluntários, 13 atletas do sexo masculino, da modalidade futsal, na faixa etária de 15 e 16 anos (média 15,46 ± 0,51 anos), com massa corporal média de 64,2 ± 6,80 kg, altura média de 169,46 ± 6,80 cm e tempo médio de prática de futsal de 4,65 ± 2,52 anos. Foram *Laboratório de Biomecânica BIOLAB CENESP da EEFTO/UFMG. 1 Este trabalho foi desenvolvido no Laboratório de Biomecânica do Centro de Excelência Esportiva CENESP, da Escola de Educação Física, Fisioterapia e Terapia Ocupacional da Universidade Federal de Minas Gerais UFMG, sendo parte da Dissertação de Mestrado em andamento realizada pelo primeiro autor. R. Min. Educ. Fís., Viçosa, v. 11, n. 1, p ,

2 utilizados o teste Shuttle Run, da AAHPERD (1976), o teste de velocidade em linha reta na distância de 30 m (KOLLATH e QUADE, 1993) e o teste de velocidade com mudança de direção modificado de MENZEL (1995). Todos os testes foram avaliados através de um sistema de fotocélulas eletrônicas duplas, de forma que cada atleta fazia duas tentativas em cada teste e o melhor resultado era considerado para análise. O tempo total médio, gasto no teste de 30 metros, 1 a e 2 a medidas, obteve uma correlação significativa de 0,98. O tempo total médio gasto no teste Shuttle Run 1 a e 2 a medidas, obteve uma correlação significativa de 0,95. O tempo total médio obtido nos testes de velocidade com mudança de direção apresentou correlações significativas para a direita (0,80) e para a esquerda (0,98). Em todos os testes, as correlações foram fortes e significativas, com p = 0,00, o que indica que a bateria de testes é confiável. Para verificar se havia diferenças entre as duas medidas, utilizou-se o teste T Pareado. Foi observado que, para o teste de mudança de direção para direita, houve diferença significativa entre as medidas, com p = 0,03. As causas destas diferenças merecem ser investigadas. De acordo com este estudo, foi possível aplicar uma bateria de testes para as capacidades de velocidade/ agilidade confiável, na modalidade futsal. Palavras chaves: confiabilidade, velocidade e agilidade, testes, futsal Introdução As modalidades esportivas coletivas podem ser caracterizadas pela exigência na realização de ações sucessivas em velocidade. De acordo com GONZALES e RIUS (2002), a necessidade de realizar movimentos velozes no futsal tem sido determinada por dois aspectos: o espaço (dimensão de 20 x 40 m) e o tempo (condiciona as ações em função do placar ou da meta durante os vários momentos da partida). Além disso, no futsal, as exigências da capacidade de velocidade estão relacionadas com os pequenos deslocamentos, envolvendo arrancadas, acelerações e desacelerações, movimentos cíclicos e acíclicos, com mudanças de direção e de ritmo. Por todas essas exigências, pode ser identificada no futsal a velocidade associada à agilidade, formando o binômio velocidade/agilidade. Estudos científicos que comprovem as características do perfil motor no futsal, no que diz respeito ao binômio velocidade/agilidade, 48 R. Min. Educ. Fís., Viçosa, v. 11, n. 1, p , 2002

3 ainda são raros. A aplicação de uma bateria de testes de velocidade/ agilidade poderia fornecer informações sobre o perfil motor dessa modalidade no tocante a essas capacidades, e a reaplicação dessa mesma bateria possibilitaria a determinação do seu nível de confiabilidade. O objetivo deste estudo foi determinar a confiabilidade de uma bateria de testes que avalie as capacidades de velocidade/ agilidade em atletas de futsal. Material e métodos Amostra Participaram deste estudo, como voluntários, 13 atletas do sexo masculino, da modalidade futsal, na faixa etária de 15 e 16 anos (15,46 ± 0,51 anos), com massa corporal média de 64,2 ± 6,80 kg, altura média de 169,46 ± 6,80 cm e tempo médio de prática de futsal de 4,65 ± 2,52 anos. Métodos Um dos testes utilizados foi o de velocidade de 30 metros em linha reta (KOLLATH e QUADE, 1994); o segundo foi o teste Shuttle Run, da AAHPERD (1976); e o terceiro foi o teste de velocidade de 6 metros com mudança de direção (modificado de MENZEL, 1995), o qual consiste em uma arrancada com uma mudança de direção de 90 graus, na distância de 3 metros, tanto para a direita quanto para a esquerda. Todos os testes foram mensurados através de um sistema de fotocélulas eletrônicas duplas. Estas podem ser ajustadas na distância que for necessária para a execução de testes dessa natureza. Para cada teste, foi realizada uma rotina que incluía alongamento no tempo de cinco minutos de forma individualizada; entre uma tentativa e outra, havia um tempo de repouso não inferior a 10 minutos. O local utilizado foi uma quadra de cimento liso, aberta, outdoor. As distâncias eram mensuradas com uma fita métrica, assim como a montagem dos testes, seguindo a mesma padronização. Todos os testes foram realizados com duas tentativas, e o melhor resultado foi escolhido para análise. Foi feito o procedimento de teste e reteste, com um período de intervalo de duas semanas entre as medidas. R. Min. Educ. Fís., Viçosa, v. 11, n. 1, p ,

4 Para verificar a confiabilidade das medidas realizadas nos testes da bateria foi utilizada a correlação intraclasse (MENEZES, 1998). Outro critério para análise da confiabilidade foi comparar as médias no teste e reteste através de um teste t pareado. Foram verificadas as possíveis correlações entre os testes. O nível de significância adotado no estudo foi de p 0,05. A bateria de testes se constituía de: Teste de velocidade em linha reta de 30 metros Conforme KOLLATH e QUADE (1994), este teste é indicado para se avaliar a capacidade de aceleração de atletas. As fotocélulas eram posicionadas no início (0 m), na distância de 7,5 m e no final de 30 m. O início do teste era determinado pelo avaliado. Teste de agilidade Shuttle Run adaptado Este é um dos protocolos mais conhecidos internacionalmente como teste de aptidão física (AAHPERD, 1976). No teste foi medido o tempo gasto para percorrer a distância de 9,14 m, conduzindo um pequeno objeto (bastão de madeira ou plástico de 30 cm). As fotocélulas eletrônicas foram colocadas a 0,82 m das linhas de início e final do Shuttle Run, dentro da distância do percurso do teste. Elas eram acionadas durante as voltas e mediam o tempo gasto para percorrer 7,5 m e o tempo para realizar uma mudança de direção num espaço de 1,64 metro (de forma que elas ficavam dentro do percurso do teste). O início era determinado pelo atleta. Os atletas foram orientados a ultrapassar sempre as linhas onde estavam ou deveriam ser deixados os objetos. Teste de velocidade com mudança de direção O teste consiste numa arrancada com mudança de direção de 90 para a direita e outra para a esquerda, após ter percorrido a distância de 3 metros. O objetivo é verificar a capacidade do atleta em arrancar iniciando uma aceleração e reduzir esta aceleração para realizar uma mudança de direção, numa curta distância, com agilidade. Foi mensurado o tempo gasto para a execução do deslocamento. As fotocélulas foram posicionadas no início (0 m), na posição de 3 metros 50 R. Min. Educ. Fís., Viçosa, v. 11, n. 1, p , 2002

5 (onde ocorria a mudança de direção) e no final. O início do teste foi determinado pelo atleta. Resultados e discussão A Tabela 1 apresenta as variáveis analisadas e suas respectivas siglas; na Tabela 2 é mostrado o resultado da correlação intraclasse, da bateria de teste e reteste de velocidade; e na Tabela 3 encontra-se o resultado do teste pareado, utilizado na comparação dos resultados. Tabela 1 - Definições das variáveis analisadas Variável Definições Medida Observações Sete 30 e Representam a mensuração dos segundos Teste de velocidade de 30 m. Sete30 2 primeiros 7,5 m, do teste de 30 m. (O n. 2 significa reteste). Total30 e Representam o tempo total obtido no segundos Teste de velocidade em linha Total30 2 teste de velocidade de 30 m. reta de 30 m. Mddtotal e Teste de velocidade com mudança de segundos Teste de velocidade com Mddtotal 2 direção para a direita (6 m). mudança de direção. Mdetotal e Teste de velocidade com mudança de segundos Teste de velocidade com Mdetotal 2 direção para a esquerda (6 m). mudança de direção. Shutotal e Teste de agilidade Shuttle Run segundos Teste de agilidade Shuttle Shutotal 2 adaptado. Run. Houve correlação significativa entre os testes de mudança de direção para a direita e para a esquerda, com p = 0,01 e r= 0,80. Houve correlação entre o teste Shutotal e o Mdetotal, com p = 0,03 e r=0,60. Tabela 2 - Correlação intraclasse entre os dados do teste e reteste Testes 1 Medida 2 Medida N Correlação Intraclasse Significância (p). Sete30 Sete ,86 0,00 Total 30 Total ,98 0,00 Mddtotal Mddtotal ,80 0,00 Mdetotal Mdetotal ,98 0,00 Shuttletotal Shuttletotal ,95 0,00 R. Min. Educ. Fís., Viçosa, v. 11, n. 1, p ,

