ANÁLISE DE UM CICLO DE TREINAMENTO (16 SEMANAS) DE ATLETAS DE FUTEBOL COM DESEMPENHO NA POSIÇÃO DE LATERAL E MEIO DE CAMPO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE DE UM CICLO DE TREINAMENTO (16 SEMANAS) DE ATLETAS DE FUTEBOL COM DESEMPENHO NA POSIÇÃO DE LATERAL E MEIO DE CAMPO"

Transcrição

1 Recebido em: 12/3/2010 Emitido parece em: 9/4/2010 Artigo original ANÁLISE DE UM CICLO DE TREINAMENTO (16 SEMANAS) DE ATLETAS DE FUTEBOL COM DESEMPENHO NA POSIÇÃO DE LATERAL E MEIO DE CAMPO Emerson Luiz Teixeira RESUMO O futebol é um dos esportes mais praticados no cenário mundial, sendo também alvo de inúmeras pesquisas. Neste estudo nos dedicamos a questão da preparação física do jogador que atua na posição de lateral e, dependendo da organização tática, também atua como meio campo. A proposta desta pesquisa foi verificar a possibilidade de trabalhar com treinamento especifico para o lateral que possui a capacidade de adaptação em mais de uma posição do esquema tático do futebol. O grupo estudado foi composto de 2 jogadores do sexo masculino, de 14 e 15 anos, da categoria juniores, pertencentes a uma equipe de futebol, localizado na cidade de Sumaré SP. Esse estudo foi uma combinação de pesquisa documental e de campo. A pesquisa documental consistiu na análise do treinamento aplicado durante 16 semanas, e filmagem dos jogadores em 16 jogos feitos durante o mesmo período. Os resultados apontaram que, os jogadores eram adaptados na posição de meio de campo por conta de sua capacidade técnica e pela aplicação tática da necessidade da equipe. Mas em relação ao treinamento desses atletas, foi visto que este, não deve somente considerar as demandas físicas exigidas pelo futebol, e sim aproximar o treinamento à especificidade das duas posições, possibilitando potencializar o treinamento físico e otimizar a capacidade física desses futebolistas. Palavras-chave: capacidade física, treinamento físico, futebol. ANALYSIS OF A CYCLE OF TRAINING (16 WEEKS) OF ATHLETES WITH SOCCER IN THE PERFORMANCE OF SIDE AND THE FIELD Football is one of the most popular sports in the world, as so it s subject of numerous studies. This research studied the question of fitness of the player who acts in the lateral position and, depending on the tactical organization, also acts as a midfielder. The purpose of this study was to investigate the possibility of working with specific training for the side that has the ability to adapt in more than tactical position. The study group was composed of 2 male players, 14 and 15 years, the category belonging to a junior football team in Sumaré - SP - Brazil. This study was a combination of desk research and field. The desk research was the analysis of training applied for 16 weeks, and footage of the players in 16 games made during the same period. The results showed that the players were adapted in the position of midfield because of their technical and tactical application, that is a necessity of the team. But in relation to the athlete s training, we have seen that this should not only consider the physical demands required for football, but bring the training to the specificity of the two positions, allowing leverage physical training and optimize the player s.physical capacity. Keywords: Physical capacity, physical training, football. INTRODUÇÃO É observado que o futebol é um esporte que possui uma grande popularidade mundial e, a cada dia, vê crescer o número de adeptos à sua prática ou apenas a adesão como torcedores da modalidade. O fato de possuir essa popularidade, o torna tema de investigação cientifica. Nesse contexto é observada a crescente necessidade de se estudar o futebol sob a perspectiva cientifica, buscando compreender de que forma suas atuais demandas fisiológicas necessitam de uma readequação. Pensando nesse aspecto cientifico do futebol, a preparação física se torna primordial no que diz respeito à atuação do jogador, especialmente, quanto a sua capacidade física. As questões técnicas e táticas são fundamentais e podem ser influenciadas pela condição física do atleta, decorre daí parte do interesse deste estudo. 45

2 No futebol a estruturação da preparação física deve se adequar à complexidade da modalidade, que sofre influência de inúmeros fatores, como calendários de competições, composição do grupo de atletas e objetivos específicos da equipe. Da mesma forma esse processo de treinamento físico vem se alterando sistematicamente na busca de atender as particularidades da modalidade. Constantemente essa preparação em sua aplicação prática se baseia apenas na experiência dos treinadores. Experiência essa que vem da prática, e que se tornou ultrapassada nos dias de hoje. O treinamento físico em seu planejamento e prescrição deve se basear em um entendimento fisiológico da modalidade, somado a experiência prática do preparador físico para que se atinja níveis ótimos de performance dos jogadores, possibilitando ao preparador físico minimizar erros durante o planejamento e aplicação do trabalho. Barros e Guerra (2004) sugerem a necessidade de se trabalhar com treinamento especifico para cada posição do jogador, respeitando as características físicas de cada atleta, desenvolvida de forma diferente por meio da posição de atuação do esquema tático da equipe. Em seus estudos os autores afirmaram que em algumas equipes de futebol são encontrados jogadores que exercem mais de uma posição tática no jogo de forma que essa adaptação não influencia de forma significativa sua atuação, como exemplo a atuação do lateral na posição de meio de campo. Entendendo que há necessidade de se trabalhar com treinamento especifico para cada posição tática do jogador, surgiram algumas problemáticas: como trabalhar o treinamento físico com esses jogadores que se adaptam em outras posições? Qual o perfil físico desse atleta? E até que ponto essa capacidade de adaptação é influenciada pelo aspecto técnico? Por esse motivo optamos por realizar uma análise criteriosa desse jogador, no sentido de buscar essas respostas, refletindo e discutindo criticamente sobre os resultados. Foi realizada uma pesquisa de campo e documental estruturada a partir da análise de filmagens e treinamento físico aplicado em uma equipe de futebol juvenil da cidade de Sumaré. Para alcançar tais objetivos foi necessário inicialmente identificar o perfil físico desse atleta, por meio de suas características físicas verificadas em jogo, analisando-as por meio de filmagens e verificando o planejamento do treinamento aplicado pelo preparador físico da equipe neste atleta. Com esses dados nosso objetivo foi identificar se os conteúdos desse treinamento aplicado atende as demandas físicas do lateral, mesmo quando atuava na posição de meio de campo, verificando a possibilidade de aplicação de treinamento específico para esse atleta, e as influências sofridas pelo componente técnico. METODOLOGIA O estudo foi realizado numa equipe de futebol associada à Federação Paulista de Futebol, localizada na cidade de Sumaré, com jogadores da faixa etária entre 14 e 15 anos pertencentes à categoria juvenil. A análise foi composta de dois atletas de futebol do sexo masculino, sendo dois laterais que são utilizados na adaptação na posição de meio campo. O consentimento para participação no estudo foi obtido pela equipe de futebol responsável pelos adolescentes incluídos no estudo, que foram informados de todos os procedimentos, tendo liberdade para interromper a participação em qualquer momento da pesquisa. Sendo que ambos os atletas assinaram o termo de consentimento livre e esclarecido. MÉTODOS Foi feito inicialmente um teste físico nos 2 atletas para determinar quantidade de passadas do jogador em uma determinada distância. O teste foi feito em um espaço de 20 metros, utilizando uma câmera da marca SONY e um aparelho pedômetro da marca performance FSC 89006, acoplado ao atleta. Era pedido ao atleta que percorresse esses 20 metros em ritmos variados; caminhada; trotes; corridas rápidas e sprints. Posteriormente era calculado o número de passos em cada ritmo executado, e dividido pela distância total percorrida, para se obter medida de passos em cada ritmo. Para caracterizar a velocidade desses deslocamentos foi utilizado o seguinte cálculo: (distância / tempo = m/s x tempo de deslocamento). Para determinar a velocidade de cada deslocamento; caminhada; trote, corrida rápida e sprints foram utilizadas a definição de Gomes e Souza (2008) que determina caminhada sendo a (7,1 km/h ou menos); trote (11 km/h a 14 km/h); corrida rápida (15 km/h a 24 km/h); e sprint (25 km/h). Foram quantificados os deslocamentos dos laterais por meio de filmagens feitas em jogos amistosos e jogos do Campeonato Paulista sub 15, durante 16 jogos, sendo 8 jogos com o lateral 46

3 jogando na posição de meio campo, e 8 jogos atuando na posição de origem, na lateral. Os critérios criados para essa pesquisa foi distância de caminhadas, trotes, corridas rápidas e sprints. Os dados aqui apresentados foram descritos por meio de análise de filmagens de distâncias percorridas pelos atletas atuando na posição de lateral e na posição de meio campo. Para pesquisa documental analisamos as planilhas de treino, buscando visualizar os ciclos de treino que compõem o planejamento do treinamento físico. Posteriormente comparamos as demandas físicas impostas ao lateral com a preparação física aplicada, verificando, com base na literatura cientifica a compatibilidade dessa inter-relação. Houve limitações em nossa pesquisa em relação à quantificação dos deslocamentos dos futebolistas, pelo fato de não utilizarmos aparelhos tecnológicos utilizados atualmente pelos clubes de futebol. Porém para equipe participante desse estudo, o método utilizado para essa análise se tornou viável em relação aos custos financeiros baixos, podendo ser parte do trabalho do preparador físico, e também possibilitar a outras equipes de futebol com pouca estrutura financeira, a utilização desse mesmo método de análise de deslocamentos, para que esses dados possam ser utilizados para elaboração dos treinamentos. RESULTADOS: A ANÁLISE DOS DESLOCAMENTOS Os resultados de deslocamentos dos jogadores 1 e 2 quando comparados a distâncias percorridas em diferentes deslocamentos, apresentaram relativamente dados parecidos, com algumas diferenças em distâncias totais, e pouca diferença em relação à percentuais. Os resultados são apresentados na tabela 1. Tabela 1. Comparação da média dos diferentes deslocamentos em dados percentuais durante 16 partidas analisadas do jogador 1 e 2 e distância total percorrida em diferentes posições de atuação. posição de atuação caminhadas trotes Corridas rápidas sprints distância total percorrida metros lateral 1 35,7% 45,4% 11,8% 7,2% 4992,5 lateral 2 33,5% 45% 13% 8,1% 4852 meio de campo 1 meio de campo 2 24,5% 52% 18,4% 4,7% ,5% 50,5% 20% 5% 5827 Os dados apontam que existe uma variabilidade em deslocamentos, em sprints, corridas rápidas, trotes e caminhadas, que mudam em cada jogo, sendo difícil a sua quantificação. A variabilidade é vista também em relação à utilização de diferentes metabolismos, sendo verificado que, o futebol é predominantemente aeróbio e determinantemente anaeróbio, utilizando os dois metabolismos de forma intermitente, verificados também em outros estudos científicos da área. Foi verificado que o jogador 1 e jogador 2, quando comparados a distância total percorrida atuando na posição de lateral a diferença foi de 2,8%, e quando atuante nas posições de meio de campo apresentou uma diferença de 3,9%. Quando comparados os deslocamentos em sprints na posição de lateral e na posição de meio de campo, foi verificado que quando o atleta atuou na posição de lateral, percorreu 3,1% (104,9 metros) a mais que na posição de meio de campo devido a sua função tática no time, onde ele era exigido em vários momentos do jogo, em contra ataques principalmente, com corridas em alta velocidade na lateral do campo dando opção de jogadas de ataque e ajudando a dar velocidade ao ataque da equipe. Foi caracterizada a menor distância de sprints para o jogador quando atuou na posição de meio de campo devido a sua função tática característica de marcação do adversário, sendo que ao recuperar a bola, rapidamente passava aos companheiros de equipe posicionados próximo ao ataque dando velocidade ao ataque com toque de bola. Já para o deslocamento em corridas rápidas foi verificado que o jogador quando atuou na posição de meio de campo foi mais exigido nesse ritmo, 7% (513 metros) a mais do que na lateral, pelo fato de atuar na função de marcador, tendo que manter corridas nesse ritmo ao tentar retirar a bola do 47

