IMPLEMENTAÇÃO DAS CAMADAS Inference Machine e Message Service Element PARA UM SERVIDOR DE SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE Workflow HOSPITALAR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IMPLEMENTAÇÃO DAS CAMADAS Inference Machine e Message Service Element PARA UM SERVIDOR DE SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE Workflow HOSPITALAR"

Transcrição

1 IMPLEMENTAÇÃO DAS CAMADAS Inference Machine e Message Service Element PARA UM SERVIDOR DE SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE Workflow HOSPITALAR Jeferson J. S. Boesing 1 ; Manassés Ribeiro 2 1.Aluno do Curso de Educação Profissional Técnica de Nível Médio em Informática, Instituto Federal Catarinense Videira SC, 2. Professor orientador, Instituto Federal Catarinense Videira SC, 1 Introdução Instituições de saúde possuem uma notada dificuldade em conseguir manter o controle de seus fluxos de informação internos. Uma simples passagem pelo setor de clínica médica ou centro cirúrgico de um hospital nos mostra quão grandiosa é esta dificuldade. Apesar de toda a disponibilidade de recursos e tecnologia às instituições hospitalares, é comum deparar-se com hospitais que possuam dificuldades em lidar com a gerência de seus processos. Analisando alguns modelos de processos em unidades hospitalares verifica-se a necessidade de sistemas de gerência de processos. Essa necessidade motivou estudos de sistemas de gerenciamento de workflows. A figura 1 demonstra o setor de Clinica Médica do HU/UFSC com os diversos prontuários dispostos na ilha da enfermeira-chefe. Já a figura 2 demonstra o Serviço de Arquivo Médico SAME/HU com milhares de prontuários. Nestas imagens pode-se observar uma grande quantidade de prontuários e papéis que são manuseados diariamente para atendimento aos pacientes. Esta forma de consulta, é necessária por serem utilizados prontuários em papel que podem acarretar vários problemas, como extravio de documentos ou a inserção de alguma folha que tenha se soltado no prontuário errado e assim torná-la irrecuperável, além da possibilidade mais rara, mas não impossível, da perda completa de um prontuário. Figura 1: Ilha da enfermeira-chefe no setor de clinica médica do HU/UFSC Figura 2: Sala de Serviço de Arquivo Médico do HU/UFSC. Propostas de soluções para estes problemas já foram apresentadas nos trabalhos Cyclops Workflow Server: Uma Proposta para um modelo de um servidor de fluxo de atividades médico-hospitalar publicado em 2005 no V Workshop de Informática Médica [2] e a dissertação de mestrado intitulada Extensão ao Modelo WfMC para Servidores de Workflow em Ambientes Hospitalares defendida em 2007 pelo Programa de Pós-Graduação em Ciências da Computação da Universidade Federal de Santa Catarina [3], que utilizam conceitos de Sistemas de Gerenciamento de Workflow (SGW). O servidor é parte essencial e, por assim

2 dizer, é o principal elemento de um SGW. A solução completa apresenta um modelo teórico de Servidor de SGW baseado em camadas que compreende todas as partes necessárias, desde o recebimento dos dados, processamento e disponibilização dos dados processados. Justifica-se este trabalho, inicialmente, pela conhecida carência existente nas instituições ligadas à área da saúde, sejam elas unidades hospitalares ou unidades de gestão, em manter organizados e controlados seus processos. Ferramentas de Sistemas de Gerenciamento de Workflow são visivelmente indicadas para auxiliar no desenvolvimento de tais processos. Por outro lado, a possibilidade de tornar um modelo teórico e acadêmico em algo aplicável à realidade deslumbra-se como um importante passo na extensão à comunidade do que é produzido na academia. 2 Objetivos Este trabalho tem como objetivo principal realizar a implementação de duas camadas do modelo teórico do Sistema de Gerenciamento de Workflow, apresentados nos trabalhos [2] e [3], utilizando para tal a linguagem de programação C++. Mais especificamente os objetivos dividem-se em: conhecer, detalhadamente, o modelo teórico de Servidor de SGW proposto nos trabalhos [2] e [3]; e implementar, em linguagem C++, as camadas Inference Machine e Message Service Element. 3 Material e Métodos Sistemas de Gerenciamento de Workflow são organizados em sequências de etapas que devem ser seguidas para que possa haver uma organização no processo de trabalho. O SGW procura fazer com que todo esse fluxo de trabalho seja automatizado usando lógicas e métodos computacionais, que podem oferecer mais segurança e também uma maior eficiência. O modelo teórico do SGW proposto em [2] e [3] teve como base fundamental a conformidade, sendo adotado o modelo proposto pela WfMC - The Workflow Management Coalition [1], que se ocupa com o tratamento e a definição de processos, viabilizando padronizações e interfaces de comunicação. Um SGW pode ser apresentado como três partes essenciais: Workflow Designer, ferramenta de modelagem de processos, Workflow Client, aplicação com a função de prover a interação entre o usuário e o sistema e Workflow Server, responsável por todo o gerenciamento e controle do sistema de workflow. Este último é o que contém as duas camadas que serão implementadas. No modelo proposto o servidor de workflow é dividido em camadas que são: Upper Layer Protocol for TCP/IP: É a primeira camada do modelo e trabalha logo acima da camada de rede TCP/IP. É responsável por fazer contato com o sistema operacional e disponibilizar os meios necessários para que seja feita a comunicação entre cliente e servidor. Upper Layer Presentation Data Service e Upper Layer Association Service: Toda a comunicação dos clientes chega ao servidor através de um canal de comunicação disponibilizado pelo serviço de associação e representado pela sub-camada Upper Layer Association Service. Para todo cliente conectado ao servidor existe, uma associação individual que o mesmo solicitou sua liberação através de um serviço específico. A solicitação é enviada à camada Upper Layer Presentation Data Service, que após verificações necessárias, disponibiliza a associação. Cabe a sub-camada Upper Layer Association Service o dever de receber do cliente as mensagens e repassá-las à camada Message Service Element. Também é de responsabilidade da sub-camada Upper Layer Association Service enviar ao cliente as mensagens de retorno. Já à camada Upper Layer Presentation Data Service cabe à