6 Tabela 3- Teste de T Pareado para os valores médios registrados no teste e reteste Variáveis N Médias (s) dp (s) p. 1 Medida 2 Medida Sete30 Sete ,40-1, ,294 Total 30 Total ,35-4, ,097 Mddtotal Mddtotal ,64-1, Mdetotal Mdetotal ,64-1, Shuttletotal Shuttletotal ,11-9, (dp = desvio-padrão e p = nível de significância p = 0,05) Conforme demonstra a Tabela 1, a bateria de testes de velocidade foi composta de quatro testes, que incluíam velocidade em linha reta e com mudanças de direção (agilidade). De acordo com a Tabela 2, em todos os testes analisados as correlações obtidas ficaram contidas no intervalo compreendido entre 0,80 (foi a menor correlação obtida no teste de velocidade com mudança de direção para a direita) e 0,98. Estas foram fortes e significativas, com o nível de significância p = 0,01. Estes dados indicam que a bateria de testes é confiável quanto à reprodutibilidade das suas medições. Na Tabela 3 está representado o resultado do teste pareado dos valores médios registrados. Com exceção do teste de velocidade com mudança de direção para a direita, em todos os resultados do teste e reteste não houve diferença significativa. A diferença significativa entre os testes de mudança de direção para a direita (mddtotal e mddtotal 2) pode ser explicada pela irregularidade apresentada pela amostra (alta variabilidade no padrão coordenativo ou mesmo fatores relacionados à motivação) entre o teste e o reteste. Observou-se que o mesmo teste para o lado esquerdo não apresentou diferenças entre o teste e reteste. Houve correlação entre o teste de mudança de direção para esquerda com o teste Shuttle Run, com p = 0,01 e coeficiente de correlação r = 0,60. Houve correlação entre o resultado do teste de velocidade de 30 m e o teste de Shuttle Run, com p = 0,01 e r = 0, R. Min. Educ. Fís., Viçosa, v. 11, n. 1, p , 2002

7 Conlcusões Velocidade/agilidade são capacidades físicas importantes no futsal; por isso, elas devem ser avaliadas com uma bateria de testes que possam fornecer com maior fidedignidade a diagnose das características do perfil motor. Pelos procedimentos estatísticos utilizados de correlação intraclasse e teste T pareado, foram obtidas correlações substanciais e significativas, o que possibilitou determinar a confiabilidade na aplicação de uma bateria de testes para avaliar as capacidades de velocidade/agilidade em atletas da modalidade futsal. Esta bateria foi utilizada posteriormente em atletas das modalidades handebol, voleibol e basquetebol, com o objetivo de comparar as relações entre desempenho e especificidade de modalidade coletiva de quadra e os testes de velocidade e agilidade. ABSTRACT DETERMINATION OF RELIABLIITY OF THE DIFFERENTS TESTS THE VELOCITY AND AGILITY IN THE SOCCER INDOOR The characteristic of the different sports team is the high exigency in the realization of successive actions with velocity. The soccer indoor as sport team possess the big exigency of the capacity of the velocity, but that the profile solicitation don t is a due to particularize. Moreover, in the soccer indoor the relashionship of the smalls movies, that involvies pull or tear away violent, accelerates cyclical movies or with or don t changes the direction and rithm. For all exigencies, we can characterize in soccer indoor, the capacitiy of velocity associated of agility, to shapping of the double velocity/agility. In respect to the velocity/agility, scientific researchs that comprovate the characteristics motor profile in soccer indoor are insuficient. The aplication of the serie of tests of the velocity/ agility can will be for the side, to provide information about motor profile of this sport in the relasihonship of the capacities and the repetition of the tests, can wil be determinate the reliability. The objective of this study was determinate the reliability of one serie of tests that avaluate the capacities of the velocity/agility on the more specific form. Participated for this study with volunteers, 13 atletes, of sex male, the soccer indoor atletes, in the age 15 and 16 (15.46 ± 0.51 years old), body weight 64.2 ± 6.80 kg, height ± 6.80 and medium practice time of soccer R. Min. Educ. Fís., Viçosa, v. 11, n. 1, p ,

8 indor of the 4.65 ± 2.52 years. The tests utilized were the Shuttle Run, from the AAHPERD (1976); velocity test of 30 m, from KOLLLATH and QUADE (1993); and the test of velocity with changes of direction, modificated of MENZEL (1995). All tests were avaliated behind the double eletronic photo cells system and each atlete went two attempts and the best results was annotated for the analysis. The medium total time acquired in the test of velocity of the 30 m, on the first and second measurements, obtained the significative correlation of The medium total time acquired in the test of agility Shuttle Run, on the first and second measurements, obtained the significative correlation of The medium total time acquired in the test of velocity with change of direction, on first and second measurements, obtained the significatives correlations of 0.80 for the right direction and 0.98 for the left direction. In all tests, the correlations were substantial and significative, with p = 0.00, which indicated that the serie tests were reliable. To verify the differences between the measurements, the T paired test. It was observed that, for the velocity with change of direction for the right test had significatives differences behind fot the measurements, with p = The reasons of the differences deserve if investigateds. According to this study, it is possible to aplicate on the serie reliability tests for the capacities the velocity/agility, in the indoor soccer sport. Key words: reliability, speed and agility, testing, indoor soccer. Referências Bibliográficas AMERICAN ALLIANCE FOR HEALTH PHYSICAL EDUCATION RECREATION (AAHPERD). Youth fitness test manual. Washington: 1976, 96 p. GONZÁLEZ, M. P.; RIUS, J. B. La velocidad en el fútbol sala. Buenos Aires. Revista Digital Efedeportes, año 8, n. 47, KOLLATH, E.; QUADE, K. Measurement of spriting speed of professional and amauter soccer players. In: REILY, T.; CLAYRS, J.; STIBE, A. Second World Congress of Science and Football. London: Ed. E & SPON, p R. Min. Educ. Fís., Viçosa, v. 11, n. 1, p , 2002

9 MENEZES, P.R. Validade e confiabilidade das escalas de avaliação em psiquiatria.. Revista Psiquiatria Clínica, São Paulo, v. 25, n. 5,. p , Edição Especial. MENZEL, H. J. Desenvolvimento e avaliação de um teste da velocidade e agilidade no futebol. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE BIOMECÂNICA, Brasília, Anais...: [s.n.], R. Min. Educ. Fís., Viçosa, v. 11, n. 1, p ,

Velocidade no Futebol - Capacidade é complexa e precisa ser analisada de forma global

Velocidade no Futebol - Capacidade é complexa e precisa ser analisada de forma global Velocidade no Futebol - Capacidade é complexa e precisa ser analisada de forma global Marcio Faria CORREA Quando falamos em velocidade, uma capacidade neuro-motora tão importante para a maioria dos esportes,

Leia mais

Palavras-chave: Controle Autonômico; Recuperação; Treinamento Esportivo; Esportes Coletivos.