4 adversário, sendo o meio de campo o local de maior número de jogadas das duas equipes. Foi verificado também que os jogadores após os estímulos de corridas rápidas e sprints, se recuperavam de forma ativa, em trotes ou caminhadas. Quando atuou na posição de lateral o jogador após o sprint, se recuperava mais tempo do que quando atuou na posição de meio de campo, sendo verificado que permaneceu em ritmo de caminhada 9% a mais do que na outra posição, devido as jogadas na lateral do campo serem menos constantes que no meio de campo, exigindo que na lateral o jogador marcasse menos o adversário e consequentemente se recuperasse mais em ritmo de caminhada, diferente do meio de campo que constantemente tinha que manter sua recuperação em ritmo de trote, devido a bola permanecer naquele local por um período de tempo maior. A variabilidade de deslocamentos encontradas na pesquisa é explicada pelo fato do futebol sofrer várias ações externas como; torcida, árbitros, campo, esquema tático da equipe adversária, motivação psicológica, importância do jogo e qualidade do adversário. Por esse motivo a quantificação de cargas de treinamento é difícil de ser exata, Gomes e Souza (2008) afirmam que, dificilmente durante os treinamentos é simulada na sua essência a carga que recebe o organismo de um jogador durante um jogo oficial. Porém o que dará qualidade no treinamento, é o treinamento que se assemelha com as características da estrutura oficial de jogo. Apresentarei a seguir a velocidade dos deslocamentos, os sistemas de energia utilizados, sugeridas por Gomes e Souza (2008), verificados na tabela 2. Tabela 2. Comparações dos jogadores 1 e 2 em relação ao sistema de energia, velocidades de deslocamentos durante 16 partidas analisadas do jogador 1 e 2 e distância total percorrida em diferentes posições de atuação. posição de atuação sistema aeróbio de 10 km/h a 14 km/h sistema misto de 15 km/h a 18 km/h sistema anaeróbio alático de 19 km/h a 24 km/h sistema anaeróbio lático acima de 25 km/h lateral 1 35,7% 45,4% 11,8% 7,2% lateral 2 33,5% 45% 13% 8,1% meio de campo 1 24,5% 52% 18,4% 4,7% meio de campo 2 24,5% 50,5% 20% 5% Em relação ao sistema energético utilizado o jogador quando atuou no meio de campo, apontou ter utilizado predominantemente o metabolismo misto (aeróbio / anaeróbio), e metabolismo anaeróbio lático, e quando atuou na posição de lateral parece ter utilizado predominantemente o metabolismo misto, porém com predominância no metabolismo anaeróbio alático com maior frequência do que quando atuou no meio de campo. Não foi possível determinar exatamente o metabolismo utilizado pelos jogadores, pelo fato de não ter sido mensurado seu sistema energético por meio de avaliações físicas especificas. Baseado nos apontamentos dos estudos de Gomes e Souza (2008) que sugere pela velocidade de deslocamento as capacidades biomotoras que são utilizadas foi verificado que o jogador de meio de campo utilizou resistência aeróbia / anaeróbia predominantemente, resistência de velocidade e resistência de força de forma significativa, com menor utilização de velocidade e força rápida. Quando atuou na posição de lateral esse jogador utilizou de forma predominante a resistência aeróbia / anaeróbia, utilizando também a resistência de velocidade e resistência de força, utilizando em um percentual maior a velocidade e força rápida, do que quando atuando na posição de meio de campo. ANÁLISE DO TREINAMENTO Foi analisada a preparação física dos 2 atletas pesquisados durante 16 semanas, coincidindo com o Campeonato Paulista Sub 15, com inicio dia 06 junho O estudo desenvolveu-se no período de preparação (2 de maio 2009) até a etapa competitiva (15 de agosto 2009), totalizando 16 semanas de análise. Foi disponibilizado pelo preparador físico os conteúdos do planejamento do treinamento físico, que segundo foi relatado por esse profissional, não seguia um modelo de 48

5 periodização. Segundo ele as atividades eram compostas de variados tipos de treinos, circuitos, corridas em velocidade, treinos de saltos, deslocamentos em diferentes direções, e treinos físicos com bolas com o objetivo de desenvolver as capacidades físicas dos atletas de uma forma geral. Foi verificado também que os treinos eram feitos sem alguns materiais necessários para sua elaboração, onde muitas vezes ocorriam algumas adaptações. Os treinamentos aconteciam de forma padronizada, idêntico para todas as posições dos jogadores, desconsiderando as diferentes demandas físicas das posições. Foi verificado também que não ocorriam avaliações físicas, sendo relatadas que estas não eram feitas por falta de materiais e estrutura financeira da equipe. A equipe dispunha apenas de 2 a 3 dias de treinamento por semana, sendo quase sempre no período da tarde. A equipe em estudo era composta de 22 atletas, um preparador físico, um técnico e um auxiliar técnico. Os conteúdos dos treinamentos são apresentados na tabela 3. Tabela 3. Conteúdos gerais do treinamento físico dos futebolistas 1 e 2 durante 16 semanas de treinamento Conteúdos do treinamento Semanas/ terça-feira quinta-feira sexta-feira sábado 30 corrida circuito continuo com treino coletivo 1ª e 2ª Continua em 5 estações, com 4 pas- para os não con- jogo 7000 metros + sagens por jogador em vocados durante A Treino técnico cada estação (50 minuto) 90 minutos Semanas/ terça-feira quinta-feira domingo Corrida continua 5500 metros treino técnico/tático (20 minutos); circuito com minutos jogo 3ª e 4ª estações, 2 estações com bolas (cabeceio e chute) 5 passagens A Durante 40 minutos Semanas/ terça-feira quinta-feira domingo Treino intervalado com treino com bolas, passes, cabeceios, 5ª, 6ª e 7ª Corridas (35m, 50m e 100m) dominio de bola, chutes, em duplas e jogo durante 40 minutos + 40 minutos trios (35 minutos) + treino tático B Corrida continua (8000 metros) defesa x ataque (50 minutos) Semanas/ terça-feira quinta-feira domingo Circuito de 10 estações com treino técnico/tático, com Bolas, deslocamento lateral, de cruzamentos, finalizações, 8ª e 9ª frente e de costas com finalizações cobrança de faltas e pênaltis jogo a gol, durante 60 minutos durante 55 minutos + B coletivo (40 mnutos) Semanas/ terça-feira quinta-feira sábado domingo Corrida intervalada com treino técnico/tático treino técnico com bola 10ª, 11ª, 12ª (10m, 20m e 30m) com pausas cruzamentos e finali- passes, cabeceios, cruza- jogo e 13ª longas durante 20 minuto + zações (30 minutos) + mentos e finalizações (40m, 50m e 60m) com pausas treino coletivo para durante 90 minutos C Curtas durante 30 minutos corrigir posicionamento Durante 60 minutos 49

6 Semanas/ terça-feira quinta-feira sábado domingo Treino técnico com bola, treino técnico/tático, treino técnico com bola, 14ª passes, cabeceios, cruza- com cruzamentos e passes, cabeceios, cruza- jogo mentos e finalizações finalizações (60 minutos) mentos e finalizações C durante 120 minutos + treino coletivo corrigin- durante 120 minutos do posicionamento durante 60 minutos Semanas/ terça-feira quinta-feira domingo Corridas intervaladas em treino técnico/tático com 15ª e 16ª (10m, 20m e 30m) com pausas cruzamentos e finalizações longas de descanso durante 20 durante 30 minutos + jogo C minutos + corridas em distâncias treino coletivo corrigindo posi- (40m, 50m e 60m) com pausas cionamento durante 60 minutos Curtas durante 30 minutos Foi verificado que cada etapa possuía diferentes objetivos, meios de treinamento e quantidade de sessões de treino. Na etapa A foi dado ênfase ao treinamento físico, sendo 50% de treinamento físico, 33% de Treinamento técnico e 17% de Treinamento tático. Na etapa B os conteúdos do treinamento da equipe, em relação a preparação técnica e física foram em volumes iguais, com menor trabalho para o treinamento tático, sendo destinado 40% para o treinamento físico, 40% para o treinamento técnico e 20% para o treinamento tático. Na etapa C foi verificado uma diminuição do treinamento físico e aumento do treinamento técnico e tático, dando a essa etapa maior ênfase nas correções de posicionamentos, e melhora dos fundamentos técnicos, sendo destinados para o treinamento físico 18,1%, para o treinamento técnico 54,6% e para o treinamento tático 27,3% do treinamento. A seguir apresento algumas definições e relações da periodização com o treinamento analisado na equipe em estudo. Periodização é o planejamento geral e detalhado do tempo disponível para o treinamento, de acordo com os objetivos estabelecidos respeitando os princípios científicos do exercício, Dantas (1998). Segundo Gomes e Souza (2008) periodização de treinamento é compreendido como a divisão do ano de treinamento em períodos particulares de tempo com objetivos e conteúdos bem definidos. Bompa (2002) entende periodização como planejamento do treinamento, originando-se da palavra período, que é uma porção ou divisão do tempo em pequenos segmentos, mais fáceis de controlar, denominados fases. Monteiro e Lopes (2009) descrevem a periodização como sendo um processo de estruturação de suas fases, que busca atingir níveis máximos ou ótimos das capacidades físicas, da técnica, tática e psicológica dos atletas verificada em avaliações periódicas para controle e alteração desse planejamento. Enfim todos esses autores descrevem a periodização como sendo um planejamento do treinamento físico, para que se possa estruturar, controlar, e prescrever o treinamento de forma adequada, atingindo assim, os objetivos pré-estabelecidos para a equipe, sendo divididos em períodos com conteúdos predeterminados e organizados em diferentes ciclos. Para Monteiro e Lopes (2009) a periodização do treinamento pode ser dividida em macrociclos de quatro períodos: preparatório geral, preparatório especial, período competitivo e período transitório. No período preparatório geral é preparado o atleta para que ele suporte altos volumes e intensidades de treinamento nas fases seguintes, ficando nessa fase a parte técnica/tática em segundo plano, sendo treinada em menor volume. Houve nesse período ênfase na preparação física, destinando 50% do tempo a essa preparação, porém não houve controle de volume, intensidade e cargas de treino, impossibilitando o controle exato de melhora das capacidades físicas gerais dos atletas. Outro aspecto determinante em relação as sessões de treinos, foram os dias destinados à parte física, sendo em média 2 vezes por semana, podendo minimizar o ganho de condicionamento físico geral, pelo fato de serem poucos dias para que haja uma adaptação muscular geral. 50