3 responsabilidade de gerência das associações ativas no servidor. Message Service Element: A estrutura das mensagens que chegam ao servidor consiste em um serviço e um objeto que, juntos, compõem um par serviço-objeto. A camada Message Service Element é responsável por identificar qual serviço está sendo solicitado para o objeto e executar os procedimentos necessários. Com exceção dos serviços de associação, todos os outros serviços serão tratados nesta camada e processados na camada Inference Machine quando necessário. Para tanto, a camada Message Service Element tem papel fundamental ao identificar o serviço, resolvê-lo ou repassá-lo à camada Inference Machine. Inference Machine: camada Inference Machine é a mais superficial do modelo, mas nem por isso é a menos importante. O cerne de todo o processamento relativo à gerência e manutenção dos processos de workflow são executados nesta camada. Aqui serão resolvidos serviços originários dos clientes e demais processamentos pertinentes à gerência de processos de workflow. Pode-se citar como um exemplo de operação resolvida nessa camada, a alocação de recursos para a execução de uma determinada atividade. Figura 3. Estrutura do modelo em camadas A figura 3 apresenta o modelo completo, incluindo a camada de rede física e a camada do protocolo TCP/IP (TCP/IP protocol) [4]. 3.1 Aspectos de implementação As camadas do servidor propostas para implementação foram Message Service Element e Inference Machine. Para a implementação foi utilizada a linguagem de programação C++. O primeiro passo na implementação foi definir a estrutura das mensagens que chegam ao servidor. Conforme a proposta as mensagens consistem em serviço e em objeto que, juntos, compõem um par serviço-objeto. Associado a cada serviço existe uma ação que deve ser executada sendo que todas estas ações devem estar em uma base de conhecimento. Portanto, foram criados dois arquivos XML. No primeiro deles foram especificados todos os serviços que o servidor oferece. No segundo, que é a base de conhecimento, estão relacionados todos as informações necessárias para a execução de cada um dos serviços. Foi criada então uma classe que é responsável por receber o segundo arquivo XML (o que contém a base de conhecimento) e identificar qual o serviço que está sendo solicitado. Isso é feito chamando um método responsável por abrir o arquivo XML e recuperar as informações nas tags. Na tag id encontra-se a informação do identificador do serviço. Com esse identificador é possível acionar o método responsável por verificar se o serviço consta na base de conhecimento. Em caso do serviço estar previsto este é executado. A partir daí, com o serviço iniciado, é invocado método responsável por tratar o objeto de acordo com a especificação do serviço requerido. Esse método é executado na camada

4 Inference Machine, que consiste em outra classe responsável pela identificação do objeto e do processamento do mesmo. Por fim, foi desenvolvida uma aplicação cliente na linguagem de programação JAVA. Esta aplicação tem a finalidade de comunicar com o servidor de workflow e inferir serviços, bem como ser uma interface de usuário com o servidor. A aplicação cliente recebe os parâmetros fornecidos pelo usuário, gera os arquivos XML conforme o serviço solicitado e o padrão das mensagens. Após o arquivo XML com a mensagem ser gerado este é enviado ao servidor para ser executado. A figura 4 mostra a tela principal da aplicação onde é possível criar um novo prontuário e a figura 5 apresenta a tela de edição de prontuário, ambas no cliente Java. Figura 4. Tela da aplicação desenvolvida em JAVA 4 Resultados e Discussão Ao concluir o projeto os objetivos propostos foram alcançados com a implementação das camadas Inference Machine e Message Service Element na linguagem de programação C++. Como forma de validação foi definido e codificado alguns serviços para servir de validação para o funcionamento das camadas. Os serviços codificados foram: Criar um novo prontuário eletrônico de paciente, editar o prontuário do paciente e anexar exames ao prontuário. Os serviços foram criados para simular o funcionamento da implementação em uma clínica, no entanto, podem ser acrescentados quaisquer outros serviços que se façam necessários, desde que, respeitadas as regras estabelecidas. A aplicação criada em JAVA serviu para simular a relação cliente-servidor e confirmar que os serviços funcionavam conforme o modelo proposto.

5 Figura 5. Tela de Edição do Prontuário. 5 Conclusão Este projeto, que é parte de um projeto maior, contribuiu para entender como os sistemas podem ajudar na organização e eficiência nos fluxos de trabalhos, mais especificadamente em um ambiente hospitalar. Os processos de criação de prontuário, até então feitos manualmente, podem ser automatizados utilizando técnicas de gerenciamento de workflow. Os objetivos propostos foram cumpridos, pois para que houvesse um bom resultado na implementação, o conhecimento sobre o modelo teórico de Servidor de SGW foi necessário. As implementações em C++ atenderam as especificações no modelo proposto. Como trabalhos futuros propõe-se realizar a implementação das camadas restantes no modelo concluindo a implementação de todo o SGW. Por outro lado, o desenvolvimento do cliente de workflow mais amplo e em conformidade com o modelo proposto. 6 Referências Bibliográficas WfMC - The Workflow management coalition. 01/10/2012. Acessado em RIBEIRO, M.; ANDRADE, R.; WANGENHEIM, A. v. Cyclops Workflow Server: Uma Proposta para um modelo de um servidor de fluxo de atividades médico-hospitalar. Anais do IV Simpósio Brasileiro de Qualidade de Software RIBEIRO, M.; WANGENHEIM, A. v. Extensão ao Modelo WfMC para Servidores de Workflow em Ambientes Hospitalares. Dissertação de Mestrado submetida ao Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação da Universidade Federal de Santa Catarina RIBEIRO, M., FERREIRA, L., ANDRADE, R., WANGENHEIM, A. V. Medical Workflow Management - Uma Proposta para Gerenciamento do Processo Hospitalar Utilizando a Tecnologia de Workflow Integrada ao Padrão DICOM. Anais do Congresso CBComp O presente trabalho foi realizado com apoio do CNPq, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico Brasil.