Palavras-chave: Controle Autonômico; Recuperação; Treinamento Esportivo; Esportes Coletivos. RESUMO O futsal é um esporte intermitente com muitas substituições e pausas durante a partida, o que possibilita a recuperação de variáveis fisiológicas durante esses momentos, proporcionando ao jogador,

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE A FLEXIBILIDADE E A FORÇA DE MEMBROS INFERIORES EM ATLETAS DE FUTSAL MASCULINO

RELAÇÃO ENTRE A FLEXIBILIDADE E A FORÇA DE MEMBROS INFERIORES EM ATLETAS DE FUTSAL MASCULINO RELAÇÃO ENTRE A FLEXIBILIDADE E A FORÇA DE MEMBROS INFERIORES EM ATLETAS DE FUTSAL MASCULINO (RELATIONSHIP BETWEEN FLEXIBILITY AND STRENGTH OF LOWER LIMB IN MALE ATHLETES OF FUTSAL) Fauler Fernandes Pereira

Leia mais

ANÁLISE DOS NÍVEIS DE APTIDÃO FÍSICA DE MENINOS PRATICANTES DE FUTSAL NA CATEGORIA SUB 12 13 DA CIDADE DE GUARAPUAVA PR

ANÁLISE DOS NÍVEIS DE APTIDÃO FÍSICA DE MENINOS PRATICANTES DE FUTSAL NA CATEGORIA SUB 12 13 DA CIDADE DE GUARAPUAVA PR Os textos são de responsabilidade de seus autores. ANÁLISE DOS NÍVEIS DE APTIDÃO FÍSICA DE MENINOS PRATICANTES DE FUTSAL NA CATEGORIA SUB 12 13 DA CIDADE DE GUARAPUAVA PR RESUMO Daiane Grando 1 2 O propósito

Leia mais

DESCRIÇÃO DA PERCEPÇÃO DE ESFORÇO FRENTE ÀS MODIFICAÇÕES DE REGRAS EM JOGOS-TREINO NO BASQUETEBOL.

DESCRIÇÃO DA PERCEPÇÃO DE ESFORÇO FRENTE ÀS MODIFICAÇÕES DE REGRAS EM JOGOS-TREINO NO BASQUETEBOL. Revista Hórus, volume 7, número 1 (Jan-Mar), 2013. 24 DESCRIÇÃO DA PERCEPÇÃO DE ESFORÇO FRENTE ÀS MODIFICAÇÕES DE REGRAS EM JOGOS-TREINO NO BASQUETEBOL. Murilo José de Oliveira Bueno¹ e Felipe Arruda Moura

Leia mais

OS EFEITOS DO TREINAMENTO FORÇA SOBRE A POTÊNCIA E A VELOCIDADE EM ATLETAS DE FUTSAL DA CATEGORIA ADULTO MASCULINO.

OS EFEITOS DO TREINAMENTO FORÇA SOBRE A POTÊNCIA E A VELOCIDADE EM ATLETAS DE FUTSAL DA CATEGORIA ADULTO MASCULINO. OS EFEITOS DO TREINAMENTO FORÇA SOBRE A POTÊNCIA E A VELOCIDADE EM ATLETAS DE FUTSAL DA CATEGORIA ADULTO MASCULINO. THE EFFECTS OF STRENGTH TRAINING ON THE POWER AND THE SPEED IN ATHLETES OF FUTSAL OF

Leia mais

ANÁLISE DA VARIABILIDADE NA MEDIÇÃO DE POSICIONAMENTO TÁTICO NO FUTEBOL RESUMO

ANÁLISE DA VARIABILIDADE NA MEDIÇÃO DE POSICIONAMENTO TÁTICO NO FUTEBOL RESUMO CDD. 20.ed. 796.334 ANÁLISE DA VARIABILIDADE NA MEDIÇÃO DE POSICIONAMENTO TÁTICO NO FUTEBOL Sergio Augusto CUNHA * Mônica Ribeiro BINOTTO* Ricardo Machado Leite de BARROS ** RESUMO O objetivo deste trabalho

Leia mais

ANALISE DA COORDENAÇÃO MOTORA RUDIMENTAR E EQUILIBRIO EM CRIANÇAS DO ENSINO FUNDAMENTAL DE UMA ESCOLA PARTICULAR DE BRASILIA-DF

ANALISE DA COORDENAÇÃO MOTORA RUDIMENTAR E EQUILIBRIO EM CRIANÇAS DO ENSINO FUNDAMENTAL DE UMA ESCOLA PARTICULAR DE BRASILIA-DF CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRASÍLIA - UniCEUB FACULDADE DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO E SAÚDE FACES WILLIAM ALVES DE VELLOSO VIANNA ANALISE DA COORDENAÇÃO MOTORA RUDIMENTAR E EQUILIBRIO EM CRIANÇAS DO ENSINO FUNDAMENTAL

Leia mais

TÍTULO: EFEITO DE DOZE SEMANAS DE TREINAMENTO ESPECÍFICO NA AGILIDADE DE CRIANÇAS PRATICANTES DE FUTEBOL.

TÍTULO: EFEITO DE DOZE SEMANAS DE TREINAMENTO ESPECÍFICO NA AGILIDADE DE CRIANÇAS PRATICANTES DE FUTEBOL. TÍTULO: EFEITO DE DOZE SEMANAS DE TREINAMENTO ESPECÍFICO NA AGILIDADE DE CRIANÇAS PRATICANTES DE FUTEBOL. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: EDUCAÇÃO FÍSICA INSTITUIÇÃO: FACULDADES

Leia mais

FATORES RELACIONADOS COM O NÍVEL DE ANSIEDADE EM ATLETAS DE FUTEBOL FEMININO

FATORES RELACIONADOS COM O NÍVEL DE ANSIEDADE EM ATLETAS DE FUTEBOL FEMININO FATORES RELACIONADOS COM O NÍVEL DE ANSIEDADE EM ATLETAS DE FUTEBOL FEMININO (FACTORS RELATED TO THE ANXIETY LEVEL IN FOOTBALL FEMALE ATHLETES) Marcos Vinicius Dias Munhóz 1 ; Claudia Teixeira-Arroyo 1,2

Leia mais

RESUMO PARA O CONGRESSO AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA 2011

RESUMO PARA O CONGRESSO AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA 2011 RESUMO PARA O CONGRESSO AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA 2011 Modalidade: Mesa Redonda TÍTULO DA MESA: UTILIZAÇÃO DOS SUBTESTES RACIOCÍNIO MATRICIAL E CÓDIGOS DO BETA III EM DIVERSOS CONTEXTOS Coordenador da mesa:

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE O MOMENTO DE INCIDÊNCIA DE GOLS E A COMPARAÇÃO ENTRE A EQUIPE MANDANTE E A VISITANTE NO CAMPEONATO PAULISTA DE 2009

UM ESTUDO SOBRE O MOMENTO DE INCIDÊNCIA DE GOLS E A COMPARAÇÃO ENTRE A EQUIPE MANDANTE E A VISITANTE NO CAMPEONATO PAULISTA DE 2009 Recebido em: 1/3/211 Emitido parece em: 23/3/211 Artigo inédito UM ESTUDO SOBRE O MOMENTO DE INCIDÊNCIA DE GOLS E A COMPARAÇÃO ENTRE A EQUIPE MANDANTE E A VISITANTE NO CAMPEONATO PAULISTA DE 29 Leandro

Leia mais

Projeto Esporte Brasil e a Detecção do Talento Esportivo: Adroaldo Gaya CENESP/UFRGS

Projeto Esporte Brasil e a Detecção do Talento Esportivo: Adroaldo Gaya CENESP/UFRGS Projeto Esporte Brasil e a Detecção do Talento Esportivo: Adroaldo Gaya CENESP/UFRGS Temas orientadores: 1) O conceito de talento esportivo 2) Procedimentos de detecção do talento esportivo 3) Aspectos

Leia mais

ANÁLISE DE UM CICLO DE TREINAMENTO (16 SEMANAS) DE ATLETAS DE FUTEBOL COM DESEMPENHO NA POSIÇÃO DE LATERAL E MEIO DE CAMPO

ANÁLISE DE UM CICLO DE TREINAMENTO (16 SEMANAS) DE ATLETAS DE FUTEBOL COM DESEMPENHO NA POSIÇÃO DE LATERAL E MEIO DE CAMPO Recebido em: 12/3/2010 Emitido parece em: 9/4/2010 Artigo original ANÁLISE DE UM CICLO DE TREINAMENTO (16 SEMANAS) DE ATLETAS DE FUTEBOL COM DESEMPENHO NA POSIÇÃO DE LATERAL E MEIO DE CAMPO Emerson Luiz

Leia mais

Dedico este trabalho às minhas filhas à minha esposa pelo apoio em todos os projetos. iii

Dedico este trabalho às minhas filhas à minha esposa pelo apoio em todos os projetos. iii Dedico este trabalho às minhas filhas à minha esposa pelo apoio em todos os projetos. iii Agradecimentos Um trabalho destes só é possível com a colaboração, participação e esforço conjugado de um elevado