7 No período especial são treinadas as capacidades determinantes do esporte, sendo priorizada a intensidade e não o volume de treino. Nessa fase a preparação técnica tem por objetivo que os atletas assimilem as técnicas de ações competitivas. Houve uma diminuição do tempo destinado ao treinamento físico após 4 semanas de treino, sendo destinados à esse tipo de treino 40% do tempo, sendo controlado pelo preparador físico, apenas o tempo total de cada sessão. No período competitivo o objetivo principal é a manutenção da condição física, técnica tática obtida anteriormente, mantendo-a na competição, com redução da carga de treinamento e manutenção da intensidade. Não foi possível verificar se houve ganho de condicionamento físico até esse período pelo fato de que a equipe não possuía avaliações físicas para verificação dessas mudanças. E por fim há o período transitório que serve para recuperação do nível físico, técnico e psicológico dos atletas, sendo diminuídos a intensidade e volume de treino, e priorizado nessa fase as avaliações físicas, não verificadas na equipe estudada. Por meio da análise documental e do dia a dia dos treinos, foi verificado que não era clara a separação desses períodos, ocorriam sim, mudanças em determinado período de treino, como foi verificado inicialmente, no período de preparação geral, contendo maior volume e intensidade, e posteriormente diminuído progressivamente, chegando à fase de competição com caráter de manutenção do condicionamento físico adquirido, com treinamentos voltados para a parte técnica e tática. Porém essa manutenção do condicionamento físico adquirido, não foi mensurada, sendo difícil afirmar se houve, ou não, ganho de condicionamento físico dos atletas. Segundo Monteiro e Lopes (2009) a periodização tem seus períodos e também suas divisões: macrociclos, mesociclos, microciclos e sessões de treinamentos. Essas subdivisões possuem características próprias dentro da periodização, que devem ser aplicadas conforme o período e objetivos do treinamento. Não houve a organização sistemática do processo de preparação física da equipe estudada. O fato de a equipe não ter parâmetro quantitativo e qualitativo do treinamento acarretou em uma dificuldade na pesquisa em especificar as variáveis de treino, como carga, volume e intensidade. Mesmo não sendo possível analisar com clareza esses dados, foi possível verificar que a organização se torna primordial nesse processo. Como citado na literatura, existe ciclos de adaptações fisiológicas ao treinamento que devem ser organizadas em períodos diferentes para que se possa estimular a melhora das capacidades biomotoras dos jogadores. Barros e Guerra (2004) afirmam que cada posição tática do futebolista possui características diferentes em relação às demandas físicas impostas em jogo, e isso cria parâmetro para organização do treinamento. Dessa forma é possível afirmar que a aplicação da periodização do treinamento nessa equipe, minimizaria erros na elaboração e prescrição dos treinos. CONCLUSÕES A pesquisa teve como proposta analisar o perfil físico do jogador que atuava na posição de meio de campo e lateral, verificando quais demandas fisiológicas são impostas no jogo para esse atleta, e a influência técnica e tática dessa adaptação do jogador em diferentes posições, verificando as possibilidades da preparação física específica para estes jogadores. Discutiremos alguns itens relacionados aos conceitos da periodização estudados por Dantas (1998); Bompa (2002); Gomes e Souza (2008) e Monteiro e Lopes (2009). A preparação física do lateral não seguia critérios científicos de elaboração, prescrição e controle de treinos. O planejamento era feito apenas com base na experiência do preparador físico, não sendo possível quantificar, volume, intensidade e cargas de treinos. A disponibilidade de dias para os treinos, sendo na maior parte das vezes 2 dias por semana, destinados à preparação física, possivelmente ocasionava prejuízos físicos ao atleta, onde segundo Platonov (2008), para uma adaptação fisiológica do treinamento em níveis ótimos, é necessário de quatro a doze sessões por semana, sendo utilizado em média dez sessões semanais em equipes de alto nível em esportes coletivos. A equipe não tinha dados para quantificar os efeitos dos treinos realizados em dois dias por semana em relação ao condicionamento físico do atleta, por falta de avaliações físicas. Foi também verificada a improvisação durante a aplicação dos treinos, causada pela falta de materiais específicos para esse tipo de trabalho. Quando analisados os tipos de deslocamentos dos futebolistas, foi verificado que o que se aplicava nos treinos não condizia com os deslocamentos verificados no jogo, demonstrando a falta de especificidade. A seguir então, discutiremos alguns itens dessa análise dos deslocamentos dos futebolistas de acordo com estudos feitos por Thomas e Reilly (1976); Bangsbo (1991); Ekblom (1993), citado por 51

8 Barros e Guerra (2004). A análise das distâncias percorridas nos jogos foi diferente dos estudos sobre deslocamentos de futebolistas encontrados na literatura cientifica já citada acima, por motivos metodológicos e pelos critérios criados para esse tipo de análise, sendo diferentes entre as pesquisas. A aproximação exata dos treinos com os tipos de deslocamentos em jogos se torna difícil, pelo fato de que ocorre uma variabilidade grande de ações em deslocamentos em jogo, apresentadas de forma intermitente. A atuação dos jogadores em diferentes posições exigia os mesmos tipos de deslocamentos, porém em magnitudes diferentes, de acordo com a posição de atuação. Essa variação nos deslocamentos deve ser considerada para ser utilizada como parâmetro quantitativo para prescrição das sessões de treino. Os tipos de deslocamentos eram influenciados por inúmeros fatores, como qualidade do oponente, esquemas táticos das equipes, importância do jogo, aspectos psicológicos, entre outros fatores, verificados também nos estudos feitos por Thomas e Reilly (1976) citado por Barros e Guerra (2004). Atualmente entende-se que há uma necessidade de um entendimento maio por parte do preparador físico, das demandas fisiológicas impostas nos jogos, para que haja possibilidade de aplicação da periodização. É visto que o futebolista é exigido em esforços intensos, porém de curta duração, enfatizando a necessidade da verificação da distância do esforço, tempo de duração e velocidade de deslocamento, utilizando esses dados para elaboração e prescrição dos treinos.foram verificados vários erros metodológicos de treinos, um deles foi a corrida, treinada em distâncias maiores que à utilizada em jogos. Em relação ao treino das capacidades biomotoras, Santos e Soares (2001), afirmam que a preparação da força explosiva, velocidade, resistência aeróbia e anaeróbia, devem ser privilegiadas no treinamento. Barros e Guerra (2004) citam que o jogador deve ter um alto grau de força, endurance, velocidade, agilidade e flexibilidade. Para Gomes e Souza (2008) as capacidades motoras determinantes no futebol são: força, força explosiva, resistência de força, velocidade, resistência de velocidade e resistência. Por isso, este estudo comprova a importância da periodização aplicada no futebol, se adequando às características de cada jogador, e as características do futebol, considerando à influência sofrida pelo aspecto tático, técnico, importância do jogo e qualidade do adversário. Com isso fica claro que o jogador é solicitado de diferentes formas, e não especificamente pela posição que atua. Entendemos com isso, que o jogador deve ser treinado de forma que o possibilite estar preparado para a imprevisibilidade de esforços exigidos no futebol, aproximando os conteúdos dos treinos, com as características dos jogos, utilizando a periodização. Verificamos que o lateral possui a capacidade de adaptação em outra posição, pelo seu aspecto técnico, e pela aplicação tática da equipe, resultando na necessidade de adaptação em outra posição, e não pela sua capacidade física, hipótese levantada durante o trabalho. E por fim sugere-se que outros estudos sejam desenvolvidos no sentido de entender como planejar de maneira eficaz a periodização do treinamento do futebol, considerando esses atletas e entendendo que esse esporte se manifesta de forma acíclica, onde o jogador é requerido a qualquer momento e de qualquer forma. REFERÊNCIAS BARROS, T. L.;GUERRA,.I, Ciência do futebol, Manole: Barueri, BOMPA, T. O., Periodização: teoria e metodologia do treinamento, 4ª ed., Phorte: São Paulo, DANTAS, E. H. M. A prática da preparação física, 4. ed. Rio de Janeiro: Shape, GOMES, A C; SOUZA, J: Futebol: treinamento desportivo de alto rendimento, Artmed: Porto Alegre, MONTEIRO, A; LOPES, C. R. Periodização esportiva: estruturação do treinamento, AG: São Paulo, PLATONOV, V. N., Tratado geral do treinamento desportivo, Phorte, São Paulo, SANTOS, P. J; SOARES, J. M. Capacidade aeróbia em futebolista de elite em função da posição especifica no jogo. Porto. Revista portuguesa de ciências do desporto e Educação Física. Vol Faculdade de Americana - FAM/DEF Rua dos Cajueiros n Jardim Capuava Nova Odessa/SP 52

ANÁLISE DE JOGO E SUAS POSSÍVEIS CONTRIBUIÇÕES NA EVOLUÇÃO DO FUTEBOL.