IMPLANTAÇÃO, ANÁLISE E MODELAGEM DE UM SISTEMA DE WORKFLOW HOSPITALAR

IMPLANTAÇÃO, ANÁLISE E MODELAGEM DE UM SISTEMA DE WORKFLOW HOSPITALAR IMPLANTAÇÃO, ANÁLISE E MODELAGEM DE UM SISTEMA DE WORKFLOW HOSPITALAR Vanessa P. Leite 1, 2 Manassés Ribeiro 2 Eros Comunello 1, 2 1 Universidade do Vale do Itajaí UNIVALI Faculdade de Ciência da Computação,

Leia mais

IMPLANTAÇÃO, ANÁLISE E MODELAGEM DE UM SISTEMA DE WORKFLOW HOSPITALAR

IMPLANTAÇÃO, ANÁLISE E MODELAGEM DE UM SISTEMA DE WORKFLOW HOSPITALAR IMPLANTAÇÃO, ANÁLISE E MODELAGEM DE UM SISTEMA DE WORKFLOW HOSPITALAR Vanessa P. Leite 1, 2 Manassés Ribeiro 2 Eros Comunello 1, 2 Vilcionei Weirich 1 1 Universidade do Vale do Itajaí UNIVALI Faculdade

Leia mais

IMPLANTAÇÃO, ANÁLISE E MODELAGEM DE UM SISTEMA DE WORKFLOW HOSPITALAR

IMPLANTAÇÃO, ANÁLISE E MODELAGEM DE UM SISTEMA DE WORKFLOW HOSPITALAR 1 IMPLANTAÇÃO, ANÁLISE E MODELAGEM DE UM SISTEMA DE WORKFLOW HOSPITALAR Vanessa P. Leite 1, 2, Eros Comunello 1, 2, Manassés Ribeiro 2 1 Centro de Ciências Tecnológicas da Terra e do Mar Universidade do

Leia mais

INTEGRAÇÃO DE APLICAÇÕES UTILIZANDO WEB SERVICE 1. Kellen Kristine Perazzoli 2 ; Manassés Ribeiro 3

INTEGRAÇÃO DE APLICAÇÕES UTILIZANDO WEB SERVICE 1. Kellen Kristine Perazzoli 2 ; Manassés Ribeiro 3 INTEGRAÇÃO DE APLICAÇÕES UTILIZANDO WEB SERVICE 1 Kellen Kristine Perazzoli 2 ; Manassés Ribeiro 3 INTRODUÇÃO Atualmente empresas de diversos portes estão encontrando nos web services soluções para seus

Leia mais

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl Roteiro de apresentação Introdução Objetivos Fundamentação Teórica Workflow Processo

Leia mais

UM SISTEMA DE MONITORAMENTO E GERÊNCIA DA REDE CATARINENSE DE TELEMEDICINA

UM SISTEMA DE MONITORAMENTO E GERÊNCIA DA REDE CATARINENSE DE TELEMEDICINA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA UM SISTEMA DE MONITORAMENTO E GERÊNCIA DA REDE CATARINENSE DE TELEMEDICINA MIGUEL LEONARDO CHINCHILLA

Leia mais

Web Services. (Introdução)

Web Services. (Introdução) Web Services (Introdução) Agenda Introdução SOA (Service Oriented Architecture) Web Services Arquitetura XML SOAP WSDL UDDI Conclusão Introdução Comunicação distribuída Estratégias que permitem a comunicação

Leia mais

Introdução. aborda algumas das metodologias de conversão de imagens médicas no padrão DICOM para o padrão XML

Introdução. aborda algumas das metodologias de conversão de imagens médicas no padrão DICOM para o padrão XML DICOM - XML Introdução aborda algumas das metodologias de conversão de imagens médicas no padrão DICOM para o padrão XML Introdução Até a década de 70, maioria dos dispositivos armazenava imagens em formatos

Leia mais

Definição de Processos de Workflow

Definição de Processos de Workflow Definição de Processos de Tiago Telecken Universidade Federal do Rio Grande do Sul telecken@inf.ufrgs.br Resumo Este artigo apresenta uma introdução a tecnologia de workflow informando noções básicas sobre

Leia mais

AUTOMATIZAÇÃO DE PROCESSOS EM APLICAÇÕES DE GESTÃO DE INCIDENTES UTILIZANDO BPMN

AUTOMATIZAÇÃO DE PROCESSOS EM APLICAÇÕES DE GESTÃO DE INCIDENTES UTILIZANDO BPMN UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO AUTOMATIZAÇÃO DE PROCESSOS EM APLICAÇÕES DE GESTÃO DE INCIDENTES UTILIZANDO BPMN Eduardo Leopoldino de Souza Prof. Cláudio Ratke, Orientador

Leia mais

APLICAÇÕES EM SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

APLICAÇÕES EM SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 6 - ALGORÍTIMOS PARALELOS MPI - Parallel Virtual Machine e PVM - Parallel Virtual Machine 1. INTRODUÇÃO Inicialmente é necessário conceber alguns conceitos para entendimento dos algoritmos paralelos:

Leia mais

Exemplos práticos do uso de RMI em sistemas distribuídos

Exemplos práticos do uso de RMI em sistemas distribuídos Exemplos práticos do uso de RMI em sistemas distribuídos Elder de Macedo Rodrigues, Guilherme Montez Guindani, Leonardo Albernaz Amaral 1 Fábio Delamare 2 Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande

Leia mais

Serviços Web: Introdução

Serviços Web: Introdução Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Maranhão Objetivos Nesta aula

Leia mais

FAÇA FÁCIL: DRIVER IGS PARA COMUNICAÇÃO DE PROTOCOLOS PROPRIETÁRIOS INTRODUÇÃO

FAÇA FÁCIL: DRIVER IGS PARA COMUNICAÇÃO DE PROTOCOLOS PROPRIETÁRIOS INTRODUÇÃO FAÇA FÁCIL: DRIVER IGS PARA COMUNICAÇÃO DE PROTOCOLOS PROPRIETÁRIOS INTRODUÇÃO O Driver IGS possui um módulo de configuração que possibilita a comunicação com protocolos proprietários. Trata-se do Driver

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Centro de Recursos Computacionais - CERCOMP Divisão de Sistemas. Criação de uma Serviço de Geração de Relatórios

Universidade Federal de Goiás Centro de Recursos Computacionais - CERCOMP Divisão de Sistemas. Criação de uma Serviço de Geração de Relatórios Universidade Federal de Goiás Centro de Recursos Computacionais - CERCOMP Divisão de Sistemas Criação de uma Serviço de Geração de Relatórios Goiânia 12/2011 Versionamento 12/12/2011 Hugo Marciano... 1.0