Leia mais

AVALIAÇÃO DA AGILIDADE DOS JOGADORES DE BASQUETEBOL EM CADEIRA DE RODAS COM PARAPLEGIA POR LESÃO MEDULAR

AVALIAÇÃO DA AGILIDADE DOS JOGADORES DE BASQUETEBOL EM CADEIRA DE RODAS COM PARAPLEGIA POR LESÃO MEDULAR AVALIAÇÃO DA AGILIDADE DOS JOGADORES DE BASQUETEBOL EM CADEIRA DE RODAS COM PARAPLEGIA POR LESÃO MEDULAR Hugo Rodrigo Menha 1 Rosangela Marques Busto 2 Universidade Estadual de Londrina 3 Resumo: Este

Leia mais

VELOCIDADE, AGILIDADE, EQUILÍBRIO e COORDENAÇÃO VELOCIDADE

VELOCIDADE, AGILIDADE, EQUILÍBRIO e COORDENAÇÃO VELOCIDADE 1 VELOCIDADE, AGILIDADE, EQUILÍBRIO e COORDENAÇÃO VELOCIDADE - É a capacidade do indivíduo de realizar movimentos sucessivos e rápidos, de um mesmo padrão, no menor tempo possível. Força; Fatores que influenciam

Leia mais

COLÉGIO JOÃO PAULO I UNIDADE SUL

COLÉGIO JOÃO PAULO I UNIDADE SUL COLÉGIO JOÃO PAULO I UNIDADE SUL Marcelo Rolim EXERCÍCIOS DE REVISÃO DE CIÊNCIAS (FÍSICA) 8ª SÉRIE ENSINO FUNDAMENTAL 2º TRIMESTRE/2012 Exercícios de Revisão 01. Calcule a distância percorrida por um móvel

Leia mais

ANÁLISE DAS ATIVIDADES DE RACIOCÍNIO LÓGICO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA

ANÁLISE DAS ATIVIDADES DE RACIOCÍNIO LÓGICO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA ANÁLISE DAS ATIVIDADES DE RACIOCÍNIO LÓGICO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA Mateus David Finco RESUMO Neste trabalho é apresentada uma análise das atividades de raciocínio lógico em aulas de Educação Física,

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE DADOS COLETADOS POR PCD S: MÓDULOS DE VENTO, TEMPERATURA E UMIDADE RELATIVA DO AR E RADIAÇÃO SOLAR

DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE DADOS COLETADOS POR PCD S: MÓDULOS DE VENTO, TEMPERATURA E UMIDADE RELATIVA DO AR E RADIAÇÃO SOLAR DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE DADOS COLETADOS POR PCD S: MÓDULOS DE VENTO, TEMPERATURA E UMIDADE RELATIVA DO AR E RADIAÇÃO SOLAR Mario Rodrigues Pinto de Sousa Filho FUNCEME Fortaleza mario.rodrigues@funceme.br

Leia mais

Cultural Identity of Young Volunteers Differences and understanding Empowering People. Volunteer Profile Questionnaire

Cultural Identity of Young Volunteers Differences and understanding Empowering People. Volunteer Profile Questionnaire Volunteer Profile Questionnaire 1 Índice 1 VOLUNTEER PROFILE QUESTIONNAIRE... 1.1 Country... 1. AGE... 1. GENDER... 1..1 GENDER vs... 1. Qualification... 1..1 QUALIFICATION GREECE VS PORTUGAL... 1. Are

Leia mais

VELOCIDADE E TEMPO DE RESPOSTA NO FUTEBOL A PARTIR DE UM TESTE COM PRECISÃO ELETRÔNICA

VELOCIDADE E TEMPO DE RESPOSTA NO FUTEBOL A PARTIR DE UM TESTE COM PRECISÃO ELETRÔNICA VELOCIDADE E TEMPO DE RESPOSTA NO FUTEBOL A PARTIR DE UM TESTE COM PRECISÃO ELETRÔNICA Leandro Teixeira Floriano 1, Juliano Fernandes da Silva 1, George Vieira¹ Mateus Rossato 1 Adilson André Martins Monte

Leia mais

Associação entre tempo de reação e de movimento em jogadores de futsal

Associação entre tempo de reação e de movimento em jogadores de futsal Associação entre tempo de reação e de movimento em jogadores de futsal CDD. 20.ed. 152.3 Mauro Heleno CHAGAS * Cláudio Manoel Ferreira LEITE * Herbert UGRINOWITSCH * Rodolfo Novellino BENDA * Hans-Joachim

Leia mais

CAPITULO III METODOLOGIA

CAPITULO III METODOLOGIA CAPITULO III METODOLOGIA A metodologia seguida neste trabalho é referente a um estudo descritivo e quantitativo. Isto porque a natureza do trabalho desenvolve-se na correlação e comparação entre as diferentes

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA A PROVA DE APTIDÃO FÍSICA PARA O CARGO DE AGENTE DE DEFESA CIVIL

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA A PROVA DE APTIDÃO FÍSICA PARA O CARGO DE AGENTE DE DEFESA CIVIL ANEXO III DO EDITAL N o 075/2011 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA A PROVA DE APTIDÃO FÍSICA PARA O CARGO DE AGENTE DE DEFESA CIVIL 1. DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 1.1 - Os testes de aptidão física, de caráter

Leia mais

MODELO DE INSTRUÇÕES PARA A PREPARAÇÃO E SUBMISSÃO DE TRABALHOS PARA CONGRESSOS BRASILEIROS

MODELO DE INSTRUÇÕES PARA A PREPARAÇÃO E SUBMISSÃO DE TRABALHOS PARA CONGRESSOS BRASILEIROS MODELO DE INSTRUÇÕES PARA A PREPARAÇÃO E SUBMISSÃO DE TRABALHOS PARA CONGRESSOS BRASILEIROS TÍTULO DO TRABALHO Primeiro Autor e-mail Instituição de Ensino Endereço CEP Cidade Estado Segundo Autor e-mail

Leia mais

Avaliação do desenvolvimento motor: uma análise acerca do conhecimento dos professores de educação física. 1-Resumo

Avaliação do desenvolvimento motor: uma análise acerca do conhecimento dos professores de educação física. 1-Resumo Avaliação do desenvolvimento motor: uma análise acerca do conhecimento dos professores de educação física Professora Denise Cristina Mazia Facio Pires -Resumo O objetivo desta pesquisa foi verificar o

Leia mais

Resumo. Palavras-chave: Ensino. Análise Estatística. Desempenho Matemático. Abstract. Key words: Teaching. Statistic Analysis. Mathematic Performance.

Resumo. Palavras-chave: Ensino. Análise Estatística. Desempenho Matemático. Abstract. Key words: Teaching. Statistic Analysis. Mathematic Performance. Desempenho dos alunos do curso de matemática-habilitação licenciatura: do vestibular ao º ano de curso Desempenho dos alunos do curso de matemática habilitação licenciatura: do vestibular ao º ano de curso

Leia mais

INFLUÊNCIAS DA KINESIOTAPING NO DESEMPENHO DO SALTO EM DISTÂNCIA, EM INDIVÍDUOS SADIOS JOVENS

INFLUÊNCIAS DA KINESIOTAPING NO DESEMPENHO DO SALTO EM DISTÂNCIA, EM INDIVÍDUOS SADIOS JOVENS 1 UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA-UnB FACULDADE DE CEILÂNDIA-FCE CURSO DE FISIOTERAPIA JOÃO RAFAEL FREITAS DA SILVA INFLUÊNCIAS DA KINESIOTAPING NO DESEMPENHO DO SALTO EM DISTÂNCIA, EM INDIVÍDUOS SADIOS JOVENS

Leia mais

TESTES FÍSICOS E MOTORES DAS VARIÁVEIS NEUROMUSCULARES

TESTES FÍSICOS E MOTORES DAS VARIÁVEIS NEUROMUSCULARES TESTES FÍSICOS E MOTORES DAS VARIÁVEIS NEUROMUSCULARES As variáveis neuromusculares são aquelas em que a performance física depende dos componentes neurais e musculares. Dessa forma, os resultados expressarão

Leia mais

Estudo comparativo do comportamento táctico na variante 'GR3x3GR' utilizando

Estudo comparativo do comportamento táctico na variante 'GR3x3GR' utilizando Estudo comparativo do comportamento táctico na variante 'GR3x3GR' utilizando balizas de futsal e de futebol de sete Estudio comparativo del comportamiento táctico en la variante 'GR3x3GR' utilizando arcos