ANÁLISE DE JOGO E SUAS POSSÍVEIS CONTRIBUIÇÕES NA EVOLUÇÃO DO FUTEBOL. 1 ANÁLISE DE JOGO E SUAS POSSÍVEIS CONTRIBUIÇÕES NA EVOLUÇÃO DO FUTEBOL. Bernardino Sogabe Priante Aluno concluinte do CEDF/UEPA bernardinosogabepriante@yahoo.com.br Carlos Dorneles Professor Mestre orientador

Leia mais

QUANTIFICAÇÃO FISIOLÓGICA DA CARGA DE TRABALHO EM ESPORTES AQUÁTICOS: EFICÁCIA PARA A VITÓRIA ESPORTIVA *

QUANTIFICAÇÃO FISIOLÓGICA DA CARGA DE TRABALHO EM ESPORTES AQUÁTICOS: EFICÁCIA PARA A VITÓRIA ESPORTIVA * QUANTIFICAÇÃO FISIOLÓGICA DA CARGA DE TRABALHO EM ESPORTES AQUÁTICOS: EFICÁCIA PARA A VITÓRIA ESPORTIVA * Estélio H. M. Dantas * INTRODUÇÃO Graças à democratização e à abertura que ocorreu na Rússia com

Leia mais

ANÁLISE DOS NÍVEIS DE APTIDÃO FÍSICA DE MENINOS PRATICANTES DE FUTSAL NA CATEGORIA SUB 12 13 DA CIDADE DE GUARAPUAVA PR

ANÁLISE DOS NÍVEIS DE APTIDÃO FÍSICA DE MENINOS PRATICANTES DE FUTSAL NA CATEGORIA SUB 12 13 DA CIDADE DE GUARAPUAVA PR Os textos são de responsabilidade de seus autores. ANÁLISE DOS NÍVEIS DE APTIDÃO FÍSICA DE MENINOS PRATICANTES DE FUTSAL NA CATEGORIA SUB 12 13 DA CIDADE DE GUARAPUAVA PR RESUMO Daiane Grando 1 2 O propósito

Leia mais

ANÁLISE DAS CARGAS E MÉTODOS DE TREINAMENTO UTILIZADOS NA PREPARAÇÃO FÍSICA DO FUTSAL FEMININO AMAZONENSE

ANÁLISE DAS CARGAS E MÉTODOS DE TREINAMENTO UTILIZADOS NA PREPARAÇÃO FÍSICA DO FUTSAL FEMININO AMAZONENSE ANÁLISE DAS CARGAS E MÉTODOS DE TREINAMENTO UTILIZADOS NA PREPARAÇÃO FÍSICA DO FUTSAL FEMININO AMAZONENSE INTRODUÇÃO AGNELO WEBER DE OLIVEIRA ROCHA RONÉLIA DE OLIVEIRA MELO VIANA UFAM UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

POTÊNCIA ANAERÓBIA EM ATLETAS DE FUTEBOL DE CAMPO: DIFERENÇAS ENTRE CATEGORIAS.

POTÊNCIA ANAERÓBIA EM ATLETAS DE FUTEBOL DE CAMPO: DIFERENÇAS ENTRE CATEGORIAS. POTÊNCIA ANAERÓBIA EM ATLETAS DE FUTEBOL DE CAMPO: DIFERENÇAS ENTRE CATEGORIAS. Leandro Mateus Pagoto Spigolon 1, João Paulo Borin 1, Gerson dos Santos Leite 1, Carlos Roberto Pereira Padovani 2, Carlos

Leia mais

A CIÊNCIA DOS PEQUENOS JOGOS Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte

A CIÊNCIA DOS PEQUENOS JOGOS Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte A CIÊNCIA DOS PEQUENOS JOGOS Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte Prof. Antonio Carlos Fedato Filho Prof. Guilherme Augusto de Melo Rodrigues Monitorando e conhecendo melhor os trabalhos

Leia mais

Plano de preparação desportiva

Plano de preparação desportiva Plano de preparação desportiva COMPONENTES DO PLANO Técnico Tático Físico-fisiológico Psicológico Administrativo Socioeducacional Clínico Metas curto, médio, longo prazos Categorias de Base ABC-FC Departamento

Leia mais

FATORES RELACIONADOS COM O NÍVEL DE ANSIEDADE EM ATLETAS DE FUTEBOL FEMININO

FATORES RELACIONADOS COM O NÍVEL DE ANSIEDADE EM ATLETAS DE FUTEBOL FEMININO FATORES RELACIONADOS COM O NÍVEL DE ANSIEDADE EM ATLETAS DE FUTEBOL FEMININO (FACTORS RELATED TO THE ANXIETY LEVEL IN FOOTBALL FEMALE ATHLETES) Marcos Vinicius Dias Munhóz 1 ; Claudia Teixeira-Arroyo 1,2

Leia mais

Velocidade no Futebol - Capacidade é complexa e precisa ser analisada de forma global

Velocidade no Futebol - Capacidade é complexa e precisa ser analisada de forma global Velocidade no Futebol - Capacidade é complexa e precisa ser analisada de forma global Marcio Faria CORREA Quando falamos em velocidade, uma capacidade neuro-motora tão importante para a maioria dos esportes,

Leia mais

Navarro, F. In Planificacion del entrenamiento a largo plazo

Navarro, F. In Planificacion del entrenamiento a largo plazo Um programa de treino bem organizado e planificado, durante um período de tempo prolongado, aumenta a eficácia da preparação para as competições futuras mais importantes, uma vez que: introduz uma utilização

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA ESPECIFICIDADE NO TREINAMENTO DO FUTEBOL CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: EDUCAÇÃO FÍSICA

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA ESPECIFICIDADE NO TREINAMENTO DO FUTEBOL CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: EDUCAÇÃO FÍSICA TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA ESPECIFICIDADE NO TREINAMENTO DO FUTEBOL CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: EDUCAÇÃO FÍSICA INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA AUTOR(ES): RODRIGO

Leia mais

Palavras-chave: Futebol. Preparação física. Diferentes Posições.

Palavras-chave: Futebol. Preparação física. Diferentes Posições. DIFERENTES POSIÇÕES DO FUTEBOL DE CAMPO E A ESPECIFICIDADE DA PREPARAÇÃO FÍSICA Jaemyeong Shin Sônia Beatriz da Silva Gomes RESUMO A preparação física no futebol é implantada em qualquer atividade referente

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO JOGO E DO MODELO DE JOGO NA PERFORMANCE DOS ATLETAS

A INFLUÊNCIA DO JOGO E DO MODELO DE JOGO NA PERFORMANCE DOS ATLETAS A INFLUÊNCIA DO JOGO E DO MODELO DE JOGO NA PERFORMANCE DOS ATLETAS A preparação física como norte do processo ou subordinada às variáveis da partida? Uma análise sob a ótica sistêmica. Por Cyro Bueno*

Leia mais

OS EFEITOS DO TREINAMENTO FORÇA SOBRE A POTÊNCIA E A VELOCIDADE EM ATLETAS DE FUTSAL DA CATEGORIA ADULTO MASCULINO.

OS EFEITOS DO TREINAMENTO FORÇA SOBRE A POTÊNCIA E A VELOCIDADE EM ATLETAS DE FUTSAL DA CATEGORIA ADULTO MASCULINO. OS EFEITOS DO TREINAMENTO FORÇA SOBRE A POTÊNCIA E A VELOCIDADE EM ATLETAS DE FUTSAL DA CATEGORIA ADULTO MASCULINO. THE EFFECTS OF STRENGTH TRAINING ON THE POWER AND THE SPEED IN ATHLETES OF FUTSAL OF

Leia mais

Preparação física no Futebol? Uma abordagem sistémica - complexa do Jogo

Preparação física no Futebol? Uma abordagem sistémica - complexa do Jogo Preparação física no Futebol? Uma abordagem sistémica - complexa do Jogo Licenciado em Ciências do Desporto (FMH); Treinador de Futebol há 15 anos; Pós-Graduação em Treino de Alto Rendimento; Especialização

Leia mais

VELOCIDADE APLICADA EM ATACANTES DO FUTEBOL

VELOCIDADE APLICADA EM ATACANTES DO FUTEBOL CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES ASSOCIADAS DE ENSINO - FAE MATHEUS HENRIQUE DOS SANTOS VELOCIDADE APLICADA EM ATACANTES DO FUTEBOL SÃO JOÃO DA BOA VISTA SP 2009 9 INTRODUÇÃO Segundo (Tubino apud Alves

Leia mais

CARACTERÍSTICAS ESPECIFICAS E FATORES FISIOLÓGICOS DO TREINAMENTO DO VOLEIBOL DE ALTO N ~ L

CARACTERÍSTICAS ESPECIFICAS E FATORES FISIOLÓGICOS DO TREINAMENTO DO VOLEIBOL DE ALTO N ~ L CARACTERÍSTICAS ESPECIFICAS E FATORES FISIOLÓGICOS DO TREINAMENTO DO VOLEIBOL DE ALTO N ~ L JOSÉ ALBERTO PINT~* LEONARDO RAPOSO ROCHA GOMES. 1 ' SUMO uma anáiise das características espedficas do voleiboi,

Leia mais

DESCRIÇÃO DA PERCEPÇÃO DE ESFORÇO FRENTE ÀS MODIFICAÇÕES DE REGRAS EM JOGOS-TREINO NO BASQUETEBOL.