Leia mais

Desenvolvimento de Aplicações Web

Desenvolvimento de Aplicações Web Desenvolvimento de Aplicações Web André Tavares da Silva andre.silva@udesc.br Método de Avaliação Serão realizadas duas provas teóricas e dois trabalhos práticos. MF = 0,1*E + 0,2*P 1 + 0,2*T 1 + 0,2*P

Leia mais

ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR

ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR DENOMINAÇÃO DO CARGO: ANALISTA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Desenvolver e implantar sistemas informatizados, dimensionando requisitos e funcionalidades do

Leia mais

Arquitetura de Software: Uma Central para Gestão da execução de serviços

Arquitetura de Software: Uma Central para Gestão da execução de serviços Arquitetura de Software: Uma Central para Gestão da execução de serviços ADILSON FERREIRA DA SILVA Centro Paula Souza São Paulo Brasil afs.software@gmail.com Prof.a. Dr.a. MARILIA MACORIN DE AZEVEDO Centro

Leia mais

UMA ABORDAGEM SOBRE A INTERFACE DE PROGRAMAÇÃO DE APLICAÇÕES SOCKETS E A IMPLEMENTAÇÃO DE UM SERVIDOR HTTP

UMA ABORDAGEM SOBRE A INTERFACE DE PROGRAMAÇÃO DE APLICAÇÕES SOCKETS E A IMPLEMENTAÇÃO DE UM SERVIDOR HTTP UMA ABORDAGEM SOBRE A INTERFACE DE PROGRAMAÇÃO DE APLICAÇÕES SOCKETS E A IMPLEMENTAÇÃO DE UM SERVIDOR HTTP Alan Jelles Lopes Ibrahim, alan.jelles@hotmail.com Eduardo Machado Real, eduardomreal@uems.br

Leia mais

IA847 - Projeto. Sistema de Coordenação do Acesso para Web Labs. Março de 2007

IA847 - Projeto. Sistema de Coordenação do Acesso para Web Labs. Março de 2007 IA847 - Projeto Sistema de Coordenação do Acesso para Web Labs Março de 2007 1 Objetivos O sistema a ser desenvolvido tem por objetivo coordenar o acesso por parte de um grupo de usuários a um Web Lab.

Leia mais

Desenvolvendo uma Arquitetura de Componentes Orientada a Serviço SCA

Desenvolvendo uma Arquitetura de Componentes Orientada a Serviço SCA Desenvolvendo uma Arquitetura de Componentes Orientada a Serviço SCA RESUMO Ricardo Della Libera Marzochi A introdução ao Service Component Architecture (SCA) diz respeito ao estudo dos principais fundamentos

Leia mais

PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE INTRANETS

PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE INTRANETS PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE INTRANETS Aulas : Terças e Quintas Horário: AB Noite [18:30 20:20hs] PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE INTRANETS 1 Conteúdo O que Rede? Conceito; Como Surgiu? Objetivo; Evolução Tipos de

Leia mais

APLICATIVO WEB PARA O SETOR DE EXTENSÃO IFC VIDEIRA

APLICATIVO WEB PARA O SETOR DE EXTENSÃO IFC VIDEIRA APLICATIVO WEB PARA O SETOR DE EXTENSÃO IFC VIDEIRA Autores: Claudiléia Gaio BANDT; Tiago HEINECK; Patrick KOCHAN; Leila Lisiane ROSSI; Angela Maria Crotti da ROSA Identificação autores: Aluna do Curso

Leia mais

Uc-Redes Técnico em Informática André Luiz Silva de Moraes

Uc-Redes Técnico em Informática André Luiz Silva de Moraes Roteiro 2: Conceitos Básicos de Redes: parte 1 Neste roteiro são detalhados os equipamentos componentes em uma rede de computadores. Em uma rede existem diversos equipamentos que são responsáveis por fornecer

Leia mais

Workflow: Uma solução efetiva para o Gerenciamento Hospitalar

Workflow: Uma solução efetiva para o Gerenciamento Hospitalar Workflow: Uma solução efetiva para o Gerenciamento Hospitalar Levi Ferreira, Rafael Andrade, Aldo von Wangenheim The Cyclops Project Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) Florianópolis - SC - Brasil

Leia mais

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier Princípios de Análise e Projeto de Sistemas com UML 2ª edição Eduardo Bezerra Editora Campus/Elsevier Capítulo 11 Arquitetura do sistema Nada que é visto, é visto de uma vez e por completo. --EUCLIDES

Leia mais

Geração e execução de scripts de teste em aplicações web a partir de casos de uso direcionados por comportamento 64

Geração e execução de scripts de teste em aplicações web a partir de casos de uso direcionados por comportamento 64 direcionados por comportamento 64 5 Estudo de caso Neste capítulo serão apresentadas as aplicações web utilizadas na aplicação da abordagem proposta, bem como a tecnologia em que foram desenvolvidas, o

Leia mais

WORKFLOW. Mapeamento de Processos de Negócio 26/11/2009. Tadeu Cruz, Prof. M.Sc. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

WORKFLOW. Mapeamento de Processos de Negócio 26/11/2009. Tadeu Cruz, Prof. M.Sc. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS WORKFLOW Mapeamento de Processos de Negócio Tadeu Cruz, Prof. M.Sc. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS É proibido a reprodução total ou parcial de qualquer forma ou por qualquer meio sem a expressa autorização

Leia mais

www.f2b.com.br 18/04/2006 Micropagamento F2b Web Services Web rev 00

www.f2b.com.br 18/04/2006 Micropagamento F2b Web Services Web rev 00 www.f2b.com.br 18/04/2006 Micropagamento F2b Web Services Web rev 00 Controle de Revisões Micropagamento F2b Web Services/Web 18/04/2006 Revisão Data Descrição 00 17/04/2006 Emissão inicial. www.f2b.com.br

Leia mais

Um Simulador para Avaliação da Antecipação de Tarefas em Sistemas Gerenciadores de Workflow

Um Simulador para Avaliação da Antecipação de Tarefas em Sistemas Gerenciadores de Workflow Um Simulador para Avaliação da Antecipação de Tarefas em Sistemas Gerenciadores de Workflow Resumo. A fim de flexibilizar o fluxo de controle e o fluxo de dados em Sistemas Gerenciadores de Workflow (SGWf),

Leia mais

Workflow Management Systems

Workflow Management Systems Workflow Management Systems João Sequeira Tecnologias de Middleware 28 Outubro 2004 Plano de Apresentação Introdução O que são WfMS Background Histórico Definição de Sistemas de Workflow Execução de um

Leia mais

PACS - Um Conceito Obsoleto?