Leia mais

ACEF/1314/18522 Decisão de apresentação de pronúncia

ACEF/1314/18522 Decisão de apresentação de pronúncia ACEF/131/18522 Decisão de apresentação de pronúncia ACEF/131/18522 Decisão de apresentação de pronúncia Decisão de Apresentação de Pronúncia ao Relatório da Comissão de Avaliação Externa 1. Tendo recebido

Leia mais

ANALYSIS OF MUSCULAR INJURIES INDICES IN SOCCER ATHLETES OF INTERNATIONAL SPORT CLUB IN SANTA MARIA/NOVO HORIZONTE - RS 1

ANALYSIS OF MUSCULAR INJURIES INDICES IN SOCCER ATHLETES OF INTERNATIONAL SPORT CLUB IN SANTA MARIA/NOVO HORIZONTE - RS 1 Disciplinarum Scientia. Série: Ciências da Saúde, Santa Maria, v. 6, n. 1, 2005. 81 ANÁLISE DOS ÍNDICES DE LESÕES MUSCULARES EM ATLETAS DE FUTEBOL DO ESPORTE CLUBE INTERNACIONAL DE SANTA MARIA / NOVO 1

Leia mais

O mundo das pequenas coisas: estampas para tecido feitas com objetos do universo da costura

O mundo das pequenas coisas: estampas para tecido feitas com objetos do universo da costura O mundo das pequenas coisas: estampas para tecido feitas com objetos do universo da costura The little things world: prints for textile made with objects of sewing universe Cavalcante, Vanessa Peixoto;

Leia mais

UM PROTÓTIPO DE UM MINI TÚNEL DE VENTO (MTV) PARA ENSINO DE GRADUAÇÃO

UM PROTÓTIPO DE UM MINI TÚNEL DE VENTO (MTV) PARA ENSINO DE GRADUAÇÃO UM PROTÓTIPO DE UM MINI TÚNEL DE VENTO (MTV) PARA ENSINO DE GRADUAÇÃO Zacarias Martin Chamberlain Pravia, D.Sc. zacarias@upf.br Leandro Coronetti 3005@lci.upf.tche.br Laboratório de Ensaios em Sistemas

Leia mais

LISTA DE TABELAS. Página TABELA 1 Os melhores escores em cada variável TABELA 2 Análise de cluster (K-means)... 42

LISTA DE TABELAS. Página TABELA 1 Os melhores escores em cada variável TABELA 2 Análise de cluster (K-means)... 42 viii LISTA DE TABELAS Página TABELA 1 Os melhores escores em cada variável... 41 TABELA 2 Análise de cluster (K-means)... 42 TABELA 3 O cluster em que cada atleta se apresenta... 42 TABELA 4 O somatotipo

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES PARA A QUALIDADE DE VIDA DOS PRATICANTES DE BIKE INDOOR

CONTRIBUIÇÕES PARA A QUALIDADE DE VIDA DOS PRATICANTES DE BIKE INDOOR Revista CPAQV - Centro de Pesquisas Avançadas em Qualidade de Vida - ISSN: 2178-7514 v.1, n. 2, 2009 CONTRIBUIÇÕES PARA A QUALIDADE DE VIDA DOS PRATICANTES DE BIKE INDOOR Thiago Vinicius Krzesinski Guanis

Leia mais

O IMPACTO DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NO AUMENTO DA FLEXIBILIDADE

O IMPACTO DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NO AUMENTO DA FLEXIBILIDADE O IMPACTO DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NO AUMENTO DA FLEXIBILIDADE UM ESTUDO QUANTO À APLICABILLIDADE DO PROGRAMA PARA COLETORES DE LIXO DO MUNICÍPIO DE NITERÓI ALESSANDRA ABREU LOUBACK, RAFAEL GRIFFO

Leia mais

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DA TEMPERATURA E DA UMIDADE RELATIVA DO AR EM DIFERENTES LOCAIS DA CIDADE DE MOSSORÓ-RN.

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DA TEMPERATURA E DA UMIDADE RELATIVA DO AR EM DIFERENTES LOCAIS DA CIDADE DE MOSSORÓ-RN. ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DA TEMPERATURA E DA UMIDADE RELATIVA DO AR EM DIFERENTES LOCAIS DA CIDADE DE MOSSORÓ-RN. GIULLIANA M. MORAIS DE SOUSA 1, JOSÉ E. SOBRINHO 2, MÁRIO M. VILLAS BOAS 3, GERTRUDES M.

Leia mais

A CIÊNCIA DOS PEQUENOS JOGOS Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte

A CIÊNCIA DOS PEQUENOS JOGOS Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte A CIÊNCIA DOS PEQUENOS JOGOS Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte Prof. Antonio Carlos Fedato Filho Prof. Guilherme Augusto de Melo Rodrigues Monitorando e conhecendo melhor os trabalhos

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA QUINTA DO CONDE

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA QUINTA DO CONDE Planeamento Anual Conteúdos Avaliação Inicial Objetivos Curriculares 1. - Registar as principais características dos alunos em função de destrezas que os permitam atingir as metas definidas para esse ano

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR Página 1/3 CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA - GRADUAÇÃO - BACHAREL GRADE: INGRESSANTES 2015/1

MATRIZ CURRICULAR Página 1/3 CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA - GRADUAÇÃO - BACHAREL GRADE: INGRESSANTES 2015/1 Página 1/3 Período: 1 ANATOMIA DO MOVIMENTO I 72 CRESCIMENTO, DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA 36 ENADE INGRESSANTE 0 GINÁSTICA E SAÚDE I 36 HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA E DO ESPORTE I 36 PRÁTICA DE

Leia mais

Avaliação da via aeróbia numa equipa de Futebol Júnior

Avaliação da via aeróbia numa equipa de Futebol Júnior UNIVERSIDADE DE COIMBRA FACULDADE DE CIÊNCIAS DO DESPORTO E EDUCAÇÃO FÍSICA MONITORIZAÇÃO E CONTROLO DO TREINO Avaliação da via aeróbia numa equipa de Futebol Júnior PEDRO MIGUEL MOREIRA DA SILVA Coimbra

Leia mais

Lista de Exercícios - Movimento em uma dimensão

Lista de Exercícios - Movimento em uma dimensão UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS INSTITUTO DE FÍSICA E MATEMÁTICA Departamento de Física Disciplina: Física Básica II Lista de Exercícios - Movimento em uma dimensão Perguntas 1. A Figura 1 é uma gráfico

Leia mais

MAUS TRATOS NA POPULAÇÃO IDOSA INSTITUCIONALIZADA

MAUS TRATOS NA POPULAÇÃO IDOSA INSTITUCIONALIZADA Universidade de Lisboa Faculdade de Medicina de Lisboa MAUS TRATOS NA POPULAÇÃO IDOSA INSTITUCIONALIZADA Catarina Isabel Fonseca Paulos Mestrado em Medicina Legal e Ciências Forenses 2005 Esta dissertação

Leia mais

Construção da tabela referencial para o banco de flexibilidade KR. Introdução

Construção da tabela referencial para o banco de flexibilidade KR. Introdução Construção da tabela referencial para o banco de flexibilidade KR Silvano Kruchelski Especialista em Didática do ensino Superior PUCPR Secretaria Municipal do Esporte e Lazer/ Programa Curitibativa Curitiba

Leia mais

APTIDÃO FÍSICA PARA A SAÚDE DOS ESCOLARES DOS PRIMEIROS ANOS PARTICIPANTES DAS OFICINAS DE EDUCAÇÃO PSICOMOTORA DO PIBID/UNICRUZ/EDUCAÇÃO FÍSICA 1

APTIDÃO FÍSICA PARA A SAÚDE DOS ESCOLARES DOS PRIMEIROS ANOS PARTICIPANTES DAS OFICINAS DE EDUCAÇÃO PSICOMOTORA DO PIBID/UNICRUZ/EDUCAÇÃO FÍSICA 1 APTIDÃO FÍSICA PARA A SAÚDE DOS ESCOLARES DOS PRIMEIROS ANOS PARTICIPANTES DAS OFICINAS DE EDUCAÇÃO PSICOMOTORA DO PIBID/UNICRUZ/EDUCAÇÃO FÍSICA 1 SCHNEIDER, Camila 2 PEDROTTI, Paulo Henrique de Oliveira²

Leia mais

ANÁLISE DE INFORMAÇÕES ASSOCIADAS A TESTES DE POTÊNCIA ANAERÓBIA EM ATLETAS JOVENS DE DIFERENTES MODALIDADES ESPORTIVAS

ANÁLISE DE INFORMAÇÕES ASSOCIADAS A TESTES DE POTÊNCIA ANAERÓBIA EM ATLETAS JOVENS DE DIFERENTES MODALIDADES ESPORTIVAS ANÁLISE DE INFORMAÇÕES ASSOCIADAS A TESTES DE POTÊNCIA ANAERÓBIA EM ATLETAS JOVENS DE DIFERENTES MODALIDADES ESPORTIVAS Hélcio Rossi Gonçalves 1 Miguel de Arruda 2 Thiago Antonio Valoto 3 Alexandre Castro

Leia mais

Unidade Didática Movimento Física 9 ano

Unidade Didática Movimento Física 9 ano Unidade Didática Movimento Física 9 ano Duração: 3 aulas de 50 minutos. Objetivos: Após o término dessas aulas, os alunos devem ser capazes de: Ao final desta aula o aluno deve ser capaz de: Reconhecer

Leia mais

ANSIEDADE NOS MERGULHADORES PROFISSIONAIS ANTES DOS MERGULHOS.