DESCRIÇÃO DA PERCEPÇÃO DE ESFORÇO FRENTE ÀS MODIFICAÇÕES DE REGRAS EM JOGOS-TREINO NO BASQUETEBOL. Revista Hórus, volume 7, número 1 (Jan-Mar), 2013. 24 DESCRIÇÃO DA PERCEPÇÃO DE ESFORÇO FRENTE ÀS MODIFICAÇÕES DE REGRAS EM JOGOS-TREINO NO BASQUETEBOL. Murilo José de Oliveira Bueno¹ e Felipe Arruda Moura

Leia mais

INCIDÊNCIAS DE LESÕES EM JOGADORES DE FUTEBOL E FUTSAL EM CAMPO GRANDE-MS

INCIDÊNCIAS DE LESÕES EM JOGADORES DE FUTEBOL E FUTSAL EM CAMPO GRANDE-MS INCIDÊNCIAS DE LESÕES EM JOGADORES DE FUTEBOL E FUTSAL EM CAMPO GRANDE-MS INTRODUÇÃO PAULO CÉSAR MONTEIRO RAMON GUSTAVO DE MORAES OVANDO Dom Bosco Catholic University - UCDB, Campo Grande - MS - Brazil

Leia mais

MUDANÇAS DO DESEMPENHO INTERMITENTE EM FUTEBOLISTAS SUB-18

MUDANÇAS DO DESEMPENHO INTERMITENTE EM FUTEBOLISTAS SUB-18 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE EDUCAÇÃO FÍSICA RODRIGO BARÇANTE BORGO MUDANÇAS DO DESEMPENHO INTERMITENTE EM FUTEBOLISTAS SUB-18 CAMPINAS

Leia mais

ANALYSIS OF MUSCULAR INJURIES INDICES IN SOCCER ATHLETES OF INTERNATIONAL SPORT CLUB IN SANTA MARIA/NOVO HORIZONTE - RS 1

ANALYSIS OF MUSCULAR INJURIES INDICES IN SOCCER ATHLETES OF INTERNATIONAL SPORT CLUB IN SANTA MARIA/NOVO HORIZONTE - RS 1 Disciplinarum Scientia. Série: Ciências da Saúde, Santa Maria, v. 6, n. 1, 2005. 81 ANÁLISE DOS ÍNDICES DE LESÕES MUSCULARES EM ATLETAS DE FUTEBOL DO ESPORTE CLUBE INTERNACIONAL DE SANTA MARIA / NOVO 1

Leia mais

Período de Preparação Período de Competição Período de Transição

Período de Preparação Período de Competição Período de Transição PERIODIZAÇÃO Desde que a chamada "Ciência do Esporte" passou a sistematizar e metodizar o Treinamento Desportivo, a periodização passou a ser a única forma de se organizar todo o trabalho realizado durante

Leia mais

EFEITO DE UM PROGRAMA PERSONALIZADO DE EXERCÍCIOS FÍSICOS NA COMPOSIÇÃO CORPORAL: UM ESTUDO DE CASO

EFEITO DE UM PROGRAMA PERSONALIZADO DE EXERCÍCIOS FÍSICOS NA COMPOSIÇÃO CORPORAL: UM ESTUDO DE CASO EFEITO DE UM PROGRAMA PERSONALIZADO DE EXERCÍCIOS FÍSICOS NA COMPOSIÇÃO CORPORAL: UM ESTUDO DE CASO CELI, Jonathan Antônio 1 ; PANDA, Maria Denise Justo 2 Resumo: Esta pesquisa teve como objetivo analisar

Leia mais

Prof. Fernando R. Ferreira frf.frf@hotmail.com

Prof. Fernando R. Ferreira frf.frf@hotmail.com Prof. Fernando R. Ferreira frf.frf@hotmail.com Esquema de Aula Atividade Física Bioenergética - Sistemas Produtores de Energia Princípio do Treinamento Identificação de Índices Fisiológicos Capacidade

Leia mais

OS INDICADORES TÉCNICOS DO JOGO E A CLASSIFICAÇÃO: UM ESTUDO SOBRE O 16º CAMPEONATO NACIONAL DE BASQUETEBOL MASCULINO.

OS INDICADORES TÉCNICOS DO JOGO E A CLASSIFICAÇÃO: UM ESTUDO SOBRE O 16º CAMPEONATO NACIONAL DE BASQUETEBOL MASCULINO. OS INDICADORES TÉCNICOS DO JOGO E A CLASSIFICAÇÃO: UM ESTUDO SOBRE O 16º CAMPEONATO NACIONAL DE BASQUETEBOL MASCULINO. Resumo *João Paulo Ferreira Dantas **José Carlos de B. V. Filho Os objetivos deste

Leia mais

CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA

CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA 1 CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2012.2 BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA... 4 02 BIOLOGIA HUMANA... 4 03 NATAÇÃO... 4 04 ESPORTE

Leia mais

Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo

Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo Unidade II Controle e Prescrição do Treinamento Prof. Esp. Jorge Duarte Prescrição de Atividades Físicas Condições de saúde; Estado geral do aluno (cliente);

Leia mais

CORRELAÇÃO ENTRE FORÇA, VELOCIDADE EM CATEGORIAS DE BASE NO FUTEBOL

CORRELAÇÃO ENTRE FORÇA, VELOCIDADE EM CATEGORIAS DE BASE NO FUTEBOL UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE-UNESC UNIDADE ACADÊMICA DE HUMANIDADES CIÊNCIAS E EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA CRICIÚMA, SANTA CATARINA CORRELAÇÃO ENTRE FORÇA, VELOCIDADE EM CATEGORIAS

Leia mais

Abordagens Matemáticas e Estatísticas para o Futebol

Abordagens Matemáticas e Estatísticas para o Futebol Universidade Estadual de Campinas UNICAMP Abordagens Matemáticas e Estatísticas para o Futebol Aluna: Juliana Mayumi Aoki Orientador: Laércio Luis Vendite Identificação do trabalho Título Abordagens Matemáticas

Leia mais

CRISTOVÃO PEDRO MAIA

CRISTOVÃO PEDRO MAIA CRISTOVÃO PEDRO MAIA COMPARAÇÃO A MOTIVAÇÃO PARA A PRÁTICA ESPORTIVA ETRE DUAS EQUIPES PROFISSIOAIS DE FUTSAL DA CATEGORIA ADULTO Artigo apresentado como Trabalho de Conclusão de Curso em Especialização

Leia mais

PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO PROF.ª ESP. MARIA HELENA CARVALHO

PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO PROF.ª ESP. MARIA HELENA CARVALHO PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO PROF.ª ESP. MARIA HELENA CARVALHO Periodização Periodização é o planejamento geral e detalhado da utilização do tempo disponível para treinamento de acordo com objetivos intermediários

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA BACHARELADO (Currículo de início em 2015)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA BACHARELADO (Currículo de início em 2015) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA BACHARELADO (Currículo de início em 2015) ANATOMIA HUMANA C/H 102 3248 Estudo da estrutura e função dos órgãos em seus respectivos sistemas no corpo

Leia mais

Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular

Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular Object 1 Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular Curso de Educação Física. Centro Universitário Toledo de Araçatuba - UNITOLEDO. (Brasil) Prof. Mário Henrique

Leia mais

METODOLOGIAS DE ENSINO SINTÉTICA E ANALÍTICA APLICADA AOS FUNDAMENTOS TÉCNICOS DO TOQUE E SAQUE NO VOLEIBOL

METODOLOGIAS DE ENSINO SINTÉTICA E ANALÍTICA APLICADA AOS FUNDAMENTOS TÉCNICOS DO TOQUE E SAQUE NO VOLEIBOL METODOLOGIAS DE ENSINO SINTÉTICA E ANALÍTICA APLICADA AOS FUNDAMENTOS TÉCNICOS DO TOQUE E SAQUE NO VOLEIBOL Fábio H. A. Okazaki; Priscila M. Caçola; Victor H. A.Okazaki; Ricardo W. Coelho UFPR / PR CECOM

Leia mais

O Papel do Professor de Educação Física na Prevenção de Lesões em Atletas

O Papel do Professor de Educação Física na Prevenção de Lesões em Atletas 1 O Papel do Professor de Educação Física na Prevenção de Lesões em Atletas Resumo: O professor de Educação Física tem uma grande importância na prevenção de lesões em atletas, se o mesmo respeitar os

Leia mais

ANALISE DA APTIDÃO FÍSICA DOS JOGADORES PROFISSIONAIS DE FUTEBOL DO ESPORTE CLUBE FLAMENGO (ECF) NA TEMPORADA 2011.

ANALISE DA APTIDÃO FÍSICA DOS JOGADORES PROFISSIONAIS DE FUTEBOL DO ESPORTE CLUBE FLAMENGO (ECF) NA TEMPORADA 2011. 1 ANALISE DA APTIDÃO FÍSICA DOS JOGADORES PROFISSIONAIS DE FUTEBOL DO ESPORTE CLUBE FLAMENGO (ECF) NA TEMPORADA 2011. INTRODUÇÃO RAFAEL DAMASCENO OLIVEIRA Universidade Federal de Viçosa Viçosa MG- Brasil

Leia mais

JOGADORES JUVENIS DE FUTEBOL SUBMETIDOS A TREINAMENTO GENERALISTAE DIFERENÇA NA POTÊNCIA AERÓBIA EM CONSEQUÊNCIA DE SEU POSICIONAMENTO TÁTICO EM CAMPO

JOGADORES JUVENIS DE FUTEBOL SUBMETIDOS A TREINAMENTO GENERALISTAE DIFERENÇA NA POTÊNCIA AERÓBIA EM CONSEQUÊNCIA DE SEU POSICIONAMENTO TÁTICO EM CAMPO JOGADORES JUVENIS DE FUTEBOL SUBMETIDOS A TREINAMENTO GENERALISTAE DIFERENÇA NA POTÊNCIA AERÓBIA EM CONSEQUÊNCIA DE SEU POSICIONAMENTO TÁTICO EM CAMPO Marcelo Ribeiro Ramos, Faculdade de Minas FAMINAS,

Leia mais

MÉTODOS DE TREINAMENTO DE FLEXIBILIDADE EM PRATICANTES DE GINÁSTICA RÍTMICA DO PARANÁ

MÉTODOS DE TREINAMENTO DE FLEXIBILIDADE EM PRATICANTES DE GINÁSTICA RÍTMICA DO PARANÁ ESTUDOS E REFLEXÕES V 5 - Nº 9 PÁGS. 43 A 50 V Encontro de Pesquisa em Educação Física 1ª Parte RECEBIDO EM: 00-00-0000 ACEITO EM: 00-00-0000 ARTIGO ORIGINAL MÉTODOS DE TREINAMENTO DE FLEXIBILIDADE EM

Leia mais

VELOCIDADE NO BASQUETEBOL SPEED IN THE BASKETBALL

VELOCIDADE NO BASQUETEBOL SPEED IN THE BASKETBALL Revista Conexões v. 4, n. 2, 2006 47 VELOCIDADE NO BASQUETEBOL SPEED IN THE BASKETBALL Mndo. João Nunes Ms. Eduardo Fantato Dr. Paulo Cesar Montagner Faculdade de Educação Física/UNICAMP Resumo O treinamento