PACS - Um Conceito Obsoleto? Cyclops LAPIX - INE - UFSC PACS - Um Conceito Obsoleto? Dr rer nat Aldo von Wangenheim Projeto Cyclops Laboratório rio de Telemedicina Hospital Universitário rio Ernani de São Thiago Universidade Federal

Leia mais

PRÓTOTIPO MÓVEL DE TELEMEDICINA PARA AUXILIO DE DIAGNOSTICO CARDIACO COM ECG EM CARATER EMERGENCIAL

PRÓTOTIPO MÓVEL DE TELEMEDICINA PARA AUXILIO DE DIAGNOSTICO CARDIACO COM ECG EM CARATER EMERGENCIAL PRÓTOTIPO MÓVEL DE TELEMEDICINA PARA AUXILIO DE DIAGNOSTICO CARDIACO COM ECG EM CARATER EMERGENCIAL Adson Diego Dionisio da SILVA 1, Saulo Soares de TOLEDO², Luiz Antonio Costa Corrêa FILHO³, Valderí Medeiros

Leia mais

Web Service - NFS-e. Definição das especificações e critérios técnicos necessários para utilização do WebService. FREIRE INFORMÁTICA Versão 2.

Web Service - NFS-e. Definição das especificações e critérios técnicos necessários para utilização do WebService. FREIRE INFORMÁTICA Versão 2. 2014 Web Service - NFS-e Definição das especificações e critérios técnicos necessários para utilização do WebService Este manual tem como objetivo orientar os usuários, sobre os procedimentos relativos

Leia mais

Uc-Redes Técnico em Informática André Luiz Silva de Moraes

Uc-Redes Técnico em Informática André Luiz Silva de Moraes Roteiro 2: Conceitos Básicos de Redes: parte 1 Neste roteiro são detalhados os equipamentos componentes em uma rede de computadores. Em uma rede existem diversos equipamentos que são responsáveis por fornecer

Leia mais

Mobile Command. Diego Armando Gusava. Orientador: Mauro Marcelo Mattos

Mobile Command. Diego Armando Gusava. Orientador: Mauro Marcelo Mattos Mobile Command Diego Armando Gusava Orientador: Mauro Marcelo Mattos Roteiro Introdução Objetivos Fundamentação teórica Desenvolvimento Implementação Conclusão Extensões Introdução O que me motivou? Solução

Leia mais

PROCESSOS DE NEGÓCIOS: UMA VISÃO GERAL

PROCESSOS DE NEGÓCIOS: UMA VISÃO GERAL Universidade Federal de Santa Maria Sistemas de Informação ELC1093 Modelagem de Processos de Negócio PROCESSOS DE NEGÓCIOS: UMA VISÃO GERAL Profa. Lisandra Manzoni Fontoura Objetivos da Aula: Processos

Leia mais

Roteiro 2 Conceitos Gerais

Roteiro 2 Conceitos Gerais Roteiro 2 Conceitos Gerais Objetivos: UC Projeto de Banco de Dados Explorar conceitos gerais de bancos de dados; o Arquitetura de bancos de dados: esquemas, categorias de modelos de dados, linguagens e

Leia mais

Millennium ECO 2.0 (beta)

Millennium ECO 2.0 (beta) MILLENNIUM NETWORK Millennium ECO 2.0 (beta) Documentação Técnica (draft) 10/2013 Este documento contém as instruções para a utilização da biblioteca Millenium_Eco que se presta à comunicação de aplicativos

Leia mais

Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços. Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena

Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços. Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena Tópicos Motivação e Objetivos LP e SOA Processo ADESE

Leia mais

Softwares educativos com tecnologias Multimídia: uma ferramenta para apoio ao ensino da Matemática

Softwares educativos com tecnologias Multimídia: uma ferramenta para apoio ao ensino da Matemática Softwares educativos com tecnologias Multimídia: uma ferramenta para apoio ao ensino da Matemática Carlos Vitor de Alencar Carvalho1 1 Universidade Severino Sombra, Docente do Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Novas Tecnologias para Construção do Prontuário Eletrônico do Paciente

Novas Tecnologias para Construção do Prontuário Eletrônico do Paciente Novas Tecnologias para Construção do Prontuário Eletrônico do Paciente Fabiane Bizinella Nardon 1, Sérgio Furuie 2, Umberto Tachinardi 3 Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina

Leia mais

Encontro dos Usuários do EMME/2 do Brasil

Encontro dos Usuários do EMME/2 do Brasil Encontro dos Usuários do EMME/2 do Brasil Novembro / 2004 ENIF EM MODO SERVIDOR EMME/2 - LINGUAGEM DE COMANDOS DE MACRO Utilidades: Automatização de processos complexos ou repetitivos Portabilidade Intercâmbio

Leia mais

4 O Workflow e a Máquina de Regras

4 O Workflow e a Máquina de Regras 4 O Workflow e a Máquina de Regras O objetivo do workflow e da máquina de regras é definir um conjunto de passos e regras configuráveis. Ao longo de sua execução, um usuário consegue simplificar o seu

Leia mais

SAPENS - Sistema Automático de Páginas de Ensino

SAPENS - Sistema Automático de Páginas de Ensino SAPENS - Sistema Automático de Páginas de Ensino Eduardo Kokubo kokubo@inf.univali.br Fabiane Barreto Vavassori, MSc fabiane@inf.univali.br Universidade do Vale do Itajaí - UNIVALI Centro de Ensino Superior

Leia mais

Prontuário Pessoal Eletrônico com Web Services na Urologia

Prontuário Pessoal Eletrônico com Web Services na Urologia Prontuário Pessoal Eletrônico com Web Services na Urologia Anita Maria da Rocha Fernandes 1, Vilcionei Márcio Weirich 2 1 Universidade do Vale do Itajaí UNIVALI Faculdade de Ciências da Computação, Campus

Leia mais

ATA - Exercícios Informática Carlos Viana. 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor.