ANSIEDADE NOS MERGULHADORES PROFISSIONAIS ANTES DOS MERGULHOS. ANSIEDADE NOS MERGULHADORES PROFISSIONAIS ANTES DOS MERGULHOS. Cleber Monteiro Motta Faculdade Metodista Granbery - FMG RESUMO: O objetivo deste estudo foi verificar o nível de ansiedade de mergulhadores

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA

PLANEJAMENTO ANUAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA SÉRIE: 7º ANO PROFESSORA:

Leia mais

EXPERIMENTOS ENVOLVENDO A SEGUNDA LEI DE NEWTON

EXPERIMENTOS ENVOLVENDO A SEGUNDA LEI DE NEWTON EXPERIMENTOS ENVOLVENDO A SEGUNDA LEI DE NEWTON Helena Libardi hlibardi@ucs.br Véra L. F. Mossmann vlfmossm@ucs.br Cristiane Conte Paim de Andrade ccpandra@ucs.br Universidade de Caxias do Sul - UCS Rua

Leia mais

EQUAÇÃO DE CHUVAS INTENSAS PARA O MUNICÍPIO DE JOAÇABA/SC

EQUAÇÃO DE CHUVAS INTENSAS PARA O MUNICÍPIO DE JOAÇABA/SC EQUAÇÃO DE CHUVAS INTENSAS PARA O MUNICÍPIO DE JOAÇABA/SC Daiani Rosa 1 ; Elfride Anrain Lindner 2 ; Angelo Mendes Massignam 3 RESUMO As relações entre a intensidade, duração e freqüência de chuvas podem

Leia mais

MOTIVOS PARA A PRÁTICA DA CORRIDA DE RUA ORIENTADA E NÃO ORIENTADA POR PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO FÍSICA

MOTIVOS PARA A PRÁTICA DA CORRIDA DE RUA ORIENTADA E NÃO ORIENTADA POR PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO FÍSICA Recebido em: 31/8/2010 Emitido parece em: 14/9/2010 Artigo original MOTIVOS PARA A PRÁTICA DA CORRIDA DE RUA ORIENTADA E NÃO ORIENTADA POR PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO FÍSICA Pablo Ribeiro Casadio, Tiago

Leia mais

AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE DE EXERCÍCIO DE IDOSOS COM LOMBALGIA E SUA INTERFERÊNCIA NA QUALIDADE DE VIDA

AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE DE EXERCÍCIO DE IDOSOS COM LOMBALGIA E SUA INTERFERÊNCIA NA QUALIDADE DE VIDA 1 AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE DE EXERCÍCIO DE IDOSOS COM LOMBALGIA E SUA INTERFERÊNCIA NA QUALIDADE DE VIDA FEITOSA P. O. ; FELIPE D. M. Resumo: Entre os declínios fisiológicos relacionados ao envelhecimento

Leia mais

MOVIMENTO UNIFORMEMENTE VARIADO (M.U.V)

MOVIMENTO UNIFORMEMENTE VARIADO (M.U.V) INSTITUTO DE EDUCAÇÃO PROF. DENIZARD RIVAIL A Educação é a base da vida 1ºAno do Ensino médio. Turmas: Jerônimo de Mendonça e Pedro Alcantara Disciplina: Física Prof. Dr. Mário Mascarenhas Aluno (a): 1.

Leia mais

Roteiro para Análise de Projetos de Pesquisas Científicas Quantitativas

Roteiro para Análise de Projetos de Pesquisas Científicas Quantitativas Roteiro para Análise de Projetos de Pesquisas Científicas Quantitativas Comitê de Ética em Pesquisa Universidade de Caxias do Sul Sumário da Reunião de Educação Continuada sobre Ética em Pesquisa realizada

Leia mais

Medidas de dispersão: os valores estão próximos entre si ou variam muito?

Medidas de dispersão: os valores estão próximos entre si ou variam muito? NOTAS DE EPIDEMIOLOGIA E ESTATÍSTICA Medidas de dispersão: os valores estão próximos entre si ou variam muito? Measures of dispersion: are all values close to each other or do they vary a lot? JOÃO LUIZ

Leia mais

Lista de exercícios nº 2

Lista de exercícios nº 2 F107 Física (Biologia) Turma B Prof. Odilon D. D. Couto Jr. Lista de exercícios nº 2 MOVIMENTO EM UMA DIMENSÃO Exercício 1: A velocidade escalar média é definida como a razão entre a distância total percorrida

Leia mais

USO DO SOFTWARE WINDOGRAPHER PARA ESTIMATIVAS DA VELOCIDADE DO VENTO EM ALTITUDE NUMA REGIÃO DO LITORAL CEARENSE

USO DO SOFTWARE WINDOGRAPHER PARA ESTIMATIVAS DA VELOCIDADE DO VENTO EM ALTITUDE NUMA REGIÃO DO LITORAL CEARENSE USO DO SOFTWARE WINDOGRAPHER PARA ESTIMATIVAS DA VELOCIDADE DO VENTO EM ALTITUDE NUMA REGIÃO DO LITORAL CEARENSE Emerson Mariano da Silva 1 ; Flavio José Alexandre Linard 2 1 Universidade Estadual do Ceará

Leia mais

COMPARAÇÃO DO DIAGNÓSTICO RADIOGRÁFICO DE ANÁLISES CEFALOMÉTRICAS DISTINTAS *Luciano Sampaio Marques; **Luiz Fernando Eto

COMPARAÇÃO DO DIAGNÓSTICO RADIOGRÁFICO DE ANÁLISES CEFALOMÉTRICAS DISTINTAS *Luciano Sampaio Marques; **Luiz Fernando Eto 1 COMPARAÇÃO DO DIAGNÓSTICO RADIOGRÁFICO DE ANÁLISES CEFALOMÉTRICAS DISTINTAS *Luciano Sampaio Marques; **Luiz Fernando Eto Resumo da monografia apresentada no curso de especilização em Ortodontia da Universidade

Leia mais

III JOGOS INTERNOS DA EDUCAÇÃO FÍSICA JIEF

III JOGOS INTERNOS DA EDUCAÇÃO FÍSICA JIEF III JOGOS INTERNOS DA EDUCAÇÃO FÍSICA JIEF REGULAMENTO GERAL I. Das Finalidades: O III Jogos Internos da Educação Física JIEF, tem por finalidade estimular a prática desportiva aos alunos do curso de Educação

Leia mais

LESÕES EM ATIVIDADES DESENVOLVIDAS EM DIFERENTES PROJETOS SOCIAIS: INCIDÊNCIA, CONHECIMENTO E TREINAMENTO.

LESÕES EM ATIVIDADES DESENVOLVIDAS EM DIFERENTES PROJETOS SOCIAIS: INCIDÊNCIA, CONHECIMENTO E TREINAMENTO. LESÕES EM ATIVIDADES DESENVOLVIDAS EM DIFERENTES PROJETOS SOCIAIS: INCIDÊNCIA, CONHECIMENTO E TREINAMENTO. Marlon Sérgio Madeira Graduado em Educação Física pelo Centro Universitário do Leste de Minas

Leia mais

User Guide Manual de Utilizador

User Guide Manual de Utilizador 2400 DPI OPTICAL GAMING MOUSE User Guide Manual de Utilizador 2014 1Life Simplify it All rights reserved. www.1-life.eu 2 2400 DPI OPTICAL GAMING MOUSE ENGLISH USER GUIDE...4 MANUAL DE UTILIZADOR PORTUGUÊS...18

Leia mais

Gráficos: Q2)Para cada função posição x(t) diga se a aceleração é positiva, negativa ou nula.