Leia mais

O ENSINO DO HANDEBOL NA ESCOLA: UMA PROPOSTA DE SISTEMATIZAÇÃO DOS CONTEÚDOS

O ENSINO DO HANDEBOL NA ESCOLA: UMA PROPOSTA DE SISTEMATIZAÇÃO DOS CONTEÚDOS O ENSINO DO HANDEBOL NA ESCOLA: UMA PROPOSTA DE SISTEMATIZAÇÃO DOS CONTEÚDOS Resumo Scheila Medina 1 - PUCPR Luís Rogério de Albuquerque 2 - PUCPR Grupo de Trabalho - Didática: Teorias, Metodologias e

Leia mais

ANÁLISE DA VARIABILIDADE NA MEDIÇÃO DE POSICIONAMENTO TÁTICO NO FUTEBOL RESUMO

ANÁLISE DA VARIABILIDADE NA MEDIÇÃO DE POSICIONAMENTO TÁTICO NO FUTEBOL RESUMO CDD. 20.ed. 796.334 ANÁLISE DA VARIABILIDADE NA MEDIÇÃO DE POSICIONAMENTO TÁTICO NO FUTEBOL Sergio Augusto CUNHA * Mônica Ribeiro BINOTTO* Ricardo Machado Leite de BARROS ** RESUMO O objetivo deste trabalho

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E TREINAMENTO FUNCIONAL: APLICAÇÃO NAS AULAS DE ENSINO MÉDIO

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E TREINAMENTO FUNCIONAL: APLICAÇÃO NAS AULAS DE ENSINO MÉDIO EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E TREINAMENTO FUNCIONAL: APLICAÇÃO NAS AULAS DE ENSINO MÉDIO CAMILA APARECIDA DE SOUZA BATISTA DANIELLY MEDEIROS DA SILVA FELIPE ROCHA DOS SANTOS (ORIENTADOR) EEFD UFRJ - RIO DE

Leia mais

PROVAS INTERNAS. Provas Internas - Período: 04 de maio de 2013. Pontuação Geral das Provas Internas: PROVA TIPO 1º 2º

PROVAS INTERNAS. Provas Internas - Período: 04 de maio de 2013. Pontuação Geral das Provas Internas: PROVA TIPO 1º 2º 1ª Etapa PROVAS INTERNAS Provas Internas - Período: 04 de maio de 2013 Pontuação Geral das Provas Internas: PROVA TIPO 1º 2º 1. Desfile de Abertura Prévia 3000 2800 2. Grito de Guerra na Gincana Prévia

Leia mais

PERIODIZAÇÃO ESPORTIVA: macrociclo de

PERIODIZAÇÃO ESPORTIVA: macrociclo de UNIVERSIDADE GAMA FILHO UGF PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU TREINAMENTO DESPORTIVO Jean Carlo Magno PERIODIZAÇÃO ESPORTIVA: macrociclo de treinamento aplicado ao voleibol FLORIANOPOLIS, JUNHO DE 6. Periodização

Leia mais

SISTEMA 4-3-3. Brasil (1962). Origem no 4-2-4. Brasil (1970)

SISTEMA 4-3-3. Brasil (1962). Origem no 4-2-4. Brasil (1970) SISTEMA 4-3-3 HISTÓRICO/EVOLUÇÃO O sistema 4-3-3 tem sua origem no 4-2-4. O Brasil tinha como base o sistema 4-2-4 na Copa do Mundo de 1962. Zagallo era o ponta esquerda, com o seu recuo para auxiliar

Leia mais

Desenvolvimento das capacidades motoras

Desenvolvimento das capacidades motoras Desenvolvimento das capacidades motoras Capacidades motoras Todos nós possuímos capacidades motoras ou físicas e é através delas que conseguimos executar ações motoras, desde as mais básicas às mais complexas

Leia mais

RELATÓRIO DE CUMPRIMENTO DO OBJETO

RELATÓRIO DE CUMPRIMENTO DO OBJETO RELATÓRIO DE CUMPRIMENTO DO OBJETO PROJETO TREINAMENTO OLÍMPICO DE PÓLO AQUÁTICO PROCESSO: 58701.000695/2010-92 SLIE: 1000.112-33 Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos - CBDA ATIVIDADES DO PROFESSOR

Leia mais

REGULAMENTO DE MINIVOLEIBOL

REGULAMENTO DE MINIVOLEIBOL REGULAMENTO DE MINIVOLEIBOL ÍNDICE CAPITULO I - O JOGO DE MINIVOLEIBOL - REGRA 1 - Concepção do Jogo - REGRA 2 - A quem se dirige - REGRA 3 - Finalidade do Jogo CAPITULO II - INSTALAÇÕES E MATERIAL - REGRA

Leia mais

EFEITOS DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM-TREINAMENTO NO DESEMPENHO DE HABILIDADES TÉCNICAS DE JOGADORES DE FUTEBOL DA CATEGORIA SUB-13

EFEITOS DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM-TREINAMENTO NO DESEMPENHO DE HABILIDADES TÉCNICAS DE JOGADORES DE FUTEBOL DA CATEGORIA SUB-13 EFEITOS DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM-TREINAMENTO NO DESEMPENHO DE HABILIDADES TÉCNICAS DE JOGADORES DE FUTEBOL DA CATEGORIA SUB-13 Pablo Vecchi Moreira/ NUPEF UFV Mariana Calábria Lopes/ NUPEF UFV

Leia mais

INFLUENCIA DA FLEXIBILIDADE NO SALTO VERTICAL EM ATLETAS DE VOLEIBOL MASCULINO

INFLUENCIA DA FLEXIBILIDADE NO SALTO VERTICAL EM ATLETAS DE VOLEIBOL MASCULINO ROGER MARCHESE INFLUENCIA DA FLEXIBILIDADE NO SALTO VERTICAL EM ATLETAS DE VOLEIBOL MASCULINO Artigo apresentado como Trabalho de Conclusão de Curso em Especialização em Ciência do Treinamento Desportivo

Leia mais

O TREINAMENTO DOS SISTEMAS OFENSIVOS NO BASQUETEBOL BRASILEIRO: UM ESTUDO ORIENTADO POR ESPECIALISTAS DO DESPORTO DE ALTO RENDIMENTO

O TREINAMENTO DOS SISTEMAS OFENSIVOS NO BASQUETEBOL BRASILEIRO: UM ESTUDO ORIENTADO POR ESPECIALISTAS DO DESPORTO DE ALTO RENDIMENTO O TREINAMENTO DOS SISTEMAS OFENSIVOS NO BASQUETEBOL BRASILEIRO: UM ESTUDO ORIENTADO POR ESPECIALISTAS DO DESPORTO DE ALTO RENDIMENTO INTRODUÇÃO DR. VALDOMIRO DE OLIVEIRA DR. ROBERTO RODRIGUES PAES DR.

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA INCIDÊNCIA DE LESÕES ESPORTIVAS DURANTE OS 53º JOGOS REGIONAIS

CARACTERIZAÇÃO DA INCIDÊNCIA DE LESÕES ESPORTIVAS DURANTE OS 53º JOGOS REGIONAIS CARACTERIZAÇÃO DA INCIDÊNCIA DE LESÕES ESPORTIVAS DURANTE OS 53º JOGOS REGIONAIS Beatriz de Vilas Boas de Oliveira 1, Keyleytonn Sthil Ribeiro 2 1 Faculdade de Pindamonhangaba, Curso de Fisioterapia, biavilasboas@yahoo.com.br

Leia mais

POLIMENTO: O PERÍODO COMPETITIVO DA NATAÇÃO *

POLIMENTO: O PERÍODO COMPETITIVO DA NATAÇÃO * POLIMENTO: O PERÍODO COMPETITIVO DA NATAÇÃO * Moacyr da Rocha Freitas RESUMO O objetivo deste trabalho é apresentar um estudo sobre o Polimento, fundamentado na Teoria do Treinamento Desportivo. Através

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE O MOMENTO DE INCIDÊNCIA DE GOLS E A COMPARAÇÃO ENTRE A EQUIPE MANDANTE E A VISITANTE NO CAMPEONATO PAULISTA DE 2009

UM ESTUDO SOBRE O MOMENTO DE INCIDÊNCIA DE GOLS E A COMPARAÇÃO ENTRE A EQUIPE MANDANTE E A VISITANTE NO CAMPEONATO PAULISTA DE 2009 Recebido em: 1/3/211 Emitido parece em: 23/3/211 Artigo inédito UM ESTUDO SOBRE O MOMENTO DE INCIDÊNCIA DE GOLS E A COMPARAÇÃO ENTRE A EQUIPE MANDANTE E A VISITANTE NO CAMPEONATO PAULISTA DE 29 Leandro

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA BACHAELADO (Currículo de início em 2015)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA BACHAELADO (Currículo de início em 2015) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA BACHAELADO (Currículo de início em 2015) ANATOMIA HUMANA C/H 102 Estudo da estrutura e função dos órgãos em seus respectivos sistemas no corpo humano,

Leia mais

FORMAÇÃO DE JOGADORES NO FUTEBOL BRASILEIRO PRECISAMOS MELHORAR O PROCESSO? OUTUBRO / 2013

FORMAÇÃO DE JOGADORES NO FUTEBOL BRASILEIRO PRECISAMOS MELHORAR O PROCESSO? OUTUBRO / 2013 FORMAÇÃO DE JOGADORES NO FUTEBOL BRASILEIRO PRECISAMOS MELHORAR O PROCESSO? OUTUBRO / 2013 Recentemente, escrevi uma crônica cujo texto apresentava algumas possíveis causas para que o processo de formação

Leia mais

REVISTA EPISTEME TRANSVERSALIS V. 4, N.1, 2013 ANÁLISE DAS SITUAÇÕES DE INTERRUPÇÃO E TEMPO DE INCIDÊNCIA DAS FINALIZAÇÕES E GOLS DO FUTSAL

REVISTA EPISTEME TRANSVERSALIS V. 4, N.1, 2013 ANÁLISE DAS SITUAÇÕES DE INTERRUPÇÃO E TEMPO DE INCIDÊNCIA DAS FINALIZAÇÕES E GOLS DO FUTSAL REVISTA EPISTEME TRANSVERSALIS V. 4, N.1, 2013 ANÁLISE DAS SITUAÇÕES DE INTERRUPÇÃO E TEMPO DE INCIDÊNCIA DAS FINALIZAÇÕES E GOLS DO FUTSAL Éverton de Souza Medeiros 1 Moacyr de Souza Bisneto 2 Paulo Henrique

Leia mais

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN 1984-4956 versão eletrônica