ATA - Exercícios Informática Carlos Viana. 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. ATA - Exercícios Informática Carlos Viana 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. ATA EXERCÍCIOS CARLOS VIANA 01 -Existem vários tipos de vírus de computadores, dentre

Leia mais

1. DESCRIÇÃO DO SIE Sistema de Informações para o Ensino

1. DESCRIÇÃO DO SIE Sistema de Informações para o Ensino 1. DESCRIÇÃO DO SIE Sistema de Informações para o Ensino O SIE é um sistema aplicativo integrado, projetado segundo uma arquitetura multicamadas, cuja concepção funcional privilegiou as exigências da Legislação

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Modelos e arquitecturas 14/15 Sistemas Distribuídos 1 Modelos arquitecturais 14/15 Sistemas Distribuídos 2 Camadas de Software: o Middleware Aplicações Middleware Sistema Operativo

Leia mais

OFERTAS PARA A ÁREA DE SAÚDE

OFERTAS PARA A ÁREA DE SAÚDE OFERTAS PARA A ÁREA DE SAÚDE PROBLEMAS COMUNS NA AREA DE SAUDE Intensivo Trabalho Manual Circulação excessiva de documentos físicos Múltiplos sistemas sem integração e com duplicidade de trabalho. Dificuldade

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Soquetes Um soquete é formado por um endereço IP concatenado com um número de porta. Em geral, os soquetes utilizam uma arquitetura cliente-servidor. O servidor espera por pedidos

Leia mais

SisLegis Sistema de Cadastro e Controle de Leis

SisLegis Sistema de Cadastro e Controle de Leis Sistema de Cadastro e Controle de Leis Desenvolvido por Fábrica de Software Coordenação de Tecnologia da Informação Pág 1/22 Módulo: 1 Responsável: Desenvolvimento Ti Data: 01/11/2012 Versão: 1.0 Empresa:

Leia mais

Nota de aplicação: Desenvolvimento de Páginas no PO9900 - WebGate

Nota de aplicação: Desenvolvimento de Páginas no PO9900 - WebGate Nota de aplicação NAP080 Desenvolvimento de Páginas no PO9900 - WebGate Altus Sistemas de Informática S.A. Página: 1 Sumário 1. Introdução...3 1.1 Páginas do WebGate... 3 2. Árvore de Navegação...3 3.

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia

Universidade Federal de Uberlândia EDITAL Nº05/ PROGRAD/ DIREN/2010 ANEXO II 1 Título do Projeto: Automação de Fluxo de Trabalho Administrativo 2- Nome do Orientador: Autran Macêdo 3 Unidade: FACOM 4- Curso: Bacharelado em Ciência da Computação

Leia mais

Ementário do Curso Técnico em Informática para Internet

Ementário do Curso Técnico em Informática para Internet 1 Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Rio de Janeiro - IFRJ Pró-Reitoria de Ensino Médio e Técnico Campus Engenheiro Paulo de Frontin Direção de

Leia mais

Desenvolvimento Cliente-Servidor 1

Desenvolvimento Cliente-Servidor 1 Desenvolvimento Cliente- 1 Ambiienttes de Desenvollviimentto Avançados Engenharia Informática Instituto Superior de Engenharia do Porto Alexandre Bragança 1998/99 Ambientes de Desenvolvimento Avançados

Leia mais

Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro

Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro Julho / 2.012 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 29/07/2012 1.0 Versão inicial Ricardo Kiyoshi Página 2 de 11 Conteúdo 1. SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Nome e titulação do Coordenador: Coordenador: Prof. Wender A. Silva - Mestrado em Engenharia Elétrica (Ênfase em Processamento da Informação). Universidade

Leia mais

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição 15 2 Conceitos relativos a Web services e sua composição A necessidade de flexibilidade na arquitetura das aplicações levou ao modelo orientado a objetos, onde os processos de negócios podem ser representados

Leia mais

Notas de Aplicação. Utilizando o servidor de comunicação SCP Server. HI Tecnologia. Documento de acesso público

Notas de Aplicação. Utilizando o servidor de comunicação SCP Server. HI Tecnologia. Documento de acesso público Notas de Aplicação Utilizando o servidor de comunicação SCP Server HI Tecnologia Documento de acesso público ENA.00024 Versão 1.02 dezembro-2006 HI Tecnologia Utilizando o servidor de comunicação SCP Server

Leia mais

Web Services. Autor: Rômulo Rosa Furtado

Web Services. Autor: Rômulo Rosa Furtado Web Services Autor: Rômulo Rosa Furtado Sumário O que é um Web Service. Qual a finalidade de um Web Service. Como funciona o serviço. Motivação para o uso. Como construir um. Referências. Seção: O que

Leia mais

PROGRAMAÇÃO AVANÇADA -CONCEITOS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br

PROGRAMAÇÃO AVANÇADA -CONCEITOS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br PROGRAMAÇÃO AVANÇADA -CONCEITOS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br ROTEIRO 1. Conceitos de Orientação a Objetos Introdução O paradigma da POO Classes

Leia mais

Solicitação de Equipamento Verba de Projeto Abril 2006

Solicitação de Equipamento Verba de Projeto Abril 2006 Solicitação de Equipamento Verba de Projeto Abril 2006 2 Sumário 1 DEFINIÇÃO DE WORKFLOW... 3 2 WORKFLOW DE SOLICITAÇÃO DE EQUIPAMENTO COM VERBA DE PROJETO. 4 2.1 FINALIDADE... 4 2.2 ESTRUTURA DO E-MAIL

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE SOCKETS E THREADS NO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS CLIENTE / SERVIDOR: UM ESTUDO EM VB.NET

IMPLEMENTAÇÃO DE SOCKETS E THREADS NO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS CLIENTE / SERVIDOR: UM ESTUDO EM VB.NET 1 IMPLEMENTAÇÃO DE SOCKETS E THREADS NO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS CLIENTE / SERVIDOR: UM ESTUDO EM VB.NET Daniel da Silva Carla E. de Castro Franco Diogo Florenzano Avelino daniel.silva1@ext.mpsa.com