Gráficos: Q2)Para cada função posição x(t) diga se a aceleração é positiva, negativa ou nula. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA-CFM DEPARTAMENTO DE FÍSICA FSC 5107 FÍSICA GERAL IA Semestre 2012.2 LISTA DE EXERCÍCIOS 2 - MOVIMENTO EM UMA DIMENSÃO Gráficos: Q1) Para cada gráfico seguinte de

Leia mais

Conexão protética mais utilizada em implantes unitários por cirurgiões-dentistas que praticam implantodontia

Conexão protética mais utilizada em implantes unitários por cirurgiões-dentistas que praticam implantodontia ORIGINAL ORIGINAL Conexão protética mais utilizada em implantes unitários por cirurgiões-dentistas que praticam implantodontia Which is the highest preference related to abutments for unitary implants

Leia mais

Como acontece em vários esportes, há divergências no que se refere à história de origem do futsal. Alguns acreditam que o mesmo tenha se originado na

Como acontece em vários esportes, há divergências no que se refere à história de origem do futsal. Alguns acreditam que o mesmo tenha se originado na FUTSAL O futebol de salão conhecido apenas como futsal é uma prática adaptada do futebol. Em uma quadra esportiva são formados times de cinco jogadores e assim como no futebol, o principal objetivo é colocar

Leia mais

Gráficos no MU e MUV. E alguns exercícios de vestibulares

Gráficos no MU e MUV. E alguns exercícios de vestibulares Gráficos no MU e MUV E alguns exercícios de vestibulares Tipos de movimentos -MU Velocidade positiva Velocidade negativa v = s t Que tipo de informação tiramos s x t V x t v = s t s = v. t MUV -espaço

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA INCIDÊNCIA DE LESÕES ESPORTIVAS DURANTE OS 53º JOGOS REGIONAIS

CARACTERIZAÇÃO DA INCIDÊNCIA DE LESÕES ESPORTIVAS DURANTE OS 53º JOGOS REGIONAIS CARACTERIZAÇÃO DA INCIDÊNCIA DE LESÕES ESPORTIVAS DURANTE OS 53º JOGOS REGIONAIS Beatriz de Vilas Boas de Oliveira 1, Keyleytonn Sthil Ribeiro 2 1 Faculdade de Pindamonhangaba, Curso de Fisioterapia, biavilasboas@yahoo.com.br

Leia mais

TAREFA DA SEMANA DE 17 A 21 DE MARÇO

TAREFA DA SEMANA DE 17 A 21 DE MARÇO Transformação de km/h em m/s TAREFA DA SEMANA DE 17 A 21 DE MARÇO FÍSICA 1ª SÉRIE No S.I., a velocidade escalar é medida em metros por segundo (m/s). Na prática a unidade de medida é km/h. Como em muitos

Leia mais

DIRETRIZES PARA A APRESENTAÇÃO GRÁFICA (NBR 6022, 2003) DE UM ARTIGO CIENTÍFICO

DIRETRIZES PARA A APRESENTAÇÃO GRÁFICA (NBR 6022, 2003) DE UM ARTIGO CIENTÍFICO DIRETRIZES PARA A APRESENTAÇÃO GRÁFICA (NBR 6022, 2003) DE UM ARTIGO CIENTÍFICO Considerando-se que artigos científicos integram o conteúdo de publicações mais amplas (publicações periódicas tais como

Leia mais

Atividade física. Sexo Capital Total n % IC 95%

Atividade física. Sexo Capital Total n % IC 95% Atividade física Resultados De acordo com o nível de atividade física verificada no total da amostra, o percentual de indivíduos classificados como insuficientemente ativos foi maior em João Pessoa (55,1%)

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia.

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Mossoró/RN no período de a 8. PUBVET, Londrina, V., N., Ed. 8, Art.,. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Análise dos casos de leishmaniose visceral humana residentes em Mossoró/RN

Leia mais

Medição do fluxo de calor sensível com anemômetro sônico e de hélice Cristhiane Michiko Passos Okawa 1 Nelson Luís Dias 2

Medição do fluxo de calor sensível com anemômetro sônico e de hélice Cristhiane Michiko Passos Okawa 1 Nelson Luís Dias 2 Medição do fluxo de calor sensível com anemômetro sônico e de hélice Cristhiane Michiko Passos Okawa 1 Nelson Luís Dias 2 1 Abstract Sensible heat flux has been measured with two eddy-correlation (EC)

Leia mais

William R. Falcão. 4020 Av. Henri-Julien, ap. 4, Montreal, Quebec, Canada H2W 2K2. falcao.william@gmail.com www.willfalcao.com

William R. Falcão. 4020 Av. Henri-Julien, ap. 4, Montreal, Quebec, Canada H2W 2K2. falcao.william@gmail.com www.willfalcao.com William R. Falcão 4020 Av. Henri-Julien, ap. 4, Montreal, Quebec, Canada H2W 2K2 falcao.william@gmail.com www.willfalcao.com INFORMAÇÕES PESSOAIS Nacionalidades: Brasileiro e Americano Visto: Permissão

Leia mais

TEMAS ABORDADOS NA EDUCAÇÃO FÍSICA PARA O ENSINO MÉDIO

TEMAS ABORDADOS NA EDUCAÇÃO FÍSICA PARA O ENSINO MÉDIO TEMAS ABORDADOS NA EDUCAÇÃO FÍSICA PARA O ENSINO MÉDIO (BOARDED SUBJECTS IN THE PHYSICAL EDUCATION FOR HIGH SCHOOL) Andreia Cristina Metzner 1 ; Juliana da Silva 2 1 Bebedouro SP acmetzner@hotmail.com

Leia mais

JOGADORES JUVENIS DE FUTEBOL SUBMETIDOS A TREINAMENTO GENERALISTAE DIFERENÇA NA POTÊNCIA AERÓBIA EM CONSEQUÊNCIA DE SEU POSICIONAMENTO TÁTICO EM CAMPO

JOGADORES JUVENIS DE FUTEBOL SUBMETIDOS A TREINAMENTO GENERALISTAE DIFERENÇA NA POTÊNCIA AERÓBIA EM CONSEQUÊNCIA DE SEU POSICIONAMENTO TÁTICO EM CAMPO JOGADORES JUVENIS DE FUTEBOL SUBMETIDOS A TREINAMENTO GENERALISTAE DIFERENÇA NA POTÊNCIA AERÓBIA EM CONSEQUÊNCIA DE SEU POSICIONAMENTO TÁTICO EM CAMPO Marcelo Ribeiro Ramos, Faculdade de Minas FAMINAS,

Leia mais

MECÂNICA CINEMÁTICA ESCALAR CONCEITOS INICIAIS

MECÂNICA CINEMÁTICA ESCALAR CONCEITOS INICIAIS MECÂNICA É um ramo clássico da FÍSICA que estuda as relações entre os movimentos dos corpos e a forças a eles relacionados. Em Mecânica, iremos estudar, basicamente, dois itens fundamentais: Conhecendo

Leia mais

INFLUENCIA DA FLEXIBILIDADE NO SALTO VERTICAL EM ATLETAS DE VOLEIBOL MASCULINO

INFLUENCIA DA FLEXIBILIDADE NO SALTO VERTICAL EM ATLETAS DE VOLEIBOL MASCULINO ROGER MARCHESE INFLUENCIA DA FLEXIBILIDADE NO SALTO VERTICAL EM ATLETAS DE VOLEIBOL MASCULINO Artigo apresentado como Trabalho de Conclusão de Curso em Especialização em Ciência do Treinamento Desportivo

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA

PLANEJAMENTO ANUAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA SÉRIE: 7º ANO PROFESSORA:

Leia mais

Phillipe Augusto Reis Oliveira

Phillipe Augusto Reis Oliveira Phillipe Augusto Reis Oliveira Correlação entre performance no salto vertical em plataforma de contato e o sprint em 30m em jogadores pré-infantis de elite do futebol brasileiro. Belo Horizonte Universidade

Leia mais

Resumo. pela presença extra, total ou parcial, do cromossoma 21. Assim, existe uma alteração

Resumo. pela presença extra, total ou parcial, do cromossoma 21. Assim, existe uma alteração Resumo A Trissomia XXI caracteriza-se por um distúrbio de origem genética causado pela presença extra, total ou parcial, do cromossoma 21. Assim, existe uma alteração generalizada do Sistema Nervoso Central

Leia mais

material, porque seus 4 m de comprimento tornam-se desprezíveis se comparados aos 20000 m de percurso. Ponto Material

material, porque seus 4 m de comprimento tornam-se desprezíveis se comparados aos 20000 m de percurso. Ponto Material Estudante: 9º Ano/Turma: Data / /2014 Educadora: Daiana Araújo C.Curricular: Ciências Naturais/ Física A Mecânica é o ramo da Física que tem por finalidade o estudo do movimento e do repouso. É dividida

Leia mais

A classificação do exame corresponde à média aritmética simples, arredondada às unidades, das classificações das duas provas (escrita e prática).