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN 1984-4956 versão eletrônica 37 O ÍNDICE DE APROVEITAMENTO DOS CONTRA-ATAQUES É SUPERIOR AOS DAS JOGADAS OFENSIVAS DE POSSE DE BOLA Fábio Figuerôa dos Santos 1 RESUMO Este estudo teve o objetivo de analisar o índice de aproveitamento

Leia mais

FACULDADE METODISTA DE SANTA MARIA CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA JOSÉ OTAVIO FRANCO DORNELLES CREF2/RS 3700

FACULDADE METODISTA DE SANTA MARIA CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA JOSÉ OTAVIO FRANCO DORNELLES CREF2/RS 3700 FACULDADE METODISTA DE SANTA MARIA CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA JOSÉ OTAVIO FRANCO DORNELLES CREF2/RS 3700 QUALIDADES FÍSICAS DO ESPORTE ORIENTAÇÃO POTÊNCIA Santa Maria 2004 1 JOSÉ OTAVIO FRANCO DORNELLES

Leia mais

UNIVERSIDADE GAMA FILHO ALINE MEYRE DOMINGOS ALLAN JOSÉ SILVA DA COSTA DÓRIS ALVES DE LIRA BENÍCIO JOÃO MARQUES DANTAS

UNIVERSIDADE GAMA FILHO ALINE MEYRE DOMINGOS ALLAN JOSÉ SILVA DA COSTA DÓRIS ALVES DE LIRA BENÍCIO JOÃO MARQUES DANTAS UNIVERSIDADE GAMA FILHO ALINE MEYRE DOMINGOS ALLAN JOSÉ SILVA DA COSTA DÓRIS ALVES DE LIRA BENÍCIO JOÃO MARQUES DANTAS PERIODIZAÇÃO DO TREINAMENTO PARA CORREDORES DE RUA ESPECIALISTAS EM PROVAS DE DEZ

Leia mais

A PLIOMETRIA por Sebastião Mota

A PLIOMETRIA por Sebastião Mota por Sebastião Mota O termo pliometria refere-se a exercícios específicos que envolvam o Ciclo Alongamento- Encurtamento (CAE), isto é, um rápido alongamento da musculatura seguido de uma rápida acção concêntrica.

Leia mais

Palavras-chave: Controle Autonômico; Recuperação; Treinamento Esportivo; Esportes Coletivos.

Palavras-chave: Controle Autonômico; Recuperação; Treinamento Esportivo; Esportes Coletivos. RESUMO O futsal é um esporte intermitente com muitas substituições e pausas durante a partida, o que possibilita a recuperação de variáveis fisiológicas durante esses momentos, proporcionando ao jogador,

Leia mais

Sociedade União 1º.Dezembro. Das teorias generalistas. à ESPECIFICIDADE do treino em Futebol. Programação e. Periodização do.

Sociedade União 1º.Dezembro. Das teorias generalistas. à ESPECIFICIDADE do treino em Futebol. Programação e. Periodização do. Sociedade União 1º.Dezembro Das teorias generalistas à ESPECIFICIDADE do treino em Futebol Programação e Periodização do Treino em Futebol 1 Programação e Periodização do Treino em Futebol Ter a convicção

Leia mais

ANÁLISE DO NÍVEL DE ESTRESSE E ANSIEDADE EM BAILARINAS DO 28º FESTIVAL DE DANÇA DE JOINVILLE

ANÁLISE DO NÍVEL DE ESTRESSE E ANSIEDADE EM BAILARINAS DO 28º FESTIVAL DE DANÇA DE JOINVILLE ANÁLISE DO NÍVEL DE ESTRESSE E ANSIEDADE EM BAILARINAS DO 28º FESTIVAL DE DANÇA DE JOINVILLE Fernanda Almeida Gutierrez (UNIDERP) Fernanda Almeida Gutierrez, Licenciatura plena em Educação Física UNIDERP

Leia mais

ADAPTAÇÕES AO TREINAMENTO NO FUTEBOL Silvia Teixeira de Pinho; Daniel Medeiros Alves; Luiz Antonio O. Ramos Filho 1

ADAPTAÇÕES AO TREINAMENTO NO FUTEBOL Silvia Teixeira de Pinho; Daniel Medeiros Alves; Luiz Antonio O. Ramos Filho 1 ADAPTAÇÕES AO TREINAMENTO NO FUTEBOL Silvia Teixeira de Pinho; Daniel Medeiros Alves; Luiz Antonio O. Ramos Filho 1 Resumo O futebol é o esporte mais popular do planeta, praticado por milhões de participantes.

Leia mais

O Volume Do Treinamento No Futsal

O Volume Do Treinamento No Futsal O Volume Do Treinamento No Futsal Quando se fala de volume de treino é importante primeiramente entender quais são as vias metabólicas predominantemente envolvidas no esporte a ser treinado, e, respeitar

Leia mais

Periodização do Treinamento. Vitor Leandro da Silva Profeta Mestrando em Ciências do Esporte

Periodização do Treinamento. Vitor Leandro da Silva Profeta Mestrando em Ciências do Esporte Periodização do Treinamento Esportivo aplicada ao TaeKwon-Do Vitor Leandro da Silva Profeta Mestrando em Ciências do Esporte Exercício Homeostase Síndrome da Adaptação Geral Estresse Resistência Exaustão

Leia mais

PERIODIZAÇÃO PARA ALUNOS DE ACADEMIAS DE GINÁSTICA

PERIODIZAÇÃO PARA ALUNOS DE ACADEMIAS DE GINÁSTICA PERIODIZAÇÃO PARA ALUNOS DE ACADEMIAS DE GINÁSTICA INTRODUÇÃO RAFAEL RODRIGUES CARDOSO Universidade Federal de Goiás, Goiânia, Goiás, Brasil rafa_net@hotmail.com O homem exercitava seu corpo, mesmo que

Leia mais

PLANIFICAÇÃO E PERIODIZAÇÃO DO TREINO DE UMA EQUIPA DA 1ª DIVISÃO

PLANIFICAÇÃO E PERIODIZAÇÃO DO TREINO DE UMA EQUIPA DA 1ª DIVISÃO PLANIFICAÇÃO E PERIODIZAÇÃO DO TREINO DE UMA EQUIPA DA 1ª DIVISÃO Horácio Honório Curso de Treinadores de Hóquei em Patins Nível III CRITÉRIOS DE ORGANIZAÇÃO DA PLANIFICAÇÃO FUNDAÇÃO NORTECOOPE - SÉNIORES

Leia mais

Circuito de Atletismo em Pavilhão Games and Fun

Circuito de Atletismo em Pavilhão Games and Fun 2014 Circuito de Atletismo em Pavilhão Games and Fun Departamento Técnico Associação de Atletismo do Porto Introdução O Circuito de Torneios de Atletismo em Pavilhão tem como propósito o combate dos modelos

Leia mais

PLANO DE CARREIRA DO NADADOR DO AMINATA ÉVORA CLUBE DE NATAÇÃO

PLANO DE CARREIRA DO NADADOR DO AMINATA ÉVORA CLUBE DE NATAÇÃO PLANO DE CARREIRA DO NADADOR DO AMINATA ÉVORA CLUBE DE NATAÇÃO PLANO DE CARREIRA DO NADADOR AMINATA ÉVORA CLUBE DE NATAÇÃO Introdução O Aminata Évora Clube de Natação, sendo um clube dedicado a várias

Leia mais

PRODUÇÃO DE CONHECIMENTO EM VOLEIBOL

PRODUÇÃO DE CONHECIMENTO EM VOLEIBOL PRODUÇÃO DE CONHECIMENTO EM VOLEIBOL Gabriel Weiss Maciel Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil Henrique Cabral Faraco Universidade do Estado de Santa Catarina,

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA

PLANEJAMENTO ANUAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA SÉRIE: 7º ANO PROFESSORA:

Leia mais

Colunista da Revista W Run e colaborador das Revistas The Finisher e Revista O2

Colunista da Revista W Run e colaborador das Revistas The Finisher e Revista O2 CURRÍCULO HELENO FORTES RIBEIRO CREF:004375-GMG Diretor Técnico e Idealizador da HF Treinamento Esportivo Pós-Graduado em Treinamento Esportivo (lato sensu) UGF 2006 Graduado em Educação Física (Bacharel

Leia mais

Estudo da potência aeróbia em futebolistas da categoria sub-15 nas diferentes posições, por meio de dois protocolos indiretos

Estudo da potência aeróbia em futebolistas da categoria sub-15 nas diferentes posições, por meio de dois protocolos indiretos ISSN: 1983-7194 Estudo da potência aeróbia em futebolistas da categoria sub-15 nas diferentes posições, por meio de dois protocolos indiretos Study of aerobic power of different positions in under-15 soccer

Leia mais

ANÁLISE DOS TEMPOS E IDADES DO RANKING DA PROVA DOS 100 METROS MASCULINO

ANÁLISE DOS TEMPOS E IDADES DO RANKING DA PROVA DOS 100 METROS MASCULINO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 259 ANÁLISE DOS TEMPOS E IDADES DO RANKING DA PROVA DOS 100 METROS MASCULINO Rogers Figueiredo Claro 1, Aguinaldo

Leia mais

AVALIAÇÃO DA AGILIDADE EM ATLETAS NÃO PROFISSIONAIS DE FUTEBOL

AVALIAÇÃO DA AGILIDADE EM ATLETAS NÃO PROFISSIONAIS DE FUTEBOL Recebido em: 18/03/2011 Emitido parece em: 18/04/2011 Artigo inédito AVALIAÇÃO DA AGILIDADE EM ATLETAS NÃO PROFISSIONAIS DE FUTEBOL João Paulo Costa Marinho 1, Carminda Maria Goersch Fontenele Lamboglia

Leia mais

Revista Brasileira de Futsal e Futebol. ISSN 1984-4956 versão eletrônica

Revista Brasileira de Futsal e Futebol. ISSN 1984-4956 versão eletrônica 134 A CARACTRIZAÇÃO DO SFORÇO FÍSICO NO FUTSAL Ricardo Henrique Koski 1, lídio Patrício 1, Murilo Cesar Silingardi 1, Antonio Coppi Navarro 1,2 RSUMO A evolução do futsal tem levado a um aumento da produção

Leia mais

Justificativa Elevamos nossa avaliação para o valor de mercado de Neymar, do Barcelona, em 22,6%, de 55 milhões para 67,4 milhões.