Leia mais

Wilson Moraes Góes. Novatec

Wilson Moraes Góes. Novatec Wilson Moraes Góes Novatec Copyright 2014 Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução desta obra, mesmo parcial, por qualquer processo,

Leia mais

Paradigma Cliente/Servidor

Paradigma Cliente/Servidor Paradigma Cliente/Servidor Mário Meireles Teixeira UFMA Departamento de Informática Dezembro, 2012 Comunicação em Sistemas Distribuídos! Os processos em um SD estão lógica e fisicamente separados. Precisam

Leia mais

Programação de Computadores - I. Profª Beatriz Profº Israel

Programação de Computadores - I. Profª Beatriz Profº Israel Programação de Computadores - I Profª Beatriz Profº Israel Ambiente de Desenvolvimento Orientação a Objetos É uma técnica de desenvolvimento de softwares que consiste em representar os elementos do mundo

Leia mais

Considerando-se a especificação de requisitos de um software, é INCORRETO afirmar que esse documento

Considerando-se a especificação de requisitos de um software, é INCORRETO afirmar que esse documento QUESTÕES DE TI QUESTÃO 16 Considerando-se o número de pontos de função para a estimativa do tamanho de um software, é INCORRETO afirmar que, na contagem de pontos, leva-se em consideração A) as compilações

Leia mais

PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS

PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS Élysson Mendes Rezende Bacharelando em Sistemas de Informação Bolsista de Iniciação Científica

Leia mais

Comunicando através da rede

Comunicando através da rede Comunicando através da rede Fundamentos de Rede Capítulo 2 1 Estrutura de Rede Elementos de comunicação Três elementos comuns de comunicação origem da mensagem o canal destino da mensagem Podemos definir

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS

ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS RESUMO Este artigo apresenta a especificação de um sistema gerenciador de workflow, o ExPSEE, de acordo com a abordagem de desenvolvimento baseado

Leia mais

Quinta Lista de Exercícios -

Quinta Lista de Exercícios - INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO COORDENADORIA DE INFORMÁTICA LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO Quinta Lista de Exercícios - INSTRUÇÕES: 1) Nesta lista de exercícios, vamos nos preocupar em implementar o comportamento

Leia mais

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO Intranets FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO As intranets são redes internas às organizações que usam as tecnologias utilizadas na rede mundial

Leia mais

Portal do Servidor Publico. Cartilha de Orientação Acesso ao PORTAL

Portal do Servidor Publico. Cartilha de Orientação Acesso ao PORTAL Portal do Servidor Publico Cartilha de Orientação Acesso ao PORTAL 1 Indice Apresentação do Portal... 03 Acesso ao Portal do Servidor Publico... 04 Solicitar Senha... 04 Disponibilidade do Portal... 06

Leia mais

HELP DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA ONLINE DOCTOR/SBOT PARA SECRETÁRIAS

HELP DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA ONLINE DOCTOR/SBOT PARA SECRETÁRIAS HELP DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA ONLINE DOCTOR/SBOT PARA SECRETÁRIAS 1 - A TELA AGENDA 1.1 - TIPOS DE AGENDA 1.1.1 AGENDA NORMAL 1.1.2 AGENDA ENCAIXE 2 - AGENDANDO CONSULTAS 2.1 - AGENDANDO UMA CONSULTA NA

Leia mais

A.G.C de Sá 1 ; B.A. de Mello 2 ; CEP: 37200-000 e-mail: alexgcsa@gmail.com. e-mail: bramlo@gmail.com

A.G.C de Sá 1 ; B.A. de Mello 2 ; CEP: 37200-000 e-mail: alexgcsa@gmail.com. e-mail: bramlo@gmail.com 1 Geração automática de um modelo para simulação do SEP A.G.C de Sá 1 ; B.A. de Mello 2 ; 1 Departamento de Ciência da Computação UFLA Lavras, MG CEP: 37200-000 e-mail: alexgcsa@gmail.com 2 Ciências da

Leia mais

Conteúdo Dinâmico. Introdução. Interação Browser x Servidor Web. Interação Browser x Servidor Web

Conteúdo Dinâmico. Introdução. Interação Browser x Servidor Web. Interação Browser x Servidor Web Introdução Formulários rios & Conteúdo Dinâmico Mário Antonio Meireles Teixeira Dept o. de Informática - UFMA A Web surgiu inicialmente como uma nova forma de comunicação de informações, fazendo uso de

Leia mais

Integrando Serviços de Radiologia através de um Portal de Bancos de Dados de Imagens Médicas Distribuído usando CORBA

Integrando Serviços de Radiologia através de um Portal de Bancos de Dados de Imagens Médicas Distribuído usando CORBA Integrando Serviços de Radiologia através de um Portal de Bancos de Dados de Imagens Médicas Distribuído usando CORBA VON WANGENHEIM, A. ; KRECHEL, Dirk ; BARROS JR, E. M. ; BIASI, H. H. de ; RIBEIRO,

Leia mais

Padrões Arquiteturais e de Integração - Parte 1

Padrões Arquiteturais e de Integração - Parte 1 1 / 58 - Parte 1 Erick Nilsen Pereira de Souza T017 - Arquitetura e Design de Aplicações Análise e Desenvolvimento de Sistemas Universidade de Fortaleza - UNIFOR 11 de fevereiro de 2015 2 / 58 Agenda Tópicos

Leia mais

Workflow: Adicionando Coordenação das Atividades. Fábio Bezerra fbezerra@ic.unicamp.br

Workflow: Adicionando Coordenação das Atividades. Fábio Bezerra fbezerra@ic.unicamp.br Workflow: Adicionando Coordenação das Atividades Fábio Bezerra fbezerra@ic.unicamp.br Agenda Introdução Workflow Sistema Gerenciador de Workflow WfMC Modelo e Instância Workflows ad hoc Referências O que

Leia mais

Uma Arquitetura de Linha de Produto Baseada em Componentes para Sistemas de Gerenciamento de Workflow