A classificação do exame corresponde à média aritmética simples, arredondada às unidades, das classificações das duas provas (escrita e prática). INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Nº 2/2015 EDUCAÇÃO FÍSICA Abril de 2015 Prova 28 2015 2.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) O presente documento divulga as

Leia mais

1 LISTA DE EXERCÍCIOS FUNDAMENTOS DE MECÂNICA CLÁSSICA. Prof. Marcio Solino Pessoa

1 LISTA DE EXERCÍCIOS FUNDAMENTOS DE MECÂNICA CLÁSSICA. Prof. Marcio Solino Pessoa 1 LISTA DE EXERCÍCIOS FUNDAMENTOS DE MECÂNICA CLÁSSICA. Prof. Marcio Solino Pessoa 1 O gráfico abaixo representa a marcação do velocímetro de um automóvel em função do tempo. Trace os gráficos correspondentes

Leia mais

BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA 1º SEMESTRE MATUTINO

BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA 1º SEMESTRE MATUTINO BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA 1º SEMESTRE MATUTINO ANTROPOLOGIA E SOCIEDADE C B E A D A A D C C FILOSOFIA E ÉTICA D E E A C B D D B C HISTÓRIA DA CULTURA INDIGENA AFRO BRASILEIRA A B E A A D D E B D LEITURA

Leia mais

PREPARAÇÃO FÍSICA ARBITRAGEM FPF Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte

PREPARAÇÃO FÍSICA ARBITRAGEM FPF Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte PREPARAÇÃO FÍSICA ARBITRAGEM FPF Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte Antonio Carlos Fedato Filho Guilherme Augusto de Melo Rodrigues O Futebol está em uma constante evolução. Quando falamos

Leia mais

Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular

Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular Object 1 Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular Curso de Educação Física. Centro Universitário Toledo de Araçatuba - UNITOLEDO. (Brasil) Prof. Mário Henrique

Leia mais

Efeitos da variabilidade de prática e da interferência contextual na aprendizagem de uma

Efeitos da variabilidade de prática e da interferência contextual na aprendizagem de uma Efeitos da variabilidade de prática e da interferência contextual na aprendizagem de uma habilidade motora - o largar e pontapear sem ressalto - em precisão. Nuno Amaro 1,2, Luis Neves 1,2, Rui Matos 1,2,

Leia mais

Capítulo 1 - Introdução 14

Capítulo 1 - Introdução 14 1 Introdução Em seu livro Pressman [22] define processo de software como um arcabouço para as tarefas que são necessárias para construir software de alta qualidade. Assim, é-se levado a inferir que o sucesso

Leia mais

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível.

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível. VALÊNCIAS FÍSICAS RESISTÊNCIA AERÓBICA: Qualidade física que permite ao organismo executar uma atividade de baixa para média intensidade por um longo período de tempo. Depende basicamente do estado geral

Leia mais

Avaliação Goniométrica no contexto do Exame Fisioterapêutico

Avaliação Goniométrica no contexto do Exame Fisioterapêutico Avaliação Goniométrica no contexto do Exame Fisioterapêutico Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Visão Global de uma Avaliação Musculoesquelética

Leia mais

ESTUDO DAS PROPRIEDADES FÍSICAS DA FIBRA DE CURAUÁ

ESTUDO DAS PROPRIEDADES FÍSICAS DA FIBRA DE CURAUÁ ESTUDO DAS PROPRIEDADES FÍSICAS DA FIBRA DE CURAUÁ Carolina Coelho da Rosa carolinarosa@ufpa.br Debora Dias Costa Moreira deborinhadias@hotmail.com Géssica Katalyne Bilcati ge_katalyne87@hotmail.com UFPA,

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DO NÍVEL DA APTIDÃO FÍSICA DOS ALUNOS PARTICIPANTES DO PROGRAMA SEGUNDO TEMPO DO NÚCLEO IFSULDEMINAS CÂMPUS MUZAMBINHO.

CLASSIFICAÇÃO DO NÍVEL DA APTIDÃO FÍSICA DOS ALUNOS PARTICIPANTES DO PROGRAMA SEGUNDO TEMPO DO NÚCLEO IFSULDEMINAS CÂMPUS MUZAMBINHO. MATEUS RIBEIRO SANTANELLI RENAN JÚLIO SILVA CLASSIFICAÇÃO DO NÍVEL DA APTIDÃO FÍSICA DOS ALUNOS PARTICIPANTES DO PROGRAMA SEGUNDO TEMPO DO NÚCLEO IFSULDEMINAS CÂMPUS MUZAMBINHO. Trabalho de Conclusão de

Leia mais

E Nas extremidades da rede existem duas antenas que delimitam o espaço aéreo de jogo.

E Nas extremidades da rede existem duas antenas que delimitam o espaço aéreo de jogo. V O L E I B O L A quadra de jogo A quadra de voleibol mede 18 x 9 metros e é demarcada por linhas de 5 centímetros de espessura. Possui uma linha central que divide a quadra em duas áreas com 9 x 9 metros.

Leia mais

Brazilian Journal of Biomotricity ISSN: 1981-6324 marcomachado@brjb.com.br Universidade Iguaçu Brasil

Brazilian Journal of Biomotricity ISSN: 1981-6324 marcomachado@brjb.com.br Universidade Iguaçu Brasil Brazilian Journal of Biomotricity ISSN: 1981-6324 marcomachado@brjb.com.br Universidade Iguaçu Brasil Yukio Asano, Ricardo; Neto, João Bartholomeu; Bueno Godinho Ribeiro, Daniele; Soares Barbosa, Avelino;

Leia mais

Palavras-chave: potência muscular, Judô, teste de Sterkowicz.

Palavras-chave: potência muscular, Judô, teste de Sterkowicz. ARTIGO ORIGINAL MENSURAÇÃO DA POTÊNCIA MUSCULAR EM JUDOCAS JUVENIS ATRAVÉS DO TESTE DE STERKOWICZ André Maia dos Santos André Ricardo N. Nascimento Carolina Groszewicz Brito Kelly Cristina Serafim Pós

Leia mais

SEMANA DA INTEGRAÇÃO FISMA/FCAA 2015

SEMANA DA INTEGRAÇÃO FISMA/FCAA 2015 SEMANA DA INTEGRAÇÃO FISMA/FCAA 2015 16 a 20 de março de 2015 EVENTO ESPORTIVO E CULTURAL COM OBJETIVO DE INTEGRAR OS CALOUROS AO AMBIENTE ACADÊMICO DA FISMA/FCAA PROGRAMAÇÃO Dia 16/03 Ginásio de Esportes

Leia mais

Variação dos valores da distância percorrida e da velocidade de deslocamento em sessões de treino e em competições de futebolistas juniores

Variação dos valores da distância percorrida e da velocidade de deslocamento em sessões de treino e em competições de futebolistas juniores Variação dos valores da distância percorrida e da velocidade de deslocamento em sessões de treino e em competições de futebolistas juniores Pedro F. Caixinha 1 Jaime Sampaio 2 Pedro V. Mil-Homens 3 RESUMO

Leia mais

Art. 02 Este Regulamento Geral é o conjunto das disposições que regem as modalidades que integram a COPA SENAI 2010.

Art. 02 Este Regulamento Geral é o conjunto das disposições que regem as modalidades que integram a COPA SENAI 2010. COPA SENAI 2010 REGULAMENTO GERAL SESI SENAI - SP 2010 REGULAMENTO GERAL FASE INTERCLASSES I DOS OBJETIVOS Art. 01 A COPA SENAI 2010, tem por finalidade o bem estar e a integração do aluno perante a sociedade

Leia mais