Justificativa Elevamos nossa avaliação para o valor de mercado de Neymar, do Barcelona, em 22,6%, de 55 milhões para 67,4 milhões. Análise do Valor de Mercado Neymar - Barcelona PLURI Consultoria - O Esporte levado a Sério www.pluriconsultoria.com.br DISCLOSURE: Esta é uma avaliação estritamente técnica e baseada em modelo metodológico

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO PROFESSOR DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO Edital 21/2015 Campus Rio Pomba FOLHA DE PROVA

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO PROFESSOR DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO Edital 21/2015 Campus Rio Pomba FOLHA DE PROVA Tema 01: METODOLOGIA DO ENSINO DOS ESPORTES INDIVIDUAIS E COLETIVOS O ensino de esportes coletivos na Educação Física escolar deve ser balizado em princípios pedagógicos importantes como a diversidade,

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CENTRO DE ESTUDOS AVANÇADOS E FORMAÇÃO INTEGRADA ROBSON CARNEIRO ROSA

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CENTRO DE ESTUDOS AVANÇADOS E FORMAÇÃO INTEGRADA ROBSON CARNEIRO ROSA 3 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CENTRO DE ESTUDOS AVANÇADOS E FORMAÇÃO INTEGRADA ROBSON CARNEIRO ROSA BREVE NOTA SOBRE TREINAMENTO FUNCIONAL: VISÃO GERAL, OBJETIVO E METODOLOGIA. Goiânia/ 2012

Leia mais

Variação dos valores da distância percorrida e da velocidade de deslocamento em sessões de treino e em competições de futebolistas juniores

Variação dos valores da distância percorrida e da velocidade de deslocamento em sessões de treino e em competições de futebolistas juniores Variação dos valores da distância percorrida e da velocidade de deslocamento em sessões de treino e em competições de futebolistas juniores Pedro F. Caixinha 1 Jaime Sampaio 2 Pedro V. Mil-Homens 3 RESUMO

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA INICIAÇÃO DESPORTIVA DO FUTEBOL NO DESENVOLVIMENTO MOTOR DE CRIANÇAS DO SEXO MASCULINO COM IDADES ENTRE 11 A 13 ANOS.

A INFLUÊNCIA DA INICIAÇÃO DESPORTIVA DO FUTEBOL NO DESENVOLVIMENTO MOTOR DE CRIANÇAS DO SEXO MASCULINO COM IDADES ENTRE 11 A 13 ANOS. A INFLUÊNCIA DA INICIAÇÃO DESPORTIVA DO FUTEBOL NO DESENVOLVIMENTO MOTOR DE CRIANÇAS DO SEXO MASCULINO COM IDADES ENTRE 11 A 13 ANOS. Introdução AUTOR: JOÃO EDUARDO BICCA CARMO CORONEL Faculdade Metodista

Leia mais

Organização do treino de Badminton

Organização do treino de Badminton Organização do treino de Badminton Introdução O treino tem sempre uma variabilidade de factores enorme, qual o objectivo, a quem se destina, iniciação ou alto rendimento, qual a altura da época que nos

Leia mais

APOSTILA DE FUTSAL. 6º, 7º, 8º e 9º ANO. HISTÓRICO No Brasil

APOSTILA DE FUTSAL. 6º, 7º, 8º e 9º ANO. HISTÓRICO No Brasil APOSTILA DE FUTSAL 6º, 7º, 8º e 9º ANO HISTÓRICO No Brasil O Futebol de Salão tem duas versões sobre o seu surgimento, como em outros esportes, há divergências quanto a sua invenção. Há uma versão que

Leia mais

Aplicação do teste de Legêr para avaliação da capacidade aeróbia em atletas sub14 da Associação Portuguesa de Desportos.

Aplicação do teste de Legêr para avaliação da capacidade aeróbia em atletas sub14 da Associação Portuguesa de Desportos. Aplicação do teste de Legêr para avaliação da capacidade aeróbia em atletas sub14 da Associação Portuguesa de Desportos. Autor: Fabio Abenanti Nunes Co-Autor: Tiago Aquino Orientador: Cláudio Pavanelli

Leia mais

PRODUÇÃO CIENTÍFICA EM TREINAMENTO DE FORÇA NO CRESCIMENTO LONGITUDINAL DE ADOLESCENTES

PRODUÇÃO CIENTÍFICA EM TREINAMENTO DE FORÇA NO CRESCIMENTO LONGITUDINAL DE ADOLESCENTES PRODUÇÃO CIENTÍFICA EM TREINAMENTO DE FORÇA NO CRESCIMENTO LONGITUDINAL DE ADOLESCENTES Bianca Fernandes Di Toro¹; Josiane Lopes Pires 1 ; João Pedro Arantes 2 ; Eduardo Günther Montero 2 Estudante do

Leia mais

TÍTULO: CONHECIMENTO E UTILIZAÇÃO DE BEBIDAS ISOTÔNICAS POR PRATICANTES DE ATIVIDADE FÍSICA

TÍTULO: CONHECIMENTO E UTILIZAÇÃO DE BEBIDAS ISOTÔNICAS POR PRATICANTES DE ATIVIDADE FÍSICA TÍTULO: CONHECIMENTO E UTILIZAÇÃO DE BEBIDAS ISOTÔNICAS POR PRATICANTES DE ATIVIDADE FÍSICA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: NUTRIÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADES INTEGRADAS CORAÇÃO

Leia mais

Federação Portuguesa de Minigolfe UPD REGULAMENTO GERAL DE PROVAS. Aprovado na Assembleia Geral de 2013-12-07

Federação Portuguesa de Minigolfe UPD REGULAMENTO GERAL DE PROVAS. Aprovado na Assembleia Geral de 2013-12-07 Federação Portuguesa de Minigolfe UPD REGULAMENTO GERAL DE PROVAS Aprovado na Assembleia Geral de 2013-12-07 REGULAMENTO GERAL DE PROVAS DESPORTIVAS 1. PROVAS FEDERATIVAS 1.1. São consideras Provas Federativas

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO. ANEXO I. PROJETO DE ( ) CURTA DURAÇÃO (x) LONGA DURAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO. ANEXO I. PROJETO DE ( ) CURTA DURAÇÃO (x) LONGA DURAÇÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE ( ) CURTA DURAÇÃO (x) LONGA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DE MINIVOLEIBOL

REGULAMENTO DE MINIVOLEIBOL REGULAMENTO DE MINIVOLEIBOL ÍNDICE CAPITULO I - O JOGO DE MINIVOLEIBOL - REGRA 1 - Concepção do Jogo - REGRA 2 - A quem se dirige - REGRA 3 - Finalidade do Jogo CAPITULO II - INSTALAÇÕES E MATERIAL - REGRA

Leia mais

As diferentes funções que o modelo de jogo da equipe desencadeia ao goleiro uma comparação entre Brasil e Alemanha

As diferentes funções que o modelo de jogo da equipe desencadeia ao goleiro uma comparação entre Brasil e Alemanha As diferentes funções que o modelo de jogo da equipe desencadeia ao goleiro uma comparação entre Brasil e Alemanha As funções que o modelo de jogo da equipe desencadeia ao goleiro FERNANDO PAIVA CORRÊA

Leia mais

O Treino no BTT. COALA Clube Orientação Aventura Litoral Alentejano

O Treino no BTT. COALA Clube Orientação Aventura Litoral Alentejano COALA Clube Orientação Aventura Litoral Alentejano O Treino no BTT Para todos aqueles que se iniciam no BTT, e até no caso de alguns veteranos, existe a tendência natural para copiar esquemas e métodos

Leia mais

EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt

EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt Resumo O objetivo deste estudo foi analisar a realização de dois treinamentos

Leia mais

(S.I.) = 10 + 6 3) (FP) O

(S.I.) = 10 + 6 3) (FP) O Lista Cinemática 1) (FP) Um motorista pretende realizar uma viagem com velocidade média de 90 km/h. A primeira terça parte do percurso é realizada à 50km/h e os próximos 3/5 do restante é realizado à 80

Leia mais

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DO BASQUETE MINEIRO

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DO BASQUETE MINEIRO PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DO BASQUETE MINEIRO O que é? O Programa de Desenvolvimento do Basquete Mineiro (PDBM) é um projeto focado no atendimento as demandas dos clubes e escolas, em novas metodologias

Leia mais

METODOLOGIA DO TREINO

METODOLOGIA DO TREINO faculdade de motricidade humana unidade orgânica de ciências do desporto METODOLOGIA DO TREINO Objectivos 1. dominar os conceitos fundamentais em treino desportivo. 2. conhecer os diversos factores do

Leia mais

PERIODIZAÇÃO E PLANEJAMENTO DO TREINAMENTO ESPORTIVO. SÍNTESE BIBLIOGRÁFICA *

PERIODIZAÇÃO E PLANEJAMENTO DO TREINAMENTO ESPORTIVO. SÍNTESE BIBLIOGRÁFICA * PERIODIZAÇÃO E PLANEJAMENTO DO TREINAMENTO ESPORTIVO. SÍNTESE BIBLIOGRÁFICA * Norberto Alarcón INTRODUÇÃO A periodização e planejamento do treinamento esportivo, como área especializada deste, e a sua

Leia mais

Pró-Reitoria de Graduação Educação Física

Pró-Reitoria de Graduação Educação Física Pró-Reitoria de Graduação Educação Física Trabalho LUCA de LAMEIRA Conclusão ANTUNES de Curso ANÁLISE DOS GOLS QUE SE ORIGINARAM DE BOLAS PARADAS DO CAMPEONATO BRASILEIRO DE FUTEBOL DE CAMPO DE 2011 Artigo

Leia mais

8º Congresso de Pós-Graduação ESTRUTURA DE PRÁTICA NA APRENDIZAGEM MOTORA E PEDAGOGIA DO ENSINO DE MODALIDADES DESPORTIVAS COLETIVAS

8º Congresso de Pós-Graduação ESTRUTURA DE PRÁTICA NA APRENDIZAGEM MOTORA E PEDAGOGIA DO ENSINO DE MODALIDADES DESPORTIVAS COLETIVAS 8º Congresso de Pós-Graduação ESTRUTURA DE PRÁTICA NA APRENDIZAGEM MOTORA E PEDAGOGIA DO ENSINO DE MODALIDADES DESPORTIVAS COLETIVAS Autor(es) PROF. MS. TIAGO VOLPI BRAZ Co-Autor(es) PROF. MS. VITOR ANTONIO

Leia mais