Uma Arquitetura de Linha de Produto Baseada em Componentes para Sistemas de Gerenciamento de Workflow Uma Arquitetura de Linha de Produto Baseada em Componentes para Sistemas de Gerenciamento de Workflow Itana M. S. Gimenes 1 itana@din.uem.br Fabrício R. Lazilha 2 fabricio@cesumar.br Edson A. O. Junior

Leia mais

Sistemas para internet e software livre

Sistemas para internet e software livre Sistemas para internet e software livre Metodologia de modelagem de aplicações WEB Image: FreeDigitalPhotos.net Domínio: Elementos de aplicação WEB Páginas Web Scripts Formulários Applets e ActiveX Motivação

Leia mais

SISTEMA I-KERNEL: UM KERNEL INTELIGENTE PARA O SIMPREBAL SISTEMA DE MANUTENÇÃO PREDITIVA DE BALBINA

SISTEMA I-KERNEL: UM KERNEL INTELIGENTE PARA O SIMPREBAL SISTEMA DE MANUTENÇÃO PREDITIVA DE BALBINA PROGRAMA DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO CICLO 2003/2004 Nº DO CONTRATO: 4500052325 Nº DO PROJETO: 128 INÍCIO: 28/09/2005 DURAÇÃO: 24 meses A. Instituição executora: B. Título do Projeto: Modernização

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Informática / Campus Global

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Informática / Campus Global Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Informática / Campus Global Sistema de Aproveitamento de Disciplinas da Faculdade de Informática da PUCRS: uma sistemática de gerência

Leia mais

Documento de Requisitos de Sistemas. SGC Sistema Gerenciador de Clínicas

Documento de Requisitos de Sistemas. SGC Sistema Gerenciador de Clínicas Documento de Requisitos de Sistemas SGC Sistema Gerenciador de Clínicas Versão 1.0 Autores: Angelo Alexandre Pinter Estevão Danilo Abílio Luiz Guilherme Schlickmann Espíndola Leonardo Machado Fernandes

Leia mais

Processos de Desenvolvimento de Software

Processos de Desenvolvimento de Software Processos de Desenvolvimento de Software Gerenciamento de Projetos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e

Leia mais

Guia Prático para importação de Mensagens do Gears para o MAilArchiver

Guia Prático para importação de Mensagens do Gears para o MAilArchiver Guia Prático para importação de Mensagens do Gears para o MAilArchiver Import Gears O que é o Import Gears? Trata-se de um utilitário acessório que faz parte da solução MailArchiver: sua finalidade é realizar

Leia mais

Temas para a Primeira Avalição

Temas para a Primeira Avalição Temas 1. Envio de E-Mail Anônimo Quando um usuário deseja enviar uma mensagem de correio eletrônico pela Internet, ele utiliza um programa cliente Simple Mail Transfer Protocol (SMTP), tal como o Thunderbird,

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Testes de Software Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http://www.edilms.eti.br Introdução Teste é um conjunto de atividades que pode ser planejado antecipadamente

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC MONSENHOR ANTONIO MAGLIANO Código: 088 Município: Garça Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de

Leia mais

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral 9.1 Programa do Módulo 2 Orientação a Objetos Conceitos Básicos Análise Orientada a Objetos (UML) O Processo Unificado (RUP) Processo Unificado: Visão Geral 9.2 Encaixa-se na definição geral de processo:

Leia mais

Serviços Web: Arquitetura

Serviços Web: Arquitetura Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Maranhão Objetivos Nesta aula

Leia mais

agility IMPAX Muito mais do que PACS

agility IMPAX Muito mais do que PACS agility IMPAX Muito mais do que PACS Desempenho Sermos os primeiros da América Latina a usar a solução nos tem possibilitado contribuir com sugestões para torná-lo ainda melhor e mais eficaz. Na prática,

Leia mais

Conecta S_Line. 2.2 Downloads Para instalar o Conecta S_Line, basta acessar www.sline.com.br/downloads.aspx

Conecta S_Line. 2.2 Downloads Para instalar o Conecta S_Line, basta acessar www.sline.com.br/downloads.aspx 1 Introdução O Conecta S_Line permite que o laboratório envie à Central S_Line os resultados de exames gerados pelo Sistema de Informação Laboratorial (LIS) em forma de arquivos digitais. Todo o processo

Leia mais

SISTEMA DE BANCO DE DADOS. Banco e Modelagem de dados

SISTEMA DE BANCO DE DADOS. Banco e Modelagem de dados SISTEMA DE BANCO DE DADOS Banco e Modelagem de dados Sumário Conceitos/Autores chave... 3 1. Introdução... 4 2. Arquiteturas de um Sistema Gerenciador... 5 3. Componentes de um Sistema... 8 4. Vantagens

Leia mais

SISTEMA DE GERENCIAMENTO E CONTROLE DE DOCUMENTOS DE TCC E ESTÁGIO

SISTEMA DE GERENCIAMENTO E CONTROLE DE DOCUMENTOS DE TCC E ESTÁGIO SISTEMA DE GERENCIAMENTO E CONTROLE DE DOCUMENTOS DE TCC E ESTÁGIO Marcelo Karpinski Brambila 1, Luiz Gustavo Galves Mahlmann 2 1 Acadêmico do Curso de Sistemas de Informação da ULBRA Guaíba < mkbrambila@terra.com.br

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET MATRIZ CURRICULAR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET MATRIZ CURRICULAR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET MATRIZ CURRICULAR 1º SEMESTRE P101 Desenvolvimento Web 80 CE05 CE06 P102 Língua Portuguesa 40 CG08 CG13 P103 Algoritmos e Lógica de Programação 80

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Comunicação Remota Gustavo Reis gustavo.reis@ifsudestemg.edu.br 1 Comunicação entre processos está no coração de todo sistema distribuído. Não tem sentido estudar sistemas distribuídos

Leia mais

Hospitalares(HIS) com o. e Arquivamento de Imagens Médicas(PACS) Serviço de Informática - SINFO

Hospitalares(HIS) com o. e Arquivamento de Imagens Médicas(PACS) Serviço de Informática - SINFO Integração do Sistema de Informações Hospitalares(HIS) com o Sistema de Transmissão, Distribuição e Arquivamento de Imagens Médicas(PACS) Serviço de Informática - SINFO Instituto tuto do Coração de São

Leia mais